Benefícios do exercício físico para indivíduos. síndrome metabólica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benefícios do exercício físico para indivíduos. síndrome metabólica"

Transcrição

1 out. nov. dez. l 2008 l A XIV, º 55 l I GRAÇÃ 365 Benefícios do exercício físico para indivíduos com síndrome metabólica márcio tubaldini*; iris callado sanches**; juliana valente francica***; marcelo veloso heeren***;michelle sartori****; janaina de oliveira brito*** ; kátia de angelis**** Resumo l As causas do desenvolvimento da síndrome metabólica (SM) são complexas e não estão totalmente esclarecidas. Evidências da literatura levam a crer que a SM resulta da influência do meio ambiente em indivíduos geneticamente predispostos. Considerando que mais de 300 milhões de indivíduos são obesos, que existe crescente incidência de doença cardiovascular e de diabetes tipo 2, prevê-se uma pandemia de SM nos próximos anos. Neste artigo, discutiremos as diferentes definições da SM e os fatores que a compõem, bem como a importância da introdução do exercício físico como conduta nãofarmacológica no tratamento e na prevenção da SM. Palavras-chave l Síndrome metabólica. Fisiopatologia. Exercício físico Title l Benefits of Physical Exercises for Individuals with Metabolic Syndrome Abstract l The causes of metabolic syndrome (MS) are complex and not fully understood. Evidences provided by literature make us believe that MS is the result of the influence of environment on genetically pre-disposed individuals. Taking into consideration that over 300 million individuals are obese, that there is a growing incidence of heart diseases and type 2 diabetes, we can foretell an MS pandemics in the next years. In this article we shall discuss he different definitions of MS, the factors composing it, and the importance of physical exercise as a non-pharmacologic procedure in the treatment and prevention of MS. Keywords l Metabolic syndrome. Physioopathology. Physical exercise 1 histórico e definição da síndrome metabólica Historicamente, a síndrome metabólica (SM) teve sua origem em 1923, quando Kylin descreveu um quadro patológico envolvendo hipertensão, hiperglicemia e hiperuricemia (Kylin, 1923, p ,). Em 1947, Vague relacionou a obesidade abdominal e a distribuição de gordura ao diabetes mellitus e a outras desordens (Vague, 1947, p ). Avogaro e Crepaldi, em 1965, publicaram a descrição de uma síndrome constituída por Data de recebimento: 06/08/2008. Data de aceitação: 25/08/2008. * Mestre em Educação Física pela USJT, professor do curso de Fisioterapia da USJT. ** Mestre em Educação Física pela USJT. *** Mestrandos em Educação Física pela USJT. **** Professora doutora do curso de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (Mestrado) em Educação Física da USJT. Trabalho realizado com apoio no Laboratório de Reabilitação Cardiorrespiratória e no Laboratório do Movimento Humano da USJT, São Paulo (SP). hipertensão, hiperglicemia e obesidade (Avogaro; Crepaldi, 1965). Em 1988, Reaven introduziu o conceito de que resistência à insulina associada à intolerância a glicose, à dislipidemia e à hipertensão arterial poderia promover um agrupamento de fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes e doenças cardiovasculares, denominando essa associação síndrome X (Reaven, 1988, p ). As denominações dessa associação de disfunções mudaram com o tempo, sendo intitulada O Quarteto Mortal, por Kaplan (1989, p ), síndrome de resistência à insulina, por Haffner e colaboradores (1992, p ), e ainda síndrome plurimetabólica, por Ciolac e Guimarães (2004). A SM foi definida por vários grupos de pesquisa e algumas unificações destas definições foram produzidas por instituições de renome. Entre as definições mais expressivas, podemos citar aquelas produzidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) (OMS, 1999), pelo European Group for Study of Insulin Resistance (Grupo Europeu para o Estudo da Resistência a Insulina, conhecido

2 366 I GRAÇÃ tubaldini et all l Síndrome metabólica pela sigla EGIR) (Balkau; Charles, 1999, p ) e pelo National Cholesterol Education Program (Programa Nacional de Educação em Colesterol)/Third Adult Treatment Panel (NCEP, 2001, p ). No ano de 1999, um grupo de consultores da Organização Mundial de Saúde (OMS, 1999) propôs que seria portador de SM o indivíduo que possuísse dois ou mais dos seguintes componentes: regulação alterada da glicose ou diabetes e/ou resistência à insulina, pressão arterial elevada (>140/90 mmhg), triglicérides elevado (>1,7 mmol; 150 mg/dl), HDL-colesterol baixo (<0,9 mmol, 35 mg/dl para homens; <1,0 mmol, 39 mg/ dl para mulheres); obesidade central (relação cintura/quadril >0,90 para homens e >0,85 para mulheres), índice de massa corpórea (IMC >30 kg/ m 2 ), microalbuminúria (excreção >15 µg/min ou relação albumina/creatinina >30 mg). Outros componentes estudados nessa síndrome também foram relacionados à resistência à insulina e/ou tendem a agrupar-se à síndrome principal: entre eles, hiperuricemia, proporção aumentada de LDL-colesterol, aumento da concentração de lipoproteínas remanescentes, distúrbios da coagulação e da fibrinólise, disfunção endotelial, inflamação da parede arterial, angina microvascular e síndrome dos ovários policísticos. Além disso, a desregulação vascular como a microalbuminúria, o estado próinflamatório (proteína C reativa, fator de necrose tecidual, interleucina) e pró-trombótico (fatores fibrinolíticos e de coagulação) têm sido investigados e observados em pacientes com SM (OMS, 1999). O EGIR buscou definir a SM apenas em indivíduos não-diabéticos. Para tal, a resistência à insulina constitui o fator inicial, e, constatada esta disfunção, adicionam-se dois outros fatores, que podem ser: obesidade central (circunferência abdominal >94 cm para homens e >80 cm para mulheres), triglicérides elevado (>2,0 mmol/l) e/ou baixo HDL-colesterol (<1,0 mmol/l) ou o paciente estar sob tratamento para melhora desse perfil lipídico, relação glicemia de jejum/2 horas pósprandial >6,1/7,8 mmol/l a <7,0/11,1 mmol/l, hipertensão arterial (>140/90 mmhg) ou o paciente estar fazendo uso de anti-hipertensivos (Balkau; Charles, 1999, p ). Em 2001, um grupo de especialistas americanos pertencentes ao NCEP apresentou outra versão para a definição da SM, baseada nos fatores de risco. Segundo os autores, o diagnóstico de SM é feito quando estiverem presentes três ou mais dos fatores apresentados a seguir: obesidade abdominal determinada pela circunferência da cintura (>102 cm para homens e >88 cm para mulheres), triglicérides elevado (>150 mg/dl), HDL-colesterol baixo (<40 mg/dl para homens e <50 mg/dl para mulheres), hipertensão arterial (>130/85 mmhg) e hiperglicemia de jejum (>110 mg/dl). Em maio de 2006, a Federação Internacional de Diabetes (IDF, na sigla em inglês) sugeriu como critério de diagnóstico de SM a presença de obesidade central, cujos limites podem variar conforme a etnia (para europeus, sugeriu-se como medida da circunferência da cintura os valores de 94 e 80 cm; para asiáticos, 90 e 80 cm, e para japoneses 85 e 90 cm, respectivamente entre homens e mulheres). Adicionam-se à obesidade central dois ou mais dos seguintes critérios: triglicérides elevado (>150 mg/dl ou estar em tratamento específico), baixo HDL-colesterol (<40 mg/dl em homens e <50 mg/dl em mulheres ou o paciente estar em tratamento específico), hipertensão arterial sistêmica (>130/85 mmhg ou o paciente estar sob tratamento com anti-hipertensivos), glicemia de jejum elevada (>100 mg/dl ou diabetes tipo 2 diagnosticado previamente). Entre os exames laboratoriais necessários para o diagnóstico da SM, destacam-se a avaliação da glicemia de jejum (não sendo necessários teste de tolerância à glicose nem os métodos de avaliação da insulino-resistência, como o clamp euglicêmico e o índice de HOMA-IR) e a dosagem de HDLcolesterol e de triglicérides plasmáticos. Para uma melhor avaliação do risco cardiovascular global, adicionalmente podem ser realizados ainda exames de colesterol total, LDL-colesterol, creatinina, ácido úrico, microalbuminúria, proteína C-reativa (Bloomgarden, 2004, p ). 2 prevalência de síndrome metabólica Segundo a OMS, a prevalência da SM varia de 1,6% a 15%, dependendo da população estudada

3 out. nov. dez. l 2008 l A XIV, º 55 l I GRAÇÃ 367 e da faixa etária considerada. Em alguns estudos, a prevalência foi maior em homens (Schmidt et al., 1996, p ), enquanto em outros foi maior em mulheres (Ford et al., 2002, p ), ou não houve diferenças dependendo do gênero (Zamora-González et al., 1996, p ). Observou-se um aumento significativo da prevalência relacionada à idade, variando de 6,7% (20-29 anos) até 43% (>60 anos) (Ford et al., 2002, p ). Dessa forma, é importante ajustar os achados por idade, para comparação dos resultados. No estudo de Royer e colaboradores (2007, p ) observou-se incidência variando de 28,1% a 42,9% numa população feminina de mulheres latino-americanas de respectivamente anos e anos. Os autores também ressaltaram a correlação positiva com o tempo de menopausa, em contraste com a correlação negativa observada em casos de uso da terapia de reposição hormonal. Considerando que mais de 300 milhões de indivíduos são obesos, e que ainda está ocorrendo um aumento na prevalência de doença cardiovascular e de diabetes tipo 2 na população, a incidência de SM deve crescer de forma preocupante nos próximos anos. Neste aspecto, vale lembrar que essa síndrome aumenta de duas a três vezes a morbidade cardiovascular em relação à que está associada a indivíduos não-portadores de SM (Isoma et al., 2001, p ; Haffner et al., 1992, p ). 3 fisiopatologia da síndrome metabólica As causas do desenvolvimento da SM são complexas e não estão totalmente esclarecidas. As evidências da literatura levam a crer que a SM resulta da influência do meio ambiente em indivíduos geneticamente predispostos. A SM tornou-se um importante tópico de pesquisa na década de 1990, devendo os resultados ajudar-nos a compreender melhor a fisiopatologia dessa doença e suas inter-relações. A obesidade central parece ter papel fundamental na patogênese dos diversos fatores de risco agrupados no paciente com SM. Os ácidos graxos livres (AGLs), liberados pelo tecido adiposo, contribuem para algumas alterações observadas na SM: reduzem a captação hepática de insulina (Stromblad; Bjorntorp, 1986, p ), aumentam a produção de glicose (Ferrannini et al., 1983, p ), a síntese de VLDL-colesterol e a produção de lipoproteína-b pelo fígado (Castro Cabezas et al., 1993, p ). Os AGL também diminuem o uso da glicose pelo músculo esquelético e pioram a deposição de glicose mediada pela insulina (Randle et al., 1963, p.786-9). Além disso, os AGLs aumentam a produção do PAI-1, um fator pró-trombótico que se encontra elevado nos indivíduos com agrupamento de fatores de risco cardiovascular (Stromblad; Bjorntorp, 1986, p ). Estudos têm mostrado adicionalmente que os AGLs interferem no mecanismo de cascata de ação da insulina, inibindo a PI3K, que é fundamental na ação da insulina para levar glicose para dentro da célula (Dresner et al., 1999, p ). Os AGLs e a hiperglicemia do paciente diabético parecem estar relacionados com o aumento do estresse oxidativo, e a ativação das vias do estresse oxidativo pode contribuir com a resistência à insulina e piorar a secreção de insulina nesses pacientes (Evans et al., 2003, p. 1-8). A associação entre hiperinsulinemia e aumento dos níveis tensionais foi, pela primeira vez, descrita por Welborn e colaboradores, em 1966 (citados por Kohlmann Jr., 1998, p. 50-3). Seguiram-se a esse estudo pioneiro inúmeros estudos epidemiológicos que demonstraram a associação entre obesidade, resistência à insulina e hipertensão arterial. Atualmente, sabe-se que cerca de 50% dos pacientes portadores de hipertensão arterial apresentam algum grau de resistência à insulina (Ferrannini et al., 1987, p ; Ferrari; Weidmann, 1990, p ; Ferreira et al., 1995, p ). Os mecanismos fisiopatogênicos propostos até o momento para explicar como a resistência à insulina/hiperinsulinemia poderia participar do desenvolvimento e manutenção dos níveis tensionais elevados são: 1) aumento da reabsorção de sódio pelo rim, 2) aumento da atividade simpática, 3) aumento do crescimento celular, 4) interferência no transporte iônico celular, acarretando aumento na excitabilidade celular (Ferrari; Weidmann, 1990, p ).

4 368 I GRAÇÃ tubaldini et all l Síndrome metabólica Por outro lado, não se pode descartar a possibilidade de que a resistência à insulina também possa ser secundária à elevação da pressão arterial. Dessa forma, tem sido sugerido que a hipertensão arterial, ao determinar em longo prazo alterações vasculares com diminuição do leito capilar no músculo esquelético, principal sítio de ação da insulina, acaba prejudicando a difusão da glicose para as células e, consequentemente, a ação da insulina (Modan et al., 1985, p ; De Fronzo, 1992, p ; Ferrannini et al., 1987, p ; Ferrari; Weidmann, 1990, p ). Além disso, para alguns autores, é possível que a elevação da pressão arterial e a resistência à insulina decorram de um aumento primário na atividade simpática. O desenvolvimento da hiperinsulinemia aumentaria ainda mais a atividade simpática, criando-se um círculo vicioso (Ferrari; Weidmann, 1990, p ). 4 tratamento da síndrome metabólica Por apresentar fatores etiológicos múltiplos, a SM requer tratamentos abrangentes, que incluam alterações no estilo de vida, como dieta balanceada e atividade física e, quando necessário, o uso de medicamentos (Younis; Soran, 2004, p ). O tratamento farmacológico na SM será sempre indicado quando não se conseguir resultado com as medidas de mudança no estilo de vida. O esquema terapêutico nos pacientes hipertensos com SM está centrado na meta de redução da pressão arterial em curto prazo de tempo (de 3 a 6 meses), utilizando-se a monoterapia ou associação de fármacos. O objetivo mais importante do tratamento da hipertensão arterial é a redução da pressão arterial, e com isso a morbimortalidade cardiovascular e renal. Deve-se considerar o tratamento farmacológico da hipertensão arterial a partir de 140/90 mmhg ou 130/85 mmhg. Inicialmente, recomenda-se qualquer uma das principais classes de drogas anti-hipertensivas (IV Diretrizes, 2004, p. 1-40). Quando os pacientes com hiperglicemia não respondem ou deixam de responder adequadamente às medidas não-medicamentosas, devem ser inseridos um ou mais agentes hipoglicemiantes, com a finalidade de controlar a glicemia e promover a queda da hemoglobina glicosilada (IV Diretrizes, 2004, p. 1-40). Sendo assim, o tratamento deve objetivar a normoglicemia e a sua manutenção em longo prazo. Além disso, para pacientes com diabetes mellitus e SM, sugere-se a utilização de betabloqueadores do sistema reninaangiotensina como parte do esquema terapêutico. Já as metas em perfil lipídico a serem alcançadas com o tratamento devem levar em consideração o risco individual de cada paciente e o custo-benefício do tratamento (III Diretrizes, 2001). A adoção de uma dieta balanceada é uma das principais medidas que devem ser individualizadas e direcionadas à perda da gordura visceral e de peso. Esta abordagem deve ter como objetivo reverter as dislipidemias e a hiperglicemia, normalizar a pressão arterial e consequentemente reduzir o risco cardiovascular. As recomendações priorizam as dietas pobres em gorduras saturadas e colesterol, ricas em fibras e com quantidade de açúcar simples reduzida (I-DBSM, 2004). Nesse aspecto, o cálculo do valor calórico deve ser feito para atingir a meta de peso corporal, lembrando que uma redução de 5% a 10% no peso corporal está associada à melhora dos níveis da pressão arterial e do controle metabólico. Deve-se ainda considerar a composição dos macronutrientes energéticos da dieta, quanto aos aspectos quantitativo e qualitativo, visto que, além de influenciar a sensibilidade à insulina, essa abordagem também pode influir no aumento dos níveis de leptina e no de desordens trombogênicas (I- DBSM, 2005). Vale lembrar que a acelerada urbanização do século XX colaborou para a modificação do estilo de vida e dos hábitos dietéticos da população, levando à diminuição dos níveis de atividade física. Esses processos acarretaram mudanças que provocam impacto na saúde e levam ao aumento da mortalidade (Silveira, 2000). Segundo Park e colaboradores (2003, p ), o sedentarismo vem sendo considerado um significante fator etiológico para a SM. Sabendo-se que a atividade física traz benefícios não só para o perfil glicêmico, mas também reduz fatores de risco para doenças

5 out. nov. dez. l 2008 l A XIV, º 55 l I GRAÇÃ 369 cardiovasculares, incluindo a resistência à insulina, devemos preconizar sua prática para a prevenção e tratamento dos indivíduos com SM (Ligtenberg et al., 1997, p ). De forma geral, o exercício físico caracterizase por uma atividade que aumenta significativamente a demanda energética, fazendo com que haja alterações agudas e crônicas tanto no metabolismo celular quanto no controle neuroendócrino (Forjaz et al., 1998, p ). De fato, os benefícios cardiovasculares e autonômicos após o exercício físico agudo e crônico têm levado muitos investigadores a sugerir o treinamento físico como uma conduta não-farmacológica importante no tratamento de diferentes patologias como o diabetes mellitus, a hipertensão arterial e a insuficiência cardíaca (Negrão; Barreto, 1998; La Rovere et al., 2002, p ). 5 efeitos do treinamento físico nas disfunções da síndrome metabólica Estudos vêm demonstrando que programas de treinamento físico diminuem a prevalência de síndrome metabólica. A prática regular de exercícios dinâmicos leva a uma redução da pressão arterial sistólica e diastólica, além de melhora na capacidade funcional, nos índices de obesidade (circunferência abdominal, peso e percentual de gordura corporal), na relação triglicérides/hdl (como indicador da sensibilidade à insulina), em fatores psicológicos e na qualidade de vida em geral (Lavie et al., 2005, p ). Atualmente, a maioria dos trabalhos disponíveis na literatura tem avaliado os efeitos dos exercícios dinâmicos aeróbios, ficando a dúvida sobre os benefícios do exercício resistido para portadores de SM. É importante enfatizar que tanto para o tipo como para a intensidade do exercício, os pacientes com SM devem ser avaliados de forma individualizada e, eventualmente, com prévia avaliação cardiovascular (I-DBSM, 2004). O ganho de peso que, muitas vezes, acompanha o diabetes mellitus, a hipertensão, o envelhecimento e a SM são revertidos e prevenidos pela atividade física regular. O treinamento físico apresenta também efeitos favoráveis sobre as comorbidades da obesidade, principalmente as relacionadas ao diabetes mellitus tipo 2 e à SM em humanos (Grundy et al., 1999, p. S ). Estudos têm demonstrado que o acúmulo de gordura abdominal e a diminuição da massa muscular estão altamente correlacionados com o desenvolvimento de resistência à insulina. O treinamento físico resulta em perda de peso, preferencialmente em regiões centrais do corpo, e estimula o desenvolvimento muscular (Ivy, 1997, p ). Embora a maioria dos estudos tenha examinado os efeitos do exercício físico aeróbio sobre a perda de peso, a inclusão do exercício resistido (musculação) pode ser um potente estímulo para aumentar a massa, força e potência muscular, ajudando a preservar a musculatura, que tende a diminuir devido à dieta, maximizando a redução de gordura corporal (Baalor et al., 1988, p ; Geliebter et al., 1997, p ; Kraemer et al., 1999, p ). Além disso, o exercício resistido parece ser benéfico para as tarefas do cotidiano, facilitando a adoção de um estilo de vida mais ativo em indivíduos obesos sedentários (ACSM, 2001, p ). Em casos de diabetes mellitus tipo 2, um programa de exercício físico de intensidade moderada auxilia no controle glicêmico, e esse efeito já pode ser observado em uma única sessão de exercício (Silva; Lima, 2002, p ). Durante o exercício, o transporte de glicose na célula muscular aumenta, bem como a sensibilidade da célula à ação da insulina. O transporte de glicose no músculo esquelético durante o exercício ocorre primariamente por difusão facilitada através de proteínas transportadoras (GLUTs), cujos principais mediadores de ativação são a insulina e o exercício, ou seja, é possível haver translocação de GLUT4 para a membrana muscular durante o exercício mesmo em ausência de insulina (Goodyear; Kahn, 1998, p ). Dessa forma, há a possibilidade de indivíduos diabéticos transportarem glicose para a musculatura durante o exercício independentemente da ação da insulina, contribuindo para uma maior utilização desses substratos como fonte energética, favorecendo a redução da hiperglicemia e a melhora do controle glicêmico. Além disto, o aumento no transporte de glicose e a melhora

6 370 I GRAÇÃ tubaldini et all l Síndrome metabólica na sensibilidade à insulina podem permanecer por períodos prolongados após a sessão de exercício dinâmico, o que poderia ser benéfico no controle glicêmico desses pacientes. Estudo de Zinker (1999, p ), com sujeitos diabéticos divididos em três grupos, em que o primeiro fez atividade física, o segundo usou somente metiformina e o terceiro usou troglitazone, mostrou que houve uma melhora na sensibilidade à insulina no grupo que praticou exercício físico regular. O exercício físico regular também promove melhora no perfil lipídico. Existe evidência de que indivíduos que praticam atividade física exibem concentrações mais baixas de colesterol total e de LDL-colesterol do que aqueles inativos. Com base na frequência de alterações relatadas, o HDL-colesterol e os triglicérides têm uma maior resposta ao exercício físico regular do que o colesterol total e LDL-colesterol, ou seja, aumenta a concentração de HDL-colesterol, enquanto diminui a concentração de triglicérides (Durstinni et al., 2000, p ). Alguns estudos mostram que valores baixos das concentrações basais de HDL-colesterol influenciam as mudanças observadas com o exercício. Durstinni e colaboradores (2000, p ) demonstraram que o treinamento físico elevou o HDL-colesterol em menor grau em homens com HDL-colesterol basal baixo (<37 mg/dl). Apesar de estudos acerca do efeito do exercício físico sobre o perfil lipídico de indivíduos com SM serem escassos, considerando as evidências acima e o fato de que o exercício amplia a habilidade do tecido muscular em consumir AGL e aumenta a atividade da enzima lípase lipoproteica no músculo (Blomhoff, 1999, p. S22-S25), é provável que o exercício físico seja eficiente em melhorar o perfil lipídico em indivíduos com SM (Ciolac; Guimarães, 2004). A prática de exercício também representa importante beneficio para a saúde de hipertensos. Uma metanálise de 54 estudos longitudinais randomizados controlados, examinando o efeito do exercício físico aeróbio sobre a pressão arterial, demonstrou que essa modalidade de exercício reduz, em média, 3,8 mmhg e 2,6 mmhg na pressão arterial sistólica e diastólica, respectivamente (Whelton et al., 2002, p ). Vale lembrar que reduções de apenas 2 mmhg na pressão diastólica podem diminuir o risco de morbidade e mortalidade associadas à hipertensão (Ciolac; Guimarães, 2004). Além disso, estudos demonstram que a prática regular de exercício físico previne o aumento da pressão arterial associado à idade (Gordon et al., 1990, p ; Kasch et al., 1990, p ), mesmo em indivíduos com risco aumentado de desenvolvêlo (Paffenbarger et al., 1991, p ). De mais a mais, o treinamento físico pode provocar alterações neurovegetativas e cardiovasculares importantes. Estudos em ratos diabéticos e hipertensos têm demonstrado melhoras cardiovasculares importantes decorrentes do treinamento físico (Silva et al., 1997, p ; De Angelis et al., 2000, p ; De Angelis et al., 1999, p ). Trabalhos realizados em humanos (McDonald et al., 1993, p ) e animais (Negrão et al., 1992, p ; De Angelis et al., 2004a, p ) têm detectado importantes modificações na sensibilidade barorreflexa o mais rápido mecanismo regulador da pressão arterial após um período de treinamento físico, em normotensos. Em ratos hipertensos (SHR) e ratos diabéticos, verificou-se a melhora da sensibilidade barorreflexa para bradicardia e taquicardia após o treinamento físico (Silva et al., 1997, p ; Harthmann et al., 2007, p ). Bhagyalaksmi e colaboradores (2007, p ) demonstraram que a prática diária de exercício físico, por um período de 9 meses e sob supervisão, foi eficaz em reduzir os valores de hemoglobina glicosilada e glicemia de jejum e em aumentar a variabilidade da frequência cardíaca, um parâmetro indicativo de modulação autonômica, em diabéticos. Considerando que a disfunção barorreflexa e a redução da variabilidade da frequência cardíaca têm sido relacionadas a aumento da mortalidade (Heart Rate, 1996, p ; La Rovere et al., 2002, p ), os achados citados acima sugerem que o treinamento físico melhora o controle autonômico cardiovascular em portadores de disfunções fisiológicas componentes da SM. 5 considerações finais Demonstramos nesta revisão que a SM é um transtorno complexo representado por um conjunto de

7 out. nov. dez. l 2008 l A XIV, º 55 l I GRAÇÃ 371 fatores de risco cardiovascular usualmente relacionados à deposição central de gordura e à resistência à insulina. Os mecanismos responsáveis por esta constelação de alterações não estão claros. Estudos demonstram, todavia, o importante papel da disfunção autonômica e cardiovascular no aparecimento e na manutenção das alterações fisiológicas relacionadas à SM. Além disso, existem evidências dos efeitos benéficos da dieta e, principalmente, do exercício físico crônico na atenuação das disfunções da SM, o que reforça a importância da mudança no estilo de vida como conduta não-farmacológica no tratamento e na prevenção da SM. Referências bibliográficas ACMS AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Stand Position on the Appropriate Intervention Strategies for Weight Loss and Prevention of Weight Regain for Adults. Med. Sci. Sports Med., v. 33, Avogaro, P.; Crepaldi, G. Essential Hyperlipidemia, Obesity and Diabetes. Diabetologia, v. 1, n. 137, BAALOR, D. L.; KATCH, V. L.; BACQUE, M. D.; MARKS, C. R. Resistance Weight Training Durgin Caloric Restriction Enhances Lean Body Weight Maintenance. Am. J. Clin. Nutr., v. 47, Balkau, B.; Charles, M. A. Comment on the Provisional Report from the WHO Consultation. Diabet. Med., v. 16, BHAGYALAKSHMI, S.; NAGARAJA, H.; ANUPAM, B.; RAMESH, B. Effect of Supervised Integrated Exercise on Heart Rate Variability in Tipe 2 Diabetes Mellitus. Kardiologia Polska, v. 65, BLOMHOFF, J. O. Lipoproteins, Lipases, and the Metabolic Cardiovascular Syndrome. Cardiovasc. Pharmacol., v. 20, Supl. 8, BLOOMGARDEN, Z. T. Dyslipedemia and Metabolic Syndrome. Diabets Care, v. 27, n. 12, BOUCHARD, C. Atividade física e obesidade. São Paulo: Manole, CASTRO CABEZAS, M.; DE BRUIN, T. W.; DE WALK, H. W.; SHOULDERS, C. C.; JANSEN, H.; ERKELENS, D. W. Impaired Fatty Acid Metabolism in Familial Combined Hyperlipidemia. A Mechanism Associating Hepatic Alipoprotein B Overproduction and Insulin Resistance. J. Clin. Invest., v. 92, CIOLAC, E. G.; GUIMARÃES, G. V. Exercício físico e síndrome metabólica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 10, n. 4, De Angelis, K.; Gadonski, G.; Fang, J.; Dall Ago, P.; Albuquerque, V. L.; Peixoto, L. R. A.; Fernandes, T. G.; Irigoyen, M. C. Exercise Reverses Peripheral Insulin Resistance in Trained L-NAME Hypertensive Rats. Hypertension, v. 34, DE ANGELIS, K.; HARTHMANN, A. D.; KRIEGER, E. M.; IRIGOYEN, M. C. Exercise Training Improves Arterial Chemoreflex in Control and Diabetic Rats. Circulation, v. 18, n. 17, 2004c. DE ANGELIS, K.; HARTHMANN, A. D.; PARENTE COSTA, L.; KRIEGER, E. M.; IRIGOYEN, M. C. Improvement of Circulation Control in Trained Diabetic Rats: Role of Baroreflex Sensitivity and Blood Flow Distribution. Hypertension, v. 40, 2002b. DE ANGELIS, K.; OLIVEIRA, A. R.; DALL AGO, P.; PEIXOTO, L. R. A.; GADONSKI, G.; FERNANDES, T. G.; IRIGOYEN, M. C. Effects of Exercise Training in Autonomic and Myocardial Dysfunction in Streptozotocin-Diabetic Rats. Braz. J. Med. Biol. Res., v. 33, DE ANGELIS, K.; SANTOS, M. S. B.; IRIGOYEN, M. C. Sistema nervoso autônomo e doença cardiovascular. Revista de da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul, v. 3. DE ANGELIS, K.; SCHAAN, B. D.; MAEDA, C. Y.; DALL AGO, P.; WICHI, R. B.; IRIGOYEN, M. C. Cardiovascular Control in Experimental Diabetes. Brazilian Journal of Medical Biological Research, v. 35, n. 9, 2002a. De Angelis, K.; Wichi, R. B.; Jesus, W. R. A.; Moreira, E. D.; Morris, M.; Krieger, E. M.; Irigoyen, M. C. Exercise Training Changes Autonomic Cardiovascular Balance in Mice. Journal of Applied Physiology, v. 96, 2004a. DE FRONZO, R. A. Pahogenesis of Type 2 (Non-Insulin Dependent) Diabetes Mellitus: A Balanced Overview. Diabetologia, v. 35, DRESNER, A.; LAURENT, D.; MARCUCCI, M. et al. Effects of Free Fatty Acids on Glucose Transport and IRS-1 Associated Phosphatidylinositol 3-Kinase Activity. J. Clin. Invest., v. 103, DURSTINNI, J.; CROUSE, S.; MOFFAT, R. Lipids in Exercise and Sports. Energy-Yelding Macronutrients and Energy Metabolism in Sport Nutrition. CRC Press, EVANS, J. L.; GOLDFINE, I. D.; MADDUX, B. A.; GRODSKY, G. M. Are Oxidative Stress-Activated Signaling Pathways Mediators of Insulin Resistance and Beta-Cell Dysfunction? Diabetes, v. 52, FERRANNINI, E.; BARRET, E. J.; BEVILACQUA, S.; DE FRONZO, R. A. Effect of Fatty Acids on Glucose Production and Utilization in Man. J. Clin. Invest., v. 72, FERRANNINI, E.; BUZZIGOLI, G.; BONADONNA, R.; GIORICO, M. A.; OLEGGINI, M.; GRAZIADEL, L.; PEDRINELLI, R.; BRANDI, L.; BEVILACQUA, S. Insulin Resistance in Essential Hypertension. N. Engl. L. Med., v. 317, FERRARI, P.; WEIDMANN, P. Insulin, Insulin Sensitiviy and Hypertension. J. Hypert., v. 8, 1990.

8 372 I GRAÇÃ tubaldini et all l Síndrome metabólica FERREIRA, S. G. R.; ZANELLA, M. T.; KOHLMANN Jr., O.; MEZZOMO, N. F.; RIBEIRO, A. B. Hypertension and glucose Metabolism Disturbance. Prog. Pharmacol. Clin. Pharmacol., v. 102, FORD, M. E.; HAVSTAD, S. L.; BROOKS, B. L.; TILLEY, B. C. Perceptions of Diabetes among Patients in an Urban Heath Care System. Ethn. Health, v. 7, n. 4, FORJAZ, C. L. M.; SANTAELLA, D. F.; REZENDE, L. O. et al. A duração do exercício determina a magnitude e a duração da hipotensão pós-exercício. Arq. Bras. Cardiol., v. 70, 1998b. FORJAZ, C. L. M.; TINUCCI, T.; ALONSO, D. O.; NEGRÃO, C. E. Exercício físico e diabete. Rev. Soc. Cardiol. Estado de São Paulo, v. 8, n. 5, FRANCHINI, K. G.; KRIEGER, E. M. Bradycardic Responses to Vagal Stimulation and Methacholine Injection in Sino-Aortic Denervated Rats. Brazilian Journal of Medical Biological Research, v. 22, GELIEBTER, A.; MAHER, M. M.; GERACE, L.; GUTIN, B.; HEYMSFIELD, S. B.; HASHIM, S. A. Effects of Strength or Aerobic Training on Body Composition, Resting Metabolic Rate, and Peak Oxygen Consumption in Obese Dieting Subjects. Am. J. Clin. Nutr., v. 66, GOODYEAR, L. J.; KAHN, B. B. Exercise, Glucose Transport and Insulin Sensitivity. Annu. Rev. Med., v. 49, GORDON, N. F.; SCOTT, C. B.; WILKINSON, W. J.; DUNCAN, J. J.; BLAIR, S. N. Exercise and Mild Hypertension. Recommendations for Adults. Sports Med., v. 10, GRUNDY, S. M.; BLACKBURN, G.; HIGGINS, M.; LAUER, R.; PERRI, M. G.; RYAN, D. Physical Activity in the Prevention and Treatment of Obesity and its Comorbidities. Med. Sci. Sports Exerc., v. 31, n. 11, GRUNDY, S. M.; VEGA, G. L.; MCGOVERN, E. et al. Efficacy, Safety, and Tolerability of Once-Daily Niacin for the Treatment of Dyslipidemia Associated with Type 2 Diabetes. Arch. Intern. Med., v. 162, HAFFNER, S. M.; VALDEZ, R. A.; HAZUDA, H. P. et al. Prospective Analysis of the Insulin-Resistance Syndrome (Syndrome X). Diabetes, v. 41, HARTHMANN, A. D.; DE ANGELIS, K.; COSTA, L. P.; SENADOR, D.; SCHAAN, B. D.; KRIEGER, E. M.; IRIGOYEN, M. C. Exercise Training Improves Arterial Baro- and Chemoreflex in Control and Diabetic Rats. Auton. Neurosci., v. 133, n. 2, HEART RATE VARIABILITY: Standards of Measurement, Physiological Interpretation and of Clinical Use. Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society Pacing and Electrophysiology. Circulation, v. 93, I DIRETRIZ BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA SÍNDROME METABÓLICA. Revista da Sociedade Brasileira de Hipertensão, v. 7, n. 4, I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 84, IDF International Diabetes Federation. The IDF Consensus Worldwide Definition of the Metabolic Syndrome, IRIGOYEN, M. C.; KRIEGER, E. M. Baroreflex Control of Sympathetic Activity in Experimental Hypertension. Braz. J. Med. Biol. Res., v. 31, n. 9, IRIGOYEN, M. C.; MOREIRA, E. D.; IDA, F.; PIRES, M.; CESTARI, I. A.; KRIEGER, E. M. Changes of Renal Sympathetic Activity in Acute and Chronic Conscious Sinoaortic Denervated Rats. Hypertension, v. 26, n. 6, ISOMA, B.; HENRICSSON, M.; ALMGREN, P.; TUOMI, T.; TASKINEN, M. R.; GROOP, L. The Metabolic Syndrome Influences the Risk of Chronic Complications in Patients with Type II Diabetes. Diabetologia, v. 44, n. 9, III DIRETRIZES BRASILEIRAS SOBRE DISLIPIDEMIAS E DIRETRIZ DE PREVENÇÃO DA ATEROSCLEROSE DO DEPARTAMENTO DE ATEROSCLEROSE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 77, s. 3, IV DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 82, supl. 4, IVY, J. L. Role of Exercise Training in the Prevention and Treatment of Insulin Resistance and Non-Insulin- Dependent Diabetes Mellitus. Sports Med., v. 24, n. 5, KAPLAN, N. M. The Deadly Quartet. Upper-Body Obesity, Glucose Intolerance, Hypertriglyceridemia, and Hypertension. Arch. Intern. Med., v. 149, KASCH, F. W.; BOYER, J. L.; VAN CAMP, S. P.; VERITY, L. S.; WALLACE, J. P. The Effects of Physical Activity and Inactivity on Aerobic Power in Older Men (a Longitudinal Study). Physician and Sports Medicine, v. 18, KOHLMANN Jr., O. Resistência à insulina e hipertensão arterial: relevância clínica. Hipertensão, v. 1, n. 2, KRAEMER, W. J.; VOLEK, J. S.; CLARK, K. L.; PUHL, S. M.; KOZIRIS, L. P.; McBRIDE, J. M. et al. Influence of Exercise Training on Physiological and Performance Changes with Weight Loss in Men. Med. Sci. Sports Exerc., v. 31, KYLIN, E. Studien über das Hypertonie-Hyérglyka mie-hperurika miesyndrom. Zentralbl. Inn. Med., v. 44, LA ROVERE, M. T.; BERSANO, C.; GNEMMI, M.; SPECCHIA, G.; SCHWARTZ, P. J. Exercise-Induced Increase in Baroreflex Sensitivity Predicts Improved Prognosis after Myocardial Infarction. Circulation, v. 106, LAVIE, C. J.; MILANI, R. V. Cardiac Rehabilitation and Exercise Training Programs in Metabolic Syndrome and Diabetes. Journal of Pulmonary Rehabilitation, v. 25,

9 out. nov. dez. l 2008 l A XIV, º 55 l I GRAÇÃ LIGTENBERG, P. C. et al. Effects of Physical Training on Metabolic Control in Elderly Type 2 Diabetes Mellitus Patients. Clin. Sci., v. 93, MANCIA, G.; GIANNATTASIO, C.; PARATI, G.; FAILLA, M.; STELLA, M. Hemodynamics and Pressure Variability in Isolated Systolic Hypertension. Cardiologia, v. 39, n. 12, Supl. 1, McDonald, P. M.; Sanfilipo, A. J.; Savard, G. K. Baroreflex Function and Cardiac Structure with Moderate Endurance Training in Normotensive Men. Journal of Applied Physiology, v. 4, MODAN, J.; HAKIN, H.; ALMOG, S.; LUSKY, A.; SHEFI, M.; SHIFRIT, A.; FUCHS, Z. Hyperinsulinemia: A Link Between Hypertension, Obesity and Glucose Tolerance. J. Clin. Invest., v. 75, NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, NCEP Third Report of the National Cholesterol Education Program Expert Panel on Detection Evaluation and Treatment of High Blood Choleterol in Adults (Adult Treatment Panel III). Final Report Circ., v. 106, NEGRÃO, C. E.; BARRETO, A. C. P. Efeito do treinamento físico na insuficiência cardíaca: implicações autonômicas, hemodinâmicas e metabólicas. Revista da Socesp, v. 8, n. 2, NEGRÃO, C. E.; MOREIRA, E. D.; BRUM, P. C.; DENADAI, M. L. D. R.; KRIEGER, E. M. Effect Vagal and Sympathetic Control of Heart Rate during Exercise by Sedentary and Exercise-Trained Rats. Braz. J. Med. Biol. Res., v. 25, OMS WORLD HEALTH ORGANIZATION (Organização Mundial de Saúde). Definition, Diagnosis and Classificaton of Diabetes Mellitus and its Complications. Report of a WHO Consultation, PAFFENBARGER, R. S.; JUNG, D. L.; LEUNG, R. W.; HUDE, R. T. Physical Activity and Hypertension: An Epidemiological View. Ann. Med., v. 23, PARK, Y. W.; SHANKUAN, Z.; LATHA, P.; Stanley, H.; Mercedes R. C.; Steven, B. H. Prevalence and Associated Risk Factor Findings in the US Population from the Third National Health and Nutrition Examination Survey Arch. Intern. Med., v. 163, RANDLE, P. J. G. P.; HALES, C. N.; NEWSHOLME, E. A. The Glucose Fatty-Acid Cyrcle: Its Role in Insulin Sensitivity and the Metabolic Disturbances of Diabetes Mellitus. Lancet, REAVEN, G. M. Banting Lecture Role of Insuline Resistance in Human Disease. Diabetes, v. 37, ROYER, M.; CASTELO-BRANCO, C.; BLÜMEL J. E. et al. The US National Cholesterol Education Programme Adult Treatment Panel III (NCEP ATP III): Prevalence of the Metabolic Syndrome in Postmenopausal Latin American Women. Climateric, v. 10, SCHMIDT, M. I; Duncan, B. B; Watson, R. L; Sharrett, A. R; Brancati, F. L, Heiss, G. A Metabolic Syndrome in Whites and African-Americans. The Atherosclerosis Risk in Communities Baseline Study. Diabetes Care, v. 19, SILVA, G. J. J.; BRUM, P. C.; NEGRÃO, C. E.; KRIEGER, E. M. Acute and Chronic Effect of Exercise or Baroreflex in Spontaneously Hypertensive Rats. Hypertension, v. 30, SILVA, C. A.; LIMA, W. C. Efeito benéfico do exercício físico no controle metabólico do diabetes mellitus tipo 2 a curto prazo. Revista Brasileira de Endocrinologia, v. 46, n. 5, SILVEIRA, N. E. Atividade física para diabético. Rio de Janeiro: Sprint, STROMBLAD, G.; BJORNTORP, P. Reduced Hepatic Insulin Clearance in Rats with Dietary-Induced Obesity. Metabolism, v. 35, SU, D. F.; MIAO, C. Y. Blood Pressure Variability and Organ Damage. Clin. Exper. Pharmac. Physiol., v. 28, THOMPSON, P. D.; CROUSE, S. F.; GOODPASTER, B.; KELLEY, D.; MOYNA, N.; PESCATELLO, L. The Acute versus the Chronic Response to Exercise. Med. Sci. Sports Exerc., v. 33, n. 6, 2001, Abstract, p. S438-S445. VAGUE, J. La differenciattion sexuelle, factuer determinant des formes de l obesité. Presse Medl., v. 53, WHELTON, S. P.; CHIN, A.; XIN, X.; HE, J. Effect of Aerobic Exercise on Blood Pressure: A Meta-Analysis of Randomized, Controlled Trials. Ann. Intern. Med., v. 136, YOUNIS, N.; SORAN, H. The Prevention of Type 2 Diabetes Mellitus Recent Advanced. QJMED, v. 97, Zamora-González, J.; Yamamoto-Kimura, L.; Lerman-Garber, I.; Cardoso-Saldaña, G.; Fajardo-Gutierrez, A.; Posadas-Romero, C.; Clustering of Metabolic Disorders and Hyperinsulinemia in Mexico City. Int. J. Obes. Relat. Metab. Disord., v. 20, ZANCHETTI, A.; & MANCIA, G. Cardiovascular Reflexes and Hypertension. Hypertension, v. 18, ZINKER, B. A. Nutrition and Exercise in Individuals with Diabetes. Clin. Sports Med., v. 10, n. 3, 1999.

10 374 I GRAÇÃ tubaldini et all l Síndrome metabólica

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA MALDONADO, Rafael Resende RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mellittus. ABSTRACT: - KEYWORDS: 1. INTRODUÇÃO relacionados ao aumento da glicemia, re nos hábitos alimentares

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Terapia Nutricional nas Dislipidemias

Terapia Nutricional nas Dislipidemias Terapia Nutricional nas Dislipidemias Autoria: Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Sociedade Brasileira de Cardiologia Colégio Brasileiro de Cirurgiões Sociedade Brasileira de Clínica

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ

Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ Rafaella Cristhine Pordeus de Lima Concluinte do mestrado em Ciências da Nutrição UFPB Especialista em Nutrição Clínica UGF-RJ REDUÇÃO DA INGESTÃO ENERGÉTICA SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL APROPRIADA INGESTÃO

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA

APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA APERTE CTRL + L PARA VISUALIZAÇÃO TELA CHEIA Resumo Desde o nascer da sociedade, pessoas caminham para realizar tarefas cotidianas com o objetivo de sobreviver e, para se caminhar, é preciso energia, energia

Leia mais

ASPECTOS NUTRICIONAIS NA SÍNDROME METABÓLICA¹ NUTRITIONAL ASPECTS OF THE METABOLIC SYNDROME

ASPECTOS NUTRICIONAIS NA SÍNDROME METABÓLICA¹ NUTRITIONAL ASPECTS OF THE METABOLIC SYNDROME Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 8, n. 1, p. 141-149, 2007. 141 ISSN 2177-3355 ASPECTOS NUTRICIONAIS NA SÍNDROME METABÓLICA¹ NUTRITIONAL ASPECTS OF THE METABOLIC SYNDROME RESUMO

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Obesidade e Síndrome Metabólica

Obesidade e Síndrome Metabólica Obesidade e Síndrome Metabólica Leticia Fuganti Campos Nutricionista da NUTROPAR Mestre pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Pós-Graduada em Nutrição Clínica pelo GANEP Pós-Graduada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica

Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica Isabel L.A.Corrêa Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica PRO MATRE Síndrome dos Ovários Policísticos The Rotterdam ESHRE/ASRM sponsored PCOS consensus workshop group, 2004 Oligoamenorréia

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO. Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO. Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³ EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³ Estudante do Curso de Educação Física; e-mail: thaiscarol_94@hotmail.com¹

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

CETILISTATE GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO& EXPORTAÇÃO.

CETILISTATE GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO& EXPORTAÇÃO. CETILISTATE Inibidor de absorção de gorduras Inibidor da enzima lipase gastrointestinal que inibe a absorção de gorduras nas fases de digestão e absorção, acarretando perda de peso. É um inibidor das lipases

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato Redução de peso, colesterol e glicemia. Reduz medidas pela queima de gordura ao mesmo tempo em que controla a dislipidemia, reduzindo o colesterol LDL e triglicérides

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura Bernardo Lessa Horta Redução da mortalidade e morbidade por doenças infecciosas Amamentar é um bom investimento no curto prazo Efeitos a curto prazo

Leia mais

The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2. Renata Pereira1 Artigo Original

The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2. Renata Pereira1 Artigo Original 89 A relação entre Dislipidemia e Diabetes Mellitus tipo 2 The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2 Renata Pereira1 Artigo Original Palavras-chave: Dislipidemia Diabéticos mellitus

Leia mais

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida ago. l 2008 l N i, Nº 2 l 17-33 iniciação científica 17 Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida danielle da silva dias*; marcelo velloso heeren* ; kátia de angelis* Resumo l As doenças

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Diabetes Mellitus: Prevenção

Diabetes Mellitus: Prevenção Diabetes Mellitus: Prevenção Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Elaboração Final: 21 de outubro de 2006 Participantes: Lima JG, Nóbrega LHC, Lima G, Mendonça RP O Projeto Diretrizes,

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a Declarar AVANÇOS LABORATORIAIS NO DIAGNÓSTICO DO PACIENTE COM RESISTÊNCIA À INSULINA José Gilberto Henriques Vieira Fleury Medicina e Saúde 41 o CBPC/ML, Salvador,

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA

ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA * Rodrigo de Rosso Krug ** Moane Marchesan RESUMO A prática regular de atividades físicas e uma boa alimentação trazem

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO SEDENTARISMO NA OBESIDADE

O PAPEL DO SEDENTARISMO NA OBESIDADE O PAPEL DO SEDENTARISMO NA OBESIDADE 149 Carlos Eduardo Negrão 1,2, Ivani Credidio Trombetta 1, Taís Tinucci 2, Cláudia Lúcia de Moraes Forjaz 2 A obesidade é uma doença multifatorial complexa que se associa

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais