ANÁLISE GEOESPACIAL PARA A GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS (NÚCLEO CARAGUATATUBA/PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE GEOESPACIAL PARA A GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS (NÚCLEO CARAGUATATUBA/PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR)"

Transcrição

1 ANÁLISE GEOESPACIAL PARA A GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS (NÚCLEO CARAGUATATUBA/PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR) 1. INTRODUÇÃO Daher, Carolina S. Mello, Allan Yu I. Magro, Teresa C. Ferreira, Lúcia C. Zacchi Neto, Carlos O presente trabalho aborda a questão dos conflitos existentes em áreas protegidas relacionados com os Autos de Infração Ambientais (AIAs) e seus efeitos no Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) Núcleo Caraguatatuba (NuCar). As ocupações no PESM junto com as atividades desenvolvidas no local afetam hoje cerca de 6% de sua área total (SMA, 2006). Muitas vezes, a presença humana acarreta em conflitos e ameaças ao ecossistema a ser preservado. Estes impasses ocorrem também pela demora da Justiça em definir as ações de indenização aos posseiros e proprietários que devem ser desapropriados. O uso de técnicas geoespaciais em um Sistema de Informação Geográfico (SIG) tem sido amplamente utilizado como ferramentas para a gestão. Em especial, aplicações com o uso de sensoriamento remoto e SIGs tem sido cada vez mais explorados em análises de dinâmicas sociais e ambientais (LIVERMAN et al., 1998; FOX et al., 2003; NAGENDRA; PAREETH; GHATE, 2006; SOUTHWORTH; NAGENDRA; MUNROE, 2006; BATISTELLA, MORAN, 2008; GROSS; GOETZ; CIHLAR, 2009). O objetivo foi identificar as infrações ambientais registradas no NuCar/PESM a partir da espacialização dos Autos de Infração Ambiental emitidos pela Polícia Ambiental, ocorridos dentro (e entorno) do Núcleo Caraguatatuba no período entre 1999 e Esta análise buscou identificar (i) onde as autuações são mais frequentes no NuCar/PESM e (ii) quais são os principais vetores/fatores que influenciam na frequência dos AIAs na região do NuCar/PESM. Para atingir esses objetivos, foi feita uma análise espacial dos autos de infrações ambientais em um SIG, em conjunto com observações em campo, buscando avançar no debate sobre os aspectos políticos e de gestão de áreas protegidas que podem implicar conflitos sociais/culturais no interior ou entorno do NuCar/PESM. 2. ÁREA PROTEGIDA E CONFLITOS: O NÚCLEO CARAGUATATUBA (NUCAR) DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR (PESM) As áreas protegidas (entendidas como o conjunto de áreas de proteção, como Unidades de Conservação, Terras Indígenas e outras áreas que não fazem parte do Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC, Lei 9.985/2000, BRASIL, 2000) possuem a complexa missão de, junto com outras estratégias de conservação, manter a biodiversidade e os aspectos socioculturais das populações, frente aos impactos crescentes dos ecossistemas (DELELIS et al., 2010). A área de estudo está inserida nos domínios da Mata Atlântica, considerada um hotspot uma vez que concentra altos índices de biodiversidade e uma grande heterogeneidade da paisagem/ambiental, onde as ações de conservação são mais urgentes (MYERS et al., 2000; LAURANCE, 2009; METZGER et al., 2009; RIBEIRO et al., 2009). Nesse sentido, a 1

2 criação das Unidades de Conservação tem sido um importante instrumento para a conservação dos recursos naturais, embora haja um grande desafio para que sua criação seja feita com base em orientações científicas e planejadas para o ordenamento do território e ausente de oportunismos políticos ou econômicos, salvo algumas exceções (ver MARGULES; PRESSEY, 2000; PRESSEY; COWLING, 2001; NOVAES, FERREIRA, DIAS, 2003; SILVA et al., 2012). Apesar disso, é frequente a criação de áreas protegidas sem a participação das populações locais, o que pode contribuir para a degradação ambiental da área protegida (WELLS; BRANDON, 1992). Essa realidade tem mostrado, entre outros fatores, um conflito histórico e complexo relacionado com os aspectos sociais (e questão fundiária) e as áreas protegidas (BRITO, 2000; FERREIRA et al., 2002; FERREIRA, 2004; SOUTHWORTH; NAGENDRA; MUNROE, 2006; PIMENTEL; MAGRO, 2011). A maioria dos Parques no Brasil, apesar de já terem sido criados e em alguns casos até mesmo já possuírem infraestrutura administrativa, ainda não se encontram com a situação fundiária resolvida, acarretando problemas institucionais, jurídicos, legais e criminais (AZEVEDO, 2002; SMA, 2009). O Núcleo Caraguatatuba (NuCar), um dos oito núcleos que compõem o Parque Estadual da Serra do Mar (criado pelo Decreto Estadual /1977, SÃO PAULO, 1977), possui hectares sobrepostos com os municípios de Paraibuna, Natividade da Serra e Caraguatatuba, abragendo 78,27% do território municipal de Caraguatatuba (SMA, 2006). A Figura 1 mostra o Núcleo Caraguatatuba (hachurado) que faz parte do PE da Serra do Mar e está inserido na região do Litoral do estado de São Paulo. Figura 1. Área de estudo (área hachurada): Núcleo Caraguatatuba no Parque Estadual da Serra do Mar, estado de São Paulo. 2

3 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Aquisição e organização dos dados Dados vetoriais/temáticos foram selecionados, tais como: principais rodovias, traçado urbano e trilhas, limites do PE da Serra do Mar, limites de municípios, Zoneamento e Zona de Amortecimento do PESM, obtidos no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2011) e base de dados do Instituto Florestal (IF, 2011). Os Autos de Infração Ambiental (AIAs) realizados pela Polícia Militar Ambiental nos quais são descritos os danos ambientais promovido por um infrator dentro da área da Unidade de Conservação, foram organizados de acordo com a existência de coordenadas geográficas ou planas (localização geográfica). Os AIAs existentes no Parque foram tabulados e organizados por: (i) Nome do Infrator, (ii) Bairro, (iii) localização geográfica e os respectivos tipos de infrações ambientais cometidas e mencionadas nos AIAs ocorridos de 1999 a Nessa tabulação as infrações foram analisadas em: extração de palmito (EP), caça (CA), supressão de vegetação (SV), ocupação irregular (OI), construção irregular (CI), cultivo de espécies exóticas fauna e flora (SPEX), vazamentos (V), extração de areia (EA), posse irregular de armas (PA), infração sem informação (SI) Distribuição espacial dos Autos de Infração Ambiental (AIAs) e mapas de distâncias de vias/trilhas A estimativa da densidade Kernel foi aplicada para analisar o padrão da distribuição das ocorrências dos Autos de Infração Ambiental (AIAs), cuja técnica de análise espacial se baseia na criação de superfícies de densidade, sendo usualmente apropriada para posições de dados individuais (CÂMARA; CARVALHO, 2004). O método é estimado pela intensidade λ(s), onde s representa uma localização qualquer numa região R e s i,...,s n são as localizações dos n eventos observados: O fator k é uma função de densidade bivariada selecionada (Kernel) e τ o raio de influência. Para este trabalho foi ajustada uma função Kernel sobre os AIAs ( ), gerando uma superfície baseada no número de ocorrências dentro de uma área de influência. Em um SIG foi feita uma análise exploratória para definir o raio de influência e as distâncias das vias principais e trilhas. Foram considerados os critérios de (i) máximas/mínimas distâncias entre os AIAs e as vias/trilhas; (ii) distâncias entre os AIAs e o limite do PESM e (iii) distâncias Euclidianas entre um AIA e outro. A partir da análise exploratória foi definido um raio de 3 quilômetros (τ = 3 km) para gerar a superfície de distribuição do Autos de Infração Ambiental e a definição das faixas de distâncias das vias/trilhas, divididas em: (i) 100 m; (ii) 200 m; (iii) 500 m; (iv) 1000 m; (v) 1500 m e (vi) > 1500 m. Além dessas análises, foi feita a sobreposição do Zoneamento e da Zona de Amortecimento do PESM com os pontos de AIAs, para identificar as zonas do Núcleo Caraguatatuba que necessitam maior atenção por parte da gestão da Unidade de Conservação. De acordo com o Plano de Manejo do PESM (SMA, 2006), o zoneamento segue a seguinte ordem de grau de alteração/degradação (do menor para o maior): Intangível, Primitiva, Uso Extensivo, Uso Especial, Recuperação, Uso Conflitante e Ocupação Temporária. 3

4 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO No período de 1999 a 2011, foram observados 92 Autos de Infração Ambiental (AIAs) distribuídos ou no Núcleo Caraguatatuba (NuCar) ou nos municípios de seu entorno (Paraibuna e Natividade da Serra). Desse total de AIAs, 62% (57 AIAs) tiveram autuações com infrações múltiplas em um mesmo local, enquanto 38% ou (35 AIAs) foram exclusivamente por um tipo de infração. Observou-se que, em número e percentual, as principais autuações ocorridas no período se referiam a: supressão de vegetação (SV, n=29 ou 31,5%), ocupação irregular (OI, n=14 ou 15,2%) e extração de palmito (EP, n=13 ou 14,1%). Em menores proporções ocorreram as infrações relacionadas com caça, vazamentos, extração de areia, construção irregular, porte irregular de armas, rancho, cultivo de espécies exóticas (Figura 2). Figura 2. Percentual, distribuição acumulada e número de Autos de Infração Ambientais (AIAs) por tipo de infração período Com base no estimador Kernel, observou-se que há uma concentração de autuações de infrações (> 0,6 AIAs por km 2 ) na região próxima à rodovia Tamoios (SP-099) e limites entre o PESM e os municípios de Paraibuna e Natividade da Serra (área Centro-Norte do município de Caraguatatuba). Outro grupo está situado no início da Estrada da Intermediária a Estrada Rio Pardo (entre 0,15 a 0,45 AIAs por km 2 ), sentido ao continente e próximo ao município de São Sebastião. A análise do estimador Kernel auxiliam a verificação de zonas de conflitos nas áreas adjacentes do Núcleo Caraguatatuba do PESM mostrando uma tendência de pelo menos dois grupos com maior densidade de AIAs na área de estudo (Figura 3). 4

5 Figura 3. Distribuição de Autos de Infração Ambiental (AIAs) superfície de tendência gerada a partir do estimador Kernel, considerando um raio de influência (τ) de 3 km A distribuição dos AIAs onde ocorreram exclusivamente por um tipo de infração no período foi: (a) extração de palmito (EP) 7 AIAs ou 53,8% (n total =13), (b) ocupação irregular (OI) 6 AIAs ou 42,9% (n total =14), (c) supressão de vegetação (SV) 16 AIAs ou 55,2% (n total =29) e o agrupamento de locais onde ocorreram autos com múltiplas infrações, também mostra que a concentração das infrações ocorreram nas proximidades dos principais acessos do NuCar/PESM. Todavia, também foram identificadas infrações mais dispersas na Zona de Amortecimento nos municípios de Paraibuna, Natividade da Serra e Caraguatatuba, (Figura 4). 5

6 Figura 4. Distribuição dos Autos de Infração Ambiental (AIAs), segundo os AIAs que ocorreram exclusivamente por um tipo de infração. Em relação as distâncias das vias/trilhas e os AIAs no período entre 1999 a 2011, 75 dos autos de infrações (84,8% do total de AIAs organizados para o período) estavam em faixas de até m (Figura 5). Verificou-se que as autuações se concentraram nas proximidades das principais estradas e/ou trilhas, que cortam a Unidade de Conservação, como a Estrada dos Tamoios (SP-099), a Estrada do Pavoeiro e a Estrada da Intermediária, com maior facilidade de acesso. 6

7 Figura 5. Mapas de distâncias de vias principais e trilhas e Autos de Infração Ambientais AIAs (período ). No geral, esses resultados apontam para uma concentração (acumulada) de autos de infração em faixas de até m (81,5%) e em faixas entre a metros os autos tendem a diminuir (Figura 6). As distâncias onde há o maior número de ocorrências estão na faixa de 500 m das vias/trilhas (n=24), 100 m (n=23) e m (n=21). Se por um lado esses resultados podem mostrar uma necessidade de um esforço de fiscalização no NuCar/PESM ao longo dessas faixas de até metros das principais vias/trilhas, também mostra a necessidade de refletir sobre esses resultados. Ao mesmo tempo em que os acessos para o interior do Parque permitem maior facilidade para a ocorrência de infrações e danos ambientais, há também a possibilidade de uma maior presença dos agentes autuantes ao longo dessas faixas de distâncias das vias/trilhas. Ou seja, um maior número de autos de infração nas proximidades das vias/trilhas poder ser visto também do ponto de vista de acessos ao uso de recursos. O aumento de fiscalização é necessário, mas não suficiente para reduzir os conflitos no NuCar/PESM. Isto é, aumentar fiscalização em faixas até m pode representar um aumento de AIAs nessa área que não representa necessariamente a efetividade de proteção ao Parque. Nesse sentido pode-se pensar em um conjunto de instrumentos de regulação da negociação que permitam fugir da anomia tradicional da luta entre poderosos e vítimas de subordinação (FERREIRA et al., 2012) e/ou na gestão compartilhada de áreas protegidas na relação entre residente e gestores (SIMÕES; FERREIRA; JOLY, 2011). 7

8 Figura 6. Percentual, distribuição de frequências acumuladas (%) e número de Autos de Infração Ambiental (AIAs), segundo faixas de distâncias de vias/trilhas. Para a análise entre os AIAs e o zoneamento do NuCar/PESM, foi feito um recorte temporal para para permitir a análise a partir da criação do Plano de Manejo do PESM. Esse recorte mostra que, do total de AIAs analisados no período de (92 AIAs), 76,1% (70 AIAs, sendo 65 dentro do zoneamento e zona de amortecimento e 5 nas áreas situadas fora dessas áreas protegidas) ocorreram no período Entre os diversos fatores que podem ter influenciado essa proporção de AIAs no período em que foi criado o Plano de Manejo do NuCar/PESM, podem ser citados: (a) a facilidade dos acessos (estradas) ao Parque (tanto do infrator, quanto do agente autuador), (b) atuação mais efetiva da Polícia Ambiental nas atividades de fiscalização, que em algumas situações pode ser mais eficiente com o aumento de denúncias dos crimes ambientais, (c) a própria elaboração do Plano de Manejo do PESM em meados de 2006, aumentando as atividades educacionais no que diz respeito a explicação sobre os objetivos do Parque, além de uma política de gestão com prioridade para fiscalização na região do NuCar/PESM. De fato, observa-se que a maior quantidade de autos de infração registrados se concentrou em 2006 e 2007 (representando 64,3% dos AIAs). Somente em % dos AIAs foram notificados e registrados (Figura 7). 8

9 Figura 7. Percentual, distribuição de frequência acumulada (%) e número de Autos de Infração Ambiental (AIAs), período No período de 2006 a 2011 observou-se que a maior parte das ocorrências foram na Zona de Amortecimento (25 AIAs, 38,5% do total de n (zoneamento+zona amortecimento) =65). Analisando somente a sobreposição do zoneamento do NuCar/PESM com os AIAs, as zonas de Recuperação (12 AIAs, 18,5%) e Ocupação Temporária (11 AIAs, 16,9%) foram aquelas com maiores proporções do total de infrações no período ( ). A Figura 8 apresenta a distribuição dos AIAs pelo Zoneamento e Zona de Amortecimento do PESM. 9

10 Figura 8. Distribuição espacial dos Autos de Infração Ambientais (AIAs) sobre o Zoneamento e Zona de Amortecimento do NuCar/PESM. Considerando a análise do menor para o maior grau de intervenção de atividades dentro do NuCar/PESM (Figura 9), foram identificados na zona Primitiva 8 AIAs (12,3%), considerada uma zona com nenhum ou baixo grau de intervenção na área. No período de análise, observou-se que três autuações se referiam a supressão de vegetação ocorridas entre , seguidas de construções irregulares (uma em 2007 e outra em 2009) e extração de palmito (duas em 2006). Uma infração esteve relacionada com ocupação irregular, em Na zona de Uso Extensivo (médio grau de intervenção na área) foram identificados quatro AIAs, sendo dois deles relacionados com supressão de vegetação (em ) e os outros dois com porte irregular de armas e extração de areia (ambos em 2006). Nas zonas consideradas de alto grau de intervenção (Recuperação, Uso Conflitante e Ocupação Temporária), foram observados 18 AIAs no período analisado, sendo 11 (61%) identificados somente no ano 2006 nas zonas de Recuperação (8 AIAs, três deles relacionados a supressão de vegetação e os demais relacionados ou com ranchos, caças, porte de armas, extração de palmito ou cultivo de espécies exóticas) e Ocupação Temporária (AIAs 3, relacionados com extração de palmito, rancho ou porte de armas). Na Zona de Amortecimento, no período , as infrações mais recorrentes foram supressão de vegetação (9 AIAs ou 36%) e extração de palmito (4 AIAs ou 16%), do total de 25 AIAs identificados (ver Figura 9). Do total de ocorrências na Zona de Amortecimento 64% foram autuadas em

11 Figura 9. Percentual, distribuição de frequências acumuladas (%) e número de Autos de Infração Ambiental (AIAs), segundo zonas do PESM (Ocupação Temporária, Recuperação, Primitiva, Uso Conflitante e Uso Extensivo) Em áreas fora do NuCar/PESM e da Zona de Amortecimento, foram registrados cinco AIA (sendo de ocupações irregulares até vazamentos), três nas proximidades da SP-055 e um na SP-099, todos no período entre CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse trabalho buscou analisar a distribuição dos autos de infração ambiental com base em análises geoespaciais. Os resultados indicam que no período entre 1999 e 2011, de modo geral, as autuações se concentraram próximas as principais estradas e/ou trilhas, que cortam a Unidade de Conservação, devido a facilidade de acesso tanto do agente de autuação quanto dos infratores, e que ocorrem em maiores proporções em um raio de até m de distância dessas vias/trilhas. Essa análise também mostrou que no zoneamento do Parque, embora haja um maior número de AIAs em zonas de maior grau de intervenção (Recuperação, Uso Conflitante e Ocupação Temporária), há ainda autos de infração na zona Primitiva, com nenhum ou baixo grau de intervenção na área/zona. Buscando soluções para reduzir os AIAs, a Portaria Normativa da Fundação Florestal 172/2012 (FF, 2012), que atualiza os procedimentos de controle e fiscalização ambiental nas UCs, pode se tornar um potencial instrumento de gestão, estabelecendo autonomia para o gestor da UC no que tange as atividades de fiscalização. Além disso, observou-se que as regras de restrição ao uso de recursos naturais, colocadas a partir da criação da UC (e de seu Plano de Manejo) têm impactos sobre a vida dos moradores destes locais. Desse ponto de vista, para atingir uma gestão compartilhada dessa UC, há ainda muito esforço no sentido de considerar o processo histórico de negociações e estratégias, conflitos e cooperação relacionados com a ocupação dentro de 11

12 UCs. Essa gestão deve considerar a importante complexidade relacionada com os aspectos socioculturais e, sobretudo pensar em ações coletivas nos âmbitos social e político (OSTROM, 2007), ao invés de estratégias de gestão única para uma determinada área protegida. É no coletivo que por meio de formas comuns de acesso aos recursos naturais e de participação, é possível e desejável definir as prioridades das políticas públicas, ainda que as decisões estejam inseridas em um quadro político, social e contexto econômico (SCHMINK; WOOD, 1992; FERREIRA, 2004; KOH; GARDNER, 2010; LIU et al., 2010; LOCKWOOD, 2010; SIMÕES; FERREIRA; JOLY, 2011), necessitando de uma abordagem interdisciplinar e participativa (ADAMS, 2000a; 2000b; FERREIRA et al., 2002; FERREIRA 2004); KOH; GARDNER, 2010). É necessário pensar em uma gestão de Unidades de Conservação com um diálogo aproximado com políticas urbanas e habitacionais, buscando a redução dos conflitos entre as diretrizes de uso e ocupação da terra, moradores e a instituição gestora. Por fim, o uso de geotecnologias é uma importante ferramenta para gestores municipais, de Unidades de Conservação ou para ações de fiscalização e manejo do PESM, inserido em uma região de alto potencial de conservação e turismo e ao mesmo tempo com relevância para o desenvolvimento da região. AGRADECIMENTOS À CAPES, FAPESP (2008/ ; 2010/ ) e Núcleo Gestor de Caraguatatuba. Também agradecem a Leonardo Teixeira pela contribuição na versão preliminar do texto. REFERÊNCIAS ADAMS, C. As Populações Caiçaras e o Mito do Bom Selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar. Rev. de Antropologia, v.43, n.1, p , 2000a. ADAMS, C. As Roças e o Manejo da Mata Atlântica pelos Caiçaras: uma revisão. Interciencia, Venezuela, v.25, n.3, p , 2000b. AZEVEDO, P.U.E. Implementando as Unidades de Conservação: particularidades da regularização fundiária. In: Unidades de Conservação: Atualidades e Tendências, BATISTELLA, M.; MORAN, E.F. Geoinformação e monitoramento ambiental na América Latina. São Paulo-SP: SENAC, p. BRASIL Lei 9.985/2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, BRITO, M.C.W. Unidades de Conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume, 2000, 230 p. CÂMARA, G.; CARVALHO, M.S. Análise de Eventos Pontuais. In: Druck, S., Carvalho, M. S., Câmara, G., Monteiro, A.M.V. (Orgs.). Análise Espacial de Dados Geográficos. Brasília: EMBRAPA, DELELIS, C.J.; REHDER, T.; CARDOSO, T.M. Mosaicos de áreas protegidas: reflexões e propostas da cooperação franco-brasileira. In: Caroline J. Delelis, Tatiana Rehder, Thiago M. Cardoso (Orgs.) Brasília: MMA; Embaixada da França no Brasil, p. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Malhas digitais. Disponível em: <http://mapas.ibge.gov.br/>. Acesso em 11/2011. IF Instituto Florestal de São Paulo. Mapas digitais,

13 FERREIRA, Lúcia C.; SIVIEIRO, S.O.; CAMPOS, S.V.; SILVEIRA, P.C.B.; OLIVEIRA, V.G.; MENDES, A.B.V.; PINTO, A.O. Conflitos Sociais em Áreas Protegidas no Brasil: Moradores, instituições e ONGs no Vale do Ribeira e Litoral Sul-SP. Ideias, v.1, n.8, p , FERREIRA, Lúcia C. Dimensões humanas da biodiversidade: mudanças sociais e conflitos em torno de áreas protegidas no Vale do Ribeira-SP, Brasil. Ambiente e Sociedade, v.7, n.1, p.47-66, FERREIRA, Lúcia C.; DI GIULIO, G.M.; SIMÕES, E.; VIGLIO, J.E.; CALVIMONTES, J.; ARAOS, F.J.; MELLO, A.Y.I.; MANFREDO, M.T.; FEITAL, M.S.; THIAGO, J.P.; QUEIROZ, J.F. Conflitos entre expansão urbana e a cobertura vegetal e suas consequências para as Mudanças Ambientais Globais: um estudo no Litoral de São Paulo. Relatório Científico FAPESP 2008/ , 2012, 84p. FOX, J.; RINDFUSS, R.R.; WALSH, S.J.; MISHRA, V. People and the environment: Approaches for linking household and community surveys to remote sensing and GIS. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, FF Fundação Florestal. Portaria Normativa FF/DE 172/2012. Dispõe sobre procedimentos de controle, exercício de fiscalização ambiental e penalidades aos infratores nas unidades de conservação e dá outras providências, GROSS, J.E.; GOETZ, S.J.; CIHLAR, J. Application of remote sensing to parks and protected area monitoring: Introduction to the special issue. Remote Sensing of Environment, v.113, p , LAURANCE, W.F. Conserving the hottest of the hotspots. Biological Conservation, v.142, n.6, p.1137, LIVERMAN, D.; MORAN, E.F.; RINDFUSS, R.R.; STERN, P.C. (Eds.). People and pixels: Linking remote sensing and social science. Washington, DC: National Academy Press, LIU, J.; OUYANG, Z.; MIAO, H. Environmental attitudes of stakeholders and their perceptions regarding protected area-community conflicts: A case study in China. Journal of Environmental Management, n.91, p , LOCKWOOD, M. Good governance for terrestrial protected areas: A framework, principles and performance outcomes. Journal of Environmental Management, n.91, p , KOH, L.P.; GARDNER, T.A. Conservation in human-modified landscapes. In: Navjot S. Sodhi; Paul R. Ehrlich (Eds.). Conservation Biology for All. NY: Oxford University Press, p , MARGULES, C.R.; PRESSEY, R.L. Systematic conservation planning. Nature, n.405, p , METZGER, J.P. Conservation issues in the Brazilian Atlantic forest. Biological Conservation, v.142, n.6, p , MYERS, N.; MITTERMEIER, R.A.; MITTERMEIER, C.G.; FONSECA, G.A.B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, n.403, p , NAGENDRA, H.; PAREETH, S.; GHATE, R. People within Parks-Forest Villages, Landcover Change and Landscape Fragmentation in the Tadoba Andhari Tiger Reserve, India. Applied Geography, n.26, p ,

14 NOVAES, P.C.; FERREIRA, L.G.; DIAS, R. Identificação de Áreas Prioritárias para Conservação da Biogeodiversidade no Estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia, v.23, n.1, p.41-58, OSTROM, E. A diagnostic approach for going beyond panaceas. PNAS, v.104, p , PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T.C. The symbolic sphere and social representations of Serra da Tiririca State Park. Sociedade & Natureza, v.23, p , PRESSEY, R.L; COWLING, R.M. Reserve selection algorithms and the real world. Conservation Biology, v.15, n.1, p , RIBEIRO, M.C.; METZGER, J.P.; MARTENSEN, A.C.; PONZONI, F.J.; HIROTA, M.M. Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v.142, n.6, p , SÃO PAULO Decreto Estadual /1977, cria Parque Estadual da Serra do Mar, SCHMINK, M.; WOOD, C.H. Contested Frontiers in Amazonia. NY: Columbia University Press, SILVA, G.B.S.; MELLO, A.Y.I.; STEINKE, V.A. Unidades de conservação no bioma cerrado: desafios e oportunidades para a conservação no Mato Grosso. Geografia, v.37, p , SIMÕES, E. ; FERREIRA, Lúcia C.; JOLY, C.A. O Dilema de Populações Humanas em Parques: gestão integrada entre técnicos e residentes no Núcleo Picinguaba. Sustentabilidade em Debate, p.17-32, SMA Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo. Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. São Paulo: IF, p. SMA Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo. Regularização fundiária em Unidades de Conservação: as experiências dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. In: Honora, A.C.C; Castro, C.A.M.; Barcellos, L.M. (Orgs.). São Paulo: IMESP, p. SOUTHWORTH, J.; NAGENDRA, H.; MUNROE, D.K. Introduction to the special issue: Are parks working? Exploring human environment tradeoffs in protected area conservation. Applied Geography, n.26, p.87 95, WELLS, M.; BRANDON, K. People and parks: Linking protected area management with local communities. Washington: World Bank, WWF,

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Fanuel Nogueira GARCIA, Laerte Guimarães FERREIRA Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013)

Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013) Urban Growth, Vulnerability and Adaptation: Social and Ecological Dimensions of Climate Change on the Coast of São Paulo (2009-2013) 22 Doutores; 17 Orientações; 58 Alunos (Iniciação Científico, Mestrado,

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

As Unidades de Conservação da Terra do Meio (Estado do Pará) como local privilegiado para a análise sociodemográfica da fronteira 1

As Unidades de Conservação da Terra do Meio (Estado do Pará) como local privilegiado para a análise sociodemográfica da fronteira 1 As Unidades de Conservação da Terra do Meio (Estado do Pará) como local privilegiado para a análise sociodemográfica da fronteira 1 Ricardo de Sampaio Dagnino 2 Roberto Luiz do Carmo 3 Álvaro de Oliveira

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013)

Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013) Crescimento Urbano, Vulnerabilidade e Adaptação: Dimensões Sociais e Ecológicas das Mudanças Climáticas no Litoral de São Paulo (2009-2013) Coordenação Lúcia da C. Ferreira LEONARDO R. TEIXEIRA NEPAM/UNICAMP

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL COMPENSAÇÃO AMBIENTAL em números Análise do perfil de uso dos recursos da Compensação Ambiental Federal em Unidades de Conservação novembro 2014 1 Copyright 2014 - The Nature Conservancy Todos os direitos

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2 TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS E A NECESSIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS INCLUSIVAS - ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO PICINGUABA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR-UBATUBA Tatiana Marchetti

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE FASE II Estrada da Praia Brava: Adequação da Visitação Pública do Parque Estadual Serra do Mar Proponente: Ambiental Litoral Norte OSCIP PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade a sobre s a d de dúvi eps e ar suas p e o r i d T o cip ntaçã par ti impla cê pode vo nte como ositivame p cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

CRÉDITO AMBIENTAL PAULISTA PARA AS RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL CAP/RPPN. Pagamento por Serviços Ambientais

CRÉDITO AMBIENTAL PAULISTA PARA AS RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL CAP/RPPN. Pagamento por Serviços Ambientais CRÉDITO AMBIENTAL PAULISTA PARA AS RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL CAP/RPPN Pagamento por Serviços Ambientais Projeto CAP/RPPN Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal FF Coordenadoria

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT O Instituto Centro de Vida (ICV) é uma OSCIP fundada em 1991, em Cuiabá, que vem trabalhando dentre outras atividades no monitoramento do desmatamento e da gestão florestal como também em estudos sobre

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Rodrigo José Oliveira Paiva (*), Ricardo Seixas Brites * Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, email: drigojbio@gmail.com.

Rodrigo José Oliveira Paiva (*), Ricardo Seixas Brites * Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, email: drigojbio@gmail.com. A INFLUÊNCIA DA ESFERA GOVERNAMENTAL SOBRE A EFETIVIDADE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM CONTER A CONVERSÃO ANTRÓPICA DE HABITATS NATURAIS NA REGIÃO NUCLEAR DO BIOMA CERRADO Rodrigo José Oliveira Paiva (*),

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CERRADO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A CONSERVAÇÃO NO MATO GROSSO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CERRADO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A CONSERVAÇÃO NO MATO GROSSO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO BIOMA CERRADO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A CONSERVAÇÃO NO MATO GROSSO Gustavo B. S. SILVA 1 Allan Y. I. MELLO 2 Valdir A. STEINKE 3 Resumo O bioma Cerrado é considerado um

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica

Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP 9 da Convenção sobre a Diversidade Biológica Biodiversidade e Áreas Protegidas Anael Aymoré Jacob Coordenador do Bioma Amazônia - DIREP/ICMBIO Convenção

Leia mais

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE TERMO DE REFERÊNCIA Impactos ambientais potenciais e áreas terrestres e aquáticas vulneráveis e críticas para a conservação na área de influência do terminal portuário de Miritituba (Itaituba, PA) e na

Leia mais

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 1 O PLANO DE MANEJO NO PARQUE ESTADUAL DO LAJEADO: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO Acadêmicos: Vogado, Leonardo Torres, Ronaldo Sousa, Sâmio Carmo, Soraya Prof. Orientador: José Lopes Soares Neto RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Título: DEFINIÇÃO DE METODOLOGIA PARA GESTÃO DO ORDENAMENTO DO USO PÚBLICO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA RJ

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO OTÁVIO AUGUSTO CARVALHO NASSUR 1, JOÃO GABRIEL NOTEL DE SOUZA 2, ELIZABETH FERREIRA 3, ANTONIO AUGUSTO AGUILAR DANTAS

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN Lisboa, C. M. C. A (1) ; Advincula, A. C. C. (1) ; Souza, T. A. (2) ; Santos, T. O. B. (2) carolisboabio@yahoo.com.br (1) Secretaria Municipal

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 4º Encontro Planejando intervenções Polo 1 P.E. Itapetinga, P.E. Itaberaba, MONA Pedra Grande Objetivos deste 4º Encontro

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Capítulo 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 8 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 8.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução,

Leia mais

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil

Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas e ambientais: análise multiescalar na zona costeira de São Paulo - Brasil Allan Yu Iwama (NEPAM/IFCH-UNICAMP) Orientador: Mateus Batistella (EMBRAPA Monitoramento

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

3 Analista Ambiental do Parque Nacional da Chapada Diamantina

3 Analista Ambiental do Parque Nacional da Chapada Diamantina ZONA DE AMORTECIMENTO: CRIAÇÃO OU DELIMITAÇÃO? Cezar Neubert Gonçalves 1, Luanne Helena Augusto Lima 2, Bruno Soares Lintomen 3, Pablo Lacaze de Camargo Casella 3, Christian Niel Berlinck 4 Resumo No ano

Leia mais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Estado Atual e perspectivas Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Contribuições para políticas públicas Seminário Nacional Diálogos sobre

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Grosso. Uso de ModelBuilder para Geração de. Detectados em Períodos Proibitivos. Estado de Mato Grosso

Grosso. Uso de ModelBuilder para Geração de. Detectados em Períodos Proibitivos. Estado de Mato Grosso Paulo Roberto Mariotti PPG Ciências Ambientais UNEMAT Uso de ModelBuilder para Geração de hotspots de Focos dedecalor Detectados em Uso de ModelBuilder para Geração hotspots de Focos de Calor Períodos

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (março de 2015) SAD

Resumo. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal (março de 2015) SAD Resumo Em março de 2015, mais da metade (53%) da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, uma cobertura inferior a de março de 2014 (58%). Os Estados com maior cobertura de nuvem foram

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais