EDITAL Nº 12/2014 PROVA DE TÉCNICO DE ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDITAL Nº 12/2014 PROVA DE TÉCNICO DE ENFERMAGEM"

Transcrição

1 SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE EDITAL Nº 12/2014 PROVA DE TÉCNICO DE ENFERMAGEM PROVA OBJETIVA DATA: 13 DE ABRIL DE 2014 DURAÇÃO: 03 horas INÍCIO: 14h 30min TÉRMINO: 17h 30min NOME EM LETRA DE FORMA ASSINATURA DO CANDIDATO LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES 1. Examine se a prova está completa e se há falhas ou imperfeições gráficas que causem dúvidas. Qualquer reclamação somente será aceita até os 15 minutos iniciais. 2. A prova consistirá de 40 questões com quatro alternativas (A, B, C e D), das quais apenas uma é verdadeira. Leia atentamente cada questão e escolha a alternativa, marcando-a no cartão-resposta, cobrindo levemente todo o espaço correspondente à letra a ser assinalada. Verifique se o caderno está incompleto ou se há imperfeições. Nesses casos, informe, imediatamente, ao fiscal. Utilize somente caneta de tinta azul ou preta. Marque seu cartão-resposta, pintando completamente o quadrinho referente a sua resposta, como no modelo abaixo: Ex.: A B C D 3. A leitora de marcas não registrará as respostas em que houver falta de nitidez, uso de corretivo, marcação a lápis e/ou marcação de mais de uma letra. 4. O cartão-resposta não pode ser dobrado, amassado, rasurado ou manchado. Exceto sua assinatura, nada deve ser escrito ou registrado fora do espaço destinado às respostas. 5. Verifique se o seu nome e o número de inscrição estão corretos no cartão-resposta. Se houver erro, comunique-o ao fiscal. Não se esqueça de assiná-lo. 6. Durante a prova, é vetado o intercâmbio e o empréstimo de material de qualquer natureza entre os candidatos. A fraude ou tentativa de fraude, a indisciplina e o desrespeito às autoridades encarregadas dos trabalhos são faltas que desclassificarão o candidato. 7. De acordo com o subitem 7.10 do edital 12/2014, durante a realização da prova escrita objetiva, são terminantemente proibidos aos candidatos qualquer espécie de consulta e comunicação entre eles, a utilização ou o porte de lápis, borracha, lapiseira, livros, manuais, impressos ou anotações, máquinas calculadoras, boné, artigos de chapelaria, óculos escuros, relógios, agendas eletrônicas ou similares, telefone celular, bip, e-books, walkman, MP3 player, ipod, iphone, gravador ou qualquer outro receptor ou transmissor de mensagens e dados. Caso haja a desobediência a esta instrução, o candidato será eliminado do certame. Os perigos da Paixão7, 8. Ao terminar, entregue ao fiscal a prova e o cartão-resposta assinado, que é o único documento válido para correção. 1

2 01. A Portaria GM nº 336, de 19 de fevereiro de 2002, estabelece em seu Artº 1 que: a) Os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. b) Determinar que a totalidade dos recursos do Ministério da Saúde destinados ao financiamento dos procedimentos constantes da Portaria SAS/MS n o 189, de 20 de março de 2002, seja incluída no Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC). c) Instituir, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada a Usuários de Álcool e Outras Drogas, a ser desenvolvido de forma articulada pelo Ministério da Saúde e pelas Secretarias de Saúde dos estados, Distrito Federal e municípios. d) Constituir, no âmbito da Secretaria de Assistência à Saúde, Comissão de Análise e Acompanhamento do Processo de Classificação Hospitalar em Psiquiatria, destinada a avaliar permanentemente o processo de supervisão e reclassificação hospitalar, apreciar recursos quanto às classificações realizadas, propor aperfeiçoamentos no sistema de avaliação, acompanhar a etapa de reestruturação dos hospitais psiquiátricos públicos, privados e filantrópicos. 02. O Ministério da Saúde em 2004, lançou o seguinte documento: Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), com intenção de ajudar os profissionais da saúde a conhecer melhor o funcionamento desse serviço. Os CAPS são caracterizados de acordo o número populacional que pode atender. Logo o CAPS II, deve funcionar em: a) Municípios com população entre e habitantes. b) Municípios com população entre e habitantes. c) Municípios com população entre a habitantes. d) Municípios com população acima de habitantes. 03. Sabe-se que as pessoas atendidas nos CAPS (Centros de Atenção Psicossociais) são aquelas que apresentam intenso sofrimento psíquico, que lhes impossibilita de viver e de realizar seus projetos de vida. São, preferencialmente, pessoas com transtornos mentais severos e/ou persistentes, ou seja, pessoas com grave comprometimento psíquico, incluindo os transtornos relacionados às substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e também crianças e adolescentes com transtornos mentais. De acordo com cada classificação dos CAPS, marque a alternativa INCORRETA: a) CAPS I e CAPS II: atendimento diário de adultos, em sua população de abrangência, com transtornos mentais severos e persistentes. b) CAPS III: atendimento diário e noturno de adultos, durante sete dias da semana, atendendo à população de referência com transtornos mentais severos e persistentes, possuindo leitos de repouso com a finalidade exclusiva de tratamento de desintoxicação. c) CAPSi: CAPS para infância e adolescência, para atendimento diário a crianças e adolescentes com transtornos mentais. d) CAPSad: CAPS para atendimento diário à população com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, como álcool e outras drogas. 04. Cada usuário de CAPS deve ter um projeto terapêutico individual, isto é, um conjunto de atendimentos que respeite a sua particularidade, que personalize o atendimento de cada pessoa na unidade e fora dela e proponha atividades durante a permanência diária no serviço, segundo suas necessidades. A depender do projeto terapêutico do usuário do serviço, o CAPS poderá oferecer, conforme as determinações da Portaria GM 336/02 (BRASIL, 2004; p.16), EXCETO: a) Atendimento Intensivo: trata-se de atendimento diário, oferecido quando a pessoa se encontra com grave sofrimento psíquico, em situação de crise ou dificuldades intensas no convívio social e familiar, precisando de atenção contínua. Esse atendimento pode ser domiciliar, se necessário. b) Atendimento Semi-Intensivo: nessa modalidade de atendimento, o usuário pode ser atendido até 12 dias no mês. Essa modalidade é oferecida quando o sofrimento e a desestruturação psíquica da pessoa diminuíram, melhorando as possibilidades de relacionamento, mas a pessoa ainda necessita de atenção direta da equipe para se estruturar e recuperar sua autonomia. Esse atendimento pode ser domiciliar, se necessário. 2

3 c) Atendimento Médio-Intensivo: trata-se de atendimento de no máximo 15 dias no mês. Essa modalidade é oferecida quando a pessoa se encontra com grave sofrimento psíquico, porém já saiu das situações de crise ou dificuldades intensas no convívio social e familiar. d) Atendimento Não-Intensivo: oferecido quando a pessoa não precisa de suporte contínuo da equipe para viver em seu território e realizar suas atividades na família e/ou no trabalho, podendo ser atendido até três dias no mês. Esse atendimento também pode ser domiciliar. 05. A Classificação Internacional de Doenças - CID 10, em seu capítulo V, que constitui um volume separado, especifica os transtornos mentais e de comportamento, usando como critérios de classificação, os próprios sinais e sintomas de cada quadro mental, não procurando buscar explicações de suas causas. Sabe-se que o transtorno mental precisa ser identificado para que o usuário possa receber tratamento adequado. Embora não seja objetivo da equipe de enfermagem elaborar diagnósticos psiquiátricos, é muito importante que estes tenham conhecimento desta classificação. Diante deste contexto, marque a alternativa que NÃO se caracteriza como Transtorno de Ansiedade. a) Transtorno de Estresse Pós-traumático. b) Transtorno Bipolar. c) Transtorno de Pânico. d) Agorafobia. 06. Diante de um paciente com transtorno de ansiedade, apresentando a seguinte situação clínica: Eu já não durmo direito. Morro de medo de tudo. Tem horas que me dá uma crise e eu preciso estar perto de alguém. Eu sei que parece um absurdo, mas não consigo controlar. Qual a sua conduta como técnico de enfermagem? Marque a alternativa CORRETA. a) Ouvir as queixas e os receios é essencial, em todos os casos, devendo tentar mostrar-lhe que o medo que sente é irreal. b) Mostrar-se tranquilo, utilizando frases curtas, com um tom de voz firme, na conversação também pode ajudar. c) Provocar situações para que ele perca o medo. d) Diante dos medos e das queixas deixar o paciente sozinho para que ele possa refletir. 07. O Transtorno obsessivo compulsivo (TOC) se caracteriza por pensamentos ou imagens indesejadas, recorrentes e invasivos (obsessões), que a pessoa tenta aliviar por comportamentos ou atos mentais repetidos (compulsões). Dentre as condutas de enfermagem, o que NÃO deve ser feito durante o tratamento de um paciente com TOC: a) Fazer perguntas específicas sobre seus pensamentos e comportamentos, especialmente se você observar indicações físicas, como mãos machucadas e vermelhas ou queda do cabelo devido a arrancar compulsivamente os cabelos. b) Dizer: Eu vi que você fez sua cama três vezes hoje. Isso deve ser muito cansativo para você, mostrando que está ciente do comportamento dele. c) Manter uma atitude de aceitação, demostrando choque e/ou crítica ante o comportamento ritualístico. d) Ocupar o paciente em atividades que criam realizações positivas, bem como canalizar a energia emocional. 08. A esquizofrenia designa um grupo de transtornos psiquiátricos graves e incapacitantes, marcados por afastamento da realidade, pensamento ilógico, possíveis delírios e alucinações e outras alterações emocionais. Esse transtorno possui alguns mitos e algumas verdades. Marque a alternativa que apresenta somente afirmações VERDADEIRAS em relação à esquizofrenia: I. Os esquizofrênicos são mais violentos do que as outras pessoas. II. Os esquizofrênicos acarretam um risco relativamente pequeno de comportamento violento. III. os esquizofrênicos tem menor propensão a se comportar violentamente do que os usuários abusivos de drogas. 3

4 IV. O comportamento psicomotor agitado de alguns pacientes esquizofrênicos reflete uma energia excessiva, que os faz praticar atos violentos. V. Um esquizofrênico pode apresentar alucinações ou delírios, mas não ambos. a) II, IV, V. b) II, III. c) I, IV, V. d) II, III, IV. 09. O registro de enfermagem é um dos aspectos fundamentais para acompanhamento satisfatório do paciente; diante de um registro bem esclarecido e científico, viabiliza a continuidade da assistência. Logo, o Técnico em Enfermagem deve conhecer alguns sinais e sintomas gerais, bem como seus termos científicos para o registro no prontuário. O paciente relata: Estou ouvindo vozes, várias pessoas conversando comigo, dizendo que sou fraco e que eu tenho que cometer suicídio. Como é a forma científica de escrever no prontuário, relatando esse episódio: a) Paciente apresenta alucinações auditivas. b) Paciente apresenta ilusão auditiva. c) Paciente apresenta despersonalização. d) Paciente apresenta delírios auditivos. 10. Diante da complexidade do Transtorno Esquizofrênico, sua assistência deve ser voltada para atender aos seguintes objetivos, EXCETO: a) Cura do paciente. b) Reduzir a gravidade dos sintomas psicóticos. c) Evitar recorrências dos episódios agudos e o declínio funcional associado. d) Atender às necessidades físicas e psicossociais do paciente. 11. Algumas intervenções de enfermagem são apropriadas a todos os pacientes esquizofrênicos, independentemente do subtipo de doença que eles possam ter. Marque a alternativa que corresponde à ordem das afirmativas, Verdadeiras e Falsas: I ( ) Espere que o paciente a coloque num período de teste rigoroso antes de demonstrar sinais de confiança. Não o provoque nem brinque com ele. II ( ) Use uma abordagem consistente e de aceitação. Não evite o paciente nem o atrople; lembre-se de que, até que a confiança seja estabelecida é melhor ter contatos breves e repetidos com ele. III ( ) Sempre pergunte se ele quer fazer alguma atividade; usar perguntas ao invés de frases afirmativas, oferecendo opções. Ex: Você quer ir caminhar hoje. IV ( ) Se o paciente apresentar alucinações, discuta sobre essas alucinações, esclarecendo que não é real, que você não está escutando. V ( ) Evitar promover a dependência. Atenda às necessidades do paciente, mas faça para ele só se ele não conseguir fazer sozinho. a) V, V, V, F, F b) V, V, F, F, V c) F, F, V, V, F d) V, V, V, V, F 12. Os neurolépticos ou antipsicóticos reúnem um grupo de drogas com propriedades terapêuticas e farmacológicas comuns, em especial no tratamento de transtornos psicóticos como a esquizofrenia. Características como: rigidez facial e de postura, lentificação motora (movimentos lentos) e tremores, são comuns aparecer, conhecido como impregnação; porém o termo científico é: a) Síndrome parksoniana. b) Acatisia. c) Distonia aguda. d) Discinesia tardia. 4

5 13. Em geral os pacientes que possuem transtornos de personalidade têm dificuldade em se relacionar com outras pessoas. Eles podem se mostrar irritadiços, exigentes, hostis, temerosos ou manipuladores. Diante dos sinais e sintomas, qual intervenção de enfermagem NÃO deve ser realizada: a) Usar abordagem direta, franca e profissional e não uma abordagem causal. b) Cuidados persistentes, consistentes e flexíveis. c) Estabelecer uma relação terapêutica ouvindo ativamente e respondendo. d) Questionar as crenças paranoides do paciente. 14. Certa vez, num registro de enfermagem, encontrou-se a seguinte anotação: Paciente tenso com o fato de sua mulher não ter comparecido a visita. Diz que ela nunca o amou e que só se casou com ele para não ficar solteira. Fala que quer morrer por isso. Aconselhei que tivesse mais fé em Deus, não pensasse mais em morrer, e que assim que estivesse bom voltasse para sua terra e arrumasse uma outra mulher. (BRASIL, 2003; p.87). Para que o profissional consiga estabelecer uma relação terapêutica, é muito importante o seu autoconhecimento, para que não confunda seus desejos, crenças, valores morais, necessidades, sentimentos e emoções com as do paciente, o que o levaria a fazer interpretações erradas. Logo, você como técnico de enfermagem deve conhecer algumas técnicas que podem auxiliar e favorecer o autoconhecimento do paciente na mesma medida em que você o compreende. Relacione o conceito das técnicas com os seus termos, marcando a sequência correta: (1) Escuta (2) Paráfrase (3) Clarificação (4) Propostas abertas ( ) Trata-se de permitir que o paciente conduza e escolha o assunto. ( ) Pode-se pedir ao paciente que torne a mensagem mais clara, para que se compreenda o que foi dito ou para complementar uma ideia exposta. ( ) É muito importante que você escute o que o paciente tem a dizer, mostrando-se receptivo, olhando-o numa atitude aberta, de modo que ele perceba a sua importância. ( ) Consiste em repetir ao paciente o conteúdo do que disse, com o objetivo de fazê-lo tomar consciência do que falou. a) 2, 3, 4, 1 b) 4, 3, 1, 2 c) 2, 4, 1, 3 d) 4, 2, 1, Os transtornos alimentares são desvios do comportamento alimentar que podem levar ao emagrecimento extremo, obesidade entre outros problemas físicos, psíquicos e incapacidades. Para tanto qual assistência de enfermagem NÃO deve ser realizada junto aos pacientes que apresentam transtornos alimentares: a) Explorar o grau de dependência e envolvimento entre os membros da família, discutindo com o paciente e a família as funções, papéis e limites adequados, bem como formas de comunicação mais efetivas. b) Identificar as regras dentro da família que reforçam o comportamento inadequado do paciente e, juntamente com a mesma, buscar mecanismos para adequá-las. c) Ajudar o paciente a desenvolver habilidades na resolução de problemas e proporcionar condições para que teste os resultados. d) Não explorar o medo que o paciente tem de ganhar peso; deve somente oferecer apoio e tranquilização. 16. Para promover uma assistência eficaz, o técnico de enfermagem deve conhecer as patologias mais comuns do contexto psiquiátrico; pois mediante a identificação de um diagnóstico médico, deverá conhecer alguns sinais e sintomas prévios que o paciente poderá apresentar. Marque a alternativa que corresponde a sequência correta baseada nas características dos Transtornos Alimentares. Código: 1 - Anorexia nervosa 2 - Bulimia 5

6 Características: ( ) Caracteriza-se pela pessoa provocar vômitos após a ingestão de comida pelo medo de ganhar peso. ( ) A pessoa recusa-se em manter o peso dentro ou acima do mínimo normal adequado à idade e à altura; a perda de peso é autoinduzida por evitar alimentos que engordam. ( ) Nas mulheres, a ausência de pelo menos três ciclos menstruais consecutivos. ( ) Ingestão em pequeno intervalo de tempo de uma quantidade de comida claramente maior do que a maioria das pessoas comeria no mesmo tempo. Marque a sequência correta: a) 2, 1, 1, 2 b) 1, 2, 2, 1 c) 1, 1, 2, 1 d) 2, 2, 2, O Transtorno de Atenção e Hiperatividade se caracteriza por desatenção inadequada ao desenvolvimento, impulsividade e, em alguns casos, por hiperatividade. Diante da seguinte situação vivenciada por você: Na sala de encontros a criança fica inquieta, agitada na cadeira, correndo pela sala, falando demais, não conseguindo se envolver nas atividades, sendo impossível ficar sentada. Essa criança está apresentando qual sinal? a) Impulsividade. b) Hiperatividade. c) Desatenção. d) Ansiedade. 18. Como crianças e adolescentes estão num estado de mudança e crescimento rápidos, uma variação ampla no comportamento é considerada normal. Apesar disso, muitas apresentam uma perturbação emocional que é mais intensa do que os altos e os baixos normais do crescimento, como por exemplo, o Transtorno de Atenção e Hiperatividade. Diante desse transtorno, avalie quais as intervenções de enfermagem estão adequadas. Assinale o item que corresponde a sequência correta, sendo V para verdadeiro e F para falso. I. ( ) Desenvolver uma relação de confiança e de aceitação com a criança. II. ( ) Não encorajá-la a falar sobre problemas, dificuldades e sentimentos, pois isso pode acelerar a impulsividade. III. ( ) Avaliar seu risco de lesões em relação à hiperatividade e a comportamentos motores macroscópicos. IV. ( ) Não se deve fazer interrupções frequentes com a intenção de ajudá-la a controlar a impulsividade e reduzir os comportamentos hiperativos. V. ( ) Manter um ambiente seguro e calmo, que reduza a um mínimo à estimulação e às distrações e ajude a criança a permanecer em controle. a) F, V, F, V, F b) V, V, V, F, V c) V, F, V, F, V d) V, V, V, V, V 19. O abuso de drogas afeta homens e mulheres de todas as idades, culturas e grupos socioeconômicos; a infinidade de novas substâncias psicoativas e a velocidade com que elas têm surgido em todas as regiões do mundo é uma das tendências mais notáveis nos mercados de drogas ao longo dos últimos cinco anos (Relatório Mundial de Drogas, 2013). Diante desse uso abusivo, os serviços de assistência voltados para esses pacientes estão com demanda elevada, necessitando que os profissionais conheçam algumas definições para atuarem de forma direcionada e plausível. Marque a alternativa CORRETA: a) Abuso de drogas é o uso compulsivo e retido de uma droga psicoativa acarretando tolerância aos efeitos da droga e sintomas de abstinência ao ser reduzido ou suspenso o uso de droga. b) Dependência de droga dar-se ao uso repetido de uma droga psicoativa que não acarreta uso compulsivo ou adição e não ocasiona sintomas de abstinência ao terminar-se o uso da droga. 6

7 c) Abstinência é uma síndrome desconfortável que ocorre quando os níveis teciduais e sanguíneos da substância abusada diminuem numa pessoa que usou a droga de maneira pesada por um período prolongado. d) Tolerância é uma resposta diminuída a uma droga que vem com o uso repetido. O usuário que desenvolve as propriedades gratificantes da droga abusada tem de tomar doses menores, pois seu organismo não a tolera mais. 20. Consideram-se como psicoativas as substâncias que provocam um estado de alteração em nosso funcionamento mental, aumentando, diminuindo ou distorcendo sua atividade, e que causam dependência. Podemos citar vários exemplos de substância psicoativa, desde o álcool, o cigarro e as substâncias ilegais (cocaína, maconha, LSD), até aquelas prescritas pelo médico tais como os ansiolíticos e hipnóticos. Para tanto, existem intervenções de enfermagem gerais que são apropriadas a pacientes durante um episódio agudo, durante a abstinência e quando o episódio agudo tiver sido resolvido. Logo, durante um episódio agudo quais condutas são adequadas? Marque o item CORRETO. I. Monitorar continuamente os sinais vitais e o débito urinário do paciente. II. Encaminhar o paciente à reabilitação. III. Atentar quanto a complicações de intoxicação por dose excessiva e abstinência, como parada cardiopulmonar, convulsões e aspiração. IV. Abordar o paciente de maneira não ameaçadora, limitando um contato ocular prolongado. V. Desenvolver a autoconsciência e uma atitude compreensiva e positiva em relação ao paciente, controlando suas reações e comportamento. a) I, II, III, V b) I, II, III, IV, V c) I, II, V d) I, III, IV 21. Os profissionais da equipe multidisciplinar de Saúde Mental reconhecem a reabilitação psicossocial como um processo complexo de desenvolvimento da autonomia dos portadores de transtorno mental, possibilitando sua inserção social e o abandono de uma visão unilateral dos sintomas. Para tanto, qual estratégia melhor se enquadra no processo de reabilitação psicossocial, atualmente? Marque a alternativa CORRETA. a) Técnica Livre. Acreditava-se que o fazer arte já propicia a cura por si, por ser um veículo de acesso ao conhecimento do mundo interior. b) Técnica com uma finalidade e um propósito definido. Ações inclusoras que proporcionam heterogeneidade e oportunidades de ações com base na desinstitucionalização. c) Ênfase nos trabalhos individuais e grupais somente entre os usuários. d) Ênfase na segregação, no estigma, na exclusão, na violência, no preconceito, na alienação, na cronificação, nas desigualdades, na diferença e na discriminação. 22. De acordo com a Lei do Exercício Profissional nº 7.498/86 é atividade do técnico de enfermagem, EXCETO: a) Participação na programação da assistência de enfermagem. b) Participação na elaboração, execução e avaliação dos planos assistenciais de saúde. c) Participação como membro da equipe de saúde. d) Participação na orientação e supervisão do trabalho de enfermagem em grau auxiliar. 23. Em um hospital de pequeno porte, face à insuficiência de recursos humanos da enfermagem, a diretora do Serviço de Enfermagem definiu que a responsabilidade dos turnos diurnos seria dos enfermeiros e a do plantão noturno dos técnicos de enfermagem. De acordo com os preceitos da Lei no 7498/86, que instituiu a categorização dos profissionais da área de enfermagem em enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares de enfermagem e definiu as respectivas atribuições, essa decisão gerencial é: a) Legal porque assegura a garantia de continuidade da assistência de enfermagem. b) Ilegal porque revela a não colaboração do enfermeiro para a atividade noturna. c) Ilegal porque a supervisão não é competência do técnico de enfermagem na ausência do enfermeiro. d) Legal porque houve a capacitação do técnico de enfermagem para o exercício desta atividade. 7

8 24. É direito do cidadão decidir sobre sua pessoa, seu tratamento e aceitação de ações que possam ou não determinar seu bem - estar, sempre que submetido a procedimentos de enfermagem. Este direito é preconizado: a) Na Sistematização da Assistência de Enfermagem. b) Na Constituição Federal Brasileira. c) Na Lei do Exercício Profissional da Classe de Enfermagem. d) No Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. 25. Os art. 12 e 21 do CEPE ao discutirem as responsabilidades e deveres das relações com a pessoa, a família e a coletividade, afirmam que os profissionais de Enfermagem devem: Assegurar à pessoa, à família e à coletividade assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência (art. 12) e Proteger a pessoa, a família e a coletividade contra danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência por parte de qualquer membro da Equipe de Saúde (Art. 21). Em ambos os artigos percebe-se a atenção com um dos pilares da bioética: a) Justiça. b) Autonomia. c) Beneficência. d) Integralidade. 26. Em uma unidade de internação, no preparo da medicação, a técnica de enfermagem constatou que para um dos pacientes foi prescrito um medicamento em dose inadequada. A mesma decidiu administrar o medicamento na dose adequada e não comentar com ninguém para não prejudicar o médico. A conduta da profissional foi: a) Não ética, porque alterou a dosagem sem consultar o responsável pela prescrição. b) Ética, porque evitou danos ao paciente e exposição do colega. c) Não ética, porque optou por omitir a decisão à sua chefia imediata. d) Ética, porque não denunciou o colega, demonstrando lealdade à equipe. 27. Joana, técnica de enfermagem da clínica pediátrica de um hospital de grande porte, administrou um medicamento errado em cliente sob seus cuidados. Contudo, imediatamente ao perceber o seu erro, Joana buscou minimizar ao máximo as suas consequências para a saúde do cliente. Ainda assim, pode-se dizer que Joana agiu com: a) Imprudência. b) Imperícia. c) Negligência. d) Imprudência e Negligência. 28. Paciente internado com pneumonia foi prescrito Penicilina potássica UI para correr em 30ml de SF 0,9%. Tem disponível no posto de enfermagem a Penicilina potássica de UI. Quantos ml devem ser aspirados para ser administrado no paciente? a) 0,77. b) 0,78. c) 0,79. d) 0, Criança, 4 meses, internada em unidade pediátrica com suspeita de infecção urinária foi prescrito Gentamicina 0,6ml de 8/8h. O hospital possui seringas de insulina de 80 unidades. Para se administrar a medicação prescrita, o técnico de enfermagem deve aspirar a dose de: a) 40 unidades. b) 44 unidades. c) 48 unidades. d) 60 unidades. 8

9 30. Os cuidados de enfermagem com a pele do paciente são indispensáveis para mantê-lo higienizado e reduzir as infecções. Além desses cuidados, o objetivo do banho no leito realizado pelo técnico de enfermagem deve atentar para: a) Auxiliar na movimentação do paciente. b) Facilitar o relaxamento muscular e a segurança física do paciente. c) Ativar a circulação sanguínea com exercícios em membros superiores e inferiores. d) Promover o conforto e o alívio das áreas de contato com o colchão. 31. Durante o procedimento de punção venosa é comum ocorrer a perfuração do vaso sanguíneo pelo jelko para o espaço subcutâneo favorecendo o extravasamento da medicação ou soro para este espaço. Este sinal de extravasamento pode ser reconhecido através de: a) Edema, palidez, sensação de frio e dor local. b) Dor difusa, dormência, edema e calor local. c) Dor intensa, edema, formigamento e hiperemia. d) Hiperemia, resfriamento, dor, e edema. 32. Paciente de 12 anos, internado por constipação foi prescrito pelo médico realizar enema a cada 24h pela manhã. O técnico de enfermagem deve posicionar o paciente na seguinte posição: a) Genupeitoral, em que o paciente fica em decúbito ventral com o joelho apoiado no peito, e a cabeça, virada para um dos lados, sobre um pequeno travesseiro. b) Trendelemburg, em que o paciente fica em decúbito dorsal, com o corpo inclinado e a cabeça mais baixa que os pés para facilitar a realização do procedimento. c) Litotomia, em que o paciente fica em decúbito dorsal, com as pernas flexionadas, fixadas por faixas, com as nádegas ligeiramente fora do colchão. d) Sims, em que o paciente fica preferencialmente em decúbito lateral esquerdo, com travesseiro sob a cabeça, com o braço esquerdo para trás e o membro inferior direito fica bem flexionado sobre o esquerdo, que é pouco flexionado. 33. A verificação dos sinais vitais é um procedimento de rotina nos cuidados de enfermagem ao paciente. Sobre estes cuidados, marque o item correto: I. Dentre os cuidados ao paciente em hipertermia deve-se estimular ingesta hídrica; banho de água morna quase fria; realizar compressas frias, não geladas, nas pregas inguinais e axilares e testa. II. Os fatores fisiológicos que interferem na verificação do pulso periférico são as emoções, digestão, exercícios físicos e febre. III. A respiração é importante indicador vital no paciente e esta deve ser avaliada quanto a frequência, ritmo e profundidade. IV. A pressão arterial (PA) é a resistência oferecida pelas paredes das artérias ao fluxo sanguíneo, ocasionado pela força de contração do coração. Dentre os fatores que diminuem a PA estão: choque, hemorragias, sono, repouso, drogas depressoras e idade avançada. a) I e II estão corretas. b) I e III estão corretas. c) I, III e IV estão corretas. d) II, III e IV estão corretas. 34. O técnico de enfermagem como integrante da equipe de saúde deve conhecer as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Em relação à lei n 8080/90, de 19 de setembro de 1990, assinale os princípios de assistência à saúde: a) Universalidade, centralização e equidade. b) Universalidade, sustentabilidade e autonomia. c) Integralidade, universalidade e regionalização. d) Integralidade, hierarquização e centralização. 9

10 35. A Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes. Em relação a essa Lei, considere as seguintes afirmativas, assinalando o item INCORRETO: a) É dever do Estado, garantir a saúde, no que consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos. b) Assegurar o acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. c) É dever do estado a divulgação dos fatores condicionantes e determinantes sociais da saúde. d) Assistir às pessoas por intermédio da formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos as quais devem ser prioritariamente terceirizadas ao setor privado. 36. De acordo com a Lei nº de 19 de Setembro de 1990, Art. 6º que trata dos campos de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS), no que se refere ao conjunto de ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde, se refere à: a) Vigilância epidemiológica. b) Vigilância sanitária. c) Vigilância em saúde. d) Vigilância social. 37. A lei 8.142/90 dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e recursos financeiros. Assinale a assertiva CORRETA: a) O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) terão representação no Conselho Municipal de Saúde. b) A Conferência de Saúde reunir-se-á sempre que necessário com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde. c) A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências será paritária em relação ao conjunto dos demais segmentos. d) As transferências intergovernamentais de recursos financeiros são asseguradas mediante Conferência de Saúde e pactuações nos Conselhos de Saúde. 38. Das atribuições incluídas no campo de atuação do Sistema Único de Saúde no Brasil, presentes na Lei nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990, considere as seguintes afirmativas, assinalando o item INCORRETO: a) Vigilância sanitária; vigilância epidemiológica; saúde do trabalhador; e assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica; além da participação na formulação da política e na execução de ações de saneamento básico. b) Aplicação de investimentos previstos em lei orçamentária, de iniciativa do Poder Legislativo e aprovados pelo Congresso Nacional. c) Formação de recursos humanos na área de saúde; vigilância nutricional e a orientação alimentar; colaboração na proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho. d) Formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos e outros insumos de interesse para a saúde e a participação na sua produção. 39. Jornal O Povo, 10 de setembro de 1991: Fortaleza parte na frente no programa de municipalização da saúde e passa a ser a primeira cidade das regiões Norte e Nordeste a se encarregar diretamente da sanidade da sua população. A partir desta notícia veiculada na época, acerca da municipalização da saúde, analise os itens a seguir e assinale a alternativa CORRETA: a) A cidade de Fortaleza adota as diretrizes propostas pelas Normas Operacionais Básicas (NOBs) que garantem restritivamente o controle social da saúde. b) No nível municipal, o Sistema Único de Saúde (SUS), poderá organizar-se em distritos de forma a integrar e articular recursos, técnicas e práticas voltadas para a cobertura total das ações de saúde. c) A municipalização da saúde permite gerenciar unicamente as despesas de custeio da administração privada. d) Os princípios éticos e as normas que regem a municipalização e o funcionamento devem ser submetidos diretamente à apreciação do órgão de direção do Sistema Único de Saúde. 10

11 40. Em relação à competência da Direção Estadual do Sistema Único de Saúde (SUS) segundo a Lei 8080/90 é CORRETO afirmar: a) Presta apoio técnico e financeiro aos Municípios e executa supletivamente ações e serviços de saúde. b) Planeja, organiza, controla e avalia as ações e os serviços de saúde, além de executar os serviços públicos de saúde locais. c) Participa do planejamento, programação e organização da rede regionalizada e hierarquizada do Sistema Único de Saúde (SUS), em articulação com sua direção privada. d) Participa unicamente da execução, controle e avaliação das ações referentes às condições e aos ambientes de trabalho. 11

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira RESPOSTA: CORRETA PERMANECE A LETRA D QUESTÃO 42. A senhora Maria Cristina 22 anos, do lar, união estável, tem um filho de 2 anos(pedro). A mesma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ASSISTENTE SOCIAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em sala de aula Quem são estas crianças? SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO ORDENADOR QUE ASSEGURA A INTEGRAÇÃO RECEBIDA DO MUNDO EXTERIOR E DO PRÓPRIO

Leia mais

Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves

Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves RESPOSTA: CORRETA PERMANECE A LETRA D QUESTÃO 42. A senhora Maria Cristina 22 anos, do lar, união estável, tem um filho de 2 anos(pedro).

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência:

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: PROVA OBJETIVA Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015 Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: Fique atento para as instruções abaixo: - As questões a

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 7 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Alienação das drogas

Alienação das drogas Alienação das drogas Que relação podemos fazer entre os personagens mortos-vivos da ficção e os usuários de drogas em geral. São substâncias, naturais ou sintéticas que, introduzidas no organismo, podem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química

FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química FARMACOTERAPIA EXCLUSIVA Nutracêuticos para o tratamento da dependência Química NUTRACÊUTICOS PARA TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS TRATAMENTO COM ALTA EFETIVIDADE Os mais recentes estudos científicos

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS INTRODUÇÃO A queda do pacientes são motivos de preocupação para os profissionais de saúde e administração hospitalar, por esse motivo

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 10 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Autarquia Federal criada pela Lei Nº 5.905/73 PARECER COREN/SC Nº 015/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca da realização de punção intraóssea por Enfermeiro. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico sobre a Câmara Técnica do Coren/SC,

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 07 TÉCNICO DE ENFERMAGEM (Saúde Mental e Psiquiatria) 01. C 11. E 21. D 02. E 12.

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos Objetivos: (1) Estimar a prevalência dos sintomas dos transtornos mentais mais comuns na infância e na adolescência em crianças e adolescentes brasileiros de 6 a 17 anos (2) Pesquisar a freqüência de uso

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais