O CUSTO DA INTERNAÇÃO DE PACIENTES DE AIDS UM ESTUDO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CUSTO DA INTERNAÇÃO DE PACIENTES DE AIDS UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 1 O CUSTO DA INTERNAÇÃO DE PACIENTES DE AIDS UM ESTUDO DE CASO Sandra Figueiredo 1 Francisca Macedo Fernandes 2 RESUMO O presente estudo foi realizado no Hospital São José, referência no Estado do Ceará em doenças infectocontagiosas, com o objetivo de identificar o custo direto da internação de um paciente de AIDS. Foram levantadas 653 internações no período de junho/97 a junho/98 e dessas, foi selecionada uma internação para a realização do estudo de caso, considerando critérios e o custo médio da Autorização de Internação Hospitalar (AIH) naquele período. O caso estudado, foi o de um paciente internado uma vez, no período do estudo, com 14 dias de permanência. Em razão de certas limitações, não foram incluídos, na apuração do Custo da Internação de AIDS, os custos indiretos, tais como: depreciação dos bens móveis e imóveis e o custo com mão de obra. Dentre os insumos incluídos na apuração do custo direto incluímos os gastos com alimentação, medicamentos, material de enfermagem, roupa lavada, serviços auxiliares de diagnose e terapia, sangue e diária de acompanhante. No final do levantamento, a apuração do custo direto da internação do paciente estudado, dotado de perfil médio foi de R$ 1.091,57. 1 INTRODUÇÃO As primeiras estimativas de custo da Síndrome da Imunodeficiência Humana Adquirida (AIDS), feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), nos Estados Unidos, chegavam a valores próximos de US$ ,00 por pessoa, envolvendo custos diretos e indiretos (BRASIL, 1997). A redução dos custos da AIDS está associada a processos gerais de redução de custos no setor saúde: a ambulatorização de atenção médica, a intensificação de cuidados domiciliares, a redução dos custos dos medicamentos e outras técnicas e terapias. Mesmo assim, eles continuam sendo mais elevados que o custo comparativo de outras endemias. Estudos feitos nos Estados Unidos revelam que, se considerada uma mesma infecção, uma pneumonia por exemplo, em dois pacientes que se diferem por terem manifestado ou não a doença, o custo de quem tinha AIDS era 30% a 40% mais elevado (BRASIL, 1997). Tal fato refere se ao custo da capacidade instalada, dos cuidados e medicamentos especiais que um portador do vírus deve receber. Até 30 de junho de 1996, haviam sido registrados casos, dos quais 37% ocorreram nos Estados Unidos, 36% nas Américas, 12% na Europa, 2% na Ásia e 1% na Oceania (BOLETIM..., 1997). No Brasil, a AIDS atinge mais a população adulta, ainda que ultimamente venha ocorrendo um aumento significativo de casos na infância. No entanto, o maior risco da epidemia está associado à população em idade produtiva. Assim, os custos indiretos, isto é, os anos de vida potencialmente ativa perdidos pela AIDS, têm sido efetivamente os principais custos associados à enfermidade. 1 Contadora, Mestre em Contabilidade e Controladoria. 2 Aluna do Curso de Especialização em Administração Financeira da UECE

2 2 Segundo dados do Programa Global de AIDS (GPA OMS), o Brasil situa se entre os quatro primeiros países do mundo em maior número de casos notificados, entretanto, quando são consideradas as incidências relativas (casos x população), o Brasil passa a situar se entre o 40 e 50 posto do ranking mundial. O Estado do Ceará apresentou o primeiro caso de Síndrome da Imunodeficiência Humana Adquirida (AIDS) pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) no ano de Nesse período, as pessoas do sexo masculino eram as mais afetadas e desses a maioria era constituída por homossexuais, bissexuais ou hemofílicos. Após quatorze anos da ocorrência do primeiro caso notificado, o perfil da epidemia ainda é ascendente. Hoje temos pessoas afetadas pelo HIV/AIDS (BOLETIM..., 1998). Os dados mostram que o perfil da epidemia mudou: quanto ao tipo de exposição através de práticas sexuais, quanto ao sexo e faixa etária. Hoje, os dados do Boletim Epidemiológico 1998, apontam que, dos casos de AIDS notificados, ocorreram entre homens de diversas orientações sexuais, inclusive heterossexuais e 311 ocorreram entre mulheres que predominantemente possuem companheiros fixos. Observa se também uma tendência de crescimento entre indivíduos de baixo nível de instrução (BOLETIM..., 1998). Outro aspecto importante a observar é o crescimento de casos entre adolescentes na faixa etária abaixo de 13 anos, com 33 casos já notificados. Entre esses 17 (51,5%) ocorreram entre adolescentes do sexo masculino e 16 (48,5%) entre adolescentes do sexo feminino. Assim, a tendência da epidemia da AIDS no Ceará também aponta para juvenilização, feminilização e pauperização, exigindo cada vez mais criatividade e domínio técnico para ampliação das ações e controle para toda a sociedade, uma vez que todos são vulneráveis. O Brasil gasta muito pouco com políticas de saúde. Apenas 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB), é destinado para o setor saúde nas três esferas de governo (MÉDICI, 1994). Devido a escassez de recursos financeiros, a ausência de uma política de saúde adequada e o alto custo de tratamento da AIDS há uma alteração substancial do perfil de custos no setor saúde do Estado do Ceará. Diante da ausência de um sistema formal de apuração de custos no Hospital São José responsável por 90% das internações de AIDS no Ceará que permita o gerenciamento de recursos financeiros como fator fundamental para planejamento e controle administrativo financeiro, faz se necessário, preliminarmente, conhecer quanto custa um paciente de AIDS com assistência hospitalar. O objetivo deste estudo é desenvolver uma análise de custo benefício de assistência hospitalar associado ao HIV e à AIDS no Hospital São José no Ceará, levantando os custos diretos da assistência hospitalar de um paciente de HIV/AIDS, identificando os insumos envolvidos na assistência desse tipo de paciente com a finalidade de subsidiar a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará na alocação de recursos para prevenção e tratamento do HIV/AIDS. A metodologia aplicada no desenvolvimento do estudo foi a pesquisa exploratória, que nos pareceu ser a mais adequada para esse caso, tendo em vista a necessidade de construir subsídios para investigação de custos diretos, a partir dos registros documentais e levantamento de dados. A população deste estudo foi composta por todos os pacientes de AIDS internados e acompanhados pelo Hospital São José, no período de junho de 1997 a junho de A amostra foi selecionada a partir dos seguintes critérios: ser notificado portador de HIV/AIDS, ter internações no Hospital São José no período do estudo, estar incluído entre os pacientes de maior percentual de freqüência de internações no ano, não ser caso de óbito, e possuir valor da autorização de internação hospitalar (AIH) próximo do custo médio da população estudada, partindo da seleção de uma amostra de 653 internações correspondentes a 416 pacientes/ano.

3 3 Os critérios definidos acima, foram elaborados conforme a disponibilidade de tempo para realização do trabalho, a ausência de um Sistema de Custos na unidade em estudo e a necessidade de conhecer o custo direto da internação de um paciente. Este estudo, entretanto, foi limitado em razão do volume de registros fornecidos por autorização de internação hospitalar AIH, a impossibilidade de identificar custos indiretos no contexto do presente trabalho, pois demandaria muito tempo para processamento de informações e elaboração da Planilha Geral de Custos. Levando em consideração os critérios estabelecidos para definição da amostra foram encontrados 287 pacientes que tiveram uma internação/ano. Aplicando o segundo critério foram encontrados 11 pacientes com valor aproximado do custo médio da AIH/ano observada uma variação de R$ 1.202,80 a R$ 1.402,80, dentro deste grupo. No terceiro critério, que determina ser escolhido para estudo o caso mais próximo do custo médio, concluiu se que alguns não se encaixavam nos critérios pré definidos por não ser notificado como portador ou por óbito. Em razão das normas éticas de pesquisa com seres humanos e o direito de privacidade dos portadores de AIDS, o caso selecionado será chamado de CASO X. Os dados utilizados na pesquisa foram obtido através da coleta em AIHs, instrumento utilizado para pagamento dos procedimentos hospitalares do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS), prontuários dos pacientes, entrevistas a médicos e enfermeiros, pela história de vida do próprio paciente; e levantamento de dados nos setores: Pessoal, Almoxarifado, Farmácia, Lavanderia e Nutrição. O caso estudado é o de um paciente do sexo masculino, 35 anos de idade, com primeira internação em março/98, notificado em e procedente do Interior do Estado. 2 A EPIDEMIA DA AIDS NO BRASIL A AIDS foi identificada pela primeira vez no Brasil em 1982, quando sete pacientes de prática homo/bissexual foram diagnosticados. Um caso foi reconhecido retrospectivamente, no Estado de São Paulo, como ocorrência de Considerando o período de incubação do HIV, poderemos deduzir que a introdução do vírus no País ocorreu na década de 70; e sua difusão, em um primeiro momento, ocorreu entre as principais áreas metropolitanas do Sudeste brasileiro, seguida de um processo de disseminação para as diversas macrorregiões, já na primeira metade da década de 80. Desde o início da epidemia, o grupo etário mais atingido foi de 20 a 39 anos, perfazendo 71% do total de casos identificados como AIDS e notificados ao Ministério da Saúde até fevereiro de Ao longo do período, observa se um progressivo aumento da freqüência relativa de pacientes mais jovens (BRASIL, 1997). A Organização Mundial de Saúde estima que, no ano 2000, 90% das ocorrências de AIDS no mundo serão registradas nos países em desenvolvimento. A escolaridade tem sido utilizada como uma variável indireta, na tentativa de expressar o perfil sócio econômico dos casos notificados, embora ainda seja elevado o percentual de escolaridade ignorada. A totalidade dos casos notificados com escolaridade conhecida, até 1982, era de nível superior, ou de segundo grau e apenas 24% dos casos eram analfabetos, ou tinham cursado até o primeiro grau. A tendência de aumento de registro de pacientes de menor grau de escolaridade vem se mantendo ao longo do período, quando se observa um perfil onde a predominância de casos de baixa ou nenhuma escolaridade vem ocorrendo desde 1987 (BRASIL, 1997). Pela tendência observada no Brasil, as populações, já tradicionalmente marginalizadas, sobre as quais recai a grande maioria das doenças endêmicas, as patologias decorrentes da fome e ausência de saneamento, vêm cada vez mais se infectando pelo HIV. Como fator agravante adicional, ressalta se, o fato das dificuldades naturais que enfrenta esta camada social, no que se refere do acesso aos serviços de saúde e à informação, de um modo geral, e, em particular, à informação para a saúde.

4 4 A epidemia da infecção pelo HIV/AIDS no Brasil vem apresentando, nos últimos anos, mudanças no seu perfil, e, principalmente, revelando padrões distintos nos diversos níveis de agregação geográfica, com tendência universal de juvenilização, feminilização e pauperização da epidemia. 3 FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL Segundo a Norma Operacional Básica (NOB) 01/96, que normatiza o Sistema Único de Saúde (SUS), o financiamento do SUS é de responsabilidade das três esferas de governo e cada uma deve assegurar o aporte regular de recursos ao respectivo Fundo de Saúde (BRASIL, 1996). Conforme determina o artigo 194 da Constituição Federal, a saúde integra a Seguridade Social juntamente com a Previdência e a Assistência Social. Já o artigo 195 determina que a Seguridade Social será financiada com recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e de Contribuições Sociais (BRASIL, 1988). Atualmente, as fontes que asseguram o maior aporte de recursos ao Ministério da Saúde são a Contribuição sobre o Faturamento (Fonte 153 COFINS) e a Contribuição sobre o Lucro Líquido (Fonte 151), sendo que os aportes provenientes de Fontes Fiscais são destinados praticamente à cobertura de despesas com Pessoal e Encargos Socais. O modelo de pagamento das despesas hospitalares que serviu de referência para esse estudo, a Autorização de Internação Hospitalar, (AIV), foi introduzido no Brasil em 1983, através do Sistema de Assistência Médico Hospitalar da Previdência Social (SAMHPS), enquanto instrumento de pagamento ao setor privado contratado pelo Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS). A partir de 1991, entretanto, com base no SAMHPS foi implantando o SIH/SUS e seu instrumento, a Autorização de Internação Hospitalar (AIH) em toda rede hospitalar própria, Federal, Estadual, Municipal, Filantrópica e Privada, regulamentada pela RS/INAMPS n.º 227, de 17 de julho de A PT/MS/SNAS n.º 16, de 8 de janeiro de 1991, implantou no SIH/SUS a Tabela Única de Remuneração para assistência à Saúde em nível hospitalar. A AIH, é o documento hábil para identificar o paciente, os serviços prestados sob regime de internação hospitalar e fornecer informações para o gerenciamento do Sistema. É através deste documento que hospitais, profissionais, Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia (SADT) se habilitam a receber pagamento pelos serviços prestados. O financiamento das atividades hospitalares, prevê um teto quantitativo de Autorização de Internação Hospitalar (AIH) proporcional à população, para os municípios é equivalente a um duodécimo de 8% de sua população. O teto financeiro será calculado pela multiplicação do quantitativo de AIH pelo valor médio histórico da AIH no Estado ou no município (OPAS, 1994). O SIH/SUS não é universal, cobre exclusivamente as internações realizadas pela rede pública de serviços, ou melhor, aquelas financiadas com recursos estatais e as privadas contratadas e/ou conveniadas. As limitações estipuladas, em relação ao número de AIHs passíveis de apresentação pelo Estado e aquelas estipuladas em relação a seu teto financeiro, interferem fortemente no número e natureza dos documentos efetivamente apresentados. Consideradas essas limitações, o gestor estadual, na maioria das vezes, opta por cobrar aqueles procedimentos mais caros, arcando com os custos mais baratos. Além disso, o perfil de gastos depende pesadamente do perfil da rede de serviços existentes no local.

5 5 Muitas críticas são incorporadas ao Sistema, com vistas ao melhor controle físico e financeiro e à qualidade dos dados que aporta. Na verdade, mais que um problema relacionado ao Sistema de Informações, pode se dizer que é um problema do Sistema de Saúde. Apesar do pouco conhecimento das autoras sobre o assunto pode se apreender através de depoimentos de pessoas envolvidas no setor que a rede de serviços disponível no Brasil tem se caracterizado como insuficiente ou incapaz de resolver a maioria dos problemas de saúde que aflige a população, e que o sucateamento das unidades prestadoras de saúde ocorreu, em grande parte, por causa da redução acentuada de recursos de investimento e da inexistência de mecanismos de financiamento de longo prazo, além de um fraco sistema de planejamentoecon6omico financeiro baseados em custos reais. Além disso, o SUS enfrenta graves problemas com a inadequação dos modelos organizacionais vigentes, tanto no Ministério da Saúde quanto nas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde são incompatíveis com o desempenho das novas responsabilidades, e com as dificuldades gerenciais e o despreparo administrativo, não só das distintas instâncias gestoras, mas também das próprias direções das unidades de serviços, públicos e privados, assim como a ausência de sistemas de informação gerencial que possam fortalecer o processo de tomada de decisões com bases técnicas e para estabelecer formas inovadoras de financiamento, gestão, controle e avaliação dos serviços. 4 ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA AOS PORTADORES DO HIV/AIDS NO CEARÁ A cidade de Fortaleza possui hoje uma população de 2 milhões de habitantes e com tendência ao crescimento no setor industrial, comercial e turístico. Todo crescimento, vem sendo acompanhado por um aumento de oferta de serviços em quantidade, diversidade e qualidade. O Ceará possui um teto físico de AIHs/mês, sendo que, o consumo médio é AIHs/mês, distribuídas entre a Capital e o Interior. Vários hospitais atendem e notificam pacientes com AIDS, tanto em nível ambulatorial quanto de internação. No entanto, o Hospital São José é a Unidade Hospitalar pública de referência mais importante para os pacientes com AIDS, onde são acompanhados tanto em ambulatório quanto na assistência hospitalar. Está localizado na Regional III da cidade de Fortaleza na rua Nestor Barbosa, 315, Amadeu Furtado. A criação do ambulatório do Hospital São José surgiu com a ocorrência dos primeiros casos de AIDS. Foi o primeiro ambulatório para portadores de HIV do Estado do Ceará, implantado junto ao ambulatório já existente e destinado ao atendimento de doenças infecto contagiosas. Esse serviço proporciona atendimento multidisciplinar de caráter ambulatorial, respeitando o sigilo e com apoio psicossocial aos portadores de casos de AIDS. Tendo como objetivo final a melhoria da qualidade de vida das pessoas infectadas pelo HIV, dando origem à demanda de caráter hospitalar. Hoje, o Hospital São José dispõe de um teto físico de 364 AIHs/mês e 101 leitos, sendo responsável pela notificação de 90% dos pacientes no Estado e pela distribuição de 96% da medicação específica para tratamento desses pacientes.

6 6 A média de internação/ano é de 150 e a taxa de permanência é de 15 dias. Em relação ao período do estudo, o número de internações foi de 653 para 416 pacientes e uma média de 1,57 internações para cada paciente. Os 32 leitos específicos de AIDS são distribuídos nas Unidades D e E do Hospital e encontram se em boas condições de limpeza e conservação. A mão de obra disponível é de servidores do Estado, médicos residentes e pessoal terceirizado. O financiamento da assistência hospitalar ao portador de HIV/AIDS no Hospital São José é feito basicamente com recursos do SIH/SUS e Tesouro do Estado. 5 CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A apuração e o controle dos custos hospitalares é, sem sombra de dúvidas, uma absoluta necessidade dentro das instituições hospitalares e de saúde. O sistema de custos adequado às instituições hospitalares, tem como objetivo apurar o custo dos serviços, oferecer a todos os níveis hierárquicos da Organização as informações de custos de sua responsabilidade e propiciar subsídios à administração para tomada de decisão. Para melhor entendimento da natureza dos custos, faz se necessário a distinção entre os seguintes conceitos: Custos são sacrifícios que uma organização tem que arcar para atingir seus objetivos, transformando insumos em bens ou serviços. Gastos são todas as aplicações de recursos desembolsados ou não. Despesa são aplicações de recursos que não se transformam em ativo, mas que contribuem para esforço na geração de receitas. Perdas são recursos ou gastos que não contribuem para gerar ativos ou receitas portanto, são desperdiçados, pois não contribuem para que os objetivos da organização seja alcançado. Os custos podem ser classificados em: Custos diretos gastos que transformam ativos e que podem ser prontamente identificados ao produto ou ao serviço objeto de custeamento. Custos indiretos englobam gastos que, embora pertencentes ao processo produtivo, não podem ser identificados prontamente ao produto ou ao serviço objeto do custeamento. Custos variáveis gastos que variam proporcionalmente ao volume produzido.

7 7 Custos fixos gastos cuja variação não é função dos volumes de bens ou serviços produzidos. Custo total é a soma dos custos fixos e variáveis. A maioria dos sistemas de custos tradicionais, quando trabalha com custos indiretos, utiliza se de critérios de rateio para que os mesmos sejam incorporados ao produto. Rateio é o critério de distribuição ou de alocação dos custos indiretos aos produtos ou serviços. Existem vários maneiras e estudos alternativos de alocação dos custos indiretos aos produtos ou unidades de serviço para determinação dos custos unitários, que poderiam ser estudados em uma visão mais aprofundada deste estudo. Outro termo muito utilizado na área de custos é o Centro de Custos ou Célula de Trabalho, que são áreas, setores ou departamentos diferenciados dentro de uma organização, segundo a função, localização ou responsabilidade de cada um no processo produtivo. Os Centros de Custos diferenciam se das Células de Trabalho pela natureza e pelo nível de responsabilidade a eles atribuídos. Todo sistema de custos possui um objeto de custo, quando estamos utilizando as metodologias tradicionais de apuração de custos o objeto de custo é o produto ou a unidade de serviço determinada, o que nesse caso em particular é a unidade de atendimento. Quando a metodologia de custos utilizada é a do Custeio por Atividade ABC a unidade de custos é a atividade e é necessário a determinação de direcionadores de custos. Com a classificação dos custos mencionados, costuma se estudar o lucro para vários níveis de atividade, tendo como conceito importante o ponto de equilíbrio, ou seja: Receita total compreende a remuneração dos serviços prestados e altera se à medida que se modifica o nível de atendimento. Ponto de equilíbrio é a quantidade ou valor em que a receita total é igual ao custo total. Nesse ponto não há prejuízo nem lucro. Margem de contribuição é a diferença entre preço de venda e custo variável. É a contribuição de cada atendimento para a cobertura dos custos fixos, e, após o ponto de equilíbrio para a geração de lucro. Uma das condições básicas de funcionamento de um sistema de custos, é a existência de um fluxo de informações formais, de modo a caracterizar a participação de todos os níveis de responsabilidade ao mesmo padrão de disciplina e atenção às reivindicações do cálculo dos custos. Segundo modelo de MATOS (1993), um sistema de custo hospitalar tradicional pelo método do Custeio por Absorção obedece ao seguinte fluxo:

8 8 SISTEMA DE CUSTOS HOSPITALARES ENTRADA DE DADOS SALÁRIOS CONSUMO DE MATERIAIS CUSTOS GERAIS N.º REFEIÇÕES ROUPA LAVADA (KG) N.º FUNCIONÁRIOS ESTATÍSTICA DE PRODUÇÃO Em conformidade com os objetivos CÁLCULO propostos, DOS CUSTOS o sistema de custos adotado neste estudo, TOTAIS deve levar em consideração os custos diretos e quando não for possível, a média do custo direto, tomando como base o número de leitos/pacientes ocupados no período do estudo e aqueles necessários à alocação para que sejam atribuídos ao objeto de custo. 6 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Para elaboração deste estudo, foram analisados os eventos de internações de 416 pacientes internados no Hospital São José, no período de junho/97 a junho/98, correspondente a um total de 653 internações. Dentre as internações analisadas, a média obtida foi de 1,57 internação/paciente, sendo que 69% da amostra tiveram uma internação/ano, seguida de 18,8 % com duas internações/ano. O intervalo entre o menor e o maior número de freqüência de internações foi de 1 a 10 internações, equivalente a um total dos gastos em AIH de R$ ,06 no período do estudo, e o valor médio de R$ 1.302,80, conforme TABELA 1. FREQÜÊNCIA DE INTERNAÇÕES PROCESSAMENTO DAS INFORMAÇÕES REGISTRO DOS CUSTOS DIRETOS APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS APROPRIAÇÃO DOS CENTROS AUX. E ADMINISTRATIVOS NÚMERO DE PACIENTES TABELA 1 % DE FREQÜÊNCIA VALOR AIH 69,0 18,8 4,5 4,3 1,4 1,4 0,4 0,2 RELATÓRIOS PLANILHA GERAL DE CUSTOS RELATÓRIOS DOS CENTROS DE CUSTOS R$ , , , , , , , ,33 TOTAL ,06 No caso em estudo, houve internamento durante 14 dias na Unidade D do Hospital São José, com o custo da AIH no valor de R$ 1.340,94.

9 9 6.1 Apur ação do Custo Direto da Inter nação Na impossibilidade de encontrar um parâmetro de rateio satisfatório para apuração dos custos indiretos, optou se pela apuração apenas do custo direto, e, neste contexto, a mão de obra foi considerada custo indireto. Na apuração do custo direto da internação do paciente de AIDS, foram identificados os seguintes resultados: Custo com Alimentação R$ 33,74 Diária de Acompanhante R$ 37,10 Custo com Medicamentos R$ 81,43 Custo com Serviço Auxiliar de Diagnose e Terapia (Exames) R$ 281,77 Custo médio com material de enfermagem R$ 20,76 Custo médio roupa lavada/leito R$ 1,79 Sangue R$ 634,98 TOTAL R$ 1.091,57 GRÁFICO 1 Distribuição do Custo Direto R$700,00 R$600,00 R$500,00 R$400,00 R$300,00 R$200,00 R$100,00 R$0,00 33,74 37,10 81,43 281,77 20,76 1,79 634,98 Alimentação Medicamentos Material de Enfermagem Sangue Diária de Acompanhante Serviço de Diagnose e Terapia Roupa lavada/leito 6.2 Remuneração A remuneração do setor pessoal é basicamente financiada com recursos do Tesouro do Estado, os profissionais são servidores do Estado, além dos médicos residentes com contrato por tempo determinado lotados no Hospital.

10 10 A complementação da mão de obra, na assistência hospitalar, é feita ainda com médicos plantonistas externos que são remunerados pelo SIH/SUS. O pessoal de limpeza, telefonistas e vigilantes, são terceirizados. O total de recurso está assim distribuído: Servidores do Estado R$ ,50 Residentes R$ 5.440,80 Terceirizados R$ ,36 GRÁFICO 2 Distribuição dos Recursos 5.440, , ,50 Servidores do Es tado Res identes Terceirizados 6.3 Custos que não Foram Considerados: Limitações do Modelo Além da impossibilidade de identificar custos indiretos, não foi considerada, também, a depreciação de bens móveis e imóvel, a manutenção do prédio que deveria ser alocado, assim como o aluguel de um imóvel sob conceito de custo de oportunidade. 7 CONCLUSÃO Através da pesquisa estudo de caso, que foi desenvolvida com o objetivo de identificar o custo direto da internação de AIDS de um paciente internado no Hospital São José, constatou se um custo direto de R$ 1.091,57 do paciente estudado. Esse resultado, apesar dos esforços concentrados, possui várias limitações, principalmente porque alguns itens de custos relevantes para o estudo, não foram possível de serem considerados, como o custo indireto, inclusive, o custo da mão de obra. No entanto, contatou se que existe um custo direto elevado.

11 11 A remuneração da mão de obra foi demonstrada, apenas para visualização do montante de recursos utilizados direta e indiretamente, no atendimento aos pacientes. Entre os insumos identificados no custo direto, podemos concluir que os gastos mais elevados foram com transfusão de sangue, representando 58,18% do custo direto total, seguido do custo com Serviço Auxiliar de Diagnose e Terapia, com 25,81% e medicamentos com 7,46%. Dentre as causas que contribuíram para aumentar as limitações desse estudo, está a ausência de um sistema informatizado de dados na unidade do estudo e a identificação de um parâmetro que nos permitisse alocar o custo da mão de obra e fazermos a apropriação dos custos indiretos em tempo hábil para obter o custo total. Recomenda se que o estudo seja ampliado e atualizado, pois os cálculos de custos são intrinsecamente ligados à temporariedade, ao local e à situação específica. Espera se que seja útil para subsidiar a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará na política de alocação de recursos. 8 BIBLIOGRAFIA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE. Tópicos conceituais e metodológicos da economia da saúde In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE, 1996, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Economia da Saúde,1996. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, a. 4, jan. mar BRASIL LEIS. Constituição República Federativa (1988). Fortaleza: BNB, BRASIL LEIS. Ministério da Saúde. Manual SIH/SUS. Brasília, 1996a.. Norma operacional básica do Sistema Único de Saúde (NOB SUS) 01/96. Brasília, 1996b. Simpósio Satélite: a epidemia da AIDS no Brasil situação e tendências. Brasília, ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE, 1., 1994, São Paulo. Anais... São Paulo: Associação Brasileira de Economia da Saúde, FIGUEIREDO, Sandra CAGGIANO Paulo César. Controladoria Teoria e Prática. São Paulo: Atlas GESTÃO DE CUSTOS. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, Fita de vídeo. INFORMES EPIDEMIOLÓGICOS DO SUS. Brasília: Ministério da Saúde, a. 4, n. 4, dez LICEA, José Antônio Izazola. El impacto y los costos del VIH/SIDA Ed. SIDA: estado actual del conocimento. México, D.F.: Limusa, MATOS, José Afonso. Custos hospitalares: técnicas, implantação e gerência. Fortaleza: Federação Brasileira de Hospitais, MÉDICI, André César. Economia e financiamento do setor saúde no Brasil. São Paulo: USP, OPAS. O financiamento da saúde no Brasil. Brasília, (Economia e Financiamento, 4).

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Maria Fátima da Conceição - FEHOSP. 2 INTRODUÇÃO Os hospitais são organizações complexas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAUDE 2014 PROGRAMA: 06 Administração Governamental. Objetivo: Promover ações indispensáveis ao funcionamento administrativo e operacional

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Gestão e Qualidade na Hemodinâmica

Gestão e Qualidade na Hemodinâmica Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Gestão e Qualidade na Hemodinâmica Gustavo Cortez Sacramento Supervisor de Enfermagem UTI e Hemodinâmica TÓPICOS SAÚDE Brasil e no EUA

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

A saúde nas Contas Nacionais do Brasil

A saúde nas Contas Nacionais do Brasil Diretoria de Pesquisa Coordenação de Contas Nacionais A saúde nas Contas Nacionais do Brasil Ricardo Montes de Moraes Data 29/06/07 Conta satélite - em elaboração - Pesquisa de bases de dados do governo

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Responsável: Juliana Monteiro da Cruz, Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Orçamento Geral da União (OGU) Ministério da Saúde

Orçamento Geral da União (OGU) Ministério da Saúde Orçamento Geral da União (OGU) Ministério da Saúde Dispêndios Globais e Investimentos Brasília-DF, 14 de outubro de 2013 Problema crônico Os problemas de acesso e de qualidade da assistência em saúde têm,

Leia mais

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Custos nas pequenas empresas Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento,

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional. Mario Pessoa

Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional. Mario Pessoa Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional Mario Pessoa Características do Serviço Público 2 Universalidade e obrigação do estado fornecer

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE GERENCIAMENTO DE FUNDOS E OPERAÇÕES FISCAIS COFIS Fundos res de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas A Lei nº 12.087, de 11 de novembro

Leia mais

PROJETO: PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO SERVIDOR DEMLURB / PJF / MG (Complementação ao Programa de Atenção à Saúde do Servidor)

PROJETO: PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO SERVIDOR DEMLURB / PJF / MG (Complementação ao Programa de Atenção à Saúde do Servidor) PROJETO: PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO SERVIDOR DEMLURB / PJF / MG (Complementação ao Programa de Atenção à Saúde do Servidor) SESMT/CTCCT/SERVIÇO SOCIAL/DEMLURB - 2011 01 Introdução: O atual Programa de

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL. Outubro/2012

SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL. Outubro/2012 SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL Outubro/2012 1. Antecedentes 2. Características 3. Módulo de Apontamentos 4. SAS/ABM 5. MIG - Módulo de informações gerenciais 6. Alguns

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids IV Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e AIDS Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids Sérgio Francisco Piola Belo Horizonte, 7 de novembro de 2006. O Programa Brasileiro tem tido

Leia mais