Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas Universidade Federal de Lavras - Lavras - MG - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas Universidade Federal de Lavras - Lavras - MG - Brasil"

Transcrição

1 Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas Universidade Federal de Lavras - Lavras - MG - Brasil IMPACTO DE ESTRADAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO BRASIL KAREN CRISTINA BRAGA LIMA Monografia 2013

2 KAREN CRISTINA BRAGA LIMA IMPACTO DE ESTRADAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO BRASIL LAVRAS MG 2013

3 KAREN CRISTINA BRAGA LIMA IMPACTO DE ESTRADAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO BRASIL Monografia apresentada ao Colegiado do Curso de Ciências Biológicas, para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas. Dr. Alex Bager Orientador Lavras MG 2013

4

5 KAREN CRISTINA BRAGA LIMA IMPACTO DE ESTRADAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO BRASIL Monografia apresentada ao Colegiado do Curso de Ciências Biológicas, para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas. Aprovada em 22 de Agosto de Mestranda Aline Saturino Costa UFLA Doutorando Priscila Lucas UFLA Dr. Alex Bager Orientador Lavras MG 2013

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por me guiar durante esta caminhada e me dar à sustentação para alcançar meus objetivos durante minha vida. Aos meus familiares, pelos conselhos, pela confiança que depositaram em mim. Especialmente minha mãe, Gilda, e minha irmã, Carol, por me apoiarem, me escutar nos momentos de desabafo, e me darem amor e carinho sempre. Minha mãe que sempre batalhou para poder fornecer a mim uma formação. Ao pessoal do Laboratório de Manejo e Conservação da UFLA, que durante toda esta caminhada esteve auxiliando e contribuindo para meu conhecimento e pela convivência. Ao professor Alex Bager, pela orientação, paciência e conhecimento transmitido durante a elaboração deste trabalho. Aos amigos que deram força, alegrias e que tanto me ajudaram. Em especial a Ana que me ouviu, me ajudou e ajudou a me organizar. A Nathalia por ouvir meus desabafos e conselhos. Fernanda por todo apoio durante todas as etapas, pela descontração, ajuda, companheirismo. A UFLA pela formação acadêmica. E a turma bio 2009/1 pelos momentos juntos e que fizeram parte desta etapa. Dedico meus agradecimentos.

7 RESUMO As estradas gera um dos grandes impactos para a biodiversidade, e um dos meios utilizados para a conservação da biodiversidade são as Unidades de Conservação (UCs). As populações presentes nestas áreas são vulneráveis a estes impactos, sendo uma das preocupações de muitos gestores de parques. Existe então este conflito entre conservação e estradas, e para buscar informações da malha de estradas brasileiras presentes em UCs e conhecer os impactos gerados por estas, foi elaborado um questionário e enviado para pessoas responsáveis pelas UCs. Obtivemos respostas de 263 UCs. Foi observado que a maioria das UCs possuem estradas. A respeito dos impactos da percepção dos entrevistados, as UCs foram impactadas de forma geral, não tendo prevalência de algum impacto. O atropelamento existe na maioria das Unidades, atingindo igualitariamente as diferentes classes. Existem poucas medidas de mitigação com eficiência comprovada e fica evidente a ausência de estudos nestas UCs. Os entrevistados consideram de grande importância do desenvolvimento de estudos nestas Unidades de Conservação, juntamente com a escassez de informação nestas áreas, evidenciam a importância deste tema para a conservação da biodiversidade. Palavras-chave: Ecologia de estradas. Impacto de estradas. Unidades de Conservação.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Porcentagem de Unidades de Conservação para as classes com os valores das áreas em hectare...27 Figura 2. Porcentagem de Unidades de Conservação por estados que responderam o questionário Figura 3. Distribuição em porcentagem das Unidades de Conservação para os diferentes biomas brasileiros que responderam o questionário...29 Figura 4. Porcentagem de unidades que responderam o questionário com relação às estradas, divididos em: não existem estradas, que existem menos de 10 km, de 10 a 30 km, de 31 a 50 km, de 51 a 70 km, de 71 a 90 km, e onde existem mais de 90 km de estradas...30 Figura 5. Porcentagem de UCs distribuídos quanto a quilometragem da estrada utilizada para visitação pública (menos que 10 km, de 10 a 30 km, de 31 a 50 km, de 51 a 70 km, de 71ª 90 km, acima de 90 km) Figura 6. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade até 10 Km/h...32 Figura 7. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 10 a 40 Km/h...33 Figura 8. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 40 e 60 Km/h...33 Figura 9. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 60 e 80 Km/h...34 Figura 10. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade maior que 80 Km/h...34 Figura 11. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos baixo (menor que 100 veículos por dia)...35 Figura 12. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos médio (de 100 a 2000 veículos/dia)...36 Figura 13. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos alto (2000 a 4000 veículos/dia)....36

9 Figura 14. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos muito alto (acima de 4000 veículos/dia)...37 Figura 15. Porcentual de UCs e o tipo de pavimento da estrada: estradas de asfalto, estradas de terra e ambos (asfalto e terra) distribuídos pela porcentagem da extensão da estrada...38 Figura 16. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de anfíbios, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos)...40 Figura 17. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de répteis, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos)...40 Figura 18. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de aves, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos)...41 Figura 19. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de pequenos mamíferos, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos)...41 Figura 20. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de grandes mamíferos, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos) Figura 21. Porcentagem de UCs presentes no estudo distribuídas de acordo com a intensidade de atropelamentos da fauna...43 Figura 22. Porcentagem de Unidades referentes à importância de se desenvolver estudos na UC a respeito dos impactos da rodovia. A importância esta associada aos valores do eixo horizontal de 0 a 10, onde 0 representa menor importância e gradativamente aumenta ate atingir o 10 que representa o valor máximo da importância...49

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Porcentagem de Unidades de Conservação que participaram do estudo, divididas em categorias das UCs Tabela 2. Intensidade (em porcentagem: até 20%, de 20 a 40%, de 40 a 60%, de 60 a 80% e mais que 80%) com que os diferentes impactos gerados pelas estradas afetam as UCs...39 Tabela 3. Fator de sazonalidade dos atropelamentos da fauna nas UCs presentes no estudo...43 Tabela 4. Lista de espécies ameaçadas de extinção e ocorrência das espécies nas UCs em porcentagem Tabela 5: Espécies ameaçadas de extinção listadas no questionário, e que já possuíram registro de atropelamento nas UCs, em porcentagem...47

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO Unidades de Conservação Estradas e seus impactos Implantação das estradas Atropelamento Efeito barreira Alterações no comportamento animal Alterações no ambiente físico e químico Propagação de espécies exóticas Impacto das estradas nas Unidades de Conservação OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS Informações dos entrevistados Informações da Unidade de Conservação Caracterização das rodovias das Unidades de Conservação Impactos das estradas das Unidades de Conservação Atropelamentos nas Unidades de Conservação Pesquisas e mitigação: DISCUSSÃO Informações dos entrevistados Informações da Unidade de Conservação Caracterização das rodovias das Unidades de Conservação... 51

12 6.4 Impactos das estradas das Unidades de Conservação Pesquisas e mitigação: CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE 1: Questionário APÊNDICE 2: Unidades de Conservação que responderam o questionário 82

13 1. INTRODUÇÃO O homem vem alterando as florestas, modificando o sistema natural, sem se preocupar com a fragmentação e suas consequências. Essa fragmentação está sendo impulsionada por algumas causas, dentre elas pela abertura de estradas (LAURANCE et al., 2001). Estradas são citadas como uma das principais causas para a perda da biodiversidade (FORMAN; ALEXANDER, 1998) e a conservação da biodiversidade é uma das grandes preocupações ambientais atuais. Um dos meios para conservar são as Unidades de Conservação (UCs) (SNUC, 2000). Estradas afetam os componentes bióticos e abióticos de paisagens, alterando a dinâmica das populações, introduzindo elementos exóticos e ainda alteram a disponibilidade de recursos no ambiente (COFFIN et al., 2007; MADER, 1984). Tendo em vista os impactos das estradas, sugere-se que evite construções de estradas próximas a áreas protegidas (FORMAN; DUBLINGER 2000). Estas são uma das grandes preocupações de gestores de Parques nos EUA (AMENT et al., 2008). Já no Brasil não existem muitas informações a respeito dos diversos efeitos das estradas nas UCs. Visando a importância de entender os impactos das rodovias na biodiversidade em unidades de conservação, este trabalho foi elaborado para indicar as principais características da malha rodoviária em UCs no Brasil, seus impactos e os estudos já existentes. 14

14 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Unidades de Conservação Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) biodiversidade é a variabilidade de organismos vivos de todas as origens, compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas. A expansão das atividades humanas tem interferido a biodiversidade do planeta, estimativas registram uma extinção muito mais rápida do que o esperado pelo registro geológico (PIMM et al., 1995). Para conservar a biodiversidade é necessário a manutenção das populações nativas nos seus habitats naturais (BALMFORD et al., 2003). Uma das maneiras mais simples e efetivas de proteger a biodiversidade é através da criação de Unidades de Conservação (UCs). Segundo o SNUC Unidade de Conservação se refere ao espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção. Mesmo com o avanço no volume de UCs no mundo, ela está longe de ser completa por não abranger uma fração significativa das espécies. O SNUC é constituído pelo conjunto das unidades de conservação federais, estaduais e municipais, de acordo com o disposto nesta Lei. Dentre seus objetivos esta o de contribuir para a manutenção da diversidade biológica e dos recursos genéticos no território nacional e nas águas jurisdicionais, proteger as espécies ameaçadas de extinção no âmbito regional e nacional e promover a utilização dos princípios e práticas de conservação da natureza no processo de desenvolvimento. As UCs são divididas em duas categorias específicas: Unidades de Proteção Integral e as Unidades de Uso Sustentável. 15

15 O objetivo das Unidades de Proteção Integral é preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais. E elas são divididas nas seguintes categorias: Estação Ecológica; Reserva Biológica; Parque Nacional; Monumento Natural; Refúgio de Vida Silvestre. O objetivo das Unidades de Uso Sustentável é compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais. E são divididas nas seguintes categorias: Área de Proteção Ambiental; Área de Relevante Interesse Ecológico; Floresta Nacional; Reserva Extrativista; Reserva de Fauna; Reserva de Desenvolvimento Sustentável; Reserva Particular do Patrimônio Natural. Umas das atuais ameaças para a perda da biodiversidade na atualidade são as estradas(forman; ALEXANDER, 1998),e as estradas estão presentes nas UCs. 2.2 Estradas e seus impactos A rede de estradas é uma das grandes perturbações para a fauna (JAARSMA et al., 2006), e sua malha tem aumentado nas ultimas décadas por causa do crescimento da população humana e da interação do homem com o meio ambiente (WITTMEYER et al., 2008). Nos EUA, por exemplo, 20% do seu território são impactados por estradas (FORMAN; ALEXANDER, 1998). As estradas impactam negativamente tanto ambientes aquáticos como terrestres (FORMAN; ALEXANDER, 1998; TROMBULAK; FRISSELL, 2000). Porém elas são importantes para o desenvolvimento da economia (WILKIE et al., 2000), melhoria da agricultura, para o acesso a saúde, educação e facilita a ocupação da terra por pessoas (RIVERSON et al., 1991). Equilibrar essas duas consequências da implementação de estradas é um problema para a conservação em países em desenvolvimento, como o Brasil. Pois a construção dessas é importante para desenvolvimento das condições para a população humana, mas vai impactar o meio ambiente. A construção de estradas é um dos processos antrópicos que mais afeta a dinâmica dos processos ecológicos, alterando o meio físico, químico e biológico (FORMAN; ALEXANDER, 1998). Seus efeitos são amplificados com a largura da rodovia, a densidade do tráfego, a velocidade do tráfego e a paisagem 16

16 circundante (AMENT et al 2008; FAHRIG et al., 1995; GIBBS; SHRIVER 2005; SEILER et al., 2003; WALLER; SERVHEEN 2005) Implantação das estradas Um grande impacto ecológico das estradas ocorre durante o processo de implantação, que leva à perda de habitat e causa o efeito de borda (FORMAN; ALEXANDER, 1998; JAARSMA et al., 2006; MILLER et al., 1996; REED et al., 1996). A implementação de estrada é citada como principal causadora da fragmentação por dividir grandes manchas de habitat em áreas menores, levando a uma modificação no uso da terra (TROMBULAK; FRISSELL, 2000; REED et al., 1996). Considerando essas informações, o local de construção das estradas deve ser analisado, principalmente em áreas mais relevantes para conservação, e se possível distante de fragmentos ou o mais próximo da borda deles. A construção de estradas matam os organismos principalmente os sésseis ou de baixa movimentação e pode ferir outros que estão próximos da extensão da malha de estradas (TROMBULAK; FRISSELL, 2000). Outro impacto durante a construção é o aumento da compactação e redução da filtração do solo, podendo alterar a sua biota (RILEY, 1984). Durante o processo de implantação das estradas às áreas são limpas e niveladas, afetando a revegetação da área e sua borda, o crescimento da vegetação no entorno é impedido pelo seu corte e uso de herbicidas que mantém a vegetação no estágio inicial da sucessão (ANDREWS, 1990). A construção das estradas também leva ao aporte de sedimentos para os cursos d água. (RICHARDSON et al., 1975; SEYEDBAGHERI, 1996). A construção de estradas aumenta o acesso humano e a perturbação em áreas remotas através da facilidade de acesso às áreas, que tende a ser maior com o aumento da densidade de estradas, além de ocorrer mais encontros entre animais e pessoas aumentando e a relação entre ambos (FORMAN et al., 1997; TROMBULAK; FRISSELL, 2000; MATTSON; BLANCHARD, 1992). O acesso às áreas pelas estradas facilita a exportação e a exploração de recursos, como no caso da exportação madeireira na República do Congo que é de extrema importância para a economia e desenvolvimento da região (WILKIE et al., 2000). Esse acesso ás áreas também facilita a caça e a pesca, ambos podem reduzir as populações dos animais (TROMBULAK; FRISSELL, 2000; 17

17 MATLACK, 1993). Outra mudança provocada pela facilidade de acesso é o uso da cobertura do solo que se modifica no entorno das estradas (VAN DYKE et al., 1986; P. SEIBERT, 1993) Atropelamento Após a construção das estradas inicia-se a sua operação e assim ocorrem atropelamentos da fauna, sendo este o impacto mais evidente, e é o mais estudado no Brasil (BAGER et al., 2007; FORMAN; ALEXANDER 1998). Nas ultimas três décadas, atropelamentos de animais em estradas ultrapassou a caça como causa direta da mortalidade de vertebrados, sendo que nos EUA são atropelados mais de um milhão de vertebrados (FORMAN; ALEXANDER 1998). Além dos animais vertebrados, insetos também são altamente atropelados (HAYWARD et al., 2010). E as populações de animais que sofrem maior risco de atropelamento são as que vivem no entorno das estradas (MUMME et al., 2000). Além das características das estradas e do tráfego que influenciam as mortes na estrada, outros fatores podem influenciar na determinação dos locais e taxa de atropelamento, tais como: o padrão da paisagem espacial (FORMAN; ALEXANDER, 1998), o clima da região (GARRIGA et al., 2012) e a topografia da estrada (CLEVENGER et al., 2003). A sazonalidade também interfere na taxa de atropelamento, sendo que existem divergências entre as estações com maior número de atropelamentos em diferentes estudos, e a taxa diferencia entre as classes animais. Essa divergência de atropelamentos entre as classes animais podem ser atribuídas ao período de reprodução, sazonalidade das chuvas e regulação térmica (GARRIGA et al., 2012; CLEVENGER et al., 2003). O efeito do atropelamento pode afetar a demografia da população (GIBBS; SHRIVER, 2005; HUIJSER et al., 2007; TROMBULAK; FRISSELL, 2000), mas no estudo do Forman e Alexander 1988 disse que nos EUA este efeito pode não ser em nível nacional para aves e mamíferos, mas para espécies ameaçadas de extinção essas taxas podem tornar as populações vulneráveis. E as UCs visam à proteção dessas espécies ameaçadas, inclusive algumas dessas UCs são criadas especialmente para a proteção de alguma espécie em extinção. 18

18 Os fatores que explicam os atropelamentos e as taxas variam para os diferentes táxons (CLEVENGER et al., 2003), sendo que a herpetofauna normalmente possui uma taxa de atropelamento maior (GARRIGA et al., 2012), contudo existem estudos que o número de atropelamentos de outros táxons são maiores, por exemplo, em Clevenger et al. (2003) que o número de atropelamentos de mamíferos e das aves foram maiores mesmo com a velocidade do monitoramento baixa. Essa taxa de atropelamento nem sempre representa a realidade e pode favorecer a detecção de classes específicas, isso devido à metodologia, pois a velocidade dos monitoramentos interfere na dectabilidade das carcaças, onde pequenos animais podem não ser identificados com a velocidade elevada (GARRIGA et al., 2012) Efeito barreira O volume do tráfego além de interferir na taxa de atropelamento pode gerar o efeito barreira, quando este fluxo é alto pode levar a redução no número de atropelamentos, neste caso a estrada pode estar repelindo os animais (SEILER, 2003). Segundo Forman e Alexander (1998), juntamente com o fluxo de veículos a superfície das estradas servem como barreiras que isolam ou filtram os movimentos de alguns animais (GERLACH; MUSOLF, 2000; MCGREGOR; BENDER; FAHRIG, 2008; RILEY et al., 2006). Para outros animais a estrada não funciona como barreira (COLCHERO et al., 2011), o que pode aumentar o número de atropelamentos. O efeito barreira propícia à criação de metapopulação e bloqueia a recolonização, sendo que em populações pequenas a probabilidade de extinção é maior do que em populações maiores (FORMAN; ALEXANDER, 1998; MADER, 1984). Alterações na genética das populações podem ocorrer pela permanência da barreira por muitas gerações, reduzindo a diversidade genética e dificulta o fluxo gênico (ATWOOD et al., 2011; EPPS et al., 2005; GERLACH; MUSOLF, 2000; MADER, 1984). Existem casos também onde os animais atravessam a estrada, mas raramente reproduzem, então não contribuem para a diferenciação genética (RILEY et al., 2006). As estradas são obstáculos para a manutenção da conectividade ecológica e da persistência das populações (EPPS et al., 2005; GIBBS; 19

19 SHRIVER, 2002). Os animais podem modificar seu comportamento positiva ou negativamente, e evitar estradas por causa da atividade humana concentrada ao longo delas (TROMBULAK; FRISSELL, 2000). Também podem usar as estradas e suas bordas como corredores para se movimentar, o que facilita a movimentação de espécies generalistas no ambiente (JAARSMA; VAN LANGEVELDE; BOTMA, 2006). A densidade de animais selvagens nas áreas adjacentes das estradas também são afetadas e a faixa de distância que é afetada pode ser influenciada pela densidade do tráfego (GIBBS; STEEN, 2005; REIJNEN et al., 1995). Muitas espécies de aves têm a densidade e a riqueza de espécies reduzidas com a proximidade das estradas, e o aumento do fluxo de veículos é um fator que pode intensificar a redução (REIJNEN et al., 1995; REIJNEN; FOPPEN; MEEUWSEN, 1996). Mamíferos podem ser afetados negativamente nas áreas adjacentes das rodovias, alguns estudos sugerem que mamíferos de grande porte têm sua densidade populacional e riqueza reduzida na borda das estradas (CHRUSZCZ et al., 2003; HUIJSER, BERGERS, 2000; LAURANCE et al., 2008; YOST; WRIGHT, 2001), porém existem casos onde são encontrados próximos às estradas (GRAHAM et al., 2011; REYNOLDS-HOGLAND et al., 2007). Outros animais que também ocorrem o comportamento de evitar estradas são artrópodes, pequenos mamíferos e aves (FORMAN; ALEXANDER, 1998; MADER, 1984; VAN DER ZANDE; TER KEURS; VAN DER WEIJDEN, 1980) Alterações no comportamento animal Devido ao atropelamento ou aos efeitos secundários das estradas, como o aumento da caça, modificação do uso do habitat, efeitos de borda das estradas, o comportamento dos animais sofrem modificações (COFFIN et al., 2007). Existem estudos que mostram que alterações geradas pelos efeitos do ruído do tráfego: no comportamento animal, alterações fisiológicas, aumento do hormônio do estresse, interferência na comunicação durante atividades de criação da cria e existem hipóteses de prováveis interferências causando perda da audição, (ANDREWS, 1990; FORMAN; ALEXANDER, 1998; REIJNEN et al., 1995; WASSER et al., 1997). 20

20 Outras mudanças comportamentais são observadas, como: respostas de fuga alteradas, efeitos negativos sobre a oferta de alimentos ou outras coisas do habitat, também alterações no sucesso reprodutivo animal, redução da produtividade com a proximidade das estradas e o número de ninhos de algumas aves (REIJNEN et al., 1995; TROMBULAK; FRISSELL, 2000) Alterações no ambiente físico e químico Estradas causam mudanças no ambiente físico, sendo as principais o escoamento da água e produção de sedimentos que alteram o sistema aquático. Existe uma redução nas zonas húmidas do entorno das estradas depois da sua construção resultando da diferenciação da drenagem (FORMAN; ALEXANDER, 1998; FORMAN; DUBLINGER, 2000). Com a instalação das estradas surge o efeito de borda que fornece recursos para algumas espécies, mas é amplamente conhecida pelos efeitos negativos criados (ANDREWS, 1990; COFFIN et al., 2007). Ocorre um aumento da umidade devido à drenagem da estrada que facilita a disponibilidade de nutrientes na borda e juntamente com o aumento da luminosidade as plantas que estão ao redor das estradas possuem um crescimento mais rápido e fornece o habitat propicio para invasão iniciando um processo de sucessão (COFFIN et al., 2007). A superfície das estrada tem a temperatura mais elevada que a cobertura do solo o que aumenta a eliminação de calor que atrai animais como aves e cobras para as estradas (TROMBULAK; FRISSELL, 2000) Além das mudanças físicas provocadas, também ocorrem mudanças químicas no ambiente devido aos veículos, as estradas, pontes e atividades de manutenção das estradas (COFFIN et al., 2007). Segundo Trombulak e Frissell (2000) as estradas contribuem com a modificação do ambiente em classes dessas diferentes substancias químicas: metais pesados, sais, moléculas orgânicas, ozônio e nutrientes. Essa contaminação é influenciada pelo fluxo do tráfego, é maior com a proximidade da rodovia, e permeia o ambiente através das águas pluviais (COFFIN et al., 2007). Poluentes são transportados pelo escoamento de águas pluviais ou sobre o solo o que altera a química do solo, sendo que esses podem ser absorvidos pelas plantas afetando o fluxo do ecossistema (FORMAN; ALEXANDER 1998). Em ambientes aquáticos a suspenção de nutrientes pode alterar direta ou 21

21 indiretamente as respostas dos organismos. E em ambientes terrestres o derramamento de compostos químicos podem atrair animais para as estradas o que pode facilitar seu atropelamento (TROMBULAK; FRISSELL, 2000) Propagação de espécies exóticas Para finalizar os impactos das estradas, estas são responsáveis pela propagação de espécies exóticas no ambiente através da mudança das condições do ambiente e então as espécies que suportam perturbações predominam, sendo assim espécies de plantas e animais exóticos são comuns no entorno da rodovia interferindo na comunidade de animais. A retirada de espécies nativas também facilita a entrada de espécies exóticas e sua propagação (FORMAN; ALEXANDER, 1998; TROMBULAK; FRISSELL, 2000; COFFIN et al., 2007). O estudo na área da ecologia de estradas tem ampliado recentemente devido a essa importância econômica e ambiental (FAHRIG; RYTWINSKI, 2009). Mas muitas estradas foram construídas antes da existência do conhecimento ecológico e foram construídas em locais inadequados (FORMAN; ALEXANDER, 1998; COFFIN et al., 2007). No Brasil, mesmo com o conhecimento ecológico, estes não são usados nas construções destes empreendimentos. 2.3 Impacto das estradas nas Unidades de Conservação No estudo de Wittmeyer et al. (2008) foi observado que em áreas com características similares porém divididas em áreas de UCs e áreas sem UCs, as primeiras possuem um crescimento populacional humano maior, possivelmente devido a maior oferta de empregos criadas nessas áreas e também pelo turismo. O desmatamento no entorno das UCs também foi maior o que pode isolar as áreas conservadas, impedindo a conectividade. E as estradas são estruturas fundamentais para o crescimento popuçacional nas UCs já que estradas, crescimento e desenvolvimento da população estão altamente associados. As UCs fornecem proteção e habitat para espécies ameaçadas e auxiliam na conservação da biodiversidade. Além disso, permitem que pessoas possam visitar. O equilíbrio de ambas as funções são difíceis, pois com o aumento da visitação aumenta-se a pressão sobre a conservação, dentre eles a pressão do transporte (AMENT et al., 2008; HARTMANN et al., 2011). No U.S National 22

22 Parks os efeitos das estradas é uma das principais preocupações dos gestores (AMENT et al., 2008). As populações de animais selvagens são muito vulneráveis aos impactos das estradas e nem sempre são mais protegidas dentro das UCs do que fora dos seus limites (PARKS; HARCOURT, 2002; AMENT et al., 2008). Estradas devem ser evitadas próximas a áreas reservadas para a conservação, pois podem levar o empobrecimento de espécies sensíveis a estradas e suas perturbações (FORMAN; DUBLINGER, 2000). Mesmo em áreas reservadas para conservação os animais estão vulneráveis aos atropelamentos e ocorrendo em elevados números (KLINE; SWANN, 1998; BERNARDINO; DALRYMPLE, 1992; ROSEN; LOWE, 1994, DODD et al., 2004; HAYWARD et al 2010). O numero de visitantes no parque pode influenciar no número de animais atropelados (GARRIGA et al., 2012). E o aumento do tráfego pode alterar a distribuição animais em UCs, evitando as estradas, sendo então uma preocupação para os gestores (YOST; WRIGHT 2001). O tráfego das estradas em UCs prejudica a vida selvagem (BERNARDINO; DALRYMPLE, 1992; CLEVENGER et al., 2003; RAMP; WILSON ; CROFT, 2006; ROSEN; LOWE, 1994; KLINE; SWANN, 1998). Existem casos onde o aumento do tráfego nas UCs não interferiu na distribuição e abundância de animais (BURSON et al., 2000; MAZEROLLE, 2004). A taxa de mortalidade em UCs é influenciada pelo número de espécies presentes na área, à intensidade do tráfego das estradas, o clima da região, a época do ano em que o estudo foi desenvolvido, além que de o período de maior turismo pode coincidir com o período de atividades dos animais aumentando as colisões(garriga et al., 2012; BERNARDINO; DALRYMPLE, 1992). No estudo de Garriga et al. (2012) observou, que em estradas de UCs com nível mais elevado de proteção o número de atropelamentos de aves e anfíbios foram maiores do que em UCs com nível de proteção mais baixo. Esse fato não foi devido ao maior número de espécies nessas áreas, pois não houve diferenças entre o número de espécies em relação ao nível de proteção. Então 23

23 um dos supostos fatores seria a maior densidade de animais em áreas com níveis mais elevados de proteção e também o maior número de cruzamentos ou utilização das estradas. A presença de humanos na rodovia pode atrair as espécies para o local o que pode ocasionar a morte por atropelamento. E isso seria um fator que pode estar influenciando a seleção de habitats por alguma espécie (SILVA et al., 2009). Mas o efeito barreira também já foi estudado em UCs (Duke et al., 2001). O trabalho de Ament et al. (2008) evidencia que existe pouco conhecimento nos EUA a respeito de como as estradas afetam as UCs, além do que se sabe dos atropelamentos. Estes estudos tem sido focados em indivíduos sendo que populações, comunidades e ecossistemas possuem um foco menor. Para amenizar os impactos dos atropelamentos nas estradas costumam usar medidas de mitigação, passagens subterrâneas, pontes de cordas aéreas, cercas, placas de sinalização, educação ambiental e existem estudos que comprovam a eficiência dessas medidas mitigadoras (DODD et al., 2008). Essas estruturas de mitigação têm sido pouco estudadas em áreas usadas para conservação (AMENT et al., 2008). 3 OBJETIVO Este estudo tem o objetivo de avaliar as informações sobre a influência das estradas presentes nas unidades de conservação do Brasil e seus impactos considerando o ponto de vista dos gestores ou analistas ou outros que representem a Unidade de Conservação (UC). 4 MATERIAL E MÉTODOS Foi elaborado um questionário abrangendo questões sobre o perfil dos entrevistados (responsáveis pelas UCs) e sua experiência de trabalho na UC, informações referentes às UCs e das estradas presentes nas UCs ou no seu entorno ate 10km (por exemplo a extensão das estradas, velocidade das estradas, 24

24 fluxo de veículos, tipo de pavimento das estradas). Sobre o fluxo de veículos utilizamos o mesmo padrão utilizado por Ament et al. (2008), onde fluxo baixo menor que 100 veículos/dia, médio de 100 a 2000 veículos/dia, alto de 2000 a 4000 veículos/dia e muito alto acima de 4000 veículos/dia. O questionário abrangia a percepção dos entrevistados a respeito de como os impactos gerados pelas estradas afetam as UCs. Os impactos avaliados foram fragmentação e degradação do habitat, atropelamento de fauna, afugentamento de espécies, introdução de espécies exóticas, aumento de atividades como caça/pesca/extração de recursos. As questões foram direcionadas para atropelamentos de animais, questionando como é a distribuição dos atropelamentos para as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos), a intensidade dos atropelamentos, a sazonalidade deles e a presença de espécies ameaçadas listadas no questionário que são atropeladas nas UCs. Foi abordada a questão a respeito da existência de estudos a respeito de estudos nas UCs sobre os impactos das estradas na biodiversidade da UC. Foi questionadas informações sobre a existência de medidas de mitigação dos impactos das estradas nas UCs do Brasil, e também a respeito da existência de estudos que avaliem a eficiência das medidas mitigadoras. Criamos uma lista com os s de funcionários de UCs. O questionário foi enviado por para responsáveis pelas Unidades de Conservação do Brasil, e 263 questionários foram respondidos. O questionário utilizado encontra-se no Apêndice 1. As unidades que responderam o questionário estão no Apêndice 2. Após obtida as respostas dos questionários, foi feita uma triagem dos dados e das 263 respostas, foram excluídas as UCs que ocorriam em ilhas, pois a dinâmica das estradas em ilhas são diferentes e também podem ocorrer mudanças no comportamento dos animais de ilhas. Foi mantida apenas uma das respostas quando existia mais de uma resposta no questionário referente à mesma UC, utilizando como critério que as respostas dos gestores deveriam ser mantidas frente às de um analista, como segundo critério de avaliação o tempo de trabalho na UC (quanto maior o tempo maior a confiabilidade dos dados). Também foram excluídas respostas que representavam mais de uma Unidade de 25

25 Conservação (por exemplo, um resposta correspondia um núcleo que abrange varias UCs). Assim restaram 237 UCs para compor os resultados deste trabalho. As respostas a respeito do tamanho da UC, categoria da UC, bioma, foram reorganizadas quando fugiam do padrão de respostas esperado (por exemplo, a área das unidades deveriam ser em hectares, no nome da UC não deveria incluir a categoria da unidade, os biomas deveriam ser os mesmos considerados pelo site do ICMBIO: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa, Pantanal e Marinho). Para padronizar estas respostas foram consultados os dados de cada UC disponíveis no site do ICMBIO. Os dados foram transformados para percentual, tabulados e geraram gráficos. Nas questões onde existia a possibilidade de escolher respostas não sei/não tenho certeza que não foram importantes para nossos resultados, estes dados não serão apresentados nos resultados. Este fato justifica as vezes que algumas questões a soma dos percentuais ficarem abaixo de 100%. 5 RESULTADOS Recebemos um elevado número de respostas, porém ainda assim muitas Unidades de conservação não responderam o formulário, considerando que segundo o site do ICMBIO existem 313 UCs federais (destas 125 responderam o questionário), ou seja, com as estaduais e particulares o número é muito maior. 5.1 Informações dos entrevistados A maioria das entrevistas foram respondidas por gestores das UCs (76%) seguidas por analistas ambientais (16%). Sobre o tempo de trabalho do entrevistado na UC, foram respondidos que 59% trabalham entre 1 a 5 anos na UC, 20% entre 6 e 10 anos, 11% trabalham menos que 1 ano e 10% acima de 10 anos. Quanto o nível da escolaridade dos entrevistados 48% possuem pósgraduação e 38% possuem o nível superior completo. Sendo que como formação no nível superior os mais citados são 33% biólogos, 10% engenheiros florestais. 26

26 % de Ucs 5.2 Informações da Unidade de Conservação Quanto ao tamanho das Unidades de Conservação 44% possuem até mil ha e apenas 2% das unidades possuem acima de um milhão de ha, sendo que a maior UC possui ha (Figura 1) até acima de Área da UC (há) Figura 1. Porcentagem de Unidades de Conservação para as classes com os valores das áreas em hectare. A respeito da esfera administrativa da UC, 53% são federais, 42% são estaduais, 4% municipais e apenas 1% particular. Quanto à categoria das UCs a maioria das unidades são Parques (31%), seguindo por Áreas de Proteção Ambiental (17%), Florestas (13%) e tiveram categorias que foram menos citadas. As Unidades que se enquadraram em outras correspondem a: Corredores Ecológicos, Mosaicos e Reservas Ecológicas (Tabela 1). 27

27 Tabela 1. Porcentagem de Unidades de Conservação que participaram do estudo, divididas em categorias das UCs. Categoria da UC % de UC Unidades de Proteção Integral Parque 31% Estação Ecológica 10% Reserva Biológica 7% Monumento Natural 3% Refúgio da Vida Silvestre 1% Unidades de Uso Sustentável Área de Proteção Ambiental 17% Floresta 13% Reserva Extrativista 9% Reserva Particular do Patrimônio Natural 4% Reserva de Desenvolvimento Sustentável 3% Área de Relevante Interesse Ecológico 1% Outro 1% Das Unidades que responderam o questionário 16% corresponderam ao estado de Minas Gerais, 10% ao Amazonas, 8% ao Pará e os outros estados foram representados por menos Unidades (Figura 2). O número de Unidades para os diferentes biomas foram discrepantes sendo que 46% das Unidades estão no bioma Mata Atlântica (Figura 3). 28

28 % de UC MG AM PA PR SP BA RJ CE MS RS SC RO ES GO PB AC AP DF MA MT PE PI RN RR TO AL SE % de UCs Estados Figura 2. Porcentagem de Unidades de Conservação por estados que responderam o questionário Mata Atlântica Amazônia Cerrado Caatinga Marinho costeiro Bioma Pampa Pantanal Figura 3. Distribuição em porcentagem das Unidades de Conservação para os diferentes biomas brasileiros que responderam o questionário. 29

29 % de Ucs 5.3 Caracterização das rodovias das Unidades de Conservação A respeito das estradas nas UCs 17% das UCs não apresentam estradas. Das Unidades que possuem estradas, 25% assumem ter apenas uma estrada, 26% duas estradas, 11% três estradas, 9% quatro estradas, 5% cinco estradas, 24% mais que cinco estradas. Referente à quilometragem das estradas existentes nas UCs 22% das unidades apresentam mais de 90 km de estradas e 20% possuem menos que 10 km de estradas, as outras UCs apresentaram uma quilometragem de estradas intermediária a estas (Figura 4) Não existem < de 10km de 10 a 30km de 31 a 50Km de 51 a 70Km de 71 a 90Km > de 90Km Quilometragem das estradas (Km) Figura 4. Porcentagem de unidades que responderam o questionário com relação às estradas, divididos em: não existem estradas, que existem menos de 10 km, de 10 a 30 km, de 31 a 50 km, de 51 a 70 km, de 71 a 90 km, e onde existem mais de 90 km de estradas. A respeito da privatização das estradas, 83% dos entrevistados disseram que essas não são privatizadas e 14% disseram que são, os outros entrevistados não sabiam ou tinham certeza. E sobre a existência de um licenciamento ambiental, obtivemos 190 respostas, em que 38% não possuem licenciamento, 37% dos entrevistados não sabiam/ não tinham certeza, 21% possuem 30

30 % de Ucs licenciamento, os outros 4% correspondem a respostas que dizem que algumas estradas possuem licenciamento e outras não e também a estradas que estavam com o licenciamento vencido. Sobre a existência de estradas utilizadas para visitação pública, 60% possuem estradas, 39% não possuem, 1% não sabem ou não tem certeza. Das unidades que possuem estradas usadas para visitação pública 40% têm menos que 10 km de estradas utilizadas para visitação pública e 26% de 10 a 30 km (Figura 5) Menos de 10km de 10 a 30km de 31 a 50Km de 51 a 70Km de 71 a 90Km Acima de 90Km Quilometragem da estrada utilizada para visitação pública Figura 5. Porcentagem de UCs distribuídos quanto a quilometragem da estrada utilizada para visitação pública (menos que 10 km, de 10 a 30 km, de 31 a 50 km, de 51 a 70 km, de 71ª 90 km, acima de 90 km). Quanto à construção de estradas nas UCs, a maior parte delas não tiveram estradas construídas nos últimos cinco anos (80%). Quando questionados sobre os planos para construção de novas rodovias nos próximos cinco anos 56% afirmaram não terem planos, 24% dizem ter planos e 20% não sabem ou não tem certeza da resposta. Referente à extensão das estradas com velocidade até 10 km/h, a maioria das UCs (73%) possuem 20% da extensão das estradas com velocidade até 10 31

31 % de Ucs km/h (Figura 6). Da extensão de estradas com velocidade entre 10 e 40 Km/h, 52% das UCs possuem ate 40% da extensão das estradas com velocidade entre 10 e 40 Km/h (Figura 7). Da extensão de estradas com velocidade superior a 80 km/h, uma grande parte das UCs (45%) possuem mais que 60% da extensão de estradas com velocidade maior que 80 km/h (Figura 10) até a e e 80 >80 Extensão das estradas (%) Figura 6. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade até 10 Km/h. 32

32 % de UCs % de Ucs até a e e 80 >80 Extensão das estradas (%) Figura 7. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 10 a 40 Km/h até a e e 80 >80 Extensão das estradas (%) Figura 8. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 40 e 60 Km/h. 33

33 % de UCs % de UCs até a e e 80 >80 Extensão das estradas (%) Figura 9. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade entre 60 e 80 Km/h até a e e 80 >80 Extensão das estradas (%) Figura 10. Gráfico com a porcentagem de UCs distribuídas em classes com a extensão de estradas que possuem velocidade maior que 80 Km/h. 34

34 % de UCs A respeito da extensão de estradas com fluxo de veículos baixo nas UCs, 36% das UCs apresentaram mais que 80% da extensão das estradas com fluxo baixo e 40% das UCs possuem até 60% da extensão das estradas com o fluxo baixo (Figura 11). Quanto à extensão de estradas com fluxo de veículos intermediário nas UCs, 53% das UCs apresentaram até 40% da extensão das estradas com o fluxo médio (Figura 12). A extensão de estradas com fluxo de veículos alto ocorreu em mais que 80% da extensão das estradas em 16% das UCs (Figura 12). E em 31% das UCs o fluxo de veículos foi muito alto em mais que 80% da extensão de estradas (Figura 14) ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% >80% Extensão das estradas (%) Figura 11. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos baixo (menor que 100 veículos por dia). 35

35 % de UCs % de UCs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% >80% Extensão das estradas (%) Figura 12. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos médio (de 100 a 2000 veículos/dia) ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% >80% Extensão das estradas (%) Figura 13. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos alto (2000 a 4000 veículos/dia). 36

36 % de UCs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% >80% Extensão das estradas (%) Figura 14. Gráfico da porcentagem de UCs e a extensão de estradas com o fluxo de veículos muito alto (acima de 4000 veículos/dia). Referente ao pavimento das estradas percebe-se que uma parcela grande das estradas são de terra, 34% das unidades responderam que acima de 80% da extensão das estrada possui pavimento de terra nas estradas (Figura 15). 37

37 % de Ucs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% mais que 80% asfalto terra ambos Pavimento da rodovia Figura 15. Porcentual de UCs e o tipo de pavimento da estrada: estradas de asfalto, estradas de terra e ambos (asfalto e terra) distribuídos pela porcentagem da extensão da estrada. 5.4 Impactos das estradas das Unidades de Conservação Os entrevistados foram questionados quanto à percepção dos impactos gerados pelas estradas, sendo que os impactos foram: fragmentação e degradação de habitats, atropelamento de fauna, afugentamento de espécies, introdução de espécies exóticas, aumento da atividade de caça/pesca/extração. Quanto aos impactos gerados pelas estradas, é notável que os entrevistados acham que os impactos ocorrem de forma uniforme. Em 15% das UCs o aumento de atividades (caça, pesca e extração) representaram mais que 80% dos impactos gerados por estradas (Tabela 2). 38

38 Tabela 2. Intensidade (em porcentagem: até 20%, de 20 a 40%, de 40 a 60%, de 60 a 80% e mais que 80%) com que os diferentes impactos gerados pelas estradas afetam as UCs. até 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% mais que 80% Fragmentação e degradação do habitat Atropelamentos de animais selvagens Afugentamento de espécies Introdução de espécies exóticas Aumentodas atividades de caça/ pesca/ extração Atropelamentos nas Unidades de Conservação Os entrevistados foram abordados a respeito da existência de atropelamentos de fauna nas UCs e um maior número de Unidades afirmaram existir atropelamentos (74%), apenas 9% das UCs não possuem atropelamentos e 17% dos entrevistados não sabem ou não tem certeza. Pelos dados obtidos da distribuição dos atropelamentos para as classes de animais (considerando 100%), observa-se que para todas as classes animais grande parte dos atropelamentos ocorriam em até 20% para cada classe, portanto no geral os atropelamentos foram considerados homogêneos entre as diferentes classes animais (Figura 16) (Figura 17) (Figura 18) (Figura 19) (Figura 20). 39

39 % de UCs % de UCs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% acima de 80% Classes dos valores dos atropelamentos Figura 16. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de anfíbios, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos) ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% acima de 80% Classes dos valores dos atropelamentos Figura 17. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de répteis, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos). 40

40 % de UCs % de UCs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% acima de 80% Classes dos valores dos atropelamentos Figura 18. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de aves, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos) ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% acima de 80% Classes dos valores dos atropelamentos Figura 19. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de pequenos mamíferos, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos). 41

41 % de UCs ate 20% 20 a 40% 40 e 60% 60 e 80% acima de 80% Classes dos valores dos atropelamentos Figura 20. Porcentagem de UCs e a distribuição dos atropelamentos de grandes mamíferos, considerando que 100% dos atropelamentos considera todas as classes animais (anfíbios, répteis, aves, pequenos mamíferos e grandes mamíferos). Sendo que no geral a percepção que os entrevistados têm da intensidade dos atropelamentos é que ocorrem eventualmente ou de forma constante, mas de baixa intensidade (Figura 21). 42

42 % de UCs Inexistente Eventual Constante, mas de baixa intensidade Constante, maior intensidade Intensidade do atropelamento Extrema Figura 21. Porcentagem de UCs presentes no estudo distribuídas de acordo com a intensidade de atropelamentos da fauna. A respeito da sazonalidade dos atropelamentos 37% dos entrevistados disseram não ocorrer, 27% afirmaram que ocorre e 36% não souberam informar. E quando os entrevistados foram questionados quais eram os fatores responsáveis pela sazonalidade, o principal fator citado pelos entrevistados para explicar a variação foi a variação do volume de chuva (Tabela 3). Tabela 3. Fator de sazonalidade dos atropelamentos da fauna nas UCs presentes no estudo. Fator da sazonalidade % de Ucs Variação do volume de chuva (seca, chuva) 37 Atividade turística (período de férias) 20 Variação da temperatura (Verão, Inverno, Outono, Primavera, altas ou baixas) 19 Atividades agrícolas (época de safra) 14 sem informação 8 outros (fases da lua, periodo de acasalamento, pressão de madereiros) 2 43

43 As espécies ameaçadas com maior ocorrência nas UCs do estudo são: Puma concolor ocorre em 54% das Unidades do estudo, Leopardus pardalis mitis em 53%, Leopardus tigrinus e Panthera onca ocorrem em 38% das UCs, Leopardus wiedii em 32% e Myrmecophaga tridactyla em 30% das UCs, as outras espécies ocorrem em menos de 30% das Unidades e em 9% das Unidades não ocorrem nenhuma das espécies listadas no questionário (Tabela 3). Na Tabela 4 estão as espécies ameaçadas listadas no questionário que foram encontradas atropeladas nas UCs, comparando com a Tabela 3 percebemos que as espécies que foram citadas que ocorrem na UC possuíram um número de ocorrência de atropelamento relativamente menor e algumas espécies (Coatá-da-testa-branca, Cuxiú-de-uta-hick, Cuxiú-preto, Guigó - Callicebus barbarabrownae, Guigó - Callicebus coimbrai, Macaco-aranha, Mico-leão-da-cara-preta, Mico-leão-dourado, Muriqui,Sauá- Callicebus personatus, Uacari-vermelho) foram citadas como presentes nas UCs porem não foram citadas como atropeladas. E quando questionados sobre a existência de outras espécies ameaçadas que são encontradas atropeladas 42% dos entrevistados afirmaram possuir outras espécies. 44

44 Tabela 4. Lista de espécies ameaçadas de extinção e ocorrência das espécies nas UCs em porcentagem. Espécie ameaçadas % de citações Onça-parda - Puma concolor 54 Jaguatirica - Leopardus pardalis mitis 53 Gato-do-mato - Leopardus tigrinus 38 Onça-pintada - Panthera onca 38 Gato-maracajá - Leopardus wiedii 32 Tamanduá-bandeira - Myrmecophaga tridactyla 30 Lobo-guará - Chrysocyon brachyurus 25 Tatu-canastra - Priodontes maximus 22 Tatu-bola - Tolypeutes tricinctus 21 Ariranha - Pteronura brasiliensis 20 Macaco-prego - Cebus xanthosternos 20 Cachorro-do-mato-vinagre - Speothos venaticus 17 Guariba - Alouatta belzebul ululata 16 Preguiça de coleira - Bradypus torquatus 13 Bugio-marrom-do-norte - Alouatta guariba guariba 10 Nenhuma das listadas 9 Macaco-aranha - Ateles belzebuth 8 Veado-mão-curta - Mazama nana 7 Ouriço-preto - Chaetomys subspinosus 7 Gato-palheiro - Leopardus braccatus 6 Sagüi-da-serra-escuro - Callithrix aurita 6 Cervo-do-pantanal - Blastocerus dichotomus 5 Macaco-prego-de-crista - Cebus robustus 5 Mono-carvoeiro - Brachyteles arachnoides 5 Sauá- Callicebus personatus 5 Macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta - Saimiri vanzolinii 4 Sauim-de-coleira - Saguinus bicolor 4 Muriqui - Brachyteles hypoxanthus 3 Cuxiú-preto - Chiropotes satanas 3 Cuíca-de-colete - Caluromysiops irrupta 3 Guigó - Callicebus coimbrai 3 Mico-leão-dourado - Leontopithecus rosalia 3 45

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES

DIAGNÓSTICO NACIONAL UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E IMPACTOS DE EMPREENDIMENTOS LINEARES DIAGNÓSTICO NACIONAL 1 Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas - Universidade Federal de Lavras SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO 3 PESSOAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS 122 Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS Joana Pinto Santos 1, Marcela Barcelos Sobanski 2 1 Analista em Infraestrutura de Transportes

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo

Monitoramento de Biodiversidade. Por Paulo Henrique Bonavigo Monitoramento de Biodiversidade Por Paulo Henrique Bonavigo CDB Convenção da Diversidade Biológica (Eco 92). Metas de Aichi 2020. 5 objetivos estratégicos A. Tratar das causas fundamentais de perda de

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Ecologia da Paisagem e Restauração

Ecologia da Paisagem e Restauração Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais CBRN Projeto de Recuperação de Matas Ciliares Treinamento: Recuperação de Áreas Degradadas Ecologia da Paisagem e Restauração Leandro Reverberi Tambosi

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: 1) Espécies com área de ocorrência limitada; 2) Espécies com apenas uma

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas AQUECIMENTO GLOBAL Respostas da fauna às mudanças climáticas O exemplo dos anfíbios. Em princípio,

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador/Lab. Vida Selvagem Embrapa Pantanal walfrido.tomas@embrapa.br Pantanal : o que é? Uma planície inundável que,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL Celso Margraf A Classe Mammalia é composta por alguns dos animais mais carismáticos, entre eles, os

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ.

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. INTRODUÇÃO O Brasil figura com louvor entre os países que detêm as maiores biodiversidades

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DOZE PRINCÍPIOS PARA MAXIMIZAR O ESTOQUE DE CARBONO E A PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS FLORESTAS DA AMAZÔNIA Baseados nos estudos do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

o papel das florestas nas propriedades agrícolas

o papel das florestas nas propriedades agrícolas Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima o papel das florestas nas propriedades agrícolas prof. gerd sparovek usp.esalq contato gerd@usp.br Perguntas

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies

Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies Page 1 of 8 Natureza 17/07/2012 08h00 - Atualizado em 17/07/2012 17h41 Na Amazônia, câmeras na floresta 'flagram' 95 animais de 16 espécies Armadilhas fotográficas captaram movimentação durante 25 dias.

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG (Desde de 2005 vem sendo discutida a proposta de ampliação da Flona de Passa Quatro, ano em que foi elaborado o projeto

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT

A importância das Áreas Protegidas Propostas no ZSEE-MT O Instituto Centro de Vida (ICV) é uma OSCIP fundada em 1991, em Cuiabá, que vem trabalhando dentre outras atividades no monitoramento do desmatamento e da gestão florestal como também em estudos sobre

Leia mais

Educação baseada em evidências

Educação baseada em evidências Educação baseada em evidências Textos para discussão Resultados do ENEM 2013 Texto 2015-01 Abril 2015 APRESENTAÇÃO Textos para discussão do apresentam dados, análise e evidências para informar o público

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais