Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador"

Transcrição

1 Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho EB1/JI do Lidador

2 UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM) A UEAM do Lidador constitui uma resposta educativa especializada para alunos com Multideficiência. A questão da sua educação no sistema de ensino regular insere-se no contexto das discussões relativas à inclusão de indivíduos, ( ) uma vez que estes têm os mesmos direitos que os outros, devendo a sociedade encontrar formas de os poder educar, de acordo com as suas necessidades.. Núcleo de orientação educativa e educação especial do ministério de educação. (2003/2004).

3 OBJECTIVOS DA UEAM - Aplicar metodologias e estratégias de intervenção interdisciplinares visando o desenvolvimento e a integração social e escolar. - Integrar parcialmente estes alunos nas turmas de referência.

4 OBJECTIVOS DA UEAM (CONTINUAÇÃO) - Assegurar a criação de ambientes securizantes e significativos; - Proceder às adequações curriculares necessárias;

5 OBJECTIVOS DA UEAM (CONTINUAÇÃO) - Adoptar opções educativas flexíveis, de carácter individual e dinâmico, pressupondo uma avaliação constante do processo de ensino e de aprendizagem;

6 OBJECTIVOS DA UEAM (CONTINUAÇÃO) - Assegurar apoios específicos ao nível de Terapia da Fala, Terapia Ocupacional e Fisioterapia;

7 OBJECTIVOS DA UEAM (CONTINUAÇÃO) - Organizar o processo de transição para a vida pós-escolar;

8 EXEMPLOS DE DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA

9 APOIO TERAPÊUTICO TERAPIA DA FALA Objectivos: - Criar/desenvolver um sistema de comunicação alternativa ou aumentativa para o aluno com multideficiência; - Ajudar o aluno a comunicar e a interagir; - Facilitar o acesso à linguagem receptiva e expressiva; - Usar diversos meios de comunicação funcionalmente em contexto social alargado.

10 APOIO TERAPÊUTICO FISIOTERAPIA Objectivos: - Orientar os professores/educadores e auxiliares em relação às correctas transferências e posicionamentos, de forma a prevenir lesões quer à criança, quer aos adultos que o transferem; - Fomentar a coordenação motora, o controlo postural e o equilíbrio, de modo a conseguirem executar tarefas de forma mais eficiente; - Promover a sensação de movimento normal, inibindo actividade muscular atípica, facilitando o desenvolvimento de padrões mais normais de função; - Estabelecer ou restabelecer as amplitudes articulares e a força muscular de forma a facilitar a execução de algumas tarefas.

11 APOIO TERAPÊUTICO TERAPIA OCUPACIONAL Objectivos: - Optimizar o desempenho ocupacional do aluno com necessidades educativas especiais, procurando promover a sua autonomia; - Sugerir formas de desenvolvimento e adaptação de uma actividade normal de sala de aula com vista à participação do aluno; - Sugerir equipamentos e materiais específicos que possam de alguma forma facilitar o desenvolvimento e a aprendizagem; - Melhorar a coordenação motora e o equilíbrio, de modo a conseguir executar tarefas de forma mais eficiente; - Estabelecer ou restabelecer a mobilidade necessária para as actividades.

12 POPULAÇÃO Neste ano lectivo (2010/11) frequentam a UEAM 9 alunos. Constituem um grupo muito heterogéneo com problemáticas variadas: - Atraso de Desenvolvimento Global, Espectro Autista; - Síndrome de West; - Síndrome Dismórfico; - Síndrome X Frágil ; - Paralisia Cerebral; - Cegueira; - Síndrome de Sottos; - Cardiopatia Congénita com Hidrocefalia; - Encefalopatia Epiléptica Refractária;

13 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO - A UEAM funciona das 9h às 15h30, de Segunda a Sexta feira. - O horário inclui aulas de música e educação física.

14 RECURSOS HUMANOS - O funcionamento da Unidade é assegurado por duas Docentes de Educação Especial em turnos alternados de modo a completar a totalidade do horário. - Conjuntamente trabalham também três Assistentes Pessoais.

15 Uso das Tecnologias de Informação e comunicação na UEAM Endereços electrónicos lúdico-pedagógicos do interesse dos alunos: Actividades didácticas: Livros digitais:

UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM)

UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM) Agrupamento de Escolas Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho EB1/JI do Lidador UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM) A UEAM do Lidador constitui uma resposta educativa especializada

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Educação Especial ao abrigo do Regime Especial de Protecção de Crianças e Jovens com Doença Oncológica Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover

Leia mais

Decreto-lei n.º 3/2008

Decreto-lei n.º 3/2008 Decreto-lei n.º 3/2008 Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspecto determinante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE COIMBRA

ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE COIMBRA COIMBRA ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE COIMBRA A EB1 APPC Pertence à Rede Escolar Ministério da Educação e ao Agrupamento de Escolas Maria Alice Gouveia. Público alvo 3 grupos de crianças com PC ou

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Melgaço

Agrupamento de Escolas de Melgaço Cod. 345921 ESCOLA E.B. 2, 3/S DE MELGAÇO SEDE DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Direcção Regional de Educação do Norte Agrupamento de Escolas de Melgaço Educação Especial Decreto Lei 3/2008 Decreto

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira Doutorandos em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona Docentes

Leia mais

Documento Seleccionado da 1.ª Série - D.R.E.Diário da República ElectrónicoAjuda Contactos Quinta-feira, 07 de Julho de 2011192 utilizadores online

Documento Seleccionado da 1.ª Série - D.R.E.Diário da República ElectrónicoAjuda Contactos Quinta-feira, 07 de Julho de 2011192 utilizadores online Documento Seleccionado da 1.ª Série - D.R.E.Diário da República ElectrónicoAjuda Contactos Quinta-feira, 07 de Julho de 2011192 utilizadores online 196.089.303 acessosacesso Universal e Gratuito Serviço

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS. 154 Diário da República, 1.ª série N.º 4 7 de Janeiro de 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS. 154 Diário da República, 1.ª série N.º 4 7 de Janeiro de 2008 154 Diário da República, 1.ª série N.º 4 7 de Janeiro de 2008 nadamente em termos remuneratórios, a presidentes das comissões directivas dos programas operacionais regionais do QREN. 15 Determinar que

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

REGIMENTO DEPARTAMENTO NÃO CURRICULAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGIMENTO DEPARTAMENTO NÃO CURRICULAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL REGIMENTO DEPARTAMENTO NÃO CURRICULAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2014/2018 Introdução A Educação Especial visa responder às necessidades educativas especiais, decorrentes de limitações ou incapacidades, que

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11)

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) NEF nº nº 17B/ENE/ ENE/10 Lisboa, 02 de Maio de 2010 NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II Formação em Equitação Terapêutica CAPÍTULO III Curso

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015. Serviço Técnico de Educação para a Deficiência Intelectual e Motora Direção Regional de Educação e Recursos Humanos Região Autónoma da Madeira Caminho de Santo António,

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative

Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative Apoio directo ao aluno, individualmente Apoio directo ao aluno, integrando as actividades da classe 8 14 8 9 0 39 6 21 36 19 0 82 10 62 33 11 0

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Projeto de intervenção

Projeto de intervenção AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Projeto de intervenção 2013/2015 Índice 1. Enquadramento. 3 2. Caracterização do Agrupamento.. 5 2.1. Bibliotecas Escolares... 5 2.2. Educação Especial.. 6 2.2.1. Unidade

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2008/2009 1. Identificação do Aluno 2.1. Nome: 2.2. Data de Nascimento: 2.3. Morada: 2.4. Concelho: 2.5. Código Postal: 2.6. Telefone: 2.7. Email: 2.8. Situação

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO Évora, junho 2015 1. Enquadramento geral A realização deste painel temático enquadra-se no processo de elaboração da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill.

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. . Quem somos Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. A necessidade de criar a Fundação surgiu após a dificuldade em encontrar livros em

Leia mais

Orientações gerais: Aditamento dos Convênios

Orientações gerais: Aditamento dos Convênios Orientações gerais: Aditamento dos Convênios Público-alvo Educandos com deficiência intelectual, deficiência múltipla ou com transtorno do espectro autista que necessitam de apoio permanente/pervasivo.

Leia mais

EXAMES - ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES - ÉPOCA ESPECIAL ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES EDUCATIVAS DIA Horas Ano Disciplina Sala 9 SET 18.30 h 1º Sociologia das Organizações 26 10 SET 18.30 h 1º Teoria da Administração 26 11 SET 18.30 h 1º Financiamento e Gestão

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. VII Seminário de Educação Inclusiva: direito à diversidade SHIRLEY RODRIGUES MAIA Florianópolis 2011 Surdocegueira

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS A Escola Educação Especial - Educação Inclusiva Atende alunos no Ensino Fundamental da Alfabetização à 4ª série e alunos na Educação Especial: deficiência auditiva, física, mental, Síndrome de Down, dentre

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

Escola Básica Integrada e Secundária de Velas

Escola Básica Integrada e Secundária de Velas Escola Básica Integrada e Secundária de Velas REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA, E NOVAS TECNOLOGIAS I Constituição do Departamento O Departamento de Matemática e Novas Tecnologias é composto

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar Ficha Técnica Título Necessidades Especiais de Educação Editor DGE Direção-Geral da Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Autoria CRPG - Centro de Reabilitação Profissional

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO Évora, junho 2015 1. Enquadramento geral A realização deste painel temático enquadra-se no processo de elaboração da

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio)

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio) PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Capítulo X, artigo 38º, ponto 4, portaria 60/2012 de 29 de Maio) PROGRAMA de EDUCAÇÃO ESPECIAL O presente documento destina-se a fazer cumprir o disposto no Decreto Legislativo

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual O ambiente virtual, denominado GenVirtual, foi desenvolvido com tecnologia de Realidade Aumentada. O GenVirtual possibilita adicionar no mundo real do usuário objetos virtuais musicais que simulam sons

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade de especialização. A educação é considerada

Leia mais

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE APOIO EDUCATIVO Uma escola inclusiva tem como princípio fundamental que todos os alunos devem aprender juntos, independentemente das suas dificuldades e diferenças. O agrupamento

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário Índice Legislação Geral 1 Legislação Acção Social e Seguro Escolar 2 Alargamento da Rede de Edcação pré-escolar 2 Educação Especial 3 Inclusão e Sucesso Educativo 4 Notícias 5 Encerramento do Ano Lectivo

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Projeto Unidades de Ensino Estruturado

Projeto Unidades de Ensino Estruturado Projeto Unidades de Ensino Estruturado 1- Fundamentação/Contextualização/Justificação O agrupamento de escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira antigo agrupamento de Leça da Palmeira Santa Cruz do Bispo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA APRENDIZAGEM SEMESTRAL Educação Infantil Estimulação Essencial e Pré-Escolar O relatório da Educação Infantil - Estimulação Essencial

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Guia Orientador Educação Especial

Guia Orientador Educação Especial MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Cod. 152602 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Agrupamento de Escolas de Melgaço Guia Orientador Educação Especial SIGLAS NEE Necessidades Educativas Especiais EE Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião

Leia mais

Aprender a Estudar 2013/2014

Aprender a Estudar 2013/2014 Aprender a Estudar 2013/2014 Enquadramento O projeto Aprender a estudar, implementado no Agrupamento de Escola Vale Aveiras no ano letivo de 2011/2012, surgiu então, tal como procura agora, operacionalizar

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A A E A B I B L I O T E C A GRIPE A É fundamental que o Plano de Contingência da escola/agrupamento defina claramente o papel da biblioteca e as acções a realizar, quer em termos de informação e prevenção,

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Í ndice. Página 1 de 19. Apartado 88, 3430-909 Carregal do Sal Contribuinte n.º 600 076180

Í ndice. Página 1 de 19. Apartado 88, 3430-909 Carregal do Sal Contribuinte n.º 600 076180 Í ndice SIGLAS... 2 INTRODUÇÃO... 3 1.PROCESSO DE AVALIAÇÃO/INTERVENÇÃO... 4 1.1.Referenciação e avaliação... 4 1.2.Quem pode efetuar a referenciação?... 4 1.3.A quem é pedida a referenciação?... 4 1.4.Como

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais