CURRICULUM E GÉNERO NA PÓS-MODERNIDADE: MOÇAMBIQUE. Geraldo Cebola João Licas (Universidade Pedagógica- Moçambique) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURRICULUM E GÉNERO NA PÓS-MODERNIDADE: MOÇAMBIQUE. Geraldo Cebola João Licas (Universidade Pedagógica- Moçambique) 1"

Transcrição

1 CURRICULUM E GÉNERO NA PÓS-MODERNIDADE: MOÇAMBIQUE O CASO DE Geraldo Cebola João Licas (Universidade Pedagógica- Moçambique) 1 RESUMO O debate de eleição neste artigo está ligado à interpretação que se faz da categoria género e do seu enquadramento no curriculum (educacional) moçambicano. Do curriculum se refiro, mormente, ao do ensino básico moçambicano com algum salto breve para o ensino superior. Durante muito tempo se confundiu género com mulher, falar de género significou falar de mulher. Mas na saída do século XX começou a ficar claro que género não significa mulher, mas sim uma categoria relacional. Tanto que hoje se fala de equilíbrio de género nos emancipadores do feminismo e não mais da igualdade entre homens e mulheres. Na actualidade há papeis outrora tidos como femininos que, dependendo de sociedade, transitaram e passaram a ser unisexos (como o trabalho das transas nos salões); há características que eram tidas como especificamente femininas (como cuidar de crianças e fazer tranças), hoje os homens já transam e põem brincos sem constituir algo estranho. As mulheres já incorporadas no exército, jogos de boxe e futebol. Apesar de o género ser uma temática bastante discutida nos meandros académicos moçambicanos e a literatura universal concernente à categoria género já ser de acesso acessível para a sociedade africana e moçambicana em particular, em África e Moçambique em particular a categoria género ainda tem sido interpretada como mulher. E esta visão se encontra patente no curriculum moçambicano. Por outro lado, esta visão é apoiada pela ideologia vigente. Ainda este ano o presidente Armando Guebuza, de 1 Licenciado em História pela Universidade Eduardo Mondlane (UEM, Moçambique) e, mestrando em Educação/Ensino de História Pela Universidade Pedagógica (UP, Moçambique). Docente de História Política e de Ciência Política no departamento de Ciências Sociais da Universidade Pedagógica Delegação do Niassa (Moçambique). cell: ;

2 Moçambique, foi laureado como patrono do país-exemplo na promoção do género em África. Assim, se apregoa que elevar a mulher, por a considerar capaz de ocupar cargos de direcção, é sinónimo de promover o género. No curriculum moçambicano, depois da independência, o governo tratou do género como a recuperação e valorização da mulher moçambicana. Assim foram mediatizadas figuras femininas como Josina e Graça Machel; Laurinda Pachinuapa e mais algumas que se destacaram aquando do decurso da Luta de Libertação Nacional contra o colonialismo português. Apesar de hoje, na pós-modernidade, se aceitar as novas tendências sexuais e a homossexualidade como normalidade e não anomalia, o debate sobre o género em África e Moçambique ainda está amarrado à sinonímia de género como mulher. Assim, como consequência no currículo moçambicano, género ainda é colocado como mulher ou carregada do dualismo sexual homem e mulher, masculino feminino. A mudança passaria pela reforma da ideologia vigente e da interpretação institucionalizada na sociedade (do dualismo sexual e da colagem do género à mulher), uma espécie de reforma do Karl Marx chamou de tom da época. ABSTRACT The discussion in this arctic consists on interpretation of gender in Africa and Mozambique, particularly in the educational curriculum context. I refer, particularly, the basic and high education curriculums from Mozambique. Since many times ago, to toke about gender mint to toke about woman or feminism. But in the final of XX became clear that gender doesn t mean woman or feminine, it means relationship. Now days, post-modernity era, men literature tokes about equilibrium of gender instead of gender equality or equality between man and woman. Now days, some traditionally woman tasks can be performed by man and vice verse. In spite of the gender to be one of the issues many discussed by Mozambican academics and by the universal literature. In spite of much literature be available and accessible in Africa and Mozambique in particularly, the gender category still interpreted as meaning of woman. This interpretation is on educational Mozambican curriculum. In other hand, this interpretation is supported by present political ideology. In the beginning of this

3 year the president from Mozambique, Armando Guebuza, has been laureate as example of promoter of gender because he has put considerable number of woman in his government. Thus, gender means woman. After the independency, on the Mozambican curriculum, the government strived to trait the gender as the recuperation and to raise the value of Mozambican woman. So were considered Josina Machel, Laurinda Pachinuapa as example of courage during the fight against the colonialism. In spite of now days, in post-modernity, the acceptability of the new sexual tendencies and the homosexuality, the debate about gender in Africa and Mozambique particularly is still very linked to synonymous of woman. Thus, as consequence, on the Mozambican curriculum, gender is view as woman or means the duality of sexuality: mile and fame. The challenge is to change that concept, for that will be necessary to remove the institutionalized in mind of the African society or from Mozambican culture. Would be necessary to change the ideology of the moment, to reform what Karl Marx have named epoch ton. PALAVRAS-CHAVE Género na presente pesquisa entenda-se por género como uma categoria relacional não intrinsecamente ligada à identidade sexual. Pós-modernidade período da pós-crise da modernidade, período do domínio da matemática e da quantificação sobre o conhecimento científico, é período da incerteza. 2 Santos demonstrated that post-modernity epoch means the crises of the modernity, period that the domination of mathematics and the quantification above the scientific knowledge; is an epoch of probability and uncertainty. Is the era of the new paradigm, is the emergent paradigm. 3 Feminismo Segundo Vicent, o termo denota a investigação da opressão da mulher e entendimento e promoção da mulher em todas as esferas. 2 Vide Peter Mclaren em Multiculturalismo Crítico, Vide Boaventura de Sousa Santos 1996, em Pela Mão de Alice. Vide também, do mesmo autor, Um Discurso sobre as Ciências.

4 According to Vicent, the Word denotes the investigation of the oppression of women in the all spheres. 4 Curriculum Um conjunto de valores de suporte científico coligidos duma dada sociedade para sua transmissão. Segundo Sacristán, o Curriculum é a expressão do equilíbrio de interesses e forças que gravitam sobre o sistema educativo num dado momento, enquanto através deles se realiazam os fins da educação no ensino escolarizado. According to Sacristán, the curriculum is the expression of the equilibrium of interests and forces that gravity above the education system in certain period, while across those can possible to carry out the goals of education in the official education. 5 INTRODUÇÃO Género é uma temática deveras discutida em Moçambique, sobretudo em teses de estudantes universitários. É uma temática também propagandeada pelas ONGs e organizações feministas que estão implantadas em Moçambique. A categoria género é amiudadas vezes evocada, também pelos governos, particularmente o de Moçambique. Mas a categoria carrega consigo mitologias e preconceitos que dificilmente nos desmamamos deles. Eis a razão do presente debate. Constitui objectivo do trabalho trazer à luz a interpretação de género pautada nos currículos de ensino em Moçambique. A importância do tema reside no facto de se poder demonstrar a interpretação do género que se adeqúe à sua reconstrução pósmoderna, abarcante e inclusiva. O impacto dos movimentos feministas, que germinaram no solo da exclusão e injustiça que incidia sobre a mulher desde a Antiguidade, não se restringiu à Europa e `as Américas mas evadiu as fronteiras africanas. As discussões em trono da homossexualidade que tem alimentando o mundo das revelações sociais no ocidente transitam para África ainda de forma hesitante. A evasão das novas tecnologias e a 4 Vide Andrew Vicent, 1995, em Modern Political ideology. 5 Vide J. Gimeno Sacristán, O Currículo, Uma Reflexão sobre a Prática, 2000.

5 compactação do mundo à uma janela global contribui deveras para intromissão e alicerçamento das inovações teóricas do que Santos chama de paradigma emergente ou pós-moderno. Mas ainda não se regista mudança significativa no tratamento da categoria género. Metodologia O método eleito para a presente pesquisa é o método histórico dado que, apesar da pesquisa se circunscrever num tema da actualidade, houve necessidade de se mostrar a esteira evolutiva da interpretação do conceito género por fases históricas diversificadas. A abordagem é qualitativa dado que a base das interpretações e conclusões foi a análise qualitativa. A técnica fundamental para a produção presente texto foi a documentação indirecta, isto explica-se pelo facto da colecta de informação ter-se baseado na pesquisa bibliográfica e documental. GÉNERO OU FEMINISMO, QUE APROXIMAÇÃO? A categoria género foi, desde a Antiguidade, aproximada ao conceito mulher e da modernidade para cá a categoria género foi sendo colada à dois conceitos: mulher e feminismo. O feminismo como corrente e ideologia emergiu em defesa e emancipação da mulher e dos direitos a esta atribuíveis. Hoje em África são diversas as organizações cujo vértice de acção é a mulher. No entanto, actualmente diversas organizações têm evocado o género supondo que estão a emancipar e defender os direitos e empoderamento da mulher. Assim, para o caso de Moçambique, os medias, e diversos manuais produzidos com o apoio ou sob orientação das ONG tem acompanha os títulos evocadores de género com figuras ou retratos de mulher. Seus discursos têm atrelado a categoria género ao conceito de mulher. Se tornando, elas e seus discursos, limitadoras, exclusivistas e divissionistas. Ribeiro aponta que Graham, (1995), defende que o conceito de género tem sido discutido desde a Antiguidade grega, onde Platão e Aristóteles entendem-no como conceito de classificação biológica em que, num primeiro momento, classifica seres animais usando como critério a racionalidade, critério que origina um género para referir os animais, ditos, racionais (os reses humanos) e outro género para referir os

6 seres, ditos, nãos racionais (animais propriamente ditos). Num segundo momento o conceito género, restringe-se aos seres humanos usando critérios biológicos originando o género masculino e o género feminino, em referência aos indivíduos do sexo feminino. Tanto no primeiro como no segundo momentos, encontramos uma relação clara e distinta entre o conceito género e a realidade empírica que este se refere. (RIBEIRO, 2003:1). Ribeiro refere que num terceiro momento os papéis sociais servem como critério de diferenciação de género masculino para indivíduos que possuem sexo biologicamente masculino e que exercem papéis sociais masculinos e o género feminino para indivíduos que exercem papéis saciais femininos para os do sexo biologicamente feminino. (RIBEIRO, 2003:2). A categoria género como conceito tem sido interpretada como sinónimo de mulher. Nos estudos mais recentes tratar de género tem sido sinónimo de feminismo. Realçar aspectos de índole feminino, segundo estes estudiosos valorizar e elevar a mulher significa vincar o valor de género se baseando no dualismo sexual (homem/ mulher). Mas género é uma categoria relacional abrangente que não pretere outras tendências sexuais conhecidas como homosexuais, não significando mulher ou redundância feminista. Sendo género uma categoria relacional que depende da construção social ao longo do tempo se pretende perceber se esta categoria tem sido interpretada como tal no curriculum moçambicano. A aproximação existente entre o conceito mulher e a categoria género não é imediata e muito menos de fácil apego. É neste sentido que a desconstrução do elo aproximador bem como da redefinição da categoria constituem, ainda, caminho tortuoso. Tendo em conta que papéis sociais masculinos podem ser desempenhados por mulheres e papeis sociais femininos por homens, surge espaço para quatro tipos de realidades possíveis, sendo o primeiro de homens que desempenham papéis sociais masculinos, de homens que desempenham papéis sociais femininos, de mulheres que desempenham papéis

7 sociais femininos e de mulheres que desempenham papéis sociais masculinos. Neste contexto, falar da relação de género pode estar a referir-se a realidade que este categoriza perdendo sua delimitação clássica, uma vez que género pode estar a referir-se a qualquer das situações, o que levanta algumas questões, tais como o que é género, que realidade designa o género feminino e a que realidade designa género masculino? Onde se enquadram as novas tendências sexuais? CURRICULUM E GÉNERO NA PÓS-MODERNIDADE: O CASO DE MOÇAMBIQUE O curriculum reflecte o conflito entre interesses dentro de uma sociedade e os valores dominantes que regem os processos educativos. E a escola em geral adopta uma posição e uma orientação selectiva frente à cultura, que se concretiza no curriculum que transmite. O sistema educativo serve a certos interesses concretos e eles se reflectem no curriculum. (SACRISTÁN, 2000:17). Os nossos curricula do sistema de educação em África tiveram fases históricas antagónicas e de difícil reconstrução. Em muitos países africanos, com excepção de casos raros como Alexandria no Egipto, não registou uma escola no conceito de hoje que levasse as pessoas a saírem de casa com o objectivo de frequentarem em classes com professores indicados. Mas, entenda-se bem, não significa que as sociedades não tivessem aprendizagem ou educação. A escola para os africanos era a própria sociedade, a própria comunidade. Anciãos, famílias, pessoas indicadas para dirigirem ritos diversificados eram e sempre foram os verdadeiros professores das escolas africanas. Esses professores sempre obedeceram um dado curriculum, conjunto de valores aprovados como magnos para serem transmitidos. A diferença com os curricula trazidos pelos europeus incidia sobremaneira na tradução do curriculum para sua forma escrita e no facto de se indicar um espaço específico para a transmissão dos valores culturais coligidos - a escola. Mas, frise-se, os curricula europeus eram, como muitos autores já documentaram, eurocentristas e imperialistas no sentido de fazer entender ao africano que a sua europeização significava sua civilização. Os manuais de ensino representavam apenas

8 exemplos europeus. Para o caso de Moçambique se fez crer que o moçambicano era português. Depois da independência a educação em África e particularmente foi marcada pela negação dos curricula idos do tempo colonial, desconstruindo-os, como forma de trazer à luz os valores culturais reais, sobretudo nos campos da história e geografia. Assim se lutou por um curriculum representativo em Moçambique, fase acompanhada pela campanha ideológica da construção do homem novo de influência socialista Segundo Loforte & Artur, (1998:11), durante muito tempo na tradição académica (moçambicana), se tratou a categoria género como uma categoria homogénea quer na sua composição assim como nos seus comportamentos e práticas. De outra forma, se privilegiaram as opiniões, as ideias e concepções masculinas na análise social ignorando o carácter relacional do conceito de género. A autora documenta que estudos mais recentes têm elevado a heterogeneidade desta categoria, e que as relações de género são socialmente construídas. Assim, no entender das autoras, homens e mulheres ocupam lugares diferenciados na sociedade, sendo as relações de género configuradas de acordo com factores de natureza ideológica, histórica, étnica, religiosa e cultural. Ribeiro, (2003), conjectura que em Moçambique o conceito género, continua a ser um conceito para representar realidades sociais, no entanto a sinonímia género e indivíduos do sexo feminino é resultante da possibilidade de não incluir indivíduos de sexo masculino não pela sua inexistência, mas condicionada por um lado por interesses e afinidades dos pesquisadores, em relação as abordagens teóricas em torno da questão de género, influenciados pelo multiculturalismo e por outro por condicionalismos de financiamentos, que favorecem a avaliação e legitimação da sinonímia em análise. Loforte documenta que no concernente à docência os conteúdos programáticos das diferentes disciplinas dos cursos de geografia, história ou linguística congregam diferentes áreas de conhecimento, mas não têm fornecido instrumentos metodológicos e conceptuais que possibilitem aos estudantes uma análise das sociedades moçambicanos numa perspectiva de género. (LOFORTE, 1998:11).

9 Ribeiro refere que o espaço para o debate em torno das relações homem-mulher em Moçambique é aberto com o início da luta pela independência de Moçambique, uma vez que o movimento de libertação nacional FRELIMO, consciente não só desse destacamento, mas também da exploração do povo pelo colonialismo, assume que só através da eliminação de todas as formas de discriminação existentes contra a mulher é que se pode emancipa-la e leva-la a participar da luta armada. (RIBEIRO, 2003:26). Ribeiro cita Hirvonen & Braga (1999), com a independência nacional, a nova constituição nacional não só reconhece a igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres, como também proclama a emancipação da mulher como uma das tarefas primordiais do Estado e a coloca no exercício do poder popular. O factor decisor para a emancipação da mulher era o engajamento na tarefa principal que era a transformação da sociedade: na edificação de uma base material ideológica para a construção da sociedade socialista. Mas na prática as mulheres continuaram subalternas, uma vez que a nível da OMM continuaram a ser instrumentalizadas, já não para o combate, mas a realização de actividades não remuneradas, de benefício comum, embora o acesso a saúde e educação fossem gratuitos. (RIBEIRO, 2003:28). Mas a mulher cai no conformismo. No pós independência, a mulher era levada para grupos de canto no partido por vezes sem consentimento dos maridos e temendo o divórcio muitas deixavam a emancipação de lado. Na verdade a mudança que se verificou na interpretação de género no período pósindependência incidiu, apenas, na negação da exclusão da mulher africana e moçambicana em particular. Justifica-se assim a elevação da mulher no processo da luta de libertação de Moçambique como forma de reverter o quadro feminino da ideologia anterior. Desta forma a imagem de Josina Machel é deveras evocada nos manuais de ensino, cânticos e coros culturais. Mas, frise-se, o currículo moçambicano não foge da simples distinção dos homens na base do dualismo sexual, fotografando, documentando e retratando a mulher como o lado fraco do ser: mulher mãe, mulher protectora dos filhos, mulher cozinheira. Ou de forma emancipada: outrora atrasada em relação homem, agora operária, militar/combatente, professora, por vezes maquinista chefe

10 hierárquica Graça Machel (ex ministra da Educação). Nesta matriz, a mulher africana, em particular moçambicana, é restaurada para a história. Mas, concordando com Loforte & Artur (1998:11-12), ao trabalhar com género como categoria exclusiva (mulher), esvazia-se e simplifica-se o conteúdo das outras identidades dos sujeitos classe, a idade, a etnia. Essa realidade inibe que se reconheça que múltiplas identidades significam também múltiplas posições e estratégias. Como se pode depreender, ainda que as autoras revistam com nova roupagem a interpretação de género e seu encaixe no currículo, a sua tese não se distancia tanto dos que olham para o género como versão sinonímica de mulher. A concepção de género que é trazida da Antiguidade é consolidada na modernidade por causa do dualismo cultural ou da visão dualista. A inspiração bíblica que conduz a humanidade a considerar a mulher como o oposto do homem e parte complementar do mesmo eleva a masculinização da cultura e civilização humanas e, isto pode se provar olhando para as gramáticas nascidas da modernidade como viários exemplos de dualidade cultural: masculino feminino, forte e fraco; alto e baixinho; bonito e feio; ordem e desordem; etc. E como, de acordo com Santos (1996:16), o conhecimento nascido da modernidade é um conhecimento causal que aspira à formulação de leis, à luz de regularidade observadas, com vista a prever o futuro, as teses da modernidade e suas consequências são evidentes. Isto porque alterar a visão dualista da cultura que ainda comanda nossas vidas ainda está aquém de ser significativa e, a interpretação da categoria género com base no dualismo sexual continua deveras forte, não só a nível de África e Moçambique e sim mesmo no ocidente. Por outro lado, um conhecimento baseado na formulação de leis tem como pressuposto metateórico a ideia de ordem e de estabilidade do mundo, a ideia de que o passado se repete no futuro (SANTOS, 1996:17). Assim, o facto de o futuro ser um continuum devir e indeterminado torna ainda difícil a imediaticidade da alternância da ordem moderna e com ela o dualismo cultural.

11 A época em que vivemos tem sido apelidada de pós moderna ou do paradigma emergente por autores como Santos Serra 67 e por parte de estudiosos de currículos como McLaren querendo traduzir a transição ou a desconstrução do projecto da modernidade. MacLaren documenta que vivemos uma época de cepticismo, em momentos históricos gerados em um clima de desconfiança, de desilusão e de desespero. Relações sociais de desconforto e de desconfiança sempre existiram, mas o nosso tempo é particularmente ofensivo neste aspecto, marcado pelo fascínio com a ganância, pelo desejo de consumo hipererotizado e descontrolado, por correntezas de narcisismo, por severas injustiças sociais e económicas e por uma paranóia social intensificada. (MACLAREN, 1997: 54). Mas no âmago dessa conjuntura contextual se regista levantes contra a submissão e exclusão de grupos sociais e culturais que lutam pela expressão e reconhecimento. É no âmbito da desconstrução da lógica epistemológica modernista marcada pelo positivismo, pelo dualismo cultural masculino feminino, que se relevam grupos homossexuais contra o dualismo sexual e que apesar de muitas sociedades já serem permeáveis à sua expressão, em África continua a constituir um mito e de difícil acepção. O género não deixou de ser assunto nos curricula das primeira República Moçambicana. A interpretação de género volta a registar um segundo momento de crise, se considerarmos que o primeiro se verifica com a negação da tamanha subordinação da mulher em relação ao homem e das desigualdades de oportunidades na educação, porque as outras tendências sexuais são agora propagadas e comprovadas pela biologia moderna. Assim biologia moderna sustenta a tese homosexualista: a pessoa pode ser do sexo masculino e sua tendência sexual ser direccionada também ao homem e o mesmo acontecendo com pessoas do sexo feminino. E sendo o curriculum uma representação cultural da sociedade ou a Expressão de valores que a sociedade deseja que sejam perpetuados/transmitidos se espera ou deve ser, também, representada a nova negação do dualismo sexual na interpretação da categoria género. 6 Vide Andrew Vicent em Modern Political Ideologies, Vide Carlos Serra em Combates Pela Mentalidade Sociológica, Maputo, UEM, Vide também DOLL Jr., 1997.

12 Em África, oficialmente, quer a evocação para se olhar o género como categoria relacional que eleve a complementaridade, quer a evocação para que se sepulte no cemitério da modernidade o dualismo sexual por causa das revelações das novas tendências sexuais continuam deveras aquém da sua efectivação. Um exemplo mais recente que sustente a tese apresentada é o facto do laureamento de Armando Guebuza (presidente da República de Moçambique) pela abertura de oportunidades para a mulher (ocupando cargos de direcção no Governo) no dia 3 de Abril deste ano pela Femmes Africa Solidarité, este acontecimento reside na visão do género condensada no dualismo sexual. Por outro lado, em Moçambique o novo livro escolar ainda não é inclusivo em termos de tendências sexuais e vinca apenas a heterosexualidade. Continuando a atribuir os papeis do homem a quem seja, biologicamente, do sexo masculino e; os papeis sociais da mulher a quem seja, biologicamente do sexo feminino. Na educação a expectativa em torno dos rapazes e raparigas é dissemelhante desde o afecto, as sanções ou premiação de condutas. Parafraseando Osório (1998:72), na história ensinada no currículo moçambicanas as crianças são levadas a identificar-se com os heróis (marcadamente masculinos) que pela sua força física e coragem enfrentam inimigos perigosos e vencem batalhas Tcaka; Ngungunhane; Maguiguane; Nyantsimba Mutota. E um ou dois nomes apenas de heroínas- Josina Machel; Ndzinga Mbade (que presume-se ser apenas lendária). Isto influi também no comportamento dos professores e das professoras no tratamento dos alunos e das alunas. Nos pós independência, o currículo moçambicano se ocupou da restauração ou até introdução da mulher na sociedade e na história da sociedade moçambicana apenas como sustentáculo da negação à sua exclusão pelo jugo colonial. Mas para além de exemplos soltos como os de Josina Machel não houve mais exemplos. Embora tenham surgido contribuições inovadoras em torno da desconstrução e reconstrução da categoria género como as de Loforte & Artur (1998), Osório (1998), Casimiro (1998), Ribeiro (1998), Tereza (1998), para o caso de Moçambique, estas não se distanciaram tanto das anteriores interpretações. O prémio atribuído ao presidente da República de

13 Moçambique pela promoção do género em Moçambique revela que os políticos assim como todos ligados à imprensa continuam a confundir género com mulher. Por outro lado, demonstra de forma evidente que ainda não são aceites outras tendências sexuais (homosexuais). Neste contexto, se nega género como uma categoria relacional que a pós-modernidade (pelo paradigma de rotura, emergente ou multicultural) propõe, preferindo-se o dualismo sexual. No concernente ao currículo moçambicano, pode se afirmar que não é representativo quando se toca na categoria género. CONCLUSÃO O currículo moçambicano (nos seus diversos sistemas e subsistemas de ensino) ainda não desconstruiu a cosmovisão dualista sexual do conceito género. Ele traduz reduzidamente pessoas do sexo feminino em mulheres (em termos de papeis) e as do sexo masculino em homens. O pior é a permanência ou resistência de posições tradicionais que teimem em considerar género como mulher. Os manuais de ensino representam a mesma visão tradicionalista, esta visão não é inclusiva é exclusivista porque deixa de fora os do sexo masculino (as masculinas) com tendência sexual feminina e as do sexo feminino (os femininos) com tendência sexual masculina ou com papeis sociais inversos. Contudo, entende-se que a visão e representação do género no currículo no modelo que se propõe neste trabalho requerem uma viragem, rotura com a mulherinização ou do conceito e aceitabilidade social que depende da ideologia norteadora do currículo. Esta rotura e regerminação do género não estão perto de acontecer, mas já é gritantemente necessária em África e Moçambique em particular. A categoria género ao ser interpretada como sinónimo de mulher, não é totalizante e logo exclusiva e separatista. Ao ser interpretada como uma categoria relacional mas, ainda, privilegiando a oposição sexual- marido/mulher, mãe/pai; é outrossim separatista. A categoria género, para que possa ser de facto inclusiva, deve tomar em consideração, também as tendências homosexuais e não considerá-las uma aversão `a normalidade.

14 BIBLIOGRAFIA DOLL Jr., William E. Uma Perspectiva Pós-Moderna, Porto Alegre, Artes Médicas, DUBY, Georges & PERROT, Michelle. História das mulheres: a Antiguidade, Porto, Edições Afrontamento, José Negrão, José. Homens e Mulheres na Agricultura: mitos e realidades. In: LOFORTE, A. & ARTUR M., Relações de Género em Moçambique: Educação, Trabalho e Saúde, Maputo, DAA-UEM, 1998 LOFORTE, Ana M. & ARTUR, Maria J. Relações de Género em Moçambique: Educação, Trabalho e Saúde, Maputo, DAA-UEM, MCLAREN, Peter. Multiculturalismo Crítico, São Paulo, Cortez editores, RIBEIRO, Marlen Isabel Monteiro. Género: entre conceito e realidades. Uma Abordagem ao Contexto Moçambicano. Setembro 2003, (Tese de licenciatura), Faculdade de Letras, UEM-UFCS, Curso de Antropologia, Maputo, Conceição Osório. Escola e Família. In: LOFORTE, A. & ARTUR M., Relações de Género em Moçambique: Educação, Trabalho e Saúde, Maputo, DAA-UEM, SACRISTÁN, J. Gimeno. O Currículo, Uma Reflexão Sobre a Prática. 3ª ed., Porto Alegre, SOUSA SANTOS, Boaventura de. 8ª ed. Um Discurso Sobre as Ciências Sociais, Porto, Afrontamento, SOUSA SANTOS, Boaventura de. 5ª ed. Pela Mão de Alice, Porto, Afrontamento, 1994.

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA

FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMOS PLURAIS E FEMINISMOS EM ÁFRICA FEMINISMO Filosofia de vida da qual deriva uma atitude crítica frente aos factos e perante a sociedade Tomada de consciência Resposta que conduz à mudança, a partir

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Educação Básica Programa Unidade Curricular Teoria e Desenvolvimento Curricular Área Científica Educação Regente

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 AS APRESENTAÇÕES ACONTECERÃO DIA 20/05 (QUARTA-FEIRA), NO PERÍODO DA MANHÃ E DA TARDE! Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 s: Práticas na leitura e escrita na

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE Esta iniciativa objetiva conhecer e compartilhar práticas inovadoras na Formação e Desenvolvimento Profissional

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Notas Biobibliográficas

Notas Biobibliográficas Guião de educação. Género e cidadania. Notas Biobibliográficas 333 Guião de Educação. Género e Cidadania 3 ciclo 334 Lisboa, CIG, 2009 NOTAS BIOBIBLIOGRÁFICAS Ângela Rodrigues é doutorada em Ciências da

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

INTRODUÇÃO. Maria Manuel Serrano 1

INTRODUÇÃO. Maria Manuel Serrano 1 INTRODUÇÃO Maria Manuel Serrano 1 Os atributos de estática e dinâmica social foram conferidos à sociedade primeiramente por Auguste Comte (1798-1857). Enquanto modelo concreto de explicação sociológica,

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º AM076- ANTROPOLOGIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: CS013 CS013- ANTROPOLOGIA CAMPOS DA ANTROPOLOGIA. PROBLEMAS E CONCEITOS BÁSICOS: CULTURA, ETNOCENTRISMO, ALTERIDADE E RELATIVISMO. NOÇÕES DE MÉTODOS/PRÁTICAS

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's A educação inclusiva e a universidade brasileira Enicéia Gonçalves Mendes 1 egmendes@power.ufscar.br RESUMO O presente artigo aborda o legado de 30 anos da história da institucionalização da Educação Especial

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

CONSIDERA VERÓNICA MACAMO: Emancipação da mulher é benéfica para a sociedade

CONSIDERA VERÓNICA MACAMO: Emancipação da mulher é benéfica para a sociedade CONSIDERA VERÓNICA MACAMO: Emancipação da mulher é benéfica para a sociedade Segunda, 09 Novembro 2015 11:23 A LUTA pela emancipação da mulher não é contra o homem nem sequer é a favor apenas das mulheres.

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde.

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde. CURRICULUM VITAE Informação Pessoal Nome Telefone Correio electrónico Nacionalidade Carla Santos de Carvalho 9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) carla.carvalho29@gmail.com carla.carvalho@docente.unicv.edu.cv

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL. Questões Avançadas em Serviço Social FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL Nome da disciplina Questões Avançadas em Serviço Social Ciclo de estudos 2º Equipa docente com breve resenha curricular dos docentes (1) Nº de

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR P L A N E J A M E N T O Projeto PolíticoPedagógico Proposta Pedagógica curricular Plano de Trabalho Docente Plano

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais