Estudo Setorial. Mercado de Seguros investe em Sustentabilidade. Revista Suma Economica. ISSN Edição Especial 75 - Janeiro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Setorial. Mercado de Seguros investe em Sustentabilidade. Revista Suma Economica. ISSN 0100-8595 - Edição Especial 75 - Janeiro de 2014"

Transcrição

1 Estudo Setorial Revista Suma Economica ISSN Edição Especial 75 - Janeiro de 2014 Mercado de Seguros investe em Sustentabilidade

2 Saiba como identificar e aproveitar oportunidades, controlar custos, diminuir riscos e avaliar os rumos da empresa. Um orçamento operacional e de vendas bem feito precisa envolver todo o pessoal-chave de sua empresa: finanças, RH, logística, marketing, vendas, produção e pessoal de apoio. Orçamento operacional e de vendas Baixe um leitor de QR code em seu celular, aproxime o telefone do código e aproveite as promoções no site: Saiba como maximizar os lucros fazendo o trade-off entre preços e quantidade de vendas, como preparar a matriz de preços de sua empresa para atingir o melhor resultado financeiro. Aprenda melhorar o mix de seus produtos e fazer a estratégia de preços. O planejamento do orçamentário é um diferencial que determina muitas vezes o sucesso ou fracasso de uma empresa. Aprenda a calcular todos os aspectos essenciais de seu negócio, tais como a receita à vista, o cálculo das despesas proporcionais a venda, o prazo de recebimento, a projeção futura de resultados e outros.

3 Sustentabilidade em Seguros editorial O alto grau de sustentabilidade do Seguro A adesão aos Princípios para a Sustentabilidade em Seguros não é obrigatória para seguradoras, resseguradoras ou instituições do setor. Tampouco têm o objetivo de servir como base para sanções legais ou regulatórias. Mas, a imediata subscrição a esses princípios por grandes grupos internacionais demonstrou para a sociedade que as questões sociais, ambientais e de governança (ASG) estão no DNA do mercado segurador, como bem definiu Maria Eugênia Buosi, especialista em Finanças Sustentáveis, em entrevista ao Portal da CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras). do comércio e da indústria, da comunidade acadêmica e científica. Os Princípios foram lançados em junho de 2012, no Rio de Janeiro. Desde então, as empresas brasileiras, lideradas pela CNseg, vêm se engajando de corpo e alma nesse processo, com um intenso foco direcionado para a sustentabilidade. Além disso, tais princípios foram estabelecidos a partir de uma série de pesquisas realizadas entre 2006 a 2009, as quais se concentraram nos riscos e nas oportunidades em seguros associados às questões ASG. Todo o trabalho foi acompanhado de perto por instituições-membro e observadoras do mercado de seguros na UNEP FI (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Iniciativa Financeira), o que, na prática, representou um atestado de qualidade e de seriedade para o resultado apurado. Ainda assim, a partir de 2010, a UNEP FI colocou o tema em ampla discussão com todo o mercado mundial, o que gerou a minuta dos Princípios. Foram ouvidos mais de 500 representantes do mercado de seguros, de órgãos reguladores, de organizações intergovernamentais e não governamentais, de associações Hoje, não seria exagero afirmar que, para o cidadão comum, que acompanha o noticiário, seguro e sustentabilidade estão tão interligados que podem ser vistos como ações que se complementam ou são ingredientes de uma mesma receita. Neste Caderno Especial, Suma Economica mostra como a sustentabilidade se transformou em uma ferramenta que o mercado de seguros adotou visando a aprimorar ainda mais a sua capacidade de proteger as pessoas, os negócios, o patrimônio público e privado. Até porque, como afirma o presidente da CNseg, Marco Antonio Rossi, na matéria que conta como esses princípios nasceram, não existe nada mais sustentável do que a função exercida pelo mercado de seguros na proteção à sociedade. Boa Leitura! Estudo Setorial 3

4 Sustentabilidade capitalização em Seguros índice 03 EDITORIAL O alto grau de sustentabilidade do Seguro 05 PRINCIPIOS Conheça os Princípios para a Sustentabilidade em Seguros 06 CONJUNTURA Princípios para Sustentabilidade nasceram no Rio 08 EMPRESAS A missão que cabe ao mercado de seguros 12 RELATÓRIO Príncipe Charles destaca papel do seguro 14 LEGISLAÇÃO Projeto aumenta segurança no trânsito 4 A edição especial sobre SEGUROS CORPORATIVOS faz parte da revista SUMA ECONOMICA, um suplemento da COP EDITORA LTDA. DIRETOR: Alexis Cavicchini - BANCO DE DADOS E PESQUISA ECONÔMICA: Fernando Lopes de Mello - COLABORAÇÃO: Jorge Clapp Projeto GrAfico e diagramação: CRIA Comunicação - DIRETORIA COMERCIAL: Salete Gondin - ATENDIMENTO: Caique Andrade - Estudo Setorial CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CLIENTE: (0xx21) CIRCULAÇÃO: Otácilio Vieira Filho RIO DE JANEIRO: Rua Baronesa do Engenho Novo, Cep Engenho Novo - Rio de Janeiro - RJ. Tel.: (0xx21) Fax: (0xx21) TIRAGEM DESTA EDIÇÃO: exemplares. Todas as análises e estatísticas são cuidadosamente preparadas pela equipe da SUMA ECONOMICA, de acordo com os últimos dados disponíveis no seu fechamento. Contudo, o uso destas informações para fins comerciais e de investimento é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários.

5 Sustentabilidade em Seguros princípios Conheça os Princípios para a Sustentabilidade em Seguros São quatro os Princípios para a Sustentabilidade em Seguros (PSI - Principles for Sustainable Insurance), estabelecidos pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Iniciativa Financeira (UNEP FI, sigla em inglês), em parceria com a indústria global de seguros. O primeiro deles é o compromisso do mercado de incluir no processo de tomada de decisão as questões ambientais, sociais e de governança (ASG) que sejam relevantes para a atividade em seguros. Dessa forma, o signatário deve desenvolver produtos e serviços que reduzam o risco, tenham um impacto positivo sobre questões ASG, e estimulem uma melhor gestão de riscos. No segundo, o signatário se compromete a trabalhar em conjunto com os clientes e parceiros comerciais para aumento da conscientização sobre questões ambientais, sociais e de governança, gerenciamento de riscos e desenvolvimento de soluções. Há também o compromisso de se fornecer a esses clientes e fornecedores informações e ferramentas que possam auxiliá-los na gestão de questões ASG. O terceiro princípio cita a importância de a empresa trabalhar em conjunto com governos, órgãos reguladores e outros públicos estratégicos para promover ações amplas na sociedade sobre questões ambientais, sociais e de governança. O signatário deve, nesse contexto, apoiar políticas prudenciais e estruturas legais e regulatórias que propiciem redução de risco, inovação e melhor gerenciamento de questões ASG. Por fim, o quarto princípio trata da relevância de o signatário demonstrar responsabilidade e transparência, divulgando com regularidade, publicamente, os avanços obtidos na implementação dos Princípios. A empresa deve ainda avaliar, medir e acompanhar o progresso apurado na gestão de questões ASG e, de forma proativa e regular, divulgar esta informação para o público. ADESÃO Para tornar-se um signatário dos Princípios e um membro da UNEP FI, a empresa deve apresentar uma carta e preencher o formulário de inscrição para signatário PSI disponível no website da UNEP FI. A carta, assinada pelo CEO da empresa, pelo Presidente do Conselho de Administração ou cargos equivalentes, deve conter declarações confirmando a aprovação dos Princípios e seu acordo para as exigências impostas ao signatário. Um signatário é livre para decidir que ações considera apropriadas para implementar os Princípios. As ações possíveis para cada Princípio são apenas exemplos. A empresa pode optar por considerar outras ações, levando em conta seu modelo comercial, circunstâncias relativas a áreas geográficas e outros fatores. A implementação dos Princípios é geralmente um trabalho contínuo e uma orientação a ser seguida, e não uma lista de verificação prescritiva a ser cumprida. Vale destacar ainda que, entre os benefícios obtidos com a adesão a esses princípios, constam, entre outros, o acesso ao sistema, à experiência e aos recursos do UNEP e da ONU sobre questões ASG; e às pesquisas, às redes de comunicações, aos eventos e à capacidade da UNEP FI de desenvolver serviços que se estendem às questões ASG, seguros, investimento e bancos. Estudo Setorial 5

6 Sustentabilidade em Seguros Princípios para Sustentabilidade nasceram no Rio O Brasil teve a primazia de ser o País onde foram lançados os Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI - Principles for Sustainable Insurance), estabelecidos pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Iniciativa Financeira (UNEP FI, sigla em inglês), em parceria com a indústria global de seguros. O lançamento ocorreu durante o seminário anual da Sociedade Internacional de Seguros (IIS), realizado no Rio de Janeiro, em junho de 2012, em paralelo à Rio+20. Esses princípios, que seguem o modelo do PRI (Principles for Sustainable Investment) - desenvolvido para o setor financeiro - logo foram abraçados por instituições e empresas de seguro e resseguro de todo o planeta. Hoje, mais de 60 organizações estão envolvidas no projeto, sendo que o Brasil se destaca, sendo o país como o maior número de empresas que aderiram ao PSI (veja o box). CNseg Um dos maiores entusiastas da causa é exatamente o presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Marco Antonio Rossi, para quem não existe nada mais sustentável do que a função exercida pelo mercado de seguros na proteção à sociedade. Nós somos extremamente sustentáveis: protegemos as famílias e as empresas, destacou Rossi, em entrevista à publicação Caderno de Seguros, editada pela Escola Nacional de Seguros. Na visão de Marco Antonio Rossi, é possível perceber facilmente esse foco ao acompanhar o trabalho realizado por grande parte das seguradoras, que vem apoiando medidas sustentáveis no país. Entre os mais de 2,6 milhões de nascimentos no Brasil, 500 mil partos foram pagos pelos planos de saúde. Pagamos bilhões de reais de benefícios e protegemos o cidadão comum, assinala. Ele assegura que serão mantidos e reforçados os bons Marco Antonio Rossi, presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) trabalhos realizados pela diretoria anterior da CNseg, na área de sustentabilidade. Rossi comenta que o objetivo de dar uma visibilidade ainda maior para o mundo dos seguros já foi alcançado. A nossa atividade está totalmente relacionada à sustentabilidade, uma vez que a essência do seguro, principalmente de pessoas, é proteger a vida e dar condições diferenciadas para a população brasileira, diz o executivo. EVENTO A CNseg realizou, em 2013, o I Seminário sobre os Impactos Jurídicos e Operacionais da Política Nacional de Resíduos Sólidos Divulgação CNseg (PNRS), no qual foram discutidas as questões sociais e ambientais nas decisões de aceitação de risco. Na ocasião, o diretor da Escola Nacional de Seguros, Renato Campos, lembrou que o mercado de seguros naturalmente anda de mãos dadas com a preservação do meio ambiente. Tudo que acontece ao planeta, de alguma forma impacta a atividade de seguros, frisou o executivo. Já a secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Mariana Meirelles, destacou que já estão vigorando dois acordos de cooperaração firmados pela CNseg e com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). Entendo que o mercado segurador pode utilizar como referência a política socioambiental adotada pelos grandes bancos e que foi definida pelo Branco Central, na elaboração de sua própria política, aconselhou a técnica, para quem é fundamental o apoio das seguradoras à implementação das inovações da lei de resíduos sólidos, que foi discutida por 21 anos até ser aprovada em Por sua vez, o coordenador da subcomissão de seguro de Responsabilidade Civil Ambiental da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Marco Antonio Ferreira, alertou que o mercado precisa conhecer melhor essa lei e os seus possíveis desdobramentos na atividade de seguros. 6 Estudo Setorial

7 Para ele, há questões que precisam ser esclarecidas rapidamente. Quem sabe quais são os aterros ou lixões para onde vão os resíduos produto dos capotamentos de cargas perigosas?, questionou Ferreira, deixando no ar a apreensão de todo o mercado quanto ao risco de seguradoras serem incluídas em ações civis públicas e ambientais, sem contar os riscos para a imagem. Ele ressaltou, no entanto, que a Lei, nos dispositivos que tratam do seguro e responsabilidade civil ambiental, abre um universo de possibilidades para o setor, tanto em relação a riscos como em relação a oportunidades. Também demonstrando preocupação, o executivo Eduardo Menezes, da Bradesco Auto Re, enfatizou a necessidade de se definir claramente o que é salvado. CLIMA Já na sexta edição da Conferência Brasileira de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização Conseguro, que a CNseg promoveu, em Brasília, no final de outubro, o economista Sergio Besserman, especialista em meio ambiente, alertou que, mesmo se o mundo decidir enfrentar o problema de frente, o aquecimento global vai provocar transformações extremas na vida do planeta. Com isso, advertiu Besserman, as mudanças climáticas passam a ser uma questão fundamental para qualquer companhia e, em particular, para a indústria de seguros. conjuntura Segundo ele, esse é um problema que afeta todos os países do mundo. O Brasil reduziu suas emissões em 40% nos últimos anos, por conta da redução do desmatamento da Amazônia. Contudo, jamais conseguiremos, sozinhos, reduzir o aquecimento global, alertou Carlos Nobre. Para ele, cabe à indústria de seguros exercer um papel importante nesse processo, através de parcerias firmadas com outros setores da economia, visando ao fomento de inovações. O Ministério está disposto a estabelecer um amplo diálogo com a indústria brasileira, frisou o cientista. O secretário revelou ainda que o Ministério de Ciências, Tecnologia e Inovação tem um programa para incentivar as universidades brasileiras a transformar o conhecimento sobre o comportamento do clima em ações para melhorar as condições de vida da população. Ele ressaltou, porém que, para enfrentar esse grande desafio, o País precisa de uma forte capacidade de inovação tecnológica, principalmente dentro da indústria. Brasil na dianteira Quando o assunto é sustentabilidade, o mercado brasileiro se destaca no contexto mundial, sendo o país com o maior número de participantes no PSI. No total de 39 empresas de seguros e resseguros signatárias, sete estão no Brasil. Veja a lista completa: Na visão dele, os preços relativos da economia de mercado global irão mudar radicalmente, empurrados, por exemplo, pelos custos para a emissão de carbono, os quais serão introduzidos nos cálculos em algum momento. O especialista frisou que, se a sociedade enfrentar o problema, o custo será um. Caso contrário, será outro. Mas a conta virá de qualquer jeito, enfatizou. Besserman citou, como exemplo, os prejuízos provocados no metrô de Nova York pelo furacão Sandy, os quais geraram um custo maior do que todos os investimentos feitos até agora pelo Rio de Janeiro para as Olimpíadas de De qualquer forma, Besserman aposta na capacidade da indústria de seguros de ajudar a mudar a mentalidade da sociedade. Esse é um setor econômico que tem experiência de pensar a longo prazo. Diferentemente dos políticos, que trabalham de olho na próxima eleição. E dos executivos, que trabalham com o prazo do próximo balanço, acentuou. Presente ao evento, o cientista Carlos Nobre, secretário de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Ministério de Ciências, Tecnologia e Inovação, disse que aquecimento global, provocado pela emissão dos gases de efeito estufa na atmosfera está tornando ainda mais grave a incidência dos fenômenos naturais. Estudo Setorial 7

8 Sustentabilidade em Seguros A missão que cabe ao mercado de seguros Poucos executivos estão tão empenhados no engajamento do mercado brasileiro de seguros nessa questão da sustentabilidade quanto a diretora Executiva da CNseg, Solange Beatriz Palheiro Mendes. Acompanhando de perto todos os avanços registrados desde o lançamento dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI), em 2012, ela vê com entusiasmo o fato de cada vez mais empresas locais virem aderindo a esse projeto, visto por muitos como uma verdadeira missão para o segmento. Hoje, as companhias do setor caminham para a criação de áreas e ações próprias voltadas para a sustentabilidade. Houve um avanço e tanto, comemora Solange Beatriz. Embora ressalte que ainda não é possível mensurar exatamente de que forma ou em qual intensidade essas ações agregam valor ao mercado, a diretora da CNseg entende que certamente há um retorno para a imagem do setor como um todo. O mercado de seguros está engajado em algo muito importante para toda a sociedade. E isso é muito bom, frisa. Ela observa ainda que esse envolvimento é percebido pela população, que quer identificar ações práticas. O passo inicial foi a adesão aos princípios, fato que deixou claro o notório interesse do mercado em prol da sustentabilidade. Mas, a diretora da CNseg frisa que a melhor forma de demonstrar isso para a sociedade é sair do campo das intenções e apresentar e adotar propostas efetivas, como vem sendo feito. Na avaliação dela, o mercado pode e deve usar sua experiência para conscientizar todos os segmentos da sociedade sobre as mudanças ambientais, sociais e de governança e, consequentemente, das relações comerciais. Devemos ser disseminadores de informações e de novas práticas, observa. Desde o lançamento dos PSI, o papel da CNseg tem sido o de estimular a adesão do mercado aos quatro princípios e à adoção das práticas sustentáveis pelas empresas do setor. Inicialmente, uma das contribuições foi a sugestão de metas para cada um dos princípios visando a dar consistência à política de adesão. Outro passo importante foi a criação da Comissão de 2013 maio dezembro dezembro novembro outubro Os impactos jurídicos e operacionais da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no mercado segurador foram discutidos em evento organizado pela CNseg. A segunda edição do prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga teve como foco a sustentabilidade, premiando iniciativas voltadas para os pilares ambiental, social e de governança, em três categorias: Comunicação, Processos, Produtos e Serviços. CNseg aprova a realização, em 2013, do Seminário Executivo do Programa de Liderança em Sustentabilidade da Universidade de Cambridge (Cambridge Programme for Sustainability Leadership - CPSL). A CNseg foi representada por videoconferência na Assembleia Geral Anual do ClimateWise ocorrida em Londres, e apresentou o panorama geral do seguro rural no Brasil e a nova regulamentação do microsseguro, para lideranças da indústria global de seguros. CNseg participou da assembleia na qual foram discutidos os desafios e as oportunidades do setor financeiro em relação à sustentabilidade. 8 Estudo Setorial

9 Sustentabilidade da CNseg, que vem promovendo várias reuniões para avaliar sugestões de ações e avanços já obtidos. Além disso, um Código de Ética de Boas Práticas de Sustentabilidade servirá como instrumento indutor de parâmetros de comportamento do mercado. empresas meio ambiente na avaliação e na subscrição de riscos, nos processos de regulação de sinistros e nos investimentos de suas reservas. Divulgação CNseg PROTAGONISTA Em linhas gerais, a sustentabilidade em seguros visa a reduzir riscos, criar soluções inovadoras, melhorar o desempenho nos negócios e, assim, contribuir para a sustentabilidade ambiental, social e econômica. Ao abraçar essa causa, o mercado segurador naturalmente assume um papel de protagonismo na área do desenvolvimento sustentável. É possível até que, no futuro, tais ações permitam ao setor atuar como um dos principais reguladores da sustentabilidade na sociedade brasileira, beneficiando o bom segurado, via descontos nos prêmios, ou mesmo punindo e recusando riscos, dependendo do grau de envolvimento das empresas clientes e com o esforço de boas práticas sustentáveis. Em suma, a adesão aos PSI também ajuda a consolidar a imagem do setor de seguros brasileiro como um exemplo mundial de boas práticas em sustentabilidade, considerando as dimensões de sociedade, governança e Solange Beatriz Palheiro Mendes, diretora Executiva da CNseg 2012 outubro outubro setembro setembro julho CNseg participou de reunião na qual foram votados os principais pontos do regimento interno da Iniciativa. A Iniciativa PSI é o grupo que congrega a indústria global de seguros no âmbito da UNEP FI e tem o objetivo de promover a adoção e implementação dos PSI no mundo. CNseg formaliza parceria de cooperação com a Associação de Genebra (Geneva Association) visando a divulgação de materiais de interesse do mercado segurador sobre mudanças climáticas.. Assinatura do Termo Aditivo ao Protocolo Verde. O mercado assume o compromisso de: oferecer produtos que fomentem a qualidade de vida da população e o uso sustentável do meio ambiente. org.br/protocolo verde-termo aditivo A CNseg promove, no Rio de Janeiro, o evento Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI) Da Teoria para a Prática. A CNseg firmou parceria com a ClimateWise, passando a compartilhar dos relatórios completos sobre iniciativas de players mundiais para redução de riscos e catástrofes ligados ao clima: linha do linha do tempo Estudo Setorial 9

10 Sustentabilidade em Seguros Balanço comprova foco na Sustentabilidade Em meados de 2013, a CNseg distribuiu a 13 a edição do Balanço Social do Mercado Segurador, enviado para entidades ligadas ao meio-ambiente e movimentos sociais, representantes do Governo, parlamentares e órgãos de defesa do consumidor, entre outros. O Balanço mostra um panorama do setor no âmbito da responsabilidad e social e sustentabilidade, apurada a partir de pesquisa realizada com 92 empresas associadas à CNseg, as quais respondem por cerca de 80% do faturamento do mercado. O estudo comprova que as iniciativas nas áreas da responsabilidade social e da sustentabilidade ganham força no setor: 59% das empresas já contam com áreas destinadas a ações de responsabilidade social e/ou sustentabilidade; 67 % seguem um Código de Ética e Conduta; e 43% adotaram programas internos voltados para o trabalho voluntário. Outro dado importante apurado é que 71% das empresas consultadas têm políticas de contratação de fornecedores e 63% possuem processos de monitoramento de fornecedores/prestadores de serviços. Dentre as empresas que monitoram, 21% fazem vistorias anuais em seus processos. O Balanço Social traz ainda a descrição das principais ações e programas de responsabilidade social e sustentabilidade desenvolvidos pela Confederação e por suas empresas associadas julho junho junho junho abril A CNseg elevou à categoria de comissão o seu Grupo de Trabalho em Sustentabilidade. Divulgação do resultado da pesquisa realizada para avaliar o alinhamento das práticas atuais do mercado brasileiro aos valores que orientam a formulação dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI). O resultado encontra-se no site: org.br/pesquisa PSI A CNseg como instituição apoiadora da Iniciativa dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI) patrocinou o seu lançamento internacional feito pela UNEP FI, evento que foi realizado dentro da programação do 48º Seminário Anual da International Insurance Society e contou com 453 participantes. CNseg torna-se instituição apoiadora dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI) da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP FI): Criação da página de sustentabilidade: www. CNseg.org.br/sustentabilidade dos PSI 10 Estudo Setorial

11 empresas Prêmio para inovação A CNseg realizou, em dezembro, a solenidade de entrega do Prêmio Antônio Carlos de Almeida Braga de Inovação em seguros para o Desenvolvimento Sustentável. Nessa terceira edição do prêmio, foram inscritos 58 projetos, em três categorias. O objetivo é valorizar projetos de desenvolvimento sustentável em seguro junto a seguradoras, resseguradoras e corretoras, nas categorias de comunicação, processos e produtos e serviços. Cada vencedor recebeu R$ 20 mil. A comissão julgadora foi composta por personalidades de destaque nas áreas de seguro, meioambiente e direito, contando com a participação de Sergio Besserman (economista), Washington Novaes (jornalista), Mariana Meirelles (Ministério do Meio Ambiente), Julio Bierembach (consultor do mercado segurador) e Bruno Miragem (advogado). Segundo Solange Beatriz, cada vez está mais clara a ideia de que a sustentabilidade é intrínseca à atividade seguradora e resseguradora. A CNseg, por meio desse prêmio, incentiva que as empresas busquem novas soluções sustentáveis e que modernizem cada vez mais o conceito de seguro sob a ótica de uma sociedade que se transforma a cada dia. Além disso, a iniciativa incentiva também a divulgação de muitas práticas que já existem e são cases de sucesso, frisa a diretora da CNseg fevereiro fevereiro novembro agosto setembro Divulgação do resultado da pesquisa realizada junto às empresas do setor sobre a adesão dos Princípios do Protocolo Verde. O resultado dessa pesquisa encontra-se no site: org.br/protocolo verde-pesquisa Realização do primeiro workshop sobre sustentabilidade com o objetivo de estimular o debate com o mercado segurador quanto às questões ambientais, sociais e de governança em harmonia com os objetivos da Organização das Nações Unidas (ONU). CNseg passa a integrar, como membro representante do Brasil, o Grupo Global dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI), da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP FI). Constituição do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da CNseg. A CNseg assina o Protocolo de Intenções (Protocolo Verde) com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) celebrando um esforço comum no sentido de empreender políticas socioambientais: www. CNseg.org.br/protocolo verde linha do linha do tempo Estudo Setorial 11

12 Sustentabilidade em Seguros Príncipe Charles destaca papel do seguro A CNseg lançou, em julho de 2013, uma versão em português do relatório sobre a situação global da sustentabilidade em seguros, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP, na sigla em inglês). Esse estudo foi elaborado pelo Grupo de Trabalho sobre Seguros da Iniciativa Financeira da UNEP, baseado em pesquisa global pioneira sobre os fatores ASG (ambientais, sociais e de governança) e subscrição de seguros e desenvolvimento de produtos. No preâmbulo do relatório, o destaque é o depoimento do príncipe Charles, que enfatiza a importância do papel exercido pelas companhias de seguros na identificação e avaliação de riscos novos e emergentes. Na visão dele, nenhum outro setor tem uma visão profissional de longo prazo ou calculada de forma mais cuidadosa com relação ao futuro. Sua abordagem em relação à sustentabilidade é, por conseguinte, de fundamental relevância, não somente para o restante do setor corporativo, mas para toda a sociedade humana, frisa Charles, acrescentando que teve o máximo prazer de apresentar este trabalho oportuno e abrangente sobre sustentabilidade. Charles lembra ainda que vem atuando em conjunto com o empresariado nos últimos vinte e cinco anos para compreender como as questões de sustentabilidade afetam suas operações, e são por estas afetadas. Quando lançamos os Princípios do ClimateWise em 2007, ressaltei a importância das companhias de seguros terem uma visão estratégica sobre mudanças climáticas. É imensamente tranquilizador que o mercado tenha respondido tão positivamente e que o ClimateWise tenha se tornado hoje uma iniciativa verdadeiramente global Durante esse período, ele percebeu que a questão das mudanças climáticas fez crescer, de forma inexorável, nossa lista de preocupações, até o ponto em que hoje esta questão não apenas ocupa o topo da lista, mas constitui-se na única grande ameaça à nossa sobrevivência no planeta. Quando lançamos os Princípios do ClimateWise em 2007, ressaltei a importância das companhias de seguros terem uma visão estratégica sobre mudanças climáticas. É imensamente tranquilizador que o mercado tenha respondido tão positivamente e que o ClimateWise tenha se tornado hoje uma iniciativa verdadeiramente global, observa o príncipe. Para ele, as mudanças climáticas são o desafio global que definirá a geração atual. Porém, Charles ressalta que é importante não perder o foco em relação aos demais desafios de sustentabilidade que o mundo enfrenta, como, por exemplo, a perda de biodiversidade, gestão de recursos hídricos, aumento veloz do crescimento populacional e urbanização rápida e sem planejamento. O sucessor da coroa britânica entenda que, em todas estas áreas da vida humana, assim como em muitas outras, é preciso encontrar formas mais sustentáveis de administrar a economia. Este relatório prova que a indústria de seguros reconhece a importância de tais desafios e está empreendendo ações que refletem, fielmente, o grau de risco, afirma Charles. VANGUARDA Já o subsecretário-geral das Nações Unidas e Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Achim Steiner, destaca que, há muito tempo, a indústria de seguros está na vanguarda em termos de entendimento e gerenciamento de risco, e tem servido como um importante sistema de alerta precoce para a sociedade ao amplificar sinais de risco. Por meio da prevenção e atenuação de perdas, compartilhando riscos entre vários players do mercado, e como importantes investidores, a indústria de seguros tem protegido a sociedade, modelado mercados e servido de base para o desenvolvimento econômico, observa o executivo, ao explicar o objetivo do estudo. Ele acrescenta que, atualmente, o cenário de risco está evoluindo com rapidez, gerando novos e complexos ris- 12 Estudo Setorial

13 relatório cos que ameaçam nossos cada vez mais escassos ativos baseados na natureza, e minando o futuro de toda a população mundial. Diante desse quadro, esse estudo representa um marco e um testemunho do papel fundamental da indústria de seguros no desenvolvimento sustentável. Isso não é uma escolha, e, sim, a única opção. A mensagem é alta e clara: os seguradores estão transmitindo fortes sinais de riscos decorrentes de uma ampla gama de questões ambientais, sociais e de governança que vão desde mudanças climáticas, perda de biodiversidade e degradação do ecossistema e escassez de recursos hídricos, até pobreza, riscos de saúde emergentes provocados pelo homem, envelhecimento da população, trabalho infantil e corrupção, adverte Achim Steiner. Para ele, a indústra de seguros tem, no UNEP, um parceiro que cultiva o ambiente propício necessário para uma melhor compreensão desses riscos, para atuar sobre eles com urgência, e descobrir as oportunidades. Steiner acentua que o UNEP, na condição de cofundador do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, está ajudando os formuladores de políticas a selarem um acordo justo, equilibrado e efetivo em Copenhagen, que antecipará políticas severas de atenuação e adaptação vitais, por exemplo, para cobertura de riscos climáticos, criação de soluções inovadoras, e construção de novos mercados. Na visão dele, esse acordo é vital para as gerações presentes e futuras, embora seja apenas uma das muitas prioridades globais prementes. O UNEP também está liderando um esforço global no intuito de medir os imensos benefícios econômicos da biodiversidade e serviços do ecossistema nossa apólice de seguro da espécie humana e responsabilizar práticas não sustentáveis que resultem em perda de biodiversidade e degradação do ecossistema. A instituição lançou, inclusive, em 2008, a Iniciativa Economia Verde, que engloba um Novo Pacto Global Verde, o qual apela para uma economia global do século 21 que invista em crescimento de longo prazo real e inclusivo, prosperidade genuína e geração de emprego, combatendo os inúmeros desafios de nossa era, em particular, as questões ambientais, sociais e de governança ressaltadas neste relatório. Guiar a economia global rumo a um caminho sustentável e firmar um Novo Pacto Global Verde não se trata de sentimento, e sim de economia sólida, escolhas reais e um novo ritmo para proporcionar geração de riqueza genuína. Não se trata de redução no crescimento, e sim de crescimento mais inteligente, sustentável e inclusivo, que capta o verdadeiro valor do capital humano e natural, acentua Steiner. Ele admite que uma economia de baixas emissões de carbono, recursos eficientes e inclusiva não pode ser alcançada muito rápido e que, dessa forma, é preciso pagar o prêmio para segurá-la. Esse prêmio implica cooperação e ação coletivas, colocando um fim nas soluções de curto prazo, e investindo em soluções de longo prazo, transformadoras. Steiner destaca ainda o princípio de um por todos, todos por um, o qual norteia o compartilhamento de riscos na indústria de seguros. Para ele, compreendendo e gerenciando de forma coletiva os riscos que surgem hoje, será possível descobrir as oportunidades de amanhã, e preparar o mundo para os desafios do futuro. Na avaliação de Steiner, é importantes adotar este mesmo princípio para lidar com os riscos globais e sistêmicos impostos por muitas questões ambientais, sociais e de governança. Não podemos mais nos dar ao luxo de considerar estas questões como periféricas, uma vez que o que está em jogo não poderia ser mais importante, frisa. Por fim, ele assegura que o UNEP está empenhado em continuar trabalhando com a indústria de seguros para enfrentar este desafio. Estudo Setorial 13

14 Sustentabilidade em Seguros Projeto aumenta segurança no trânsito Novas leis também poderão ajudar o mercado de seguros a avançar no processo de busca por um nível satisfatório de sustentabilidade. É o caso do projeto de lei que visa a disciplinar o funcionamento das empresas de desmonte de veículos. Segundo o autor da proposta, deputado federal, Armando Vergilio (SDD-GO), o projeto pretende trazer soluções para questões relacionadas ã sustentabilidade. Hoje, a sociedade brasileira vê essas carcaças de veículos que são descartadas aleatoriamente no meio ambiente, após o desmonte, provocando graves problemas e virando, inclusive, criadouro de mosquito da dengue, frisa o parlamentar, que conhece bem o mercado de seguros, pois também é o atual presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) e já ocupou o cargo de titular da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Aprovada na Câmara, a matéria tramita, agora, no Senado, com boas chances de aprovação, em razão dos vários apelos que engloba. Para Armando Vergilio, outro aspecto importante do projeto, ligado à sustentabilidade, é a possibilidade de uso de peças recondicionadas e certificadas em veículos mais velhos, barateando o preço do seguro. O novo cenário que poderá surgir caso a proposta seja aprovada também se refletirá no trânsito, com a redução do número de acidentes provocados por peças de má qualidade. Na avaliação de Armando Vergilio, isso ocorrerá na medida em que for possível se fazer a reparação de veículos com custo legislação mais baixo, porém com peças absolutamente seguras, certificadas e avaliadas do ponto de vista técnico e estrutural. O resultado será a diminuição de peças vindas de um mercado informal e ilegal que não possuem nenhuma garantia de procedência e segurança, argumenta. Além disso, a exemplo do ocorrido em outros países que criaram legislação para o desmonte legal de veículos, deve haver uma rápida queda dos índices de roubo e furto de automóveis. Em outros países, os resultados Divulgação Fenacor foram imediatos. Na Argentina, um ano após a criação dos desmontes legais, o índice de roubos de automóveis caiu 50%, diz o deputado. Armando Vergílio, deputado federal, SDD-GO e presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) O autor do projeto cita ainda estatísticas recentes, as quais revelam que 400 mil carros são roubados ou furtados anualmente no Brasil. Desse total, somente pouco mais da metade é recuperada. O restante abastece os desmanches ilegais espalhados por todo o território nacional e o comércio de peças. Ele destaca também o fato de o projeto ter sido aprovado na Câmara exatamente na data em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (05 de junho). Coincidentemente, a nossa proposta pretende reduzir também os danos causados pelo descarte desordenado, pelos desmanches irregulares de baterias, carcaças de veículos e fluídos de freios e motor, acrescenta. O deputado afirma que o proposta vai ainda viabilizar o verdadeiro seguro popular de automóvel, que poderá ter preços bem menores do que o produto tradicional, ao permitir a utilização de com peças recondicionadas, mas devidamente certificadas. Para ele, esse novo produto poderá atingir 20 milhões de automóveis com mais de cinco anos de idade, que, atualmente, trafegam pelas ruas e estradas totalmente desprotegidos. 14 Estudo Setorial

15 Aprenda como adaptar os principais indicadores de gestão ao dia-a-dia de sua empresa, transformando-os em poderosas ferramentas de decisão estratégica. Baixe um leitor de QR code em seu celular, aproxime o telefone do código e aproveite as promoções no site: Indicadores de Gestão Muitas vezes é extremante difícil saber como se utilizar dos indicadores de gestão na prática em sua empresa. Este curso em DVD mostra exatamente como você poderá aplicar estes conceitos consagrados de gestão para se fazer uma mudança em sua empresa, para confirmar uma tendência ou estratégia ou simplesmente para se assegurar que o direcionamento tomado pela direção está correto. Este produto é essencial para o iniciante que deseja conhecer ou se aperfeiçoar em conceitos como macro-indicadores, balanced scorecard, liquidez, custo industrial, entre outros.

16 Este curso é dirigido, especialmente, ao gestor de contas a pagar que está responsabilizado por cobrir as linhas de defesa contra a falta de caixa que muitas empresas sentem. Contas a Pagar Baixe um leitor de QR code em seu celular, aproxime o telefone do código e aproveite as promoções no site: O Objetivo deste vídeo, que vem acompanhado de manual de apoio, é mostrar como você deve proceder nas operações de Contas a Pagar. Se você ainda não possui este sistema, implantá-lo é garantia de sucesso. Pode ser utilizado sem a presença ou assistência de instrutores ou monitores, e trará grandes benefícios para aqueles que o utilizarem.

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Adriana Boscov Superintendente de Sustentabilidade Empresarial SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos QUAL A RELAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE COM

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

A edição 2012 do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros terá três categorias:

A edição 2012 do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros terá três categorias: Regulamento Uma das premissas do mercado segurador é prever riscos e proteger pessoas e patrimônios. A essência dessa atividade caminha em consonância com os princípios da sustentabilidade. Não é por acaso

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Buscando minimizar o impacto ambiental desta publicação, todas as tintas utilizadas na impressão são de base vegetal, a laminação da capa é

Buscando minimizar o impacto ambiental desta publicação, todas as tintas utilizadas na impressão são de base vegetal, a laminação da capa é Buscando minimizar o impacto ambiental desta publicação, todas as tintas utilizadas na impressão são de base vegetal, a laminação da capa é biodegradável e o papel é de origem certificada. Balanço SOCIAL

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização:

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização: AGENDA 5ª Edição D? 06 de Maio de 2015 Hotel Staybridge Realização: w w w.c o r p b us i n e s s.c o m.b r Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO C GESTÃO DE PESSOAS: DESAFIOS

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros

Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros Itaú Seguros Princípios para Sustentabilidade em Seguros Relatório 2014-2015 Itaú Seguros Perfil Desde 1921, a seguradora do Itaú atua no setor de seguros atendendo a empresas e pessoas físicas, disponibilizando

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 25 de fevereiro de 2015 Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87% do valor total de mercado (base 24/11/2014) Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87%

Leia mais

Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente

Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente I A UNEP FI agradece a instituição abaixo por traduzir este documento para

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente

Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Uma estrutura e iniciativa global em sustentabilidade da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente I A UNEP FI agradece a instituição abaixo por traduzir este documento para

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

ESTRADA SUSTENTÁVEL Uma plataforma colaborativa para o Desenvolvimento Sustentável

ESTRADA SUSTENTÁVEL Uma plataforma colaborativa para o Desenvolvimento Sustentável 1 ESTRADA SUSTENTÁVEL Uma plataforma colaborativa para o Desenvolvimento Sustentável 2 Desafios para o desenvolvimento sustentável O mundo esta ficando cada vez mais urbano Mais da metade da população

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Mongeral Aegon. Princípio para Sustentabilidade em Seguros. Relatório 2013 2014

Mongeral Aegon. Princípio para Sustentabilidade em Seguros. Relatório 2013 2014 Mongeral Aegon Princípio para Sustentabilidade em Seguros Relatório 2013 2014 Durante os anos de 2013 e 2014, a Mongeral Aegon realizou uma significativa reestruturação, com impacto em toda sua estrutura

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Regulamento do Prêmio Concred Verde

Regulamento do Prêmio Concred Verde Regulamento do Prêmio Concred Verde Brasília-DF, fevereiro de 2012. Para ocorrer desenvolvimento sustentável é preciso comprometimento com uma visão responsável que busca o equilíbrio social e a interação

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Estudo Setorial. Seguro Auto: inicia-se nova era. Mercado continua crescendo. Revista Suma Economica

Estudo Setorial. Seguro Auto: inicia-se nova era. Mercado continua crescendo. Revista Suma Economica Estudo Setorial ISSN 0100-8595 - Edição Especial 80 - Setembro de 2015 Revista Suma Economica Mercado continua crescendo Seguro Auto: inicia-se nova era Aprenda como adaptar os principais indicadores de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

A situação global da sustentabilidade em seguros

A situação global da sustentabilidade em seguros A situação global da sustentabilidade em seguros Compreender e integrar fatores ambientais, sociais e de governança no seguro Um relatório elaborado pelo Grupo de Trabalho sobre Seguros da Iniciativa Financeira

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Detalhes da Comunicação de Progresso Nome da Empresa Signatária Copastur Viagens e Turismo País Brasil Setor Turismo Agenciamento de Viagens Período de Relato

Leia mais

Acordo de Paris. Convieram no seguinte:

Acordo de Paris. Convieram no seguinte: Acordo de Paris As Partes deste Acordo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada "Convenção", De acordo com a Plataforma de Durban para Ação Fortalecida

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Sustentabilidade

Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Sustentabilidade Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Introdução Política de O BI assume o papel importante que desempenha na promoção do desenvolvimento sustentável de Cabo Verde, uma vez que pode contribuir

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM

APRESENTAÇÃO. Federação das Indústrias do Estado da Bahia FIEB. Conselho de Meio Ambiente COMAM APRESENTAÇÃO A FIEB, através do seu Conselho de Meio Ambiente - COMAM, vem realizando desde o ano de 2000, o Prêmio FIEB Desempenho Ambiental. Em suas duas primeiras edições o Prêmio abrangeu as categorias

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais