Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente"

Transcrição

1 Reciclagem agrícola de dejetos de suínos e de outros resíduos com vistas à obtenção de créditos de carbono: oportunidades na despoluição da Bacia do Rio Paraná 3 Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente ReciclAção, Florianópolis, Julho/2009

2 RESERVATÓRIO DE ITAIPU 14 GWh Energia Elétrica 29 bilhões de m3 de água 150 km linha reta 1350 km costa (Brasil)

3 Planejamento estratégico da empresa MISSÃO Anterior Aproveitamento hidráulico dos recursos hídricos do Rio Paraná, pertencentes em condomínio aos dois países, desde e inclusive o Salto Grande de Sete Quedas, ou Salto de Guaíra, até a foz do Rio Iguaçu Gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai. Planejamento Estratégico FOCO: responsabilidade social e ambiental, nova Ética do comportamento empresarial

4

5 Hb Menor Densidade Maior Densidade Fonte: IBGE 2007 Base Cartográfica IB DC / ANA

6 Cb Maior Densidade Menor Densidade Fonte: IBGE 2006 Base Cartográfica IB DC / ANA

7 Cb Maior Densidade Menor Densidade Fonte: IBGE 2006 Base Cartográfica IB DC / ANA

8 Cb Maior Densidade Menor Densidade Fonte: IBGE 2006 Base Cartográfica IB DC / ANA

9 ÍNDICE DE EUTROFIZAÇÃO 100 eutrófico Indice Trófico mesotrófico oligotrófico E E E E E E E20

10 Premissas SEGURANÇA AMBIENTAL DO RESERVATÓRIO DE ITAIPU. Objetivos: - Reduzir impactos ambientais com soluções sustentáveis - Nova receita econômica para pagamento de serviços ambientais.

11 Po Ga lu i Bi ses ção a og Efe tm as ito osf /M Estu éric fa a et an o Biomassa Residual P ão ç ui l o E H íd ca i r iz f o r ut a o ã ç PRIORIDADE B I O D I G E S T Ã O BIOGÁS - BIOENERGIA BIOFERTILIZANTES

12 Processo de biodigestão anaeróbica Proteínas, carboidratos e lipídios Hidrólise Aminoácidos, açúcares e ácidos orgânicos de cadeia curta Acidogênese Ácidos graxos voláteis, ácido lático, CO2, H+, NH3, H2S Acetogênese Ácido acético, propiônico e H2 Metanogêse CH4 e CO2

13 SUSTENTABILIDADE ASPECTOS ENERGÉTICOS SOCIO-ECONOMICOS AMBIENTAIS ASPECTOS ENERGÉTICOS MDL FONTES CONVENCIONAIS CENTRALIZADAS FONTES RENOVÁVEIS DESCENTRALIZADAS ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO GERAL ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO ESPECÍFICO AUMENTAR A OFERTA (ATACADO) COMPLEMENTAR A OFERTA (VAREJO) Geração Centralizada ENERGIA SETOR PORTADOR DE FUTURO Geração Distribuida

14 ESTRATÉGIA PLATAFORMA ITAIPU DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

15 ESTRATÉGIA PLATAFORMA ITAIPU DE ENERGIAS RENOVÁVEIS - VISÃO: A matriz energética da Região Oeste do Paraná não está pronta, apesar de ser região exportadora de energia (Paraná). - MISSÃO: Promover a difusão de fontes de energias renováveis e a eficiência energética para o desenvolvimento sustentável regional. - FOCO: Valor econômico da energia Desenvolver as fontes de Energias Renováveis disponíveis na Região, para geração complementar de energia.

16 METODOLOGIA OPERACIONAL Geração Distribuída GD CUSTOS DE EXPANSÃO EVITADOS GD geração distribuída

17 MARCOS LEGAIS E NORMATIVOS - Geração Distribuída : Decreto Federal 5163/04 - Instituiu : Norma Técnica ANEEL 167/05 - regulamentou : Julho. Diretor Geral de Itaipu assumiu a responsabilidade de facilitar a implantação

18 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA A BASE BIOGÁS COM SANEAMENTO AMBIENTAL

19 Conversão de biogás em energia elétrica

20 Comissionamento Segurança e proteção para geradores de pequeno porte (BT) e redes.

21 10 de Janeiro de 2008 COPEL comissionou GD São Miguel do Iguaçu/PR

22 23 de junho de 2008: autorização para COPEL adquirir energia elétrica de 6 protótipos

23 Seis protótipos operacionais em 2009 Efluentes animais Efluentes agroindustriais

24 Programa Geração Distribuída com biogás e saneamento ambiental Inicio operacional abril/09 5 Sistema de monitoramento, controle e proteção para geradores de pequeno porte superado Arranjo Institucional 6 superado 1 Geração de Biomassa Residual Efluentes orgânicos GERAÇÃO DISTRIBUIDA 4 Conversão de Biogás em Energia superado 2 Operação e gestão de redes de distribuição com geração distribuída superado 3 Produção de Biogás superado

25 Granja São Pedro (Colombari): da suinocultura à Geração de Energia Elétrica para a rede

26 Granja São Pedro (Colombari): da suinocultura à geração de energia elétrica para a rede

27 Granja São Pedro (Colombari): da suinocultura à geração de energia elétrica para a rede Benchmark Granja Colombari Suínos 3000 cabeças Componente energia elétrica m³ de biogás produzido na propriedade Energia elétrica gerada com o biogás Receitas com a geração de energia elétrica ,15 m³/ano kwh/ano R$/ano Componente créditos MDL Créditos de carbono obtidos Receitas com créditos de carbono 1177 t CO2e/ano ,60 R$/ano Componente biofertilizante Nutrientes Nitrogênio (N) Fósforo (P2O5) Potássio (K2O) Economia com biofertilizante Receitas do empreendimento t produzidas 12,55 9,53 5, ,70 Economia , , , ,95 R$/ano 40% rede 60% evitado 96% CH4 4% energia renovável

28 ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL: essencial

29 BASES CARTOGRÁFICAS

30 CTM: em Web, software livre, código aberto

31 MICROBACIAS

32 PROPRIEDADES

33 Novo: Condomínio de Agroenergia Sanga Ajuricaba Mal. Candido Rondon

34 Novo: Condomínio de Agroenergia Critério de vizinhança, ênfase na agricultura familiar 41 propriedades, 2422 suínos terminação, 991 vacas leiteiras Manejo integrado da propriedade 17 km gasoduto Payback ~9 anos DQO -70% Biogás 412 m3/dia Eletricidade 190 MW/ano Carbono 1470 t CO2e/ano Substituição do NPK (70%) : 14,3 t N/ano 10,4 t P2O5/ano 7,8 K2O/ano

35 Futuro: Energia como dimensão produtiva Biomassa Residual líquida (efluentes) Residual sólida Não residual: cobertura inverno ensilagem prévia capineira verão culturas danificadas

36 Futuro: Energia como dimensão produtiva Exemplo: 25 ha aveia + 2 ha capineira Aveia 3300 m3 CH4/ha m3 Capineira 9000 m3 CH4/ha m3 Ano: m3/ch4 ~2000 porcos; 103 MW Mantendo a produção de alimentos Incrementando a renda do produtor e regional Capturando mais Carbono Viabilizando a cultura de cobertura de inverno

37 METODOLOGIAS IPCC

38 ITAIPU BINACIONAL Coordenadoria de Energias Renováveis CER.GB Cicero Bley Jr Superintendente Glaucio Roloff

Oportunidades Viáveis de Geração de Energia Renovável de Pequeno Porte na Região Oeste do Paraná: O Papel da ITAIPU nesse Contexto

Oportunidades Viáveis de Geração de Energia Renovável de Pequeno Porte na Região Oeste do Paraná: O Papel da ITAIPU nesse Contexto Oportunidades Viáveis de Geração de Energia Renovável de Pequeno Porte na Região Oeste do Paraná: O Papel da ITAIPU nesse Contexto Cicero Bley Jr Coordenadoria de Energias Renováveis ITAIPU Binacional

Leia mais

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira Resumo do Projeto Por iniciativa conjunta, a ITAIPU Binacional, a SEAB, a EMATER e o Município de Mal.

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino-Americana Fundação Parque Tecnológico Itaipu

Universidade Federal da Integração Latino-Americana Fundação Parque Tecnológico Itaipu Universidade Federal da Integração Latino-Americana Fundação Parque Tecnológico Itaipu Projeto Pedagógico do Curso de Especialização em Energias Renováveis, com Ênfase em Biogás e Saneamento Ambiental

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS

POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA POLÍTICA ENERGÉTICA DO BRASIL BIOGÁS Roberto Meira Junior Diretor-Substituto Coordenador-Geral de Fontes Alternativas outubro de 2012 Princípios do Modelo Energético 2 Princípios

Leia mais

EQUIPE TÉCNICA. Agroenergia da biomassa residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais.

EQUIPE TÉCNICA. Agroenergia da biomassa residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais. ii EQUIPE TÉCNICA Superintendente da Coordenadoria de Energias Renováveis da Itaipu Binacional: Cícero Bley Jr. Coordenador do projeto: José Carlos Libânio Editor: Maurício Galinkin Consultor para agroeconomia:

Leia mais

Agroenergia da biomassa residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais.

Agroenergia da biomassa residual: perspectivas energéticas, socioeconômicas e ambientais. Cícero Bley Júnior José Carlos Libânio Maurício Galinkin Mauro Márcio Oliveira 2ª edição, revista Itaipu Binacional/FAO Technopolitik Editora Foz do Iguaçu/Brasília 2009 ii EQUIPE TÉCNICA Superintendente

Leia mais

GERAÇÃO ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS COM SANEAMENTO AMBIENTAL: A EXPERIÊNCIA DA ITAIPU BINACIONAL

GERAÇÃO ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS COM SANEAMENTO AMBIENTAL: A EXPERIÊNCIA DA ITAIPU BINACIONAL GERAÇÃO ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS COM SANEAMENTO AMBIENTAL: A EXPERIÊNCIA DA ITAIPU BINACIONAL Bley, C. Superintendente de Energias Renováveis da Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI) Av.

Leia mais

A utilização do sensoriamento remoto para o planejamento de condomínios de agroenergia a partir de biogás de biomassa residual

A utilização do sensoriamento remoto para o planejamento de condomínios de agroenergia a partir de biogás de biomassa residual Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4279 A utilização do sensoriamento remoto para o planejamento de condomínios

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

2ª edição, revista 2ª edição, revista

2ª edição, revista 2ª edição, revista 2ª edição, revista 2ª edição, revista Itaipu Binacional/FAO Foz do Iguaçu/Brasília 2009 ii EQUIPE TÉCNICA Superintendente da Coordenadoria de Energias Renováveis da Itaipu Binacional: Cícero Bley Jr. Coordenador

Leia mais

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar

Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Plataforma de Metanização de Resíduos Orgânicos - pmethar Aplicação Digestão Anaeróbia descentralizada e em pequena escala Luis Felipe Colturato Diretor Executivo Global Methane Initiative Agriculture,

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos A INCLUSÃO DE INDICADORES SOCIAIS E AMBIENTAIS NA ANÁLISE DE VIABILIDADE DE PROJETOS - ESTUDO DE CASO ITAIPU BINACIONAL / CONDOMÍNIO

Leia mais

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia

Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia 25 Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem Recebimento dos originais: 30/06/2011 Aceitação para publicação: 25/08/2011 Resumo Anderson Catapan Mestrando em

Leia mais

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR

CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR CONDOMINIO DE AGROENERGIA PARA AGRICULTURA FAMILIAR PROGRAMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA BASE BIOGÁS COM SANEAMENTO AMBIENTAL Agroenergia - Geração de energia com fontes

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL GERAÇÃO DISTRIBUIDA

DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL GERAÇÃO DISTRIBUIDA 1 DESENVOLVIMENTO DE MODELO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COM SANEAMENTO AMBIENTAL Geração de Biomassa Residual Efluentes orgânicos 5 Operação e gestão de redes de distribuição com geração distribuída 1 GERAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS DIGESTÃO ANAERÓBIA E POTENCIALIDADE NA GERAÇÃO DE BIOGÁS LADEMIR LUIZ BEAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA PERCENTUAL DE ENERGIA RENOVÁVEL DIGESTÃO ANAERÓBIA PROCESSO MICROBIOLÓGICO

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Referenciais de Atuação do Programa Desperdício Zero Fórum Resíduos - Suinocultura

Referenciais de Atuação do Programa Desperdício Zero Fórum Resíduos - Suinocultura Relatório/Documentação Fóruns Setoriais do Programa Desperdício Zero Referenciais de Atuação do Programa Desperdício Zero Fórum Resíduos - Suinocultura Curitiba - PR 17 e 18 de Março de 2004 GOVERNO DO

Leia mais

Infraestrutura,alternativas

Infraestrutura,alternativas Demandas crescentes em Infraestrutura,alternativas energéticas. Hitachi South America Ltda TOSHIRO IWAYAMA Diretor, Conselheiro Especial A MATRIZ ENERGÉTICA DO BRASIL (FONTE: ANEEL) INTRODUÇÃO: RESUMO:

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Seminário: Caminhos para a Inovação Debate: A Atividade de CT&I e a Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação (ENCTI) Infraestrutura

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Itaipu e Fundação PTI apresentam projetos sustentáveis na Rio+20

Itaipu e Fundação PTI apresentam projetos sustentáveis na Rio+20 Destaque Itaipu e Fundação PTI apresentam projetos sustentáveis na Rio+20 A Itaipu Binacional e a Fundação Parque Tecnológico Itaipu (Fundação PTI) apresentaram seus principais programas voltados ao desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fórum Internacional A Sustentabilidade no Século XXI Joel de Lima - Diretoria Geral Brasileira Pelotas, 11 de novembro de 2010 RETROSPECTO HISTÓRICO:

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade Profa. Dra. Anelise Leal Vieira Cubas Unisul Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul Virtual RESÍDUOS Resíduo: Qualquer material ou substância

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012

José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia. Cuiabá Maio de 2012 José do Carmo Ferraz Filho Superintendente de Energia Cuiabá Maio de 2012 Missão: Promover e fomentar a Política Energética, com apoio institucional às ações que visem o desenvolvimento tecnológico, social,

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ECONOMIA DO BIOGÁS ÍNDICE

REFLEXÕES SOBRE A ECONOMIA DO BIOGÁS ÍNDICE REFLEXÕES SOBRE A ECONOMIA DO BIOGÁS Cícero Bley Jr - Assessoria de Energias Renováveis ITAIPU Binacional. Nov/2010 ÍNDICE 1. RESUMO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO 2.1. O BIOGÁS NO PRESENTE 2.2. O BIOGÁS NO FUTURO

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR

Avaliação econômica CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES. 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR CURSO SOBRE MANEJO E TRATAMENTO DE DEJETOS COM BIODIGESTORES 29 de setembro a 01 de outubro de 2009 Foz do Iguaçu/PR Avaliação econômica Marcelo Miele Franco Müller Martins A suinocultura brasileira Desempenho

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2007. Altera a redação dos art. 3º da Resolução Normativa

Leia mais

XI-066 - CONTRIBUIÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NA REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL E NA GERAÇÃO DE ENERGIA: UM ESTUDO DE CASO NO PARANÁ

XI-066 - CONTRIBUIÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NA REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL E NA GERAÇÃO DE ENERGIA: UM ESTUDO DE CASO NO PARANÁ XI-066 - CONTRIBUIÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NA REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL E NA GERAÇÃO DE ENERGIA: UM ESTUDO DE CASO NO PARANÁ Péricles Weber (1) Engenheiro químico pela Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

Aplicações do gvsig na Gestão Territorial com ênfase no Nexo Água-Energia

Aplicações do gvsig na Gestão Territorial com ênfase no Nexo Água-Energia Aplicações do gvsig na Gestão Territorial com ênfase no Nexo Água-Energia Resumo A Gestão Territorial possibilita o manejo do território e, aliado aos softwares de geoprocessamento, seu planejamento integrado.

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Cícero Bley Jr Superintendente de Energias Renováveis ITAIPU BINACIONAL

Cícero Bley Jr Superintendente de Energias Renováveis ITAIPU BINACIONAL Cícero Bley Jr Superintendente de Energias Renováveis ITAIPU BINACIONAL SANEAMIENTO BÁSICO Município População 1 (hab) Carga Orgânica 2 (kg/hab.dia) Coleta e Tratamento de Esgoto IARCE (%)³ Cascavel 285.784

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

Maria Paula Martins Diretora Geral

Maria Paula Martins Diretora Geral Maria Paula Martins Diretora Geral Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 38% 48% 14% 18% 7% 29% 35% Petróleo Carvão Hidráulica Cana Gás Urânio Lenha Outras renováveis 6% 12% 46% 2000

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação EDITAL Nº 02/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS COM ÊNFASE EM BIOGÁS

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

TCS BRASIL 16: PROMOVENDO TECNOLOGIA E NEGÓCIOS

TCS BRASIL 16: PROMOVENDO TECNOLOGIA E NEGÓCIOS BROCHURA COMERCIAL TCS BRASIL 16: PROMOVENDO TECNOLOGIA E NEGÓCIOS A Thermal Conversion Solutions -TCS Brasil 16 acontecerá de 1 a 3 de junho, no Rafain Palace & Convention Center, em Foz do Iguaçu/PR

Leia mais

XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Tema: Regulação da distribuição do biogás de RSU Eliésio Francisco da Silva Diretoria de Regulação Técnica e Fiscalização dos Serviços de Distribuição de Gás Canalizado

Leia mais

Geração de Energia Elétrica em Estações de Tratamento de Esgoto Urbanas da SANESUL: Proposta de Desenvolvimento para o MS

Geração de Energia Elétrica em Estações de Tratamento de Esgoto Urbanas da SANESUL: Proposta de Desenvolvimento para o MS Geração de Energia Elétrica em Estações de Tratamento de Esgoto Urbanas da SANESUL: Proposta de Desenvolvimento para o MS Resumo Embora o foco da produção de biogás no estado de Mato Grosso do Sul esteja

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0021/2012 Edital Nº. 030/2012

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0021/2012 Edital Nº. 030/2012 FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0021/2012 Edital Nº. 030/2012 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação, PTI

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GARDUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIAS APLICAVEIS À BIOENERGIA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO

Leia mais

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios SOL Maior fonte de energia da Terra... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia 16/07/2015 COGEN Associação da Indústria de

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

ção artificial: implicaçõ ções da deficiência de saneamento para as mudanças

ção artificial: implicaçõ ções da deficiência de saneamento para as mudanças MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS E SEUS IMPACTOS NOS RECURSOS HÍDRICOS H NO BRASIL Projeçõ ções das emissões es de gases de efeito estufa relacionadas à eutrofizaçã ção artificial: implicaçõ ções da deficiência

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Resumo Cenário Atual FAE Potencial Benefícios Desafios Conclusões Quadro Resumo - FAE Capacidade

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Através deste anexo, a Brascarbon Consultoria Projetos e Representação Ltda. descreve como o projeto - Brascarbon Projeto

Leia mais

tornar líder em energias renováveis em 2020, estabeleceu como meta ter 50% da sua energia vinda de fontes renováveis em 2050. Lá a

tornar líder em energias renováveis em 2020, estabeleceu como meta ter 50% da sua energia vinda de fontes renováveis em 2050. Lá a Biogás como alternativa Brasil avança na utilização do recurso, já BEM aproveitado em outros países. Alemanha é A referência de Gustavo Paes O biogás, resultante da decomposição de matéria orgânica por

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS

PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS PROJETO DE BIODIGESTOR PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SUÍNOS Paulo Armando V. de Oliveira, Engº Agrícola, PhD Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Área de construções rurais/engenharia

Leia mais

7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br

7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br 7º Fórum Latino Americano de Smart Grid - 10/09/2014 Newton Duarte newton.duarte@cogen.com.br... um novo e Sustentável ciclo de Produção Descentralizada de Energia Elétrica Blackout New York 14, August

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável

Desenvolvimento Rural Sustentável Desenvolvimento Rural Sustentável PROBLEMÁTICA LOCAL Algas (incluso tóxicas) Macrófitas Efluentes Erosão Agrotóxicos Embalagens usadas Planejamento Estratégico MISSÃO Aproveitamento hidráulico dos recursos

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A biomassa no Brasil e o papel do CENBIO Suani Teixeira Coelho / Cristiane Lima Cortez CENBIO/IEE/USP São Paulo, 23 de outubro de 2012 Agenda CENBIO

Leia mais