ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE - CE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE - CE"

Transcrição

1 3 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE - CE RODRIGUES, Eduarda Maria Duarte ALBUQUERQUE, Grayse Alencar OLIVEIRA, Marcelo Alves de CORIOLANO, Maria Wanderley a de Lavor ALVES, Natércia de Sousa Araujo Interpretar o SUS como estratégia da Atenção à Saúde constitui uma tarefa complexa devido às inúmeras variáveis que precisam ser analisadas neste processo histórico. A construção do diagnóstico de saúde do município de Juazeiro do Norte, que contempla indicadores de saúde nos três níveis de atenção e entrevistas com instâncias de gerência no âmbito do setor de saúde, é uma das variáveis a serem estudadas, objetivando obter conhecimentos sobre o SUS, sendo selecionado um estudo descritivo e exploratório, abordagem quanti-qualitativa para construção do perfil epidemiológico do município, havendo um levantamento de dados sobre informações demográficas, sócioeconômicas e indicadores de saúde da população, revisão bibliográfica e entrevistas com gerentes de Saúde para análise e interpretação dos dados obtidos. Assim, o estudo exprimiu uma realidade semelhante à maioria dos municípios brasileiros, marcada por problemas e insuficiência de recursos no setor, demonstrando algumas particularidades: existência de população flutuante que é atendida pelo sistema de saúde, enquanto os recursos destinados à manutenção deste são calculados na população fixa, gerando sobrecarga no atendimento aos problemas de saúde. Basicamente, a avaliação da qualidade da assistência é fornecida pelos indicadores de saúde, que embora sejam expressos por meio de números, revelam um parâmetro qualitativo. Por tudo isso, reconhece-se que o SUS não se encerra no arcabouço estruturado constitucionalmente em 1988, é um processo inacabado, em construção contínua, a qual deve ser realizada pelos brasileiros. Palavras chave: SUS, Sistema de Saúde, Indicadores de Saúde

2 4 ORGANIZATION AND MANAGEMENT OF THE ONLY SYSTEM OF HEALTH IN THE CITY OF JUAZEIRO OF THE NORTH- CE RODRIGUES, Eduarda Maria Duarte ALBUQUERQUE, Grayse Alencar OLIVEIRA, Marcelo Alves de CORIOLANO, Maria Wanderley a de Lavor ALVES, Natércia de Sousa Araujo To understand the Brazilian Public Health System (SUS) as a health attention strategy is a complex task, because the uncountable variables that need to be analyzed in this historic process. The construction of the health diagnosis in Juazeiro do Norte city, which contemplates health indicators in the three levels of attention and interviews with managers about the health sector, is one of the studied variables, aiming to get knowledge about SUS, being selected a describing and exploration study, quantitative-qualitative approach, to the construction of the epidemiologic profile of that city, getting a data survey about demographics and socioeconomics information and health indicators of the population, bibliographic review and interviews with health managers in the direction of analyses and interpretation of getting data. Then, this study has shown a reality that seems with a great number of Brazilians cities, marked to problems and resources shortage, showing some particularities: existence of floating population which is attended through the health system, while the resources to the maintenance of that system are calculated in the fixed population, generating overcharge in attendance referring to health problems. Basically, the evaluation of assistance quality is supplied by health indicators, that, however be expressed in numbers, reveal a qualitative parameter. For all presented here, we have verified that Brazilian Public Health System (SUS) is an uncompleted process (however structurally formed in 1988), in constant construction, that must be realized by the Brazilian people. KEYWORDS: Health Diagnosis. Health System. Health indicators.

3 5 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE - CE RODRIGUES, Eduarda Maria Duarte ALBUQUERQUE, Grayse Alencar OLIVEIRA, Marcelo Alves de CORIOLANO, Maria Wanderley a de Lavor ALVES, Natércia de Sousa Araujo 1. INTRODUÇÂO / JUSTIFICATIVA A implantação formal do Sistema Único de Saúde e sua estrutura nos dias atuais em distintos e particulares contextos territoriais ( país, estado, município, comunidades, entre outros), teve como marco fundamental a VIII Conferência Nacional de Saúde, onde se tornou evidente a necessidade de reorganização e reformulação de práticas e percepções envolvendo a saúde da população. Sob o desenho do Sistema Único de Saúde emergem vários princípios de organização e gestão da assistência, dentre os quais, se insere a municipalização da saúde, entendida como uma estratégia a ser operacionalizada no sentido de que para atingir o grau de mudanças necessárias em uma determinada realidade local, há de serem desenvolvidos a capacidade de coordenar os recursos disponíveis, tornado-se fundamental a participação de todos os atores sociais. Neste cenário retratado por novas concepções sobre processos de saúde - doença e seus resultantes na vida das coletividades, insere-se a utilização do método epidemiológico como importante ferramenta para explicar os processos construtores e destrutivos que explicam o fortalecimento e o desgaste nas diversas formas de produção da vida social nas diferentes classes ou grupos sociais. Bertolozzi Fracoli (2001).

4 6 Como mostra Rouquayrol et al (1998), a orientação voltada para a descentralização na programação e planejamento em saúde exige informações sobre o perfil de morbimortalidade, os fatores de risco e seus determinantes, as características demográficas, informações sobre os serviços, bem como a disponibilidade de recursos humanos, de infraestrutura e financeiros. Nesta lógica, conhecer e interpretar o Sistema Único de Saúde como estratégia operacional da Atenção à Saúde constitui uma tarefa complexa e um tanto desafiadora devido à existência de inúmeras variáveis que precisam ser analisadas e interpretadas neste processo histórico multideterminado. No caso, a construção do diagnóstico da situação de saúde do município de Juazeiro do Norte, o qual contempla indicadores intersetoriais, indicadores de saúde nos três níveis de atenção e entrevistas com instâncias de gerência e controle no âmbito do setor de saúde, é apenas uma das variáveis que podem e devem ser estudadas, objetivando obter conhecimentos a cerca da situação do SUS em um dado território. Neste sentido, o trabalho epidemiológico é valioso para organizar e gerir sistemas, sendo que a massa de todas as informações levantadas subsidiarão o planejamento de ações a serem desenvolvidas com a população, levando em conta suas individualidades e necessidades mais urgentes. Com esta percepção de compreender a fundamentação da construção de indicadores de saúde e sua aplicabilidade no diagnóstico de situações e nas intervenções da gestão dos sistemas de saúde, convém aos futuros profissionais enfermeiros observar as estratégias organizacionais da atenção à Saúde no município de Juazeiro do Norte - Ceará.

5 7 2. OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL * Observar as estratégias organizacionais da Atenção à Saúde no Município de Juazeiro do Norte - Ceará 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS *Construir o diagnóstico da situação de saúde do Município de Juazeiro do Norte - CE * Conhecer os principais indicadores de saúde do Município * Entrevistar atores responsáveis por ações de saúde operacionalizadas no nível Municipal e Microrregional * Conhecer os instrumentos de gestão utilizados no acompanhamento e avaliação das ações em saúde * Desenvolver análise crítica da situação levantada e das informações obtidas

6 8 3. METODOLOGIA Trata-se de um estudo descritivo, de natureza exploratória, no qual segundo OLIVEIRA (1998;p ), " permite ao pesquisador a obtenção de uma melhor compreensão do comportamento de diversos fatores e elementos que influenciam determinado fenômeno (...). Pelos objetivos da pesquisa, optou-se pela natureza exploratória, tendo sido a escolhida pelo fato de enfatizar a descoberta de práticas que precisam ser alteradas, além de consistir na elaboração de alternativas que possam ser substituídas. (OLIVEIRA,1998) A abordagem terá um enfoque quanti-qualitativo com base no pensamento de Goode e Hatt apud OLIVEIRA (1998;p.116) que: (...) afirmam que a pesquisa moderna deve rejeitar como falsa dicotomia a separação entre estudos qualitativos e quantitativos ou entre ponto de vista estatístico e não estatístico, em virtude de que não existe importância com relação à precisão das medidas, uma vez que o que é medido continua a ser uma qualidade. No presente estudo, pode-se vislumbrar a relação intrínseca entre ponto de vista estatístico e não estatístico na medida em que a interpretação de indicadores de saúde e

7 9 demais indicadores extra-setoriais (quantidade) são revelados em qualidade e informações relativas a fenômenos nos quais não é possivel mensurar precisamente. Os cenário em que se realizará a pesquisa será o município de Juazeiro do Norte- Ceará ( situado na região do Cariri, a 565 km de Fortaleza ), no período de março de 2004 a jabril de O percurso metodológico consistiu das seguintes etapas: 1. Levantamento Bibliográfico sobre informações demográficas, sócioeconômico-culturais, indicadores de saúde e demais indicadores extrasetoriais da população deo município de Juazeiro do Norte-CE; 2. Revisão de Literatura sobre a Organização do Sistema Único de Saúde, atribuições das principais Gerências no âmbito do setor Saúde; 3. Entrega de Ofícios, agendamento com os sujeitos do estudo (gerentes do setor saúde) e exposição dos objetivos da pesquisa para a realização de entrevistas sobre as suas principais atribuições e percepções em face do papel do SUS para o bem-estar da população adscrita às suas áreas de atuações; 4. Realização das entrevistas com uma das Coordenadoras das Equipes de Saúde da Família, Secretário de Saúde, Membro do Conselho Municipal de Saúde, Diretor de um Hospital de Referência da Microrrregião da qual o município está inserido e Gerente da 21ª Microrregião de Saúde; 5. Interpretação das informações obtidas pela pesquisa de campo e pela revisão bibliográfica; 6. Elaboração de Relatório Final nas Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas- ABNT-2003, contendo as informações recolhidas e analisadas sob a visão dos autores;

8 10 7. Apresentação Oral do Relatório à Orientadora da disciplina Administração em Processo de Enfermagem do Curso de Graduação em Enfermagem/Bacharelado da Universidade Regional do Cariri- URCA, ( Dra. Eduarda Rodrigues) e acadêmicos de Graduação em Enfermagem para obtenção de nota referente à disciplina mencionada., É fundamental salientar que os resultados obtidos foram traduzidos com fidedignidade, conforme pressupostos norteadores das pesquisas científicas 4. HISTÓRICO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE - CEARÁ Etimologicamente o topônimo Juazeiro deve-se a uma conhecida árvore, muito comum no Nordeste, que resiste à seca mais inclemente, permanecendo sempre viçosa, chamada cientificamente "ziziphus juazeiro". A palavra é híbrida, tupi-portuguesa: jua ou iuà (fruto de espinho) mais o sulfixo eiro. O início da História da cidade de Juazeiro do Norte é marcada pela inauguração da Capela de Nossa Senhora das Dores em 15 de Setembro de 1827, no local denominado "Fazenda Taboleiro Grande" ( Município de Crato ). Conta-se que três frondosos juazeiros existentes em frente à capela, à margem da antiga estrada Missão Velha - Crato, passaram a ser pousada obrigatória de viajantes e tropeiros que viviam em andanças pelos sertões. Com o tempo, começaram a surgir as primeiras moradias e pontos de negócios, tendo início o povoamento. A fundação da cidade, porém, se deve ao Padre Cícero.

9 11 Em 1872 chega em "Juazeiro" o Padre Cícero Romão Batista, oriundo da cidade de Crato para substituir o Capelão da Capela de Nossa Senhora das Dores do povoado, que era composta somente de duas pequenas ruas, onde habitavam poucas famílias. A ação evangelizadora e moralizadora do Padre Cícero acabou com a bebedeira e prostituição do pequeno povoado, experimentando o mesmo passos ao desenvolvimento. Um fato extraordinário aconteceu no dia 1º de março de 1889, onde durante uma comunhão a beta Maria Magdalena do Espírito Santo de Araújo recebeu das mãos do Padre Cícero uma hóstia que se transformou em sangue. O fato foi tido como milagre pela população local, espalhando-se rapidamente pelas redondezas e atraindo muitos romeiros que passaram a compor a população local. A Igreja nunca considerou o sangramento da hóstia como milagre e puniu o Padre Cícero com suspensão de suas ordens por este estimular a crença no pretenso milagre. Tem início o comércio religioso, constituindo-se na principal fonte de recursos para a cidade. Em 1909 a população de Juazeiro já contava com habitantes. Foram construídos igrejas, abrigos para romeiros, ruas, escolas, fábricas e comércios. Apesar de tamanho crescimento, Juazeiro continuava pertencendo ao município de Crato. Isso começou a incomodar os juazeirenses, surgindo o desejo de emancipação, tendo origem o movimento emancipalista liderado por Padre Cícero, Dr. Floro Bartolomeu, Padre Joaquim de Alencar e Professor José Teles, culminando com a vitória em 22 de Julho de 1911, quando foi assinada a Lei nº 1.028, que elevou o povoado de Juazeiro à categoria de Vila, sendo este elevado definitivamente à categoria de cidade em 23 de Julho de 1914 através da Lei nº No dia 9 de setembro de 1943, em uma reunião realizada na biblioteca municipal foi adotada a denominação de Juazeiro do Norte. Já neste período grandes obras eram realizadas na cidade, como a construção de hospitais, um matadouro público, o 1º campo de aviação do

10 12 interior, a escola normal, a Capela de N. S. do Socorro, e as estratégias de convivência com a seca. No dia 20 de julho de 1934, aos 90 anos, morre o Padre Cícero. Todos os seus bens são doados, via testamento do Padre, à ordem Salesiana. Após a morte de Padre Cícero as romarias se intensificam ainda mais, dinamizando o comércio local. O artesanato, a arte e o folclore têm impulso com a religiosidade. Artesãos, comerciantes, agricultores, músicos, poetas de cordel e pesquisadores cultivam e difundem a figura mística de Pe. Cícero em suas casas, nas ruas, no comércio e na arte, por todo o Brasil. 5.O MUNICÍPIO HOJE Juazeiro do Norte, com menos de 100 anos da sua emancipação, já apresenta características de grandes centros urbanos. Apenas cerca de 30% da população tem raízes na cidade. A população juazeirense é composta especialmente por romeiros que vêm de outros Estados, especialmente do Nordeste e aqui fixam moradia 5.1CARACTERÍSTICAS FÍSICAS Localização Geográfica: O município de Juazeiro do Norte localiza-se na zona sul do Estado do Ceará, limitando-se ao norte com o município de Caririaçu; ao sul com Crato, Barbalha e Missão Velha; ao leste com Missão Velha e Caririaçu e ao oeste, com Crato. Encontra-se distante de Fortaleza 538,4 Km, tendo como vias de acesso à capital a BR 116 e as CE 060 e CE 096.

11 13 Coordenadas Geográficas e Altitude da Sede: Apresenta 7º12 47 de latitude sul e 39º18 55 de longitude norte. A altitude da sede é de 377,33 m. Área Territorial: Conta com uma área de 219Km², sendo, entre os municípios cearenses, um dos menores em dimensão territorial, contrapondo-se a sua condição de segundo município do Estado e em desenvolvimento. Acidentes Geográficos: Rio Salgado, que corta a cidade no sentido norte-sul; Serra do Horto, parte da Chapada Nacional do Araripe. 5.2 MEIO AMBIENTE O solos do município de Juazeiro do Norte são considerados como Podzólico Vermelho - Amarelo e Solos Aluviais. Possue como reservas florestais as Floresta caducifólia espinhosa (caatinga arbórea); Floresta subcaducifólia tropical pluvial (Mata seca); Parque Ecológico das Timbaúbas. 5.3 RECURSOS NATURAIS O município de Juazeiro do Norte pertence a região hidrográfica do Jaguaribe, banhada pelo Rio Salgado. A Sub-bacia do Salgado, que pertence à Bacia do Jaguaribe, tem como rio drenador o Rio de mesmo nome. Sua área cobre cerca de Km², o que perfaz uma cobertura da região Sul do Estado, incluindo o Cariri

12 14 Seus principais afluentes são o Rio Batateiras, O Riacho dos Porcos. O Riacho é a porte de entrada definida para que quando se concretize de fato o projeto de transposição das águas do São Francisco, se possa dispor desse manancial como elo de ligação para toda a bacia do Salgado. Os melhores lençóis aqüíferos de toda a Bacia do Jaguaribe, estão localizados na Sub- bacia do Salgado. Segundo dados do COGERH, atualmente existem cerca de poços cadastrados, somente na área coberta pela sub-bacia do Salgado. Identifica-se um predomínio de rochas cristalinas, onde as vazões média é de 12,47 m³/h. Isto a uma profundidade média de 90 metros. Nestas condições se encontra a maioria dos poços perfurados, ou seja 80% (1.412). Já os poços que as companhias de abastecimento exploram ficam a uma profundidade média de 180 mts e dão uma vazão média de 140 m³/h. 5.4 DEMOGRAFIA De acordo com a tabela 1 abaixo, verifica-se que a população do município de Juazeiro do Norte - Ceará é composta principalmente por pessoas do sexo feminino. Além disso percebe-se também, que ambos os grupos populacionais em sua grande maioria na zona urbana. Tabela 1: POPULAÇÃO RESIDENTE POR SEXO/ZONA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 TOTAL DE HABITANTES POR SEXO

13 15 SEXO FEMININO Habitantes ( 53 % ) SEXO MASCULINO Habitantes ( 47 % ) ZONA URBANA Habitantes ( 95 % ) ZONA RURAL Habitantes ( 5 % ) TOTAL Habitantes Fonte IBGE, 2003 A partir da tabela 2 a seguir pode-se constatar que existe um índice populacional maior na faixa etária de anos de idade, seguido pela faixa de anos, o que revela ser Juazeiro do Norte, um município constituído principalmente por adultos jovens. Verificase também, que o número de indivíduos menores de 1 ano tem aumentado de 2000 a 2003, assim como, o número de idoso, ao longo deste período, o que reflete aumento na população em geral do município. Tabela 2 : POPULAÇÃO RESIDENTE, POR FAIXA ETÁRIA E ANO, NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE PERÍODO DE Faixa Etária Menor 1 ano a 4 anos a 9 anos a 14 anos a 19 anos a 29 anos a 39 anos

14 16 40 a 49 anos a 59 anos a 69 anos a 79 anos anos e mais TOTAL Fonte : IBGE, 2003 A mesma análise pode ser visualizada no gráfico 1 abaixo, que quanto aos três grupos populacionais listados pôde-se constatar uma ligeira prevalência de jovens, perante os outros grupos: adultos e idosos, respectivamente. Gráfico 1: DISTRIBUIÇÃO POPULACIONAL POR FAIXA ETÁRIA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 GRAFICO I - DISTRIBUIÇÃO POPULACIONAL EM JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 POR: JOVENS / ADULTOS / SENIS 60,00 44,01 39,65 40,00 16,33 20,00 0,00 Jovens Adultos Senis Fonte : Sistema de Informações DATA SUS, 2003

15 ECONOMIA Segundo os dados fornecidos pela tabela 3 a seguir, verifica-se que existe um índice considerável de indivíduos em idade economicamente ativa, correspondendo a aproximadamente 85% do índice de pessoas em idade ativa. Tabela 3: PRINCIPAIS SEGMENTOS POPULACIONAIS DO MERCADO DE TRABALHO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 SEGMENTOS TAXA Estimativa População Residente Pop. Em Idade Ativa 76, Pop. Economicamente Ativa 64, Fonte: Pesquisa - IBGE, 2003 Pelos dados contidos na tabela 4 abaixo, acerca do setor econômico, percebe-se claramente a predominância do nível primário e terciário, respectivamente. Além disso, verifica-se também, um relativo número de Agências Bancárias, o que revela um considerável dinamismo da economia local. Tabela 4:

16 18 ESTABELECIMENTOS DE ECONOMIA E RENDA NO MUNÍCIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 TIPOS DE ESTABELECIMENTOS DA ATIVIDADE ECONÔMICA E RENDA Agências Bancárias 08 estabelecimentos Economia Primária - Agricultura Economia Secundária - Indústria Economia Terciária - Comércio e estabelecimentos 272 estabelecimentos estabelecimentos Serviços Fonte : SEBRAE, 2003 A população ocupada do Juazeiro do Norte se encontra principalmente, no setor terciário ( comércio e serviços ) que responde por quase 59% da mão-de-obra empregada, enquanto que, o setor secundário ( indústria ) em segundo lugar, emprega quase 31% da população como pode ser visualizado abaixo pelo gráfico 2: Gráfico 2: POPULAÇÃO OCUPADA POR SUB-SETOR DE ATIVIDADE NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO 2000 P o p u l a ç ã o O c u p a d a p o r s u b - s e t o r d e A t i v i d a d e n o a n o d e In d ú s t r i a d e 5 0,0 0 % T r a n s f o r m a ç ã 4 0,3 3 % o 4 0,0 0 % C o n s tr u ç ã o 3 0,6 8 % C i v i l 3 0,0 0 % C o m é r c i o 1 8,4 7 % 2 0,0 0 % 1 0,0 0 % 6 % 3, 8 3 % 0,6 6 % S e r v i ç o s 0,0 0 % Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click Ahere d m ito n i spurchase t r a ç ã o the full version

17 19 Fonte : Pesquisa Direta, IDT EDUCAÇÃO A partir da análise feita da tabela 5 a seguir, nota-se que a população de Juazeiro do Norte é constituída prevalentemente por pessoas analfabetas. É revelado também, que menos de 1% da população possui ensino superior, o que vem a refletir uma problemática no sistema educacional vigente no município, que pode ser tanto de caráter quantitativo como qualitativo. Tabela 5: TAXA DE OCUPAÇÃO POR SEXO, IDADE, GRAU DE INSTRUÇÃO E POSIÇÃO NA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 Variáveis Taxa Estimativa Sexo Masculino 47, Feminino 53, Idade 10 a 14 anos 11, a 19 anos 11, a 29 anos 16, a 39 anos 12, a 49 anos 9, >= 50 anos 16,

18 20 Grau de Instrução Analfabeto 45, Alfabetizado 5, º Grau 21, º Grau 2, Superior 0, Fonte: Pesquisa IBGE, 2003 Quanto à rede física escolar existente no referido município, observa-se em sua grande maioria a predominância de estabelecimentos referentes ao ensino fundamental e préescolar, o que reflete uma preocupação dos órgão públicos quanto a problemática do analfabetismo. Contudo, pode-se perceber um número de estabelecimentos de ensino médio e superior proporcionalmente menores que o dos outros citados acima. Isso é revelado abaixo na tabela 6: Tabela 6: REDE FÍSICA ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO 2003 ESTABELECIMENTO DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE Ensino Pré- escolar Ensino Fundamental Ensino Médio 67 estabelecimentos 112 estabelecimentos 14 estabelecimentos

19 21 Ensino Superior Total 02 estabelecimentos 195 estabelecimentos Fonte: Plano Municipal de Saúde, ano 2003 Como observado no gráfico 3 abaixo, a grande parte dos estabelecimentos escolares está localizada na zona urbana, correspondendo a 84,6%, devido ao contingente populacional localizado nesta área, enquanto a população rural contempla apenas 15,4%. Gráfico 3: REDE FÍSICA ESCOLAR POR ZONA DE LOCALIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2003 Rede Física Escolar por Zona de Localização 30 Zona Urbana Zona Rural 165 Fonte : Plano Municipal de Saúde do Município de Juazeiro do Norte - CE, CULTURA Relacionando - se aos equipamentos de cultura existentes no município, é observado que os ginásios correspondem à maior parte (26,1%), enquanto os museus assumem 8,6% do total, cinemas correspondem a 13,04%, shopping fica com 4,34%, emissoras de rádio ficam 34,8% e jornais assumem 13,04% do total. Isto pose ser visualizado na tabela 7 a seguir:

20 22 Tabela 7: ALGUNS EQUIPAMENTOS CULTURAIS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE 2000 Tipo de Equipamento Quantidade Ginásios Cobertos 06 Museus 02 Cinemas 03 Shopping 01 Emissoras de Rádio em AM 03 Emissoras de Rádio em FM 05 Jornais 03 Fonte: Sine/SEBRAE, SANEAMENTO Observa - se pelo gráfico 4 abaixo que o tratamento de água mais utilizado é a filtração, seguida da cloração e por último a fervura, sendo que 20,71% da população, não recebe nenhum tipo de tratamento da água a ser consumida. Neste sentido, o método mais eficaz (fervura) ainda não é reconhecido pela população. Gráfico 4:

21 23 TIPO DE TRATAMENTO DADO À ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000 T ip o d e T ra ta m e n to d a d o à á g u a u tiliz a d a p a ra o c o n s u m o h u m a n o 1 0 0,0 0 % 8 0,0 0 % 6 0,0 0 % 4 0,0 0 % 2 0,0 0 % 0,0 0 % % 5 7,7 7 % 2 2,4 1 % 2 0,7 1 % 1,1 2 % F iltra ç ã o F e rv u ra C lo ra ç ã o S e m tra ta m e n to T o ta l Fonte : SIAB, 2000 De acordo com as informações fornecidas pelo gráfico 5 abaixo é demonstrado que a coleta pública de lixo é a principal forma de destino dado ao lixo, seguido pelo destino a céu aberto em proporções muito elevadas (quase 39%), revelando a presença de importantes fatores de risco para a saúde da população, visto que propicia o aparecimento e proliferação de vetores que predispõem a uma série de doenças. Gráfico 5: DESTINO DADO AO LIXO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000 Destino dado ao lixo 100,00% 55,16% Coleta P ública Céu Aberto 6,24% 38,59% Q ueim ado/e nterrado T otal Fonte : SIAB, 2000

22 24 Verifica-se no gráfico 6 a seguir que o sistema de esgoto é ligeiramente predominante. Contudo, evidencia-se um grande número de domicílios que depositam o lixo a céu aberto, o que reflete uma deficiência na ação conjunta entre população e órgãos públicos no destino adequado a ser dado ao lixo, predispondo a proliferação de insetos, roedores, entre outros, deixando a população mais susceptível às doenças veiculadas pelos agentes referidos. Gráfico 6: PERCENTUAL(%) DE DOMICÍLIOS POR DESTINO DO LIXO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000 Percentual de domiciliospor destinodo lixo 100,00% 80,00% 60,00% 40,00% 20,00% 0,00% 38,23% 28,78% 32,99% 100,00% Sistema de Esgoto Fossa CéuAberto Total Fonte: SIAB, SAÚDE SERVIÇOS DE SAÚDE

23 25 Quanto ao tipo de prestador de serviços de saúde no município de Juazeiro do Norte, constata-se que o município é responsável por mais da metade dos serviços ambulatoriais prestados à população. Já em relação a rede hospitalar, percebe-se que estes serviços são prestados em sua maioria, pela iniciativa privada, contratada, e pela filantropia, como visto a seguir na tabela 8: Tabela 8: REDE AMBULATORIAL E REDE HOSPITALAR POR TIPO DE PRESTADOR DE SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000 Natureza/Tipo de Prestador Rede Hospitalar Rede Ambulatorial Total Municipal Estadual Filantrópico Contratado Sindical Total Fonte: SIA / SIH - DEZ/ 2000 A análise do Gráfico 7 demonstra que a maioria dos serviços de saúde voltados para a população de Juazeiro do Norte concentra-se em atividades voltadas para a Atenção Básica

24 26 à Saúde ( 89,12% correspondendo aos trabalhos executados pelos Centros de Saúde e Postos de Saúde, dos quais 36,6% são prestados pelas equipes de Saúde da Família ). Em segundo lugar encontra-se os Serviços Especializados de Saúde, vindo logo em seguida outros serviços auxiliares de diagnose e terapia e em último, unidades mistas de saúde. Gráfico 7: TOTAL DE UNIDADES DA REDE AMBULATORIAL MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2001 U nidade d a rede Am bu latorial M unicipal 1,04% 5,06% 2,08% 36,07% 53,05% Prog ram as de S aú d e d a F am ília C entros de S aúd e e P osto s d e S aúd e U nid ad e M ista C entros E specializado s O utro S erviço A uxiliar de D iag no se et erap ia Fonte: Sistema de Informação Ambulatorial do SUS, 2001 Pela tabela 9 exposta a seguir, verifica se que o município dispõe de uma gama de profissionais de saúde, dispostos nas redes municipal / privada, nos três níveis de atenção à saúde para garantir o aceso da população aos serviços prestados. No entanto, devido ao alto

25 27 contingente populacional somada à população flutuante, verifica-se que o número de profissionais existentes ainda não é suficiente para atendê-las. Tabela 9: RECURSOS HUMANOS, POR TIPO DE PRESTADOR, DO SISTEMA DE SAUDE D MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO 2000 Qualificação Rede Municipal Rede Contratada/ Total Privada Médico Enfermeiro Dentista Fisioterapeuta Fonoaudiólogo Terapeuta Ocupacional Bioquímico/Biólogo/Far macêutico Nutricionista Psicólogo Assistente Social Veterinário Educador Físico Outros profissionais de nível superior

26 28 Agentes de Saúde Profissionais de nível médio Profissionais de nível elementar Total Fonte: DATASUS, INDICADORES DA ATENÇÃO BÁSICA Pode-se observar a partir do gráfico 8 a seguir que durante o pré-natal a maioria das gestantes ( 49% ) realizam de 4 a 6 consultas, estando as mesmas dentro do nº de consultas preconizadas pelo Ministério da Saúde. Verifica-se que em segundo lugar aparece aquelas que realizam mais de 7 consultas pré-natais ( 43% ), refletindo que quanto à quantidade de consultas realizadas, 92 % das gestantes fazem o acompanhamento ideal durante o período gestacional. Os demais 8% das gestantes, como visualizado abaixo, ou realizam um nº de consultas inferior ao ideal ou simplesmente não realizam nenhuma consulta pré-natal. Gráfico 8: COBERTURA DE PRÉ-NATAL POR NÚMERO DE CONSULTA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000

27 29 Fonte: SINASC-Sistema de Informação de nascidos Vivos, 2000 Pelos dados fornecidos pela tabela 10 a seguir acerca das informações sobre o nascimento, pode-se constatar ao longo do período ( 1997 a 2000 ) uma flutuação anual ( aumento e redução ) do número de nascidos vivos. Também, percebe-se um aumento progressivo no percentual de neonatos prematuros e uma ligeira redução do percentual de neonatos com baixo peso ao nascer, o que reflete um franco paradoxo, pois presume-se que, ao se aumentar o percentual de prematuros haja, em consonância, um aumento do percentual de neonatos com baixo peso ao nascer. Tabela 10: INFORMAÇÕES SOBRE NASCIMENTOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 1997 A 2000 Ano Número Nascidos Vivos de (%) nascidos com prematuridade (%) nascidos por parto cesáreo (%) nascidos de mães entre 10 e 19 anos (%) nascidos de

28 30 mães entre 10 e 14 anos (%) nascidos com baixo peso Fonte: DATASUS, 2000 De acordo com o Programa Nacional de Imunização ( PNI ), no decorrer dos anos de 1997 a 2000, contata-se que a cobertura vacinal em crianças menores de 1 ano de idade tem apresentado crescimento progressivo, porém ainda não atingindo a meta ideal de 100% de cobertura vacinal, o que garantiria uma proteção contra os agravos imunopreveníveis a todas as crianças do município em questão. Isso pode ser visualisado no gráfico 9 a seguir: Gráfico 9: COBERTURA VACINAL EM CRIANÇAS MENORES DE 01 ANO NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO PERÍODO DE Fonte: PNI- Programa de Nacional de Imunização, 2000

29 31 A partir da análise do gráfico 10 abaixo visualiza-se que 95% das crianças menores de 1 ano cobertas pela vacinação, estão com os cartões vacinais em dia. Durante o período apresentado nota-se que ocorreu uma pequena queda entre o período de 1998 a 1999, tendo em seguida no ano posterior recuperado o acréscimo perdido. Gráfico10: CRIANÇAS DE 0 A 11 MESES COM VACINA EM DIA NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE 1998 A 2000 Fonte: SIAB- Sistema de Informação de Atenção Básica de Ministério da Saúde, VIGILÂNCIA À SAÚDE Pelas informações contidas na tabela 11 abaixo, ao longo do período de 1997 a 2000, verifica-se uma relativa flutuação de casos de meningite que, em si, tendem ä estabilidade. Já quanto aos casos de tétano acidental, observou- se a existência de 02 casos no ano 2000,

30 32 enquanto que nos outros anos não existiram ou foram subnotificados. Quanto às demais variáveis percebe- se também a não existência de casos, a qual se justifica pela possível eficiência e eficácia da cobertura vacinal inerente à atenção básica. Tabela 11: NÚMERO DE CASOS DE AGRAVOS IMUNOPREVINÍVEIS, MENINGITES E RAIVA HUMANA NOTIFICADOS NO SISTEMA DE SAÚDE DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 1997 A 2000 Discriminação Sarampo Coqueluche Difteria Tétano Acidental Tétano Neonatal Poliomielite Meningite

31 Raiva Humana Fonte: Sistema de Informações de Agravos Notificação SINAN - Secretaria de Desenvolvimento Social e Saúde de Juazeiro do Norte - Vigilância Epidemiológica, 2000 De acordo com as informações contidas na tabela 12 a seguir, acerca das doenças transmitidas por vetores, pode-se perceber um aumento progressivo e substancial do número de casos de dengue e de leishmaniose visceral no período de 1997 a 2000, o que revela uma falha no processo de integração entre as ações preventivas de caráter popular e estatal, e um certo descaso quanto à presença de animais abandonados nas artérias da cidade, respectivamente. Tabela 12: NÚMERO DE CASOS DE AGRAVOS TRANSMITIDOS POR VETORES NOTIFICADOS NO SISTEMA DE SAÚDE DE JUAZEIRO DO NORTE Discriminação Dengue Doença de chagas Leishmaniose visceral

32 Leishmaniose tegumentar Malária Fonte: Sistema de Informações de Agravos Notificação SINAN Secretaria de Desenvolvimento Social e Saúde de Juazeiro do Norte- Vigilância Epidemiológica, 2000 Segundo os dados prestados pela tabela 13 abaixo que disserta sobre o número de casos de doenças infecciosas, verifica-se ao longo do período de 1997 a 2000 um crescente aumento do número de DSTs, exceto a AIDS que se manteve estável ao longo do mesmo, o que revela uma deficiência das estratégias da atenção básica, como a educação em saúde, além das questões culturais inerentes à população. A tabela demonstra também, que os índices de tuberculose e hanseníase se encontram razoavelmente estáveis. Contudo, os mesmos ainda permanecem elevados, o que induz a uma série de possibilidades como a limitação ao aceso (tratamento), a não aderência dos clientes ao tratamento, deficiências preventivas (vacinação, educação em saúde), entre outros. Tabela 13: NÚMERO DE CASOS DE AGRAVOS INFECCIOSOS DE CURSO PROLONGADO DE DST OCORRIDOS NO SISTEMA DE SAÚDE DE JUAZEIRO DO NORTE NOS ANOS DE 1997 A 2000 Discriminação

33 35 Tuberculose Hanseníase AIDS Sífilis Outras DSTs Fonte: Sistema de Informações de Agravos de Notificação SINAN Secretaria de Desenvolvimento Social e Saúde de Juazeiro do Norte- Vigilância Epidemiológica, MORBIDADE / MORTALIDADE O gráfico 11 visualizada abaixo, referente ao perfil de morbidade hospitalar revela que a principal causa de internações hospitalares é decorrente da gravidez, parto e puerpério, estando estas distribuídas principalmente na faixa etária de 15 a 19 anos, ou seja está concentrada em mulheres na adolescência, sendo seguida pela faixa de 20 a 49 anos ( Fonte : SIH - SUS, 2002). Em segundo lugar encontra- se as doenças respiratórias, acometendo principalmente a faixa etária de 1 a 4 anos, visto que estas estão numa fase do ciclo vital em que o sistema imunológico encontra- se em fase de maturação ( SIH - SUS, 2002). Ocupando o terceiro lugar de prevalência, encontram- se as doenças cardiovasculares, acometendo em sua maioria os idosos, devido ás alterações inerentes ao envelhecimento somadas ao estilo de vida adotado ao longo da sua existência ( SIH - SUS, 2002). A porcentagem das mesmas podem ser vistas a seguir:

34 36 Gráfico 11: PERFIL DE MORBIDADE HOSPITALAR POR IDADE E POR GRUPO DE CAUSAS DE ACORDO COM A CID-10 NO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2002 P e r f i l d e M o r b i d a d e H o s p it a l a r p o r G r u p o d e C a u s a s 1 1, 3 2 5, 8 G r a v id e z, P a r t o e P u e r p é r io D o e n ç a s R e s p ir a t ó r ia s 1 1, Fonte: SIH-SUS, 2002 D o e n ç a s C a r d io v a s c u l a r e s D o e n ç a s I n f e c c io s a s e P a r a s it á r i a s Os dados fornecidos pelo gráfico 12 abaixo revela que a mortalidade infantil é precipitada em sua maioria por causas perinatais, o que reflete uma possível deficiência da atenção básica, sobretudo, no que diz respeito à assistência pré-natal, já que boa parte dos problemas perinatais (cardiopatias e mal formação congênitas, entre outros), poderiam ser detectados durante o pré-natal. Gráfico 12:

35 37 CAUSAS DE MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 2000 Causas de Mortalidade Infantil no ano de ,30% 7,20% 4,10% IRAS Diarréias Fonte: SINASC, ,00% Causas Perinatais O utras Os dados obtidos através da interpretação do Gráfico 13 revelam que a principal causa de mortalidade geral deve-se às doenças cardiovasculares, correspondendo estas a 16,6% do total de óbitos, tendo as mesmas aumentado durante o período de 1997 a Em seguida aparecem os achados anormais em exames clínicos e laboratoriais com 16% do total de óbitos, apesar de sofreram uma diminuição relativa durante o mesmo período. Em terceiro lugar verifica-se a ocorrência de causas perinatais perfazendo um total de 13,5%, tendo durante o período estudado oscilado, com aumentos entre os anos de 1997 a 1999 e diminuição entre 1999 e Aparecem também como causas relevantes de mortalidade as Causas externas, doenças respiratórias, doenças infecciosas e parasitárias, neoplasias e doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas. Gráfico 13:

36 38 MORTALIDADE POR GRUPO DE CAUSAS - ÓBITOS GERAIS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE NO ANO DE 1997 A 2000 Mortalidade por Grupo de Causas - Doenças Circulatórias Óbitos Gerais 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 16,60% 16% 13,50% 12,20% 10% 9,30% 8,70% 4,40% Sinais, sintomas e achados anormais causa Perinatais Causas externas de morbidade e mortalidade Doenças Respiratórias doenças Infecciosas e Parasitárias Neoplasias 0,00% Doenças Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas Fonte: DATASUS / Ministério da Saúde, JUAZEIRO DO NORTE SAÚDE O município de Juazeiro do Norte CE, entidade federativa, governamental, articulada com o estado do Ceará e o nível federal, regulamenta o setor de Saúde na Lei Orgânica (1990) nos artigos 154, 155 e 156.

37 39 ensino primário; Art Sempre que possível, o município promoverá: I- Formação de consciência sanitária individual nas primeiras idades, através do II- III- IV- Serviços hospitalares e dispensários, cooperando com a União e o Estado; Combater às moléstias específicas, contagiosas e infecto-contagiosas; Combater o uso de tóxicos; V- Serviços de assistência à maternidade e à infância; VI- Que os postos de saúde sejam bem aparelhados e de fácil acesso à população carente e tenham funcionamento normal aos sábados, domingos e feriados; VII- Fica assegurada às entidades filantrópicas, sem finalidades lucrativas que trabalham com saúde, a participação no Sistema Único de Saúde, envolvendo recursos materiais, técnicos e financeiros. Parágrafo Único Compete ao município suplementar se necessário a legislação federal e a estadual que disponha sobre a regulamentação, fiscalização e controle das ações e serviços de saúde, que se organizem em sistema único, observados os preceitos estabelecidos na Constituição Federal. Art A inspeção médica nos estabelecimentos de ensino no município, terá caráter obrigatório. Art O município cuidará do desenvolvimento das ruas e serviços relativos ao saneamento e urbanismo, com a assistência da União e do Estado, sob condições estabelecidas em lei complementar federal. 6.1 PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PSF

38 40 Atualmente, a atenção básica tem como estratégia operacional o Programa de Saúde da Família PSF, cuja proposta concentra-se em integrar e organizar atividades de atenção à saúde em um dado território, numa visão hierárquica de comunicação com os níveis secundários e terciários de atenção à saúde quando ocorre o defrontamento com problemas de resoluções mais complexas. Nesta dimensão, o PSF deve atuar na Unidade de Saúde da Família e nos domicílios da população, com uma visão integral da saúde dos indivíduos, estando vinculados à rede de serviços, de forma que se garanta atenção integral aos indivíduos e famílias e que sejam asseguradas a referência e a contra - referência para clínicas e serviços de maior complexidade sempre que o estado de saúde da pessoa assim o exigir. (Brasil, 2001). A equipe do PSF é composta no mínimo, por um médico, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e de quatro a seis agentes comunitários de saúde (ACS), enquanto outros profissionais dentistas, assistentes sociais e psicólogos poderão ser incorporados às equipes visando aumentar a sua efetividade junto à clientela. Neste sentido, o PSF revela-se como uma excelente estratégia para concretizar os princípios da universalidade, equidade e integridade das ações, preconizados pelo SUS, visto que a sua finalidade é reverter a antiga forma de prestação da assistência (médico - curativa - assistencialista), centrando-se numa nova concepção de saúde mais abrangente, condizendo com os conceitos de promoção da saúde e intervenção nos fatores de risco, para planejar e incorporar ações intersetoriais e multiprofissionais. Zoboli e Martins (2001) reconhecem ainda mais uma missão do PSF ao dissertarem que este modelo centra-se no usuário, o qual à equipe tem a incorporação de discussões acerca da necessidade de humanizar a Assistência Médico-sanitária em nosso país.

39 41 Assim, o cuidado da saúde da família objetiva a promoção da saúde através da mudança, propondo ajudar as famílias a criarem novas formas de interação para lidar com a saúde e contra agressores. (Bousso e Angelo, 2001) De acordo com a Coordenadora do Programa de Saúde da Família do município de Juazeiro do Norte CE, Dra. Nizete Tavares, o município possui 42 Equipes de Saúde da Família (ESFs) distribuídas na zona urbana e rural, cada uma atendendo em média habitantes por área, sendo considerado pela mesma suficientes para atender os problemas de saúde enfrentados pelos indivíduos adstritos ao território coberto pela equipe responsável. As principais atribuições e competências da Coordenação do PSF consistem em acompanhar o desempenho das atividades executadas por cada equipe por meio de avaliações mensais dos indicadores de saúde, através de relatórios produzidos por cada equipe, reuniões na Secretaria de Saúde e visitas às Unidades de Saúde. Além disso, planeja estratégias para ações de saúde junto às equipes, atualiza as informações do programa, acompanha as atividades executadas nas sete áreas da NOAS e promove a educação continuada para as ESFs. A mesma ainda relata que, após a introdução dos trabalhos do PSF foram observados melhorias nos indicadores de saúde da atenção básica, porém ressalta a existência de falhas, tais como: a não cobertura de 100% do PSF, gerando uma grande demanda espontânea; o baixo nível sócio-cultural da população, dificultando o entendimento dos objetivos do programa e a falta de profissionais com perfil de Saúde da Família. Portanto, convém destacar que o programa por si só, não garante uma efetiva resolução dos problemas de saúde, sendo observado que alguns pré-requisitos tais como: a percepção e participação da população junto ao programa, o empenho e qualificação dos profissionais de saúde e uma verdadeira articulação com o restante da rede são indispensáveis para garantir o sucesso da atenção básica.

40 ENTREVISTA COM O DIRETOR DO HOSPITAL E MATERNIDADE SANTO ANTÔNIO - HOSPITAL DE REFERÊNCIA A criação e consolidação do Sistema Único de Saúde representa, em síntese uma profunda modificação do arcabouço estrutural do Setor de Saúde no Brasil, o que é visualizado através do conteúdo demográfico de seus princípios, entre os quais, pode-se citar a Regionalização dos Serviços de saúde. A Regionalização se expressa como uma nova forma de organização, caracterizada pela articulação entre os municípios de uma determinada região, constituindo uma rede única e integrada que tem como objetivos otimizar os recursos, melhorar a qualidade dos serviços ligados ao SUS nesses municípios e garantir o acesso aos mesmos. Desta forma, caso um município não apresente uma demanda maior para um certo serviço de média ou alta complexidade, outro município da rede que disponha de tal serviço pode oferecê-lo, garantindo o acesso. Porém, para que este sistema funcione de forma adequada, faz-se necessário a organização de um sistema de Referência e Contra - Referência, o qual viabilizaria o processo de regionalização, articulando e integrando os três níveis de atenção à saúde (primário, secundário e terciário). Cada nível teria suas responsabilidades definidas e o grau de resolutividade previsto numa escala pré-estabelecida, referenciando o paciente para o nível seguinte, se o diagnóstico assim o exigir, sendo importante também, a contra - referência que visa emitir uma resposta sobre o diagnóstico e estado de saúde do paciente ao nível anterior que o tinha referenciado. A 21ª Micro - Região, localizada no Juazeiro do Norte possui alguns hospitais de referência em serviços especializados de alta complexidade, entre os quais podemos destacar

41 43 o Hospital e Maternidade Santo Antônio em Barbalha CE. Segundo o Dr. Antônio Correia Saraiva, um dos diretores do referido hospital, este é um pólo de referência macrorregional que tem como especialidades a Neurocirurgia, captação de órgãos para transplantes e a hemodiálise. Além disso, é Hospital - Escola da Faculdade de medicina de Barbalha, entre outras atividades. O hospital, para ser considerado de referência, deve atender às seguintes exigências impostas pelo SUS: planta física e equipamentos adequados, pessoal qualificado, número mínimo de profissionais especializados na área, além de todas as comissões obrigatórias (CCHI, Ética, etc.). A contra - referência, apesar de ser importante, não é obrigatória, não sendo desenvolvida no hospital em questão. Os principais problemas vivenciados diretamente pelo Hospital Santo Antônio incluem: baixa remuneração do SUS, aumento do preço dos insumos e limitações do número de atendimentos de alta complexidade. De acordo com a Dra. Eduarda Rodrigues, auditora da 20ª Célula Regional de Saúde, o número de atendimentos no Santo Antônio é de ordem de 500 atendimentos mensais, sendo este valor ainda insuficiente para suprir a demanda. Quando há extrapolação do teto físico e financeiro, as contas são pagas pelo SUS, mediante a comprovação administrativa. Porém, segundo o Dr. Antônio Correia, o repasse é demorado e ainda existem contas de 2002 a serem ressarcidas. A pactuação de compra de serviços entre os municípios e o hospital é feita através de PPI que é pactuada na bipartite microrregional, porém a mesma não é trabalhada pela direção junto aos vários municípios e é elaborado pela Secretaria sem a participação do hospital. O setor de Controle e Avaliação é incipiente, sendo o controle da assistência prestadora feito pela qualificação e treinamento sistemático dos profissionais. Não há sistema de ouvidoria.

42 44 Por fim, na concepção do diretor entrevistado, Sem o SUS o povo morreria a mingua, é o único apoio de saúde para a população pobre, é a solução SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE De acordo com a Lei complementar nº2.596, de 14 de fevereiro de 2001, que dispõe sobre a organização administrativa e criação de cargos comissionados da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte e das outras providências, seção XI, artigo 18, compete à Secretaria Municipal de Saúde: Coordenar, executar e monitorar atividades municipais pertinentes às áreas de saúde em toda a sua abrangência; formular, regulamentar e coordenar a política municipal de saúde; promover, desenvolver e prestar serviços de saúde, eficiente fiscalização sanitária, dando especial cobertura ao enfoque epidemiológico, concentrando atenção nos produtos, nos serviços e nos fatores ambientais que indiquem propensão de risco à saúde; gerenciar atividades de atenção básica à saúde, de vigilância sanitária, vigilância epidemiológica, controle de zoonoses, de estatísticas, controle de avaliação, de administração de recursos humanos; integrar e articular parcerias com a sociedade e outras instituições; adotar medidas normativas e executivas, visando assegurar à população o acesso à informação dos procedimentos da saúde; capacitar e valorizar os profissionais de saúde do Município, com a participação em cursos específicos, oficinas, seminários, e outros, de modo a melhorar o atendimento à população e fortalecer a parceria com as Sociedades Científicas e os Conselhos de Classe; priorizar a saúde preventiva, realizando com competência ações e estratégias específicas; implementar e desenvolver ações de atendimento odontológico com modernos instrumentos de acesso a população carente, especialmente com a prevenção de cárie dentária periodental; implementar em consonância com a ASPLAN e a SEASC, programas de saúde e

43 45 cidadania visando tornar a saúde interligada com os anseios populacionais e de forma participativa, estabelecendo canais de comunicação, melhorando a distribuição dos serviços e sua oferta ao usuário; cumprir e fazer cumprir as normas gerais político - administrativas e de saúde do Município; promover a articulação e integração das diversas esferas de Governo, Estadual e Federal visando a execução dos programas de saúde do Município; desenvolver uma política de comunicação e informação, visando a melhoria da qualidade de vida da população; orientar, acompanhar e fomentar as atividades desenvolvidas pelo Hospital São Lucas, Centro de Diagnóstico e Tratamento Tasso Jereissati, Centro de Atendimento Especializado, Centro de Saúde Malro Malzoni e Centro de Dermatologia Sanitária; orientar executar e acompanhar programas de saúde, unidades de saúde médica ou odontológica, visando o perfeito atendimento à população local; orientar e acompanhar as atividades do Conselho Municipal de Saúde, zelando pelo adequado cumprimento de suas competências; exercer outras atividades correlatas. Em entrevista realizada com o Secretário de Saúde do município de Juazeiro do Norte, o Dr. Benjamim Bezerra Ribeiro relatou que percebe o SUS como o maior plano de saúde do Brasil, não tendo atingido sua plenitude e acredita que nunca atingirá devido ao número elevado de usuários, visto que ele se destina a todos os brasileiros, tanto os que podem usufruir da assistência médico - supletiva, como àqueles que não podem pagar. Contudo, a busca pelo ideal deve ser perseguida continuamente, sendo possível notar uma melhoria gradativa do Sistema de Saúde desde sua implantação até o momento atual. Com relação ao fortalecimento da municipalização, reconhece muitas vantagens trazidas pelo SUS, no sentido de que os municípios ficaram mais preparados para assistir os seus munícipes. Outro fato importante diz respeito ao financiamento do setor que encontra-se amarrado, ou seja, dividido em porcentagens para cada área de investimentos, sendo calculado per capita, num valor de R$ 10,50 por habitante.

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

Avaliação nacional do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento

Avaliação nacional do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento Informes Técnicos Institucionais Technical Institutional Reports Departamento de Ciência e Tecnologia, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde Correspondência Correspondence:

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes Super Dicas de SUS Prof. Marcondes Mendes SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes 1. Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil Prevenção Modelo de Saúde Sanitarista Campanhismo

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

ESTUDO Nº 41, DE 2005

ESTUDO Nº 41, DE 2005 SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais Visita da Delegação da Assembléia Nacional da República Socialista do Vietnã ao Presidente da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS em 07/03/2005 ESTUDO Nº 41, DE 2005

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE E FISIOTERAPIA: aproximações e distanciamentos

VIGILÂNCIA EM SAÚDE E FISIOTERAPIA: aproximações e distanciamentos VIGILÂNCIA EM SAÚDE E FISIOTERAPIA: aproximações e distanciamentos (Reflexão a partir das práticas em sala de aula, no desenvolvimento das disciplinas de Saúde Coletiva, Vivências I e Fisioterapia na Promoção

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Relatório de Visita Técnica

Relatório de Visita Técnica Relatório de Visita Técnica Em atendimento a solicitação do Ministério Público de verificação do cumprimento da decisão judicial proferida nos autos da Ação Civil Pública com pedido de antecipação de tutela

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH Criada para facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Enfatiza a necessidade de mudanças de paradigmas no que se refere à percepção dos homens

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais