Para analistas, EUA ainda têm vantagens sobre demais mercados financeiros globais, mas sua robustez é motivo de dúvida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para analistas, EUA ainda têm vantagens sobre demais mercados financeiros globais, mas sua robustez é motivo de dúvida"

Transcrição

1 Crise Financeira Folha de S. Paulo, CLÓVIS ROSSI... 1 NOURIEL ROUBINI... 4 DANIEL COHEN... 5 NICOLAS BAVEREZ... 5 Para analistas, EUA ainda têm vantagens sobre demais mercados financeiros globais, mas sua robustez é motivo de dúvida Mecanismos mais baratos e eficientes de transferência de fundos e sistema judicial confiável são benefícios citados por economistas Atestado de óbito a Wall Street é prematuro CLÓVIS ROSSI Pelo menos dois importantes líderes globais assinaram nos últimos dias o atestado de óbito de Wall Street, a ruazinha que, por abrigar a Bolsa de Nova York, tornou-se sinônimo de mercados financeiros (norte-americanos e mesmo globais, porque Nova York é a mais global das cidades). Disparou primeiro Peer Steinbrück, o ministro alemão de Finanças: "Os Estados Unidos perderão seu status de superpotência no sistema financeiro mundial". Emendou o presidente russo, Dimitri Medvedev: "A época de dominação de uma única economia e uma única divisa ficou relegada ao passado de uma vez por todas". Crises costumam suscitar afirmações definitivas e grandiloqüentes. Crises graves, como a atual, tornam ainda mais ribombantes as declarações e também mais verossímeis. Tanto é assim que Sebastian Mallaby, diretor do Centro para Estudos Geoeconômicos, montou no site do respeitado Council on Foreign Relations -cuja sede, aliás, não fica muito longe de Wall Street- um fórum para discutir a morte da ruazinha como centro financeiro do mundo e, por extensão, o fim do dólar como refúgio nas tormentas e moeda universal de referência. A Folha acompanhou o fórum e ainda foi atrás de outras opiniões para descobrir que, salvo novas catástrofes, a notícia da morte de Wall Street é prematura. É fato, no entanto, que há motivos para suspeitar da higidez de Wall Street, como afirma

2 Charlie Calomiris, da Columbia Business School: "Já havia muita preocupação com a resistência de Nova York como centro financeiro, mesmo antes da turbulência atual. Assim, pode parecer razoável preocupar-se mais agora. Mas, por outro lado, Londres, a principal rival de Nova York, pode sofrer tanto quanto Nova York na crise". Calomiris lembra que lideranças de qualquer natureza dependem de criar a imagem de centros de inovação, em uma economia como a atual, baseada no conhecimento. É essa imagem que passam o Vale do Silício em software, Hollywood para o cinema, Nova Jersey para produtos farmacêuticos e, claro, "Nova York como o lugar para estar no mundo financeiro, porque jovens e ambiciosos financistas a escolheram". Imbatível Do outro lado do oceano Atlântico, Juan José Cruz, economista-chefe do grupo espanhol Santander, testemunha que não se trata de presunção de um norte-americano. "Todas as pessoas financeiramente ricas que conheço estão fascinadas com as oportunidades da China e querem ir para Xangai para ver como se constrói a Manhattan do século 21. Mas não conheço um só deles que queira ir para a China para montar o quartel-general de sua empresa financeira ou que eleja a legislação chinesa para dirimir conflitos em contratos", afirmou Cruz. Imagem não é tudo o que define as vantagens comparativas de Nova York. Mesmo no território exclusivamente dos produtos financeiros, que hoje estão no olho do furacão, Wall Street é imbatível, como depõe Roger Kubarych, que conhece a fundo esse mundo, como ex-economista-chefe justamente da Bolsa de Nova York, e que agora está escrevendo um livro sobre o sistema financeiro norte-americano e escândalos corporativos. "Os Estados Unidos têm contínuas vantagens sobre outros centros financeiros em nove dimensões", diz Kubarych, para citar, entre elas, derivativos, mecanismos mais baratos e eficientes de transferência de fundos, firmas que descobrem e financiam a próxima geração "de excitantes companhias", um sistema judicial confiável e a habilidade para trabalhar com parceiros (empresas e indivíduos) de diferentes culturas. A essas "nove dimensões", Brink Lindsey, vice-presidente de Pesquisa do Cato Institute, um dos principais centros do liberalismo puro e duro, acrescenta a saúde geral da economia: "A saúde da economia norte-americana no longo prazo depende da solidez das instituições econômicas. E há boas razões para acreditar que a presente crise não causará danos duradouros para essas instituições. Pode até estimular alguns aperfeiçoamentos que são de fato necessários". Um pouco na mesma linha vai um professor que está bem mais à esquerda, caso de James Galbraith, da Universidade do Texas e diretor da associação Economistas para Paz e Segurança. "Os Estados Unidos têm um problema de governança financeira e necessitam desesperadamente de um novo governo. O povo norte-americano parece ter entendido isso." Como um novo governo está a três meses de distância, deduz-se inevitavelmente que tampouco Galbraith assinaria o atestado de óbito de Wall Street. Pré-aviso Em meio a esse coro virtualmente unânime de confiança em Wall Street ("a menos que haja um cataclismo", como ressalva Lindsey), Jeffrey Frankel, da Kennedy School of Government, introduz uma palavra de pré-aviso. Primeiro lembra que Europa, nos anos 60, Japão, no fim dos 80, e mesmo países árabes, em 1991 (na Guerra do Golfo), estavam dispostos a pagar gastos que os EUA faziam, com o que o déficit em conta corrente (que mede todas as transações com o exterior)

3 desapareceu. Depois, Frankel acrescenta: "Infelizmente, desde 2001, durante o mesmo período em que os déficits gêmeos dos EUA reapareceram (o fiscal e o externo), nós também perdemos simpatia popular e suporte político em boa parte do mundo. Agora, a hegemonia perdeu o direito a reivindicar legitimidade aos olhos de muitos. Da próxima vez que os Estados Unidos pedirem a outros bancos centrais para salvarem o dólar, eles estarão dispostos a fazê-lo, como a Europa, nos anos 60, ou o Japão, nos 80?" Sua própria resposta: "Temo que não". Não é, ainda, um atestado de óbito tão claro quanto o de Medvedev ou Steinbrück, mas é um boletim médico que desconfia da robustez do paciente Mesmo com os EUA mais fracos, dólar deve continuar a ser moeda de referência DO COLUNISTA DA FOLHA Se, como tudo indica, os Estados Unidos sairão da crise mais fracos (quão mais fracos é uma questão em aberto), então o dólar necessariamente declinará e poderá até perder o papel de moeda de referência, que exerce desde que desbancou a libra esterlina há mais de 50 anos, certo? Errado, como constata Juan José Cruz, economista-chefe do grupo Santander, de um país (Espanha) que usa a moeda rival do dólar, o euro: "O refúgio para perdas nas Bolsas, para fugas de depósitos em bancos e para crash imobiliário são os papéis denominados em dólar". Reforça Antonio Corrêa de Lacerda, do Departamento de Economia da PUC-SP e expresidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais: "A economia norte-americana goza do privilégio de ser emissora exclusiva do dólar, ainda a moeda de referência internacional que concentra cerca de 75% de todas as transações mundiais e em torno de 65% das reservas cambiais dos bancos centrais dos demais países, estimadas em mais de US$ 7 trilhões. A despeito da crise, o dólar e os títulos emitidos pelo Tesouro norte-americano seguem exercendo o papel de refúgio para as aplicações. Isso, aliás, significa um importante trunfo para a recuperação norteamericana". Quem já viveu no comando de um banco central o derretimento de uma moeda (o real brasileiro), caso de Armínio Fraga, tem ponto de vista parecido, embora ressalve, como vários outros consultados, que "há uma tendência clara de crescimento do papel do euro na economia mundial a partir de seu lançamento, em 1999, e do sucesso do Banco Central Europeu (BCE) em replicar a moeda forte alemã". "Mas", acrescenta Armínio, "não creio que essa redivisão da função de moeda âncora do mundo vá ocorrer em pouco tempo, especialmente se não houver uma grande depreciação do dólar" (e não está havendo por enquanto; ao contrário, o dólar tem se valorizado). A manutenção do papel relevante do dólar não é mérito apenas da moeda norteamericana, mas demérito das outras moedas, como constata Desmond Lachman (American Enterprise Institute e ex-funcionário do FMI, no qual teve papel ativo na formulação de políticas para países emergentes): "Não há dúvida de que o sistema financeiro norte-americano será seriamente afetado pela presente crise. Mas os sistemas financeiros da Europa, em especial o do Reino Unido, também serão. Parece-me que os EUA têm mais flexibilidade política que a

4 Europa, o que torna provável que se recupere mais rápido que a Europa. Além disso, as economias emergentes da Ásia e especialmente a da China serão duramente atingidas pela crise". Armínio concorda: "A crise financeira americana é extraordinária, mas a Europa não está imune, o que evita um movimento mais rápido para o euro. Mais adiante é provável que a moeda chinesa entre também na disputa, mas vai demorar um certo tempo". (CLÓVIS ROSSI) NOURIEL ROUBINI O domínio do capitalismo financeiro anglo-saxão acabou? A crise é fruto dos excessos do liberalismo e do laissez-faire destes últimos dez anos. Os reguladores acreditaram nas virtudes do livre mercado e da auto-regulamentação. O julgamento deles foi incorreto. A lição é clara: precisamos de uma regulamentação melhor. O paradoxo, hoje, é que, para resolver esses excessos, o Estado americano está se excedendo no sentido inverso. Ele injeta aqui US$ 200 bilhões para nacionalizar Freddie Mac e Fannie Mae, os dois gigantes do refinanciamento hipotecário, ali US$ 85 bilhões para recapitalizar a seguradora AIG. Os USA se tornam URSSA, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas da América. O governo age de maneira precipitada, tomando decisões que terão conseqüências profundas. Temos a sensação de estarmos numa república de bananas! Dessa maneira, passamos de um extremo ao outro. A via mais correta é a do meio, com uma regulamentação mais rígida que, entretanto, não crie obstáculos à inovação. Sem dúvida chegaremos a isso depois de algum tempo. Será que o Velho Oeste selvagem (do sistema financeiro) faz parte do passado? É preciso ser prudente. Daqui a alguns anos é possível que tudo isso tenha sido esquecido. Já passamos por muitas crises: a dos anos 1980, a recessão dos anos 1990, a implosão da bolha da internet em A cada vez, uma bolha se refaz com dinheiro fácil e reguladores que parecem estar dormindo. Vamos ver o que vai acontecer. NOURIEL ROUBINI é professor de economia da Universidade de Nova York e presidente do Roubini Global Economics Monitor. FRASE Os USA se tornam URSSA, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas da América. O governo age de maneira precipitada, tomando decisões que terão conseqüências profundas. Temos a sensação de estarmos numa república de bananas! Dessa maneira, passamos de um extremo ao outro. A via mais correta é a do meio, com uma regulamentação mais rígida que, entretanto, não crie obstáculos à inovação DANIEL COHEN é professor da École Normale Supérieure, em Paris

5 DANIEL COHEN O mercado financeiro precisa ser inteiramente revisto. Desde a crise de 1929, a atenção voltou-se principalmente aos bancos comerciais. Tendo o pânico dos depositantes sido o principal vetor da crise dos anos 1930, a regulamentação foi concentrada sobre os bancos de depósitos. E isso funcionou razoavelmente bem. Não houve nenhuma crise de grandes proporções no sistema bancário dos EUA após a guerra. Um dos objetivos principais do mercado financeiro era sair do ambiente regulamentar imposto aos bancos. As regras clássicas obrigam os bancos a manterem US$ 1 de capital, mais ou menos, para cada US$ 12 de crédito. O mercado financeiro permitiu a seus atores darem US$ 32 de crédito para cada US$ 1 de capital! Os bancos de investimento, os fundos de hedge e as seguradoras se beneficiaram de brechas na regulamentação para multiplicar o montante de suas operações. Os bancos comerciais, por sua vez, criaram "veículos" que não constam de seus balancetes, para poderem passar ao largo da regulamentação (de maneira legal). O resultado é o que estamos vendo agora. Todo o trabalho dos próximos anos vai consistir em traçar regras que vão recolocar a pasta dental do capitalismo financeiro dentro de seu tubo. Será preciso impor regras de prudência novas ao conjunto dos atores, regulamentar a titularização dos créditos, fiscalizar as agências de classificação, rever as normas contábeis. DANIEL COHEN é professor da École Normale Supérieure, em Paris. NICOLAS BAVEREZ A expressão "capitalismo financeiro de tipo anglo-saxão" cria a impressão de que apenas EUA, Reino Unido e Irlanda estão em crise. Na realidade, o choque abalou o capitalismo globalizado, do qual o sistema financeiro é a ponta-de-lança. Os países que poupam e exportam, como China, Alemanha e Japão, são afetados. China, Rússia e Brasil correm para socorrer seus bancos. Estamos assistindo a uma deflação pela dívida, como ocorreu em 1929: a explosão de uma bolha de crédito leva a uma contração violenta de patrimônios, receitas, atividade e emprego. Duas grandes lições podem ser tiradas dos anos 30: frear a cascata das quebras de bancos e privilegiar soluções cooperativas no plano internacional, para evitar a espiral de barreiras protecionistas e desvalorizações competitivas. O resgate dos bancos já iniciou, mas nacionalmente. A ajuda internacional é inexistente. O capitalismo vai sair da crise profundamente transformado. A prioridade será dada à segurança em lugar do risco, com conseqüente redução do crescimento potencial; reequilíbrio entre Estado e mercado; nova valorização da indústria, em detrimento do setor financeiro; mudança do modelo econômico dos bancos, com uma concentração dos atores e novo foco sobre os bancos comerciais; declínio relativo dos países desenvolvidos -especialmente os EUA- e aceleração da passagem para um sistema econômico multipolar e heterogêneo. NICOLAS BAVEREZ é economista-historiador.

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO Os BRICS EUA União Europeia PIB 2013 (aproximadamente) US$ 19 trilhões

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Cresce procura por gestores de risco Em tempos de crise, os gestores de risco estão sendo garimpados pelas empresas como pedras raras. Segundo a consultoria Michael

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise

A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise DIREITOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise Marcelo Lettieri Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil SUMÁRIO Conjuntura Internacional

Leia mais

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA Fundamentos da Crise Financeira Global Conceito: O setor financeiro faz a ponte de ligação entre a macro e a microeconomia. Qualquer falha no funcionamento

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

02/02/2013. Para onde correr?

02/02/2013. Para onde correr? 02/02/2013 Para onde correr? Juros historicamente baixos, crescimento modesto, inflação elevada e um ambiente menos hostil, mas ainda cheio de incertezas. Decidir onde aplicar, num cenário desses, é um

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente.

A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente. SUMÁRIO EXECUTIVO. Bolha chinesa ainda pode cair mais 10%; Uma guerra monetária; FED não irá subir os juros; BCB terá que subir ainda a SELIC. A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente. O mundo

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar?

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? 16/07/2008 Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? Paulo Ângelo Carvalho de Souza Presidente Bolsas em queda; juros em alta; rentabilidade em queda; inflação em alta; preço do petróleo fora

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA 27 NOVEMBRO 2012 PODE A ECONOMIA MUNDIAL SUPORTAR UM OUTRO 2011? Novo relatório global destaca os riscos de um déficit de $168 bilhões anualizado em seguros afetando as economias de alto crescimento Uma

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica?

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Rui Ferreira Docente ISCTE-IUL rui.ferreira@iscte.pt Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Portalegre 28/2/2012 As noticias sucedem-se Para 2012, as expectativas são negras. A

Leia mais

The Winterbotham Merchant Bank

The Winterbotham Merchant Bank The Winterbotham Merchant Bank uma divisão de The Winterbotham Trust Company Limited CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA CASH MANAGEMENT E SERVIÇOS DE BANCA FIDUCIÁRIA Introdução Licenciada

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes

Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Cenários para os países desenvolvidos, sua inter-relação com a China e os demais emergentes Samuel Pessoa Tendências Consultoria 14 de abril, Hotel Unique ROTEIRO 1. Guerra cambial? 2. Desequilíbrio macroeconômico

Leia mais

Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista

Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista César Rissete Economista Maringá,, Abril de 2009. Crises fazem parte do Sistema, mas não são todas iguais... Ignorar Especificidades levam a Subestimação

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto 2+2 Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas Anita Santos Diogo Gautier Helena Santos Eurico Alves Dezembro de 2011 1 A Crise Atual:

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação

Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação BRICS Monitor #4 V.1 n 4 Crescimento Econômico Brasileiro e o temor da Inflação Fevereiro de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares

Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares 21/07/2014 Há bolhas de ativos em todos os lugares, alerta William White, ex-economista-chefe do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

RELATÓRIO DE PUBLICAÇÃO CLIPPAGEM PELA INTERNET

RELATÓRIO DE PUBLICAÇÃO CLIPPAGEM PELA INTERNET RELATÓRIO DE PUBLICAÇÃO CLIPPAGEM PELA INTERNET Data: 03.08 Veículo: Blog Sua Renda www.clicrbs.com.br/suarenda Jornalista Marçal Leite Subeditor de Finanças da Zero Hora Abaixo o texto publicado: Consequências

Leia mais

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros Breve guia do euro Assuntos Económicos e Financeiros Sobre o euro O euro nasceu em 1999: surgiu inicialmente em extratos de pagamento, contas e faturas. Em 1 de janeiro de 2002, as notas e moedas em euros

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

PLENO DO CDES: 37ª REUNIÃO. Discurso do ministro Guido Mantega

PLENO DO CDES: 37ª REUNIÃO. Discurso do ministro Guido Mantega PLENO DO CDES: 37ª REUNIÃO Data: 26/04/2011 Horário: 09:00:00h às 13:00:00h Local: Salão Nobre do Palácio do Planalto, Brasília - DF Discurso do ministro Guido Mantega Bom dia a todos e a todas, cara presidenta

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise:

Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise: Trabalho feio pela acadêmica MSR, do curso de Ciências Contábeis Contatos: gerfisio@yahoo.com.br 1)- Cenário Anterior à Crise: De forma resumida, o que se presenciava no cenário anterior à crise atual

Leia mais

sobre as transações no setor de saúde

sobre as transações no setor de saúde 10 Minutos sobre as transações no setor de saúde Valor global de fusões e aquisições cresce e reverte tendência Destaques O valor total das transações no setor de saúde aumentou 4% em relação à segunda

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I

OS NÚMEROS DA CRISE CAPÍTULO I CAPÍTULO I OS NÚMEROS DA CRISE A crise de 1929 consistiu, acima de tudo, numa queda generalizada da produção em quase todo o mundo industrializado (com exceção da URSS e do Japão). Convém primeiro entendê-la

Leia mais