DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO MEIO BIÓTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO MEIO BIÓTICO"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO MEIO BIÓTICO Realização: Caapuã etê Engenharia Ambiental Piracibaca SP Ano:

2 1. DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO MEIO BIÓTICO 1.1 Introdução A realização do diagnóstico ambiental referente ao meio biótico busca identificar o maior número de espécies da fauna e flora que ocorrem na área de estudo, assim como seu atual estado de conservação. Para tanto, foram realizadas incursões nas principais fisionomias vegetais que ocorrem na área, sendo estas: mata ou floresta estacional semidecídua, capoeira, campos rurais, vegetação de várzea e mata ripária, assim como nos principais campos de cultivo e pastagens da região. Foram caracterizados os remanescentes florestais, a composição da avifauna, mastofauna, ictiofauna e herpetofauna, visando identificar e cruzar com possíveis impactos da região aos componentes do meio biótico para que se possa mitigar os impactos negativos e maximizar os impactos positivos oriundos da antropização da região. 1.2 Caracterização da Área de Estudo A vegetação nativa no interior do Estado é atualmente restrita aos reduzidos fragmentos de mata Semidecidual e Cerrado, sendo estes isolados na maioria das vezes devido às extensas áreas cultivadas. Esta vegetação encontra-se altamente ameaçada e os estudos sobre sua biodiversidade são ainda escassos, tanto na determinação da composição total, como na estrutura, funcionamento e alterações em curto, médio e longo prazo derivados desse sistema de desenvolvimento econômico. De acordo com o Sistema de Informações Ambientais SINBIOTA, no Atlas da biodiversidade do Estado de São Paulo financiado pela FAPESP Fundação de Amparo a Pesquisa no Estado de São Paulo, a vegetação original da área investigada englobava quatro grandes biomas sendo eles: Agrupamento Savana, que engloba as áreas de cerrado em suas diferentes formações; Áreas de Contato entre o bioma Savana e a Floresta Estacional Semidecidual na maior parte; Agrupamento de Floresta Estacional Semidecidual e Vegetação de Várzea. A Figura 1. ilustra a área de abrangência destas formações originais na região estudada. 2

3 Figura 1.1. Mapa de vegetação original. No que se refere às áreas de importância biológica propostas pelo Dossiê da Mata Atlântica 2001, Rede de ONGs da Mata Atlântica (2001), na área investigada encontram-se duas áreas classificadas como de Extrema Importância Biológica, sendo elas a 315 Mata do Mosquito e 322 Pontal do Paranapanema (Figura 1.) 3

4 Figura 1.2. Mapa de importância biológica, em destaque área em estudo. Estas áreas, por apresentarem grande potencial para a conectividade, principalmente para a preservação de mamíferos de grande porte, devem ser alvos para futuros projetos de reflorestamento e de constituição de corredores ecológicos, visando a conexão de fragmentos isolados a fim de favorecer a troca genética entre os maciços de vegetação, aumentar a área de vida de certas espécies da fauna silvestre, isoladas em fragmentos florestais na região, e facilitar a restauração dos processos ecológicos interferidos negativamente pelas atividades antrópicas. Embora a região esteja classificada quase que em sua totalidade como de prioridade média e baixa para o incremento da biodiversidade (conectividade/biota - Figura 1.3), por apresentar grande potencial para a preservação de inúmeras espécies com alta sensibilidade ambiental, ressalta-se a importância de medidas visando a conexão e manutenção dos remanescentes de vegetação nativa, áreas reflorestadas e APPs da região em estudo. 4

5 Figura 1.3. Mapa das áreas prioritárias para a conectividade (em destaque municípios que possuem parcialmente e/ou totalmente seus territórios na UGRHI 22) 1.3 Levantamento Florístico Introdução O elevado grau de perturbação dos fragmentos florestais apresenta-se como uma característica marcante nos remanescentes florestais no Estado de São Paulo, sendo necessário o desenvolvimento de atividades e propostas que fomentem a preservação dos remanescentes florestais existentes, bem como a ampliação das áreas com florestas nativas no Estado de São Paulo. 5

6 1.3.2 Caracterização da Vegetação na Áreas de Estudo De modo geral, a cobertura vegetal da área investigada apresenta-se como um mosaico formado de áreas altamente antropizadas, destacando-se: Áreas rurais formadas por áreas homogêneas com espécies de gramíneas (i.e., Capimbraquiária) Talhões destinados aos cultivos silvi-agrícolas (i.e., Eucalipto) Estreitas faixas florestais de matas ciliares e fragmentos florestais com alto grau de perturbação, situados próximos ao Rio Paraná, Paranapanema e Córregos tributários Áreas alagadas dominadas por macrófitas aquáticas junto às áreas de drenagem da região Áreas ocupadas por rodovias e pela urbanização de uso misto Assentamentos rurais do Movimento dos Sem Terra Portanto, visando sistematizar as informações relevantes, definiu-se uma divisão didática da área investigada, sendo realizada a caracterização da flora, dentro das áreas de interesse, a partir da sua eco-fisionomia. Além disso, as informações contidas no presente relatório visam servir de subsídio para a avaliação do estado de conservação dos fragmentos da região, bem como de base para os estudos da integração florestal dentro de um Plano Diretor Regional de Recomposição Florestal Metodologia Em relação ao levantamento dos maciços arbóreos e das essências florestais isoladas na área investigada, optou-se pelo Método de Caminhamento Aleatório (Curti, 1950) devido ao elevado grau de degradação da área e interferência antrópica. Este método consiste no caminhamento por toda área, identificando as espécies presentes, realizando anotações na ficha de campo, registro fotográfico e a coleta de material vegetal. Para o levantamento do estrato arbóreo e indivíduos isolados, foram considerados todos os indivíduos com DAP maior que 05 cm, além das plântulas situadas a pleno sol ou no sub-bosque. Em relação ao levantamento do estrato herbáceo e arbustivo foi também utilizado o Método de Caminhamento Aleatório. Por fim, em relação à ocupação agrícola, verificou-se o uso do solo através de observações visuais, registros fotográficos e mapas. 6

7 Além da composição das principais espécies arbóreas encontradas nos fragmentos florestais, foram coletadas informações sobre suas principais características, como fisionomia, estágio de regeneração, dossel e impactos atuais. A escolha dos fragmentos amostrados procedeu-se considerando os seguintes critérios: a) Representatividade da vegetação remanescente na região; b) Facilidade e autorização para o acesso aos fragmentos florestais, c) Facilidade de caminhamento no interior e na borda dos fragmentos; Para a determinação dos DAPs médios e mais relevantes, foram delimitadas parcelas de 300 m² (10mX30m) nos fragmentos amostrados. As medidas dos CAPs (Circunferência a Altura do Peito) foram realizadas utilizando-se fita métrica e posteriormente transformadas em DAPs sendo que os DAPs considerados foram de indivíduos de grande porte. A média caulculada foi a média simples dos indivíduos amostrados. A partir da contagem dos indivíduos presentes na parcela delimitada, foi possível estimar o número de indivíduos arbóreos com DAP maior ou igual a 5 cm por hectare. A espessura da serrapilheira foi determinada através da medida de material orgânico não mineralizado em 3 pontos no interior da parcela, retirando-se a média destas medidas. Para a determinação dos estágios de regeneração dos fragmentos amostrados, foi utilizada a Resolução CONAMA 01/94, de 31 de janeiro de 1994 para as áreas de Floresta e suas transições para o Cerrado. Borda de fragmento com elevado efeito de borda Dossel com elevada quantidade de trepadeiras 7

8 Transição entre floresta e cana-de-açúcar Borda de fragmento em estágio inicial de regeneração (capoeira) Figura 1.4. Registros fotográficos de pontos de amostragem da flora Resultados Plantas Herbáceas, Arbustivas e Trepadeiras Além da predominância de capins utilizados em pastagens (i.e., Capim-braquiária (Brachiaria sp)) e da cana-de-açucar (Saccharum officinarum) dentre as poáceas, destacam-se também: Capim-colonião (Panicum maximum), Capim-pé-de-galinha (Chloris sp), Capim-rabo-deburro (Andropogon bicornis), Bambuzinho-da-mata (Pariana sp), Grama-seda (Cynodon dactylon) e agrupamentos de bambus (Bambusa sp). Nas bordaduras de fragmentos florestais, nas beiras de estradas e represas e nas porções do terreno a partir das áreas mais alagadas até as partes mais altas, pode-se observar de forma bastante esparsa, manchas de vegetação compostas por plantas herbáceas e arbustivas. Esses elementos herbáceos e arbustivos são formados principalmente pelas espécies: Janaúba (Calotropis procera), Mamona (Ricinus communis), Pateiro (Couepia uiti), Vassourinha (Baccharis dracunculifolia), Assa-peixe (Vernonia sp), Perpétua (Gomphrena celosioides), Falsa-Urtiga (Laportea aestuans), Jurubeba (Solanum asperolanatum), Joá-bravo (Solanum palinacanthum), Caapeba (Piper aduncum), Hortelã-brava (Hyptis sp), Malva (Sida sp), Caruru (Amaranthus sp), Fedegosão (Senna sp), além de cyperaceas, pteridophytas, cactáceas (i.e., Cereus jamacaru) e Gravatá (Ananas sp). 8

9 Dentre as trepadeiras e epifitas, destacam-se: Cipó-de-são-joão (Pyrostegia venusta), Cordade-viola (Ipomoea cairica), Cipó-neve (Arrabidade florida), Cipó-de-água (Amphilophium paniculatum), Cipó-campainha (Merremia dissecta), Cipó-candeia (Babisteriopsis sp), Cipó-florido (Anredera sp), Cipó-cordia (Cissus sp), Cipó-guaco (Dioscorea sp), Cipó-cambará (Prestonia sp), Cipó-florido (Govania sp), Cipó-balão (Cardiospermum sp), Jarrinha (Aristolochia galeata), Cipófloridinho (Chamissoa altissima), entre outras. Espécies raras: Destacam-se: Jatobá (Hymenaea courbaril), Cheflera (Schefflera sp), Guajuvira (Patagonula americana), Mataíba (Matayba elaeagnoides), Eritrinia (Erithryna sp), Pindaíva-de-macaco (Porcelia sp), Peroba-rosa (Aspidosperma polyneuron), Jenipapo (Genipa americana), Taiuva (Maclura tinctoria), Pau-marfim (Balfourodendron riedelianum), Cedro-rosa (Cedrela fissilis), Óleode-copaíba (Copaífera langsdorffii), entre outras. Espécies intermediárias: Destacam-se: Amendoim-bravo (Platypodium elegans), Farinha-seca (Albizia hasslerii), Ingá (Ingá sp), Canafístula (Peltophorum dubium), Leiteiro (Sapium glandulatum), Catiguá (Trichilia hirta), Ipê-roxo (Tabebuia sp), Jacaranda (Machaerium sp), Marinheiro (Guarea guidonia), Tamanqueiro (Aegiphila sellowiana), Angico (Anadenanthera peregrina), Amendoim-do-campo (Pterogyne nitens), Figueira-mata-pau (Fícus guaranitica), Ipê-amarelo-cascudo (Tabebuia chrysotricha), Ipê-felpudo (Zeyheria tuberculosa), Falso-amendoim (Acosium subelegans), e a palmeira Jerivá (Syagrus romanzoffiana). Espécies abundantes: Sãp espécies arbóreas formando agrupamentos homogêneos, em áreas de beira de estradas e bordaduras de fragmentos florestais, destacam-se: Leiteiro (Peschiera fuchsiaefolia), Aguai (Chrysophyllum gonocarpum), Amarelinho (Helietta apiculata), Monjoleiro (Acacia sp), Embaúba (Cecropia pachystachya), Sangra d água (Croton urucurana), Capixingui (Cróton floribundus), Candeia (Gochnatia polymorpha), Açoita-cavalo (Luehea sp), Arranha-gato (Acácia plumosa), Marica (Mimosa sp), Chal-chal (Allophylus edulis), Guaçatonga (Casearia sylvestris) e Grão-degalo (Celtis glicicarpa), e a palmeira Macaúba (Acroconia aculeata) Considerações Finais Através do estudo realizado, foram evidenciadas 87 espécies arbóreas, sendo que duas destas, Apuleia leiocarpa e Trichilia cf. hirta, encontram-se classificadas nas categorias Em Perigo 9

10 e Vulnerável, respectivamente, na lista das espécies ameaçadas contida na Resolução SMA 48 de As espécies herbáceas, palmeiras, arbustivas, trepadeiras e epífitas somaram 93 espécies. Em geral, os fragmentos das Áreas investigadas encontram-se em estágio médio e inicial de regeneração, sendo o efeito de borda uma característica marcante dos fragmentos amostrados, e em geral o dossel apresenta-se descontínuo. 10

11 1.4 Levantamento Faunístico Mastofauna Introdução Os animais conhecidos por mamíferos compreendem todas as espécies da Classe Mammalia, um conjunto de animais que abrange uma coleção de hábitos, habitats, comportamentos e adaptações variadas para sobreviverem em ambientes diversos, horários do dia diferentes e em condições extremas de clima e disponibilidade de recursos. Estas características biológicas, ecológicas, geográficas e comportamentais conferem à fauna de mamíferos uma variada interação de hábitos e usos do habitat que dificultam sua identificação, necessitando de um esforço contínuo e diferenciado para abranger tal escopo de variação Materiais e Métodos A comparação dos dados primários e secundários foram realizadas comparações de similaridade entre os pontos amostrados em campo e os dados apresentados por Bassi (2003) através do Índice de Similaridade de Jacccard, considerando ponto a ponto e a compilação dos mesmos. Para a caracterização da área de estudo foram realizadas amostragens em locais que pudessem gerar uma matriz de dados de riqueza de espécies e composição de espécies capaz de comparar os remanescentes florestais em relação à proximidade de Unidades de Conservação, Porte e Bacia Hidrográfica (Tributários do Paranapanema ou Paraná). O grau de ameaça foi determinado pela utilização das listas oficiais do Ministério do Meio Ambiente (MMA) (Instrução Normativa no 3, de 27 de maio de 2003) e a atualização da lista oficial do Estado de São Paulo publicada pela Secretaria do Meio Ambiente (Decreto , de 2 de outubro de 2008) considerando os apêndices I Vertebrados Ameaçados, III Vertebrados Quase Ameaçados e IV Espécies de Vertebrados com Dados Deficientes. A nomenclatura taxonômica determinada através do livro Mamíferos do Brasil de REIS e colaboradores (2006). Dados sobre hábitos alimentares, preferência de habitat, sensibilidade a atividades humanas, porte e área de vida foram utilizados, além do livro supra citado, os livros de EISEMERG e REDFORD (1999) e EMMONS e FEER (1999). A identificação dos indícios de 11

12 rastros, arranhões e fezes seguiram as orientações apresentadas por BECKER & DALPONTE (1991) e BORGES e TOMAS (2004). Coleta de dados A primeira campanha de campo foi realizada entre os dias 19 e 24 de agosto, totalizando 40 horas de amostragem em campo, contando com a instalação de três armadilhas fotográficas na região, totalizando 1284 horas de armadilhamento. A segunda campanha ocorreu entre os dias 2 e 7 de setembro, quando foram retiradas as armadilhas fotográficas, totalizando um esforço em campo nesta campanha de 47 horas. Em cada Transecto foi percorrido 1 km a pé, onde eram anotados os avistamentos da mastofauna, os indícios de pegadas, fezes ou outros registros de mamíferos, totalizando 23 horas de esforço. Durante o dia foram percorridos longos trechos de estradas asfaltadas e de leito natural, onde foram procurados registros de atropelamentos de fauna e eventuais avistamentos. Esta atividade foi considerada como transecto motorizado diurno e obteve um esforço de 30 horas. Outra metodologia adotada ao longo do trabalho foram os transectos noturnos motorizados nas áreas limítrofes dos remanescentes florestais e na rodovia SP-613, sendo despendido um esforço de 20 horas nesta atividade, buscando novamente avistamentos da fauna de mamíferos. As demais 14 horas de amostragens foram realizadas em diferentes atividades, como conversas com moradores locais a respeito da fauna local, pontos de paradas para amostragens de outros grupos, onde eram avistados indícios ou elementos da mastofauna e pontos de espera e reprodução sonora para felinos e primatas ao longo da borda de remanescentes florestais durante as horas de atividade destes animais (crepúsculos para felinos e meio da manhã para primatas) Resultados Foram identificadas para a região 34 espécies nativas de mamíferos, distribuídas em 8 Ordens, 18 Famílias, 3 gêneros nativos sem identificação da espécie e 5 espécies exóticas. Os dados biológicos e ecológicos compilados na literatura para as espécies identificadas foram anotados. Assim, considerou-se apenas as espécies nativas, retirando os gêneros e as espécies exóticas, relacionando os fatores de impacto associados às espécies nativas bem como o Índice de Sensibilidade a Alterações Humanas. Os atropelamentos de fauna foram evidenciados para 4 espécies (Didelphis albiventris, Tamandua tetradactyla, Lontra longicaudis e Puma yagouaroundi), como mostra a Figura 1. a seguir. 12

13 Tamandua tetradactyla Didelphis albiventris Puma yagouaroundi Lontra longicaudis Figura 1.5.Registros fotográficos de animais atropelados nas rodovias locais durante as atividades de campo. Em relação aos atropelamentos, inúmeras iniciativas já foram tomadas pela administração do PEDM em parceria com o IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas), tal como desenvolver material de educação ambiental ao longo da rodovia, elaboração de folhetos informativos, sinalização de travessia de animais silvestres, construção de passagens subterrâneas para a fauna e redução da velocidade máxima permitida para 70km/h (Figura 1.), sendo que esta não é respeitada pela maioria dos motoristas que trafegam no local, como pode-se constatar em campo. 13

14 Velocidade máxima permitida Sinalização de travessia de fauna silvestre Placas de conscientização e educação ambiental Locais de travessia subterrânea de fauna Figura 1.6. Iniciativas adotadas na região para minimizar o efeito dos atropelamentos na margem da SP-613 ao longo do PEMD. Dois impactos que não foram evidenciados no local, mas que apresentam riscos para a área de estudo são os incêndios florestais, que possuem histórico de ocorrência na região (Plano de Manejo PEMD), e as mortes por queimadas programadas, acidentais ou mesmo criminosas nos canaviais. Incêndios florestais podem ser minimizados em relação a sua ocorrência se não forem realizadas queimadas programadas nas áreas limites dos remanescentes florestais. Esta prática já poderia reduzir eventuais danos aos elementos da fauna por si só, já que vários animais utilizam a área plantada em seu deslocamento diário (Figura 1.). 14

15 Figura 1.7. Indicativo de uso de área plantada com cana-de-açúcar por onça-parda em deslocamento, ponto Ma11a (22K / ). 15

16 Acervo Fotográfico Macho de Alouatta fusca (Bugio) Fêmea de Alouatta fusca (Bugio) Cebus nigritus (Macaco-Prego) Pecari tajacu (armadilha fotográfica) (Cateto) Sylvilagus brasiliensis (armadilha fotográfica) (Tapeti) Dasyprocta azarae (armadilha fotográfica) (Cutia) 16

17 Dasypus novemcinctus (armadilha fotográfica) (Tatu-galinha) Cerdocyon thous (acervo Caapuã etê/pemd) (Cachorro-do-mato) Panthera onca (acervo Caapuã etê/pemd) (Onça-pintada) Puma concolor (acervo Caapuã etê/pemd) (Onça-parda) Leopardus pardalis (acervo Caapuã etê/pemd) (Jaguatirica) Tapirus terrestris (acervo Caapuã etê/pemd) (Anta) 17

18 Hydrochoerus hydrochaeris (acervo Caapuã Pegada de Tapirus terrestris (Anta) etê/pemd) (Capivara) Pegada de Eira bárbara (Irara) Pegada de Cerdocyon thous (Cachorro-domato) Pegada de Lepus europaeus (Lebre-européia) Pegada de Puma concolor (Onça-parda) 18

19 Pegada de Leopardus pardalis (Jaguatirica) Pegada de Mazama sp (Veado) Figura 1.8. Registros fotográficos de mamíferos e rastros evidenciados nas Áreas investigadas Avifauna Introdução Calcula-se que hoje em torno de seja o número de espécies viventes de aves do planeta. A América do Sul possui cerca de espécies (Sibley & Monroe, 1990), destas, são registradas para o Brasil (Sick, 1997) e 738 para o Estado de São Paulo. A diversidade ambiental do Estado de São Paulo, com relevo e tipos distintos de vegetação, é a responsável pelo registro de 750 espécies de aves, aproximadamente 45% das espécies da avifauna brasileira Metodologia Um levantamento quantitativo rápido foi realizado a fim de obter uma listagem mais completa das aves que ocorrem na região do Pontal do Paranapanema. A coleta de dados foi realizada no período de 19 a 23 de agosto e de 2 a 6 de setembro de As observações foram realizadas no período diurno, do amanhecer até o final do entardecer (5:45 às 18:30hs.), ficando sem registros nas horas mais quentes do dia (12:00 às 13:30hs.), sendo também realizada uma focagem noturna (19:00 às 21:00hs.). 19

20 Foram realizados transectos irregulares no interior e na borda dos fragmentos sendo que os métodos utilizados para o registro das espécies foram a observação direta (visual), com auxílio de binóculos (10X50 e 8X40), auditivos e play-back, no qual, as vocalizações foram frequentemente gravadas e repetidas com o auxilio de um gravador manual, para estimular o canto das aves ou foram emitidos cantos e gritos de guias sonoros a fim de facilitar seu avistamento e sua identificação. Para a identificação das aves foi utilizado o guia de campo All Birds of Brazil (Deodato de Sousa, 2003) e os guias sonoros (Vielliard, 1999; Vielliard, 2002). A nomenclatura das aves segue a utilizada por Sick(1997). Os animais detectados foram localizados na lista oficial de animais ameaçados de extinção do IBAMA e do Decreto Estadual (Decreto Estadual ) para o Estado de São Paulo e suas categorias de ameaça foram correlacionadas com o guilda alimentar que a espécie pertence, utilizando-se a mesma legenda indicada anteriormente Resultados Foram totalizadas 42 horas de observação, sendo apenas 2:00 horas de observação noturna e 40 horas de observação diurna (em média das 6:15hs. até as 18:00hs). Para os dados quantitativos foi utilizado um período de 2 horas por ponto de amostragem. Durante o levantamento foram observadas 116 espécies de aves, sendo 108 espécies utilizadas para o levantamento quantitativo e 8 espécies amostradas fora dos pontos de amostragens no deslocamento entre a área de estudo por outros membros da equipe. As 108 espécies utilizadas para os dados quantitativos foram distribuídas em 41 Famílias nos 4 pontos amostrados. Os dados biológicos e ecológicos foram anotados, tais como agregação, Guilda Alimentar, Sensibilidade e Habitat preferencial. Dentre os registros das aves neste estudo, 16 espécies estão presentes na lista de espécies com algum grau de ameaça para a lista do Estado de São Paulo. Um monitoramento das espécies ameaçadas se faz necessário nesta região onde, o Plano de Manejo do P. E. Morro do Diabo apresenta uma lista de 19 espécies de ocorrência na Região do Pontal. Das 19 espécies registradas, apenas 4 espécies estão presentes nas amostragens deste estudo (Sarcoramphus papa, Ara ararauna, Amazona aestiva e Procnias nudicollis), subindo assim para 31 espécies de ocorrência na região presentes na lista de ameaça da SMA (Dec de 2008), um número muito alto, comprovando a grande importância que a região tem para a preservação e manutenção destas espécies no Estado de São Paulo. 20

21 Acervo fotográfico Furnarius rufus (João-de-barro) Heterospizia meridionalis (Gavião-caboclo) Rupornis magnirostris (Gavião-carijó) Cathartes aura (Urubu-de-cabeça-vermelha) Cacicus haemorrhous (Guaxe) Ramphastos toco (Tucano) 21

22 Momotus momota (Udú-de-coroa-azul) Rhynchotus rufensis (Perdiz) Dryocopus lineatus (Pica-pau-de-banda-branca) Sarcoramphus papa (Urubu-rei) Anhima cornuta (Anhuma) Amazona aestiva (Papagaio-verdadeiro) 22

23 Pseudoleistes guirahuro (Chopim-do-brejo) Ara ararauna (Arara-canindé) Coryphospingus cucullatus (Tico-tico-rei) Figura 1.9. Registros fotográficos de aves evidenciadas na área de estudo Herpetofauna Introdução O estado de São Paulo era predominantemente recoberto por Mata Atlântica e manchas de Cerrado (Ab Saber, 2003), mas atualmente, como resultado do intenso processo de expansão agropecuária no século XX, apenas 13,4% do seu território está recoberto pela vegetação original (Valladares-Pádua & Faria, 2003). Apesar disso, cerca de 180 espécies de anuros são conhecidas no estado de São Paulo, o que corresponde a 35% da diversidade brasileira (Haddad, 1998) e mais de 186 espécies de répteis. A maioria dos estudos envolvendo inventários de espécies de anuros e répteis neste estado estão concentrados na região litorânea, onde ocorre a maioria dos 23

24 remanescentes de Mata Atlântica (e.g. Pombal Jr., 1997; Bertoluci & Rodrigues, 2002; Pombal Jr. & Gordo, 2004). Com exceção de poucos estudos (e.g. Vizotto, 1967), as comunidades de anuros do interior deste Estado vêm sendo estudadas apenas recentemente, tanto em áreas de unidades de conservação (e.g. Toledo et al., 2003; Brasileiro, 2004), quanto em áreas fortemente influenciadas por atividades agro-pastoris (Bernarde & Kokobum, 1999; Vasconcelos, 2005) Materiais e Métodos O levantamento foi realizado entre os dias 19 e 24 de agosto de 2009, nos períodos diurno e noturno, na região do Pontal do Paranapanema. O método de levantamento da herpetofauna consistiu em caminhadas nos períodos diurno e noturno, vasculhando os ambientes onde esses animais habitualmente se abrigam como em cavidades de árvores, formigueiros, cupinzeiros, serrapilheira, sob rochas e troncos, e nos mais variados ambientes, como banhados, brejos, no interior de plantas epífitas, e assim por diante, conforme recomendado por Vanzolini et al. (1980). No período noturno, com auxílio de lanternas, foram realizadas buscas na vegetação (marginal e aquática). No caso dos anuros, se necessário, a vocalização de algumas espécies foi gravada para posterior auxílio à identificação. Também foi utilizado o método de coleta por terceiros, que consiste no registro por fotografias ou entrevistas com pessoas locais e houve a utilização de automóvel áreas amostradas. Para os lagartos e anfisbenídeos as coletas podem ser feitas manualmente e para os ofídios, além das coletas manuais, contando-se com o auxílio de ganchos e pinções (jacarés) (ver Franco & Salomão, 2002). Os cágados podem ser capturados em corpos d água, tanto manualmente quanto com puçás ou redes (Lagler, 1943). Já para os anfíbios priorizou-se a amostragem no período noturno, quando a grande maioria das espécies está em atividade de forrageamento ou reprodução, período em que as espécies são facilmente encontradas por busca aural. Esses métodos têm como objetivo ampliar o inventário das espécies, assim como obter informações sobre riqueza, distribuição das espécies nas diferentes unidades de paisagem, padrões de atividade e outros aspectos da ecologia da fauna de répteis e anfíbios da região. Em campo foram percorridos os mais diversos ambientes a pé e/ou de automóvel, totalizando cerca de 60 horas de amostragem. 24

25 Sítios de Coleta Os ambientes para amostragem da herpetofauna foram selecionados de modo a representar e contemplar a área de estudo Resultados Foram totalizadas 30 horas de amostragem durante o período de coleta, registrando-se um total de 15 espécies por dados primários, sendo 13 de anfíbios, pertencentes a 10 gêneros e distribuídos nas seguintes 5 famílias: Hylidae (7 ssp.), Leiuperidae (3 ssp.), Leptodactylidae (1 ssp.), Bufonidae (1 ssp.) e Microhylidae (1 ssp.). Quanto aos répteis, foram registradas somente 2 espécies de lagartos: Ameiva ameiva e Tropidurus torquatus. A maioria das espécies de anfíbios anuros e répteis encontrados na área (anfíbios anuros: Hypsiboas albopunctatus, Dendropsophus nanus, Dendropsophus minutus, Dendropsophus sanborni, Rhinella schneideri, Scinax fuscovarius, Scinax fuscomarginatus, Leptodactylus podicipinus, Physalaemus cuvieri e os lagartos: Ameiva ameiva e Tropidurus torquatus), são generalistas e apresentam ampla distribuição geográfica, muitas vezes ampliada pela formação de áreas antrópicas abertas em detrimento das florestas. Tendo em vista que a sazonalidade é um fator determinante para a ocorrência da herpetofauna e que a campanha de campo foi realizada em um período em que muitas espécies não se encontram em atividade, foram efetuadas pesquisas em coleções científicas e literatura com a finalidade de complementar os dados gerados no campo. Nenhuma das espécies da herpetofauna registradas no presente relatório se encontra na lista de animais ameaçados de extinção (IBAMA, 2003 e Decreto Estadual Decreto Estadual de 2 de outubro de 2008) Considerações Finais Considerando-se a diversidade de hábitats da área e a curva de acumulação de espécies de anfíbios, provavelmente o número de espécies deverá aumentar com a realização de novos inventários na região. A metodologia utilizada e a duração das etapas de coletas para amostrarem répteis podem não ser consideradas eficientes pois esses animais geralmente apresentam maior mobilidade e conseqüentemente uma maior capacidade de fuga do que os anuros. Além disso, muitos representantes da herpetofauna possuem camuflagem extremamente eficiente, o que 25

26 demandaria mais tempo amostral. Agregar novas informações sobre a herpetofauna da região amostrada é fundamental para apoiar ações de conservação Acervo Fotográfico Dendropsophus nanus (Pererequinha) Dendropsophus minutus (Pererequinha) Dendropsophus sanborni (Pererequinha) Hypsiboas albopunctatus (Perereca-cabrinha) 26

27 Scinax fuscovarius (Perereca) Scinax fuscomarginatus (Perereca) Pseudis paradoxa (Perereca) Leptodactylus podicipinus (Rã-gotinha) Physalaemus cuvieri (Rã-cachorro) Pseudopaludicola aff. Falcipes (Rãzinha) 27

28 Rhinella schneideri (Sapo-cururu) Elachistocleis bicolor (Apito-do-campo) Figura Registros fotográficos de espécies de anfíbios evidenciados nas Áreas investigadas Ictiofauna Introdução O sistema do Alto Rio Paraná pertence à região ictiofaunística do Paraná, que inclui o sistema dos Rios da Prata-Uruguai-Paraná-Paraguai, e representa o segundo maior sistema de drenagem na América do Sul que corresponde à porção da bacia do Rio Paraná situada a montante de Sete Quedas (agora inundada pelo Reservatório de Itaipu), abrigando grandes tributários como os rios Grande, Paranaíba, Tietê e Paranapanema. A drenagem do Alto Rio Paraná possui aproximadamente km 2, incluindo o norte do Estado do Paraná, sul do Mato Grosso do Sul, a maioria do Estado de São Paulo (a oeste da Serra do Mar), sul de Minas Gerais, sul de Goiás e uma área pequena do Paraguai oriental adjacente ao Mato Grosso do Sul (Castro et al., 2003 e Langeani et al., 2007). Há fortes evidências de que, pelo menos com relação a alguns grupos de peixes, o Alto Rio Paraná constitua uma área de endemismo, causalmente conectada à formidável barreira para os peixes migradores representada, até recentemente, por Sete Quedas, que isolou por muito tempo a maioria da ictiofauna do Alto Rio Paraná da fauna remanescente dos sistemas dos rios da Prata- Uruguai-Paraná-Paraguai (Castro et al., 2003). 28

29 Metodologia O reconhecimento das áreas, a escolha dos sítios amostrais e as amostragens foram realizadas entre os dias 02 e 05 de setembro de 2009 e os sítios amostrais foram escolhidos com auxílios de mapas da região. As amostragens foram realizadas através de arrasto manual com rede de 5,0 x 1,5 m e malha de 5 mm e peneira, sendo realizadas em rios de pequena ordem (ambientes lóticos). O esforço amostral foi padronizado em torno de 01h30min por local. Foram amostrados 08 pontos na área de estudo e os peixes coletados foram imediatamente identificados e soltos no mesmo local. A discussão foi desenvolvida procurando descrever a comunidade de peixes da região englobando os conceitos de riqueza, abundância, hábito alimentar, espécies ameaçadas, entre outros Resultados Os indivíduos amostrados foram identificados e classificados em 05 ordens, 10 famílias e 24 espécies. Das espécies coletadas, Characiformes foi a ordem com maior representatividade (46%), seguida por Siluriformes (25%), Gymnotiformes (13%), Cyprinodontiformes e Perciformes (ambos com 8%). Dentre as espécies amostradas nenhuma está nas listas de ameaçadas de extinção ou quase ameaçadas de extinção Considerações Finais Os locais amostrados neste trabalho apresentam impactos gerados pela ausência de florestas ripárias, alterações nos substratos, homogeneização de habitats, desconectividade através das construções inadequadas de estradas e dos represamentos dos grandes rios para a construção de usinas hidrelétricas. Para os ecossistemas de riachos, as florestas ripárias são estritamente importantes, pois influenciam diretamente os ambientes aquáticos, tanto na regulação da produção primária, quanto no fornecimento de recursos alóctones, que são à base das cadeias alimentares, principalmente nas cabeceiras. 29

30 Acervo Fotográfico 30

31 Figura Registros fotográficos de exemplares representativos das espécies amostradas na área de estudo Legenda: 01- A. altiparanae (tambiú), 02- A. bockmanni (Lambari), 03- Astyanax sp (Lambari), 04- B. stramineus (Lambari), 05- B. iheringii (Lambari), 06- H. marginatus (Lambari), 07- M. sanctaefilomenae (Lambari), 08- O. pintoi (Lambari-cachorro), 09- O. paranensis (Lambari), 10- S. notomelas (Lambari), 11- H. malabaricus (Traíra), 12- C. aeneus (Ronquinho), 13- Hisonotus sp (Cascudinho), 14- H. ancistroides (Cascudo), 15- H. nigromaculatus (Cascudo), 16- I. mirini (Bagrinho), 17- R. quelen (Jundiá), 18- G. carapo (Tuvira), 19- E. virescens (Espadinha), 20- S. macrurus (Ituí), 21- R. apiamici (Guarú), 22- P. caudimaculatus (Guarú), 23- C. paranaense (Cará), 24- C. britskii (Joaninha). Fotos: Anderson Ferreira e Maurício T. Filho, exceto as fotos 7 e 14 que foram retiradas de Castro et al., CONCLUSÕES De uma forma geral, é possível afirmar que a área estudada apresenta um número representativo de espécies da flora e da fauna silvestre. O estudo também deixa claro que ainda há pontos muito impactantes para a vida nativa, como as estradas que apresentam números considerávies de atropelamentos de animais silvestres mesmo com os investimentos realizados na educação e conscientização dos motoristas de que há presença de animais perto da rodovia. 31

32 Portanto, ainda é necessário investir na melhoria dos ambientes naturais para a manutenção e conservação da vida silvestre. 32

33 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BUDOWSKI, G., Distribution of Tropical American Rain Forest Species in light of Sucession Processes, Turrialba, 15: CARPANEZZI, A.A.; Espécies pioneiras para recuperação de áreas degradadas: a observação de laboratórios naturais. In: Congresso Florestal Brasileiro, Campos do Jordão. Anais..., V.03, São Paulo: KMK Artes gráficas e Editora Ltda, p CRESTANA, M. S. M., (1993) Florestas Sistemas de recuperação com Essências Nativas CATI 60 p. CORBETT, E.S. e LYNCH, J.A., Management of streamside zones on municipal watersheds. In: Riparian ecosystems and their management. USDA Forest service General Technical Report, RM-120, p INVENTÁRIO FLORESTAL DA VEGETAÇÃO NATURAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: Secretária do Meio Ambiente / Instituto Florestal Imprensa Oficial, LORENZI, H., (2000) - Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3º ed. Instituto Plantarum Nova Odessa. LORENZI, H., (1992) - Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas 3º ed. Volume I - Instituto Plantarum Nova Odessa. LORENZI, H., (1998) - Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas 1º ed. Volume I I - Instituto Plantarum Nova Odessa. MANUAIS TÉCNICOS EM GEOCIÊNCIAS Nº7 Manual técnico de uso da terra Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (1997). REDE DE ONG s DA MATA ATLÂNTICA. Dossiê: MATA ATLÂNTICA, organizado por Capobianco, J.P.R., 2001, 407p BASSI, C. O Efeito da Fragmentação sobre a Comunidade e Mamíferos nas Matas do Planalto Ocidental, São Paulo, Brasil. Dissertação (Mestrado). Área de Ciências Biológicas, Ecologia. USP. 89p BECKER, M. e DALPONTE, J.C.. Rastros de mamíferos silvestres brasileiros: um guia de campo. Editora Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, 1991, 180p.. 33

34 BORGES, P.A.L. e TOMAS, W.M. Guia de rastros (e outros vestígios de mamíferos do Pantanal). Embrapa Pantanal, p. DECRETO ESTADUAL Nº , de 02 de outubro de Anexos I, III e IV. EISEMBERG, J.F. e REDFORD, K.H.. Mammals of the Neotropics: The Central Neotropics. University Chicago Press, Chicago, EUA, 1999, 609p. EMMONS, L.M. e FEER, F. Neotropical rainforest mammals: a field guide. Illinois-Chicago: The University of Chicago Press, Chicago, EUA, 1997, 281p. INSTRUÇÃO NORMATIVA n 3, de 27 de maio de 2003, do Ministério do Meio Ambiente. Anexo I. REIS, N.R. et al.. Mamíferos do Brasil. Londrina, Paraná, 2006, 437 p.. AGOSTINHO, A.A.; JULIO JR, H.F. Peixes da bacia do alto rio Paraná. In: LOWE-McCONNELL, R.H. (ed.). Estudos ecológicos de comunidades de peixes tropicais. São Paulo: EDUSP. p , AGOSTINHO, A.A.; GOMES, L.C.; PELICICE, F.M. Ecologia e manejo de recursos pesqueiros em reservatórios do Brasil. Maringá: EDUEM. p. 501, CASATTI, L.; LANGEANI F.; CASTRO R. M. Peixes de riacho do Parque Estadual Morro do Diabo, Bacia do Alto Rio Paraná, SP. Biota Neotropica, v. 1, n.1, p CASATTI, L. Alimentação dos peixes em um riacho do Parque Estadual Morro do diabo, bacia do alto rio Paraná, sudeste do Brasil. Biota Neotropica, v. 2, n.2, CASATTI, L. Ichthyofauna of two streams (silted and reference) in the upper Parana river basin, southeastern Brazil. Braz. J. Biol., v. 64, n. 4. p , CASTRO, R.M.C Evolução da ictiofauna e riachos sul-americanos: padrões gerais e possíveis processos causais. In: Caramashi, E. P.; Mazzoni, R.; Peres-Neto, P.R. (eds). Ecologia de peixes de riachos. Série Oecologia Brasiliensis. v.6. PPGE-UFRJ: Rio de Janeiro. p , CASTRO, R.M.C.; CASATTI, L. The fish fauna from a small forest stream of the upper Paraná River basin, southeastern Brazil. Ichthyological Exploration of Freshwaters, v. 7, n. 4, p , CASTRO, R.M.C; CASATTI, L.; SANTOS, H.F.; FERREIRA, K.M; RIBEIRO, A.C.; BENINE, R.C.; DARDIS, G.Z.P.; MELO, A.L.A.; ABREU, T.X.; BOCKMANN, F.A.; CARVALHO, M.; 34

35 GIBRAN, F.Z.; LIMA, F.C.T. Estrutura e composição da ictiofauna de riachos do rio Paranapanema, sudeste e sul do Brasil. Biota Neotropica. v. 3, n. 1, p. 1-31, DIAS, R.M. Atributos de assembléias de peixes e disponibilidade alimentar na planície de inundação do alto rio Paraná: relações com a conectividade e efeitos sobre a seleção alimentar e a sobreposição de dieta. 53p., Dissertação (Mestrado em Programa de Pós- Graduação em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais) Universidade Estadual de Maringá. Maringá FERREIRA, A. Relações tróficas e isotópicas entre duas espécies de caracídeos e a cobertura do solo em córregos da bacia do rio Corumbataí, SP. 111 p. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada) Universidade de São Paulo, Piracicaba, FERREIRA, C.P.; CASATTI, L. Influência da estrutura do hábitat sobre a ictiofauna de um riacho em uma micro-bacia de pastagem, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, São Paulo, v. 23, n. 3, p , GARUTTI, V. Distribuição longitudinal da ictiofauna de um córrego na região noroeste do Estado de São Paulo, Bacia do Rio Paraná. Revista Brasileira de Biologia. v. 48. p , GERHARD, P. Comunidade de peixes de riachos em função da paisagem da Bacia do Rio Corumbataí, Estado de São Paulo. 241 p. Tese (Doutorado em Ecologia de Agroecossistemas) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, GONÇALVES, C.S.; BRAGA, F.M.S. Diversidade e ocorrência de peixes na área de influência da UHE Mogi Guaçu e lagoas marginais, bacia do alto rio Paraná, São Paulo, Brasil. Biota Neotropical. v.8, n.2, GRAÇA, W.J.; PAVANELLI, C.S. Peixes da planície de inundação do alto rio Paraná e áreas adjacentes. EDUEM, Maringá. 241p., LANGEANI, F.; CASTRO, R.M.C.; OYAKAWA, O.T.; SHIBATTA, O.A.; PAVANELLI, C.S.; CASATTI, L. Diversidade da ictiofauna do Alto Rio Paraná: composição atual e perspectivas futuras. Biota Neotropica, v. 7, n. 3, p ,

36 OYAKAWA, O.T.; AKAMA, A.; MAUTARI, K.C.; NOLASCO, J.C. Peixes de riachos da Mata Atlântica nas Unidades de Conservação do Vale do Rio Ribeira de Iguape no Estado de São Paulo.São Paulo: Editora Neotrópica. 201p, PEREZ-JUNIOR, O.R.; GARAVELLO, J.C. Ictiofauna do Ribeirão do Pântano, afluente do rio Mogi- Guaçu, bacia do alto Rio Paraná, São Paulo, Brasil. Iheringia: Série Zoológica. v.97, n.3, p , SILVA, A.M.; NALON, M.A.; KRONKA, F.J.N.; ALVARES, C.A.; CAMARGO, P.B.; MARTINELLI, L.A. Historical land-cover/use in different slope and riparian buffer zones in watersheds of the State of São Paulo, Brazil. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 64, n. 4, p , AB SABER, A. N Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. Ateliê Editorial, São Paulo. BERNARDE, P. S. & M. N. C. KOKUBUM Anurofauna do Município de Guararapes, Estado de São Paulo, Brasil (AMPHIBIA, ANURA). Acta Biologia Leopoldensia, São Leopoldo, 21: BÉRNELIS, R. S. (org) Brazilian Reptiles List of species. Accessible at Sociedade Brasileira de Herpetologia. (Acessado em 17 de agosto de 2009). BERTOLUCI, J. & J.T. RODRIGUES. 2002a. Seasonal patterns of breeding activity of Atlantic Rainforest anurans at Boracéia, Southeeastern Brazil. Amphibia-Reptilia, Leiden, 23: BERTOLUCI, J. & M. T. RODRIGUES. 2002b. Utilização de habitats reprodutivos e micro-habitats de vocalização em uma taxocenose de anuros (AMPHIBIA) da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil. Papéis Avulsos de Zoologia, São Paulo, 42 (11): BRASILEIRO, C. A Diversidade de Anfíbios Anuros em Área de Cerrado no Estado de São Paulo. Tese de Doutorado, USP, São Paulo DONNELLY, M.A. & C. GUYER Patterns of reproduction and habitat use in an assemblage of Neotropical hylid frogs. Oecologia. Heidelberg, 98,

37 DUELLMAN, W.E. & L. TRUEB Biology of Amphibians. Baltimore and London, McGraw-Hill, 670p. DURIGAN, G. & FRANCO, G. A. D. C Vegetação. In: VALLADARES-PÁDUA, C. & FARIA, H. H. Plano de Manejo do Parque Estadual do Morro do Diabo. Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, Instituto Florestal, São Paulo. CD Room. FRANCO, F. L. & SALOMÃO, M. G Répteis. Coleta e preparação de répteis para coleções científicas: considerações iniciais. In: P. AURICCHIO &M. G. SALOMÃO (Eds.). Técnicas de coleta e preparação de vertebrados para fins científicos e didáticos. São Paulo. Instituto Pau Brasil de História Natural, 350 p. HADDAD, C. F. B Biodiversidade dos anfíbios no Estado de São Paulo. In: Joly, C. A., Bicudo, C. E. M. (Org.) Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX. 6: Vertebrados. FAPESP, São Paulo. p HADDAD, C. F. B. & SAZIMA, I Anfíbios anuros da Serra do Japi. In: Morellato, L. P. C. (Org). História Natural da Serra do Japi: Ecologia e Preservação de uma Área Florestal no Sudeste do Brasil. Editora da UNICAMP/FAPESP. Campinas. p LAGLER, K. F Methods of collecting Freshwater turtles. Copeia 1: PRADO, C.P.A. UETANABARO & C.F.B. HADDAD Breeding activity patterns, reproductive modes, and habitat use by anurans (Amphibia) in a seasonal environment in the Pantanal, Brazil. Amphibia-Reptilia, Leiden, 26. PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E Biologia da Conservação. Londrina: E. Rodrigues. 328p. SANTOS, T. G., VASCONCELOS, T. S., ROSSA-FERES, D. C. AND HADDAD, C. F. B. (2009)'Anurans of a seasonally dry tropical forest: Morro do Diabo State Park, São Paulo state, Brazil',Journal of Natural History,43:15, SAWAYA, R. J História natural e ecologia das serpentes de Cerrado da região de Itirapina, SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil. 145p. SBH Brazilian Amphibians List of species. Accessible at Sociedade Brasileira de Herpetologia. (Acessado em 17 de agosto de 2009). 37

38 SILVANO, D.L.; COLLI, G.R.; DIXO, M.B.O.; PIMENTA, B.V.S. & WIEDERHECKER, H.C Anfíbios e Répteis. In: Rambaldi, D.M. & Oliveira, D.A.S.(orgs.). Fragmentação de Ecossistemas: Causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, p VALLADARES-PÁDUA, C. & FARIA, H. H Plano de Manejo do Parque Estadual do Morro do Diabo. Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, Instituto Florestal, São Paulo. CD Room. VASCONCELOS, T. S Biodiversidade, distribuição espacial e ocorrência sazonal de girinos e adultos de anfíbios anuros em Nova Itapirema, região noroeste do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, UNESP, São José do Rio Preto. 95p. VANZOLINI, P. E.; RAMOS-COSTA, A. M. M. & VITT, L. J Répteis das caatingas. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 161 p. VIZOTTO, L. D Desenvolvimento de anuros da região norte-ocidental do Estado de São Paulo. Tese de Doutoramento. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Universidade de São Paulo, São Paulo, 166p. Parque Estadual do Morro do Diabo (São Paulo,.Estado) Manejo PLANEJAMENTO I. FARIA HELDER HENRIQUE DE. Vários autores. Santa Cruz do Rio Pardo, SP: Editoa Viena, 2006 SIBLEY, C.G. & MONROE, B.L.. Distribution and taxonomy of birds of the world. New Haven, Yale University Press, SICK, H. Ornitologia Brasileira. Edição revista e ampliada por J. F. Pacheco. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira,1997. SOUSA, D. All Birds of Brazil: An Identification Guide. Ed.Dall STRAUBE, F.C. e BORNSCHEIN, M.R New or noteworthy records of birds from nothwestern Paraná and adjacent areas (Brazil). Bull. B.O.C. 115(4), p STRAUBE, F. C.; BORNSCHEIN, M. R. e SCHERER-NETO, P Coletânea da Avifauna da região noroeste do Estado do Paraná a áreas limítrofes (Brasil).Arquivos de Biologia e Tecnologia 39 (1):

39 UEZO, A. Composição e estrutura da comunidade de aves na paisagem fragmentada do Pontal do Paranapanema. Tese de Doutorado. IB-USP VASCONCELOS, M. F. E ROOS, A. L Novos registros de aves para o Parque Estadual do Morro do Diabo, São Paulo. Melopsittacus 3(2): VIELLIARD, J. Aves do Pantanal. Campinas: Jacques Vielliard, VIELLIARD, J. Vozes das aves do Brasil. Campinas: Jacques Vielliard, WILLIS, E. O. e ONIKI, Y.. Levantamento Preliminar de aves em treze áreas do Estado de São Paulo. Revista brasileira de biologia. 41(1): WILLIS, E.O. & ONIKI, Y. Losses of São Paulo birds are worse in the interior than in Atlantic forests. Ciência e Cultura 44 (5): , Sites consultados

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR Igor de Paiva Affonso¹; Emanuel Giovani Cafofo Silva²; Rosilene

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG.

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. RELATÓRIO ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. PRINCÍPIO 3: PROTEÇÃO DA VIDA SILVESTRE Roberto de Lara Haddad Camila Schlieper de Castilho Dezembro

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES A A Unidade III Cidadania e movimento. Aula 16.2 Conteúdo Características dos biomas brasileiros. Habilidade Conhecer

Leia mais

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS 122 Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS Joana Pinto Santos 1, Marcela Barcelos Sobanski 2 1 Analista em Infraestrutura de Transportes

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO.

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE?

POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? POR QUE NA PEGADA DO PARQUE? Após uma série de pesquisas no Parque Municipal Arthur Thomas, a 10 kms do centro de Londrina - uma área de 85 hectares de floresta de Mata Atlântica cercada pela zona urbana

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

IV ENCONTRO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA I FÓRUM DE DEBATES SOBRE A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA 07 a 11 de maio de 2012

IV ENCONTRO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA I FÓRUM DE DEBATES SOBRE A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA 07 a 11 de maio de 2012 LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA AVIFAUNA NA ÁREA DO IFMT CAMPUS JUÍNA MT: UMA PROPOSTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR Edilson Luiz Cândido 1 Ronaldo Almeida de Souza 2 Romário Almeida de Souza 3 RESUMO A destruição

Leia mais

JGP. Levantamento Fotográfico PLANO DE MANEJO DA APA GUARIROBA ASPECTOS DA FAUNA. Legenda: Fotos 01 a 03:

JGP. Levantamento Fotográfico PLANO DE MANEJO DA APA GUARIROBA ASPECTOS DA FAUNA. Legenda: Fotos 01 a 03: Fotos 01 a 03: Buritis e fragmentos de Cerrado amostrados durante o levantamento de fauna. Fotos 04 a 06 : Foram amostrados diversos ambientes como lago, fragmentos de cerrado e campos antrópicos. Fotos

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ Paula Guarini Marcelino¹, Carolina Guarini Marcelino¹, Nelson Gumiero Porfirio Neto¹,

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

I.6.6. Remanescentes florestais

I.6.6. Remanescentes florestais 319 I.6.6. Remanescentes florestais Remanescentes florestais das Fazendas Santa Maria B/Cachoeirinha A Fazenda Santa Maria, localizada no município de Marabá Paulista, possui um remanescente florestal

Leia mais

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 - Municípios Abrangidos Pela Zona de Amortecimento

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental Dra. Renata Cardoso Vieira Tipologia de Estudos EIA /RIMA laudo de fauna monitoramento de fauna resgate de fauna IN 146/2007 IBAMA Licenciamento

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC Nas últimas décadas, na maior parte do mundo, populações migraram das áreas rurais

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 425 Atropelamento de Herpetofauna na Reserva Biológica de Sooretama, Espirito Santo, Brasil T. L. Rocha 1*, A. Banhos 2, P. L. V. Peloso 3, R.

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CARACTERIZAÇÃO DA ANUROFAUNA DA ÁREA DO INSTITUTO DE PERMACULTURA CERRADO-PANTANAL E MATA ATLÂNTICA, NO MUNICÍPIO DE CARRANCAS, MG. FELIPE FERNANDES 1 & MARCELO PASSAMANI 2 RESUMO Este trabalho foi realizado

Leia mais

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas.

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas. NOT. TEC. 02001.000088/2016-51 CGAUF/IBAMA Brasília, 21 de janeiro de 2016 Assunto: Análise do Plano apresentado pela empresa SAMARCO em atendimento à notificação 8261/E. Origem: INTRODUÇÃO Ementa: Análise

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

ANFÍBIOS. vascularizada e sempre umedecida. Pertencentes a classe de vertebrados denominada

ANFÍBIOS. vascularizada e sempre umedecida. Pertencentes a classe de vertebrados denominada ANFÍBIOS Os anfíbios foram os primeiros vertebrados a conquistar o ambiente terrestre e atualmente existem mais de 6.400 espécies no mundo. A característica principal do grupo é o ciclo de vida dividido

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

Composta por profissionais qualificados com experiência na área ambiental, a

Composta por profissionais qualificados com experiência na área ambiental, a Portfólio 2014 APRESENTAÇÃO Composta por profissionais qualificados com experiência na área ambiental, a Biophilium Consultoria Ambiental Ltda realiza estudos técnicos voltados para o licenciamento de

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável

Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável Resumo Público Monitoramento da Fauna e Social Exploração de Manejo Florestal Sustentável Abril 2014 INTRODUÇÃO O presente resumo tem como objetivo disponibilizar dados referentes ao monitoramento da flora,

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais