III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS"

Transcrição

1 I - APRESENTAÇÃO O presente documento completa a série de instrumentos elaborados pela Comissão de Especialistas de Ensino de Farmácia, compostos por Roteiro de Autorização de Novos Cursos, Roteiro de Verificação e Recredenciamento de Cursos de Farmácia, Indicadores de Àrea do Conhecimento e a Estrutura Padrão do Curso de Farmácia. Os Padrões de Qualidade englobam, portanto, os parâmetros determinantes de uma politica para implantação, acompanhamento e avaliação de qualidade dos cursos na àrea de Farmácia. Esse documento quantifica os níveis de qualidade do ensino e compõem com os outros instrumentos já citados, um manual a ser utilizado para na orientação de consultores, administradores, docentes, alunos e a própria comunidade. O objetivo principal desse trabalho é o de buscar um sistema de avaliação de qualidade das unidades de ensino de Farmácia, além de contribuir na melhoria da insserção do profissional nas suas atividades multidisciplinares. Serão avaliadas as especificidades regionais e institucionais, as estratégias e os resultados do ensino, abordando às questões relativas ao projeto pedagógico adotado, a estrutura curricular, a realidade sócio-econômica do espaço onde o curso será ou está sendo desenvolvido, as condições de infraestrutura de instalações, os recursos humanos docentes, dentre outras, situações todas elas fundamentais para o pleno desenvolvimento do curso. II - PADRÕES DE QUALIDADE Os curso de Graduação em Farmácia, para receberem autorização de funcionamento, deverão preencher requisitos mínimos definidos no documento Estrutura Padrão do Curso de Farmácia. Os cursos de Farmácia, por suas características peculiares, ou seja, a fromação de profissionais com campos de atuação diversas exigem padrões que contemplem essa situação. Por isso mesmo foi estabelecido um roteiro para avaliação dos projetos de autorização de cursos de farmácia, onde foram estabelecidos os critérios de verificação da qualidade do curso a ser oferecido. Foram definidos os níveis de qualidade abaixo, de forma a verificar o estágio em que se encontra a Instituição:. Cursos nível A: Excelente. Cursos nível B: Bom. Cursos nível C: Satisfatório. Cursos nível D: Insatisfatório Esses níveis servirão para que os consultores e verificadores tenham uma baliza para recomendar a autorização ou não, de funcionamento do curso avaliado. III - ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE AUTORIZAÇÃO DE CURSOS 1 - Necessidade Social Analisar e avaliar os dados e informações prestadas pelas IES observando o documento Indicadores de Área do Conhecimento - Área Farmácia. Comentários: (Resutado da Análise) 2 - Da Mantenedora 1

2 2.1 - Analisar e avaliar as informações prestadas pela IES observando o determinado no inciso II, artigo 3 da Portaria 181/96 - MEC. Comentários: (Resutado da Análise) 3 - Do Estabelecimento Analisar e avaliar os dados e informações relacionadas no inciso III do artigo 3 da portaria 181/96 MEC. Comentário: (Resutado da Análise) 4 - Do Curso Analisar e avaliar os seguintes dados que caracterizam o curso Denominação do Curso Parecer do Conselho Estadual de Saúde Número de Vagas(semestre/ano) Regime de Matrícula(semestre/ano) Regime do Curso(créditos/seriado) Turnos de Funcionamento. Comentários: (Resutado da Análise) Estrutura do Curso Currículo Minímo. Estar de acordo com a resolução 4/69 de 1 de Julho de 1969, que fixa os mínimos de conteúdo e duração do Curso de Farmácia. Comentários: Organização do Currículo Pleno DISCIPLINA INSERÇÃO NO CURRÍCULO PT TE OB OP BA PF FÍSICA GENÉTICA HISTOLOGIA ANATOMIA PATOLOGIA FISIOLOGIA MICROBIOLOGIA IMUNOLOGIA 2

3 PARASITOLOGIA QUIMICA ORGÂNICA QUÍMICA INORGÂNICA QUÍMICA ANALÍTICA BIOQUÍMICA MATEMÁTICA BIOESTATÍSTICA FARMACODINÂMICA QUÍMICA FARMACÊUTICA FARMACOTÉCNICA FARMACOGNOSIA FITOQUÍMICA TECNOL.FARMACÊUTICA ENZIMOLOGIA SAÚDE COLETIVA CONTR.QUAL.FÍSICO-QUIM. CONTR.QUAL.MICROBIOL. ECONOMIA ADMINISTR. DEONTOL.-LEGISLAÇÃO DISPENS. - LEGISLACÃO DISPENSAÇÃO FARMACEUT FARMÁCIA HOSPITALAR TECNOLOGIA DE COSMET. FÍSICA INDUSTRIAL HEMATOLOGIA CITOPATOLOGIA PARASITOLOGIA MICROBIOLOGIA IMUNOLOGIA BIOQUÍMICA TOICOLOGIA BROMATOLOGIA TECNOLOGIA ALIMENTOS TECNOL.FERMENTAÇÕES TOICOLOGIA ALIMENTOS NUTRIÇÃO BIOQUIM. DE ALIMENTOS PT - PRÁTICA TE - TEÓRICA OB - OBRIGATÓRIA OP - OPTATIVA BA - BÁSICO PF - PROFISSIONALIZANTE Critério de Avaliação: 3

4 CONCEITO BÁSICO PROFISSIONALIZANTE Todas os disciplinas do curriculo mais todas as disciplinas do curriculo mais as disciplinas complementares. disciplinas complementares além de A B C D Todas as disciplinas do currículo mínimo mais disciplinas complementares até 3 Todas as disciplinas do currículo mínimo sem disciplinas complementares. Não atende as exigências do currículo mínimo. disciplinas opativas acima de 2 Todas as disciplinas do currículo mínimo mais disciplinas complementares até 4 além de disciplinas optativas até 2 Todas as disciplinas do currículo mínimo mais duas disciplinas complementares. Não atende as exigências do currículo mínimo Estrutura Geral Curricular Avaliar os seguintes itens: 01 - Caráter inovador do currículo pleno Definição de eixos norteadores. 03- Compatibilidade entre os objetos do curso e a grade curricular. 04- Definição clara das áreas de aprofundamento. 05- Oferecimento de leque abrangente de disciplinas e/ou áreas optativas vinculadas aos eixos norteadores. 06- Dimensionamento da carga horária das disciplinas. 07- Distribuição equilibrada da carga horária das disciplinas ao longo do processo de integralização curricular. 08- Distribuição das disciplinas na estrutura curricular com base em pré-requisitos epistemológicos e pedagógicos, considerando a relação entre a formação básica e a profissional. 09- Adequação de bibliografia aos programas de disciplinas. 10- Interação teórica/prática ao longo do curso Estágio curricular Redação de monografia de graduação como requisito para obtenção do grau. 13- Favorecimento do envolvimento do corpo discente em projetos de ensino, extensão e pesquisa. 14- Dimensão de turmas(teorias/práticas) para diferentes disciplinas Carga horária por ciclo(básico/profissionalizantes) Período mínimo e máximo de integralização. Comentários: (Resutado da Avaliação) Administração Acadêmica / Curso Analisar a estrutura orgânica através do regimento do curso. Comentários: (Resutado da Análise) 4

5 Coordenação do Curso. Qualificação do coordenador do Curso. Critério de avaliação: Conceito Titulação Regime de Trabalho A Doutor Integral B Mestre Integral C Especialista Integral D Especialista Parcial Corpo Docente Nível de Formação / Titulação Titulação Quantidade % Total Básica - Profissionalizante Quantid. % Quantid. % Graduação Especialização Mestrado Doutorado Livre Docência Critérios de Avaliação: Titulação CONCEITO BÁSICO PROFISSIONALIZANTE D M E G D M E G A 35% 50% 15% 0 45% 45% 10% 0 B 20% 43% 30% 5% 40% 55% 5% 0 C 15% 40% 30% 15% 20% 50% 25% 5% D 10% 30% 40% 20% 15% 30% 45% 10% Regime de Trabalho: 5

6 Básico Profissional.. Regime de Trabalho Quant. % Total Quant. % Quant.. % Dedicação Exclusiva Tempo Integral 40 hs Tempo Parcial 20 hs Horista hs Horista até 10 hs Critério de Avaliação: Conceito BÁSICO PROFISSIONAL DE 40H 20H H 10H DE 40H 20H H 10H A 60% 30% 5% 5% 0% 70% 20% 5% 5% 0% B 50% 35% 10% 5% 0% 60% 25% 10% 5% 0% C 30% 40% 20% 8% 2% 20% 30% 20% 8% 2% D 20% 20% 40% 15% 5% 20% 20% 40% 15% 5% Adequação do corpo docente às disciplinas ministradas QualificaçãoDo cente Adequação do docente as disciplinas Disciplinas G E M D SIM NÃO Critérios de Avaliação: Qualificação mínima docente 6

7 DISCIPLINA G E M D Física Genética Histologia Anatomia Patologia Fisiologia Microbiologia Imunologia Parasitologia Química orgânica Química inorgânica Química analítica Bioquímica Matemática Bioestatística Farmacodinâmica Química Farmacêutica Farmacotécnica Farmacognosia Fitoquímica Tecnologia Farmacêutica Enzimologia Saúde Coletiva Control.Qualid.Físico-Químico Control.Qualid.Microbiologia Economia - Administração Deontologia-Legislação Dispensação Farmacêutica Farmácia Hospitalar Tecnologia de Cosméticos Física Industrial Hematologia Citopatologia Parasitologia Microbiologia Imunologia Bioquímica Toxicologia Bromatologia Tecnologia de Alimentos Tecnologia das Fermentações Toxicologia dos Alimentos Nutrição Bioquímica dos Alimentos A - Total Compatibilidade B - 70 % - 80 % de Compatibilidade. C - 50 % - 60 % de Compatibilidade. D - Menos de 50 % de Compatibilidade. 7

8 Relação Professor / Aluno. Verificar a relação professor/ aluno para as aulas práticas e teóricas. 8

9 Critérios de Avaliação: - Aulas Teóricas Conceito Relação professor / Aluno A 1/15 B 1/25 C 1/50 D > 1: 50 Aulas Práticas: Conceito Relação Professor/Aluno A 1/5 B 1/10 C 1/20 D >1/ Quantidade de disciplinas ministradas/docente. Verificar e avaliar o mínimo de disciplinas ministradas pelos professores analisando àrea do conhecimento. Critérios de avaliação: A - Até 2 disciplinas de uma mesma àrea do conhecimento, por professor, qualquer que seja o regime de trabalho. B - 2 disciplinas, relacionadas a duas distintas àreas do conhecimento, por professor, qualquer que seja o regime de trabalho. C - 3 disciplinas, por professor, qualquer que seja o regime de trabalho. D - mais de 3 disciplinas por professor. 9

10 Produção científica, intelectual e profissional. Como parâmentro de qualidade diferenciada para o corpo docente, a IES deverá apresentar a relação da atividade científica e profissionais, individualizada, do professor. Comentários: (Resultado da Análise) Política de Qualificação: Analisar e avaliar o projeto institucional de qualificação do corpo docente oferecido pela instituição. Critérios de Avaliação: Será indicado o conceito (A a D) após análise qualitativa do projeto intitucional,considerando tanto a qualificação lato e stricto sensu prevista, e o apoio a ser oferecido pela instituição à participação dos docentes em eventos científicos. Comentários: (Análise dos Dados) Corpo Técnico/ Administrativo Funcionários Técnicos. Função Farmacêutico Bibliotecário Técnico de Laboratório Auxiliar de Laboratório Bioteirista Outras Especificações Quantidade Critérios de Avaliação: Conceito B C D Função A Farmacêutico > Bibliotecário > Tec.Laboratório > Aux.Laboratório > Bioterista >

11 Funcionários Administrativos Função Secretário Auxiliar administrativo Porteiro Auxiliar de Serviços Gerais Outros (Especificar) Quantidade Critérios de Avaliação: Conceito Função Secretário > Auxiliar administrativo > Porteiro > Aux.Serviços Gerais > Biblioteca Acervo Bibliográfico - Generalidades 1) Adequação dos títulos no acervo ao curriculo do curso. 2)Existência e adequação de periódicos nacionais e internacionais indexadas. 3) Existência de livros-texto para atender a demanda do corpo discente. 4) Política de atualização e expansão do acervo. 5) Existência de videoteca com acervo. Critério para avaliação: A - 5 itens contemplados B - 4 primeiros itens contemplados C - 3 primeiros itens contemplados 11

12 D - 1 item contemplado. 12

13 4.6.2 Acervo Quant. Básico Profissional Número de Títulos na área Número de títulos na área Periódicos Livros Prog.Infor. Periódicos Livros Prog.Infor. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Critérios para avaliação: Básico Profissional Conceito Número de Títulos na área Número de títulos na área Periódicos Livros Prog.Inform. Periódicos Livros Prog.Infor Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. Nac. Int. A B C D Serviços da Biblioteca Avaliar os seguintes itens: 1 - Existência de espaço físico para leitura e trabalho individual e de grupo; 2 - Existência de infra-estrutura para reprodução de informações. 3 - Catalogação do acervo nas normas do serviço bibliográfico; 4 - Existência de espaço físico e material adequado. 5 - Informatização do acervo. 6 - Informatização do acervo e base de dados. 7 - Filiação institucional a entidade de natureza científica. 8 - Forma de acesso e empréstimos(horários, etc...) 9 - Facilidade de reservas Qualidade de catalogação e disposição do acervo Qualificação técnica dos servidores Plano de expansão. Critérios para avaliação: A - 10 itens com apreciação positiva. B - 08 itens com apreciação positiva. C - 06 itens com apreciaçãopositiva. D - Menos de 05 itens com apreciação positiva. 13

14 4.7 - Infra-Estrutura Física: Instalações e Equipamentos Instalações Condições Gerais 1 - Espaço físico disponível, adequado ao mínimo de alunos por turma e atividades propostas; 2 - Iluminação e ventilação adequada às atividades desenvolvidas, bem como ao tempo de permanência dos alunos; 3 - Mobiliário confortável e que possibilite o trabalho individual, de pequenos e de grandes grupos; 4 - Revestimento acústico e outros cuidados técnicos, quando as atividades desenvolvidas no local o exigirem; 5 - Adequação dos espaços desponíveis ao curriculo proposto; 6 - Informatização dos laboratórios e acesso a base de dados. 7 - Instalações hidráulicas, elétricas, sanitárias e outras facilidades adequadas ao atendimento de docentes, discentes e funcionários. 8 - Instalações especiais(laboratórios de análises clínicas, farmácia escola, laboratório industrial farmacêutico). Critérios para avaliação: A - 8 itens com apreciação positiva. B - 6 itens com apreciação positiva. C - 5 itens com apreciação positiva. D - Menos que 5 itens com apreciação positiva Área Física Especificação Área física total Área destinada a Administração central Áreas de Departamentos(Secretaria + sala Departamentos) Espaço (m²) 14

15 Almoxarifado Serviços de apoio ao Setor Administrativo(Sala de funcionários, vestiários, banheiros, portarias) Salas de aula Anfiteatro Laboratórios de Ensino e pesquisa Laboratórios de Estágio e Extensão Biotério Setor de lavagem e esterilização Setor de preparação de reativos e reagentes Central Analítica Áudio-visual Informática Biblioteca Áreas de lazer e circulação Diretório Acadêmico Critério de avaliação: Conceito Especificação(m²) Área física total > Área destinada a > Administração central Áreas de > Departamentos(Secretaria + sala Departamentos) Almoxarifado > Serviços de apoio ao Setor > Administrativo(Sala de funcionários, vestiários, banheiros, portarias) Salas de aula > Anfiteatro > Laboratórios de Ensino e > pesquisa Laboratórios de Estágio e > Extensão Biotério > Setor de lavagem e > esterilização Setor de preparação de > reativos e reagentes Central Analítica > Áudio-visual > Informática > Biblioteca > Áreas de lazer e circulação > Diretório Acadêmico >

16 Equipamentos Conceito Equipamento Microscópio Centrífuga Banho maria Estufa de secagem Estufa bacteriológica Estufa de esterilização Geladeira Freezer Micro-centrífuga Cubas de eletroforese Fontes de eletroforese Densitômetro Micrótomo Microscópio de fluorescência Agitador magnético Espectrofotômetro Espectrofotômetro UV/VIS Contador de cintilação líquida Balança analítica Balança granatária Capela de fluxo laminar Densímetro Viscosímetro Refratômetro Agitador de tubos Contador de colônias Manta aquecedora Rotavapor Chapa elétrica aquecedora Batedeira Mufla Bomba de vácuo Liofilizador Moinho Polarímetro Fluorímetro Aparelho de dissolução Aparelho de desintegração Aparelho de dureza de comprimido Quantidade 16

17 Aparelho de friabilidade Encapsulador Estufa despirogenizadora Máquina de lavar ampolas Máquina de encher/fechar ampolas Drageador Tambor de aço inox com agitador Misturador em V Aparelho de ponto de fusão Gaiola suspensa Quimiógrafo Pletismômetro Aparelho de tração Moinho de bolas Moinho coloidal Moinho de martelo Filtro-prensa Conjunto de peneiras com vibrador Batedeira planetária Analisador de aminoácidos Aparelho sokhlet Fotômetro de chama Contador de células do sangue(3 parâmetros) Cromatógrafo a gás Microscópio estereoscópico Lupa Conjunto de tamises Forma para supositório Forma para batores Autoclave Turbidímetro Potenciômetro Destilador industrial Deionizador Condutivímetro HPLC Projetor de slides Retroprojetor Televisor Video cassete Microcompuitador Impressora jato de tinta Impressora matricial Critérios de Avaliação: Equipamento Conceito Conceito atribuído 17

18 Microscópio > Centrífuga > Banho maria > Estufa de secagem > Estufa bacteriológica > Estufa de esterilização > Geladeira > Freezer > Micro-centrífuga > Cubas de eletroforese > Fontes de eletroforese > Densitômetro > Micrótomo > Microscópio de fluorescência > Agitador magnético > Espectrofotômetro > Espectrofotômetro UV/VIS > Contador de cintilação > líquida Balança analítica > Balança granatária > Capela de fluxo laminar > Densímetro > Viscosímetro > Refratômetro > Agitador de tubos > Contador de colônias > Manta aquecedora > Rotavapor > Chapa elétrica aquecedora > Batedeira > Mufla > Bomba de vácuo > Liofilizador > Moinho > Polarímetro > Fluorímetro > Aparelho de dissolução > Aparelho de desintegração > Aparelho de dureza de > comprimido Aparelho de friabilidade > Encapsulador > Estufa despirogenizadora > Máquina de lavar ampolas > Máquina de encher/fechar > ampolas Drageador > Tambor de aço inox com > agitador Misturador em V > Aparelho de ponto de fusão > Gaiola suspensa >05>

19 Quimiógrafo > Pletismômetro > Aparelho de tração > Moinho de bolas > Moinho coloidal > Moinho de martelo > Filtro-prensa > Conjunto de peneiras com > vibrador Batedeira planetária > Analisador de aminoácidos > Aparelho sokhlet > Fotômetro de chama > Contador de células do > sangue(3 parâmetros) Cromatógrafo a gás > Microscópio estereoscópico > Lupa > Conjunto de tamises > Forma para supositório > Forma para batores > Autoclave > Turbidímetro > Potenciômetro > Destilador industrial > Deionizador > Condutivímetro > HPLC > Projetor de slides > Retroprojetor > Televisor > Video cassete > Microcompuitador > Impressora jato de tinta > Impressora matricial > A - B - C - D - 50 % de Conceitos A 30 % de Conceitos B 20 % de Conceitos C 20 % de Conceitos A 40 % de Conceitos B 40 % de Conceitos C 05 % de Conceitos A 10 % de Conceitos B 80 % de Conceitos C 05 % de Conceitos D 00 % de Conceitos A 00 % de Conceitos B 20 % de conceitos C 80 % de conceitos D. 19

20 IV - RESULTADO DA AVALIAÇÃO 1 - Análise dos dados (comentários) Item 1 - Necessidade social ( 1 ) 2 - Da mantenedora ( 2 ) 3 - Do estabelecimento ( 3 ) 4 - Caracterização do curso ( 4.1 ) 5 - Estrutura do Curso (currículo mínimo) (4.2.1) 6 - Estrutura geral curricular (4.2.3) 7 - Administração acadêmica (Estrutura orgânica do curso) (4.3.1) 8 - Produção científica/intelectual / profissional (4.4.6) 9 - Política de qualificação (4.4.7) Atende Plenamente Atende Parcialmente Não Atende Critérios de Avaliação: A - Todos os itens atendidos plenamente. B - Atendidos plenamente os itens 1,5, 6 e 8. C - Atendidos plenamente os itens 5, 6 e 8. Atendidos parcialmente os demais itens. D - Não atendidos os itens 1, 5, 6 e Análise dos conceitos Item 01- Organização do currículo pleno (4.2.2) 02- Coordenação do curso (4.3.2) 03- Corpo docente (formação/ titulação) (4.3.2) 04- Corpo docente (regime de trabalho) (4.4.2) 05- Adequação do corpo docente às disciplinas ministradas (4.4.3) 06- Relação professor/ aluno (aulas teóricas) (4.4.4) Conceito 20

21 07- Relação professor/ aluno (aulas práticas) (4.4.5) 08- Quantidades de disciplinas ministradas/ docente (4.4.5) 09- Corpo técnico/ administrativo (funcionários técnicos) (4.5.1) 10- Corpo técnico/ administrativo (funcionários administrativos) (4.5.2) 11- Biblioteca - (acervo bibliográfico-generalidades) (4.6.1) 12- Biblioteca - (acervo) (4.6.2) 13- Serviços da Biblioteca (4.6.3) 14- Infra-estrutura física (instalações- condições gerais) ( ) 15- Infra-estrutura física (instalações- condições gerais) ( ) 16- Infra-estrutura física (equipamentos) ( ) 17- Análise de dados (comentários) (5.1) Critérios de avaliação: A - Obter conceito A nos itens 1, 3, 6, 7, 11, 12, 14, 16 e 17. B - Obter conceito B nos itens 1, 3, 4, 5, 6, 7, 11, 12, 13, 16 e 17 C - Obter conceito C em todos os itens. D - Não obter conceito C em alguns itens 3 - Conceito final da avaliação: V - AUTORIZAÇÃO Para autorização do funcionamento do curso proposto, a instituição deve obter, no mínimo conceito C como avaliação final. VI - PARECER FINAL 21

Formulário para uso das Comissões de Verificação

Formulário para uso das Comissões de Verificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Ensino Superior Departamento de Políticas de Ensino Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS LABORATÓRIO / DISCIPLINAS Laboratório de Farmacotécnica: Farmacotécnica, Cosmetologia e Farmacotécnica Homeopática e Fitoterápica. ÁREA CONTRUIDA (m 2 ) 80 Multidisciplinar I: Biofísica, Toxicologia, Fisiologia

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99)

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99) DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de especialistas de Fonoaudiologia-CEEFONO Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação

Leia mais

INDICADORES E PADRÕES DE QUALIDADE DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

INDICADORES E PADRÕES DE QUALIDADE DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE NUTRIÇÃO E ECONOMIA DOMÉSTICA INDICADORES E PADRÕES

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: ANHANGUERA EDUCACIONAL 1. INFRAESTRUTURA FÍSICA E SUA UTILIZAÇÃO As instalações destinadas ao curso atendem ao propósito de promover a formação em nível

Leia mais

COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5

COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5 COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5 Reconhece o Curso Superior de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, desenvolvido, na Unidade de Novo

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE RESOLUÇÃO Nº 19/04-CEPE Fixa o Currículo Pleno do Curso de Farmácia, do Setor de Ciências da Saúde. O, órgão normativo, consultivo e deliberativo da Administração Superior, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PARA AUTORIZAÇÃO

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Psicologia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Psicologia DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de Especialistas em Ensino de Psicologia - CEEPSI Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES NA ÁREA DE ARTES CÊNICAS (TEATRO E DANÇA)

PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES NA ÁREA DE ARTES CÊNICAS (TEATRO E DANÇA) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ARTES CÊNICAS PADRÕES DE QUALIDADE PARA CURSOS SUPERIORES

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino)

INFORMAÇÕES GERAIS. Duração do Curso: semestral mínimo de 09 e máximo de 18 em horas-aula: 4.320. Vagas oferecidas: 50 semestrais - matutino) INFORMAÇÕES GERAIS Habilitação: Farmacêutico, podendo exercer todas as competências inerentes ao profissional farmacêutico, incluindo atuação em Farmácia Comunitária, manipulação de fórmulas magistrais,

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Enfermagem, modalidade bacharelado,

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIA DA INFORAMÇÃO-CEECInfo Indicadores e Padrões de Qualidade

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes e Desenho Industrial (Autorização, Credenciamento e Reconhecimento)

Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes e Desenho Industrial (Autorização, Credenciamento e Reconhecimento) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DAS ARTES E DESIGN/ CEEARTES Roteiro para Avaliação

Leia mais

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina

Matriz Curricular. 1º Período Nome da disciplina Matriz Curricular A grade curricular proposta para o Curso de Farmácia abrange três modalidades de disciplinas: disciplinas básicas, que serão comuns aos cursos de Bioquímica, Enfermagem e Medicina, disciplinas

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

DESCRIÇÃO DA ÁREA E PADRÕES DE QUALIDADE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

DESCRIÇÃO DA ÁREA E PADRÕES DE QUALIDADE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DESCRIÇÃO DA ÁREA E PADRÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO(MEC) SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR (SESu) COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CECA PADRÕES DE QUALIDADE

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO LABORATÓRIOS DA ÁREA DE MICROBIOLOGIA E ALIMENTAÇÃO Laboratório de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Localização: Bloco "M" 125 Área: 158,69 m² Projetos de Pesquisa: POLIFENÓIS DE YACON (Smallanthus sonchifolius):investigação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 05/09/2005 (*) Portaria/MEC nº 3.050, publicada no Diário Oficial da União de 05/09/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UNISALESIANO Laboratórios Didáticos Especializados Qualidade O Curso de Ciências Biológicas conta com laboratórios que atendem às necessidades de suas disciplinas e os laboratórios

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica.

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica. Campus Governador Valadares Concurso 106: Departamento de Economia Proc. nº 23071.009825/2013-25 Vaga(s): 01(uma) Classe A: Professor Assistente A a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: Econometria. DAS PROVAS:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA

1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA 1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA 1 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA Para melhor entendimento desta proposta de reestruturação curricular apresentamos

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas

Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas UNIVERSIDAD DE COIMBRA (PORTUGAL) PROGRAMA DE FARMACIA Mestrado Integrado em Ciências s Ciências s voltar ao curso Plano de Estudos: Nome da Biologia Celular 1 01550003 Física Aplicada 1 01550014 Histologia

Leia mais

Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Anexo I Cargos e Vagas

Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Anexo I Cargos e Vagas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO Edital n 37/2011 Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ TURMAS 2008 E 2009 Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ CNPJ : 33.781.055/0017-00 Data: 01/09/2005 Área do Plano: Área Profissional Saúde Plano de Curso para: Especialização

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Administração

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO Padrões de Qualidade para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

DESCRIÇÃO DE LABORATÓRIOS

DESCRIÇÃO DE LABORATÓRIOS DESCRIÇÃO DE S SALA AULAS PRÁTICAS CAMPUS BL 08 Meio Ambiente e Saúde Biologia Celular Biologia Molecular Citogenética Bioquímica Ecologia de População Histologia e Embriologia Citologia A-II Medicina

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA (Bacharelado) Aplicada aos Ingressantes a partir de 2011/1 Turnos Integral Matutino/Vespertino e Integral Vespertino/Noturno 1 o Período BIOLOGIA CELULAR

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO 01 VET101 - Anatomia Veterinária I - Ativa VET102 - Biologia Celular - Ativa desde: VET103 - Bioquímica e Biofísica - Ativa VET104 - Técnica Hospitalar - Ativa desde: VET105 -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Projeto REUNI Novos Cursos Para que a implantação e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA INGEB / UFU ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO

BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA INGEB / UFU ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO 1 BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA INGEB / UFU ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO O Estágio Profissional Supervisionado no Curso de BIOTECNOLOGIA INGEB-UFU tem como objetivo iniciar os discentes na prática

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 MATEMÁTICA APLICADA 25/05 14h00 às 15h40 ANATOMIA HUMANA 26/05 14h00 às 15h40 QUÍMICA GERAL & FÍSICO-QUÍMICA 27/05 14h00 às 15h40 Até dia 10/06 BIOMEDICINA, ÉTICA &LEGISLAÇÃO

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação Graduação ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. 88,2% Graduação ITEM: As instalações do laboratório de informática são adequadas. Graduação ITEM: As instalações da biblioteca são adequadas.

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.DESCRIÇÃO DA ÁREA DE PEDAGOGIA

INTRODUÇÃO 2.DESCRIÇÃO DA ÁREA DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Este documento elaborado pela Comissão de Especialistas de Pedagogia, tem por objetivo apontar os padrões, critérios e indicadores de qualidade para autorização de novos cursos de Pedagogia,

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

BIOMEDICINA - UNISALESIANO

BIOMEDICINA - UNISALESIANO BIOMEDICINA - UNISALESIANO Laboratórios Didáticos Especializados Qualidade O Curso de Biomedicina conta com laboratórios que atendem às necessidades de suas disciplinas e os laboratórios de informática.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA INTA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOMEDICINA 1º SEMESTRE

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA INTA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOMEDICINA 1º SEMESTRE 1º SEMESTRE 1.1 Anatomia Humana I 30 15 45 03-1.2 Antropologia Teológica 30-30 02-1.3 Biologia Celular e Molecular 45 15 60 04-1.4 Biossegurança 30-30 02-1.5 Ética, Bioética e Legislação 30-30 02-1.6 Informática

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Habilitação: Bacharel em Medicina Carga Horária: 8220 horas Regime: Semestral Turno de Aplicação: Integral

Estrutura Curricular do Curso de Medicina Habilitação: Bacharel em Medicina Carga Horária: 8220 horas Regime: Semestral Turno de Aplicação: Integral FAHESA - Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína. ITPAC - INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS LTDA. Av. Filadélfia, 568 Setor Oeste Araguaína TO CEP 77.816-540 Fone:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

C.H. Sema nal. 01 Seminário de Introdução ao Curso 1h 15-15 - 02 Anatomia 6h 60 30 90 - 03 Biologia Celular e Molecular 3h 30 15 45 -

C.H. Sema nal. 01 Seminário de Introdução ao Curso 1h 15-15 - 02 Anatomia 6h 60 30 90 - 03 Biologia Celular e Molecular 3h 30 15 45 - 1) MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM NUTRIÇÃO Nº 1º SEMESTRE DISCIPLINA(S) ( BLOCO I ) 01 Seminário de Introdução ao Curso 1h 15-15 - 02 Anatomia 6h 60 30 90-03 Biologia Celular e Molecular 3h 30 15 45-04

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP 1 Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP A presente pauta foi elaborada através de levantamento elaborado por comissão de estudantes de cada curso, serão apresentadas as reivindicações

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2009 Aprova a estrutura curricular do Curso de do Centro de Educação e Saúde

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PARA AUTORIZAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM PORT. MEC Nº 641/97

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PARA AUTORIZAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM PORT. MEC Nº 641/97 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 22. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 22. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 22. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Vera Claudino Educação Superior Ltda. UF:

Leia mais