Prof. Dr. André Ricardo Ponce dos Santos UNISALESIANO, Centro Universitário Católico Auxilium - RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Dr. André Ricardo Ponce dos Santos UNISALESIANO, Centro Universitário Católico Auxilium - anrsantos@uol.com.br RESUMO"

Transcrição

1 EMPREENDEDORISMO: UM ESTUDO DE CASO NA FRANQUIA GOU CLÍNICAS DE ODONTOLOGIA DE LINS ENTREPRENEURSHIP: A CASE STUDY IN GOU FRANCHISE DESTISTRY CLINICS IN LINS Éric Tadeu Gimenes da Silva Pós Graduando em Gerência Contábil, Financeira e Auditoria - UNISALESIANO, Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Prof. Dr. André Ricardo Ponce dos Santos UNISALESIANO, Centro Universitário Católico Auxilium - RESUMO A necessidade de ferramentas que propiciem resultados fidedignos e abrangentes em um mercado tão competitivo e com informações sólidas para a tomada de decisão é apresentado um estudo de caso na franquia GOU Clínicas de Odontologia de Lins, procurando constatar ferramentas empreendedoras utilizadas para o desenvolvimento do negócio, como também sugerir possíveis ferramentas para auxiliar a elevar ainda mais o padrão de qualidade da empresa no mercado tão seleto que está inserido. Este artigo tem como objetivo demonstrar a importância das técnicas de Empreendedorismo. Foi realizada uma revisão teórica sobre o assunto com vistas a resgatar e aplicações sobre empreendedorismo, assim como foi realizado um estudo de caso em uma empresa que explora o ramo de odontologia no interior do estado de São Paulo. O trabalho apresenta que deve ser considerado para a implementação e constituição desse trabalho a missão, objetivos, valores e a cultura organizacional, juntamente com o mercado que se encontra inserida, sendo requisitos primordiais. A estruturação apresentada nesse trabalho demonstra um estudo que visa proporcionar o entendimento para os gestores em seus processos decisórios, visando agregar e auferir resultados abrangentes. Palavras-chave: Empreendedorismo. Tomada de Decisão. Gestão. Estruturação. 1 INTRODUÇÃO Diante da necessidade de mecanismos que proporcionem resultados assertivos e que possam apresentar dados e informações fidedignas para tomada de decisões, faz necessário à utilização de ferramentas empreendedoras que consigam auferir com eficiência essas informações. Para o estudo e constituição do trabalho escolheu-se falar de ferramentas empreendedoras em uma empresa do ramo odontológico, com o intuito de constatar 1

2 e demonstrar quais mecanismos desse empreendimento, e sugerir outras ferramentas que serão essenciais para a continuidade no ramo que está inserida. O termo Empreendedor surgiu na França, entre os séculos XVII e XVIII, designando pessoas ousadas que buscavam novas formas de agir fazendo o progresso econômico. Porém sua definição é muito complexa, pois, o Empreendedorismo recebeu fortes contribuições vindas de outras áreas, como psicologia e sociologia, o que pode ter acarretado variações em sua definição. A palavra Empreendedorismo tem raízes Francesas, e é conhecida como entrepreneur, sua tradução literal é empreendedor, empresário ou aquele que empreende a criação por conta própria em seu benefício, e os seus riscos, de um produto qualquer, ou aquele que lança à realização. Para Drucker (1974) empreendedorismo é: prática; visão de mercado; evolução, e diz ainda que o:. Trabalho específico do empreendedorismo numa empresa de negócios é fazer os negócios de hoje serem capazes de fazer o futuro, transformandose em um negócio diferente [...] Empreendedorismo não é nem ciência, nem arte. É uma prática. (DRUKER, 1974, p.25) No Cenário atual, as organizações possuem uma grande necessidade em buscar e desenvolver profissionais com perfil empreendedor. Esses profissionais são responsáveis pelas criações e inovações para que se obtenha uma diferenciação positiva frente às empresas do mesmo ramo. Neste contexto, este artigo tem como objetivo demonstrar a importância das técnicas de Empreendedorismo. Foi realizada uma revisão teórica sobre o assunto com vistas a resgatar e aplicações sobre empreendedorismo, assim como foi realizado um estudo de caso em uma empresa que explora a franquia GOU Clínicas de Odontologia é especializada em serviços de Ortodontia, está sediada na Rua Comandante Salgado, nº 115, no Bairro Vila Alta, na cidade de Lins São Paulo. Em um mercado tão competitivo e que cada vez mais faz com que os pequenos, médios e grandes empresários para vencer e crescerem em seus respectivos ramos precisam buscar ideias que resultem em ótimos negócios, surge o seguinte questionamento: As técnicas de Empreendedorismo, quando aplicadas no ramo Odontológico, podem auferir um melhor desempenho? Para responder esse questionamento, a priori, sugere a seguinte hipótese da existência de técnicas de empreendedorismo que já são aplicadas pela empresa GOU 2

3 Clínicas, e, que ao longo desse trabalho serão apresentadas quais são e como implantar outras técnicas essenciais para alavancar e auferir o empreendedorismo em uma empresa do segmento Odontológico. 2 REVISÃO TEÓRICA SOBRE EMPREENDEDORISMO A nomenclatura empreendedorismo apresenta vários significados amplos para diferentes segmentos, e, um dos seus significados é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem origem no termo empreender que significa realizar, fazer ou executar. Em diversas referências bibliográficas existentes podem-se encontrar diversos estudos relacionados ao empreendedorismo. Destacando a contribuição teórica de Schumpeter que desde meados da década de 30 analisava os processos inovadores, que eram advindos das ações de "empresários empreendedores". Segundo Schumpeter (1959), o progresso de empreendedorismo ocorria devido aos empresários inovadores. 2.1 Perfil O Conceito de empreendedor não serve apenas para pessoas que quebram paradigmas, inovam ou revolucionam. Ele se aplica também a qualquer pessoa que assume riscos e tenha adicionar valor a um negócio, mesmo já existente e conhecido. Afinal, a maioria das novas empresas não traz ideias inovadoras ou revolucionárias para o mercado, mas atende a demandas comuns da sociedade. (BOLSON, 2003, p.59). O Profissional Empreendedor deve ser ousado, com iniciativa, sem vícios e bloqueios, estar disposto a assimilar a cultura da empresa, buscando trabalhar de forma que obtenha um bom conhecimento do seu ramo de atividade para entender as vantagens, desvantagens, e todas as características do empreendimento. O empreendedor não é um talento que nasce da terra, o espírito empreendedor é um potencial existente em qualquer ser humano que precisa ser desenvolvido e estimulado para que possa produzir efeitos. (DOLABELA, 2003, p.24). Segundo Bermagaschi (2000), as mudanças no mundo dos negócios estão aceleradas, e as garantias de ontem não garantem o sucesso de amanhã. 2.2 Ferramentas para um negócio Empreendedor 3

4 Atualmente em um mercado altamente competitivo que se faz necessário à utilização de mecanismos que apresentem confiabilidade e melhorias no ramo do negócio, busca-se ferramentas capazes de auxiliar e dar credibilidade Intraempreendedorismo e suas principais características O termo intraempreendedorismo é dito com ênfase na década de 1980 pelo consultor Gifford Pinchot III. Na concepção de Pinchot (1985), o intraempreendedor é sempre o sonhador que apresenta a capacidade de tornar uma ideia em realidade. É uma modalidade do empreendedorismo que é praticada pelos funcionários da própria empresa. Para efetuar esse procedimento de empreendedorismo independe o tamanho da empresa, sendo ela grande ou pequena. O intraempreendedorismo é praticado por aqueles colaboradores que possuem uma capacidade diferenciada para se elevarem e vislumbrarem cenários, ideias, inovações e que buscam por oportunidades. Segundo Pinchot (1985), intraempreendedorismo e inovação dependem dos colaboradores da empresa e agem como se fossem proprietários. Corroborando o autor apresenta os mandamentos do intraempreendedor: a) Forme sua equipe. Intraempreendedorismo não é uma atividade solitária; b) Compartilhe o mais amplamente possível as recompensas; c) Solicite aconselhamento antes de pedir recursos; d) É melhor prometer pouco e realizar em excesso; e) Faça o trabalho necessário para atingir o seu sonho, independentemente de sua descrição de cargo; f) Lembre-se de que é mais fácil pedir perdão do que pedir permissão; g) Tenha sempre em mente os interesses de sua empresa e dos clientes, especialmente quando você tiver que quebrar alguma regra ou evitar a burocracia; h) Vá para o trabalho a cada dia disposto a ser demitido; i) Seja leal à suas metas, mas realista quanto ás maneiras de atingi-las; j) Honre e eduque seus patrocinadores. Esses são os principais fatores para conseguir auferir o intraempreendedorismo na empresa Análise da situação para implantação do intraempreendedorismo 4

5 Para implantação do intraempreendedorismo é necessário um estudo aprofundado de como será feito, para isso, faz necessário à utilização de uma análise com nomenclatura americana, conhecida como Análise SWOT (strengths, weaknesses, opportunities, threats), termos traduzidos em pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças respectivamente, a análise da situação geralmente inclui uma investigação para constatar o desempenho das organizações Pontos fortes e fracos Os pontos fortes são as características internas positivas que a empresa poderá explorar para auferir seus objetivos e metas. Já os pontos fracos são as características internas que podem inibir ou restringir o desempenho da empresa. Deve-se analisar as expectativas de mercado no qual está inserido, para que por meio de comparabilidade, seja identificado se os negócios estão em situação propícia ou não Ameaças e oportunidades Na análise do ambiente externo, consideram-se as ameaças e oportunidades. Tratando das ameaças, estas se caracterizam pelos fatores que podem impedir a organização de auferir seus objetivos e metas. As oportunidades são características do ambiente externo que tem potencial para ajudar a empresa a alcançar ou elevar as metas e objetivos. Conforme Oliveira (2002) salienta de forma enxuta as definições das análises internas e externas: a) Pontos fortes: são as variáveis internas que propiciam uma condição favorável para a empresa; b) Pontos fracos: variáveis internas que causam uma situação desfavorável para a organização; c) Oportunidades: variáveis externas que podem sugerir condições favoráveis à empresa; d) Ameaças: variáveis externas que podem causar condições desfavoráveis à organização. 5

6 A análise SWOT pode ser considerada um dos passos da elaboração da estratégia organizacional e dos métodos de estruturação do intraempreendedorismo. Figura 1: Análise SWOT Fonte: Adaptado de Padoveze (2003, p. 97). O processo de planejamento estratégico contempla a análise das variáveis do ambiente externo (identificação das oportunidades e ameaças) e do ambiente interno da empresa (identificação de seus pontos fortes e fracos). Assim, o conjunto de diretrizes estratégicas objetiva evitar as ameaças, aproveitar as oportunidades, utilizar os pontos fortes e superar as deficiências dos pontos fracos. (CATELLI, 2001, p. 138) A análise SWOT apresenta de forma clara os pontos fortes, fracos, ameaças e oportunidades da empresa, de forma com que os proprietários ou gestores da empresa conheçam seus déficits ou superávits, para verificarem o que deve ser feito de maneira a buscar sempre a continuidade e a elevação do negócio. 2.3 PDCA O Ciclo PDCA é uma ferramenta de alta qualidade que tem o propósito de auxiliar no diagnóstico, prognóstico e análise de problemas organizacionais, com o propósito de solucioná-los. Esta ferramenta é uma das primeiras da gestão da qualidade e foi criada na década de 20 por Walter A. Shewart, porém foi graças William Edward Deming, (conhecido como guru do gerenciamento da qualidade ), que disseminou sua utilização no mundo todo, por isso na década de 50, o ciclo PDCA começou a ser chamado por Ciclo de Deming, fazendo referência a Willian Edward Deming. A sigla PDCA, é uma sigla de palavras em inglês que designam cada etapa do ciclo (Plan, Do, Check, Action), termos traduzidos em planejar, fazer ou executar, verificar ou checar e ação. 6

7 A ferramenta PDCA pode ter sua etapa definida da seguinte maneira: a) Plan (planejar): o primeiro alicerce desta ferramenta é estabelecimento de um planejamento que deverá ser estabelecido com base nas diretrizes ou premissas da empresa; b) Do (fazer ou executar): o segundo alicerce é a execução ou o fazer do plano que consiste no treinamento dos envolvidos, para terem a capacitação adequada, efetuando também a coleta de dados para dar sequência nas próximas etapas; c) Check (verificar ou checar): o terceiro alicerce desta etapa é a verificação dos resultados alcançados e dados coletados. Podendo ocorrer concomitantemente com a realização do plano quando verifica se o trabalho está sendo desenvolvido da maneira correta, ou após a execução quando serão feitas as análises dos dados e verificação dos itens de controle; d) Action (Ação): o último alicerce do PDCA é a realização das ações corretivas, ou seja, a correção das falhas encontradas. Após a realização deverá repetir ou aplicar o ciclo PDCA para corrigir as falhas, de maneira que consiga melhorar cada vez mais o método de trabalho. Pode-se afirmar que o PDCA é uma ferramenta que necessita que ocorram os procedimentos exatos para alcançar um resultado assertivo. Figura 2: Ciclo do PDCA Fonte: Adaptado de Davis, Aquiliano e Shae (2001, p. 157). Conforme Paranhos (2007, p. 114), trouxe para prática um método simples e racional aplicável a qualquer atividade da indústria e mesmo fora dela, pois o ciclo ajuda o gestor a procurar sempre a melhoria contínua. 3 PESQUISA DE CAMPO 7

8 Em virtude do crescimento e solidificação da empresa, torna-se necessária a utilização de ferramentas eficazes e eficientes que proporcionem informações fidedignas para a tomada de decisão e acompanhamento dos processos que a empresa está inserida ou que serão desenvolvidos. De forma sintética serão apresentadas as ferramentas constatas e também as que devem ser utilizadas. 3.1 Caracterização do objeto de pesquisa de campo A Franquia foi inaugurada na cidade de Lins, interior de São Paulo, em 23 de Março de 2012, e, está localizado no interior do Estado de São Paulo. Atualmente a empresa apresenta um ambiente dividido por vários setores, buscando resultar em uma infraestrutura moderna e agradável, que resulte estritamente na melhor satisfação do cliente, desde sua entrada a empresa, até a realização do tratamento odontológico, com o fim de proporcionar satisfação pela escolha e contração da empresa na prestação do serviço da saúde dental. 3.2 Intraempreendedorismo O intraempreendedorismo é desenvolvido por pessoas as quais procuram apresentar uma boa ideia e compartilhar com seus superiores para auferirem além do reconhecimento uma melhoria continua dentro do empreendimento, resultando também em outra busca a valorização dentro da empresa. A Análise Swot é de extrema importância para o intraempreendedorismo, através da utilização dessa ferramenta será possível mensurar e exemplificar de que forma devem ser ressaltados e o que será sugerido, para que a alta cúpula da empresa tome as decisões. Figura 3: Setores a efetuarem o Intraempreendedorismo 8

9 Fonte: Elaborado pelo autor, Os Sócios que ocupam o alto nível hierárquico do organograma devem trabalhar em sinergia com a Coordenação/Administração, para desenvolver o intraempreendedorismo. Através do estudo e constatação dos setores da empresa, fica perceptível onde o intraempreendedorismo deve ser trabalhado: a) Recepção e Recepcionista; b) Atendimento Clínico, Dentistas, ASB e Estagiários; c) Comercial e Promoters Comerciais; e, d) Limpeza. Esses setores são importantes para a empresa, sendo responsáveis pelo contato com os clientes, desde a recepção até a finalização do serviço. Os funcionários os quais estão inseridos nesses setores necessitam estarem motivados para desempenhar suas funções, visto que através do desempenho de suas atribuições os resultados serão auferidos, o que irá gerar a confiança das pessoas em serem clientes da empresa. A busca contínua da elevação e da empresa como referência na cidade de Lins como também na macro região é um dos objetivos que podem ser auferidos junto à análise SWOT. Figura 4: Análise SWOT da Empresa 9

10 Fonte: Elaborado pelo autor, A análise SWOT da empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins apresenta os pontos fortes, fracos, ameaças e oportunidades, os quais são representados pela inicial E, que estará demonstrando o que devem ser constatados para a busca contínua da assertividade e qualidade do serviço que é desenvolvido, de forma que os usuários tenham o entendimento e compreendam o que foi feito de maneira clara. As quatro palavras que têm a inicial E representam, pela ordem dos numerais descritos na figura: 1) Extinguir 2) Enaltecer 3) Evoluir 4) Examinar Representando a Análise SWOT customizada de acordo com a empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins, com o enfoque em criar e demonstrar os pontos descritos acima, através de palavras chaves, as quais irão apresentar o entendimento de maneira fácil e eficaz, com o intuito de auferir resultados melhores e evoluir dentro de si própria, alcançando manter o sucesso e o destaque da marca. 3.3 PDCA O PDCA é uma poderosa ferramenta da gestão da qualidade, que tem como essência auxiliar no diagnóstico e prognóstico com a finalidade de solucioná-los. 10

11 O presente estudo utilizou da ferramenta PDCA como uma maneira de auxiliar ainda mais a empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins, com o foco principal na continuidade e elevação da competitividade a qual está inserida no mercado, visto que o ramo odontológico é altamente taxativo e competitivo, o qual busca por padrões de excelência a todo o momento, por isso ressalta-se que é uma das ferramentas que pode ser de extrema importância e assertiva em sua utilização na busca contínua de melhoria na qualidade dos padrões do empreendimento em questão. Foi elaborado a partir do PDCA passos fidedignos que podem ser utilizados pelos proprietários para conseguir auferir suas metas e objetivos, refletindo em uma melhor qualidade de informações, sendo expressa nos resultados da empresa. O PDCA sugerido fica descrito da seguinte forma: a) Plan (Planejar): o primeiro passo é referente ao planejamento, ato que deve ser feito a qualquer instante e revisado a qualquer momento pela alta hierarquia, ressaltando que as premissas estabelecidas pela empresa, como sua cultura organizacional deve ser utilizada. b) Do (fazer ou executar): o segundo passo refere-se à execução do planejamento, o qual será importante para dar continuidade nessa ferramenta empreendedora. Este passo refere-se ao treinamento dos envolvidos, sendo primordial para demonstrar a importância dos colaboradores para conseguir auferir as metas e objetivos de maneira, que a elevação da empresa será feita por eles. c) Check (verificar ou checar): o terceiro passo refere-se à verificação dos resultados auferidos. Sendo muito importante para constatar o que está feito de maneira assertiva ou não, e com esse item poder tomar outras decisões, de maneiras fidedignas e importantes para saúde da empresa. d) Action (Ação): o último passo, o qual é tão importante quantos os outros três já citados, refere à realização das ações corretivas como também melhorar ainda mais o processo pelos dados que foram verificados. O PDCA é uma ferramenta que pode ser elaborada em qualquer fase de uma empresa, e que deve ser feita e repetida quantas vezes os empresários ou gestores da empresa acreditem ser necessário para corrigir as falhas, como também melhorar ainda mais os processos que estão sendo desenvolvidos. A figura abaixo demonstrará de maneira clara e objetiva como seria o PDCA da empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins. 11

12 Figura 5: PDCA da Empresa Fonte: Elaborado pelo autor, Esta ferramenta pode ser fundamental para a melhora contínua e elevação da empresa, como também pode ser aplicada em qualquer área funcional da empresa. 4 RESULTADOS ALCANÇADOS NA PESQUISA Diante do estudo realizado juntamente com a leitura bibliográfica das diversas teorias de ferramentas empreendedoras, é possível afirmar que os conceitos de empreendedorismo quando aplicados em uma empresa do ramo odontológico podem agregar e auferir resultados expressivos, com assertividade, proporcionando continuidade e elevação da empresa. O presente estudo realizado demonstra que a empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins, possui uma estrutura sólida e que se encontra em ascensão em seu segmento, sendo um fator preponderante para competir no acirrado mercado odontológico e auferir bons resultados. Contudo, para conseguirem manter esse alto nível faz necessário que tenham um controle que verifiquem os dados e os expressem em informações fidedignas que serão utilizadas para as tomadas de decisões, de maneira que resulte sempre no padrão de qualidade o qual os sócios juntamente com seus colaboradores conseguiram alcançar e elevem ainda mais, sempre frisando na continuidade e melhoras do que já está sendo feito com qualidade. 12

13 As ferramentas empreendedoras apresentadas e as quais foram constatadas à utilização pelos sócios, apresentam e reiteram ainda mais que a utilização será positiva para o sucesso contínuo da empresa. CONCLUSÃO O atual mercado econômico que se encontra cada vez mais competitivo e com alta concorrência entre os pequenos, médios e grandes empresários, exige que as empresas procurem obter ferramentas que proporcionem melhores resultados e de confiabilidade para tomada de decisões. Com a realização deste trabalho, constatou-se que a empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins é uma empresa em pleno crescimento, que já fez uso de ferramentas empreendedoras. No entanto, para que seja mantido o nível de crescimento e padrão atual, torna-se necessário a implantação de outras ferramentas empreendedoras, com o foco em auxiliar a auferir os objetivos e metas já traçados como também melhorar os processos internos e externos da empresa. Diante do exposto, conclui-se que a pergunta problema foi respondida e que a hipótese foi comprovada, demonstrando que as ferramentas empreendedoras na empresa GOU Clínicas de Odontologia de Lins proporcionarão melhores vantagens competitivas como também em elevações externas e internas em seus controles. Ressalta-se que o trabalho é de grande relevância e que contribuiu para o conhecimento teórico e prático, além de constituir um assunto amplo e interessante que deve ser explorado, e, esse tema não se finda aqui, por ser vasto e que tem como gerar inúmeras possibilidades de pesquisas futuras. REFERÊNCIAS BERMAGASCHI, M. Recursos humanos para o agronegócio brasileiro. Brasília: CNPq, BOLSON, E.L. Tchau, Patrão! Como construir uma empresa vencedora e ser feliz conduzindo seu próprio negócio. Belo Horizonte: SENAC/MG, CATELLI, A. Controladoria: uma abordagem da gestão econômica. 2. ed. São Paulo: Atlas,

14 DAVIS, M. M.; AQUILINO, N. J.; CHASE, R. B. Fundamentos da administração da produção. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, DOLABELA, F. Pedagogia Empreendedora. São Paulo: Editora de Cultura, DRUCKER, P. F. O Gerente Eficaz. Editora Zahar, São Paulo, OLIVEIRA, L. M.; PEREZ JÚNIOR, J. H.; SILVA, C. A. S. Controladoria estratégica. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, C. L. Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura e aplicação. São Paulo: Thomson, PARANHOS FILHO, M. Gestão da produção industrial. Curitiba: IBPEX, PINCHOT, G. III. Intrapreneuring. New York: Harper & Row, SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura,

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

7 passos para se tornar Dono da sua Carreira

7 passos para se tornar Dono da sua Carreira Divulgação Portal METROCAMP 7 passos para se tornar Dono da sua Carreira de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br As melhores empresas se concentram em seus pontos fortes e tornam os fracos irrelevantes.

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA DAS FRANQUIAS GOU CLÍNICAS DE ODONTOLOGIA GOU Clínicas de Odontologia Lins/SP

EMPREENDEDORISMO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA DAS FRANQUIAS GOU CLÍNICAS DE ODONTOLOGIA GOU Clínicas de Odontologia Lins/SP UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Gerência Contábil, Financeira e Auditoria Éric Tadeu Gimenes da Silva EMPREENDEDORISMO: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Um Desafio Atual. Enfa. Andrea Lopes

Um Desafio Atual. Enfa. Andrea Lopes Um Desafio Atual Enfa. Andrea Lopes Competência Agregar Conhecimentos + Habilidades + Atitudes Social / Organização Indivíduo Saber agir Integrar saberes Mobilizar recursos Responsabilizar Fazer com propriedade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Empresa organizada tem melhor desempenho

Empresa organizada tem melhor desempenho Empresa organizada tem melhor desempenho O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20 Palestra Gestão e Planejamento Estratégico 22/05/2014 14h20 às 15h20 Empreendedor, Professor e Consultor. Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (FDC) Bacharel em Direito pelo Centro

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Objetivos da aula. Características da pessoa empreendedora. Processos Gerenciais. Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo

Objetivos da aula. Características da pessoa empreendedora. Processos Gerenciais. Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo Processos Gerenciais Prof. Clóvis Luiz Galdino Módulo: Inovação e Continuidade Tema: Empreendedor Corporativo Objetivos da aula Discutir os conceitos que permeiam e caracterizam o empreendedor corporativo,

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

Formulação Estratégica da PMERJ

Formulação Estratégica da PMERJ Formulação Estratégica da PMERJ Dezembro.2012 Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ O Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ foi resultado de todo realinhamento estratégico da SESEG, facilitado

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais