Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno"

Transcrição

1 Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. Relatório sobre a Estrutura Organizacional e os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno 31 de Dezembro de 2013 Lima Jorge

2 1. Introdução Não tendo existido uma alteração ao curso estratégico do desenvolvimento dos sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno, durante o ano de 2013 a Generali Vida prosseguiu com as acções necessárias à construção desses sistemas, sempre no contexto do alinhamento da estratégia e política de Gestão do Risco com a actividade do Grupo Generali a nível europeu, realidade que é praticamente compatível a 100% com o normativo português. O facto do Grupo Generali estar presente no mercado segurador português através de duas unidades juridicamente distintas (a Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. e a sucursal em Portugal da empresa Assicurazioni Generali S.p.A. sediada em Itália) mas partilhando uma mesma estrutura organizacional tem como corolário que o sistema de Gestão de Riscos que está a ser implementado partilhe da mesma característica os mesmos mecanismos de risk governance, os processos e políticas aplicam-se às duas empresas com se de uma só se tratasse. 2. Estrutura Organizacional 2.1. Enquadramento O Sistema de Gestão de Riscos e de Controlo Interno está implementado na Generali Vida com base nas directrizes instituídas pelo Grupo Generali e em cumprimento das instruções emanadas pela Norma Regulamentar N.º 14/2005-R (Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos sistemas de Gestão de Riscos e de controlo interno das empresas de seguros). O facto do Grupo Generali estar presente no mercado segurador português através de duas entidades juridicamente distintas (a Generali Vida, Companhia de Seguros, S.A. e a Generali, Companhia de Seguros S.p.A. - Sucursal em Portugal, dedicada apenas ao ramo não vida), mas que partilham a mesma estrutura organizacional, tem como corolário que o sistema de Gestão de Riscos e de controlo interno esteja implementado nas duas empresas. Neste contexto, a actividade de gestão de fundos de pensões encontra-se igualmente incluída no Sistema de Gestão de Riscos da Generali em Portugal, em conformidade e em cumprimento das exigências da Norma n.º 8/2009-R do Instituto de Seguros de Portugal Actividade Desenvolvida em 2013 Durante o exercício de 2013 a estrutura organizacional da Generali Vida sofreu uma alteração relevante, conducente a uma melhoria qualitativa no grau de preparação para fazer face a riscos 1

3 de índole operacional e compaginando-se com os objectivos de segregação de deveres previstos na Norma n.º 14/2005-R do Instituto de Seguros de Portugal. Essa alteração consistiu na criação de uma unidade específica dentro da Direcção Técnica para o Ramo Vida, encarregada da gestão de processos de sinistro, efectivamente criando uma separação entre este processo e os restantes processos desenvolvidos dentro da referida Direcção Técnica. Generali Vida aprovou o Código de Conduta e as Normas do Grupo Generali, em substituição do anterior Código de Ética. Esta iniciativa, com forte patrocínio do Grupo visa estabelecer um conjunto mínimo de padrões de comportamento aplicável a todos os colaboradores do Grupo Generali, incluindo membros dos órgãos de supervisão e de gestão. Adicionalmente será preconizada a adesão de todas as entidades terceiras (consultores, fornecedores, agentes, etc.) que actuem em nome da Generali aos princípios estabelecidos no Código de Conduta. As actividades decorrentes da adopção deste Código irão ser desenvolvidas ao longo de Sistema de Gestão de Riscos e Controlo Interno 3.1. Estrutura de Risk Governance A estrutura de Risk Governance que está implementada no final de 2013 é composta de três elementos: 1) Comité de Gestão de Riscos. Durante o exercício de 2013 a constituição e competências deste comité ( Risk Committee Charter ) foram alteradas. Evoluiu-se no sentido de alinhar o funcionamento do comité de Gestão de Riscos com o que está estabelecido na política de Gestão de Riscos do Grupo. Em concreto, o comité assumiu um papel de apoio à tomada de decisão por parte dos órgãos de gestão da Companhia nas matérias que dizem respeito ao risco; 2) Manual de limites operativos, como forma de agregar e documentar as regras e limites relativamente a um conjunto sensível de actividades geradoras de risco para a Companhia (limites e orientações de subscrição Ramo Vida, alocação estratégica de activos, exposição ao risco de crédito, cambial e de concentração). Os limites operativos materializam-se na existência de um conjunto de competências em matéria de subscrição de apólices de seguros e de regularização de processos de sinistros. Além destes limites, ligados aos riscos de subscrição, existe também um conjunto de orientações sobre os riscos dos activos financeiros, denominadas Group Risk Guidelines, as quais estabelecem limites quantitativos em matérias como as posições em moeda estrangeira, concentração de activos financeiros de acordo com o seu risco de crédito ou a sua natureza; 3) Relatório de risco, elaborado de acordo com as especificações da casa-mãe para o Grupo. Já em 2012 o relatório de risco produzido anteriormente foi substituído pelo relatório 2

4 ORSA standard do Grupo, suportado por uma política de ORSA, sendo utilizada uma metodologia de mensuração do capital económico que é uma versão simplificada do modelo interno parcial do Grupo (que a Companhia não adoptou devido à sua dimensão) baseado no balanço económico. O relatório referente a 2013 deverá ser ultimado durante o primeiro semestre de Função de Gestão de Risco A função de Gestão de Riscos está atribuída à Direcção de Controlo Interno, Gestão de Riscos e Compliance, cuja missão é desenvolver e garantir o funcionamento de um sistema de Gestão de Riscos capaz de assegurar o cumprimento dos requisitos legais do mercado português e do Grupo Generali. As funções desta unidade são: - Produzir o relatório ORSA preconizado pelo Grupo Generali, bem como os elementos de reporte que sejam definidos pela Companhia; - Fazer recomendações e acompanhar a implementação das políticas de gestão de risco, nomeadamente a criação e a alteração de orientações e limites nas diferentes actividades operacionais, incluindo aquelas cuja gestão é assegurada no exterior da Companhia (ex.: gestão de investimentos financeiros); - Promover acções que sensibilizem a Companhia a adoptar princípios de gestão e uma cultura de empresa congruentes com a necessidade de criação de valor num contexto de gestão de Risco; - Definir indicadores quantitativos e qualitativos de performance face ao risco. É reconhecida a independência da função de Gestão de Riscos face à gestão da Companhia, constituindo-se a Direcção de Controlo Interno, Gestão de Riscos e Compliance como uma unidade de controlo, sem funções de carácter executivo. É concedido à função de Gestão de Riscos o acesso aos elementos de informação qualitativa e quantitativa necessária ao desempenho independente das suas funções e ao cumprimento dos seus objectivos. Não foram em 2013 realizadas alterações às atribuições da função de Gestão de Risco Atribuição de Funções no Sistema de Gestão de Risco O sistema de Gestão de Riscos tem como elementos: 3

5 Presidente do Conselho de Administração/Representante Legal Desempenha um papel de supervisão e controlo junto à gestão de topo da Companhia: - Aprovação e revisão periódica das orientações estratégicas e políticas de Gestão de Riscos - Garantir as condições de funcionamento do Sistema de Gestão de Riscos, sendo responsável pela definição, desenvolvimento e supervisão do mesmo. Director Geral/Administrador Delegado Desempenha o papel de responsável último pelo posicionamento da Companhia face ao risco e ao modo como este é gerido (Ultimate Risk Owner): - Definição das orientações estratégicas de Gestão de Riscos; - Implementação das medidas de Gestão de Riscos, bem como dos mecanismos de identificação e avaliação dos mesmos em consonância com as orientações estratégicas e com as recomendações da Direcção de Controlo Interno, Gestão de Riscos e Compliance; - Nomeação de responsáveis pela gestão dos riscos mais significativos. Directores de 1ª linha São os responsáveis pela efectivação da Gestão de Riscos dentro das suas áreas de responsabilidade (Risk Owners). Criam as regras e procedimentos que enquadram a actividade quotidiana dos colaboradores. - Definição das políticas e procedimentos concretos para gestão dos riscos relativos aos processos geridos por eles ou pelos seus subordinados; - Definição de instruções e limites e elaboração do respectivo suporte documental (manuais de competências, limites, normas e procedimentos); - Prestação de informações ao responsável pelo sistema de gestão de Risco. São considerados os elementos directamente ligados à gestão das áreas e/ou processos mais sensíveis em matéria dos riscos definidos pela casa-mãe e pelo ISP: Direcções Técnicas, Direcções Comerciais, Direcção de Gestão de Sinistros, Direcção Administrativa e Financeira, Direcção Informática, Direcção de R.H. e Jurídica. 4

6 Direcção de Auditoria Interna No âmbito do seu próprio plano de acção desempenha o papel de observador do sistema (risk observer) e de terceira linha de defesa face ao risco: - Avaliação do sistema de Gestão de Riscos e apresentação de sugestões de melhoria. Restantes sectores/colaboradores da Companhia Considera-se que os restantes sectores da companhia e seus colaboradores fazem parte do universo operacional que assume os riscos quotidianamente (risk takers), executando as suas tarefas no contexto de Gestão de Riscos instituído pelos elementos acima definidos. As suas funções no sistema de Gestão de Riscos são: - Cumprir com as regras e procedimentos definidos pela Companhia; - Comunicar situações concretas e sugestões de melhoria às regras e procedimentos existentes Sistemas de informação e comunicação A Companhia está dotada de instrumentos e de meios que permitem a comunicação interna e o fluxo de informação relevante entre os diferentes sectores da Companhia. Toda a operação da Companhia assenta num aplicativo informático central, onde são efectuadas as principais tarefas quotidianas da empresa. Os acessos ao sistema informático são alvo de revisão e adequados ao perfil de cada utilizador. Para além disso, estão disponíveis canais de comunicação interna baseadas em meios electrónicos (intranet, correio electrónico), que se consideram suficientes para fazer face às necessidades comunicacionais internas Procedimentos de Gestão de Riscos Os procedimentos de Gestão de Riscos são suportados pela estrutura de risk governance descrita anteriormente. Os temas relevantes para a Gestão de Riscos são discutidos em sede de comité de Gestão de Riscos. As políticas relacionadas com os sistemas de Gestão de Riscos e con- 5

7 trolo interno são aprovados pelo Conselho de Administração. A função de Gestão de Riscos presta o necessário apoio à tomada de decisão por via da análise dos dados relevantes para a tomada de decisão, realizando propostas e recomendações, tanto ao comité de Gestão de Riscos como ao Conselho de Administração. Este trabalho é realizado no âmbito da estrutura de Gestão de Riscos do Grupo, responsável por uma visão integrada a nível transnacional. Adicionalmente, e com o intuito de ser feito um acompanhamento da implementação dos projectos ligados à Gestão de Riscos e ao Controlo Interno, continuaram a realizar-se reuniões informais entre o responsável das estruturas de Gestão de Riscos, Controlo Interno e Compliance e Presidente do Conselho de Administração, na qualidade de responsável último pela implementação e funcionamento destes sistemas. Periodicamente existem comunicações escritas acerca do andamento dos trabalhos da Direcção de Controlo Interno, Gestão de Riscos e Compliance. Adicionalmente, a Direcção de Controlo Interno, Gestão de Riscos e Compliance participa no processo de construção do Plano Estratégico Trienal da Companhia contribuindo com o seu plano de acção sectorial. Em 2013, foram analisadas e aprovadas sem alterações pelo Conselho de Administração as seguintes políticas: - Política de Gestão de Riscos; - Política de Gestão de Risco Operacional; - Política de Controlo Interno; - Política de política de Compliance; - Política de subscrição do Ramo Vida. - Política de ORSA; - Política Anti-branqueamento de Capitais; Foram analisadas e aprovadas sem alterações as preferências pelo risco, bem como o apetite e tolerância pelo risco. Foi também aprovado o mapa de riscos adoptado pelo Grupo, com ligeiras adaptações à realidade do mercado português. A Companhia faz recurso a um conjunto de práticas no sentido de manter sob controlo os riscos a que está sujeita, nomeadamente: - Aquelas que estão ligadas ao cálculo do embedded value (prática anual desde há vários anos e que passou a ter cálculos, mesmo que parciais, de periodicidade trimestral) e respectivas análises de sensibilidade. Estes cálculos servem de base à estimação da posição de cobertura do requisito de capital de solvência, calculado segundo a metodologia de balanço económico simplificada preconizada para empresas de menor dimensão dentro do Grupo Generali; 6

8 - Rotina de análise de produtos, destinada a controlar regularmente a rentabilidade dos diversos produtos e os níveis de risco. Esta análise também é feita previamente ao lançamento de novos produtos; - Fixação de limites operativos, onde estão formalizadas as competências em termos de limites de subscrição e de regularização de sinistros, revistos anualmente; - Implementação de rotinas de reporte do cumprimento dos limites operativos, de acordo com um conjunto de orientações do grupo (Group Risk Guidelines, cujas revisões são aprovadas em reunião do Conselho de Administração); Gestão de investimentos financeiros No caso particular actividade de gestão de activos de investimento, quer afectos a provisões técnicas, quer activos livres, a gestão quotidiana dos activos financeiros é realizada por uma empresa especializada pertencente ao Grupo Generali: Generali Investments Europe, sediada em Itália, por via da sua sucursal em França. A actividade desta empresa no tocante à gestão dos activos financeiros propriedade das empresas do Grupo Generali a operar em Portugal é monitorizada por um comité de investimentos constituído pelo Director Geral/Administrador Delegado, pelo Presidente do Conselho de Administração/Representante Legal, pelo Director Administrativo e Financeiro, o qual tutela directamente esta função, bem como pelo responsável pela função de Gestão do Risco, pelo responsável pela função de Cobranças e Gestão de Tesouraria e pelo responsável pela função de Planeamento e Controlo. Este comité, onde também estão representados elementos da Generali Investments Europe, tem reuniões de periodicidade trimestral, onde são analisados resultados passados e ajustada, do ponto de vista táctico a alocação estratégica de activos para os meses subsequentes. É produzido periodicamente em linha com a estratégia global do Grupo Generali e no quadro do funcionamento internacional do Grupo um documento relativamente à alocação estratégica de activos. Quer a gestão estratégica dos activos quer a actividade quotidiana de transacção de activos são executadas dentro dos limites e orientações em matéria de exposição ao risco definidos nos documentos orientadores relevantes (alocação estratégica de activos, exposição ao risco de crédito, cambial e de concentração e detenção de activos de investimento alternativos). Para além de estar sujeita às Group Risk Guidelines aqui referidas, a gestão dos activos da Companhia é feita dentro dos limites fixados no mandato de gestão assinado com a empresa gestora de activos e que se constitui como uma camada adicional de controlos a priori que incide sobre a alocação de fundos por activo, por moeda e por área geográfica. Esta prática não sofreu alterações durante este exercício, estando integralmente implementada. 7

9 Riscos não Pilar I A Companhia tem alargado sucessivamente a sua capacidade de identificar e avaliar os riscos a que está sujeita e neste momento realiza uma avaliação anual do risco operacional com base na metodologia do risco operacional do Grupo, numa perspectiva top-down. O assessment para 2013 foi realizado entre o final de 2012 e o início do novo ano, tendo ocorrido novo assessment (para 2014) sensivelmente no mesmo calendário. A Generali Vida implementou pela primeira vez no final do exercício de 2012 o modelo de medição do risco de liquidez definido pelo Grupo, devendo apresentar uma actualização de resultados inserida no relatório ORSA de Estão em fase de elaboração o plano e a política de continuidade de negócio, esperando-se a sua conclusão em No início de 2014 foi já aprovado um documento de Política de Gestão da Continuidade de Negócio tendo em conta as recomendações do CNSF Conselho Nacional de Supervisores Financeiros sobre este tema, emitidas em Controlo Interno O Sistema de Controlo Interno (SCI) encontra-se implementado na Generali Vida com base nas directrizes instituídas pelo Grupo Generali e com o cumprimento das instruções emanadas pela Norma Regulamentar Nº 14/2005-R (Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos sistemas de Gestão de Riscos e de controlo interno das empresas de seguros). O modelo e os recursos aplicados no SCI são partilhados conjuntamente pelas duas Companhias do Grupo Generali que operam em Portugal: Generali Vida (Ramo Vida) e Generali S.p.A. Sucursal em Portugal (Ramos Não Vida). O modelo do Sistema de Controlo Interno, no âmbito dos Fundos de Pensões, também se encontra definido e implementado pela Generali Vida no modelo em vigor. O actual modelo cumpre os requisitos da Norma Regulamentar Nº 08/2009-R. As principais características do modelo do SCI são: - Existência de um Comité de Auditoria; - Total independência das estruturas de Auditoria Interna, Gestão de Riscos, Controlo Interno e Compliance; - Existência de um Comité de Gestão de Riscos; - Disseminação da cultura de risco e controlo através de reuniões dos Comités; 8

10 - Mapeamento dos riscos e controlos dos processos levantados no SCI Sistema de Controlo Interno Actividade desenvolvida em 2013 No que diz respeito às actividades desenvolvidas em 2013, o Comité de Auditoria reuniu-se de acordo com a periodicidade prevista, produzindo-se deste modo um acompanhamento do desenrolar das actividades de auditoria interna previstas no plano de acção desta função. O trabalho de mapeamento de processos da Companhia é uma actividade ongoing, tendo os processos adicionados ou actualizados na biblioteca de processos da Companhia avançado num ritmo normal. O ano de 2013 foi marcado pela implementação de uma nova ferramenta que integra as componentes de mapeamento de processos, assim como todas as componentes da Gestão de Risco Operacional, inclusive os riscos de non-compliance e as componentes de business continuity management. Esta ferramenta faz parte de um projecto transnacional do Grupo Generali e foi lançada no início de Novembro de Inicialmente disponibilizando os módulos de mapeamento de processos e de risco operacional, permitiu já a realização do Top-Down Operational Risk Assessment anteriormente mencionado, assim como um Top-Down Compliance Risk Assessment. A par desta actividade iniciou-se a transição dos processos de negócio da biblioteca actual para a nova ferramenta, tarefa que irá prolongar-se por Em 2013 executou-se também uma iniciativa de data pooling para eventos operacionais, acção que, sendo a primeira e tendo incidido sobre uma entidade de dimensão reduzida, produziu dados pouco expressivos. Em todo o caso, esta é uma actividade a continuar em anos subsequentes, contribuindo para o aumento da sensibilidade para o facto de existirem perdas por eventos operacionais com potencial para influir nos resultados e situação patrimonial da Companhia Falhas detectadas e medidas correctivas A avaliação que se faz da implementação do sistema de Gestão de Riscos vai no sentido de considerar que estão cumpridos todos os requisitos exigidos pelo Instituto de Seguros de Portugal em termos estruturais, ao mesmo tempo que se verificaram progressos importantes na capacidade da Companhia medir a sua exposição ao risco, assim como se avançou na construção de medidas importantes para a mitigação dos riscos, como seja o início da elaboração do plano de continuidade de negócio. Com a aprovação pelo EIOPA das medidas de transição para o regime Solvência II, a Companhia irá trabalhar no sentido de se adaptar ao quadro legal que decorrerá deste importante passo. Em função da realidade que se irá colocar, irão ser introduzidas adaptações, sendo certo que o trabalho desenvolvido até ao presente irá ter continuidade. 9

11 Para o ano de 2014 esperamos ter concluído o plano de continuidade de negócio, sendo certo que para a componente informática, a Companhia se enquadra na framework internacional do Grupo, situada num dos seus pólos em Itália. Assim sendo, a componente de segurança informática não poderá ser dissociada da evolução das decisões do Grupo nesta matéria. Continuará a já referida transição para a nova ferramenta de suporte ao mapeamento de processos e gestão de riscos operacionais, nos termos já referidos. Durante 2013 foram dados passos concretos para a integração a construção do relatório ORSA com o processo de planeamento estratégico, permitindo a análise prospectiva dos riscos com que a Companhia se confrontará no desenvolvimento da sua estratégia e a projecção da sua posição de solvência futura. Irá ser necessário adaptar e aperfeiçoar a prática actual no sentido de dar resposta aos requisitos do FLAOR que terá de ser produzido doravante. Lisboa, 15 de Abril de 2014 O Director de Controlo Interno, Gestão de Risco e Compliance 10

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM

BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS Relatório Final sobre a Consulta Pública n.º 3/2007 relativa à BETTER REGULATION DO SECTOR FINANCEIRO EM MATÉRIA DE REPORTE ACTUARIAL 1 1. Introdução Entre

Leia mais

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP)

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 15/2007 ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) A avaliação e a determinação com rigor do nível de capital interno

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril

AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 04/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: AUDITORIA EXTERNA Considerando a importância da auditoria externa para o reforço da confiança

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

PONTNews Solução Comercial de e-marketing

PONTNews Solução Comercial de e-marketing PONTNews Solução Comercial de e-marketing Dossier de Produto DP010.03 02/01/2009 A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais, cuja principal actividade é implementação de Sistemas de Informação

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões

Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões Mecanismos de supervisão e regulação para o setor segurador e dos fundos de pensões Mário Ribeiro Instituto de Seguros de Portugal 29 de setembro de 2011 1 ÍNDICE Risco sistémico O novo regime de solvência

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril. AVISO N.º 02/2013 de 19 de Abril

Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril. AVISO N.º 02/2013 de 19 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 73, de 19 de Abril AVISO N.º 02/2013 de 19 de Abril ASSUNTO: CONTROLO INTERNO Considerando, por um lado, o desenvolvimento do sistema financeiro angolano,

Leia mais

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL Tendo em conta: A lei orgânica do Banco de Portugal; As recomendações constantes do relatório do Fundo Monetário internacional relativo ao exercício

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS. www.addactis.com

TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS. www.addactis.com TAREFAS PRINCIPAIS DAS FUNÇÕES ATUARIAIS 1. Funções atuariais A ADDACTIS Worldwide dispõe de consultores experientes e qualificados que o podem apoiar na função atuarial. O apoio que pode ser prestado

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais