Universo da mecânica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universo da mecânica"

Transcrição

1 Departamento Regiona de São Pauo Universo da mecânica Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA

2

3 Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda e quer aprender mais ou para você que é professor e quer se atuaizar. E, pensando em você, nós do Teecurso, escohemos a área de Mecânica, porque sabemos que é a que oferece mais empregos na indústria. Assim, esperamos aumentar suas oportunidades de se sair bem em sua vida profissiona. Para tornar esse estudo ainda mais fáci, os conteúdos da área de Mecânica foram divididos em três bocos: Móduo Introdutório Móduos Básicos de Tecnoogia Móduos Instrumentais Ees são independentes entre si e podem ser estudados sozinhos ou na seqüência que você achar mais interessante. Assim, o Móduo Introdutório, chamado de O universo da mecânica vai apresentar as possibiidades de exporação do universo que representa a área da Mecânica na produção industria. Os Móduos Básicos de Tecnoogia contêm os conteúdos que se referem às informações necessárias ao desenvovimentos dos conhecimentos básicos reacionados à formação do profissiona da área de Mecânica, ou seja: Processos de Fabricação Materiais, Ensaios dos Materiais Eementos de Máquinas Tratamento Térmico Tratamento de Superfícies

4 Os Móduos Instrumentais contêm assuntos que servem de suporte ao conhecimento tecnoógico apresentado nos Móduos Básicos. Ees são: Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Cácuo Técnico Normaização Metroogia Manutenção Automatização/Automação Aém desses assuntos, foram destacados quatro temas compementares que contêm temas importantes para a formação de atitudes positivas dentro do ambiente de trabaho e que são: Higiene e Segurança do Trabaho Quaidade Ambienta Organização do Trabaho Quaidade Esses temas, aém de terem sido desenvovidos em auas específicas, estarão presentes, sempre que necessário, nas auas de todos os móduos. O bom de tudo isso é que você mesmo vai administrar o seu aproveitamento e o seu progresso. Quando você sentir que aprendeu o suficiente para obter um certificado, poderá prestar um exame no Senai. Se for aprovado, receberá o certificado referente à competência adquirida.

5 Universo da mecânica Este móduo tem o objetivo de he dar uma visão do universo da mecânica, saientando o desenvovimento das máquinas e dos processos de fabricação ao ongo da história do homem. A primeira unidade procura mostrar como o homem primitivo foi evouindo a partir do emprego dos primeiros materiais e das primeiras ferramentas e utensíios, mehorando, aos poucos, sua condição de vida. Na segunda unidade, você é informado de como o homem passou a empregar máquinas simpes - a aavanca, a roda e o pano incinado - para desocar materia pesado sem dispender grande esforço muscuar. É importante conhecer os princípios nos quais as máquinas simpes estão baseadas. Ao estudar máquinas compexas você descobrirá que esses mesmos princípios são empregados neas. Na terceira unidade, você vai estudar os mecanismos de transmissão de força e movimento para compreender como as máquinas simpes se desenvoveram, dando origem a máquinas mais compexas. Na quarta unidade, são apresentadas noções e conceitos básicos, reacionados com o desenvovimento dessas máquinas compexas, ou seja, desde a máquina-ferramenta até as máquinas automáticas, que deram grande impuso à industriaização. Na quinta unidade, são descritos os principais processos de fabricação, usados atuamente. Assim, você pode ficar com uma noção mais cara da indústria mecânica. Ao fina de cada unidade, você tem oportunidade de avaiar sua aprendizagem, fazendo os exercícios apresentados e conferindo suas respostas com os gabaritos, no fina do voume. O gossário tem o objetivo de ajudá-o a compreender o significado de aguns termos técnicos, usados no decorrer do fascícuo. Aém de enriquecer seu vocabuário, você poderá entender mehor o texto ido. Com esse conjunto de informações, você ficará preparado para o estudo da Mecânica, a ser continuado nas próximas auas. Autoria Caros Aberto Gaspar Nivia Gordo Adaptado de: Tecnoogia Mecânica Básica e Materiais - Mundo Mecânico (pubicação interna do SENAI-SP), Eaborado por Benedito Caros Gazzaneo e Maria Rita Aprie. Comissão de Panejamento e Eaboração Arette A. de Paua Guibert (Coordenação gera) Pauo Antonio Gomes (Coordenação executiva) Adison Tabain Koe (Coordenação pedagógica) Antonio Scaramboni Caros Aberto Gaspar Céia Regina Taavera Ceso Di Poito Joe Ferreira Nivia Gordo Regina Céia Roand Novaes Regina Maria Siva Sérgio Nobre Franco

6 Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação. Considerando que você trabahe numa empresa, seja ea grande ou pequena, é feito um estudo do significado de produção e de produtividade. Você vai ver que uma empresa pode ter uma boa produção, ou seja, uma grande quantidade de produtos, produzidos de forma rápida, com baixo custo e de boa quaidade. Em seguida, é feito um estudo de posto de trabaho que é a área em que o operário reaiza seu trabaho. Neste estudo, você vai conhecer os princípios de economia de movimentos. Esses princípios faciitam a reaização de um trabaho com menos esforço físico e de forma inteigente. Na segunda aua, você encontra informações reativas à simpificação do trabaho que consiste numa série de procedimentos para tornar o método de trabaho mais simpes, mais rápido e menos cansativo. Ainda, é feito um estudo do significado de perdas que acontecem devido a desperdícios de materia, de máquinas, de tempo e de esforços. Os desperdícios, ou seja, o resutado do que é feito sem economia, vão causar refugos - peças ma feitas e que não podem ser aproveitadas _ e a necessidade de retrabaho, isto é, de fazer novamente uma peça que foi feita com erros ou mau acabamento. Na terceira aua, você recebe noções de como fazer um eiaute ou arranjo físico do oca de trabaho. O objetivo desta aua é mostrar-he como se pode organizar o espaço de trabaho para acançar maior níve de produção e de produtividade, sem excesso de movimentação. Na quarta aua, você vai conhecer uma técnica chamada Just-in-time ou Bem-a-tempo. Essa técnica permite à empresa produzir somente o que for pedido e vai ser vendido, portanto, sem correr riscos de prejuízos. Ao mesmo tempo, a técnica faciita um trabaho de equipe sendo que uma mesma pessoa pode fazer trabahos diferentes e, assim, terá oportunidade de crescer profissionamente. Na quinta aua, são descritos dois departamentos - departamento de recursos humanos e departamento de panejamento. O objetivo é o de mostrar, numa organização tradiciona de empresa, como os setores ou departamentos se reacionam entre si. Convém embrar que, hoje, esta forma de organização tem sido substituída por outra, mais moderna, na inha de reengenharia. No fina do ivro, você encontra os gabaritos dos exercícios apresentados no decorrer das auas. Assim, você terá oportunidade de fixar mehor as informações apresentadas nas auas. Autoria José Luiz Campos Coeho Nivia Gordo Comissão de Panejamento e Eaboração Arette A. de Paua Guibert (Coordenação gera) Pauo Antonio Gomes (Coordenação executiva) Adison Tabain Koe (Coordenação pedagógica) Antonio Scaramboni Caros Aberto Gaspar Céia Regina Taavera

7 Ceso Di Poito Joe Ferreira Nivia Gordo Regina Céia Roand Novaes Regina Maria Siva Sérgio Nobre Franco Normaização Imagine se os fabricantes de âmpadas fizessem cada uma deas com roscas de tamanhos e tipos diferentes. Antes de comprar uma, você teria que medir o soquete onde ea seria atarraxada, verificar o tipo de rosca e na oja, procurar a âmpada que se adequasse à sua necessidade. Ainda bem que as âmpadas são fabricadas com rosca do mesmo tipo e tamanho! Os fabricantes de soquetes também fabricam os soquetes com as roscas internas do mesmo tipo e tamanho, adequado ao das âmpadas. Isso acontece graças a um entendimento entre fabricantes de âmpadas e de soquetes que padronizaram as formas e dimensões das roscas, ou seja, criaram padrões comuns para seus produtos. Assim como os fabricantes de âmpadas e de soquetes precisaram fazer esse acordo, fabricantes de outros produtos tiveram a mesma necessidade e criaram conjuntos de normas que atendem a diversas necessidades do mundo moderno. Este curso é composto de 4 auas e vai he mostrar como a Normaização é necessária e como é reaizada no Brasi e em outros países. A aua 1 irá mostrar como o homem tem se preocupado em estabeecer padrões e regras através dos tempos. A aua 2 vai tratar do início da Normaização sistemática e das associações de Normaização internacionais e nacionais. A aua 3 he dará informações sobre a Normaização no Brasi, e sobre a Associação Brasieira de Normas Técnicas - ABNT. A aua 4 enfocará os atuais objetivos da Normaização, como por exempo, segurança e o interesse do consumidor. Ao término das auas 2, 3 e 4 você encontrará aguns exercícios para ajudáo a recordar o que foi ido. As respostas estão nos gabaritos, no fina deste ivro Se você errar agum, eia o texto correspondente outra vez. Autoria Ceso Di Poito Céia Regina Taavera Adaptado de: Tecnoogia Mecânica Básica e Materiais - Normaização (pubicação interna do SENAI-SP), eaborada por Benedito Caros Gazzaneo e Maria Rita Aprie. Comissão de Panejamento e Eaboração Arette A. de Paua Guibert (Coordenação gera) Pauo Antonio Gomes (Coordenação executiva) Adison Tabain Koe (Coordenação pedagógica) Antonio Scaramboni Caros Aberto Gaspar Céia Regina Taavera Ceso Di Poito Joe Ferreira

8 Nivia Gordo Regina Céia Roand Novaes Regina Maria Siva Sérgio Nobre Franco

9 Universo da mecânica Apresentação Neste móduo você tem uma visão do uni- verso da mecânica, saientando o desenvovimento das máquinas e dos processos de fabricação, ao ongo da história do homem. A primeira unidade procura mostrar como o homem primitivo foi evouindo desde o emprego dos primeiros materiais, das primeiras ferramentas e dos primeiros utensíios, mehorando, aos poucos, sua condição de vida. Na segunda unidade, você vê como o homem passou a empregar máquinas simpes - a aavanca, a roda e o pano incinado - para desocar materia pesado sem dispender grande esforço muscuar. É importante conhecer os princípios nos quais as máquinas simpes estão baseadas. Ao estudar máquinas compexas, você descobrirá que esses mesmos princípios são empregados neas. Na terceira unidade, você estuda os mecanismos de transmissão de força e movimento para compreender como as máquinas simpes se desenvoveram, dando origem a máquinas mais compexas. Na quarta unidade, são apresentadas a você noções e conceitos básicos reacionados ao desenvovimento dessas máquinas compexas, ou seja, desde a máquina-ferramenta até as máquinas automáticas, que deram grande impuso à industriaização. Na quinta unidade, estão descritos os principais processos de fabricação, usados atuamente. Assim, você pode ficar com uma noção mais cara da indústria mecânica. Ao fina de cada unidade, você tem oportunidade de avaiar sua aprendizagem, fazendo os exercícios apresentados e conferindo suas respostas com os gabaritos, apresentados no fina do ivro. O gossário tem o objetivo de ajudá-o a compreender o significado de aguns termos técnicos usados no decorrer do ivro. Aém de enriquecer seu vocabuário, você poderá entender mehor o texto ido. Com esse conjunto de informações, você se prepara para o estudo da mecânica, que continua nas próximas auas.

10 Universo da mecânica A UU L AL A 1 1 Neste móduo você tem uma visão do uni- verso da mecânica, saientando o desenvovimento das máquinas e dos processos de fabricação, ao ongo da história do homem. A primeira unidade procura mostrar como o homem primitivo foi evouindo desde o emprego dos primeiros materiais, das primeiras ferramentas e dos primeiros utensíios, mehorando, aos poucos, sua condição de vida. Na segunda unidade, você vê como o homem passou a empregar máquinas simpes - a aavanca, a roda e o pano incinado - para desocar materia pesado sem dispender grande esforço muscuar. É importante conhecer os princípios nos quais as máquinas simpes estão baseadas. Ao estudar máquinas compexas, você descobrirá que esses mesmos princípios são empregados neas. Na terceira unidade, você estuda os mecanismos de transmissão de força e movimento para compreender como as máquinas simpes se desenvoveram, dando origem a máquinas mais compexas. Na quarta unidade, são apresentadas a você noções e conceitos básicos reacionados ao desenvovimento dessas máquinas compexas, ou seja, desde a máquina-ferramenta até as máquinas automáticas, que deram grande impuso à industriaização. Na quinta unidade, estão descritos os principais processos de fabricação usados atuamente. Assim, você pode ficar com uma noção mais cara da indústria mecânica. Ao fina de cada unidade, você tem oportunidade de avaiar sua aprendizagem, fazendo os exercícios apresentados e conferindo suas respostas com os gabaritos, apresentados no fina das cinco auas. Com esse conjunto de informações, você se prepara para o estudo da mecânica, que continua nas próximas auas. Apresentação AUTORIA Caros Aberto Gaspar Nivia Gordo Adaptado de: Tecnoogia Mecânica Básica e Materiais - Mundo Mecânico (pubicação interna do SENAI-SP), eaborado por Benedito Caros Gazzaneo e Maria Rita Aprie.

11 A U L A 1 Histórico Há mihares e mihares de anos, o homem fabrica objetos de pedra. Pedras ascadas, pontiagudas, maciças ou finas constituíram as primeiras ferramentas para a fabricação de utensíios. Idade da pedra Utensíio: objeto que tem utiidade. Tahar: escupir. Durante muito tempo, o homem primitivo usou sua própria força muscuar juntamente com ferramentas, armas e utensíios rudimentares para satisfazer às suas necessidades. Tahar a pedra foi o primeiro processo usado para a obtenção de objetos. O trabaho era difíci e ento, e a dureza das pedras impedia a fabricação de objetos com formatos mais compexos. Pode-se dizer que essa época representa o início do trabaho na vida do ser humano. O síex, um tipo de pedra existente na natureza, era o materia mais comum para fazer estacas, machados de caça, utensíios e, ainda, para raspar as pees de animais abatidos. Aém de pedras, as primeiras ferramentas eram feitas de madeira, osso e chifre. raspador faca Mais tarde, os perfuradores de síex foram usados para perfurar madeira e pedra, de ta modo que se podia introduzir cabos nos furos feitos. Isso possibiitou a fabricação de ferramentas mais aperfeiçoadas. perfurador

12 O homem primitivo descobriu o processo de poir ferramentas e armas. Para isso, espahava grãos minúscuos de areia umedecida entre a ferramenta e agum objeto que funcionava como pape de ixa. Por meio de movimentos que provocavam atrito entre a areia e o objeto, as armas e ferramentas ficavam com suas superfícies desbastadas e poidas. poimento Esses foram os principais processos usados peo homem na chamada Idade da Pedra e que corresponderam às primeiras técnicas de fabricação e aos primeiros materiais empregados para a obtenção de utensíios. A U L A 1 Os metais A pedra foi exporada de todas as formas como ferramenta. Entretanto, as ferramentas de pedra tinham a desvantagem de se desgastarem rapidamente. O homem continuou descobrindo novos materiais para fabricar ferramentas mais duradouras. Mas a substituição da pedra por metais, como matéria-prima para a fabricação de instrumentos de trabaho, foi um processo muito ento. Iniciamente, o cobre foi utiizado como um novo tipo de pedra. Logo o ser humano foi percebendo que se tratava de outro materia, que, aém de ser menos duro que a pedra, tinha um briho especia. Com o decorrer do tempo, foram encontrados outros materiais com características semehantes às do cobre. Forjamento dos metais No início, a técnica utiizada para fabricar utensíios era a deformação a frio do materia, por meio de gopes. Aquecendo os metais, o homem descobriu que conseguia mudar sua forma com maior faciidade. O fogo já era usado para aquecimento, proteção contra os animais e preparo dos aimentos. O homem primitivo percebeu que o cobre podia ser trabahado com faciidade ao ser aquecido até certa temperatura, tornando-se maeáve, isto é, mais moe. Desse modo foi possíve transformar o cobre em muitos produtos com diferentes formatos. A técnica utiizada para deformar o meta por meio de gopes, a fim de fabricar utensíios e ferramentas, tornou-se conhecida como forjamento. ferramentas de cobre

13 A U L A 1 Fusão: passagem do estado sóido para o estado íquido. Fundição de metais Nossos antepassados eram mestres em forjar. Fabricavam ferramentas, recipientes e jóias. Na busca constante para aperfeiçoar os processos de fabricação, o homem resoveu aquecer mais os materiais sóidos até se fundirem. Aquecendo o cobre a uma temperatura próxima a 1.000ºC, descobriu-se que esse meta atingia seu ponto de fusão, isto é, o ponto em que passa do estado sóido para o estado íquido. O cobre em fusão era despejado em recipientes com cavidades e assumiam, assim, a forma do produto desejado. Com isso, o homem dava os primeiros passos para o desenvovimento da fundição, que se tornava um novo processo de fabricação de objetos. Com a fundição, os produtos passaram a ser fabricados com maior rapidez e riqueza de detahes. Aém de ferramentas e armas, eram fabricados objetos de adorno, jóias, armaduras e utensíios de uso doméstico, como paneas e taheres. mode produto A primeira iga metáica Liga metáica: associação - por fusão - de dois ou mais corpos simpes, dos quais um, peo menos, é meta. O bronze foi a primeira iga metáica descoberta peo homem, ao fundir cobre misturado com pequenas quantidades de estanho. Trata-se de uma iga importante porque resuta num materia mais duro e resistente à deformação. Com métodos rudimentares, iniciava-se a produção de igas metáicas. Rapidamente, o bronze tornou-se o principa materia utiizado na fabricação de ferramentas, armas e enfeites. Apresentava a vantagem de ser resistente e fáci de trabahar. Era considerado de enorme vaor, quase tanto quanto o ouro.

14 O ferro Encontrado em quase todo o mundo, o ferro é um dos metais que o homem aprendeu a forjar há mihares de anos. Por vota de 1500 a.c., a superioridade do bronze começa a ser ameaçada peo ferro, por ser facimente encontrado em pequenos pedaços de rochas sotas na superfície da Terra. Os fundidores da época tinham grande dificudade para trabahar com o ferro porque ee é um materia mais duro que o cobre e o bronze. Era necessária uma temperatura acima de 1.000ºC para o ferro passar do estado sóido ao íquido. As iustrações mostram as técnicas utiizadas na fabricação dos primeiros produtos de ferro. A U L A 1 Num buraco feito na terra, era aquecida uma mistura do minera e carvão vegeta. A mistura aquecida se transformava numa massa pastosa. Essa massa era batida para a eiminação de impurezas e escórias. O que restava da massa era forjado. Eram forjadas, principamente, armas e ferramentas.

15 A U L A 1 Ferro fundido Durante muito tempo, o homem tentou fundir o ferro. Para isso, procurou aperfeiçoar a técnica de aquecimento, construindo fornos que permitissem obter temperaturas suficientemente atas para evar o ferro à fusão. O homem aprimorou essa técnica, quando obteve ata temperatura e aqueceu o minério de ferro misturado com carvão, injetando ar dentro do forno. injeção de ar vazamento Dureza: resistência que os corpos apresentam ao serem riscados ou perfurados. A temperatura acançada, superior a 1.300ºC, foi suficiente para obter uma massa íquida. A massa era vazada em recipientes com cavidades e assumia a forma desejada para o produto. A fundição do ferro possibiitava a obtenção de produtos com eevada dureza por causa do carvão. Em ata temperatura, o carvão ibera carbono que é absorvido peo ferro. Entretanto, o ferro fundido dessa forma apresentava a desvantagem de ser quebradiço e de não poder ser forjado. Isso constituía novo probema a ser soucionado peo homem. Os primeiros aços Ao observar o processo de fundição do ferro, o homem verificou que quanto menos carbono fosse absorvido peo ferro, menos duro e menos quebradiço ficaria o produto fina. Foi assim que a fundição possibiitou um grande aumento na produção de peças de ferro fundido. Dadas as vantagens técnicas, produtos que eram forjados em cobre ou bronze foram substituídos peo ferro fundido. Nessa época, o homem dava os primeiros passos para a obtenção do aço, materia mais importante da era dos metais.

16 Exercício 1 Assinae com (X) a resposta correta. Na Idade da Pedra, eram empregadas as seguintes técnicas de fabricação: a) ( ) Furação, fundição e poimento. b) ( ) Tahamento, poimento e furação. c) ( ) Fundição, forjamento e tahamento. d) ( ) Tahamento, poimento e forjamento. Exercícios A U L A 1 Exercício 2 Assinae com (X) a seqüência em que os materiais metáicos foram exporados peo homem, começando do materia mais antigo até chegar ao mais recente: a) ( ) Ferro fundido, cobre, bronze, aço. b) ( ) Aço, ferro fundido, cobre, bronze. c) ( ) Cobre, bronze, ferro fundido, aço. d) ( ) Cobre, ferro fundido, aço, bronze. Exercício 3 Assinae com (X) a resposta correta. Uma das primeiras igas obtidas foi o seguintes materiais: a) ( ) Ferro fundido e cobre. b) ( ) Cobre e estanho. c) ( ) Cobre e aço. d) ( ) Cobre e carbono. bronze, que é uma mistura dos Exercício 4 Na couna da esquerda estão indicados tipos de materiais metáicos; na couna da direita aparecem agumas características desses materiais. Escreva a etra que reaciona cada materia às suas características. a) Cobre ( ) Resistente, fáci de trabahar. b) Bronze ( ) Absorve carbono do carvão, quando fundido. c) Ferro ( ) Maeáve, fáci de trabahar. Exercício 5 Assinae com (X) a resposta correta. O ferro substituiu o cobre e o bronze porque: a) ( ) Possuía um briho mais atraente. b) ( ) Era mais fáci de forjar. c) ( ) Era mais fáci de fundir. d) ( ) Era mais resistente. Exercício 6 Assinae com (X) a resposta correta. Forjamento é um processo de fabricação peo qua se obtêm produtos por meio de: a) ( ) Fundição. b) ( ) Gopes. c) ( ) Corte. d) ( ) Poimento.

17 A U L A A U L A 2 2 Máquinas simpes Ao ongo de sua história, o ser humano procurou mehorar suas condições de trabaho, principamente no que se refere à redução de seu esforço físico. Para isso, o homem utiizou, iniciamente, meios auxiiares que he permitissem reaizar trabahos de modo mais fáci e com o menor gasto possíve de sua força muscuar. Esses primeiros meios foram a aavanca, a roda e o pano incinado que, por sua simpicidade, ficaram conhecidos como máquinas simpes. aavanca roda pano incinado As máquinas simpes são consideradas fundamentais porque seus princípios estão presentes em todas as máquinas.

18 Aavanca Aavanca é um sóido aongado e rígido que pode girar ao redor de um ponto de apoio, também conhecido como fucro ou eixo de rotação. A U L A 2 BR BP P R P. A. Quaquer aavanca apresenta os seguintes eementos: força motriz ou potente (P) força resistente (R) braço motriz (BP): distância entre a força motriz (P) e o ponto de apoio; braço resistente (BR): distância entre a força resistente (R) e o ponto de apoio; ponto de apoio (PA): oca onde a aavanca se apóia quando em uso. Conforme a posição do ponto de apoio em reação à força motriz (P) e à força resistente (R), as aavancas cassificam-se em: interfixa; inter-resistente; interpotente. Essa forma de cassificação pode ficar mais cara nos exempos e esquemas a seguir. R BR PA BP P PA BR R BP P PA BP P interfixa inter-resistente interpotente BR R A tesoura e a gangorra são aavancas interfixas. BR PA BP R P

19 A U L A 2 O abridor de tampas de garrafas e a carrioa, ou carrinho de mão, são aavancas inter-resistentes. P BP PA BR R A pinça e o braço humano são aavancas interpotentes. BR P BP PA R

20 Exercício 1 Preencha os espaços. a) As máquinas simpes apresentam dois tipos de força que são: a força... a força... b) As máquinas simpes faciitam a reaização de um... c) As máquinas simpes fundamentais são:...,... e... Exercícios A U L A 2 Exercício 2 Cassifique as aavancas iustradas, segundo o tipo a que pertencem: interfixa, inter-resistente ou interpotente. P P PA R PA R a)... b)... P PA R R PA P c)... d)... P P R PA PA R e)... f)...

21 A U L A 2 P R PA R P PA g)... h)... R P P PA R PA i)... j)... Pano incinado Pano incinado é uma superfície pana e incinada que forma um ânguo menor que 90º com a superfície horizonta. É, possivemente, a máquina simpes mais antiga do mundo. Animais e homens pré-históricos já utiizavam os panos incinados naturais das encostas de montanhas para escaá-as. Imagina-se que o pano incinado teve pape importante na construção das pirâmides do Egito Antigo, ao faciitar a eevação de grandes bocos.

22 O pano incinado continua sendo utiizado. A U L A 2 Uma rodovia entre montanhas apresenta panos incinados. As rampas de acesso aos andares de um moderno edifício são panos incinados que faciitam a ocomoção de pessoas, veícuos e cargas. No caminhão cegonheiro, a rampa possibiita a subida e a descida de carros. Anaisando as duas situações abaixo, parece evidente que o uso do pano incinado torna o trabaho mais fáci.

23 A U L A 2 Consideremos dois panos incinados, conforme as iustrações: 6 m 3 m 3 m 12 m O pano incinado da direita indica que se usa menos força para empurrar a carga. Pode-se deduzir que quanto mais comprido for um pano incinado, menos força será gasta na movimentação de uma carga para uma mesma atura. No entanto, ocorre perda em termos de distância. A cunha e o parafuso são exempos de apicação do pano incinado. A cunha funciona como dois panos incinados. As cunhas ajudam a vencer grandes resistências, como rachar enha, apertar cabos de enxadas, cabos de marteos etc. Prego, machado, faca, formão, tahadeira e navaha são exempos de cunhas. O parafuso é outra apicação derivada do pano incinado. Um parafuso é um pano incinado enroado em um ciindro.

24 Assinae com (X) a resposta correta. Exercício 3 O pano incinado eeva cargas com economia de força. a) ( ) certo b) ( ) errado Exercícios A U L A 2 Exercício 4 Quanto maior for o comprimento de um pano incinado, menor será a força empregada para eevar uma carga a uma mesma atura. a) ( ) certo b) ( ) errado Exercício 5 O parafuso é uma máquina simpes, derivada de um pano incinado. a) ( ) certo b) ( ) errado Exercício 6 Prego, machado, faca, formão, tahadeira e navaha são exempos de cunha. a) ( ) certo b) ( ) errado Roda A roda constitui uma das descobertas mais importantes. Ninguém sabe, porém, como ea foi inventada. Provavemente, a roda surgiu, ainda sob a forma de roete, quando o homem primitivo teve de desocar grandes cargas por ongas distâncias e não podia contar apenas com sua força. É difíci imaginar o mundo sem rodas. Muitas coisas que conhecemos deixariam simpesmente de existir e não teríamos atingido o atua progresso tecnoógico. Quando se faa em roda, imediatamente pensa-se em eixo, que é uma segunda roda presa ao centro da primeira. Na pré-história, os homens usavam troncos arredondados de árvores e discos de pedra para funcionar como rodas.

25 A U L A 2 Com o passar do tempo e com a descoberta dos metais e de outros materiais, as rodas foram evouindo. Hoje temos rodas de pástico tão resistentes quanto as de aço! O sariho e a roda d água são agumas das apicações da roda. Também as engrenagens derivam da roda e servem para transmitir força e movimento. Máquinas compexas, como torno, furadeira, automóve, iquidificador etc., possuem diversos tipos de rodas que permitem os mais variados movimentos. Rodana A rodana é uma roda que gira ao redor de um eixo que passa por seu centro. Na borda da rodana existe um suco em que se encaixa uma corda ou um cabo fexíve, ou corrente. O suco é conhecido como garganta, goa ou gorne. garganta suporte do gancho disco A rodana pode ser fixa ou móve. rodana fixa rodana móve

26 Na rodana fixa, o eixo é preso a um suporte quaquer. Quando em uso, ea não acompanha a carga. O funcionamento da rodana fixa baseia-se no funcionamento de uma aavanca interfixa de braços iguais. A U L A 2 BR BP P. A. R P R P BR = BP Em uma das extremidades do cabo apica-se a força P e na outra extremidade, a força R. As rodanas fixas servem para eevar pequenas cargas com comodidade e segurança, aém de possibiitarem mudança de direção e sentido das forças apicadas. P P = R R A rodana móve pode desocar-se juntamente com a carga e baseia-se no funcionamento de uma aavanca inter-resistente. P P BP P. A. BR R R Na rodana móve emprega-se menos força que na rodana fixa para a reaização do mesmo trabaho.

27 Exercícios A U L A 2 Assinae com (X) a resposta correta. Exercício 7 Da roda deriva o seguinte eemento: a) ( ) moa b) ( ) parafuso c) ( ) pino d) ( ) engrenagem Exercício 8 As engrenagens servem para transmitir força e movimento. a) ( ) certo b) ( ) errado Exercício 9 O funcionamento de uma rodana fixa baseia-se no funcionamento de uma aavanca: a) ( ) interpotente de braços iguais b) ( ) inter-resistente de braços iguais c) ( ) interfixa de braços iguais d) ( ) mista de braços iguais Exercício 10 A reação P = R é váida para a seguinte máquina simpes: a) ( ) aavanca b) ( ) rodana fixa c) ( ) rodana móve d) ( ) pano incinado Exercício 11 O funcionamento de uma rodana móve baseia-se no funcionamento de uma aavanca: a) ( ) interfixa b) ( ) interpotente c) ( ) inter-resistente d) ( ) mista

28 Transmissão e transformação de movimento A UU L AL A 3 3 O motor que aciona uma máquina nem sempre produz o movimento apropriado ao trabaho que se deseja reaizar. Quando isso ocorre, torna-se necessário empregar mecanismos de transformação de movimento. Por exempo: na máquina operatriz é indispensáve, para boa execução do trabaho, que a peça ou ferramenta esteja animada de movimento adequado e que sua veocidade seja conveniente ao trabaho a ser executado. No estudo do movimento em máquinas é necessário diferenciar as expressões transmissão de movimento e transformação de movimento. Transmissão de movimento é a passagem de movimento de um órgão da máquina para outro órgão da mesma máquina, podendo ou não haver ateração na veocidade. poia motor correia poia broca O movimento de rotação da poia do motor da furadeira é transmitido para a poia da árvore onde está a broca por meio de correias.

29 A U L A 3 Há transformação de movimento quando o tipo do movimento sofre aterações num mecanismo de transmissão. Vamos observar as figuras abaixo: (a) (b) Em (a) e em (b) existe transmissão de movimento, mas somente em (b) pode haver transformação de movimento. Tipos de mecanismos As máquinas apresentam os mais variados tipos de mecanismos de transmissão e transformação de movimento. Entre esses diversos tipos de mecanismos encontramos poias e correias, engrenagens, biea-manivea, cremaheira e came. poias e correias cremaheira biea manivea engrenagens Poias são mecanismos de transmissão de movimento que se encontram fixados em eixos de máquinas e motores. As poias necessitam de correias para transmitirem movimento de um órgão de uma máquina para outro órgão da mesma máquina ou de outra máquina. As correias funcionam como eemento de igação entre as poias.

30 Ù Observe a iustração de uma ventoinha. ventoinha A U L A 3 transmissão A correia transmite movimento para a poia, fixa no eixo da ventoinha, quando movimentamos o eixo da manivea. Consideremos, agora, duas poias igadas entre si por meio de uma correia, sendo que uma das poias está igada a um motor. motora movida A poia igada ao motor chama-se poia motora ou motriz. A outra chama-se poia movida. Engrenagens são rodas dentadas, assentadas em eixos que transmitem movimento de rotação de um eixo para outro. A engrenagem é constituída de dentes que se encaixam nos vãos da outra engrenagem a ea acopada. Ù Para conservar o mesmo sentido de rotação entre duas engrenagens, é preciso manter uma engrenagem intermediária entre eas:

31 A U L A 3 O mecanismo biea-manivea transforma movimento retiíneo em movimento circuar e vice-versa. Locaização da biea e da manivea num esquema eixo biea corrediça ou ciindro haste do pistão manivea pistão A manivea é fixada, peo seu núceo, ao eixo de um voante ou mesmo de uma poia ou, ainda, ao eixo principa de um motor de automóve (eixo de manivea). O conjunto pinhão-cremaheira é outro mecanismo muito utiizado em máquinas. Transforma movimento circuar em retiíneo e vice-versa. Esse conjunto é constituído de uma roda dentada que engrena com uma barra provida de dentes, geramente em formato de trapézio. pinhão cremaheira Em um torno mecânico, por exempo, a cremaheira encontra-se fixada sob o barramento. Ao girar, o pinhão se desoca na cremaheira e movimenta o carro principa do torno. Na furadeira de couna, o cabeçote se desoca verticamente, acionado peo pinhão que se movimenta através de uma manivea. O came é outro tipo de mecanismo. Ee transforma movimento circuar em movimento retiíneo ou rotatório aternado.

32 Compete os espaços. Exercício 1 a) Transmissão de movimento é a... de movimento de um... para outro órgão da mesma máquina. Exercícios A U L A 3 b) A transmissão de movimento de uma poia para outra pode ser feita por meio de.... c) A poia igada ao motor chama-se poia.... d) As engrenagens são rodas..., assentadas sobre eixos. Transmitem um movimento de... de um eixo a outro. e) O mecanismo biea-manivea permite transformar movimento retiíneo em... f) O conjunto pinhão-cremaheira permite a transformação do movimento circuar em... e vice-versa.

33 A U L A A U L A 4 4 Máquinas Durante muito tempo, a fabricação dos objetos se imitou ao trabaho artesana. O homem ainda dependia da sua força muscuar. Fabricava-se um produto de cada vez e sua quaidade exigia muita habiidade do artesão. O crescente consumo de produtos exigiu uma produção mais rápida e em maior quantidade. Aos poucos, o homem foi substituindo materiais, construindo máquinas mais compexas, observando e utiizando a força dos próprios componentes da natureza e, com isso, diminuindo seu trabaho muscuar. moagem manua sistema pião Ao usar moinho de tração anima, o homem percebeu que o trabaho poderia ser aceerado, substituindo o pião por uma grande pedra de moer.

34 A força da água e a força do vento eram muito utiizadas peos nossos antepassados, principamente para mover moinhos. A U L A 4 Moinho hidráuico Moinho de vento No início, as máquinas eram feitas de madeira. Essas máquinas foram aprimoradas com o emprego de novos materiais e o desenvovimento de novos processos de fabricação. Máquinas-ferramentas O torno foi uma das primeiras e mais importantes máquinas utiizadas na fabricação de peças. Iniciamente, os movimentos de rotação da máquina eram gerados por pedais. A ferramenta para tornear ficava na mão do operador que dava forma ao produto. Daí a importância de sua habiidade no processo de fabricação. Quando a ferramenta foi fixada à máquina, o operador ficou mais ivre para trabahar. Pode-se dizer que nesse momento nasceu a máquina-ferramenta.

35 A U L A 4 Máquina a vapor A máquina a vapor, construída por James Watt, no sécuo XVIII, provocou grande impacto no setor industria e no de transportes. O vapor, ao reaizar trabaho mecânico, substituía outras formas de energia. Surge, assim, o cavao-vapor (CV), uma unidade de potência utiizada até hoje. Cavao-vapor (CV) James Watt, engenheiro e mecânico escocês, aém de construtor de máquinas, dedicou-se a uma série de trabahos que trouxeram progressos decisivos à utiização do vapor. James Watt, construtor da máquina a vapor, queria demonstrar quantos cavaos a máquina podia substituir. Verificou que um cavao podia eevar uma carga de 75 kg (quiograma) a um metro de atura em um segundo, reaizando assim um trabaho de 75 kgm (quiogrâmetro) por segundo, o que se convencionou chamar de potência de 1cv. A máquina a vapor exercia grande esforço mecânico, submetendo suas peças a atas veocidades e pressões. Por essa razão, o emprego do vapor exigia componentes como tubos, bujões, ciindros e vávuas que resistissem às severas condições de trabaho impostas às máquinas. O uso da máquina a vapor também exigiu que seus componentes fossem aperfeiçoados, apresentando bom acabamento e dimensões mais exatas. A fabricação de produtos com essas características exigiu máquinas-ferramentas mais precisas e materiais de mehor quaidade, o que provocou grande desenvovimento da mecânica. Aperfeiçoamento das máquinas O aperfeiçoamento das máquinas e o conseqüente aumento de rendimento, representam fator importante na atividade industria. O desenvovimento tecnoógico tem por objetivo a produção de grandes quantidades de peças com maior rapidez, mehor quaidade e menor custo. A Ingaterra foi o primeiro país a dar um grande passo nesse caminho ao criar a primeira indústria destinada à fabricação de máquinas-ferramentas, no período de 1700 a 1800.

36 Joseph Whitworth foi um dos pioneiros no aperfeiçoamento das máquinasferramentas. Aém de inventar máquinas, projetou instrumentos para medição de peças e padronizou perfis e passo de roscas para parafusos e porcas. Mais tarde, o sistema Whitworth para roscas foi normaizado, ou seja, passou a ser empregado com base em normas estabeecidas. Abaixo estão aguns exempos de máquinas-ferramentas do início do sécuo. A U L A 4 torno paina imadora fresadora O surgimento das máquinas-ferramentas contribuiu para transformar a produção artesana em produção industria e para aceerar o desenvovimento do setor produtivo. prensa para cunhar moedas Foram desenvovidas máquinas diferentes para outros trabahos com metais como, por exempo, o da conformação de metais. Eetricidade e automação Há vinte e cinco sécuos, o fiósofo grego Taes observou que, ao esfregar uma barra de âmbar com um pedaço de ã, a barra atraía pedaços de penas, paha etc. Ee acabara de descobrir a eetricidade. A paavra grega para designar âmbar é eectron, da qua deriva o termo eetricidade. Âmbar: resina fóssi, sóida e isoante.

37 A U L A 4 Embora fosse conhecida há muito tempo, somente no fina do sécuo passado a eetricidade começou a ser utiizada em arga escaa. Aceerou-se, então, o desenvovimento industria, principamente com o uso de motores eétricos. As outras formas de energia foram, aos poucos, substituídas peo motor eétrico que movimentava as máquinas e não ocupava grandes espaços na sua instaação. No fina do sécuo passado surgem as primeiras máquinas automáticas, comandadas por dispositivos mecânicos. Fabricavam grande quantidade de peças de boa quaidade. Pregos, parafusos e porcas são exempos de produtos fabricados em máquinas automáticas, dando início à produção industria em arga escaa. Fábrica de pregos do início do sécuo XX, com máquinas automáticas. A atividade industria espahou-se rapidamente na passagem do sécuo XIX para o sécuo XX. As indústrias já dispunham de uma grande variedade de máquinas, o que possibiitou o desenvovimento da indústria, principamente, da automobiística. Outros setores, como comércio, agricutura, transporte, também beneficiaram-se com o desenvovimento da indústria mecânica. Com as máquinas automáticas foi possíve fabricar grande quantidade de uma mesma peça, manter a precisão, a intercambiabiidade e reduzir os custos de produção.

38 Exercício 1 Assinae com (X) a afirmativa que indica uma das características da produção artesana. a) ( ) Fabricação de produtos em grande escaa. b) ( ) Emprego de máquinas. c) ( ) Fabricação de um produto de cada vez, exigindo muita habiidade do artesão. Exercícios A U L A 4 Exercício 2 Assinae com (X) as frases corretas, reativas a máquinas. a) ( ) A força da água era muito utiizada para mover máquinas. b) ( ) Uma das primeiras máquinas-ferramentas foi o torno. c) ( ) O surgimento das máquinas contribuiu para aceerar o desenvovimento do setor produtivo. d) ( ) As máquinas atuais eiminaram os princípios das máquinas simpes. e) ( ) Whitworth contribuiu para o aperfeiçoamento das máquinasferramentas. f) ( ) A máquina a vapor revoucionou, em sua época, o setor de transportes. g) ( ) Máquinas automáticas eram comandadas por dispositivos mecânicos h) ( ) As máquinas automáticas contribuíram para o rápido desenvovimento da indústria automobiística.

39 A U A UL LA 5 5 Industriaização e processo de fabricação Por vota de 1800, teve início a industriaização. Ea é considerada recente, se comparada às épocas primitivas em que uma determinada forma de trabaho podia durar muitos anos, sem aperfeiçoamento. Aguns dos fatos que mais contribuíram para o desenvovimento industria foram: a rápida expansão do comércio; a necessidade de produção mais rápida e em grande quantidade. Aos poucos, o sistema artesana foi sendo substituído por uma nova organização do trabaho para o aumento da produção. O trabaho passou a ser dividido. O homem deixou de ter a visão de conjunto do processo de produção porque passou a ser encarregado da reaização de apenas partes do trabaho, tornando-se especiaista em determinadas tarefas e operações. Rapidamente, as máquinas tomaram conta do setor produtivo. Por causa disso, tornou-se comum o aparecimento de ocais em que se concentravam máquinas e grupos de operários, organizados para a fabricação de grandes quantidades de peças, numa produção muito mais rápida e econômica. Surgiram as primeiras fábricas, dando início à fase industria na história do homem. Com o desenvovimento das indústrias, foi intensificada a utiização de novos materiais e de novos processos na fabricação. Ainda hoje, o homem se vê cercado de desafios que o evam à busca de novos materiais e de novos processos de fabricação. Os principais processos de fabricação na indústria mecânica são: Modagem Conformação Corte Junção

40 Modagem Os processos de fabricação por modagem consistem na produção de um corpo sóido a partir de um meta amorfo, ou seja, no estado íquido, de pó granuado ou de pasta. Exempos de processos de fabricação por modagem: Fundição - processo no qua o meta é derretido e depois despejado numa fôrma. Os produtos obtidos por esse processo são, por exempo, bocos de motores, bases de máquinas etc. Sopro - processo de fabricação de recipientes de vidro, com auxíio do ar. Exempos: garrafas, copos etc. Sinterização de pó metáico - agutinação de partícuas sóidas por aquecimento em temperatura inferior à de fusão. A bucha utiizada na mecânica é um exempo de produto obtido por esse processo. A U L A 5 Amorfo: sem forma definida. Conformação É um processo de fabricação que, aos poucos, modifica um corpo sóido por meio de deformação pástica. Exempos de processos de fabricação por conformação: Laminação - redução de um materia em âminas, por meio de roetes. Os perfis e as chapas são obtidos por esse processo. Extrusão - passagem forçada de um materia por um orifício. Exempos: tubos, perfiados etc. Repuxamento - utiizado para produzir peças a frio por meio do torno repuxador, como no caso da produção de paneas, recipientes etc. Trefiação - processo de fabricação por estiramento. Fios e cabos são obtidos por esse processo. Deformação pástica: aquea que permanece após cessada a força atuante. Corte Processo de fabricação que consiste em retirar meta de uma superfície por meio de uma ferramenta. Exempos de processos de fabricação por corte: Torneamento - processo no qua se corta com o torno, como no caso de pinos, eixos etc. Fresagem - consiste no corte com a fresa. Exempos: engrenagens, rasgos para chavetas etc. Mandriagem - processo de aisamento por meio de mandri. É usada, por exempo, para aargar e ainhar furos. Apainamento - processo de aisamento com paina. Trata-se de processo empregado especiamente em peças de madeira. Retificação - consiste em dar acabamento e em aisar com perfeição uma peça. Junção O processo de fabricação por junção consiste na união de uma ou mais peças. Exempos: parafusamento, rebitagem, sodagem etc.

41 A U L A 5 O quadro a seguir mostra um resumo de aguns exempos de processos de fabricação. CONFORMAÇÃO MOLDAGEM CORTE JUNÇÃO LAMINAÇÃO FUNDIÇÃO SERRAMENTO PARAFUSAMENTO FORJAMENTO INJEÇÃO LIMAGEM REBITAGEM EXTRUSÃO SOPRO RASQUETEAÇÃO SOLDAGEM DOBRAMENTO SINTERIZAÇÃO DE PÓ METÁLICO TORNEAMENTO COLAGEM TREFILAÇÃO FRESAGEM Caandragem: curvamento ou desempenamento com caandra. REPUXAMENTO CALANDRAGEM FURAÇÃO APLAINAMENTO MANDRILAGEM RETIFICAÇÃO Exercícios Exercício 1 Assinae com (X) a resposta correta. Um dos fatos que contribuiu para o desenvovimento industria foi: a) ( ) Grande quantidade de terras para erguer fábricas. b) ( ) Necessidade de produção mais rápida e em grande quantidade. c) ( ) Surgimento da aavanca. Exercício 2 Assinae com (X) a resposta correta. Uma fábrica produz bases de máquinas, utiizando fundição. Esse processo de fabricação é denominado: a) ( ) Corte. b) ( ) Modagem. c) ( ) Conformação. d) ( ) Junção. Exercício 3 Assinae com (X) o termo que se reaciona com o processo de fabricação por corte. a) ( ) Fresagem. b) ( ) Sodagem. c) ( ) Coagem.

42 Exercício 4 Na couna da esquerda, estão indicados aguns processos de fabricação. Na couna da direita, aparecem aguns exempos de produtos obtidos por meio desses processos. Dentro de cada parênteses, escreva as etras que correspondem a cada processo de fabricação. A U L A 5 a) Modagem ( ) Engrenagem obtida por meio de fresadora ( ) Virabrequim obtido por fundição b) Corte ( ) Tubo obtido por extrusão ( ) Eixo obtido por forjamento c) Conformação ( ) Chapa obtida por aminação ( ) Eixo obtido por meio de torneamento BLACKWOOD, Oswad H. e outros, Física na escoa secundária, Tradução de José Leite Lopes, 2ª edição, Instituto Naciona de Estudos Pedagógicos (INEP), BOER, Peter - Metaurgia prática do cobre e suas igas - 6 voumes, Brasiiense, São Pauo, s.d. CARLI, E. M. - Dicionário de termos técnicos de mecânica. Rio de Janeiro, Gráfica Mione Ltda DOYLE, Lawrence E. - Processos de fabricação - Edgar Bücher, São Pauo, FERREIRA, Auréio Buarque de Hoanda, Novo dicionário Auréio da íngua portuguesa - Rio de Janeiro. Nova Fronteira, GAMA, Rui. História da técnica e da tecnoogia - Vo. 4 - Universidade de São Pauo, KAISER, Bruno, anos de descobertas, 3ª edição, tradução de Roberto Luiz F. de Ameida, Edições mehoramentos - São Pauo, s/d. KLEMM, Friedrich, A history of western technoogy, Tradução de Dorothea Waey Singer, Massachusetts Institute Technoogy, Cambridge, Massachusetts, SARDELLA, Antonio e MATEUS, Edgar - Dicionário escoar de química - São Pauo, Ática, URDANGARIN, C. e ALDABALDETRECU, F., Historia tecnica y economica de a maquina herramienta, Caja de Ahorros Provincia de Quipuzcoa, San Sebastian, Bibiografia Universo da Mecânica

43 A U L A 5 Gabaritos Universo da Mecânica Aua 1 - Histórico 1. b) 2. c) 3. b) 4. ( b ) Resistente, fáci de trabahar. ( c ) Absorve carbono do carvão, quando fundido. ( a ) Maeáve, fáci de trabahar. 5. d) 6. b) Aua 2 - Máquinas simpes 1a) Essas duas forças são a força motriz e a força resistente. b) As máquinas simpes faciitam a reaização de um trabaho. c) As máquinas simpes fundamentais são: aavanca, pano incinado e roda. 2a) Inter-resistente. b) Inter-resistente. c) Interfixa. d) Interfixa. e) Interpotente. f) Inter-resistente. g) Interpotente. h) Inter-resistente. i) Interpotente. j) Interpotente. 3. a) 4. a) 5. a) 6. a) 7. d) 8. a) 9. c) 10. b) 11. c)

44 Aua 3 - Transmissão e transformação de movimento 1a) Transmissão de movimento é a passagem de movimento de um órgão da máquina para outro órgão da mesma máquina. b) A transmissão de movimento de um eixo para outro pode ser feita por meio de poias. c) A poia igada ao motor chama-se poia motora. d) As engrenagens são rodas dentadas, assentadas sobre eixos. Transmitem um movimento de rotação de um eixo a outro. e) O mecanismo biea-manivea permite transformar movimento retiíneo aternado em circuar. f) O conjunto pinhão-cremaheira permite transformação do movimento circuar contínuo em retiíneo e vice-versa. A U L A 5 Aua 4 - Máquinas 1. c) 2. Todas, menos a aternativa d). Aua 5 - Industriaização e processo de fabricação 1. b) 2. b) 3. a ) 4. ( b ) Engrenagem obtida por meio de fresadora. ( a ) Virabrequim obtido por fundição. ( c ) Tubo obtido por extrusão. ( c ) Eixo obtido por forjamento. ( c ) Chapa obtida por aminação. ( b ) Eixo obtido por meio de torneamento.

45 A U L A 5 Para suas anotações

46 Gabaritos Universo da Mecânica Aua 1 - Idade da pedra/idade dos metais 1. b) 2. c) 3. b) 4. ( b ) Ata dureza, não pode ser forjado. ( c ) Baixa dureza, fáci de ser forjado. ( a ) Ata dureza, porém, possíve de ser forjado. 5. d) 6. b) Aua 2 - Máquinas simpes 1a) Essas duas forças são a força motriz e a força resistente. b) As máquinas simpes faciitam a reaização de um trabaho. c) As máquinas simpes fundamentais são: aavanca, pano incinado e roda. 2a) Inter-resistente. b) Inter-resistente. c) Interfixa. d) Interfixa. e) Interpotente. f) Inter-resistente. g) Interpotente. h) Inter-resistente. i) Interpotente. j) Interpotente. 3. a) 4. a) 5. a) 6. a) 7. d) 8. a) 9. c) 10. b) 11. c)

47 Aua 3 - Transmissão e transformação de movimentos 1. Transmissão de movimento é a passagem de movimento de um órgão da máquina para outro órgão da mesma máquina. 2. A transmissão de movimento de um eixo para outro pode ser feita por meio de poias. 3. A poia igada ao motor chama-se poia motora. 4. As engrenagens são rodas dentadas, assentadas sobre eixos. Transmitem um movimento de rotação de um eixo a outro. 5. O mecanismo biea-manivea permite transformar movimento retiíneo aternado em circuar. 6. A cremaheira permite transformação do movimento circuar contínuo em retiíneo e vice-versa. Aua 4 - Máquinas 1. c) 2. Todas, menos a aternativa d). Aua 5 - Processos e industriaização na indústria mecânica 1. b) 2. b) 3. a ) 4. ( b ) Engrenagem obtida por meio de fresadora. ( a ) Virabrequim obtido por fundição. ( c ) Tubo obtido por extrusão. ( c ) Eixo obtido por forjamento. ( c ) Chapa obtida por aminação. ( a ) Eixo obtido por meio de torneamento. µµµ

48 Gabaritos Normaização Aua 2 - A primeira fase da normaização 1. É o conjunto de critérios estabeecidos de comum acordo entre técnicos, engenheiros, fabricantes e consumidores com o objetivo de simpificar os processos produtivos e garantir ao consumidor um produto confiáve, que atenda às suas necessidades. 2. c ) 3. a) Aua 3 - Normaização no Brasi 1. ABNT 2. Procedimento Especificação Padronização Terminoogia Simboogia Cassificação Método de ensaio 3. ASTM, SAE, AISI Aua 4 - Atuais objetivos da normaização 1. c) d) e) ( ) a) b) 2. d) 3. b) µµµ

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Máquinas simples. Ao longo de sua história, o ser humano A U L A

Máquinas simples. Ao longo de sua história, o ser humano A U L A Máquinas simpes Ao ongo de sua história, o ser humano procurou mehorar suas condições de trabaho, principamente no que se refere à redução de seu esforço físico. ara isso, o homem utiizou, iniciamente,

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Gabaritos Universo da Mecânica

Gabaritos Universo da Mecânica Gabaritos Universo da Mecânica Aula 1 - Idade da pedra/idade dos metais 1. b) 2. c) 3. b) 4. ( b ) Alta dureza, não pode ser forjado. ( c ) Baixa dureza, fácil de ser forjado. ( a ) Alta dureza, porém,

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

Industrialização e processo de fabricação

Industrialização e processo de fabricação A U A UL LA Industriaização e processo de fabricação Por vota de 1800, teve início a industriaização. Ea é considerada recente, se comparada às épocas primitivas em que uma determinada forma de trabaho

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Normalização no Brasil

Normalização no Brasil Normaização no Brasi A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particuar de um grupo de técnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas técnicas no Brasi. Em 1962, a ABNT foi reconhecida

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Simplificando o trabalho

Simplificando o trabalho A U A UL LA Simpificando o trabaho A simpificação do trabaho constitui outro meio que favorece diretamente a produtividade. Essa simpificação se reaciona com a mehoria de um método de trabaho, seja ee

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA

MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Departamento Regiona de São Pauo Normaização Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Normaização teecurso profissionaizante 2000. Trabaho eaborado

Leia mais

Organização do trabalho

Organização do trabalho Departamento Regiona de São Pauo Organização do trabaho Escoa SENAI MÓDULOS ESPECIAIS MECÂNICA Móduos especiais - Mecânica Materia didático extraído do móduo Organização do trabaho teecurso profissionaizante

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico?

O que o gás natural tem a ver com saquinho plástico? O que o gás natura tem a ver com saquinho pástico? A UU L AL A soo cascaho Frações do petróeo: eves, médias e pesadas idrocarbonetos Ponto de ebuição reacionado com o tamanho das moécuas dos hidrocarbonetos

Leia mais

Novos produtos. Fabrico de ferramentas de estampagem I / 2015. E 5240 Casquilho de roletes. Expansão da gama de acessórios para guiar a chapa

Novos produtos. Fabrico de ferramentas de estampagem I / 2015. E 5240 Casquilho de roletes. Expansão da gama de acessórios para guiar a chapa Novos produtos Fabrico de ferramentas de estampagem I / 2015 Catáogo em CD 5.8.4.0 Catáogo onine Indo de encontro às suas necessidades e sugestões, ampiámos novamente a nossa gama de produtos. Desta forma,

Leia mais

Dá para separar o sal da água do mar?

Dá para separar o sal da água do mar? A UA UL LA Dá para separar o sa da água do mar? O que você vai aprender Métodos de separação de um sóido de um íquido: - Decantação - Peneiração - Fitração Dissoução Soução Souto Sovente Seria bom já saber

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

Como se obtém gasolina de petróleo?

Como se obtém gasolina de petróleo? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Como se obtém gasoina de petróeo? Formação do petróeo Produtos derivados do petróeo Separação dos produtos do petróeo: destiação fracionada O que você vai

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa?

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? AUUL AL A Efeito estufa parte da energia radiada, vota ao espaço energia radiada Efeito estufa Buraco

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica

Versão Online ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II. O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica Versão Onine ISBN 978-85-8015-040-7 Cadernos PDE VOLUME II O PROFESSOR PDE E OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE Produção Didático-Pedagógica 008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Tecnoogia Educaciona

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica.

Eletricidade. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Eletricidade e automação A UU L AL A O operário desperta com o toque do rádiorelógio. Levanta, acende a luz. Toma um banho quente. Prepara seu lanche com auxílio da torradeira elétrica. Um problema Sai

Leia mais

O que acontece quando se evapora água do mar?

O que acontece quando se evapora água do mar? A UA UL LA O que acontece quando se evapora água do mar? O que você vai aprender Soução saturada Soução insaturada Sovente Souto Concentração Evaporação Condensação Fenômeno Seria bom já saber Mudança

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva,

Há 26 anos, faça sol ou faça chuva, Os soos A UU L AL A Dois mestres da arte de reforestar Há 2 anos, faça so ou faça chuva, o mineiro Luiz Roberto de Castro Carvaho, de 51 anos, não passa um só dia sem pantar peo menos uma árvore em sua

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

2.1 O Comportamento Estrutural

2.1 O Comportamento Estrutural 2 Vigas As vigas consistem basicamente de barras, contínuas ou não, com eixo reto ou curvo, equiibradas por um sistema de apoios, de modo a garantir que essas barras sejam, no mínimo, isostáticas. Estão

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido Página 1 de 10 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes formas: a) Equilíbrio estático - É aquele no qual o corpo está em

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES

ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES ESTABELECIMENTO DE LIMITES DE VIBRAÇÃO EM GRUPOS DIESEL-GERADORES Erb Ferreira Lins Manoe José dos Santos Sena Mauro Guerreiro Veoso José Américo Braga Dutra Universidade Federa do Pará, Centro Tecnoógico,

Leia mais

Máquinas. Durante muito tempo, a fabricação dos objetos A U L A

Máquinas. Durante muito tempo, a fabricação dos objetos A U L A Máquinas Durante muito tempo, a fabricação dos objetos se limitou ao trabalho artesanal. O homem ainda dependia da sua força muscular. Fabricava-se um produto de cada vez e sua qualidade exigia muita habilidade

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

Manuseio simples combinado com a máxima força

Manuseio simples combinado com a máxima força GYN 20-12 08/2013-PT Manuseio simpes combinado com a máxima força ROTOCUT G1 ROTOCUT G1 Com o sistema de morceadores ROTOCUT G1, a KARL STORZ oferece um sistema competo desenvovido para atender as mais

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132Colégio Santa Catarina Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Como limpar derramamentos de

Como limpar derramamentos de Como impar derramamentos de petróeo? A UU L AL A Transformação do nitrogênio em fertiizantes Limpeza de derramamentos de petróeo Soubiização do oxigênio na água Interação entre moécuas de água Pontes de

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio de cácuo das tensões de aderência

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA

ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA CAPÍTULO 7 Voume 1 ANCORAGEM E EMENDAS DAS BARRAS DA ARMADURA Prof. José Miton de Araújo - FURG 1 7.1 Ancoragem por aderência R sd τ b = Força de tração de cácuo = tensões de aderência f bd = vaor médio

Leia mais

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial

Aluno: Filipe Sacchi da Silva Orientador: Marco Antonio Meggiolaro. Figura 1 Primeira telecirurgia mundial Desenvovimento e controe de um manipuador robótico de ata potência com dois graus de iberdade Auno: Fiipe Sacchi da Siva Orientador: Marco Antonio Meggioaro. Introdução Na sociedade atua, há uma crescente

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace.

1.7 Tensão superficial, espalhamento de líquidos, ângulo de contato e equação de Laplace. 1.7 Tensão superficia, espahamento de íquidos, ânguo de contato e equação de Lapace. 1.7.1 Tensão superficia As interfaces 6 entre íquidos e gases (superfícies) e entre diferentes íquidos são regiões de

Leia mais

1 2 CR 2) CM = Assim: 3 2 = CR 2 CR = 3 3) BC = CR + RB Assim: BC = 3 + 4 BC BC = 7. ( 3) x + y + z = 10,00 + 3x + y + 2z = 21,50 ( 3) ( 8)

1 2 CR 2) CM = Assim: 3 2 = CR 2 CR = 3 3) BC = CR + RB Assim: BC = 3 + 4 BC BC = 7. ( 3) x + y + z = 10,00 + 3x + y + 2z = 21,50 ( 3) ( 8) João entrou na anchonete G e pediu hambúrgueres, suco de aranja e cocadas, gastando $,0. Na mesa ao ado, agumas pessoas pediram 8 hambúrgueres, sucos de aranja e cocadas, gastando $ 7,00. Sabendo-se que

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais