(RE)CONSTRUINDO ÁGUAS DE SÃO PEDRO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(RE)CONSTRUINDO ÁGUAS DE SÃO PEDRO,"

Transcrição

1 (RE)CONSTRUINDO ÁGUAS DE SÃO PEDRO, 1 uma cidade-jardim Ricardo Trevisan Professor de Arquitetura e Urbanismo da UEG e doutorando da FAU-UnB / École d'architecture Paris-Malaquais. Ricardo Siloto da Silva Professor de Engenharia Civil da UFSCar e doutor em História pela UNESP. Resumo Este artigo apresenta um estudo histórico sobre o planejamento da cidade nova de Águas de São Pedro (São Paulo) e sua relação com os conceitos da garden-city inglesa, elaborados por Ebenezer Howard em fins do século XIX. Historicamente, o início do processo de urbanização do território de Águas de São Pedro situa-se na década de 1930, quando, devido ao intuito de determinados empresários de aproveitar inúmeros poços de águas medicinais existentes na região, ocorreu a instalação do primeiro balneário medicinal e a implantação, em 1939, do plano urbano desenhado pelo engenheiro civil Jorge de Macedo Vieira, defensor da utilização dos conceitos howardianos no projeto da cidade. Assim, esta pesquisa agrega-se a outras que estudam a utilização desta tipologia urbana no Brasil, contribuindo para ampliar os conhecimentos sobre uma escola que se fez presente na história do urbanismo nacional. Palavras-chave: história do urbanismo; cidade-jardim; estância hidromineral de Águas de São Pedro. Abstract This paper presents a historical study about the urban planning of Águas de São Pedro (a new town located in the state of São Paulo) and its relation to the garden-city concepts, elaborated by Ebenezer Howard at the end of XIX Century. Historically, the town planning process begun in Águas de São Pedro s territory during the 1930s, when some lucid businessmen showed the interest to take advantage of the high amount of mineral water sources in the area which served for disease treatment. Later, the place turned into a bathing-town. In 1939, the project about which it is possible to identify major influences from the garden-city movement designed by the urban engineer Jorge de Macedo Vieira, was implemented. This research, therefore, intends to add to other studies related to the use of the garden-city urban typology in Brazil, contributing, thus, to enhance the knowledge about a school that performed an active role in the history of Brazilian urbanism. Keywords: urban history; garden-city concepts; Águas de São Pedro; bathing-town. 7 7

2 7 8 Introdução: um olhar histórico e suas especificidades (Re)Construindo Águas de São Pedro, uma cidade-jardim é um estudo histórico inserido num contexto de relações e interconexões socioculturais, no qual, para uma abrangente leitura do projeto urbanístico de Águas de São Pedro (ASP), procurou-se desvendar seus múltiplos significados. Para essa empreitada, seguiu-se a orientação de Hall (1995), quando afirma que [ ] penetrar no mundo cultural e social em que o mesmo viveu, já desvanecido, e de onde tirou o material essencial às suas percepções, com costumes diferentes e uma visão diferente da condição humana, é investir na tentativa de reconstrução do universo mental que povoava as aspirações desses 'construtores de cidades' do princípio do século. A (re)construção de um objeto a partir de uma investigação histórica das partes que o compõem consiste numa construção analítica provisória nunca definitiva, permeada de riscos dados não-verídicos e realizada sobre um percurso labiríntico de incertezas, segundo Tafuri (1984). Do mesmo modo, deve-se ressaltar que o agente responsável por essa jornada, utilizando-se de um conhecimento interpretativo dos fatos, terá influência direta sobre os resultados obtidos, uma vez que seu repertório e seu universo temporal são únicos. Ainda para Tafuri, o trabalho histórico dá-se num campo de tensões pela busca de respostas para os acontecimentos ( projeto de uma crise ). Essas tensões são geradas pela diversidade e especificidade dos instrumentos utilizados para a desconstrução da realidade captada: disciplinas, técnicas, linguagens, instrumentos analíticos e estruturas de largo período de tempo. A desconstrução, passo a passo, da linearidade e dos dados, dos vestígios e dos sinais existentes a partir desses instrumentos permite ter-se uma nova apreensão acerca do elemento em estudo, entendendo-se que essa apreensão não será nunca a resposta definitiva, pois novas e diferentes leituras poderão ser feitas. Assim, o reconhecimento das incertezas, das lacunas, do distanciamento temporal entre sujeito e objeto de análise, da incapacidade de se obter a verdade universal e definitiva, da insegurança que o trabalho histórico revela possibilita ao investigador não somente criar uma leitura aberta sobre o tema como também incentivar outros agentes a reformular suas concepções, propor novos caminhos de discussão, criticar as argüições elaboradas, enfim estimular a produção de informações sobre o objeto em estudo. Sabe-se que a reconstrução do universo que se fez presente numa determinada época é necessariamente parcial, no entanto ela pode ser feita de modo coerente e relevante, como Thompson (1981) certifica: O conhecimento histórico é, pela sua natureza, (a) provisório e incompleto (mas não, por isso, inverídico), (b) seletivo (mas não, por isso, inverídico), (c) limitado e definido pelas perguntas feitas à evidência (e os conceitos que informam essas perguntas), e, portanto, só 'verdadeiro' dentro do campo assim definido. Consciente dessa pluralidade de significados, das limitações e da fragilidade das estruturas que compõem a pesquisa histórica, da transformação que a história exerce sobre si mesma e da desconstrução que faz sobre o real consolidado, esta pesquisa se debruçou sobre o universo histórico do período de criação da estância hidromineral de ASP, buscando responder a questões que pudessem aproximar-nos ao máximo de sua realidade. Dentre essas indagações, algumas consideradas centrais, instigadoras e delimitadoras do problema de pesquisa são apresentadas a seguir: 1) O que é cidade-jardim? Qual a sua origem, suas características e suas dissonâncias?; 2) Como ocorreu, no Brasil, a

3 incorporação dos princípios e das diretrizes que compuseram a proposta original de cidade-jardim? Qual o contexto econômico, político, social, cultural e urbanístico do período em que isso ocorreu (início do século XX)?; 3) Qual o papel desempenhado pelo engenheiro Jorge de Macedo Vieira nesse processo e como ele recebeu e articulou o conceito de cidade-jardim?; 4) Quais os agentes/sujeitos envolvidos na criação da estância hidromineral de ASP?; e 5) Como foi a utilização do modelo cidade-jardim na estância? Certamente, para a obtenção das respostas às perguntas formuladas, a pesquisa utilizou fontes e métodos, por vezes, não usuais na historiografia clássica. A propósito disso, recorrendo às palavras de Burke (1992): Os maiores problemas para os novos historiadores são certamente aqueles das fontes e dos métodos. Já foi sugerido que quando os historiadores começam a fazer novos tipos de perguntas sobre o passado, para escolher novos objetos de pesquisa, tiveram de buscar novos tipos de fontes, para suplementar os documentos oficiais. Alguns se voltaram para a história oral; outros à evidência das imagens; outros à estatística. Também se provou possível reler alguns tipos de registros oficiais de novas maneiras. [ ] Há também a cultura popular e a cultura material, instrumentos para a leitura da história de uma nova forma. Diferentes objetos, tempos, métodos e fontes permitem a construção de várias histórias história social, história cultural, história material, história das mentalidades, história econômica, história regional e história urbana. Nesse sentido, Mumford (1982) salienta: [ ] situaremos em bases falsas todo problema da natureza da cidade, se procurarmos apenas estruturas permanentes, amontoadas por trás de muralhas. [ ] Se quisermos identificar a cidade, devemos seguir a trilha para trás, partindo das mais completas estruturas e funções urbanas conhecidas, para os seus componentes originários, por mais remotos que se apresentem no tempo, no espaço e na cultura [ ]. Articulando essa multiplicidade histórica como método de desconstrução e de leitura do objeto de estudo e de sua domada reconstrução, o olhar histórico deste ensaio se focou, então, na escolha do recorte temporal. Lepetit (2001) trabalhou a questão temporal para estudos urbanos através de métodos que sobrepunham diferentes genealogias, pertencentes a uma mesma cidade e seu espaço. Essa sobreposição de layers temporais, ancorados num espaço comum, produziria, portanto, uma trama histórica mais próxima do processo de conformação exata sobre a cidade focada. Neste trabalho, porém, esse artifício metodológico se deu de forma diferenciada, pois o objeto empírico apresenta uma distinta particularidade: a marca de um ponto temporal inicial a inauguração da cidade. ASP surgiu como uma cidade nova, em fins dos anos 1930, tendo sua materialidade fixada sobre um espaço até então in natura (ocupado apenas por matas ou fazendas), uma tábula rasa que ganhou forma num único golpe dado por seus empreendedores. Sendo assim, a sobreposição genealógica prevista por Lepetit (2001), nesta pesquisa, foi criteriosamente deslocada no espaço, lançando âncoras a outras regiões de interesse, para que se pudesse alcançar, pela leitura histórica dessas espacialidades, a origem e os motivos que proporcionaram a criação da estância e suas características projetuais. Le Corbusier (1993), quando se referiu à historiografia, em A Carta de Atenas, na década de 1930, ponderou: A história é inscrita nos traçados e nas arquiteturas das cidades. Aquilo que dela subsiste forma o fio condutor que, 7 9

4 juntamente com os textos e os documentos gráficos, permite a representação de imagens sucessivas do passado. Mas o que fazer quando uma cidade não apresenta traçado, quanto mais arquitetura? Que recorte temporal se deve adotar, nesse caso, para uma leitura mais adequada do objeto empírico? Quanto à delimitação do período estudado, a pesquisa se diferencia dos trabalhos históricos que focam cidades constituídas ao longo de décadas, séculos, milênios. Embora uma cidade nova planejada tenha um marco temporal preciso, isso não significa que sua história se inicie somente a partir desse ponto. A cidade sem passado é utópica, mesmo tendo sido gerada num curto espaço de tempo. Sabe-se que, para qualquer nascimento, existe um estágio fetal e os antecedentes que levaram a sua concepção. Declarar que uma cidade não tem passado é restringir-se apenas ao seu aspecto físico, aquilo que se coloca como humanamente visível. Aqui a busca foi além da materialidade física, encontrando na sociedade da virada do século XIX e nas três décadas subseqüentes uma trama de fenômenos que permitiram a montagem de um quadro histórico para a devida análise de ASP. A seguir, as atenções serão direcionadas para as estruturas que conformaram os alicerces de sustentação dessa cidade nova, como também serão pontuados, ao longo do artigo, aspectos que fizeram desse plano urbanístico um exemplar da tipologia urbanística inglesa cidade-jardim, formulada por Ebenezer Howard em A origem de Águas de São Pedro A estância hidromineral de Águas de São Pedro (Figura 1), projetada e construída a partir do final da década de 1930 no interior do estado de São Paulo, tornou-se referência nacional pela sua excelente qualidade de vida (Buchalla, 2000). Fruto capitalista de uma pequena elite, esse balneário atrai turistas de várias partes do Brasil, principalmente provenientes da grande São Paulo, quadruplicando sua população em finais de semana, feriados prolongados e férias escolares. A qualidade terapêutica das águas minerais, que jorram de suas três principais fontes Gioconda, Juventude e Almeida Salles (Figura 2), a paisagem campestre (Figura 3) e a tranqüilidade oferecida no ambiente desse balneário estabelecem os atrativos principais para pessoas que buscam fugir do cotidiano estressante das grandes cidades, revitalizando suas energias. Figura 1. Planta elaborada por Jorge de Macedo Vieira para a estância de ASP na década de Parque municipal com o Grande Hotel (esquerda); loteamento residencial, comércio e serviços, com córrego Bebedouro (centro); e entrada da cidade e parque (direita). 8 0 Fonte: Acervo família Moura Andrade, 2001.

5 Figura 2. Logotipo promocional da Fonte Gioconda. Fonte: SENAC, Figura 3. Vista da estância com Grande Hotel São Pedro em 1º Plano. Fonte: SENAC, Mas nem sempre foi assim. As terras onde esse núcleo urbano se situa configuravam-se, em fins da década de 1920, como vastos campos de plantação de café, a qual, nessa época, já apresentava sinais de enfraquecimento, tanto por problemas na economia de exportação quanto pelo desgaste sofrido pelo solo com esse tipo de produção (Figura 4). Impulsionada pela busca de petróleo, como um dos produtos a substituir o café no contexto econômico nacional, a região do município de São Pedro sofreu as primeiras inspeções, tendo, porém, como resultado apenas a obtenção de águas minerais em grande quantidade (Rodrigues, 1985). 8 1

6 Figura 4. Vista da área escolhida para implantação da futura cidade de ASP: campo devastado pela plantação cafeeira. Fonte: Acervo família Moura Andrade, A idéia de transformar a área desses poços em balneários medicinais e, posteriormente, numa cidade balneária coube a uma sociedade formada por empresários e donos de terras locais, da capital paulista e da cidade de Santos, liderados pelos irmãos Antônio Joaquim de Moura Andrade e Octávio de Moura Andrade. A criação, em 1935, da empresa Águas Sulphídricas e Thermaes de São Pedro S/A por esse restrito grupo representava uma forma de aplicar o grande excedente de capital, gerado no auge da economia cafeeira, em novas oportunidades seguramente rentáveis. Nesse sentido, além de fatores já explicitados (a produção cafeeira desestimulada e a busca por novos produtos para substituí-lo no cenário econômico), outros aspectos apontavam para a consolidação lucrativa do empreendimento. De um lado, a existência de balneários como os de Poços de Caldas e de Araxá, ambos no estado de Minas Gerais, erguidos com finalidades terapêuticas, atraía inúmeros turistas de diversos estados, inclusive de São Paulo, que para lá se dirigiam em busca de lazer e que por lá deixavam suas reservas econômicas em hospedagem, banhos termais, jogos de azar, restaurantes etc. Por outro lado, os incentivos fornecidos pelo governo federal, na época sob o comando de Getúlio Vargas, promoviam a colonização e ocupação do interior brasileiro através da implantação de novas cidades e instigavam a criação de atividades de lazer, como a abertura de cassinos, em todo o território nacional (Neiva, 1942). Portanto, traçado o perfil do empreendimento a partir de bases economicamente viáveis e rentáveis, bastava à empresa colocá-lo em prática. Para a elaboração do projeto urbanístico dessa nova cidade, com fins terapêuticos e recreativos, foi contratado, em 1939, o engenheiro civil Jorge de Macedo Vieira (Figura 5), responsável por planejar loteamentos residenciais nas cidades de São Paulo, Campinas e Atibaia e desenhar cidades novas Maringá e Cianorte no norte do estado do Paraná, todos permeados pelos conceitos do ideário urbanístico inglês de cidade-jardim. Todavia, a criação do balneário também contou com a participação de uma equipe multidisciplinar, a saber: o Escritório Saturnino de Brito (Figura 6) responsável pelo plano de saneamento, o engenheiro civil Luiz Camerlingo (Figura 7) autor do programa projetual da estância e do projeto arquitetônico do Grande Hotel São Pedro, o médico Jorge Aguiar Pupo designado para avaliar as qualidades e potencialidades terapêuticas das águas minerais, e o botânico suíço Julius Borchard autor do projeto paisagístico. Assim, o planejamento urbano agregou, de forma pioneira no país, uma mão-de-obra especializada em diversas áreas, trabalhando em conjunto na construção de uma cidade.

7 Figura 5. Eng. civil Jorge de Macedo Viera, autor do projeto urbano de ASP. Fonte: Arquivo Prefeitura São Paulo. Figura 6. Logotipo do Escritório Saturnino de Brito, responsável pela infra-estrutura de ASP. Fonte: ESB, Figura 7. Eng. civil Luiz Camerlingo, projetista do Grande Hotel. 8 3 Fonte: Jornal CSP.

8 8 4 A cidade-jardim de Ebenezer Howard O ideário garden-city ou cidade-jardim, assim como propostas e modelos urbanísticos datados de fins do século XIX e início do século XX, surgiu como resposta à situação de crescimento autoderrotador na qual cidades dos países industrializados estavam nesse período (Hall, 1995). Os conceitos da garden-city tornaram-se públicos no ano de 1898, com a obra To-morrow: a peaceful path to real reform, do inglês Ebenezer Howard. Os pressupostos howardianos foram aceitos e prontamente colocados em prática. No ano de 1903, ocorreu a primeira concretização do modelo proposto por Howard, por meio da cidade de Letchworth (Inglaterra), elaborada pelos arquitetos Richard Barry Parker e Raymond Unwin. O segundo exemplar foi realizado anos mais tarde, em 1919, com o projeto para Welwyn Garden City (Inglaterra), de Louis de Soissons. O conceito de cidade-jardim não ficou, entretanto, restrito ao campo do urbanismo de cidades novas. Como exemplo, em 1907, Parker e Unwin derivaram a escala de cidade-jardim em subúrbio-jardim (um loteamento residencial com elementos característicos da garden-city) no plano de Hampstead, periferia de Londres (Choay, 1997). Os conceitos inseridos nesse ideário foram amplamente difundidos ao longo do século XX e aplicados em planos urbanos de diversos países, como Bélgica, Alemanha, Rússia, França, Estados Unidos da América, Japão e Brasil. Mas quais características delimitam essa tipologia urbanística, a qual fincou marco na história do urbanismo do século XX, mostrando-se como corrente paralela ao urbanismo racionalista e funcionalista do arquiteto Le Corbusier? A origem do ideário cidade-jardim situa-se na publicação do livro Tomorrow: a peaceful path to real reform (Para o amanhã: um caminho tranqüilo para a reforma autêntica), no ano de 1898, de autoria de Ebenezer Howard. Reeditado em 1902, com o título Garden cities of tomorrow (Cidades-jardins de amanhã), esse documento tornou-se ícone para o urbanismo moderno ao apresentar um novo modelo urbano uma cidade diferenciada em seus aspectos físicos e em sua organização econômica, política e social. Tanto para Hall (1995) como para Beevers (1988), a preocupação de Howard em sua obra estava direcionada mais para os processos sociais do que para os aspectos físicos de sua nova cidade. A falta de conhecimento técnico levou Howard a criar diagramas e esquemas urbanísticos primários, que deveriam ser adaptados conforme o local de implantação da cidade. A atenção maior foi dedicada a temas econômicos e financeiros com os quais o autor argumentava em prol da possível concretização de seu ideal. Em termos gerais, a proposta de Howard surgiu como resposta às exigências peculiares do final do século XIX e foi fundamentada na junção das qualidades existentes no campo com as qualidades existentes na cidade (representada por diagramas [Figura 8]), reaproximando o homem da natureza por meio de reformas (social e da terra), como o próprio autor expõe em sua obra (Howard, 1996): A questão é universalmente considerada como se agora fosse (e assim devesse permanecer para sempre) completamente impossível para os trabalhadores viver no campo e apesar disto dedicar-se a atividades outras que não a agricultura; como se cidades superpovoadas e malsãs fossem a última palavra em ciência econômica e como se fosse necessariamente permanente nossa atual forma de produção, na qual linhas cortantes separam as atividades agrícolas das industriais. Essa

9 falácia é aquela muito comum de ignorar por completo a possibilidade de outras alternativas além daquelas apresentadas à mente. Na verdade, não há somente duas alternativas, como se crê vida urbana ou vida rural. Existe também uma terceira, que assegura a combinação perfeita de todas as vantagens da mais intensa e ativa vida urbana com toda a beleza e os prazeres do campo, na mais perfeita harmonia. Figura 8. Diagrama dos três ímãs de Howard. A possibilidade de unir em um só ímã o que atrai as pessoas para o campo e para a cidade. Fonte: Beevers, A solução dos problemas socioculturais da cidade industrial estaria no retorno do homem ao campo, onde o contato com a natureza seria capaz de manter seu bem-estar físico e moral. Para Ward (1992), Howard acreditava [...] na superioridade da vida rural e encorajava o interesse em preservar o campo inglês das conseqüências do crescimento urbano e industrial descontrolados. [ ] O proletariado das cidades congestionadas, argumentava, precisa urgentemente do contato com a natureza para seu bem-estar moral e físico (tradução livre). Condensando esse ideal, a concepção howardiana apresentou-se como o mais adequado plano de construção do espaço eutópico de Geddes (1994). Longe da cidade gigante vitoriana e de seus problemas poluição, cortiços e especulação imobiliária, Howard propunha cidades de pequena e controlada dimensão, no interior da Inglaterra, habitadas por pessoas vindas da capital ou de outras cidades com as mesmas dificuldades. 2 Para as estruturas do modelo da cidade ideal, o taquígrafo inglês traçou um minucioso plano englobando questões econômicas, políticas e sociais. Nesse 8 5

10 sentido, tratou de temas como a compra e o financiamento das terras e a forma de gerenciamento delas. Para isso, propunha a gestão pelo governo municipal, retirando de cena os proprietários privados e especuladores imobiliários. Tratavase de uma resposta à cidade comercial do século XIX, quando o espaço urbano não era visto como uma instituição pública, e sim como uma aventura comercial privada. A efetiva representatividade da autoridade pública era essencial para o sucesso da forma unificadora e autônoma proposta na sua estrutura urbana (Mumford, 1982). A auto-suficiência da cidade foi outro ponto trabalhado pelo inglês, devendo fundar-se num equilíbrio harmônico entre indústria e agricultura (Benevolo, 1976). Quanto à estrutura física da cidade, a concepção howardiana foi esquematizada também sob a forma de diagramas. O contato mais intenso de Howard com cidades como Londres, Paris, Chicago e Nova Iorque certamente contribuiu para a formulação de seu referencial urbanístico, principalmente quanto à disposição e à dimensão dos espaços. O autor estipulou uma comunidade para 32 mil habitantes unidade experimental, sendo 30 mil, na cidade, e dois mil, no campo, distribuída em uma área total de hectares, cuja parte urbanizada ocuparia uma área central de 400 hectares, pertencendo o restante à zona rural. Entre as funções da zona rural, estaria a de conter a expansão urbana por meio de um cinturão verde formado por parques, bosques e pequenas e médias propriedades agrícolas. Segundo Mumford (1982), Howard reintroduziu no urbanismo o antigo conceito grego de limite natural de crescimento de qualquer organismo ou organização, restabelecendo, ao mesmo tempo, a medida humana da nova imagem da cidade. Além de propriedades voltadas à produção agrícola, que abasteceria os mercados da cidade, a área rural também seria base de instituições relacionadas às doenças, como cegueira, epilepsia, além de internatos, prisões etc. Figura 9. Diagrama n.3 detalhe de 1/6 da cidade-jardim. Do centro para a periferia: os edifícios públicos, o Central Park com a arcada, duas quadras residenciais, avenida central com escola e igreja, duas quadras residenciais, faixa com indústrias e comércio e a ferrovia. 8 6 Fonte: Beevers, 1988.

11 Na área urbana (desenhada em uma circunferência de metros de raio) (Figura 9), todos os espaços foram pensados e alocados para que todos os cidadãos da cidade pudessem deles usufruir sem dificuldade de acesso. Seriam dispostos, do centro para a periferia: o centro público, com os principais edifícios públicos e o parque central; o Palácio de Cristal, uma espécie de mercado coberto para lazer e compra de produtos artesanais; as habitações, construções implantadas em lotes espaçosos e ajardinados; a avenida central com 125 metros de largura, na qual estariam localizadas as escolas e igrejas dos mais variados credos; e, por fim, as instalações industriais e os mercados estariam alocados no anel periférico da cidade, por onde passaria a ferrovia. O transporte ferroviário (uma nova tecnologia da época) foi adotado para facilitar o deslocamento de mercadorias excedentes e a comunicação com as outras cidades. Toda a infraestrutura urbana (abastecimento de água, esgoto, telefone e energia elétrica) foi pensada segundo as tecnologias mais modernas do período, sendo dispostas sob os bulevares que cortariam a cidade. A liberdade do cidadão e sua conduta perante o restante da comunidade configuram-se como outra parte de sua obra. A liberdade de cada habitante da cidade-jardim deveria ser garantida, mas com certa disciplina e coerência (Creese, 1992). Benevolo (1976) resumiu os deveres dos moradores da seguinte maneira: [...] cada um será livre para regular sua própria vida e seus negócios como achar melhor, submetendo-se somente ao regulamento da cidade e recebendo, em troca, os benefícios de uma convivência regulada. Howard também discutiu o futuro das cidades-jardins. A expansão de seu modelo dar-se-ia pela construção de outro exemplar. Os esquemas por ele apresentados configuram uma rede de sete cidades interligadas pela ferrovia, sendo seis cidades menores periféricas (com 32 mil habitantes) e uma central chamada de cidade social (com 58 mil habitantes). Esta centralizaria um número de atividades maior do que as demais, demonstrando, assim, uma hierarquia funcional e de importância entre elas. Em relação à natureza, o plano de Howard solucionaria os males da sociedade capitalista industrial. Esse ponto fez elevar a aceitação de seus valores pelas pessoas na virada do século XIX, dando à natureza o mesmo valor de beleza atribuído às artes (Geddes, 1994). Na proposta de Howard, ¼ da cidade seria ocupado por parques e jardins residenciais, sem contar as vias arborizadas. Os controles paisagísticos adotados nos modelos de cidade-jardim foram amplos: [...] regulamento de cercas, culturas, arvoredo, manutenção de espaços públicos, variações admitidas e não admitidas de construção, ruídos a serem evitados (Benevolo, 1976). Desse modo, Benevolo (1976) elegeu outra maneira de interpretar a cidade howardiana, mais simples e talvez mais justo, deixando de lado a teoria da auto-suficiência e considerando somente o desejo ruskiniano de viver em um ambiente físico mais agradável e repousante, com muito verde e o campo a poucos passos de distância. Apesar das críticas, embasadas ou displicentes, o ideário de Ebenezer Howard criou raízes na urbanística moderna e tornou-se uma forma de habitar a cidade do homem contemporâneo. Sob a perspectiva histórica, a cidade-jardim revelou-se mais realista e frutífera que os demais modelos de sua época (exceto o sucessor modelo de urbanismo funcionalista de Le Corbusier). O modelo de cidade ideal de Howard tomou forma seis anos após a primeira publicação, no projeto da cidade de Letchworth, Inglaterra. Os conceitos de cidade-jardim, portanto, não ficariam somente no campo ideológico. Como previu seu autor, talvez além de sua imaginação, refletiram-se em planos urbanísticos, em diversos países europeus e em países de outros continentes, como Ásia, Oceania e Américas. 8 7

12 8 8 A ressonância dos conceitos de cidade-jardim no Brasil O Brasil, na passagem para o século XX e nas décadas posteriores, estava em plena mudança, assim como a Europa e os Estados Unidos após a Revolução Industrial. Ao buscar assemelhar-se economicamente às transformações que ocorriam nos países industrializados, ou pelas necessidades que a produção cafeeira impunha, o país iniciou um processo mais intenso de urbanização do território. A falta de uma escola própria de urbanismo, decorrente de uma deficiência do período colonial, fez de nossa urbanística uma colagem de modelos externos, porventura adaptados ao contexto local, quando o profissional tinha tal preocupação. Esses modelos alteraram as cidades existentes ou foram aplicados na criação de novas cidades, feitos decorrentes de ações governistas ou de iniciativa do capital privado. Distantes dos pólos de origem portanto sem uma necessidade de seguir à risca os mandamentos estipulados, esses modelos abraçaram o vasto campo de experimentação que o país se tornou, mostrando, em certos momentos, soluções híbridas que resultaram em planos urbanísticos ímpares. Assim, construiu-se o urbanismo moderno brasileiro. Cidades existentes foram reformadas, cidades novas foram construídas sob os olhos de Estados paternalistas ou pela ação especulativa de agentes imobiliários. A segregação social do espaço se fez presente, dando às classes mais abastadas melhores condições de vida, enquanto a massa proletária era empurrada para regiões desqualificadas. O urbanismo moderno brasileiro nascia trazendo consigo as inovações urbanísticas trabalhadas no estrangeiro somadas às mazelas decorrentes da evolução social do país. Leme (1999) expôs que as referências urbanísticas estrangeiras adentraram por nossas fronteiras, repercutindo no desenho e no planejamento urbano nacional, mediante a circulação de idéias que compunham as principais tipologias da época. A maneira como tais transferências e traduções ocorreram nesta parte do hemisfério sul foi justificada pela autora como proveniente: da contratação de técnicos, arquitetos e urbanistas estrangeiros feita por empresas privadas ou pelo próprio governo; dos estudos expostos em congressos; da formação de nossos profissionais em academias além-mar; de viagens realizadas para estudos ou para enriquecimento do repertório profissional; e da divulgação em periódicos e jornais. A assimilação de conceitos importados, dos quais nossos profissionais se apropriaram para criar seu repertório de trabalho, possibilitaram que diversas vertentes urbanísticas (higienismo, city beautiful, company towns, cidade-jardim, cidade funcionalista etc.) ressoassem em planos e intervenções elaborados para nossas cidades na primeira metade do século XX. Dependendo do profissional, essas tipologias recebiam uma contextualização ao serem implementadas, respeitando os princípios originais, contrastando-se com o mero rebatimento das idéias ou apenas do nome para qualificar o espaço urbano. Ao focar este estudo sobre a apreensão do ideário da cidade-jardim pela urbanística nacional (tendo como referências obras como Andrade, 1998; Kawai, 2000; Steinke, 2002; e Wolff, 2001), verifica-se que o modo como esse ideário foi introduzido e o modo como ele se difundiu pela ação de profissionais e empresas privadas, que queriam fazer dele um novo modo de habitar a cidade, ocorreu de forma semelhante às possibilidades descritas acima. Salienta-se que a maneira como tal incorporação ocorreu nem sempre foi condizente com os conceitos elaborados por Ebenezer Howard na sua concepção de cidade ideal. Muitas vezes, sendo aplicados de forma parcial, esses conceitos foram meramente refletidos, deturpando o sentido real pensado em sua criação, dando origem à polissemia do termo cidade-jardim.

13 A variação proposta por Unwin (subúrbio-jardim), juntamente com os interesses de agentes imobiliários urbanos, produziu a descaracterização do modelo original não apenas em relação a seu dimensionamento e funcionalidade como também pela forma de controle social da terra. O arrendamento do solo onde iria ser construído o empreendimento não era mais gerenciado por uma cooperativa de futuros moradores, mas por empresas imobiliárias. A sociabilização do solo da cidade cedeu espaço à comercialização deste. A atratividade que o nome possibilitava a uma obra desse tipo havia por parte dos empreendedores o interesse comum em apropriar-se do nome cidade ou subúrbio-jardim para qualificar positivamente sua obra levava os especuladores da terra urbana a supervalorizarem seus lotes, destinando-os, assim, às classes mais abastadas da população. Porém, alguns profissionais, como o engenheiro civil Jorge de Macedo Vieira, levaram o modelo howardiano às áreas intersticiais das cidades existentes (fundos de vales, encostas íngremes, terrenos alagadiços etc.), dando a essas regiões desvalorizadas o espaço para que classes mais baixas da sociedade pudessem ter acesso a um modo de vida mais digno. Assim, a transição desse ideal ou de suas adaptações (mutações) para a urbanística nacional sofreu influências tanto do contexto como dos atores envolvidos. Dessas interferências, surgiram algumas propostas projetuais que mantinham as premissas defendidas por Howard; outras que criavam uma nova linguagem; e as que desconfiguravam o ideal por completo. Embora os meios disponíveis na época não permitissem uma interação mais rápida entre profissionais e novas propostas conceituais, dados revelam que a aplicação dos conceitos de cidade-jardim em planos urbanos nacionais data de 1915, doze anos após a construção da primeira cidade-jardim Letchworth e quatro anos antes da construção da segunda cidade Welwyn Garden City, na Inglaterra. Com as informações obtidas ao longo da pesquisa, foi possível encontrarem-se dois pontos marcantes que possibilitaram aos nossos profissionais tomarem conhecimento dos conceitos howardianos. Em ordem cronológica, o primeiro momento data do ano de 1915, quando a City of São Paulo Improvements and Freehold Land Company Limited contratou o escritório dos arquitetos ingleses Raymond Unwin e Richard Barry Parker para elaborarem o projeto do bairro Jardim América na capital paulista. O segundo momento está relacionado à vinda do urbanista francês Donat Alfred Agache ao Rio de Janeiro, em 1927, o qual, em palestras conferidas nessa cidade, expôs os conceitos elaborados por Howard para diversos profissionais e meios de comunicação impressa, acarretando uma proliferação desse ideal por diversos estados do país. Ao direcionarem-se as atenções para as cidades novas, estas se transformaram num campo propício para inserção dos mais variados modelos. Mais do que uma forma de expansão urbana (visto que as cidades no Brasil ainda não apresentavam as mesmas dimensões que as capitais européias), esse processo se configurou como meio de transferir ou conduzir mão-de-obra de áreas econômica ou politicamente desestabilizadas (Nordeste, Minas Gerais ou países europeus e asiáticos em crise) para regiões onde esta se fazia necessária, como as lavouras cafeeiras do interior de São Paulo e Paraná. A criação de cidades novas como controle da expansão da cidade industrial conforme proposto por Howard em seus diagramas ou como subsídio ao desenvolvimento econômico e proteção das divisas fronteiriças no caso brasileiro julgou-se serem formas semelhantes de urbanização do território. Dessas intenções ou execuções, tidas por alguns teóricos como ações anti-urbanísticas, o resultado final apresentava-se como o surgimento de uma rede urbana densa e compacta composta de cidades de médio e pequeno porte (e.g., o noroeste do estado de São Paulo e o norte do Paraná). 8 9

14 Sendo as cidades novas criadas para atender funções diferentes (administrativa, de colonização, recreativa, relocação etc.) e incentivadas pelos interesses do poder público, cada uma delas destacou a aproximação com um dos ideários urbanísticos em voga. Essa aproximação se dava pela interação entre as necessidades funcionais pré-estabelecidas e os conceitos ditados em cada tipologia. Em alguns exemplares se pode verificar o urbanismo culturalista característico do modelo cidade-jardim: na reformulação do plano de Attílio Corrêa Lima para Goiânia, elaborado por Armando Augusto de Godoy (1941); nos planos de Maringá (1945) e Cianorte (1955), de Jorge de Macedo Vieira; ou mesmo no projeto de Lúcio Costa para Brasília (1957). No caso da cidade nova de ASP, sua função direcionada ao recreio e à reabilitação da saúde dotou o balneário de um plano singular e pioneiro, 3 realizado pelo engenheiro Vieira em 1939, como se verá a seguir. A cidade-jardim no projeto de Águas de São Pedro ASP caracterizou-se como pertencente à rede de cidades novas voltadas para o turismo, direcionadas a uma função específica. Geradas no entorno de atrativos naturais, esses núcleos eram destinados à reabilitação física e mental do homem moderno, oferecendo-lhe condições e atrativos para recreação e tratamento médico, bem como uma fuga temporária dos males da cidade grande (Figura 10). Figura 10. Área de lazer (piscina) do Grande Hotel São Pedro. Fonte: Acervo família Moura Andrade, Assim, essas estâncias em muito se aproximaram dos conceitos howardianos ao tentar unir as qualidades da cidade com as qualidades do campo. Prover a cidade nova com elementos trazidos da cidade industrial (os avanços tecnológicos, o conforto, os meios de transporte, as formas de entretenimento etc.) além dos recursos naturais presentes nessas áreas (a tranqüilidade, o sossego, a liberdade, a natureza etc.) foi a fórmula encontrada pelos empreendedores da estância para garantir seu sucesso, e, com isso, o retorno dos investimentos aplicados. ASP, no entanto, não apresentou apenas essa conexão com o ideário da garden-city. Tanto na biografia de Howard como na dos irmãos Moura Andrade, o desejo de conquistar um mundo novo se fez presente. Howard, ao mudar-se para os Estados Unidos, adquirindo terras nas pradarias americanas, tomou contato

15 com os incentivos dados pelo Estado norte-americano para ocupação do território. O mesmo ocorreu com os bandeirantes modernos (os irmãos Moura Andrade), que, após lucrativos anos trabalhando no comércio cafeeiro, decidiram aplicar capital na compra de terras virgens no oeste do estado de São Paulo. Esse espírito aventureiro e desbravador, em ambos os casos, possibilitou a aquisição de um repertório significativo de idéias e planos, aplicado, posteriormente, na elaboração de projetos urbanos: a cidade-jardim, para Howard, e as cidades novas de Andradina e Águas de São Pedro, para os irmãos Moura Andrade. Figura 11. Implantação do traçado urbano. Fábrica e balneário em construção às margens do bulevar central. Fonte: Acervo família Moura Andrade, Figura 12. Implantação do traçado urbano. Vias residenciais se adaptam à topografia irregular. 9 1 Fonte: Acervo família Moura Andrade, 2001.

16 Figura 13. Traçado urbano da cidade nova de Andradina (SP). Quadricula adotada por sua facilidade e rapidez de implantação. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. Figura 14. Traçado urbano da cidade nova de ASP. Malha sinuosa adotada segundo a geomorfologia local e atendimento às necessidades de lazer e ócio. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. 9 2 Na estância, o projeto urbano idealizado por Vieira em muito se assemelhou aos princípios howardianos ou com os primeiros exemplares de cidade-jardim. A fase de reconhecimento da área demonstrou isso. Por meio de tomada das curvas de nível sobre o terreno irregular e do levantamento dos principais aspectos locais (visuais, elementos naturais, formas de chegar à cidade, condições climáticas etc.), o engenheiro teve em mãos informações necessárias para projetar um plano coerente com o espírito do lugar (genius loci), como bem defendia Camillo Sitte (1992) em sua cidade artística (uma das referências de Ebenezer Howard).

17 A adequação do plano à topografia local, colocada em prática por Barry Parker tanto na Inglaterra (Letchworth) como no Brasil (bairro do Pacaembu, e.g.), foi similarmente trabalhada pelo engenheiro brasileiro em ASP. Esse projeto, podendo ser, comparativamente, considerado um referencial dentre os existentes, regulou-se à geomorfologia da área escolhida, que possibilitou ao autor tirar partido de ruas curvas e sinuosas e, consecutivamente, do caráter bucólico e pitoresco que essa tipologia viária proporcionava (Figura 15). Figura 15. Caráter bucólico e pitoresco dos espaços públicos. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. Fisicamente, outras características apresentaram-se como condizentes com os preceitos howardianos defendidos para a cidade-jardim. A inserção da estância numa gleba rural destacada do município de São Pedro, por um lado, impediu que houvesse uma expansão desmesurada de seus limites, por outro resultou na formação de um cinturão verde, cercando a cidade e dotando-a de um horizonte campestre. Metaforicamente, a linha de contorno (linha férrea) proposta por Howard, circundando sua cidade, fez-se espelhar no partido para Águas, pela inclusão de uma via expressa para veículos (o meio de transporte em voga na época), implantada sobre o espigão que envolvia a bacia do córrego Bebedouro e o loteamento construído (Figura 16). Área rural e área urbana definidamente separadas, porém contínuas em virtude da vegetação presente em ambas. Figura 16. Linha em cinza claro: delimitação do município de ASP, marcado por uma via de contorno. 9 3 Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan.

18 Figura 17. Linha escura: parques de ASP, que, somados a praças e park-way, proporcionam 70% de área verde à cidade. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. Enquanto a porcentagem prevista no programa inglês delineava ¼ da área total destinada a áreas verdes, no projeto nacional esse número saltou para quase 70% (Figura 17). Mais que um jardim dentro da cidade, o plano de Vieira se caracterizou como uma cidade dentro de um imenso jardim. Parques, praças, esquinas e calçadas ajardinados, áreas de proteção de mananciais, matas ciliares, jardins particulares etc. assumiram o compromisso de dar à cidade do lazer e da saúde o verde de que ela necessitaria. Além de um ambiente direcionado a práticas sociais, interagindo, de certa forma, com as pessoas da comunidade, esses locais permitiram a constituição de um microclima especial para a região. Ocupando uma área urbana de 282 hectares (cidade-jardim de Howard: prevista para 400 hectares), a estância teria uma população de 10 mil habitantes (cidade-jardim de Howard: prevista para 32 mil habitantes) e um adensamento baixo, com 282 m² de área para cada habitante (cidade-jardim de Howard: 114 m² para cada habitante). Tendo aproximadamente 3,5 km de extensão ao longo do córrego Bebedouro (cidade-jardim de Howard: sua circunferência teria 2,26 km de diâmetro), o centro dessa cidade (zona comercial e local de acesso aos principais equipamentos) poderia ser alcançado por qualquer habitante numa simples caminhada a pé. Tanto Howard como Vieira dispuseram de nomes de projetos norteamericanos, em especial daqueles realizados pelo paisagista Frederick Law Olmsted, para denominar certos locais de suas cidades como: Central Park (projeto de Olmsted para Nova Iorque) ou park-way (projeto do norte-americano para Chicago). A park-way, com seus 100 metros de largura (cidade-jardim de Howard: Avenida Central com 125 metros de largura), juntamente com o bulevar, formariam a linha divisória e o espelhamento da cidade em duas partes, uma em cada margem do córrego Bebedouro (Figura 18). 9 2

19 Figura 18. Park-way: via de entrada da cidade de ASP, centralizada por uma área verde e pelo córrego Bebedouro. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. Figura 19. Bulevar central: agrega edifícios comerciais, de serviços e institucionais. Fonte: Arquivo pessoal de Ricardo Trevisan. No bulevar, delimitado por duas rotatórias e caracterizando-se como centro geográfico da estância, foi alocada a pequena zona comercial e a única indústria da cidade (Figura 19) (cidade-jardim de Howard: o centro de sua cidade disposta de forma circular abrigaria os principais edifícios públicos, o parque central e o Palácio de Cristal, uma espécie de mercado coberto para lazer e compra de produtos artesanais). O restante do terreno foi destinado a áreas verdes ou aos amplos lotes residenciais de 600 m², abrigando, no máximo, duas casas geminadas (tanto em Letchworth como em Welwyn Garden City foram encontradas até cinco moradias numa única construção, cercada por amplos jardins). Esse zoneamento funcional e o modo de ocupação do solo urbano foram meios encontrados tanto pelo taquígrafo inglês como pelo engenheiro civil de disciplinar a organização da cidade e ter controle sobre essa organização. Incluise, ainda, no caso de ASP, a produção de habitações para operários como um instrumento regulador de suas vidas (Figuras 20 e 21). Figura 20. Vila Bela em ASP. Casas para os trabalhadores do Grande Hotel e do Balneário, construídas pela empresa Águas Sulphídricas e Thermaes de São Pedro S/A. 9 5 Fonte: Jornal CSP.

20 Figura 21. Vila Operária em ASP. Casas fornecidas aos trabalhadores instrumento de controle social. Fonte: Jornal CSP. As novidades tecnológicas da época também estavam presentes nas duas propostas. As inovações ocorridas nos setores de infra-estrutura (comunicação, saneamento, energia elétrica etc.) foram adotadas de modo a oferecer uma cidade moderna independente de esta situar-se fora do centro ativo da economia. Do mesmo modo, os meios de transporte mais avançados de cada época estavam devidamente inseridos, como o trem para a cidade de fins do século XIX ou o veículo automotivo e o avião para a cidade da década de 1930 (Figuras 22 e 23). Figura 22. Estrada de acesso à ASP, com pavimentação. Fonte: Jornal CSP. Figura 23. Inauguração do aeroporto de ASP. 9 6 Fonte: Jornal CSP.

21 Se o estressado habitante da cidade industrial inglesa poderia pegar um trem e mudar-se para Letchworth ou Welwyn Garden City, um burguês brasileiro poderia desfrutar de seu tempo livre ou buscar a recuperação de sua saúde debilitada viajando de carro ou de avião para Águas de São Pedro. Colocava-se a natureza, em ambos os casos, como forma de resgate das necessidades físicas e mentais, corrompidas pelo modo alienante que a máquina havia introduzido na vida das pessoas (Figuras 24 e 25). Figura 24. Vista do bulevar central de ASP. Espaço para footing diário. Fonte: Jornal CSP. Figura 25. Vista do Balneário e do Parque Municipal. Equipamentos para o lazer e o ócio. Fonte: Jornal CSP. Além do diferenciado modo de arrendamento da terra urbana, a estância se distanciou do conceito howardiano de auto-sustentabilidade. Para Howard, toda cidade-jardim deveria ser auto-sustentável e, somente em casos de excedentes na produção, estes poderiam ser trocados ou vendidos para outros núcleos. No caso de ASP, tal procedimento seria inviável, uma vez que suas funções restringiram-se às atividades de lazer e de saúde. Por não apresentar área rural suficiente (as antigas produções agrícolas destinavam-se ao abastecimento exclusivo do Grande Hotel), a economia da estância ficou baseada somente na exploração dos serviços de lazer ou de tratamento de enfermidades. Tudo que era necessário para o consumo da comunidade era importado de outros municípios ou regiões. Sendo assim, esta pesquisa revelou que, mesmo apresentando lacunas em relação ao ideário da garden-city inglesa, a estância hidromineral de ASP se 9 7

22 constitui em um exemplar singular e pioneiro desse movimento na urbanística moderna brasileira. A incorporação de conceitos dessa tipologia, de modo direto ou indireto, no planejamento urbano do balneário foi devidamente contextualizada, revelando um modelo de cidade por vezes melhor solucionado do que seus exemplares originais. A ação de profissionais especializados, a possibilidade fornecida por seus empreendedores (questionando-se suas reais intenções) e os resultados obtidos mostram-nos como uma cidade pôde cristalizar-se num ambiente receptivo e qualificado para seus habitantes e seus visitantes dele usufruírem, naquele ou em períodos posteriores. Considerações Finais O jogo puzzle pode ser considerado como um processo de ordenamento dos fragmentos de uma única imagem, dispersos aleatoriamente no espaço. Para construir essa imagem, o jogador deverá passar por uma longa fase de tentativas (erros e acertos), em que a perplexidade, a multiplicidade e a similaridade entre as peças dificultarão seu objetivo. Conforme passa o tempo, o jogador estabelece um entendimento maior sobre sua figura, tornando-se suas ações cada vez mais rápidas e certeiras. Ao final, a imagem se faz presente integralmente, revelando, além de sua totalidade, os detalhes camuflados pela desintegração inicial. Pensando-se a historiografia como o ato de construir a imagem ou o significado de determinado objeto a partir de fragmentos soltos no tempo e no espaço, é possível aproximá-la da fórmula do puzzle. As peças desse jogo assumem o caráter de fatos, dados e relatos que são disponibilizados através de pesquisas, análises e levantamentos. O jogador se transforma em historiador, pesquisador ou estudioso. Diferente da racionalidade colocada no quebra-cabeça, com número exato de peças e local específico para cada uma delas, a historiografia, entretanto, se depara com as incertezas, as variações, as imprecisões impostas pelo tempo. Nos estudos históricos, um mesmo objeto pode ser construído através de várias versões, como Tafuri (1984) pontuou na introdução de seu livro. A multiplicidade de fatos acolhidos por um intérprete pode ser agrupada conforme o repertório individual e o contexto (espacial e temporal) onde este se situa. Cada intérprete será responsável pela criação de um objeto único, porém efêmero, pois será reformulado pelas variações temporais, pelo acréscimo de peças recémdescobertas e pelas diferentes manipulações realizadas por outros agentes. Sendo assim, a diversidade de resultados proporcionará uma construção historiográfica, que, com sobreposições e contraposições, tende a enriquecer a apreensão e construção de um mesmo objeto. Desse modo, esta pesquisa procurou contribuir para a historiografia do urbanismo brasileiro, ao se somar a outras pesquisas que focam os temas aqui apresentados. Com o objetivo central de analisar a incorporação do ideário da garden-city inglesa na urbanística moderna brasileira pelo estudo do planejamento urbano para a estância hidromineral de ASP, este trabalho foi buscar, num campo mais amplo, elementos sobre o contexto desse empreendimento, juntando as peças necessárias para a construção dessa versão de um quebra-cabeça provisório. A manipulação da documentação levantada, embora tenha sistematizado determinado número de peças, pode ter deixado outras de fora, as quais, num novo desdobramento, poderão ser encaixadas dando ao objeto analisado uma nova configuração. 9 8

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, Brazilian version of the garden suburb neighbourhood TITO FLÁVIO RODRIGUES DE AGUIAR Arquiteto. Doutorando em História, UFMG Resenha

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

José Elias, 141. Conceito:

José Elias, 141. Conceito: Conceito: menu No meio do jardim tem um escritório. Na beira da janela, uma floreira. Na alma,inspiração. Nasce no ponto mais valorizado do Alto da Lapa o único projeto comercial que leva o verde para

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma EIXO : INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento com opções de lazer projeto Blumenau 2050 prevê uma série de obras para alavancar o desenvol- O vimento econômico, o turismo e o lazer na cidade.

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 EMPREENDIMENTOS DE USO MISTO Profa.Dra.Eliane Monetti Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Empreendimentos de uso misto

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Sítio Internacional sobre a Revitalização de Centros Históricos de Cidades da América Latina e do Caribe

Sítio Internacional sobre a Revitalização de Centros Históricos de Cidades da América Latina e do Caribe O Glossário SIRCHAL é um trabalho pertencente ao quadro de orientações estratégicas da UNESCO sobre patrimônio cultural, em relação a planejamento urbano e arquitetura, a partir do qual se originou o Projeto

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias.

Palavras-chave: Turismo Rural; Turismo Alternativo; Atividades Agropecuárias. Turismo Rural: Teoria x Prática 1 Patrícia Fino 2 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Resumo A busca do homem contemporâneo por locais naturais e autênticos em seu tempo livre é crescente. O interesse

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA

CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA São Paulo - SP, abril de 2009 IDEALIZAÇÃO DA PROPOSTA: CONDOMINIO URBANO DE SANTA IFIGÊNIA Responsável: E. P. Bichara Dabaghie Consultores: Edno Araujo de Oliveira George Washington Texeira António M.

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO localização estratégica, infraestrutura e segurança para seu negócio. IMAGEM AÉREA DO LOCAL/202. DRAMATIZAÇÃO DA ÁREA DO LOTEAMENTO. 750m 2 Perspectiva

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

Jardins urbanos suspensos

Jardins urbanos suspensos Jardins urbanos suspensos Retirado do site: Mercado Ético - 16/06/2011 12:22:58 Seu nome é Jardins de Cristal (Crystal Gardens), uma referência direta à interessante combinação de vidro e verde. Mas os

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA AVENIDA GUARARAPES RECIFE/PE Vista panorâmica da avenida Guararapes em 1950. Fonte : MORAES, José 2004. Recife MAIO/ 2010. FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA INTRODUÇÃO A Avenida Guararapes, objeto de

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS Nayane Cristina Costa Silva 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS

MARÇO DE 2010 JORGE WILHEIM PLANOS URBANÍSTICOS MARÇO DE 2010 QUADRO HABITACIONAL DAS METRÓ- POLES PAULISTAS São Paulo. Cliente: Emplasa - Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano SA 2009 Consultoria compreendendo a compartimentação espacial georeferenciada

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 13. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Área de atuação O curso pretende formar o arquiteto pleno, capacitado a atuar nos diversos âmbitos

Leia mais

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO

3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Vítor Oliveira 3. AGENTES E PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO Aulas de Morfologia Urbana Agentes e processos de transformação 1. Agentes responsáveis pela transformação urbana 2. Processos de transformação urbana

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960

Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Imagens Modernistas no Urbanismo de Porto Alegre 1950-1960 Resumo Esse trabalho enfoca o período da história da cidade de Porto Alegre no qual as idéias modernistas se difundiram nos meios técnico, acadêmico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.951 A ATIVIDADE TURÍSTICA E O SEGMENTO DE EVENTOS. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO GRAÇAS À COPA

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas

Recreio dos Bandeirantes. Fotos Ilustrativas Praia, sol e mar inspirando seus negócios e suas férias. No Heritage você terá um belíssimo cartão postal na sua janela e serviços de primeira classe ao seu alcance. Ande descalço, sinta a leveza do mar,

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDOS ATITUDINAIS II. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS III. CONTEÚDOS CONCEITUAIS 1. AS TRANSFORMAÇÕES DA VILA MADALENA Da vila

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES

PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES PLANEJAMENTO PARA A VITALIDADE DAS CIDADES MARANGONI FILHO, Mário Faculdade Municipal Professor Franco Motoro (FMPFM) mariomarangoni@uol.com.br RESUMO: O presente artigo abrange o estudo das propostas

Leia mais