PERÍCIA CONTÁBIL NAS CAUSAS JUDICIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERÍCIA CONTÁBIL NAS CAUSAS JUDICIAIS"

Transcrição

1 PERÍCIA CONTÁBIL NAS CAUSAS JUDICIAIS AULA 6 Apresentada por Prof. Dr. José Paulo Cosenza Universidade Federal Fluminense - UFF Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Curso de Graduação em Ciências Contábeis Niterói/RJ, 1º Semestre de 2012

2 São inúmeros os casos de ações judiciais para os quais se requer ã perícia contábil alicerçada e elementos que provem o que se quer demonstrar Onde há o envolvimento de fatos patrimoniais de pessoas, instituições e empresas, e onde esteja sendo julgado o direito patrimonial, aí está a perícia como auxiliar à frente nos julgamentos

3 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Exame, análise e identificação de erros ou fraudes Executada na fase de instrução do processo é a prova técnica contábil de exame, vistoria ou avaliação, desenvolvidas e necessárias no sentido de trazer para os autos as alegações oferecidas. Desenvolvida com análise de livros e documentos, podendo envolver também procedimentos indagativos e investigativos

4 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Avaliações, apuração de haveres e verificações A apuração ou arbitramento dos haveres são atividades típicas de perícia contábil. Incluem, quase sempre, o chamado fundo de comércio que deve ser apurado e incluído na avaliação

5 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Análise de valores patrimoniais Tem como objetivo verificar, analisar ou avaliar a certeza e correção de um determinado valor ou conjunto de valores, débitos ou créditos, receitas ou despesas.

6 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Execução de sentença Ocorre este tipo de trabalho pericial contábil quando a discussão dos autos já transitou em julgado. TIPOS Apuração de haveres em processos de inventário, dissolução ou liquidação de sociedades Apuração de verbas trabalhistas Liquidação por arbitramento Liquidação por artigos Juízo arbitral

7 1º Exemplo ANULAÇÃO DE DUPLICATA Em jan/2007, a Confecções Alfa S.A., que é uma fabricante de roupas masculinas, impetra uma ação ordinária solicitando a anulação da emissão da duplicata mercantil nº 001/2006, emitida em 15/01/06, posta em cobrança bancária pela Cia. Beta Ltda., por conta de fornecimento de tecidos de algodão no valor de R$ ,00.

8 Possíveis quesitos do Autor 1) Existe nos registros da contabilidade do fornecedor a venda idônea ao autor com lastro de emissão de notas fiscais e das correspondentes duplicatas, objeto da peça vestibular? 2) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro no estoque da mercadoria objeto da emissão cambial? 3) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro da saída da mercadoria?

9 Possíveis quesitos do Autor 4) Consta, nos registros fiscais do fornecedor, a emissão da nota fiscal referente à cambial ora em discussão? Possui ela o canhoto de entrega de mercadoria assinado por representante da autora? 5) Consta, na contabilidade do fornecedor, o pagamento das duplicatas, objeto da presente demanda? 6) A cambial, objeto da demanda, está revestida das formalidades intrínsecas e extrínsecas contábeis, ao teor da legislação que regula as duplicatas, constante do Código Comercial vigente?

10 Possíveis quesitos do Autor 7) A duplicata, objeto de anulação tem, no campo próprio, o aceite do sacado? 8) O fornecedor mantém a escrituração regular do livro de registro de duplicatas?

11 Possíveis quesitos da Ré 1) A empresa compradora possui os livros obrigatórios para sua escrituração? Os mesmos estão revestidos das formalidades intrínsecas e extrínsecas? 2) As duplicatas mercantis de que trata a presente ação constam, nos registros contábeis do livro diário da empresa autora, como títulos a pagar? 3) Há nos registros contábeis da empresa autora a contabilização do pagamento das referidas duplicatas? Os recibos de pagamento foram feitos diretamente ao fornecedor?

12 Possíveis quesitos da Ré 4)Houve a efetiva saída de recursos para tais pagamentos? Os mesmos foram efetuados em moeda corrente ou em cheque? 5)Existem outras informações relevantes para o deslinde do ponto controvertido, visando a solução da demanda e aplicação da Justiça?

13 Análises na contabilidade do fornecedor 1) Verificar a disponibilidade física e financeira da mercadoria no livro de registro de estoques 2) Verificar o efetivo registro de vendas, registro da nota fiscal de saída, no livro de registro de saídas de mercadorias 3) Verificar se o fornecedor adquiriu o bem objeto de venda no livro de registro de entradas

14 Análises na contabilidade do fornecedor 4) Verificar se a duplicata emitida, quando da venda da mercadoria, foi registrada em livro próprio, no livro de registro de entradas 5) Verificar se as operações de compra, registro no estoque, venda, recebimento, foram escrituradas no livro razão e diário 6) Verificar se a nota fiscal, objeto da emissão da duplicata, foi corretamente emitida no bloco de notas fiscais

15 Análises na contabilidade do autor 1) Verificar se a nota fiscal de compra foi devidamente registrada no livro de registro de entrada de mercadorias 2)Verificar se a mercadoria, objeto da compra, foi devidamente registrada no estoque no livro registro de estoques 3) Verificar se as operações de compra, registro de estoque e pagamento relativo à duplicata, objeto da ação, foram devidamente registrados nos livros diário e razão

16 AÇÃO ORDINÁRIA DE ALIMENTOS OBJETIVO É PROVAR A CAPACIDADE DE RENDIMENTOS PARA PODER SUPRIR A MANUTENÇÃO DE DEPENDENTES SENDO O CÔNJUGE EMPRESÁRIO OS OBJETOS DE ESTUDOS SERÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA EMPRESA, DECLARAÇÃO DE RENDA, etc. analisam-se : HONORÁRIOS, LUCROS (distribuídos ou retidos), GRATIFICAÇÕES etc.

17 2 o Exemplo ALIMENTOS Em agosto de 2006, a Sra. Raquel Gastón Sobrado, separada judicialmente, entrou com ação contra seu ex-marido, solicitando a apuração de haveres do cônjuge no sentido de mensurar física e monetariamente o efetivo patrimônio do mesmo, visando a atribuição de pensão alimentícia aos seus dependentes (dois filhos menores de idade).

18 Possíveis quesitos da Autora 1) Qual é a participação do Réu no capital social das empresas A, B e C? 2) Qual o montante de retiradas dessas sociedades a título de pró-labore, salários indiretos e distribuição de lucros? 3) Existe transferência de capital do Réu nos três anos antecedentes à propositura da ação, em qualquer montante e para quem? 4) Qual o valor real do patrimônio líquido pertencente ao Réu, levando-se em consideração a avaliação a valor de mercado de todo o ativo, os ativos ocultos e o fundo de comércio?

19 Possíveis quesitos da Ré 1) Qual o valor efetivamente pago ao Réu a título de prólabore ou lucro? As empresas em que o mesmo é sócio estão efetivamente efetuando os desembolsos, ou a situação financeira impede tais pagamentos? 2) Qual a real necessidade financeira de a autora relacionar as despesas necessárias ao estudo, alimentação, lazer, moradia, assistência médica, que era ostentada antes da proposição da ação? 3) Qual a necessidade financeira de o réu relacionar as despesas necessárias ao estudo alimentação, lazer, moradia, assistência médica, após a proposição da ação?

20 Análises necessárias 1) Verificar a declaração de imposto de renda das pessoas envolvidas na demanda 2) Verificar os extratos das contas bancárias das pessoas envolvidas na demanda 3) Verificar as cópias dos contratos sociais, onde as pessoas envolvidas na demanda são sócias 4) Verificar os documentos contábeis relativos à retirada de pró-labore, distribuição de dividendos ou participação nos resultados.

21 Análises necessárias 5) Verificar os registros contábeis dos salários indiretos, benefícios tais como: automóvel, empregados domésticos, residência, alimentação 6) Verificar os comprovantes de pagamentos efetuados com educação escolar, alimentação, assistência médica, aluguel e lazer 7) Verificar os livros de registro de transferência de quotas e ações

22 Análises necessárias 8) Verificar as demonstrações contábeis completas 9) Analisar cuidadosamente as ações de mensuração e apuração de haveres 10) Efetuar diligências visando a verificação do padrão de vida que ostentam os litigantes, especificamente nos sinais exteriores de riqueza.

23 3 o Exemplo EMBARGO À EXECUÇÃO DE EXECUTIVOS FISCAIS DA RECEITA FEDERAL Em abril/2006, a Cia. Beta S/A entrou com uma ação de contestação contra a Secretaria da Receita Federal relativa à glosa de despesas contabilizadas como dedutíveis na apuração do lucro real, base de cálculo para o Imposto de Renda e Contribuição Social, por considerá-las despesas operacionais, já que no entendimento da fiscalização fazendária seriam necessárias à atividade da empresa e à manutenção da fonte pagadora. A empresa alega que as mesmas não se relacionam ao objeto do negócio.

24 Possíveis quesitos da Autora 1) Quais os lançamentos feitos no resultado do exercício a título de despesas operacionais? 2) As despesas estão ligadas à atividade da empresa e são necessárias à manutenção da respectiva fonte pagadora? Quais são as razões que fundamentam esse convencimento? 3) As despesas estão lançadas no livro diário? Este está revestido das formalidades legais? 4) As despesas não relacionadas diretamente com o objetivo social estão contabilizadas como despesas nãooperacionais? 5) O que vem a ser despesa antecipada, diferida, do exercício seguinte, despesa operacional e despesa não-operacional? 6) A glosa, objeto da ação de execução, enquadra-se em quais hipóteses acima?

25 Possíveis quesitos da Ré 1) O registro fiscal de receitas e despesas atende à norma prescrita no RIR? 2) As despesas glosadas têm o suporte documental idôneo? 3) As despesas glosadas estão registradas no livro LALUR, como adição do Lucro Real para efeito de base de cálculo de Imposto de Renda?

26 Análises necessárias 1) Verificar o Plano de Contas, para conhecer o sistema de contabilização e a terminologia utilizada 2) Verificar o registro das despesas operacionais e nãooperacionais nos livros Diário e Razão 3) Analisar a documentação de suporte aos lançamentos de despesas operacionais e não-operacionais, tendo como guia a Resolução CFC 563/83, que trata das formalidades da escrituração contábil, conjugada com os ditames da Resolução CFC 597/85, que trata da documentação contábil

27 Análises necessárias 4) Analisar nos documentos de constituição da empresas, especificamente o objeto do negócio, para certificar pela Resolução CFC 858/99, item , se as despesas glosadas estão ligadas ao objeto social da empresa 5) No uso de técnica de vistoria, Resolução CFC 858/99, item , diligenciar objetivando a verificação regular dos gastos operacionais da empresa 6) Analisar o auto de infração, avaliando o montante das despesas glosadas e a interligação das mesmas com o objeto social

28 4 o Exemplo AÇÃO DE SUSTAÇÃO DE PROTESTO E ANULAÇÃO DE DUPLICATA MERCANTIL Em maio de 2006, a Empresa Ômega S.A., ajuizou demanda pleiteando sustação de protesto e anulação de duplicata mercantil emitida pela Cia. Industrial Zeta Ltda., pela venda de equipamentos industriais. Em razão de operação de desconto da referida duplicata junto à empresa de factoring Fatorial Participações Ltda., esta protestou o título, de forma indevida na opinião do autor. A ação cumula ainda perdas e danos por apontamentos nos serviços de proteção ao crédito e lucros cessantes.

29 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 1) Na cambial objeto de sustação existe a transferência do título do sacado para a empresa de factoring? 2) A empresa de factoring confirmou junto à autora a veracidade da duplicata, por carta de circularização ou por qualquer meio contabilmente hábil para verificação da idoneidade do título? 3) A autora mantém relações comerciais com a Ré sacadora da cambial?

30 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 4) Consta, na cambial, erros de origem, especificamente com relação à formulação do pedido de compra (existência física do pedido), nota fiscal de venda (emissão de todas as notas a preço de mercado com o recebimento no canhoto por pessoa com poderes para tal) e aceite da cambial? 5) Com base nos documentos contábeis da autora e da ré emitente da cambial, há hipótese de ser verdadeiro o título, existiu o pagamento por parte da autora diretamente à fornecedora dos bens?

31 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 6) Nos registros da empresa de factoring existe correspondência dirigida à empresa autora comunicando a compra da cambial e a respectiva transferência da posse e domínio do título? 7) Existe nos registros da contabilidade do fornecedor (Ré) a venda idônea ao autor com lastro de emissão de notas fiscais e das correspondentes duplicatas, objeto da peça vestibular?

32 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 8) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro no estoque da mercadoria objeto da emissão da cambial? 9) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro de saída da mercadoria? 10) Consta, nos registros fiscais do fornecedor, a emissão da nota fiscal referente à cambial ora em discussão? Possui ela o canhoto de entrega de mercadoria assinado por representante da autora (quesito que necessita de exame grafotécnico)?

33 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 11) Consta, na contabilidade do fornecedor, o pagamento das duplicatas, objeto da presente demanda? 12) A cambial, objeto da demanda, está revestida das formalidades intrínsecas e extrínsecas contábeis, ao teor da legislação que regula as duplicatas, constante do Código Comercial Brasileiro? 13) A duplicata objeto de anulação tem campo próprio para o aceite do sacado? 14) A Ré mantém a escrituração regular do livro de registro de duplicatas?

34 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 15) Com base nos registros contábeis da autora, qual o lucro cessante degustado pela autora e, decorrência do apontamento da cambial nos serviços de proteção ao crédito? 16) Com base nos registros contábeis da autora, quais as perdas e danos oriundos da falta de abastecimento e manutenção de compras a prazo causadas pelo apontamento do título?

35 Possíveis quesitos do Autor (Empresa Ômega S.A.) 17) Considerando a situação econômica e financeira da empresa antes da emissão da referida cambial, qual o godwill ou o fundo de comércio? Comparativamente ao ativo intangível da empresa após o apontamento da cambial nos registros de proteção ao crédito é possível certificar e determinar o montante do prejuízo que a autora sofreu para efeito de indenização por dano moral, interrupção da marcha de prosperidade e consequente desvalorização dos bens intangíveis da autora?

36 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Fatorial Participações Ltda.) 1) A cambial objeto do protesto está revestida das formalidades intrínsecas e extrínsecas pra sua validade contábil? 2) A empresa de factoring adquiriu formalmente o título objeto da demanda? 3) Com base nos documentos contábeis das três pessoas envolvidas na demanda, quem comprou a mercadoria, para quem foi vendido o título e quem deve receber e dar a quitação do respectivo título? 4) A empresa fornecedora efetivamente efetuou a venda à empresa autora?

37 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Fatorial Participações Ltda.) 5) A perda de valor alegada pela autora se deu exclusivamente pelo apontamento da cambial nos serviços de proteção ao crédito ou existiram outros fatores tais como recessão, administração ruinosa, ineficiência administrativa na gestão do capital de giro da empresa? 6) Existiram outros apontamentos contra a autora nos serviços de proteção ao crédito ou até mesmo protestos contra a empresa da autora?

38 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Fatorial Participações Ltda.) 7) Com base nas demonstrações contábeis da empresa autora, especificamente no controle de contas a pagar e a receber, há o efetivo pagamento de todas as contas? As mesmas foram pagas rigorosamente em dia ou a autora já era inadimplente antes da propositura da presente ação? 8) Com base na análise dos documentos entranhados nos registros contábeis e fiscais da autora, esta apresenta antes dessa demanda todos os aspectos de robusta idoneidade contábil ou seus registros são profanos aos moldes da legislação falimentar, especificamente no tópico que trata dos crimes falimentares?

39 Análises na contabilidade do fornecedor (Cia. Industrial Zeta) 1) Verificar a disponibilidade física e financeira da mercadoria no livro de registro de estoques 2) Verificar o efetivo registro de vendas, registro da nota fiscal de saída, no livro de registro de saídas de mercadorias 3) Verificar se o fornecedor adquiriu o bem objeto de venda no livro de registro de entradas

40 Análises na contabilidade do fornecedor (Cia. Industrial Zeta) 4) Verificar se a duplicata emitida, quando da venda da mercadoria, foi registrada em livro próprio, no livro de registro de entradas 5) Verificar se as operações de compra, registro no estoque, venda da mercadoria, venda da duplicata, inclusive o registro do deságio, recebimento da duplicata quando da venda para a empresa de factoring, foram escrituradas no livro razão e diário

41 Análises na contabilidade do fornecedor (Cia. Industrial Zeta) 6) Verificar se a nota fiscal, objeto da emissão da duplicata, foi corretamente emitida e se existe autorização para confeccionar o bloco de notas fiscais, no bloco de notas fiscais. 7) Verificar se existe contrato de venda mercantil referente à transferência dos direitos da cambial para a empresa de factoring.

42 Análises na contabilidade do autor (Empresa Ômega S.A.) 1) Verificar se a nota fiscal de compra foi devidamente registrada no livro de registro de entrada de mercadorias 2) Verificar se a mercadoria, objeto da compra, foi devidamente registrada no estoque no livro registro de estoques 3) Verificar se as operações de compra, registro de estoque e pagamento relativo à duplicata, objeto da ação, foram devidamente registradas nos livros diário e razão

43 Análises na contabilidade do 1ª Ré (Fatorial Participações Ltda.) 1) Verificar o contrato de compra de cambiais 2) Verificar o registro da aquisição da cambial, inclusive o deságio, nos livros Diário e Razão 3) Verificar se efetivamente ocorreu o pagamento da cambial junto ao suposto vendedor dos produtos 4) Analisar as cópias dos documentos relativos ao envio da ação de protesto

44 5 o Exemplo AÇÃO DE REGRESSO CONTRA CLIENTES (VÍCIO DE ORIGEM DE DUPLICATAS VERSUS FACTORING) Em novembro de 2006, a empresa de factoring Fatorial Participações Ltda. perdeu a demanda, tendo sido condenada a indenizar a Empresa Ômega S.A. no valor de R$ 60 mil por perdas e danos por apontamentos nos serviços de proteção ao crédito e lucros cessantes. Em razão dessa sucumbência, esta empresa ajuizou ação, solicitando ressarcimento do prejuízo, contra a Cia. Industrial Zeta, responsável pela duplicata mercantil emitida pela suposta venda de equipamentos industriais.

45 Possíveis quesitos do Autor (Fatorial Participações Ltda.) 1) Na cambial objeto de sustação existe a transferência do título do sacado para a empresa de factoring? 2) A empresa de factoring confirmou junto à segunda ré a veracidade da duplicata, por carta de circularização ou por qualquer meio contabilmente hábil para verificação da idoneidade do título? 3) A autora mantém relações comerciais com a Ré sacadora da cambial?

46 Possíveis quesitos do Autor (Fatorial Participações Ltda.) 4) Consta, na cambial, erros de origem, especificamente com relação à formulação do pedido de compra (existência física do pedido), nota fiscal de venda (emissão de todas as notas a preço de mercado com o recebimento no canhoto por pessoa com poderes para tal) e aceite da cambial? 5) Com base nos documentos contábeis da autora e da ré emitente da cambial, na hipótese de ser verdadeiro o título, existiu o pagamento por parte da 2ª Ré diretamente à fornecedora dos bens (1ª Ré)?

47 Possíveis quesitos do Autor (Fatorial Participações Ltda.) 6) Nos registros da empresa de factoring existe correspondência dirigida à 2ª Ré comunicando a compra da cambial e a respectiva transferência da posse e domínio do título? 7) Existe nos registros da contabilidade do fornecedor (Ré) a venda idônea à 2ª Ré com lastro de emissão de notas fiscais e das correspondentes duplicatas, objeto da peça vestibular?

48 Possíveis quesitos do Autor (Fatorial Participações Ltda.) 8) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro no estoque da mercadoria objeto da emissão da cambial? 9) Consta, na contabilidade do fornecedor, o registro de saída da mercadoria? 10) Consta, nos registros fiscais do fornecedor, a emissão da nota fiscal referente à cambial ora em discussão? Possui ela o canhoto de entrega de mercadoria assinado por representante da 2ª Ré (quesito que necessita de exame grafotécnico)?

49 Possíveis quesitos do Autor (Fatorial Participações Ltda.) 11) Consta, na contabilidade do fornecedor (1ª Ré), o pagamento das duplicatas, objeto da presente demanda? 12) A cambial, objeto da demanda, está revestida das formalidades intrínsecas e extrínsecas contábeis, ao teor da legislação que regula as duplicatas, constante do Código Comercial Brasileiro? 13) A duplicata objeto de anulação tem campo no próprio o aceite do sacado (quesito que necessita de exame grafotécnico)? 14) A 1ª Ré mantém a escrituração regular do livro de registro de duplicatas?

50 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Cia. Industrial Zeta) 1) A cambial objeto do protesto está revestida das formalidades intrínsecas e extrínsecas pra sua validade contábil? 2) A empresa de factoring adquiriu formalmente o título objeto da demanda? 3) Com base nos documentos contábeis das três entidades envolvidas na demanda, quem comprou a mercadoria, para quem foi vendido o título e quem deve receber e dar a quitação do respectivo título? 4) A empresa fornecedora (1ª Ré) efetivamente efetuou a venda à 2ª Ré?

51 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Cia. Industrial Zeta) 5) A perda de valor alegada pela 2ª Ré se deu exclusivamente pelo apontamento da cambial nos serviços de proteção ao crédito ou existiram outros fatores tais como recessão, administração ruinosa, ineficiência administrativa na gestão do capital de giro da empresa? 6) Existiram outros apontamentos contra a 2ª Ré nos serviços de proteção ao crédito ou até mesmo protestos contra a empresa da autora?

52 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Cia. Industrial Zeta) 7) Sob a ótica contábil, a compradora (2ª Ré) assumiu todos riscos da operação quando da venda do título? E, ainda, o deságio obtido na compra do título representa a parcela de lucro e risco da empresa de fomento mercantil (autora) 8) Quais os procedimentos contábeis a serem tomados pela empresa de factoring quando da aquisição de títulos e este foram observados na íntegra?

53 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Cia. Industrial Zeta) 9) Os registros da empresa de factoring atendem a todas as disposições contábeis emanadas das normas brasileiras de contabilidade e da legislação comercial e societária brasileira? 10)A empresa de factoring (compradora do título e autora da ação) possui os livros obrigatórios para sua escrituração? Os mesmos estão revestidos das formalidades extrínsecas e intrínsecas previstas nas normas?

54 Possíveis quesitos da 1ª Ré (Cia. Industrial Zeta) 11) As duplicatas mercantis de que trata a presente ação constam nos registros contábeis do livro Diário da empresa autora como títulos a receber? 12) Há outras informações relevantes para o deslinde do ponto controvertido, solução da demanda e aplicação da Justiça?

55 Análises na contabilidade do fornecedor - Réu vendedor do título (Cia. Industrial Zeta) 1) Verificar a disponibilidade física e financeira da mercadoria no livro de registro de estoques 2) Verificar o efetivo registro de vendas, registro da nota fiscal de saída, no livro de registro de saídas de mercadorias 3) Verificar se o fornecedor adquiriu o bem objeto de venda no livro de registro de entradas

56 Análises na contabilidade do fornecedor - Réu vendedor do título (Cia. Industrial Zeta) 4) Verificar se a duplicata emitida, quando da venda da mercadoria, foi registrada em livro próprio, no livro de registro de entradas 5) Verificar se as operações de compra, registro no estoque, venda da mercadoria, venda da duplicata, inclusive o registro do deságio, recebimento da duplicata quando da venda para a empresa de factoring, foram escrituradas no livro razão e diário

57 Análises na contabilidade do fornecedor - Réu vendedor do título (Cia. Industrial Zeta) 6) Verificar se a nota fiscal, objeto da emissão da duplicata, foi corretamente emitida e se existe autorização para confeccionar o bloco de notas fiscais, no bloco de notas fiscais. 7) Verificar se existe contrato de venda mercantil referente à transferência dos direitos da cambial para a empresa de factoring.

58 Análises na contabilidade da segunda Ré - Sacada da Cambial (Empresa Ômega S.A.) 1) Verificar se a nota fiscal de compra foi devidamente registrada no livro de registro de entrada de mercadorias 2) Verificar se a mercadoria, objeto da compra, foi devidamente registrada no estoque no livro registro de estoques 3) Verificar se as operações de compra, registro de estoque e pagamento relativo à duplicata, objeto da ação, foram devidamente registradas nos livros diário e razão

59 Análises na contabilidade da autora (Fatorial Participações Ltda.) 1) Verificar o contrato de compra de cambiais 2) Verificar o registro da aquisição da cambial, inclusive o deságio, nos livros Diário e Razão 3) Verificar se efetivamente ocorreu o pagamento da cambial junto ao suposto vendedor dos produtos 4) Analisar as cópias dos documentos relativos ao envio da ação de protesto

60 AÇÃO DE APURAÇÃO DE HAVERES CAUSAS: FALECIMENTO DE SÓCIO, EXCLUSÃO DE SÓCIO, DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE ETC. OBJETOS DE EXAMES: CRÉDITOS, DÉBITOS, VALOR DO PATRIMÔNIO LIQUIDO REAL, EXPECTATIVAS DE RESULTADOS, EXPECTATIVAS DE NEGOCIAÇÃO DA EMPRESA COM TERCEIROS JÁ EM MARCHA ETC.

61 AÇÃO DE APURAÇÃO DE HAVERES O PERITO DEVE ANALISAR INDÍCIOS DE RENDA PORQUE PODEM ESTAR OCULTAS NA ESCRITA CONTÁBIL COMPARANDO BALANÇOS ANTERIORES COMPARANDO DECLARAÇÕES DE RENDA ANTERIORES SONDANDO SOBRE SINAIS EXTERIORES DE RIQUEZA

62 IMPUGNAÇÃO DE CRÉDITOS FISCAIS POR SIMPLES CONTROLES INDIRETOS COMPUTADORIZADOS O ERÁRIO PÚBLICO TEM CRIADO OBJETO DE TRIBUTOS NEM SEMPRE A LEI FISCAL ESTÁ DE ACORDO COM OS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS O FISCO COSTUMA TRIBUTAR ATÉ POR SUPOSIÇÃO OU BASEADO EM POLÍTICAS INTERNAS FISCAIS

63 IMOBILIZADO IMATERIAL OU FUNDO DE COMÉRCIO O QUESTIONAMENTO JUDICIAL DO FUNDO DE COMÉRCIO ESTÁ LIGADO AO VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO E QUE É ESPECÍFICO EM ONTABILIDADE O IMOBILIZADO IMATERIAL, NA TEORIA MODERNA, É AQUELE VALOR QUE SE DETERMINA PARA EXPRESSAR A CAPACIDADE EM PRODUZIR LUCROS FUTUROS E PRECISA SER EXPRESSO COM REALIDADE FUNCIONAL PARA TAL FIM, É TAMBÉM PRECISO, LEVAR OS VALORES PATRIMONIAIS AOS VALORES DE REPOSIÇÃO

64 CONCORDATAS (CUIDADOS ESPECIAIS) A ANALISE CONTÁBIL DEVE ESTUDAR PROFUNDAMENTE *AS CAUSAS DOS DESEQUILÍBRIOS *A CAPACIDADE DE PRODUZIR RESULTADOS E O MERCADO ESPECIFICO DA EMPRESA *A VIABILIDADE DE LIQÜEFAZER O ATIVO FIXO E DE TERCEIRIZAR *A VIABILIDADE DE REDUZIR OS CUSTOS FIXOS E DE MAIS UTILIZAR A CAPACIDADE INSTALADA *A IDADE DO EQUIPAMENTO E A MODERNIDADE NO RAMO (OBSOLESCÊNCIA) EM FACE DA QUALIDADE DA EFICÁCIA DO CAPITAL

65 DESAPROPRIAÇÃO DE BENS OBJETIVOS FUNDAMENTAIS SÃO OS DE VERIFICAR AS PERDAS DECORRENTES DE FALTA DO BEM DESAPROPRIADO (PERDA DA FUNÇÃO PATRIMONIAL) O QUE GOLPEIA A EMPRESA NÃO É A PERDA DO BEM, MAS A PERDA DO LUCRO QUE O BEM ERA COMPETENTE PARA GERAR E ESTE O OBJETO DE ESTUDOS A ANALISE BASICA É A DA DINAMICA DO LUCRO, DE SUA TENDÊNCIA ASSIM COMO DOS IMPACTOS SOBRE A REINSTALAÇÃO E A REAQUISIÇÃO DO ESPAÇO DE MERCADO

66 AS CONSIGNAÇÕES EM PAGAMENTO MOTIVAM MUITAS POLÊMICAS AO PERITO COMPETE IDENTIFICAR O VALOR, APURANDO: CONHECER A ORIGEM, TEMPESTIVIDADE, AJUSTE OU ATUALIZAÇÃO, DESTINO DO VALOR CONSIGNADO QUALIDADE DAS PROVAS

67 EMBARGOS DE DEVEDOR OBJETO DA PERÍCIA: IDENTIFICAR O MONTANTE CORRETO DA DÍVIDA ALÉM DOS ASPECTOS MATEMÁTICOS DA FORMA DE APURAÇÃO. * INVESTIGA-SE OS EFETIVOS VALORES TRANSACIONADOS * ELABORA-SE CÁLCULOS DA DÍVIDA SEGUNDO O ENTENDIMENTO DAS PARTES

68 CÁLCULO DE DÉBITO CONTRATUAL OBJETIVO DA PROVA PERICIAL É AVERIGUAR SE OS VALORES QUE ESTÃO SENDO COBRADOS PELA PARTE AUTORA, CORRESPONDEM COM AS DISPOSIÇÕES CONTRATUAIS FIRMADAS ENTRE OS LITIGANTES. O PERITO DEVE POSSUIR SÓLIDOS E PROFUNDOS CONHECIMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA, DISCERNIMENTO PARA IDENTIFICAR QUESTÕES DÚBIAS NO CONTRATO E ESTABELECER OS DIVERSOS VALORES POSSÍVEIS DE SEREM QUANTIFICADOS, DE ACORDO COM AS DISPOSIÇÕES CONTRATUAIS.

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL 790 E S A F 9. GANHOS POR COMPRA VANTAJOSA - JUSTO PAGO GANHO POR COMPRA VANTAJOSA CUSTO DE JUSTO 10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O JUSTO É IGUAL AO PATRIMONIAL goodwillvalor justoigual

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Procedimentos de Auditoria TURMA: PECC 1 - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA ASPECTOS CONCEITUAIS Nesta aula, estudaremos os Procedimentos de Auditoria, abordando

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO No- 260, DE 7 DE JANEIRO DE 2010 O Presidente do CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS - CCFCVS, com

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 (ESAF/MDIC 2012) O lançamento contábil apropriado para registrar

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: CONTABILIDADE PÚBLICA II Ementa: Princípios Fundamentais

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Origem Evolução do sistema capitalista; Necessidade de ampliação das instalações; Investimento tecnológico; Redução de custos; Empréstimos

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade

Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade Apelação Cível n. 2007.060814-4, de Itajaí Relator: Des. Lédio Rosa de Andrade APELAÇÃO CÍVEL. DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO C/C DANO MORAL. DUPLICATA SEM ACEITE. PROTESTO POR INDICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE.

Leia mais

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014.

6 Item revogado com a edição da Circular nº 3.717, de 11 de setembro de 2014. TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 29. Empresas em Liquidação Extrajudicial 1. Princípios Gerais 1 - Os títulos a serem utilizados pelas empresas em liquidação

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE DE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO / SCESGO BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

CISÃO PARCIAL DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS - ASPECTOS CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIOS

CISÃO PARCIAL DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS - ASPECTOS CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIOS CISÃO PARCIAL DE ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS - ASPECTOS CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIOS Por Ivan Pinto A cisão de uma Entidade sem Fins Lucrativos não implica na extinção da entidade cindida, uma vez que a própria

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

Art. 4º A emissão da DECORE fica condicionada à realização do upload, efetuado eletronicamente, de toda documentação legal que serviu de lastro.

Art. 4º A emissão da DECORE fica condicionada à realização do upload, efetuado eletronicamente, de toda documentação legal que serviu de lastro. RESOLUÇÃO CFC Nº 1.492/2015 Altera a Resolução CFC n.º 1.364/11 que dispõem sobre a Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos DECORE e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE,

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais