ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ"

Transcrição

1 ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ Carvalheira, Rodrigo Guerra (Orientador) 1 Valente, Olinda Olegário da Silva 2 Palavras-chave: Etologia. Felinos Neotropicais. Onça Parda. Introdução O objetivo deste artigo é uma pesquisa observacional etológica, identificando os padrões comportamentais, quantificando e qualificando-os para montar um etograma através da descrição dos comportamentos individuais de um casal de suçuaranas, conhecidos também como: puma, leão da montanha ou onça parda, mantidos no plantel da Fundação Zoológico da Cidade do Rio de Janeiro (RIOZOO). Como a maioria dos animais cativos, como os que vivem em zoológicos, é comum seus comportamentos apresentarem alguma variação em função de não estarem em seus ambientes naturais. Através do etograma, temos um maior conhecimento sobre a rotina desses animais dentro do recinto, favorecendo assim a análise dos possíveis fatores geradores de comportamentos atípicos, sendo eles: a forma do manejo alimentar ou sanitário, temperatura, odores, público, ruídos etc. e suas respectivas interferências no comportamento destes animais; visando à importância de uma manutenção adequada e uma possibilidade real da eliminação destes fatores agregando qualidade de vida e proporcionando o bem-estar ao animal e induzindoos a terem comportamentos naturais. 1 Curso de Ciências biológicas da Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro-RJ. 2 Graduanda do Curso de Ciências Biológicas da Universidade Castelo Branco. Aluna bolsista Programa de Pesquisa Institucional de Iniciação Científica & Tecnológica 2013/

2 Procedimentos Metodológicos O presente estudo foi realizado na Fundação Zoológico do Rio de Janeiro (RIOZOO), localizado dentro do parque da Quinta da Boa Vista, Bairro Imperial de São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Como requisito parcial do trabalho, foi feito o levantamento dos comportamentos de um casal de Puma concolor, mantidos no plantel do zoológico ocupando o mesmo recinto. Os métodos de amostragem utilizados para o levantamento dos comportamentos foram o ad libitum (ALTMANN, 1974) e o scan sampling (SOUTO, 2003). O trabalho foi realizado entre outubro de 2013 e abril de 2014, com uma carga horária de 144 horas totais, sendo divido em três etapas. A primeira etapa, tendo início em outubro, consistiu na entrevista com o profissional do zoológico responsável pelo setor dos felinos no qual o animal em questão se enquadra para pesquisar todas as informações referentes ao animal de estudo, o que inclui levantamento dos dados de manejo, informações sobre o recinto e o animal durante um dia, entre 9 horas até às 17 horas. Essa etapa auxiliou na divisão do recinto em quadrantes facilitando a visualização e a marcação dos indivíduos, determinando o local em que os mesmos ocupavam. Na segunda etapa, que perdurou por cinco dias não sucessivos durante os meses de outubro e novembro de 2013, sendo escolhidos de acordo com a disponibilidade respeitando o prazo do andamento do trabalho. Foi aplicado o método ad libitum para elaboração do catálogo completo dos comportamentos observados denominado etograma; neste método, os registros dos animais são feitos através de observações levando em consideração quaisquer comportamentos realizados pelo animal. As observações foram devidamente registradas em caderno de campo, sempre com duração de duas horas no período da manhã e cinco horas no período da tarde, totalizando setenta e duas horas de observações, tendo intervalo entre os horários de 11h-12h. A terceira etapa incluiu o levantamento da frequência de cada comportamento observado, utilizando o método scan sampling (SOUTO, 2003), que se caracteriza em fazer rápidas observações do momento, realizada durante um minuto a cada cinco minutos, registradas também em caderno de campo e no etograma. Essa etapa do trabalho durou dezoito dias, as observações tiveram duração de duas horas pela manhã e duas horas pela tarde, sendo três dias de cada mês, visto que na etapa anterior durante a confecção do etograma pelo método ad libitum foram eliminadas duas horas de observações, que seriam no período de 12h-15h, pois foi irrelevante para o estudo à medida que foi constatado que os animais possuíam uma baixa atividade em função da própria biologia dos felinos referente aos horários de sol a pino. Essa etapa teve início em novembro de 2013 e findou em abril de As observações realizadas

3 aqui ocorreram durante três dias em cada mês, entre aqueles com alta visitação (domingos), sem visitação (segundas-feiras) e dia de baixa visitação (terças-feiras). Análise de Dados A transformação dos recintos em quadrantes foi um fator determinante na hora de localizar onde o animal se encontra realizando determinada atividade, facilitando sua demarcação no ambiente. Esses dados coletados na primeira etapa do trabalho foram de suma importância para analisar o grau de utilização territorial do espaço do recinto através do método scan sampling, que também visou a calcular a frequência de ocorrência dos comportamentos realizados pelos indivíduos. Foram analisadas as diferentes categorias comportamentais e suas frequências, evidenciando que o casal de suçuaranas observado passa a maior parte do tempo em descanso no quadrante 1A, a fêmea na cama e o macho no chão da plataforma embaixo da cama da fêmea. Discussão dos Resultados O catálogo comportamental do casal de P. concolor em cativeiro segue: 1. Manutenção (MA) Comportamentos resultantes de atividades reflexas ou de manutenção da homeostase do indivíduo, como: lamber, beber água, comer, urinar, coçar, afiar as garras, espreguiçar, bocejar. 2. Exploração (EX) Atividades de investigação do ambiente onde o animal pode ser encontrado cheirando o chão, cheirando a área da grade de cambeamento, cheirando o tronco que há dentro do recinto, cheirando as plantinhas (mato), cheirando a parede do recinto ou farejando o ar. 3. Observação (OB) Atividade de investigação do ambiente: face virada para o macho, face virada para a fêmea, face voltada para o lado de fora, face voltada para os visitantes, face voltada para a área de cambeamento, escutando barulho de carros, escutando barulho no cambeamento e analisar. 4. Locomoção (LO) Comportamentos ligados ao deslocamento horizontal e vertical do animal; caminhar, correr e saltar. 5. Estereotipia (EX) Comportamentos repetitivos, sem sentido, obsessivo, possivelmente devido ao baixo enriquecimento ambiental e ao estresse causado pelo público: Pacing e Andar em círculos.

4 6. Descanso (DE) Comportamentos ligados ao estado estacionário que envolveu atenção ou desatenção em relação ao ambiente. Descansar: Postura deitada, com a cabeça erguida com os olhos abertos ou fechados, na qual o animal reage aos estímulos do ambiente em menor grau de variação. Deitado: Animal com o corpo estendido, deitado na cama ou no chão do recinto, com os olhos abertos ao ambiente e reativo aos estímulos externos. Em pé, sentado e dormindo. 7. Comportamento Social Agonístico (CSA) Interação direta entre os indivíduos, ou com o público, que envolva algum tipo de luta ou conflito. Ronronar, deslocar o outro e ser deslocado. Em outras ocasiões, os animais ficavam fora do alcance da visão porque estavam dentro do cambeamento ou porque deitavam nas partes altas do recinto em que não havia possibilidades de enxergá-los, só havendo a percepção de que estavam no local quando os mesmos levantavam a cabeça e devido à ausência de deslocamento. Os períodos de maior atividade como exploração do ambiente e alimentação concentravam-se entre 16h e 17h para ambos, ocorrendo com mais frequência e sendo mais perceptível para a fêmea após a morte do macho que aconteceu em janeiro de 2014, indicando que possivelmente ela evitava o contato com o mesmo, dados de leituras de diversos autores que afirmam que estes animais, quando em vida livre, têm hábitos de vida solitários, com exceção de algumas ocasiões, como disputas entre machos pelo domínio de fêmeas ou território, durante breve períodos de acasalamento, fêmeas com filhotes pequenos etc. A fêmea passou a maior parte do tempo em descanso e observação, dormindo e analisando, respectivamente. Comportamentos anormais, como estereotipias (33%) e exploração (56%), foram registrados poucas vezes. O macho passou praticamente todo o tempo de observação descansando embaixo da cama da fêmea, fato este que pode estar relacionado com a sua morte, apresentou pouquíssimos movimentos exploratórios ao qual para os resultados foram insignificantes. Entre o período de 09h e 11h, os comportamentos basicamente se limitavam a descanso e manutenção, como se lamber, coçar, descansar e dormir para a fêmea. O macho passou a maior parte do tempo observado dormindo, quando não, estava no cambeamento. Apresentando poucas variações nos seus comportamentos durante todo o trabalho de campo, fato este que pode estar relacionado com a sua morte, em que talvez estivesse dando indícios de algum sintoma. Poucos eventos como exploração foram observados nesses horários.

5 Os comportamentos mais frequentes nas horas de maiores atividades da fêmea eram de se deslocar na parte frontal do recinto e beber água. Os locais mais utilizados pela fêmea para descansar e analisar era a cama 1-1A na plataforma mais alta, com 3750% correspondendo a 675 vezes em que ela ocupou a área, com 267% o quadrante 4F no canto direito encostada na parede da plataforma e com 6% do quadrante 3F na plataforma mais alta em baixo da cama2. O macho se instalou mais vezes na plataforma 1A embaixo da cama da fêmea com poucos movimentos, às vezes dormindo e na maior parte do tempo fora do alcance da visão. Considerações Finais A frequente fragmentação e degradação dos habitats, além da caça predatória e comércio ilegal, vem fazendo com que, a cada dia, mais espécies animais entrem nas listas de ameaçados de extinção, sendo muitas delas, representadas apenas em cativeiro. Dessa forma, os zoológicos têm um papel fundamental na conservação, seja incentivando a reprodução dessas espécies como formando um banco genético para futuras pesquisas e manutenção da sua diversidade genética. Portanto, o estudo do comportamento de animais cativos é essencial para um melhor conhecimento dos variados comportamentos apresentado por eles, detectar possíveis sinais de estresse para melhorar os padrões de vida desses animais. A baixa atividade dos animais em questão mostrados neste trabalho pode estar relacionada com o padrão de atividades destes animais em seu ambiente natural. Segundo Almeida (2007), na natureza, os felídeos são predadores de topo de cadeia que necessitam apenas de uma parte do dia para caçar sua presa; o restante do tempo é gasto em atividades sociais, em descanso ou em patrulha de território. Isso poderia explicar os grandes períodos de inatividade e até mesmo um fator de estereotipia apresentado pela fêmea. Referências Bibliográficas ALMEIDA, R.; MELO C. Etologia de Puma concolor (Carnivora: Felidae) em cativeiro: diagnóstico e propostas de enriquecimento comportamental, Universidade Federal de Uberlândia, MG. Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 23 a 28 de setembro de 2007, Caxambu-MG. Disponivel em: <HTTP//WWW.seb-ecologia.org.br/viiiceb/pdf/805.pdf. Acessado em: outubro de ALTMANN, J. Observational Study of Behavior: Sampling Methods. Behaviour, v.49 p

6 CAMPOS, B.; QUEIROZ, V.S.; MORATO, R.G.; GENERATO, G. Padrão de Atividades de Onças-Pintadas (Pantera onça, Linnaeus, 1758) Mantidas em Cativeiro, Manejo e Comportamento. Revista de etologia. V.7, n.2, Dez DEL-CLARO, K. Introdução à Ecologia Comportamental: Um manual para estudo do comportamento animal. Rio de Janeiro: Technical Books Editora, p DOS PRAZERES, P.A.; DA COSTA, P.G.M.; BYK, JONAS. Categorias comportamentais de Onça- Parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), Uberlândia, MG.MARTINS, R.; QUADROS, J.; MAZZOLLI, M. Hábito alimentar e interferência antrópica na atividade de marcação territorial do Puma concolor e Leopardus pardalis (Carnívora: Felidae) e outros carnívoros na Estação Ecológica de Juréia- Itatins, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia. V25, n.3, Set PEREIRA, R.L.A.; DE OLIVEIRA, M.A.B.; Etograma do Eira Barbara (Carnivora: Mustelidae) em Cativeiro. Revista de Etologia. V.9, n.1, Jan PITSKO, L. E. Wild Tigers in Captivity: A Study of the Effects of the Captive Environment on Tiger Behavior f. (Dissertação Mestrado em Ciências em Geografia)- Virginia Polytechnic Institute and State University, Blacksburg, VA, SANA, D. A.; CULLEN, L. Puma concolor capricornensis Goldman, In: MACHADO, A. B. M; DRUMMOND, G. M.; PAGLIA, A. P. (eds). Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Volume II. 1.ed. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, p

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ CARVALHEIRA, Rodrigo Guerra¹ PEREIRA, Jessica Elaine da Silva² Palavras-chave: Etograma.

Leia mais

Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG

Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG Patricia Avelar dos Prazeres,Patrícia Graziella Medeiros da Costa, Jonas Byk Universidade

Leia mais

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ Paula Guarini Marcelino¹, Carolina Guarini Marcelino¹, Nelson Gumiero Porfirio Neto¹,

Leia mais

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COM FELINOS EM CATIVEIRO DO PARQUE DO INGÁ Caio Henrique de Oliveira Carniatto

Leia mais

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP *Savana Diegues 1 ; Ana Carolina Dalla Vecchia 1 ; Soraya Alonso

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente

Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente Descrição do comportamento e bem estar de coelha pet gestante alojada em gaiola inteligente Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Israel Marques da SILVA 3 ; Felipe Evangelista PIMENTEL

Leia mais

Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente

Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Israel Marques da SILVA 3 ; Felipe Evangelista PIMENTEL 3 ; Marco

Leia mais

Utilização de enriquecimento ambiental para jaguatiricas (Leopardus pardalis, Linnaeus, 1758) cativas

Utilização de enriquecimento ambiental para jaguatiricas (Leopardus pardalis, Linnaeus, 1758) cativas Utilização de enriquecimento ambiental para jaguatiricas (Leopardus pardalis, Linnaeus, 758) cativas Patrícia Graziella Medeiros da Costa, Patrícia Avelar dos Prazeres, Jonas Byk Universidade Estadual

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS (Guaruba guarouba, GMERLIN 1788) EM CATIVEIRO NO PARQUE ZOOBOTÂNICO ORQUIDÁRIO MUNICIPAL DE SANTOS.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS SANTOS, M. S. 1, SALGADO, A. P. B. 2, MATTOS, J. F. A. 2, MONTEIRO, A. R. 1 1 Universidade

Leia mais

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Estamos cadastrando alunos cursando Biologia interessados em trabalhar em atividades monitoradas em Ed.Ambiental no

Leia mais

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs

A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. Irenilza de Alencar Nääs A SUINOCULTURA DO FUTURO: SUSTENTABILIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL Irenilza de Alencar Nääs Tópicos Introdução a indústria suinícola Desafios de sustentabilidade Bem-estar animal suas aplicações e seus desafios

Leia mais

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na ASSOCIAÇÃO DE GUARDA-PARQUES DO AMAPÁ INICIA ATIVIDADES DE MONITORAMENTO DE CASOS DE PREDAÇÃO ENVOLVENDO ONÇAS E OUTROS ANIMAIS SILVESTRES NA APA DO RIO CURIAÚ. A Associação de Guarda-Parques do Amapá

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características:

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características: Nome científico: Lutra lutra Nome Popular: Lontra europeia, lontra-comum Classe: Mammalia Ordem: Carnívora Família: Mustelidae Subfamília: Lutrinae Género: Lutra Espécie: Lutra lutra Características: A

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

PADRÃO COMPORTAMENTAL DO CÃO TECKEL VITÓRIO

PADRÃO COMPORTAMENTAL DO CÃO TECKEL VITÓRIO PADRÃO COMPORTAMENTAL DO CÃO TECKEL VITÓRIO Katianni Garcia Suhett 1, Aparecida de Fátima Madella de Oliveira 2, Atanásio Alves do Amaral 1,2 1 Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Alegre, Rua Belo

Leia mais

Gelson Genaro Associação Mata Ciliar e Departamento de Fisiologia, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo

Gelson Genaro Associação Mata Ciliar e Departamento de Fisiologia, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo Quando se fala em felinos brasileiros, as pessoas pensam logo na onça-pintada, o maior e mais conhecido representante dessa família no país. A maioria da população, no entanto, não sabe que, além das grandes

Leia mais

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão).

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão). Nome científico: Chamaeleo chamaeleon Nome popular: camaleão-comum Classe: Reptilia Ordem: Squamata Subordem: Sauria Família: Chamaeleontidae Etimologia: O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise do comportamento de Callithrix jacchus Linnaeus, 1758 do zoológico de Uberlândia-MG Mariela Silva Moura 1*, Fernanda Silva Ferreira 1, Fabiane

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Relação Animal x Cativeiro

Relação Animal x Cativeiro Relação Animal x Cativeiro Criatório científico de Animais Silvestres Departamento de Veterinária Universidade Federal de Viçosa Casa 01 Vila Secundino, Campus Universitário Cep 36571-000. Tel : 0XX31

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA 280 O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA Vanessa Blanco Vidal¹;Ana Cerilza Santana Mélo² 1. Graduanda em Ciências Biológicas,

Leia mais

O que é comportamento?

O que é comportamento? Comportamento animal Amanda Monte 1 O que é comportamento? Sistema Nervoso Animal Ambiente Órgãos efetores COMPORTAMENTO 1 Solitário Em grupo Por que estudar comportamento? Conceitos comportamentais 1-

Leia mais

USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1

USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1 55 USO DE ESPELHOS NO COMPORTAMENTO INGESTIVO DE VACAS LEITEIRAS 1 MARCOS DONIZETE DA SILVA 2 MARCELO S. ROSA 3 ERICA HUCKE 4 RESUMO Na busca por melhorias nos sistemas de manejo de bovinos leiteiros e

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar.

Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar. Comportamento Animal Comportamento de animais domésticos Conjunto de atos que um animal realiza ou deixa de realizar. Prof. Guilherme Soares Del Claro - 2004 INSTINTO Fator inato do comportamento dos animais,

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Filme: Bichos Urbanos

Filme: Bichos Urbanos Filme: Bichos Urbanos Gênero: Experimental Diretor: João Mors, Karen Barros Elenco: José Marinho Ano 2002 Duração: 20 min Cor: Colorido Bitola: 16mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1495

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COMPORTAMENTOS DE PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA, SUBMETIDO A UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL António Crespo 1 ; J. Ferreira 2 ; L. Tibério 2 ; Ana Pereira 1 ; Nuno Carolino 3 1 Escola

Leia mais

Mateus. Título aqui 1 COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS TIRAR O MÁXIMO DE CADA ANIMAL

Mateus. Título aqui 1 COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS TIRAR O MÁXIMO DE CADA ANIMAL COMPORTAMENTO, MANEJO E BEM- ESTAR DE OVINOS E CAPRINOS MÁQUINAS ANIMAIS Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia - FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Grupo de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Comportamento e distribuição de um grupo de macaco-prego (Cebus apella Linnaeus, 1758) mantido em cativeiro 1 Lívia Soares Furtado Rodrigues*

Comportamento e distribuição de um grupo de macaco-prego (Cebus apella Linnaeus, 1758) mantido em cativeiro 1 Lívia Soares Furtado Rodrigues* Comportamento e distribuição de um grupo de macaco-prego (Cebus apella Linnaeus, 1758)... Comportamento e distribuição de um grupo de macaco-prego (Cebus apella Linnaeus, 1758) mantido em cativeiro 1 Lívia

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL OBSERVAÇÕES PRELIMINARES EM PUMA CONCOLOR DO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA COM VISTA À IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL António Crespo 1 ; J. Ferreira 2 ; L. Tibério 2 & Ana Pereira

Leia mais

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo.

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo. PROFESSOR: EQUIPEE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 2 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ======== ========= ========= ========= ========= ========= ======== ======== ========= == Texto 1 OLHA

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Um Mergulho na Biologia (Ecologia) Alana Bavaro Nogueira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO O biólogo é um profissional que atua nos diversos campos da Biologia, ou seja, em todas as áreas

Leia mais

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA Andréa Espinola de Siqueira; Ana Clara Frey de S. Thiago; Ana

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Estações do ano e Ritmos da vida

Estações do ano e Ritmos da vida Estações do ano e Ritmos da vida Ana Paula Souto 2013 1) Você pretende se mudar para Cuiabá (MT) e, para isso, vai alugar uma casa de 1 (um) dormitório nessa cidade, conhecida pelo seu clima quente. Depois

Leia mais

CAROLINE BANACH NOGA

CAROLINE BANACH NOGA CAROLINE BANACH NOGA INFLUÊNCIA DA VISITAÇÃO HUMANA NO COMPORTAMENTO DE QUATRO ESPÉCIES DE MAMÍFEROS DO ZOOLÓGICO MUNICIPAL DE CURITIBA, ESTADO DO PARANÁ CURITIBA 2010 CAROLINE BANACH NOGA INFLUÊNCIA DA

Leia mais

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: 1) Espécies com área de ocorrência limitada; 2) Espécies com apenas uma

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico.

Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 449 Procedimentos Clínicos Realizados em Bugio (Alouatta Guariba) após Acidente Elétrico. T. P. Morellato 2 *, S. C. G. D Almeida 1 & S. R. Passos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA Graduanda em Zootecnia: Adriane A. Iwamoto Botucatu, Setembro

Leia mais

Revista Eletrônica de Biologia

Revista Eletrônica de Biologia . REB Volume 3 (3): 93-104, 2010 ISSN 1983-7682 Revista Eletrônica de Biologia Estudo preliminar de enriquecimento ambiental no recinto do Ramphastos toco (Tucano-toco) Preliminary study of environmental

Leia mais

ÉTICA E BEM-ESTAR EM ANIMAIS SILVESTRES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

ÉTICA E BEM-ESTAR EM ANIMAIS SILVESTRES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÉTICA E BEM-ESTAR EM ANIMAIS SILVESTRES UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Jean Carlos Ramos SILVA 1, Daniel Barreto SIQUEIRA 2 ; Maria Fernanda Vianna MARVULO 3 O Brasil é o país de maior biodiversidade do Planeta

Leia mais

Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori)

Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori) Volume 2, número 2 Maio/Ago. 2014 ISSN: 2357-7614 Enriquecimento ambiental como ferramenta de tratamento para redução de comportamento estereotipado de macaco-caiarara (Cebus kaapori) Roberta Biasoto Manacero

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Enriquecimento ambiental

Enriquecimento ambiental Enriquecimento ambiental A criação de animais em cativeiro pode levá los a apresentar comportamentos não tão naturais quanto aqueles apresentados na natureza, uma vez que o cativeiro oferece aos animais

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

O que você deve saber antes de visitar um ZOOLÓGICO

O que você deve saber antes de visitar um ZOOLÓGICO O que você deve saber antes de visitar um ZOOLÓGICO Em princípio, sou contra a existência dos zoológicos. O melhor lugar para os animais estarem é na natureza, livres e soltos. Mas os Zoos existem e precisamos

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas AQUECIMENTO GLOBAL Respostas da fauna às mudanças climáticas O exemplo dos anfíbios. Em princípio,

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES Ciências Aluno (a): 2º ano: Turma: Professora: Valor: 20 pontos Nota: Conteúdo Programático Unidade 1 Ambiente Unidade 2 Animais Unidade 3 Plantas Unidade 4 _Ser

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Distúrbio comportamental em felídeo silvestre (Panthera pardus) Bárbara Teresa Tavares Martins 1, Marcos Mourão Motta 2, Gabriel Domingos Carvalho

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS

LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS DE RESENDE RIO DE JANEIRO E SÃO JOSÉ DO BARREIRO SP

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado ABRASE Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes De Animais Silvestres e Exóticos

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

Retratos: Guia para @s professor@s

Retratos: Guia para @s professor@s Retratos: Guia para @s professor@s Nivel: 10 a 12 anos Fauna Duraçao: de 5 a 7 sessões Áreas: Estudo do meio, Língua portuguesa (1º ciclo). Ciências, Língua portuguesa (2º ciclo). Descriçao: O grupo selecciona

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT

METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) Marcos Timóteo Rodrigues de Sousa * ABSTRACT Science in Health 2010 mai-ago; 1(2): 111-6 METODOLOGIA DE MAPEAMENTO E INTERPRETAÇÃO DE TRILHA: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA) METHOD OF MAPPING AND INTERPRETATION OF TRAIL: TRILHA DO MIRANTE (PARANAPIACABA)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº /

ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº / SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE BIODIVERSIDADE E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE CENTRO DE FAUNA SILVESTRE ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº / - Data

Leia mais

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes A DOMESTICAÇÃO Túlio Goes PORQUE ESTUDAR A DOMESTICAÇÃO? A domesticação de animais tem sido realizada há muitos anos, e influenciou diretamente no rumo da civilização O processo de adaptação ao homem e

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais