Língua Portuguesa Ensino Médio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Língua Portuguesa Ensino Médio"

Transcrição

1 Língua Portuguesa Ensino Médio Sumário Episódio 6: A literatura vai ao teatro 1. Apresentação 2. Orientações sobre o estudo do teatro Capítulo 1 1. Introdução 1.1 Objetivos 1.2. Conteúdos 2. Vídeo Capítulo Ficha Catalográfica 2.2. Sinopse 2.3. Orientações para o professor 2.4. Orientações para o aluno 3. Áudio Capítulo Ficha Catalográfica 3.2. Sinopse 3.3. Orientações para o professor 3.4. Orientações para o aluno 4. Suporte teórico 4.1. Sobre recursos estilísticos no texto dramático nos períodos clássico greco-romano, renascentista e barroco. Bibliografia recomendada Capítulo 2 1. Introdução 1.2 Objetivos 1.3. Conteúdos 2. Vídeo Capítulo Ficha Catalográfica 2.3. Sinopse 2.4. Orientações para o professor 2.5. Orientações para o aluno 3. Áudio Capítulo Ficha Catalográfica 3.3. Sinopse 3.4. Orientações para o professor 3.5. Orientações para o aluno 4. Suporte teórico 4.2. Sobre recursos estilísticos no texto dramático do Romantismo e do Realismo Bibliografia recomendada 1

2 Capítulo 3 1. Introdução 1.1. Objetivos 1.2. Conteúdos 2. Vídeo Capítulo Ficha Catalográfica 2.2. Sinopse 2.3. Orientações para o professor 2.4. Orientações para o aluno 3. Áudio Capítulo Ficha Catalográfica 3.2. Sinopse 3.3. Orientações para o professor 3.4. Orientações para o aluno 4. Suporte teórico 4.1. Sobre recursos estilísticos no texto dramático do Modernismo e Pós-modernismo Bibliografia recomendada Episódio 6 A literatura vai ao teatro Introdução Orientações sobre literatura Capítulo 1 Introdução Objetivos Conteúdos Suporte Teórico Bibliografia Capítulo 2 Introdução Objetivos Conteúdos Suporte Teórico Bibliografia Capitulo 3 Introdução Objetivos Conteúdos Suporte Teórico Bibliografia Vídeo Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno Áudio Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno Vídeo Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno Áudio Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno Vídeo Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno Áudio Ficha Catalográfica Sinopse Orientações para o professor Orientações para o aluno 2

3 1. Apresentação O sexto episódio da série Língua Portuguesa Ensino Médio destina-se a contextualizar o ensino da literatura dramática brasileira no nível Médio. Os objetivos principais que perpassam os três capítulos em que se desdobra este episódio são: 1) reconhecer características do texto dramático; 2) relacionar o narrador ao foco narrativo ou ponto de vista; 3) avaliar a complexidade do núcleo dramático da narrativa ficcional. O foco é dirigido principalmente ao estudo da história do teatro enquanto arte, aos gêneros literários, épocas, estilos e valores. Entre os temas transversais e interdisciplinares, são abordados Pluralidade Cultural, Ética, História, Geografia e Artes. Os gêneros textuais escolhidos para compor os episódios de vídeo e áudio dão suporte ao tratamento da língua em uso, aproximando as situações de ensinoaprendizagem das práticas discursivas autênticas da linguagem. As situações interativas permeadas pelos gêneros propiciam o desenvolvimento de competências de uso da língua nas modalidades oral e escrita, a participação social e a interação por meio das mídias disponíveis em nossa cultura, bem como a tomada de consciência de fenômenos particulares da língua de forma contextualizada. 2. Orientações sobre o estudo do teatro Estudar o teatro é uma tarefa que deve ser feita com muita dedicação e atenção, que inicia no estudo da própria palavra, percebendo as relações que podemos estabelecer a partir dela. A palavra teatro vem sendo usada como local para encenação, arte de representar, literatura escrita para o teatro, dramaturgia. Aqui neste material, seguiremos um percurso que analisa a palavra em seus vários aspectos. Assim, partiremos da história do teatro, a fim de conhecer melhor os aspectos estéticos que o definiram e de que forma ocorreu a representação em diferentes épocas e lugares. Outro olhar requer o cuidado da investigação e da leitura de peças dramáticas. O leitor de textos teatrais, aquele que se debruça sobre a dramaturgia, pode escolher entre a simples diversão ou entretenimento e/ou a análise da sociedade e do ser humano em suas veredas psicológicas e filosóficas. Existe uma clara condução no texto teatral, diferente do que ocorre em outras narrativas: o autor coloca a figura do narrador em segundo plano, dando lugar aos diálogos que expõe a veia de cada personagem apresentado. Já o diretor, figura que concebe as montagens, coordenando o texto e a interpretação dos atores, tem a liberdade para enfatizar os aspectos que considerar mais relevantes na peça. Por fim, cabe ao leitor ser o diretor do seu próprio pensamento, ser aquele expectador que analisa a performance, a obra, se abre para as artimanhas da história, avalia o desempenho e a característica dos personagens criados como retrato do mundo. Outra abordagem importante para o processo de familiarização com o assunto teatral é observar a diferença entre o trabalho do dramaturgo, do intérprete e do crítico e perceber que o conjunto desses profissionais revela a história de nossa dramaturgia, necessária para conhecermos e valorizarmos o teatro produzido em nosso país. Por fim, salientamos que o teatro é um trabalho sério que por muitos anos esteve relegado a um lugar sem destaque nos nossos compêndios de literatura brasileira aplicada ao ensino escolar. Cabe aos professores e alunos juntos debruçarem-se sobre a nossa historiografia cênica. 3

4 CAPÍTULO 1 1. Introdução Seja bem vindo ao primeiro capítulo do episódio 6 A literatura vai ao teatro da série Língua Portuguesa Ensino Médio. Fazem parte do Capítulo 1, um recurso em áudio e um recurso de vídeo, ambos de duração de dez minutos cada e relacionados ao mesmo propósito pedagógico, podendo ser usados de maneira independente ou complementar. Neste guia de uso, você poderá encontrar, além da descrição de objetivos e conteúdos, sinopses dos episódios, orientações para professor e aluno, suporte teórico para o tratamento dos conteúdos de aprendizagem e bibliografia. Com vistas a dar suporte ao alcance dos objetivos, este capítulo contempla vários gêneros textuais que permeiam as nossas práticas sociais para atender a diferentes propósitos comunicativos. Nos recursos de vídeo e áudio são exploradas relações informais entre jovens estudantes e diálogos com um orientador de aprendizagem que os encaminha para diversas atividades de pesquisa e convivência com usos da Língua Portuguesa por meio de gêneros textuais. Desejamos que este material traga boas contribuições para o seu processo ensinoaprendizagem da Língua Portuguesa! 1.1. Objetivos Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático dos períodos clássico, renascentista e barroco, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional Conteúdos O foco deste capítulo está no conteúdo literário que contempla os recursos estilísticos que caracterizam o texto dramático dos períodos clássico greco-romano, renascentista e barroco. Entre os conteúdos interdisciplinares, estão presentes História, Geografia e Artes. 2. Vídeo Capítulo Ficha Catalográfica Ficha Catalográfica Episódio 6 Capítulo 1 Título: A literatura vai ao teatro Subtítulo: A origem do drama Tipo de Recurso: Vídeo Objetivo: Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático dos períodos clássico, renascentista e barroco, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional. 4

5 Descrição do Recurso: Este material em vídeo tem duração de cerca de dez minutos e é acompanhado de Guia do Professor com Suporte Teórico e Suporte Pedagógico em PDF. Observações (informações complementares): Níveis de ensino: Ensino Médio Componentes Curriculares: Língua Portuguesa Temas: Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens. Autores: Andreia Turolo da Silva, Bernardete Biasi Rodrigues, Cibele Gadelha Bernardino, Fátima Souza e Larissa Pereira de Almeida. Palavras-chave: teatro clássico; teatro renascentista; teatro barroco Sinopse O que é uma tragédia? Rodrigo entendia que a tragédia poderia ser o resultado de qualquer problema. Mas aprende que não é bem assim: o Comandante Cícero encaminha uma missão especial para que os tripulantes da nave Paideia investiguem o significado da tragédia nas artes dramáticas. Do teatro grego, passando pelo teatro Cristão e chegando ao Renascimento, Carol, Rodrigo e Daniel entendem como as representações humanas da tragédia mudam conforme suas crenças religiosas e concepções do mundo em que vivem. Ao final, concluem que a tragédia é um resultado irreversível consequente de uma série de ações que muitas vezes podem ser evitadas. Venha ver como a nossa equipe de aprendizagem chegou a esta conclusão! 2.3. Orientações para o professor Caro professor, o estudo das artes dramáticas traz inúmeras possibilidades de trabalhar a interpretação de textos ajudando os alunos a desenvolver a oralidade, a fala desinibida em frente ao público e a linguagem corporal. Aproveite! Comece a sua aula explorando os possíveis significados da palavra teatro. Busque saber a experiência que seus alunos têm com o teatro: o que já viram e ouviram sobre o tema, os gêneros teatrais e as possibilidades de representação e construção da dramaturgia. Conduza a conversa para a origem do teatro no mundo ocidental, mas ainda não exponha toda a história: deixe que os alunos levantem suas hipóteses sobre o tema. Feito isso, exiba o material em vídeo uma vez sem interrupção para que os alunos confirmem as suas hipóteses iniciais. Busque ajudá-los a construir o conhecimento com apoio nas informações contidas no vídeo, e busque assumir o papel de mediador da interação entre os alunos e o material. No vídeo eles irão entrar em contato com três trechos de peças teatrais diferentes, todas pertencentes ao gênero dramático tragédia. Ajude os alunos a perceberem o contexto de cada peça e a causa das tragédias apresentadas. As falas das personagens Carol, Rodrigo e Daniel poderão ajudar na interpretação das peças, pois, enquanto aprendizes, comentam e tentar explicar o que entendem sobre o assunto. Por isso, exiba as passagens do vídeo que julgar importante quantas vezes for necessário. 5

6 Como atividade seqüencial, divida a turma em três grupos e peça que cada um fique responsável pelo estudo mais aprofundado de uma das peças abordadas no vídeo. Como forma de apresentação dos resultados, eles podem resumir o enredo da peça, apresentar, usando o programa PowerPoint, os personagens principais da peça e sua contribuição para o eixo narrativo ação reação/tragédia. A turma poderá organizar a leitura dramatizada de um trecho da peça que considerem significativo para ilustrar a apresentação, buscando trabalhar a voz, a entoação significativa e a linguagem corporal. Se possível, que tal filmar as apresentações para que a análise dos resultados seja em conjunto? Aproveite a oportunidade de trabalhar a interpretação de textos com seus alunos a partir da dramaturgia como um rico meio de desenvolvimento de linguagens e tenha bastante sucesso! 2.4. Orientações para o aluno Antes do vídeo: 1. Quantos significados diferentes você pode atribuir à palavra teatro? 2. Você sabe como o teatro surgiu no ocidente? 3. Assista ao vídeo e confirme as suas hipóteses. Durante o vídeo: 1. Observe como a tragédia era entendida no teatro grego e no teatro renascentista. Ao final, busque explicar com suas próprias palavras as diferentes interpretações de tragédia que encontrou no material. 2. A que você pode atribuir as diferenças da concepção de tragédia no teatro grego e no teatro renascentista? 3. O significa a palavra catarse? Após o vídeo: 1. Escolha uma das peças apresentadas e pesquise o seu enredo, suas personagens principais e o seu envolvimento na história. Monte a apresentação dos resultados usando o programa PowerPoint. 2. Selecione um trecho do texto da peça para uma leitura dramatizada. Busque perceber a força eloqüente do texto, o sentido de tragédia nas palavras e a preocupação com a ornamentação lingüística por meio do texto dramático poético. Desejamos muito sucesso! 3. Áudio Capítulo Ficha Catalográfica Título: A literatura vai ao teatro Subtítulo: A origem do teatro Tipo de Recurso: áudio Ficha Catalográfica Episódio 6 Capítulo 1 Objetivo: Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático dos períodos clássico, renascentista e barroco, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional. Descrição do Recurso: Este material em áudio tem duração de cerca de dez minutos, dividido em dois blocos de aproximadamente cinco minutos cada, e é 6

7 acompanhado de Guia do Professor com Suporte Teórico e Suporte Pedagógico em PDF. Observações (informações complementares): Níveis de ensino: Ensino Médio Componentes Curriculares: Língua Portuguesa Temas: Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens. Autores: Andreia Turolo da Silva, Bernardete Biasi Rodrigues, Cibele Gadelha Bernardino, Fátima Souza e Larissa Pereira de Almeida. Palavras-chave: teatro clássico, teatro renascentista e teatro barroco Sinopse O dia 27 de março é o Dia Internacional do Teatro e, para celebrar este dia, o Comandante da Nave da Aprendizagem propõe a missão de descobrir a origem do teatro no mundo e no Brasil. Os aprendizes-tripulantes da nave sintonizam a Rádio Estação da Linguagem e ouvem uma entrevista com uma professora de literatura que explica as características do texto dramático a partir de um trecho da primeira peça encenada no Brasil e discutem os seus propósitos. Com tantas informações interessantes, a tripulação decide conferir tudo isso de perto! Venha participar desta aventura com nossos aprendizes Daniel, Carol e Rodrigo! 3.3. Orientações para o professor Caro professor, o estudo das artes dramáticas traz inúmeras possibilidades de trabalhar a interpretação de textos ajudando os alunos a desenvolver a oralidade, a fala desinibida em frente ao público, e a linguagem corporal. Aproveite! Comece a sua aula explorando os possíveis significados da palavra teatro. Busque saber a experiência que seus alunos têm com o teatro: o que já viram e ouviram sobre o tema, os gêneros teatrais e as possibilidades de representação e construção da dramaturgia. Conduza a conversa para a origem do teatro no Brasil, mas ainda não exponha a história toda: deixe que os alunos levantem suas hipóteses sobre o tema. Reproduza o primeiro bloco do material em áudio uma vez sem interrupção e peça para que os alunos busquem confirmar as suas hipóteses. Feito isso, canalize a atenção dos alunos para as características do texto dramático e o que a professora explica sobre isso. Prossiga com a reprodução do segundo bloco que contém um trecho do Auto de São Lourenço. Peça para que os alunos identifiquem no texto elementos moralizantes da cultura cristã e a sua força sobre a cultura indígena. Como atividade de interpretação, busque com os alunos identificar como o índio é caracterizado no trecho da peça, o ponto de vista do texto e sua força ideológica. Para além do texto, busque discutir com os alunos o impacto que este tipo de representação pode ter causado na cultura indígena na época e que resultados disso podemos observar nos dias de hoje. Como atividade seqüencial, proponha uma pesquisa sobre o teatro produzido em Portugal na mesma época século XVI. Selecionem uma peça e busquem fazer uma leitura dramatizada com base na interpretação dos possíveis significados do texto. 7

8 Aproveite as nossas sugestões e tenha bastante sucesso! 3.4. Orientações para o aluno Antes do áudio: 1. O que significa teatro para você? 2. Você sabe como o teatro chegou ao Brasil? 3. Ouça o primeiro bloco do material em áudio e confira as suas hipóteses. Durante o áudio: 1. Enquanto ouve o material, preste atenção nas características do texto dramático explicadas pela professora entrevistada. Quais as diferenças entre o texto narrativo convencional e o texto dramático? 2. Qual a importância do Padre José de Anchieta para o teatro na época da colonização brasileira do século XVI? 3. Ouça o segundo bloco que contém um trecho do Auto de São Lourenço e preste atenção na luta entre o bem e o mal retratada no texto. Como o bem é representado no texto? E o mal? 4. Quais efeitos na sociedade indígena podemos atribuir à caracterização dos índios na peça? Após o áudio: 1. Vamos investigar um pouco mais sobre o teatro do século XVI? Que tal saber mais sobre o que acontecia em Portugal? Busque dramaturgos e peças que eram comumente representadas em Portugal na mesma época. 2. As peças que você descobriu também tratavam do conflito entre o bem e o mal? 3. Selecione um trecho para uma leitura dramatizada com base na interpretação dos significados. Tenha sucesso! 4. Suporte Teórico 4.1. Sobre a origem do teatro O teatro sempre fez parte das representações humanas, uma vez que a faculdade de imitar serve de aprendizado constante ao homem. Levando em conta os estágios de desenvolvimento do drama, iniciamos nosso percurso lembrando-se das sociedades primitivas (e podemos dizer que, de algum modo, essas ações perduram até hoje) quando o teatro envolvia a dança e se caracterizava como um ritual ligado ao instinto religioso. Aproximando-nos de um olhar antropológico ao invés de literário, compreendemos que o homem tentava organizar o mundo externo para viver em sociedade. Passando pela imitação, pela crença na magia, pelos mitos de fertilidade ligados à agricultura, aos poucos, as formas de representação teatral foram se desenvolvendo, mostrando como a religião e o drama estiveram sempre intimamente ligados nas diversas sociedades. No teatro grego, o drama passa a ter um estágio mais sofisticado de desenvolvimento com o culto ao deus Dionísio ou Baco, deus do vinho, em forma de agradecimento pelas boas colheitas. Nessa época, essa manifestação era conhecida como ditirambo, por envolver canções dionisíacas. Ainda ligadas às cerimônias religiosas, as representações das peças de grandes dramaturgos trágicos como Ésquilo, Sófocles e Eurípedes sempre envolviam mitos e eram representadas por homens usando máscaras. O público assistia à vida encerrada por um destino fatal, diante das vontades dos deuses e havia uma purgação dos sentimentos, também conhecida como catarse. 8

9 Mais tarde, com o advento do cristianismo e sua influência no teatro romano, surge uma sutil diferença entre a visão grega e a visão cristã da vida a diferença entre destino e livre-arbítrio. Embora a mitologia ainda aparecesse no teatro romano, como herança do teatro grego, os homens intervinham nos destinos escolhidos pelos deuses. Assim os personagens, homens com livre-arbítrio, aparecem com atitudes mais ativas, por vezes, até mesmo, violentas. Durante a Idade Média, o teatro esteve a serviço da igreja cristã, renascendo para representar histórias bíblicas por meio das peças de mistérios e milagres por toda a Europa. Assim, numa nova fase, moralidades cristãs do teatro da idade média são somadas à tradição teatral que vinha sendo construída desde o teatro grecoromano, constituindo o chamado teatro renascentista. Foi na Itália que o teatro renascentista rompeu com o teatro medieval. Tudo começou com a Comédia Dell Arte, um teatro popular e itinerante, baseado na improvisação e que promoveu a profissionalização dos atores e um fazer teatral humanista. Representado por pequenas companhias, o teatro italiano viajou por diversos países da Europa e influenciou o teatro de outras nações. Com suas apresentações nas ruas de diferentes cidades, os atores da Comédia Dell Arte somavam elementos circenses as técnicas teatrais. Além da comédia, a tragédia ganha um novo sentido com as moralidades cristãs, sendo entendida agora como resultado das escolhas erradas feitas pelas personagens, enfatizando as suas falhas de caráter. Um nome a ser mencionado entre os dramaturgos renascentistas é William Shakespeare, autor de famosas tragédias e comédias como Hamlet, Romeu e Julieta, Otelo, o mouro de Veneza, Macbeth, Sonho de uma noite de verão, A megera domada, entre outras. Ainda na época quinhentista, as grandes navegações e as descobertas marítimas ditavam a política externa de Portugal que estava em meio à efervescência barroca. Assim, o teatro no Brasil, iniciado e difundido sob a batuta da catequese jesuítica, seguiu a voz colonizadora de Padre José de Anchieta e as lições barrocas do teatro sacro de Padre Antônio Vieira. O tom catequético da Companhia de Jesus conferia aos autos a carga dramática necessária para efetivar a presença dos costumes civilizados na mente dos índios nativos. No trecho a seguir, retirado da peça Auto de São Lourenço de José de Anchieta, por exemplo, podemos perceber a imposição de uma cultura cristã européia em detrimento das identidades indígenas, construídas no texto da peça como os diabos Guaixará e Aimbirê: SÃO LOURENÇO - Quem foi que insensatamente, um dia ou presentemente os índios vos entregou? Se o próprio Deus tão potente deste povo em santo ofício corpo e alma modelou! GUAIXARÁ Deus? Talvez remotamente, pois é nada edificante a vida que resultou. São pecadores perfeitos, repelem o amor de Deus, e orgulham-se dos defeitos. AIMBIRÊ Bebem cuim a seu jeito e como completos sandeus ao cauim rendem seu preito. Esse cauim é que tolhe sua graça espiritual. Perdidos no bacanal seus espíritos se encolhem em nosso laço fatal. Na fala de São Lourenço visualizamos a presença de um Deus onipotente que modela a humanidade. Os indígenas não reconhecem essa criação divina e, segundo o ponto de vista moralizador da peça, são completos sandeus orgulhosos de seus defeitos, bebem cuim a seu jeito, estão perdidos no bacanal e, por isso, envoltos num laço fatal e diabólico. 9

10 Bibliografia recomendada Para saber mais sobre Teatro BURGESS, Anthony. A Literatura inglesa. São Paulo: Editora Ática, No livro sobre a literatura inglesa, o autor dedica alguns capítulos para a história do teatro na Inglaterra, trazendo um capítulo sobre o desenvolvimento do teatro nas sociedades primitivas. Sua abordagem é ao mesmo tempo poética e bastante esclarecedora sobre o tema, aguçando a curiosidade do leitor e levantando questões significativas sobre a arte teatral. HELIODORA, Bárbara. O Teatro explicado aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, Neste livro, a famosa crítica de teatro, com o seu olhar contundente sobre o teatro no mundo e no Brasil, oferece ao leitor a possibilidade de viajar por um caminho generoso trilhado pela arte teatral. Em uma leitura leve, a autora consegue abordar diversos fatores que envolvem a dramaturgia. Preciosas são as indicações de leitura e de textos para serem encenados deixados ao longo do livro. Os sites elencados acima são indicados para uma pesquisa rápida e ao mesmo tempo bastante elucidatória sobre a história do teatro. O texto é abordado de uma maneira geral, mostrando um panorama sobre o desenvolvimento dessa arte milenar e tão próxima do povo. 10

11 CAPÍTULO 2 1. Introdução Seja bem vindo ao segundo capítulo do Episódio A literatura vai ao teatro. Fazem parte deste capítulo um recurso em áudio e um recurso em vídeo, ambos de duração de dez minutos cada e relacionados ao mesmo propósito pedagógico, podendo ser usados de maneira independente ou complementar. Neste guia de uso, você poderá encontrar, além da descrição de objetivos e conteúdos, sinopses dos episódios, orientações para professor e aluno, suporte teórico e bibliografia. Com vistas a dar suporte ao alcance dos objetivos, este capítulo contempla vários gêneros textuais que permeiam as nossas práticas sociais para atender a diferentes propósitos comunicativos. Nos recursos de vídeo e áudio são exploradas relações informais entre jovens estudantes e diálogos com um orientador de aprendizagem que os encaminha para diversas atividades de pesquisa e convivência com usos da Língua Portuguesa por meio de gêneros textuais. Desejamos que este material traga boas contribuições para o seu processo ensinoaprendizagem da Língua Portuguesa! 1.1. Objetivos Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático produzido no Arcadismo, Romantismo e Realismo brasileiros, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional Conteúdos O foco deste capítulo está no conteúdo literário que contempla os recursos estilísticos que caracterizam o texto dramático produzido nos períodos árcade, romântico e realista brasileiros. Entre os conteúdos interdisciplinares, estão presentes História, Geografia e Artes. 2. Vídeo 2.1. Ficha Catalográfica Título: A literatura vai ao teatro Subtítulo: O teatro romântico Tipo de Recurso: Vídeo Ficha Catalográfica Episódio 6 Capítulo 2 Objetivo: Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático produzido no Arcadismo, Romantismo e Realismo brasileiros, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional. Descrição do Recurso: Este material em vídeo tem duração de cerca de dez minutos e é acompanhado de Guia do Professor com Suporte Teórico e Suporte Pedagógico em PDF. Observações (informações complementares): 11

12 Níveis de ensino: Ensino Médio Componentes Curriculares: Língua Portuguesa Temas: Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens. Autores: Andreia Turolo da Silva, Bernardete Biasi Rodrigues, Cibele Gadelha Bernardino, Fátima Souza e Larissa Pereira de Almeida. Palavras-chave: teatro árcade; teatro romântico; teatro realista Sinopse Uma escola organiza um festival de teatro com seus alunos e membros da comunidade. Ao saber disso, o Comandante Cícero prepara sua tripulação da nave Paideia para participar. Porém, surge uma dúvida: que peça Carol, Rodrigo e Daniel irão encenar? Qual peça pode melhor representar o teatro romântico brasileiro? Carol prefere Mãe, de José de Alencar, enquanto seus companheiros de aprendizagem estão decididos a encenar uma comédia de Martins Pena. Você está convidado para este espetáculo e saber o resultado da disputa! 2.3. Orientações para o professor Caro(a) professor(a), neste capítulo sobre o teatro romântico, você terá a oportunidade de analisar a construção de pelo menos dois textos dramáticos a partir de valores do Romantismo em voga no Brasil durante o século XVIII, por isso, será uma excelente oportunidade de trabalhar com seus alunos a interdisciplinaridade, resgatando a História do Brasil, especialmente o que acontecia na principal cidade da época, o Rio de Janeiro, onde residia a família real portuguesa. Que tal começar o trabalho pela contextualização histórica? Uma sugestão seria levar os alunos para a biblioteca para que pesquisem sobre o momento histórico, ou mesmo o laboratório de informática, onde poderão pesquisar na web. Feito isso, cheque com seus alunos as informações que obtiveram e siga contextualizando a importância do teatro como um espaço social da elite da época. Questione os alunos sobre o tipo de peças teatrais poderiam ser apreciados por essa sociedade. Conduza a discussão para o movimento literário predominante na época: o Romantismo e suas características. A partir daí, exiba o vídeo uma vez sem interrupção para que os alunos confirmem as suas hipóteses. Feito isso, exiba o vídeo mais uma vez para que os alunos analisem os textos contidos no vídeo. Se possível, disponibilize os trechos das peças tratados no vídeo. Algumas sugestões de atividades que damos para que os alunos realizem enquanto assistem ao vídeo pela segunda vez são: quem são e como podemos descrever as personagens apresentadas nas peças Mãe e O juiz de paz na roça? Em que espaço elas se encontram? Qual a relação da atividade que desenvolvem na cena e o tema tratado nos diálogos? Quanto à linguagem, o que você percebe em relação à variação lingüística em Mãe e O juiz de paz na roça? Porque são diferentes? Busque no texto exemplos de construções da linguagem causam o efeito dramático na peça Mãe, e que causa o efeito cômico em O juiz de paz na roça. Como trabalho seqüencial, que tal buscar a intertextualidade com os textos em circulação? Os alunos poderão buscar nos gêneros dramáticos da televisão aberta relações interpessoais semelhantes aquelas encontradas nas peças estudadas. Ao analisarem as relações entre as personagens de algumas telenovelas e seriados, os 12

13 alunos deverão identificar conflitos semelhantes aos das peças estudadas e analisar como o efeito cômico e o sentimental é construído. Você poderá propor os mesmos questionamentos propostos para a análise das peças anteriormente e, ao final, buscar justificar as descobertas a partir do momento histórico em que vivem. As possibilidades são inúmeras: observe as suas condições de trabalho e tenha bastante sucesso! 2.4. Orientações para o aluno Antes do vídeo: 1. Caro aluno, você se lembra dos principais acontecimentos no Brasil no século XVIII? Vamos pesquisar? Você poderá encontrar informações sobre isso em livros de História do Brasil ou na internet. 2. Nesta época, o teatro estava em ascensão no Brasil. Você pode imaginar como era este teatro? Sua função social e os tipos de peças que a sociedade da época apreciava? 3. Assista ao vídeo e confirme as suas hipóteses. Durante o vídeo: 1. Ao assistir ao vídeo mais uma vez, busque analisar os textos dramáticos contidos e relacione-os aos valores do Romantismo. Para orientá-lo enquanto assiste, busque respostas para as seguintes questões: a) Quem são e como podemos descrever as personagens apresentadas nas peças Mãe e O juiz de paz na roça? b) Em que espaço elas se encontram? c) Qual a relação da atividade que desenvolvem na cena e o tema tratado nos diálogos? d) Quanto à linguagem, o que você percebe em relação à variação lingüística em Mãe e O juiz de paz na roça? Porque são diferentes? e) Busque no texto exemplos de construções da linguagem causam o efeito dramático na peça Mãe, e que causa o efeito cômico em O juiz de paz na roça. Após o vídeo: 1. Que tal buscar a intertextualidade com os textos em circulação? Vamos buscar nos gêneros dramáticos da televisão aberta relações interpessoais semelhantes aquelas encontradas nas peças estudadas? 2. Busque telenovelas e seriados que contenham relações entre as personagens que contenham conflitos semelhantes aos das peças estudadas. Para analisar como o efeito cômico e o sentimental é construído, siga o mesmo roteiro de questões respondidas sobre as peças contidas no material: a) Quem são e como você pode descrever as personagens apresentadas nas nos textos que você escolheu? b) Em que espaço elas se encontram? c) Qual a relação da atividade que desenvolvem na cena e o tema tratado nos diálogos? d) Busque no texto exemplos de construções da linguagem causam o efeito dramático e o que causa o efeito cômico. e) Quanto à linguagem, o que você percebe em relação à variação lingüística nos textos? São diferentes? Busque justificar de acordo com o momento histórico em que você vive. 13

14 3. Áudio 3.1. Ficha Catalográfica Ficha Catalográfica Episódio 6 Capítulo 2 Título: A literatura vai ao teatro Subtítulo: O teatro árcade Tipo de Recurso: Áudio Objetivo: Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer as características do texto dramático produzido no Arcadismo, Romantismo e Realismo brasileiros, avaliando a complexidade do núcleo dramático na narrativa ficcional. Descrição do Recurso: Este material em áudio tem duração de cerca de dez minutos, dividido em dois blocos de aproximadamente cinco minutos cada, e é acompanhado de Guia do Professor com Suporte Teórico e Suporte Pedagógico em PDF. Observações (informações complementares): Níveis de ensino: Ensino Médio Componentes Curriculares: Língua Portuguesa Temas: Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens. Autores: Andreia Turolo da Silva, Bernardete Biasi Rodrigues, Cibele Gadelha Bernardino, Fátima Souza e Larissa Pereira de Almeida. Palavras-chave: teatro árcade; teatro romântico; teatro realista Sinopse Na investigação das manifestações dramáticas da literatura brasileira, Carol, Rodrigo e Daniel aprendem sobre o teatro árcade e o teatro romântico ao ouvirem uma entrevista com um professor na rádio estação da linguagem. A partir das informações que obtém por meio da entrevista, buscam analisar as características do Arcadismo e do Romantismo em uma peça de Claudio Manuel da Costa e outra de Martins Pena. Durante a investigação, percebem como o momento histórico em que os movimentos literários se deram influenciou a produção dramática brasileira e chegam à conclusão de que estudar a história é fundamental para entender os textos dramáticos. Venha também participar de mais uma aventura da equipe de aprendizagem liderada pelo Comandante Cícero! 3.3. Orientações para o professor Caro(a) professor(a), neste capítulo sobre o teatro árcade e o romântico, você terá a oportunidade de analisar a construção de pelo menos dois textos dramáticos a partir de valores em voga no Brasil durante o século XVIII, por isso, será uma excelente oportunidade de trabalhar com seus alunos a interdisciplinaridade, resgatando a História do Brasil, especialmente o que acontecia nas principais cidades da época, o Rio de Janeiro e Vila Rica, atual Ouro Preto. 14

15 Nossa sugestão é iniciar os trabalhos a partir do momento histórico: questione os alunos sobre a importância dessas duas cidades na época e as razões para isso. Não ofereça as respostas agora, apenas deixe os alunos resgatarem seu conhecimento prévio sobre o assunto. A partir daí, reproduza o primeiro bloco do material em áudio para que os alunos confirmem as suas hipóteses e, ao final, cheque com eles o que puderam compreender. Siga o trabalho introduzindo os movimentos literários da época: o Arcadismo e o Romantismo e as principais características desses movimentos no Brasil. Quais foram os seus principais autores? Leve os alunos a relacionarem os movimentos ao momento histórico. A partir daí, conte para os alunos o que acontecia na Europa na mesma época, use o nosso suporte teórico para isso e informe os alunos que uma das peças é mais influenciada pelos modelos europeus. Reproduza o segundo bloco do material em áudio e peça para os alunos prestarem atenção na estética de cada texto: Parnaso Obsequioso e O juiz de paz na roça. Qual deles recebe mais influência dos modelos europeus e qual deles parece estar mais socialmente localizado? Qual deles parece mais artificial? Quais as razões para isso? Siga reproduzindo partes do áudio novamente e peça para que os alunos identifiquem características do Parnasianismo e do Romantismo nos trechos das peças, conforme as explicações dos aprendizes da Nave da Aprendizagem. Como atividade seqüencial, proponha uma pesquisa sobre os movimentos literários, que pode ser feita por meio de livros de Literatura Brasileira ou pela internet. A partir daí, eles poderão voltar aos trechos das peças contidas no segundo bloco do áudio para encontrar mais exemplos das características literárias. Os resultados poderão ser discutidos em fórum, como proposta de um trabalho contínuo: sugerimos o forum.brasilescola.com. Abra um novo fórum de discussão para que os alunos possam apresentar os resultados de suas pesquisas e receber contribuições de outros estudiosos e interessados. As possibilidades são inúmeras! Aproveite as nossas sugestões e tenha bastante sucesso! 3.4. Orientações para o aluno Antes do áudio: 1. Caro aluno, você se lembra dos principais acontecimentos no Brasil no século XVIII? Vamos pesquisar? Você poderá encontrar informações sobre isso em livros de História do Brasil ou na internet. 2. Nesta época, quais eram os principais centros urbanos? Como você pode justificar a concentração demográfica nestas duas cidades? 3. Escute o primeiro bloco do material em áudio e confirme as suas hipóteses. Durante o áudio: 1. Os principais movimentos literários da época que estamos estudando eram o Arcadismo e o Romantismo. Ouça o primeiro bloco do material prestando atenção agora nas características desses movimentos no Brasil. 2. Quais foram os seus principais autores? Em que movimentos políticos da época eles estavam envolvidos? Quais influências européias tiveram esses movimentos políticos no Brasil na época? 3. Ouça agora o segundo bloco e preste atenção na estética de cada texto que será apresentado: Parnaso Obsequioso e O juiz de paz na roça. Qual deles recebe mais influencia dos modelos europeus e qual deles parece estar mais socialmente localizado? Qual deles parece mais artificial? Quais as razões para isso? 15

16 4. Ouça novamente o áudio e busque identificar características do Parnasianismo e do Romantismo nos trechos das peças, conforme as explicações dos aprendizes da Nave da Aprendizagem. Após o áudio: 1. Como atividade seqüencial, vamos pesquisar mais sobre os movimentos literários Arcadismo e Romantismo? Você poderá usar livros de Literatura Brasileira ou internet. Anote tudo o que puder relacionar a valores, temas e estética literária. 2. Feito isso, ouça novamente os trechos das peças contidas no segundo bloco do áudio para encontrar mais exemplos das características literárias. Os resultados desse trabalho poderão ser discutidos em fóruns da internet. Sugerimos o forum.brasilescola.com. Abra um novo fórum de discussão para possa apresentar os resultados de sua pesquisa e receber contribuições de outros estudiosos e interessados. Tenha sucesso! 5. Suporte Teórico Ao cabo do século XVIII, as mudanças na estrutura dramática das peças européias foram reflexos de acontecimentos históricos como a Revolução Industrial e a Revolução Francesa. Como resultado disso, surgiram formas como o melodrama 1 que atendia ao gosto do grande público. As artes dramáticas se beneficiaram das inovações cênicas e infra-estruturais do teatro com o uso do elevador hidráulico e de recursos de iluminação. Os cenários, assim como o figurino, procuravam reproduzir situações históricas com um realismo bastante apurado. Porém, no Brasil a situação era bem diversa daquela européia. O país passava de uma economia agrícola para uma economia mineradora, uma mudança que alterou a concentração demográfica, orientada pelo deslocamento do açúcar baiano para o ouro mineiro. A concentração econômica em Minas contribuiu também para a construção de um pólo cultural e intelectual em cidades como Vila Rica, atual Ouro Preto, que se inspirava por modelos e estilos europeus. Uma força do pensamento europeu estava nos ideais iluministas da Revolução Francesa, que despertou o desejo de libertação das colônias, gerando movimentos de independência. É nesse contexto contraditório entre o pensamento libertário e a dependência da Europa que vive o Arcadismo brasileiro. Nesse movimento essencialmente poético com características épicas, encontramos o teatro de Cláudio Manuel da Costa. Em sua peça O Parnaso Obsequioso, tem-se um elogio extremoso e formal ao então governador da Capitania de Minas Gerais, com a presença da mitologia clássica em que deuses e ninfas cantam em homenagem ao aniversário do Governador José Luiz de Menezes, o Conde de Valadares. O texto é um fiel representante do neoclassicismo, contendo espaços bucólicos e uma linguagem extremamente ornamentada, ainda que a peça não seja considerada de grande valor para a história da dramaturgia brasileira. A busca por uma cidade civilizada nos moldes europeus também era sentida no Rio de Janeiro, especialmente com a chegada da corte portuguesa em 1808, valorizando o teatro como diversão e palco de encontros da sociedade. Neste contexto tem lugar as peças de alguns escritores românticos como Gonçalves Dias, 1 O melodrama surge no teatro por volta de 1800 como um tipo de espetáculo que envolve tanto elementos da tragédia como da comédia. Aparecendo depois da Revolução Francesa, construiu suas cenas com máquinas e danças. Teve um grande sucesso de público, tornando-se internacional e duradouro como o principal gênero literário e teatral do século XIX. Uma forma literária que sofreu grande influência do melodrama foi o folhetim. 16

17 participando com temas históricos, José de Alencar com temas sociais, Álvares de Azevedo com os exageros ultra-românticos. Sobre o teatro de José de Alencar, podemos citar a peça Mãe, que se passa no Rio de Janeiro de 1855, muito elogiada por Machado de Assis em suas críticas teatrais. Nos diz Machado que o texto foi escrito com muita sensibilidade, tendo o autor exato conhecimento do fazer teatral. Embora a peça seja simples, tem uma grande carga dramática. Além do tema abolicionista, é possível verificar ao longo dos quatro atos, a moral e os bons costumes que deveriam ditar os modos da família brasileira. Como introdução, José de Alencar escreve uma carta dedicada a sua mãe em que exalta o amor materno que será posto em xeque na peça, visto que o personagem Jorge vende a sua mãe para cobrir as dívidas do pai da menina Elisa por quem se vê encantado. Ainda na época romântica, chegamos às comédias de costumes, de cunho popular. As comédias de costumes tratam de uma dissimulação do real com objetivos críticos, racionais e a finalidade de romper preconceitos. O que podemos perceber de certa forma é uma mudança radical na maneira de encenar. O teatro de costumes na obra de Martins Pena, por exemplo, faz da comédia palco para uma nova concepção teatral no Brasil, visto que troca a fala solene encontrada nas peças românticas, como você pode ver acima, por uma linguagem próxima do povo, contrasta a corte com a província e rompe com as encenações anteriores de autos religiosos e passagens bíblicas. Por trás da máscara do riso, Martins Pena começa a tecer críticas contundentes sobre a sociedade brasileira e suas artimanhas políticas. Em O juiz de paz na roça, peça datada de 1833, o autor marca sua estréia. Embora o texto tenha uma frágil estrutura dramática, mostra a arguta observação e a crítica feita sobre os comportamentos humanos. A crítica Bárbara Heliodora nos diz que uma falha de Martins Pena foi ser um escritor brasileiro no tempo em que nossa sociedade vivia seguindo os costumes europeus. Nessa peça, Martins Pena expõe o cotidiano de uma cidade do interior em que um juiz de paz em ofício explora a inocência e a simplicidade das pessoas. Bibliografia recomendada Para saber mais sobre Teatro Brasileiro CAFEZEIRO, Edwaldo. História do teatro brasileiro: um percurso de Anchieta a Nelson Rodrigues. Rio de Janeiro: Editoras UFRJ: EDUERJ: FUNARTE, Um livro atual e bastante detalhado sobre a história do teatro brasileiro. Além das discussões estéticas, Cafezeiro faz um levantamento antropológico e histórico da literatura dramática em nosso país, analisando os contextos econômico, social e político que envolvem a esfera da representação, envolvendo vários ofícios que surgem dentro desse universo. HELIODORA, Bárbara. O Teatro explicado aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, Neste livro, a famosa crítica de teatro expõe seu olhar contundente sobre o teatro no mundo e no Brasil possibilitando ao leitor viajar por um caminho generoso trilhado pela arte teatral. Em uma leitura leve, a autora consegue abordar diversos fatores que envolvem a dramaturgia. Preciosas são as indicações de leitura e de textos para serem encenados que deixa explícita ao longo do livro. 17

18 MAGALDI, Sábato. Panorama do Teatro Brasileiro. - 6ª Ed. - São Paulo: Global, Neste livro, um dos maiores estudiosos do Teatro Brasileiro integra essa arte numa perspectiva histórica, mencionando a importância dos autores dentro do quadro de nossa literatura dramática. Além disso, promove uma integração com a história do teatro mundial para que seja possível compreender o sistema dessa arte. Ao lado de uma historiografia literária, o livro vem contribuir para uma melhor compreensão dos aspectos do gênero teatral. Um livro imprescindível para melhorar a formação do leitor. Este site aborda o teatro de forma introdutória e bastante explicativa para o leitor que precisa obter informações sobre o panorama do teatro. Aqui é possível encontrar o texto A Capital Federal, de Arthur Azevedo, que estreou em 1897 no Rio de Janeiro, na íntegra na página mencionada. %20ATUAL%20LITERATURA%20BRASILEIRA. Aqui você encontrará diversas críticas feitas pelo nosso mais famoso escritor, Machado de Assis. Nesse site, encontramos o artigo Instinto de nacionalidade, em que é possível situar-se diante do quadro da literatura brasileira do século XIX. 18

19 CAPÍTULO 3 1. Introdução Seja bem vindo ao terceiro capítulo do Episódio A literatura vai ao teatro da série Língua Portuguesa Ensino Médio. Fazem parte deste capítulo um recurso em áudio e um recurso em vídeo, ambos de duração de dez minutos cada e relacionados ao mesmo propósito pedagógico, podendo ser usados de maneira independente ou complementar. Neste guia de uso, você poderá encontrar, além da descrição de objetivos e conteúdos, sinopses dos capítulos de áudio e de vídeo, orientações para professor e aluno, suporte teórico para o tratamento dos conteúdos de aprendizagem e bibliografia. Com vistas a dar suporte ao alcance dos objetivos, este capítulo contempla vários gêneros textuais que permeiam as nossas práticas sociais para atender a diferentes propósitos comunicativos. Nos recursos de vídeo e áudio são exploradas relações informais entre jovens estudantes e diálogos com um orientador de aprendizagem que os encaminha para diversas atividades de pesquisa e convivência com usos da Língua Portuguesa por meio de gêneros textuais. Desejamos que este material traga boas contribuições para o seu processo ensinoaprendizagem da Língua Portuguesa! 1.1. Objetivos Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer características do texto dramático produzido no Modernismo e no Pós-Modernismo, avaliando a complexidade do núcleo dramático da narrativa ficcional Conteúdos O foco deste capítulo está no conteúdo literário que contempla os recursos estilísticos que caracterizam o texto dramático produzido no Modernismo e no Pós- Modernismo brasileiros. Entre os conteúdos interdisciplinares, estão presentes História, Geografia e Artes. 2. Vídeo 2.1. Ficha Catalográfica Título: A literatura vai ao teatro Subtítulo: O teatro moderno Tipo de Recurso: Vídeo Ficha Catalográfica Episódio 6 Capítulo 3 Objetivo: Este capítulo tem como objetivo específico reconhecer características do texto dramático produzido no Modernismo e no Pós-Modernismo brasileiros, avaliando a complexidade do núcleo dramático da narrativa ficcional. 19

20 Descrição do Recurso: Este material em vídeo tem duração de cerca de dez minutos e é acompanhado de Guia do Professor com Suporte Teórico e Suporte Pedagógico em PDF. Observações (informações complementares): Níveis de ensino: Ensino Médio Componentes Curriculares: Língua Portuguesa Temas: Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens. Autores: Andreia Turolo da Silva, Bernardete Biasi Rodrigues, Cibele Gadelha Bernardino, Fátima Souza e Larissa Pereira de Almeida. Palavras-chave: teatro moderno; teatro pós-moderno Sinopse Estudar um teatro desagradável? Os tripulantes estão encarregados de desvendar se o teatro de Nelson Rodrigues merece a crítica a ele atribuída. Para isso, precisam saber quem foi este polêmico dramaturgo, o contexto histórico em que viveu e as propostas de vanguarda que trouxe para o teatro nacional. A partir de um espetáculo onde se misturam a vida, a crítica e a obra de Nelson Rodrigues, Daniel, Carol e Rodrigo percebem a criatividade do autor na construção de um texto moderno tanto no plano lingüístico quanto dramatúrgico. Quer ver como isso é possível? O espetáculo já vai começar! 2.3. Orientações para o professor Caro(a) professor(a), este capítulo aborda o teatro moderno de Nelson Rodrigues, que foi, além de dramaturgo e escritor, um jornalista, e se dedicou, entre outras seções jornalísticas, à coluna policial. Sabendo disso, aproveite a oportunidade para trabalhar a intertextualidade entre os gêneros jornalísticos e literário-dramáticos. Comece com a seção policial dos jornais locais do dia. Algumas questões que sugerimos discutir com os alunos podem ser: quais fatos estão noticiados e como estão construídos nos textos jornalísticos? Será que podemos identificar nos textos um tom sensacionalista e fantasioso, ou o artigo traz apenas o relato de fatos verossímeis? Quais são os limites entre o que pode ser de fato considerado real e o que pode ser considerado extraordinário, ou sensacional? Para esta discussão, divida a turma em grupos menores e distribua jornais diferentes entre os grupos, ou leve-os ao laboratório de informática para que pesquisem os jornais on-line. Feito isso, conduza a conversa para o limite entre o real e o fictício. Pergunte aos alunos se eles conseguem imaginar uma peça de teatro tratando dos mesmos assuntos abordados nas notícias policiais: que tipo de teatro teríamos? Uma comédia? Uma sátira? Uma tragédia? Ou um romance? Há possibilidades de misturarmos tudo isso? Qual seria o efeito final? Como vocês se sentiriam em assistir a uma peça que tratasse disso? Chegou o momento de apresentar Nelson Rodrigues. Exiba o vídeo uma vez sem interrupção e peça para que os alunos respondam as seguintes questões enquanto assistem: 20

21 a) Quais os títulos das duas peças de Nelson Rodrigues mencionadas no material? b) Na conversa entre os atores e o diretor de teatro no restaurante, porque alguns estão receosos de trabalhar na montagem de uma peça de Nelson Rodrigues? Quais são os argumentos contra a montagem? Quais são os argumentos a favor da montagem? c) Em trechos da outra peça apresentada no vídeo, podemos entender que o personagem Boca de Ouro é construído apenas a partir dos relatos de D. Guigui. Quais identidades são construídas para este personagem? Porque D. Guigui descreve Boca de Ouro de três formas diferentes? d) Ainda sobre esta mesma peça, note que um locutor de rádio dá a notícia da morte de Boca de Ouro. Quais nuances sensacionalistas podemos identificar na notícia transmitida pelo locutor? Que propósitos poderia ter tido Nelson Rodrigues em inserir o gênero jornalístico dentro da peça? Por fim, que tal continuarmos a explorar mais os limites entre o fatual e o fictício? Organize os alunos para selecionarem um caso policial no jornal e adaptá-lo para um texto dramático, levando em conta os aspectos do tempo, do espaço e da ação dramática, a construção das personagens e como se envolvem com a ação na busca de resolvê-la. Ao fazer isso, questione com eles como a violência tem causado grande impacto nas relações sociais, modificando-as. Busque tratar do tema por pontos de vista diferentes e peça aos alunos para que proponham soluções para as situações que trouxerem em seus textos. Que tal construir o texto no mundo virtual, ou second life? Para isso acesse use a sua criatividade e tenha sucesso! 2.4. Orientações para o aluno Antes do vídeo: 1. Vamos começar nossa pesquisa com a seção policial dos jornais locais do dia? Você pode utilizar jornais impressos ou on-line. Identifique quais fatos estão noticiados e como estão construídos nos textos jornalísticos. 2. Será que podemos identificar nos textos um tom sensacionalista e fantasioso, ou o artigo traz apenas o relato de fatos verossímeis? Quais são os limites entre o que pode ser de fato considerado real e o que pode ser considerado extraordinário, ou sensacional? 3. Você consegue imaginar uma peça de teatro tratando dos mesmos assuntos abordados nas notícias policiais: que tipo de teatro seria? Uma comédia? Uma sátira? Uma tragédia? Ou um romance? Há possibilidades de misturarmos tudo isso? Qual seria o efeito final? 4. Como você se sentiria em assistir a uma peça que tratasse disso? 5. Assista ao vídeo e verifique como um tipo de teatro desta natureza se tornou possível. Durante o vídeo: 1. Enquanto assiste ao vídeo, sugerimos que busque respostas para as seguintes questões: a) Quais os títulos das duas peças de Nelson Rodrigues mencionadas no material? b) Na conversa entre os atores e o diretor de teatro no restaurante, porque alguns estão receosos de trabalhar na montagem de uma peça de Nelson Rodrigues? Quais são os argumentos contra a montagem? Quais são os argumentos a favor da montagem? c) Em trechos da outra peça apresentada no vídeo, podemos entender que o personagem Boca de Ouro é construído apenas a partir dos relatos de D. 21

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

Língua Portuguesa Ensino Médio

Língua Portuguesa Ensino Médio Língua Portuguesa Ensino Médio Sumário Episódio 7: PROSA E POESIA 1. Apresentação Capítulo 1: O CONTO NO ROMANTISMO E NO REALISMO. 1. Introdução 1.1 Objetivos 1.2. Conteúdos 2. Vídeo Capítulo 1 2.1. Ficha

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 Apresentação e Objetivos Caro(a) aluno(a),

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO. Comunicação - Relato de Experiência

LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO. Comunicação - Relato de Experiência LEITURA E TEATRO: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Rosilene de Moraes rosil_moraes@hotmail.com Escola Estadual Coronel Oscar Prados Comunicação - Relato de Experiência O teatro é uma arte milenar que consiste

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS.

PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. PROJETO PEDAGÓGICO: PARAÍBA: ARTE, SABER E CULTURA ATRAVÉS DAS OBRAS DE ARIANO SUASSUNA E LEANDRO GOMES DE BARROS. RESUMO SANTOS, Enia Ramalho os UEPB enia.ramalho @hotmail.com SANTOS, Patricia Ferreira

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3 SUMÁRIO Introdução............................................ 2 Objetivos............................................. 2 Possibilidades de Trabalho........................... 3 Introdução A disciplina

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço

Valores Educacionais. Aula 2 Alegria do Esforço Valores Educacionais Aula 2 Alegria do Esforço Objetivos 1 Apresentar o valor Alegria do Esforço. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Alegria do Esforço. Introdução As próximas aulas

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Orientações para Professores. Prezado professor,

Orientações para Professores. Prezado professor, Orientações para Professores Prezado professor, No ano em que a Oficina do texto comemora 10 anos, todos os olhares se voltam para um país em especial: a África do Sul sede da Copa do Mundo de Futebol.

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar.

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar. PEDAGOGIA Você já deve ter ouvido alguém falar que o nível educacional de um povo é muito importante para o seu desenvolvimento e que a educação faz muita diferença na vida das pessoas, não é mesmo? Por

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais