Regulamento da Universidade Sénior dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento da Universidade Sénior dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa"

Transcrição

1 Regulamento da Universidade Sénior dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

2 Índice Capítulo I Âmbito de Aplicação Capítulo II Disposições Gerais Art.º 2 Noção e Objecto Art.º 3 Objectivo Geral Art.º 4 Objectivos Específicos Art.º 5 Âmbito pessoal Art.º 6. Categoria de utentes Art.º 7. Deveres dos utentes Art.º 8. Direitos dos utentes Art.º 9. Deveres da USSSCML Capítulo III - Princípios gerais e de organização Art.º 10 Princípios de funcionamento Art.º 11 Formas de Inscrição Art.º 12 Admissão e Condições Art.º 13 Prestações Art.º 14 Receitas Art.º 15 Serviços Prestados e Horários Art.º 16 Horários Capítulo IV Art.º 17 Recursos Humanos e Instalações Art.º 18 Instalações Capítulo V Estrutura orgânica e competências Art.º 19 Organização Art.º 20 Competências no âmbito da Área Social Capítulo VI Protocolos e relacionamento com terceiros Art.º 21 Protocolos, cooperação e outros benefícios Art.º 22 Obrigações pecuniárias dos utentes Art.º 23 Sanções Art.º 24 Omissões Capítulo VII - Disposições finais e transitórias Art.º 25 Entrada em vigor Art.º 26 Revisão e Alterações Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 2

3 Regulamento Capítulo I Âmbito de aplicação Art.º 1.º 1. As presentes normas aplicam-se à valência Universidade Sénior dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa. Capítulo II Disposições gerais Secção I Noção e Objectivos Art.º 2.º Noção e Objecto O presente Regulamento contém as normas que definem e regem as relações entre os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (SSCML) e os respectivos utentes da Universidade Sénior dos SSCML, no âmbito específico do acesso e fruição das actividades e/ou iniciativas, promovidas pela associação. Artigo 3.º Objectivo Geral 1. O Regulamento da Universidade Sénior dos SSCML define-se como um serviço à sociedade e à família, aberta a todos os níveis sociais, em que todos participam, direcção, seniores, pessoal não docente e crianças, cada um a seu nível e a seu modo, na vida da Universidade. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 3

4 2. A Universidade Sénior dos SSCML, nas suas actuações, tem, como objectivo geral, proporcionar aos seniores, espaços de cultura, lazer, voluntariado e actividades sociais. Artigo 4.º Objectivos Específicos 1. A Universidade Sénior dos SSCML, nas suas actuações, tem como objectivos: a. Oferecer aos seniores um espaço de vida socialmente organizado e adaptado às suas idades, para que possam viver de acordo com a sua personalidade e da sua relação social; b. Criar, dinamizar e organizar regularmente actividades culturais, recreativas e de convívio, para maiores de 50 anos; c. Criar condições para que o envelhecimento activo e saudável seja uma realidade acessível a todos; d. Contribuir para combater o isolamento e a exclusão social dos mais velhos, principalmente a seguir à reforma; e. Proporcionar aos seniores condições para o seu bem-estar social e psicológico e, simultaneamente, criar laços afectivos que constituam a primeira e mais eficaz barreira de protecção f. Desenvolver o convívio salutar e útil entre os seniores; g. Proporcionar aos seniores a frequência de aulas, cursos e outras iniciativas, onde os seus conhecimentos possam ser divulgados, valorizados e ampliados; h. Promover a divulgação da história, das ciências, das tradições, das artes e dos locais e os demais fenómenos culturais entre os alunos; i. Garantir um pólo de informação e divulgação de serviços e direitos dos alunos; j. Criar espaços de encontro na comunidade que se tornem incentivos e estímulos a um espírito de convivência e de solidariedade humana e social; k. Proporcionar às famílias, alunos e comunidade, a participação em estruturas de interajuda, na concretização dos seus projectos; Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 4

5 l. Promover uma rede de contactos e actividades, através da participação e do estabelecimento de parcerias com outras entidades públicas ou privadas; m. Promover o intercâmbio entre as diversas UTI s, nas várias actividades culturais; n. Fomentar e apoiar o voluntariado social. Secção II Das Pessoas Art.º 5.º Âmbito pessoal 1. A valência Universidade Sénior dos SSCML (USSSCML) é a resposta social que visa criar, dinamizar e organizar regularmente actividades culturais, recreativas e de convívio, para e com maiores de 50 anos, de aprendizagem e ensino não formal, sem fins de certificação e no contexto da formação ao longo da vida. 2. O Regulamento da Universidade Sénior dos SSCML, aplica-se a: a. Todos os utentes da Universidade Sénior dos SSCML, independentemente do seu vínculo com a associação, com idade igual ou superior a 50 anos, que não apresentem grandes debilidades físicas e mentais; b. Todos aqueles que não se encontrando nas condições referidas na alínea anterior, acedam às actividades e iniciativas promovidas pela Universidade Sénior dos SSCML, mediante o preenchimento das condições determinadas previamente pelo Administrador com competências específicas na Área. Art.º 6.º Categorias de utentes 1. São utentes da Universidade Sénior dos SSCML todos aqueles que se relacionem com a associação nos termos previstos no presente Regulamento, Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 5

6 beneficiando das actividades e iniciativas promovidas e a si disponibilizados. 2. A obtenção da qualidade de utente obriga à observação dos requisitos previstos para o efeito nos termos do art.º 12.º dos Estatutos dos SSCML, verificada pela Secretaria dos SSCML, havendo lugar a reclamação para o Conselho de Administração em caso de recusa. 3. Os utentes encontram-se divididos nas seguintes categorias: a. Associados; b. Beneficiários; c. Utilizadores. Art.º 7.º Deveres dos utentes 1. Para efeitos do presente Regulamento, entende-se serem os deveres dos utentes o conjunto de obrigações e comportamentos a observar por aqueles no seu relacionamento com a Universidade Sénior dos SSCML, respectivos serviços e trabalhadores, no respeitante ao acesso às actividades culturais, recreativas e de convívio, promovidos pela associação. 2. São deveres gerais dos utentes, sem prejuízo de outros constantes no Regulamento e nos Estatutos dos SSCML: a. Dever de informação, compreendendo a obrigação da disponibilização dos dados e elementos solicitados pela Universidade Sénior dos SSCML para efeitos da prestação de serviços e benefícios, sem prejuízo do direito à privacidade do utente; b. Dever de colaboração, envolvendo a disponibilidade das partes para a actuação conjunta tendo em vista a qualidade dos serviços; c. Dever de zelo, correspondendo à necessidade de actuação cuidada por parte do utente na utilização dos meios e equipamentos da Universidade Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 6

7 Sénior dos SSCML, tendo em consideração a sua manutenção, preservação e normal utilização; d. Dever de correcção e boa-fé, correspondente ao não aproveitamento indevido de actividades e iniciativas culturais ou de lazer organizados pela Universidade Sénior dos SSCML; e. Pagar atempadamente as prestações e encargos devidos; f. Em caso de abandono escolar informar a Universidade Sénior dos SSCML, com uma antecedência mínima de 8 dias; g. Participar activamente nas actividades e iniciativas da Universidade Sénior dos SSCML, que lhe agradem; h. Cumprir o Regulamento, os valores e ideário da Universidade Sénior dos SSCML. Art.º 8.º Direitos dos utentes 1. Direito a conhecer o regulamento da Universidade Sénior dos SSCML. 2. Direito a participar e abandonar a Universidade Sénior dos SSCML por vontade própria. 3. Direito a participar activamente nas actividades da Universidade Sénior dos SSCML. 4. Direito à individualidade e à confidencialidade. 5. Direito a promover actividades. 6. Direito a reclamar ou indicar sugestões sobre os serviços prestados. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 7

8 Art.º 9.º Deveres da USSSCML 1. Assegurar a boa manutenção das instalações, próprias ou cedidas, e dos serviços. 2. Cumprir e fazer cumprir o regulamento. 3. Assegurar o normal funcionamento da Universidade Sénior dos SSCML. 4. Respeitar os direitos e deveres dos utentes. 5. Promover um seguro escolar para os seniores e professores/voluntários. Capítulo III Princípios gerais e de organização Art.º 10.º Princípios de funcionamento 1. O funcionamento da Universidade Sénior dos SSCML, no respeitante ao funcionamento das suas actividades, deve reger-se pelos seguintes princípios gerais: a. Equidade e igualdade, obrigando à distribuição justa e adequada dos benefícios entre os utentes da Universidade Sénior dos SSCML, em função das suas situações específicas, no acesso às actividades e iniciativas culturais; b. Satisfação, traduzida na prossecução da adequação entre as necessidades manifestadas e as actividades e benefícios prestados; c. Qualidade, prosseguindo critérios e procedimentos conducentes à excelência e irrepreensibilidade dos serviços prestados; d. Onerosidade, correspondendo à necessidade de pagamento das actividades e iniciativas por parte do utente; Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 8

9 e. Prioridade, traduzindo-se na ordenação dos utentes no acesso às actividades e iniciativas em função de critérios predefinidos; considerando prováveis limitações de natureza quantitativa; f. Fundamentação, reconduzindo-se na necessidade do Administrador da Área fundamentar devidamente decisões que afectem o acesso de utentes às actividades e iniciativas por si organizadas e promovidas. 2. Para a prossecução dos objectivos a Universidade Sénior tem: a. Um horário abrangente (10h00 às 18h00) e, quando necessário, à noite e aos fins-de-semana; b. Organizar actividades sócio-culturais durante, pelo menos, 9 meses em cada ano civil; c. Calendarizar e divulgar atempadamente as suas actividades; d. Promover intercâmbios com outras instituições congéneres; e. Utilizar mais que um local para as suas actividades, de modo a evitar a centralização e pessoas num único espaço; f. Criar novas actividades regularmente; g. Fomentar a participação de pessoas de diferentes culturas, saberes, idades e locais. Art.º 11.º Formas de Inscrição 1. A formalização da inscrição na Universidade Sénior dos SSCML é imprescindível para efeitos de fruição das actividades ou iniciativas organizadas. 2. A demonstração da qualidade de utente efectua-se pela apresentação de cartão individual de modelo definido pela Universidade Sénior dos SSCML e por estes disponibilizado. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 9

10 3. Compete ao Administrador com competências específicas na Área, a organização e promoção das actividades e iniciativas, ou mediante solicitação por parte dos utentes, indicar de forma descriminada, clara e inequívoca, os requisitos, condições e custos respectivos para a fruição das actividades promovidas. 4. Pode o Administrador com competências específicas na Área, condicionar o acesso a actividades e eventos, por motivos devidamente fundamentados, tendo o utente possibilidade de reclamação para o Conselho de Administração dos SSCML no prazo de 3 dias úteis após a comunicação da recusa ou da publicitação da actividade. 5. Quando chamado a pronunciar-se no âmbito do disposto no número anterior, dispõe o Conselho de Administração ou o Administrador com competências específicas na Área, de 48 horas para se pronunciar. Art.º 12.º Admissão e Condições 1. A valência da Universidade Sénior dos SSCML admite alunos com idade igual ou superior a 50 anos. 2. As admissões podem ser feitas durante todo o ano. 3. Em casos excepcionais podem-se admitir alunos com idade inferior a esta. 4. Possuir robustez física e psíquica adequada à realização das actividades e iniciativas. 5. Concordância do utente com os princípios, os valores e as normas regulamentares da Universidade Sénior dos SSCML. 6. Preenchimento da Ficha de Inscrição. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 10

11 Art.º 13.º Prestações 1. No acto da inscrição na Universidade Sénior dos SSCML será paga a matrícula e a inscrição. 2. As prestações são estabelecidas anualmente pelo Conselho de Administração ou pelo Administrador com competências específicas na Área pagamento pode ser efectuado através de uma anuidade ou em prestações trimestrais ou semestrais. Estas devem ser pagas até ao dia e mês ou meses previamente definidos. 4. Perante ausência de pagamento superior a 60 dias, o Conselho de Administração ou o Administrador com competências específicas na Área, mediante proposta devidamente fundamentada do Coordenador do Gabinete de Acção Social, poderá vir a suspender a permanência do utente até regularização das mensalidades, após ser realizada uma análise individual do caso. Art.º 14.º Receitas 1. São receitas da Universidade Sénior dos SSCML: a. As prestações dos utentes; b. As comparticipações de entidades públicas; c. Os donativos; d. A venda de produtos; e. Os patrocínios. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 11

12 Art.º 15.º Serviços prestados e Horários 1. A Universidade Sénior dos SSCM pode organizar as seguintes actividades e iniciativas: a. Aulas de diversas disciplinas em regime de ensino informal; b. Seminários, colóquios, conferências, debates e cursos multidisciplinares; c. Passeios e viagens culturais; d. Divulgação e informação de serviços destinados aos seniores; e. Encontros nacionais e internacionais; f. Todas as actividades sócio-culturais que os seniores desejarem. 2. A Universidade Sénior dos SSCML pode organizar outros serviços de apoio aos seniores; a. Publicações escritas ou gráficas, originais e inéditas, produzidas na Universidade Sénior dos SSCML pelos seniores; b. Os seniores podem sujeitar as suas obras originais à consideração do Administrador com competências específicas na Área ou do Conselho de Administração para eventual publicação; c. As obras a publicar são escolhidas pelo Administrador com competências específicas na Área ou pelo Conselho de Administração, em função de critérios artísticos, técnicos e financeiros, devidamente fundamentados; d. Desenvolvimento do Núcleo de Estudos e Investigação (NEI). Art.º 16.º Horários 1. As aulas da Universidade Sénior dos SSCML funcionam de Segunda a Sexta-feira das 10h00 às 18h As restantes actividades podem funcionar durante toda a semana e todo o Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 12

13 ano, em horários a combinar com os alunos. 3. A Universidade Sénior funciona durante todo o ano, sendo as aulas interrompidas no Natal, na Páscoa e nos meses de Julho, Agosto e Setembro. 4. O período lectivo inicia-se em Outubro e termina em Junho. Capítulo IV Art.º 17.º Recursos Humanos e Instalações 1. A Área Social é dirigida pelo Administrador, o órgão máximo da Universidade Sénior dos Serviços Sociais e a ele compete representar a Universidade Sénior dos SSCML. 2. A Universidade Sénior dos SSCML funciona com uma equipa técnica multidisciplinar, um Coordenador, um Técnico de Serviço Social, um Animador Sócio-Cultural e um Administrativo. 3. Compete ao Coordenador desenvolver as actividades regulares da Universidade Sénior dos SSCML, promover novos serviços e manter o são relacionamento entre todos. 4. O Coordenador referido no número anterior responde pela sua actividade perante o Administrador da Área, nos termos da lei, dos estatutos. 5. A Universidade Sénior dos SSCML conta com a participação de professores e colaboradores voluntários ao abrigo da Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, sobre o voluntariado. 6. A Universidade Sénior dos SSCML conta também com o apoio logístico e administrativo dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 13

14 Art.º 18.º Instalações 1. A Universidade Sénior tem a sua sede no edifício dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa. 2. A Universidade Sénior utiliza nas suas actividades, também, instalações, próprias ou cedidas, através do estabelecimento de parcerias com os serviços da CML e/ou entidades públicas ou privadas. Capítulo V Estrutura orgânica e competências Art.º 19.º Organização 1. A Área Social dos SSCML é dirigida pelo Administrador com competências específicas na Área. 2. O Administrador referido no número anterior responde pela sua actividade perante o Conselho de Administração, nos termos da lei, dos estatutos e da regulamentação desse órgão. 3. A actividade referente à Área Social é desenvolvida por um gabinete o qual compreende o pessoal necessário para o efeito, dirigido por um responsável nomeado pelo Conselho de Administração. 4. As funções do Gabinete resultam do presente regulamento, conjugado com os Estatutos dos SSCML e deverão ser claramente delimitadas pelo Conselho de Administração, não podendo as suas competências ser prosseguidas concorrencialmente por qualquer outra unidade funcional dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 14

15 Art.º 20.º Competências no âmbito da Área Social 1. Compete à Área da Social e aos respectivos serviços desenvolver e promover as actividades culturais, recreativas e de convívio destinadas, de forma primacial, aos utentes dos SSCML. 2. O Gabinete de Acção Social, mediante proposta a apresentar ao Administrador com competências específicas na Área, alargar continuadamente o elenco de ofertas a proporcionar aos utentes dos SSCML, dentro do limite dos seus recursos técnicos e financeiros. Capítulo VI Protocolos e relacionamento com terceiros Art.º 21.º Protocolos, cooperação e outros benefícios 1. As actividades e benefícios constantes do presente regulamento podem ser disponibilizados pelos SSCML através de terceiros com os quais tenha firmado acordo escrito, preferencialmente com a Câmara Municipal de Lisboa, em condições a acordar. 2. As formas e condições de acesso às actividades e benefícios referidos no número anterior deverão constar no acordo firmado entre as partes, sendo dado conhecimento daquelas a todos os utentes dos SSCML. Art.º 22.º Obrigações pecuniárias dos utentes 1. As obrigações de natureza pecuniária a cumprir pelos utentes, nos termos dos Estatutos dos SSCML e do presente Regulamento, devem ser satisfeitas nos prazos indicados para o efeito pelos serviços, sem o que os utentes Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 15

16 perdem os direitos que lhes assistem. 2. O disposto no número anterior aplica-se ao pagamento de propinas regulares, de natureza mensal ou outra, a pagamentos iniciais a título de taxa de inscrição e a qualquer outro tipo de pagamento solicitado pelos serviços no âmbito da actividade e iniciativa em causa. Art.º 23.º Sanções 1. A não observância das disposições do presente regulamento ou dos Estatutos dos SSCML corresponde à perda de todo e qualquer direito no acesso aos benefícios e actividades decorrentes da actividade da Universidade Sénior dos SSCML. 2. A sanção prevista no número anterior é determinada pelo Conselho de Administração, mediante proposta devidamente fundamentada pelo Administrador com competências específicas na Área, sendo posteriormente comunicada ao utente interessado. 3. Da aplicação da sanção referida cabe reclamação para o Conselho de Administração, o qual reapreciará em definitivo a deliberação controvertida à luz da argumentação deduzida pelo interessado. Art.º 24.º Omissões Todas as questões que surjam durante a frequência do aluno na Universidade Sénior dos SSCML serão resolvidas de acordo com este regulamento e com o parecer do Administrador da Área dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 16

17 Capítulo VII Disposições finais e transitórias Art.º 25.º Entrada em vigor O presente Regulamento entra em vigor após a sua aprovação em reunião do Conselho de Administração dos SSCML, nos termos previstos nos Estatutos e na lei. Art.º 26.º Revisão e alterações O processo de revisão e/ou alteração ao presente Regulamento cumpre os requisitos previstos nos termos dos Estatutos dos SSCML, cabendo a sua aprovação ao Conselho de Administração dos SSCML. Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa - Sede Av. Afonso Costa, n.º Lisboa Página 17

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul CAPITULO I: 1ª - Pertença 1. A US de S. Pedro do Sul tem sede em S. Pedro do Sul e tem com o nº de contribuinte o n.º 506 785 815. 1/5 CAPITULO

Leia mais

Regulamento Interno da Universidade Sénior de Almodôvar. Capítulo I:

Regulamento Interno da Universidade Sénior de Almodôvar. Capítulo I: REGULAMENTO INTERNO - Universidade Sénior de Almodôvar - Capítulo I: 1ª - Pertença 1. A Universidade Sénior de Almodôvar é um projeto socioeducativo e cultural promovido pela Câmara Municipal de Almodôvar,

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Capitulo I Objecto Art.º 1.º Âmbito e objecto O presente regulamento é aplicável ao funcionamento das creches

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL (alteração aprovada na Assembleia-geral de 10 de Fevereiro de 2009) PREÂMBULO A Casa do Educador do Concelho do Seixal nasceu em 2002 e

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE)

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Preâmbulo A universalidade do acesso ao ensino superior, para além de um direito constitucional, constitui igualmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval. Capitulo I Disposições Gerais Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado do Cadaval Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O Banco Local de Voluntariado do Cadaval, adiante designado por BLVC, tem como entidade

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ADRL ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ESTATUTOS CAPÍTULO I Da associação ARTIGO PRIMEIRO Constituição 1 É constituída uma associação sem fins lucrativos, denominada ADRL Associação de Desenvolvimento

Leia mais

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho Universidade do IVlinho Reitoria desdacho RT-71/2013 As bibliotecas da Universidade são uma estrutura essencial de apoio ao trabalho dos alunos, professores e investigadores, representando um repositório

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins)

- Educação Pré-Escolar - Artigo 1º. (Natureza e Fins) ACÇÃO SOCIAL CASA DA CRIANÇA DE SOURE - Educação Pré-Escolar - REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza e Fins) 1 - A Casa da Criança de Soure visa prestar, na área da Acção Social, um serviço adequado às Famílias

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS COLECTIVIDADES DE CARÁCTER RECREATIVO, CULTURAL, RELIGIOSO E SOCIAL DO CONCELHO DE NORDESTE PREÂMBULO Na sociedade cada vez mais se estabelecem parcerias e recorre-se

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais