DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT"

Transcrição

1 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT Otacílio Guedes Marques Resumo: Apresenta pesquisa realizada no acervo documental do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), com o desenvolvimento de uma proposta de modelo de quadro de arranjo para a descrição arquivística de autos de processos judiciais findos e documentos iconográficos (fotografias). Percebe-se a necessidade de realização de pesquisa relacionada à trajetória histórica do TJDFT e da utilização dos dados processuais disponibilizados nos sistemas processuais para a descrição da documentação judicial e dos documentos imagéticos destinados à guarda permanente. Trata dos conceitos e da relação entre documentação judicial, patrimônio documental e memória institucional, e apresenta possibilidades de uso e disponibilização dos acervos do Poder Judiciário para a pesquisa histórica, devido ao seu valor secundário. Discute a implantação de sistemas e políticas de avaliação, descrição e difusão dos acervos do Poder Judiciário, para acesso amplo à documentação judicial, por meio de um repositório digital, permitindo o acesso às fontes documentais e imagens institucionais. Propõe a criação de quadro de arranjo de acordo com as normas de descrição arquivística, adaptando seus níveis para a unidade de descrição (item) processo judicial ou dossiês e itens da espécie fotografia, utilizandose para isso da Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE). Palavras-chave: Poder Judiciário. Descrição. Avaliação. Arranjo. Repositório Digital. 1 INTRODUÇÃO Não é novidade para quem convive com a prática arquivística nas instituições públicas brasileiras que a falta de uma política de gestão documental tem como consequência o acúmulo desordenado e inadequado de documentos, gerando graves problemas de administração, que variam do armazenamento ao acesso. Durante anos, as instituições brasileiras vêm acumulando, de forma indiscriminada, uma grande massa documental, custodiando, em um mesmo ambiente, tanto documentos passíveis de eliminação quanto de valor histórico e, na maioria das vezes, em locais sem a condição adequada à preservação dos mesmos. No Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), a realidade não se desenhou diferente da retratada acima, o que criou uma situação na qual, por mais de 40 Doutorando em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UnB) e Analista Judiciário/Arquivista do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).

2 26 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT (quarenta) anos 1, os documentos foram acumulados sem a prática de ações arquivísticas apropriadas, valendo-se, na maioria das vezes, de métodos empíricos, advindos de iniciativas pessoais, que foram incorporadas, com o passar do tempo, às rotinas de trabalho. Diante da crescente necessidade de políticas voltadas à implantação da gestão documental, ao longo do tempo, foram desenvolvidas iniciativas institucionais tendo em vista a mudança desse cenário. Assim, este trabalho tem o objetivo de apresentar uma proposta de modelo de quadro de arranjo para a descrição arquivística de autos de processos judiciais findos e documentos iconográficos do acervo documental do TJDFT. Ao utilizar conceitos como documentação judicial, patrimônio documental e memória institucional e a forma como se inter-relacionam, pretende-se apresentar as possibilidades de uso e disponibilização dos acervos do Poder Judiciário para a pesquisa histórica, devido ao seu valor secundário (histórico). Por fim, pretende-se propor a implantação de sistemas e políticas de avaliação, descrição e difusão dos acervos do Poder Judiciário, com a criação do quadro de arranjo de acordo com as normas de descrição arquivística, para acesso amplo à documentação judicial, por meio de um repositório digital, permitindo o acesso às fontes documentais e imagens institucionais. 2 GESTÃO DOCUMENTAL NO TJDFT Desde a década de 1970, o TJDFT já possui alguma regulamentação e um setor de Microfilmagem 2 responsável pela migração dos atos normativos, folha de pagamento e de frequência, para microfilme. Em 1983 foi inaugurado o Arquivo Judicial, denominado à época Arquivo Morto, o qual existiu com esta denominação até o final da década de 1990, acumulando de forma empírica os autos de processos findos arquivados e outros documentos, sem, contudo, haver uma efetiva gestão documental, o que acabou formando uma grande massa documental acumulada. Com a consolidação da legislação arquivística brasileira na década de 1990, destacando-se nesse contexto a Lei nº 8.159, de 08 de janeiro de 1991, que Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados, a necessidade constante de destinação de espaço físico para o armazenamento de documentos e a crescente conscientização dos gestores sobre a importância dos arquivos organizados para a boa administração de qualquer instituição, o TJDFT deu início, no ano de 1994, às discussões sobre o tema, visando ao desenvolvimento de um sistema informatizado, (...) [à] eliminação de documentos desprovidos de valor histórico ou informativo e 1 A criação do TJDFT ocorreu concomitante à transferência da Capital do Rio de Janeiro para Brasília, em 21/4/1960. A instituição dos órgãos judiciais de Brasília foi estabelecida pela Lei nº 3.754, de 14/4/1960, primeira lei de organização judiciária do DF. 2 A Lei nº 5.433, de 08 de maio de 1968, que Regula a microfilmagem de Documentos Oficiais e dá outras providências, vem sendo utilizada pelo TJDFT desde a década de 1970.

3 Otacílio Guedes Marques 27 (...) [à] destinação dos processos para guarda permanente. (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, 2001, p. 4). A partir desse marco histórico, as ações de gestão documental do TJDFT começaram a tomar forma com ações como: a formação de uma Comissão Permanente de Avaliação Documental (CPAD); elaboração do esboço de uma Tabela de Temporalidade, inicialmente sem previsão de eliminação (1995); a determinação da construção de um arquivo central com capacidade para acolher todos os documentos produzidos 3 ; e a criação da Secretaria de Documentos e Informações (SEDI) e da Subsecretaria de Armazenamento Geral de Documentos (SUDOC), responsáveis pela organização e gestão dos Arquivos do TJDFT (1998). Com a criação da SEDI, deu-se início aos estudos que culminaram no Plano Básico de Gestão das Informações Arquivísticas do TJDFT, documento basilar da Política de Gestão Documental que foi implantada no Tribunal. Esse documento traz em seu escopo um diagnóstico básico da massa documental acumulada do TJDFT. O diagnóstico foi realizado entre julho e agosto de 1998 e revelou que o tribunal possuía até aquele momento aproximadamente metros lineares de documentos, acondicionados em mais de caixas-arquivo. (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, 2001, p. 8). Os conjuntos documentais identificados foram: Processos Judiciais; Documentos Administrativos; Pastas Funcionais; Processos Administrativos Funcionais e Documentos Contábeis. As principais dificuldades e necessidades encontradas foram: inexistência de Código de Classificação e Tabela de Temporalidade; ausência de sistema informatizado de gestão de arquivos; deterioração de originais devido à inadequação das instalações físicas; falta de tratamento arquivístico; carência de recursos humanos, físicos e materiais nos depósitos de arquivo e de mobiliário e invólucros adequados. De posse dos dados do diagnóstico e baseado na legislação e em práticas arquivísticas, a SEDI elaborou uma política de gestão de documentos de arquivos do TJDFT nos seguintes termos: Prover as diversas unidades organizacionais do TJDFT de instrumentos capazes de transformar os documentos arquivísticos em uma reserva informacional para apoio às atividades judiciais e administrativas cotidianas, nas tomadas de decisão e no registro da trajetória do Tribunal e de sua relação com a sociedade civil. (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, 2001, p. 8). 3 Em 1998 foi realizado diagnóstico dos arquivos do TJDFT, que identificou um acervo de caixas-arquivo a serem tratadas, correspondendo a cerca de ,26 metros lineares de documentos.

4 28 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT No ano 2000 foi criado o cargo de Analista Judiciário Apoio especializado Arquivologia, e foi realizado concurso público para contratação desse profissional, inicialmente com duas vagas. Atualmente o TJDFT conta em seus quadros com 14 arquivistas. Posteriormente, em 2001, foi inaugurado o Complexo de Armazenamento do TJDFT 4, reservando um dos prédios para o Arquivo Central, que passou a armazenar e gerenciar de forma centralizada, com mobiliário e acondicionamento adequado, todos os autos de processos judiciais, que estavam distribuídos por diversos locais, sem o devido tratamento, de forma precária e sem segurança, o que acarretou a deterioração de diversos documentos. Com a aprovação da política de gestão de documentos de arquivos, o tribunal iniciou o Projeto de Modernização dos Arquivos (PROMA), que foi concebido, por uma iniciativa da Vice-Presidência, por sua Secretaria de Gestão Documental (SEGD) 5, com o objetivo de resolver de forma gradual, sistemática e duradoura o problema de armazenamento de autos judiciais findos, promovendo a definição de critérios e procedimentos para a destinação final de documentos judiciais e a utilização de ferramentas tecnológicas que garantam armazenamento em ambiente seguro e viabilizem a adoção de sistema digital para o rito processual como alternativa à forma tradicional. Figura 1 Etapas do PROMA Etapas do PROMA Classificação Arranjo Transporte Cadastro/Digitação Eliminação PROMA Higienização Guarda Permanente Avaliação Armazenamento Remontagem Digitalização/ Microfilmagem Fonte: elaboração própria. 4 O Complexo de Armazenamento do TJDFT era composto em 2001 por três galpões: Arquivo Central, Depósito Público e Almoxarifado. Atualmente, são cinco galpões, sendo três destinados à gestão documental. 5 A Secretaria de Documentos e Informações (SEDI) foi renomeada para Secretaria de Gestão Documental (SEGD) em 2003.

5 Otacílio Guedes Marques 29 O PROMA teve duração de cinco anos (2005 a 2010), tratando todas as caixasarquivo 6, além de ter sido elaborado um termo aditivo para tratar mais caixas, finalizando o contrato. Com o fim dos trabalhos do PROMA, surgiu a necessidade de atualização da Tabela de Temporalidade Documental da Área Fim, com o intuito de incluir novos parâmetros no processo de Gestão Documental 7, além de atualizar a TTD com novas tipologias, classes e assuntos 8. Para tanto, foi aprovada a Resolução nº 013/2011, que atualiza a Tabela de Temporalidade Documental Área Fim (TTD-AF), até então regida pela Resolução nº 8/2005. A partir de então foi criado o Projeto de Expansão do Tratamento Arquivístico dos Processos dos Arquivos Intermediários Judiciais (PROPAE), iniciado em 2011, que vem dando continuidade ao trabalho iniciado pelo PROMA. Com o crescimento exponencial do acervo, os prédios de arquivo localizados no Complexo de Armazenamento contavam com a seguinte estrutura e quantitativo de caixas em 2012: Prédio 1 Arquivo Permanente (SUGAP), inaugurado em Capacidade: caixas caixas tratadas pelo PROMA (permanente e aguardando eliminação) e caixas da área meio; Prédio 2 Arquivo Intermediário de Brasília (SERAIP), prédio transformado em arquivo em Capacidade: caixas caixas do arquivo intermediário de 1ª instância e caixas do arquivo intermediário de 2ª Instância; Prédio 3 Arquivo Intermediário das Cidades-Satélite (SUGAI), inaugurado em Capacidade: caixas caixas do arquivo intermediário das Cidades-Satélite. O restante do espaço é destinado à Reserva Técnica para tratamento dos processos do PROPAE. 3 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS A gestão de documentos e a preservação da memória na administração pública vêm incorporando a utilização de novas tecnologias que facilitam o gerenciamento da informação a fim de atender às demandas administrativas e históricas da sociedade, além do considerável aumento da produção de documentação de caráter arquivístico, que demanda um acesso rápido e seguro às informações, no momento de tomada de decisão. A aplicação dos princípios e das funções arquivísticas no contexto organizacional do Poder Judiciário deve estar pautada à luz dos conceitos de documentação judicial, patrimônio documental e memória institucional com o intuito de garantir o acesso e a recuperação não só de 6 Tamanho do acervo à época. 7 Entre eles, a definição dos critérios de valor secundário que convalidaram a rotina de eliminação de documentos. 8 De acordo com o proposto na Recomendação nº 37 de 2011, do Conselho Nacional de Justiça.

6 30 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT documentos e informações atuais (correntes), como também de fatos históricos relacionados à trajetória das instituições. Para uma aplicação segura dos procedimentos arquivísticos, é imprescindível possuir conhecimentos do contexto administrativo da produção do documento, especialmente aqueles referentes à estrutura organizacional e às funções do organismo produtor, que podem possuir um papel fundamental na solução das dúvidas e dificuldades, teóricas e práticas, que surgem na definição de um fundo de arquivo. Assim, o conhecimento histórico-administrativo constitui-se um instrumental que garante maior segurança e estabilidade ao trabalho do arquivista no tratamento dos documentos produzidos e acumulados pelos órgãos no exercício de suas funções públicas (CABRAL, 2012, p. 6) 3.1 Memória Institucional No que diz respeito à preservação da memória institucional, com destaque para o Poder Público, é importante ressaltar o recente interesse na preservação e difusão da memória oficial, seja ela de instituições, cidades, estados ou países, de forma a ampliar o sentimento de pertencimento dos cidadãos. [...] organizações nacionais e internacionais promovem ações para nutrir e valorizar a memória, sobretudo aquela que espelha o caráter coletivo, a nação, a identidade étnica, religiosa ou de grupo, embora suas formas diversificadas de construção sejam tarefa de poucos especialistas que, por vezes, se (sic) situam humildemente como meros sistematizadores de lembranças e apreciações dos não especialistas (LOVISOLO, 1989, p. 16). A fim de garantir que a memória, em um ambiente institucional, seja a mais autêntica possível em relação aos fatos históricos retratados, deve-se trabalhar com um número representativo de fontes e registros de informação no presente, organizados e acessíveis, de forma que o pesquisador ou o público interessado nas informações relativas à memória institucional tenham referências que se aproximem o máximo possível da realidade. A memória institucional [...] remete-nos a experiências híbridas, [...]. Na perspectiva do tempo, seria o retorno reelaborado de tudo aquilo que contabilizamos na história como conquistas, legados, acontecimentos, mas também vicissitudes, servidão, escuridão. E, mais importante ainda, por mais paradoxal que possa parecer, precisamos construir uma memória institucional no tempo presente, o único de que dispomos, já que o passado já passou, e o futuro está em nossas mãos (COSTA, 1997, p. 147).

7 Otacílio Guedes Marques Patrimônio Documental É costume das pessoas guardarem e preservarem registros do cotidiano, da sua vida e de seus antepassados a fim de recordar aquilo que foi vivido e de deixar como legado para as gerações futuras, de alguma forma, a história da família. Ao mesmo tempo, instituições, sejam elas públicas ou privadas, tentam desenvolver práticas e ações a fim de recuperar, preservar e dar acesso aos registros do passado, em arquivos permanentes, museus e outras unidades de informação de forma concomitante à necessidade de gestão documental de caráter imediato (corrente). O patrimônio arquivístico pode ser entendido, segundo definição do Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, como Conjunto dos arquivos de valor permanente, públicos ou privados, existentes no âmbito de uma nação, de um estado ou de um município. (ARQUIVO NACIONAL, 2005, p. 130). É nesse conjunto documental, de caráter permanente, que se espera que esteja representada à memória institucional. Esta necessidade de preservação da memória institucional, que não se restringe apenas aos documentos tradicionais, causou uma extrema revolução na maneira de atuação das unidades de informação que tratam, de alguma forma, da memória. Entretanto, deve-se atentar para a identificação do que é o patrimônio documental, pois, segundo Jardim: À medida que a informação arquivística torna-se menos utilizada ao longo do processo decisório, tende-se a eliminá-la ou a conservá-la temporariamente (arquivos intermediários [...]). Para tal, consideram-se possibilidades de uso eventual da informação pelo organismo produtor, ou a sua condição de documento de valor permanente. A esta configuração chegariam, segundo a UNESCO, 10% dos documentos produzidos (arquivos permanentes), após submetidos a um processo de avaliação e seleção que se inicia na fase corrente [...]. Constituindo os arquivos permanentes, estes documentos têm sua guarda pelas instituições arquivísticas públicas justificada em dois aspectos. De um lado, em função do uso desses documentos para a pesquisa científica e, de outro, como fator de testemunho das ações do Estado e garantia de direitos dos cidadãos. Com frequência, estas práticas buscam legitimar-se (sic) no discurso da preservação do patrimônio histórico e democratização da memória nacional. (JARDIM, 1995, p. 3, grifo nosso) 3.3 Documentação Judicial Segundo a Lei nº 8.159/91, pilar da legislação arquivística brasileira, arquivos são os Art. 2º [...] conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos, instituições de caráter público e entidades privadas, em decorrência do exercício de atividades específicas, bem como por pessoa física, qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos. (BRASIL, Lei nº 8.159, 8 jan. 1991).

8 32 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT Quanto ao Poder Judiciário, a lei define que: Art. 20 Competem aos arquivos do Poder Judiciário Federal a gestão e o recolhimento dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Judiciário Federal no exercício de suas funções, tramitados em juízo e oriundos de cartórios e secretarias, bem como preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda. (Ibid.). A eliminação de autos judiciais findos é um assunto suscetível a grandes discussões e, como até então não existem critérios para seleção com vistas à preservação e à eliminação, os órgãos do Poder Judiciário acabam guardando o acervo, mantendo-o na sua totalidade. Os arquivos tornam-se grandes depósitos de papel, onde é impossível separar e identificar o que é histórico do que é eliminável. Avaliar documentos é tarefa essencial, permanente e vital para os arquivos e, a fim de respaldar essa importante tarefa, o artigo 9º da lei nº faculta às instituições arquivísticas públicas, na sua específica esfera de competência, o poder de autorizar a eliminação de documentos, já selecionados para tal fim. Esse dispositivo legal garante ao órgão ou entidade produtor-acumulador o estabelecimento de parceria técnica com a instituição arquivística, a oportunidade de apresentar propostas de prazo de guarda e de destinação e amplia o debate acerca dos documentos destituídos de valor para a guarda permanente, garantindo que a eliminação ocorra somente após ampla análise dos documentos. (OLIVEIRA, 2007, p. 139). Percebe-se que o acervo documental de cada órgão do Poder Judiciário brasileiro representa os registros históricos legítimos dos fatos e acontecimentos judiciais que permitem conhecer parte da trajetória da nossa sociedade. Deste modo, os registros alusivos à prestação dos serviços jurisdicionais contêm o relato primário de diversas situações cotidianas da nossa história, denotando a possibilidade de que o acervo contenha processos e documentos com valor histórico. Devido a essa possibilidade, a gestão documental nos arquivos e a destinação final dos documentos devem ser balizadas pela função arquivística da avaliação e pelo princípio de que a eliminação de autos judiciais findos e documentos deve ser resultado da aplicação de critérios técnicos e racionais, com ênfase na preservação da memória institucional. Destaca-se que uma gestão documental integrada deve conjugar outras funções arquivísticas além da avaliação, como a classificação na fase corrente/intermediária, vislumbrando o arranjo/descrição na fase permanente. Nota-se que se essa avaliação for realizada de forma

9 Otacílio Guedes Marques 33 empírica, pode acarretar em uma significativa perda de documentos e informações potencialmente com valor secundário. 4 QUADRO DE ARRANJO DO TJDFT, CONFORME A NORMA BRASILEIRA DE DESCRIÇÃO ARQUIVISTICA (NOBRADE) Para a efetiva organização e disponibilização dos documentos de arquivo, a fim de cumprir os objetivos para os quais eles se destinam (valor primário e secundário), os conceitos de classificação e arranjo devem ser considerados. Segundo Schellenberg, classificação é definida: [...] enquanto aplicada aos documentos correntes, a criação de um sistema de classes dispostas em determinada ordem, segundo a qual se possam agrupar os documentos e a localização dos documentos nos respectivos lugares em tal sistema. A classificação também pode incluir a invenção de notações, isto é, de símbolos estenográficos para designar as classes (SCHELLENBERG, 1959, p ). Já arranjo é definido como: [...] processo de agrupamento dos documentos singulares em unidades significativas, e de tais unidades entre si. Cabe ao arquivista, contínua e instintivamente, impor ordem e relação a coisas não relacionadas classificando, dividindo em categorias a fim de que se revelem o sentido e o conteúdo dos documentos com os quais opera. É mister encontrar neles uma significação que possa comunicar a outros. O êxito que alcance como arquivista é determinado pela ordem que consegue estabelecer e pelos meios de busca que lhe é dado produzir. (Ibid., p. 89). Com a aplicação do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade Documental no TJDFT 9, o armazenamento e acondicionamento dos autos de processos judiciais e documentos passou por significativas mudanças, pois estes deixaram de ser arquivados somente pelos métodos numérico, alfabético ou cronológico, e passaram a ser classificados e ordenados também por assunto, ação que permite uma avaliação mais rápida e um arranjo mais próximo da realidade de um arquivo permanente. O quadro de arranjo do TJDFT foi elaborado no primeiro semestre de 2013 como parte de um projeto institucional que visa à criação do novo Arquivo Permanente do Tribunal. No seu desenvolvimento, observou-se a necessidade de garantir uma lógica de organização de documentos simples e direta, que permitisse o aproveitamento da organização física prevista no plano de classificação, na atividade de arranjo e descrição. 9 Com o PROMA os processos e documentos começaram a ser classificados e rearranjados de acordo com a Tabela de Temporalidade Documental.

10 34 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT Também foi elaborada uma pesquisa de proveniência, que buscou levantar a evolução jurídico-administrativa do TJDFT por meio de estudo das Leis de Organização Judiciárias, dos Regimentos Internos e dos Provimentos da Corregedoria, que ajudaram a identificar as principais funções e atividades exercidas pelo tribunal desde sua instalação em 21 de abril de 1960 até os dias atuais. A estrutura formal do quadro de arranjo foi pensada de forma a tornar o trabalho de descrição lógico e simples, combinando, sempre que possível, as classes e assuntos do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade Documental (área fim e área meio). Após o cadastro do Fundo TJDFT no CODEARQ 10 e a análise de experiências de outros órgãos do Poder Judiciário com descrição, além da utilização da Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE) (BRASIL, 2006), o quadro de arranjo foi estruturado da seguinte forma: Quadro 1 - Quadro de Arranjo do TJDFT (versão resumida) Unidade de Níveis Classes 11 Descrição 0 1 Entidade Custodiadora Fundo/ Coleção 2 Seção Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios - BR DF TJDFT 12 1ª Instância - ÁREA FIM Circunscrições ,5 Subseção Cível Criminal Família Poder Judiciário do DF 2ª Instância - ÁREA FIM Pleno, Turmas e Câmaras ÁREA MEIO Classes nível 1 PJ Territórios Documentos Especiais 13 Territórios Suporte 14 Comarcas Classes nível 1 3 Série Classes nível 2* Ações Classes nível 2* 3,5 Subsérie Classes nível 3 e 4* Tipologias Classes nível 3 e 4* 4 Processos Processos Dossiê 5 Item Item *Classes previstas no Plano de Classificação do TJDFT. Fonte: elaboração própria. Percebe-se que a estrutura de arranjo, sempre que possível, terá no máximo cinco níveis hierárquicos, conforme preconizado pela NOBRADE, sendo que a classificação e o arranjo físico serão efetuados sempre nos níveis equivalentes de classes e assuntos do Plano de Classificação, 10 Cadastro Nacional de Entidades Custodiadoras de Acervos (CODEARQ), recebido pelo TJDFT mediante cadastro no Conselho Nacional de Arquivos (Conarq), do Arquivo Nacional. 11 Seguem as Classes do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade de Documentos do TJDFT (área meio e área fim). 12 CODEARQ. 13 Gênero documental. 14 Espécie documental.

11 Otacílio Guedes Marques 35 nos níveis série (3) ou subsérie (3,5). A partir do nível seção, o arranjo utiliza de forma combinada as classes e assuntos do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade Documental das áreas meio e fim do tribunal. A sistemática de classificação/arranjo dos processos judiciais segue a seguinte estrutura, conforme o exemplo: Quadro 2 - Arranjo do Fundo Poder Judiciário do DF 1 Fundo Poder Judiciário do DF 2 Seção 1ª Instância área fim Circunscrição Judiciária de Brasília e DF 2,5 Subseção Cível 3 Série 150 Ações Previdenciárias 3,5 Subsérie Acidentária/Acidente Típico 4 Processo nº do processo BR DF TJDFT 1ª CIRCBSB xxxx/xx Fonte: elaboração própria. Já para os processos do fundo (fechado) Poder Judiciário dos Territórios 15, a classificação/arranjo dos processos judiciais/administrativo segue a seguinte estrutura: Quadro 3 - Arranjo do Fundo Poder Judiciário dos Territórios 1 Fundo Poder Judiciário dos Territórios 2 Seção Território do Amapá 2,5 Subseção Comarca do Amapá 3 Série 110 Cível 3,5 Subsérie Responsabilidade Civil/Condomínio 4 Processo nº do processo BR DF TJDFT PTJ AP CAm xxxx/xx Fonte: elaboração própria. No arranjo da coleção documentos especiais a estrutura de organização para o arranjo, com a utilização do Plano de Classificação da área meio, faz-se da seguinte maneira: Quadro 4 - Arranjo da Coleção Documentos Especiais 1 Fundo/Coleção Documentos Especiais 2 Seção Fotografias 2,5 Subseção Organização Administrativa (01) 3 Série Comunicação Social (01.06) 3,5 Subsérie Controle de Contatos Sociais ( ) 4 Dossiê Título do Dossiê (número) 5 Item n. foto BR DF TJDFT DE FOT xxx xxx Fonte: elaboração própria. 15 O Fundo Poder Judiciário dos Territórios é um fundo fechado, pois os Territórios foram transformados em Estados a partir da Constituição de 1988.

12 36 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT 5 DESCRIÇÃO DE IMAGENS Trazendo à tona a questão da interpretação de imagens no ambiente organizacional, acadêmico ou pessoal, deve-se observar os diversos fatores ligados à imagem, como também os elementos externos, como metadados e contexto de produção. A não observância desses fatores pode acarretar interpretações distorcidas e errôneas das imagens analisadas. O profissional da informação (documentalista) responsável pelo tratamento, organização e descrição de fotografias em acervos institucionais deve ser (ou ter características de) pesquisador. Somente as experiências pessoais ou a prática não são suficientes para fazer uma leitura com o viés voltado para o interesse dos mais diversos usuários/pesquisadores que possam estar interessados nesse tipo de acervo a fim de balizar suas pesquisas, ou simplesmente ter acesso a uma informação específica que não está explicitamente disponível por meio de signos linguísticos. É sob esta perspectiva que o arquivista que lida com imagens em seu acervo deve atuar: aproximar-se da imagem ao máximo e dela extrair o que de melhor possa interessar ao seu pesquisador usual, ou seja, quanto mais adentrar na fotografia, melhor a traduzirá e poderá oferecer aos usuários uma informação bem tratada, pronta a se transformar em conhecimento, através de outra lente: a do historiador. (MANINI, 2010, p. 22) Esse profissional deve fazer uma leitura diferenciada daquela feita pelo fotógrafo no momento do registro, pois este estava conectado ao objeto retratado. A leitura do profissional deve buscar identificar e encadear os significados desejados pelo fotógrafo, sem, contudo, ser subjetiva, pois se deve ter em mente que essa imagem precisa ser recuperada pelo usuário; logo, sua descrição deve ser o mais objetiva possível. Deve-se ter em mente o nível de profundidade que o profissional da informação deve dar à descrição das imagens organizadas para não acabar fazendo o trabalho do pesquisador, o que pode acarretar o subaproveitamento da imagem pelo usuário. A descrição das imagens deve garantir informações que complementem o sentido do que está sendo visto, com metadados que não são intrínsecos à imagem. Já a forma de uso deve ser uma decisão do usuário, que a utilizará conforme suas necessidades. Para isso, é necessário o mínimo de juízos de valor na descrição das mesmas. Pensando no ambiente institucional, com as conhecidas carências de recursos humanos e materiais, é salutar perguntar-se sobre o nível de aprofundamento que se deve dar à descrição do acervo. O custo-benefício dessa atividade pode não refletir seu efetivo uso para subsidiar pesquisas. É preciso verificar se uma descrição exaustiva se justifica, trabalho que pode vir a ser feito pelo pesquisador a partir dos instrumentos de pesquisas adequados para sua busca. Por não possuir signos linguísticos (aparentes), a leitura de imagens é complementada com a observação de elementos extrínsecos a ela pelo profissional da informação ou leitor/pesquisador,

13 Otacílio Guedes Marques 37 tais como título, data de produção, nome do produtor e legendas, além do repertório de conhecimento do leitor, que pode (ou não) reconhecer elementos, objetos, locais ou pessoas que compõem a imagem, ampliando as possibilidades de interpretação do que está sendo visto. O trabalho ora elaborado pelo TJDFT na descrição dos documentos teve início com a coleção de fotografias em suporte papel, custodiadas pelo Memorial do TJDFT Espaço Desembargadora Lila Pimenta Duarte, transferidas pela Assessoria de Comunicação Social, com datas limite de 1996 a 2006, relativas aos eventos, às inaugurações e solenidades do tribunal, além das imagens disponíveis no acervo do Memorial do TJDFT, recebidas de diversos setores e servidores que fizeram parte da trajetória do Tribunal, desde a década de A descrição da coleção de fotografias até ao nível de dossiê (nível 4) se justifica, pois se pretende organizar e classificar o acervo iconográfico combinando o Plano de Classificação com o arranjo físico por assunto, de acordo com as especificidades da espécie documental propostas pela NOBRADE, além das técnicas de leitura de imagens como as citadas por Manini: Ao conjunto de informações recolhidas a partir da ficha de identificação ou de alguma grade de análise da imagem (quem/o que, quando, onde e como) se pode somar, às vezes, uma ou outra informação obtida através do repertório do profissional da informação, não devendo isto se constituir numa regra com extremos de liberdade, já que repertório é algo variável de pessoa para pessoa. (MANINI, 2010, p. 23, grifo nosso) Ao adotar essa metodologia, pretende-se criar instrumentos de pesquisa 16 capazes de extrair do conjunto documental o máximo de informações possíveis que possam subsidiar a pesquisa de imagens por parte dos potenciais usuários, contextualizando as imagens no marco histórico-institucional, tornando-o conhecido e acessível. Para isso, procurou-se adotar todos os elementos obrigatórios da NOBRADE, além das técnicas de leitura e análise documentária de imagens propostas por Manini (2011), inseridas nos elementos da ficha de descrição, conforme exemplos constantes nos apêndices 1 e 2. 6 REPOSITÓRIO DIGITAL ICA-ATOM De acordo com o publicado no Manifesto Brasileiro de Apoio ao Acesso Livre à Informação Científica, a definição de Repositório Institucional pode ser entendida como: Uma versão completa da obra e todos os materiais suplementares, incluindo uma cópia da licença, como acima definida, é depositada e, portanto, publicada em um formato eletrônico normalizado e apropriado em pelo menos um repositório que utilize normas técnicas adequadas (como as definições 16 Guias, catálogos e inventários.

14 38 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT estabelecidas pelo modelo Open Archives) e que seja mantido por uma instituição acadêmica, sociedade científica, organismo governamental, ou outra organização estabelecida que pretenda promover o acesso livre, a distribuição irrestrita, a interoperabilidade e o arquivamento a longo prazo. (IBICT, 2005 apud SAYÃO et. al., 2009, p. 9). Esses repositórios institucionais se caracterizam pelo compartilhamento e pelo livre acesso à informação, que tem sua importância ampliada com a promulgação da Lei de Acesso à Informação 17 que diz: Art. 6º Cabe aos órgãos e entidades do poder público, observadas as normas e procedimentos específicos aplicáveis, assegurar a: I - gestão transparente da informação, propiciando amplo acesso a ela e sua divulgação; (grifo nosso) Para a concretização do trabalho de descrição e futura criação do Repositório da Memória do Poder Judiciário, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no âmbito do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário (PRONAME), do qual o TJDFT fará parte, está em análise a escolha do repositório que atenda aos requisitos da Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE). Nesse aspecto, os órgãos do Poder Judiciário buscam assinar 18 um termo de cooperação com a Casa de Oswaldo Cruz (COC), para o compartilhamento da Base Arch 19, software customizado de acordo com as normas de descrição brasileira e internacionais a partir do ICA-AtoM, que é Software livre criado por iniciativa do Conselho Internacional de Arquivos (ICA) para a automação da descrição de documentos arquivísticos. ICA-AtoM significa "Conselho Internacional de Arquivos - Acesso à Memória". É um aplicativo fundamentado em ambiente web e baseado em padrões para a descrição arquivística num contexto multilíngue. (CASA DE OSWALDO CRUZ, 2013) Entretanto, para a efetiva aplicação e utilização de qualquer software arquivístico é necessária a prévia realização do trabalho de descrição dos fundos, a fim de que haja uma mínima organização da documentação com um trabalho de arranjo precedente. Deve-se estabelecer alguns padrões de arranjo predefinidos por se tratar de um trabalho conjunto de todo o Poder Judiciário, que, apesar de suas especificidades, tem nos seus ramos de justiça 20 tabelas de classes e assuntos em comum, o que torna a padronização da descrição possível. 17 Lei nº , de 18 de novembro de O TRF da 2ª Região já assinou o termo de cooperação. Atualmente o software está em fase de instalação e testes pelo Tribunal. 19 A base Arch utiliza a versão 1.3 do ICA-AtoM, migrada da versão 1.1 em outubro de Os principais ramos da justiça são: Federal, Estadual, Eleitoral, do Trabalho e Militar.

15 Otacílio Guedes Marques 39 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS O Poder Judiciário vive um período de grandes mudanças e conquistas, no que tange à gestão documental e à preservação da memória, em paralelo com a iminente revolução tecnológica pautada pela implantação do Processo Judicial eletrônico. Entretanto, para garantir a preservação da memória e dar acesso às informações históricas, independentemente do suporte, é necessário que as políticas e práticas de gestão documental sejam consolidadas e que os arquivistas e demais profissionais da informação participem dos momentos de tomada de decisão em todas as fases do ciclo de vida dos documentos. Por não existir instituição similar ao Arquivo Nacional no Poder Judiciário, torna-se necessário que a custódia dos arquivos permanentes seja feita pelos próprios tribunais, que necessitam criar formas de potencializar os meios de acesso aos pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento em seus acervos, com instrumentos de pesquisa adequados e com políticas de arranjo e descrição que respeitem os princípios arquivísticos (proveniência, ordem original, respeito aos fundos, etc.); além disso, precisam ultrapassar a visão de ser necessária apenas a recuperação da informação simplesmente pelo seu valor primário. Por ser uma atividade recente no Poder Judiciário, a gestão documental vem se dedicando a resolver o problema da massa documental acumulada e à gestão dos arquivos correntes e intermediários, deixando a destinação final dos documentos em segundo plano. Ao ir além do valor primário e da destinação final, com a descrição dos fundos documentais permanentes, é possível identificar nesses acervos questões sociais, econômicas e históricas relacionadas aos mais diversos assuntos, que terão seu potencial de pesquisa ampliado para estudantes, pesquisadores e o público em geral. ARCHIVAL DESCRIPTION IN THE JUDICIAL CONTEXT: AN ANALYSIS OF ACCESS TO THE DOCUMENTARY HERITAGE IN TJDFT Abstract: Presents research conducted in documentary collection of the Judiciary of the Federal District and Territories, with the development of a proposal for a framework arrangement for archival description of records of court proceedings ended and iconographic documents (photographs) model. Realizes the need to conduct related to the historical trajectory TJDFT and use of procedural data available in procedural systems for the description of the legal documentation and pictorial documents intended for permanent custody research. These concepts and the relationship between legal documentation, documentary heritage and institutional memory, and presents possibilities for use and availability of the Judiciary collections for historical research, due to its secondary value. Discusses the implementation of policies and systems evaluation,

16 40 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT description and dissemination of the collections of the Judiciary, for broad access to judicial documents, by means of a digital library, providing access to documentary sources and institutional images. Proposes the creation of framework arrangement in accordance with the standards of archival description, adapting their levels for the unit of description (item) or judicial process files and items Species photo, using it for the Standard Archival Description - NOBRADE. Keywords: Judiciary. Description. Evaluation. Arrangement. Repository. 8 REFERÊNCIAS ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. NOBRADE: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 9 jan Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8159.htm>. Acesso em: 2 out CABRAL, Dilma. A importância da história administrativa no tratamento da informação pública. [Rio de Janeiro]: MAPA, Disponível em: <http://linux.an.gov.br/mapa/wpcontent/uploads/2012/02/a-import%c3%a2ncia-da-hist%c3%b3ria-administrativa-notratamento-da-informa%c3%a7%c3%a3o-p%c3%bablica.pdf>. Acesso em: 12 jul CASA DE OSWALDO CRUZ. Questões frequentes sobre a plataforma tecnológica da base Arch (ICA-AtoM). Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz, [20--?]. Disponível em: <http://icaatom.coc.fiocruz.br/index.php/faq#oqueeicaatom>. Acesso em: 11 jul COSTA, Icléia Thiesen Magalhães. Memória institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológica Tese (Doutorado em Ciência da Informação)- IBICT, UFRJ/ECO, Rio de Janeiro, IBICT. Manifesto brasileiro de apoio ao acesso livre à informação científica. Brasília, DF, JARDIM, José Maria. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, p. 1-13, LOVISOLO, Hugo. A memória e a formação dos homens. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p , 1989.

17 Otacílio Guedes Marques 41 MANINI, Miriam Paula. A leitura de imagens fotográficas: preliminares da análise documentária de fotografias. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais... Brasília: UnB, p Leitura de informações imagéticas: ajustes ainda necessários ao novo paradigma. In: MANINI, Miriam Paula; MARQUES, Otacílio Guedes; MUNIZ, Nancy Campos (Org.). Imagem, memória e informação. Brasília: Ícone, p OLIVEIRA, Maria Izabel. Classificação e avaliação de documentos: normalização dos procedimentos técnicos de gestão de documentos. Acervo: Revista do Arquivo Nacional, v. 20, n. 1/2, p , jan./dez SAYÃO, Luis et. al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EDUFBA, SCHELLENBERG, Theodore R. Manual de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Plano básico de gestão das informações arquivísticas do TJDFT. Brasília, DF, 2001.

18 42 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT APÊNDICE 1 - MODELO DE FICHA DE DESCRIÇÃO DE IMAGENS NÍVEL DOSSIÊ 1 Área de identificação 1.1 Código de referência BR DF TJDFT DE FOT + código (ex ) 1.2 Título Título do álbum/dossiê 1.3 Data(s) Datas das fotos 1.4 Nível de descrição (4) dossiê 1.5 Dimensão e suporte Documentos iconográficos: xxx itens (cromia: preto/branco ou colorido) 10x15cm 2 Área de contextualização 2.1 Nome(s) do(s) produtor(es) TJDFT; fotógrafo 3 Área de conteúdo e estrutura 3.1 Âmbito e conteúdo Descrever e identificar as fotos, locais, pessoas e eventos. 6 Área de notas 6.1 Notas sobre conservação Estado de conservação 6.2 Notas Gerais Observações que se fizerem necessárias Localização física (Arquivo, Gaveta, Pasta) 7.1 Nota do arquivista Xxx 7.2 Regras ou convenções Xxx 7 Área de controle da descrição 7.3 Data(s) da(s) descrição(ões) Junho de Área de pontos de acesso e indexação de assuntos 8.1 Pontos de acesso e indexação de assuntos Palavras-chave

19 Otacílio Guedes Marques 43 APÊNDICE 2 - DESCRIÇÃO DE IMAGENS EXEMPLOS NÍVEL ITEM Descrição Item: Lançamento da Pedra Fundamental do Bloco B Código de referência BR DF TJDFT DE FOT Data(s) 1987 (Produção) Título Lançamento da Pedra Fundamental do Bloco B Nível de descrição Item Dimensão e suporte Documentos iconográficos: 1 item (fotografia). (cromia: colorido) 15x21 cm Nome do Produtor TJDFT Âmbito e conteúdo Lançamento da Pedra Fundamental do Bloco B do TJDFT, com a presença do Governador do Distrito Federal, José Aparecido de Oliveira, o Desembargador Presidente do TJDFT, Luiz Vicente Cernicchiaro e a Desembargadora Corregedora do TJDFT, Maria Thereza de Andrade Braga Haynes. Data de descrição junho de 2013 Ponto de Acesso - TJDFT; José Aparecido de Oliveira (Governador do DF); Luiz Vicente Cernicchiaro (Desembargador); local Maria Thereza de Andrade Braga Haynes (Desembargadora); Pedra Fundamental; Inauguração; Bloco B

20 44 DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA NO CONTEXTO JUDICIAL: UMA ANÁLISE DO ACESSO AO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL NO TJDFT Descrição Item: Construção do Bloco A Código de referência BR DF TJDFT DE FOT Data(s) 1972 (Produção) Título Construção do Bloco A Nível de descrição Item Dimensão e suporte Documentos iconográficos: 1 item (fotografia). (cromia: P&B) 15x21 cm Nome do Produtor Âmbito e conteúdo TJDFT Obras de Construção do Anexo A do TJDFT Data de descrição junho de 2013 Ponto de Acesso - local TJDFT; Construção; Bloco A

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos princípios e conceitos arquivísticos, julgue os itens que Julgue os itens seguintes, que versam acerca das normas nacionais se seguem. e internacionais de arquivo.

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos

Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Cuestionesentorno a latransferencia de lacustodia de documentos publicos Profa. Dra. Sonia Troitiño Depto. de Ciência da Informação UNESP-Marília, Brasil Objetivos: 1. Discutir formas e condições de incorporação

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014

PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE FEVEREIRO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Seção de Biblioteca "Amazônia, patrimônio dos brasileiros" Este texto não substitui o original publicado no DJE PORTARIA N.º 249, DO DIA 13 DE

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010

3. Definições: Procedimento (POP) Unidade Organizacional (UO) Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 03. Páginas 06. Data 19/04/2010 : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento e desarquivamento dos autos processuais findos oriundos das Unidades Organizacionais (UO s) do TJ/AM Área-Fim. 2. Campo

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DOS ARQUIVOS DO TJDFT ÁREA-FIM PROMA

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DOS ARQUIVOS DO TJDFT ÁREA-FIM PROMA PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DOS ARQUIVOS DO TJDFT ÁREA-FIM PROMA Otacílio Guedes Marques otacilio.marques@tjdft.jus.br Analista Judiciário Arquivista TJDFT Mestre em Ciência da Informação UnB RESUMO Tendo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

Arquivo Público Municipal. Guia resumido de como criar um CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como criar um Arquivo Público Municipal Transparência e acesso à informação para o exercício da cidadania CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS Guia resumido de como

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL DO INPE: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Marciana Leite Ribeiro Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais SubSIGA/INPE I Ciclo de Palestras sobre Gestão Arquivística

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação.

A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação. A importância da gestão da informação para a tomada de decisão e a prestação de contas: transparência e Lei de Acesso à Informação José Maria Jardim UNIRIO Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013

RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 RESOLUÇÃO DA REITORIA N. /2013 Cria o Arquivo Central (ACE) e o Sistema de Arquivos (SAUnB) da Fundação Universidade de Brasília, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO E REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados)

Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Excertos de legislação sobre Recolhimento (Guarda Permanente, Preservação, Proteção especial a documentos de arquivos públicos e privados) Legislação Municipal Lei nº 3.404 de 5/06/2002 - Dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento

Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Contexto Planejamento Estrutura Política de funcionamento Promoção do acesso universal Informação atualizada Facilidade de pesquisa Compartilhamento de informação Facilidade de manutenção da informação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO 1 OBJETIVO

PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe do Departamento de Apoio aos Núcleos Regionais PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO Analisado por: Diretor de Departamento de Apoio aos Núcleos Regionais (DENUR) Aprovado por: Juiz Auxiliar

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

INTERNET ATUALIZAR DADOS REFERENTES A CUSTAS JUDICIAIS, TAXAS JUDICIÁRIAS E EMOLUMENTOS EXTRAJUDICIAIS NA INTRANET/INTERNET 1 OBJETIVO

INTERNET ATUALIZAR DADOS REFERENTES A CUSTAS JUDICIAIS, TAXAS JUDICIÁRIAS E EMOLUMENTOS EXTRAJUDICIAIS NA INTRANET/INTERNET 1 OBJETIVO ATUALIZAR DADOS REFERENTES A CUSTAS JUDICIAIS, TAXAS Proposto por: Serviço de Atendimento de Custas (SEATE) Analisado por: Divisão de Custas e Informações (DICIN) Aprovado por: p Diretor-Geral da Diretoria

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS

DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS O Coronel PM Diretor de Recursos Humanos, no uso das atribuições legais previstas nos Incisos I e III do Artigo 7º do Regulamento do Sistema de Recursos Humanos (R-103), aprovado

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial.

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial. Proposto por: GERIR A ENTREGA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL Equipe da Vara Empresarial Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Relacionar recomendações

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 PCD 063.01 Gabinete do Reitor Projeto de Desenvolvimento das Ações da Administração Central DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 1. INTRODUÇÃO 1.1 As presentes diretrizes foram definidas

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos Públicos e Privados e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Alraune Reinke da Paz, Arquivista, e-mail: alraune@senado.gov.br; Ana Claudia Ferreira da Silva, Administradora,

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades.

Do SNA-PJPB deve resultar a descrição do funcionamento de cada processo de trabalho habilitando seus executores para o desempenho das suas atividades. Código: DIR-PJPB-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 28/03/2010 Elaborado por: Secretaria de Gestão Estratégica Aprovado por: Presidente do TJPB 1 Objetivo Definir a organização, a apresentação e o ciclo

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação

Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação 1 Orientações práticas para arquivistas auxiliarem os doadores na preparação de seu arquivo pessoal digital para doação Rosely Curi Rondinelli Jorge Phelipe Lira de Abreu Setembro de 2015 2 Orientações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público.

Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. Modernização da gestão da documentação pública do Estado do Rio de Janeiro e reestruturação do Arquivo Público. BENEFICIADOS: Administração Estadual. Pesquisadores. Entidades científicas brasileiras. Demais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROVIMENTO Nº 1.743/2010 Estabelece normas e procedimentos para aplicação do Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 005/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Arquivo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DOCUMENTAL JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA SÃO PAULO MANUAL DE DESCARTE

COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DOCUMENTAL JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA SÃO PAULO MANUAL DE DESCARTE COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DOCUMENTAL JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA SÃO PAULO MANUAL DE DESCARTE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS/JUDICIAIS PRODUZIDOS PELAS VARAS FEDERAIS E UNIDADES DE APOIO

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA por Renato Tarciso Barbosa de Sousa renasou@unb.br Rogério Henrique de Araújo Júnior

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral

POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral 1 INTRODUÇÃO POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL: Câmara dos Deputados Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Ernesto Carlos Bodê A Preservação Digital é um problema

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.159, DE 8 DE JANEIRO DE 1991. Regulamento Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências.

Leia mais

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas Arquivos Públicos e Transparência Aurora Maia Dantas Informação Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato

Leia mais

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas

A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas A importância das atividades de protocolo e arquivo para a modernização e transparência públicas Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ

Leia mais

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 2015 ESTUDOS DE ARQUIVO Informação Documentos Documentos de Arquivo Arquivo Arquivos Públicos Conjunto de documentos produzidos

Leia mais