1- CRISE FINANCEIRA MUNDIAL E AS CONSEQUÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1- CRISE FINANCEIRA MUNDIAL E AS CONSEQUÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO"

Transcrição

1 1- CRISE FINANCEIRA MUNDIAL E AS CONSEQUÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO Quem vai pensar o destino comum da espécie humana e da única casa coletiva, a Terra? Quem cuidará do interesse geral dos 6,3 bilhões de pessoas? O neoliberalismo é surdo, cego e mudo a esta questão fundamental. Seria contraditório suscitá-la, pois defende concepções políticas e sociais diretamente em oposição ao bem comum. Seu propósito básico é: o mercado tem que ganhar e a sociedade perder. Pois é o mercado que vai regular e resolver tudo. Se assim é, por que vamos construir coisas em comum? Deslegitimou-se o bem-estar-social 1. A crise financeira rotulada pela vergonha do excesso 2, que assolou os Estados Unidos a partir de 2008, teve início no modo de financiamento de imóveis, com a conseqüente quebra do banco americano Lehman Brothers, e que na seqüência, atingiu o mercado produtivo na medida em que muitas empresas, descapitalizadas, dependiam de empréstimos para desenvolver sua atividade produtiva. Em face da financeirização da economia, da preferência pelo capital especulativo sem correspondência com a massa de valores reais e da globalização dos prejuízos econômicos amargados por um país de hegemonia econômica frente a outras nações 3, a crise acabou gerando repercussão global. Os efeitos da crise econômica puderam ser sentidos em todo o modo de produção capitalista, pois se trata de uma crise estrutural, sistêmica, e não somente financeira, embora tenha sido nessa esfera que ela se originou. Vale lembrar que com a globalização qualquer evento no planeta é capaz de ser conhecido em algumas frações de segundos. Tal velocidade das transações, a estrutura cambiante, confusa e caótica da sociedade gerou aquilo que JOHN KENNETH GALBRAITH denominou como a era da incerteza 4. Segundo o economista da Unicamp MÁRCIO POCHMANN 5, presidente do IPEA: 1 BOFF, Leonardo. Ética e Moral: a busca dos fundamentos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003, p Expressão dada pelo economista americano Paul Krugman, ganhador do prêmio Nobel de Economia em FABIANO, Isabela Márcia de Alcântara; RENAULT, Luiz Otávio Linhares. Crise financeira mundial: tempo de socializar prejuízos e ganhos. Revista do TRT da 3ª Região. Belo Horizonte. n SOUZA, Tércio Roberto Peixoto, in Revista de Direito do Trabalho 2008 RDT 130, Flexibilização trabalhista: entre pleno emprego e o direito fundamental do trabalhador, Belo Horizonte, Entrevista de Márcio Pochmann ao site Caros Amigos sobre o Mercado de trabalho reproduz a desigualdade : acessado em 02/06/2010.

2 essa crise impôs perda expressivas aos ricos, impôs a queda da taxa de lucro das empresas, especialmente de alguns setores industriais. A crise impactou a área social. Estamos convivendo com maior desemprego, com aumento das desigualdades. Essa crise está contaminando o mundo da política. Cinco países tiveram alternância de poder em função, inclusive, do agravamento da crise. Não tivemos crises anteriores com problemas ambientais. Os impactos ambientais são extremamente degradantes. Temos uma crise inédita neste sentido. Vale dizer que é uma crise que encontra o mundo, os países, em quase sua totalidade submetida à lógica mercantil. E não tem saída a curto e médio prazo porque a crise afetou as estruturas do padrão capitalista de produção e consumo. Não há como garantir a sustentabilidade da acumulação do capital. Pela primeira vez na história da economia moderna, três crises de grande impacto financeira, energética e alimentar estão em conjunção, confluindo e combinando-se, gerando de modo exponencial, a deteriorização da economia real. 6 Diante do grave cenário, outra solução não restou senão promover a desalavancagem da economia e da produção. Em razão do clima de desconfiança generalizado, a concessão de crédito foi fortemente contraída. Por cautela, projetos de investimentos foram preteridos ou simplesmente cortados. As dispensas coletivas de empregados se tornaram tática para grandes empresas, sob o subterfúgio de evitar o mal maior, tal como a falência das empresas e ao desemprego de outros trabalhadores; a produção foi diminuída; o consumo encolheu e conseqüentemente o mercado reduziu. Ao falarmos sobre a crise atual, não há como não fazermos um paralelo com a crise de 1929, intitulada como o crack da bolsa de Nova Iorque, quando ocorreu uma queda brusca nas cotações dos títulos, acarretando uma perda de confiança na economia, acompanhada por uma redução na produção e nos investimentos provocando, em conseqüência, falências e desempregos. Àquela época vigorava o apogeu das políticas liberais, em que a liberdade econômica significava a garantia aos proprietários de usar e trocar livremente seus bens; autonomia jurídica; a garantia de desenvolver sem condicionamentos a atividade empreendida, e da mão invisível na economia. 6 BUITONI, Ademir. A moeda do Estado e o Estado na moeda na crise econômica mundial in Anais do VI Congresso de Direito Internacional USJT. acesso em 11/06/2010.

3 Como diz PAULO BONAVIDES, o velho liberalismo não pode resolver o problema essencial de ordem econômica das vastas camadas proletárias da sociedade, e por isso entrou irremediavelmente em crise. A liberdade política como liberdade restrita era inoperante, porquanto não dava qualquer solução às contradições sociais, notadamente em relação aos desapossados, que conviviam sem o acesso a quaisquer bens. 7 Neste contexto, a doutrina liberal acabou cedendo espaço para as políticas intervencionistas de John Maynard Keynes, em que o Estado voltou a ter um papel de agente catalisador de políticas econômicas, integrador, modernizador e legitimador do capitalismo, passando a intervir diretamente no exercício da atividade produtiva, a fim de atribuir-lhe alguma racionalidade. Na atual conjuntura de crise econômica, torna-se necessário repensar sobre a política econômica neoliberalista vigente. Segundo Peter Poshen, conselheiro principal para o desenvolvimento sustentável da Organização Internacional do Trabalho em crises anteriores, como a de 1929, as ações do governo para reverter os problemas econômicos acabaram se tornando as obras que alavancaram o desenvolvimento de países como Estados Unidos durante os anos seguintes. No Brasil, o governo restabeleceu mecanismos de regulação, por meio de um processo maciço de intervenção do Estado, de modo a fomentar a aceleração da economia, implantando a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados IPI, por força do Decreto 6.809/09, que foi prorrogada até 30/06/2009, em que favoreceram os setores das empresas ligadas a materiais de construção, as montadoras e estendida para a linha branca dos eletrodomésticos. O governo pátrio ainda promoveu a redução do COFINS para elevar a venda de motocicletas, e a seu turno majorou o Imposto sobre Produto Industrializado - IPI sobre os cigarros para compensar a perda na arrecadação. Em que pese o esforço do governo federal para conter os efeitos devastadores da crise econômica no país, o presidente da Vale do Rio Doce veio a público, em outubro de 7 BONAVIDES, Paulo. Do Estado liberal ao Estado social. 7. Ed.2.tir. São Paulo: Malheiros, 2004, p. 188.

4 2008, e reivindicou, uma flexibilização das leis trabalhistas do país, como uma forma de combater os efeitos da crise financeira. Sobre o assunto o juiz trabalhista JORGE LUIZ SOUTO MAIOR 8 sustenta que Deflagrou-se a partir daí, um movimento claramente organizado, sem uma necessária vinculação a reais situações de crise, pelo qual várias grandes empresas, sobretudo multinacionais, começaram a anunciar dispensas coletivas de trabalhadores, para fins de criar um clima de pânico e, em seguida, pressionar sindicatos a cederem quanto à diminuição de direitos trabalhistas e buscar junto ao governo a concessão de benefícios fiscais. Não obstante as medidas tomadas e o surgimento de várias propostas de variados matizes tenham intuito primordial a redução dos impactos da crise financeira em nosso país, as providências tem caráter meramente paliativo, pois não enfrentam diretamente a questão principal suscitada pela instabilidade do mercado com repercussão imediata no mundo do trabalho, e conseqüentemente na vida econômico-social de um país. Afinal, é lícito ao empregador, sob as escusas de exercício de direito potestativo de resilição unilateral, dispensar coletiva e injustificadamente seus empregados? Estaria a empresa cumprindo com a sua função social na forma assegurada pelo artigo 170, da CR/88? Na busca de uma solução viável para a crise econômica não podemos olvidar que o modelo econômico precisa ser repensado, sob pena de inviabilizar a vida no nosso planeta. 8 MAIOR, Jorge Luiz Souto, Yes, nós temos sociedade e direito! Revista jurídica Consulex Ano XIII. Nº de abril de 2009, Belo Horizonte.

5 2- LIMITES DA INTERVENÇÃO ESTATAL X AUTO-REGULAÇÃO DO MERCADO: CRISE DO PARADIGMA NEOLIBERAL? O Estado tem atuado na ordem econômica mundial, em geral, como interventor ou regulamentador dos mercados. No Brasil, a atuação do Estado na economia está prevista no artigo 170 a 181 da Constituição Federal, como agente normativo e fiscalizador, como detentor de monopólio, como indutor do desenvolvimento econômico. Repensar sobre o papel do Estado na economia ganhou relevância com a atual conjuntura de crise econômica, pois segundo afirma o doutrinador e ministro do Tribunal Superior do Trabalho, MAURÍCIO GODINHO, A intervenção é um bem para o capitalismo, como remédio para o doente. O capitalismo é um ser contraditório, irracional e suicida, além de assassino, porque sai liquidandos países. 9 Segundo o autor, a maneira encontrada pelo sistema econômico para superar a crise foi justamente o restabelecimento do Estado na economia. No entanto, é complicado aceitar que após tanto tempo das influências neoliberais da auto-regulação dos mercados, os Estados voltem a resolver os problemas sociais, ambientais, econômicos e afins, só pela intervenção, por meio da regulamentação jurídica. De modo a contextualizarmos a atual crise econômica, faz-se necessário abrangermos o estudo sobre o sistema econômico, social e político decorrente da hegemonia ultraliberal vigente, que teve início a partir da década de 1970 para então avaliarmos e repensarmos a sua verdadeira eficácia e reais impactos no mundo do trabalho. 9 Em notícias do Tribunal Superior do Trabalho, acessado em 04/06/2010, noticia=ascs&p_txt_pesquisa=crise%20econ%f4mica

6 O surgimento do pensamento liberal na sociedade e na economia teve sua hegemonia histórica capitalista a partir do século XVIII, perdurando incólume durante todo o século XIX, não obstante o aparecimento de inúmeras críticas ao capitalismo desenfreado, propiciando um campo fértil à discussão do sistema econômico e social da época, quando então surgiu o Direito do Trabalho, o que traduzia, segundo MAURÍCIO GODINHO 10, um revés imposto à plena dominância do liberalismo radical. A hegemonia liberal somente veio a sofrer duros impactos com a crise do final da década de 1920 e início da década de 1930, quando estourou a profunda recessão econômica, com o crash das bolsas de Nova Iorque, gerando repercussões sociais, políticas e econômicas gravíssimas, com elevadas taxas de desemprego atingindo, em média 20% nos Estados Unidos, provocadas pela gestão descontrolada da economia. Nesse contexto de desestruturação social, político e econômico, estabeleceu se por metade de uma década, a hegemonia de outra matriz de pensamento, caracterizada pelo intervencionismo estatal, influenciada pelas idéias keynesianas. Com efeito, o presidente norte americano Franklin Delano Roosevelt estabeleceu o New Deal pacote econômico de recuperação e reconstrução da economia norte americana, em que houve um investimento maciço em obras públicas, a fim de fomentar a geração de empregos, a destruição de estoques de gêneros agrícolas, a fim de conter a queda brusca de seus preços, o controle sobre os preços e a produção, e a diminuição da jornada de trabalho para gerar mais postos de emprego. Sobre a hegemonia do pensamento reformista e intervencionista no capitalismo, desde os anos de 1930, MAURÍCIO GODINHO DELGADO 11 acredita que conferiu aos países industrializados ocidentais, a partir de 1945, cerca de três décadas de elevado crescimento econômico, de generalizada distribuição de serviços públicos e de significativa participação da renda trabalho nas respectivas riquezas nacionais. Com isso, deu origem à fase que o historiador inglês Eric Hobsbawn denominou de a era de ouro ou os anos dourados do capitalismo. 10 GODINHO, Maurício Delgado. CAPITALISMO, TRABALHO E EMPREGO Entre o paradigma da destruição e os caminhos da reconstrução. terceira edição. LTR: São Paulo, GODINHO, Maurício Delgado. CAPITALISMO, TRABALHO E EMPREGO Entre o paradigma da destruição e os caminhos da reconstrução. terceira edição. LTR: São Paulo, 2008.

7 Privilegiou-se as teorias que cogitavam um novo paradigma ao Estado - Estado de Bem Estar Social, representando uma das maiores conquistas da democracia nos países capitalistas ocidentais, período que ficou conhecido como anos dourados. A implementação do Estado de Bem Estar Social estabeleceu, especialmente no século XX a declaração de valores, princípios e práticas consideradas fundamentais: democracia, valorização do trabalho e do emprego, justiça social e bem-estar. Apesar de o Brasil não ter vivenciado a verdadeira experiência do Estado de Bem Estar Social, os valores difundidos incorporaram-se em nosso ordenamento jurídico, sendo inseridos nos princípios e regras da Carta Constitucional de Em que pese a supremacia por três décadas do intervencionismo neoclássico de Keynes, em meados dos anos de 1970, por causa da Crise do Petróleo de , iniciou-se uma grave crise econômica, propiciando o ressurgimento das idéias liberais revigoradas, ante a incapacidade conjuntural das políticas públicas intervencionistas, influenciadas pelo modelo keynesiano de enfrentar com resultados rápidos a inflação e estagnação despontadas naquela época, surgindo propostas de políticas publicas com caráter fiscal, financeiro e desregulamentador, influenciado pelo capital financeiroespeculativo. Segundo os defensores da política ultraliberal, defendida por Friederich Von Hayek e Milton Friedman, a economia e a política do Welfare State seriam insustentáveis, principalmente porque não conseguiria manter o controle da inflação, o que geraria excessivos custos tanto na esfera do governo (em virtude das políticas públicas e sociais), quanto na privada (em decorrência do pleno emprego). A partir de então os países líderes do capitalismo mundial estabeleceram uma profunda reorganização das políticas macroeconômicas, deixando de lado as idéias keynesianas e passaram a adotar as medidas de natureza liberal-monetarista, provocando inevitavelmente grande impacto no sistema mundial, quer na atuação 12 A crise do petróleo aconteceu em cinco fases, todas depois da Segunda Guerra Mundial provocada pelo embargo dos países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e Golfo Pérsico de distribuição de petróleo para os Estados Unidos e países da Europa. Acesso em 19/06/2010.

8 sociopolítica, econômica e cultural. A política monetária torna-se o principal instrumento de regulação macroeconômica, conforme os preceitos monetaristas. Segundo afirma o economista francês DOMINIQUE PLIHON monetarismo e liberalismo tornam-se assim, os novos princípios fundamentais da política econômica. 13 O início do período de taxas flutuantes de cambio propiciou, em conjunto com outras medidas de liberalização do sistema financeiro, o surgimento de uma fase de ampla dominância mundial das transações financeiras, estabelecendo a hegemonia do setor fincaneiro-especulativo no conjunto do sistema econômico contemporâneo. A gestão da economia e das políticas públicas conduziu ao inicio de uma longa fase de liberalização crescente das fronteiras nacionais à livre circulação de mercadorias, do capital financeiro, estritamente, especulativo, rentabilidades desproporcionais para as aplicações financeiras, diminuição da atuação direta do Estado, restrição do investimento público na economia e na sociedade, supremacia das grandes empresas, concentração de capital, coisificação do trabalho humano, redução do número de empregos, desestruturação dos movimentos sindicais. Especificamente, na seara trabalhista, as idéias neoliberalistas diminuíram o valor social do trabalho a um outro patamar, meramente utilitarista, o que disseminou a precarização das condições de trabalho através da flexibilização e da desregulamentação excessivas. MAURÍCIO GODINHO 14 avalia os impactos das influencias liberal-monetaristas como uma mediocrização do desenvolvimento econômico. Sustenta ainda que embora os EUA influenciem outros países a adotarem medidas liberal-monetaristas, o que se vislumbra, no entanto, é que usualmente os Estados Unidos da América, quer por ousadia quer por sensatez, adotam certas terapias keynesianas em sua economia interna o que evita as repercussões econômico-sociais devastadoras percebidas em outras regiões do planeta. Cita ainda exemplos de tais terapias keynesianas, tais como a concretização por Ronald Reagan, na década de 1980, de elevados investimentos estatais, bem como o estabelecimento oficial de moderadas 13 PLIHON, Dominique. Desequilíbrios Mundiais e Instabilidade Financeira: a responsabilidade das políticas liberais. Um ponto de vista keynesiano, in CHESNAIS, François (Coord.), A mundialização Financeira gênese, custos e riscos, São Paulo: Xamã, 1998, p GODINHO, Maurício Delgado. CAPITALISMO, TRABALHO E EMPREGO Entre o paradigma da destruição e os caminhos da reconstrução. terceira edição. LTR: São Paulo, 2008.

9 taxas de juros, estabelecida nos governos de Bill Clinton, e George Bush, na década de 1990, e início do século XXI, o que fomentou a elevada demanda agregada na economia, com o conseqüente nível de emprego. Surge também, com a falta da intervenção do Estado na economia, a discussão sobre a responsabilidade social da empresa, que aparece contida em vários dispositivos constitucionais, tais como os artigos 1, III, artigo 7, I, XI, XXVII, artigo 11, artigo 170, III, artigo 193 e 194, todos da Constituição Federal. No contexto constitucional, a liberdade de livre iniciativa está condicionada ao fim da justiça social, e será ilegítima quando exercida com objetivo de puro lucro, e realização pessoal do empresário. Isso, contudo, não quer dizer que é proibido o auferimento de lucro, e tampouco o empreendedorismo na ordem econômica, pelo contrario, justamente para alcançar o seu fim social, a empresa deve articular-se com os demais agentes econômicos a fim de atingir o êxito total do empreendimento. O que se observa na atual conjuntura, é que o lado das conseqüências dramáticas de grandes impactos do império neoliberal de gestão na economia e nas políticas públicas, ou seja, de desregulamentação econômica, gerou, em tempos de crise econômica um menosprezo ao trabalho e ao emprego, com conseqüentes desempregos e subemprego, em prol do superprivilégio ao capital-financeiro especulativo, por este representar, na visão de MAURÍCIO GODINHO, a moeda, o dinheiro, a riqueza em seu estado puro. 15 No Brasil, antes mesmo que a crise financeira alcançasse as empresas, sem cumprir a função social a elas impostas, a do pleno emprego, já se programaram para dispensar em massa seus empregados, reivindicando mais flexibilização dos direitos trabalhistas, criando um clima de pânico e tensão para que pudesse favorecer as reformas trabalhistas, que julgam ser necessárias ao desenvolvimento do país. Efetivamente o Estado contemporâneo está pautado na livre iniciativa dos indivíduos e das empresas privadas, além da busca pela valorização do trabalho humano (artigo 170, da CR/88), no entanto, isso por si só não significa ter que abrir mão do ideário de 15 GODINHO, Maurício Delgado. CAPITALISMO, TRABALHO E EMPREGO Entre o paradigma da destruição e os caminhos da reconstrução. terceira edição. LTR: São Paulo, 2008.

10 construção do cidadão enquanto sujeito individualmente considerado, enquanto inserido na sociedade. Faz-se necessário, portanto, a inserção do Estado na economia de forma subsidiária, como limite de natureza constitucional à atuação abusiva da iniciativa privada, como ocorrido no Brasil e em outros países do mundo, de modo a manter e suportar os anseios do capitalismo laizze faire neoliberal, frente à crise econômica, para que não tome proporções irreversíveis no desenvolvimento da sociedade, e da economia, para que não reste prejudicado o equilíbrio entre a livre iniciativa e a valorização do trabalho humano. Sobre o tema sustenta o juiz trabalhista JORGE LUIZ SOUTO MAIOR Como se vê, nesta primeira alternativa, de viabilidade do capitalismo, a solução dos problemas da crise não se resume à cômoda aceitação da intervenção do Estado na lógica de mercado. É preciso que o sentido ético se insira na ordem produtiva. Por exemplo, de nada servem as iniciativas de incentivo à produção ou à construção civil, se os produtos e obras se realizarem por intermédio de mecanismos de supressão dos direitos dos trabalhadores, pois que isso, alem de significar desrespeito à ordem jurídica, representa também, uma forma de agressão ao ser humano, quebrando assim, toda possibilidade de pacto social. Para implementação desse projeto, já inscrito na Constituição brasileira, exercem papel decisivo a parcela consciente do empresariado nacional, alem do Estado e do mercado consumidor a partir de uma atitude à base de sanções e prêmios. Há quem afirme que a intervenção do Estado foi o caminho mais acertado para que o Brasil pudesse sair de forma rápida da crise financeira. Sustentou também o presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o Estado aparece como a única resposta confiável à irracionalidade econômica para a qual foi conduzida a humanidade pelos mercados. 16 No entanto, dificilmente, essa tese irá se confirmar. Em crítica ao comentário do presidente Lula e aos que defendem o retorno do intervencionismo estatal, o economista e ex-ministro da Fazenda em 1988/1990 MAÍLSON FERREIRA DA NÓBREGA, em artigo publicado pela revista VEJA, em 15/05/2010 afirmou que O Estado não assumiu nem assumira papel novo na economia. Suas funções de regulador do sistema financeiro é que serão revistas, como ocorreu após as crises financeiras que irromperam em média a cada dez anos desde o século XVII. A ação estatal na crise seguiu os manuais de economia. Ninguém de bom senso de direita ou esquerda defendeu o retorno do controle estatal de 16 NÓBREGA, Maílson Ferreira. Crise Européia: a esquerda está órfã de novo, in VEJA, 15/05/2010.

11 bancos ou de empresas de siderurgia, transporte, comunicações, mineração, aviação, e outras... A turbulência despertou arcaicos instintos. Juras de amor ao estado forte. O cadáver Telebrás será ressuscitado. Houve clara má interpretação das ações dos países ricos durante a crise. A idéia nunca foi restabelecer o intervencionismo. Por outro lado, defende JOSEPH E. STIGLITZ que é absolutamente relevante o papel do Estado, que não deve deixar de intervir nas relações econômicas. Não deve aceitar pura e simplesmente as receitas postas por órgãos internacionais como o FMI. 17 Neste sentido, sustenta, TÉRCIO ROBERTO PEIXOTO SOUZA 18, que não há uma formula mágica para a consecução de determinados fins. Cada país possui sua matriz econômica, sua história, sua cultura e suas relações comerciais. De outro lado, o mero crescimento econômico não representa uma melhor vida dos cidadãos desses países. Diante da discussão pelo retorno das políticas intervencionistas, no mundo imantado pelos ideais neoliberais, não podemos olvidar, em tempos de crise econômica, que o ordenamento jurídico pátrio atribuiu uma tutela especial ao valor do trabalho na Constituição Federal, como expressão primordial da proteção ao pleno emprego e à dignidade da pessoa humana, principalmente frente ao modo de produção dentro de uma economia liberalizada. Assim, os Estados devem adotar quaisquer mínimos contra-pesos keynesianos à hegemonia ultraliberal, de modo a assegurar a tutela mínima garantida pela Constituição Federal: pleno emprego e dignidade da pessoa humana. No entanto, compete aos juristas saberem até que ponto é salutar essa intervenção do Estado na economia. A crise não é do direito de trabalho e sim uma crise econômica. Há necessidade de encontrarmos um equilíbrio que não tire a proteção dos direitos dos trabalhadores e, por outro lado que não acabe com a competitividade das empresas. In suma, as crises econômicas é uma realidade periódica do sistema capitalista. Se as leis do mercado fossem perfeitas, não haveria a necessidade de intervenção do Estado. 17 STIGLITZ, JOSEPH E. A globalização e seus malefícios. 18 SOUZA, Tércio Roberto Peixoto, in Revista de Direito do Trabalho 2008 RDT 130, Flexibilização trabalhista: entre pleno emprego e o direito fundamental do trabalhador, Belo Horizonte, 2008.

12 De um lado nos temos um liberalismo econômico, em que a auto-regulação do mercado é o suficiente para solucionar os problemas decorrentes do capitalismo e relações humanas, por meio da mão-invisivel na economia. Por outro lado, nos temos o intervencionismo de John Maynard Keynes, em que o Estado assume a atividade econômica. Segundo o ministro do Tribunal Superior do Trabalho, em palestra sobre a crise econômica, em 21/06/2010, IVES GANDRA FILHO 19, o Estado é o pior empreendedor, porque não sabe gerir. Uma coisa é o Estado assumir alguma atividade, tais como segurança, a justiça, que lhes são próprios. O Estado tem que trabalhar de forma subsidiária. O Estado deve, portanto, intervir na economia para superar as crises econômicas, mas não pode substituir a iniciativa privada, ou retirar competitividade por excesso de regramento. Segundo JOSÉ AFONSO DA SILVA 20, o Estado brasileiro é capitalista, mas a ordem econômica atribui absoluta relevância aos valores do trabalho humano. E essa prioridade tem o sentido de orientar a intervenção do Estado na economia. 3- DEMISSÕES EM MASSA: PODER POTESTATIVO UNILATERAL DO EMPREGADOR X VIOLÊNCIA DO PLENO EMPREGO Ab initio, a expressão pleno emprego, a uma primeira vista, diz respeito à política econômica relativa ao trabalho, mais especificamente ao mercado de trabalho. Entretanto, a sua formulação primordial, keynesiana, pleno emprego significa pleno aproveitamento dos potenciais que uma determinada realidade econômica oferece. Por poucas palavras, a inspiração do artigo 170, inciso VIII, da Constituição Federal não visa apenas, apresentar o norte para a eliminação do problema do desemprego, como também para se evitar o desperdício, dos recursos humanos e 19 Em palestra proferida no 50 Congresso de Direito do Trabalho, em 21/06/2010, São Paulo. 20 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional. 13. Ed. São Paulo: Malheiros, 1997, p. 720

13 materiais disponíveis para que se chegue a uma realidade de desenvolvimento econômico e social, consoante os fins estabelecidos no caput do mesmo artigo 170. Sobre o tema, leciona JOSÉ AFONSO DA SILVA 21 que o pleno emprego é a expressão abrangente da utilização, ao grau máximo, de todos os recursos produtivos. Trata-se da utilização máxima da força de trabalho capaz. Ele se harmoniza, assim com a regra de que a ordem econômica se funda na valorização do trabalho humano. Isto porque querse que o trabalho seja a base do sistema econômico, receba o tratamento de principal fator de produção e participe do produto da riqueza e da renda em proporção de sua posição na ordem econômica. Como diz ANDRÉ RAMOS TAVARES 22 a necessidade de introduzir o referido dispositivo decorreu do reconhecimento do desemprego que aflige o país e traduz uma opção contraria de constituinte, ao capitalismo e liberalismo clássico. Segundo EROS GRAU 23 a propriedade dotada de função social obriga o proprietário ou titular do poder de controle sobre ela ao exercício desse direito-função (poder-dever), até para que se esteja a realizar o pleno emprego. Importante ressaltar que, em uma das oportunidades em que se pronunciou acerca do conteúdo da clausula do pleno emprego, o excelso Supremo Tribunal Federal se posicionou no sentido de que, por conta do aludido princípio, deve ser protegida não apenas as condições através das quais o trabalho é desenvolvido, previstas explicitamente em todo o sistema constitucional, notadamente no artigo 7, mas a própria manutenção dos postos de trabalho. O cenário mundial atual fez surgir uma acirrada discussão acerca da legalidade da dispensa em massa, em que de um lado figura-se o direito potestativo do empregador dispensar coletivamente, e de outro está a obrigatoriedade ou não da negociação coletiva para a validação das demissões em massa, sem perder de vista a violência ou não do principio do pleno emprego, assegurado constitucionalmente. 21 SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional. 13. Ed. São Paulo: Malheiros, 1997, p TAVARES, Andre Ramos. Direito constitucional econômico. São Paulo: Método, P APUD TAVARES, Andre Ramos. Direito constitucional econômico, cit. P. 229.

14 Importante esclarecer que o capitalismo é um sistema econômico caracterizado fundamentalmente pela relação de trabalho assalariada, na qual se encontram, em desigualdade de poder no mercado de trabalho, pessoas que detêm o capital e pessoas que, para sobreviverem, dependem exclusivamente da venda sistemática de sua força de trabalho. Por esse motivo, o emprego assume importância vital aos trabalhadores e para o sistema capitalista. No Brasil, antes mesmo que a crise financeira ameaçasse a estrutura das empresas, sem cumprir a função social a elas impostas e a política do pleno emprego, já se programaram para dispensar em massa seus empregados, reivindicando mais flexibilização dos direitos trabalhistas, criando um clima de pânico e tensão para que pudesse favorecer as reformas trabalhistas, que julgam ser necessárias ao desenvolvimento do país. Em que pese o esforço do governo federal para conter os efeitos devastadores da crise econômica no país, o presidente da Vale do Rio Doce veio a público, em outubro de 2008, e reivindicou, uma flexibilização das leis trabalhistas do país, como uma forma de combater os efeitos da crise financeira, ao mesmo tempo em que dispensava de seus empregados, apesar dos incomensuráveis lucros acumulados nos últimos anos. Não bastasse, por conta da alegada crise, em 2009, apresentou, no primeiro bimestre, lucros recordes após dispensar centenas de trabalhadores. Em um contexto de crise inicia-se sempre um choque de interesses entre empregados e empregadores, pois suas necessidades são antagônicas. De um lado, nós temos a empresa, que luta pela livre iniciativa assegurada constitucionalmente, desejando se manter saudável em momentos de crise. De outro lado, temos a massa de trabalhadores, que querem manter seus postos de trabalho para viabilizar o sustento próprio e de sua família. Neste caso, faz-se necessário adotar medidas para harmonizar os interesses opostos entre as partes, porquanto, sem emprego, os trabalhadores não consomem, e sem consumo, não há lucro para as empresas, e, logo, não há dinheiro em circulação, que por sua vez, gera escassez de dinheiro na economia, diminuindo a concessão de créditos pelos Bancos, inviabilizando o crescimento de alguns setores, gerando a recessão econômica.

15 Vale ressaltar que as empresas possuem papel muito importante na economia, e para a sociedade, na medida em que circula produtos e serviços, gera, por conseguinte, receitas e emprego para o país, inserindo os trabalhadores no mercado de consumo, democratizando o acesso às riquezas. Ocorre que as empresas jamais irão admitir diminuir seus lucros, em prol da função social e da preservação do pleno emprego, preferindo transferir todo os prejuízos com os seus empregados. Logo, submete-los a compor uma lide por uma solução que ensejará prejuízo, mesmo que ínfimo, será quase que impossível. Por isso, nós assistimos algumas demissões em massa de empregados ou até mesmo a flexibilização ainda maior dos direitos dos trabalhadores por meio de normas coletivas que muitas vezes são abusivas, prevendo renúncias de direitos indisponíveis, o que é vedado pelo Direito do Trabalho. Com efeito, aumentaram os movimentos empresários para flexibilização das normas heterônomas trabalhistas, por isso torna-se fundamental preservar o caráter protetivo do Direito do Trabalho e de seus institutos, a fim de equilibrar a assimetria de forças que caracteriza as relações de emprego, sobretudo em períodos de descompasso entre a produção e o consumo e de desalavancagem da economia. A realidade atual é que não existe em nosso ordenamento jurídico alguma legislação que proíba as demissões em massa, pois a empresa detém o poder diretivo e regulamentar do seu empreendimento, podendo demitir unilateralmente. No entanto, estabelece o artigo 170, III, da Constituição Federal que deverá a empresa observar a função social da propriedade, bem como o pleno emprego, fator importante para a manutenção equilibrada da economia e do bom funcionamento estatal. Além do mais, nos grandes noticiários de todo o país iniciaram-se propagandas para a procura de meios jurídicos que pudessem ser usados pelas empresas para conter a disseminação do caos financeiro tais como: suspensão do contrato de trabalho, redução salarial por negociação coletiva e dispensas coletivas, e muitos foram, em concreto os efeitos produzidos nesta direção.

16 Fruto nefasto do quadro exposto acima é a negociação coletiva em detrimento do trabalhador, voltada para beneficiar a empresa e mais, amplamente, o mercado e o sistema econômico e financeiro vigente, olvidando-se que cada direito trabalhista conquistado foi fruto de uma época de lutas e grandes reivindicações sociais. Lado outro, sobre o assunto o Presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ministro Milton Moura França, sugeriu que a negociação coletiva pode ser utilizada para reduzir direitos trabalhistas legalmente previstos, gerando, por outro lado, segundo JORGE LUIZ SOUTO MAIOR 24, isso pode acarretar um tremor considerável na idéia de se apresentar como viável o projeto de uma sociedade capitalista desenvolvida a partir de um pacto de solidariedade, sobretudo por conta das incoerências, que se mostram às claras na presente crise. Essa corrida passando por cima dos direitos fundamentais e indisponíveis trabalhistas é totalmente injustificável,e JORGE LUIZ SOUTO MAIOR 25 identifica três motivos: Primeiro, porque não estando o custo do trabalho na origem da crise, nada autoriza dizer que a sua redução possa ser fator determinante para que a crise seja suplantada. Segundo, porque já se pode verificar o quanto se apresentou precipitada e oportunista tal atitude. Com efeito, em fevereiro de 2009, registrou-se um aumento do nível de emprego formal, sobretudo nos setores de serviços; construção civil; agricultura e administração pública². A própria Companhia Vale do Rio Doce, que iniciou esse movimento irresponsável, se viu obrigada a informar que no quarto trimestre de 2008, quando anunciou dispensas coletivas de trabalhadores, obteve um lucro líquido de R$10,449 bilhões, o que representa um aumento de 136,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando a empresa obteve um lucro líquido de R$ 4,411 bilhões. A Bovespa acumula alta de 11% no mês de março de 2009³. A venda de automóveis, segundo se argumenta, em razão da redução do IPI, sofreu um aumento de 11%4. As vendas do comércio varejista subiram 1,4% em janeiro com relação a dezembro do ano passado, segundo noticiou o IBGE. Nos últimos 12 meses até janeiro de 2009, as vendas do varejo nacional acumulam alta de 8,7%. A EMBRAER, que dispensou empregados, está sob investigação do Ministério do Trabalho, acusada de ter fornecido bônus de R$50 milhões a 12 diretores e de ter efetuado a contratação de 200 empregados terceirizados (fatos negados pela EMBRAER como verdadeiros). Em terceiro lugar, mesmo que a crise fosse o que se apresentava e ainda há dúvidas quanto ao que possa efetivamente ser é grave, de todo modo, 24 MAIOR, Jorge Luiz Souto, Yes, nós temos sociedade e direito! Revista jurídica Consulex Ano XIII. Nº de abril de 2009, Belo Horizonte. 25 Idem, ibidem.

17 a ausência de uma compreensão histórica. Ora, os argumentos de dificuldade econômica das empresas; a alegação de que elas seriam obrigadas a fechar se fossem obrigadas a dar aumento de salário ou estabelecer melhores condições aos trabalhadores, sobretudo no que tange a limitação da jornada, salário mínimo e férias; que é melhor um trabalho qualquer a nenhum; que é mais saudável para as crianças de 05 a 10 anos se dedicarem à disciplina do trabalho subordinado durante 8 ou mais horas por dia do que ficarem nas ruas desocupadas; que é preciso primeiro propiciar o sucesso econômico das empresas de forma sólida para somente depois pensar em uma possível e progressiva distribuição da riqueza produzida; que a livre iniciativa não pode ser obstada pela interferência do Estado; foram uma constante no período de formação da Revolução Industrial e se reproduziram por mais de cem anos até que em 1914, sem qualquer possibilidade concreta de elaboração de um novo arranjo social, o mundo capitalista entrou em colapso. Diante deste impasse entre a falta de regulamentação jurídica que proíba as demissões em massa e a responsabilidade da função social da empresa, bem como o respeito ao pleno emprego, torna-se importante, buscarmos instrumentos alternativos para a solução, e a melhor opção, é a negociação prévia, por intermédio dos sindicatos, já que as demissões em massa não podem ser a primeira e única alternativa do empregador para superar os problemas de direção e comando em tempos de conjuntura econômica desfavorável e instável. Os sindicatos são, portanto, entes representativos de classes que possuem direitos, garantias e deveres assegurados por lei e com objetivos comuns de tutelarem os interesses de seus membros. JORGE LUIZ SOUTO MAIOR 26 destaca que o papel importante dos sindicatos é o de dar corpo e configuração à consciência de classe dos trabalhadores, possibilitando uma luta mais organizada e com maior força negocial em direção a conquistas mais abrangentes, generalizáveis, que possibilitem a melhoria das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores como todo. Assim, por intermédio dos sindicatos a negociação coletiva serve para melhorar as condições de vida, de salário e trabalho, não podendo servir de instrumento para a pactuacão coletiva que reduza, suprima ou modifique in pejus direitos laborais já assegurados, e que guardem relação, mesmo que indireta, com os direitos humanos e fundamentais. As flexibilizações dos direitos pátrios devem respeitar o mínimo 26 MAIOR, Jorge Luiz Souto, Yes, nós temos sociedade e direito! Revista jurídica Consulex Ano XIII. Nº de abril de 2009, Belo Horizonte.

18 existencial, o patamar mínimo da dignidade da pessoa humana, sem olvidar que o abuso do direito se equipara a ato ilícito (artigo 187 do Código Civil), gerando nulidade da negociação coletiva abusiva. Alerta ISABELA PARELLI HADDAD FLAITT 27 a crise econômica é a pedra de toque da flexibilização dos demais direitos trabalhistas, isto é, não sendo comprovada a real dificuldade econômica da empresa, não há que falar em redução ou flexibilização de direitos. Não havendo crise a empresa deve cumprir com todas as suas obrigações integralmente, deve respeitar todos os direitos trabalhistas. O que se espera ansiosamente é que as empresas parem de visar apenas o lucro e passem realmente a respeitar os trabalhadores e seus direitos, cumprindo adequadamente, a função social que lhes é imposta pela Carta Constitucional (artigo 170, III), pois antes de serem trabalhadores essas pessoas são seres humanos, que têm o direito de viver com o mínimo de dignidade, o principio dos princípios, fundamento basilar de nosso Estado Democrático de Direito. Neste contexto, em foi divulgada pela Procuradoria Regional do Trabalho da 2º Região manifestação oficial do Ministério Publico do Trabalho sobre flexibilização 28, em que foi reconhecida expressamente que os sindicatos podem utilizar instrumentos e medidas emergenciais, de comum acordo com as empresas ou sindicatos patronais, visando a manutenção dos postos de trabalho, com o objetivo de evitar qualquer impacto social, recomendando que nas negociações coletivas que envolvam redução de jornada, seja levado em consideração os direitos trabalhistas mínimos, devendo se ater aos seguintes aspectos: 1. As entidades sindicais podem ajustar medidas emergenciais, de comum acordo com as empresas, que visem à preservação dos empregos, sempre fundadas em critérios objetivos e visando o menor impacto social. 2. Neste ajuste, deve a Lei nº 4.923/1965 ser integralmente cumprida, com atenção especial aos seguintes aspectos: 27 FLAITT, Isabela Parelli Haddad. A crise mundial e suas conseqüências para o mundo do trabalho in Suplemento Trabalhista, São Paulo: LTR, PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO OFICIAL DO MPT SOBRE FLEXIBILIZAÇÃO, acessada em 20/06/2010,

19 a) os acordos ou convenções coletivas que prevejam a redução de jornada e consequente redução salarial devem ser, necessariamente, frutos de negociação coletiva, com a participação da categoria interessada, por meio de assembléia geral, em que seus termos sejam aprovados por maioria de votos dos empregados interessados, sindicalizados ou não. b) a redução salarial deve ocorrer pelo prazo máximo de 3 (três) meses, prorrogável nas mesmas condições e se ainda indispensável, em face do estado financeiro emergencial da empresa; c) as remunerações, pro labore e gratificações de gerentes e diretores devem ser reduzidas na mesma proporção aplicada aos empregados. d) a celebração desses acordos e convenções coletivas devem submeter-se à prévia e inequívoca comprovação documental (insuficiência econômica, financeira e patrimonial, que inviabilize a manutenção de postos de trabalho) às entidades sindicais, por parte das empresas interessadas, dando conta de sua situação econômica emergencial. e) Durante a vigência desses acordos coletivos e convenções coletivas, fica vedado o trabalho em sobre-jornada decorrente de incremento de produção. f) Situações emergenciais que impliquem em acréscimos da jornada, assim como, as decorrentes de força maior serão objeto de negociação. g) Os acordos coletivos e as convenções coletivas para esse fim firmadas deverão ser depositadas no Ministério do Trabalho e Emprego, em atenção ao cumprimento da Lei. 3. Os acordos e convenções coletivas para tal fim devem ser, preferencialmente antes de firmados, enviados ao Ministério Público do Trabalho para a devida análise. Portanto, devem os sindicatos envolvidos na negociação coletiva procurar instrumentos diversos para o enfrentamento da crise, sem que isso acarrete na resolução coletiva dos contratos de trabalho, sem, contudo, mitigar os direitos dos trabalhadores. Lado outro, aceitar sem quaisquer ressalva a dispensa coletiva sem prévia negociação coletiva e injustificada viola vários preceitos da Constituição de 1988 da dignidade da pessoa humana, valor social do trabalho, valor social da livre iniciativa, a busca pelo pleno emprego, alem de contrariar objetivos específicos da nossa Lei Maior que são do de construir uma sociedade justa e solidária e erradicar a pobreza e a marginalização, alem de reduzir as desigualdades sociais e regionais. Portanto, o fundamento utilizado pelo setor empresarial de dificuldade econômica para sustentar as demissões em massa não antecede à formação dos direitos sociais, que já estiveram presentes na formação do capitalismo, e, quando a situação de crise financeira era uma evidencia indubitável, não foram válidos para impedir o aparecimento dos direitos trabalhistas, o que significa que o Direito do Trabalho tem razão de ser exatamente em tempos de crise econômica, servindo como um paradigma de um modelo de reestruturação social.

20 Em artigo publicado em 10/04/2009, MARIA CECÍLIA MÁXIMO TEODORO 29 critica os atos unilaterais e injustificados patronais e alerta sobre os problemas sociais, sustentando que Questionam-se os atos das empresas em demitir inúmeros trabalhadores em curto período de tempo, sob o pretexto da inviabilidade econômica e financeira de manter os postos de trabalho diante da crise, optando por unilateralmente e na surdina decidir pela redução de empregos e encargos sociais, o que se designa por dispensa coletiva dos trabalhadores, ou dispensa em massa ou demissão em massa dos trabalhadores, e assim por diante. O problema social das demissões coletivas se agrava quando a empresa ( não social ) utiliza-se do subterfúgio de não avisar, de não negociar, de não encontrar alternativas por meio da negociação coletiva junto ao sindicato representante da categoria para evitar as demissões. É inconteste que o modo oportunista de proceder de algumas empresas em desconsiderar o interesse de toda a comunidade, constrangendo sindicatos a fim de auferir a redução/ flexibilização de direitos trabalhistas, alem de pressionar o Estado para obter incentivos fiscais, acabou gerando uma reação de modo inesperado do Judiciário, frente às atitudes patronais de rescindirem unilateralmente contratos de trabalho. Portanto, a necessidade de combater os constantes abusos no poder econômico, na livre iniciativa desregrada, no poder potestativo unilateral empresário, pode conduzir uma sociedade mais justa e solidária. Mesmo diante de uma crise mundial, o Poder Econômico empresarial deve observar os limites da boafé e da função social da empresa. A jurisdição estatal trabalhista em duas relevantes decisões proferidas pelo TRT 2 Região, Relator Desembargador Ivani Contini Bramante, e da 15 Região pelo Relator Desembargador José Antonio Pancotti abriram as portas do judiciário para a avaliação de mérito sobre as dispensas coletivas, em que restou determinado a observância da prévia negociação coletiva, anulando a dispensa imotivada e coletiva dos trabalhadores, de forma a evitar grandes impactos sociais. Na decisão da 15 Região restou determinado a indenização aos trabalhadores de dois salários mínimos, além das verbas resilitórias, manutenção por um ano de plano de saúde, preferência por até dois anos de recontratação, além de manutenção das liminares concedidas suspendendo as rescisões dos contratos, o que, entretanto, foi modificada pelo colendo Tribunal Superior do Trabalho. Sustenta MARIA CECÍLIA MÁXIMO TEODORO 30 que As decisões mencionadas são difusoras no sistema jurídico pátrio, mas os egrégios TRT s ao concluírem pelo vício no negócio jurídico e pela ilicitude na conduta dos agentes envolvidos restringiram-se, pois: ou determinaram as empresas a indenizar os obreiros (com diversas 29 TEODORO, Maria Cecília Máximo, SILVA, Aarão Miranda da Silva, Exigibilidade: Nas demissões massivas é imprescindível a negociação coletiva prévia. Acessado em 22/03/ TEODORO, Maria Cecília Máximo, SILVA, Aarão Miranda da Silva, Exigibilidade: Nas demissões massivas é imprescindível a negociação coletiva prévia. Acessado em 22/03/2010.

21 formas), ou remeteram as partes a um acordo específico para as demissões. Outros mecanismos jurídicos poderiam ter sido utilizados e mais efetividade às normas trabalhistas alcançadas, incluindo, aplicações de sanções às empresas. Porém, o marco difusor foi a consideração e evidencialidade pacífica de abusividade e ilicitude nas condutas dos empregadores em praticarem as demissões em massa, e sempre unilaterais. Conforme estabelece o artigo 170, da Constituição Federal, a ordem econômica deve ser fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tendo por fim assegurar a todos existência digna, consoante os ditames da justiça social, observando os seguintes princípios: propriedade privada, função social da propriedade, livre concorrência, redução das desigualdades regionais e sociais, e a busca pelo pleno emprego. Em síntese, a nossa Carta Constitucional não tem letra morta, portanto deve ser realizada a interpretação harmônica destes princípios e normas com os artigos introdutórios da Constituição Federal (artigos 1 ao 11 ), o que permite concluir que o caminho a ser seguido é o do bem comum, das condições igualitárias, do bem estar social, da dignidade da pessoa humana, do pleno emprego (trabalho digno), da paz social, dentre outros, sempre valorizando a busca pelo equilíbrio de forças. 4- A ORDEM ECONÔMICA E O VALOR SOCIAL DO TRABALHO De conformidade com o artigo 1, inciso IV, da Constituição Federal é possível vislumbrar o valor social atribuído ao trabalho como sendo um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito, e por sua vez, como conseqüência, o constituinte elencou no artigo 7 da carta constitucional, alguns direitos reputados como fundamentais, visando assegurar um piso, um conjunto mínimo de condições para o regular desenvolvimento das relações de trabalho, de modo a construir uma sociedade livre, justa e igualitária. Neste contexto principiológico do valor do trabalho no âmbito constitucional, deve ser levado em consideração as previsões que estabelecem o artigo 170 da Constituição Federal, em que restou evidente que a opção do constituinte foi por uma economia de mercado, de natureza eminentemente capitalista, mas com a cautela de se preservar os valores do trabalho humano sobre os demais, nesta mesma economia.

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte.

UNIDADE 4 A CRISE DO GUERRA MUNDIAL. CAPITALISMO E A SEGUNDA. Uma manhã de destruição e morte. UNIDADE 4 A CRISE DO CAPITALISMO E A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. Uma manhã de destruição e morte. No início de agosto de 1945, os Estados Unidos tentavam, sem resultado, conseguir a rendição japonesa. A solução

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

American Way Of Life

American Way Of Life Crise de 1929 Ao final da Primeira Guerra, a indústria dos EUA era responsável por quase 50% da produção mundial. O país criou um novo estilo de vida: o american way of life. Esse estilo de vida caracterizava-se

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato

Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Acerca da atividade sindical e das contribuições para o Sindicato Muito se discute hoje acerca das contribuições compulsórias destinadas aos Sindicatos, em especial das contribuições assistencial e confederativa.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano

CRISE DE 29. Colapso do sistema financeiro americano CRISE DE 29 Colapso do sistema financeiro americano Antecedentes: Europa destruída pela grande guerra depende do capital americano; EUA responsável por 50% de toda produção industrial do mundo; American

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES?

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES? FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÃO AO APERFEIÇOAMENTO DO TEXTO DA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI QUE ALTERA, REVOGA E ACRESCE DISPOSITIVOS DÀ LEI Nº 8.159, DE 1991, QUE DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA POR QUE EXISTE TRIBUTO? QUEM TEM O PODER DE COBRAR TRIBUTO? COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS ARRECADADOS? O QUE A POPULAÇÃO PODE FAZER PARA CONTROLAR A APLICAÇÃO DOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 04.11.2015

C L I P P I N G DATA: 04.11.2015 C L I P P I N G DATA: 04.11.2015 DESTAQUE SINDESP/DF participa do Sicomércio 2015 no Rio de Janeiro Durante três dias, líderes da representação sindical dos empresários do comércio e serviços de todo o

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Resumo de Notícias. Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadoras de Mesas Telefônicas no Estado do Espírito Santo

Resumo de Notícias. Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadoras de Mesas Telefônicas no Estado do Espírito Santo 27/11/2014 - Teletime Rezende alerta que se escolherem ir à Justiça, teles saem perdendo O presidente da Anatel, conselheiro João Rezende, afirmou nesta quinta, 27, que a agência não concorda com a tese

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

PATRÍCIA SABOYA GOMES

PATRÍCIA SABOYA GOMES PARECER N, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter de decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 299, de 2004, que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional de Inclusão

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS - PLR EXERCÍCIOS 2014 e 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado: VALE S/A, inscrita no CNPJ (MF) sob o n.º 33.592.510/0001-54,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 2.586, DE 2015 Altera o art. 52 da Lei nº 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, para permitir que o juiz tenha mais discricionariedade

Leia mais

Estado de Sergipe Poder Judiciário 4ª Vara Cível CAPUCHO, ARACAJU/Se Termo do Despacho Dados do Processo Número 200410400571 Classe Civil Publica Situação ANDAMENTO Competência 4ª VARA CíVEL Distribuido

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 128/2013 Institui o Programa Banco de Alimentos do Município de Foz do Iguaçu, e dá outras providências. Prefeito Municipal Mensagem nº 064/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A.

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. A presente Política de Divulgação de Informações relevantes tem como princípio geral estabelecer o dever da Marisa Lojas S.A. ( Companhia

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015.

Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. 1 de 5 27/02/2015 17:50 Memorando nº 16/2015-CVM/SEP Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. PARA: SGE DE: SEP Assunto: Recurso contra aplicação de multa cominatória COMPANHIA DE ÁGUAS DO BRASIL CAB AMBIENTAL

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Programa REVITALIZAR Apresentação Pública Lisboa, Ministério da Economia e do Emprego 8 Fevereiro 2012 O Programa REVITALIZAR é uma iniciativa do Governo que tem por

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o quórum de aprovação de convênio que conceda remissão dos créditos tributários constituídos em decorrência de benefícios, incentivos fiscais ou financeiros instituídos

Leia mais

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ Em praticamente todos os segmentos da sociedade, fala-se muito da importância da educação pública para o desenvolvimento de um povo, e no município do Rio de Janeiro não é diferente. Nas diversas instâncias

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 A atual conjuntura económica e financeira portuguesa, fortemente marcada pela contração da atividade

Leia mais

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Uma das mais importantes conquistas sociais alcançadas com a Constituição Federal de 1988 foi a institucionalização da Seguridade Social, organizada

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais