O universo sonoro de Rogério Duprat: renovação musical no Brasil 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O universo sonoro de Rogério Duprat: renovação musical no Brasil 1"

Transcrição

1 Regiane Gaúna Brasil O universo sonoro de Rogério Duprat: renovação musical no Brasil 1 Reflexões sobre o processso criativo de Duprat O propósito deste trabalho é abordar a produção musical de um dos compositores e arranjadores mais importantes do cenário da cultura brasileira a partir da década de 1960, até os dias de hoje. A trajetória artística de Rogério Duprat foi evidenciada, undamentalmente, pela participação em dois movimentos culturais de vanguarda: Música Nova 2 e Tropicália 3, que marcaram o Brasil e alguns países da América Latina. A produção musical de Duprat é assinalada pela diversidade de gêneros e estilos musicais explorados no decorrer de sua carreira. Sua produção abrange composições no âmbito da música erudita e popular, arranjos, trilhas sonoras para filmes, peças teatrais e novelas, assim como alguns trabalhos que envolvem a orquestração de obras de outros 1 Comunicação baseada na dissertação de mestrado Rogério Duprat: artesão e filósofo das sonoridades múltiplas que será publicada em livro pela editora UNESP. 2 Grupo paulista dedicado à vanguarda no cenário da música erudita, formado por Willy Corrêa de Oliveira, Rogério Duprat, Damiano Cozzella e Gilberto Mendes, em Grupo de compositores brasileiros dedicado à vanguarda no cenário da música popular, liderado por Caetano Veloso e Gilberto Gil, nos anos de

2 O universo sonoro de Rogério Duprat compositores. Além de sua atuação como compositor, regeu, por inúmeras vezes, muitos trabalhos e atuou como produtor musical em gravações de diversos artistas brasileiros, tais como: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Chico Buarque e outros. O processo criativo de Duprat é o objeto deste trabalho e para elucidá-lo fez-se necessário uma incursão no terreno da análise, mais especificamente uma crítica genética do processo composicional. De uma forma geral, em razão de sua extensa produção envolvendo uma ampla diversidade de estilos, será realizada uma reflexão sobre o seu processo criativo. Com este fim, serão comentadas algumas obras que possam evidenciar alguns dos aspectos relevantes de sua trajetória composicional: Organismo (Rogério Duprat erudita), Domingo no parque (Gilberto Gil arranjo popular), Objeto semi-identificado (Gilberto Gil, Rogério Duarte e Rogério Duprat popular), Construção (Chico Buarque de Hollanda arranjo popular), O Picapau amarelo (Rogério Duprat trilha sonora) e Tempo/Espaço contínuo (Lulu Santos arranjo popular). É importante sublinhar que Rogério Duprat comentou com a autora, por intermédio de entrevistas, muitos aspectos do seu processo de criação. Esse fato, aliado à exploração da documentação das obras, propiciou buscar uma leitura crítica da gênese de sua produção artística. Esse procedimento está baseado no livro Gesto inacabado, de Cecília de Almeida Salles. A proposta da crítica genética é buscar um maior conhecimento do processo criativo, enfocando os meandros da criação por meio de documentos, rascunhos, entrevistas, diários, ou seja, qualquer tipo de informação que contribua para a elucidação acerca da elaboração da obra. Para Cecília Salles, a crítica genética é uma investigação que vê a obra de arte a partir de sua construção. No caso do presente trabalho, a crítica genética considera, além da abordagem dos aspectos históricos e técnicos das obras, o movimento criador de Duprat e suas motivações. Ao se utilizar dessa abordagem, pretende-se que as reflexões sobre algumas obras reflitam de algum modo a totalidade de sua produção, ou seja, busca-se a passagem da visão processual da obra como um todo. Cada uma das obras selecionadas assinala a participação de Duprat em diferentes campos de atuação, por exemplo: Organismo, pertencente ao gênero erudito, deu início à colaboração entre poetas 2

3 Regiane Gaúna concretos e músicos de vanguarda da década de 1960, em São Paulo; Objeto semiidentificado marca sua presença como arranjador no movimento tropicalista; a trilha sonora do filme O Pica-pau amarelo representa sua atuação no campo cinematográfico. Cada uma dessas peças aponta para uma face diversa de Duprat. O contato analítico, com enfoque para a crítica genética, com suas obras permitiu uma aproximação maior com suas motivações, ou seja, os fatores que o impulsionaram a compor. Na obra Organismo, Duprat viu a possibilidade de utilizar uma técnica composicional que acabara de aprender: o serialismo (via Pierre Boulez) aplicado sobre a poesia, de mesmo nome, do poeta concreto Décio Pignatari. A poesia concreta oferecia um ambiente propício para que uma obra estruturada, segundo os princípios seriais, se desenvolvesse. FIGURA 1 - Poema Organismo de Décio Pignatari, Acervo Rogério Duprat. 3 Actas del IV Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

4 O universo sonoro de Rogério Duprat Buscando uma correspondência com as nove sílabas que compõem a primeira frase do poema ( O organismo quer perdurar ), Duprat construiu uma série básica de nove sons (formato original) composta por três fragmentos cromáticos de três notas, conforme figura 2: FIGURA 2 - Formato original. Outra obra importante para evidenciar o processo composicional de Duprat é Objeto semi-identificado de Gilberto Gil, Duprat motivou-se, especialmente, pelo fato de não haver indicações prévias por parte dos compositores. Ele poderia criar livremente e, diferentemente de Organismo, que fora construído segundo preceitos de uma técnica rígida, serviu-se de uma multiplicidade de técnicas e estilos, dentro do espírito tropicalista. O arranjo de Duprat não foi composto a partir de uma linha melódica seguida de um texto, mas a partir de um texto declamado por Gilberto Gil e Rogério Duarte. Duprat escolheu um repertório de sonoridades condizentes com o conteúdo do texto. Trata-se de sons de procedências diversas, registrados em fita magnética e manipulados eletronicamente. Para que atingisse o seu objetivo de contribuir com o sentido do texto, Duprat utilizou, para a construção de seu arranjo, diversos estilos musicais. Ele confirma, em entrevista, que além de alguns recursos da música eletrônica, utilizou pelo menos três estilos diferenciados: o publicitário na forma de jingle, um estilo semelhante ao do compositor italiano Archangelo Corelli ( ) que nos remete a uma orquestra barroca e um estilo que lembra algumas trilhas dos seriados americanos dos anos 60 e 70 (Entrevista, set. 1998). 4

5 Regiane Gaúna O arranjo inicia-se com sonoridades pré-gravadas em fita magnética, mas logo na primeira aparição dos instrumentos convencionais, o estilo comumente utilizado nas trilhas sonoras dos seriados norte-americanos é evidenciado. Duprat emprega um tipo de instrumentação semelhante ao dessas trilhas, ou seja, metais para a realização do tema, que se desenvolve sobre uma seção rítmica formada pelo contrabaixo e pela bateria (Figura 3). FIGURA 3 - Trecho da página inicial da obra Objeto semi-identificado O emprego de jingles publicitários refere-se ao trecho (C) (Figura 4) do arranjo, que antecede os seguintes versos: Compre, olhe, vire, mexa Talvez no embrulho você ache o que precisa 5 Actas del IV Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

6 O universo sonoro de Rogério Duprat FIGURA 4 - Trecho da partitura da obra Objeto semi-identificado. 6

7 Regiane Gaúna Outro estilo utilizado foi, segundo o próprio Duprat, o praticado pelo compositor Corelli. O trecho (D1) do arranjo que corresponde a esse estilo é o que antecipa a seguinte frase: A cultura, a civilização só lhe interessam enquanto sarro (Figura 5). FIGURA 5 - Trecho da partitura da obra Objeto semi-identificado. Já para a composição da trilha sonora do filme O pica-pau amarelo, Duprat teve que partir das indicações prévias do diretor Geraldo Sarno e do produtor Thomas Farkas, 7 Actas del IV Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

8 O universo sonoro de Rogério Duprat o que para ele não foi um fator desestimulante. Trabalhar a partir do referencial visual constituía uma experiência que se destacava dentre seus procedimentos habituais. Para a composição das duas obras mencionadas anteriormente: Organismo e Objeto semi-identificado, Duprat partiu de um texto. Em Organismo, esse texto tem também forte apelo visual como na trilha de O pica-pau amarelo, o diálogo com as imagens consistia-se no fator mais relevante. Partindo disso, pode-se dizer que, apesar da diferença de estilos que há entre as três obras, alguns pontos de aproximação podem ser observados. Para a construção de Organismo, ele parte da interpretação que faz de um texto imagem, em que idéia e apelo visual têm forte vínculo; para a composição de Objeto, serve-se diretamente de alguns trechos ou palavras-chave, para gerar suas interferências sonoras. Esse mesmo procedimento pode ser considerado um elo entre o Objeto e o Pica-pau. O segundo foi composto tendo como base o mesmo tipo de interferências sonoras utilizadas em Objeto, embora, desta vez, para pontuar certos acontecimentos visuais e não textuais. De um modo geral, o que pode ser notado é que, com o passar do tempo, Duprat desenvolveu algumas maneiras particulares de compor seus trabalhos. Ele mesmo confirma que recorre a alguns esquemas práticos: Seja lá para o que for, inicialmente costumo fazer rascunhos. Em duas ou três pautas, sem instrumentos específicos, começo pela harmonização. Depois escolho a técnica a ser utilizada [melodia acompanhada, polifonia, acordes e outros] e a instrumentação. Depende do contexto de cada obra. Se é uma composição minha, fico mais à vontade, mas se é uma encomenda fico preso à várias exigências. (Entrevista, out.1999) Uma outra experiência envolvendo um trabalho de orquestração, a partir de prérequisitos, pode ser vista tomando-se como exemplo a música Tempo/Espaço contínuo, do cantor e compositor popular Lulu Santos, gravada no CD Liga lá, em agosto de Lulu Santos estabeleceu que o arranjo de Duprat deveria ser baseado (ou inspirado) na obra Atmosphères (1961) do compositor húngaro G. Ligeti. Essa obra havia sido utilizada por Stanley Kubricky em seu filme 2001-Uma odisséia no espaço, e foi esse o motivo que o levou a estabelecer essa condição. Neste caso, Duprat utilizou basicamente o naipe das 8

9 Regiane Gaúna cordas, mas com um número de instrumentos muito menor do que Ligeti usara em sua obra. Compor a partir de condições prévias nunca constituiu um problema para Duprat, e nesse caso específico foi ainda mais prazeroso, pois, além de sua admiração por Ligeti, em sua estada em Darmstadt, no ano de 1962, tivera a oportunidade de assistir a uma conferência daquele compositor, na qual ele explicava os procedimentos composicionais dessa obra. Oportunidade única e singular na história de Duprat, que teve a chance de estar diante de Ligeti contando o seu próprio movimento criativo em Atmosphères. Para Duprat, todo orquestrador deve possuir um conhecimento específico da linguagem musical, ou seja, dominar cada uma de suas ferramentas de trabalho [técnicas composicionais] e conhecer profundamente o material sonoro que irá responder pelos timbres escolhidos [instrumentação] (Entrevista, out. 1999). Assim, uma vez dominadas as ferramentas, o arranjador/orquestrador estaria apto a realizar o seu trabalho, transitando por qualquer estilo, pois cada trabalho se apresenta de forma singular, vinculado ou não às exigências do compositor. No caso de seu arranjo da música Domingo no parque, de Gilberto Gil, muitos encontros foram necessários para que se chegasse a uma conclusão do que deveria ser feito. Gil e Duprat reuniram-se por quatro ou cinco dias consecutivos para formularem e reformularem esse arranjo. Já na orquestração de Tempo/Espaço contínuo, a dinâmica de trabalho foi um pouco diferente, Duprat teve de se basear na construção de uma obra já existente Atmosphères. Outro exemplo que pode ilustrar o processo criativo de Duprat é o arranjo da música Construção de Chico Buarque de Hollanda. Para esse trabalho não houve précondições por parte do compositor. Duprat estava livre para criar, tanto no que se refere ao caráter, quanto à instrumentação a ser utilizada. Sobre o processo de criação desse arranjo, o próprio Duprat tece comentários: Muitas vezes, fui obrigado a compor em situações precárias, que resultaram em peças bem legais ; é o caso de Construção. O Barenbein [produtor musical brasileiro] me disse: o Chico quer que você vá até o Canecão [casa noturna de show] para ouvir uma música do show que ele irá gravar no próximo álbum. 9 Actas del IV Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

10 O universo sonoro de Rogério Duprat Assisti o show e peguei uma fita cassete que o Chico havia gravado em voz e violão. Estava no Rio, hospedado na casa do meu irmão Régis e não havia piano. Em uma tarde, na sala de seu apartamento fiz o arranjo de Construção. Nesse momento, fui obrigado a buscar os meus próprios recursos musicais internos. Não tinha jeito era preciso entregá-lo antes de voltar a São Paulo. Mas, é certo que a letra de Construção me disse tudo o que eu tinha que fazer. Fiz um arranjo repetitivo devido às proparoxítonas do texto, quis maximizar essa coisa meio hipnótica. Essa música é um drama cantado e em momentos fortes da letra o arranjo se apresentava com interferências musicais remetendo a uma cena que a mensagem propunha. Nossa! Essas sutilezas do Chico... eram raros os que percebiam. Que merda! ( Entrevista, jul. 1998). Esse depoimento permite constatar, mais uma vez, que seu processo criativo é motivado pela interação texto, música e imagem. O que parece é que Duprat faz, por intermédio de seus arranjos, uma incursão pelo imaginário do letrista. Nesse sentido, suas interferências sonoras emolduram as mensagens do autor, no intento de revelar a essência de cada composição sem, contudo, descaracterizá-la. Considerações finais Ao propor uma exploração dos procedimentos criativos de Duprat, por intermédio de algumas obras inseridas em diferentes campos de atuação, já se pressupunha que os resultados não apontariam para uma apreciação objetiva. A abordagem, entretanto, de apenas um dos seus campos de atuação levaria, sem dúvida, a uma apreciação parcial de seus procedimentos composicionais, o que fugiria aos objetivos deste trabalho. Se levasse em conta apenas suas composições eruditas, deixaria obscurecida toda uma produção voltada para os campos cinematográficos e da música popular, ambos de grande significado para a cultura brasileira. O mesmo se daria se a opção fosse inversa. Ao se propor deixar de fazer música para uma pequena elite, desde a segunda metade da década de 1960, sua produção no campo erudito tornou-se escassa, intensificando-se no campo cinematográfico e no da música popular, especialmente a partir de seu envolvimento com o tropicalismo. O fato é que tanto o gênero erudito quanto 10

11 Regiane Gaúna o popular coexistiram em Duprat. Muito embora essa coexistência de gêneros não seja sua exclusividade, ela pode ter sido um dos motivos pelos quais os compositores, principalmente aqueles envolvidos com o tropicalismo, voltaram-se para seu trabalho. Estes, interessados por novos meios de expressão, encontraram em Duprat os elementos necessários para suas tão desejadas fusões. Duprat, por sua vez, encontrou, na obra desses compositores, um ambiente propício para fazer uso de seus conhecimentos adquiridos em suas incursões pela música erudita e cinematográfica. A abordagem do processo criativo de Duprat, por intermédio da crítica genética e da análise de suas obras, aponta para uma composição estruturada a partir dos significados e dos símbolos, que tanto texto como imagem sugerem. Suas principais motivações não estão relacionadas ao compromisso com o uso de apenas uma técnica. Nesse sentido, seu contato com a canção brasileira e trilhas sonoras para filmes possibilitou o uso da multiplicidade técnica, ao invés da opção pela rigidez de um só sistema composicional. Se observada como um todo, a produção musical de Duprat não se desenvolveu de maneira linear ou previsível; a partir desse exame, depara-se com diferentes fases e procedimentos múltiplos. Com seu processo criativo não poderia ser diferente, pois é fruto de uma formação musical eclética. Se associássemos seu processo criativo à figura de um gênio, estaríamos indo contra tudo o que ele sempre buscou ser em essência. Sua postura assemelha-se mais à de um artífice que, minuciosamente, dedica-se ao seu artesanato sonoro. Rogério Duprat seria então o artesão cuja matéria prima é o som e suas diferentes combinações. Boulez, P A música hoje. São Paulo: Perspectiva, v.1-2. Campos, A Balanço da bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva. Bibliografia 11 Actas del IV Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

12 O universo sonoro de Rogério Duprat Cardoso, T Rogério Duprat faz arranjos para Lulu Santos (Entrevista). O Estado de S. Paulo, 15 agos. Caderno 2, p.1. Chrispiano, P Tropicália (Entrevista). Vibrations: Revista de Música (Suíça) n.19, p Cope, D New directions in music. EUA: University of California, Santa Cruz./WCB Brown & Benchmark Publishers. Gaúna, R.S Rogério Duprat: artesão e filósofo das sonoridades múltiplas. Dissertação (Mestrado em Artes) UNESP Universidade Estadual Paulista. Salles, C. de A Gesto inacabado. São Paulo: Annablume. Sances, P. A Lulu Santos quebra silêncio de Duprat (Entrevista). Folha de S. Paulo, 15 agost. Ilustrada, p

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA OBJETIVOS GERAIS Explorar e identificar elementos da música para se expressar e interagir com outros; Interpretar músicas

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo.

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo. CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU DOMINGO - MANHÃ REVISÃO DOS CONCEITOS DE MÚSICA, RITMO E MELODIA

Leia mais

de conteúdos Timbre Alteração tímbrica Realce tímbrico Expressividade Dinâmica Legato e staccato Densidade sonora Altura Intervalos Melódicos e

de conteúdos Timbre Alteração tímbrica Realce tímbrico Expressividade Dinâmica Legato e staccato Densidade sonora Altura Intervalos Melódicos e Planificação 2014/2015 6º ano Educação Musical Núcleos organizadores Interpretação e Comunicação Metas de aprendizagem O aluno decide sobre a aplicação de elementos de dinâmica e agógica na interpretação

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais

Trabalho para Comunicação Categoria: Relato de experiência

Trabalho para Comunicação Categoria: Relato de experiência AULA EM GRUPO: TOCANDO E CANTANDO EM UM CORAL INFANTO-JUVENIL Shirley Cristina Gonçalves profshirleymusica@yahoo.com.br Universidade Federal de Uberlândia Departamento de Música e Artes Cênicas Trabalho

Leia mais

virgínia rosa geraldo flach

virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach O gaúcho Geraldo e a paulista Virgínia se apresentaram juntos pela primeira vez na série Piano e Voz, da UFRGS. Quando tocou em São Paulo, no Supremo

Leia mais

Produção de vídeos e educação musical: uma proposta interdisciplinar

Produção de vídeos e educação musical: uma proposta interdisciplinar Produção de vídeos e educação musical: uma proposta interdisciplinar Marcus J. Vieira Universidade Estadual de Londrina Uel marcus.musico@bol.com.br Resumo. Este relato descreve uma experiência em educação

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO DISCIPLINA FLEXÍVEL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTE CURSO DE COMUNICAÇÃO E MULTIMEIOS DISCIPLINA FLEXÍVEL Disciplina: Música-voz-som e processos criativos:

Leia mais

A percepção da produção vocal pelo regente coral

A percepção da produção vocal pelo regente coral A percepção da produção vocal pelo regente coral Snizhana Drahan snid@terra.com.br Resumo: O presente trabalho considera o conceito percepção vocal, incluindo suas funções e recursos, como a capacidade

Leia mais

A liberdade reflexiva como ideal educacional

A liberdade reflexiva como ideal educacional A liberdade reflexiva como ideal educacional Introdução Quantas vezes já fomos a um concerto de piano e saímos extasiados com o que ouvimos? Quantas vezes ouvimos uma antiga canção que nos trouxe lembranças

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular INTRODUÇÃO A música do século XX foi marcada por grandes inovações em estruturações e outros procedimentos. As estruturações passaram a ter formas cada vez mais livres como na poesia sem metro ou rima;

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10)

5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10) 78 5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10) TABELA 8: FORMA USADA INICIALMENTE NA BUSCA PELOS USUÁRIOS FORMA DE BUSCA % AUTOR OU COMPOSITOR

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL. Arte Rupestre. Arte Africana. Arte Indígena Brasileira Valorizar o(s) autor (es) dos objetos culturais apreciados, conhecendo aspectos de suas principais obras;

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

um parceiro da canção?

um parceiro da canção? ARRANJADOR um parceiro da canção? O arranjo é a roupa da música. Ele pode ter vários ou poucos instrumentos, fazer uma canção soar moderna ou antiga, pode ser feito usando uma orquestra sinfônica ou apenas

Leia mais

A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL

A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL A OBRA MUSICAL DE PAULO LEMINSKI UM PATRIMÔNIO CULTURAL DO PARANÁ E DO BRASIL cd duplo paulo leminski contextualização Paulo Leminski é, sem dúvida, um dos mais importantes poetas da literatura paranaense

Leia mais

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência

A inserção do Youtube na aula de piano: um relato de experiência XVII ENCONTRO NACIONAL DA ABEM DIVERSIDADE MUSICAL E COMPROMISSO SOCIAL O PAPEL DA EDUCAÇÃO MUSICAL SÃO PAULO, 08 A 11 DE OUTUBRO DE 2008 IMPRIMIR FECHAR A inserção do Youtube na aula de piano: um relato

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO MUSICAL

PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO MUSICAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES DEPARTAMENTO DE MÚSICA Metodologia da Educação Musical Profª Viviane Beineke PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO MUSICAL - exemplo de planejamento para a 2ª

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com O ENSINO DO CANTO POPULAR BRASILEIRO Abordagem Didática: técnica vocal Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA DESCRIÇÃO Número de Fases: 08 Número de disciplinas obrigatórias: 38 Número de créditos obrigatórios: 152 Carga horária total das disciplinas obrigatórias: 2.280 horas Mínimo

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel

A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel Artigo publicado em: Anais do VI Encontro da ABEM, Recife, 1998. A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel Durante alguns anos ministrei as disciplinas

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Juliana Rigon Pedrini jupedrini@terra.com.br Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. O presente trabalho é

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

Apresentação Reinaldo Arias

Apresentação Reinaldo Arias Apresentação Reinaldo Arias 2011 Projeto musical Música para envolver, encantar e integrar. Essa é a proposta do músico, produtor e compositor Reinaldo Arias. Artista atuante, gravou, produziu e compôs

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

Você quer se formar em Música?

Você quer se formar em Música? Você quer se formar em Música? Faça um dos cursos de Graduação em Música oferecidos pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG)! 1) Quais são os Cursos Superiores

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 02 de outubro de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano Senhores pais ou responsáveis Seguem abaixo os temas, objetivos, atividades e evento de culminância dos projetos a serem

Leia mais

PRAIEIRO. Lili Araujo

PRAIEIRO. Lili Araujo PRAIEIRO Lili Araujo APRESENTAÇÃO: "PRAIEIRO" será o terceiro trabalho fonográfico solo da cantora e compositora carioca Lili Araujo. Haverá a produção de uma tiragem mínima do CD em formato físico (1.000

Leia mais

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Consagrado pela crítica e pelo público Para comemorar o sucesso de tantos lançamentos

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO

CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO CURSO DE BACHARELADO EM MÚSICA OPÇÃO: PIANO / VIOLINO / VIOLA / VIOLÃO / VIOLONCELO AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 31/93 CONSUNI e Resolução nº 374/2005 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 1495/2000

Leia mais

PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO

PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO PRÁTICA INSTRUMENTAL AO PIANO OBJECTIVOS GERAIS Desenvolver competências técnicas e artísticas através do estudo de um repertório diversificado. Trabalhar a compreensão do texto musical de modo a favorecer

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical 1º Ano Sons do meio ambiente e da natureza / silêncio Sons do corpo (níveis corporais) Sons naturais e artificiais Sons fortes e fracos Sons pianos (p), médios (mf)

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 6º ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

Informativo de Música. Por Isa Uehara

Informativo de Música. Por Isa Uehara Informativo de Música Por Isa Uehara Bosque das Letras Abril 2011 Música nas aulas para as crianças do berçário não se traduz apenas em melodia, ritmo ou harmonia. Os sons do entorno, do ambiente que as

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE

METODOLOGIA DE ANÁLISE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE OBRAS DE TEATRO / MÚSICA MARIA JOÃO SERRÃO [ ] Título Metodologia de Análise de Obras de Teatro / Música Autor Maria João Serrão Editor Escola Superior de Teatro e Cinema Sebentas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran

CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran Cabeça de Vento faz um passeio pelo universo sonoro criado por Bia, numa linguagem cênica que contempla a literatura, a poesia e a ludicidade de seu jeito singular

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta

A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta A paisagem sonora em práticas teatrais na escola: voz e escuta Raquel Guerra Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Graduação Programa de Pós-Graduação em Teatro - UDESC. Professora Resumo: Neste artigo

Leia mais

Deu pra ti Baixo astral Vou pra Porto Alegre Tchau!

Deu pra ti Baixo astral Vou pra Porto Alegre Tchau! UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRNDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA Disciplina EDU 03080 Pesquisa em Educação Professora: LILIANA MARIA PASSERINO Deu pra ti Baixo astral Vou pra Porto Alegre

Leia mais

Capacidades a desenvolver ao longo da opção de Dança

Capacidades a desenvolver ao longo da opção de Dança AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Opção de Dança Aulas Previstas 7º ano (50 minutos) 1ºP - 14 2ºP - 13 3ºP - 7 8º ano (50+50) 1ºP - 27 2ºP - 26 3ºP - 14 Os grandes

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto.

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto. A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais Julio Cesar Moreira LEMOS, UFG - EMAC. Julioczar10@gmail.com Werner AGUIAR, UFG EMAC werneraguiar@gmail.com Palavras chave: Violão solo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura

Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Provas de Habilidades Específicas em Música Composição e Licenciatura Percepção Ditado Melódico 1: Reconhecimento de notas erradas na partitura (duração da questão 01min 30s). 1. Ouviremos a seguir um

Leia mais

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de

Caderno de Prova 2 PR04. Artes Música. ( ) prova de questões Objetivas. Professor de Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 001/2009 Caderno de Prova 2 PR04 ( ) prova de questões Objetivas Professor de Artes Música Dia: 8 de novembro de 2009 Horário:

Leia mais

LUIZ MELODIA EM CANTA O CINEMA PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS

LUIZ MELODIA EM CANTA O CINEMA PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS APRESENTAÇÃO LUIZ MELODIA EM Se por um lado a música cria uma

Leia mais

II MoQueCa Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta - Regulamento -

II MoQueCa Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta - Regulamento - Da Promoção Artigo 1º. O II Festival Capixaba da Canção Espírita Mocidade Que Canta II MoQueCa é uma iniciativa do Projeto Arte Espírita Eu Apoio e conta com o apoio da CEC Casa Espírita Cristã (Vila Velha/ES),

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil.

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil. O Conto Sonoro, uma forma de explorar a escrita musical. Renata de Oliveira Pavaneli Frederico, Escola de Educação Infantil Casa da Gente Campinas-SP. musicamed@directnet.com.br reoliveirafred@gmail.com

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás)

AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA. Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) AS APROPRIAÇÕES ESTÉTICAS DA CENA TROPICALISTA Victor Creti Bruzadelli (Universidade Federal de Goiás) 1-Eu sou terrível/ Eu sou o samba No centro do palco um cantor negro empunhando seu violão. Acompanhado

Leia mais

Promoção e realização Do objeto Da finalidade Do cronograma

Promoção e realização Do objeto Da finalidade Do cronograma REGULAMENTO I Promoção e realização: O SESCANÇÃO 2015 Mostra Sergipana de Música é uma realização sem fins lucrativos do Serviço Social do Comércio Sesc em Sergipe, entidade integrante do Sistema Fecomércio

Leia mais

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Texto: Sam Olukoya Redacção: Ulrich Neumann, Maja Dreyer Tradução: Madalena Sampaio 1 Voz para Intro e Outro (Voz 1) 1 Narrador (Voz

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação EDUCAÇÃO MUSICAL - MÚSICA LICENCIATURA NA UNIMEP

9º Simposio de Ensino de Graduação EDUCAÇÃO MUSICAL - MÚSICA LICENCIATURA NA UNIMEP 9º Simposio de Ensino de Graduação EDUCAÇÃO MUSICAL - MÚSICA LICENCIATURA NA UNIMEP Autor(es) JOANICE VICENTE CASEMIRO Co-Autor(es) DANIELLE DE LIMA MARQUES ANA PAULA MORETTI MARTINS FELIPE VECCHINI FERNANDO

Leia mais

Os Poemas são as Crianças

Os Poemas são as Crianças Os Poemas são as Crianças MT Gregório Pereira de Queiroz 1 São as ilhas afortunadas, São terras sem ter lugar... Fernando Pessoa Resumo Este trabalho traça um paralelo entre o trabalho musical e musicoterapêutico

Leia mais

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4.

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Índice 1. Introdução... p.2 2. Orientações programáticas do 1º Ciclo do Ensino Básico... p.4 2.1. Finalidades... p.4 2.2. Princípios Orientadores... p.4 2.3. Propostas de operacionalização curricular...

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais