GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP"

Transcrição

1 1 Nome do rojeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 3 Coordenador(a) Vinício Duarte Ferreira 5 Gestor(a) Wanessa Severino Borges lmeida 2 Código CON-01 4 Tipo de rojeto Estruturante Complementar 6 rograma Organização, Normas e rocedimentos 7 - Histórico de Revisões no Documento Data 1 Versão 2 23/03/ Versão do projeto que visa transpor seus resultados para a unidade Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CTCC no ano de Descrição 3 4 utor(es) lano que tem como base a proposta apreciada na reunião de Kick Off em 08/02/2011, com a CON e a G. Vinício Duarte Ferreira Coordenador do projeto. Fabiana Cruz Machado Beschoren membro do projeto Cláudio França de raújo membro do rojeto Marlei de Sousa Cezário membro do projeto 8 Objetivo Desenvolver e transpor para a rotina da unidade organizacional do Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa - CTCC, soluções em gestão dos processos de trabalho, pessoas e tecnologias, necessários ao cumprimento da sua Missão. 9 Justificativa 5 Em 25 de novembro de 2010 o Conselho Diretor do Confea apreciou e aprovou proposta de criação do Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CTCC com base em um conjunto de propostas de cinco normativos que foi desenvolvido pelo projeto para este fim naquele ano. Com as normas gerais de organização e funcionamento aprovadas, o projeto precisa buscar as demais soluções para o funcionamento regular, tais como o desenho dos processos de trabalho, definição dos perfis das pessoas para abertura a de concurso público, elaboração dos termos de referência para aquisições de equipamentos de base tecnológica, buscar uma forma ágil e com segurança jurídica de contratação de serviços educacionais e acompanhar os projetos de reformas e soluções ao espaço construído reservado no Bloco B da SEN 508. ssim, em 2011 e por 6 meses o projeto terá que desenvolver e 1 notar o dia, mês e ano no formato dd/mm/aaaa 2 {Informar sempre a nova versão do documento}, no formato 1.0.0; 3 {Descrever as alterações feitas no documento}; Se for a primeira versão anotar Versão Inicial 4 {Informar o(s) autor(es) das alterações no documento} 5 {Descrever sucintamente o problema ou a oportunidade (necessidade) que justifica o desenvolvimento deste projeto} 1

2 9 Justificativa 5 transferir um conjunto de soluções para a rotina da unidade CTCC que auxilie no cumprimento da sua Missão. Uma das prioridades e que exige alinhamento das partes interessadas é a de prover o CTCC com as condições de infraestrutura para as atividades presenciais e a distância sem o que a proposta de organização didática pedagógica com foco nos oito critérios da qualidade da gestão pública 6 ficará comprometida. organização de um corpo de instrutores tem igual importância e que deverá ser buscada nas organizações do Sistema e fora dela. pesquisa corporativa será semeada neste primeiro ano e orientada para desenvolver o conhecimento do Sistema rofissional que tem como Missão a Normatização, orientação e fiscalização do exercício e das atividades profissionais em defesa da sociedade (negócio), valorização dos profissionais e concessão de benefícios. gregar valor aos seus serviços e produtos requer conhecimentos aprimorados e competências comportamentais desenvolvidas. ortanto, fica mantida a visão que fundamenta este projeto como um Centro de Treinamento e Capacitação Corporativo para qualificar os operadores e lideranças do Sistema rofissional, nas melhores práticas da excelência em gestão pública. Visa transformar os conhecimentos relativos aos critérios de Liderança, Estratégias e lanos, Cidadãos, Sociedade, Informação e Conhecimento, rocessos, essoas e Resultados, em áreas do saber corporativo, aplicados para agregar valor aos serviços e produtos das organizações que delas poderão se servir. 10 Objetivos Específicos do rojeto Objetivo Específico 7 Indicador ssociado 8 Meta 9 Data Fonte de alvo 10 verificação CENTRO DE TREINMENTO E CCITÇÃO CORORTIV CTCC 1.1 Desenho do processo de treinamento e desenvolvimento Definir os procedimentos e desenhar o processo de concessão de treinamento e desenvolvimento em educação corporativa pelo CTCC. Desenho do processo de treinamento e desenvolvimento. Desenhar 1 processo de treinamento e desenvolvimento 20/04/ 2011 Desenho do processo de treinamento anexado ao rocesso CF. 0317/ erfis de empregados do CTCC 6 Liderança, Estratégias e lanos, Cidadãos, Sociedade, Informação e Conhecimento, essoas, rocessos e Resultados. 7 {Relacionar os objetivos específicos que, somados, levam ao alcance do objetivo do projeto.} 8 {Relacionar indicadores que demonstram a evolução no alcance dos objetivos.} 9 {Quantificar a evolução dos objetivos.} 10 {Data para alcance da meta.} 11 {Fonte para verificação do alcance da meta.} 2

3 Identificar e descrever os perfis de empregados para compor equipes de trabalho do CTCC erfis de empregados descritos. Descrever os perfis de empregados para as 3 áreas de gestão do CTCC. 25/03/ 2011 Descritivo dos perfis de empregados anexado ao rocesso CF. 0317/ Cadastro de Instrutores Implementar o Cadastro de Instrutores Número de instrutores na área do saber corporativo; Número de fornecedores de conteúdos na área do saber corporativo. Incluir pelo menos 15 instrutores e 15 fornecedores de conteúdo do saber corporativo no cadastro de instrutores. Instrutores 15 Fornecedores de conteúdo 15 20/04/ /04/2011 Cadastro de Instrutores (banco em Excel) com a inclusão de no mínimo 15 instrutores e 15 fornecedores de conteúdos. 1.4 quisições: equipamentos reparar termo de referência aquisição de equipamentos ED Termo de referência de equipamentos para ED Elaborar 1 termo de referência para equipamentos de ED 31/03/2011 Termos de referência recepcionados na G para encaminhamento à SF 1.5 quisições: software reparar termo de referência aquisição de softwares Termo de referência de licitação de softwares Elaborar 1 termo de referência para licitação de softwares. 1 termo de referência entregue 16/05/2011 Termos de referência recepcionados na G para encaminhamento à SF 1.6 ortfólio de alestras Corporativas Estruturar um banco de palestras corporativas Registros de palestras corporativas organizado por categorias da política de comunicação Elaborar 1 banco de palestras corporativas com as categorias de conteúdos alinhados com as estratégias da comunicação institucional. 27/07/2011 Documento síntese do banco de palestras corporativas. CTCC 3

4 11 rodutos Desenho do processo de treinamento e desenvolvimento em educação corporativa do CTCC; 2. Descritivo dos perfis de empregados para o cumprimento das competências organizacionais do CTCC 3. Cadastro de instrutores e fornecedores implementados; 4. Termo de referência para as aquisições de equipamentos de ED do CTCC; 5. Termo de referência para as aquisições de softwares. 6. Banco de palestras corporativas estruturado. Escopo do roduto 13 Representação gráfica do processo com o descritivo das etapas formadas por atividades e tarefas Documento formato planilha dos perfis dos cargos com as especificações da ocupação, características cognitivas, capacidades gerais e específicas. Banco de informações cadastrais de instrutores e fornecedores de conteúdos de interesse corporativo. Documento em formato padrão com justificativa e descrição do objeto para preparar o edital, referente às aquisições de equipamentos de ED. Documento em formato padrão com justificativa e descrição do objeto para preparar o edital, referente às aquisições de softwares. Banco de informações em planilha eletrônica com conteúdos e dados de conteudistas e palestrantes para atender as demandas da comunicação do Confea. Critérios de aceite do roduto 14 roduto anexado ao rocesso CF. 0317/2011. roduto anexado ao rocesso CF. 0317/2011. roduto anexado ao rocesso CF. 0317/2011. roduto anexado ao rocesso CF. 0317/2011. roduto anexado ao rocesso CF. 0317/2011. roduto anexado ao rocesso CF. 0317/ Relacionar os produtos que serão desenvolvidos pelo projeto para o alcance de seus objetivos; 13 Relacionar as características e funcionalidades do produto de forma detalhada. 14 Relacionar os requisitos de conformidade que o produto deve atender. Ex: segurança, confiabilidade, rodutividade, operacionalidade, eficiência. 4

5 CTCC 12 Estrutura nalítica do rojeto (E) Visão gráfica da E, neste caso com frentes e pacotes recomendados para os anos de 2010, 2011 e

6 CTCC 13 Dicionário da E Código da Nome da frente/pacote Frente/pacote de de trabalho 16 Trabalho Desenho do rocesso rocesso de treinamento tividades do processo de treinamento Tarefas das atividades do processo rocedimentos das tarefas das atividades rocesso de treinamento desenhado erfis de Empregados Funções dos perfis em postos de trabalho Competências para as funções necessárias Características cognitivas obrigatórias Características cognitivas recomendáveis erfis e atribuições do cargo Descrição Entrega Refere-se a uma representação gráfica consoante descritivo do processo de trabalho Descrição do processo no contexto da gestão da unidade do CTCC Descrição do conjunto de atividades do processo de treinamento Descrição do conjunto das tarefas do processo de treinamento nas respectivas atividades Descrição dos procedimentos das tarefas das respectivas atividades do processo Representação gráfica com a incorporação das informações em suporte de TI Descrição dos perfis consoante as funções e atribuições dos postos de trabalho Especificações das ocupações dos postos de trabalho consoante característica formativa Especificação das competências para atender às funções dos postos de trabalho Habilidades e comportamentos indispensáveis para o exercício das funções estratégicas Habilidades e comportamentos recomendáveis para o exercício das funções operacionais Correlações dos cargos com as ocupações e escolaridade, formação e cognições. rocesso específico de trabalho desenhado com as atividades organizadas de ordem sequencial s finalidades do processo e as atividades que o diferencia dos demais do CTCC Quadro de ordenamento sequencial das atividades do processo de treinamento Quadro de ordenamento sequencial das atividades e respectivas tarefas Quadro contendo atividades, tarefas e respectivos descritivos dos procedimentos recomendados Desenho do processo em suporte de TI que integra os módulos básicos do desenho Quadro geral com as informações para o edital de concurso público para contratar empregados Descritivo das capacidades essenciais para ocupação de funções em processos de trabalho do CTCC Descrição dos conhecimentos, habilidades e valores de referência para as funções necessárias Descrição das competências estratégicas para as funções necessárias Descrição das competências operacionais para as funções necessárias Quadro geral contendo: cargo, ocupação, escolaridade, formação e cognições. 16 Código do item 17 Relacionar o nome do item da E 18 Descrever de forma detalhada o trabalho associado ao item 19 Descrever de forma detalhada o produto/serviço gerado pelo item 6

7 1.3 Cadastro de instrutores Instrutores internos Instrutores externos Fornecedor de conteúdo pessoa física Fornecedor de conteúdo pessoa jurídica Banco de instrutores 1.4 Termo equipamentos ED Consulta a fornecedores Requisição de autorização Termo de referência quisições e instalação de equipamentos Informações estruturadas, útil ao planejamento de demandas de treinamento Dados e informações de instrutores internos ao Confea que tenham atuado ou possam a vir a atuar como instrutor na oferta de conteúdo Dados e informações de instrutores externos ao Confea que tenham atuado ou possam a vir a atuar como instrutor na oferta de conteúdo Dados e informações de fornecedor de conteúdo pessoa física que tenha atuado ou possam a vir a atuar na oferta de conteúdo Dados e informações de fornecedor de conteúdo pessoa jurídica que tenha atuado ou possam a vir a atuar na oferta de conteúdo Conjunto de informações estruturadas de instrutores/ fornecedores/conteúdos para o planejamento de treinamentos Documento de apresentação à SF para edital de licitação de equipo de ED integrado às necessidades de videoconferência do CTCC Obter no mínimo 3 propostas de preço de equipamentos para videoconferência integrado às necessidades de ED Obter autorização do residente para iniciar o processo de compra, mediante formulário próprio da SF Especificação de objeto de compra de equipamentos videoconferência e ensino a distância companhamento junto a CL do processo licitatório; companhamento das instalações dos equipamentos até a fase as built. Banco de dados e informações para uso do Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa Informações sobre empregados que tem atuado como instrutor nos treinamentos corporativos Informações sobre agentes do Sistema que tem atuado como instrutor nos treinamentos corporativos Informações sobre fornecedores de conteúdo, pessoa física, que tem atuado como instrutor em oferta de cursos ou treinamentos corporativos Informações sobre fornecedores de conteúdo, pessoa jurídica, que tenha ministrado curso ou treinamentos corporativos lanilha eletrônica com informações cadastrais de instrutores e fornecedores de conteúdos para treinamentos corporativos Termo de referência para licitar compra dos equipamentos de ED ropostas de preço de equipamentos para as necessidades de ED utorização do residente para iniciar o processo de compra, mediante formulário próprio da SF Termo de Referência contendo o objeto e as especificações dos equipamentos atinentes a videoconferência e recursos para ED. Relatório sobre as entregas das aquisições e situação das instalações conforme as built 7

8 1.5 Termo softwares - ED Consulta a fornecedores Requisição de autorização Termo de referência quisições e instalação de softwares Banco de palestras corporativas Dimensões da Comunicação Estrutura do banco de palestras Conteudistas e palestrantes Documento de apresentação à SF para elaborar edital de licitação de aquisição de programas de computadores Identificar e solicitar orçamento de softwares e licenças Obter autorização do residente para iniciar o processo de compra, mediante formulário próprio da SF Documento que descreve e especifica o objeto de compra de programas de computadores de suporte às atividades de ED companhamento junto a CL do processo licitatório; companhamento das instalações dos softwares. Conjunto de informações estruturadas das palestras/palestrantes/conteudistas para auxiliar o gerenciamento do conhecimento Solicitar do Gabinete os temas selecionados pelo residente como prioritários Elaborar a estrutura do banco de palestras corporativas contemplando as palestra programadas e as palestras realizadas Identificar conteudistas e palestrantes Termo de referência para aquisição de programas de computadores (e licenças) Cotação de softwares e licenças utorização do residente para iniciar o processo de compra, mediante formulário próprio da SF Termo de Referência contendo o objeto e as especificações dos softwares de suporte às atividades de ED Relatório sobre as entregas das aquisições e situação das instalações dos softwares e licenças em servidor e Cs/Notebooks quando for o caso lanilha eletrônica com informações de palestrantes, respectivos conteúdos e ambientes de veiculação dos temas abordados. Relação dos temas e enfoques Banco de palestras corporativas estruturado Relação de conteudistas e palestrantes para designação pelo Gabinete. 8

9 14 artes Interessadas Comissão de Organização Normas e rocedimentos - CON 2. Unidades organizacionais do Confea: GTI; GD; GBI; SF; OUVI; GCI; GIE 3. Conselhos Regionais de Engenharia, rquitetura e gronomia - Creas 4. Conselheiros federais e regionais no pleno exercício do mandato 5. Empresas parceiras e colaboradores 6. Colégio de Entidades Nacionais - CDEN 7. Empregados das organizações do Sistema Confea/Crea e Mútua Representante 21 Relacionamento com o projeto 22 Coordenador/ssistente e Gestor do rograma Responsáveis formais pelas unidades respectivas residentes de Creas e empregados Conselheiros Legais residentes de Entidades Corpo funcional ativo das organizações do Sistema Confea/Crea e Mútua Treinamentos de agentes diretos e indiretos das atividades finalísticas (fiscais, contadores, etc.) Treinamentos relacionados com as necessidades da unidade de negócio e do empregado Treinamentos de agentes em atividades finalísticas e de suporte Treinamentos de líderes com necessidades relacionadas ao exercício do mandato Recursos, suporte e orientação para treinamentos. restação de serviços educacionais Treinamentos de líderes com necessidades relacionadas ao exercício do mandato Treinamentos de empregados das organizações do Sistema Confea/Crea e Mútua Estratégia de ção 23 Manter informado do andamento dos trabalhos e das ações a serem adotadas rticular-se com a GD para implementar o processo de treinamentos requeridos pelas unidades e empregados Trabalhar em parceria com as comissões demandantes de treinamentos corporativos Trabalhar em parceria com as superintendências demandantes de treinamentos corporativos Manter cadastro e perfil atualizados Trabalhar em parceria com a SIS e a GRI Manter as lideranças informadas das ações de treinamento definidas pelas comissões demandantes. 20 {Listar as pessoas, organizações ou setores que podem impactar ou ser impactadas positiva ou negativamente pelo projeto.} 21 {No caso de organizações ou setores, relacionar seu representante junto ao projeto.} 22 {Informar o relacionamento da parte interessada com o projeto.} 23 {Quais estratégias devem ser desenvolvidas e empregadas pela equipe do projeto para lidar com as oportunidades e desafios apresentados pelas artes interessadas} 9

10 15 Diretório da Equipe do rojeto Nome 24 apel no projeto 25 Wanessa Severino Gestor do Borges lmeida rograma CON Vinício Duarte Ferreira Cláudio França de raújo Coordenador 20 Horas semanais Membro desenvolvedor de produto 2 Dedicação 26 Subordinação 27 Horas semanais 16 Horas semanais Cons. Federal fonso Lins Wanessa Severino Borges lmeida Vinício Duarte Ferreira Telefone Marlei de Souza Cezário Membro desenvolvedor de produto 5 Horas semanais Vinício Duarte Ferreira Fabiana Cruz Machado Beschoren Membro desenvolvedor de produto 12 Horas semanais Vinício Duarte Ferreira {Informar os nomes dos membros da equipe.} 25 {Informar o papel desempenhado por cada membro no projeto.} 26 {Informar a dedicação do membro ao projeto em percentual de tempo.} 27 {Relacionar o nome da pessoa a quem o membro está subordinado no projeto.} 28 {Informar o do membro.} 29 {Informar o principal telefone de contato do membro.} 10

11 Itens da Estrutura nalítica do rojeto 1.1 Desenho do rocesso rocesso de treinamento tividades do processo de treinamento Tarefas das atividades do processo rocedimentos das tarefas das atividades rocesso de treinamento desenhado 1.2 erfis de Empregados Funções dos perfis de trabalho Competências das funções necessárias Características cognitivas obrigatórias Características cognitivas recomendáveis erfis e atribuições do cargo 1.3 Cadastro de instrutores Instrutores internos Instrutores externos Fornecedor de conteúdo pessoa física Fornecedor de conteúdo pessoa jurídica Banco de instrutores 1.4 Termo videoconferência Consulta a fornecedores Requisição de autorização Termo de referência quisições e instalação de equipamentos 16 Matriz de Responsabilidades 30 Vinício Duarte Ferreira Cláudio F. de raújo Nome dos Responsáveis Marlei de Fabiana Cruz Souza Machado Cezário Beschoren R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E E R/E E R/E E R/E E R/E E R/E E Wanessa S. Borges lmeida R/E E - x - R/E E - x - R/E E - x - R/E E - x - CON 1.5 Termo softwares 30 matriz de responsabilidades associa os envolvidos com o projeto e os pacotes de trabalho previstos na E. {ara cada envolvido vido deve ser informado o tipo de interação (quando ela existir) que ele possui com o trabalho associado, conforme especificado na legenda.} 11

12 Consulta a fornecedores Requisição de autorização Termo de referência quisições e instalação de softwares 1.6 Banco de palestras corporativas Dimensões da Comunicação Estrutura do banco de palestras Conteudistas e palestrantes R/E E - x - R/E E - x - R/E E - x - R/E E - x - R/E E R/E E R/E E provador; R Responsável; E Executor; articipante. 17 Interfaces entre projetos Interface 31 Viabilizar treinamentos sobre ética para um público que reúne lideranças e profissionais do Sistema em cargos de representatividade formal. lanejar e viabilizar treinamentos para os representantes do Crea Jr. lanejar e viabilizar treinamentos para os agentes executores do rodesu. rojeto 32 Ética Crea - Júnior Sustentabilidade. 18 Cronograma Macro Código 33 Frente de Trabalho34 acote de Trabalho35 Data Início36 Data Fim37 eso38 % redecessores {Informar a relação que o projeto tem com outros projetos do Sistema Confea/Crea e Mútua. Exemplos: produtos e serviços que demanda ou oferece para outro projeto, compartilhamento de recursos, trabalho conjunto, etc.} 32 {Informar o projeto relacionado à demanda.} 33 {Informar o código do item} 34 {Informar os nomes das frentes de trabalho da E} 35 {Informar os códigos e nomes dos itens intermediários e dos pacotes de trabalho da E.} 36 {ssociada aos pacotes de trabalho.} 37 {ssociada aos pacotes de trabalho.} 38 {ssociado aos pacotes de trabalho.} 39 {acotes predecessores deste.} 12

13 18 Cronograma Macro Código 33 Frente de Trabalho Desenho do rocesso 1.2 erfis de Empregados acote de Trabalho rocesso de treinamento 18/03/ /03/ tividades do processo de treinamento Tarefas das atividades do processo rocedimentos das tarefas das atividades rocesso de treinamento desenhado Funções dos perfis de trabalho Competências das funções necessárias Características cognitivas obrigatórias Características cognitivas recomendáveis erfis e atribuições do cargo Data Início36 Data Fim37 22/03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /04/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ Instrutores internos 18/03/ /03/ Instrutores externos 22/03/ /03/2011 eso38 % 1% redecessores 39 1% % % % % 1% % % % % 3% Cadastro de instrutores Fornecedor de conteúdo pessoa física Fornecedor de conteúdo pessoa jurídica 31/03/ /04/ /04/ /04/2011 1% % Banco de instrutores 15/04/ /04/ % Termo equipamentos ED Consulta a fornecedores 01/02/ /03/ Requisição de autorização 21/03/ /03/ % 1%

14 18 Cronograma Macro Código 33 Frente de Trabalho Termo softwares 1.6 Banco de palestras corporativas acote de Trabalho Termo de referência 23/03/ /03/ quisições e instalação de equipamentos Consulta a fornecedores 21/03/ /04/ Requisição de autorização Termo de referência 07/04/ /05/ quisições e instalação de softwares Dimensões da Comunicação Estrutura do banco de palestras Conteudistas e palestrantes Banco em meio eletrônico Data Início36 Data Fim37 29/03/ /03/ /04/ /04/ /05/ /05/ /03/ /03/ /03/ /03/ /03/ /05/ /06/ /07/2011 Total da Soma dos esos eso38 % redecessores 39 2% % % --- 1% % % % --- 1% % % % 14

15 19 - NÁLISE DOS RISCOS DO ROJETO assos 1. Liste os riscos identificados; 2. Qualifique-os robabilidade, Impacto e Criticidade (Conforme Matriz de robabilidade e Impacto) 3. Selecione uma estratégia Mitigar, Evitar, ceitar, Transferir; 4. Desenvolva uma resposta aos Riscos; 5. Mantenha controle sobre eles. ESTRTÉGI robabilidade / Impacto CEITR E EVITR E M MITIGR M T - TRNSFERIR M MUITO LTO() LT() M MÉDIO() B BIXO() MB MUITO BIXO() MTRIZ DE ROBBILIDDE X IMCTO (CRITICIDDE) 15

16 FSE 1 - Identificação dos Riscos Id. E 40 acote de Trabalho / remissa / Restrição 41 Descrição do Risco ssociado Instalação do Bizgi (free) no servidor de testes/dificuldades técnico administrativo para a instalação da ferramenta Contribuição voluntária dos instrutores internos/dificuldade no fornecimento dos dados reparação do termo de referência em prazo exequível para as demais etapas da tramitação até o processo licitatório reparação do termo de referência em prazo exequível para as demais etapas da tramitação até o processo licitatório Definição por parte do Gabinete dos temas considerados prioritários/demora no repasse da informação Nro. Risco 43 Com as dificuldades da não instalação da ferramenta no servidor do Confea, a entrega poderá ficar reduzida a um documento impresso e não em meio eletrônico na forma de um equivalente 1 funcional implementação do Banco de Instrutores poderá ficar comprometida com reduzido número de fontes coletadas 2 dificultando o planejamento de ofertas futuras Marlei Cesário por ter sido nomeada gerente da GD não poderá continuar como membro do projeto e a sua colaboração com 3 participante deve ser resolvida por uma substituta. Marlei Cesário por ter sido nomeada gerente da GD não poderá continuar como membro do projeto e a sua colaboração com 4 participante deve ser resolvida por uma substituta. indefinição poderá inviabilizar a formação do banco de palestras corporativas já que a especificação das dimensões da comunicação 5 é a partida da organização desse produto 40 {N. do pacote na E 41 {Informar o pacote, premissa ou restrição ao qual o risco está associado.} 42 {Descrever o risco associado ao pacote de trabalho, à premissa ou à restrição.} 43 {Número seqüencial para referência.} 16

17 FSE 2 - nálise e Tratamento dos Riscos N. Risco 44 rob. 45 Impacto 46 Criticidade 47 1 lta Média 2 lta lta 3 lta Média 4 lta Média 5 lta lta ção [Estratégia] 48 Mediar com o gestor do projeto, buscar tratamento especial pela GTI e envolver a G/S no processo. Mediar com o gestor do projeto, envolver a G/S no processo para sensibilizar a contribuição voluntária com o projeto e antecipar as ações previstas. Fazer o ajuste da equipe do projeto com a substituição da empregada Marlei Cesário, face a sua nomeação para Gerente da GD até junho de Fazer o ajuste da equipe do projeto com a substituição da empregada Marlei Cesário, face a sua nomeação para Gerente da GD até junho de Mediar com o Gabinete da residência para informar as dimensões da comunicação corporativa Responsável 49 Data 50 té... Vinício 22/03/2011 Cláudio 25/03/2011 Vinício 25/03/2011 Vinício 25/03/2011 Vinício 25/03/ {Indicar o número de referência do risco trazido da planilha que integra o Item 19} 45 {Indicar a faixa da probabilidade correspondente, com o auxílio do gráfico que integra este item 19} 46 {Indicar a faixa do impacto correspondente, com o auxílio do gráfico que integra este item 19} 47 {Conforme matriz acima.} 48 {Descrever a ação proposta para abordar o risco. Relacionar a estratégia entre colchetes.} 49 {Listar o responsável pela ação proposta.} 50 {ara concluir a ação.} 17

18 20 LNO DE QUISIÇÕES (n) Objeto: roduto/serviço Máquina fotográfica digital, mínimo de 14 mega pixels com lente padrão intercambiável 2. Filmadora de resolução HD e armazenamento em disco rígido superior a 200 GB Quant. Justificativa 52 2 Máquinas e equipamentos Elemento de Despesa 53 Estimativa de Valor 54 (R$) Enquadramento 55 2 para o CTCC, ,00 Definido pela SF necessários ao ,00 Definido pela SF Data de Solicitação 56 Data Limite para quisição Máquina conjugada de perfuração e fechamento de documentos com garras de duplo anel apoio na 2 elaboração de ,00 Definido pela SF conteúdos 4. erfuradora e encadernadora com garras plásticas, dotada de margeador e ajuste de profundidade 2 para o ,00 Definido pela SF processo d 5. licate de corte e acabamento de espirais de encadernação ensino e 2 aprendizagem ,00 Definido pela SF 6. Garra duplo anel passo 3x1 4 9/16 preta Caixa com 50 unidades. 7. Conjunto de 300 pares de capas de propileno, 0,40mm de espessura e tamanho 4 (210mm x 297mm) para encadernação, com cada conjunto nas cores azul transparente, verde, fumê, branco, azul royal, transparente superline, azul-marinho, cinza e azul superline. 100 Materiais de encadernação e acabamento 8 para publicar ,00 Definido pela SF conteúdos de apoio para os ,00 Definido pela SF 8. Conjunto de 300 crachás em VC cristal com cada conjunto nas cores: azul claro, azul royal, verde, branco, bege, cinza escuro, marrom e vinho. processos de 8 ensino e ,00 Definido pela SF aprendizagem 51 {roduto ou serviço que o projeto precisará adquirir externamente.} 52 {Justificativa resumida para aquisição do objeto.} 53 {Elemento de despesa ao qual o objeto a ser adquirido está associado.} 54 {Estimativa de valor do objeto no mercado.} 55 {Tipo de processo de aquisição a ser adotado (Informado pela SF)} 56 {Data de solicitação ao setor de aquisições} 57 {Data limite para que a aquisição seja concluída e o objeto esteja disponível} 18

19 20 LNO DE QUISIÇÕES (n) Objeto: roduto/serviço 51 Quant. Justificativa 52 presenciais e a Elemento de Despesa 53 Estimativa de Valor 54 (R$) Enquadramento 55 Data de Solicitação 56 Data Limite para quisição 57 distância. 9. Smart Draw versão 10 ou superior ,00 Definido pela SF 10. Visio versão 2010 ou superior ,00 Definido pela SF 11. dobe resent ,00 Definido pela SF 12. MindView 3.0 BE ou superior 13. CorelDRW Graphics Suite X5 14. dobe Suite Colletion CS 5.5 Master Collection 15. Nero Multimedia Suite 16. Snagit 9 ou superior 17. Cantasia versão 8 ou superior rogramas de computador para possibilitar a preparação, tratamento e representação gráfica de dados, informações e resultados do trabalho de educação corporativa do CTCC ,00 Definido pela SF 3.000,00 Definido pela SF 5.500,00 Definido pela SF 1.000,00 Definido pela SF 500,00 Definido pela SF ,00 Definido pela SF (solicitação de autorização) 18. Minjet Mindmanager ro 9 ou superior ,00 Definido pela SF 19. WBS Chart ro 4.8ª ou superior ,00 Definido pela SF 19

20 20 LNO DE QUISIÇÕES (n) Objeto: roduto/serviço Microsoft Office roject 2010 ou superior Quant. Justificativa 52 Elemento de Despesa 53 Estimativa de Valor 54 (R$) Enquadramento ,00 Definido pela SF Data de Solicitação 56 Data Limite para quisição Conjunto completo para fotos em estúdio com suporte para fundo, fundos fotográficos, dois pontos de luz com soft lights para luz principal e um ponto de luz para iluminação do fundo. 22. Tripé com tubos e conexões reforçadas em alumínio com acabamento brilhante. ernas em tubo quadrado com 0,75m. Terminal pino de 5/8" retrátil e luva 1'1/8". ltura máxima 2,50m x mínima 1,20m. 23. Tripé de câmera com cabeça especial para filmadoras portáteis e sistema de rodízios 24. Conjunto de luminárias fluorescente com 4 lâmpadas de 55Watts. Refletor interno e bandeiras em alumínio espelhado. Luz suave. rticulação em alumínio que permite deixar a luminária na horizontal. Fixação com pino de encaixe Ø 5/8". Temperatura de cor: 5500K 25. Conjunto com iluminador halogena para 2 lâmpadas de 100 Watts x 12 volts com três baterias recarregáveis. Interruptores individuais (um para cada lâmpada) localizados no cabo com 2 metros de comprimento. bateria vai dentro de uma pochete presa a cintura, proporcionando total mobilidade. O iluminador tem encaixe para ser fixado na sapata da filmadora, ou na manopla que acompanha o kit. 26. Dois conjuntos (tipo kit reportagem) de iluminadores de 2000W com bolsa, composto de tripé, lâmpadas palito e difusores com armação. 27. Mesas informatizadas em dois modelos para sala de aula que possibilite múltiplos arranjos conforme a necessidade da atividade de aprendizagem 1 Equipamentos 5 e dispositivos ,00 Definido pela SF para compor 2 os recursos de ,00 Definido pela SF iluminação de estúdio para 5 atividades de ,00 Definido pela SF filmagens e registros de imagens por meio de 5 fotografia ,00 Definido pela SF digital ,00 Definido pela SF ,00 Definido pela SF 58 Mesa informatizadap ara 2 salas do CTCC ( ) ,00 Definido pela SF (solicitação de autorização) (solicitação de autorização) Total ,00 20

21 21 ssinaturas Coordenador ssinatura Data VINÍCIO DURTE FERREIR x Gestora ssinatura Data Wanessa Severino Borges lmeida x S ssinatura Data Neuza Maria Trauzzola x Gerente de rogramas e rojetos Tatini Brandi Ribeiro ssinatura x Data residente do Confea MRCOS TÚLIO DE MELO ssinatura x Data 21 ssinaturas das Unidades envolvidas - ciência de seu envolvimento com o lano de rojeto 21

22 Unidade Envolvida GERÊNCI DE DESENVOLVIMENTO DE ESSOS Unidade Envolvida GBINETE D RESIDÊNCI Unidade Envolvida SUERINTENDÊNCI DMINISTRTIV E FINNCEIR Unidade Envolvida OUVIDORI Unidade Envolvida GERÊNCI DO CONHECIMENTO INSTITUCIONL ssinatura do responsável Data Motivo x 23/03/2011 Contratação de empregados para a unidade CTCC e interface de frente de trabalho ssinatura do responsável Data Motivo x 23/03/2011 Resultados do projeto transpostos para a unidade CTCC ssinatura do responsável Data Motivo x 23/03/2011 Supervisionamento dos processos licitatórios de interesse do projeto CTCC ssinatura do responsável Data Motivo x 23/03/2011 articipação de empregado da unidade OUVI como membro do projeto CTCC ssinatura do responsável Data Motivo articipação de empregado da unidade GCI x 23/03/2011 como membro do projeto CTCC 22

23 NEXO I LNILH ORÇMENTÁRI CÓDIGO D DESES E DESCRIÇÃO EM VLOR E MEMÓRI DE CÁLCULO ELEMENTO DESES DE DESCRIÇÃO BIMESTRES REFERENTES VID ÚTIL DE 6 MESES DO ROJETO CENTRO DE TREINMENTO E CCITÇÃO CORORTIV 2º BIMESTRE BRIL/MIO 3º BIMESTRE JUNHO/JULHO 4º BIMESTRE GOSTO/ /SETEMBRO TOTL R$ VLOR Itens de 1 a 5 do campo 20 do plano de projeto: R$ ,00 MEMÓRI DE 2 x x x CÁLCULO x x 125 VLOR Itens de 6 a 8 do campo 20 do plano de projeto; R$ ,00 MEMÓRI DE CÁLCULO VLOR MEMÓRI DE CÁLCULO VLOR MEMÓRI DE CÁLCULO Itens 9 a 20, fls 19 e 20 do campo 20 do plano de projeto: ,00 4 x x x x 775, x x x x x x x x 1900 Itens de 21 a 26 do campo 20, fl 20 do plano de projeto: R$ ,00 1 x x x x x x , , , , VLOR MEMÓRI DE CÁLCULO Item de 27 do campo 20, fl 20 do plano de projeto: R$ ,00 58 x 2617, ,00 TOTL DO ROJETO ,00 R$ ,00 R$ ,00 23

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS

SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAS E PROJETOS GERÊNCIA DE PROGRAMAS E PROJETOS - GPP COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS TERMO DE ABERTURA PROJETO: Centro de Treinamento e Capacitação

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

PLANO DE PROJETO. 1 Nome do Projeto 2 Código Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CD 02 CENTRO DE CUSTSOS: 1.1.1.80.31

PLANO DE PROJETO. 1 Nome do Projeto 2 Código Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CD 02 CENTRO DE CUSTSOS: 1.1.1.80.31 1 Nome do Projeto 2 Código Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa CD 02 CENTRO DE CUSTSOS: 1.1.1.80.31 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira ESTRATÉGICO 5 Gestor(a)

Leia mais

PLANO DE PROJETO. 7 Histórico de Revisões no Documento Data Versão Descrição Autor(es)

PLANO DE PROJETO. 7 Histórico de Revisões no Documento Data Versão Descrição Autor(es) 1 Nome do Projeto 2 Código SISTEMA DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO SEG CD 0151 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Eng. Mec. ESTRATÉGICO 5 Gestor(a) 6 Programa Eng. Agr. Carlos Alonso Alencar Queiroz Desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código Fortalecimento das Entidades e Valorização Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Paulo Roberto da Silva 5 Gestor(a) 6 Programa José Fernandes Leite Integração do Sistema

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código PROJETO ÉTICA PROFISSIONAL 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Engenheiro eletricista EDISON FLAVIO MACEDO Estruturante 5 Gestor(a) 6 Programa Engenheiro Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

(Publicada no DOU de 27/4/2005, Seção 2, pág. 131)

(Publicada no DOU de 27/4/2005, Seção 2, pág. 131) PORTARIA- Nº 105, DE 25 DE ABRIL DE 2005 Aprova a realização do projeto de Implementação do Processo de Educação a Distância - Pégaso e designa seu gestor. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO,

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP Treinamento 2013 Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller - SECOP DN 86/2012 Aspectos importantes do Manual de Convênios Encaminhamento de proposta de parceria

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTARIA Nº 541, DE 15 DE JULHO 2015. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 6º, inciso XLIV, do Regimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE PROJETO DO CONFEA

PLANO DE AÇÃO DE PROJETO DO CONFEA I Projeto: MGEC Modelo de Gestão para Excelência Corporativa III Coordenador(a): ANA FABÍOLA COSTA TORRES II Código do Projeto: IV - Tipo de Projeto: Interno Estratégico V Gestor(a): ADILSON JOSÉ DE LARA

Leia mais

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.2 2 ESCOPO 3 1 Gerência do Escopo Processos necessários

Leia mais

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.}

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.} {Importante: não se esqueça de apagar todas as instruções de preenchimento (em azul e entre parênteses) após a construção do plano.} {O tem por finalidade reunir todas as informações necessárias à execução

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções

Coren-MG - Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Coren-MG - Tecnologia da Informação Sistema Integrado de Gestão Modelos de Soluções Infraestrutura Projeto Inicial de Infraestrutura Formação de equipe de TI interna; Estruturação de Datacenter; Redução

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

Manual de Orientações

Manual de Orientações Dúvidas? Fale Conosco! SRH/Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal Seção de Educação e Desenvolvimento de Pessoal 3403-3752, 3403-3753, 3403-3757 Manual de Orientações Fevereiro / 2008 Penalidades

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa A Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes EJEF, atenta aos objetivos do Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJMG e às novas diretrizes para formação de servidores

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC

Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC Programa de Capacitação Gerente Municipal de Convênios e Contratos - GMC Programa de Capacitação - Gerente Municipal de Convênios e Contratos 1 Gerente Municipal de Convênios e Contratos OBJETIVOS GERAIS:

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral TIControle Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal Doris Peixoto Diretora Geral 11/04/2012 Tópicos para nossa conversa de hoje A migração da Governança de TI para o nível corporativo

Leia mais

O que acontece antes do projeto começar?

O que acontece antes do projeto começar? O que acontece antes do projeto começar? Selecionar o projeto com base no alinhamento estratégico e retorno para o negócio Identificar necessidades do negócio e oportunidades que serão atendidas pelo projeto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014 Programa de Desenvolvimento Gerencial Brasília, Maio de 2014 A Embrapa Missão Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais Declaração de Escopo Projeto PDTI Informações Gerenciais Maio/2008 PRESIDÊNCIA Belo Horizonte, MG 3 3 Revisão 2 após replanejamento do projeto Fátima Freiria 05/05/2008 2 2 Revisão 1 após contratação Consist

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROJETO: ELABORAR ESTUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE PESSOAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Número do Projeto: 04/2011 Código do Projeto: CTC_TI_AVALIA_PESSOAL Versão:

Leia mais

Termo de Abertura do Projeto TAP PJSETIN2012029 NOC Network Operation Center (Centro de Operação

Termo de Abertura do Projeto TAP PJSETIN2012029 NOC Network Operation Center (Centro de Operação Operação de Rede) Versão 1.0 Estado do Ceará Poder Judiciário Tribunal de Justiça Histórico de Revisões Data Versão Descrição Responsável 31/08/2012 0.1 Criação do documento Alexys Ribeiro Gerente do Projeto

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital UNIPAMPA de Adesão à Jornada UNIPAMPA em Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho

Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho Plano de Gestão 2015-2017 Projetos de Captação de Recursos do Ministério Público do Trabalho Superintendência de Planejamento e Gestão Outubro/2015 Introdução Os recursos oriundos de multas ou indenizações

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PROJETO CENTRO DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO CORPORATIVO

PROJETO CENTRO DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO CORPORATIVO Atividades Realizadas de 01/09/2010 a 30/09/2010¹ Descrição (Descrever a atividade desenvolvida) Motivação (informar o motivo quem originou a demanda) Período Resultado (impacto dos resultados obtidos

Leia mais

Duração 44 horas/aula

Duração 44 horas/aula MySQL Gestão - Introdução, de Projetos Administração Fundamentos e e Otimização Prática Objetivo Capacitar profissionais em técnicas e ferramentas de gestão de projetos com aplicação prática dos conceitos

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

RELATÓRIO DAS TRÊS GERAÇÕES PROJETO GPC EXERCÍCIO 2007

RELATÓRIO DAS TRÊS GERAÇÕES PROJETO GPC EXERCÍCIO 2007 I Projeto GPC GESTÃO POR PROJETOS NO CONFEA Período do R3G junho/2007 Mettass 1 2 3 4 5 6 1100%% % 9900% 9900% 5566,,88% 7733,,88% 1155% JJ FF M A M JJ JJ A SS O N D - 2007 RESUMO A) Progresso geral 64,8%

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS AMBIENTAIS - ANEAM Marco Regulatório da Engenharia Ambiental e Engenharia

Leia mais

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS 1 MELHORIA DA GESTÃO FISCAL DE MÉDIO PRAZO E DO INVESTIMENTO PÚBLICO 1.1 Diagnóstico e Proposição de Melhorias do Marco de Gasto de Médio Prazo 1.1.0 Não há 1.1.0.0 Não há 1.1.0.0.1 Diagnóstico da metodologia

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Programa 1017 Infraestrutura Pública

Programa 1017 Infraestrutura Pública Órgão 20570 Junta Comercial do Estado do Tocantins - JUCETIS Programa 1017 Infraestrutura Pública Ação 3033 Construção da Sede da JUCETIS Elaboração de projetos estruturais, arquitetônicos, hidro-sanitário

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

PROGRAMA PROGOVERNO BIRD

PROGRAMA PROGOVERNO BIRD PROGRAMA PROGOVERNO BIRD TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2013 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA DE EMPRESA ESPECIALIZADA QUE IRÁ DESENVOLVER E MINISTRAR TREINAMENTO NA ELABORAÇÃO DE TERMO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Processo de Desenvolvimento de Software Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Processo de Desenvolvimento de Software... 04

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais