1.A autoria em contextos online

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.A autoria em contextos online"

Transcrição

1 1

2 1.A autoria em contextos online Face à multiplicidade de autores que nascem e morrem constantemente no mundo virtual, parece que o autor está cada vez mais próximo do destino a que Barthes o condenou em 1968 no seu ensaio A morte do autor. Neste ensaio, Barthes fala do afastamento necessário para que cada texto seja entendido como uma trama, uma tessitura de citações em que o autor perde o papel paternal. Exactamente ao contrario, o scriptor moderno nasce ao mesmo tempo que o seu texto; nao esta de modo algum provido de um ser que precederia ou excederia a sua escrita, nao e de modo algum o sujeito de que o seu livro seria o predicado; nao existe outro tempo para alem do tempo da enunciaçao, e todo o texto e escrito eternamente aqui e agora. O autor deixa de preceder o texto como seu Deus que tudo pode, criatura omnisciente que olha de cima para baixo para a sua criação. Esquece-se o autor como génio, esquece-se o autor como anterior ao texto que nele encontra a sua expressão. Para Barthes, o acto da escrita não é um acto de expressão de idiossincrasias ou um acto de confissão de uma personalidade pré-existente. O autor inscreve, em lugar de expressar. Barthes define a escrita como um acto linguístico, que se esgota na linguagem. É apenas um jogo, em que um código específico define a forma como podemos jogá-lo. Estas concepções de Barthes face ao autor são bastante óbvias quando se pensa no fenómeno da autoria em contextos online. Tendo em conta que online muitas vezes o autor não é identificado, poder-se-ia pensar que ele morre no mundo virtual para nascer uma concepção da escrita unificada, por um lado, na sua ausência de criador, mas, ao mesmo tempo, fragmentária pela sua diversidade de temas e modos expressivos. No entanto, o facto de um autor não ser muitas vezes identificado não quer dizer que não exista. Desde meados do século XX que a disciplina da análise de autoria A emergência da filologia concidiu com a procura de processos que permitam distinguir autores com base em critérios inteiramente textuais. Não pretendo enunciar com detalhe a forma como estes estudos se concretizam; actualmente, ferramentas mecanizadas têm um bom papel nesta análise e recorrem a processos extremamente complexos para definir quais os textos de um grupo que têm um 2

3 autor em comum. Em A Framework for Authorship Identification of Online Messages(...),Rong Zheng, Zan Huang, Jiexun Li e Hsinchun Chen analisam algumas das técnicas empregues nesta análise, utilizadas neste caso para tentar combater a fraude online e alguns esquemas de phishing. A ideia dos autores é que as técnicas de análise de autoria podem servir para identificar autores em situações em que saber quem criou um determinado texto pode impedi-lo de prosseguir a sua actividade criminosa. Isto levanta algumas possibilidades também para as questões de autoria que pretendemos estudar: funções de atribuição e copyright. Embora nem sempre se saiba quem é o autor de um texto com facilidade, isso não quer dizer que este não possa ser descoberto seja porque este se declara ou porque alguém se deu ao trabalho de tentar descobri-lo. Existem de facto formas de chegar ao autor de um texto, e este existe sempre. Ainda que possamos mergulhar na ideia de Barthes de que o autor desaparece, empurrado infinitamente para trás da sua obra, o acto da escrita tem sempre um produtor, tem sempre um performer. Acontece que, quando estamos a falar de contextos online, é muito difícil saber quem são os autores da maioria dos conteúdos. Deve-se isto a várias razões. Em primeiro lugar, muitos autores de textos online preferem usar pseudónimos porque se no mundo editorial existe uma facilidade em descobrir quem é o autor que entregou um texto para publicação, no online há muitas formas de encobrir os nossos rastos. Estas formas de ocultar a nossa identidade não se ficam pelo uso de um pseudónimo há diversas ferramentas que permitem aos utilizadores publicar conteúdos anonimamente. Além disso, softwares como o bundle Tor 1 permitem ao utilizador ocultar o seu endereço IP (IP corresponde a Internet Protocol), ou seja, o código numérico que identifica a sua máquina. O IP é um número gerado a cada ligação de um dispositivo à Internet. Através do IP associado à publicação de um conteúdo, é possível descobrir em que parte do mundo está ligado o dispositivo em causa, qual a empresa de telecomunicações que fornece o acesso, ou até o tipo de ligação de que o utilizador se serve para ter acesso à web. Quando alguém utiliza o sistema Tor, o software simplesmente atribui à máquina em causa um IP falso, que aponta para uma localização totalmente diferente da real e que não permite que o utilizador seja identificado por qualquer pessoa que tenha acesso ao seu número de IP. Pode parecer estranho que alguém se dê ao trabalho de utilizar um software deste tipo a menos que esteja a cometer algum acto ilegal. Porém, muitas pessoas servem-se do 1 Todos os nomes de softwares citados são-no sob as devidas leis de copyright. 3

4 software apenas para proteger a sua privacidade. Cada vez mais é difícil escapar à vigilância constante que o online permite, e o facto de não querermos ser escutados não quer dizer que o que não queremos que saibam sobre nós é ilegal. Existem muitos motivos para ocultar a nossa actividade online. Esses motivos são diversos, individuais e privados. Existe ainda um último motivo que penso que é também de especial relevância. Trata-se da forma como a Internet actualmente se organiza em torno da actividade de partilha. O boom das redes sociais a partir do ano 2000 levou a que muitos conteúdos perdidos por servidores poeirentos fossem desenterrados por pessoas que ou sabiam quem eram os autores mas achavam que essa informação não era relevante, ou queriam realmente ficar com os louros do trabalho que alguém tivera, ou, até, que não faziam a mínima ideia de quem eram os autores do artigo em causa. Esses artigos foram partilhados e começaram a gerar filhos, ou melhor, começaram a degenerar em versões variadas das quais actualmente já nem se sabe a origem. As redes sociais favoreceram esta troca e também esta degeneração, e começou a nascer nestas redes de conteúdos uma forma e um conceito de partilha que em nada tem a ver com modos anteriores de autoria colectiva, característicos dos séculos XIX e XX, como o cadavre-exquis. No século XIX e por uma parte do século XX, o autor era visto como uma personagem da qual a individualidade é uma característica essencial. Em oposição a essa forma como se via o autor no final do século XIX e no início do século XX, ou seja, como um génio pleno de individualidade e do qual a escrita é um reflexo simétrico, os utilizadores de redes sociais vêm os autores como entidades sem rosto, sem identidade, sem importância. Esta concepção do autor aponta então para uma noção de partilha que nas redes sociais torna o acto de partilhar o objecto central; o que importa é a distribuição de conteúdo, manter a comunicação através da partilha de conteúdos que reflectem aquele que os partilha. Acirculação de informação mantém-se porque é uma fonte de entretenimento fácil para os utilizadores, bem como uma forma de cada utilizador se enaltecer e criar a sua personagem online de acordo com aquilo que partilha. Os conteúdos que nos são partilhados no Facebook são tantos que, mal os lemos, já os esquecemos. Estas trocas de informação acabam por se tornar irrelevantes. Além disso, as redes sociais favorecem uma espécie de coleccionismo em relação às pessoas que adicionamos à nossa rede de contactos. Esta rede em permanente expansão torna-se uma sobrecarga de informação para os seus consumidores. A dificuldade neste momento é filtrar a informação com que somos bombardeados. As quantidades enormes de informação que são distribuídas contribuem também para 4

5 o apagamento do autor nas redes sociais. Mais do que não saber quem são os autores de um conteúdo que leram, muitas vezes os leitores não querem sequer saber. A informação é digerida e apropriada pelos utilizadores das redes como se fosse sua, pronta a repetir sempre que seja necessário. Outra das questões em que a autoria online é uma questão particularmente complexa é o facto de na web todos serem produtores de dados. O modelo de distribuição de informação online é, ao contrário do que era habitual até à invenção da web (de um para muitos), um modelo em que muitos são os produtores e muitos são consumidores. A comunicação online, efectivamente, compõe-se de uma série de trocas de dados entre máquinas espalhadas por todo o mundo. Se no mundo editorial existem escritores, editores e leitores, qualquer pessoa pode publicar online o que quer que lhe apeteça exprimir, quer um comentário num jornal online a comentar uma qualquer intriga política, até a um verdadeiro romance publicado em diversas partes num blog. As possibilidades são infindáveis. O facto de qualquer pessoa poder publicar na internet e gerir o seu próprio site contribui para um conceito de autoria ainda mais desconexo. Criar uma reputação online que transcenda o nosso grupo de amigos é muitas vezes difícil. E quando fazemos parte do mundo online somos um elemento ínfimo de uma rede gigantesca. Estar online pode querer dizer que os nossos conteúdos estão disponíveis para todo o mundo aceder; mas isso não quer dizer que um grande número de pessoas encontre os conteúdos em si ou sequer que os queira ler. A maior parte dos autores no mundo online são apenas uma voz ínfima no meio de uma ensurdecedora cacofonia. É importante perceber todas estas condições para se caracterizar o autor online. Tendo em conta estas características, não admira que o autor online seja um espécime difícil de capturar. Como reconhecer o autor de um texto numa tão grande diversidade de conteúdos? Que tipo de entidade é este autor tantas vezes ignorado? Dentro desta questão existem vários graus de autoria. Quando escrevemos um texto e ele é partilhado por alguém na sua página de Facebook, a pessoa que partilha o artigo é uma espécie de co-autor mas um co-autor que apenas pode acrescentar o seu comentário ao que está feito e que não teve uma participação no conteúdo inicialmente em causa.. Esta pessoa é a responsável pela partilha e isso dá-lhe uma dose mínima de responsabilidade além de que o comentário que acompanha o conteúdo pode dar-lhe uma boa parte do seu sentido. Lembro também que diversas marcas e personalidades contratam empresas para gerir as suas páginas de Facebook. Essa função cria uma circunstância interessante: as pessoas que escrevem os 5

6 posts são autores, mas são autores que se ocultam por vontade própria. O objectivo é precisamente ocultar a sua existência, criar conteúdos que se integram na comunicação de forma a que pareça que é a personalidade a falar (no caso de contas de celebridades; quando se tratam de marcas há um fenómeno mais complexo de personificação). Claro que essa actividade se encontra no ramo da publicidade e da comunicação com objectivos comerciais; mas não deixa de ser produção de conteúdos e escrita de textos e, portanto importante face às questões de autoria discutidas nesta dissertação.. Esta autoria em vários graus funciona dentro da noção de citação como a define Gary Saul Morson em The Words of Others. Segundo Morson, existem vários tipos de citações que se distinguem pela forma como relacionam o autor primeiro e aquele que faz a citação. Podemos entender que quando alguém partilha um conteúdo online, seja numa rede social, num blog ou num website, está a citar o seu primeiro autor. Mas o facto de se citar alguém torna-nos, como referido acima, também autores numa espécie de autoria de segundo grau. Quando escolhemos o que partilhar escolhemos aquilo que nos representa enquanto pessoas. Com o tempo, a nossa participação no mundo online torna-se numa construção em que nos definimos a nós próprios segundo aquilo que partilhamos com os outros. Um perfil online é uma representação de uma pessoa, mas uma representação que tem mais a ver com aquilo que se quer ser do que com aquilo que se é. Ao escolher o que partilhamos, estamos a associar esse conteúdo à nossa personalidade mas muitas vezes a pessoa que somos online é bastante diferente do papel (ou dos vários papéis) que desempenhamos offline.. É uma questão de perspectiva e de construção. De perspectiva no sentido em que aqueles que nos conhecem apenas online têm uma noção unificada da nossa personalidade, em oposição à situação fragmentária que representa a nossa vida fora do online. Fora da web, somos filhos, estudantes, trabalhadores, coleccionadores, escritores, militantes, o que for. A nossa personalidade desdobra-se em muitos papéis que desempenhamos e que se sobrepõem uns aos outros sem se anular. Na vida virtual, somos apenas uma pessoa com determinados gostos e crenças e alcançamos uma unidade que oculta aquilo que representamos na sociedade offline. A questão de construção prende-se com a evolução de uma presença online. À medida que acrescentamos conteúdos ao nosso perfil, vamos definindo a forma como cada outra pessoa nos vê pela nossa existência na web. Muitas pessoas aproveitam essa possibilidade de se auto-construírem para criar alter egos que nada têm a ver com aquilo que essas pessoas fazem na vida offline. Tomemos o 6

7 exemplo de E. L. James, autora do best-seller Fifty Shades of Grey. Offline, a autora é uma respeitável publicitária que trabalha e sustenta a sua família. Online, é uma autora de livros eróticos que são hilariantes pela sua inocência. A construção da série escrita por E. L. James começou online. De início, a história era apenas o que se chama fan fiction: uma história baseada num livro já publicado de qualidade igualmente duvidosa: o romance Twilight. A autora baseou as suas personagens nas personagens de um livro já existente e começou a escrever episódios não relacionados com os eventos do livro. E. L. James tinha essa actividade online, totalmente desligada da pessoa que era na vida offline. Mas isso não a impediu de conseguir ser publicada. A vida online tem de facto um forte peso para aquilo que somos e para o resto da nossa existência. É evidente que as vidas online e offline de cada pessoa estão interligadas pelo simples facto de se tratarem de duas facetas da mesma experiência. A nossa participação na vida online, mesmo que não sejamos produtores por si e nos limitemos a partilhar conteúdos em redes sociais, tem impacto no resto da nossa vida. O que defini como duas faces da mesma moeda pressupõe também uma sobreposição de facetas. As pessoas com quem nos relacionamos saltam do offline para o online e também, muitas vezes, na direcção inversa. Tendo em conta esta sobreposição entre a vida online e a vida offline, torna-se impossível acreditar que o online não tem importância ou que é apenas uma brincadeira sem consequências. Assim como existem leis que regulamentam a vida offline, também são necessárias leis para a vida online. A condenação de várias pessoas, feita através das leis offline mas referente a crimes cometidos online, mostra que é necessária a regulamentação da web de forma eficaz e perceptível a todos os que frequentam o mundo virtual. Um caso famoso é o de Kim Dotcom, responsável máximo pelo site de partilha de ficheiros MegaUpload, que está ainda a ser julgado por ter favorecido a troca ilegal de ficheiros sob protecção de direitos de autor. Além deste caso, basta pensar no facto de muitos artistas de diversas áreas utilizarem a web como veículo de divulgação dos seus trabalhos. Embora seja óbvio que este código de conduta só funcionará se houver punições, é essencial para a compreensão do mundo online que se chegue a um entendimento sobre as noções de autoria na web. Sem compreendermos efectivamente a autoria neste âmbito, é impossível tentar tomar medidas sobre o copyright em contextos virtuais. É neste sentido que este trabalho pretende lançar alguma luz sobre questões de autoria e copyright em ambientes web. Defenderei que conteúdos escritos, quer de forma profissional quer amadora, precisam 7

8 de regras que reforcem esta autoria ética e legal. Penso que por agora já é claro o que se pretende com esta dissertação escrever um ensaio sobre os códigos necessários para que a comunicação online seja justa e segura. Obviamente seria impossível acreditar que a criação de regras é suficiente para a sua aplicação em contextos reais mas este projecto passa também pela criação de medidas por forma a punir comportamentos ilegais online.a ideia é que este trabalho seja efectivamente útil quando se pensa em questões de autoria online principalmente tendo em conta que a literatura sobre este tema é ainda muito reduzida. As soluções que se colocam neste momento para estas questões pecam por se basear demasiado ou em barreiras criadas pela programação ou em barreiras criadas pela lei. À partida, considero que nenhuma solução eficaz para estes problemas é unilateral ou pode considerar apenas uma forma de resolução. Tendo em conta a multiplicidade das dimensões que se consideram no mundo online, é impossível pensar que seja fácil encontrar uma solução para um problema de tamanha dimensão. Para encontrar uma solução é preciso que esta tenha em conta a forma como se vive online, e a forma como os seus power users se servem da web para fazer dinheiro.. A autoria tem importância em primeiro lugar para aqueles que vivem dos conteúdos que produzem e se perdem ou não com a cópia dos seus trabalhos que as linguagens da programação online muitas vezes permitem, é uma questão que tenciono deixar em aberto por agora. A primeira nota que deixarei é apenas a de que a noção de propriedade online não coincide totalmente com a propriedade no mundo físico. A razão primária para esta diferença está num simples motivo: o de que quando estamos online o roubo não impede o seu criador de usufruir do conteúdo que criou. Mas este motivo é um de muitos quando consideramos a autoria online como uma questão conceptual. O que quero dizer com esta explicação é que julgar que a autoria na web é uma questão simples é ficar aquém de dimensões importantes da vida virtual. E mais adiante, a seu tempo, será enunciada a forma como essas dimensões se entrecruzam e se desafiam mutuamente. 8

9 2. Noção de comunidade online e a importância dos memes Uma comunidade caracteriza-se por duas condições: a existência de um grupo de indivíduos que habitam o mesmo espaço e a sua coesão tendo em conta um consenso espontâneo entre eles sobre várias regras que regem a sua participação. A expressão comunidade online pode alargar-se para corresponder a um conjunto de utilizadores de uma mesma rede social. Mas mais facilmente uma comunidade se caracteriza por um grupo específico, dentro dessa rede social, que se une num grupo sob um tema que os associa. Um grupo de utilizadores de uma rede social pode ter em comum o gosto pela rede em si mas são tantas as coisas que os separam em termos de interesse que é difícil considerar que todos os utilizadores de uma rede criam uma comunidade. No entanto, se pensarmos em redes como o Reddit ou o Facebook, estas permitem a criação de grupos (no Facebook) ou fóruns (intitulados de subreddits no primeiro). Dentro desses grupos, a coesão é maior devido à existência de factores comuns, seja gostar de um determinado tipo de música, ou interessar-se por literatura, ou até por um determinado flavor 2 de um software específico. Nessa medida, uma comunidade nunca compreende todos os utilizadores de uma rede, mas apenas os vários utilizadores que se juntam sob um interesse comum dentro da mesma num grupo mais restrito. Se pensarmos no caso do Reddit, cada subreddit pode ser considerado uma comunidade. Os subreddits organizam-se em torno de temas do interesse de todos os participantes e cada utilizador pode subscrever e participar em todos os subreddits que entender. Assim, cada utilizador do Reddit é parte de diversas comunidades o que se assemelha à variedade de papéis que cada um de nós representa na sua vida offline. Neste sentido, o Reddit permite uma liberdade enorme face às diversas facetas da vida de cada um. O Facebook também tem comunidades internas que se organizam em torno de grupos ou páginas. As páginas de marcas, que compreendem desde produtos a filmes ou grupos musicais, são um exemplo de comunidades que são criadas pelas marcas que representam e crescem em torno de um interesse comum. A característica que define estas comunidades é a existência de regras de conduta a que os seus membros obedecem. Quando alguém não obedece a estas regras, cabe aos administradores das páginas ou grupos ou aos outros membros a tarefa de os denunciar, obrigando à sua expulsão. Isto significa que o membro expulso deixa de poder publicar na página em questão ou de votar para promover ou despromover os conteúdos publicados. Esta noção de comunidade é particularmente relevante para as noções de autoria, no sentido 2 Um flavor é uma determinada versão do sistema operativo Linux. Cada uma destas versões funciona em torno de um design específico, com programas próprios que se cruzam entre flavors que utilizam a mesma linguagem. Exemplos de flavors de Linux são o Fedora, o Ubuntu ou o Mandriva Ver o artigo para uma comparação entre vários flavors ou distributions (sinónimo) de Linux.

10 em que as suas regras definem a forma como a comunidade se comporta em relação a questões de copyright. Um exemplo desta relação é a comunidade de utilizadores do site Jumpcut. O Jumpcut é um site que tem por função fazer remixes de vídeos diversos, e que facilita a utilização de um vídeo para fazer novas montagens a partir desse vídeo original. No Jumpcut, existe um botão em cada vídeo que permite ao utilizador guardar o vídeo no seu perfil para mais tarde fazer com ele um remix. O paper Remixing Authorship: Reconfiguring the Author in Online Video Remix Culture, de Diakopoulos, Luther, Medynskiy e Essa 3, estuda a forma como a comunidade de utilizadores do Jumpcut define as suas noções de autoria. Neste caso, penso que se pode considerar que os utilizadores deste website compõem uma comunidade, tendo em conta a natureza extremamente específica desta rede. No ponto referente à atribuição de vídeos a um determinado autor, os escritores que estudam este website admitem que se trata de uma questão complexa. Em sua opinião, os utilizadores do Jumpcut had no qualms about using copyrighted video content in their remixes, e também were equally confortable with having their work appropriated by others. Os utilizadores concordam que fazer o upload de um vídeo para a plataforma do Jumpcut coloca esse vídeo no public domain para todas as utilizações possíveis. Diakopoulos et al. chegam à conclusão de que some users [they] interviewed admitted they enjoy seeing their videos remixed, which involves being attributed on the contributors list for all subsequent remixes. Para esta concepção de autoria que os utilizadores do Jumpcut têm, contribui em grande parte a forma como a plataforma está estruturada. A apropriação de um clip para ser remisturado é aceite; só não se aceita que alguém pegue num vídeo e o assine sem fazer qualquer outra alteração. Estes utilizadores baseiam-se em dois factores essenciais para pensar questões de atribuição: a origem do vídeo em que se baseia a montagem e o esforço por parte do utilizador em montar a remix. A origem do vídeo obedece a vários critérios. O primeiro é que os vídeos que pertencem a companhias têm menos direito a ser considerados de autor do que os vídeos que pertencem a indivíduos. Isto porque o Jumpcut é uma plataforma não comercial e os vídeos obedecem a utilizações para fins não promocionais. Em segundo lugar, os utilizadores acreditam que os vídeos que têm uma origem mais facilmente reconhecida não necessitam dessa referência na sua descrição porque, ao serem parte de um património cultural comum, serão reconhecidos como citação. Quanto à questão do esforço, os utilizadores do Jumpcut 4 defendem que um vídeo em que o autor simplesmente fez uma cópia do trabalho de outro não pode ter a marca da sua autoria; mas quando o utilizador altera substancialmente o vídeo original torna-se autor. Ao mesmo tempo, os 3 Ver ref. RARAOVRC 4 Ver ref.. RARAOVRC.

11 entrevistados concordam entre si que os vídeos feitos através da plataforma do Jumpcut têm maior mérito que aqueles feitos em softwares de proprietário que são exteriores ao site, visto que a construção de um vídeo no Jumpcut representa um maior esforço por parte do autor. A noção de que o esforço de produção é relevante para objectivos de autoria é algo que devemos ter em mente ao considerar a autoria online. Se seguirmos essa linha de pensamento, será mais fácil considerar autor aquele que publica num blog um romance em sete partes do que aquele que apenas faz um comentário ao partilhar um vídeo de outros numa rede social. Porémdefendo que cada plataforma define a forma como a autoria é considerada na mesma; a autoria no Jumpcut é diferente da autoria em blogs, e a autoria no Facebook é diferente da autoria no Reddit. Não me parece que seja viável tentar entender a autoria online como um todo sem considerar as diferenças patentes a cada plataforma (seja esta uma rede social, uma plataforma de blogging ou um website).para entender melhor onde quero chegar com esta afirmação da relevância da plataforma, tentarei usar o exemplo dos memes. Os memes são imagens partilhadas em que a imagem representa uma mensagem específica, corroborada pela legenda da imagem em si. No exemplo abaixo, pode ver-se um exemplo do meme Joseph Ducreux, inspirado no auto retrato do pintor, que ficou conhecido pelas suas composições humorísticas. Os criadores de memes apropriaram-se das suas obras para construir uma personagem que, habitualmente, parafraseia frases da cultura pop de forma erudita. Ilustração 1 Exemplo de meme "Joseph Ducreux" Os memes são uma espécie de conteúdo que mostra facilmente o que se pode esperar de um objecto de autoria online. Estes obedecem a regras muito específicas na sua construção. Um meme é normalmente uma réplica de um conteúdo que sofre uma pequena variação; ou seja, uma imagem

12 que é usada com diversas legendas mas para representar sempre significados semelhantes. Um fã de memes já sabe o que vai encontrar quando vê uma imagem como esta; e assim, o conteúdo base do meme é replicado infinitamente. Nos memes, o autor nunca é identificado mas obviamente existe. Esta forma de ocultação do autor é um símbolo evidente da forma como muitos dos utilizadores da internet encaram a autoria: não é necessário saber-se que foi certa pessoa a publicar certa réplica de um meme; basta que esta tenha o seu reconhecimento no facto de este ser partilhado até à exaustão. No entanto, parece-me óbvio que esta forma de autoria não é um exemplo que possa ser utilizado em todas as encarnações que a autoria online assume. Quem escreve contos num blog 5, mesmo utilizando um pseudónimo, muito provavelmente ficaria bastante incomodado se alguém replicasse um dos seus textos sem pedir autorização ou, no mínimo, indicar a fonte. Mesmo quando se trata dos memes, há um acordo tácito para que aqueles que publicam um certo post com um meme indiquem o website onde este fez a sua primeira aparição ou, se não o indicar, ao menos que deixe a referência de que ao publicá-lo não reivindica a sua autoria. No entanto, apesar de pretender explorar no próximo capítulo a forma como cada uma das principais redes sociais define a autoria dentro do seu âmbito pois decerto se compreende já que as regras de código e os termos de utilização de cada rede têm impacto no que se entende da autoria em cada uma delas penso que deve ser feita uma salvaguarda no caso dos memes. Trata-se de um caso muito característico da autoria online. O meme é em primeiro lugar um conteúdo que se baseia na concordância entre os utilizadores sobre o seu significado. Isto é óbvio tendo em conta que na sua repetição este mantém o seu sentido base e é também essencial para que o meme seja compreendido nas suas várias manifestações. Isto levanta diversas questões. Primeiro, como se obtém essa espécie de acordo? Segundo, como é que os utilizadores se juntam em relação a um tema quando as várias comunidades de utilizadores têm proveniências totalmente diferentes (muitas vezes vêm de países completamente distantes, não falam a mesma língua de forma nativa, e muitas vezes não concordam em questões essenciais)? No caso do Reddit, o principal veículo de produção e divulgação de memes, a maior parte dos utilizadores são norte-americanos ou de países de língua oficial inglesa; mas não compõem nem de longe a totalidade dos utilizadores. Como é então possível que pessoas de todo o mundo se identifiquem com uma mesma experiência e a tornem num código geral? Esta primeira questão prende-se, penso eu, com as características de uma espécie de streamlining de conteúdo que se observa nos memes. A ideia central de cada meme é simplificada por modo a ser sempre compreendida da mesma maneira por todos os utilizadores. O mesmo pode ser dito de um grande número de coisas; mas nos memes isso é central. Cada meme tem um sentido 5 Ver https://www.eff.org/issues/bloggers/legal/liability/ip.

13 básico que depois é apropriado em cada manifestação. Mas o motivo pelo qual há consenso no código é porque ele é relativamente simples. A imagem surge no Reddit ou no 4chan com uma caption (a frase que explica a mensagem específica dessa manifestação em si); os outros utilizadores baptizam o meme, e ele começa a circular. Isto se tiver sucesso, obviamente muitas tentativas de meme não conseguem sequer chegar à frontpage do Reddit (para chegar à frontpage existe um sistema de votos positivos e negativos em que os votos positivos trazem o post para a frente e os negativos o enviam para as páginas finais, num esquema que faz com que um post com muitos upvotes seja visto por cada vez mais pessoas esta questão será explicada em mais detalhe no capítulo 3) e acabam por desaparecer tão depressa quanto surgiram. Mas, quando um meme consegue sobreviver ao teste do público, a sua disseminação começa e o seu sucesso é comprovado pela utilização da mesma imagem para criar mais versões do mesmo meme. Isto leva-nos à segunda característica que considero importante em relação ao meme o facto de este se afirmar na sua reprodução. Ou seja, o plágio é neste caso uma forma de elogio e o lugar comum é deliberado. Existem culturas em que a reprodução de uma obra é uma forma de a emular e de apoiar a continuidade do tradicional. Ainda assim, penso que por agora é relevante tentar perceber um pouco melhor aquilo que o facto da reprodução legitimar um meme significa em termos de autoria. Como disse atrás, cada meme consegue auto-justificar a sua existência quandoé largamente repetido e divulgado.. E, na verdade, tal não é diferente do que acontece com a literatura ou a música mainstream. O sucesso comercial de um romance de cordel acontece quando toda a gente fala do mesmo, e quanto mais pessoas falam do romance, maior a probabilidade de mais pessoas o comprarem. É um ciclo. Quanto mais pessoas falarem do livro, mais sucesso ele terá, e consequentemente, cada vez mais pessoas continuarão a falar dele um cicloque representa muito bem o meme. Quando um meme se torna muito divulgado, mais pessoas vão entender o que este significa nas suas manifestações e mais vezes ele vai ser replicado em fóruns e redes sociais. Deste modo, compreende-se a relevância do meme para uma discussão sobre autoria. Compreendendo o meme, compreende-se a forma como muitas vezes a autoria funciona em situações online. Os memes têm a sua base numa forma de autoria partilhada, ou seja, uma espécie de autoria oculta em que a origem do meme em si não explica a sua partilha. Na maior parte das redes sociais é assim que a partilha de conteúdos funciona não se indica o autor primeiro, simplesmente partilha-se. Como se disse, nem todas as situações online correspondem a este modelo mas tendo em conta que as redes sociais são os websites que mais tráfego originam, é impossível não pensar que é necessário conhecer bem a autoria em redes sociais para se considerar a autoria online como um todo.

14 No próximo capítulo, explicar-se-á como funciona a autoria em várias redes sociais, distinguindo-se os vários mecanismos que cada uma destas redes utiliza para conferir a um conteúdo o seu autor. Por agora, acrescentarei apenas que os memes têm um papel particular nestas formas de partilha online; no seu modelo específico de autoria, o autor desaparece e é esquecido logo desde a primeira manifestação. Existem sites como o Know Your Meme, em que se explica as origens de cada meme; no entanto, a explicação fica-se pelo website em que o meme nasceu e, no caso de este ser motivado por um acontecimento em particular, pelo acontecimento que lhe deu origem. Não existe nunca uma explicação que inclua o nome do autor, e este autor não se importa ou não teria criado o meme em questão. Fazer nascer um meme é partir do princípio de que a sua autoria vai ser ignorada desde o princípio, e, como já referi acima, o autor recebe a sua recompensa ao ver novas réplicas do meme serem criadas. Existem fenómenos como páginas ou grupos no Facebook dedicados apenas a réplicas de um meme; mas os memes que neles têm origem são apenas confinados a esse espaço e acabam por não ser reconhecidos do mesmo modo que aqueles que percorrem as várias redes sociais. Deve ter-se em conta o autor quando se publica uma réplica embora os memes não sejam conteúdos em que haja a possibilidade de se receber algum valor em troca de um esforço de produção, de acordo com o esquema em que funcionam as questões de copyright na maior parte dos conteúdos, certo é que o seu autor existe e está algures.. Embora aqui se trate de uma situação em que o autor cede voluntariamente os seus direitos, se pensarmos no que foi dito no capítulo anterior em relação ao Jumpcut,o esforço implícito na criação de um meme não se compara ao necessário para um texto argumentativo publicado num blog ou numa rede social.. Quando se trata de um longo post num blog em que se disserta sobre uma qualquer questão, é obviamente compreensível que o autor não queira perder os direitos sobre o que escreveu existe um esforço muito maior na produção do conteúdo. Quando se usa apenas uma imagem do domínio público e se cola uma caption, o que estamos a produzir é algo que, pelo pouco esforço que implica, não parece merecer por parte dos seus autores de reconhecimento universal. O autor de um meme pode surgir no Reddit associado a uma conta na rede, mas à medida que o meme se repete ele deixa de aparecer e torna-se desnecessário. O meme é apropriado pelas comunidades em que se forma; pode dizer-se que é um exemplo de autoria colectiva no sentido em que cada actualização do mesmo tem um novo autor que junta as suas palavras às da primeira instância do meme. Os memes têm então a função de explicar que em autoria online, o trabalho necessário conta. Se pensarmos em longos textos que são partilhados nas redes sociais, o maior esforço por parte do seu autor significa que este deve ser referido. O mesmo acontece no caso dos vídeos do Jumpcut; quando se trata de um trabalho em que o editor se deu a grande esforço na produção da montagem e que cita vários vídeos de proveniência menos óbvia, trata-se de um vídeo em que os utilizadores entrevistados

15 defendem que deve haver a referência do autor. Esta dinâmica de esforço tem portanto a sua relevância, e acredito que é um bom critério para se definir quando o autor importa ou não. A conclusão a que se chega, portanto, é a de que se a autoria nem sempre funciona sob os mesmos princípios, e que tais princípios nem sempre se confinam às regras de uma determinada rede social mas também a critérios que são definidos pelos próprios utilizadores. E esta é uma conclusão relevante. Afinal, cada comunidade de utilizadores tem a sua noção das situações em que importa citar o autor ou não. No próximo capítulo será explicada em mais pormenor esta situação e aquilo que ela implica.

16 3. Autoria em redes sociais Uma boa parte do conteúdo que é criado online, mesmo que não tenha aí a sua origem, passa pelas redes sociais. A facilidade dos botões de share, reblog, repost e retweet dá azo a que por elas passe todo o tipo de conteúdo de poemas a pornografia, de cartoons dos Peanuts a drogas virtuais *. Dentro de todo este conteúdo, existem certamente graus que distinguem esses conteúdos entre si e uma boa parte dessa distinção está na forma como as redes sociais em que os conteúdos são partilhados definem a sua autoria. Apesar de a esmagadora maioria dos utilizadores de redes sociais não ler os termos de utilização dos websites que frequenta, estes códigos de conduta regem até certo ponto a forma como os utilizadores se comportam. Os códigos podem depender da denúncia de outros utilizadores, como é o caso do Facebook; ou podem existir moderadores que bloqueiam os utilizadores faltosos sem necessidade de denúncia, como acontece no Reddit. O que se pretende com isto é explicar que, independentemente da rigidez dos termos de utilização de uma rede social, estes têm impacto na forma como os utilizadores vêm a autoria dentro desse website. E, tendo em conta as diferenças entre as várias redes sociais, parece útil considerar agora as características de cada uma para que assim se entenda as diferenças entre si face a questões de autoria. a. Facebook O Facebook é a mais famosa rede social do mundo. Os seus utilizadores já ultrapassam largamente os quinhentos milhões, numa comunidade que de tão abrangente é muitas vezes esmagadora. É por isso fácil perceber porque muitas vezes as punições no Facebook funcionam através de sistemas de denúncia se assim não fosse, a manutenção das regras da rede exigiria uma gigantesca equipa de moderadores. Ainda assim, existem moderadores que pesquisam os motivos sempre que há uma denúncia de spam ou de alguma actividade por parte de algum utilizador que vá contra os termos de utilização do Facebook. Estes moderadores reservam-se o direito de apagar posts, ou até de bloquear utilizadores; mas essas medidas têm mais depressa efeito se considerarem que o utilizador * Existe na web um culto em torno destas experiências, que pretendem simular o efeito de drogas reais; um exemplo deste fenómeno é o I-Doser, um software que permite reproduzir faixas de efeitos sonoros. Segundo o website i-doser.com, I-Dosing is the use of auditory tones in an attempt to alter consciousness in ways that create a simulated mood or experience, such as to mimic recreational drugs. Os responsáveis pelo website e pelo software defendem que o uso de certos efeitos sonoros permite aos utilizadores alterar as ondas cerebrais, induzindo assim os utilizadores a estados de consciência alterados sem necessidade de uso de substâncias químicas. Não testei a veracidade das suas afirmações.

17 pode não ser uma pessoa (tratando-se portanto de um bot * ) do que quando uma pessoa está efectivamente a incomodar outros utilizadores. Esta questão prende-se com a forma de rentabilização do Facebook. Nesta rede social, os verdadeiros clientes, aqueles que proporcionam a Mark Zuckerberg a maior parte das suas receitas, são os publicitários. O Facebook vive à custa dos Facebook Ads, Como reporta Paul Tassi no website da Forbes 6, o Facebook tem, com cada actualização, aumentado e optimizado os seus anúncios para que estes alcancem o máximo número de utilizadores dentro do público-alvo esperado para cada produto. Daí que para os gestores da maior rede social do mundo seja mais importante verificar se existem bots do que se os seus utilizadores reais estão a ser incomodados o objectivo é saber se os anúncios estão a ser exibidos realmente a possíveis compradores dos serviços e produtos anunciados.. Percebe-se portanto que não será fácil para os utilizadores ganhar uma luta contra o Facebook em questões de autoria. O estudante austríaco Max Schrems entrou em litígio contra a rede social devido ao armazenamento indevido de informação que lhe pertencia 7. Aquilo que Schrems descobriu foi que toda a informação que havia apagado da sua conta se mantinha nos servidores do gigante social, e, ao pedir que lhe fosse facultada toda a informação que a rede detinha sobre ele, recebeu um documento com mais de mil páginas. Com isto percebe-se que o que cada utilizador faz ao apagar informação do Facebook é apenas limitar o seu acesso à mesma para o Facebook, a informação continua disponível nos seus servidores por tempo indefinido. A acrescentar às preocupações que este caso traz para os seus utilizadores, háacresce ainda o facto de que ultimamente têm surgido boatos quanto à existência de shadow profiles no Facebook 8. Esses perfis-sombra são seriam criados através da informação que utilizadores partilham sobre pessoas que não estão na rede, seja nas suas walls, seja em mensagens privadas. Essa informação seria associada a esse perfil de não-utilizador, e ficaria armazenada nos servidores do Facebook. Tendo em conta a atitude do Facebook em relação à privacidade dos seus utilizadores, não admira que a autoria dos conteúdos nele partilhados seja para si uma prioridade. Geralmente a publicação de conteúdos é totalmente livre a menos que o dono do conteúdo original faça uma queixa expressa ao Facebook. A falta de atribuição é um problema comum no Facebook. Mesmo * Um bot é uma peça de código, criada por um programador, que executa tarefas repetitivas dentro de um sistema. Os bots que se encontram no Facebook são normalmente criados por spammers que pretendem difundir as suas mensagens sem terem de se dar ao trabalho de copiar e colar as suas mensagens na conversa com diversas pessoas; com um bot, basta ao spammer criar a linha de código respectiva e o bot trata de repetir a mesma mensagem infinitamente Ver 8 Ver (Digital Trends), (ZDNet) e (Natural News).

18 algumas companhias que utilizam a rede servem-se de conteúdos que lá encontram sem indicar autor ou responsável. Subentende-se que o que está no Facebook é automaticamente susceptível de ser reproduzido livremente,. Muitos artistas servem-se da rede por forma a partilhar as suas obras, sejam elas contos, poemas, fotografias, arte digital e design gráfico, etc. Quanto a partilha destes conteúdos prejudica o seu autor será discutido noutro capítulo. Ao mesmo tempo, o Facebook tem um estilo de relação dentro das suas fronteiras que é sempre bilateral embora tenha lançado no ano passado a possibilidade de se seguir utilizadores, nisso se assemelhando ao Twitter. Tipicamente, para se ter acesso às publicações de um utilizador era necessário adicioná-lo como amigo; quando ele aceita, ambos têm acesso às publicações um do outro. Mas, ainda assim, o utilizador que aceita pode colocar o novo amigo em grupo restrito, o que quer dizer que o segundo não vai ter autorização para ver as publicações do primeiro e apenas o pode contactar por mensagem privada. A noção de privacidade no Facebook é muito confusa. Podemos ter diversas configurações que nos permitem ocultar ou exibir informação sobre nós dentro da rede.o Facebook, nesse sentido, é uma rede em que se seguem mais frequentemente pessoas que já se conhecem; outras redes têm mais por objectivo o intercâmbio de opiniões entre desconhecidos. O facto de no Facebook se seguirem pessoas que se conhecem dá-lhe uma dimensão diferente do Twitter, em que as relações que se fazem no mesmo ficam no mesmo. No Facebook, cada utilizador é incitado a utilizar o seu nome real, o que no Twitter não acontece no Twitter, proliferam os avatares dúbios e os nicknames. O que fazemos online tem consequências efectivas na vida real, e numa rede como o Facebook, ainda mais. A sua quantidade de utilizadores é tão variada em torno dos temas em que se organiza pelo que dificilmente lhe podemos chamar uma comunidade única; (para que haja uma comunidade, têm de haver no mínimo interesses em comum, sejam estes um clube de futebol ou até um desporto no geral) no entanto, dentro deste existem pequenas comunidades em torno de grupos ou páginas, que têm interesses em comum e que se juntam no Facebook para discutir assuntos que lhes interessam. Nestas comunidades, que podem ser fechadas, depende dos moderadores admitir ou expulsar alguém. Isto não quer dizer que as restantes regras do Facebook sejam inúteis nos diversos grupos ou páginas; quer apenas dizer que cada comunidade mais reduzida de utilizadores tem as suas próprias regras, como acontece também em fóruns como os subs do Reddit. As regras podem variar enormemente de uma comunidade para outra, e tal tem impacto na forma como se concebe a autoria dentro destas. A autoria no Facebook é assim um fenómeno anárquico, com tentativas de organização muito frequentemente falhadas e que só funcionam em grupos restritos. Publicar conteúdo de autor no Facebook é arriscar-se a que esse autor seja automaticamente esquecido dentro da constante onda de publicações. Resta ainda referir,

19 por fim, que ao reservar-se o direito de apagar o conteúdo que viola as suas regras, o Facebook tem em última instância controle sobre todo o conteúdo que nele é publicado. b. Twitter O Twitter é uma rede muito diferente do Facebook. Em primeiro lugar, seguir uma pessoa no Twitter não significa que ela nos siga. Há no entanto utilizadores que fazem questão de anunciar tal reciprocidade, visto que no Twitter o número de followers é um índice da reputação da pessoa. Quanto mais pessoas o seguirem, melhor a reputação do utilizador. Existem até bots que permitem a criação de followers instantaneamente para os mais inseguros das suas capacidades de escrita. As capacidades de escrita que referimos são relevantes. O Twitter tem um limite por tweet (um post de microblogging) de 140 caracteres. Existem ferramentas que permitem aos utilizadores publicar tweets maiores, mas essas ferramentas funcionam através de um link para um host em que se apresenta o texto. A ideia do Twitter é ser-se sagaz; conseguir exprimir o máximo de ideias num espaço que é assumidamente limitado. Recentemente o Twitter começou a incluir imagens nos seus posts, permitindo aos utilizadores exibir a foto no próprio micropost e não num outro host necessário. Mas, na sua origem, o Twitter incluía apenas texto. O objectivo era comunicar através dessa ferramenta e mostrar a capacidade de escrita sucinta. Neste sentido, no Twitter a autoria não é um fenómeno diferente do que acontece no Facebook. Os utilizadores ficam satisfeitos quando têm muitos retweets o que quer dizer que outras pessoas replicaram o seu post com indicação do primeiro autor. E esta forma de autoria partilhada é relevante; o facto de a própria ferramenta em si permitir replicar de forma rápida o post de outra pessoa é uma das características básicas do Twitter. Os ganhos por um bom trabalho de escrita reflectem-se no aumento do número de seguidores e na partilha dos tweets desse utilizador. Se a ferramenta de retweet não tivesse em si a indicação do primeiro autor, a vida no Twitter seria muito diferente. Esta autoria partilhada funciona porque não é anónima o nome do primeiro autor vem sempre indicado nos retweets. No Facebook também existe a possibilidade de partilhar um conteúdo e este vem indicado pelo seu autor primeiro mas no Facebook esperar que a pessoa que publica um conteúdo seja sempre o seu autor é no mínimo ingénuo. A forma como a partilha promove o autor primeiro de um tweet é um dos pontos fortes do Twitter em termos de autoria. Além disso, o Twitter é muitas vezes utilizado para partilhar conteúdos de blogs e websites diversos, o que faz dele uma plataforma que muitas vezes serve de ferramenta de propagação de outros conteúdos.

20 O Twitter é uma rede social na qual a comunicação política tem especial relevância.- As conversas comentam frequentemente assuntos políticos, e os utilizadores com mais seguidores são precisamente aqueles que mais falam de política 9. Neste aspecto, esta é uma das outras grandes diferenças em relação ao Facebook. O Facebook tem um público bastante ecléctico, enquanto o Twitter se presta a conversas mais sérias ou, que não sendo sérias, falam de assuntos relevantes, comentam notícias e programas de televisão. No Facebook, o entretenimento e o multimédia ditam as modas; no Twitter, é através do texto e da dialéctica que se constrói uma reputação. Nisto, a diferença para o Facebook é abissal: os posts mais comentados e partilhados na maior rede social do mundo incluem sempre fotografias e estas são exibidas sempre ocupando grande espaço da página. O Twitter é uma espécie de pergaminho infinito. No Facebook, poderíamos dizer que há uma espécie de fotonovela. A diferença maior reside nos média utilizados, que denotam uma diferença também em termos de temas. c. Tumblr Em termos de público-alvo, o Tumblr destina-se principalmente a designers e amadores das artes plásticas, da fotografia e da arte digital. No Tumblr, ao contrário do Twitter e mais do que no Facebook, as imagens são rainhas e o espaço que se deve ao texto fica no fim da página. O que se apresenta primeiro no Tumblr são sempre as imagens. Outro aspecto do Tumblr é a sua função de reblogging, que será explorada em mais detalhe no capítulo 5. Porém, podemos desde já adiantar que o sistema de citações do Tumblr é semelhante ao do Twitter. No entanto, no Tumblr existem vários graus de autoria no sentido em que se pode sempre descobrir qual é o utilizador do qual partiu a primeira partilha. Nisto, o Tumblr é mais completo que o Twitter e o Facebook mas o facto de se basear em primeiro lugar na imagem deixa muitas pessoas de fora. Isto porque a comunicação baseada no texto é uma tradição que vem desde o nascimento da web social através de sistemas como o IRC (Internet Relay Chat), que datam dos anos 90 e ainda são utilizados em certos contextos. O Tumblr é mais visual no sentido em que se baseia primariamente em imagem sem texto explicativo, e por este motivo presta-se mais a trocas de imagens entre designers e artistas plásticos. O público-alvo do Tumblr é muito específico, e por isso o Tumblr não se pode considerar a par de redes como o Facebook ou o Twitter. No entanto, deve ser considerado neste panorama das redes sociais pela forma como funciona por se basear num esquema de citação no qual é sempre possível determinar a origem daquilo que está a ser 9 Ver

Dia Europeu da Internet Segura (9 de Fevereiro)

Dia Europeu da Internet Segura (9 de Fevereiro) Dia Europeu da Internet Segura (9 de Fevereiro) Para celebrar o Dia Europeu da Internet Segura, dia 9 de Fevereiro, o SeguraNet propõe que os professores desenvolvam com os seus alunos actividades em sala

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA Marketing digital, novo veículo para o spam Para uma onda de spam de conteúdo pornográfico, com mais de 5.000 bots activos, foram criados 250 novos bots por dia. Para algumas campanhas,

Leia mais

1. Inquéritos. Introdução

1. Inquéritos. Introdução Oi mpact odasr edess oci ai s navi dadosadol es cent es Es col abás i caesecundár i aol i vei r ajúni or T r abal hodeár eadepr oj ect o Do12ºF Gr upo3 AnoL ect i vo20102011 Introdução A crescente utilização

Leia mais

MANUAL GRATUITO PARA DIVULGAÇÃO NA INTERNET

MANUAL GRATUITO PARA DIVULGAÇÃO NA INTERNET SITE SALÃO DE BELEZA APRESENTA MANUAL GRATUITO PARA DIVULGAÇÃO NA INTERNET BÔNUS: Mais 20 outros lugares para divulgar além do Facebook. Atenção! Siga as instruções e divulgue mais e melhor seu salão de

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

22 táticas comprovadas para aumentar seu engajamento no Facebook. Como explodir seu engajamento com dicas incrivelmente simples!

22 táticas comprovadas para aumentar seu engajamento no Facebook. Como explodir seu engajamento com dicas incrivelmente simples! Facebook Marketing 22 táticas comprovadas para aumentar seu engajamento no Facebook Como explodir seu engajamento com dicas incrivelmente simples Introdução 22 táticas comprovadas para aumentar seu engajamento

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos

1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos vários dispositivos UC: Tecnologia Multimédia Discente Brany Cunha Lisboa-1130499 Docente: Bruno Rego Proposta de melhoria de uma solução interativa Site: www.reporterstp.info 1- Objetivos de comunicação/adaptabilidade aos

Leia mais

OS JOVENS, A MÚSICA E A INTERNET

OS JOVENS, A MÚSICA E A INTERNET OS JOVENS, A MÚSICA E A INTERNET um guia para os pais sobre a partilha de ficheiros e o download O que é o P2P? Como pai ou encarregado de educação, provavelmente já ouviu os seus filhos falar de partilhar

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Módulo 1. Redes Sociais on-line

Módulo 1. Redes Sociais on-line Módulo 1 Redes Sociais on-line Introdução Surgir e crescimento Redes sociais on-line A bolha das redes sociais on-line Os benefícios As ferramentas Ferramentas vs Estratégia Mudar os negócios? TEL 291

Leia mais

ferramentas e funcionalidades básicas

ferramentas e funcionalidades básicas ferramentas e funcionalidades básicas MOODLE - Tipos de Actividades Núcleo Minerva da Universidade de Évora Referendo A actividade Referendo permite ao professor fazer, por exemplo, uma sondagem de opinião

Leia mais

www.luisgregorio.net

www.luisgregorio.net Trazido até Si por Luis Gregorio www.luisgregorio.net "Como Ter Lucros Com As Redes Sociais nomeadamente a Publicidade No facebook " Introdução À Publicidade Do Facebook O Facebook está em milhares de

Leia mais

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2014/2015 Data: 16 de Junho de 2014 Duração: 3h00m Valor

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA WEDUC 1. A WEDUC A WEDUC é uma marca registada da Lusoeduc Informação e Serviços S.A. (doravante "Weduc"), com sede na Rua Cunha Júnior, 41B-2.1 4250-186 Porto, Portugal.

Leia mais

Tutorial sobre Phishing

Tutorial sobre Phishing Tutorial sobre Phishing Data: 2006-08-15 O que é o Phishing? Phishing é um tipo de fraude electrónica que tem se desenvolvido muito nos últimos anos, visto que a Internet a cada dia que passa tem mais

Leia mais

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Marketing no Facebook Marketing de conteúdo e engajamento na rede Marketing de conteúdo no Facebook Tipos de conteúdo Edge Rank e os fatores de engajamento Facebook Ads

Leia mais

Netiqueta (ou Netiquette)

Netiqueta (ou Netiquette) Netiqueta (ou Netiquette) Conjunto de atitudes e normas recomendadas (não impostas) para que todos os utilizadores possam comunicar através da Internet de um forma cordial e agradável. Evite a utilização

Leia mais

Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783. Bárbara Ferreira, nº 42006. Iris Duarte, nº 37385. Docente: Fernando Carrapiço

Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783. Bárbara Ferreira, nº 42006. Iris Duarte, nº 37385. Docente: Fernando Carrapiço Trabalho realizado por: André Jesus, nº 41783 Bárbara Ferreira, nº 42006 Iris Duarte, nº 37385 Docente: Fernando Carrapiço Unidade Curricular: Projeto Multimédia Esta recensão foi redigida sob as regras

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO ARTIGO 1 : OBJECTO (Última versão datada de 16 de Fevereiro de 2011) As presentes condições particulares têm por objecto definir as condições técnicas e

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 2 Trabalhar na rede... 10 Mural Amigos Endereços Grupos Administração do grupo

Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 2 Trabalhar na rede... 10 Mural Amigos Endereços Grupos Administração do grupo Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 Links/Endereços... 6 Actividade... 6 Perfil... 6 Blogs... 6 Mensagens... 6 Amigos... 7 Grupos... 7 Configurações... 9 Sair... 9 2 Trabalhar

Leia mais

GUSCLA POLÍTICA DE PRIVACIDADE. 1.definições 2. PRIVACIDADE PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 3. COLETA E USO DAS INFORMAÇÕES 4.

GUSCLA POLÍTICA DE PRIVACIDADE. 1.definições 2. PRIVACIDADE PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 3. COLETA E USO DAS INFORMAÇÕES 4. GUSCLA POLÍTICA DE PRIVACIDADE 1.definições 1.1. O sistema GUSCLA respeita a sua privacidade, e queremos que você entenda como utilizamos as informações que você fornece ao se tornar um Usuário do nosso

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente!

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! 1 SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! Fórmula Hotmart - www.formulahotmart.com 2 Este ebook pertence: Claudio J. Bueno

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

O SEU STAND. NA INTERNET.

O SEU STAND. NA INTERNET. O SEU STAND. NA INTERNET. Soluções tecnológicas inovadoras para o sector automóvel www.multivector.com CRM Auto Web Sites Dispositivos móveis Redes Sociais Portais de divulgação Evolução 03 A EVOLUÇÃO

Leia mais

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE Elizabete Barbosa Índice Antes de mais, julgo ser importante distinguir informação e jornalismo, dois conceitos que, não raras vezes, são confundidos.

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Introdução Conselhos para educadores

Introdução Conselhos para educadores Introdução Conselhos para educadores INTRODUÇÃO A utilização da Internet constitui um desafio para a educação dos nossos filhos e dos nossos alunos. Acontece muito frequentemente que os deixamos a navegar

Leia mais

LIÇÃO Riscos do Spyware

LIÇÃO Riscos do Spyware LIÇÃO Riscos do Spyware Idade-alvo recomendada: 10-11 anos Guia da lição Esta lição concentra-se nos problemas do spyware e adware, incluindo definições e a análise dos riscos de transferir itens que podem

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você A fim de criar, controlar, gerenciar sua reputação online e construir a carreira que você deseja, alguns ações são necessárias. A primeira

Leia mais

Recensão do site: «Google Reader» «Google»:

Recensão do site: «Google Reader» «Google»: Recensão do site: «Google Reader» «Google»: Este motor de busca surgiu pela primeira vez na mente de dois jovens da Universidade de Stanford, Larry Page e Sergey Brin. Tudo começou num projecto de doutoramento,

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

Verificar a reputação dos ficheiros através da Kaspersky Security Network

Verificar a reputação dos ficheiros através da Kaspersky Security Network Verificar a reputação dos ficheiros através da Kaspersky Security Network O sistema baseado em cloud Kaspersky Security Network (KSN), criado para reagir o mais rapidamente possível às novas ameaças que

Leia mais

Segurança em Sistemas Informáticos

Segurança em Sistemas Informáticos Segurança em Sistemas Informáticos Politicas de Segurança Quando é que se torna necessário uma política de segurança? Quando existe um Bem com Valor Se o Bem se situa permanentemente ou temporariamente

Leia mais

O QUE FARIAS? Destacável Noesis n.º 83. Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson Martins

O QUE FARIAS? Destacável Noesis n.º 83. Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson Martins O QUE FARIAS? Actividades sobre segurança na Internet destinadas aos alunos do 2.º e 3.º ciclos e ensino secundário Destacável Noesis n.º 83 Concepção da Equipa da SeguraNet-ERTE/DGIDC Ilustração de Nelson

Leia mais

A SUA IMOBILIÁRIA. NA INTERNET.

A SUA IMOBILIÁRIA. NA INTERNET. A SUA IMOBILIÁRIA. NA INTERNET. Soluções tecnológicas inovadoras para o sector imobiliário www.multivector.com CRM Imo Web Sites Dispositivos Móveis Redes Sociais Divulgação em Portais A EVOLUÇÃO DA INTERNET

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O

T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O T E C N O L O G I A S D E I N F O R M A Ç Ã O E C O M U N I C A Ç Ã O USAR O FACEBOOK E OUTRAS REDES SOCIAIS PARA DIVULGAR/PROMOVER Facebook é uma rede social, criada em 2004. Os utilizadores registados

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização

A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização Procurar informação na WEB internet Procurar Informação na Web A World Wide Web é um repositório gigantesco de informação gratuita em permanente crescimento e actualização Sem qualquer custo adicional,

Leia mais

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE GUIA Inbound Marketing COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE E-BOOK GRÁTIS WWW.FABIODONASCIMENTO.ME Tabela de Conteúdos Introdução... 3 Capítulo 1: Formas de obter Tráfego... 4 Capítulo 2: Como aumentar

Leia mais

Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Paulo Fernandes

Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Paulo Fernandes Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação

Leia mais

Tornar a Internet num lugar mais seguro

Tornar a Internet num lugar mais seguro A Intel e o respectivo logótipo são marcas ou marcas registadas da Intel Corporation ou das respectivas subsidiárias nos Estados Unidos e noutros países. *Outros nomes e marcas podem ser reivindicados

Leia mais

T ecnologias de I informação de C omunicação

T ecnologias de I informação de C omunicação T ecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Aferir sobre a finalidade da Internet Identificar os componentes necessários para aceder

Leia mais

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima Trabalho sobre o Facebook De Sistemas Formador Tomás Lima Formando Marco Silva S - 13 Índice Facebook... 3 Porque todas essas perguntas para criar um perfil?... 3 O Facebook fornece várias maneiras de

Leia mais

Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO

Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO 1 Ética e Segurança Digital RODRIGO JORGE CONSELHO TÉCNICO 2 O que é o Movimento? O Movimento é uma ação de Responsabilidade Social Digital que tem a missão de educar, capacitar e conscientizar os alunos,

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Breve história das mídias sociais. Os primórdios. Outros influenciadores

Breve história das mídias sociais. Os primórdios. Outros influenciadores Breve história das mídias sociais Facebook, Twitter, Orkut, YouTube sim, conhecemos todos esses nomes que estão presentes em nosso dia a dia, seja para entretenimento e informação ou para uso profissional.

Leia mais

Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento

Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento Redes sociais vários canais e muitas possibilidades de engajamento O desafio é saber como, com qual conteúdo e onde as pessoas querem ser abordadas, de forma a direcionar a comunicação nos variados canais

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Internet Marketing. ISCAP, Marketing Digital, 2014/15 José Bonnet

Internet Marketing. ISCAP, Marketing Digital, 2014/15 José Bonnet Internet Marketing ISCAP, Marketing Digital, 2014/15 José Bonnet Tema 4 Conceitos avançados (I) Ciclo de vida dos clientes funil O que fazer? Landing Page: Tipos de páginas Componentes Página de confirmação

Leia mais

COMUNICADO DE IMIMPRENSA

COMUNICADO DE IMIMPRENSA COMUNICADO DE IMIMPRENSA RELATÓRIO ANUAL DE SPAM 2012 Spam caiu 8,2% em 2012, atingindo o nível mais baixo dos últimos 5 anos As categorias tradicionais de spam estão a migrar para as redes sociais. Alguns

Leia mais

mais diversos propósitos. Esses fenômenos sociais se tornarão ainda mais contextualizados.

mais diversos propósitos. Esses fenômenos sociais se tornarão ainda mais contextualizados. das Mídias Sociais na Tron Informática 1 Este manual contém as diretrizes oficiais para as mídias sociais no grupo Tron Informática e se aplica, sem exceção, a todos os colaboradores da empresa que criam,

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Módulo 5. Comportamento do consumidor nas redes sociais

Módulo 5. Comportamento do consumidor nas redes sociais Módulo 5 Comportamento do consumidor nas redes sociais Introdução Valor da marca/disposição do consumidor Razões que levam as pessoas a deixar de seguir empresas O que as pessoas fazem quando já não querem

Leia mais

Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar?

Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar? Concurso 1 Na Internet (hi5, Facebook, Messenger, Picasa ) que informações posso dar? 1. Nome, morada, telefone, password 2. Nick, e-mail, clube de futebol preferido 3. Escola, piscina, local de férias

Leia mais

A EVSolutions é uma entidade comercial sobre a colecta de Jorge Bruno registado na 1ª Rep. Finanças de Setúbal com o NIF PT205 100 198.

A EVSolutions é uma entidade comercial sobre a colecta de Jorge Bruno registado na 1ª Rep. Finanças de Setúbal com o NIF PT205 100 198. Termos de Utilização INTRODUÇÃO Os presentes Termos de Utilização, regulam as relações entre o cliente utilizador dos serviços e a entidade que fornece o serviço EVSolutions. A utilização de serviços fornecidos

Leia mais

MANUAL DO BLOG. Blog IBS

MANUAL DO BLOG. Blog IBS MANUAL DO BLOG Blog IBS Seja bem vindo! O Blog é um website dinâmico, um espaço virtual que usa a internet para compartilhar informações. Por meio do blog você pode publicar textos, opiniões, notícias,

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC

Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC Estudo de Regionalização e Tecnologias nos Websites e Jornais auditados pelo IVC Considerações iniciais O IVC audita publicações impressas e websites de seus filiados. O IVC não audita o mercado editorial

Leia mais

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites Ciclo de Workshops Departamento de Informática A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites 16 de Dezembro - ESEIG Ricardo Queirós (ESEIG) e Paulo

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

10 estratégias para gerar tráfego para seu blog

10 estratégias para gerar tráfego para seu blog Este E-book pode ser distribuído livremente. Autor : William Rossi http://www.sucessocomocriar.com/blog William Rossi - http://www.sucessocomocriar.com/blog Página 1 O maior problema que os blogueiros

Leia mais

Alta gerência líderes

Alta gerência líderes Alta gerência líderes Manual de um As melhores práticas de um líder empresarial, assim como as tendências tecnológicas e de mercado, foram alguns dos temas desenvolvidos por John Chambers, presidente-executivo

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO

TERMOS DE UTILIZAÇÃO TERMOS DE UTILIZAÇÃO O serviço de CLASSIPECADOS é prestado por JPVF. Os presentes termos e condições de utilização dos CLASSIPECADOS estabelecem os termos nos quais este serviço é prestado definindo as

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0)

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

PLANO DA LIÇÃO Segurança: Código Malicioso no Correio Electrónico

PLANO DA LIÇÃO Segurança: Código Malicioso no Correio Electrónico PLANO DA LIÇÃO Segurança: Código Malicioso no Correio Electrónico Idade Recomendada: 9 anos Guia da Lição Esta lição centra-se nas questões de segurança virtual que levantam os anexos de correio electrónico.

Leia mais

ETAPA 1. Planificar o trabalho

ETAPA 1. Planificar o trabalho ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA DA FEIRA Este guião foi construído com base no Modelo PLUS: uma estratégia para a pesquisa e uso de informação e aplica-se ao 2º e 3º ciclos e Secundário. A designação

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

Dez Dicas e Truques para o Seu Blogue de Sucesso - http://conselhosfinanceiros.com

Dez Dicas e Truques para o Seu Blogue de Sucesso - http://conselhosfinanceiros.com Trazido Até Si Por Rui Oliveira - Autor do Blogue www.conselhosfinanceiros.com Dez Dicas e Truques para o Seu Blog de Sucesso Termos e Condições Aviso Legal O escritor esforçou-se para ser o tão exacto

Leia mais

O elo mais fraco. Parte I

O elo mais fraco. Parte I O elo mais fraco A segurança da informação nas empresas é sem dúvida um tema que começa a merecer cada vez mais atenção. Os responsáveis dos departamentos de informática e as empresas que desenvolvem actividade

Leia mais

Como Usar a Internet Para Captar Clientes Para Seu Escritório

Como Usar a Internet Para Captar Clientes Para Seu Escritório Como Usar a Internet Para Captar Clientes Para Seu Escritório Antes de iniciar, não se deixe levar por um dos pensamentos paralisantes abaixo: - Isso eu já sabia - Só vou colocar em prática quando eu souber

Leia mais