DO MONOPÓLIO À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO MONOPÓLIO À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MESTRADO EM DIREITO DO MONOPÓLIO À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO Mestrando: Ilan Goldberg Orientador: Professor Doutor Marcos Juruena Villela Souto Rio de Janeiro 2007

2 Do Monopólio à Livre Concorrência A Criação do Mercado Ressegurador Brasileiro Ilan Goldberg UCAM 2007

3 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MESTRADO EM DIREITO DO MONOPÓLIO À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Direito, área de regulação e concorrência, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Direito, sob a orientação do Professor Doutor Marcos Juruena Villela Souto. Rio de Janeiro 2007

4 Goldberg, Ilan Título: Do monopólio à livre concorrência. A criação do mercado ressegurador brasileiro. Ilan Goldberg. Rio de Janeiro. Universidade Cândido Mendes, Mestrado em Direito, Xi, 195p., il. 31 cm. Orientador: Marcos Juruena Vilella Souto Dissertação (Mestrado) UCAM, Mestrado em Direito, Referências Bibliográficas, f Resseguro 2. Regulação 3. Autoregulação.

5 Autor: Ilan Goldberg Título: Do monopólio à livre concorrência. A criação do mercado ressegurador brasileiro. Assunto: Resseguro. Criação do mercado ressegurador brasileiro. Modificação do papel do Estado. Ordem Econômica Constitucional. Regulação. Auto-regulação. Principais elementos a serem observados pelo órgão regulador. Autonomia da vontade das partes. Usos e costumes internacionais. Número de folhas: 195 fls.

6 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES MESTRADO EM DIREITO DO MONOPÓLIO À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO Ilan Goldberg Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito, submetida à aprovação da Banca Examinadora composta pelos seguintes membros: Orientador: Prof. Dr. Marcos Juruena Villela Souto Prof. Dr. Paulo Luis de Toledo Piza Prof. Dr. João Marcelo de Lima Assafim Rio de Janeiro 2007

7 À minha esposa, Maria Goldberg, literalmente por tudo. À minha mãe, por ter-me ensinado a ser quem sou. Ao meu irmão, melhor amigo. Ao meu pai.

8 AGRADECIMENTOS A primeira pessoa e, com certeza, a que mais me motivou a aceitar o desafio de cursar o Mestrado em Direito foi a minha linda esposa, Maria. Naquela ocasião, em meados de setembro de 2004, confesso que o curso não era uma prioridade para mim mas, com apoio e incentivo, resolvi participar do concurso de seleção e, dali por diante, o caminho foi longo e muito trabalhoso. O resultado, com certeza, extremamente proveitoso. Realmente muitos finais de semana e feriados foram dedicados à realização deste trabalho. A advocacia, como profissão, exige muito do profissional. Conciliar o exercício desta profissão com o desenvolvimento de um projeto acadêmico requer dedicação, esforço e perseverança. O lazer, a prática dos esportes que tanto prezo, assim como o convívio com a família e os amigos, tiveram que ser deixados para um segundo plano. Por já ter passado por esta experiência, Maria soube como me motivar em cada momento, dando-me força para não esmorecer, mesmo quando a redação do trabalho parecia que jamais teria fim. Por todo o amor e pela compreensão incondicional, meu agradecimento especialíssimo é dedicado a você, Sra. Goldberg, com quem tenho o prazer e a alegria de conviver no meu dia-a-dia. Minha mãe Anita, desde sempre, educou-me da melhor maneira possível. Não poupou esforços para, sozinha, proporcionar uma vida excelente a mim e ao meu irmão, sendo absolutamente decisiva na formação da minha personalidade. Querida mãe: a você, o meu agradecimento e a minha admiração, por tudo o quê você representou, representa e representará à minha vida. Um modelo de luta e de pessoa para mim e para todos os meus. Ao Andre, meu irmão e melhor amigo, grande companheiro, que também me acompanha desde o início. Recordo-me da alegria que foi a cerimônia de recebimento da carteira de estagiário da Ordem dos Advogados do Brasil, quando ainda cursava o 7º período da Faculdade de Direito. Lá estávamos, juntos, celebrando, sempre juntos. Meu pai, Jaques, me fez muito feliz a nossa reaproximação nos últimos anos. Que possamos seguir dessa maneira até os 120 anos. Cada vez mais próximos.

9 Ao meu orientador, Doutor Marcos Juruena, um agradecimento muito especial. Lembro-me da nossa primeira conversa, na qual lhe expus o que pretendia abordar na minha dissertação. A partir de então, quando, imediatamente, o meu pedido foi aceito, somente tenho elogios a lhe fazer. Não houve uma ocasião em que eu tenha ficado sem uma rápida resposta. A leitura dos capítulos, na medida em que foram sendo elaborados, sempre foi realizada de forma minuciosa, o que colaborou sobremaneira para o aprimoramento do produto final. Diversas foram as recomendações ao longo deste caminho de pouco mais de 2 (dois) anos que, com certeza, muito me ajudaram à consecução deste trabalho e, mais do que isto, para o meu amadurecimento como profissional do Direito. A você, Doutor Marcos, o meu sincero agradecimento. Esta dissertação, indubitavelmente, também é obra sua. Ao meu grande amigo, parceiro e sócio Eduardo Chalfin, que me acolheu de braços abertos quando eu ainda era estagiário, no segundo ano de Faculdade. Mais tarde, me propôs uma sociedade na advocacia que, com todo o nosso esforço, hoje é muito proveitosa e gratificante. A você, meu amigo Chalfin, a minha mais profunda gratidão. À Clara Vainboim, minha igualmente amiga, parceira e sócia, que sempre me apoiou nos meus projetos acadêmicos, mesmo ciente de que, inevitavelmente, estes tomariam espaço das minhas atribuições profissionais cotidianas. Com você Clara, tenho demonstrações diárias de como é importante aproveitar cada momento da vida. A todos os meus colegas do escritório Chalfin, Goldberg & Vainboim Advogados Associados e, em especial, menciono alguns nomes, desde já receoso por ter esquecido algum, por terem colaborado com as pesquisas, revisão dos textos, troca de idéias e, mais do que isso, por terem me transmitido a tranqüilidade para, em alguns momentos, abdicar das minhas atribuições profissionais para me concentrar no desenvolvimento desta dissertação. São eles: Paulo Maximilian W. M. Schonblum, Leonardo Burman, Ticiana Kirszberg, Walter Fares, Roberto Flamenbaum, Eric Dias, Camila Mazzarela, Andréa Duarte Maravilha, Luis Eduardo Meurer Azambuja, George Mc Kenzie, Úrsula Goulart, Márcia Zavataro, Marcio Alchorne, Rodrigo Marra, Paula Rodrigues, Beatriz Rangel, Sari Franco, Mirela Saar Câmara, Gabrielle Cerri, Roberta Mauro, Daniella Guarnieri Krause, Eduardo Malheiros Fonseca, Beresford Martins Neto, David e

10 10 Gabriela Paterman, Maria Angélica Benetti, Ana Lúcia Berardinelli, Fábio Castro, Danielle Gimenez, Josi Mota, Claudia Batista, Simone Silva, Rafael Rodrigues, Felipe Garcia, Elaine Souza, Eron Pereira e Simone Willkomm. No mercado da advocacia securitária, duas pessoas foram muito especiais para o meu aprimoramento profissional. Assim, agradeço sinceramente ao Doutor Ernesto Tzirulnik, pelas boas conversas que tivemos nos últimos anos, muito enriquecedoras para mim. Também lhe agradeço por ter-me disponibilizado a biblioteca do seu escritório, na qual pude aprofundar um pouco mais as minhas pesquisas. Ao Doutor Paulo Piza, com quem tive o privilégio de passar a conviver nos últimos anos, que considero do mais elevado grau de conhecimento em matéria de resseguro. Aprendi muito com as suas observações e com sua obra. Ao Programa de Mestrado em Direito da Universidade Cândido Mendes, nas pessoas dos funcionários Fagner Castro e Ana Paula Ioselli e, em especial, ao Doutor João Marcelo de Lima Assafim, cuja participação em minha banca examinadora muito engrandeceu o produto final desta dissertação. Por fim, agradeço ao grupo de estudos de resseguro da Associação Internacional de Direito do Seguro AIDA BRASIL, em especial ao Doutor Sérgio Mello, que coordena este grupo e que, muito gentilmente, recebeu alguns capítulos desta dissertação para exame.

11 RESUMO Nesta dissertação analisamos os principais aspectos decorrentes da modificação do papel do Estado por força do advento da Constituição da República de 1988, tendo como foco o resseguro. Por força da ordem econômica que prevalecia na década de 30, ao IRB, à época chamado Instituto de Resseguros do Brasil, criado em 1939, foi imediatamente concedida a exploração do resseguro em regime de monopólio. Passados mais de 60 (sessenta) anos desde a sua criação, em , foi sancionada a Lei Complementar nº. 126, que eliminou o monopólio até então existente. Os principais elementos a serem observados pelo órgão responsável pela regulação do recém criado mercado ressegurador brasileiro foram estudados, merecendo especial relevo a autonomia da vontade das partes, bem como os usos e costumes internacionais. Aos aspectos jurídico-constitucionais que envolveram a elaboração do Projeto de Lei Complementar nº. 249, de 2005, que culminou com a sanção da mencionada Lei Complementar, também foi dedicada atenção, partindo da emenda à Constituição nº. 13, de 1996, passando pela Lei nº , de 1999, a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADIN nº , a Emenda à Constituição nº. 40, de 2003, o posterior julgamento da mencionada ADIN, culminando, por derradeiro, com a sanção do referido Projeto de Lei Complementar. Estudou-se, também, a necessidade de que a regulação do resseguro, em razão de sua marcante especificidade e tecnicidade, deve ser realizada por agência reguladora independente, a ser criada com esta finalidade, sendo certo que, ante à influência dos mencionados usos e costumes internacionais, cuja efetivação é realizada pelos próprios resseguradores, demonstrou-se a viabilidade jurídica de que o resseguro possa ser objeto de auto-regulação no Brasil.

12 ABSTRACT On this work, we draft an analysis of the principal aspects related to the modification of the role of the State after the Brazilian Federal Constitution of Because of the economic order current in the 30 s, IRB, at that time called 'Instituto de Resseguros do Brasil', created in 1939, was immediately given the monopoly of the reinsurance. After more than 60 (sixty) years since it s creation, in January, 15th, 2007, the Brazilian Congress enacted the Complementary Law nº. 126, which eliminated the above-mentioned monopoly. This work also studied the essential elements to be observed by the regulatory agency of the Brazilian reinsurance market, with special attention to the autonomy of the Parties weal and the international practices. In addition, the judicial and constitucional aspects regarding the Complementary Law Project nº. 249, of 2005 were examined, including Amendment to the Brazilian Federal Constitution No. 13, of 1996, the Law No , of 1999, the motion for declaration of unconstitutionality nº filed before the Brazilian Supreme Court, the Amendment to the Constitution No. 40, of 2003, and, finally, the enactment of Complementary Law Project. Because of it s specificity and required technical expertise, it is argued in this work that the regulation of reinsurance must be done by an independent regulatory agency, to be created with this goal. Because of the importance of the so called international practices, applied by the reinsurers themselves, the work also examines the legal viability of their self-regulation in Brazil.

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO SÉCULOS XX E XXI O ESTADO E A MODIFICAÇÃO DE 19 SUAS FUNÇÕES Introdução Primeiras Considerações Relativas ao Setor de Resseguro Brasileiro A Espera pelo Fim do Intervencionismo no Setor de Resseguro A Importância da Emenda à Constituição nº. 13, de 21 de Agosto de Como Passo Seguinte, a Emenda à Constituição nº. 40, de 29 de Maio de A Exploração do Setor de Resseguro em Regime de Monopólio Conclusões Parciais DO REGIME MONOPOLISTA À LIVRE CONCORRÊNCIA A CRIAÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO Considerações Iniciais Contextualizando o Resseguro Limitações do Poder Regulatório exercido pelo Estado sobre o Resseguro A Criação do Mercado Ressegurador Brasileiro Os Fundamentos que Sustentam a Regulação do Mercado Ressegurador Brasileiro A Flexibilização do Monopólio sob a Perspectiva Jurídico-Constitucional Regulação e Resseguro Os Principais Elementos a serem observados pelo Órgão Regulador do Resseguro no Brasil A Higidez Econômico-Financeira Livre Iniciativa e Livre Concorrência Cooperação Os Benefícios Decorrentes da Abertura do Mercado Ressegurador Brasileiro: Conclusões Parciais DADOS PROVENIENTES DOS MERCADOS RESSEGURADO- RES ARGENTINO, DA COMUNIDADE EUROPÉIA E DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Introdução O Mercado de Resseguros na Argentina Breve Panorama A Atuação do INdeR A Exploração do Resseguro em Regime de Livre Concorrência

14 3.2.4 As Atribuições Regulatórias O Mercado de Resseguro na Comunidade Econômica Européia O Mercado de Resseguro dos Estados Unidos da América EUA Conclusões Parciais HAVERIA UM AMBIENTE PROPÍCIO À AUTO-REGULA- ÇÃO DO MERCADO RESSEGURADOR BRASILEIRO? AS FUNÇÕES A SEREM EXERCIDAS PELO IRB BRASIL RESSEGUROS S.A Introdução Do Monopólio à Livre Concorrência por Intermédio da Regulação. O Destino Final será a Auto-Regulação? Justificativa para a Regulação Independente Auto-Regulação Os Usos e Costumes Ressecuritários Internacionais Comunhão de Sorte entre Segurador e Ressegurador folow the fortunes Autonomia de Gestão do Segurador Obrigação de Respeito aos Atos Praticados pelo Segurador Direito de Inspeção Dever de Retenção do Risco pelo Segurador Conclusão Quanto aos Usos e Costumes Internacionais As Funções a serem Exercidas pelo IRB Brasil Resseguros S.A. no Mercado Ressegurador Brasileiro O IRB Brasil Resseguros S.A. como Regulador do Mercado Impossibilidade O IRB Brasil Resseguros S.A. como Estatal e Competidor Desestatização do IRB Brasil Resseguros S.A.? A Criação de uma Agência Reguladora Independente para a Regulação do Resseguro Conclusões Parciais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

15 INTRODUÇÃO A Constituição da República, de 5 de outubro de 1998, positivou no ordenamento jurídico brasileiro os princípios da livre iniciativa e da livre concorrência em seus artigos 1º, inciso IV e 170, caput e inciso IV, sendo certo que a relação de atividades passíveis de exploração em regime de monopólio foi taxativamente discriminada no artigo 177. O resseguro, independentemente de não figurar dentre as atividades previstas no artigo 177 do texto constitucional, foi objeto de exploração monopolista desde 1939, quando da criação do à época chamado Instituto de Resseguros do Brasil IRB, por força do Decreto-lei nº , de 3 de abril daquele ano. Em razão da incipiência do mercado segurador nacional naquele período, quando da criação do IRB foi observada a necessidade de que a exploração do resseguro fosse realizada em regime de monopólio da União, como forma de evitar a evasão de divisas e de bons negócios para o exterior. Passados 67 (sessenta e sete) anos desde a criação do mesmo, precisamente em 15 de janeiro de 2007 foi sancionada a Lei Complementar nº. 126 que, enfim, flexibilizou o monopólio do resseguro no Brasil, submetendo a sua exploração à livre concorrência. No que se refere à atuação do Estado, após se sucederem diversas modificações em serviços públicos e atividades econômicas diversas, como, a título exemplificativo, as ocorridas com as telecomunicações e com a exploração de petróleo e gás, por força das Emendas à Constituição números 8, de 15 de agosto de 1995 e 9, de 9 de novembro de 1995, respectivamente, corolário da convicção de que os modelos do Estado Bem- Estar, Empresário e Desenvolvimentista deveriam ser redesenhados, reuniram-se os elementos necessários à modificação do regime de exploração do resseguro no país. Assim, estudamos nesta dissertação, especificamente, todos os passos seguidos a caminho da flexibilização do monopólio do IRB Brasil Resseguros S.A. (nomenclatura que passou a ser utilizada a partir de 1997, quando da promulgação da Lei nº , de 13 de agosto), migrando do regime monopolista para o regime da livre concorrência.

16 16 No primeiro capítulo, abordaremos a mencionada modificação das funções exercidas pelo Estado, tendo como foco o setor de resseguro. Procuramos demonstrar que, durante boa parte do século XX, o monopólio da União, exercido por intermédio de sua resseguradora, justificou-se, considerando que o desenvolvimento da economia nacional encontrava a necessidade de que fossem oferecidas as coberturas ressecuritárias. Caso não houvesse um ressegurador brasileiro, em condições de oferecer essas coberturas, necessariamente haveria a necessidade de se recorrer aos mercados resseguradores estrangeiros, ocasionando um esvaziamento da economia nacional. O controle da União sobre o resseguro brasileiro afigurava-se estratégico com vistas ao aperfeiçoamento do mercado segurador nacional e, além disso, mostrava-se perfeitamente alinhado com o modelo estatal predominante o chamado hiper-estado marcado pelo acúmulo de responsabilidades nos mais diversos segmentos da sociedade, fossem afetas aos serviços públicos ou às atividades econômicas. No segundo capítulo, analisaremos como se processará a construção do mercado ressegurador brasileiro. Mesmo considerando a sanção da mencionada Lei Complementar, analisaremos que este diploma legal, por si só, não será capaz de propiciar a criação do mercado ressegurador brasileiro. Tomando como ponto de partida a exploração em regime monopolista, marcado pela existência de um setor de resseguro e não do mercado, discutiremos quais são os principais alicerces sobre os quais o órgão responsável pela regulação do mercado ressegurador brasileiro deverá centrar a sua atuação, quais sejam, higidez econômicofinanceira, livre concorrência e acordos de cooperação. Sob a perspectiva jurídico-constitucional, explicaremos, de maneira pormenorizada, a importância da Emenda à Constituição nº. 13, de 21 de agosto de 1996, sucedida, três anos mais tarde, pela Lei Ordinária nº , de 20 de dezembro de 1999, cujo escopo era transferir as atribuições regulatórias exercidas pelo IRB Brasil Resseguros S.A. à Superintendência de Seguros Privados SUSEP, autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, responsável pela regulação do mercado segurador brasileiro desde 1966, por força do que determina o artigo 36 do Decreto-lei nº. 73, de 21 de novembro daquele ano, não obstante tenha ocorrido a recepção deste diploma legal pela Constituição Federal de 1988.

17 17 Comentaremos a respeito da ADIN nº , que atacou a comentada transferência de atribuições regulatórias do IRB Brasil Resseguros S.A. à Superintendência de Seguros Privados SUSEP por meio de Lei Ordinária, ao argumento de que esta transferência carecia de que fosse sancionada Lei Complementar a respeito da matéria. Na seqüência, observaremos a importância da Emenda à Constituição nº. 40, de 29 de maio de 2003 e sua influência no julgamento da referida ADIN pelo Supremo Tribunal Federal, culminando, já em 2007, consoante se expôs, com a sanção da Lei Complementar nº. 126, fruto da aprovação do Projeto de Lei Complementar nº Particularmente no que toca à regulação do resseguro, destacaremos a relevância dos usos e costumes internacionais e da autonomia da vontade das partes, chamando a atenção à necessidade de que a intervenção estatal nas relações que serão desenvolvidas entre resseguradores e seguradores deverá ser leve, norteada pelo princípio da subsidiariedade. Por fim, analisaremos as principais vantagens decorrentes da flexibilização do monopólio do resseguro no país. No terceiro capítulo estudaremos dados provenientes dos mercados resseguradores argentino, da Comunidade Européia e dos Estados Unidos da América. Do mercado ressegurador argentino, foram colhidas as experiências oriundas da flexibilização do monopólio ocorrido naquele país, por força da liquidação do Instituto Nacional de Reaseguros, ocorrida em Dos mercados resseguradores da Comunidade Européia e dos Estados Unidos da América, extraiu-se a importância de que seja fiscalizada a higidez econômicofinanceira dos seus resseguradores. Ante à globalização e a atuação dos resseguradores nos cinco continentes, demonstraremos que na Comunidade Européia o ressegurador autorizado a atuar num país integrante passa a poder atuar, automaticamente, em todos os demais países integrantes deste bloco, por força do que determina a Diretiva 2005/68/CE, de 16 de novembro de Nos Estados Unidos da América, de maneira similar, o ressegurador que obtém a autorização para funcionamento num determinado Estado, independentemente das

18 18 diferenças legislativas com outros Estados, fica, também autorizado a exercer as suas funções nos demais estados. No quarto capítulo, discutiremos se estariam ou não presentes os requisitos necessários à auto-regulação do mercado ressegurador brasileiro. Nesse passo, mencionaremos também quais serão as atribuições do IRB Brasil Resseguros neste novo cenário. Antes, porém, de tratar da auto-regulação, demonstraremos a necessidade de que a regulação do resseguro seja realizada de forma independente, por agência reguladora criada especificamente com esta finalidade, visando justamente evitar interferências do próprio Estado ou dos particulares envolvidos com este mercado a incidência da captura. Com relação aos principais aspectos que deverão ser analisados pelo órgão regulador do mercado ressegurador, comentaremos, individualmente, a respeito dos usos e costumes internacionais aplicáveis à matéria. Quanto às funções a serem exercidas pelo IRB Brasil Resseguros S.A. no mercado aberto de resseguro brasileiro, trataremos acerca da impossibilidade de que pelo mesmo permaneçam sendo exercidas atribuições regulatórias, assim como estudaremos a possibilidade de que este continue como estatal, competindo com os demais resseguradores que se instalarão no mercado ressegurador nacional. Por fim, cuidaremos da análise da viabilidade jurídica de que o IRB seja desestatizado, bem como reforçaremos a necessidade de que a regulação do mercado ressegurador seja exercida por agência reguladora independente, a ser criada com esta finalidade específica.

19 CAPÍTULO 1 SÉCULOS XX E XXI O ESTADO E A MODIFICAÇÃO DE SUAS FUNÇÕES 1.1 Introdução Os artigos 1º, inciso IV e 170, caput e inciso IV, da Constituição Federal de , trataram da livre iniciativa e da livre concorrência como princípios da ordem econômica, o que representou uma inovação em comparação com as Constituições brasileiras anteriores, consideradas as modificações ocorridas com o Estado ao longo dos anos 90. Compreendidas como, respectivamente, fundamento da República Federativa do Brasil e princípio da ordem econômica, a livre iniciativa e a livre concorrência 1 revelaram uma modificação do cenário construído ao longo do Século XX, consideravelmente marcado pela intervenção estatal, corolário do regime ditatorial No concernente à organização da nossa ordem econômica, parece inegável o predomínio dos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência, que, embora sejam expressões próximas, não se confundem. De fato, a livre iniciativa garante a todos papel primordial é preservado à iniciativa particular a prerrogativa de lançar-se no mercado, na exploração de uma determinada atividade, por sua própria conta e risco, não assegurando a prevalência das leis de mercado. Enquanto que a livre concorrência vai mais além e assegura ao agente econômico a possibilidade de desfrutar da exploração de um setor submetido a regras que permitem uma competição em condições de igualdade, de isonomia com relação aos demais concorrentes. A livre concorrência envolve a competitividade, a disputa por mais de uma empresa em torno da conquista do mercado, o que gera maior produtividade, melhorias dos preços e qualidade dos produtos. Ora, estes princípios vetores são absolutamente infensos à intromissão do Estado na economia, que hoje, portanto, deve ater-se à exploração de seus monopólios (art. 177 da CF), assim como a assunção excepcional da atividade econômica, quando presentes os pressupostos do art. 173 porém, não em caráter monopolista e à atividade regulamentadora, que vem disciplinada no art. 174, e que também não é incondicionada à atuação estatal; pelo contrário, o Poder Público só pode regulamentar nos termos do caput do referido artigo (...).(Celso Ribeiro Bastos. Instituto de Resseguros do Brasil Seguros face à Constituição Federal. In: Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, v. 7. São Paulo: RT, 1994, pp. 140/150). A principal diferença existente entre as Constituições da República de 1988 e as que lhe antecederam pode ser destacada a partir da possibilidade anteriormente existente de que o Estado pudesse criar monopólios por iniciativa legislativa a cargo da União Federal. A seguir, alguns dispositivos das Constituições Brasileiras anteriores à atual: 2 A Constituição Federal de 16 de julho de 1934, em seus artigos 115 e 116, dispunha: Art A ordem econômica deve ser organizada conforme os princípios da Justiça e as necessidades da vida nacional, de modo que possibilite a todos existência digna. Dentro desses limites, é garantida a liberdade econômica. Parágrafo único - Os Poderes Públicos verificarão, periodicamente, o padrão de vida nas várias regiões do País. Art Por motivo de interesse público e autorizada em lei especial, a União poderá monopolizar determinada indústria ou atividade econômica, asseguradas as indenizações, devidas, conforme o art. 112, nº 17, e ressalvados os serviços municipalizados ou de competência dos Poderes locais. A Constituição

20 20 Enquanto que em boa parte daquele Século o Estado tenha ficado marcado pela atuação direta nos mais diversos seios da Sociedade, sobretudo nos Poderes Executivo e Legislativo, o que, por certo, acarretou a exploração de diversos serviços públicos e de atividades econômicas em regime de monopólio, além de terem sido instituídos diversos outros monopólios independentemente de prévia disciplina pelas Constituições federais, a segunda metade da década de 1990 e o início do Século XXI apresentaram mostras evidentes de que tanto a livre iniciativa quanto a livre concorrência estão assumindo papel fundamental nas reformas que o Estado brasileiro vem sofrendo. O início do Século XX, até aproximadamente a década de 1930, marcou o Estado brasileiro por ser essencialmente agro-produtor, sendo praticamente inexistente qualquer aparato industrial digno de distinção. Luis Carlos Bresser-Pereira 3 comenta esse período, que demarcou o início do desenvolvimento industrial brasileiro: A partir de 1930, ou, se quisermos ser mais exatos, no decorrer dos anos 1930, tem início a decolagem do desenvolvimento brasileiro; é nesta década que o Brasil entra propriamente na fase de sua Revolução Industrial. As transformações que irão ocorrer a partir desse momento, todavia, não surgem do nada. Embora só a partir de 1930 se verifique uma solução de continuidade no processo histórico brasileiro, que dá um salto para frente, rompendo com suas bases agrárias, tradicionais e de caráter basicamente colonial, é certo que a decolagem da economia brasileira tem antecedentes bem definidos Federal de 10 de novembro de 1937, em seu artigo 135, dispunha: Na iniciativa individual, no poder de criação, de organização e de invenção do indivíduo, exercido nos limites do bem público, funda-se a riqueza e a prosperidade nacional. A intervenção do Estado no domínio econômico só se legitima para suprir as deficiências da iniciativa individual e coordenar os fatores da produção, de maneira a evitar ou resolver os seus conflitos e introduzir no jogo das competições individuais o pensamento dos interesses da Nação, representados pelo Estado. A intervenção no domínio econômico poderá ser mediata e imediata, revestindo a forma do controle, do estímulo ou da gestão direta. A Constituição Federal de 18 de setembro de 1946, em seu artigo 146, dispunha: A União poderá, mediante lei especial, intervir no domínio econômico e monopolizar determinada indústria ou atividade. A intervenção terá por base o interesse público e por limite os direitos fundamentais assegurados nesta Constituição. A Constituição Federal de 1967, em seu artigo 157, caput, e parágrafos 8º e 9º, dispunha: Art A ordem econômica tem por fim realizar a justiça social, com base nos seguintes princípios: I - liberdade de iniciativa; II - valorização do trabalho como condição da dignidade humana; III - função social da propriedade; IV - harmonia e solidariedade entre os fatores de produção; V - desenvolvimento econômico; VI - repressão ao abuso do poder econômico, caracterizado pelo domínio dos mercados, a eliminação da concorrência e o aumento arbitrário dos lucros. 8º - São facultados a intervenção no domínio econômico e o monopólio de determinada indústria ou atividade, mediante lei da União, quando indispensável por motivos de segurança nacional, ou para organizar setor que não possa ser desenvolvido com eficiência no regime de competição e de liberdade de iniciativa, assegurados os direitos e garantias individuais. 9º - Para atender à intervenção no domínio econômico, de que trata o parágrafo anterior, poderá a União instituir contribuições destinadas ao custeio dos respectivos serviços e encargos, na forma que a lei estabelecer. BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos. Desenvolvimento e Crise no Brasil. 5 ed. São Paulo: Ed. 34, 2003, p. 41. Com relação aos elementos que antecederam o desenvolvimento da atividade industrial no país, convém observar as palavras de Bresser-Pereira (ob. cit., p. 41): Esses antecedentes podem ser encontrados, em primeiro lugar, no desenvolvimento da cultura do café, que se desenvolve no Brasil a partir de meados do século XIX. O ciclo do café tem características diversas do ciclo do açúcar ou do ouro. Além do fato de os ciclos do açúcar e do ouro terem ocorrido em plena época colonial, a diferença fundamental está no fato de que com o café começa a ser usado em grande escala o trabalho assalariado, ao invés do trabalho escravo. (...) Surge, assim, em grande escala

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados REORGANIZAÇÃO SUCESSÓRIA E SEUS ASPECTOS por Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme Sócio de Almeida Guilherme Advogados e Maria Eugênia Gadia Ulian Advogada de Almeida Guilherme Advogados I. Introdução

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL Guilherme Augusto Duarte de Faria¹ Natália Peixoto Calijorne² Stefani Ferreira de Matos³ ¹ Bacharel em administração

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br História da Caixa Professor Carlos Arthur 1. A Caixa Econômica Federal (CAIXA), criada em 1861, está regulada pelo Decreto-Lei n.º 759/1969, como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO!

AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! AINDA AS COOPERATIVAS DE TRABALHO! Jorge Luiz Souto Maior (*) Tenho percebido que a discussão em torno das cooperativas de trabalho possui dois momentos: o primeiro, pelo qual o intérprete se posiciona

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação

As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação As privatizações e o desenvolvimento econômico brasileiro: O papel do Estado na regulação Maria Ivanúcia Lopes da Costa 1 Resumo: Com as privatizações chegando ao Brasil na década de 90, o Estado preparou-se

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

MENSAGEM N o 557, DE 2006

MENSAGEM N o 557, DE 2006 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 557, DE 2006 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação no Domínio do Turismo entre a República Federativa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO 19 A DISPENSA DE EMPREGADOS EM EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA PRESTADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECONÔMICAS EM REGIME DE MONOPÓLIO Adib Pereira Netto Salim*

Leia mais

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. À FEDERAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL - FENAFISP, A/C do Ilustríssimo Dr. LUÍS RONALDO MARTINS ANGOTI, Digníssimo DIRETOR JURÍDICO. REF.:

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO

CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO CONSTITUCIONALIDADE DA LEI DO PETRÓLEO E DA ADOÇÃO DE NOVOS REGIMES DE CONTRATAÇÃO PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2009 Paulo

Leia mais

Limites de Atuação das Agências Reguladoras na Disciplina da Propaganda de Produtos Comerciais: Poder de Polícia Reforçado ou Poder Normativo?

Limites de Atuação das Agências Reguladoras na Disciplina da Propaganda de Produtos Comerciais: Poder de Polícia Reforçado ou Poder Normativo? 46 Limites de Atuação das Agências Reguladoras na Disciplina da Propaganda de Produtos Comerciais: Poder de Polícia Reforçado ou Poder Normativo? Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas O palestrante iniciou

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012.

Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012. Ofício n.º 29/2012 Brasília, 31 de outubro de 2012. ASSUNTO: Projeto de Lei do INSAES Senhor Secretário, - Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino agradece-lhe o convite e a oportunidade para

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

MP 615/2013 pode levar ao aumento da sonegação

MP 615/2013 pode levar ao aumento da sonegação MP 615/2013 pode levar ao aumento da sonegação Artigo publicado na revista Consultor Jurídico, 7 de outubro de 2013. Autor: Allan Titonelli Nunes Procurador da Fazenda Nacional, ex-presidente do Sinprofaz

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Competência Tributária.

Competência Tributária. Competência Tributária. PONTO 1 RESUMO FUNDAMENTAL 1. A competência tributária é o poder conferido à União, aos Estados-membros, ao Distrito Federal e aos Municípios de instituir tributos por meio do processo

Leia mais

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014 Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. Para: Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Mediação Administrativa, Ouvidoria Setorial e Participação Pública SMA Dr. MARCOS BRAGATTO Assunto:

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 507.536 - DF (2003/0037798-3) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI RECORRENTE : O SINDICATO DOS SERVIDORES DAS AUTARQUIAS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

CARREIRAS DA ADVOCACIA PÚBLICA FEDERAL: UNIFICAÇÃO OU ESPECIALIZAÇÃO

CARREIRAS DA ADVOCACIA PÚBLICA FEDERAL: UNIFICAÇÃO OU ESPECIALIZAÇÃO CARREIRAS DA ADVOCACIA PÚBLICA FEDERAL: UNIFICAÇÃO OU ESPECIALIZAÇÃO Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional (texto escrito em 28 de março de 2005, na condição de Presidente do Sindicato

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

Pareceres no Direito Empresarial

Pareceres no Direito Empresarial **** Pareceres no Direito Empresarial Pareceres no Direito Empresarial O Direito Empresarial, em Pareceres 2011 2 Para meu saudoso pai, Hermínio, minha querida mãe, Adalgisa, amada esposa, Maria Elizabeth

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2UNIVERSALIDADE DE COBERTURA

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.749, DE 2013 Altera a Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, dispondo sobre a criação da figura do paralegal. Autor: Deputado SERGIO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio)

PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio) PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio) Altera e revoga dispositivos da Lei nº 4.594, de 29 de dezembro de 1964, que Regula a profissão do corretor de seguros. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O benefício assistencial como instrumento de defesa da dignidade da pessoa humana Jeferson Calixto Júnior* Interpretações legais e jurisprudenciais que ensejariam uma maior efetividade

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Prof. Rafael Oliveira. www.professorrafaeloliveira.com.br SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

Prof. Rafael Oliveira. www.professorrafaeloliveira.com.br SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO PROF. RAFAEL OLIVEIRA 1) BIBLIOGRAFIA BÁSICA: OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. Curso de Direito Administrativo, 3ª ed.,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado n 689, de 2011, do Senador Vital do Rêgo, que acrescenta 3º ao art. 84 da Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente:

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente: Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que, amparado nos artigos 66, 2 e 9, IV da Constituição Estadual, decidi vetar totalmente por inconstitucionalidade

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar com as seguintes alterações:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar com as seguintes alterações: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Art. 1º O Ato das Disposições Constitucionais Transitórias passa a vigorar

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Regime jurídico das empresas estatais

Regime jurídico das empresas estatais Prof. Márcio Iorio Aranha Regime jurídico das empresas estatais 1) Submissão aos princípios gerais da Administração Pública (art. 37, caput legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo I As transformações do Estado e a organização administrativa moderna 1.1. Estado Liberal, Estado

Leia mais