SENSORIAMENTO REMOTO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DA ÁREA NO ENTORNO DA RESEX MARINHA MÃE GRANDE DE CURUÇÁ - PARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENSORIAMENTO REMOTO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DA ÁREA NO ENTORNO DA RESEX MARINHA MÃE GRANDE DE CURUÇÁ - PARÁ"

Transcrição

1 SENSORIAMENTO REMOTO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL DA ÁREA NO ENTORNO DA RESEX MARINHA MÃE GRANDE DE CURUÇÁ - PARÁ Wellingtton Augusto Andrade Fernandes¹ Walter Luiz Jardim Rodrigues¹ Márcia Aparecida da Silva Pimentel¹ ¹Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Geografia e Cartografia - FGC Grupo de Estudo Paisagem e Planejamento Ambiental GEPPAM Rua Augusto Corrêa, 01 - Guamá. Belém, Pará RESUMO Apresentar a proposta de utilização das geotecnologias com destaque às técnicas de Sensoriamento Remoto aplicadas no planejamento ambiental e gestão em Unidades de Conservação da categoria uso sustentável, com estudo de caso voltado à Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande de Curuçá, localizada no Estado do Pará na mesorregião nordeste Paraense. Tendo em vista a conservação da fauna e flora do bioma amazônico, com seus recursos naturais e a proteção das populações tradicionais, sua cultura e seu conhecimento tradicional, objetivo principal da criação das RESEX (Reserva Extrativista) através do Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC (Lei 9.985/2000). Dentre suas principais contribuições as temáticas voltadas ao meio ambiente e ao ordenamento territorial, o sensoriamento remoto e suas ferramentas de analise possibilitam avaliar a dinâmica da paisagem a partir da delimitação, controle do uso e ocupação do solo, diagnóstico de desmatamento, gestão dos recursos naturais, entre outras possibilidades indispensáveis ao bom desempenho do planejamento e gestão, auxiliando ainda no desenvolvimento dos planos de manejos ainda inexistentes em muitas unidades de conservação na Amazônia Paraense. Este trabalho é fruto do projeto pesquisa de iniciação cientifica: Unidade de Conservação e Populações tradicionais: reflexão sobre teoria, conceitos e metodologias de análise em Geografia, financiado pela FAPESPA/PIBIC - UFPA, em fase de conclusão ( ). Em decorrência da pesquisa foi realizado levantamento bibliográfico pertinente à temática, no qual foram investigados periódicos e publicações nacionais e estrangeiras, especializadas, sobre a atual discussão do tema apresentado. Foram realizados trabalhos de campo e entrevistas com moradores e agentes ambientais voluntários da RESEX, a cerca dos principais riscos ambientais e suas implicações em relação ao desenvolvimento e subsistência das populações tradicionais. No desenvolvimento dos produtos cartográficos se utilizou imagens de sensores remotos de alta e média resolução espacial, pertencentes ao satélite SPOT-5 (Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Pará - SEMA/PA) e ao Radar SRTM (EMBRAPA), voltadas à análise espacial e a classificação supervisionada das áreas de possíveis riscos ambientais. Na tentativa de analisar áreas de possíveis riscos ambientais estipulamos uma zona de 500 metros no entorno da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá, com a delimitação foram divididas três zonas menores de forma a ordenar o território, na qual cada zona representa uma categoria de risco, onde 100 m (Alto Risco Ambiental), 250 m (Médio Risco Ambiental) e 500 m (Baixo Risco Ambiental). Observamos áreas voltadas para atividades de agricultura e carcinicultura, as quais são responsáveis em grande parte pela diminuição das Áreas de Proteção Permanente - APP s (Novo Código Florestal), desmatamentos e pela contaminação do rio e solo por produtos químicos. No processamento dos dados cartográficos georreferenciados foram utilizados os softwares ArcGIS 9.3 e ENVI 4.5 foram executados levantamentos cartográficos para confirmação de coordenadas e elaboração de mapas e cartas, também foi realizada a coleta de dados cartográficos, manipulação e edição dos dados, criação do banco de dados georreferenciado e finalização dos projetos cartográficos. Para tanto foi utilizado GPS (Global Positioning System) de navegação Garmin, modelo Etrex 30. É notável a necessidade de implantação de ações efetivas que resultem em projetos e políticas publicas que auxiliem no planejamento ambiental e na gestão adequada dos recursos naturais das unidades de conservação a partir da utilização das chamadas geotecnologias com destaque para as técnicas de sensoriamento remoto na busca por formas de gestão, e seu importante papel no monitoramento dessas áreas de risco ambiental e suas relevantes contribuições no desenvolvimento dos planos de manejos dessas áreas de grande interesse ambiental. Palavras chaves: Sensoriamento Remoto, Planejamento Ambiental, Unidades de Conservação.

2 ABSTRACT Present the proposed use of geotechnology with emphasis on remote sensing techniques applied in environmental planning and management in protected areas of sustainable use category, with case study aimed Marine Extractive Reserve of the Great Mother of Curuçá located in the state of Pará in the middle region northeast Pará. Given the conservation of fauna and flora of the Amazon biome, with its natural resources and the protection of traditional peoples, their culture and their traditional knowledge, the main objective of the creation of extractive reserves (Extractive Reserve) through the National System of Conservation Units - SNUG (Law 9.985/2000). Among his major contributions the themes related to the environment and land planning, remote sensing and its analysis tools enable the evaluation of the dynamics of the landscape from the boundary, control of the use and occupation of land, diagnosis deforestation, natural resource management among other possibilities necessary for the proper performance of planning and management, further aiding in the development of plans managements still lacking in many protected areas in the Amazon Pará. This work is the result of scientific research initiation project: "Conservation Unit and traditional populations: reflection on theory, concepts and methodologies of analysis in Geography", funded by FAPESPA / PIBIC - UFPa, nearing completion ( ). As a result of the research was performed pertaining to thematic literature survey, in which national and foreign journals, specialized publications, the current discussion on the topic presented were investigated. Fieldwork and interviews with residents and volunteers RESEX environmental agents, were made about the main environmental risks and their implications for the development and sustenance of traditional populations. In the development of cartographic products is used images of remote sensing medium and high spatial resolution, belonging to the satellite SPOT-5 (State Secretariat of Environment of Pará - SEMA/PA) and SRTM Radar (EMBRAPA), focused on spatial analysis and the supervised classification of the areas of potential environmental risks. In an attempt to analyze areas of potential environmental risks stipulate a zone 500 meters surrounding the Great Mother of Marine RESEX Curuçá with the delimitation three smaller zones were divided form to order the territory, where each zone represents a risk category, where 100 m (Environmental High Risk), 250 m (Eastern Environmental Risk) and 500 m (Low Environmental Risk). We observed areas facing agriculture and shrimp farming activities, which are largely responsible for the decrease of Permanent Protection Areas - APPs (New Forest Code), deforestation and the contamination of the river and soil chemicals. In the processing of georeferenced cartographic data the ArcGIS 9.3 and ENVI 4.5 software mapping for confirmation of coordinates and drafting survey maps and charts were executed were used, the collection of cartographic data, manipulation and editing of data, creation of the database was also performed georeferenced cartographic and completion of projects. Therefore, we used GPS (Global Positioning System) navigation Garmin Etrex 30 model. Remarkably the need to implement effective actions that result in projects and public policies that assist in environmental planning and proper management of natural resources conservation units from the use of geotechnology calls with emphasis on remote sensing techniques in the search for forms of management, and its important role in monitoring these areas of environmental risk and outstanding contributions in the development of plans managements of these areas of great environmental interest. Keywords: Remote Sensing, Environmental Planning, Conservation Units. 1. INTRODUÇÃO Buscamos apresentar como proposta de trabalho a utilização das geotecnologias com destaque para as técnicas de Sensoriamento Remoto na gestão e planejamento ambiental aplicado em Unidades de Conservação da categoria Uso Sustentável com estudo de caso voltado à Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande de Curuçá, localizada no Estado do Pará na mesorregião nordeste Paraense. Tendo em vista a conservação da fauna e flora do bioma amazônico com seus recursos naturais e a proteção das populações tradicionais, sua cultura e seu conhecimento tradicional, objetivo principal da criação das RESEX (Reserva Extrativista) através do Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC (Lei 9.985/2000). Dentre suas principais contribuições as temáticas voltadas ao meio ambiente e ao ordenamento territorial, o sensoriamento remoto e suas ferramentas de analise possibilitam avaliar a dinâmica da paisagem a partir da delimitação, controle do uso e ocupação do solo, diagnóstico de desmatamento, gestão dos recursos naturais, entre outras possibilidades indispensáveis ao bom desempenho do planejamento e gestão, auxiliando ainda no desenvolvimento dos planos de manejos ainda inexistentes em muitas unidades de conservação na Amazônia Paraense. (FERNANDES et al., 2013) Nosso objetivo maior é demonstrar como a utilização do Sensoriamento Remoto possibilitar avanços significativos no processo de planejamento e gestão ambiental, proporcionando uma visão mais ampla do espaço e também permitindo serem direcionadas as áreas de possíveis riscos ambientais no entorno (zona de amortecimento) da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá. Constatando significativas mudanças na dinâmica da paisagem a partir da analise do uso e ocupação do solo, e analisando as áreas de possíveis riscos ambientais. Este trabalho é fruto do projeto pesquisa de iniciação cientifica intitulado: Unidade de Conservação e Populações tradicionais: reflexão sobre teoria, conceitos e metodologias de análise em Geografia, financiado pela

3 Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa (FAPESPA/PIBIC - UFPA), estando em sua fase de conclusão ( ). 2. MATERIAL E MÉTODO Em decorrência da pesquisa foi realizado levantamento bibliográfico pertinente à temática, no qual foram investigados periódicos e publicações nacionais e estrangeiras, especializadas, sobre a atual discussão do tema apresentado. Foram realizados trabalhos de campo e entrevistas com moradores e agentes ambientais voluntários da RESEX Mãe Grande de Curuçá a cerca dos principais problemas ambientais, sua relação com possíveis riscos ambientais e suas consequências em relação ao desenvolvimento e subsistência das populações tradicionais. Vale ressaltar que o conhecimento das populações tradicionais é imprescindível na construção e produção cientifica, com destaque para o saber empírico que unido aos conhecimentos acadêmicos, resulta em ganhos significativos. Dentre a produção de conhecimento das populações tradicional é imprescindível destacarmos o manejo tradicional ligado à manipulação do espaço e das espécies em atividades como a pesca artesanal, caça de subsistência, coleta e cultivo na agricultura (DIEGUES, 2000). No processamento e gestão dos dados cartográficos georreferenciados foram utilizados os softwares ArcGIS 9.3 e ENVI 4.5 foram executados levantamentos cartográficos para confirmação de coordenadas e elaboração de mapas e cartas da Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande de Curuçá e sua zona de amortecimento (500 metros). Os dados cartográficos foram desenvolvidos no plano de coordenadas geográficas e Datum horizontal Sirgas2000 (Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas) em relação à folha SA.23-V-A-IV. Foi realizada a coleta de dados cartográficos com auxilio do receptor de sinal GPS (Global Positioning System) de navegação Garmin, modelo Etrex 30. Na manipulação e edição dos dados, criação do banco de dados georreferenciado e na finalização dos projetos cartográficos foi utilizado o software ArcGIS 9.3. Em relação à base de dados vetorial foram utilizados arquivos disponíveis para download pelo Sistema de Compartilhamento de Informações Ambientais (SISCOM/IBAMA), de base georreferenciada datada do ano de 2007 (IBAMA, 2014). Para o desenvolvimento dos produtos cartográficos se utilizou imagens de sensores remotos pertencentes ao satélite SPOT-5 (Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Pará - SEMA/PA) e ao Radar SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) disponibilizada pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Tendo em vista as análises voltadas ao planejamento e gestão ambiental das áreas no entorno da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá, foi realizada a classificação supervisionada com a utilização do software ENVI 4.5 na tentativa de obtermos informações relativas ao uso e ocupação do solo e das áreas de possíveis riscos ambientais, resultados pelos quais nos permitem analisar as diversas formas de uso e ocupação desse espaço, para melhor ordenar o território. 3. SENSORIAMENTO REMOTO NO PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL O Sensoriamento Remoto permitiu avanços significativos no processo de planejamento e gestão ambiental possibilitando uma visão mais ampla do espaço, passível de serem direcionadas as áreas de possíveis riscos ambientais na zona de amortecimento da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá. Verificando significativas mudanças na dinâmica da paisagem, possibilitando pensamos essas áreas de maneira integrada, tendo em vista a utilização desses espaços pelas populações tradicionais de forma a ordenar o território. As técnicas de sensoriamento remoto apresentam relevante papel no processo de planejamento e gestão de Unidades de Conservação, principalmente em relação à categoria Uso Sustentável as quais há interferência direta do homem a partir da utilização dos recursos naturais. Nesse sentido, este papel pode ser desempenhado de maneira mais satisfatória a partir da utilização de imagens de satélite e de radar que possibilitam maior detalhamento em relação à escala. Isso se dá na medida em que alguns satélites e radares possuem resolução espacial de 10 m e 90 m por pixel, por exemplo, referentes ao satélite SPOT-5 e ao radar SRTM, respectivamente (Tabela 1). TABELA 1 Características básicas de sensores orbitais. SATÉLITE/SENSOR TIPO PAÍS DE ORIGEM RESOLUÇÃO ESPACIAL LANÇAMENTO SPOT - 5 SATÉLITE FRANÇA 10 m 2002 SRTM RADAR EUA 90 m 2000 Fonte: MIRANDA (2005) e FLORENZANO (2011) Como principio básico o sensoriamento remoto é responsável por apresentar o alvo imageado de maneira remota a partir da analise da radiação eletromagnética registrada pelos sensores (passivos no caso dos satélites e ativo nos radares), na qual cada alvo possui sua assinatura espectral única, o que permite a diferenciação dos objetos (alvos), através de sua reflectância. Para Meneses e Almeida (2012, p. 3), o sensoriamento remoto é uma técnica de obtenção de imagens dos objetos da superfície terrestre sem que haja um contato físico de qualquer espécie entre o sensor e o objeto.

4 4. RESULTADOS E DISCURSSÕES As Reservas Extrativistas Marinhas são Unidades de Conservação de Uso Sustentável e tem por objetivo proteger uma importante formação de manguezais do Brasil, sendo fundamental na conservação da vida marinha e estuarina da zona costeira e na manutenção dos aspectos socioeconômicos e culturais das populações tradicionais dessa região. No entanto, atualmente, os elementos naturais e culturais de que dependem essas populações, ameaçados em grande parte pela pesca predatória, agricultura, carcinicultura, principais responsáveis pelos impactos ambientais sobre os rios, solo, manguezais e floresta de terra firme, identificados pela caracterização das áreas de risco ambiental. Para entendermos a conceituação de Zona de Amortecimento, a mesma é definido nos termos do artigo 2º da Lei (9.985/2000) SNUC como o entorno de uma unidade de conservação, onde as atividades humanas estão sujeitas a normas e restrições específicas, com o propósito de minimizar os impactos negativos sobre a unidade. Na tentativa de caracterizar áreas de possíveis riscos ambientais, estipulamos uma zona de 500 metros no entorno (zona de amortecimento) da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá, com a delimitação foram divididas três zonas menores de forma a ordenar o território, na qual cada zona representaria um grau de risco: 100 m (Alto Risco Ambiental), 250 m (Médio Risco Ambiental) e 500 m (Baixo Risco Ambiental), conforme Mapa 1. Mapa 1 Zona de amortecimento da RESEX Mãe Grande de Curuçá, Estado do Pará.

5 Segundo o art. 25 da Lei 9.985/2000, cabe ao órgão responsável pela administração da unidade estabelecer e regular a ocupação e o uso dos recursos da zona de amortecimento e seus limites podem ser estabelecidos no ato de criação da unidade de conservação ou posteriormente, sendo o mais comum após a criação da unidade, de acordo com o que for determinado pelo plano de manejo. A zona de amortecimento não faz parte da unidade, mas fica sujeita por força de Lei, a um modo de zoneamento obrigatório que regula e permite certas atividades econômicas. (VIO, 2001). As Reservas Extrativistas são território utilizado pelas populações extrativistas tradicionais, e sua estabilidade e sobrevivência são baseadas sobre maneira no manejo e gestão adequada desses recursos naturais, baseados no conhecimento tradicional dessas populações, os quais devem ser preservados (BRASIL, 2000). Na tentativa de ordenar o território a partir do uso e ocupação do solo se utilizando da técnica de classificação supervisionada, foram divididas 5 classes (Hidrografia/ Agricultura e Campo/ Área Urbanizada e Solo Exposto/ Floresta Ombrófila Densa/ Bancos de Areia), conforme Mapa 2. Mapa 2 Uso e Ocupação do Solo na RESEX Mãe Grande de Curuçá e sua Zona de Amortecimento. Observamos a presença de áreas de possíveis riscos ambientais na zona de amortecimento da RESEX, atividades essas ligadas principalmente a agricultura e a carcinicultura (cultivo de camarão em cativeiro), visto que essas atividades são fortemente caracterizadas pelo uso de produtos químicos, desmatamento de áreas de mangues e lançamentos de efluentes, como constatado nos mapas essas atividades estão inseridas próximas a RESEX em contato

6 direto com o rio e manguezal, ambientes que merecem atenção, pois se tratam de espaços importantes à proteção da Unidade de Conservação, prevenindo assim o efeito de borda. O Risco Ambiental segundo Lyra (1997, p. 49), pode ser entendido como toda e qualquer forma de degradação que afete o equilíbrio do meio ambiente. A partir da delimitação da zona de amortecimento da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá, estipulada em 500 m no entorno desta Unidade de Conservação, observamos algumas áreas de riscos ambientais voltadas principalmente para atividades de agricultura e carcinicultura (ver Mapa 3), as quais são responsáveis em grande parte pela diminuição das Áreas de Proteção Permanente - APP s (Novo Código Florestal), desmatamento e pela contaminação do rio, solo e mangue por produtos químicos, modificando sobre maneira a dinâmica da paisagem. Mapa 3 Áreas de Risco na Zona de Amortecimento da RESEX. Analisando o Mapa acima através da imagem de satélite SPOT - 5 e do resultado da classificação supervisionada na delimitação do uso e ocupação do solo, constatamos a presença de empreendimentos ligados à agricultura e a carcinicultura na Zona de Amortecimento da RESEX, na categoria definida de alto risco ambiental, ou seja, a menos de 100m da RESEX Marinha Mãe Grande de Curuçá. Caracterizando se como áreas de alto risco ambiental, por serem atividades que se utilizam de produtos químicos, estando próximas ao manguezal e aos cursos d àgua.

7 5. CONCLUSÃO É notável a necessidade de implantação de ações efetivas que resultem em projetos e políticas publicas que auxiliem no planejamento ambiental e na gestão adequada dos recursos naturais das unidades de conservação, a partir da utilização das chamadas geotecnologias com destaque para as técnicas de sensoriamento remoto na busca por formas de gestão. Ressaltando sua importância estratégia no planejamento e gestão das Unidades de Conservação, resultando em relevantes contribuições na criação dos planos de manejos que também são responsáveis pela definição da Zona de Amortecimento das Unidades de Conservação, resguardando essas áreas de grande interesse ambiental. Constatamos a necessidade da utilização de técnicas de sensoriamento remoto na interpretação e classificação de imagens de satélite no decorrer do processo de avaliação dessas áreas de riscos ambientais, tendo em vista seus benefícios. Visto que o Sensoriamento Remoto possibilita de maneira eficiente o estudo da dinâmica da paisagem e pensar as possíveis medidas mitigadoras para evitar possíveis áreas de risco ambiental, com a adoção e delimitação da zona de amortecimento. AGRADECIMENTOS Nossos agradecimentos a FAPESPA (Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa) pelo financiamento do projeto de pesquisa PIBIC/UFPA ; a PROEX/UFPA (Pró-Reitoria de Extensão) pelo auxílio nas despesas voltadas à participação e apresentação deste trabalho no evento; a Prof.ª Dr.ª Márcia Pimentel por sua orientação e confiança; ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio - Equipe de Gestão das RESEX de São João da Ponta e Curuçá) e as populações tradicionais deste citados municípios que muito nos ensinaram e ajudaram no desenvolvimento e consolidação do projeto de pesquisa. REFERENCIAS BRASIL. Lei 9.985/2000. Regulamenta o art. 225, 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/ L9985.htm>. Acesso em: 20 de jan DIEGUES, A.C. S. et al (Orgs.). Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. Ministério do Meio Ambiente. NUPAUB. São Paulo: FERNANDES, W. A. A. ; RODRIGUES, W. L. J. ; GONCALVES, A. C. O. ; SANTOS, V. C. ; PIMENTEL, M. A. S. Geoprocessamento Aplicado à Gestão de Unidades de Conservação de uso Sustentável: O Caso da RESEX Marinha de São João da Ponta PA. In: XV Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 2013, Vitória. Anais do Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, v. 15. p , FLORENZANO. Teresa Gallotti. Iniciação em Sensoriamento Remoto. 3 ed. São Paulo: Oficina de Textos, IBAMA. Sistema de Compartilhamento de Informações Ambientais. Dados Geoespaciais. Disponível em: <http://siscom.ibama.gov.br/>. Acesso em: 6 de fev LYRA, M. M. Dano ambiental. Revista de Direito Ambiental, São Paulo, v.8, p , out-dez, MENESES, P. R.; ALMEIDA, T. Introdução ao processamento de imagens de sensoriamento remoto. Brasília: UNB, MIRANDA, E. E. de; (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>. Acesso em: 9 mar VIO, A. P. A. Zona de amortecimento e corredores ecológicos. In: BENJAMIN, A. H. Direito ambiental das áreas protegidas o regime jurídico das Unidades de Conservação. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p , 2001.

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Daniela Maroni (1) Denize Fabiani (2) Malu Durante (3) Tatiana Chiodi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura e Urbanismo, IMED,

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Avaliação da pressão humana na Reserva Extrativista Verde para Sempre no oeste do Pará

Avaliação da pressão humana na Reserva Extrativista Verde para Sempre no oeste do Pará Avaliação da pressão humana na Reserva Extrativista Verde para Sempre no oeste do Pará Heron Davi dos Santos Martins¹ Paulo Henrique Coelho Amaral¹ Katiuscia Amanda Fernandes do Nascimento² Rodney Rooney

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Imagem dos Corredores Ecológicos: Exibe a imagem de satélite baixa resolução de SPOT-5, adquirida em 2005. Esta imagem está como padrão defaut ao iniciar o sistema,

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL

RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 RESERVA EXTRAVISTAS DO LITORAL PARAENSE: FERRAMENTAS PARA O ORDENAMENTO TERRITORIAL Aninha Melo Moreira Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará Campus Bragança,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Projeto monitoramento 2005 Resumo do livro Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais.

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA ANEXO 4 PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Este roteiro visa orientar a metodologia para delimitar área de ocorrência/extensão e padronizar a apresentação dos

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Jocy CRUZ *; Solon R. de ALMEIDA NETTO **; Carlos Rostand F. MEDEIROS ***; Uílson CAMPOS * * - cecav.rn@ibama.gov.br

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1).

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1). MUDANÇA DA PAISAGEM AMAZÔNICA NA ÁREA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO SANTA LUZIA, EM CRUZEIRO DO SUL, AC Rafael C. DELGADO 1, Leonardo P. de SOUZA 1, Ian W. R. da SILVA 1, Evaldo de P. LIMA 2, Ricardo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

Avanços na proposta do Novo Código Ambiental Brasileiro

Avanços na proposta do Novo Código Ambiental Brasileiro Avanços na proposta do Novo Código Ambiental Brasileiro Projeto de Lei nº 5.367/2009 Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) Sen.Gilberto Goellner (vice-presidente da FPA) O que é o Novo Código Ambiental?

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Moraes, L.M.A.V. (UFRJ) ; Alexandre, S.T. (UFRJ) ; Brizzi, R.R. (UERJ) ; Souza, H.S. (UFRJ) ; Lopes, C.F.

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite O programa foi instituído por meio da Instrução Normativa Interministerial n.º 02, de 04 de setembro de 2006 e criado em virtude do

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O V CURSO GEOTECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO E ORDENAMENTO TERRITORIAL

PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O V CURSO GEOTECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO E ORDENAMENTO TERRITORIAL PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE EDITAL DE SELEÇÃO PARA O V CURSO GEOTECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Porto Velho/RO 20 a 22 de março de 2014 INSCRIÇÕES ATÉ O DIA 10/03/2014 Porto

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, Ferraz, D. 1 ; Cronemberg, F. 2 ; Vicens, R. 3 ; 1 UFF Email:debora.ferraz93@gmail.com; 2 UFF Email:felipecron@gmail.com; 3 UFF Email:rsvicens@gmail.com;

Leia mais

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANDERSON CARLOS SOUSA CALIL NILMA JOSY SILVA DA SILVA SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Daniel Mathias Caixeta 1 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa.

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa. Comunicado Técnico 35 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Base de dados Satélites de Monitoramento Cristina Criscuolo 1 Edlene Aparecida Monteiro Garçon 2 Mateus Batistella 3 Édson Luis Bolfe 4

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade

MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO MBA em Direito Ambiental e Sustentabilidade - FGV

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 IDENTIFICAÇÃO DE UNIDADES DE PAISAGEM ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS, PROPOSTA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE MANEJO EM RESERVA EXTRATIVISTA MARINHA Tabilla Verena da Silva Leite 1, Abraão Levi dos

Leia mais

LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ZONA DE AMORTECIMENTO ÁREAS CIRCUNDANTES PLANO DE MANEJO COMPENSAÇÃO AMBIENTAL SANÇÕES CRIMINAIS E ADMINISTRATIVAS CONCLUSÕES ZONA DE AMORTECIMENTO Art. 25 da Lei

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM

IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM IMPACTOS AMBIENTAIS SOBRE A ZONAS DE ESPECIAL INTERESSE AMBIENTAL DE VILA VELHA DECORRENTES DAS ALTERAÇÕES NO PDM YGO SILVESTRE DE DEUS Biólogo/Mestrando em Ecologia ygo.deus@gmail.com Condicionantes da

Leia mais

AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB

AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB 103 AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SOB A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS PB Azenate Campos GOMES¹ Alecksandra Vieira de LACERDA² Maria da Glória Lopes FRAGOSO³ João Paulo Pereira

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO OTÁVIO AUGUSTO CARVALHO NASSUR 1, JOÃO GABRIEL NOTEL DE SOUZA 2, ELIZABETH FERREIRA 3, ANTONIO AUGUSTO AGUILAR DANTAS

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais