Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013"

Transcrição

1 Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

2 Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 PÁG. 3 PÁG. 4 PÁG. 5 PÁG. 14 PÁG. 29

3 CARTA DO PRESIDENTE 3 Prezados clientes, parceiros e colaboradores, São Paulo, dezembro de Em nosso relatório de atividades, vocês poderão conferir mais detalhes das iniciativas que marcaram, de maneira bem sucedida, a nossa trajetória ao longo de O Instituto Abramundo mantém a sua missão de disseminar a cultura científica, presente nas realizações de seus projetos baseados em três pilares: Publicações, Exposições e Projetos Socioeducacionais. Em 2013, realizamos a exposição Uma viagem pelo universo do petróleo, uma demanda que surgiu no final de 2012 pela empresa BP Energy, com o objetivo de criar uma amostra educativa sobre a cadeia de petróleo para contribuir o aumento de conhecimento sobre a atividade de exploração e produção do petróleo. A exposição de 70m² percorreu por sete municípios do sul da Bahia: Itaparica, Vera Cruz, Salvador, Valença, Cairu, Itacaré e Ilhéus. Com sua estrutura modular, flexível e autoportante, pode ser adaptada a todos os espaços expositivos pelas cidades. Em nossos Projetos Socioeducacionais, destacamos o crescimento da parceria com a BG Brasil nos municípios de Angra dos Reis (RJ) e Rio Grande (RS). Ampliando o número de escolas a partir do segundo semestre e também desenvolvemos uma coleção de Paradidáticos de Matemática, ampliando ainda mais a experiência e conhecimento dos alunos. Em conjunto com as prefeituras municipais, o Instituto mantém o seu programa Ciência e Tecnologia com Criatividade (CTC!) para alunos do ensino fundamental, que têm a oportunidade de aprender Ciências de uma forma mais lúdica e investigativa. Obrigado por participar desse momento conosco! Um grande abraço, Ricardo Uzal Garcia Presidente do Instituto Abramundo

4 O INSTITUTO 4 O INSTITUTO ABRAMUNDO FOI FUNDADO em 2003 com a missão de disseminar a cultura científica no Brasil. Hoje, o instituto é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e se destaca pela sua competência especializada em aliar Ciência, Arte, Cultura e Educação para atrair o público pelo encantamento e pela curiosidade em projetos de educação formal e não formal. O Instituto também acredita no estímulo da discussão por políticas incentivadoras do ensino de ciências, bem como no engajamento da iniciativa privada em seus três pilares de atuação: Exposições, Publicações e Projetos Socioeducacionais. Em dez anos de existência, o Instituto conquistou a credibilidade e a confiança de organizações da sociedade civil, de fundações empresariais e do poder público, levando sua missão para 15 cidades brasileiras e beneficiando mais de um milhão de pessoas, especialmente educadores, alunos e a comunidade do entorno onde os projetos são executados.

5 NOSSAS EXPOSIÇÕES

6 NOSSAS EXPOSIÇÕES 6 SEGUINDO TENDÊNCIA DOS PRINCIPAIS museus do mundo, as exposições realizadas pelo Instituto Abramundo promovem a cultura científica por meio de interatividade e ambientes de aprendizagem propícios a estudantes de todas as idades e ao público interessado em adquirir maiores conhecimentos sobre o tema exposto. Os visitantes entram em contato com o conteúdo exposto por meio de jogos, recursos multimídias e instalações artísticas e interativas, que priorizam a qualidade estética e científica, tornando a Ciência extremamente atrativa.

7 NOSSAS EXPOSIÇÕES PROGRAMA EDUCATIVO UMA DAS PRINCIPAIS AÇÕES realizadas paralelamente às exposições é o Programa Educativo. Dirigido a toda rede de ensino, o Programa permite ao visitante aprofundar-se no tema da mostra, estimulando-o a relacionar o conteúdo ao seu dia a dia e a aplicar o que foi aprendido em seu cotidiano. Para cada exposição é desenvolvido um programa diferenciado, com atividades específicas sobre os temas abordados. O PROGRAMA EDUCATIVO É COMPOSTO POR: Visitas mediadas A visita mediada é uma estratégia pela qual é possível promover a aproximação do visitante e o tema da mostra, além de disponibilizar um espaço de educação informal, com diferentes recursos e formas de interação. Encontro entre educadores No encontro entre educadores, os professores obtêm orientações para o melhor aproveitamento da visita que farão com seus alunos, além de poderem trocar experiências com seus pares e receberem material de apoio para a continuidade do trabalho em salas de aula após a visita. 7 Material de apoio para aluno e professor São produzidos materiais (caderno de atividades, jogos, DVDs) distribuídos gratuitamente aos educadores e alunos para o melhor aproveitamento das visitas e aulas. Laboratório de aprendizagem Por meio de experimentos científicos, alunos e professores têm a oportunidade de colocar em prática alguns conceitos abordados na visita. Paralelamente às exposições realizadas pelo Instituto Abramundo, acontece uma Programação Especial sobre a temática do evento. Palestras, mesas-redondas e atividades artísticas costumam compor a programação especial com o objetivo de diversificar a abordagem do tema da mostra e proporcionar ao público variadas formas de participação. Com esse formato, os eventos paralelos atendem: universitários e o público em geral, que, movidos pela curiosidade, participam dos encontros; educadores interessados em ampliar seu conhecimento e levar novas estratégias para a sala de aula; e mestrandos e doutorandos em busca de aprofundamento no assunto.

8 NOSSAS EXPOSIÇÕES 8 EM 2013 REALIZAMOS... UMA VIAGEM PELO UNIVERSO DO PETRÓLEO EM 2012 A BP BRASIL procurou o Instituto Abramundo para desenvolver uma exposição educativa sobre a cadeia do petróleo para contribuir para o aumento do conhecimento sobre a atividade de exploração e produção do petróleo e promover o engajamento da empresa com comunidades do sul da Bahia onde atua. A exposição deveria ter as seguintes premissas: Ocupar uma área de 70m²; Ser itinerante, flexível, modular e interativa; Deverá percorrer sete municípios Itaparica, Vera Cruz, Salvador, Valença, Cairu, Itacaré e Ilhéus sendo alguns de difícil acesso; Permanecer 15 dias em cada município; O público alvo são alunos e professores do Ensino Fundamental II e comunidades pesqueiras da região. Com este briefing, o Instituto desenvolveu a exposição Uma viagem pelo universo do petróleo, contendo cinco seções - Petróleo e cotidiano, que trouxe para o público os usos do petróleo além do combustível; Formação do petróleo, que mostrou os aspectos geológicos da formação do petróleo; Em busca do petróleo, que apresentou os processos de prospecção, as exigências legais e órgãos envolvidos nessas etapas; Operações seguras e confiáveis, com os processos de exploração e os planos de prevenção e em emergência na exploração do petróleo; Petróleo e energia, que mostrou dados de produção e consumo de petróleo e outras fontes de energia no Brasil e no mundo, além de levar para comunidades objetos interativos sobre energia renovável. A exposição foi desenvolvida para ter mobilidade e facilidade de montagem, atendendo aos mais variados espaços expositivos, todo o conteúdo em painéis, maquetes e interativos foram montados em módulos metálicos móveis, alguns encaixáveis, que podiam ser embalados, transportados e dispostos na área da exposição facilmente.

9 NOSSAS EXPOSIÇÕES AÇÕES PARALELAS Programa Educativo O PROGRAMA EDUCATIVO foi desenvolvido com a formação de monitores, que viajaram junto com a exposição, adaptação de material impresso produzido pela BP Inglaterra para a realidade brasileira e regional. O engajamento com as Secretarias de Educação dos Municípios envolveu encontros para formação de professores em cada município, a distribuição de material impresso e amostras de fósseis e rochas para as escolas e transporte de estudantes. Alunos de 90 escolas foram impactados e 428 professores receberam formação sobre a exposição para trabalhar com o material educativo. DESTAQUES DA EXPOSIÇÃO Em relação à comunidade: A possibilidade de levar para as comunidades carentes de recursos culturais e educacionais através de uma exposição interativa; Propiciar um espaço de aprendizagem além dos muros da escola; Colocar em discussão um tema que impacta diretamente comunidades, a exploração do petróleo; Esclarecer as comunidades sobre as cadeias de petróleo, normalmente vista somente sobre os aspectos de poluição e royalties. Em relação ao patrocinador: Abrir um canal de diálogo entre população e empresa; Esclarecer a população sobre as cadeias do petróleo, as exigências legais e responsabilidades e como a empresa atua; Desenvolvimento de ações socioambientais. 9 Em relação ao Instituto Abramundo: Desenvolvimento de uma exposição de pequeno porte, interativa, modular, com grande capacidade de mobilidade e de fácil manutenção; Logística de transporte e montagem nos mais diversificados espaços.

10 NOSSAS EXPOSIÇÕES 10 FICHA TÉCNICA Nome: Uma viagem pelo universo do petróleo Patrocínio: BP Energy Local: Bahia: Itaparica, Vera Cruz, Salvador, Valença, Cairu, Itacaré e Ilhéus Período: Abril/2013 a Julho/2013 Público: Estudantes da rede pública e privada de ensino (fundamental I e II), formadores de opinião, famílias e público em geral. Metragem: 70m² Curadoria científica: Mário Donizeti Domingos Consultoria científica: Mauricio Guerreiro NÚMEROS 7 cidades do interior da Bahia beneficiadas visitantes locais alunos das redes pública e privada atendidos visitantes espontâneos 428 professores capacitados

11 NOSSAS EXPOSIÇÕES 11 Visita monitorada na exposição Uma viagem pelo mundo do petróleo

12 NOSSAS EXPOSIÇÕES 12 Visita monitorada na exposição Uma viagem pelo mundo do petróleo

13 NOSSAS EXPOSIÇÕES 13 Visita monitorada na exposição Uma viagem pelo mundo do petróleo

14 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS

15 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 15 O INSTITUTO ABRAMUNDO ESTABELECE parcerias com outras instituições para viabilizar a implantação de projetos socioeducacionais que estimulem a participação e o compartilhamento de conhecimentos entre a comunidade, público escolares e outros grupos sociais. Desenvolvemos o Programa CTC com financiamento da BG Brasil em dois municípios brasileiros, Angra dos Reis (RJ) e Rio Grande (RS). A educação é o principal foco da BG aqui no Brasil, com isso, o Programa CTC consegue atingir estudantes do ensino fundamental I e II (1º ao 9º ano), auxiliando professores e alunos a estimularem o aprendizado por meio de atividades investigativas e experimentais.

16 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 16 CIÊNCIA E TECNOLOGIA COM CRIATIVIDADE (CTC) A necessidade do desenvolvimento técnico científico tem exigido mudanças no papel social das escolas por meio da apresentação de conteúdos mais atrativos aos alunos. Pensando nesse objetivo, o Instituto Abramundo em parceria com a empresa BG Brasil, desenvolve o programa CTC Ciência e Tecnologia com Criatividade, abrangendo escolas públicas de dois municípios brasileiros: Angra dos Reis (RJ) e Rio Grande (RS). O principal objetivo do programa é que os alunos se tornem protagonistas no processo de construção e investigação de conteúdos científicos que o ajudam a ter melhor compreensão dos fenômenos naturais e tecnológicos, e ainda atuar de forma crítica, participativa e consciente sobre as questões vivenciadas. A proposta é que o estudo extrapole a sala de aula, com o compartilhamento espontâneo de conhecimentos com a comunidade escolar e do entorno.

17 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 17 ANGRA DOS REIS - RJ EM ANGRA DOS REIS, O PROGRAMA CTC é completo em educação em Ciência para os primeiros anos (1º a 5º ano) do ensino fundamental, cujo currículo é formulado a partir de temas significativos para os alunos de acordo com a faixa etária, levando em consideração assuntos de relevância social e conceitual para o campo das Ciências. O CTC Angra dos Reis está organizado em 10 Unidades Temáticas modulares, o que permite que cada unidade possa ser selecionada e inserida em uma proposta curricular específica, de acordo com a realidade de cada escola. Em números: 8 escolas da rede pública de Angra dos Reis participantes 62 professores do 1º ao 5º ano atingidos 16 gestores educacionais (diretores e coordenadores pedagógicos) atingidos alunos atingidos

18 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 18 Alunos da Escola João Carolino dos Remédios, de Angra dos Reis-RJ, em aula do Programa CTC!

19 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 19 Alunos da Escola Antônio Joaquim de Oliveira, de Angra dos Reis-RJ, em aula do Programa CTC!

20 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 20 RIO GRANDE RS Em Rio Grande, o programa atinge todos os anos (1º ao 9º ano) do ensino fundamental, tendo seu currículo formulado em temas significativos para os alunos de acordo com a faixa etária. Atendendo aos nove anos do Ensino Fundamental, o conteúdo é organizado em 18 Unidades Temáticas modulares permitindo a adequação de cada escola e a proposta curricular de cada aula. As atividades são propostas de forma organizada e estruturada, mas oferecem possibilidades para que cada turma imprima suas características nos exercícios em sala de aula. Assim, as instituições escolares têm garantia de autonomia para adequar os conteúdos do programa em cada fase de seu planejamento curricular. Em números: 6 escolas da rede pública de Rio Grande participantes 134 professores do 1º ao 9º ano atingidos 12 gestores educacionais (diretores e coordenadores pedagógicos) atingidos alunos atingidos

21 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 21 Alunos da Escola Wanda Rocha, de Rio Grande-RS, em aula do Programa CTC!

22 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 22 Alunos da Escola João de Oliveira Martins, de Rio Grande-RS, em aula do Programa CTC!

23 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 23 INTEGRAÇÃO COM O SABER LOCAL A fim de ampliar os conhecimentos construídos em sala de aula, o projeto contempla uma consultoria pedagógica adicional para orientar e apoiar os professores na construção e desenvolvimento de um projeto de trabalho que integre o conhecimento do entorno. Esse projeto cria a oportunidade de trabalhar com procedimentos de investigação que aproximem os alunos das formas de produção de conhecimentos científicos que proporcionem aos aprendizes a construção de habilidades, comportamentos e valores indispensáveis na formação de um cidadão.

24 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 24 Alunos da Escola França Pinto, de Rio Grande-RS, em evento que integrou o Projeto Saber Local

25 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 25 Alunos da Escola Wanda Rocha, de Rio Grande-RS, em evento que integrou o Projeto Saber Local

26 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 26 COLEÇÃO DE PARADIDÁTICOS DE MATEMÁTICA ANGRA DOS REIS E RIO GRANDE A Coleção de Paradidáticos CTC Matemática adota uma metodologia com foco na resolução de problemas que tenham potencial para que a aprendizagem seja significativa. Para isto colocamos os alunos frente a situações contextualizadas que os estimulem a enfrentar problemas, que possibilitam a reflexão, o estabelecimento de conexões, e o desenvolvimento do raciocínio matemático. Um conjunto de jogos e materiais gráficos e manipuláveis, bem como de artefatos tecnológicos, contribui para que as atividades matemáticas sejam atraentes e desafiadoras, a fim de que os alunos desenvolvam atitudes positivas frente à matemática e raciocinem frente a situações e problemas. Esta coleção é composta por 10 livros que podem ser usados tanto para trabalhar os conceitos na fase de desenvolvimento dos alunos de 4º e 5º ano, como servir de apoio em atividade de reforço ou extracurriculares. ANGRA DOS REIS RJ Em números: 8 escolas participantes 77 professores do 4º ao 5º ano atingidos 16 gestores educacionais (diretores e coordenadores pedagógicos) atingidos 975 alunos atingidos RIO GRANDE RG Em números: 6 escolas participantes 134 professores do 4º ao 5º ano atingidos 12 gestores educacionais (diretores e coordenadores pedagógicos) atingidos 666 alunos atingidos

27 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 27 Alunos da Escola Tânia Rita de O. Teixeira, de Angra dos Reis-RJ, utilizando o material Coleção de Paradidáticos de Matemática

28 PROJETOS SOCIOEDUCACIONAIS 28 Alunos da Escola Tânia Rita de O. Teixeira, de Angra dos Reis-RJ, utilizando o material Coleção de Paradidáticos de Matemática

29 EQUIPE 29 CONSELHO ADMINISTRATIVO Ricardo Uzal Garcia, Presidente Frederico Gottheiner, Tesoureiro Renata Bove Aiello, Diretora Executiva CONSELHO CONSULTIVO Alfredo Manevy de Pereira Mendes Fernando Rossetti Luis Carlos de Menezes Marcelo Knobel Priscila Cruz Ricardo Guimarães EQUIPE Mário Domingos, Curador Científico Glaucy Tudda e Nayana Brasil, Coordenação de produção Thamires Lorusso, Assistente de Produção

30

Você já pensou em como realizar os seus sonhos?

Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Você já pensou em como realizar os seus sonhos? Sua escola adota o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Etapas do Programa : Curso de Educação Financeira; Capacitação Pedagógica; Palestra para

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Virada Sustentável 2013

Virada Sustentável 2013 Virada Sustentável 2013 A Virada Sustentável Inspirada na Virada Cultural de São Paulo, é provavelmente a maior reunião de atrações culturais e recreativas ligadas aos temas de sustentabilidade já realizada

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

SÃO PAULO: UM PASSEIO HISTÓRICO PELA MINHA CIDADE

SÃO PAULO: UM PASSEIO HISTÓRICO PELA MINHA CIDADE SÃO PAULO: UM PASSEIO HISTÓRICO PELA MINHA CIDADE Escola Estadual Dr. Luís Arrôbas Martins Sala 11 / Sessão 1 Professor(es) Apresentador(es): Maria Lucia de O C Queirolo Josilene de L Sinezio Realização:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

índice -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

índice ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 índice A Caixa Cultural Sítio Arqueológico O Programa Educativo Gente Arteira Atividades - Oficinas - Visitas às exposições Contação de Histórias Datas Comemorativas - Mês das Crianças - Dia da Consciência

Leia mais

A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Eixo Temático: Educação Matemática na educação Infantil

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão 2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos

Leia mais

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Características do segmento Ensino Fundamental: Anos Iniciais compreende do 1º ao 5º ano a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade Fonte: shutterstock.com Material

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL Profa. Lucy Almeida Ecocidadania e movimentos sociais Crise ambiental do mundo globalizado: A crise ambiental do mundo globalizado trouxe a necessidade de se desenvolver a

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância 128-TC-B5 Maio/2005 Marcio Vieira de Souza, Dr. Universidade do Vale do Itajai-UNIVALI-SC e-mail: mvsouza@univali.br Fernando Spanhol,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico Plano Plurianual de Gestão 2013-2017 Etec Rubens de Faria e Souza Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico ORIENTAÇÕES: O Projeto Político Pedagógico é a identidade da escola. Nesta tela, apresente

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências

Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências Maria José da Silva Rocha Resumo O trabalho que apresentarei

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Um mundo de formas do concreto ao abstrato

Um mundo de formas do concreto ao abstrato Um mundo de formas do concreto ao abstrato Orientadora: Marcela dos Santos Nunes Matrícula SIAPE: 1673276 Orientado: Bruno da Silva Santos Matrícula UFF: 007705/06 Palavras-chave: Geometria, modelagem,

Leia mais

Universidade de São Paulo USP

Universidade de São Paulo USP Abordagem Interdisciplinar em Ciências da Natureza e Matemática para o Ensino Básico em diferentes regiões do Estado de São Paulo (Projeto: 66472). Leila Maria Beltramini, Esther Pacheco de Almeida Prado,

Leia mais

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr Design Pedagógico Módulo: O Modelo Atômico de Bohr 1. ESCOLHA DO TÓPICO 1.1. O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados

Leia mais

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 INTRODUÇÃO A Política Estadual de Educação Ambiental tem como princípios

Leia mais

TECNOLOGIAS E JOGOS ELETRÔNICOS NA EDUCAÇÃO, TENDÊNCIAS QUE SERÃO APRESENTADAS NA EDUCAR 2013

TECNOLOGIAS E JOGOS ELETRÔNICOS NA EDUCAÇÃO, TENDÊNCIAS QUE SERÃO APRESENTADAS NA EDUCAR 2013 SUGESTÃO DE PAUTA: 20ª FEIRA EDUCAR FEIRA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGIAS E JOGOS ELETRÔNICOS NA EDUCAÇÃO, TENDÊNCIAS QUE SERÃO APRESENTADAS NA EDUCAR 2013 Tema do evento deste ano será Educação

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG. Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo

Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG. Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo Valor Pedagógico da Exposição Geodiversidade na Educação da UEPG Gisele Pidhorodecki Antonio Liccardo Laboratório Didático de Geologia da UEPG - L12 atende 8 cursos Uso do intenso do laboratório pelos

Leia mais

RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA

RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA Juliana de Oliveira Gonzalez Universidade Federal do Rio Grande FURG Juliana_oligonzalez@hotmail.com Luciane Rosa Monte Universidade

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL, CIÊNCIA E CIDADANIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS

INCLUSÃO DIGITAL, CIÊNCIA E CIDADANIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS INCLUSÃO DIGITAL, CIÊNCIA E CIDADANIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS Vera Nácia Duarte Franco(1) Instituto de Educação Fernando Rodrigues da Silveira CAp- UERJ, veranacia@hotmail.com

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

TNT Cargas e Encomendas Expressas

TNT Cargas e Encomendas Expressas TNT Cargas e Encomendas Expressas Introdução Ação: Programa Road Safety Período: outubro de 2011 - atual Responsável pela ação: Setor de Treinamento de Motoristas E-mail: emerson.lima@tntbrasil.com.br

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM

4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM 4º EDITAL CULTURAL VOTORANTIM REGULAMENTO 1. Tipos de projetos beneficiados 2. Leis de incentivo à cultura 3. Categoria especial Acessibilidade 4. Cronograma do Edital 5. Valores de investimento 6. Inscrição

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA

IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA IMPLANTANDO OS DEZ PASSOS DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE UMA EXPERIENCIA SANTANA, Luiza Alves de 1 ; COSTA, Cláudia Caetano de Oliveira 2 ; BRASIL, Elisama Barbosa 3 ; GALVÃO, Marcus

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL ANAIS DA 67ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - SÃO CARLOS - SP - JULHO/2015 O PAPEL DAS FEIRAS DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL Antes de entender qual a diferença entre educação formal e não formal é preciso entender

Leia mais

CAMPUS PETROLINA AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010

CAMPUS PETROLINA AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 AÇÕES DE EXTENSÃO E CUTURA 2010 EXTENSÃO E CULTURA UPE CAMPUS PETROLINA Área Temática: EDUCAÇÃO Fabiana Cristina da Silva PROJETOS Título: A ciência como forma de inclusão social:interação entre conteúdo

Leia mais

Ensino. Fundamental II. Estudar aqui faz diferença!

Ensino. Fundamental II. Estudar aqui faz diferença! Ensino Fundamental II Estudar aqui faz diferença! CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO Proposta Pedagógica Missão: Promover o desenvolvimento do ser humano por meio da educação e da saúde, segundo os valores

Leia mais

Sobre Escola São Paulo

Sobre Escola São Paulo 03.01.2014 Sobre Escola São Paulo Fundada em 2006, a Escola São Paulo é uma escola de educação continuada para formação de pessoas nas áreas criativas. Conectada com atuais tendências, propõe um modelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão REUNI VII SEMINÁRIO NACIONAL A UNIVERSIDADE E SUAS RELAÇÕES COM O MEIO EXTERNO Profa. Dra. Eunice Sueli Nodari Universidade

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Ética e Responsável de Empreendimentos e Projetos Socioambientais. 2016

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Ética e Responsável de Empreendimentos e Projetos Socioambientais. 2016 Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão Ética e Responsável de Empreendimentos e Projetos Socioambientais. 206 360h Objetivo O curso oferece especialização em Gestão Ética e Responsável e Empreendedorismo

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC Produção Integrada ao Conteúdo 8. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto de tarefas)

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais