SÍNDROME DE DOWN X SALA DE AULA: UM LIMITE A SER TRANSPOSTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNDROME DE DOWN X SALA DE AULA: UM LIMITE A SER TRANSPOSTO"

Transcrição

1 RESUMO SÍNDROME DE DOWN X SALA DE AULA: UM LIMITE A SER TRANSPOSTO Taires Lorena Garozi Belfiori 1 O presente trabalho tem como objetivo analisar a Síndrome de Down, as dificuldades enfrentadas pelas famílias que possuem um portador dessa síndrome, professores que trabalham com a inclusão dentro da educação especial, e quais são os obstáculos enfrentados por esses profissionais. Para esse trabalho foram realizadas pesquisas bibliográficas (livros e artigos), que abordam temas como: inclusão, formação continuada, educação especial, Síndrome de Down, entre outros. Elaboramos um questionário, voltado para docentes, que atuam em instituições de ensino privado, público e filantrópico. Os resultados apontam que os docentes, ao trabalharem com alunos especiais, não obtiveram nenhum tipo de auxilio por parte da direção e da coordenação. Alguns durante sua formação receberam embasamento necessário para o trabalho com alunos portadores de necessidades especiais outros não. Esse trabalho justifica-se em compreender as atitudes dos docentes perante alunos portadores da Síndrome de Down, visto que trabalhar com essas crianças é um desafio, merecedor de estudos constantes e aprimoramento profissional. É de extrema relevância analisar a formação continuada dos professores, principalmente quando se trata da Educação Especial nas escolas. E, refletir sobre as dificuldades encontradas pelos docentes. Palavras-Chave: Síndrome de Down. Inclusão. Educação Especial.Dificuldades. ABSTRACT This study aims at analyzing the Down syndrome, the difficulties faced by families with a bearer of this syndrome, teachers working with the inclusion in special education, and the obstacles faced by these professionals. To reach the objectives, literature searches were conducted (books and articles), covering topics such as inclusion, inservice training, special education, Down syndrome, among others. Shortly after, we prepared a questionnaire, directed to teachers who work in private, public and philanthropic educational institutions, the results were the same: while working with special needs students, they did not receive any aid from the direction and coordination. Some of the teachers received necessary basis for working with students with special needs during their pre-service training, others do not. This work is justified as it seeks to understand the attitudes of teachers towards students with Down Syndrome, as working with these children is a challenge worthy of constant studies and professional development. It is extremely important to analyze the ongoing training of teachers, especially when it comes to special education in schools and reflect on the difficulties encountered by teachers. Keywords: Down Syndrome; Inclusion. Special Education. Difficulties. 1 Graduada na Faculdade Catuaí em Pedagogia.

2 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo refletir sobre o trabalho com crianças portadoras da Síndrome de Down em sala de aula, e como os docentes reagem ao se deparar com este público. Justifica-se trabalhar tal problemática, visto que muitos docentes não sabem o que fazer ao se deparar com um portador de necessidades especiais, muitas vezes, pela falta de auxílio dos seus superiores, ou até, pela fragilidade da formação. É de extrema relevância analisar a formação continuada dos professores, principalmente quando se trata da Educação Especial nas escolas, e refletir sobre as dificuldades encontradas pelos docentes. Assim abordaremos brevemente o que é a educação especial, sua história no Brasil, em seguida apresentaremos um pouco da inclusão, visando analisá-la de uma forma mais explícita, diagnosticando sua importância em uma escola de ensino regular. Em um segundo momento com o tema Conceituando a Síndrome de Down, explicitaremos alguns dados sobre a Síndrome de Down, tendo como objetivo entender sua genética, suas características, a relação dessa criança com a família, com a escola, e como se dá a inclusão na rede regular de ensino. Ao longo do trabalho, elaboramos um questionário, voltado para docentes, com o intuito de descobrir como é trabalhar com a inclusão e com alunos portadores de necessidades especiais, questionamos os profissionais sobre seus entendimentos em relação aos termos como inclusão, formação continuada, e se acreditavam ser importante incluir alunos portadores de Síndrome de Down em uma sala da rede regular de ensino. 2 EDUCAÇÃO ESPECIAL Ao se tratar de Educação Especial, inicialmente se faz necessário conceituá-la e, segundo Mazzotta (1993, p. 21), a Educação Especial é: Um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais organizados para apoiar, suplementar, e em alguns casos substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação formal dos educandos que apresentam necessidades educacionais muito diferentes da maioria das crianças e dos jovens.

3 Para que a Educação Especial exista da melhor forma possível, devemos contar com uma série de elementos, como adaptações curriculares, currículos especiais, materiais, aparelhos e equipamentos adequados, profissionais capacitados para lidar com essa deficiência que muitas vezes não é única. Mazzotta (1993, p.26) afirma que a Escola Especial, ou também chamada de Educação Especial é considerada aquela que atende apenas alunos excepcionais, ou seja, não trabalham com alunos conhecidos como normais, pela sociedade, mas com os portadores de alguma deficiência. Segundo Mazzotta (2005, p. 27), alguns brasileiros baseados nas experiências promovidas na Europa e nos Estados Unidos da América do Norte, começaram, no século XIX, a organização de serviços para o atendimento a surdos, cegos, deficientes mentais e físicos; durante aproximadamente um século essas iniciativas ficaram isoladas, fazendo com que alguns educadores se interessassem pelo atendimento educacional especial. Mazzotta (2005) mostra-nos que a inclusão ocorreu somente no final dos anos 50 e no início da década de 70 do século XX. Podemos destacar dois períodos para a evolução da educação especial no país, a primeira de 1854 a 1956, e a segunda de 1957 a De acordo com Mazzotta (2005, p. 27), o período de 1854 a 1956 foi de iniciativas oficiais e particulares isoladas, no dia 12 de setembro de 1854 foi conquistada a primeira providência no que diz respeito à educação especial, que foi efetivada por D. Pedro II, que baseado no Decreto Imperial n 1428, criou, no Rio de Janeiro, o Imperial Instituto dos Meninos Cegos. Em 1981, através do Decreto nº 1320, esse instituto passou a ser chamado de Instituto Benjamim Constant (IBC), em 1857 criaram-se também o Imperial Instituto dos Surdos e Mudos. No segundo período de 1957 a 1993, segundo Mazzotta (2005, p. 49) houve iniciativas de âmbito nacional, ou seja, O atendimento educacional aos excepcionais foi explicitamente assumido a nível nacional, pelo governo federal, com a criação de campanhas especificamente voltadas para esse fim. Algumas campanhas foram: -Campanha para a Educação do Surdo Brasileiro; -Campanha Nacional de Educação e Reabilitação de Deficientes visuais;

4 -Campanha Nacional de Educação de Cegos e Campanha Nacional de Educação e Reabilitação de Deficientes Mentais, sob influência de movimentos liderados pela Sociedade Pestalozzi e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, mais conhecida como APAE, situadas no Rio de Janeiro. Segundo Mrech (1999 apud VOIVODIC, 2011, p ), a inclusão tem seu início em movimentos anteriores à década de 1960 e seus eixos básicos se formaram a partir de quatro vertentes : A primeira vertente de acordo com Mrech (1999 apud VOIVODIC, 2011, p ) é a psicanálise, que, com a ajuda de Freud e Lacan, encontrou uma nova concepção de seres humanos. Os estudos de Mannani, trouxeram um questionamento no que se diz respeito à deficiência e a aplicação do modelo médico à criança portadora de deficiência, e fez de tudo para que o direito de tais crianças fosse respeitado. A segunda vertente é a luta pelos direitos humanos, que se localiza nos princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, no ano de Nos movimentos da década de 1960, esses direitos foram retomados, em virtude dessa luta surgiu na França a Pedagogia Institucional. A terceira vertente, ainda segundo Mrech (1999, apud VOIVODIC, 2011, p ) demonstra uma nova visão da educação. Essa pedagogia foi a primeira a observar e dar o devido valor na importância do contexto educacional, revelando que dependendo da maneira que o aluno é trabalhado na instituição pode desenvolver-se ou não. A quarta e última vertente, de acordo com a autora, é o movimento de desinstitucionalização manicomial, esse movimento demonstrou uma nova maneira de se enxergar o deficiente mental, além de ter influenciado e transformado decisivamente a cultura nos anos de 1960 e Segundo Voivodic (2011), a inclusão tem relação com o movimento de pais de crianças com deficiência. Na Europa, esse movimento tenta conscientizar a sociedade e os poderes públicos a aceitarem seus filhos em escolas comuns, para que assim tenham os mesmos direitos que os demais. No Brasil, o movimento de inclusão é proveniente de diferentes influências, tais como: A Liga Mundial pela Inclusão; A Liga Internacional pela

5 Inclusão do Deficiente Mental; A Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais. A autora relata que, no Brasil, a educação de portadores de necessidades especiais iniciou-se em instituições especializadas, nas quais os alunos ficavam isolados do convívio com as pessoas normais. No ano de 1950 por decorrência de um acontecimento nos EUA (que não foi citado pela autora), São Paulo teve por experiência a primeira sala de aula do ensino regular com recursos para receber alunos portadores de necessidades visuais. Como conclusão dessa experiência, mais salas foram equipadas para receberem alunos com deficiência mental e sensorial. Voivodic (2011) relata que, nos anos de 1960 e 1970, foram inseridos programas voltados para a integração escolar de alunos com deficiência mental, como alternativa à institucionalização. Em nosso país, a palavra integração tem como significado a inserção dos alunos com deficiência nas salas de aulas regulares. O que vivenciamos hoje são integrações que não foram planejadas, ou podemos dizer também inclusões iniciais, ou seja, alunos em salas que não foram planejadas, sem apoio necessário para que assim aconteça o seu desenvolvimento. Muitas vezes, as escolas só aceitam incluir alunos por conta da lei que foi instaurada segundo o parágrafo 1º do artigo 58 da LDB 9394/96. Segundo Karagiannis, Stainback e Stainback (1999, p.21), a educação é um direito de todos, se excluímos nas escolas, refletimos assim a discriminação social e moral. Os portadores de deficiência, seja qual for, têm o direito de fazer parte integrante das escolas, as quais têm o dever de se adequar para receber alunos especiais. Falando de maneira mais clara, esse ensino inclusivo é a prática de inserir todos nas escolas, independentemente da sua dificuldade física, mental, cultural ou socioeconômica, no qual todos os alunos tenham a oportunidade de serem educados juntos, fazendo com que aqueles que possuem a deficiência tenham uma melhor preparação para o convívio social, além dos professores terem oportunidade de aumentarem suas habilidades profissionais, dependendo do trabalho que realizam. De acordo com os autores acima citados, os alunos inclusivos conseguem aprender de maneira mais rápida com o convívio em sala de aula regular. Quanto mais cedo se der a inclusão melhor será o rendimento no âmbito escolar, social e ocupacional, através disso o aluno aprenderá a respeitar, a ser mais sensível, e a

6 entender a relação professor aluno e aluno aluno, o que fará falta aos que possuem uma educação em instituições especiais. Karagiannis, Stainback e Stainback (1999, p.23) asseveram que os profissionais que têm a oportunidade de trabalhar com crianças portadoras de deficiência, conseguem compreender como é de grande importância a escola na preparação dos mesmos para a vivência na comunidade. Uma instituição com ensino segregado não consegue desenvolver de maneira satisfatória a independência desse aluno, pelo contrário passa para ele um sentimento de isolamento, fazendo com o que os mesmos regridam em alguns aspectos. Os mesmos autores expõem a importância de uma capacitação adequada a os profissionais que irão trabalhar com a inclusão, diariamente, em sala de aula. Toda ajuda é necessária e de grande valor, tanto da coordenação, quanto do corpo docente, e até mesmo desses alunos, não esquecendo que a transformação deverá partir primeiramente do professor, ele é quem dará o suporte necessário para que as crianças deficientes alcancem seus objetivos educativos, assim como as outras que as cercam. 3 CONCEITUANDO A SÍNDROME DE DOWN Alves (2007, p.27), explica-nos que toda herança biológica recebida dos pais estão no óvulo e no espermatozóide, ambos com 23 cromossomos cada, durante a fecundação, os dois gametas feminino e masculino se unem, os núcleos genéticos se fundem formando assim a célula, que é o ovo e o zigoto com 46 cromossomos, se o óvulo ou o espermatozóide mandarem um cromossomo a mais no par 21, o indivíduo gerado possuirá 47 cromossomos, esse acidente genético pode acontecer durante a primeira divisão celular, fazendo com que se forme esse cromossomo a mais, resultando assim em uma trissomia simples sem união de um cromossomo ao outro. Voivodic (2011, p ) conceitua que: a Síndrome de Down também é conhecida com Trissomia do cromossomo 21 e possuem três tipos principais: Trissomia Simples; quando o indivíduo possui 47 cromossomos em todas as células. A causa dessa trissomia é a não disjunção cromossômica. Translocação; o cromossomo a mais do par 21 fica agrupado a outro cromossomo. Mosaicismo: é quando a alteração genética não afeta a célula inteira e sim só partes delas, umas ficam com 47 e outras com 46 cromossomos. A autora relata que as características dessa Síndrome foram abordadas pela primeira vez pelo médico inglês John Langdon Down, no ano de 1866, daí a

7 origem do nome. Influenciado pelos estudos de Darwin, Down compreendeu que as características da síndrome eram um retorno a um tipo étnico oriental primitivo, por isso criou-se o termo mongolismo, popularizado durante muito tempo, nos tempos atuais essa maneira de se falar de um portador de necessidades especiais é repugnante, além de indevida, faz com que ele seja imaginado com um indivíduo incapaz. De acordo com Pimentel (2012, p. 30) somente no ano de 1950, a Síndrome de Down foi descoberta por fatores científicos e pela visualização dos cromossomos. Neste mesmo ano, o médico Lejeune ( ) diagnosticou um cromossomo extra em crianças com Síndrome de Down, este cromossomo pode estar presente tanto no óvulo quanto no espermatozóide antes da geração. Esta descoberta anula o conceito de que a idade materna é a única causa da Síndrome de Down, embora a autora explique que a idade da mãe é um fator que interfere bastante para que essa Síndrome ocorra. Pimentel (2012, p. 31) comenta que é de extrema importância entender que a Síndrome de Down não é uma doença, portanto não há tratamento e nem medicamentos para ela. Apesar da Síndrome de Down apresentar características parecidas como: boca pequena, única prega palmar, pescoço curto, entre outros fatores físicos, os indivíduos diferenciam-se entre si pelo desenvolvimento, podendo citar a linguagem, a motricidade, a sua socialização, etc. De acordo com Saad (2003, p.29), a síndrome de Down tem como característica o atraso no desenvolvimento físico, mental e funcional. Os bebês portadores dessa síndrome são muito sonolentos, com dificuldades para sugar e engolir devido à hipotonia acentuada, a qual só irá diminuir com a idade e com a ajuda de estímulos musculares e táteis. Alves (2007, p. 29) menciona que o diagnóstico preciso é feito por meio de cariótipo, que é a representação do conjunto de cromossomos de uma célula, o cariótipo é geralmente, realizado a partir do exame de leucócitos obtido de uma pequena amostra de sangue, também é possível ser identificado antes do nascimento, utilizandose do tecido fetal. Segundo Matos et al (2012), a Síndrome de Down pode ser diagnosticada durante a gestação, esse processo possibilita que os pais se preparem psicologicamente para a chegada de um bebê portador dessa necessidade. Na maior

8 parte das vezes, os fetos que possuem essa síndrome não são diagnosticados durante o período pré-natal, pois são filhos de mães com idade menor há de 35 anos Já, segundo Voivodic (2011, p. 41), a Síndrome de Down pode ser diagnosticada no nascimento, pela presença de uma série de características, alterações fenotípicas, que trabalhadas em conjunto, permitem um diagnóstico mais preciso e quase total. Algumas das alterações fenotípicas podem ser observadas no feto por meio de uma ultrassonografia, embora essas características possam levantar suspeitas da presença dessa síndrome, não permite uma indicação precisa. De acordo com Schwartzman (apud VOIVODIC, 2011, p 42), não devemos esquecer, em nenhum momento, das grandes diferenças existentes entre os vários indivíduos com Síndrome de Down no que se refere ao próprio potencial genético, características raciais, familiares e culturais, para citar apenas algumas e que serão poderosos modificadores e determinantes do comportamento a ser definido como características daquele indivíduo. Devemos deixar claro que tanto os indivíduos portadores da Síndrome de Down, quanto os que não possuem alterações cromossômicas, possuem em seu desenvolvimento grandes diferenças, tanto em seu comportamento, quanto em sua personalidade. 3.1 Família X Síndrome de Down Pontua Alves (2007, p. 35), que os pais desde a gestação do bebê idealizam como eles serão, suas características, seu modo de agir, do que vai gostar etc. A partir do momento em que descobrem que seu filho terá algum problema, seja mental ou físico, a primeira reação é de choque, não imaginam como será, como irão lidar com essa criança, entram em uma incógnita, da qual não conseguem sair, o que será de agora para frente? Alves (2007) argumenta que desde a descoberta da Síndrome a mãe não pode rejeitar seu filho, pois ele sente todo e qualquer sentimento, seja ele bom, ou não, aceitar e amá-lo é o melhor sentimento a ser desenvolvido.

9 3.2 Escola x Síndrome de Down Voivodic (2011, p. 58) analisa que a inserção de um aluno portador da Síndrome de Down é de grande importância para o mesmo, pois a escola é um ambiente de grande desenvolvimento para a formação de indivíduos; o principal objetivo da escola é de transmitir conhecimentos. No caso da criança portadora da Síndrome de Down, a educação pode, ou não desenvolver esse indivíduo, tudo vai depender da prática que a escola utiliza. É claro que devemos deixar claro que a escola é um mediador, no que diz respeito à convivência social, pois saber respeitar seu colega por ele ser diferente, ou por ter algum problema é o mínimo que ela pode oferecer. A autora ainda nos relata que, nas décadas de 1950 e 1960, os portadores da Síndrome de Down estudavam em escolas especiais, ou centros específicos, já que as sociedades não os aceitavam em salas de aula regulares. Segundo Fierro (1995, apud. VOIVODIC, 2007, p. 59), o objetivo, na década de 1960, era deixar as salas de aula especiais com os mesmos objetivos de aprendizagem e ensinamentos que as das escolas regulares, mas a sua prática se desenvolvia de maneira diferenciada, utilizava-se de outras técnicas constituía um elemento essencial à homogeneidade dos alunos, e isso assegurava, na medida do possível, a semelhança de nível intelectual, mesmo com diferenças de idade cronológica. A escola especial teve um papel de grande importância na vida de alunos portadores de doenças mentais, mostrou que esses alunos podem e serão educados, mas a dificuldade de tornar esse aluno autônomo e capaz de se desenvolver na vida e na sociedade é muito grande. Na década de 1990, ficou estabelecido que os portadores da Síndrome de Down poderiam e deveriam frequentar salas de aula da rede regular de ensino, classes ditas como normais. Segundo Mazzotta (2005, p. 184), são bem poucos os municípios brasileiros que possuem na sua rede de ensino recursos educacionais apropriados para acolher um aluno portador de deficiência, ou seja, uma inclusão, muitas vezes os profissionais não estão devidamente capacitados para lidar com tamanha responsabilidade, como desenvolver seu aluno da maneira que ele necessita.

10 De acordo com Luiz et.al. (2008, p. 2), a educação inclusiva no Brasil tem como objetivo atender, nas redes regulares de ensino, alunos portadores de necessidades especiais, baseado na Constituição Federal de 1988, a qual garante a todos o direito a igualdade. O aluno portador da Síndrome de Down necessita de um atendimento especializado, de preferência em escolas comuns, essa assistência acontece também em redes especiais, como por exemplo, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais, mais conhecida como APAE, essa instituição em especial é a associação de pais preocupados com o desenvolvimento escolar de seus filhos. Os autores fazem uma análise diagnosticando que ao longo dos anos ocorreu um aumento significativo de crianças portadoras da Síndrome de Down em redes regulares de ensino. O professor tem o papel principal para que o desenvolvimento desses alunos aconteça, pois ele é quem vai detectar as dificuldades apresentadas durante a convivência com os mesmos, o docente terá como tarefa desenvolver habilidades desses alunos para o convívio com colegas, familiares, comunidade, com todos que os cercam. Segundo Pimentel (2012, p. 33), os processos de escolarização de portadores da Síndrome de Down não devem ser diferentes do processo de inclusão social de pessoas com deficiência mental. 3.3 Formação Continuada Segundo Romanowski (2007), a formação continuada tem como objetivo a melhoria do ensino. Uma das principais preocupações, no que se diz respeito à formação docente são seus primeiros anos, pois professores em início de carreira levam um choque de realidade. Portanto os programas de formação continuada necessitam adicionar saberes científicos, críticos, didáticos, etc. Ainda de acordo com o autor, as dificuldades apresentadas pelos professores, na maioria das vezes, são as avaliações, o planejamento das atividades, a interação com os colegas de sala, o respeito com o professor, a disciplina, entre outros fatores. Romanowski (2007, p. 132) mostra-nos que o campo de formação continuada de professor apresenta-se bastante diversificado, contando com concepções, conteúdos e métodos que implicam aspectos políticos, culturais e profissionais.

11 Fusari (2007) relata que a formação continuada também depende das condições de trabalho as quais estamos submetidos, é claro que depende também das atitudes desses educadores diante do seu desenvolvimento profissional. O autor frisa muito bem que esses educadores não podem responsabilizar somente o Estado pela formação continuada, pois cada um é responsável pelo seu desenvolvimento profissional e pessoal. 4 PESQUISA DE CAMPO Com o intuito de saber quais as dificuldades encontradas no trabalho com alunos de inclusão, efetuamos uma pesquisa com docentes, que já trabalharam com alunos especiais, e passamos ao relato de algumas das respostas obtidas. A primeira professora pesquisada, trabalha em entidade filantrópica. Quando questionada sobre o auxílio recebido pela coordenação ou direção para lidar com esta inclusão argumentou que recebeu pouca ajuda. A docente relatou que as dificuldades que encontrou ao trabalhar com o aluno especial, é que não conhecia as dificuldades específicas da criança, e não tinha a formação adequada além da falta de estrutura. Ao ser perguntada sobre sua formação continuada, sua resposta foi que a mesma ocorre, porém de maneira superficial, apenas com noções básicas. Questionamos o que ela espera da formação continuada, a docente respondeu que espera receber novos conhecimento e direcionamentos de como trabalhar em sala de aula. Quando perguntado qual seu entendimento de inclusão a resposta foi que a mesma, a seu ver, é inserir o aluno de forma correta, ou seja, não apenas inseri-lo na sala, mas sim desenvolver suas habilidades, sociais e cognitivas. Perguntamos se ela acreditava ser importante incluir uma criança portadora da Síndrome de Down em uma rede regular de ensino e o porquê? A resposta foi que sim, pois assim os professores teriam formações continuadas, e entenderiam melhor essa deficiência. Uma segunda docente pesquisada, que trabalha em escola pública, informou que já trabalhou com alunos portadores de necessidades especiais, e seu trabalho foi com um aluno Autista. Segundo ela, não recebeu auxílio da coordenação e nem da direção, durante o trabalho com esse aluno. Questionada sobre as dificuldades, apontou que a falta de materiais e a falta de ajuda com o aluno foi algo que dificultou muito seu trabalho. Ao ser questionada se sua formação possibilitava o suporte

12 necessário para o trabalho com alunos especiais, a docente nos respondeu que não e que diante disso não estava preparada para lidar com essa situação. Quanto à questão sobre a formação continuada, a profissional relatou que espera que essa formação não vá somente até graduação, e que a sede de sabedoria, a entusiasmou na compreensão de novos conhecimentos que farão o professor ter uma formação continuada, ou seja, além do que ele tem que saber, ressaltando que essa formação não depende só das instituições, mas também do próprio profissional. Sobre o entendimento de inclusão, ela preferiu não opinar sobre o que entendia do assunto. Para finalizar, foi perguntado se ela acredita ser importante incluir uma criança com Síndrome de Down na rede regular de ensino e porquê? Sua resposta foi simples e afirmativa, argumentando que essa criança com a inclusão desenvolverá mais rápido sua autonomia, pois convivendo com crianças ditas normais pela sociedade, ela construirá sua autoestima de maneira mais acentuada. A terceira docente pesquisada trabalha em uma escola filantrópica, informando que também já trabalhou com aluno especial também autista. Como as anteriores, relatou que não recebeu nenhum auxílio da coordenação e nem da direção da instituição, fazendo com que suas dificuldades aumentassem, argumentou que além da falta de apoio, a escola não tinha base e nem estrutura para receber essa criança. Na mesma linha das docentes anteriores, nos explicou que, durante sua formação, não recebeu o suporte necessário para o trabalho com alunos desse perfil, e que se tivesse tido auxílio na sua formação seria mais fácil trabalhar a inclusão. Quando questionada sobre a formação continuada e o que espera da mesma, respondeu que considera todo conhecimento contínuo e que espera que contribua para práticas qualificadas. Sobre inclusão, afirmou que é o respeito ao cidadão, segundo o que ela entende. Ao ser questionada sobre a inclusão de alunos com Síndrome de Down em escolas regulares, demonstrou que acredita ser importante sim, desde que essa escola tenha estrutura física e profissional para lidar com a mesma. A quarta docente pesquisada trabalha em escola privada. Durante seu tempo de docência, a professora respondeu que trabalhou com um aluno portador da Síndrome de Down e que assim como as outras docentes não recebeu nenhum auxílio da coordenação e nem da direção da escola. Quando questionamos as dificuldades apresentadas para o trabalho com esse aluno, ela nos respondeu que a maior dificuldade era adaptar as atividades para o mesmo. Ao contrário das outras docentes, ela relatou

13 que recebeu, durante sua formação, o suporte para o trabalho com alunos especiais, mas não descreveu qual foi ele. Para ela, uma formação continuada é a promoção de cursos, que venham a contribuir para a ação docente. Para a profissional, inclusão significa receber alunos com necessidades especiais e inseri-los no meio social de forma que eles consigam interagir e fazer parte do meio em que vivem.para terminar, perguntamos se ela acredita ser importante incluir uma criança com Síndrome de Down em escolas regulares, sua resposta foi que sim, e ainda argumentou que pelo fato que eu não tive suporte pedagógico da escola para trabalhar com esse aluno, percebo pequenos gestos de desenvolvimento do mesmo. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Percebemos que na teoria a implantação da inclusão pode ser considerada perfeita, mas que na prática não é bem assim que ocorre. Depois das análises realizadas, percebemos mediante as respostas da maioria dos docentes, que falta de cumplicidade e ajuda da coordenação e da direção da escola. Os alunos devem ser tratados todos iguais, independentemente, de suas dificuldades, pois todos têm o direito de fazer parte da escola e da sociedade, pois vivemos em um país cujas necessidades ainda não são totalmente supridas. Precisamos começar a enxergar nossos direitos e fazê-los acontecer da maneira que se deve, educação é um direito de todos, e a inclusão é um dever nosso. Acreditamos no poder de vencer as barreiras que nos são impostas e na união dos diferentes, afinal cada um difere do outro por suas características próprias, e é isso que a sociedade precisa buscar entender. Essas crianças tais como as outras, devem receber uma educação digna, e para que isso aconteça os profissionais devem estar preparados, para evitar falhas e conquistar resultados, levando-os a se desenvolverem como cidadãos críticos que saibam defender seus direitos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Fátima. Para entender a Síndrome de Down. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2007.

14 FUSARI, José Cerchi. Formação Contínua de Educadores na Escola e em outras Situações. In: BRUNO, Eliane Bambini Gorgueira; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de; CHRISTOV, Luiza Helena da Silva. (Org). O coordenador pedagógico e a formação docente. 8.ed. São Paulo: Loyola, 2000, p KARAGIANNIS, Anastasios; STAINBACK, William; STAINBACK, Susan. Fundamentos do Ensino Inclusivo. In: STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. (Org). Inclusão: um guia para educadores.porto Alegre: Artmed, 1999, p LUIZ, Flávia Mendonça Rosa e et. al. A inclusão da criança com síndrome de down na rede regular de ensino: desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.14, n.3, p.1-8, set./dez Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext>. Acesso em: 30 set MATOS, Sócrates Bezerra de et al. Síndrome de Down: avanços e perspectivas. Rev. Saúde. Com, v.3, n.2, p Disponível em: <http://www.uesb.br/revista/rsc/v3/v3n2a09.pdf >. Acesso em: 20 ago MAZZOTTA, Marcos José Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas publicas. 5.ed. São Paulo: Cortez, Trabalho docente e formação de professores de Educação Especial. São Paulo: Epu, PIMENTEL, Susana Couto. Conviver com a Síndrome de Down em Escola Inclusiva. Rio de Janeiro: Vozes, ROMANOWSKI, Paulin Joana. Formação e profissionalização docente. 3.ed. Curitiba: Ibpex, 2007 SAAD, Nader Suad. Preparando o Caminho da Inclusão: dissolvendo mitos e preconceitos em relação à pessoa com Síndrome de Down. São Paulo: Vetor,2003. VOIVODIC, Maria Antonieta M. A. Inclusão Escolar de Crianças com Síndrome de Down. 6.ed. Rio de Janeiro: Vozes: 2011.

SÍNDROME DE DOWN: DESAFIOS E SUPERAÇÕES DIANTE DA REALIDADE

SÍNDROME DE DOWN: DESAFIOS E SUPERAÇÕES DIANTE DA REALIDADE SÍNDROME DE DOWN: DESAFIOS E SUPERAÇÕES DIANTE DA REALIDADE CAMILA OLIVEIRA DA SILVA 1 LUCAS SIMÕES PIRES 2 SOLANO CELSO DE ABREU 3 VALTER ANTUNES NEUMANN 4 MARA REGINA NIECKEL DA COSTA 5 RESUMO O presente

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão

ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) PALAVRAS-CHAVE: Estratégias. Aprendizagem. Inclusão ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM INCLUSIVAS: ENTRE ENCANTOS E DES(ENCANTOS) Sylmara Karina Silva Sousa Railda da Silva Santos Amélia Maria Araújo Mesquita Universidade Federal do Pará Eixo Temático: Práticas

Leia mais

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO)

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) HOFMANN *, Ana Paula - PUCPR aninhahofmann@gmail.com Resumo Os portadores de necessidades especiais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ALUNOS DA TURMA 103 DA ESCOLA ESTADUAL MARANHÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL

INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carmélia Francisca Cardoso Raquel Francisca dos Santos RESUMO O presente artigo intitulado: inclusão de crianças com síndrome de Down na educação

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br Janete Costa da Silva Maia jarovil@yahoo.com.br Prefeitura Municipal de Rio Claro/ SP.

Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br Janete Costa da Silva Maia jarovil@yahoo.com.br Prefeitura Municipal de Rio Claro/ SP. RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NAS ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM UMA ESCOLA DA PERIFERIA DE RIO CLARO NO ESTADO DE SÃO PAULO. Karina Polezel de Sales kpolezel@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE

PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE PROGRAMA NACIONAL EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE. UMA ANÁLISE DO MATERIAL DE FORMAÇÃO DOCENTE MARTIN, Mariana UEL 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva analisar o material Educar na Diversidade:

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Instituto Educacional do Rio Grande do Sul IERGS Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia e Desenvolvimento Humano. Síndrome de Down na escola inclusiva 1

Instituto Educacional do Rio Grande do Sul IERGS Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia e Desenvolvimento Humano. Síndrome de Down na escola inclusiva 1 Instituto Educacional do Rio Grande do Sul IERGS Pós-Graduação em Neuropsicopedagogia e Desenvolvimento Humano Síndrome de Down na escola inclusiva 1 Stella Mari Iguini Resumo Ciente de que os processos

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES.

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. Maria Erislândia de Aquino Gama Graduanda do Curso de Pedagogia/CAMEAM/UERN. Autora Disneylândia Maria Ribeiro Profª.

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: A INCLUSÃO ESCOLAR DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: A INCLUSÃO ESCOLAR DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Educação e diversidade: a inclusão escolar da criança com deficiência intelectual 105 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: A INCLUSÃO ESCOLAR DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Lorena Araújo Simões 1 Natália Aparecida

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

O DESAFIO DO PROFESSOR E DA ESCOLA DA REDE REGULAR DE ENSINO FRENTE Á INCLUSÃO

O DESAFIO DO PROFESSOR E DA ESCOLA DA REDE REGULAR DE ENSINO FRENTE Á INCLUSÃO O DESAFIO DO PROFESSOR E DA ESCOLA DA REDE REGULAR DE ENSINO FRENTE Á INCLUSÃO PRESTES, Simone de Cássia Discente do Curso pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva CERDEIRA, Valda

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR ARTIGO 1 A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR 1 Maria da Consolação Paula Maciel. RESUMO: Este artigo tem como objetivo analisar as vantagens da inclusão dos alunos com deficiência

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Inclusão de crianças com Síndrome de Down no ciclo I do ensino fundamental.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Inclusão de crianças com Síndrome de Down no ciclo I do ensino fundamental. 0 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Inclusão de crianças com Síndrome de Down no ciclo I do ensino fundamental. Michele Marcelina Ferreira Prof. Ms. Fátima Eliana Frigato Bozzo Lins SP 2009 1 RESUMO A inclusão é um assunto

Leia mais

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SILVA, N. S. - Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 OLIVEIRA, T. C. B. C. - Professora Adjunta/ UFRB-CFP 2 RESUMO: Este artigo objetiva trazer

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS SILVA, Duarte Araújo Silva; DUARTE, Ana Beatriz da Silva. INTRODUÇÃO Esse trabalho

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( )

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmico ( X ); Social ( ) PROJETO DE

Leia mais

Educação Especial desafios em busca da inclusão

Educação Especial desafios em busca da inclusão Educação Especial desafios em busca da inclusão Yara Xangô Espíndola * Resumo: O objetivo do presente artigo é discutir algumas das principais questões relacionadas à Educação Especial, seus princípios

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA Claudio Francisco da Costa claud.fc@gmail.com 1977 Paulo Eduardo Ribeiro paeribeiro@hotmail.com Vilma Célia Santana vilmacsantanam@hotmail.com

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Palavras-Chave: Educação Especial, Sala regulares, Inclusão e Benefícios.

Palavras-Chave: Educação Especial, Sala regulares, Inclusão e Benefícios. EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA ESCOLA DE ENSINO REGULAR José Amadeu da Silva Filho ¹ Maria Lenúcia de Moura ² RESUMO: O trabalho

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADES INTEGRADAS ICESP PROMOVE DE BRASÍLIA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DIFICULDADES DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTUDANTES: RAIANE DA CUNHA BARROS E LANNY RENATA ORIENTADOR: EDLAMAR

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Introdução

SÍNDROME DE DOWN Introdução SÍNDROME DE DOWN SÍNDROME DE DOWN Introdução Em 1959 dois pesquisadores, o francês Lejeune e a canadense Jacobson, descobriram, simultaneamente e de forma independente, que indivíduos com o então chamado

Leia mais

DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DIVERSIDADE: VIA PARA UMA AÇÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Teresa Cristina Coelho dos Santos 1 - UFRN Prof.ª Dra. Lúcia de Araújo Ramos Martins 2 RESUMO O presente texto aborda a diversidade como pilar para

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. Edicarlos Dos Santos Freitas, Luzimara Silveira Braz Machado, Rose

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA Paloma Cristina Gadens de Almeida UNICENTRO, CAPES palomagadens@gmail.com

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais - UEPB.

CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais - UEPB. A INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR: A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE UNVERSIDADE E ESCOLA PARA O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA CABRAL, Isabel Cristina Gomes

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DOWN

UM OLHAR SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DOWN UM OLHAR SOBRE O PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DOWN Antônia Maíra Emelly Cabral da Silva Vieira 1 RESUMO A inclusão de alunos com deficiência na rede regular de ensino acende

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais