IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DA OUVIDORIA DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPE Lílian Melo Bibliotecária Especialista em Gestão e Tecnologia da Informação, UFPE, Recife, PE. RESUMO O estudo mostra qual o papel da ouvidoria no ambiente da biblioteca universitária e destaca a atuação do ouvidor como representante e mediador dos direitos do cidadão. Expõe como foi criada a ouvidoria do Sistema de Bibliotecas da UFPE e quais os meios de comunicação adotados para recebimento das ocorrências. Analisa as demandas recebidas por meio das planilhas de atendimento, onde foram observados aspectos relevantes para avaliação dos serviços disponibilizados pelo sistema. Ressalta a contribuição da ouvidoria como um instrumento de cidadania, onde os usuários podem reivindicar, sugerir, dirimir suas dúvidas e fazer elogios aos serviços disponibilizados pelas bibliotecas. Palavras-Chave: Bibliotecas Universitárias - Ouvidoria; Ouvidor Universitário ; Sistema de Bibliotecas UFPE - Ouvidoria. ABSTRACT The study shows the role of ombuds in the environment of the university library and highlights the performance of the ombudsman as a representative and mediator of citizen rights. Explains how it was created the ombuds's System Libraries UFPE and what the media adopted for receipt of occurrences. Analyzes the requests received through attendance sheets, which were observed aspects relevant to evaluation of services provided by the system. Emphasizes the contribution of the ombudsman as an instrument of citizenship, where users can claim, suggest, reduce your questions and make compliments to the services provided by libraries. Keywords: University Libraries Ombuds; Ombudsman Academic; System Libraries UFPE Ombuds. 1 Introdução Internacionalmente utilizado, o termo ombudsman, mais conhecido aqui no Brasil como ouvidor, é aquele que representa, defende e media os direitos fundamentais do cidadão. O ouvidor tem o papel de indutor de mudanças estruturais na instituição em que atua. (LYRA, 2010, p. 2).

2 A ouvidoria é um Instrumento de interação onde o ouvidor exerce suas funções baseadas em sua missão, cujos princípios do trabalho são confidencialidade, imparcialidade, parceria e o fluxo das atividades envolve resolução e prevenção de demandas incluindo reavaliação de processos. A abertura de um canal direto de comunicação em Bibliotecas Universitárias com seus cidadãos-usuários é uma oportunidade para compartilhar a prática da responsabilidade social e, diante dos problemas, conflitos e pendências, reduzir o impacto negativo das falhas percebidas proporcionando maior credibilidade e, automaticamente, melhorias contínuas. (LEÃO, 2007). Diante desta assertiva, entendemos que um sistema de bibliotecas que não possui um canal de comunicação integrado e direto com seus usuários tende a perder a credibilidade e facilitar a desintegração das unidades entre si, pois os usuários precisam ser informados que suas opiniões, dúvidas e reclamações são importantes e contribuem para a melhoria e qualidade dos serviços prestados. Devido à demanda de querelas dos usuários, por se encontrarem insatisfeitos com alguns dos serviços prestados pelas Bibliotecas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a ausência de um canal específico para tratar as ocorrências, identificou-se a necessidade da implantação de uma ouvidoria para o Sistema Integrado de Bibliotecas (SIB), com a finalidade de ouvir, apurar e solucionar os casos apresentados, acompanhar a tramitação do processo até a sua conclusão, sendo favorável ou não ao requerente. Ao contextualizar o serviço de ouvidoria no âmbito das bibliotecas universitárias, observa-se que são poucos os trabalhos que mostram aspectos da implantação e gestão desta atividade. Por isso, este relato tem como objetivo expor o caminho percorrido no processo de implantação da ouvidoria no SIB da UFPE, avaliar as demandas recebidas bem como a gestão de suas atividades. 2 Revisão de Literatura As organizações sejam de origens públicas ou privadas precisam estabelecer e manter bons relacionamentos com seus clientes e/ou usuários. Para tanto, são

3 criados meios / veículos de relacionamento com o público a que se destina. (ANDRADE, 2006). Dentre estes veículos, estão as ouvidorias. Consideradas como um meio de comunicação dirigida, comunicação direta e segmentada a um público específico. (KUNSCH, 2003, p.186). Segundo Giangrande (1997), quando a organização opta por uma ouvidoria, em complementação ou no lugar dos serviços de atendimento, é porque deseja não apenas um canal de comunicação, mas quer conferir personalidade e autoridade a este canal. As bibliotecas universitárias com o intuito de melhorar a qualidade dos serviços prestados e conhecer os anseios de seus usuários tem utilizado a ouvidoria para este fim, porém muitas ainda resistem quanto à criação de ouvidorias, pois acreditam que sua imagem pode ficar vulnerável ao ouvir seus usuários. Neste sentido prevalece o interesse pessoal sobre o interesse coletivo comum. Vilanova (2003) coloca que o saber ouvir, reflete a paciência dos sábios. Não é uma fraqueza como muitos pensam. Ao ouvir, erra-se menos, economizam-se recursos, isto resulta numa fonte importante de racionalidade, em tempos que a sobrevivência é ditada pela competitividade. O real objetivo da ouvidoria é criar uma maneira de dirimir as falhas, que de outro modo persistiria, eliminando injustiças ou tornando efetivo, ou mais eficaz, o serviço que a instituição pública deve prestar. (LYRA, 2010, p.6). O resultado disto significa melhoria em todo âmbito administrativo. O profissional responsável pelo serviço da ouvidoria é conhecido como ouvidor, que de acordo com Lyra (2010, p.1) atua no controle da qualidade do serviço prestado, pronunciando-se, consequentemente, em relação ao mérito deste. O papel desempenhado por ouvidores em universidades tem sido o de "fomentador de soluções e do desenvolvimento institucional". (BRANDÃO, 1995, p.5). O ouvidor de bibliotecas universitárias, além de trabalhar para melhorar a satisfação dos usuários em relação aos serviços da biblioteca e reduzir aspectos negativos destes, também contribui para a administração, pois as demandas recebidas servem como indicadores de qualidade e ajudam o gestor da biblioteca a reduzir os erros,

4 aumentar a credibilidade, desenvolver projetos que captem recursos financeiros, humanos e materiais para o desenvolvimento das atividades. Portanto o papel da ouvidoria universitária, em detrimento a função do ouvidor, é de resguardar o direito do cidadão em fazer uso de um canal de comunicação e intermediação que considere seu ponto de vista e lhe dê uma resposta, independente de veredicto, pois em boa parte dos casos o demandante apenas quer ser ouvido porque acredita que pode contribuir de forma positiva para que a instituição seja mais eficiente e eficaz. 3 Método Para a implantação da ouvidoria, bibliotecários elaboraram um projeto, que foi apresentado à direção da Biblioteca Central (BC), responsável tecnicamente por todo o Sistema de Bibliotecas da UFPE. Após a avaliação, a gestora decidiu pela implantação do serviço, pois a biblioteca disponibilizava de uma sala com mobiliário e equipamentos adequados para o início das atividades. Embora funcionando no prédio da Biblioteca Central, a ouvidoria tem como público alvo todos os usuários do SIB/UFPE e trata de demandas internas, ou seja, entre usuários e biblioteca. Conflitos entre funcionários não são intermediados pela ouvidoria. Para receber as demandas, foram adotados meios de comunicação presenciais e não presenciais como formulário na internet (sítio do sistema), s, telefones e atendimentos in loco. O fluxo do trabalho da ouvidoria envolve receber as demandas, resolve-las, rever processos e prever ocorrências. Quanto aos princípios do trabalho destacam-se: confidencialidade, imparcialidade e o trabalho em parceria. No momento, a ouvidoria não dispõe de um programa específico para inserir e acompanhar as demandas, por enquanto as ocorrências são digitadas e acompanhadas em planilhas do Excel. Os dados analisados neste estudo, são resultados obtidos das planilhas no período de junho de 2009 a abril de 2010, onde foram observados aspectos relevantes para avaliação dos serviços disponibilizados pelo sistema.

5 4 Avaliação e Resultados Visando alcançar os objetivos propostos, primeiro procurou-se identificar qual o canal de comunicação mais utilizado no contato com a ouvidoria, para tanto segue o gráfico: Gráfico 1: Veículos de comunicação utilizados Segundo os dados acima, o é o veículo de comunicação mais utilizado pelos usuários, com 46% das ocorrências, seguido pelo telefone 40%, formulário 8% e o contato pessoal 6%. Acredita-se que o e o telefone são preferidos por agregar facilidade de acesso e agilidade no atendimento. Por isso é imprescindível permanecer com estes tipos de contato. Em relação às demandas recebidas, a ouvidoria atendeu 131 ocorrências no período avaliado, o gráfico a seguir mostra a quantidade de ocorrências de acordo com a classificação. Gráfico 2: Demandas recebidas

6 Para melhor gerenciar os processos da ouvidoria, as demandas recebidas foram categorizadas de acordo com o objetivo da ocorrência, portanto, ficaram classificadas em: reclamações 51%, dúvidas 26%, solicitações 18%, elogios 3% e sugestões 26%. Mesmo não sendo demanda de ouvidoria, as dúvidas e solicitações foram analisadas devido à recente implantação do serviço, que só depois de identificar este tipo de demanda, pôde sugerir na proposta de melhoria de processos a criação de um balcão de informações na Biblioteca Central. Dando continuidade ao estudo serão apresentados dados referentes às ocorrências recebidas. Dentre o período de junho de 2009 a abril de 2010, a ouvidoria recebeu 66 demandas de reclamações, cujos assuntos mais freqüentes são: Gráfico 3: Reclamações - Assuntos abordados De acordo com os dados acima, o maior número de reclamações são referentes ao Sistema Pergamum 68%, devido a queda de rede (intranet), renovações não realizadas, multas, entre outras. Em segundo lugar estão: manutenção de banheiros e equipamentos e serviços oferecidos pelo sistema com

7 8%. Em seguida vem o programa de bolsas de estágio para bibliotecas 6%, a coleção de periódicos 5%, horário das bibliotecas 3%, acervo de livros 1% e abertura de setores nos finais de semana com 1%. O gráfico demonstra que os problemas que afetam o sistema de gestão das bibliotecas da UFPE são os que mais atingem os usuários e causam maior insatisfação. Para dar continuidade a avaliação das demandas, os gráficos a seguir apresentam dados das 24 solicitações e 34 dúvidas recebidas pela ouvidoria. Gráfico 4: Solicitações Como demonstra o gráfico, 54% das solicitações foram referentes à renovação e reserva de publicações, 21% melhoria no acesso a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) da UFPE, 9% alteração de senhas e com 4% treinamento do Portal da Capes, internet sem fio, empréstimos entre instituições e envio de obras para leitura ou pesquisa. Abaixo podem ser vistas a categorização das dúvidas.

8 Gráfico 5: Dúvidas Segundo o gráfico 5, as dúvidas mais freqüentes se referem à bolsas/estágio nas bibliotecas 76%, Sistema Pergamum 6%, bibliotecas setoriais 6%. Com 3% aparecem indagações acerca da BDTD, empréstimo para a comunidade externa, horário das bibliotecas e atendimento on-line. Mesmo não sendo demandas específicas de ouvidoria, as solicitações e dúvidas foram recebidas com o intuito de orientar os usuários a procurar os setores específicos e posteriormente sugerir a implantação de um balcão de informações para auxiliá-los no que fosse preciso. Abaixo pode ser visto o gráfico referente às sugestões recebidas. Gráfico 6: Sugestões

9 De acordo com as informações acima, a ouvidoria recebeu apenas três sugestões durante o período pesquisado que foram indicadas para a Biblioteca Central : implementação do setor de informações 33%, melhoria na sinalização da biblioteca 67%. Estas sugestões refletiram aspectos que necessitaram de intervenção imediata, pois estavam relacionados ao fluxo da comunicação interna da biblioteca. O último ponto a destacar são as demandas recebidas elogiando a atuação de algumas bibliotecas e ouvidoria. O gráfico seguinte mostra estes dados. Gráfico 7: Elogios Com 25% das demandas, a Biblioteca Central e a Biblioteca Setorial de Educação foram lembradas e parabenizadas por iniciativas e projetos. A ouvidoria recebeu 50% dos elogios referentes a boa atuação na presteza e intermediação dos casos. Baseando-se nas informações apresentadas fica claro o papel da ouvidoria no aumento da interatividade entre os usuários e o sistema de bibliotecas com maior participação nos projetos e serviços e qualidade no processo e intermediação das ocorrências.

10 5 Considerações Finais Apesar do pouco tempo de criação da ouvidoria, alguns resultados são percebidos durante o contato com os usuários, como: maior interação entre Bibliotecas Setoriais e Central, melhoria na imagem do Sistema, credibilidade em receber e encaminhar as ocorrências, entre outros citados pelos demandantes. Fica evidente que, quanto maior a dedicação em oferecer serviços de qualidade, maior será a procura e satisfação pelos serviços. É notória a contribuição da ouvidoria como um instrumento de cidadania, onde os usuários podem reivindicar sugerir, dirimir suas dúvidas e fazer elogios aos serviços disponibilizados pelas bibliotecas da UFPE. Entende-se também que para a melhoria do serviço de recebimento e acompanhamento de ocorrência, é preciso adquirir um programa com interface online onde os usuários possam acessar e visualizar os seus processos. Outro ponto a destacar é a necessidade de concluir o Regimento do Sistema de Bibliotecas para fundamentar legalmente o posicionamento da Ouvidoria em diversos aspectos referentes aos serviços oferecidos. Em fim, a ouvidoria está trabalhando para aperfeiçoar os serviços das Bibliotecas Setoriais e Central de acordo com os objetivos propostos. 6 Referências ANDRADE. C.M. Comunicação organizacional e as novas tecnologias: as ouvidorias virtuais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília. Anais... Brasília: UNB, BRANDÃO JÚNIOR, Hugo. A Missão da Universidade. A Gazeta, Vitória, 9. abr GIANGRANDE,V. de M. A comunicação na era do consumidor. In: KUNSCH, M.M.K (Org.). Obtendo resultados com relações públicas. São Paulo: Pioneira, KUNSCH, M. M.K. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4 ed. São Paulo: Summus, LEÃO, S. F. de A. O Papel da ouvidoria como garantia de um serviço público de melhor qualidade: a proposição de um modelo para o Detran AL. Recife: o autor, f. Disponível em: <www.bdtd.ufpe.br>. Acesso em: 2 mar

11 LYRA, R. P. O ouvidor universitário. João Pessoa: o autor, Disponível em: <http://www.unisc.br/fnou/artigos.htm>. Acesso em: 10 abr MOREIRA, R. R. O uso da reclamação como meio de coleta de informações nas ouvidorias públicas f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Disponível em: <http://www.cid.unb.br/publico/setores/100/145/download/rrm.pdf>. Acesso em: 22 mar

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

XVIII SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS SNBU 2014

XVIII SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS SNBU 2014 1 XVIII SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS SNBU 2014 IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS NO SISTEMA DE BIBLIOTECAS (SiBi) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) Fernando

Leia mais

Apresentação. Como usar a Biblioteca

Apresentação. Como usar a Biblioteca Apresentação A Biblioteca FAAP, constituída pela Biblioteca Central e Salas de Leitura localizadas nas unidades de Ribeirão Preto, São José dos Campos e Centro de Excelência, tem por finalidade fornecer

Leia mais

REGIMENTO DA OUVIDORIA. Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI

REGIMENTO DA OUVIDORIA. Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI Sumário 1. DA COMPOSIÇÃO E DA SEDE... 3 2. DOS PRINCÍPIOS E MISSÃO... 3 3. DOS OBJETIVOS.... 4 4. DA ORGANIZAÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO.... 4 5. DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES... 6 6. DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Ouvidoria UNIFESP. Ouvidoria no Brasil. Neile G. Ribeiro Ferlante

Ouvidoria UNIFESP. Ouvidoria no Brasil. Neile G. Ribeiro Ferlante Ouvidoria UNIFESP Ouvidoria no Brasil Neile G. Ribeiro Ferlante São Paulo 2010 Ouvidoria A Ouvidoria é um canal de comunicação entre a organização e seus clientes internos e externos, visando o estreitamento

Leia mais

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE Lílian Lima de Siqueira MELO Especialista em Gestão e Tecnologia da Informação

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

OUVIDORIA. A Ouvidoria da UNISC em 2014

OUVIDORIA. A Ouvidoria da UNISC em 2014 OUVIDORIA Ouvidora: Ana Claudia de Almeida Pfaffenseller Localização: Sala 105 A, Bloco 1 Telefone: (51) 3717-7313 E-mail: ouvidoria@unisc.br A Ouvidoria da UNISC em 2014 Sumário: 1. Caracterização Geral...2

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi)

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi) SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UERGS (SiBi) ATRIBUIÇÕES ANALISTAS: BIBLIOTECÁRIOS - Catalogar e classificar documentos; - Orientar a normalização de trabalhos técnicos e/ou publicações editadas pela Universidade;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO BRASILEIRO RELATÓRIO OUVIDORIA GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO BRASILEIRO RELATÓRIO OUVIDORIA GERAL CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO BRASILEIRO RELATÓRIO OUVIDORIA GERAL São Paulo, Janeiro de 2014 REITORIA Dr. Marcos Vinicius Busoli Cascino Chanceler Prof. Dr. Marcos Antonio Gagliardi Cascino Reitor Prof.

Leia mais

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS PDI 2014/2017 Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS O Sistema de Bibliotecas do IFRS (SiBIFRS) está em fase de estruturação. Atualmente ele é composto Grupos de Trabalho (GTs) pelas doze Bibliotecas

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 Dispõe sobre a criação do Sistema Integrado de Bibliotecas SIBi e aprovação do seu regulamento. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº PREX- 1785/2001,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PESQUISA INSTRUÇÕES BIBLIOTECA

INSTRUÇÕES DE PESQUISA INSTRUÇÕES BIBLIOTECA INSTRUÇÕES DE PESQUISA O objetivo desse documento é proporcionar aos usuários condições de desenvolver estudos e pesquisas no acervo da biblioteca JK. Nele estão contidos os dados que reúne, organiza e

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos mediação, ouvidoria e gestão de relacionamentos A Ouvidoria nas Empresas Ferramenta

Leia mais

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA

MANUAL INTERNO DA BIBLIOTECA As Bibliotecas da Universidade Braz Cubas são destinadas ao Corpo Docente, Discente e aos funcionários administrativos. As Bibliotecas utilizam o sistema Informatizado Pergamum, onde o aluno tem a comodidade

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA CETESC - CENTRO DE ENSINO E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Campinas/SP SUMÁRIO CAPÍTULO I Da Natureza, Objetivos e Finalidade 1 CAPÍTULO II Da Vinculação Administrativa 2 CAPÍTULO

Leia mais

PDI DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPI

PDI DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPI Ministério da Educação Universidade Federal do Piauí Biblioteca Comunitária Jornalista Carlos Castello Branco Campus Universitário Ministro Petrônio Portella, Bairro Ininga, Teresina, Piauí, Brasil; CEP

Leia mais

AUDITORIA PREVENTIVA MONITORAMENTO CONTÍNUO

AUDITORIA PREVENTIVA MONITORAMENTO CONTÍNUO MONITORAMENTO CONTÍNUO VANESSA LOPES {DIRETORA DA AUDITORIA INTERNA CORPORATIVA TAM S/A (HOLDING) Pauta 1 APRESENTAÇÃO 2 OBJETIVO 3 CONTEXTUALIZAÇÃO 4 AS 5 FORÇAS PRIMORDIAS 5 POR ONDE COMEÇAR? 6 TÉCNICAS

Leia mais

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO

ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência da biblioteca da PUC-RIO TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATRAVÉS DE CHAT: a experiência

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA PÚBLICA Canal de escuta que tem como foco a aproximação do cidadão com o poder público visando a garantia de direitos e promoção da cidadania.

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 Pontos fortes - Atendimento: 74% entre muito bom e ótimo - Lay-out: 80% entre muito bom e ótimo - Sinalização: 82 % entre muito boa e ótima - Número de funcionários: 84%

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Resposta de pergunta para funcionários

Resposta de pergunta para funcionários Resposta de pergunta para funcionários Sobre a EthicsPoint Geração de Denúncias - Geral Segurança e Confidencialidade da Geração de Denúncias Dicas e Melhores Práticas Sobre a EthicsPoint O que é a EthicsPoint?

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP GRANDI,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA Sejam bem-vindos ao Núcleo de Educação a Distância da FFCL! Esse Manual tem por objetivo auxilia-los na forma de utilização do AVA. COMO FAÇO

Leia mais

Gestão da Informação e Suporte à Decisão

Gestão da Informação e Suporte à Decisão Gestão da Informação e Suporte à Decisão Paulo Xavier Eduardo Ramos 2008 Paulo Xavier, Eduardo Ramos Principais Experiências Solução de ouvidoria da Secretaria de Educação de PE; Solução de ouvidoria do

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL DE OUVIDORES DO SISTEMA CONFEA/CREA e MÚTUA. Brasília DF

II SEMINÁRIO NACIONAL DE OUVIDORES DO SISTEMA CONFEA/CREA e MÚTUA. Brasília DF II SEMINÁRIO NACIONAL DE OUVIDORES DO SISTEMA CONFEA/CREA e MÚTUA Brasília DF 1 A Ouvidoria a serviço da melhoria da gestão nas organizações Luciana Barbosa Musse Brasília DF 14 Jun. 2011 2 Antecedente:

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Crea-RJ - Projetos 2011 a 2013

Crea-RJ - Projetos 2011 a 2013 IV SEMINÁRIO NACIONAL DE OUVIDORES DO SISTEMA CONFEA/CREA E MÚTUA Sistema de Gestão de Ouvidorias Crea-RJ - Projetos 2011 a 2013 Adequações e melhorias no Módulo Ouvidoria do Sistema Corporativo do Crea

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA ASSESSORIA PARA DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO Biblioteca Universitária Regulamento de Empréstimo entre Bibliotecas Art. 1º O presente documento contém as disposições básicas que regulamentam o serviço de Empréstimo entre Bibliotecas na Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Leia mais

Tecnologia da Informação na FG AUTO - ATENDIMENTO ALUNO

Tecnologia da Informação na FG AUTO - ATENDIMENTO ALUNO Tecnologia da Informação na FG AUTO - ATENDIMENTO ALUNO Jaboatão dos Guararapes / PE PAG.1 Tecnologia da Informação na Faculdade Guararapes A Faculdade Guararapes através do Setor de Tecnologia da Informação

Leia mais

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO São Paulo 2015 REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA FESPSP I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 3 II USUÁRIOS 3 III DO ACERVO 4 IV DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES 5

Leia mais

Título I. Das Finalidades

Título I. Das Finalidades REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO Título I Das Finalidades Art. 1º - A biblioteca foi criada em 13 de maio de 1961. A missão é contribuir para a melhoria do ensino, da pesquisa e

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS

SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS Sistema de Bibliotecas das Faculdades Pitágoras SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS Orientações para pesquisa, reserva e renovação online Belo Horizonte 2014 APRESENTAÇÃO O Sistema de Bibliotecas das Faculdades

Leia mais

OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS

OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS 1. Origem e Histórico Proponho, de início, uma breve exposição da origem e do histórico da criação das Ouvidorias no mundo e no Brasil, onde se verifica rápida expansão nas instituições

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA OUVIDORIA REGULAMENTO CURITIBA 2012 Regulamento Ouvidoria Art. 1º Projeto de implantação da Ouvidoria nesta Faculdade apresentado

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM Elaboração: Karyn Munyk Lehmkuhl Acadêmica da 9ª do curso de Biblioteconomia UFSC - Semestre 2003/2

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013.

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. REGIMENTO DA BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY 1. ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES A do Hospital Pelópidas Silveira IMIP/SES/SUS está sob a gerência

Leia mais

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA Adriana Domingos Santos 1, Ana Maria de Castro Badiali

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física BIBLIOTECA CENTRAL A missão da Biblioteca Central Prof. Eurico Back - UNESC é promover com qualidade a recuperação de informações bibliográficas, com enfoque no desenvolvimento das atividades de ensino,

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. UCB 2011 Unidade 04 Aula 01

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. UCB 2011 Unidade 04 Aula 01 UCB 2011 Unidade 04 Aula 01 O papel do Ombudsman/Ouvidor O que significa a palavra ombudsman? Ombudsman é uma palavra de origem sueca que surgiu em 1809, quando o Parlamento da Suécia decidiu ter um representante

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum. Rio do Sul, maio de 2014

Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum. Rio do Sul, maio de 2014 Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum Rio do Sul, maio de 2014 Consulta ao Acervo www.ifc-riodosul.edu.br Clique no item Consulta ao Acervo. Pesquisa Geral Na pesquisa

Leia mais

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO Passo a passo do Portal Acadêmico www.catolica-to.edu.br - suporterm@catolica-to.edu.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico

Leia mais

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União. Banco do Brasil S.A. BB

P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União. Banco do Brasil S.A. BB P A R E C E R Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 99901.001114/201-11 Assunto: Recorrente: Órgão ou entidade recorrido (a): Restrição de acesso: Ementa: Recurso contra decisão

Leia mais

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM Portaria n. 012/2010. Estabelece as Normas e Regulamento da Ouvidoria das FAFEM. A Diretora das Faculdades da Fundação de Ensino de Mococa, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLVE: regulamentar

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais REGULAMENTO BIBLIOTECA ALCIDES VIEIRA CARNEIRO FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Dispõe sobre o Funcionamento da Biblioteca da Faculdade CNEC Ilha do Governador. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art.

Leia mais

HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA HOSPITAL SANTA CRUZ MANTENEDORA: APESC PROPOSTA DE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria do Hospital Santa Cruz é um elo de ligação entre seus públicos interno e externo

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE Responsável: Henrique Hideaki Matsutani Cópia Controlada - Revisão 20 de

Leia mais

Gerência de Atendimento

Gerência de Atendimento DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Solicitação e Acompanhamento de Atendimento Gerência de Atendimento João Pessoa - agosto/2011 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 Sumário Apresentação... 3 1.

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Janise Silva Borges da Costa, Beatriz Helena de Souza Cestari, Carla Metzler

Leia mais

MANUAL PARA USO DO CATÁLOGO ON LINE

MANUAL PARA USO DO CATÁLOGO ON LINE MANUAL PARA USO DO CATÁLOGO ON LINE DO ACESSO AO CATÁLOGO DO ACERVO DAS BIBLIOTECAS 1º. Acesse o PORTAL DO ALUNO no site da FIEC/CEPIN (www.fiec.com.br); 2º. Acesse a BIBLIOTECA no PORTAL DO ALUNO; PASSO

Leia mais

SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ

SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ SB-FAJ - Sistema de Bibliotecas da FAJ Normas - O Sistema de Bibliotecas da FAJ - SB-FAJ Faculdade de Jaguariúna, tem como missão dar suporte informacional às atividades educacionais e científicas da Instituição,

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO 22 a 24 de julho de 205 A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES NA PERSPECTIVA DA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Eva Dayane Jesus dos Santos Bibliotecária da Universidade do Estado da Bahia eva@uneb.br Marivaldina

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de julho e agosto/2011 Considerações Em julho e agosto de 2011, a Ouvidoria da UNISC recebeu 96 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 73%

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

Movimentações Online pelo Sistema

Movimentações Online pelo Sistema TOTVS www.unipe.br Movimentações Online pelo Sistema Portal Acadêmico Objetivo O presente manual tem como objetivo orientar os usuários para a utilização das ferramentas de movimentações online da Biblioteca

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS 1. O marketing de relacionamento: (A) Não se relaciona com o endomarketing. (B) Não utiliza ferramentas de CRM (customer relationship management). (C) Pressupõe diálogo entre empresa e cliente, mas a comunicação

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

Apresentação. Julieta Simas Ouvidora do Inmetro

Apresentação. Julieta Simas Ouvidora do Inmetro Apresentação Estamos divulgando o Balanço Gerencial Anual da Ouvidoria Externa do Inmetro, que se destina a demonstrar o desempenho da Instituição, durante o ano de 2005, em comparação ao ano de 2004.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RESUMO PADRONIZAÇÃO DE ATENDIMENTO EM HOTEIS RODRIGUES, Luiz Antonio Junior Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: Junior_fdi@terra.com.br RESUMO Este artigo visa demonstrar

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 2380.00336/201-13 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: R. B. Recurso contra decisão

Leia mais