LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIJUERJ QUINTA REFORMA ESTATUTARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIJUERJ QUINTA REFORMA ESTATUTARIA"

Transcrição

1 LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIJUERJ QUINTA REFORMA ESTATUTARIA Fundamentado na Lei 9.615, de 24 de março de 1998, que instituiu normas gerais sobre o Desporto, Regulamentada pelo Decreto nº 7.984, de 08 de abril de CAPITULO I DA LIGA E SEUS FINS Art. 1º - A LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, fundada em 12 de março de 1986, com sede na Rua Presidente Backer, s/n, Ginásio Caio Martins - Santa Rosa Niterói RJ, tendo seus atos constitutivos devidamente registrados no cartório do RCPJ ( anexo ao 5 oficio de Niterói ), no livro A-13, sob o n 6.449, em 20/03/1986 e posteriores reformas sob o n , , e 46492, cadastrada no CNPJ sob o n / , inscrição municipal sob o n , denominada LIJUERJ, é uma Sociedade civil com finalidade desportiva, com personalidade jurídica distinta dos filiados, patrimônio próprio e jurisdição em todo o Estado do Rio de Janeiro, sem fins lucrativos, apolítica, sem discriminação racial ou religiosa, e consoante a aprovação da ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINARIA. Art. 2º - A LIJUERJ, sendo uma LIGA ESTADUAL, integra o SISTEMA NACIONAL DO DESPORTO, e é encarregada da coordenação, administração, normatização, apoio e pratica do desporto, é dirigente do Judô no Estado do Rio de Janeiro, e em todas as regiões onde atuar, tendo por objeto o estudo, disciplina, organização e desenvolvimento técnico do Judô e suas práticas afins. Art. 3º - São fundadores da LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIJUERJ : 1 Judô Clube Barbosa; 2 Judô Clube Ventapane; 3 Entidade Luz do Amanhã / Criança Esperança; 4 Judô Clube Therezones; 5 Judô Clube São Sebastião; 6 Judô Clube Rosemberg; 7 - Dr. José Antonio Werneck; 8 - Francisco Gomes da Silva ( Presidente da LIJUERJ ); 9 Judô Clube Marzullo. Art. 4º - A LIJUERJ, que funcionará por tempo indeterminado, exercerá suas atividades em qualquer parte do território nacional, especialmente no Estado do Rio de Janeiro onde tem sede e foro, é pessoa jurídica de direito PRIVADO, com organização e funcionamento autônomo, com competência definida em seus Estatutos e Regulamentos, observado o disposto na Lei de 24 de março de 1998, regulamentada pelo Decreto nº 2.574, de 29 de abril de 1998,regulamentada pelo Decreto nº 7.984, de 08 de abril de Parágrafo Único. A LIJUERJ, tem por fim: 1 Congregar os Clubes, Associações e outras Entidades com sede no Estado do Rio de Janeiro, que ministrem e pratiquem o Judô e seus afins; 2 desenvolver estudos, planejamentos, cursos, seminários e outras atividades que sirvam de intercâmbio entre Entidades que congregam os praticantes de Judô, bem como coordenar suas promoções, dirigir sua execução e administrar com o devido rigor técnico as concessões de graduações de faixas. 3 Dirigir, desenvolver, controlar, orientar, supervisionar e difundir o Judô esportivo e atividades correlatas aos seus associados. 4 Promover motivações e estímulos conjugando os esforços da iniciativa privada, bem como dos poderes, Municipais, Estaduais e Federais, e da comunidade em geral, para o engrandecimento e desenvolvimento do Judô esportivo e atividades correlatas; 5 - Promover, organizar e dirigir campeonatos, torneios em todo o território Estadual, podendo, inclusive, tomar parte nas competições de caráter nacional e internacional; 1

2 6 Representar o desporto que dirige junto aos poderes públicos Municipais, Estaduais e Federais em todo o Território Nacional; e 7 - Contribuir para o programa técnico e material de seus filiados, que constituem a base da organização esportiva nacional. CAPÍTULO II DOS PODERES Art. 5º - São Poderes da LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: I A Assembléia Geral; II O Tribunal de Justiça Desportiva (T. J. D.) III - O Conselho Técnico Superior IV A Presidência; e V A Diretoria. 1º - Serão INELEGÍVEIS como membro da diretoria da LIJUERJ os que não satisfaçam o parágrafo 2. 2º - Os mandatos dos membros dos poderes da LIJUERJ, só poderão ser exercidos por pessoas que satisfaçam as condições do amadorismo no desporto e que não tenham e nem estejam: a condenados por crimes dolosos em sentença definitiva; b inadimplentes na prestação de contas de recursos públicos em decisão administrativa definitiva; c inadimplentes na prestação de contas da própria entidade; d afastados de cargos eletivos ou de confiança de entidade desportiva ou em virtude de gestão patrimonial ou financeira irregular ou temerária da entidade; e inadimplentes das contribuições previdenciárias e trabalhistas; e, f falidos. 3º - Para atender ao disposto no Art. 5, deverá ser criado o CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, que será um dos poderes da LIJUERJ. 4º - A LIJUERJ, e as entidades a ela filiada ou vinculada, independente da equiparação às entidades de administração do desporto, e os atletas que participam das competições por elas organizadas, subordinam-se às regras de proteção à saúde e à segurança dos praticantes, inclusive as estabelecidas pelos organismos intergovernamentais e entidades internacionais do desporto. SEÇÃO I DA ASSEMBLÉIA GERAL Art. 6º - A Assembléia Geral, poder máximo da LIJUERJ, é constituída por seus filiados, representados pelos respectivos presidentes ou Delegados, devidamente credenciados com poderes específicos para aquela Assembléia. Art. 7º - Cada membro da Assembléia Geral, terá direito a um (1) voto. Parágrafo Único - Só poderá participar da Assembléia Geral, com direito a voz e voto, apenas um representante de cada filiado (a), desde que esteja rigorosamente quites com suas obrigações junto a LIJUERJ Art.8º - Os Delegados à Assembléia Geral deverão ser de maior idade, devidamente credenciado com poderes para votar e ser votado, acordar, discordar, aprovar contas, tudo exclusivamente naquela assembléia. 2

3 Parágrafo Único - O filiado (a) responderá e assumirá toda responsabilidade pelo voto, pronunciamento e demais atos praticados pelo seus representante na Assembléia Geral. Art. 9º - LIJUERJ reunir-se-á em Assembléia Geral: I ORDINARIAMENTE, no mês de janeiro de cada ano, para: a) Apreciar e julgar o relatório e prestação de contas, balanço geral econômico financeiro do exercício anterior, apresentado pela diretoria, com o parecer do Conselho Fiscal, b) Apreciar o Relatório do Conselho Técnico Superior; c) Apreciar, discutir e aprovar os relatórios Técnicos e Administrativos d) Apreciação do Relatório do Tribunal de Justiça Desportiva e da Comissão disciplinar. e) Quadrienalmente para eleger o Presidente e o Vice Presidente. II EXTRAORDINARIAMENTE, a qualquer tempo, por iniciativa do Presidente ou por solicitação e qualquer filiado desde que tenha, pelo menos, 2/3 de assinaturas dos filiados. Parágrafo Único - O CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR pode indicar ao Presidente da LIJUERJ, por escrito e devidamente fundamentado, a necessidade de realização de Assembléia geral para tratar de assunto inadiável ou de interesse geral. Art. 10º - A convocação para Assembléia Geral será feita através o encaminhamento do EDITAL DE CONVOCAÇÃO à cada um dos filiados, mediante protocolo, ou pelo correio com aviso de Recebimento (AR), com antecedência mínima de quinze (15) dias, devendo o Edital ser publicado em jornal de grande circulação no Estado, com igual antecedência. Parágrafo Único: - A Assembléia Geral reunir-se-á em primeira convocação com um quorum mínimo de 2/3 dos filiados, ou trinta (30) minutos após, em Segunda e última convocação, com qualquer número de presentes Art. 11º - Na Assembléia Geral Ordinária só poderá ser discutido os assuntos constantes da Ordem do Dia. do Edital de convocação. Art. 12º - Caso haja solicitação ao Presidente para convocação de Assembléia Geral, na forma prevista no Parágrafo Único do art. 9º, deverá o Presidente, despachar a petição no prazo máximo de trinta dias, marcando a Assembléia. Parágrafo Único: - Quando a solicitação for de filiado, verificando o Presidente que o pedido contém as assinaturas suficientes para o quorum legal, deverá, no prazo de quinze (15) dias, marca a Assembléia solicitada. Caso contrário, poderá indeferir o pedido, fundamentando sua decisão., devendo na primeira Assembléia que for realizada dar conhecimento ao plenário do pedido e de sua decisão. Art. 13º - No Edital de Convocação conterá na ORDEM DO DIA, os objetivos da assembléia, bem definidos, não podendo haver itens com referência genéricas, tais como: vários, assuntos diversos, não sendo permitido, durante a Assembléia, pronunciamento sobre assunto não constante do Edital de convocação Art. 14º - Compete a Assembléia: 1 Preencher os cargos vagos, na forma deste estatuto e, quando de sua atribuição, conceder licença aos membros dos poderes e órgãos por ela eleitos; 2 Dar posse ao Presidente e Vice Presidente eleitos; 3 Reformar o Estatuto após dois (2) anos pelo menos de sua vigência, ou em qualquer época, na hipótese de adaptação à Legislação ou determinações do S. N. D. 3

4 4 Conceder títulos honoríficos a pessoas físicas ou jurídicas que tenham prestado relevantes serviços à LIJUERJ ou ao Desporto Estadual ou Nacional 5 Julgar, em última instância, por maioria de votos, os recursos interpostos contra atos de qualquer dos poderes, exceto às decisões do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA; 6 Autorizar a aquisição, alienação ou gravação de bens imóveis, ouvido o Conselho Técnico Superior; 7 Relevar, no todo ou em parte, em processo findo, penalidade de natureza administrativa imposta a filiado(a); 8 Relevar nos termos da recomendação feita pelo SISTEMA NACIONAL DE DESPORTO ( S.N.D.); 9 Dissolver a LIJUERJ, definindo o destino de seu patrimônio, indicando quem ou qual filiado responderá pelos possíveis débitos da entidade. 10 Pronunciar-se sobre qualquer matéria relevante que deve a LIJUERJ se pronunciar 11 Aprovar, ou não, filiações ou desligamento de qualquer filiado, associação ou outra entidade, observados o disposto nas leis e decretos em vigor; 12 Delegar poderes especiais ao Presidente da LIJUERJ, para em nome desta, assumir responsabilidades que escapou à competência privativa, ouvido, quando for o caso, o CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR; 13 Autorizar a abertura de Créditos adicionais à proposta orçamentária, mediante justificativa da Diretoria, ouvido o CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR; 14 - Resolver os casos omissos, pronunciando-se obrigatoriamente sobre questões que lhe forem submetidas; 15 Fixar normas a serem observadas quanto à destinação de imóveis e material permanente que pertencem ou vierem a pertencer a LIJUERJ,no caso de dissolução da entidade; 16 Julgar os pedidos de reconsideração de suas próprias decisões; 17 Interpretar este Estatuto e demais leis de interesse da LIJUERJ; 18 - Discutir, votar e aprovar sugestões que devam ser levadas à Diretoria e ao Presidente, ou demais órgãos da LIJUERJ. Art. 15º - Instalado os trabalhos, caberá ao Plenário nas Assembléias Gerais, escolher entre os presentes, com aprovação da maioria, o presidente dos Trabalhos, sem direito a votar ou ser votado e nem emitir opinião, exceção feita, apenas, se o escolhido for Presidente de alguma entidade filiada, que terá direito a voz e voto. Parágrafo 1º - O presidente escolhido indicará qualquer dos presentes para secretariar os trabalhos, mediante aprovação da Assembléia; Parágrafo 2º - O Secretário (a) indicado fará a Leitura do Edital de Convocação, e o presidente da mesa, se for o caso, poderá esclarecer à Assembléia se a convocação foi em obediência ao disposto no art. 12º e seu Parágrafo Único. Parágrafo 3º - Todas as propostas serão encaminhadas à Assembléia Geral, através da Diretoria que, dará conhecimento do parecer técnico, se for necessário. 4

5 Parágrafo 4º - Todas as deliberações da Assembléia serão tomadas por maioria simples de votos Art. 16º - O CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, composto por três membros de notório saber técnico administrativo e de conduta ilibada, será eleito em ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA, no mês de janeiro, para um mandato de quatro (4) anos, permitida a reeleição de qualquer de seus membros. Parágrafo Único : - No Conselho Técnico Superior, será Presidente o primeiro nome que constar da lista e, não haverá conselheiros suplentes, razão pela qual, no caso de vacância, o novo membro deverá ser eleito, em Assembléia Geral. Art. 17º - Havendo vacância em qualquer dos cargos de Presidente ou Vice-presidente, o 1º Secretário assumirá a presidência interinamente, até a Assembléia Geral Ordinária, prevista neste Estatuto, quando haverá nova eleição. Art. 18º - No caso de renúncia de toda a Diretoria, cabe ao CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, por todos os seus membros, administrar a LIJUERJ até a data da Assembléia Geral Ordinária, quando será eleito novo Presidente e Vice Presidente Art. 19º - Os trabalhos da Assembléia Geral, serão obrigatoriamente registrados em Ata, em livro próprio devendo ser assinado pelo presidente da Assembléia, Secretário, seguindo-se as demais assinaturas dos presentes. Art. 20º - O presidente da LIJUERJ em exercício fornecerá a cada filiado uma cópia da ata da Assembléia, mediante recibo em livro próprio. Art. 21º - As decisões das Assembléias Gerais, obrigam a todos os seus filiados, mesmo que não tenha comparecido e votado, e mesmo que o filiado tenha opinião contrária a decisão tomada por maioria de votos. SEÇÃO II DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA Art.º 22º O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA, unidade autônoma e independente da Liga e das entidades de administração do desporto de cada sistema ou modalidade de prática, compete processar e julgar em última instância as questões de descumprimento de normas relativas a disciplina e as competições esportivas. 1º - Sem prejuízo do disposto neste artigo, as decisões finais do Tribunal de Justiça Desportiva são impugnáveis nos termos gerais do direito, respeitado os pressupostos processuais estabelecidos nos 1º e 2º do Art. 217 da Constituição Federal 2º - O recurso ao Poder Judiciário não prejudicará os efeitos desportivos validamente produzidos em conseqüência da decisão proferida pelo Tribunal de Justiça Desportiva. 3º - O membro do Tribunal de Justiça desportiva exerce função considerada de relevante interesse público e, sendo servidor público, terá abonadas suas faltas, computando-se como de efetivo exercício a participação nas respectivas sessões. Art. 23º O Tribunal de Justiça Desportiva, terá como primeira instancia a COMISSÃO DISCIPLINAR, integradas por três membros de sua livre nomeação, para a aplicação imediata nas sanções decorrentes de infrações cometidas durante as disputas e constantes das Súmulas ou documentos similares dos árbitros, ou, ainda, decorrentes de infringência ao Regulamento da respectiva competição, torneio ou campeonato. 1º - No Tribunal de Justiça Desportiva e nas Comissões Disciplinares, as transgressões relativas à disciplina e à competições desportivas prescindem do processo administrativo, e será assegurada a ampla defesa e o contraditório. 5

6 2º - A organização, o funcionamento e as atribuições da Justiça Desportiva serão definidas em Códigos de Justiça Desportiva a ser aprovada pelo CDDB. 3º - Enquanto não forem aprovados os novos Códigos de Justiça Desportiva, continuam em vigor os atuais Códigos com as alterações constantes da Lei nº de 1998, e do Decreto nº 2.574/98. Art. 24º O Tribunal de Justiça Desportiva, por indicação segmentada será composto por nove (09) membros, cuja indicação dos auditores será feita na forma prevista no Art. 55 da Lei nº 9.981, de 14 de julho de º - A indicação para o cargo de Auditor, membro efetivo do Tribunal de Justiça Desportiva, é privativo das entidades elencadas nos incisos I a V do Art. 55 da Lei nº 9.981, de 14 de julho de 2000, e a substituição do Auditor, a qualquer tempo, é prerrogativa da entidade indicadora, não podendo ser contestada. 2º - Os membros do Tribunal de Justiça Desportiva serão obrigatoriamente bacharéis em direito ou pessoa de notório saber jurídico e de conduta ilibada. Art. 25º Os auditores, membros efetivos do Tribunal de Justiça Desportiva, assim indicados: I - Dois (02) pela entidade de Administração do Desporto; II - Dois (02) indicado pela s entidades de prática desportiva que participem das competições oficiais da divisão principal; III Dois (02) Advogados com notório saber jurídico desportivo, indicados pela ordem dos Advogados do Brasil; IV Um (01) representante dos árbitros, indicado pela respectiva entidade de classe; V Dois (02) representantes dos atletas, indicados pelas respectivas entidades sindicais. 1º - O mandato dos membros do Tribunal de Justiça Desportivas deverá coincidir com o mandado do Presidente da LIJUERJ, permitida apenas uma recondução. Art. 26º - O Presidente em exercício na LIJUERJ, para preenchimento das vagas de Auditor, membro efetivo do Tribunal de Justiça Desportiva, deverá convocar por Edital Público e ofício protocolado a cada segmento interessado, legalmente constituído e reconhecido na Jurisdição, dentre os elencados nos incisos II, III, IV e V do Art. 55 da Lei nº 9.615/98, a abertura de prazo para indicação e recebimento das indicações. 1º - Recebidas as indicações, o Presidente da Liga, na mesma data do ato de sua posse, instalará o Tribunal de Justiça Desportiva. Art. 27º - A COMISSÃO DISCIPLINAR será composta por três integrante do elenco de Auditores, membros efetivos do Tribunal de Justiça Desportivo, e somente proferirá decisões com a presença da totalidade de seus membros. Art. 28º - As transgressões relativas a disciplina e às competições desportivas sujeitam o infrator a: I Advertência; II eliminação; III exclusão de campeonato ou torneio; IV - indenização; V - interdição de praça de desportos VI multa VII perda de pontos; VIII suspensão 1º - As penas disciplinares não serão aplicadas aos menores de quatorze anos 6

7 SEÇÃO I I I DO CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR Art. 29º - O CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, órgão de consultoria da Presidência, é composto de três (3) Conselheiros, de notável conhecimento técnico - administrativo, eleitos na Assembléia Geral Ordinária, juntamente com o Presidente e o Vice Presidente. Parágrafo Único - Havendo impossibilidade de algum membro do Conselho Técnico Superior, eleito, de continuar na Comissão, ou faltar por mais de dois meses às atividades da LIJUERJ, será substituído interinamente, por indicação do presidente ad referendum da Assembléia. Art. 30º - Compete ao CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR: 1 Reunir-se ordinariamente, uma vez por mês ou sempre que for solicitado pelo Presidente; 2 Assessorar o Presidente em exercício nas questões técnicas e administrativas, principalmente quanto ao relacionamento da LIJUERJ com outras entidades; 3 - Assessorar o Presidente no trato com as autoridades Municipais, Estaduais e Federais, e entidades esportivas nacionais e internacionais; 4 Manifestar-se sobre a proposta orçamentária elaborada pela Diretoria; 5 Sugerir ao Presidente e ou a Assembléia Geral, se for o caso, os procedimentos e medidas que deverão ser tomadas, por qualquer dos poderes, da LIJUERJ; 6 Opinar sobre qualquer assunto de naturezas técnica, administrativa e financeira que lhe for solicitado pela Presidência; 7 Sugerir ao Presidente, fundamentando seu pedido, a realização de Assembléia Geral Extraordinária; 8 Denunciar ao Presidente ou a Assembléia Geral, qualquer violação deste Estatuto, do Regimento Interno ou da Lei, sugerindo medidas à serem tomadas; 9 - Examinar o Calendário das atividades esportivas elaborado pelo Diretor Técnico, fazendo sugestões que julgar conveniente, tendo em vista a Agenda de eventos estadual ou Interestadual com a participação da LIJUERJ ; 10 Relacionar e sugerir ao Presidente, a indicação dos responsáveis pelo preparo das representações oficiais da LIJUERJ. 11 Emitir Relatório de cada competição ou evento esportivo da LIJUERJ, apontando as falhas e sugerindo as medidas para o aperfeiçoamento SEÇÃO IV DA PRESIDÊNCIA Art. 31º - A Presidência da LIJUERJ, como órgão Executivo, compor-se-á do Presidente e do Vice Presidente, eleitos conjuntamente pela Assembléia Geral Ordinária, para um mandato de Quatro (4) anos, permitida a reeleição uma única vez pela Assembléia Geral. Art. 32º - Compete ao Presidente, e no seu impedimento legal ao Vice Presidente: 1 administrar a LIJUERJ, superintender-lhe as atividades e promover a execução de seus serviços; 2 cumprir e fazer cumprir este Estatuto e demais Leis e Regulamentos; 7

8 3 Cumprir e fazer cumprir as decisões das Assembléias Gerais; 4 Convocar e presidir as reuniões da Diretoria; 5 Convocar e reunir qualquer dos poderes da LIJUERJ; 6 Representar a LIJUERJ em Juízo ou fora dele; outorgar procuração, credenciar e demitir representantes. 7 Nomear, contratar, admitir, demitir, licenciar e punir funcionários da LIJUERJ, observando-se a legislação em vigor, exigindo fiança daqueles que estejam obrigado a prestá-las pela natureza de suas funções; 8 Assinar, privativamente, a correspondência da LIJUERJ dirigida a qualquer órgão ou autoridade pública, bem como as entidades desportivas; 9 Delegar competência ao Vice Presidente ou Secretário, para subscrever quaisquer outros papeis considerados de rotina, até mesmo endereçados aos filiados; excetuados os papeis que envolvam assuntos relacionados com a Justiça e disciplina, de natureza pessoal ou, ainda, que indiquem tomada de posição, problemas fundamentais e doutrinários 10 - Atribuir ao Tesoureiro a assinatura dos termos de abertura e encerramento dos livros da Tesouraria, devidamente registrados em Cartório competente e demais documentos financeiros e de contabilidade; 11 - Assinar com o Tesoureiro cheques, ordens de pagamento e quaisquer outros papeis de crédito ou documentos que envolvam despesas para a LIJUERJ; 12 - Nomear, empossar, demitir e dispensar os membros da Diretoria bem como dos Departamentos e demais órgão que lhe sejam subordinados; 13 - Promover por intermédio do Tesoureiro o recolhimento em estabelecimento bancário idôneo, as disponibilidades financeiras da LIJUERJ, que excedam a três ( 3 ) Salários Mínimos vigentes na Capital Assinar Diplomas e quaisquer títulos honoríficos e esportivos, podendo, em caso excepcional, delegar esta competência ao Vice Presidente e ou ao Presidente do conselho Técnico Superior, nessa ordem Convocar qualquer poder ou órgão da LIJUERJ, observando o disposto nas Leis e atos legislativos da Entidade; 16 - Atribuir ao primeiro (1º) Secretário a supervisão dos serviços de secretaria; 17 - Assinar a ata das reuniões de diretoria e ordenar publicação em Boletim Oficial de todos os atos e decisões assim como dos demais poderes e o de interesse das associações filiadas; 18 Praticar todos os atos e atribuições que lhe forem deferidas por Lei, por decisão da assembléia Geral da LIJUERJ, e praticar todo e qualquer ato de administração não expressamente atribuída a outro poder; 19 Coordenar os trabalhos dos poderes da LIJUERJ para organização do Relatório anual para apresentação à assembléia Geral Ordinária, no mês de janeiro de cada ano. 20 Aprovar, juntamente com o Conselho técnico Superior e o Diretor Geral de Esportes, a programação Oficial de participação da LIJUERJ, e o Calendário Estadual de competições 21 - Promover e inspecionar a aplicação de todos os meios preventivos e disponíveis para assegurar a disciplina nas competições e eventos Oficiais da LIJUERJ; 22 - Inspecionar, Fiscalizar pessoalmente ou delegar poderes à qualquer Diretor, nas competições que tenha participação ou patrocínio da LIJUERJ ; 23 Praticar qualquer ato necessário e urgente, ad referendum do Poder Próprio, quando for o caso; 24 Instalar a Assembléia Geral da LIJUERJ; 25 - Aceitar auxílios, ouvido sempre os órgãos técnicos e administrativos, por seus dirigentes; 26 Conceder ou negar licença às associações filiadas para participares de competições interestaduais, nacionais e internacionais, observados o disposto nas leis e neste Estatuto; 27 - Aprovar, se for o caso, os atos dos Diretores sobre orçamentos, Receita, Despesas e assuntos técnicos administrativos; 28 Nomear, quando necessário, Comissões Técnicas com prazo determinado, prorrogável a seu critério e sua exclusiva responsabilidade; 29 - Designar os dirigentes das Delegações REPRESENTATIVAS da LIJUERJ; 30 - Conceder, negar ou cassar registro ou inscrição de atletas na LIJUERJ; 8

9 31 - Referendar ou não, a indicação dos responsáveis pelo preparo das representações oficiais da LIJUERJ 32 - Submeter a Assembléia, os casos omissos neste Estatuto Nomear até dois ( 2 ) Assistentes ou assessores para a Presidência e mediante indicação, também para qualquer Diretor. 34 Nomear, o Conselho fiscal, para atuar junto a Tesouraria analisando as contas e orçamentos e emitindo pareceres. SEÇÃO V DA DIRETORIA Art A diretoria é constituída de Presidente, Vice Presidente, 1º e 2º Secretários, 1º e 2º Tesoureiros, Diretor de Patrimônio, Diretor de Relações Públicas e Diretor Técnico Parágrafo 1º - O presidente e o Vice Presidente serão eleitos na forma deste Estatuto, em Assembléia Geral Ordinária, os demais diretores serão de livre escolha do Presidente. Parágrafo 2º - Cada Diretor poderá indicar e solicitar nomeação, pelo Presidente, de até dois ( 2 ) Assistentes ou Assessores, com direito a voz, porém, sem direito a voto, não se computando a presença dos Assistentes ou Assessores, para efeito de quorum. Art. 34 Os diretores nomeados deverão ser empossados e entrar em exercício no prazo de quinze ( 15 ) dias de sua nomeação, no máximo. Caso contrário, expirado o prazo, deverá o diretor ser substituído. Art. 35 A diretoria reunir-se-á obrigatoriamente uma (1) vez por mês e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente. Art. 36 As decisões da diretoria serão sempre tomada por voto da maioria. Art. 37 A falta de qualquer membro por mais de três ( 3 ) reuniões consecutivas, sem motivo justificável,. O Presidente poderá destituí-lo e nomear outro Diretor para as funções. Art Com exceção do Presidente, 1º Secretário e 1º Tesoureiro, que serão substituídos pelo vice Presidente, 2º Secretário e 2º tesoureiro, os demais membros da diretoria, no caso de impedimento até sessenta ( 60 ) dias, serão substituídos pelos diretores designados pelo Presidente. Art Compete a Diretoria: 1 colaborar com o Presidente na administração da LIJUERJ, na fiscalização das leis e dos atos de regulem o funcionamento das respectivas atividades de preservação dos princípios de harmonia entre a entidade e as associações que a compõem; 2 - decidir os assuntos que lhe forem submetidos pelo Presidente; 3 - colaborar para a correta aplicação das verbas orçamentárias, adotando medidas necessárias à administração da LIJUERJ, e que não sejam de exclusiva competência do Presidente. 4 - Colaborar com o Presidente da LIJUERJ na adoção de providências necessárias à defesa da Entidade, no progresso desportivo do Estado e na organização do calendário anual das competições oficiais; 5 - Homologar, aprovar ou ratificar os atos dos Departamentos e demais órgãos da LIJUERJ, ou suspender-lhes a execução; 6 - Conceder licença à qualquer dos seus membros, na forma deste Estatuto; 7 - Intervir nas atividades de qualquer Departamento, a fim de fiscalizar o seu funcionamento ou reparar irregularidades; 9

10 8 - Apreciar os balancetes mensais de Receita e despesa, observadas as formalidades previstas neste Estatuto; 9 - Decidir ou opinar sobre toda e qualquer matéria de caráter urgente que o Presidente da LIJUERJ submeta ao seu pronunciamento; 10 - Fixar o horário de abertura da sede e do funcionamento da LIJUERJ, mediante resolução publicada no Boletim Oficial; 11 - Propor à Assembléia a concessão de título honoríficos, e solicitar a apreciação e aprovação das medidas que entender serem de interesse geral da administração e do desporto; 12 - Fixar Taxas, anuidades emolumentos e porcentagens, bem como, promover sua periódica atualização; 13 - Aprovar ou impugnar pedidos de filiação, submetendo a Assembléia Geral, as razões e fundamentos da impugnação; 14 - Impor ou relevar as penalidades de sua competência; 15 - Promover, por proposta dos diretores Técnicos, competições entre os Associados. Art. 40º - Das decisões da diretoria, que serão tomadas por maioria de votos, caberá recurso para a Assembléia Geral, sem efeito suspensivo e em conformidade com o disposto neste Estatuto. Parágrafo Único Em caso de empate em qualquer das deliberações prevalecerá o voto do Presidente. Art Os trabalhos e as decisões da reunião da diretoria serão registrados em livro próprio, em atas abertas, com a assinaturas dos Diretores presentes à seção cumprindo ao 2º Secretário redigi-las e na falta deste o 1º secretário. Parágrafo Único - Na ausência de todos os Secretários de Ofício, o Presidente nomeará um Secretário ad hoc, que lançará na ata sua condição. Art A diretoria cumpre aprovar e expedir a Tabela dos Campeonatos e Torneios promovidos pela LIJUERJ, depois de organizadas pelos Diretores Técnicos e com parecer do CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR Art Cabe a Diretoria, mediante parecer do Diretor Técnico e as possíveis recomendações e sugestões do CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, proclamar a Associação Campeã de cada certame, no prazo máximo de quinze (15) dias, a contar da data do término de cada certame. Art Ao Vice Presidente, compete: I Participar das reuniões da diretoria; II Auxiliar o Presidente, substituí-lo em suas faltas e impedimentos. Parágrafo Único - Em caso de vacância do cargo de Presidente, o Vice Presidente assumirá e cumprirá o resto do mandato de acordo com o disposto no Art. 17. Art Ao 1º secretário, com a colaboração do 2º secretário, que o substituirá em seus impedimentos, compete: I Orientar as atividades da secretaria; II assinar a correspondência por delegação do Presidente, na forma do disposto no Art. 31, item 2. desse Estatuto. III firmar, conjuntamente com o Presidente, títulos e Diplomas expedidos pela LIJUERJ. IV Autenticar as Atas das reuniões da diretoria e ter sob sua guarda e responsabilidade os livros e documentos da LIJUERJ. V Ter em dia e em ordem o fichário registro dos atletas inscritos pelas filiadas; e, VI - Apresentar anualmente, Relatório do movimento da Secretaria. Art. 46 Ao 1º Tesoureiro, com a colaboração do 2º Tesoureiro, que o substituirá em seus impedimentos, compete: I dirigir os serviços de Tesouraria, bem como estabelecer os critérios à serem seguidos na abertura de contas bancárias, depósitos e guarda de valores; Autenticação de 10

11 documentos e comprovantes de despesas; fiscalização dos trabalhos de arrecadação, elaboração dos balancetes, além de fixar as normas gerais de administração financeira; II Promover a arrecadação e receita da LIJUERJ e sugerir medidas que possam aumentá-las; III Efetuar o pagamento de despesas autorizadas pelo Presidente; IV Substituir o 1º Secretário quando ausente, no impedimento do 2º secretário; V - Depositar imediatamente, após o recebimento, dinheiro, valores, e títulos de crédito da LIJUERJ; VI assinar, com o Presidente ou com o Vice Presidente, os cheques e documentos de qualquer natureza, que se relacionem com os fundos e haveres da LIJUERJ; VII Apresentar ao CONSELHO FISCAL os balancetes de Receita e Despesa do mês anterior e, no fim do ano, o Balanço Geral. Art Compete do Diretor de Patrimônio: I Manter sob sua guarda os bens e valores da LIJUERJ; II Organizar e manter em dia o Livro de Registro do Patrimônio do qual deverá constar todos os bens móveis, utensílio, imóveis, troféus, e etc.; e, III Apresentar, anualmente, Relatório detalhado da situação do patrimônio da LIJUERJ. Art Ao Diretor de Relações Públicas, compete além de outras atribuições deferidas pela diretoria, exercer a tarefa de informar e manter relações com os órgãos de Comunicação Social, tendo em vista o Bom nome da LIJUERJ. Art Ao diretor técnico, compete: I Organizar e submeter à Diretoria o calendário anual das atividades Oficiais da LIJUERJ; II Elaborar ou alterar e submeter a diretoria, os regulamentos de campeonatos e outros que forem julgados necessários; III dirigir todas as competições Oficiais; IV designar as autoridades para as competições Oficiais; V Realizar cursos de árbitros e Oficiais de mesa; VI Emitir parecer sobre as questões de ordem técnica que forem apresentadas; VII Assistir ao treinamento da equipe representativa da LIJUER e acompanhá-la nas competições realizadas no Estado e fora dele; VIII - Manter em dia o fichário e a Biblioteca técnica da LIJUERJ; IX Incentivar a prática dos desportos dirigidos pela LIJUERJ; X Apresentar ao fim de cada temporada, relatório detalhado das competições realizadas, e no fim do ano relatório da situação técnica da LIJUERJ; XI Manter estreito relacionamento técnico com o CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR fornecendo-lhes dados técnicos, sugestões e, da mesma forma, recebendo do CONSELHO dados técnicos, e sugestões. Art. 50 O Diretor Técnico poderá, a seu critério, ter até dois Assessores ou auxiliares técnicos, sem direito a voto, designados pelo Presidente. Art. 51 Em caso de renúncia de toda a Diretoria, assumirá a presidência o Presidente do CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR, que convocará Assembléia geral, para preenchimento dos cargos vagos. Art Os membro da diretoria não respondem pessoalmente pelas obrigações assumidas em nome da LIJUERJ, na prática regular de atos de sua gestão, mas assumem essa responsabilidade pelos prejuízos que causarem em virtude da infração da Lei ou desse Estatuto. Parágrafo Único A responsabilidade de que trata este artigo, prescreve em dois (2) anos, contados da data da aprovação, pela Assembléia Geral, das contas e de balanço do exercício em que findou o mandato, salvo disposição legal em contrário. 11

12 CAPÍTULO I I I DA ELEIÇÃO Art Somente poderá se candidatar a presidência da LIJUERJ, o candidato que for representante de Agremiação ( Judô Clube ), que estiver devidamente registrado com carência mínima de 04 anos ininterruptos e fazer parte da diretoria ou do quadro de árbitros por no mínimo 02 anos, estando em dia com sua anuidade tanto de professor quanto da agremiação nela filiada, e comprovadamente respeitando o determinado no artigo 56 e seus incisos do Estatuto da LIJUERJ Art Só terá direito a voto o representante das agremiações ( Judô Clube ), que tiver em dia com sua anuidade de agremiação, atleta professor, representante de Judô Clube que tiverem quites com suas obrigações Estatutárias. Art Não poderá se candidatar a Presidência da LIJUERJ, o representante de agremiação que estejam incluídos como ( Judô Clube ) Comunitário, Projeto Social ou de qualquer outra instituição que venha a servir de inclusão social a crianças carentes ou especiais sem discriminação racial ou religiosa, pois se insistir através de meios jurídicos, o mesmo terá sua concessão de judô Comunitário (carente), desvinculado e perderá seu direito de participação nos eventos da LIJUERJ. 1º No caso do representante vetado para a candidatura à Presidência da LIJUERJ, discordar da exclusão e demandar judicialmente, o demandante será automaticamente submetido a processo administrativo sumário. 2º - O processo administrativo a que se refere o parágrafo anterior, será instaurado pelo Presidente em até 48 horas após a ciência pela LIJUERJ do processo judicial, mediante recebimento de citação ou intimação. 3º - Após a instauração do processo administrativo, em respeito ao Princípio Constitucional da ampla defesa e do contraditório, será o representante da agremiação demandante judicial, notificado para que apresente sua defesa escrita no prazo de 05 dias. 4º - Transcorrido o prazo para o recebimento da defesa, o Presidente nos termos do artigo 35 do Estatuto da LIJUERJ, convocará reunião extraordinária da Diretoria no prazo de 48 horas, para que decidam nos termos do artigo 36, em sessão única, se o representante da agremiação infringiu o artigo 56 incisos I e ou IX do estatuto. 5º - A decisão da Presidência e Diretoria, juntamente com seus votos, serão redigidas e registradas em ata. 6º - No caso de configurada a infração do artigo 61, incisos I e ou IX, o representante terá desvinculada a agremiação da concessão do Judô comunitário, e não mais participará dos eventos da LIJUERJ Art Representante de agremiação ( Judô Clube ) através de procuração só terá direito a voto se a mesma for original com reconhecimento de firma por autenticidade em cartório, e tiver comprovadamente com no mínimo de 80% (oitenta por cento) de participação nos eventos da LIJUERJ. Art O representante de Agremiação ( Judô Clube ) só terá direito a voto se estiver comprovadamente com no mínimo de 80% (oitenta por cento) de participação nos eventos da LIJUERJ. CAPITULO IV DOS REQUISITOS PARA FILIAÇÃO 12

13 Art Além dos fundadores da LIJUERJ, mencionados no Art. 3º, poderão ser admitidos, também associações e agremiações desportivas que satisfaçam as exigências previstas nesses Estatuto. Art O pedido de filiação deve ser firmado pelo Presidente da Associação desportiva, devendo, no entanto, preencher os seguintes requisitos mínimos para admissão e a permanência de entidade de pratica desportivas como filiada à LIJUERJ: I Fornecer copia de seus estatutos com certidão do cartório de Registro Civil das pessoas jurídicas; II Apresentar ata da eleição dos dirigentes e dos integrantes da Diretoria ou do conselho de Administração, comunicando imediatamente à LIJUERJ qualquer alteração promovida nas suas instancias diretivas; sociais; III Comunicar imediatamente à LIJUERJ quaisquer modificações estatutárias ou IV Fornecer a LIJUERJ as informações por ela solicitadas, conforme prazo estabelecido; V Depositar, se exigido pela LIJUERJ, aval ou fiança bancaria no prazo e na forma estabelecidos, para assegurar o cumprimento das resoluções e dos acordos econômicos da LIJUERJ; VI Permitir auditorias externas determinadas pela LIJUERJ, realizadas por pessoas fiscais ou jurídicas; VII Remeter para ciência da LIJUERJ, copias dos contratos com repercussão econômico-desportiva no relacionamento com a LIJUERJ, informando os direitos cedidos, transferidos ou dados em garantia; e VIII manter seu estatuto atualizado, na forma registrada em Cartório, disponível para conhecimento público em sitio eletrônico, atualizado; IX Ter o seu estatuto devidamente aprovado pela LIJUERJ, do qual constem obrigatoriamente: a A existência do Conselho Fiscal, com três (3) membros, pelo menos, com incumbência de acompanhar e fiscalizar a gestão financeira da Diretoria; b o dever de estimular, entre os seus associados, a realização de provas que concorram para o desenvolvimento e apuro eugênico da juventude; c o dever de assegurar aos membros das entidades superiores, livre ingresso em suas instalações, com direito à funções que exercerem. X juntar ficha com assinatura, profissão, nacionalidade, residência e duração do mandato dos diretores; XI juntar um desenho, em cores, dos uniformes, da bandeira, do escudo e das flâmulas, sujeitando-se a modificá-los, desde que a LIJUERJ assim o exija; XII declarar se pratica apenas o esporte amador ou possui também departamento profissional; XIII fornecer a localização de sua sede, com endereço completo e telefone para correspondência; XIV depositar na Tesouraria da LIJUERJ, com o requerimento de filiação, instruído, com os documentos exigidos, jóia e anuidade estabelecida; XV Ter diretoria composta de brasileiros, podendo o Sistema Nacional do Desporto ( S.N.D.) permitir que as mesmas sejam integradas por estrangeiros radicados no País há mais de cinco (5) anos; XVI comprometer-se a aceitar e a cumprir o Estatuto e Regulamentos da LIJUERJ; e, XVII comprometer-se a ceder à LIJUERJ, suas instalações para realização de competições e eventos por ela promovida. 13

14 CAPITULO V DOS DIREITOS E DEVERES DAS FILIADAS Art. 60 São direitos das Associações filiadas: I dirigir-se aos poderes competentes da LIJUERJ, nos termos do presente Estatuto; II Reger-se por leis próprias, sujeitas à aprovação da LIJUERJ; III participar das competições oficiais da LIJUER ou qualquer solenidade para a qual tenha sido classificada ou convidada; IV manter relações com as demais associações filiadas a LIJUERJ, nas condições estabelecidas pelas Leis e regulamentos desportivos; V fazer-se representar nas Assembléias Gerais, na forma deste Estatuto; VI apresentar Recurso aos poderes competentes da LIJUERJ, bem como formular consultas, na conformidade da legislação vigente; e, VII Ter pavilhão, símbolo e uniforme próprios, inconfundíveis com os das demais filiadas ou dos órgãos desportivos, registrados na LIJUERJ. Art. 61 São deveres das filiadas: I - Respeitar, cumprir e fazer cumprir por todas as pessoas físicas ou Jurídicas, direta ou indiretamente vinculadas a ela, este Estatuto, Leis, Regulamentos, Códigos e Regras desportivas; II remeter à LIJUERJ, dentro de trinta ( 30) dias, um exemplar do Estatuto, toda vez que o reformar, e ficha da Diretoria quando eleita ou modificada, indicando a profissão, nacionalidade, endereço e o tempo de duração do mandado III remeter à LIJUERJ, até o dia 10 de março de cada ano, o Relatório de suas atividades desportivas; IV solicitar licença a LIJUER e aguardar a sua concessão para promover competições amistosas ou para ausentar-se do Estado com antecedência, pelo menos, de setenta e duas (72) horas, indicando também os adversários que pretende enfrentar; V Não permitir que participem de campeonatos ou torneios, atletas que não forem devidamente registrados ou que se encontrem cumprindo pena de suspensão ou eliminação aplicada pela Comissão Disciplinar ou pelo Tribunal de Justiça ou, ainda, com inscrição impugnada pela LIJUERJ, VI Não permitir que pessoas suspensas ou eliminadas por qualquer órgão disciplinar da LIJUERJ, exerçam quaisquer funções administrativas, técnicas ou profissionais dentro das Associações VII disputarem, anualmente, até a sua definitiva conclusão os campeonatos e torneios nas modalidades em que estiverem classificadas ou que forem organizados para as respectivas divisões ou categorias na forma previstas por este Estatuto e Leis acessórias; VIII responsabilizar-se pelo pagamento pontual das multas ou débitos dos seus jurisdicionados, dentro do prazo de trinta (30) dias, contados do recebimento da Notificação, sob pena de perda de todos os seus direitos; IX Impedir os seus dirigentes, associados, atletas ou quaisquer outras pessoas que lhes esteja, vinculadas, individual ou coletivamente, de promover o descrédito da LIJUER ou a desarmonia entre as suas filiadas; X ceder suas instalações desportivas, sem qualquer vantagem especial dos seus associados quando requisitados pela LIJUERJ; XI manter seus livros de escrituração e de registro de sócios à inteira disposição da LIJUERJ; XII - independente de qualquer indenização ou vantagem especial, em proveito próprio ou de seus atletas, cedê-los, quando convocados à LIJUERJ ou a outra entidade do S ISTEMA NACIONAL DO DESPORTO; XIII providenciar para que seus jurisdicionados compareçam à LIJUERJ quando regularmente convocados; XIV Registrar os atletas e associados filiados, de acordo com as Leis e Regulamentos em vigor; 14

15 XV manter em suas praças desportivas lugares próprios destinados aos membros visitantes dos órgãos do S.N.D., bem como das autoridades policiais incumbidas da preservação da ordem e segurança durante as competições; XVI manter categoria de amadores disputando, obrigatoriamente, os respectivos torneios, quando se tratar de associação que possua Departamento Profissional; XVII Reconhecer ser a LIJUERJ como dirigente, autônoma e independente, do Judô no Estado do Rio de Janeiro; XVIII representar a LIJUERJ quando designada; e, XIX Evitar, a todo custo, na sede da LIJUERJ, e nos locais onde estejam sendo realizadas competições, manifestações políticas, religiosas ou raciais. CAPÍTULO VI DAS LEIS E RESOLUÇÕES Art. 62 As normas, resoluções e regulamentos da LIJUERJ obrigam a todas as pessoas físicas ou jurídicas a ela direta ou indiretamente vinculadas, depois de aprovadas pelo presidente e a partir da data de sua publicação no Boletim Interno da LIJUERJ, Art. 63 São regimentos da LIJUERJ, além deste Estatuto, os Códigos, Regulamentos e demais preceitos regularmente emanados dos poderes e órgãos competentes. Art. 64 Além das disposições das Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, Regulamentada pelo Decreto nº 7.894, de 08 de abril de 2013 e disposições Federais posteriores, relativas à organização desportiva do País, serão obrigatoriamente cumpridas pela LIJUERJ e suas filiadas, e ainda, como parte integrante de sua legislação, as Resoluções, Portarias e Circulares da Secretaria Estadual de Educação e Desporto do Estado do Rio de Janeiro, no que couber. CAPITULO VII DOS CÓDIGOS E REGULAMENTOS Art. 65 Além do Código elaborado pelo SISTEMA NACIONAL DO DESPORTO, disciplinador da organização, competência, jurisdição e funcionamento da JUSTIÇA DESPORTIVA, a LIJUERJ adotará um código desportivo, aprovado pela Diretoria, contendo preceitos reguladores de forma de disputa dos campeonatos e torneios,; processo de registro, inscrição e transferência de Atletas; critérios da distribuição das associações dentro de nosso certame; formação das equipes representativas da LIJUERJ; condições materiais e técnicas necessárias ao exercício adequado das atividades desportivas na órbita estadual e federal. Parágrafo Único. - será facultativo à LIJUERJ, sempre que a complexidade e o vulto dos assuntos assim aconselhem, modificar os preceitos referentes a um determinado setor, sob a denominação julgada mais conveniente. CAPÍTULO VIII DO EXERCÍCIO FINANCEIRO Art. 66 O exercício financeiro será de doze (12) meses e corresponderá ao ano civil. Art. 67 Constituem receita da LIJUERJ: CAPÍTULO IX DA RECEITA I anuidade; II taxas, emolumentos e multas; III auxílios ou subvenções, oficiais ou não; 15

16 IV doações de qualquer natureza, não sujeitas a encargos; V donativos em geral; VI rendas advindas de torneios, campeonatos ou jogos promovidos pela LINJUERJ VII rendas eventuais; VIII Patrocínios de empresas nacionais ou estrangeiras Art. 68 Constituirão despesas da LIJUERJ: CAPÍTULO X DA DESPESA I manutenção da sede e dos bens; II gastos com expediente e representação; III aquisição de material para serviços burocráticos; IV - prêmios e troféus; V pagamentos de impostos, encargos, alugueres e demais despesas de custeio; VI custeio dos campeonatos, torneios ou jogos organizados pela LIJUERJ; VII assinatura de jornais, revistas especializadas e gastos publicitários; e, VIII despesas eventuais. Art. 69 Nenhuma despesa poderá ser feita sem prévia consignação orçamentária, exceto as de caráter urgente, devidamente autorizada pelo presidente, "ad referendum da Assembléia. CAPÍTULO XI DOS SÍMBOLOS Art. 70 As cores da LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - LIJUERJ são: a AZUL e a BRANCA. Art. 71 O Escudo é formado por uma concepção artística, onde pode se ver a demonstração de uma queda completa UKI-OTOSHI por dois atletas com JUDOGUI brancos, sobre um campo azul, circundada por dois círculos com fundo branco, com a inscrição em azul em círculo: LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Art. 72 A Bandeira é constituída de um retângulo branco, cortado ao meio horizontalmente por uma faixa nas cores azul e branco, tendo ao centro, sobre a faixa azul o escudo descrito no Art. 71, com suas dimensões assim concebidas (f. 2). I Bandeira de um pano, nas dimensões desejadas, dividindo-se estas em três parte iguais horizontalmente; II As faixas horizontais terão a largura de um terço cada uma; e, III o escudo sobreposto à faixa ao centro da bandeira, terá como diâmetro do círculo externo, um terço da altura total, ou seja, será colocado sobre a faixa azul. 1º - A Bandeira da LIJUERJ deverá ser usada em todas as competições Oficiais promovidas pela LIJUERJ ou em nome dela; 2º - Também poderá ser usada a Bandeira em todas manifestações de sentimento dos filiados, de caráter oficial ou particular: I hasteada; 16

17 II distendida; III reproduzida; IV conduzida em formatura, desfiles ou mesmo individual; V distendida sobre ataúde até a ocasião de sepultamento. Art. 73 Além do escudo e da Bandeira, a LIJUERJ usará também como símbolo, uma flâmula, (fig. 03) com as características descritas para a Bandeira e tendo em sua parte superior o logotipo da LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, e, em sua parte inferior o nome Estado do Rio de Janeiro, ambas em letras azuis. Art. 74 Para locomoções, os atletas da LIJUERJ usarão um agasalho Olímpico na cor azul, tendo o escudo à altura do peito ao lado esquerdo e a inscrição LIJUERJ às costas. CAPÍTULO X I I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 75 Para os efeitos desse estatuto e de conformidade com a Lei nº 9.615, de 24/03/98, a LIJUERJ é órgão Estadual de direção do Judô no Estado do Rio de Janeiro, e em conseqüência estarão sob o amparo do Poder Público todas as associações e outras entidades a ela filiadas. Art. 76 Como órgão oficial da LIJUERJ, haverá um Boletim Oficial, sucessivamente numerado à medida de sua publicação, destinado à divulgação de atos de noticiário útil às suas filiadas. Art Os mandatos eletivos serão contados sempre a partir da posse. Art. 78 Para todos os assuntos relacionados com as regras, normas para com petições, montagem de chaves e pesagem de atletas, será formado o CONSELHO TÉCNICO que congregará todas as filiadas e convidadas, através de seus representantes legais, coordenados pelo Diretor Técnico com a colaboração e supervisionamento do CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR Parágrafo Único O CONSELHO TÉCNICO será presidido pelo Presidente da LIJUERJ, sendo organizado pelo Diretor Técnico e assessorados pelos membros do CONSELHO TÉCNICO SUPERIOR. Art. 79 A Assembléia Geral que decretará a dissolução da LIJUERJ, decidirá a respeito do destino a ser dado ao seu patrimônio. Art. 80 Na LIJUERJ e nas filiadas não serão permitidas atividades de natureza política, religiosa ou racial. Art. 81 Os casos omissos ao presente Estatuto, serão resolvidos pela Assembléia Geral. Art. 82 A LIGA DE JUDÔ DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIJUERJ será implantada, estruturada e administrada por uma diretoria, interinamente, com atribuições e competência previstas neste Estatuto, até a eleição do mês de janeiro de 2.001, quando deverá ser eleito e empossado o Presidente e o Vice Presidente. Art. 83 Este presente Estatuto com as devidas alterações nele registradas, após a sua devida aprovação pela Assembléia e devidamente assinado pelo presidente da mesa e secretário, deverá ser registrado no Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, mantendose uma cópia nos arquivos da LIJUERJ. Niterói, 06 de Março de 2015 Presidente da Assembléia Secretário da A G E Presidente da LIJUERJ 17

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAU-SC REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DA COMARCA DE BLUMENAUSC CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Artigo 1 O presente regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho da Comunidade da

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. O Conselho de Órgãos Municipais Integrados

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 1 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 815, DE 1995 (Apensados os Projetos de Lei nº 2.194, de 1996, nº 981, de 1999, nº 6.639, de 2002, nº 6.640,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais