A NARRATIVA TRANSMÍDIA COMO MÉTODO EDUCATIVO QUE PRIVILEGIA O LETRAMENTO MIDIÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NARRATIVA TRANSMÍDIA COMO MÉTODO EDUCATIVO QUE PRIVILEGIA O LETRAMENTO MIDIÁTICO"

Transcrição

1 A NARRATIVA TRANSMÍDIA COMO MÉTODO EDUCATIVO QUE PRIVILEGIA O LETRAMENTO MIDIÁTICO Patricia Gallo 1 (UFRN) Maria das Graças Pinto Coelho 2 (UFRN) Resumo: Com atenção às oportunidades que o letramento midiático abre no processo pedagógico, apresentamos a narrativa transmídia como método educativo que o privilegia, por ser participativa por essência em que alunos e professores pela integração de múltiplos textos em variadas linguagens e, por meio das mídias, estabelecem uma experiência mais ampla de interação com o objeto de conhecimento, de forma individual, mas principalmente coletiva, dentro e fora da escola. Assim, o método consiste na escolha do conteúdo curricular pelos professores, estabelecendo sobre ele uma narrativa e uma trama que contenha em sua estrutura: um personagem que deseje algo ou que tenha um objetivo a ser confrontado e, ao alcançá-lo, que haja uma transformação. Pela riqueza do universo são criados complementos de uma narrativa principal, utilizando mídias tradicionais e contemporâneas. É no mapeamento da aprendizagem em rede, ou seja, na exploração do universo pelos alunos que os dados são coletados, em seguida, analisados, evidenciando ou não reflexos na aquisição do letramento midiático e no desempenho escolar. Palavras-chave: Letramento Midiático, Narrativa Transmídia, Método Educativo. Abstract: With attention to opportunities open with media literacy in the educational process, we present a transmedia storytelling as an educational method that favors to be participatory by nature, in which students and teachers by integrating multiple texts in various languages across media, provide a extensive experience of interaction with object of knowledge, individually, but mostly collective, inside and outside the school. The method consists in choosing the curriculum content by teachers, setting it on a storytelling and a plot that contains in its structure: a character wants something or has a goal to be confronted and when he achieves, there is a transformation. By richness of universe are created count complements a main narrative, using traditional and contemporary media. It is in mapping of network learning, in other words, in exploration of universe by students that data is collected, then analyzed, showing reflections or not in acquisition of media literacy and school performance. Keywords: Media Literacy, Transmedia Storytelling, Educacional Method

2 Introdução O termo letramento tem recebido palavras complementares ou a atribuição do plural para dar conta de atender as habilidades e competências que são necessárias ao sujeito no exercício da cidadania e na construção de conhecimento numa sociedade do conhecimento que se conecta em redes sociais tecnológicas. Habilidades essas que vão além do hábito e convívio da leitura e da escrita. Novos formatos de mídia originaram novas linguagens (e vice-versa), com nítidos reflexos nos processos comunicacionais, culturais e de ensino-aprendizagem. A computadorização como padrão das novas mídias geraram a produção de palavras, imagens e vídeos em formato numérico, produzidos e lidos em qualquer dispositivo com esse mesmo padrão. Portabilidade, mobilidade e interatividade são exigências do consumidor no momento de decisão pela compra de um artefato tecnológico que possa ir com ele para qualquer lugar e que o permita estar em contato com seus pares. A convergência de mídias tem nos permitido acessar, compartilhar, produzir e editar informação usando o mesmo artefato tecnológico. O resultado dessa facilitação de acesso é uma imensurável quantidade de informações e signos para serem selecionados, lidos, compartilhados, aprendidos, editados, remixados, reproduzidos, dentre outras atividades. É inevitável que façamos os questionamentos: temos tais habilidades para exercermos as práticas socioculturais através de artefatos tecnológicos de forma básica ou plena? Como pensar em um método de aprendizagem que privilegie o letramento que é exigido hoje? A escola pode desencadear esse processo? Na busca por respostas a estas questões, esse artigo objetiva refletir sobre a narrativa transmídia como método educativo que privilegia o letramento que chamaremos, aqui, de midiático, por envolver não apenas signos de artefatos tecnológicos digitais, mas de analógicos também

3 Contexto de uso: processos educacional e comunicacional Mimi Ito (apud Reilly, 2009, p.9, tradução nossa) nos apresenta um contexto de uso das mídias e tecnologias, chamando atenção para a influência do outro na formação da identidade e, também, na construção de conhecimento. Além do que os estudantes estão aprendendo na escola, eles estão se conectando socialmente e estão sendo influenciados pelo conhecimento do outro. Esses mentores informais têm efetivamente estado entre as muitas fontes que influenciam os processos infantis de construção do conhecimento e de formação de identidade (ITO apud REILLY, 2009, p.9). Sabemos que a escola não pode e não deve ficar às margens do processo comunicacional através das mídias. É necessário que ela se aproprie do potencial comunicacional dos indivíduos através de interfaces tecnológicas para oportunizar um processo educacional mais interacional, gerando benefícios na aprendizagem dos alunos. Trata-se, então, de uma mudança de pensamento que requer planejamento e engajamento de todos os atores educacionais. É evidente que o processo educacional extrapola os muros da escola, até mesmo quando estão envolvidas apenas atividades acadêmicas. Os alunos colaboram e cooperam entre si na busca por soluções aos afazeres e demandas escolares e, também, não escolares. Os variados artefatos tecnológicos têm facilitado essa comunicação entre eles. Retomamos nossos questionamentos: Como tem sido o uso desses artefatos tecnológicos por eles? Quais habilidades e competências estão envolvidas no processo? Quais outras deveriam ser trabalhadas? Alguns estudiosos no assunto nos dão alguns direcionamentos no caminho para chegarmos às respostas, por exemplo, Livingstone (2004, tradução nossa) aponta que o letramento midiático envolve habilidades de acesso, a análise, a avaliação e criação de conteúdo. A autora menciona a importância do indivíduo não ser apenas consumidor de mídia, mas que seja também cidadão, ou seja, um participante crítico do processo comunicacional

4 Para Hobbs (2010, tradução nossa) cinco são as competências que trabalham juntas em círculo e dão suporte ao consumo e criação de mensagens. São elas: acessar, analisar e avaliar, criar, refletir e agir/atuar. Jenkins (et al., 2006, tradução nossa) detalham que o letramento midiático envolve habilidades sociais e competências culturais. Os autores aprofundam o olhar e listam 11 habilidades e capacidades que são necessários para o indivíduo participar de uma cultura convergente: Cooperação a capacidade de experimentar com seu entorno como uma forma de resolução de problema; Atuação a habilidade de adaptar identidades alternativas com a finalidade de improvisação e descoberta; Simulação a habilidade de interpretar e construir modelos dinâmicos de processos do mundo real; Apropriação a habilidade fazer amostras e ressignificar conteúdo de mídia; Multitarefa a habilidade de examinar um ambiente e alterar o foco como necessário para detalhes importantes; Cognição Distribuída a habilidade de interagir, significamente, com ferramentas que expandem as capacidades mentais; Inteligência Coletiva a capacidade de agrupar conhecimento e comparar anotações com outros em direção a um objetivo comum; Julgamento - a capacidade de avaliar a confiabilidade e credibilidade das diferentes fontes de informação; Navegação Transmídia a capacidade de acompanhar/seguir o fluxo de histórias e informações através de modalidades múltiplas; Conectismo a capacidade de pesquisar, sintetizar e divulgar informações e; Negociação a capacidade de transitar através de comunidades diversas, discernindo e respeitando perspectivas variadas, e adotando e seguindo normas alternativas (JENKINS; et al., 2006, p. 4, tradução e destaque nosso). Reilly (2009), pesquisadora do grupo NML (New Media Literacy), amplia a lista de Jenkins (et al., 2006), incluindo a percepção a habilidade de interpretar e criar representações de dados a fim de expressar idéias, encontrar padrões, e identificar tendências (REILLY, 2009, p.8, tradução nossa). O conjunto elaborado por Jenkins (et al., 2006) e Reilly (2009) apresenta habilidades e competências tanto no uso individual de artefatos tecnológicos quanto no uso coletivo, ao interagirem entre si. Já Livingstone (2004) e Hobbs (2010) estabelecem as habilidades e competências com o foco mais no uso individual, mesmo citando a colaboração em algumas descrições

5 Como já mencionado no tópico anterior, estamos propondo um método educativo que possa privilegiar tais habilidades e competências do letramento midiático, bem como que possa mediar, individual e coletivamente, com a intervenção do professor, a construção de conhecimento e a formação de identidade desses alunos quando utilizam artefatos tecnológicos em suas práticas socioculturais e educacionais. Moran (2007) diz que a sala de aula será um espaço de início e finalização de atividades de ensino-aprendizagem. O meio desse processo será intercalado com momentos em que frequentamos outros ambientes físicos. Assim, a escolha pela narrativa transmídia deu-se por estabelecer uma prática participativa por essência em que indivíduos (alunos e professores), pela integração de múltiplos textos em variadas linguagens e, por meio de artefatos tecnológicos, estabelecem uma experiência mais ampla de interação com o objeto de conhecimento, de forma individual, mas principalmente coletiva, dentro e fora da escola (JENKINS, 2009). A narrativa transmídia A narrativa transmídia pode ser vista como um raciocínio, ou seja, os indivíduos acompanham o conteúdo ou a história e vão fazendo suas conexões entre as partes para a compreensão de uma mensagem principal. Nesse processo, o pensamento converge e não as mídias e tecnologias em si. Cada indivíduo se apropria da mensagem de forma única. Para que isso aconteça é preciso integrar os elementos de uma narrativa para serem contados por variadas mídias, usando multiplas linguagens. A narrativa O texto narrativo tem como base uma ação ou um objetivo que envolve personagens, conflito, transformação, tempo e espaço. Ou seja, personagens que - 5 -

6 desejem algo ou tenham um objetivo. Que esse objetivo será confrontado e que haja conflito ou confronto. Ao alcançá-lo (ou não), que passem por transformação. Há muitos exemplos na indústria do entretenimento com essa estrutura de narrativa, não apenas narrativas com envolvendo heróis e bandidos. Exemplos: Comer, Amar e Rezar, Rio, Central do Brasil, Quem quer ser um milionário, Gattaca: Experiência Genética, dentre tantas outras. Na adaptação de aplicação da narrativa, do entretenimento para a educação, o método consiste na escolha de um conteúdo curricular, com os professores estabelecendo sobre ele uma trama com os elementos mencionados e um universo, feito de narrativas complementares a ser explorado. Segundo OHLER (2008), três padrões podem ser considerados nas narrativas digitais ao posicioná-la como ferramenta educacional: conteúdo (currículo), tecnologia e artes da linguagem. A figura 1 apresenta um retrato visual da narrativa, mostrando como pode ser adaptada para fins educacionais. Figura 1: Retrato visual da narrativa Fonte: OLHER (2008, tradução nossa) - 6 -

7 Com o conteúdo curricular escolhido, o próximo passo é transformá-lo em narrativa, determinando o início, meio e fim. É importante que haja alguma problemática para gerar conflito, pois é nesse ponto que o engajamento se amplia, e os alunos se empolgam em busca da resolução e do desfecho. Além de esquematizar a narrativa principal, é requerido que haja o desenvolvimento de narrativas complementares sobre o mesmo conteúdo curricular, ou seja, é complementar porque não é essencial para o entendimento da temática, porém ao serem conhecidos enriquecerão a narrativa e a tornarão mais completa e interessante, pois as narrativas complementares detalham algumas especificidades do conteúdo curricular. A figura 2 apresenta um mapa da narrativa completa, incluindo a principal e as complementares. Figura 2: Mapa da narrativa completa Fonte: dos autores A transmídia Com a narrativa estruturada, o próximo passo é determinar que mídias ou tecnologias contam/abordam a narrativa principal e as demais complementares. É isso que a torna uma narrativa transmídia, pois é na exploração do conteúdo curricular através de variadas mídias e usando variadas linguagens que a participação deve acontecer. Para que a participação aconteça, os alunos precisam assumir o papel de caçadores, acompanhando e intervindo sobre o fluxo e os pedaços da narrativa por - 7 -

8 diferentes mídias (tradicionais e contemporâneas), comparando e compartilhando suas descobertas e coletas, por meio de ferramentas on-line com outros alunos, para se chegar a novas descobertas, tornando a experiência de interação com o objeto de conhecimento mais envolvente e rica. A figura 3 apresenta o mapa da narrativa transmídia. Figura 3: Mapa da narrativa transmídia Fonte: dos autores Ressaltamos alguns aspectos sobre as escolhas das mídias e tecnologias, pois em cada pedaço da narrativa é preciso pensar qual a forma de participação que será esperada do aluno. Para isso, o professor precisa conhecer as especificidades e potencialidades de cada mídia ou tecnologia para, então, poder avaliá-la no que refere-se aos objetivos da narrativa pensada anteriormente. Bautista (apud Pratten, 2011) estabelece, através de duas formas de participação e duas formas de experiência, a classificação das mídias e tecnologias em uma narrativa transmídia: participação passiva e participação ativa, experiência individual e experiência social. Com essa classificação, a decisão de escolha das mídias e tecnologias torna-se mais criteriosa e consciente, relacionando-a com o público-alvo e as habilidades e competências que serão envolvidas no processo de exploração da narrativa. Em consequência, o letramento midiático está sendo privilegiado

9 As possíveis contribuições da narrativa transmídia Quanto mais rica em elementos e em detalhes for a narrativa, com tramas que estimulem a vontade de exploração, maiores serão as oportunidades educacionais em potencial, bem como as oportunidades de privilegiar o letramento midiático. Visualizarmos na proposta de utilizar os princípios da narrativa transmídia como método, potencialidades pedagógicas e educativas, oportunizando uma dinâmica de aprendizagem mais interacional e envolvente. Reilly (2009, tradução nossa) defende que as interações digitais produzem mais conhecimento e influenciam o ambiente de aprendizagem de um modo substancial, impulsionando o desenvolvimento da cognição. Os alunos iniciam o contato com o conteúdo curricular escolhido na escola e, mantém esse contato, explorando o universo elaborado também fora da escola. Ao mesmo tempo, as habilidades e competências ligadas ao letramento midiático são estimuladas e trabalhadas. É importante ressaltar que o aluno não apenas explora o universo no sentido de espectador, mas a exploração abrange, essencialmente, a interação, ou seja, o aluno, cooperativa e colaborativamente, amplia e complementa a narrativa, por meio de mídias que são bidirecionais, favorecendo a aprendizagem permanente, nos espaços formais e informais de educação. Demo (2008, p.1) defende que a expectativa mais profunda na era digital é a da aprendizagem permanente (everytime, eveywhere): como um direito de todos poderem aprender em qualquer lugar e tempo, mesclando presença física e virtual. A aprendizagem permanente mencionada por Demo faz parte da mudança de pensamento que mencionamos no início dessa reflexão, pois entendemos que práticas que estimulem a continuidade do processo de ensino e aprendizagem em outros espaços físico e com a presença virtual devam ser estimuladas pelos gestores e planejadas pelos professores e coordenadores pedagógicos

10 Considerações Finais Na narrativa transmídia, com as adaptações necessárias, pois os contextos de uso no entretenimento e na educação são diferentes, o aluno é convidado a explorar o conteúdo curricular através das variadas mídias, em forma de narrativa. Em pesquisa, pretendemos contribuir na ampliação do aporte teórico sobre o letramento midiático e o uso das tecnologias e mídias na rede pública de educação básica brasileira, com o foco em efetivas oportunidades educativas para o indivíduo participar de uma cultura midiatizada, como consumidor e como cidadão. Referências DEMO, P. TICs e Educação. Blog Prof. Pedro Demo, Disponível em: <http://pedrodemo.sites.uol.com.br/textos/tics.html> Acesso em 20 maio JENKINS, H. Cultura da Convergência. Rio de Janeiro: Aleph, JENKINS H (et al.) Confronting the Challenges of Participatory Culture: Media Education for the 21st Century. The MacArthur Foundation. Chicago, Illinois, HOBBS, R. Digital and media literacy: A Plan of Action. Washington, D.C: The Aspen Institute, LIVINGSTONE, S. Media literacy and the challenge of new information and communication technologies [online]. London: LSE Research Online, MORAN, J. M. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus, OHLER, J. Digital storytelling in the classroom: new media pathways to literacy, learning and creativity. California: Corwin Press, PRATTEN, R. Getting started in transmedia storytelling: a practical guide for beginners. USA: Robert Pratten, REILLY, E. What is Learning in a Participatory Culture. Threshold. [co-editor of Spring], Patricia GALLO, Doutoranda. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) 2 Maria das Graças Pinto COELHO, Profa. Dra. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

Tecnologia e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? Technology and curriculum: convergent or divergent trajectories?

Tecnologia e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? Technology and curriculum: convergent or divergent trajectories? Tecnologia e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? Technology and curriculum: convergent or divergent trajectories? Katia Alexandra de Godoi e Silva* * Doutora em Educação: Currículo, na

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E SALAS DE AULAS DO SESC LER SURUBIM, ESPAÇOS CONECTADOS, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E SALAS DE AULAS DO SESC LER SURUBIM, ESPAÇOS CONECTADOS, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E SALAS DE AULAS DO SESC LER SURUBIM, ESPAÇOS CONECTADOS, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Resumo Marcos Antonio Celestino Costa¹, Mirelly Shyrleide Praseres da Silva 1. marcostonycel@yahoo.com.br

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR

MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR 88 MÍDIA INFORMÁTICA E INTERNET NA EDUCAÇÃO INFANTIL: USO DE BLOG ESCOLAR Karine Queiroz Lagranha karinelagranha@ig.com.br 1 Resumo Este artigo apresenta um estudo de caso com uma turma de educação infantil

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Educação, Tecnologias e Formação de Professores

Educação, Tecnologias e Formação de Professores Educação, Tecnologias e Formação de Professores Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Coordenadoria Institucional de Educação a Distância Universidade Aberta do Brasil Aula Inaugural

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL RESUMO Rejane Cunha Freitas 1 Orientador: Marco Silva Dada a expansão de cursos de graduação

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ABSTRACT

SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ABSTRACT SOFTWARE EDUCATIVO: UMA FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL SANTOS, BRUNA MARTINS RIBEIRO DOS 1 DIAS, NATÁLIA CRISTINA 2 CASTILHO, Otávia Vieira Rodrigues de 3 ALVES, SABRINA

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: aluno; ensino de ciências; história em quadrinhos.

RESUMO. Palavras-chave: aluno; ensino de ciências; história em quadrinhos. A PRÁTICA PEDAGÓGICA E A HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS Camila Rocha Pergentino da Silva (Instituto de Biociências - UNESP Botucatu) Claudia Diniz Lopes de Oliveira (Instituto de Biociências

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE *

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * 1 A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * Valéria Jane Siqueira Loureiro (Universidade Federal de Sergipe) RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR Carina Aparecida Bento da Costa 1 Cláudia da Silva Cunha 2 Liliane Patrícia Oliveira Rezende 3 RESUMO O presente trabalho consiste em fazer uma reflexão

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM 1 O USO DAS REDES SOCIAIS EM SALA DE AULA: REFERÊNCIAS AO MODELO SÓCIO INTERACIONISTA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM Lygia de Assis Silva (lygia1@hotmail.com) - UFPE Rayanne Angela Albuquerque dos Santos

Leia mais

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA BEATRIZ RENEIS LUIS¹, FELIPE DE PAULA RUI² e LUCIENE APARECIDA GOUVÊA NOGUEIRA³ biareneis@gmail.com,

Leia mais

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA

REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA REFLEXÕES TEÓRICAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR A PARTIR DA ABORDAGEM CRÍTICO SUPERADORA 55 Edvaldo José de Oliveira Júnior, Rita de Cássia Cornetti Oliveira, José Ricardo Silva Faculdade de Presidente

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin OFICINAS DE CINEMA Viviane Scalon Fachin Resumo Destacamos, neste trabalho, a utilização de vídeos educativos e demais produções cinematográficas para o ensino de História no Ensino Médio. Vivemos uma

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD

REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD REDES SOCIAIS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EAD Curitiba PR - Setembro 2014 Luís Fernando Lopes Centro Universitário UNINTER luis.l@grupouninter.com.br Cecília de Souza Pestana Centro Universitário

Leia mais

O TRABALHO EM GRUPO COMO METODOLOGIA DE ENSINO EM CURSOS E DISCIPLINAS ON-LINE

O TRABALHO EM GRUPO COMO METODOLOGIA DE ENSINO EM CURSOS E DISCIPLINAS ON-LINE 1 O TRABALHO EM GRUPO COMO METODOLOGIA DE ENSINO EM CURSOS E DISCIPLINAS ON-LINE 05/2005 Doralice Inocêncio - Universidade de Santo Amaro - dinocencio@unisa.br Carolina M. C. Cavalcanti - Universidade

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo.

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo. 1 Introdução Quando nos propomos a pensar o quê um professor pode usar na sua relação com os alunos em sala de aula como recurso didático, o que imaginamos? Há um universo de possibilidades para estabelecer

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Educação à Distância - Superando Barreira

Educação à Distância - Superando Barreira Educação à Distância - Superando Barreira Autora: Rosilene da Silva Oliveira (UNITINS) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente artigo tem como objetivo a finalidade da conclusão

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES

A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES 1 A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES Recife PE Maio 2009 Flávia Barbosa Ferreira de Santana Universidade Federal de

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística PROYECTOS DE APRENDIZAJE EN LA ENSEÑANZA DE LA ESTADÍSTICA Mauren Porciúncula y Suzi Pinto Universidade Federal do Rio Grande (Brasil) mauren@furg.br, suzisama@furg.br Para que el aprendizaje ocurra, es

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 www.cisco.com.br/educação 2011 Cisco and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Educação 1.0 Educação 2.0 Educação 3.0 Tecnológica Rural Tradicional 2011 Cisco and/or its affiliates.

Leia mais