MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS"

Transcrição

1 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS Autor: Bruno Martins Guimarães Orientadora: Fabiane Muniz Data de entrega: 27/07/2005

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS OBJETIVO: Relatar a concorrência e tendências do mercado de seguros, que só sobreviverá somente as grandes seguradoras que procurar trabalhar com uma boa análise de riscos dentro de um contexto de marketing, formando uma ótima carteira de clientes e fidelizando todos com um ambiente claro, transparente onde o segurado se refere como exemplo. Deixando claro que o objetivo do marketing é Oferecer o produto/serviço certo, Para as pessoas certas, no lugar certo, na hora certa, com o preço certo, usando a comunicação e a promoção adequadas.

3 AGRADECIMENTOS 3 A todos os alunos da turma e ao corpo docente do Projeto a vez do mestre. Sem esquecer de Deus que meu deu o Dom da Vida, discernimento e paciência para vencer todos os desafios.

4 DEDICATÓRIA 4 Dedico esta monografia a todas as pessoas que de certa forma colaboraram para o meu crescimento intelectual, que no princípio souberam me entusiasmar, e hoje procuram me acalmar devido a falta de tempo e ao cansaço do dia a dia agitado, principalmente aos meus pais e meu irmão (Sandra, Joel e Alex), por sempre escutar todos os meus desabafos, à minha namorada Aline por estar sempre aturando eu falar do mesmo assunto referente ao famoso e belo estudo.

5 RESUMO 5 A cultura do seguro não foi aplicada de forma adequada no decorrer destas últimas décadas, portanto, para um melhor empenho neste ramo é necessário que a população fique bem informadas em todos os aspectos. Portanto, a evolução histórica do produto do Seguro, fundamentos de seguros e alguns conceitos é importante para visualizar a dimensão do Macroambiente do seguros no Brasil, e em seguidas despertar a importância do Marketing no dia a dia no mercado de seguros. O Marketing de seguros no Brasil não é tão desenvolvido em relação ao número de seguradoras existente, logo, este contexto deve ser melhorado, pois, a concorrência acirrada desta área é necessário profissionais bem preparados para o alcançar um lugar de representatividade à concorrência. O Seguro no Brasil é um produto consumido em percentuais ainda insatisfatórios, logo para reverter este quadro, é necessário uma boa análise do mercado segurador em relação com os consumidores, para desenvolver produtos/serviços certos dentro de um atendimento rápido e eficaz.

6 METODOLOGIA 6 Fonte de orientação e pesquisas para clientes leigos na área marketing de seguros com dados surpreendentes sobre o mercado de seguros, seus consumidores e o que as empresas estão fazendo na área de marketing, para criação de novos produtos. Além disto, apresenta o histórico e uma conceituação básica sobre o produto de seguros, dirigido aos leitores interessados na parte técnicas do objeto de comercialização.

7 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 08 CAPITULO I 11 PRODUTO SEGURO 11 CAPITULO II 29 O MACROAMBIENTE DO SEGURO NO BRASIL 29 CAPITULO III 43 MARKETING DE SEGUROS 43 CAPITULO IV 61 COMPORTAMENTO DE MARKETING NO MERCADO DE SEGUROS 61 CONCLUSÃO 76 BIBLIOGRAFIA 77 ÍNDICE 79

8 8 INTRODUÇÃO O cenário para a industria de seguros no Brasil se apresenta o mais promissor das últimas décadas, mais para adaptar-se ao marketing, muitos desafios ainda estão por ser vencidos, quais as tendências de diversos setores da área de seguros relacionado ao Segurado? Discriminar serviços de Seguradoras em comum, aplicando técnicas para a maior divulgação da excelência em atendimento. Seguros: É a operação pela qual o segurado mediante o pagamento de um prêmio e observância de cláusulas de um contrato, obriga o segurador (seguradora) a responder perante ele, ou perante quem tenha designado, por prejuízos ocorridos no objeto do seguro, desde que a ocorrência de tais riscos tenha sido fortuita ou independente de sua vontade. É o meio coletivo, mutualista, de presumir os indivíduos contra as conseqüências financeiras possíveis dos riscos aos quais são submetidos as pessoas da coletividade, bem como seus bens ou eventos de riscos resultantes das responsabilidade que as mesmas pessoas associadas possam incorrer frente à frente com terceiros em suas pessoas ou em seus bens. Atuário norte americano. A finalidade do seguros é restabelecer o equilíbrio econômico perturbado pelo evento previsto no contrato de seguros. Marketing : Segundo Kotler (2000, p. 30): Marketing é um processo social por meio de quais pessoas e grupos obtêm aquilo de que necessitam e que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valos com outros. Características do Marketing de Serviços e suas aplicações em seguros ( Intangibilidade; Inseparabilidade; Heterogeneidade na sua prestação; Garantia intangível; Não aceita troca; Avaliação subjetiva; Difícil comparação de preços; o atendimento é a própria empresa; a marca é essencial; a compra é mais emocional do que racional.

9 9 Assim como os resultados administrativo e financeiro das Seguradoras representam a materialização das técnicas de administração e finanças, o faturamento é o resultado da aplicação das técnicas de Marketing. No universo pouco superior a uma centena de Seguradoras, poucas são aquelas que mantêm assessorias ou departamentos especializados em Marketing. A maioria das Seguradoras têm atribuída a responsabilidade do Marketing aos departamentos comerciais, que têm as funções principais de assistência e controle da produção. O Marketing desenvolve-se de forma precária no processo comercial da maioria das Seguradoras, o que pode explicar muitos fracassos na comercialização de Seguros. Ao longo dos anos, a produção de prêmios do mercado segurador brasileiro não apresentou evolução significativa, salvos os efeitos do Plano Real que tiveram pouca influência da prática de Marketing. A ação do Marketing praticado pelas Seguradoras no Brasil é de guerra, pois a disputa é caracterizada pela troca de produção entre os concorrentes. Atualmente, o Brasil representa um dos maiores potenciais de Seguros do mundo, o que aguça os interesses dos investidores internos e externos. Assim, o risco da descontinuidade para as Seguradoras tende a ser maior, pois novos concorrentes surgem no mercado para disputar uma produção global com crescimento pouco expressivo. Enquanto os investidores planejam seu ingresso no mercado, as Seguradoras instaladas deveriam exercitar o Marketing para expandir o consumo de Seguros. Porém, ao que parece, as Seguradoras ignoram o potencial magnífico de mercado, preferindo concorrer aos consumidores mais fáceis de se conquistar: aqueles que já estão habituados ao Seguro. Apesar disso, algumas Seguradoras têm conseguido manter a Clientela e disputar os Segurados da concorrência, e essa capacidade se deve por conquistarem a preferência dos Segurados pela qualidade dos serviços oferecidos.

10 10 Para que o "bolo" satisfaça às Seguradoras atuais e às futuras é primordial que o potencial não explorado de consumidores seja estimulado ao consumo do Seguro. Não há outra ferramenta mais própria do que o Marketing para operar esse objetivo, que certamente é o maior deles para o crescimento do Setor. Como tratamos de um objetivo comum, o Marketing deveria ser praticado em conjunto pelos integrantes do Sistema Nacional de Seguros Privados. Seguradoras que analisa o consumidor como instrumento para cada vez mais descobrir suas necessidades para focar seus produtos e serviços procurando um diferencial neste ramo. Logo a procura de seguradoras com bons serviços dentro de um conceito de mercado, facilitando a relação de bolso e consumo, dentro de um atendimento rápido e eficaz.

11 11 CAPITULO I O PRODUTO SEGURO Antes de analisarmos o marketing de seguros, torna se fundamental um entendimento do produto, o que irá estabelecer as bases para qualquer ação mercadológica. De forma sucinta, vamos procurar definir a essência da matéria.

12 1.1 Evolução histórica 12 Desde os primórdios da civilização, o homem esteve preocupado com a conservação de seu patrimônio ou prevenção contra situações desagradáveis face as incertezas do futuro, Reportando-nos ao passado, podemos observar pela documentação existente que povos como hebreus e fenícios já se reuniam a fim de contribuir nas despesas que os mercadores pudessem ter quando atravessavam as planícies da Palestina, Arábia e Egito, ou mesmo os mares do Mediterrâneo e Egeu. Caso a mercadoria sofresse avarias ou desaparecesse, o mercador era reembolsado em suas despesas com os recursos angariados pelo grupo. Na Grécia Clássica, no século IV a.c., eram conhecidos entre os mercadores os bottomry bonds, que consistiam em adiantamentos em dinheiro ao proprietário do navio durante a viagem. Uma taxa adicional preestabelecida seria paga caso nada acontecesse ao navio e, em caso de danos, o tomador estaria livre da obrigação de pagamento do empréstimo. Na Roma Antiga já era praticado o seguro de vida anual ou com propósitos legais e, segundo informações, o seguro baseava-se em estimativas e não em estatísticas. Importantes instituições de instituições previam auxílio financeiro ao associado em despesas relacionadas a funerais e auxílio pós-morte. Citamos entre outros as Hetairas (Grécia Antiga); as Eranites (helênicas); as Sodalites (romanas) e as Ghildes (gregas). Muitos dos guilds ingleses foram organizações encorajadas pela Igreja em vista de seus objetivos religiosos e atividades beneficentes. Os guilds mais proeminentes ajudavam os membros mais pobres pagando prejuízos por incêndio, roubo, doença, funerais e ainda amparavam viúvas e órfãos. Seguros de doenças (sickness insurance) apareceram no século XVIII através das

13 Sociedades de Amizade (Friendly Societies). 13 Como podemos observar, há muito tempo os grupos sociais buscaram formas de prevenção contra ocorrências aleatórias que viessem a prejudicar os seus membros. O início do seguro comercial não é de consenso entre os pesquisadores e escritores, entretanto pode-se afirmar que tenha começado com o seguro marítimo, provavelmente entre os florentinos e outros mercadores italianos, no final do século XIII. O comércio marítimo foi o que alcançou maior desenvolvimento, beneficiando as cidades portuárias com coberturas securitárias. Portugal está entre os primeiros países a legislar sobre o seguro. Segundo consta, no reinado de D. Fernando ( ), houve a instituição da primeira companhia de seguros contra riscos marítimos. Segundo SOARES, Antônio Carlos Otoni.1975, A Casa de Seguros de Lisboa foi instituída pelo alvará de 11 de agosto de Uma das suas finalidades era o registro de contratos marítimos. Esta empresa foi de grande importância para o seguro no Brasil, pois as primeiras atividades seguradoras eram controladas pela Casa de Seguros de Lisboa. Portanto, segundo TORRES, Arnaldo Pinheiro.1975 os seguros marítimos foram, assim, os primeiros a serem objeto de uma regulamentação, e, rapidamente, num ritmo igual ao das descobertas e do aparecimento de novos mercados, alcançaram um invulgar desenvolvimento, antes mesmo que os outros ramos de seguros fossem conhecidos. Em 1951, proprietários de cem fábricas de cerveja reuniram-se para formar uma empresa com a finalidade de protegê-las, contra riscos de incêndio. A empresa foi denominada Contrato de Fogo e operava em Hamburgo, na Alemanha. A Caixa de Incêndio da Cidade de Hamburgo constituiu-se em 1676, quando 46 entidades se filiaram, criando o que pode ser considerado a primeira empresa de seguros de incêndio da Europa. Na Inglaterra, o seguro contra incêndio servia de complemento às atividades dos

14 14 banqueiros da Lombard Street. A primeira empresa criada foi a Fire Office, aproximadamente em 1680, que mais tarde foi denominada de Phenix. Em 1683 fundou-se a Friendly Society, como concorrente da Fire Office. Em 1696 apareceu a Amicable Contributors For Insuring From Loss By Fire, também com esquema de mutualidade com garantia dos próprios meios. Um fato que merece destaque na história dos seguros é a origem do Lloyd's of London. Na Inglaterra houve uma época em que os cafés faziam grande sucesso. O hábito originou-se entre 1650/60, exatamente na época dos puritans (moralidade), quando o povo inglês se viu de repente em nova situação, sendo cortados muitos dos prazeres que costumavam ter em suas horas de lazer, em épocas anteriores. Com isto, os cafés começaram a ser um meio em que os cidadãos se encontravam com amigos em ambiente familiar, quebrando assim a monótona rotina do dia. Edward Lloyd tinha seu café na Tower Street, em Londres. Neste café reuniam-se mercadores, armadores e seguradores, sendo um dos mais importantes locais de negócios na época. Um anúncio na London Gazette, em fevereiro de 1688/89, onde um cidadão informava o roubo de seus pertences e relógio, citava como local para contato e conseqüente recompensa o seu endereço residencial ou a "Lloyd's Coffee House na Tower Street" ( GIBB, D.E.W.loyd s of london. 1957). Em 1691, o café mudou se para a Lombard Street e tornou-se local de encontro habitual entre seguradores e corretores. O proprietário lançou um jornal, o Lloyd's News, que não foi bem sucedido, tendo sido posteriormente desativado, mas que serviu para propagar mais ainda seu nome nos meios comerciais. A casa tornou-se ponto de referência do mundo dos negócios, informações marítimas eram trocadas neste local, que, como os meios de comunicação não eram tão desenvolvidos, acabou funcionando como verdadeira fonte de informação. Um escritor da época, Ned War, mencionou em um de seus trabalhos, The wealthy shopkeeper, ao descrever um dia normal na vida de um ativo mercador: "foi ao Lloyd's

15 Coffee House para negócios foi a diferente café para recreação.(ibidem). 15 Em 1870 era mantido um registro de navegação pela Society of Underwriters at Lloyd's Coffee House (Sociedade dos Seguradores do Café do Lloyd), que formou o núcleo do Lloyd's. Como este local não era suficiente para o uso exclusivo de seguradores e corretores, um novo estabelecimento foi inaugurado no Pope's Head Alley. Em contínua expansão, em 1928 a Lloyds mudou se para seu edifício próprio, na Lead Enhall Street, em Londres, Hoje em dia, o Lloyd's é um importante centro de comercialização de seguros. No Brasil, o seguro foi impulsionado com a abertura dos portos brasileiros ao comércio com as nações amigas de Portugal, em A primeira sociedade brasileira a operar foi a Companhia de Seguros Boa Fé, com sede na Bahia, criada pela lei de 24 de fevereiro de Entretanto, na quinta cláusula dos estatutos mencionava: "as regulações da Casa de Seguros de Lisboa, aprovadas por sua Alteza Real, serão as bases de conduta desta sociedade. (SOARES, Antônio Carlos Otoni.1975). No fim do século XVII e princípio do século XVIII, esta companhia era explorada por agentes de casas portuguesas com base nos alvarás publicados pela Corte do Reino Unido de Portugal. Em 29 de abril de 1828, foi autorizada por D. Pedro I a fundação da Sociedade de Seguros Mútuos Brasileiros destinada ao seguro marítimo, estabelecendo franquias e riscos a partir da assinatura das apólices. O seguro no Brasil alcançou uma padronização e sistematização somente com o Código Comercial de 25 de junho de 1850, onde o seguro marítimo foi pela primeira vez estruturado e regulamentado. Finalmente, o seguro brasileiro desenvolveu-se na ultima década do século XIX, com o início da industrialização; com isto, varias empresas estrangeiras estabeleceram-se no

16 16 Brasil e, como conseqüência, forneceram know how e técnicas resultantes de suas experiências de vários anos. 1.2 Fundamentos do seguro A partir desta rápida visão histórica podemos inferir que a noção de previdência surgiu da necessidade de uma proteção contra eventos aleatórios que pudessem destruir o patrimônio a os bens, preocupação natural do ser humano. O fato gerador de todas as iniciativas previdenciárias mencionadas foi o risco aleatório. O risco, portanto, é a base do seguro. Torna-se se importante mencionar que existem alguns riscos impossíveis de serem objeto de seguro. É o chamado risco especulativos. Neste caso, existe a possibilidade de ganho é perda. O risco é praticamente criado por alguém. É o caso de um indivíduo que funda uma empresa e com isto corre o risco de ganhar um bom retorno sobre o capital aplicado ou de perder tudo. Caso não for bem sucedido, poderá até ocorrer um endividamento, além da perda deste capital. O empresário neste caso deseja correr estes riscos, caso contrário não se envolveria no empreendimento. Podemos citar também o exemplo de um jogador que procura o jogo com a finalidade de entreter-se ou então de ganhar ou perder uma importância destinada para estes fins. Risco segurável é aquele chamado de risco puro, ou seja, existe a possibilidade de que ele ocorra ou não. Não existe possibilidade de ganho neste caso. Na melhor das hipóteses, nada ocorrerá ao bem em consideração. Desta forma, quando alguém compra um imóvel, poderá ter este imóvel inalterado durante o período de sua propriedade ou completamente destruído por um incêndio, assumindo a pior das hipóteses, ou até mesmo, como na maioria dos casos de incêndio, tê-lo parcialmente destruído. Analogamente, a compra de um automóvel trará ao seu comprador a mesma

17 17 possibilidade de um acidente que o danifique ou, na melhor das hipóteses, nada acontecerá ao veículo. Segundo BICKELHAUPT, David. 1979, foi devido a este tipo de risco que surgiu o sentido previdenciário de precaução contra um futuro incerto. Risco, portanto, é a incerteza ou impossibilidade de previsão, podendo variar do inevitável (morte, ferimento, manifestações da natureza) àqueles assumidos por escolha própria (empresas, investimentos, compra de imóveis). Os riscos sempre mereceram especial atenção, devido a uma série de fatores influênciadores. Além do desejo de segurança, natural do ser humano, os prejuízos causados por um risco puro sempre constituíram fator de preocupação. O sacrifício de muitos para obter um patrimônio pode ser totalmente em vão, e em muitos casos é quase impossível haver restituição com recursos próprios. Se o risco for certo, o procedimento adequado seria precaver-se e procurar eliminá-lo. Se o risco for aleatório, é difícil fazer uma previsão dos danos prováveis, e qualquer erro pode levar uma empresa ou indivíduo a falência. O erro no cálculo de um dado máximo provável foi outro fator que impulsionou uma maior preocupação com os riscos. Se o risco fosse nulo, não existiria preocupação nenhuma. Tudo isto contribuiu para o aparecimento de uma nova ciência, que gradativamente se vem desenvolvendo: a administração dos riscos (risk management). Atualmente as empresas contam com sofisticados departamentos especializados na área. Existem dois métodos básicos para tratamento dos riscos: Controle de riscos Neste caso, pode-se:

18 18 a) Evitar os riscos - Um empresário pode cancelar seus planos de abrir uma fábrica em determinado local devido à grande probabilidade de riscos de alagamento, por exemplo. b) Separar os riscos - Um empresário pode pensar em construir dois prédios separados no mesmo local, pois desta forma dividiria a chance de ter o processo de fabricação totalmente interrompido em caso de incêndio. c) Prevenir os riscos - Um empresário pode tomar providências quanto à colocação de sofisticados aparelhos de combate ao fogo e pára-raios, treinando uma brigada de incêndio para evitar qualquer propagação deste ou a queda de raios Financiamento do risco a) Retenção do risco : Neste caso, o empresário assume completamente os riscos; para isto, utiliza o método de absorção, lançando nas suas despesas operacionais os prejuízos resultantes da ocorrência de qualquer acidente. Há também outras alternativas: ele pode também constituir uma reserva com recursos próprios para tais ocorrências ou fazer a contratação do seguro deixando grande margem para franquia, assumindo o valor correspondente por um dos outros métodos citados. Um auto-seguro, em que a empresa exerce o papel de seguradora, também é uma boa alternativa, tomando como base uma experiência passada e os dados estatísticos. b) Transferência do risco : Neste caso, a empresa utiliza formas como negociação com bancos para financiamento dos prejuízos decorrentes de algum evento, ou transferência da responsabilidade para outros, em caso de arrendamentos, construções etc. Em alguns casos de contratos de aluguéis, o proprietário transfere para o inquilino a responsabilidade por qualquer

19 ocorrência que venha a danificar a propriedade, inclusive incêndio, vendaval etc. 19 A forma mais importante de transferência de riscos é o seguro. Seguro é uma forma de transferência de riscos em que o segurado paga uma certa importância (prêmio) e transfere para o segurador a responsabilidade de assumir os prejuízos causados por um evento, caso ele ocorra, até o valor combinado. Demonstração 1.1. Classificação do risco. RISCOS ECONÔMICO OUTRO PURO ESPECULATIVO NÃO- SEGURAVEL SEGURÁVEL HEDGING EMPRESA SUB- CONTRATAÇÃO JOGO PESSOAL PROPRIEDADE RESPONSABILIDADE CIVIL VIDA SAÚDE DANOS MATERIAIS DANOS PESSOAIS DIREITO INDIRETO Adaptado de BICKELHAUPT, David L., General insurance.

20 20 Na Demonstração 1.1 vemos a classificação dos riscos e exatamente onde surge a necessidade segurado, Interessa-nos somente no tratamento dos riscos puros, por razão já exposta anteriormente. Como vimos, os riscos podem ou não ser seguráveis. Segundo Mendes. João José de Souza, 1977, para que um risco seja segurável, existem alguns fatores a considerar, tais como: a) ser possível - Somente será segurado aquele risco que apresentar a possibilidade de ocorrer, o que parece óbvio, caso contrário não seria passível de seguro. b) ser futuro - Para ser segurável, a ocorrência do risco deverá ser somente após a contratação do seguro. Seguro de algum evento já ocorrido não é possível. c) ser incerto - O seguro deverá sempre se relacionar com eventos aleatórios. Se o evento é certo ou inexistente, não será passível de seguro. d) ser independente das partes contratantes - Quem contrata o seguro não pode influenciar na ocorrência do evento, pois isto envolve risco moral. O risco deve ter uma natureza acidental. e) ser causador de prejuízo de ordem econômica O prejuízo neste caso deve ser tal que poderia realmente colocar a empresa em certo desequilíbrio. Pequenos danos podem ser auto-seguráveis. Entretanto, neste caso, seriam excluídos os riscos catastróficos. f) ser quantitativamente mensurável - Para um risco ser segurado deve existir um critério básico para cálculos. O dano deve ser previsto em bases atuariais. g) custos não devem ser proibitivos - Neste caso, o risco pode não ser segurável por opção do segurado. Estando o risco enquadrado nestes itens, ele poderá ser segurado em uma das, modalidades que serão mais adiante examinadas.

21 21 Seguro e uma ciência que lida basicamente com grupos. Seus elementos principais são: probabilidade, princípio dos grandes números e dados estatísticos adequados Probabilidade Os prêmios dos seguros são normalmente cobrados na forma de taxas, representando o custo por uma quantidade de capital segurado. Desta forma, os prêmios correspondentes ao seguro de vida são expressos por mil unidades de capital segurado e, por outro lado, no seguro contra incêndio o prêmio é expresso por cem unidades de Capital segurado. A base dos cálculos é o princípio da probabilidade aplicado à experiência adquirida. A probabilidade mede a chance de ocorrências de um evento particular. O seguro é, portanto, baseado na estatística, sendo porém de grande valor o julgamento do segurador, haja vista que muitas vezes as condições presentes de um determinado risco poderão não coincidir com as informações coletadas nas experiências passadas Princípio dos grandes números Conforme RIEGEL. R,1976, quanto maior a experiência de ocorrências de acidentes em um determinado grupo, maior é a confiança nos dados estatísticos. Portanto, experiências coletadas em poucos grupos ou estatisticamente insuficientes não darão aos segurados uma margem adequada para a realização de seus negócios. De acordo com a lei dós grandes números, os resultados reais tendem a igualar os resultados esperados (prováveis), na medida em que o número de eventos independentes aumenta Dados estatísticos adequados Uma vez que os prêmios são calculados em bases estatísticas, para cada modalidade de

22 22 seguro será necessária uma adequada compilação destes dados. Desta forma, quanto mais detalhada ela for, melhores condições terá o mercado segurador de colocar seu produto a custos compatíveis. Utilizando estes princípios, o mercado estipula os prêmios para os diversos riscos a serem segurados. As empresas, entretanto, não estão no mercado somente para pagamento de indenizações. Como empresas, necessitam sobreviver e, para tal, outros fatores entram na composição dos custos. No chamado prêmio comercial são considerados: o custo dos prejuízos os custos operacionais e despesas, e o custo do capital ou lucros. Podemos expressar a equação de seguro da seguinte forma: Receitas = Saídas 1 - Juros em investimentos 1 - Lucros e outras receitas 2 - Despesas 2 - Prêmios 3 Indenizações Para que uma empresa seguradora mantenha-se em operação, a condição exposta pela fórmula acima deverá ocorrer. Convém, portanto, fazermos a seguinte distinção: Prêmio estatístico é a relação entre a somatória dos prejuízos sofridos por alguns segurados e a totalidade dos que participam do seguro. Prêmio puro é o prêmio estatístico acrescido de um percentual de segurança para cobrir prováveis flutuações do prêmio estatístico. Prêmio comercial ou prêmio tarifário é o prêmio puro acrescido de um percentual para despesas administrativas do capital, comissões etc. Este é o prêmio que os segurados pagam às seguradoras na contratação dos seguros.

23 23 O seguro como instrumento de proteção apresenta uma série de vantagens para seu consumidor e a sociedade como um todo. Entre estes benefícios podemos citar: a) Oferece segurança para os empresários em novas aquisições, ampliações de fábricas ou novos investimentos que envolvam bens; b) Poderá servir como base para crédito, pois muitas financeiras, bancos ou agentes financiam bens com a exigência de que sejam devidamente segurados; c) Reduz prejuízos, pois indeniza o segurado repondo o valor do bem sinistrado, que representaria uma despesa para o segurado; d) Beneficia a comunidade com provisão para o futuro, melhorando a alocação de recursos e o fundo para investimentos a longo prazo e reduzindo os prejuízos; e) Aumenta a produtividade de funcionários por proporcionar maior tranqüilidade quanto à expectativa de riscos; f) Estimula a prevenção de riscos, uma vez que quanto maior for a proteção desenvolvida pelo segurado, menores serão as taxas a pagar; g) Proporciona vantagem da especialização por parte das companhias seguradoras e corretoras que, dedicando-se ao ramo, poderão oferecer aos segurados e à comunidade avisos e orientações adequadas à necessidade de cada um; h) Proporciona vantagens específicas em cada uma de suas modalidades;

24 1.3 Aspectos legais das operações de seguro 24 Como vimos, mediante o pagamento do prêmio comercial, uma empresa seguradora assume a obrigação de ressarcir ao segurado o prejuízo de um evento incerto, como no caso de seguros contra incêndio, lucros cessantes, fidelidade etc., ou mesmo daqueles em que a data de ocorrência não é conhecida, como no caso do seguro de vida, apesar de ser um evento certo. Esta transação é feita tendo como base a apólice de seguro. Portanto, a apólice é um contrato que estipula as diversas condições da obrigação, especificando os riscos cobertos e os excluídos. A apólice, em outras palavras, é a materialização, a mudança do intangível. O seguro tem certas características que o diferem dos, demais produtos e por isto mesmo não podemos classificá-lo como um produto tangível, porque ele não termina com a assinatura do contrato. Muito pelo contrário, quando a apólice começa a viger, um pacote de serviços torna-se necessário, sendo prestado pelos membros do canal, mais precisamente a seguradora ou corretora. Sendo o seguro um contrato, evidentemente os princípios legais do direito contratual serão aplicados em todos os casos de sua contratação, Um contrato, para ser válido, deve apresentar as seguintes condições: a) Oferta e aceitação - a oferta e feita pelo segurado, que procura a seguradora para segurar determinado risco. A seguradora aceitará ou não, com base nos princípios de underwriting, que nada mais é do que a seleção de riscos, visando lucratividade a longo prazo. A oferta é feita por intermédio de uma proposta de seguros e, na aceitação, a seguradora emite a apólice. b) Propósito legal - o seguro deverá ter como base um propósito legal, ou seja, o objeto a ser segurado deverá ser válido. Exemplo de propósito ilegal seria um ladrão fazer seguro

25 de uma propriedade roubada. 25 c) Capacidade - para assinar um contrato, o segurado deverá ter condições para isto, caso contrário não será possível a realização do seguro. São absolutamente incapazes pessoas com menos de 16 anos, loucos, surdos-mudos que não puderem expressar suas vontades e os ausentes. São relativamente incapazes as pessoas entre 16 e 21 anos de idade, os pródigos e os selvícolas. d) Consideração - consideração é a troca de responsabilidades entre as partes: o direito ou alguma coisa de valor sendo cedida e a promessa de pagamento de certos danos ou de providenciar certos serviços para o segurado. O contrato do seguro é aleatório, oneroso, formal e bilateral: Aleatório: Depende de riscos futuros. Oneroso: Implica gastos para ambos; segurado e segurador. No Código Civil Brasileiro, art. 1432, é mencionado o aspecto oneroso do contrato de seguro, onde " considera-se contrato de seguro aquele pelo qual uma das partes se obriga com a outra mediante a paga de prêmio a indenizá-la dos prejuízos resultantes dos riscos futuros previstos no contrato." Formal: exige procedimentos legais, conforme consta na Lei de Seguros, Decreto-lei nº 73, de , artigo 9º : "seguros serão contratados mediante proposta assinada pelo segurado, por seu representante legal ou pelo corretor de seguros habilitado, com emissão das respectivas apólices." A lei exige para a formação do contrato a emissão da apólice, o que o torna formal. Bilateral. conforme o artigo 13 da Lei dos Seguros: "as apólices não poderão conter cláusula que permita a rescisão unilateral dos contratos de seguro ou por qualquer modo subtraia sua eficácia ou validade além das situações previstas em lei". O contrato,

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 Regulamenta a Lei nº 6.704, de 26.10.79, que dispõe sobre o Seguro de Crédito à Exportação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em 11.2007. João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração

Leia mais

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas:

Atualmente as seguradoras que operam na modalidade são classificadas pelo IRB (instituto de Resseguros do Brasil) em duas situações distintas: 1- Introdução: Antes de analisar os números da modalidade Garantia é importante que conheçamos os principais conceitos que a regem, uma vez que alguns profissionais e poucas seguradoras se dedicam de fato

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 19 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA Seção I Finalidades Art. 40. As bolsas de valores devem manter Fundo de Garantia, com finalidade exclusiva de assegurar aos clientes de sociedade membro, até o limite do Fundo,

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 PORTUGAL Acordo de Co-Produção Brasil - Portugal - 03/02/1981 Decreto Nº 91.332, de 14 de junho de 1985 DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 Promulga o Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 1.655. Wadico Waldir Bucchi Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País;

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas e as pessoas jurídicas podem comprar e vender moeda estrangeira ou realizar transferências internacionais em reais, de qualquer natureza, sem limitação

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU"

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO  LATO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ REITORIA ACADÊMICA ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO " LATO SENSU" CAPÍTULO I DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização.

Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. CIRCULAR SUSEP Nº 395, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009 Estabelece a codificação dos ramos de seguro e dispõe sobre a classificação das coberturas contidas em planos de seguro, para fins de contabilização. O

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM SEGUROS SEGURO Atividade bastante antiga Assemelha-se se a uma aposta Pagamento de uma parcela em dinheiro, para adquirir o direito a um reembolso por alguma perda ou avaria

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - PREVIC

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - PREVIC A SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - PREVIC Esplanada dos Ministérios Bloco F - CEP: 70059-900 Brasília - DF Telefone: (61) 2021-5000 Referente: CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Junho 2008 SUSEP Questionário Trimestral Carta-Circular DECON 05, de 09.06.2008 - Demonstrações contábeis e questionário trimestral A presente

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Regulatory Practice Insurance News Janeiro 2014 SUSEP Capital Mínimo Circular SUSEP 486, de 23.01.2014 Cálculo do capital de risco Esta Circular dispõe sobre instruções complementares necessárias à execução

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999.

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL Palestra Seguro de Crédito Cristina Salazar Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou Prestação de serviços entre empresas Proteção para o Ativo

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970

Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970 Regulamentação do exercício da profissão de atuário Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Atuário, de acordo com o Decreto-Lei nº 806, de 4

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais