UFSM. Dissertação de Mestrado DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE. Fabiano Rocha Flores PPGCOM. Santa Maria, RS, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFSM. Dissertação de Mestrado DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE. Fabiano Rocha Flores PPGCOM. Santa Maria, RS, Brasil"

Transcrição

1 UFSM Dissertação de Mestrado DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE Fabiano Rocha Flores PPGCOM Santa Maria, RS, Brasil 2011

2 FABIANO ROCHA FLORES DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Área de Concentração em Comunicação Midiática, da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Comunicação. Orientadora: Ada Cristina Machado da Silveira Santa Maria, RS, Brasil 2011

3 F634d Flores, Fabiano Rocha Do problema das identidades na pós-modernidade / por Fabiano Rocha Flores f. ; il. ; 30cm Orientador: Ada Cristina Machado da Silveira Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, RS, Midiatização 2. Identidade 3. Pós-modernidade 4. Psicanálise 5. Mídia I. Silveira, Ada Cristina Machado da II. Título CDU Ficha catalográfica elaborada por Cláudia Terezinha Branco Gallotti CRB 10/1109 Biblioteca Central UFSM

4 Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-Graduação em Comunicação Área de concentração em Comunicação Midiática A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova a dissertação de Mestrado Do problema das identidades na pós-modernidade elaborada por Fabiano Rocha Flores como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Comunicação COMISSÃO EXAMINADORA: Drª Ada Cristina Machado da Silveira (UFSM) Presidente/Orientador Drª Ana Luiza Coiro Moraes (UNIFRA) Primeiro membro Dr Luís Fernando Lofrano de Oliveira (UFSM) Segundo membro Santa Maria, 02 de março de 2011.

5 A Ney, Marli, Bernardo e Janice; por tudo aquilo que só nós sabemos.

6 AGRADECIMENTOS Muito obrigado à professora e amiga Ada Cristina Machado da Silveira, pelas preciosas orientações, pela atenção, pela disponibilidade e por saber reconhecer e aceitar o meu tempo para o cumprimento de cada etapa deste trabalho. Mas, sobretudo, muito obrigado pela confiança em mim depositada. Muito obrigado à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, pelo suporte financeiro. Muito obrigado a Janderson Andrade Rodrigues, por comigo ter tido conversas que chamaram minha atenção para o tema que no presente trabalho desenvolvo, por ter incentivado sua produção e por muitas vezes ter comigo debatido os impasses que se apresentaram, para que deles saísse. Muito obrigado aos amigos, que souberam entender minhas ausências e que me acolheram nas poucas e breves vezes em que pude comparecer. Muito obrigado aos meus pais, Ney Carlos de Vasconcellos Flores e Marli Rocha Flores, por não medirem esforços em sua dedicação a mim e a meu irmão, para que tenhamos uma vida melhor. Muito obrigado ao meu irmão, Bernardo Rocha Flores, por ter esperado até meses atrás para que pudesse iniciar sua trajetória de formação profissional, já que não dispúnhamos de condições de fazer ambas as formações, a minha e a dele, concomitantemente. Muito obrigado à Janice Dahmer, por seu amor, por estar sempre ao meu lado, por ter me dado força nos momentos difíceis, através de seu apoio, das palavras de incentivo, e por ter feito para mim mais felizes os momentos alegres, simplesmente com seu sorriso.

7 Cheguei a conhecer velhos gaúchos de chiripá e pé no chão, gente guapa na esquiva da lei e da miséria. Contrabandistas que passavam a noite sigilosos como sorros. Gente que falava uma mistura de espanhol e português, um portuñol que, ao invés de fazê-los binacionais, tornava-os estrangeiros nas duas pátrias. Julián Murquía

8 RESUMO Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Comunicação Universidade Federal de Santa Maria DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE AUTOR: FABIANO ROCHA FLORES ORIENTADORA: ADA CRISTINA MACHADO DA SILVEIRA LOCAL E DATA DA DEFESA: SANTA MARIA, 02 DE MARÇO DE 2011 Percebemos que a passagem da Modernidade para a Pós-Modernidade resultou de alguma forma problemática para as identidades. Especificamente sobre o que de problemático para as identidades há nessa nova condição é ao que nos dedicamos aqui. Para tal, articulamos teorias sobre identidade, midiatização e referencial psicanalítico para propormos nosso entendimento sobre a constituição das identidades na pós-modernidade. Essa articulação nos leva à esfera midiática enquanto instituição culturalmente hegemônica e, portanto, proponente dos principais parâmetros para constituição das identidades na atualidade, o que faz com que nela resida nossa análise empírica. Analisamos semioticamente quatro sitcoms em busca de uma amostra desses parâmetros identitários a partir dos quais estão se calcando as identidades. É de posse de tais parâmetros que chegamos a uma resposta para nossa questão inicial: a de que seria a transferência da responsabilidade pela realização do processo de simbolização das escolhas identitárias das instituições sociais para o individuo isolado, precisamente a dificuldade de alguns em desempenhar essa função, o problema das identidades na pós-modernidade. Palavras-chave: Identidade; Midiatização; Pós-Modernidade; Psicanálise; Sitcom.

9 ABSTRACT Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Comunicação Universidade Federal de Santa Maria OF THE PROBLEM OF THE IDENTITIES IN THE POSMODERNITY AUTHOR: FABIANO ROCHA FLORES ADVISER: ADA CRISTINA MACHADO DA SILVEIRA DATE AND PLACE OF DEFENSE: SANTA MARIA, MARCH 02ND, 2011 We realize that the passage of Modernity to Postmodernity worked somewhat problematic for the identities. Specifically about what of the identity is problematic for this new condition is that we dedicate here. To this end, we articulated theories about identity, mediazation and psychoanalysis to propose our understanding of the formation of identities in postmodernity. This link leads to the media as a hegemonic cultural institution and, therefore, proposing the main parameters for the formation of identities in nowadays, what causes it resides our empirical analysis. We analyzed semiotically four sitcoms in search of a sample of these identity parameters from which the identities are forming. It is in possession of such parameters that we reach an answer to our initial question: that it would be to transfer responsibility for conduction of the process of symbolization of identities choices of social institutions to the individual isolate, precisely the difficulty of some in perform this function, the problem of identities in Postmodernity. Key-words: Identity; Mediatization; Postmodernity; Psychoanalysis; Sitcom.

10 RESUMEN Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Comunicação Universidade Federal de Santa Maria DEL PROBLEMA DE LAS IDENTIDADES EN LA POSMODERNIDADE AUTOR: FABIANO ROCHA FLORES ORIENTADORA: ADA CRISTINA MACHADO DA SILVEIRA LOCAL Y FECHA DE LA DEFENSA: SANTA MARIA, 02 DE MARZO DE 2011 Nos damos cuenta de que la pasaje de la modernidad para la posmodernidad ha sido de alguna forma problemática para las identidades. Específicamente sobre lo que ha de problemático para las identidades en esta nueva condición es a lo que nos dedicamos aquí. Para tal, articulamos teorías sobre identidad, mediatización e referencial psicoanalítico para que posemos proponer nuestra comprensión acerca de la formación de la identidad en la posmodernidad. Esta articulación nos lleva a los media como institución culturalmente hegemónica e, por lo tanto, capaz de proponer los principales parámetros de formación de las identidades en la actualidad, lo que hace con que en los media resida nuestra análisis empírica. Analizamos semioticamente cuatro sitcoms en búsqueda de una amuestra de tales parámetros identitários a partir de los cuales las identidades están se formando. Es de pose de estos parámetros que llegamos a una respuesta para nuestra cuestión inicial: la de que sería la transferencia de la responsabilidad por la realización del proceso de simbolización de las opciones identitárias de las instituciones sociales para el individuo aislado, más precisamente la dificultad de algunos en desempeñar tal función, el problema de las identidades en la posmodernidad. Palabras clave: Identidad; Mediatización; Posmodernidad; Psicoanálisis; Sitcom.

11 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Exemplo de procedimento metodológico geral QUADRO 2 Exemplo de procedimento metodológico específico QUADRO 3 Categorias principais de análise denotativa QUADRO 4 Categorias secundárias de análise denotativa QUADRO 5 Sequência de análise completa QUADRO 6 Exemplo de quadro de análise QUADRO 7 Corpus total de análise QUADRO 8 Corpus exemplar de análise QUADRO 9 Corpus complementar de análise QUADRO 10 Análise da unidade semiótica QUADRO 11 Análise da unidade semiótica QUADRO 12 Análise da unidade semiótica QUADRO13 Análise da unidade semiótica QUADRO 14 Análise da unidade semiótica QUADRO 15 Análise da unidade semiótica QUADRO 16 Análise da unidade semiótica QUADRO 17 Análise da unidade semiótica QUADRO 18 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em O rei da festa QUADRO 19 Análise da unidade semiótica QUADRO 20 Análise da unidade semiótica QUADRO 21 Análise da unidade semiótica QUADRO 22 Análise da unidade semiótica QUADRO 23 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em Problema Doméstico QUARDO 24 Análise da unidade semiótica

12 QUADRO 25 Análise da unidade semiótica QUADRO 26 Análise da unidade semiótica QUADRO 27 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em Vovô e a Disney QUADRO 28 - Análise da unidade semiótica QUADRO 29 Análise da unidade semiótica QUADRO 30 Análise da unidade semiótica QUADRO 31 Análise da unidade semiótica QUADRO 32 Análise da unidade semiótica QUADRO 33 Análise da unidade semiótica QUADRO 34 Análise da unidade semiótica QUADRO 35 Análise da unidade semiótica QUADRO 36 Análise da unidade semiótica QUADRO 37 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em Uma tarde de sábado normal QUADRO 38 Análise da unidade semiótica QUADRO 39 Análise da unidade semiótica QUADRO 40 Análise da unidade semiótica QUADRO 41 Análise da unidade semiótica QUADRO 42 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em 30 segundos de fama QUADRO 43 Análise da unidade semiótica QUADRO 44 Análise da unidade semiótica QUADRO 45 Análise da unidade semiótica QUADRO 46 Valores promovidos e respectivos registros de inscrição em 50 anos de praia QUADRO 47 Totalidade dos valores promovidos QUADRO 48 Número de ocorrência(s) dos valores promovidos

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS IDENTIDADE E MIDIATIZAÇÃO Comunicação como interação: identidade é um objeto comunicacional Comunicação como tecnointeração: as identidades midiatizadas são um objeto da comunicação midiática A IDENTIDADE E AS IDENTIDADES A IDENTIFICAÇÃO SIMBÓLICA COMO ORIGEM DA CONSTITUIÇÃO DA(S) IDENTIDADE(S) REFERÊNCIAS GENEALÓGICAS DAS INSTITUIÇÕES CULTURALMENTE HEGEMÔNICAS PARA OS PARÂMETROS DE CONSTITUIÇÃO DA(S) IDENTIDADE(S) VALORES EM SITCOMS TELEVISIVAS COMO ELEMENTOS CULTURALMENTE VALORIZADOS CAPÍTULO II DA ANÁLISE EMPÍRICA ASPECTOS E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ANÁLISE DE PARÂMETROS IDENTIFICATÓRIOS A grande família O rei da festa Aventuras da família Brasil Problema doméstico Aventuras da família Brasil Vovô e a Disney Os normais Uma tarde de sábado normal Fantasias de uma dona de casa 30 segundos de fama Fantasias de uma dona de casa 50 anos de praia SÍNTESE E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS CAPÍTULO III DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES DO PROBLEMA DAS IDENTIDADES NA PÓS-MODERNIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA APÊNDICE A Análise do corpus complementar ANEXO A DVD com os episódios que compõem o corpus exemplar de análise ANEXO B DVD com os episódios que compõem o corpus complementar de análise 234

14 13 INTRODUÇÃO Acerca do tema e do problema que abordamos, poderíamos dizer que não, eles não foram escolhidos; mas, sim, que eles próprios se escolheram, no sentido de que as bemaventuranças pelos distintos labirintos teóricos os quais outrora percorremos é que foram direcionando-os para o que agora eles são. Dessa forma, eles representam a congruência da maioria dos conhecimentos com os quais até agora tivemos relação. Dizemos isso em função da trajetória pessoal e acadêmica que cumprimos. Nascemos em Santana do Livramento, fronteira oeste do Rio Grande do Sul, Brasil, cidade-gêmea de Rivera, a qual por sua vez localiza-se ao norte da República Oriental do Uruguai. Entre essas cidades não há divisão física, como pontes, rios ou muros, não há qualquer impedimento ao trânsito de pessoas ou carros entre ambas, uma vez que suas ruas são contínuas. Apenas a cultura de cada uma implica algum tipo de segmentação. Entretanto, a miscigenação cultural existente faz de seus habitantes brasileiros um pouco uruguaios e dos uruguaios um pouco brasileiros. Essa miscigenação provoca um sentimento de estranheza quanto ao pertencimento a qualquer dos lados e um sentimento de desconfiança da parte do outro quanto ao reconhecimento do fronteiriço enquanto compatriota. Objetivamente a Cédula de Identidad uruguaia ou a Carteira de Identidade brasileira estabelecem o pertencimento, mas subjetivamente, tal sentimento parece só se constituir quanto à própria fronteira. Aos cinco anos de idade fomos morar na capital do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, por um período de cinco anos. Após, voltamos para Santana do Livramento. Ao voltarmos, pela primeira vez experimentamos o que é sentir-se deslocado. Não éramos mais semelhantes àqueles que ali haviam ficado. Muito tempo se passou até que não notássemos mais tal estranheza. No ano de 2002, quando estávamos ainda em Santana do Livramento, cursando graduação em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS, voltamos a perceber um certo deslocamento, desta vez quanto

15 14 àquela profissão. Decidimos tomar novos rumos, interrompemos essa graduação para, em 2003, outra iniciar: Comunicação Social Habilitação Publicidade e Propaganda, na Universidade Federal de Santa Maria UFSM. Em seguida, acreditamos que podíamos ampliar nossa formação e iniciamos, em 2004, nova graduação, em Psicologia, igualmente na UFSM. No início, principalmente no Curso de Publicidade e Propaganda, o sentimento de deslocamento foi novamente experimentado, mas aos poucos foi diminuindo, até não ser mais percebido, graças ao convívio com os colegas, que se tornaram amigos. Nestes primeiros semestres do Curso de Publicidade e Propaganda nos aproximamos do professor Adair Caetano Peruzzolo, inicialmente no Programa de Educação Tutorial, PET, do qual ele era tutor, onde frequentávamos suas reuniões. Ali estudamos questões vinculadas à Comunicação de uma forma geral. Logo o professor Adair criou um grupo de pesquisa, o qual chamávamos Grupo Imagem, mas que estava oficialmente registrado sob o nome Teorias e Estratégias Comunicacionais e de Significação, onde estudávamos semiologia visual, a leitura de imagens. Esta pequena trajetória culminou na produção de minha monografia de conclusão do Curso de Publicidade e Propaganda, orientada pelo professor Adair sob o título Estratégias Discursivas e Efeitos de Sentido nos Elementos Constitutivos de Audiovisual Publicitário. Em função de termos esta experiência em semiótica, optamos por neste trabalho utilizá-la como instrumental teórico-metodológico para nossa análise empírica, e em função de termos este percurso ao lado de Adair Peruzzolo é que o utilizamos como principal referência no tema. Nesta mesma época, tivemos o prazer de assistir muitas aulas ministradas por Eduardo Guillermo Castro, o qual em muito contribuiu para o caráter social com o qual passamos a encarar muitas questões em Psicologia. Também foi a esta altura que nos foi apresentada, em suas disciplinas, a Teoria Psicanalítica Freudiana pela destacada professora Maria Luiza Furtado Kahl, responsável por abrir esta nova perspectiva de entendimento da qual nunca mais nos afastamos. Passado algum tempo, participamos do Grupo de Estudos sobre Lacan, onde nos reuníamos em distintos locais para ouvir a apresentação de seminários proferidos pela professora Cláudia Maria de Sousa Palma sobre textos lacanianos pré-selecionados. Também muitas aulas desta professora foram por nós assistidas. Foi a professora Cláudia quem nos introduziu na Teoria Psicanalítica Lacaniana. Concomitantemente, conhecemos o professor Hector Omar Ardans-Bonfácino, que nos apresentou toda uma problemática acerca da noção de identidade. Com ele realizamos um estágio extracurricular, em sua Clínica Psicossocial da Identidade, tivemos o prazer de assistir suas aulas, participamos de um projeto de extensão no município de Jaguari-RS, chamado

16 15 Oficinas de Identidade em Jaguari, criamos um grupo de estudos, o qual infelizmente não prosperou, chamava-se Grupo de Estudos em Identidade. Participamos atualmente de seu grupo de pesquisa, o Laboratório de Psicologia Socioambiental e Intervenção - LAPSI, na qualidade de pesquisador. Foi com o professor Omar que nos aproximamos na teoria e na prática da noção de identidade. Mais recentemente, conhecemos o professor Luís Fernando Lofrano de Oliveira. Não tivemos a oportunidade assistir muitas de suas aulas, mas tivemos a satisfação de realizar um estágio curricular de práticas em psicologia, seguindo a linha psicanalítica, que contou com sua supervisão para questões teóricas. Podemos dizer que com ele reorganizamos nossa compreensão acerca da Psicanálise ao entendermos algumas das dificuldades advindas de perspectivas objetivantes, generalizantes. Aprendemos a conferir o status subjetivo a coisas que em essência não têm como não ser justamente o que são, subjetivas. Participamos do processo de criação de um grupo de pesquisa vinculado ao tema da representação da pulsão, por ele proposto. Por uma lástima tal grupo de pesquisa não prosperou e extinguiu-se em pouco tempo. Nossa monografia de conclusão do Curso de Psicologia será orientada pelo professor Luís Fernando. Atualmente participamos de um cartel. Cartel é a maneira como lacanianamente é chamado um grupo de estudos sobre as idéias de Lacan. Este cartel é coordenado pelo professor Francisco Ritter, o qual recentemente regressou da Argentina, destacado pólo mundial em Psicanálise, onde doutorou-se. Nosso cartel estuda as idéias dos cinco primeiros seminários de Lacan. Com o professor Francisco estamos nos aprofundando e verificando o que entendemos sobre algumas noções já conhecidas, assim como conhecendo muitas noções que desconhecíamos. Outra das importantes pessoas para nosso percurso acadêmico, de quem nos aproximamos e que agora destacamos, é a professora Ada Cristina Machado Silveira. Com ela sedimentamos nossos conhecimentos acerca da noção de identidade a partir do conhecimento de outras perspectivas de compreensão e reorganizamos nosso entendimento quanto à pósmodernidade, que até então individualmente pesquisávamos em função do início da concepção deste trabalho. A alocação de uma posição para a esfera midiática em meio à problemática pós-moderna foi por nós lograda graças as suas qualificadas comunicações, seja nas orientações deste trabalho, seja nas aulas ministradas. Participamos do grupo de pesquisa Comunicação, Identidades e Fronteiras, do qual ela é líder. Dessa forma, quando decidimos ingressar na pós-graduação, o tema da pesquisa que empreenderíamos e a perspectiva com a qual abordaríamos tal tema de certa forma já haviam

17 16 se escolhido. Não poderia ser outro que não identidade o tema, já que contamos com uma inquietação advinda daquilo que outrora sentimos. Não poderia ser outra a abordagem que não um entendimento psicanalítico da noção de identidade, já que boa parte de nosso percurso de formação intelectual está a esse campo vinculado. Não poderíamos desconsiderar a midiatização, dado toda nossa formação em Comunicação Social Publicidade e Propaganda. Não poderia basear-se em outra teoria que não a semiótica nossa metodologia, dada nossa introdução nesse arcabouço. Não poderíamos não considerar a noção de identidade a partir de um duplo aspecto, individual e social. E não poderíamos deixar de considerar as teorias da pós-modernidade, não em função de alguma experiência prévia, já que nossa introdução a esse tema se deu em função do presente trabalho, mas porque o próprio tema escolhido para este trabalho implica considerar tais questões. Talvez agora tenhamos nos colocado em uma posição onde melhor compreendemos o sentimento de estranheza que antes sentíamos. *** Escolhemos o mestrado em comunicação da UFSM como suporte institucional e como sede de conhecimento adequada para viabilização desta pesquisa em função, inicialmente, de sua área de concentração, comunicação midiática. Acreditamos que não é possível realizar um estudo que retrate da maneira mais fiel possível o que acontece na realidade em que vivemos, principalmente quando se dirige o olhar para o modo de constituição das identidades contemporâneas, sem que se tenha a mídia como ator de grande destaque. Uma vez que o estudo que agora apresentamos se propõe a questionar qual o problema com as identidades na contemporaneidade, não poderia ser outra a área de concentração (midiática) do programa de pós-graduação em comunicação escolhida. O mesmo raciocínio aplicamos à linha de pesquisa elegida, mídia e identidades contemporâneas. Como o tema sobre o qual incide nossa proposta é um aspecto próprio da atuação da mídia na constituição das identidades contemporâneas, pensamos não haver dificuldade em justificar sua inserção nessa linha de pesquisa, uma vez que ela se dispõe a estudar justamente esse ponto específico. Evidentemente, tal raciocínio se sustenta somente se o quadro de referência do trabalho proposto for composto por autores que possibilitem uma visão acerca de tal fenômeno desde o ponto de vista do campo da comunicação. Tal cuidado é por nós tomado. ***

18 17 A dissertação que estamos apresentando tem como tema a relação entre a emergência do panorama de midiatização e a constatação de um problema com as identidades na pósmodernidade. Essa dissertação tem como hipótese a possibilidade da existência de certa parcela de contribuição da midiatização para o referido panorama. Abordamos este tema inicialmente por questões teóricas, ligadas às três principais noções envolvidas nesse estudo: midiatização, identidade e pós-modernidade. É dessa forma que estabelecemos nossos pressupostos teóricos. O cumprimento desta etapa nos conduz à verificação empírica em busca de elementos para que possamos construir nossa resposta sobre a questão que nos colocamos, qual seja: Qual o problema com as identidades na pós-modernidade? Nesta análise, examinamos semioticamente quatro programas seriados de televisão, do tipo Sitcom, em busca de valores neles promovidos e em busca de uma predominância quanto à inscrição nos registros do real, do simbólico e do imaginário do conteúdo dos desenvolvimentos argumentativos que contribuem para a promoção de tais valores. As sitcoms que analisamos são: A grande família e Os normais, da Rede Globo de Televisão, e Aventuras da família Brasil e Fantasias de uma dona de casa, da Rede Brasil Sul de Comunicações. Duas delas são exemplos de produção nacional, duas delas são exemplos de produção regional; duas delas tratam de relações familiares, duas delas tratam de relações entre um casal. Faremos uma breve contextualização, com vistas a deixar mais claro o problema de pesquisa ao qual nos dedicamos. Partimos da hipótese, frequentemente vista na literatura, da existência de um problema com as identidades contemporâneas. O mundo torna-se cada vez mais fluido, mais multiforme; e o sujeito, em função disso, cada vez mais deslocado, mais descentrado. A expansão do sistema de economia capitalista originou o fenômeno da globalização, que por sua vez em muito favoreceu, e ao mesmo tempo muito foi favorecido, pelo desenvolvimento da mídia. Consideramos que é provável que a consolidação da esfera midiática como referência cultural na sociedade, situação que culminou no fenômeno da midiatização, tenha tido relação com o surgimento de outro fenômeno contemporâneo: a pós-modernidade, e aquilo que dela decorre. A pós-modernidade, condição sócio-cultural e estético-política do capitalismo tardio, é caracterizada por uma multiplicidade de particularidades dentre as quais a mais importante, no âmbito do que aqui se propõe, é o problema enfrentado pelas identidades contemporâneas. Tendo em mente que os referenciais sócio-culturais clássicos (Estado, igreja, família, escola, etc.) gradualmente perdem sua força como modelos que um dia foram para as identidades, e igualmente considerando o contexto da noção de midiatização, onde a mídia

19 18 está cada vez mais ocupando o lugar de espelho que oferece os parâmetros a partir dos quais calcar-se-ão as identificações; propomos, para entender a situação na qual encontram-se as identidades contemporâneas, uma análise daquilo que durante a realização desta pesquisa fomos levados a considerar como consequência dessa ascensão da esfera midiática (da telecomunicação, da comunicação não-presencial, da comunicação mediada pela mídia) a uma posição culturalmente hegemônica: a existência de uma contribuição da mídia para o problema das identidades na pós-modernidade. Uma das questões de pesquisa passou a ser então entender de que forma a mídia contribui para a existência de um problema com as identidades na pós-modernidade. Esse conhecimento guiou nossas opções quanto à análise empírica e nos ajudou a responder nossa questão central. Dessa forma, o objetivo geral desta pesquisa é analisar a relação entre o contexto de midiatização do homem e da sociedade dos dias de hoje e a existência de um problema com as identidades na pós-modernidade. Para cumprir tal objetivo, o dividimos em partes menores, os chamados objetivos específicos, os quais correspondem a: (1) Construir um quadro teórico de referência que discuta o entendimento das principais noções envolvidas neste estudo; que evidencie a pertinência do objeto estudado ao campo epistemológico da comunicação; que diferencie as constituições identitárias modernas e pós-modernas; que discuta a origem da constituição de identidades; e que contemple as principais instituições sociais envolvidas historicamente na constituição de identidades. (2) Empreender uma análise empírica em produtos midiáticos que possibilite descobrir elementos que auxiliem a encontrar a resposta procurada. (3) Relacionar os resultados da análise empírica às ponderações do referencial teórico e assim construir uma resposta para a pergunta: qual o problema com as identidades na pósmodernidade? Para que cumpramos o necessário rigor em que implica uma pesquisa científica, realizamos intensa pesquisa bibliográfica e, no que se refere à análise dos produtos midiáticos, como dissemos, nos valemos da semiótica enquanto suporte teórico-metodológico. Já para definir o número de produtos que analisamos, trabalhamos com as noções de corpus exemplar de análise e corpus complementar de análise. O procedimento utilizado foi o de reunir o corpus total de análise, 12 episódios das referidas sitcoms e neles aplicar nossa análise apenas em nível denotativo, o primeiro dos três níveis de nossa análise. Este estágio é por nós chamado análise experimental. De posse de tais resultados, elegemos os seis episódios que passaram a integrar o corpus exemplar de análise, onde são então analisados nos dois níveis

20 19 seguintes, conotativo e polissêmico. Já os episódios preteridos passam a integrar o corpus complementar de análise, sobre os quais não é mais retomada a análise. Dessa forma, o corpus exemplar de análise é composto por dois episódios dos programas Fantasias de uma dona de casa e Aventuras da família Brasil, e um episódio dos programas A grande família e Os normais, totalizando um tempo semelhante de material para cada produção, aproximadamente 30 minutos. O corpus complementar de análise é igualmente composto por dois episódios dos programas Fantasias de uma dona de casa e Aventuras da família Brasil, e um episódio dos programas A grande família e Os normais. Nosso corpus total de análise conta então com quarto episódios de Fantasias de uma dona de casa, quarto episódios de Aventuras da família Brasil, dois episódios de A grande família e dois episódios de Os normais. *** Para finalizar, apresentamos a divisão dos capítulos de nosso trabalho, acompanhada de uma breve síntese daquilo que compõem os mesmos. Este trabalho foi por nós dividido em três capítulos, no primeiro, chamado Dos pressupostos teóricos, apresentamos e problematizamos as bases teóricas que nos orientam na questão que investigamos. Este primeiro capítulo se subdivide em cinco subcapítulos. O primeiro deles chama-se Identidade e midiatização, onde construímos um quadro referencial que define o objeto teórico de estudo, em especial a noção de identidade, como pertencente ao campo da Comunicação, dando ênfase à pertinência à área da Comunicação midiática. No segundo subcapítulo, A identidade e As identidades, diferenciamos as configurações identitárias típicas da modernidade e da pós-modernidade. No terceiro subcapítulo, A identificação simbólica como origem da constituição da(s) identidade(s), através da noção de identificação simbólica, expomos nosso entendimento quanto à constituição de identidades. Tal entendimento indica a incursão do sujeito na cultura em busca de elementos para identificar-se, o que nos conduziu ao quarto subcapítulo, Referências genealógicas das instituições culturalmente hegemônicas para os parâmetros de constituição da(s) identidade(s), o qual diz respeito a uma análise pessoal, em forma de breve genealogia, das consequências das vicissitudes históricas na posição de instituição culturalmente hegemônica para os parâmetros de constituição de identidades. Neste subcapítulo, somos novamente levados ao entendimento da mídia como instituição culturalmente hegemônica na atualidade, já enfatizada no primeiro subcapítulo deste bloco.

21 20 Definido o objeto de análise empírica, a mídia, no quinto subcapítulo, Valores em sitcoms televisivas como elementos culturalmente valorizados, a partir dos últimos pressupostos teóricos, definimos o veículo, o subgênero e os formatos que analisamos, assim como a categoria conceitual valores como a categoria a ser neles observada. No capítulo, denominado Da análise empírica, analisamos semioticamente os programas já citados. Cada episódio dos programas escolhidos para análise é examinado em subcapítulo próprio, para termos uma melhor organização. Destaca-se, no início deste bloco o subcapítulo Aspectos e procedimentos metodológicos, onde apresentamos nossas opções metodológicas para a análise e, ao final deste bloco, o subcapítulo Síntese e interpretação de resultados, onde apresentamos quadros sintéticos com a totalidade dos valores promovidos nas sitcoms e, na sequência, sua interpretação. O último capítulo, Do problema das identidades, destina-se, de posse dos resultados da análise empírica e levando em consideração os pressupostos teóricos, a responder à questão de pesquisa. Este capítulo é composto por um único subcapítulo, Do problema das identidades na pós-modernidade, onde relacionamos os resultados da análise empírica a nossos pressupostos teóricos. As (in)conclusões a que chegamos abrem a perspectiva para um panorama até então apenas implicitamente indicado, o que nos leva a teoricamente abordá-lo e assim finalizar nosso estudo.

22 21 CAPÍTULO 1 DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS A partir da literatura que consultamos, tomamos conhecimento da existência de um problema com as identidades do Homem hodierno. Descentramento, fluidez, deslocamento, ausência de referenciais, são algumas das expressões usadas para caracterizar a situação em que se encontram as identidades contemporâneas. Recorrentemente, percebemos que é relacionado ao problema que vivem as identidades, uma gama de características que dizem respeito à condição sócio-cultural e estético-política do capitalismo contemporâneo, por alguns chamada pós-modernidade, por outros período moderno tardio, hipermodernidade, etc. Acreditamos que o entrelaçamento entre essas duas noções, entre o problema das identidades e a pós-modernidade, produz-se sob uma circularidade na qual não se pode apontar início ou fim, mas onde permanentemente se está no meio. O que queremos fazer, neste primeiro capítulo, é construir o referencial teórico com o qual pensamos o referido panorama, o qual conta, além das noções de identidade e pósmodernidade, com a adição de outra noção a qual cremos ser indispensável para se considerar tal situação, mas a qual poucas vezes vimos levada em conta no contexto dessa problemática. Estamos falando da noção de midiatização. Neste capítulo, então, problematizamos os pontos teóricos que entendemos como fundamentais para se pensar questões referentes à noção de identidade. Ao fim deste capítulo, com tais pontos problematizados, passamos ao exame do objeto empírico de análise a que este referencial teórico nos conduziu, buscando elementos para mais tarde responder qual, em nossa visão, é o problema com as identidades na pós-modernidade.

23 IDENTIDADE E MIDIATIZAÇÃO Gostaríamos de, aqui, brevemente, com objetivo de facilitar um mapeamento do trajeto que trilhamos, adiantar o percurso que traçamos à frente. No segmento Comunicação como relação: identidade é um objeto comunicacional, iniciamos apresentando algumas utilizações da noção de identidade no campo comunicacional; o entendimento da noção de identidade suscitará a necessidade de conhecimento de outras noções (significado, papéis, cultura, representação), as quais, de uma forma mais reduzida, comentamos. Feito isso, passamos, à apresentação da abordagem de entendimento da noção de identidade dos Estudos Culturais, da constituição de identidade a partir da diferença, a qual utilizamos em função de (1) a considerarmos como um dos entendimentos mais simplificados da noção de identidade e por (2), em função dessa simplificação, que resulta em simplicidade, considerarmos esse como um dos entendimentos mais representativos dos fundamentos básicos comuns entre os demais entendimentos de tal noção no pensamento ocidental. Prosseguimos, então, com a exposição de parte da teoria da comunicação de Peruzzolo, a qual entende a noção de comunicação como, fundamentalmente, uma relação com a alteridade. Finalizamos essa primeira parte com a proposição argumentativa de uma relação lógica possível de ser estabelecida entre as posições que apresentamos: o entendimento da constituição de identidades a partir da diferença e a perspectiva da comunicação como encontro com o outro. Tal proposição argumentativa afirma que o objeto Identidade é pertencente, entre outros campos, também ao campo epistemológico da Comunicação. No segmento Comunicação como tecnointeração: as identidades midiatizadas são um objeto da comunicação midiática, apresentamos a Antropológica do Espelho, teoria da comunicação de Muniz Sodré na qual em muito nos baseamos para nossas elucubrações. Como resultado delas, debatemos as consequências do surgimento das neotecnologias de informação, que introduzem as categorias tempo real e espaço virtual, as quais nos conduziram a outros regimes de visibilidade pública. Derivam daí as noções de medium, ethos midiatizado e 4º bios, que produziram a tecnocultura, base para que nossa sociedade possa ser definida, agora, como midiatizada. Finalizamos essa segunda parte, e com ela este subcapítulo, com a expansão da proposição que anteriormente tínhamos feito. A adição das noções da teoria da comunicação de Sodré, baseada na emergência do fenômeno da midiatização, nos possibilita afirmar a atual pertinência do objeto Identidade ao subcampo epistemológico da Comunicação Midiática.

24 Comunicação como relação: identidade é um objeto comunicacional Podemos entender identidade, através de um viés semiológico, como o conjunto de marcas que estrutura o modo como os indivíduos são e, ao mesmo tempo, o conjunto de senhas pelas quais esses mesmos indivíduos se deixam identificar e se identificam; dessa forma, define-se identidade tanto no intercâmbio entre as crenças e construções simbólicas quanto na dinâmica das trocas (BARICHELLO, 2002). Castells (2006, p ) entende identidade como o processo de construção de significado com base em um atributo cultural, ou ainda, um conjunto de atributos culturais inter-relacionados, o(s) qual(is) prevalece(m) sobre outras fontes de significados. E, significado, como a identificação simbólica, por parte de um ator social, da finalidade da ação praticada por tal ator. Baseada nesse Castells, Barichello (2002) afirma que são possíveis identidades múltiplas, para um indivíduo ou para um ator coletivo, e que essa multiplicidade é uma fonte de tensão e contradição; logo, identidades múltiplas podem ser vistas em ações sociais ou em auto-representações. Observa, ela, que Castells, em função disso, diferencia identidade e papel, propondo identidade como fonte de significado de maior importância, em função do processo de autoconstrução e individuação que envolve: identidades organizam significados e papéis organizam funções. Para Castells (2006, p. 23), os papéis (por exemplo, ser trabalhador, mãe, vizinho, militante socialista, [...]), são definidos por normas estruturadas pelas instituições e organizações da sociedade ; já identidades, constituem fontes de significados para os próprios atores, [são] por eles originadas, e constituídas por um processo de individuação. Ele afirma que, de um ponto de vista sociológico, toda e qualquer identidade é construída, e também que, a construção de identidades vale-se da matéria prima fornecida pela história, geografia, biologia, instituições produtivas e reprodutivas, pela memória coletiva e por fantasias pessoais, pelos aparatos de poder e revelações de cunho religioso. Porém, todos esses materiais são processados pelos indivíduos, grupos sociais e sociedades, que reorganizam seu significado em função de tendências sociais e projetos culturais enraizados em sua estrutura social, bem como em sua visão de espaço/tempo (CASTELLS, 2006, p. 23). Trabalhamos com a idéia, no presente texto, no âmbito do que coloca Castells acima, de uma crescente importância da mídia na construção de identidades hodiernamente. Temos a impressão de estar havendo uma suplantação, uma sobrepujança da mídia em relação a esses referenciais mais tradicionais que Castells enumera. Desse pressuposto, que é a identificação

25 24 de um novo panorama, derivam algumas consequências, as quais serão expostas no decorrer deste texto. São elas que possibilitam e/ou sustentam o argumento geral que aqui estamos propondo: de que identidade é um objeto de pesquisa pertencente ao campo da comunicação, em especial ao subcampo da comunicação midiática; que, se não é exclusivo a esse campo, também não pode ser estudado, contemporaneamente, sem que se considere questões relativas a ele ao domínio midiático. Entretanto, por hora, julgamos necessário aprofundar algo mais a noção de identidade, para que somente então venhamos a levantar argumentos favoráveis a tal afirmação. Ronsini (2007) afirma que, quando se fala de identidade, normalmente, se oscila entre falar de identidades sociais, quando é usada a perspectiva de Cardoso de Oliveira 1 ; de identidades culturais, quando se usa a perspectiva de Stuart Hall 2 ; e de falar de identidades através de noções gerais de cultura e identidade, como fazem Renato Ortiz 3 e Nestor Garcia Canclini 4. Cultura e identidade são categorias conceituais que, em uma certa perspectiva teórica, podem ser tomadas como muito próximas, uma vez que cultura engloba o conjunto dos processos de significação. Canclini (2004, p. 34) define cultura como o conjunto de processos sociais de produção, circulação e consumo da significação na vida social, onde identidades podem ser entendidas como as organizadoras dos significados. Nesse mesmo sentido, mas em um âmbito mais específico, Silveira (2001, p. 42) [grifo da autora] afirma ser responsabilidade da(s) identidade(s) produzir significados a partir de concreções retidas enquanto representações. Temos, acima, a introdução de duas noções, cultura e representação, bastante amplas, uma vez que admitem diferentes definições a partir da linha teórica pela qual sejam abordadas. Julgamos que devem ser feitas breves considerações sobre elas, para avançarmos além do entendimento no nível do senso comum. Laraia (1986, p ), baseado em Keesing 5, separa as teorias modernas que tentaram definir o termo cultura em dois diferentes 1 Acreditamos que não estamos diante do caso do uso da expressão latina apud. Assim entendemos pois Ronsini cita Cardoso de Oliveira de forma indireta, o que faz com que não tenhamos a possibilidade de conferir precisão quanto ao que é de propriedade de Ronsini e o que é de propriedade de Cardoso de Oliveira nos conteúdos. Nestes casos, usamos como metodologia a indicação, em nota de rodapé, da obra citada pelo autor que consultamos. Acreditamos que assim possibilitamos o acesso a tal obra de quem por ela se interesse. Na bibliografia de Ronsini (2007, p. 82): CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Identidades, etnia e estrutura social. São Paulo: Pioneira, Na bibliografia de Ronsini (2007, p. 84): HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, Na bibliografia de Ronsini (2007, p. 85): ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, Na bibliografia de Ronsini (2007, p. 82): GARCIA CANCLÍNI, Néstor. Culturas Híbridas. São Paulo. Edusp, 1997a. 5 Na bibliografia de Laraia (1986, p. 114: KEESING, Roger. Theories of culture. Annual Review of

26 25 conjuntos: as teorias que consideram a cultura como um sistema adaptativo e as teorias idealistas da cultura, que por sua vez se subdividem em três diferentes abordagens: a que considera a cultura como um sistema cognivo, a que considera a cultura como sistemas estruturais e a que considera a cultura como sistemas. Segundo Laraia (1986, p ), Geertz 6 afirma que a cultura não se define por um complexo de comportamentos concretos, mas por um conjunto de mecanismos de controle, planos, receitas; regras, instruções (que os técnicos de computador chamam programa) para governar o comportamento. Metaforicamente, todos os homens são geneticamente aptos a receber um programa, e este programa é o que chamamos cultura. Mais à frente, exemplifica dizendo: uma criança está apta ao nascer a ser socializada em qualquer cultura existente. Esta amplitude de possibilidades, entretanto, será limitada pelo contexto real e específico onde de fato ela nascer. Já para Schneider 7, ainda segundo Laraia, cultura é um conjunto de símbolos e significados. Compreende categorias ou unidades e regras sobre relações e modo de comportamento. Quando estabelecemos uma relação entre as noções de identidade e cultura, podemos observar que, segundo Ronsini (2007), tais noções apresentam como semelhança os fatos de ambas serem construções simbólicas, ambas falarem de um pertencimento em relação a um referencial, e de ambas estarem imbricadas com a vida cotidiana e com a estrutura social. Essa mesma autora afirma que podemos fazer a seguinte relação entre essas noções: a cultura organiza identidades e identidades organizam os significados. Dessa forma, ela define identidade como os processos simbólicos de pertencimento em relação a referentes variados como cultura, nação, classe, grupo étnico ou gênero. Tais referentes dizem respeito a aspectos objetivos como posição do sujeito na estrutura social e a aspectos subjetivos ou discursivos que os atores utilizam para incluírem-se/excluírem-se na estrutura social (RONSINI, 2007, p ). Entendemos aqui, no contexto da noção de midiatização, que fala de um Homem e de uma sociedade midiatizados, que a mídia cada vez mais atua como um referencial para o indivíduo que calca sua identidade. A mídia apresenta, para o indivíduo, de forma incontestável, o estado-de-ser dos outros referenciais. Ela assumiu a posição de maior Anthropology, Vol. 3. Palo Alto, California.. 6 Na bibliografia de Laraia (1986, p. 113): GEERTZ, Clifford. A transição para a humanidade, in Sol Tax (org.), Panorama da antropologia. Rio, Fundo da Cultura, Na bibliografia de Laraia (1986, p. 115): SCHNEIDER, David. American Kinship: A Cultural Account. Nova Jersey, Prentice Hall,

27 26 propagador da cultura para a esmagadora maioria dos sujeitos, nos dias de hoje, em função de sua inserção no cotidiano de todos. O processo de propagação de cultura outrora dependia em grande parte da interação presencial entre as pessoas, mas, a partir de certo momento, praticamente a dispensa, pois conta com esse poderoso instrumento de irradiação. É a mídia quem expõe as características que poderão ser reproduzidas; é ela quem apresenta os diferentes modos-de-ser no mundo, alguns dos quais, serão escolhidos pelo sujeito para compor sua identidade. Estamos dizendo que a mídia opera como um referencial secundário, pois seu modo de operar é expor ou possibilitar que se exponham 8 todos os outros (primários), caracterizando-os, dentro de certos limites, à sua maneira. Dessa forma, talvez, possamos pensar esse referencial secundário como o mais poderoso de todos, em função de a legitimação dos outros referenciais todos passar necessariamente por ele, pela esfera midiática. Logo passaremos a debater em maior profundidade essa idéia; contudo, aqui, continuamos a questionar a noção de identidade. Para pensarmos a noção de identidade, acreditamos que é muito importante que se precise, na medida do possível, o que se quer dizer com representação, uma vez que a tentativa de definição da noção de identidade, da forma como ela foi historicamente abordada no Ocidente, passa necessariamente pela tentativa de definição dessa outra noção. Pesavento (1998, p. 19) coloca que, para entender o que se quer dizer com representação, é preciso tomar como pressuposto que esse termo comporta uma relação ambígua, entre presença e ausência, pois, representação, é a presentificação de um ausente, que é dada a ver por uma imagem mental ou visual que, por sua vez, suporta uma imagem discursiva. Então, a representação enuncia algo distante no tempo e no espaço, e estabelece uma relação de correspondência entre o que está ausente e o que está presente, que é diferente do mimetismo puro e simples. Ou seja, as representações do mundo social não são o reflexo do real nem a ele se opõem de forma antitética, numa contraposição vulgar entre imaginário e realidade concreta. Há, no ato de tornar presente ou ausente, a construção de um sentido ou de uma cadeia de significações que permite a identificação. Representar, portanto, tem o caráter de anunciar, pôr-se no lugar de, estabelecendo uma semelhança que permita a identificação e reconhecimento do representante como representado (PESAVENTO, 1998, p 19). Chartier (1990), numa forma de pensar por nós considerada positivista, um vez que aparentemente tenta dar um caráter objetivo para algo que em essência é subjetivo, argumenta que, para poder identificar o modo como, em diferentes lugares e diferentes momentos, uma 8 No sentido de tornar público.

28 27 determinada realidade social é construída, pensada ou lida, são necessárias classificações, divisões e delimitações que organizem a apreensão do mundo social em categorias fundamentais de percepção e apreciação do real. Essas categorias fundamentais são variáveis conforme a classe social ou meio intelectual e são produzidas pelas disposições estáveis, e partilhadas, próprias do grupo. Essas classificações, divisões e delimitações são os esquemas intelectuais incorporados que criam as figuras com as quais o presente adquire sentido, o outro torna-se inteligível e o espaço pode ser decifrado. Essas figuras são as representações do mundo social e essa organização da realidade é a forma como elas se constroem: elas aspiram à universalidade. Contudo, sempre são determinadas pelos interesses dos grupos que as forjam, não são discursos neutros, pois delas derivam estratégias e práticas sociais. A noção de representação [...] permite articular três modalidades de relação com o mundo social: em primeiro lugar, o trabalho de classificação e de delimitação que produz as configurações intelectuais múltiplas, através das quais a realidade é contraditoriamente construída pelos diferentes grupos; seguidamente, as práticas que visam fazer reconhecer uma identidade social, exibir uma maneira própria de estar no mundo, significar simbolicamente um estatuto e uma posição; por fim, as formas institucionalizadas e objectivadas graças às quais uns «representantes» (instâncias coletivas ou pessoas singulares) marcam de forma visível e perpetuada a existência do grupo, da classe ou comunidade (CHARTIER, 1990, p. 23). Dessa forma, poderíamos dizer que a(s) identidade(s) parte(m) de um sistema articulado de idéias e imagens de representações coletivas, estabelecendo uma existência social distinta que se afirma no plano do imaginário, a qual se traduz em práticas sociais efetivas, legitimadoras dessas representações. Ela é um processo ao mesmo tempo individual e coletivo, onde cada um se define em relação a um nós, em detrimento de um outros (PESAVENTO, 1998). Pertinente também é a noção proposta por Silveira (2002, p ), ao falar especificamente de representações midiáticas 9, quando introduz a noção de representação no interior do campo midiático, caracterizando as representações como uma forma atual de difundir e fixar a memória. Formações culturais sintéticas que são, as representações midiáticas são consequências dos mecanismos que as tornam concretas. O termo midiáticas indica que estão acessíveis a todos, em função da grande inserção que os meios de comunicação de larga escala possuem. A origem da representação está na ação transitiva de um sujeito que, ao perceber um objeto, dele constrói uma imagem. Silveira 9 As quais são as que efetivamente interessam nos termos do que este trabalho se propõe a fazer.

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Em qualquer uma das modalidades, o TCC deverá estar inserido em um das 3 linhas de pesquisa da Escola de Comunicação:

Em qualquer uma das modalidades, o TCC deverá estar inserido em um das 3 linhas de pesquisa da Escola de Comunicação: Curso de Comunicação Social Relações Públicas Regulamento TCC 2008/1 Capítulo 1 Considerações Preliminares: O presente regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do TCC I

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O ENSINO DE HISTÓRIA Universidade de Pernambuco Campus Mata Norte Curso de Licenciatura em História Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360 PRIMEIRO SEMESTRE Teórica Fundamentos da Comunicação e do Jornalismo Comunicação em Língua Portuguesa I Teoria da Comunicação Sociologia da Comunicação Introdução à Economia Fundamentos Epistemológicos

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA

Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento da UFBA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AMBIENTAL E DE SAÚDE PÚBLICA: IMPORTANTE COMPONENTE CURRICULAR PARA RECÉM INGRESSOS NO CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

BACHARELADO EM HISTÓRIA MEMÓRIA E IMAGEM

BACHARELADO EM HISTÓRIA MEMÓRIA E IMAGEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES BACHARELADO EM HISTÓRIA MEMÓRIA E IMAGEM BACHARELADO EM HISTÓRIA MEMÓRIA E IMAGEM REGULAMENTO PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1.

O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. O Ensino da Língua Estrangeira nas Escolas Públicas e a Distância 1. Antonio Veras Nunes 2 RESUMO - O presente artigo pretende compreender o que são crenças no ensino de Língua Estrangeira, nas escolas

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA

UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA UMA ANÁLISE DE TEXTOS DE ALUNOS NA AULA DE SOCIOLOGIA: (DES)MOTIVAÇÃO PARA A VIDA José de Jesus de Oliveira 1 (Fac. Signorelli) Siderlene Muniz-Oliveira 2 (UTFPR) Resumo: Esta comunicação tem como objetivo

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais