Avaliação, Acreditação e Gestão do Ensino Superior em Angola: percepções, desafios e tendências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação, Acreditação e Gestão do Ensino Superior em Angola: percepções, desafios e tendências"

Transcrição

1 Avaliação, Acreditação e Gestão do Ensino Superior em Angola: percepções, desafios e tendências Maria da Conceição Barbosa Rodrigues Mendes 1 Universidade Katyavala Bwila Eugénio Alves da Silva 2 Universidade do Minho Resumo Ao longo dos últimos anos, têm sido operadas mudanças substanciais no subsistema do ensino superior em Angola, fundamentadas na necessidade de se assegurar a expansão ordenada da rede de instituições de ensino superior (IES) de modo a assegurar uma distribuição geográfica mais equilibrada. Neste contexto, a avaliação institucional é aludida como mecanismo de regulação e de melhoria da qualidade institucional num panorama em que as dinâmicas institucionais são caracterizadas pela ausência de práticas estruturadas, sistemáticas e de uma cultura de (auto)avaliação. No entanto, as poucas práticas revelam que a avaliação emerge, pelo menos discursivamente, associada à regulação, à melhoria da qualidade e à acreditação das IES. Assim, pretende-se construir um quadro que permita compreender as articulações entre os actores envolvidos, identificar os significados conferidos à avaliação institucional, a partir da análise das percepções dos actores e das tendências subjacentes à legislação existente. Palavras-chave: avaliação institucional; regulação; prestação de contas; melhoria institucional; qualidade educativa. 1 Maria da Conceição Barbosa Rodrigues Mendes é Vice-Decana para a área académica na Faculdade de Economia, Professora Associada da mesma Faculdade e do Instituto Superior de Ciências da Educação da Universidade Katyavala Bwila, em Benguela, Angola e investigadora colaboradora do Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho em Braga, Portugal. 2 Eugénio Alves da Silva é Professor Auxiliar do Instituto de Educação da Universidade do Minho e investigador do Centro de Investigação em Educação da mesma universidade, em Braga, Portugal. 1

2 Introdução O actual processo de reestruturação do subsistema de ensino superior em Angola visa essencialmente regular e corrigir pontos de estrangulamento identificados, de modo a conferir maior eficácia à gestão das Instituições de Ensino Superior (IES). Para o efeito, têm sido operadas mudanças significativas ao nível da estrutura central do governo, sendo as mais recentes a criação da Secretaria de Estado para o Ensino Superior (SEES) que funcionou como órgão do Governo encarregue da concepção e coordenação da implementação das políticas do Estado para o subsistema de ensino superior, o que vigorou até Março de 2010, altura em que, por força da adequação dos órgãos centrais ao novo figurino estabelecido pela nova constituição da República, foi criado o Ministério do Ensino Superior da Ciência e Tecnologia (MESCT), cuja orgânica absorveu e acomodou a SEES como um subsector desse departamento ministerial (Decreto Legislativo Presidencial n.º 1/10, de 5 de Março). Nesse processo de mudanças substanciais na organização e estruturação do sector do ensino superior, particular atenção tem sido conferida à avaliação das IES, sendo referenciada como um instrumento que pode vir a permitir, por um lado, a realização de uma radiografia mais completa da situação actual do ensino superior em Angola e a promoção da qualidade e, por outro, servir de mecanismo de prestação de contas. Acentua-se, assim, a dimensão reguladora da avaliação na projecção da melhoria da qualidade do serviço educativo, como base para a construção da credibilidade social que se pretende para o ensino superior em Angola. 1. Avaliação e acreditação no Ensino Superior em Angola No contexto actual de desenvolvimento de Angola em geral, e do subsistema de ensino superior em particular, os termos qualidade, avaliação e credibilidade têm assumido acentuado destaque, passando a fazer parte, de forma explícita e/ou implícita, das narrativas correntes e de algumas práticas institucionais, ainda que episódicas. Do mesmo modo, acentuam-se os questionamentos à volta da qualidade dos serviços prestados pelas IES, incluindo da formação, havendo narrativas que apontam a ineficácia e ineficiência dos processos e práticas institucionais, decorrentes de diversos pontos de estrangulamento tais como: as distorções na concepção de IES, debilidades no domínio da gestão, do 2

3 financiamento, dos currículos, do corpo docente e do corpo discente (SEES, 2005). Assim a necessidade de melhoria da qualidade dos serviços prestados tem sido sustentada em razões internas e razões externas ao subsistema. Entre as razões internas são referenciadas, por exemplo, as baixas taxas de promoção de estudantes, sendo que apenas 5 a 20% destes atingem o último ano do curso sem reprovação e o elevado índice de abandono escolar (Nascimento, in SEES, 2005), o que representa perdas consideráveis ao longo do curso. Como razões externas são encontradas referências sobre a fraca pertinência dos cursos o que se tem reflectido na desproporção entre a quantidade de diplomados e face às demandas dos vários sectores do país em termos de quadros (idem, ibdem). É neste panorama que a concepção e a implantação de um sistema de avaliação das IES têm sido referenciadas como uma ferramenta que poderá contribuir para aferir e promover a qualidade dos serviços prestados pelas instituições de ensino superior público em Angola, bem como (re)conquistar a credibilidade desejada tanto ao nível nacional como regional e internacional. A revisão de documentos diversos sobre a educação em Angola, substancialmente a de ordem legislativa e relatórios de estudos efectuados no âmbito da avaliação, permite inferir que as preocupações sobre a qualidade, a acreditação e a avaliação do ensino superior em Angola não constituem um elemento novo. No entanto, têm adquirido maior relevância e consistência, principalmente a avaliação, nos últimos anos, figurando entre as prioridades do Governo, expressas em normativos que incorporam a intenção de se concretizar a avaliação no subsistema de ensino superior por via de um sistema que corporiza dois níveis de intervenção (nível nacional, a ser operacionalizado por estruturas integradas no órgão de tutela, especificamente o Instituto de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (INAAES) e, ao nível local, a ser accionado por cada uma das universidades e IES). As referências sobre a avaliação do sistema educativo em Angola, do qual o ensino superior é parte integrante, são encontradas de forma explícita na legislação sobre este sistema, de tal sorte que a Lei de Bases do Sistema Educativo em Angola (Lei nº 13/01, de 31 de Dezembro) estabelece que este é objecto de avaliação contínua com incidência especial 3

4 sobre o desenvolvimento [ ], tendo em conta os aspectos educativos, pedagógicos, psicológicos, sociológicos, organizacionais, económicos e financeiros (art. 63º). A avaliação institucional do ensino superior é também reportada nas Linhas Mestras definidas para a Melhoria da Gestão do Ensino Superior, na sua dimensão interna e externa, sendo patente a sua vinculação com a qualidade e a sua conformação num sistema que articule a avaliação interna e a externa. Nestes termos, a linha mestra aa) expressa e aponta literalmente a necessidade de adoptar um sistema de avaliação (interna e externa) da qualidade das IES articulada com sistemas específicos de avaliação da qualidade de cada instituição de ensino (Resolução n.º 4/07). O Plano de Implementação das Linhas Mestras, concebido como um conjunto de acções que visam operacionalizar as linhas mestras, alude, entre os imperativos atuais melhorar significativamente a qualidade do ensino.; promover a investigação científica (Nascimento, in SEES, 2006: 7). Para o efeito, são apontadas acções orientadas para a melhoria dos recursos humanos, materiais e financeiros, bem como para a promoção da actividade académica e pedagógica como eixos que poderão assegurar uma qualidade de serviços ao nível das IES no país. A avaliação é ainda invocada como um instrumento regulador do subsistema, dado que a mesma é vista como necessária e indispensável para a definição da situação legal de cada instituição do ensino superior, bem como de cada uma das suas unidades orgânicas e de cada um dos seus cursos (SEES, 2006, p. 14). A questão da qualidade e sua garantia são retomadas nas designadas Normas Gerais Reguladoras do Subsistema do Ensino Superior (NGRSES), por um lado, como atribuições do Estado, já que deve assegurar condições que visam garantir um elevado nível de qualidade nos domínios pedagógico, científico, tecnológico e cultural das instituições de ensino superior (Decreto 90/09, de 15 de Dezembro). Por outro lado, a qualidade dos serviços prestados no ensino superior, é postulada como um dos princípios específicos, cuja definição ressalta uma perspectiva de cobertura da actuação das IES, já que, com este princípio, se pretende assegurar a observância de padrões elevados de qualidade do ensino, da investigação e da extensão universitária (Decreto nº 90/09, de 15 de Dezembro), cuja garantia é inscrita entre as atribuições do órgão de tutela. Portanto, a avaliação é associada ao controlo e garantia da qualidade educativa, salvaguardando o legítimo interesse público. 4

5 O MESCT, na prossecução da sua missão, deve promover o desenvolvimento, a modernização, a qualidade, a competitividade e a avaliação do subsistema de ensino superior [ ] (Decreto Presidencial n.º 70/10). Pelo acima descrito, percepciona-se que o Estado vê-se obrigado a garantir e a assegurar condições para a formação plena dos cidadãos, aliás, entre as suas tarefas figura promover a excelência, a qualidade, a eficiência e a modernidade no desempenho dos cidadãos, das instituições e das empresas e serviços, nos diversos aspectos da vida e sectores de actividade (Artigo 21º, Constituição da República de Angola, 2010). Aqui fica expresso o seu papel de guardião, na base do qual se assume como regulador e controlador do subsistema do ensino superior. 2. Articulações entre o Estado e as IES no campo da avaliação Convocando algumas ideias apresentadas por Ana Seixas pode-se inferir que o quadro acima descrito denuncia alguma tendência para a emergência de um Estado Avaliador, se se tiver em linha de conta o facto de se estar a desenhar a concentração da administração central na dimensão estratégica de desenvolvimento do sistema, definindo objectivos e os critérios de qualidade do produto final [ ]; e a ênfase na auto-regulação das instituições (Seixas, 2002, p. 311). Portanto, o Governo chama a si a responsabilidade de definir e orientar a execução da política nacional do Estado sobre o ensino superior (decreto nº 90/09, de 15 de Dezembro), cuja implementação é assegurada pelo órgão de tutela; do mesmo modo, é acentuada a necessidade das IES promoverem a sua auto-regulação, neste caso, através da avaliação interna, cujos resultados são, de certa forma, determinantes para a credibilização destas instituições. No que diz respeito à avaliação institucional, colocam-se também questões relacionadas com a autonomia das universidades. Essas questões podem ser encontradas em vários normativos, nos quais se atribui ao órgão de tutela competências como: definir critérios gerais de avaliação do desempenho das instituições ; criar mecanismos que assegurem a avaliação externa da qualidade dos serviços prestados [ ] ; apreciar e avaliar o mérito da actividade e desempenho das instituições de ensino superior, bem como homologar os regimes de avaliação interna das instituições de ensino superior [ ] (Decreto nº 90/09, de 15 de Dezembro). 5

6 Neste quadro, é estabelecido que a avaliação das IES se estrutura em avaliação interna e externa (Decreto nº 90/09, de 15 de Dezembro), assumindo-se a primeira como responsabilidade das IES, com carácter obrigatório e permanente, assente na verificação de aspectos relacionados com os cursos e com as dimensões académica e administrativa. Do mesmo modo, o Estado defende a qualidade das IES (públicas, privadas e/ou público/privadas), enquanto bem ou interesse público que, segundo House (2000), leva em consideração o que as pessoas têm em comum, enquanto membros do público, pressupondo-se a consideração daqueles interesses partilhados por todos e, consequentemente, deixando de fora aqueles que são divergentes ou particularistas. Nestes termos, a dimensão política da avaliação manifesta-se ao nível interno da organização e ao nível externo pois constitui-se como um jogo político que transcende os limites organizacionais, neste caso, da universidade, se se tiver em conta que os programas e políticas da universidade devem incorporar e são influenciados por diversos modos de interesse, entre os quais sobressai o interesse público aqui representado pelo Estado. Por aqui se percepciona que o Estado, para a maioria das suas realizações no âmbito do subsistema do ensino superior, conta com os resultados da avaliação institucional para a tomada de decisões afetas à manutenção ou não de cursos e instituições em função dos índices de qualidade apurados nos processos de avaliação. Ao Estado, dentro das suas responsabilidades e políticas educativas, é conferida legitimidade para o estabelecimento das balizas, ou seja, das linhas e orientações gerais que devem nortear e regular a avaliação das IES, situação que deve ser entendida num sentido positivo, dado que a universidade, a partir desses parâmetros, deve assumir uma prática organizacional responsável e autónoma, pautando a acção por elevados padrões de qualidade. Nesta relação do Estado com a universidade, no âmbito da avaliação, o primeiro geralmente pode assumir duas posições distintas: controlador ou supervisor. No primeiro caso, conforme explica Leite (2003, p. 66), reportando Neave e Van Vught (1994), o Estado teria a legitimidade para, de forma centralizada, estabelecer as políticas públicas de educação, os planos e a legislação complementar, no âmbito do princípio da homogeneidade legal, assumindo o controlo das IES. 6

7 No segundo caso, o modelo de supervisão estatal, obedece ao princípio da diversidade e da aceitação do mercado como elemento para a diversificação das instituições de ensino superior, onde o Estado exerce uma supervisão mais distanciada, estabelecendo os parâmetros da qualidade. Neste modelo, até certo ponto, a autonomia das IES é respeitada, onde o Estado incorpora a figura de Estado Avaliador, mais supervisor do que controlador, usando os resultados da avaliação para a tomada de determinadas decisões. As disposições legais sobre a avaliação acentuam a intenção de se adoptar/conceber um modelo de avaliação integrador, no qual se englobam as diversas variáveis que conformam a dinâmica organizacional das IES, o que aponta para uma perspectiva de avaliação multidimensional. Essa intenção encontra-se expressa na linha mestra aa), ao apontar a necessidade de se adoptar um sistema geral e específico de avaliação interna da qualidade da instituição que venha a incidir sobre todos os dispositivos educativos (Resolução n.º 4/07), entre os quais figuram a organização e gestão institucionais, o corpo docente e discente, os recursos financeiros e materiais. De um modo geral, parece-nos que existem alguns pressupostos legais orientadores sobre a avaliação, no entanto, não são encontradas evidências de instrumentos legais que, no âmbito do subsistema do ensino superior em Angola, regulamentem ou definam, em termos mais operacionais, a auto-avaliação, o que, de alguma forma, constitui limitação ao processo. Este factor é apontado como um dos constrangimentos no âmbito da generalização da avaliação interna a todas as Unidades Orgânicas (UO) da UAN, como pode ser entendido nas falas de um dos interlocutores deste estudo: [ ] a ausência de um sistema integrado, oficial, de garantia de qualidade dentro da universidade não permitia que todos os Decanos estivessem em consonância e considerassem a avaliação institucional como uma prioridade e obrigatoriedade. Face a essa realidade, percebe-se que, em termos de regulamentação da avaliação institucional no ensino superior em Angola, persiste um certo vazio, dado que o quadro aponta para a ausência de uma política nacional específica que diga respeito à estruturação e forma de implementação deste processo. Daqui decorre a necessidade de se acelerar a concepção e o estabelecimento de normativos que possam configurar o que poderá ser o sistema nacional de avaliação, o qual servirá de referência para a concepção dos sistemas específicos de cada uma das IES, como previsto. 7

8 Na generalidade, as análises acima apresentadas permitem, à partida, inferir o lugar e o papel que se reserva às IES no processo de avaliação institucional, especificamente no âmbito da auto-avaliação, cuja incidência focaliza a criação de mecanismos de avaliação do desempenho da instituição com vista à promoção da qualidade dos serviços, bem como a concepção do regime específico de avaliação interna em conformidade com o sistema geral de avaliação das IES; Nestes termos, à luz das prerrogativas no âmbito da sua autonomia científica, pedagógica e administrativa, às IES é conferido um protagonismo considerável no processo de avaliação interna, constituindo uma oportunidade para que estas assumam a titularidade deste processo. Este facto, em nosso entender, constitui um primeiro desafio, já que as IES, são colocadas numa situação que, a partida, deve servir para demonstrarem a sua capacidade para mobilizar os vários actores e capacidades internas para esta operação, isto é, a avaliação interna, com base em pressupostos científicos e técnicos adequados. É importante considerar que a avaliação se caracteriza fundamentalmente pela participação institucional, ou seja, A comunidade universitária deve participar institucionalmente desse processo, tanto nas discussões sobre a concepção, as finalidades e o desenho da avaliação, quanto no levantamento e organização das informações e dados quantitativos, nas pesquisas, interpretações e valorações de carácter qualitativo (Dias Sobrinho, 2003: 47). O envolvimento e a participação dos atores ajudam a encarar a avaliação como algo útil e necessário ao mesmo tempo que gera dinâmicas de promoção da qualidade o que reforça publicamente a imagem de seriedade e rigor com que se constroem as narrativas de uma instituição universitária credível e socialmente útil. É imperioso que as IES angolanas construam uma imagem de credibilidade fundada em avaliações consistentes. 3. Algumas Práticas de Auto-avaliação nas IES em Angola As práticas relacionadas com a avaliação institucional no contexto das IES públicas em Angola reportam-se aos finais da década de 80 e meados da década de 90, como avaliação externa, ao passo que algumas práticas episódicas de avaliação interna se reportam ao ano de Esta última desenvolve-se por iniciativa própria num quadro de ausência de uma política nacional de avaliação, apesar de a mesma ser reconhecida e referida com certa 8

9 frequência nos discursos de actores institucionais (internos e externos) e em vários documentos de carácter institucional (regulamentos, planos de desenvolvimento institucional). O processo de reforma curricular cujo programa foi lançado pela UAN em 2002 accionou, de certa forma, determinados processos relacionados com a avaliação interna das suas UO que, ao mesmo tempo, foi tida como elemento promotor da referida reforma. Entre as experiências neste campo, a avaliação interna da Faculdade de Medicina da UAN inscrevese como a primeira e a mais estruturada, ao passo que, em 2008, a Escola Superior Agrária do Kuanza Sul desencadeou o seu processo de auto-avaliação, já num quadro em que a avaliação das estruturas da UAN era uma prioridade. Esta última, conforme o relatório-síntese sobre a avaliação interna (Escola Superior Agrária do Kwanza Sul, 2008), focou essencialmente a apreciação do nível de qualidade dos cursos ministrados na instituição, baseada exclusivamente nas percepções dos estudantes sobre o corpo docente e discente, as disciplinas, as infra-estruturas e os serviços prestados a estes, sendo que, na óptica dos gestores institucionais, a mesma permitiu aferir a qualidade do desempenho institucional. Segundo o relatório final de avaliação institucional da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto (2007), foram incluídas no processo de avaliação várias acções, entre as quais se destaca a avaliação e diagnóstico de carácter científico-pedagógico do curso de Licenciatura em Medicina da FMUAN, com o objectivo de Descrever o Curso de Medicina e a Faculdade, durante o ano académico 2005/2006, em termos de estrutura, processo e resultados, abarcando nove dimensões, como sendo: missão e objectivos, programa educacional, avaliação dos estudantes, estudantes, corpo docente, recursos educacionais, avaliação do programa, governança e administração e a renovação contínua, tendo como referencial os Standards Globais para o Desenvolvimento de Qualidade em Educação Médica Pré-Graduada da WFME (Word Federation of Medical Education). Pretendeu-se ainda com a avaliação interna criar bases para a direcção de um processo de reforma curricular bem fundamentado, consequente e relevante. 9

10 Para a implementação do processo de avaliação interna foi constituída uma comissão 3 integrada pelos próprios actores organizacionais, com a seguinte constituição: 7 membros ligados à direcção da Faculdade, designadamente Vice Decanos e chefes de departamento, 2 docentes e 1 representante dos estudantes. Houve intenção de envolver os diversos actores organizacionais internos no processo, a julgar pela marcada tendência de se divulgar e abordar o assunto, de forma específica, em distintos fóruns institucionais, como sendo o Conselho Científico, o contacto directo com os diversos departamentos que integram a Faculdade, bem como a apresentação do projecto de avaliação interna aos actores organizacionais externos, tais como a Ordem dos Médicos, o Ministério da Saúde, e as Organizações Não Governamentais. Segundo a comissão de avaliação interna, concorreram para a implementação do processo um conjunto de factores favoráveis, do mesmo modo que exerceram efeitos adversos alguns factores considerados negativos, entre os quais se resumem os seguintes: Factores favoráveis: existência de uma liderança e estabilidade institucionais que, por um lado, através do envolvimento dos gestores institucionais, ao nível da Faculdade (Decano) e da própria Reitoria da UAN (Reitor, Pró-Reitor para a Reforma Curricular) e, por outro, a existência de um quadro legal assegurado por normativos permitiram a condução do processo e o envolvimento dos actores organizacionais no processo; gestão do projecto, a existência de um projecto de avaliação institucional e de reforma que assegurou, de certa forma, a organização, estruturação e implementação das acções de forma planificada; existência de ferramentas para a avaliação da qualidade, como sendo os normativos e instrutivos da UAN, bem como os Standards Globais da Educação Médica (definidos pela Federação Mundial de Educação Médica - WFME) trabalho em equipe, a criação oficial de uma comissão de avaliação interna, bem como de grupos de trabalho, especificamente o grupo da reforma curricular do curso de medicina e reestruturação institucional (Ordem de Serviço 09/DFM - GD/FMUAN/2008, de 22 de 3 Ordem de serviço nº 06/DFM-GD/2005, de 08 de Agosto. 10

11 Maio) foi tido como um ponto forte, o que pode ser entendido no quadro da legitimação da referida comissão; parcerias com outras instituições, tais como Ministério da Saúde e a Ordem dos Médicos, tendo conferido certa abrangência ao processo e, do mesmo modo, representado fonte de encorajamento. No entanto, neste aspecto é sublinhada a preocupação relativa a ausência de contribuições específicas sobre os documentos produzidos nesse âmbito e remetidos a esses órgãos; cooperação bilateral e multilateral com a organização mundial da saúde da região Afro, com a faculdade de Medicina do Porto e com a Federação Mundial para a Educação Médica que apoiaram o processo, fundamentalmente na adaptação e aplicação dos standards já referidos; Divulgação do processo através da apresentação de comunicações em eventos científicos nacionais e internacionais e edição e publicação de artigos no website da Faculdade; Progressão lógica do processo, ascendendo de uma avaliação interna para uma avaliação externa; Factores desfavoráveis: A falta de um orçamento específico e a inexistência de financiamento é descrito como uma das limitações ao processo de avaliação interna, dado que, esse processo pressupõe a realização de um conjunto de acções que envolvem gastos, como sendo seminários, subsídios ao pessoal directamente envolvido na materialização das acções, realização de intercâmbios. São apontados como constrangimentos derivados deste quadro as dificuldades na liquidação das despesas relacionadas com serviço se hotelaria, situação que, de certa forma, na óptica do coordenador da comissão de avaliação, inibiu a realização de outras acções; Certo distanciamento da comunidade académica, incluindo alguns actores organizacionais internos à faculdade que, em várias ocasiões, se mostrou distanciada do processo alegando a falta de conhecimento a respeito do mesmo, interpretados como formas de resistência à mudança; 11

12 Percepção invertida do processo, fundamentalmente em relação às necessidades de reforma curricular, manifestada em atitudes altruístas, conservadoras e de protecção de espaços de actuação, ou seja, na opinião do coordenador da comissão de avaliação, alguns docentes revelaram certa falta de compromisso em relação à definição de aspectos gerais do curso, centrando as suas atenções nas disciplinas sob sua responsabilidade, revelando ainda um forte controlo dos assuntos da sua área de especialidade, reafirmando o seu poder académico; A avaliação interna afigura-se como um embrião, que se espera vir a ser uma prática concreta e sistemática em todas as IES em Angola. Tal ainda não ocorre devido à ausência de pressupostos legais suficientes e à inexistência de uma estrutura organizacional capaz de promover uma cultura permanente de autoconhecimento e auto-regulação ao nível das IES. Isto significa que as práticas avaliativas na UAN ainda se revelam bastante delimitadas e episódicas, incipientes e mal compreendidas, circunscrevendo-se a determinadas dimensões, neste caso à avaliação (parcial) de cursos e do desempenho dos professores. Considerações finais O processo de estruturação de um sistema de avaliação institucional do ensino superior em Angola emerge com características que apontam para a configuração de um processo instituído ao nível central, com abrangência nacional, acentuando-se uma natureza de controlo e regulação das instituições, por parte do Estado, conformando um quadro que tende para o estabelecimento de uma certa uniformidade, em termos de princípios e linhas gerais de avaliação das IES. Para além do respaldo legal que confere ao órgão de tutela competências de regulação, a avaliação tende a converter-se no palco onde os poderes da tutela se confrontam com os legítimos poderes decorrentes da autonomia das IES pelo que a gestão universitária poderá vir a ser marcada, em grande parte, pela capacidade de negociação destas no sentido de não perderem totalmente a titularidade da avaliação, salvaguardando assim a possibilidade de estabelecerem agendas próprias segundo os seus Planos de Desenvolvimento Institucional. Isto é, a avaliação institucional deve emergir da necessidade de aferir os índices de concretização dos objetivos e metas definidos nesses Planos, gerando informação sobre a qualidade do seu desempenho, mais do que das imposições da tutela. 12

13 Legitimado pelo papel reitor, o Estado absorve um conjunto de competências na fase inicial de estruturação do sistema de avaliação institucional, no âmbito da promoção da autoavaliação, através da definição dos princípios e linhas orientadoras, bem como da homologação do regime de auto-avaliação que se venha a instituir. Partindo do pressuposto de que os estudos revelaram a marcada dissociação entre as funções substantivas da universidade e a pouca relevância de uma cultura de avaliação institucional, os principais desafios direcionam-se para os seguintes aspectos-chave: a) Configuração de um sistema de avaliação interna, com carácter mais democrático e inovador, baseado numa adequação entre os objetivos da avaliação e os objetos a avaliar, segundo uma abordagem avaliativa que contemple as especificidades do trinómio ensinoinvestigação-extensão e que se consubstancie num adequado processo prévio de formação dos agentes avaliadores; b) Concepção/adaptação de modelos ou padrões de avaliação que privilegiem a contextualização, em conformidade com a realidade e condições específicas de cada instituição e, simultaneamente, segundo o princípio da integração nacional, regional e internacional. Significa que o sistema de avaliação interna deve conformar-se às especificidades organizacionais sem excluir os padrões de referência do sistema nacional, regional e internacional de avaliação, para salvaguardar a afirmação das universidades e demais IES angolanas nos planos nacional, regional e internacional; c) Criação de condições humanas, organizativas e financeiras para viabilizar um processo de avaliação credível que possa fornecer um retrato institucional o mais objectivo e completo, numa lógica de desenvolvimento e melhoria, constituindo-se numa condição essencial para a credibilização social da própria universidade. É preciso que a avaliação institucional cumpra, para além das suas funções simbólica, de controlo social, relacionada com a selecção dos indivíduos, e de legitimação política (Afonso, 1998), uma função estratégica de desenvolvimento profissional e organizacional, o que exige maior sustentação teórica e política, para lhe conferir qualidade. Isso inclui a formação adequada dos agentes envolvidos, uma vez que esta é uma condição essencial para conferir legitimidade e seriedade à avaliação e um fator que em muito influi na institucionalização de uma cultura de avaliação. 13

14 Referências Bibliográficas Afonso, A. J. (1998). Políticas Educativas e Avaliação Educacional. Braga: Universidade do Minho. Angola. Decreto Legislativo Presidencial n.º 1/10, de 5 de Março. Publicado no Diário da República I Série, Nº 42 Aprova a organização e funcionamento dos órgãos essenciais auxiliares do Presidente da República. Angola. Decreto Presidencial nº 70/10, de 19 de Maio. Publicado no Diário da República I Série, Nº 93 Aprova o Estatuto Orgânico do MESCT. Assembleia Nacional (2010). Constituição da República de Angola. Publicada no Diário da República I Série, Nº 23, de 5 de Fevereiro. Decreto nº 90/09, de 15 de Dezembro. Publicado no Diário da República I Série, Nº 87 estabelece as normas gerais reguladoras do subsistema do ensino superior. Decreto Presidencial nº 70/10, de 19 de Maio. Publicado no Diário da República I Série, Nº 93 Aprova o Estatuto orgânico do Ministério do ensino Superior e da Ciência e Tecnologia. Dias Sobrinho, J. (2003). Avaliação: políticas educacionais e reformadas da educação superior. São Paulo: Cortez. House, E. R. (2000). Evaluación, Ética y Poder. Trad. Pablo Manzano. Madrid: Ediciones Morata. Lei nº 13/01, de 31 de Dezembro. Publicada no Diário da República I Série, nº 65 Lei de Bases do Sistema de Educação. Nascimento, A. (2005). Prefácio. in Secretaria de Estado para o Ensino Superior. Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Luanda. Resolução n.º 4/07, de 2 de Fevereiro. Publicada no Diário da República I Série, Nº 15 aprova as Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Secretaria de Estado para o Ensino Superior (2005). Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Luanda. Secretaria de Estado para o Ensino Superior (2006). Plano de Implementação das Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Luanda. Seixas, A. M. (2002) Novas Formas de Regulação Estatal dos Sistemas de Ensino Superior - a Emergência do Estado Avaliador. in J. A. Costa, A. N. Mendes & A. Ventura. Avaliação de Organizações Educativas. Aveiro: Universidade de Aveiro. pp

4.ª Conferência FORGES. Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina: O Caminho da Qualidade (Angola, 2002-2014)

4.ª Conferência FORGES. Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina: O Caminho da Qualidade (Angola, 2002-2014) 4.ª Conferência FORGES A expansão do Ensino Superior nos Países de Língua Portuguesa: desafios, estratégias, qualidade e avaliação Da Avaliação e Reforma Curricular às Redes das Faculdades de Medicina:

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto

A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre Formação Pós-Graduada e Orientação A Formação Pós-Graduada na Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto Por: Carlos Teixeira Presidente

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais

Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação Maria Alice Setubal IV Seminário Internacional de Avaliação Econômica de Programas Sociais Desafios da Educação A avaliação constitui-se em um desafio da política educacional A avaliação

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais