V Congresso UFV de Administração e Contabilidade e II Mostra Científica ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE SEGURADORAS BRASILEIRA E ESTRANGEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V Congresso UFV de Administração e Contabilidade e II Mostra Científica ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE SEGURADORAS BRASILEIRA E ESTRANGEIRA"

Transcrição

1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE SEGURADORAS BRASILEIRA E ESTRANGEIRA Área: Contabilidade Sub-área: Contabilidade Financeira Antônio Artur de Souza Fernando Gonçalves Raphael Leticia Wolff Ruppin Ligiana Ferreira de Oliveira RESUMO O presente trabalho faz análise econômico-financeira de uma empresa brasileira e uma estrangeira trançando um comparativo entre elas. O objetivo principal do artigo é identificar as variáveis do mercado segurador brasileiro em contraste com a de um mercado mais desenvolvido, através da análise quantitativo-qualitativa dos mercados seguradores e seus indicadores. Os dados coletados e trabalhados são das seguradoras Porto Seguro S.A. e Allianz. A partir dos dados apresentados, foram calculados os índices econômico-financeiros, conforme o mercado brasileiro e estrangeiro. Detectou-se que a empresa brasileira adota maior restrição aos investimentos de risco elevado, tal como em renda variável, e, portanto, se apresenta mais estável com menor exposição ao risco. Palavras-chave: Seguradora; Índices econômico-financeiros; Análise de desempenho comparativo. ABSTRACT This paper presents a financial and economic analysis of two insurance companies, one Brazilian and one foreign. The main goal was to compare the influence of the variables in the Brazilian market in comparison to a more developed one. The financial data was collected and analyzed for the insurance companies Porto Seguro and Allianz. The financial ratios were calculated for the two companies and then compared. It was possible to conclude that the Brazilian company adopts more restrictive rules for investments. It invests less in stocks. Thus, it is more stable and is exposed to less risk. Keywords: Insurance Market; Financial Ratios; Performance Analysis. 1 INTRODUÇÃO Seguro é um plano social que combina riscos de muitos indivíduos dentro de um grupo (FIGUEIREDO, 1997). No mecanismo do seguro, as pessoas e as organizações ajudam-se mutuamente através de pagamentos de prêmios, obtendo tranquilidade e segurança econômica contra as perdas potenciais. O propósito fundamental do seguro é reduzir a incerteza e a preocupação das pessoas e organizações provenientes da impossibilidade de prevenir futuros gastos decorrentes de riscos a que estão expostas. 1

2 O escopo da atividade de seguros no Brasil está ampliando extraordinariamente, como no mundo inteiro (SOUZA, 2002). A atividade seguradora vem ganhando amplitude no mercado graças à relativa estabilidade econômica vivida nos últimos tempos pela sociedade brasileira, o que induz as pessoas e empresas tanto a ampliar seu patrimônio de investimentos quanto a se preocupar com a segurança dos mesmos. De acordo com a Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização (FENASEG, 2008), em 2006 o setor de seguros brasileiro arrecadou R$59 bilhões em prêmios diretos, o que representa um aumento de 16,3% ante o ano anterior, e a participação do setor no PIB brasileiro saltou 45% neste mesmo período, de 2005 a Ainda segundo a FENASEG (2008), o setor de seguros apresentou uma taxa de crescimento anual composta de aproximadamente 15% no período de 10 anos findo em Tais dados demonstram a relevância do mercado segurador na economia brasileira, e, diante dessa franca ascensão, a análise financeira das seguradoras se torna importante para se verificar o desempenho do setor além de constatar as tendências do mesmo. O objetivo geral do artigo é analisar o desempenho econômico-financeiro de uma seguradora brasileira em comparação com o de uma seguradora estrangeira. Essa comparação é feita através da identificação dos indicadores econômico-financeiros das mesmas. Comparam-se os indicadores da seguradora brasileira com o da estrangeira e identificam-se as diferenças e tendências na análise quali-quantitativa. O presente artigo está dividido em cinco seções, incluindo esta Introdução. Na Seção 2, apresenta-se uma revisão da literatura sobre Seguros. Na Seção 3, descreve-se a metodologia de pesquisa, destacando-se os métodos de coleta e de análise dos dados. Na Seção 4, expõem-se a análise e a discussão dos resultados, baseados nos dados da pesquisa e na literatura sobre o tema. Por fim, na Seção 5, tecem-se as conclusões acerca deste trabalho. 2 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Em março de 1940, quando as operações de seguros passaram a ser regulamentadas, as seguradoras estrangeiras presentes no Brasil foram obrigadas a se organizar como empresas brasileiras e a constituir reservas no Brasil. Nos anos 1970, o Brasil passou a adotar uma política de reciprocidade de negócios e a promover o intercâmbio internacional do seguro brasileiro. Como resultado, o país teve o superávit na conta de Seguros do Balanço de Pagamentos e a aceitação de negócios do exterior em volume correspondente a 60% dos resseguros cedidos (SOUZA, 2002). Com a abertura de mercado e o consequente desembarque maciço de empresas multinacionais no mercado brasileiro, o volume de investimentos aumentou consideradamente e as 2

3 empresas nacionais foram obrigadas a rever suas culturas e estratégias, desenvolver novas formas de comercialização, investir em tecnologia, qualificar e disputar mão de obra e inovar, oferecendo novos e melhores produtos. A participação de capital estrangeiro no segmento de seguros brasileiro vem aumentando de maneira significativa, abocanhando cerca de um quarto do mercado nacional e a previsão é de que no curto prazo as seguradoras estrangeiras respondam por mais da metade do capital do mercado segurador brasileiro (SOUZA, 2002). Apesar das inovações introduzidas pela abertura do mercado, os seguros ainda estão concentrados basicamente nos ramos tradicionais, ou seja, automóveis, saúde e vida, que representam cerca de 75% do total. 3. METODOLOGIA As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem revestir-se de extrema complexidade ou ser bastante simples, dependendo dos ramos ou das modalidades de seguros e do mix de produtos com os quais operem. No entanto, ambas as estruturas desenvolvem suas finalidades por meio de uma gama variada de operações, todas objeto de registro pela contabilidade (SILVA, 1999). Assim, com base nas operações passadas e nas operações atuais, a evolução ou a regressão da seguradora, seus problemas e acertos são estudados com a utilização técnica adequada para que sejam destacados os aspectos econômicos e financeiros que norteiam a tomada de decisão dos agentes econômicos interessados. Dois fatores importantes devem ser observados numa análise econômico-financeira: (i) a temporalidade das operações, isto é, deve ser elaborada baseada em diversas demonstrações financeiras em sequência cronológica de, pelo menos, três exercícios, a fim de constatarem-se as tendências, bem como o desempenho da empresa; e (ii) deve ser comparativa, ou seja, confrontando-se os índices da seguradora analisada com os índices-padrões do mercado MÉTODOS DE ANÁLISE Silva (1999) apresenta os métodos de análise: 1. Análise por Diferenças Absolutas: é o método que dá evidência à diferença absoluta entre os valores de cada componente patrimonial; 2. Análise de Evolução Horizontal Crescimento: o crescimento é apurado um índice que representa a tendência temporal dos itens analisados em relação ao período que será tomado como 3

4 base. Sempre que possível, deve ser escolhido como base um período no qual a seguradora tenha apresentado um desempenho satisfatório, pois os índices apurados terão maior representatividade; 3. Análise por Quocientes ou Índices: é o método de análise que compara Valores de naturezas heterogêneas, relacionando itens e grupos do Balanço Patrimonial e da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE), para obter quantas vezes um item contém o outro. Propicia ao analista extrair tendências, comparando os índices obtidos com os Índices-padrões apurados para referência ANÁLISE FINANCEIRA A análise financeira está voltada para as relações entre disponibilidades e exigibilidades. Envolve os Ativos Realizáveis e os Exigíveis da empresa no curto e no longo prazo, ou seja, analisa o que a seguradora dispõe em face de suas obrigações, bem como o que tem a receber e o que tem a pagar. Trata do aspecto da liquidez (Tabela 2) e da solvência da sociedade (SILVA, 1999). Tabela 1 - Índices de Liquidez Liquidez geral ou mediata Liquidez Corrente Indica a situação financeira da sociedade em longo prazo. Mede a capacidade de a empresa cumprir com seus compromissos perante terceiros, exigíveis em qualquer prazo. É o quociente utilizado para medir a capacidade da seguradora em saldar seus compromissos em curto prazo. Seca Liquidez Considera somente os itens de fácil conversibilidade em dinheiro de que a empresa dispõe para pegar cada real de dívidas vencíveis em curto prazo. Fonte: Elaborado pelo autor. A Solvência Geral mede a capacidade total da seguradora em cumprir obrigações assumidas perante terceiros, tanto a curto quanto em longo prazo. Difere da Liquidez Geral, pois esta desconsidera o Ativo Permanente em seu cálculo. Este índice aponta quanto a empresa possui de Ativo para pagar cada real dos capitais tomados de terceiros, ou seja, Passivo Exigível (SILVA, 1999) ANÁLISE ECONÔMICA A análise econômica tem como finalidade avaliar o desempenho econômico da seguradora, considerando o capital investido e o volume monetário das receitas oriundas dos prêmios ganhos no período. Para essa análise, toma-se como base a Demonstração do Resultado do Exercício. Ela 4

5 aborda o problema da finalidade da empresa, de seus investimentos e da capacidade para reduzir sua lucratividade e rentabilidade (SILVA, 1999). A Margem Bruta representa a relação percentual entre o Resultado Bruto e os Prêmios Ganhos. A Margem Operacional mensura a relação entre o Resultado das Operações de Seguros e os Prêmios Ganhos, ou melhor, a receita líquida de prêmios produzida no período. É também conhecida como Margem de Lucro ou Lucratividade Operacional. Já a Margem Líquida mensura a relação entre o Lucro Líquido do Exercício, depois de deduzida a Contribuição Social e o Imposto de Renda, e os Prêmios Ganhos, ou seja, a receita líquida de prêmios. Segundo Silva (1999), é frequente ocorrer entre as seguradoras o fato de o Resultado das Operações de Seguros apresentarse negativo e ser compensado pelos Resultados Financeiro e Patrimonial, o que explica o fato de a Margem Operacional ser negativa e ao mesmo tempo a Margem Líquida positiva. A Taxa de Retorno do Capital Próprio é o índice que mede a relação entre o Lucro Líquido após o Imposto de Renda com os Capitais Próprios (Patrimônio Líquido - PL). Este índice apresenta a rentabilidade do investimento dos acionistas na seguradora. A Sinistralidade é o índice que relaciona o Sinistro Retido e o Prêmio Ganho com a finalidade é medir, comparativamente, o nível da despesa líquida de sinistros com a receita líquida de prêmio. O Custo de Comercialização mensura a proporção entre as Despesas de Comercialização e as Receitas Líquidas de Prêmios. O Custo Administrativo é o resultado da relação das Despesas Administrativas com a Receita Líquida de Prêmios é o Índice que espelha o nível do Custo Administrativo da seguradora (SILVA, 1999). O Prêmio Margem afere se a seguradora terá problemas futuros de solvência, considerando que o Patrimônio Líquido, embora ajustado, é também, a base para o cálculo da Margem de Solvência da Seguradora. É recomendável que este quociente não seja superior a cinco vezes o valor do Patrimônio Líquido. Isso porque a Margem de Solvência estabelece que o Patrimônio Líquido Ajustado deverá ser suficiente para cobrir, no mínimo, 20% da média dos prêmios retidos pela seguradora no decurso dos três últimos exercícios. O Resultado Patrimonial mede o quanto do lucro da seguradora é composto por resultados em coligadas, controladas e aluguéis de imóveis, este último insignificante perante os primeiros. Quando o resultado for negativo, a avaliação será de quanto do Lucro da Seguradora foi perdido, em função desses investimentos (SILVA, 1999). O Índice Combinado é o indicador que reflete o resultado das operações básicas de seguro, estabelecendo a relação entre receitas e despesas da seguradora de natureza exclusivamente 5

6 operacional. O Índice Combinado Ampliado trata-se da ampliação do Índice Combinado, mediante a agregação do Resultado Financeiro aos Prêmios Ganhos da Seguradora (SILVA, 1999). 4. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SEGURADORAS A análise econômico-financeira das seguradoras foi realizada através da análise horizontal dos dados contábeis, além dos índices calculados. O período de análise é de quatro anos, de 2007 a 2010, sendo possível, assim, avaliar o impacto da crise financeira mundial de 2008 no desempenho das seguradoras Porto Seguro S.A. Análise Horizontal do Balanço Patrimonial a) O Ativo Circulante da empresa apresentou crescimento durante todo o período, chegando a aumentar 113% ao final do período. b) Os valores realizáveis em longo prazo também aumentaram, sendo incrementado em 98% ao final do período. c) O Ativo Permanente teve um forte aumento ao final do período, de 274,3%, enquanto o ativo total aumentou 124,4%. d) O Passivo Circulante aumentou 112,4% no período, sendo este crescimento bem próximo do Ativo Circulante. e) O exigível em longo prazo aumentou 326,3% no período, o que representa uma proporção três vezes maior do que o realizável no longo prazo. f) O Patrimônio Líquido aumentou 91,9% ao final do período. Tabela 2 - Análise Horizontal do Balanço Patrimonial 6

7 Fonte: Elaborado pelo autor. Análise Horizontal da Demonstração do Resultado do Exercício a) Os Prêmios Retidos cresceram 90,2% no período. b) Os Prêmios Ganhos saltaram 94% no período, o que é muito justificado pelo aumento dos prêmios emitidos em 96%. c) Os sinistros aumentaram 110,1% no período, uma proporção maior do que a dos prêmios ganhos. d) Enquanto a empresa emitiu 96% a mais de prêmios, as despesas de comercialização subiram com menor inclinação, precisamente 83,8%. e) O Resultado Bruto aumentou 69,3% no período, resultado de maior eficiência nas operações de seguro, sendo que em 2008 o crescimento foi quase zero devido a crise mundial. f) Resultado das Operações de Seguro caiu 11,2% no período, devido inclusive ao grande aumento de despesas operacionais. g) O Resultado antes da Contribuição Social e Imposto de Renda aumentaram 48,1% no período, enquanto o Lucro Líquido aumentou 48,4%. 7

8 Tabela 3 - Análise Horizontal da Demonstração do Resultado do Exercício Fonte: Elaborado pelo autor. Análise dos Índices Econômicos e Financeiros a) Liquidez Geral: a seguradora conta em média com R$1,35 para cada R$1,00 do passivo para o período. b) Liquidez Corrente: a seguradora tem capacidade para arcar com as obrigações de curto prazo, sendo que em média conta com R$1,40 no período para cada R$1,00 do passivo circulante. c) Liquidez Seca: a empresa conta com uma capacidade imediata para pagar o passivo circulante de aproximadamente 1,3 vez no período. d) Solvência Geral: a capacidade total da empresa de arcar com o exigível total é de 1,5, o que indica bom nível de Capital Próprio e implica em menor grau de financiamento do ativo total pelo passivo circulante e exigível a longo prazo. e) Margem Bruta: com índice médio de 0,2, a empresa tem boa capacidade de suportar os custos operacionais. f) Margem Operacional: a margem operacional ficou bem próxima de zero no período. As despesas administrativas e outras despesas consumiram a margem do resultado bruto. g) Margem Líquida: graças aos resultados financeiro e patrimonial, a margem líquida foi positiva de 0,10. 8

9 h) Taxa de Retorno do Capital Próprio: a taxa girou em torno de 0,20, o que representa uma rentabilidade média de 20% do investimento dos acionistas. i) Sinistralidade: o índice de sinstralidade foi em torno de 0,55, o que é bom pois libera mais dinheiro para cobrir outras despesas da seguradora. j) Custo de Comercialização: cerca de 22% da receita líquida foram consumidos pelas despesas de comercialização. k) Custo Administrativo: as despesas administrativas consomem cerca de 20% da receita líquida. l) Prêmio Margem: em torno de 2,3 no período, este índice é bastante satisfatório pois o Patrimônio Líquido é o suficiente para cobrir no mínimo 40% do volume de prêmio retido. m) Resultado Patrimonial: o Resultado Patrimonial contribuiu com cerca de 1% do Lucro Líquido. n) Índice Combinado: na casa da unidade, é sugerido que o índice diminua para evitar o desequilíbrio econômico. o) Índice Combinado Ampliado: com o índice em torno de 0,9, o resultado financeiro ajudou a seguradora a ter maior equilíbrio econômico. Tabela 4 Análise dos Índices Econômicos e Financeiros Fonte: Elaborado pelo autor. 9

10 4.2. Allianz Group Análise Horizontal do Balanço Patrimonial a) O Ativo Circulante da empresa caiu em torno de 65% de 2008 em diante. b) Os valores realizáveis em longo prazo subiram 11876% em 2008, mas fechou o período com queda de 91,5%. c) O Ativo Permanente apresentou crescimento no período de 15,9%. Em 2008, houve uma queda de 9,6% justificada pela queda no valor da conta de investimentos. d) O Ativo Total diminuiu em 41,1%. e) O Passivo Circulante reduziu a menos da metade no período, enquanto o Ativo Circulante caiu com uma inclinação maior. f) O exigível em longo prazo diminuiu 43% no período. Em 2008, tal conta teve aumento de 2513% em relação a g) O Patrimônio Líquido caiu bem em 2008 e 2009, se recuperando em 2010 e fechando o período com queda de 6,8%. Tabela 5 - Análise Horizontal do Balanço Patrimonial Fonte: Elaborado pelo autor. 10

11 Análise Horizontal da Demonstração do Resultado do Exercício a) Os Prêmios Retidos aumentaram 6,7% no período. b) Os Prêmios Ganhos aumentaram em menor proporção que os Retidos visto o aumento das Provisões de Prêmios Não Ganhos. O período terminou com aumento de 1,6%. c) Os sinistros retidos diminuíram 0,7% no período numa intervalo com tendência de queda. d) Enquanto a empresa emitiu 4,2% a mais de prêmios, as despesas de comercialização tiveram viés de alta com maior inclinação e aumentaram em 26,2% ao final do período. e) O Resultado Bruto caiu 90% em 2008, mas terminou o período com aumento de 20%. f) Resultado das Operações de Seguro chegara a cair 54,6% em 2008, mas no período terminou com uma queda de somente 1,7%. g) O Resultado antes do Imposto de Renda aumentou 31,1% no período, enquanto o Lucro Líquido aumentou 27,4%. Os resultados financeiro e patrimonial tiveram considerável contribuição nestes aumentos. Tabela 6 - Análise Horizontal da Demonstração do Resultado do Exercício Fonte: Elaborado pelo autor. Análise dos Índices Econômicos e Financeiros a) Liquidez Geral: a seguradora conta com nível crítico por não ter mais que R$0,75 para cada USD1,00 do passivo durante o período. 11

12 b) Liquidez Corrente: a seguradora não tem capacidade para arcar com as obrigações de curto prazo, sendo que não conta com mais de USD0,75 no período para cada USD1,00 do passivo circulante. c) Liquidez Seca: a empresa não conta com capacidade imediata para pagar o passivo circulante em nenhum ano do período. d) Solvência Geral: a capacidade total da empresa de arcar com o exigível total é de cerca 1,05, o que indica baixo nível de Capital Próprio e implica em maior grau de financiamento do ativo total pelo passivo circulante e exigível a longo prazo. e) Margem Bruta: com índices sempre negativos no período, a empresa não tem capacidade de suportar os custos operacionais, o que gera resultados brutos negativos. f) Margem Operacional: a margem operacional ficou sempre abaixo de zero, ou seja, a receita líquida de prêmios produzida no período foi deficitária. g) Margem Líquida: devido aos resultados financeiro e patrimonial, a margem líquida se manteve positiva durante o período em torno de 0,08. h) Taxa de Retorno do Capital Próprio: a taxa se manteve em torno de 0,10 durante o período, o que representa uma rentabilidade média de 10% do investimento dos acionistas. i) Sinistralidade: o índice de sinstralidade foi em torno de 0,9, o que impossibilita grande parte dos prêmios ganhos cobrir outras despesas da seguradora. j) Custo de Comercialização: uma média de 20% da receita líquida foi consumida pelas despesas de comercialização durante o período. k) Custo Administrativo: as despesas administrativa consomem cerca de 18% da receita líquida. l) Prêmio Margem: variando entre 1,24 e 1,79 no período, o quociente é considerado bom, pois o Patrimônio Líquido é suficiente para cobrir com folga o volume médio de prêmio retido nos últimos três anos. m) Resultado Patrimonial: o Resultado Patrimonial ficou em torno de zero no período, sendo a sua contribuição modesta para o Lucro Líquido. n) Índice Combinado: sempre acima casa da unidade, é sugerido que o índice diminua para abaixo de 1 e assim evitar o desequilíbrio econômico. o) Índice Combinado Ampliado: durante todo o período o índice foi abaixo da unidade, graças ao resultado financeiro que ajudou a seguradora a ter maior equilíbrio econômico. Tabela 7 Análise dos Índices Econômicos e Financeiros 12

13 Fonte: Elaborado pelo autor RESULTADOS Nesta seção, são apresentados os resultados encontrados na análise individual das seguradoras e colocados lado a lado para efeitos de uma análise comparativa. A avaliação dos resultados está dividida entre análise financeira e análise econômica, sendo que em cada análise é comparada a seguradora brasileira e a alemã analisadas ANÁLISE FINANCEIRA COMPARATIVA GRÁFICO Análise Financeira Consolidada. 13

14 Fonte: Elaborado pelo autor Através da comparação dos índices financeiros, é possível constatar que a empresa brasileira possui maior liquidez e tem maior capacidade de honrar com os compromissos. É possível verificar também que a empresa estrangeira possui altíssimo grau de imobilização do capital próprio justificado pela maior liberdade de investimentos em rendas variáveis em comparação com as brasileiras. A liquidez operacional da empresa brasileira é consideravelmente maior que a estrangeira, isso porque o prêmio médio do seguro no Brasil é maior para o mercado do que na Europa ANÁLISE ECONÔMICA COMPARATIVA GRÁFICO Análise Econômica Consolidada. 14

15 Fonte: Elaborado pelo autor A seguradora brasileira apresenta margens bruta, operacional e líquida bem mais sólidas do que a estrangeira. A taxa de sinistralidade da seguradora brasileira ficou entre 0,53 e 0,57, intervalo esse bem abaixo do intervalo médio da estrangeira. Em relação aos Resultados Combinados, percebe-se que a seguradora brasileira tem maior equilíbrio econômico e a importância do resultado financeiro para a saúde econômica das seguradoras. 5. CONCLUSÃO A análise econômico-financeira feita por meio do levantamento dos dados contábeis das seguradoras brasileira e estrangeira e através dos cálculos dos índices e quocientes econômicofinanceiros permitiu desenvolver uma avaliação quali-quantitativa das seguradoras e ter-se então uma visão do desempenho econômico-financeiro das mesmas. Através da análise econômicofinanceira individual e comparativa entre as seguradoras, foi possível extrair conclusões que podem vir a orientar gestores e legisladores do ramo de seguros. 15

16 Obteve-se que a seguradora brasileira, regida por uma legislação mais cautelosa e conservante, possui condições de liquidez bem superiores do que as estrangeira. Sendo que o grau de investimento da seguradora estrangeira, em especial em renda variável, é bastante superior ao da brasileira. Tal fato justifica que as empresas estrangeiras trabalhem com valores de prêmio mais barato que as brasileiras, e investem massivamente o capital captado como forma de obter vantajosas receitas no mercado de investimentos. Essa medida mostrou-se bastante vulnerável à época de crises como a de 2008, quando diversas seguradoras da Europa viram seus ativos desaparecerem. O nível de sinistralidade da seguradora brasileira é bem mais baixo que o da estrangeira, o que favorece o cumprimento de diversas outras despesas. E por fim, a seguradora brasileira trabalha com um foco maior no operacional do que na especulação do capital, já a estrangeira foca em especular o dinheiro captado no mercado de investimentos. 6. REFERÊNCIAS ALLIANZ GROUP. Demonstrações contábeis. Disponível em <www.allianz.com/en/investor_relations/reports_and_financial_data/annual_report/archive/page1.h tml>. Acesso em: 18 jan FIGUEIREDO, Sandra. Contabilidade de seguros. São Paulo: Atlas, PORTO SEGURO S.A.. Demonstrações contábeis. Disponível em <http://ri.portoseguro.com.br/portoseguro/web/conteudo_pt.asp?idioma=0&conta=28&tipo=28529 > Acesso em: 15 jan SILVA, Affonso. Contabilidade e análise econômico-financeira de seguradoras. São Paulo: Atlas, SOUZA, Silney de. Seguros: Contabilidade, atuária e auditoria. São Paulo: Saraiva,

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS DE SEGURADORAS Pág. 1. SUMARIO Item Assunto Pagina. 1 Introdução 2. 2 Objetivos da Análise 2

ANÁLISE DE BALANÇOS DE SEGURADORAS Pág. 1. SUMARIO Item Assunto Pagina. 1 Introdução 2. 2 Objetivos da Análise 2 ANÁLISE DE BALANÇOS DE SEGURADORORAS Prof.: Affonso Silva www.affonsosilva.com.br affonso@affonsosilva.com.br ANÁLISE DE BALANÇOS DE SEGURADORAS Pág. 1 SUMARIO Item Assunto Pagina 1 Introdução 2 2 Objetivos

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35%

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35% MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS JAN A ABRIL 2011 Tomando por base os números divulgados hoje pela SUSEP através do sistema de informações SES (que tem como fonte os FIPS enviados pelas empresas) o mercado

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Relatórios de Análise Relatórios de análise Relatório de Análise é um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. Capital de Terceiros. Patrimônio Líquido

Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. Capital de Terceiros. Patrimônio Líquido RAU DE EDVDAETO Conceituação Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. étodo de Cálculo endiv. = Capital de Terceiros Patrimônio Líquido X 100 Definição

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Unidade II ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo conhecer a padronização das demonstrações contábeis. Conhecer os Índices Padrões para análise;

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA ANÁLISE DE BALANÇO - FIBAM CIA INDUSTRIAL Belém - PA 2011 2 HUGO

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

5.4 Balanço Patrimonial

5.4 Balanço Patrimonial IV - Quociente Financeiro de Execução Os números demonstram, nos três períodos, superávit orçamentário e financeiro, considerando-se também para as despesas em regime de caixa. V - Saldos Financeiros Os

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

PLURI Especial. Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes

PLURI Especial. Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008)

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008) CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES (2012, 2011, 2009 e 2008) A apostila contém provas de Contabilidade Geral de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1º TRIMESTRE DE 2010 1. Mercado de Capitais Cotações: (14/05/2010) ALPA3 R$ 6,10 ALPA4 R$ 5,95 Valore de Mercado: R$ 2,1 bilhões 2. Teleconferência Data: 18/05/2010 às 16h00

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Conteúdo As números fundamentais da gestão econômicofinanceira Compreendendo a liquidez Capital de Giro

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL Linha de Pesquisa: Gestão Empresarial Evânio Carvalho Cruz Univás -Pouso Alegre/MG

Leia mais

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL Simulação para avaliação da viabilidade econômica e retorno do capital investido para a implantação de Resseguradora

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas Universidade Federal do Pará Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I Professor: Héber Lavor Moreira Aluna: Ivanete Silva Caldas Turma: 010 Turno: Manhã Semestre/ Ano: 7º Sem/ 2007 Análise Econômico-Financeira

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais