RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2000"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

2 2 I. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO SEGURADOR A actividade seguradora na RAEM, à data de 31 de Dezembro de 2000, era exercida por 24 seguradoras, dedicando-se 15 à exploração dos ramos gerais e as restantes 9 exclusivamente a produtos do ramo vida. Verificou-se, no entanto, a revogação de autorização de uma seguradora sediada em Hong Kong em 2 de Fevereiro, cujo processo de running-off foi concluído ainda no exercício de No que se respeita à localização da respectiva sede social, as seguradoras autorizadas a exercer a actividade são maioritariamente sucursais de seguradoras com sede no exterior, representando interesses de 7 países e ainda uma da Região Administrativa Especial da China (Hong Kong), sendo 7 seguradoras constituídas localmente. SEGURADORAS AUTORIZADAS POR PAÍSES DE ORIGEM AUSTRÁLIA 1 BERMUDAS 3 CANADÁ 1 CHINA 2 RAEHK - 5 JAPÃO 1 RAEM 7 REINO UNIDO 1 E.U.A. 1 PORTUGAL - 2

3 3 No que respeita aos recursos humanos envolvidos no sector segurador, há a distinguir entre os trabalhadores com vínculo contratual de colaboração directa, em número de 328 cerca de 6.5% superior aos efectivos contabilizados em 1999 e os mediadores de seguros. No que concerne a estes últimos de colaboração indirecta, ascendiam a 1,467, em , mais 3.9% que em 1999, divididos pelas seguintes categorias. MEDIADORES AUTORIZADOS EM 31/12/00 CATEGORIA NÚMERO - Angariador 16 - Agente - pessoa singular 1,399 - Agente - pessoa colectiva constituída no Território 37 - Agente - pessoa colectiva do exterior 8 - Corretor do exterior 7 - Total 1,467 No que se refere à estrutura dos principais ramos de seguros explorados pelas seguradoras no final do ano em apreço, o panorama é semelhante ao de 1999, continuando as seguradoras a comercializar nos ramos tradicionais, nomeadamente o ramo acidentes de trabalho, incêndio, automóvel e marítimo- -carga. Relativamente ao ramo diversos, realça-se o interesse da maioria das seguradoras em transaccionar as modalidades de acidentes pessoais, viagens, furto e roubo, responsabilidade civil, cauções e fianças, valores em trânsito, empreiteiros/todos os riscos, multi-riscos (habitação) e lucros cessantes.

4 4 QUADRO A NÚMERO DE SEGURADORAS AUTORIZADAS POR RAMOS DE SEGUROS Ramos de seguros Nº de seguradoras autorizadas Locais Do exterior Total - Vida Acidentes de trabalho Incêndio Automóvel Marítimo-carga Diversos:- - Acidentes pessoais Marítimo-cascos Aéreo-cascos Transportes terrestres Aéreo-carga Doença Viagens Quebra de vidros Furto ou Roubo Responsabilidade civil Responsabilidade civil de aviões Resp. civil de embarcações Valores em trânsito Cauções e fianças Multi-riscos (habitação) Fenómenos de natureza Avaria de máquinas Empreiteiros/todos os riscos Estaleiros e maquinas de empreiteiros Montagens Jóias, peles e objectos de valor Lucros cessantes Seguro de investimentos Equipamento electrónico Danos materiais 1 2 3

5 5 II. DIVISÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS (RAMO VIDA E RAMOS GERAIS) A produção global do sector segurador em 2000 ascendeu a 1,103.2 milhões de patacas, a que corresponde um acréscimo de 6.8% em relação ao ano transacto. À semelhança dos anos anteriores, o ramo vida continuou a evidenciar-se a ser o mais dinâmico do sector segurador, apesar de registar taxa de crescimento inferior à de 1999, com um volume de prémios de milhões de patacas, correspondendo a 68.5% do total da facturação do mercado segurador. Por outro lado, os ramos gerais arrecadaram apenas a quota de 31.5%, revelando, mais uma vez, a perda de posição relativa em relação ao ramo vida. Com efeito, os ramos gerais, com uma produção total, em 2000, de milhões de patacas, registaram, pelo terceiro ano consecutivo, uma deterioração nos prémios brutos, desta vez com a taxa negativa de 4.8% contra -7.9%, em COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS (VIDA E RAMOS GERAIS) (MOP'000) 1,200,000 1,100,000 1,000, , , , , , , , , , ,103,247 1,032, , , , , , , , , , , , , , VIDA RAMOS GERAIS TOTAL

6 6 QUADRO B COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS RAMO VIDA E RAMOS GERAIS Anos Vida Ramos Gerais Total ('000) , , , , , , , , , , ,620 1,032, , ,920 1,103,247 (%) / / / (8.3) / (7.9) / (4.8) 6.8 % III. COMPOSIÇÃO DAS INDEMNIZAÇÕES BRUTAS (RAMO VIDA E RAMOS GERAIS) Em 2000 as indemnizações brutas do sector segurador de Macau atingiram um total de milhões de patacas, contra milhões em Destes, milhões de patacas foram suportados pelo ramo vida, correspondendo a uma quota de 67.1%, pertencendo o remanescente de milhões de patacas, ou seja 32.9%, aos ramos gerais que, por sua vez, registaram pelo segundo ano consecutivo, uma melhoria com a taxa negativa de 4.3% contra os 11.7% do ano transacto, e o ramo vida com o respectivo crescimento em 7.9%, contra os 28.3% de 1999, a que corresponde uma redução em 20.4 pontos percentuais.

7 7 QUADRO C COMPOSIÇÃO DAS INDEMNIZAÇÕES BRUTAS - RAMO VIDA E RAMOS GERAIS Anos Vida Ramos Gerais Total ('000) ,245 96, , , , , , , , , , , , , ,698 (%) / /96 (17.6) / / (11.7) / (4.3) 3.6 % IV. PRÉMIOS LÍQUIDOS E CAPACIDADE DE RETENÇÃO (RAMO VIDA E RAMOS GERAIS) A taxa de crescimento global em 2000 dos prémios líquidos de resseguro foi de 6.9%, com a maior incidência no ramo vida ao atingir 505 milhões de patacas, embora a uma taxa de crescimento inferior em relação ao ano precedente ao passar de 30.8% para 12.0% em Enquanto que os ramos gerais registaram um decréscimo de 4.1% contra os 12.0% negativos de 1999, quase em paralelo com a deterioração verificada na produção bruta, totalizando uma produção líquida no montante de milhões de patacas.

8 8 QUADRO D RETENÇÃO GLOBAL Anos Prémios brutos Prémios líquidos Capacidade de retenção ('000) , , , , , , ,032, , ,103, , / / / (0.7) 1999/ / % No que concerne à taxa da capacidade de retenção global, manteve-se, praticamente, o nível de evolução registando apenas uma variação na ordem de 0.1 ponto percentual em relação ao ano anterior, reflectindo esse aspecto a continuidade da estratégia adoptada quanto à política de cedência de riscos a resseguradoras. QUADRO E COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS LÍQUIDOS - RAMO VIDA E RAMOS GERAIS Anos Vida Ramos Gerais Total , , , , , , , , , , , , , , , / / / (10.5) / (12.0) / (4.1) 6.9 ('000) (%) %

9 9 V. RAMO VIDA 1. Evolução dos prémios Conforme referido anteriormente, o ramo vida continua a manifestar um certo dinamismo em relação aos ramos gerais, mas a um ritmo de crescimento mais moderado, tendo atingido milhões de patacas, o que corresponde a um acréscimo de apenas 13.2%, incremento que, contudo se deteriorou em 14.6 pontos percentuais quando comparado com a evolução de 27.8% verificada em No que diz respeito à produção líquida, o respectivo crescimento foi de 12.0%, quase idêntico ao verificado na produção bruta, enquanto que a capacidade de retenção se manteve na ordem dos 66.9% muito similar à registada em 1999, diferindo em apenas 0.7 pontos percentuais, demonstrando que as seguradoras do ramo vida, nos últimos cinco anos, estão a proceder de forma estável quanto à cedência dos riscos assumidos. QUADRO F PRÉMIOS BRUTOS E LÍQUIDOS DO RAMO VIDA Prémios brutos Prémios líquidos Cap. de retenção ('000) % ('000) % (%) , , , , , , , , , , Sinistralidade Em 2000, as indemnizações brutas do ramo vida cifraram-se em 252 milhões de patacas, revelando um incremento na ordem de 7.9% em relação a 1999, evolução essa bem inferior aos 28.3% registados no ano precedente. A taxa de sinistralidade, por seu turno, situou-se em 33.4% contra 35% do ano anterior.

10 10 QUADRO G INDEMNIZAÇÕES E TAXA DE SINISTRALIDADE DO RAMO VIDA Anos Indemnizações brutas Taxa de sinistralidade ('000) (%) , , , , , Resultado de exploração Os custos técnicos do ramo vida, cujo valor totalizava milhões de patacas no ano de 2000, evoluíram 13.2% em relação a 1999, excedendo em 0.3 pontos percentuais do total da facturação do sector vida. A componente comissões, com um aumento de 22.0% foi a que mais contribuiu para o referido incremento, ao mesmo tempo que as provisões matemáticas e as indemnizações brutas sofreram acréscimos de, respectivamente, 12.4% e 7.9%. Tendo em atenção o resultado negativo verificado no resseguro cedido, conjugado com o agravamento dos custos técnicos deste sector, fez com que o resultado técnico registasse, pela primeira vez, o sinal menos, traduzindo num prejuízo de 5.2 milhões de patacas. Considerando, por outro lado, os encargos de gestão (cujo valor é elevado), suportados pelas seguradoras deste sector, o resultado de exploração atingiu os 125 milhões negativos, correspondendo a uma deterioração de 94.4% em relação ao ano de QUADRO H RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO DAS SEGURADORAS DO RAMO VIDA Prémios Custos Res. de Resultado Encargos Resultados Anos resseguro de De brutos técnicos cedido técnico gestão Exploração ('000) , ,539 3,940 29,174 81,509 (52,335) , ,917 (11,220) 23,067 72,928 (49,861) , ,858 2,009 18,955 84,778 (65,823) , ,211 (34,087) 31,932 96,234 (64,302) , ,475 3,021 (5,169) 119,825 (124,994) % (Em % dos prémios) (15.7) (2.7) (12.1) (12.6) (5.1) (9.6) (0.7) 15.9 (16.5)

11 11 (MOP'000) 950, , , , , , , , ,000 50,000 (50,000) (150,000) RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO VIDA 4 11, , , ,653 (52,335) (49,861) 521, , ,645 (65,823) 731,358 (64,302) 755, Prémios brutos Custos Resultados de exploração 880,321 (124,994) QUADRO I COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS TÉCNICOS Provisões Indemnizações Anos matemáticas Comissões brutas Total ('000) ,103 85, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,475 (%) /95 (34.4) / (17.6) / / / %

12 12 COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS TÉCNICOS RAMO VIDA (MOP'000) 350, , , , , , , , , , , , , ,448 85,191 62,103 50, , , , , , PROVISÕES MATEMÁTICAS COMISSÕES INDEMNIZAÇÕES BRUTAS 4. Resultado final Face ao exposto o resultado final do ramo vida, no ano em análise, foi mais uma vez desfavorável. Apesar dos rendimentos de natureza financeira auferidos pelas seguradoras deste sector terem evoluído praticamente para o quádruplo, em relação ao ano anterior, cifrando-se em 44.2 milhões de patacas, não foram, no entanto, suficientes para anular o prejuízo de exploração, pelo que o resultado final, em 2000, foi negativo no montante de 80,8 milhões de patacas, tendo-se agravado 49.8%, relativamente a QUADRO J RESULTADOS FINAIS DO RAMO VIDA ( 000) Rendimentos Anos Resultados de diversos líquidos Resultados Exploração de encargos finais financeiros 1996 (52,335) 30,971 (21,364) 1997 (49,861) 38,018 (11,843) 1998 (65,823) 44,046 (21,777) 1999 (64,302) 10,336 (53,966) 2000 (124,994) 44,160 (80,834)

13 13 VI. RAMOS GERAIS 1. Evolução dos prémios No que concerne aos ramos gerais, assinala-se, pelo terceiro ano consecutivo, a deterioração na produção bruta deste sector, desta vez com a taxa negativa de 4.8% contra -7.9%, em Este facto deveu-se fundamentalmente à recuperação lenta da actividade económica da RAEM, como consequência da recessão económica sentida mundialmente nos últimos tempos. Quanto aos prémios líquidos de resseguro, verificou-se que a respectiva evolução foi quase idêntica com a protagonizada pelos prémios brutos, situando-se em (-4.1%), pelo que a taxa de retenção registou também um ligeiro aumento em 0.5 pontos percentuais à assinalada em QUADRO K PRÉMIOS BRUTOS E LÍQUIDOS DOS RAMOS GERAIS Anos Prémios brutos Prémios líquidos Cap. de retenção ('000) % ('000) % (%) ,188 (8.3) 236,752 (10.5) ,620 (7.9) 208,391 (12.0) ,920 (4.8) 199,933 (4.1) Composição dos prémios brutos Analisando a estrutura e a evolução das principais modalidades que compõem o sector dos ramos gerais, verifica-se que o ramo incêndio, com uma produção de milhões de patacas, continua ser a modalidade mais importante, ocupando uma quota de mercado de 39.9%, embora tenha perdido 0.5 pontos percentuais em relação a Seguidamente, com 83.8 milhões de patacas aparece o ramo automóvel, que deteve 24.1% dos prémios dos ramos gerais, quando em 1999 a respectiva quota era de 23.9%. Os ramos diversos, que inclui várias sub- -modalidades, com 18.9% de peso na estrutura e 65.7 milhões de patacas, ligeiramente superior ao valor registado em 1999 (64.8 milhões de patacas), constituindo o terceiro ramo mais importante, logo seguido pelo ramo acidentes de trabalho com 48.3 milhões de patacas da produção bruta dos ramos gerais, equivalendo a uma quota de 13.9%, traduzindo um decréscimo de 0.6 pontos

14 14 percentuais quando comparado com Em último lugar, o ramo marítimocarga, tradicionalmente de pouca expressão no mercado segurador, com apenas 11.3 milhões de patacas de prémios brutos e um peso relativo de 3.2% contra os habituais 4.0% de média dos anos anteriores. Da leitura das variações no que diz respeito à taxa de crescimento das principais modalidades dos ramos gerais, não se registaram grandes oscilações entre elas, sendo apenas de realçar o ramo diversos assinalou com o sinal positivo com 1.4% de taxa de crescimento. Os remanescentes registaram decréscimos na respectiva evolução, sendo os ramos marítimo-carga e acidentes de trabalho os mais afectados, com decréscimos de 10.5% e-8.7%, respectivamente. Seguiram-se o incêndio com 6.0% e, por último, o ramo automóvel com -4.3%. QUADRO L COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS POR RAMOS DE SEGUROS Anos Acid. de Marítimo trabalho Incêndio Automóvel carga Diversos Total , , ,540 18,447 56, , , , ,765 19,119 65, , , ,530 98,281 14,662 72, , , ,804 87,513 12,585 64, ,620 ('000) , ,909 83,758 11,258 65, ,920 (%) /95 (10.1) (5.7) /96 (3.7) /97 (24.6) (7.3) (7.1) (23.3) 10.9 (8.3) 1999/98 (7.8) (4.4) (11.0) (14.2) (10.4) (7.9) 2000/99 (8.7) (6.0) (4.3) (10.5) 1.4 (4.8) %

15 15 (MOP'000) 180, , , , ,000 80,000 60,000 40,000 20,000 0 COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS (RAMOS GERAIS) Acidentes de Trabalho Incêndio Automóvel Marítimo-carga Diversos 3. Composição dos prémios líquidos No que se refere à produção líquida deste sector, o desenvolvimento foi inferior à do ano passado, totalizando milhões de patacas contra os milhões, o que corresponde a um decréscimo de 4.1%, tendo a taxa de retenção, que se situa em 57.5%, sido incrementada em 0.5 pontos percentuais relativamente a QUADRO M COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS LÍQUIDOS POR RAMOS DE SEGUROS Anos Acidentes de Marítimo Incêndio Automóvel trabalho carga Diversos Total ('000) ,132 66,807 86,006 9,550 26, , ,970 79,999 90,508 10,124 27, , ,075 74,533 82,099 7,503 32, , ,480 69,776 67,626 6,475 27, , ,076 67,531 65,473 5,563 27, ,933 (%) % 1996/95 (9.1) /96 (0.3) /97 (28.4) (6.8) (9.3) (25.9) 16.4 (10.5) 1999/98 (6.5) (6.4) (17.6) (13.7) (16.9) (12.0) 2000/99 (9.1) (3.2) (3.2) (14.1) 0.9 (4.1)

16 16 O panorama da estrutura dos prémios líquidos é muito semelhante à do ano anterior, com a variação entre as modalidades de seguro a ser mínima, não ultrapassando 1%. O ramo incêndio continua, no ano em apreço, a deter a maior quota de 33.8% contra os 33.5% do ano precedente, logo seguido pelo ramo automóvel que evoluiu em 0.2 pontos percentuais, ou seja uma fatia de 32.7% (32.5% em 1999). Os ramos acidentes de trabalho e diversos com 17% e 13.6%, respectivamente e, por último, o ramo marítimo-carga com apenas 2.8%. QUADRO N RETENÇÃO DOS RAMOS GERAIS Acid. de Marítimo (%) Anos trabalho Incêndio Automóvel carga Diversos Total No que se respeita à taxa de retenção dos respectivos ramos, verificou-se um ligeiro aumento no ramo automóvel de 78.2% contra os 77.3% de 1999, sendo, assim, o ramo que detém a mais elevada taxa de retenção do sector dos ramos gerais. Quanto aos restantes, o ramo incêndio é aquele que também registou variação positiva ao passar 47.2% em 1999 para os 48.6% em Os restantes ramos, ou seja, acidentes de trabalho, marítimo-carga e diversos, viram aumentar as respectivas taxas de cedência, pois o primeiro e o último aumentaram 0.2 pontos percentuais e o segundo 2.1 pontos relativamente ao ano anterior.

17 17 4. Evolução das indemnizações brutas Pelo segundo ano consecutivo os ramos gerais registaram melhoria, em termos de indemnizações brutas, desta vez com a taxa negativa de 4.3% contra os 11.7% do ano transacto, a que corresponde um valor de milhões de patacas. Da análise das indemnizações líquidas, verificou-se que as seguradoras se responsabilizaram por 62 milhões de patacas contra os 62.8 do ano anterior, uma redução na ordem de 1.3%, com a participação dos resseguradores a decrescer de 51.4% em 1999 para 49.9% no ano em apreço. Anos QUADRO O EVOLUÇÃO DAS INDEMNIZAÇÕES Indemnizações brutas Indemnizações líquidas Participação dos Resseguradores ('000) % ('000) % (%) , ,293 (8.5) , , , ,098 (1.7) ,239 (11.7) 62,841 (35.9) ,745 (4.3) 62,010 (1.3) Composição das indemnizações Na conjuntura dos ramos gerais, no ano de 2000, o ramo diversos passou a ser o mais afectado, ao deter um volume de 35 milhões de patacas, o que representa uma fatia de 28.2% do total das indemnizações processadas por este sector e com um aumento de 5.7% em relação a Entretanto, registou-se incremento substancial no volume das indemnizações do ramo incêndio que sofreu um agravamento de 76.3%, atingindo o valor de 31.7 milhões de patacas, e uma quota

18 18 de 25.6%. O ramo automóvel que, no ano em apreço, registou uma quota igual à do ramo incêndio, ou seja, 25.6%, registou por sua vez um decréscimo de 25.2% quando comparado com o ano transacto, logo seguido pelo ramo acidentes de trabalho com 20.3%, traduzindo um valor de 25.2 milhões de patacas, cuja taxa de crescimento se situa em 22% contra os 10.6% de E, por último, o ramo marítimo-carga com um peso irrelevante de 0.2%, o que em termos de valor absoluto, não atinge 250 mil patacas, tendo registado uma variação negativa na ordem dos 98.4%. QUADRO P COMPOSIÇÃO DAS INDEMNIZAÇÕES BRUTAS POR RAMOS DE SEGUROS Acid. de Marítimo Anos Trabalho Incêndio Automóvel Carga Diversos Total ('000) ,693 7,307 50,745 5,301 17,391 96, ,788 18,831 76,662 3,584 19, , ,073 25,650 70,562 14,089 13, , ,635 17,976 42,357 15,201 33, , ,170 31,690 31, , ,745 (%) % 1996/95 (1.8) (11.8) (12.3) (2,482.3) / (32.4) / (8.0) (31.7) /98 (10.6) (29.9) (40.0) (11.7) 2000/ (25.2) (98.4) 5.7 (4.3) No que respeita às indemnizações líquidas, o ramo automóvel continua ser o ramo que as seguradoras suportam, por sua conta, o maior volume de indemnizações, representando 38.9% do montante total, seguindo-se o ramo de acidentes de trabalho, com as responsabilidades em 16.9 milhões de patacas, representando 27.2% do valor global, e um acréscimo de 20.3% em relação a O ramo

19 19 diversos, por seu lado, foi responsável por um montante de 12.2 milhões de patacas, valor muito semelhante à do ano findo, o que se traduziu num peso de 19.7%, tendo a respectiva evolução decrescido para -0.5%. Constata-se ainda, que o valor retido pelo ramo incêndio se elevou de 6 milhões de patacas (1999) para 8.3 milhões (2000), um aumento de 39.9%, seguindo a tendência das indemnizações brutas, cuja retenção na conjuntura se situa em 13.4%. Por último, o ramo marítimo-carga, partilhando uma quota de pouca expressão, ou mais concretamente, de 0.8% do total das indemnizações líquidas do sector, revelando um decréscimo de 62.4%. QUADRO Q COMPOSIÇÃO DAS INDEMNIZAÇÕES LÍQUIDAS POR RAMOS DE SEGUROS Acid. de Marítimo Anos trabalho Incêndio Automóvel carga Diversos Total ('000) ,366 2,331 45,733 1,498 8,365 68, ,063 2,965 70,194 1,606 8,990 99, ,646 7,502 65,434 1,312 8,204 98, ,027 5,951 29,369 1,248 12,246 62, ,876 8,329 24, ,189 62,010 (%) % 1996/95 (13.2) (12.5) (16.0) (8.5) 1997/ /97 (2.6) (6.8) (18.3) (8.7) (1.7) 1999/98 (10.3) (20.7) (55.1) (4.9) 49.3 (35.9)

20 / (17.8) (62.4) (0.5) (1.3) 6. Taxa de sinistralidade A nível da taxa de sinistralidade, o sector dos ramos gerais teve, em 2000, um ligeiro agravamento de 0.8%, registando 35.6% contra 35.3%, em 1999, devendo salientar-se, no entanto, que na respectiva taxa, nos últimos três anos, não se constataram variações significativas, na medida em que a taxa manteve-se, na ordem dos 36% a 37%. O ramo diversos assumiu uma taxa muito semelhante à do ano transacto, passando de 51.0% em 1999 para 53.2% em O ramo acidentes de trabalho foi aquele que registou agravamento na respectiva taxa de sinistralidade, com uma taxa de 52.1% (39.0% em 1999). O ramo automóvel que, tradicionalmente, é o mais afectado, neste ano em apreço, revelou uma melhoria, com uma taxa de 37.8%, diferindo em 10.6 pontos percentuais em relação ao ano de O ramo incêndio com 22.8% de taxa, traduzindo uma deterioração na ordem de 10.6 pontos percentuais comparativamente com o ano precedente, e, por último, tem-- se o ramo marítimo-carga, que registou uma melhoria substancial ao passar de 120.8% em 1999 para 2.2% em 2000 Anos QUADRO R TAXA DE SINISTRALIDADE POR RAMOS DE SEGUROS Acid. de trabalho Incêndio Automóvel Marítimo carga Diversos Total (%)

21 21 COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS E INDEMNIZAÇÕES BRUTAS RAMOS GERAIS Acidentes de Trabalho Incêndio (MOP'000) 100,000 80,000 60,000 40,000 20, Prémios brutos Indemnizações brutas (MOP'000) 180, , ,000 90,000 60,000 30, Prémios brutos Indemnizações brutas Automóvel (MOP'000) 120, ,000 80,000 60,000 40,000 20, Prémios brutos Indemnizações brutas Marítimo-carga Diversos (MOP'000) 25,000 20,000 15,000 10,000 5, Prémios brutos Indemnizações brutas (MOP'000) 80,000 70,000 60,000 50,000 40,000 30,000 20,000 10, Prémios brutos Indemnizações brutas

22 22 7. Resultados de exploração Como efeito do agravamento dos custos técnicos (+7% relativamente a 1999), nomeadamente do montante dispendido nas indemnizações brutas, o qual atinge mais de metade do total desses custos, cerca de 51.6%, e com as comissões, como segunda maior componente, ao registar 43.5% do valor total, enquanto que o montante das provisões para riscos foi de apenas 5%. Assim sendo, o resultado técnico do sector dos ramos gerais, em 2000, atingiu os 77,1 milhões de patacas, montante inferior em 22.4%, face ao resultado do ano precedente, em termos de peso relativo, demonstrando uma regressão em 5 pontos percentuais, no ano em apreço. De notar que o resultado verificado representa cerca de 22.2% do total dos prémios auferidos por este sector. Atendendo à influência dos encargos de gestão, que ascenderam a 89.1 milhões de patacas (25.6% da produção bruta), o resultado de exploração dos ramos gerais registou num prejuízo de cerca de 12 milhões de patacas. QUADRO S RESULTADOS DE EXLORAÇÃO DAS SEGURADORAS DOS RAMOS GERAIS Prémios Custos Res. de Resultado Encargos Resultados Anos Resseguro de de brutos técnicos cedido técnico gestão exploração ('000) , ,307 75, ,982 85,275 22, , ,983 69,582 89,353 93,030 (3,677) , ,074 58,754 85,360 87,810 (2,450) , ,427 41,779 99,414 89,795 9, , ,030 30,792 77,098 89,076 (11,978) % (Em % dos prémios) (0.9) 1998 (8.3) (0.6) 1999 (7.9) (4.8) (3.4)

23 23 RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO (MOP'000) 470, , , , , , , ,000 70,000 20,000 (30,000) RAMOS GERAIS 412, , , , , , , , , ,898 22,707 9,619 (3,677) (2,450) Prémios brutos Custos Resultados de exploração (11,978) QUADRO T COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS TÉCNICOS Prov. p/riscos Comissões Indemnizações Total Anos em curso brutas ('000) (9.361) 116, , , (14.379) 109, , , , , , ,030 (%) / /96 (35.4) /97 (285.1) (10.1) 4.6 (7.6) 1999/ (5.6) (11.7) (11.3) 2000/99 (183.2) (4.8) (4.3) 7.0 %

24 24 QUADRO U RESULTADOS FINAIS DOS RAMOS GERAIS Rendimentos Resultados de diversos líquidos Resultados Anos exploração de encargos Finais financeiros ,707 13,663 36, (3,677) 14,093 10, (2,450) 20,201 17, ,619 21,018 30, (11,978) (29,078) (41,056) 8. Resultado final ('000) O papel dos rendimentos advindos de aplicações financeiras tem vindo a ser determinante para o resultado final do sector segurador. Em 2000, o sector dos ramos gerais foi a primeira vez em que tais rendimentos registaram um valor negativo de 29.1 milhões de patacas, por conseguinte, não conseguiram atenuar o prejuízo proveniente do resultado de exploração. Conjugado com o prejuízo registado no resultado de exploração com a perda nas aplicações financeiras, o resultado final assinala-se um prejuízo na ordem 41.1 milhões de patacas, correspondendo a um decréscimo de 234.0% em relação ao ano transacto. VII. BALANÇO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR Quanto ao balanço agregado do sector segurador, o peso das principais rubricas foram semelhantes ao do ano transacto. O total do activo do sector segurador foi ligeiramente superior ao registado no ano de 1999, tendo verificado um acréscimo de 12.4% e ascendido a 3,313.2 milhões de patacas contra os 2,946.6 milhões do ano anterior. De realçar os acréscimos de 25.2% e 19.0% nas rubricas participações dos resseguradores nas provisões técnicas e imobilizações líquidas, o que fizeram aumentar o peso relativo destas rubricas de 16.3% e 51.5% em 1999 para 18.2% e 54.5% em 2000, respectivamente. No campo do passivo, a par do incremento das provisões técnicas, as quais constituem a sua maior componente, partilhando mais de metade das responsabilidades das seguradoras, com 1,736.2 milhões de patacas equivalendo a um aumento de 25.8% em relação ao ano anterior, verificou-se que a rubrica

Aviso nº 002/2015-AMCM

Aviso nº 002/2015-AMCM Aviso nº 002/2015-AMCM ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA - LISTA DAS SEGURADORAS AUTORIZADAS E DAS ENTIDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO AUTORIZADAS A Autoridade Monetária

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU Aviso nº 005/2011-AMCM

AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU Aviso nº 005/2011-AMCM AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU Aviso nº 005/2011-AMCM ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA - LISTA DAS SEGURADORAS AUTORIZADAS E DAS ENTIDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO AUTORIZADAS

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU Esta publicação foi editada em conjunto pela Direcção dos Serviços de Economia (DSE), Autoridade Monetária de Macau (AMCM) e Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC).

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2007 Índice 2 Índice 3 4 26 33 85 104 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2007 Índice 2 Índice 3 4 28 29 31 34 35 37 40 41 107 174 Relatório

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS UNIVERSIDADES PORTUGUESAS RELATÓRIO DE AUDITORIA ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

FUNDAÇÃO DAS UNIVERSIDADES PORTUGUESAS RELATÓRIO DE AUDITORIA ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 FUNDAÇÃO DAS UNIVERSIDADES PORTUGUESAS RELATÓRIO DE AUDITORIA ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010!"##$#%&'(() *+&,-+#-(.(/+&,-+01##. Inscrita na Lista dos Revisores Oficiais de Contas

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005 Fidelidade Mundial - Seguros Relatório e Contas 2005 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 ìndice 2 Índice 3 4 26 39 96 136 159 Orgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 27 Banco de Cabo Verde INDICE 1. Enquadramento..3 2. Caracterização do Sector..7 3. Aspectos Técnicos e Financeiros.. 8 3.1. Resseguro Cedido..1 3.2. Sinistralidade..1

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07

Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07 Actividade Bancária Ordem Executiva n 1/2007 (B.O. n 3/07 - I Série, de 15 de Janeiro) Define as taxas de fiscalização de várias instituições autorizadas a operar na Região Administrativa Especial de Macau

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A.

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2006 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2006 Índice 2 Índice 3 4 27 40 104 144 167 Órgãos Sociais Relatório

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 INTRODUÇÃO A sociedade SEGURSENA-MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA (doravante designada por sociedade) Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP 6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP i. Fundo de Garantia Automóvel Actividade Desenvolvida Em 2007 foram participados ao Fundo de Garantia Automóvel 5 515 acidentes, menos 12,8% do que em 2006. É de assinalar

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2011)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2011...

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. 1 Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2008 Índice 2 Índice 4 27 29 30 32 33 34 35 206 247 Relatório

Leia mais