Clima Organizacional: Uma Pesquisa no Hospital Universitário Pequeno Anjo - HUPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clima Organizacional: Uma Pesquisa no Hospital Universitário Pequeno Anjo - HUPA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO João José Guilherme da Silva TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO Clima Organizacional: Uma Pesquisa no Hospital Universitário Pequeno Anjo - HUPA Administração de Recursos Humanos ITAJAÍ (SC) 2008 II

2 2 JOÃO JOSÉ GUILHERME DA SILVA Trabalho de Conclusão de Estágio Clima Organizacional: Uma Pesquisa no Hospital Universitário Pequeno Anjo HUPA Trabalho de Conclusão de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciência Sociais Aplicadas - Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC, 2008.

3 3 AGRADECIMENTOS A realização desta pesquisa não seria possível sem a colaboração de muitas pessoas, as quais gostaria de expressar meus agradecimentos: à Silvana Francisca dos Santos de Oliveira, minha Supervisora do Campo, pelo incansável dedicação, amizade, apoio e competência que contribuiu para finalização desta pesquisa; à Prof. Attela Jenichen Provesi, minha orientadora de estágio e conteúdos metodológicos, pela segura e positiva orientação, disponibilidade, dedicação, compreensão e amizade durante a realização deste trabalho; aos demais professores de Graduação, que transmitiram seus conhecimentos e suas experiências; aos meus familiares por terem contribuído em todo os passos da minha caminhada e por serem indispensáveis na minha vida; enfim, a todos aqueles que, de forma direta ou indireta, contribuíram para a realização deste trabalho. Muito Obrigado!!!

4 4 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário: João José Guilherme da Silva b) Área de estágio: Administração de Recursos Humanos c) Supervisora de campo: Silvana Francisca dos Santos de Oliveira d) Orientadora de estágio: Attela Jenichen Provesi e) Responsável pelo Estágio em Administração: Prof. Eduardo Krieger da Silva

5 5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social Hospital Universitário Pequeno Anjo b) Endereço Rua Irineu Bornhausen, n 85 Centro, Itajaí/SC c) Setor de desenvolvimento do estágio Recursos Humanos d) Duração do estágio 512 horas e) Nome e cargo da supervisora de campo Silvana Francisca dos Santos de Oliveira Analista de Recursos Humanos f) Carimbo e visto da empresa

6 6 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA ITAJAÍ, 03 de Dezembro de 2008 O Hospital Universitário Pequeno Anjo, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o Trabalho de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Supervisionado, pelo acadêmico João José Guilherme da Silva. José Alfonso Monestel Montoya

7 7 RESUMO A gestão do clima organizacional é um grande desafio para as organizações, que reconhecem que as pessoas são peça chave em suas atividades e o clima organizacional é o reflexo direto delas no ambiente de trabalho, tendo importância fundamental para um bom desempenho da organização. Ter a visão do clima permite diagnosticar como as pessoas percebem, pensam e sentem o dia-a-dia. O objetivo geral da pesquisa visou diagnosticar o clima organizacional no Hospital Universitário Pequeno Anjo. A pesquisa caracterizou-se como um estudo de caso. Foi elaborada e executada por meio de uma metodologia qualitativa, onde houve a observação participante do acadêmico junto aos colaboradores, no sentido de analisar as interações de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos. A pesquisa também caracterizou como sendo quantitativo pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas como percentuais gráficos e tabelas. Quanto ao tratamento e análise dos dados, estes foram feitos de forma quantitativa. A pesquisa foi realizada no ambiente interno do Hospital, onde o pesquisador teve como participantes todos os colaboradores, incluindo a direção e gerências. Com base nas respostas obtidas foi totalizada uma população de 112 pessoas. As variáveis de clima pesquisadas foram: estilo de liderança, relacionamento interpessoal, imagem da empresa, trabalho em equipe, benefícios, envolvimento/comprometimento, comunicação, treinamento e desenvolvimento, participação e reconhecimento. Após a análise dos dados, foi diagnosticada uma predominância positiva em 63% por parte dos pesquisados, porém, as variáveis: estilo de gestão, comunicação e benefícios tiveram resultados desfavoráveis. Dessa forma, sugestões foram inseridas no trabalho visando alterar de forma positiva estas variáveis. PALAVRAS-CHAVE: Administração, Recursos Humanos, Clima Organizacional

8 8 LISTA DE ILUSTRAÇÃO Figura 01 O Processo administrativo Figura 02 A organização como um sistema aberto Figura 03 Os três níveis da cultura organizacional Figura 04 Os determinantes do clima organizacional Quadro 01 Indicadores de clima organizacional Figura 05 Organograma do Hospital Gráfico 01 Acompanhamento anual das internações Gráfico 02 Acompanhamento anual dos atendimentos em Pronto Socorro Figura 06 Formas de recrutamento e seleção Figura 07 Fluxograma de treinamento e desenvolvimento Gráfico 03 Estado civil dos respondentes Gráfico 04 Faixa etária dos respondentes Gráfico 05 Sexo dos respondentes Gráfico 06 Nível de escolaridade dos respondentes Gráfico 07 Cargo dos respondentes Gráfico 08 Tempo de casa dos respondentes Gráfico 09 Quantidade de filhos Gráfico 10 Idade com que começou a exercer atividade remunerada Gráfico 11 Com quem mora Gráfico 12 Tipo de Residência Gráfico 13 Quantidade de pessoas que moram na residência (incluindo o 87 respondente)... Gráfico 14 Renda líquida mensal da família em reais Gráfico 15 Principal responsável pelo sustento da família Gráfico 16 Uso de aparelho de ar-condicionado na residência Gráfico 17 Possui computador na residência Gráfico 18 Participação na renda familiar Gráfico 19 Meio de transporte mais utilizado Gráfico 20 Participação em atividade social Gráfico 21 O que mais gosta de fazer em tempo livre... 93

9 9 Gráfico 22 Principal meio de comunicação utilizado para se manter informado sobre os acontecimentos atuais... Gráfico 23 Preferência por tipos de revistas Gráfico 24 Análise global das variáveis Gráfico 25 Percentuais de níveis de concordância Gráfico 26 Percentuais de níveis de não concordância e nem discordância Gráfico 27 Percentuais de níveis de discordância Gráfico 28 Comentários

10 10 LISTA DE TABELAS Tabela 01: Quadro de Recursos Humanos do Hospital Tabela 02: Variável questões éticas Tabela 03: Variável imagem da empresa Tabela 04: Variável estilo de gestão Tabela 05: Variável relacionamento interpessoal Tabela 06: Variável comunicação Tabela 07: Variável benefícios Tabela 08: Variável treinamento e desenvolvimento Tabela 09: Variável envolvimento Tabela 10: Variável participação Tabela 11: Variável reconhecimento

11 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de pesquisa e justificativa Objetivo geral e objetivos específicos Aspectos metodológicos Caracterização do trabalho de estágio Contexto e participantes da pesquisa Procedimentos e instrumentos de coleta de dados Tratamento e análise dos dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Administração Hospitalar Funções Administrativas Planejamento Organização Direção Controle Áreas de Administração Retrospectiva Histórica Teoria Científica Teoria Clássica Teoria das Relações Humanas Teoria Burocrática Teoria Estruturalista Teoria Neoclássica Teoria Sistêmica Teoria Contingencial Cultura Organizacional Clima Organizacional Indicadores de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional... 53

12 12 3 DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE CAMPO Caracterização da Organização Evolução histórica da organização Missão e visão do Hospital Universitário Pequeno Anjo Infra-estrutura física atual Infra-estrutura administrativa Quadro de Recursos Humanos Serviço prestado ao cliente Internações e Pronto Socorro Perfil dos respondentes Resultado da Pesquisa População pesquisada Apresentação e análise dos dados coletados Análise do Clima Organizacional do HUPA por variável Sugestões para Oganização CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DECLARAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE HORAS ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS APÊNDICE A FOGRAFIA DA URNA PARA DEPÓSITO DA PESQUISA DE CLIMA E QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL APÊNDICE B QUESTIONÁRIO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL E QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL APÊNDICE C GRÁFICO DE COMENTÁRIOS

13 13 1 INTRODUÇÃO As organizações representam um dos cenários em que as relações interpessoais acontecem. Estas relações, sejam no nível pessoal ou profissional, constituem mecanismos de construção e sustentação do clima organizacional que, por sua vez, orienta tanto o comportamento como o desempenho das pessoas que nela participam. Uma característica essencial e distintiva da sociedade nos dias atuais é a ênfase dada à prestação de serviço que está presente de forma significativa na vida econômica e social das pessoas. O setor de prestação de serviço desempenha o papel de um dos líderes da nova onda de expansão econômica e tornou-se peça fundamental no processo de crescimento global. Diante das turbulências em que as organizações têm passado decorrentes principalmente do ambiente organizacional, percebe-se uma preocupação por parte dos dirigentes a respeito de uma gestão mais humanizada. Os defensores dessa abordagem fornecem benefícios, programas educacionais e recompensas que ajudam a cuidar do bem-estar dos funcionários. A busca de melhores colaboradores aliados a oportunidade de crescimento, tem sido o grande desafio dos profissionais que fazem a gestão de pessoas. Manter o colaborador motivado, reflete o nível de satisfação dele com a empresa. Geralmente, a satisfação do colaborador é tratada pelo tema clima organizacional, que de acordo com Litwin (apud Luz, 2003), referese ao conjunto de valores, atitudes e padrões de comportamentos formais e informais existentes em uma organização. Quando o clima organizacional é bom as pessoas tendem a partilhar conhecimentos, propiciando um clima de confiança. Contudo, se esse é ruim, os colaboradores tenderão a fazer o mínimo indispensável, ou às vezes nem isso, o que acaba prejudicando a organização, principalmente se esta atua na área da saúde. Segundo Tappan (1976) a gestão hospitalar é parecida com a gestão de qualquer outra organização, diferenciando-se nas metas, pois num hospital a meta principal é a prestação de serviços ao paciente, com caráter humanitário e valorização da vida. Valorizar a vida de qualquer paciente requer, sem dúvida, uma

14 14 qualificação excelente e um bom ambiente de trabalho. Os profissionais que atuam em hospitais sejam eles públicos, privados ou universitários, devem ser constantemente monitorados, a fim de garantir um bom ambiente de trabalho que reverterá na prestação de um serviço de qualidade. Essa realidade também é percebida no Hospital Universitário Pequeno Anjo, localizado na Rua Irineu Bornhausen, Nº 85, Centro, Itajaí/SC, e que atende crianças de 0 a 14 anos. 1.1 Problema de Pesquisa / Justificativa As organizações reconhecem que os colaboradores são peças chaves em suas atividades e o clima organizacional é o reflexo direto das pessoas envolvidas no ambiente de trabalho, tendo importância fundamental para um bom desempenho da organização. A expressão clima diz respeito a atmosfera ou ambiente interno da empresa e não é nova, pois está presente nas diversas teorias gerenciais ao longo do século XX. A noção de clima foi se requintando e se associando a vários movimentos que privilegiam o lado humano da empresa (OLIVEIRA 1995 apud GUIMARÃES, 2004, p.12). Ressalta-se que o clima organizacional reflete o grau de satisfação dos colaboradores com relação a empresa, levando-os a partilhar conhecimentos se for bom ou a fazer o mínimo necessário se ruim (LACOMBE, 2005) sendo um ponto que origina diversos aspectos que influenciam na qualidade dos serviços ao cliente. Portanto a presente pesquisa buscou diagnosticar quais os principais aspectos do clima organizacional que influenciam na qualidade dos serviços prestados no Hospital Universitário Pequeno Anjo? A pesquisa se apresenta como uma oportunidade de colocar em prática o conhecimento teórico adquirido pelo acadêmico, trazendo melhorias ao seu desempenho junto ao mercado de trabalho. Para a organização, no caso o HUPA, esta pesquisa foi importante por promover um diagnóstico do clima organizacional, gerando alternativas para obtenção de uma melhor eficácia dos colaboradores e conseqüentemente melhoria na qualidade dos serviços prestados ao cliente, diante

15 15 das decisões tomadas pelos gestores do hospital. Para a Univali, torna-se um referencial muito rico estudado sob a ótica da ciência da administração, servindo para estudos futuros. Esse trabalho é viável diante da aceitação do acadêmico pelo hospital, bem como pela disponibilidade de acesso as informações e autorização para a pesquisa. O trabalho sobre clima organizacional já foi realizado anteriormente, não sendo inédito, mas necessário para a Direção do Hospital tomar melhores decisões, diante um processo de reestruturação que vem passando nos últimos tempos. 1.2 Objetivo geral e objetivos específicos O objetivo geral deste trabalho consiste em conhecer o clima organizacional do Hospital Universitário Pequeno Anjo. Definem-se como objetivos específicos: 1. conhecer o Hospital Universitário Pequeno Anjo; 2. conhecer as políticas e diretrizes de Recursos; 3. identificar o perfil dos colaboradores; 4. conhecer as variáveis que interferem na clima organizacional; 5. Apresentar sugestões com base nas informações obtidas. 1.3 Aspectos metodológicos Para Richardson (2007, p.22) método é o caminho ou a maneira para chegar a determinado fim ou objetivo. Roesch (2007) afirma que a metodologia apresenta a pesquisa científica e descreve como o estudo foi elaborado, apresentando os principais termos como

16 16 caracterização da pesquisa, população e amostra, procedimento e instrumento de coleta de dados e análise dos mesmos. No presente estudo foi empregada a pesquisa bibliográfica que segundo Fachin (1993, p.102): diz respeito ao conjunto de conhecimentos humanos reunidos nas obras. Tem como base fundamental conduzir o leitor a determinado assunto e à produção, coleção, armazenamento reprodução, utilização e comunicação das informações coletadas para o desempenho da pesquisa Caracterização do trabalho de estágio Caracterizar uma pesquisa significa explicar o delineamento do método, a tipologia e a estratégia utilizada. A tipologia utilizada no trabalho foi a pesquisa-diagnóstico que para Roesch (2007, p.127) pesquisa-dianóstico explora o ambiente organizacional e de mercado; levantar e definir problemas. Por outras palavras, nesse tipo de trabalho, o pesquisador preocupa-se em ouvir os colabordores, conhecer o que eles tem a dizer sobre determinados aspectos relacionados ao clima organizacional. Portanto, foram esses dados que a instituição desejou coletar para conhecer as variáveis que interferem na qualidade dos seus serviços. Referente ao delineamento de trabalho, foi utilizada pesquisa qualitativa e quantitativa. Segundo Richardson (1999, p.79) a pesquisa qualitativa, [...] não emprega instrumental estatístico com base do processo de análise de um problema. Não pretende numerar ou medir unidades ou categorias homogêneas. Foi utilizado pesquisa qualitativa no desenvolver do trabalho pois, o acadêmico fez uma observação participante junto aos colaboradores no sentido de analisar as interações de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos. O trabalho também se caracterizou como pesquisa quantitativa, que ainda para o mesmo autor (2007, p.70) cita que pesquisa quantitativa: [...] caracteriza-se pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas, desde a mais simples como

17 17 percentual, média, desvio-padrão, às mais complexas, como coeficiente de correlação, análise de regressão etc. A pesquisa também caracterizou-se como sendo quantitativa pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas como percentual gráficos e tabelas. O tratamento e análise dos dados foram feitos de forma quantitativa utilizando-se de percentagem. Ainda quanto ao delineamento, também a pesquisa caracterizou como estudo de caso que para Yin (1981 apud ROESCH, 2007, p.155) é uma estratégia de pesquisa que busca examinar um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto. Para Mattar (1996, p.85) as pesquisas descritivas são caracterizadas por possuírem objetivos bem definidos, procedimentos formais, são bem estruturadas e dirimidas, que soluciona problemas ou avaliação de alternativas de curso de ação. Portanto, a pesquisa também apresenta caráter descritivo, uma vez que procura obter informações relacionadas ao atual clima organizacional por meio da coleta de dados, realizada com os colaboradores do Hospital Universitário Pequeno Contexto e participantes da pesquisa Sabe-se que toda a pesquisa abrange uma amostra que se dá por meio de uma população, onde segundo Roesch (2007, p.138) refere-se a um grupo de pessoas ou empresas que interessa entrevistar para o propósito específico de um estudo. A pesquisa foi realizada no ambiente interno do Hospital, onde o pesquisador utilizou as técnicas de amostragem que permitem selecionar as amostras adequadas para os propósitos de investigação. Como cita Richardson (2007, p.158) amostra é qualquer conjunto do subconjunto universal ou da população. Dessa forma, assumindo um erro de amostra tolerável de 6,1% foi necessário obter uma amostra de 112 pessoas conforme a fórmula de Barbeta a seguir, diante de uma população composta de 192 colaboradores.

18 18 no = 1/ Eo² = 1/0,061 ² = 268,74 n = N. no = ,74 = = 112 pessoas N + no , Onde: N = tamanho da população; Eo = erro amostral tolerável; no = aproximação do tamanho da amostra n = tamanho mínimo da amostra; Procedimentos e instrumentos de coleta de dados De acordo com Mattar (1996, p.134) dados primários são aqueles que não foram antes coletados, estando ainda em posse dos pesquisados, e que são coletados com propósitos de atender às necessidades específicas da pesquisa em andamento. Os dados foram coletados de fontes primárias, ou seja, junto aos colaboradores, com aplicação de questionários, visando identificar o clima organizacional na instituição hospitalar. Contudo foram ainda utilizados dados de fontes secundárias, onde segundo Mattar (1996, p.134) os dados secundários são aqueles que já foram coletados, tabulados, ordenados e às vezes, até analisados, com o propósito de atender às necessidades da pesquisa em andamento e que estão catalogados à disposição dos interessados, sendo neste caso a análise em documentos da instituição, que segundo Richardson (2007) permite observar os fenômenos e comunicá-los no momento em que se produzem e até mesmo depois. Foram utilizados para a coleta de dados, questionários com perguntas fechadas. Segundo Richardson (2007, p.191) questionários de perguntas fechadas, são instrumentos em que as perguntas apresentam alternativas de respostas fixas e pré-estabelecidas.

19 19 Outra técnica utilizada foi a observação participante, onde um bom relacionamento entre o pesquisador e os elementos do grupo foi de suma importância para o desenvolvimento do trabalho, conseguindo-se a compreensão e aceitação dos participantes do grupo. Para Richardson (2007) na observação participante o observador não é apenas um espectador do fato que está sendo estudado, mas se coloca na posição e ao nível dos outros elementos humanos que compõem o fenômeno a ser observado. Duas semanas que antecederam a entrega dos questionários, entre os dias 25 a 29 de setembro de 2008, o acadêmico juntamente com analista de recursos humanos de hospital, realizaram uma sensibilização. A sensibilização foi realizada por meio de algumas reuniões, envolvendo todos os colaboradores. Naquele momento, foi informado a respeito da pesquisa e da importância da participação de todos no processo decisório do hospital. Ficou acordado que após os dados serem analisados e apresentados ao Conselho de Administração do Hospital, seria realizada uma devolutiva aos participantes da pesquisa. A pesquisa iniciou em 02 de setembro e terminou no dia 10 de outubro de Foi disponibilizada uma urna no refeitório do Hospital, para os colaboradores depositarem o questionário, conforme apêndice A Tratamento e análise dos dados Nesse item, é abordado como foi realizado a descrição e análise dos resultados da pesquisa. O tratamento e análise dos dados foram feitos de forma quantitativa utilizando-se de percentagem, não havendo a utilização de nenhum software específico. Quanto à interpretação das informações, estas foram apresentadas por meio de análise descritiva, de maneira que pudessem responder aos objetivos propostos no trabalho.

20 20 2 FUNDAMENTACÃO TEÓRICA O capítulo aborda os fundamentos teóricos que servem de base para a realização do presente trabalho de pesquisa. São enfatizados temas relacionados a ciência administração, recursos humanos, cultura organizacional e clima organizacional. A fundamentação teórica na concepção de Steffan (1999) é a conseqüência do resultado da seleção de teorias, métodos, procedimentos e conceitos que os pesquisadores recorrem para explicar e descrever objetivamente o objeto da pesquisa. Assim este capítulo inicia com o tema administração. 2.1 Administração Em qualquer organização, há um grupo de pessoas que tem como responsabilidade principal, tomar decisões sobre formulação de objetivos e praticar a administração. Para compreensão da origem da administração, faz-se necessário entender o que esta palavra significa e o que apresenta. Para Lacombe (2004, p.8) administração é conjunto de esforços que tem por objetivo: planejar, organizar, dirigir ou liderar, coordenar e controlar as atividades de um grupo de indivíduos que se associam para atingir um resultado comum. Já para Montana e Charnov (2003, p.2) a administração é o ato de trabalhar com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da organização, bem como de seus membros. Segundo Daft (2005, p.5). A administração é o alcance de metas organizacionais de maneira eficazes e eficientes por meio de planejamento, organização, liderança, e controle dos recursos organizacionais. Maximiano (2004,p.34) afirma que a administração é um processo dinâmico de tomar decisões e realizar ações que compreende cinco processos principais interligados; planejamento, organização, liderança, execução e controle. Para Robbins (2004, p.6). a administração se refere ao processo de fazer com que as coisas sejam executadas, com eficácia e eficiência, por meio de outras pessoas. Verifica-se diante dos conceitos apresentados três características comum no ato de administrar: decisões, recursos, e definição de objetivos.

21 21 O significado da palavra administração sofreu radical transformação em seu significado original, nas mesmas proporções em que as empresas foram mudando. A administração é uma área muito importante da atividade humana, pois influencia a indústria, o comércio, as organizações, os serviços públicos, os hospitais, universidades, as instituições e qualquer outra forma de empreendimento humano buscando resolver os mais graves problemas que atrapalham o mundo moderno. A importância da ciência da administração se dá ao longo de tempo por meio de diversas contribuições das teorias da administração, cada qual com suas idéias, princípios e técnicas muitas delas utilizadas nos dias de hoje. Quanto ao papel do administrador, sua essência reside na obtenção de resultados por meio de terceiros, do desempenho da equipe que ele supervisiona e coordena. Na maioria das vezes o administrador depende de terceiros para alcançar seus objetivos organizacionais. Para tanto deve ter condições de liderar os membros da sua equipe e de tomar decisões em nome desta. Ele coordena o trabalho de outro em vez de executar diretamente as atividades. Em concordância a isso, Lacombe (2006, p.4) cita que o administrador dentro do seu âmbito, estabelece objetivos e rumos, dirige as pessoas que executam o trabalho. Ele deve ter acima de tudo, alto grau de compreensão de si próprio e da sua equipe. O administrador dá direção à sua organização, proporcionando liderança e decidindo como usar os recursos organizacionais para alcançar as metas. Ele deve ter habilidades conceituais, humanas e técnicas de acordo com o nível hierárquico que ocupa. Além das quatro funções administrativas: de planejamento, organização, liderança e controle em toda a organização, seja grande ou pequena, de manufatura ou de serviço, lucrativa e sem fins lucrativos, tradicional ou localizada na internet, muitas são as habilidades necessárias para dominar a natureza desafiadora do trabalho gerencial e dar conta das tendências mutáveis na administração. As habilidades e as competências mais importantes são aquelas que permitem aos gerentes ajudar outros a se tornarem mais eficientes e produtivos em seu trabalho. Segundo Daft (2005, p.14) os papéis de administradores são divididos em três categorias conceituais: informacional (administrando por informação); interpessoal (administrando por meio das pessoas); e decisória (administrando por meio de ações). Cada papel representa as atividades eu os administradores desempenham

22 22 para essencialmente realizar as funções de planejamento, organização, liderança e controle. Ainda para o mesmo autor, os papéis informacionais, descrevem as atividades usadas para manter e desenvolver uma rede de informação; os papéis interpessoais pertencem aos relacionamentos com os outros e estão ligados às habilidades humanas; e os papeis decisórios, pertencem aqueles eventos sobre os quais o gerente precisa fazer uma escolha ou tomar uma atitude. Esses papéis freqüentemente requerem habilidades conceituais, humanas e operacionais. A habilidade conceitual, exigido pelo cargo mais elevado da organização diz respeito a conhecimentos sobre o ambiente organizacional, tipo de negócio que a empresa atua. Já a habilidade humana é exigida para quem ocupa cargos intermediários na organização, pois tem haver com traduzir os objetivos e estratégias para o nível operacional, o que exige capacidade de relacionamento. A habilidade operacional refere-se ao conhecimento que o nível operacional deve ter e consiste em saber executar tarefas específicas ao ramo de negócio que a empresa atua. Em fim, acordo com Maximiano (2004) o papel de administrador consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definir diretrizes e atribuir responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades de planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar estejam numa seqüência lógica. Uma vez que o planejamento de uma organização é desenvolvido, seus colaboradores necessitam de ordens para saber o que fazer e suas ações precisam de coordenação e controle gerencial Administração Hospitalar Toda instituição hospitalar, dada a sua missão essencial a favor do ser humano, deve preocupar-se com a melhoria permanente, de tal forma que consiga uma integração harmônica das áreas médica, tecnológica, administrativa, econômica e assistencial. A busca de qualidade da assistência hospitalar é uma obrigação do hospital e uma exigência cada vez mais presente da sociedade. O hospital com

23 23 todos os seus equipamentos e instalações especiais, é basicamente uma organização de pessoas que operam esses equipamentos e realizam uma infinidade de serviços necessários para seu funcionamento, a fim de alcançar seus objetivos. Segundo Mirshawka (1994, p.16) historicamente, a palavra hospital vem do latim hospitalis, adjetivo derivado de hospes (hóspede, estrangeiro, viajante, conviva) significado também o que dá agasalho, que hospeda. Ainda para mesmo autor, cita que as primeiras instituições erguidas dentro da nova era datam da segunda metade do século IV, com o estabelecimento do nosocômio¹ construído por Santo Basílio em Cesaréia, na Capadócia nos anos 369 a 372 d.c. Ela foi inicialmente estabelecida como instituição filantrópica e agência de auxílio aos pobres e simultaneamente, caracterizado como instituição religiosa e espiritual. O cuidado espiritual, a oração e os ofícios religiosos para moribundos² eram fatores predominantes em cada hospital cristão. No periódo da Renascença as organizações hospitalares foram adquirindo, cada vez mais, caráter municipal; resultado do movimento que, a partir do século XIII, começou a reduzir os hospitais da influência da vida em convento medieval. As congregações religiosas que cuidavam de enfermos³ tiveram sua origem e seu maior desenvolvimento durante essa época. Em 1634, instituiu-se a congregação das Irmãs de caridade de São Vicente de Paula, originada no Hôtel de Dieu de Paris, e constituída, inicialmente, por um pequeno grupo de jovens que haviam aprendido enfermagem conforme (MIRSHAWKA, 1994). De acordo com Bittar (1996) hospital é o conjunto de elementos funcionalmente agrupados, onde são feitas atividades afins, objetivando melhor atendimento ao paciente, dando-lhe conforto, segurança e facilitando trabalho do pessoal. Já para Tappan (1976, p. 29) um hospital consiste em edifício, ou grupo de edifícios, áreas livres, equipamento, pessoas especializadas e pacientes. A prestação de serviços de saúde é uma atividade complexa afetada por uma série de fatores internos e ambientais que podem comprometer seus resultados. Em vários países, houve uma mobilização em torno da aplicação de programas de qualidade nas organizações hospitalares com objetivo de incrementar seu gerenciamento e melhorar a eficiência deste serviço. [...] hospital é a parte integrante de uma organização médica e social, cuja função básica consiste em proporcionar à população assistência médica integral, curativa e preventiva, sob quaisquer regimes de atendimento, inclusive o domiciliar, constituindo-se também em centro de educação, capacitação de recursos humanos

24 24 1 e de pesquisas em saúde, bem como de encaminhamento de pacientes, cabendo-lhe supervisionar e orientar os estabelecimentos de saúde a ele vinculados tecnicamente. (MIRSHAWKA, 1994, p. 15). A sociedade está cada vez mais exigindo a qualidade dos serviços prestados pelos profissionais dos hospitais. Esta exigência torna fundamental, no ambiente hospitalar, a criação de normas e mecanismos de avaliação e controle da qualidade assistencial. Além da complexidade organizacional, os administradores são responsáveis pela coordenação da prestação de uma vasta rede de serviços, alguns exigindo complexa tecnologia e outros dependendo de cuidadosa atenção para com os fatores pessoais, sociais e culturais. Apesar da complexidade da função, a administração hospitalar tem sido tradicionalmente visto como sendo de pouca importância. Atualmente, a prestação de serviços da saúde é um processo administrativo que exige planejamento, alocação de recursos escassos, avaliação de performance e outras tarefas básicas de administração. Para Tappan (1976) administração de um hospital é muito semelhante à de qualquer outra organização. Somente as metas é que diferem das demais. Num hospital a meta principal é a prestação de bons serviços ao paciente e não a venda de um produto, como acontece na administração de uma empresa de manufatura. Ainda para mesmo autor, as funções da administração no hospital diferem muito, de acordo com a natureza das várias especialidades médicas envolvidas. Cada categoria de administrador e assistente de administrador tem um número específico que se encaixam logicamente em unidades para fins de execução. Nessas circunstâncias, o modelo administrativo deve surgir obrigatoriamente, da definição das atividades a serem executadas e do pessoal selecionado para esse fim. Esse modelo tem que considerar quatro necessidades básicas: Necessidade de estreita cooperação; as equipes das diversas especialidades médicas que funcionam em um hospital têm que trabalhar em conjunto e em estrita cooperação. O trabalho deve ser dividido de acordo com a natureza, capacidade e habilidade dos que vão desempenhá-lo. 1 Nosocômio: significa hospital. 2 Moribundo: alguém que está prestes a morrer. 3 Enfermo: pessoa doente.

25 25 A necessidade de funcionar eficientemente; nos hospitais há necessidade de um grande número de intermediações administrativas, através das quais todos os serviços médicos e não médicos possam exercer uma ação mútua harmoniosa e funcionar eficientemente com parte integrante de uma organização. A necessidade de valorizar a importância da vida humana; a presença no hospital de um grande número de pessoas doentes, ou acidentadas, incapazes de cuidar de si próprias, exige uma consciência da administração que garanta ao paciente um atendimento bom e contínuo. Todo e qualquer planejamento de um serviço de saúde, precisa ter sempre em mente que seus objetivos são a proteção, o tratamento e o atendimento dos pacientes. A necessidade de considerar o paciente; na administração de serviço de saúde raramente os administradores tem contato direto com o paciente, pois seu dever esforçar-se para que o paciente receba o melhor atendimento possível, considerando o ambiente físico e emocional bem como os cuidados corporais do doente. O planejamento administrativo deve contemplar, dentro do possível, uma certa continuidade do estilo de vida a que o paciente está acostumado a ter. A administração de saúde é planejar, organizar, liderar, controlar, coordenar e avaliar os recursos e procedimentos pelos quais a demanda por cuidados médicos e de saúde, e as necessidades de um ambiente saudável são atendidos, mediante a provisão de serviços a clientes individuais, organizações e comunidade. Ainda o mesmo autor apresenta de maneira muito clara e objetiva as funções e responsabilidades de um administrador da área da saúde afirmam Austin (apud MEZOMO, 2001, p.15). Em primeiro lugar a Responsabilidade com a clientela: a administração não é feita para benefício da instituição, mas para o melhor atendimento dos que utilizam seus serviços. A responsabilidade da instituição é simples coerência com a sua missão. Elas se relacionam e se completam. A formação de equipe, uma vez que o complexo sistema de saúde só pode ser administrado por uma equipe profissionalizada e responsável pela adequada identificação dos insumos, pelo processamento, dos mesmos e pela avaliação dos resultados. A Definição missão e a formulação de estratégias, os fundamentos para a organização de sucesso. Pois saber o que é, para que veio e para onde vai, são muito importante. da

26 26 Somente quando esta visão abrangente e este amplo sentido de propósito tiverem sido articulados é que se pode definir objetivos específicos e avaliar performance. Atualmente existe um modo de avaliar a qualidade nas instituições hospitalares a partir da acreditação, cujo objetivo é tornar os hospitais mais confiáveis do que são hoje. De acordo com Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar (2002, p.17) O Processo de Acreditação é um método de consenso, racionalização e ordenação das Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares e, principalmente de educação permanente dos seus profissionais. Para avaliar a qualidade assistencial da Organização Prestadora de Serviços Hospitalares é utilizado um instrumento de avaliação específico Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar. É uma espécie de ISO-9000 voltada especificamente para a saúde, capaz de avaliar e garantir selo de qualidade, com um diferencial. O processo de acreditação propõe a participação voluntária das instituições envolvidas com a saúde, estimulando-as a um comportamento saudável de procura da melhoria contínua da qualidade, criando positivamente a integração com a sociedade civil. Ainda para o mesmo Manual (2002), este é editado pelo Ministério da Saúde e contém os princípios e diretrizes gerais adotadas na acreditação hospitalar. Eis as seguintes diretrizes: Solicitação de informações para o processo de avaliação A Organização Prestadora de Serviços de Saúde manifesta interesse para ser avaliada junto à Instituição Acreditadora; A Instituição Acreditadora coleta as informações necessárias da Organização Prestadora de Serviços de Saúde para formular a proposta; A Instituição Acreditadora encaminha proposta à Organização Prestadora de Serviços de Saúde; A Organização Prestadora de Serviços de Saúde analisa as propostas recebidas. Contratação da Instituição Acreditadora A Organização Prestadora de Serviços de Saúde seleciona uma Instituição Acreditadora.

27 27 A Instituição Acreditadora envia um questionário preliminar (definido pela Instituição) à Organização Prestadora de Serviços de Saúde e solicita os seguintes documentos: alvará de funcionamento da Organização Prestadora de Serviços de Saúde; licença sanitária; registro do responsável técnico no Conselho Regional de Medicina (CRM). A Organização Prestadora de Serviços de Saúde encaminha o questionário preliminar e os documentos à Instituição Acreditadora. A Instituição Acreditadora analisa a documentação e encaminha o contrato para a Organização Prestadora de Serviços de Saúde. A Instituição Acreditadora encaminha à Organização Nacional de Acreditação ONA a cópia de contrato assinado. A Organização Prestadora de Serviços de Saúde efetua recolhimento de taxa de inscrição junto à Organização Nacional de Acreditação que, corresponde a 10% do valor do contrato firmado com Instituição Acreditadora contratada. A Instituição Acreditadora contratada aguardará a confirmação por parte da Organização Nacional de Acreditação ONA do recolhimento da taxa de inscrição para efetuar a confirmação da visita e a visita propriamente dita. Os custos totais da visita para a Acreditação serão integralmente pagos pela Organização Prestadora de Serviços de Saúde à Instituição Acreditadora. Dentre conceitos e funções de administração hospitalar abordado pode-se dizer que o administrador é responsável pela execução do que se espera da organização: como será constituída; como se fará a seleção do quadro do pessoal e escolha das instalações físicas; como se delegarão responsabilidades e autoridade; como se cumprirá o programa modificando-o quando necessário, de acordo com as experiências, e como manter elevado o ânimo de todo o pessoal, para garantir total assistência ao paciente.

28 Funções Administrativas As funções da administração são aquelas atividades básicas que devem ser desempenhadas por administradores para alcançar os resultados determinados ou esperados pela organização. Qualquer que seja organização, independentemente do tamanho, complexidade ou ramo de atuação, utiliza essas funções que são: planejamento, organização, direção e controle, que estão na figura a seguir. Figura 1 - O Processo administrativo. Fonte: Silva (2005, p.11) Na Figura 1 pode-se verificar o caráter sistêmico das funções para a administração. Todas são consideradas importantes e obedecem uma ordem de atuação, iniciando com o planejamento, organização, direção e controle Planejamento Uma das principais responsabilidades dos gerentes é decidir onde as organizações deverão estar no futuro e como chegar lá. Em qualquer tipo de empresa seja ela pequena ou de grande porte sempre, deve haver o planejamento,

29 29 muito embora em algumas tipicamente pequenas, o planejamento é informal. Em outras, as chamadas médias e grandes organizações os gerentes seguem uma estrutura de planejamento bem definida. A empresa estabelece uma visão, uma missão, objetivos e desenvolve metas formais e planos estratégicos para realizá-la. De acordo com Silva (2005, p.10) o planejamento é a determinação de objetivos e metas para o desempenho organizacional futuro, e decisão das tarefas recursos utilizadas para alcance daqueles objetivos. Já para Daft (2005, p.5) planejamento é a função administrativa envolvida com a definição de metas para o desempenho organizacional futuro e com a decisão sobre as tarefas e o uso dos recursos necessários para alcançá-las. O planejamento é o processo de determinar os objetivos organizacionais e de como atingi-los afirma Montana e Charnov (2003, p.116). O propósito do planejamento e do estabelecimento de metas é ajudar a organização a alcanlçar um alto desempenho. A falta de planejamento pode reduzir desempenho de uma organização. Um programa de planejamento bem concebido aumenta a coordenação da decisão e enfatiza objetivos organizacionais. De uma maneira geral, o planejamento é muito vantajoso para uma organização. O fracasso organizacional na maioria dos casos são consequência de um planejamento inadequado. Empresas bem-sucedidas possuem um plano estabelecido, uma declaração formal que planeja em linhas gerais os objetivos que a organização quer atingir Organização Toda empresa está sempre preocupado com a problemática de se organizar. A reorganização é frequentemente necessária para refletir uma nova estratégia, de mercado em mudança, ou uma tecnologia inovadora. A organização é importante porque, enquanto a estratégia define o fazer, a função organização define como fazer. Para Silva (2005, p.10) a organização é o processo de designação de tarefas, de agrupamento de tarefas em departamentos e de alocação de recursos para os departamentos. Em concordância a isso, Andrade e Amboni (2007) cita que

30 30 organizar compreende a distribuição do poder, das tarefas, das responsabilidades e da prestação de contas. Já para Certo (2003, p. 197) organizar é o processo de estabelecer o uso ordenado de todos os recursos do sistema administrativa. [...] O processo de organizar leva à criação de uma estrutura organizacional, que define como as tarefas são divididas e os recursos são distribuídos. Também a organização facilita a representação visual de uma empresa. A função de organizar é de extrema importância para o sistema administrativo, por ser o principal mecanismo utilizado pelos gerentes para colocar seus planos em ação. Cria relações entre todos os recursos da empresas ao indicar quais deles serão usados para atividades específicas e quando, onde e como serão utilizados Direção A função de direção se relaciona diretamente com a maneira pelo qual os objetivos devem ser alcançados por meio da atividade das pessoas que compõem a organização. Uma vez estabelecidos os objetivos e estratégias definido o planejamento, detalhados os programas e procedimentos, cabe à função de direção se preocupar com as operações para que sejam executadas e os objetivos atingidos. Para Chiavenato (1994, p. 471) a direção é o conjunto de atividades do processo administrativo no qual, através do exercício da liderança e uso apropriado de incentivos, leva a organização a executar suas atividades planejadas. Já Para Andrade e Amboni (2007, p.5) dirigir envolve os estilos de liderança e de direção utilizados pelos gestores para motivar as pessoas a atingir os objetivos propostos e proporcionar o sentido de missão. Em concordância a isso, Daft ( 2005) afirma que a direção é a função que envolve o uso de influência para motivar os colaboradores a alcançar as metas da empresa. Essa função está relacionada com a atuação sobre os recursos humanos da empresa. Em todas as empresas, vários recursos devem ser combinados em proporção adequados para produzir resultado de produto ou serviço. A direção da ação organizacional pode constituir uma das mais complexas funções

31 31 administrativas, pois envolve orientação, assistência à execução, comunicação e liderança, de uma maneira geral todos os processos através dos quais os administradores procuram influenciar os seus subordinados para que se comportem dentro das expectativas da organização. Como não existem organizações sem pessoas, a variável humana constitui um importante desafio para administração, pois as empresas somente podem funcionar se as pessoas estiverem ocupando seus cargos e desempenhando seus papéis adequadamente de acordo com o que lhes foi solicitado Controle Na função de controle, os gestores precisam certificar-se de que a organização está se movendo em direção às metas. A referida função está intimamente relacionada com as demais funções do processo administrativo: o planejamento, a organização e a direção repercutem intensamente nas atividades de controle das ações de uma organização. Embora menos envolvente do que as demais funções, o controle representa uma contraparte de todas elas. Também nenhum plano está completo e acabado até que se tenha elaborado os meios para avaliar seus resultados e conseqüências. Segundo Montana e Charnov (2003, p.19) controle é a função relacionada ao modo como os gerentes avaliam o desempenho dentro da organização com relação aos planos e às metas dessa organização. O controle é um conceito muito abrangente ele ajuda os administradores a monitorar a eficácia de seu planejamento, de sua organização e de sua direção, e que ajuda a tomar atitudes corretivas quando necessário. De acordo com Daft (2005, p.7) [...] controlar significa monitorar as atividades dos funcionários, determinando se a organização está ou não no caminho em direção as suas metas, e fazendo as correções quando necessárias. Em alguns casos, os gerentes tomam ações corretivas para mudar os padrões do desempenho; eles percebem que os padrões são muito altos ou muito baixos se os departamentos continuamente deixam de cumprir ou rotineiramente excedem os padrões. O controle envolve uma comparação com padrões

32 32 previamente estabelecidos para permitir a tomada de ação corretiva quando um desvio inaceitável ocorre. Essa ação corretiva pode envolver o exercício de autoridade e de direção, embora não necessariamente em todos os casos. Não resta dúvida que o processo administrativo é essencial para todo e qualquer administrador que queira alcançar sustentabilidade para a organização. 2.3 Áreas da Administração A organização também é contingente à incerteza ambiental, tendo em vista a economia, a sociedade, a política governamental, o mercado de trabalho e de produtos. O resultado é que a prática nas organizações se renova constantemente para atender às demandas ambientais, indicando a necessidade constante mudança organizacional. A preocupação central da administração diz respeito ao Desempenho Organizacional embora isso tenha diversas conotações tais como: eficiência, eficácia, comprometimento das pessoas, produtividade, satisfação, qualidade e responsabilidade social. Segundo Roesch (2007) a administração é dividida em áreas distintas, porém existe uma estreita relação entre si. As referidas áreas são: Administração Geral; Administração de Recursos Humanos; Administração de Marketing; Administração de produção e sistemas e Administração Financeira. A Administração Geral estabelece as normas de conduta, diretrizes e procedimentos de uma organização visando alcançar determinado objetivo. As áreas de administração geral [...] incorporam a maioria dos desenvolvimentos da teoria organizacional. Há várias possibilidades para trabalhos e pesquisas, como estruturação de empresas, racionalização e simplificação do trabalho, distribuição de espaço físico e condições ambientais, manuais e formulários, todos dentro do que se convenciona chamar de Análise Administrativa ou Análise Organizacional. (ROESCH, 2007, p.31) A Administração Recursos Humanos busca basicamente compatibilizar as necessidades de curto prazo das pessoas com os objetivos de longo prazo das organizações. Surgiu com uma função de bem-estar social nas organizações. Mais

33 33 tarde, tendo em vista o crescimento e o conseqüente aumento de complexidade das organizações, passou a desempenhar uma função de controle sobre a utilização da mão-de-obra. Por outro lado, a organização dos trabalhadores e o movimento sindical passaram a exercer pressão sobre as organizações no sentido de terem suas demandas atendidas e o Estado passou a tomar parte no sentido de criar as leis trabalhistas e uma legislação sindical. Isto fez com que os departamentos de pessoal passassem também a exercer uma função neutra no sentido de observar o que está proposto na legislação (ROESCH, 2007). Já para Milkovich (2000, p.19) entende-se por Administração de Recursos Humanos, uma série de decisões integradas que formam as relações de trabalho; sua qualidade influencia diretamente a capacidade da organização e de seus empregados em atingir seus objetivos. A atual área de Recursos Humanos lida com estratégias, relações sindicais, relações de trabalho e técnicas afetas à função recursos humanos, tais como recrutamento, seleção, treinamento, planos de cargos e salários, avaliação de desempenho, incentivos e remuneração. Os temas mais diretamente derivados da Psicologia Social dizem respeito a expectativas e atitudes em relação ao trabalho, motivação, participação, liderança, comunicação, conflito, poder, influência, qualificação, produtividade. Temas mais atuais consideram o estudo do poder e cultura organizacional, novas formas de organização do trabalho, qualidade de vida no trabalho, práticas de envolvimento dos trabalhadores, comprometimento dos níveis gerenciais, ligação entre estratégia empresarial e de recursos humanos. Por ser uma área de extrema importância para o presente trabalho, temas relacionados a gestão de recursos humanos são apresentados no decorrer do trabalho da pesquisa. A Administração de Marketing é entendida como o processo de planejamento, execução e controle das estratégias e táticas de marketing, visando otimizar os resultados para clientes e outros stakeholders da empresa cita Dias (2004, p. 10). Ja para Bartles (1988 apud ROESCH,2007). a Administração de Marketing, constitui-se a partir do início do século XX, tendo em vista os problemas de distribuição de mercadorias. Com o crescimento industrial e o aparecimento das grandes organizações, a área de Marketing desenvolveu-se ainda mais, e seus

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PROJETO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROIVOLU UNIFAP.

PROJETO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROIVOLU UNIFAP. PROJETO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PROIVOLU UNIFAP. Autoria: Prof. Esp. Roberto José Nery Moraes. Professor, advogado, psicólogo. Permitida a reprodução

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos

Gestão Estratégica de Recursos Humanos Gestão Estratégica de Recursos Humanos Professor conteudista: Ricardo Shitsuka Sumário Gestão Estratégica de Recursos Humanos Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Organizações...1 1.2 Modelos de organizações...4

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J )

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A palavra hospital origina-se do latim hospitalis, que significa "ser

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais