Implementação do Sistema de Gestão Ambiental no Centro e Gestão de Tratamento de Resíduos Químicos UFRGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação do Sistema de Gestão Ambiental no Centro e Gestão de Tratamento de Resíduos Químicos UFRGS"

Transcrição

1 Implementação do Sistema de Gestão Ambiental no Centro e Gestão de Tratamento de Resíduos Químicos UFRGS Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo, Doutorando em Saneamento Ambiental IPH/UFRGS, Professor Adjunto do Dep. de Eng. Mecânica da UFRGS, Coordenador do Sistema de Gestão Ambiental da UFRGS Av. Paulo Gama, andar Prédio da Reitoria Campus Centro CEP Porto Alegre, RS BRASIL Telefone: (55) (51) Fax: (51) Maria do Carmo Ruaro Peralba Diretora do CGTRQ/IQ/UFRGS, Professora Adjunto do Dep. de Química Inorgânica Av. Bento Gonçalves, 9500 Caixa Postal CEP Porto Alegre, RS BRASIL Telefone: (55) (51) Fax: (51) Régis Antonio Konzen Heitling Químico com ênfase Tecnológica Chefe da Divisão Técnica do CGTRQ/IQ/UFRGS Av. Bento Gonçalves, 9500 Caixa Postal CEP Porto Alegre, RS BRASIL Telefone: (55) (51) Fax: (51) Cláudia Leites Luchese Acadêmica do curso de Engenharia Química, Bolsista de Gestão Ambiental, da UFRGS Av. Bento Gonçalves, 9500 Caixa Postal CEP Porto Alegre, RS BRASIL Telefone: (55) (51) Fax: (51)

2 Implementação do Sistema de Gestão Ambiental no Centro e Gestão de Tratamento de Resíduos Químicos UFRGS RESUMO A Universidade tem a importante missão de formar profissionais de alto nível profissional associado ao comprometimento da qualidade ambiental. Desta forma, cada vez se empenha em amenizar impactos ambientais que possam vir a causar danos ao meio ambiente. Diante disso, este trabalho teve por objetivo efetuar levantamentos sobre os aspectos e impactos ambientais encontrados no Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos, Órgão Auxiliar do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, onde através de um Sistema de Gestão Ambiental SGA, passou a melhor identificar e destacar com a utilização do FMEA (Failure Mode and Effects Analysis), os riscos ambientais a serem atacados com ordem de prioridade. Com a intenção de priorizar os mesmos, utilizou-se o FMEA conforme proposto por Andrade (2000) com pequenas alterações, visando sua aplicação à realidade da Universidade. Os resultados obtidos com a aplicação da ferramenta apresentaram como principal ação recomendada investir em melhorias e equipamentos apropriados, além de ressaltar a falta de comprometimento das geradoras do resíduo químico. ABSTRACT The university has the important mission of forming high level professionals as well as being committed to the environmental quality. Therefore, a crescent effort has been made in order to minimize environmental impacts. The present work aimed to point out environmental impacts found in the Center for Management and Treatment of Chemical Residues of the Institute of Chemistry Universidade Federal do Rio Grande do Sul, were the Environmental Management System, through the use of a Failure Mode and Effects Analysis (FMEA) is leading to a better identification of the environmental hazards and to the establishment of a priority to solve them. In order to establish the priority the FMEA was adapted from that proposed by Andrade (2000) taking into account the university reality. The results obtained by the use of that tool showed that the main action to be taken was to invest in adequate equipments and improvements, besides pointing out the lack of commitment of those responsible for generating chemical residues. 1. INTRODUÇÃO A gestão ambiental designa ações em determinados espaços que enfatizam os aspectos ambientais. Quando voltada para organizações pode ser definida como sendo um conjunto de políticas, programas e práticas administrativas e operacionais que levam em conta a saúde e a e a proteção do meio ambiente, através da eliminação ou minimização de impactos ambientais e danos ambientais decorrentes do planejamento, implantação, operação, ampliação, re-alocação ou desativação de empreendimentos ou atividades. O objetivo maior da Gestão Ambiental deve ser a busca permanente da melhoria da qualidade ambiental dos serviços, produtos e ambiente de trabalho, de qualquer organização 1

3 pública ou privada. Essa busca é, portanto, um processo de aprimoramento constante do SGA de acordo com a Política Ambiental proposta pela alta direção e avalizada pela organização. A implementação do SGA é fundamental para o desenvolvimento da Política Ambiental, pois atua como ferramenta para estabelecer práticas e procedimentos apropriados em direção à meta do desenvolvimento sustentável, e faz parte de um esforço integrado e contínuo de toda organização, na busca pela excelência ambiental. A escolha do FMEA como ferramenta foi feita em função da priorização que ela possibilita através da aplicação de índices de criticidade, os quais agregam valores para que possam ser avaliados os maiores riscos ambientais associados às facilidades de implementar ações corretivas. Com base nestas idéias implementamos o SGA no CGTRQ da UFRGS, utilizando a ferramenta do FMEA. 2. METODOLOGIA Com base no trabalho de Andrade (2000) que analisa a aplicação de uma ferramenta já existente para Análise de Falha e seus Efeitos (FMEA), realizamos algumas melhorias na proposta e buscamos implementação do SGA, através dos passos que seguem: 1. Definição dos ambientes há serem considerados. 2. Visitas e estudos coletivos para levantamento e identificação dos aspectos e impactos ambientais apresentados pelo CGTRQ. 3. Identificação do espaço a ser analisado. 4. Discussão e elaboração de itens explicativos que fixam os índices de criticidade. 5. Identificação das causas dos aspectos/ impactos ambientais (identificam-se as causas potenciais geradoras de aspectos/ impactos ambientais). 6. Identificação dos controles atuais de detecção das falhas ou causas. 7. Desenvolvimento dos Planos de Ações (Ações Recomendadas: são estipuladas ações de prevenção ou correção a serem tomadas a fim de sanar ou conter aspectos e impactos ambientais). 8. Atribuição dos valores índices de criticidade Gravidade do impacto Avalia a gravidade de um impacto ambiental de um modo potencial de falha ao meio ambiente, que é estimado de 1 a 10 conforme a Tabela 1 abaixo: Tabela 1 Diretrizes para classificar o índice de gravidade do impacto. 1-2 Dificilmente será visível. Muito baixa para ocasionar um impacto no meio ambiente. 3-4 Não-conformidade com a política de Gestão Ambiental da Universidade. Impacto baixo ou muito baixo sobre o meio ambiente. 5-6 Não-conformidade com os requisitos legais e normativos. Potencial de prejuízo moderado ao meio ambiente. 7-8 Sérios prejuízos a saúde das diretamente envolvidas com as tarefas Sérios riscos ao meio ambiente Ocorrência da causa Trata-se da probabilidade de ocorrência de uma especifica causa/mecanismo, conforme a Tabela 2 abaixo na escala de 1 a 10. Tabela 2 Diretrizes para classificar o índice de ocorrência da causa. 2

4 1-2 Remota É altamente improvável que ocorra. 3-4 Baixo Baixa probabilidade de ocorrer em 1 semestre. 5-6 Moderado Razoável probabilidade de ocorrência em 1 semestre. 7-8 Alto Ocorre com regularidade mais de uma vez por semestre Muito Alto Grande possibilidade de ocorrer cada vez que executada a tarefa Grau de detecção Estabelece em uma escala de 1 a 10 a relação entre a detecção e a solução de uma ocorrência conforme a Tabela 3 abaixo. Tabela 3 Diretrizes para classificar o grau de detecção. 1 Detecção rápida e solução rápida. 2 Detecção rápida e solução a médio prazo. 3 Detecção a médio prazo e solução rápida. 4 Detecção rápida e solução a longo prazo. 5 Detecção a médio prazo e solução a médio prazo. 6 Detecção a longo prazo e solução rápida. 7 Detecção a médio prazo e solução a longo prazo. 8 Detecção a longo prazo e solução a médio prazo. 9 Detecção a longo prazo e solução a longo prazo. 10 Sem detecção e/ ou sem solução Facilidade de implantação da ação recomendada Relaciona numa escala de 1 a 10 os custos, o número de envolvidas e o tempo gasto para a aplicação do plano de ação conforme a Tabela 4 abaixo. Tabela 4 Diretrizes para classificar a facilidade de implantação da ação recomendada. Custo Número de Tempo 1 Não existe tecnologia ou o custo da mesma é inviável. 2 Alto Todas Alto 3 Alto Apenas envolvidas com a tarefa. Alto 4 Alto Todas Baixo 5 Alto Apenas envolvidas com a tarefa. Baixo 6 Baixo Todas Alto 7 Baixo Apenas envolvidas com a tarefa. Alto 8 Baixo Todas Baixo 9 Baixo Apenas envolvidas com a tarefa. Baixo 10 Mínimo custo ou custo benefício de retorno imediato Determinação do Índice de Risco Ambiental (IRA) 3

5 Este índice é obtido pela simples multiplicação dos valores estimados para cada um dos 4 índices anteriores, fornecendo uma escala hierarquizada para cada aspecto / impacto analisado, variando de 1 a Foram destacados como itens de prioridade para implantação do plano de ações aqueles que possuíam IRA mais alto, seguindo uma ordem decrescente de prioridade. Para continuação do trabalho as próximas etapas há serem seguidas são: a) Detalhamento do Plano de Ações (através dos itens que apresentaram maior criticidade, o plano de ação será detalhado). b) Aplicação do Plano de Ações. c) Revisão do Plano de Ações (melhoria contínua). A partir da aplicação do Plano de Ação, deverão ser recalculados os índices de criticidade, analisando os efeitos da aplicação, logo corrigidos os planos que não obtiverem alterações significativas. Os que conseguirem ser efetivos pela aplicação da própria ferramenta terão seu índice reduzido, passando então a agir nos itens conforme a nova escala de criticidade, obtendo de tal forma a melhoria contínua. 4

6 Tabela 5 - Análise de impacto ambiental no CGTRQ Aspecto 1.3 Limpeza do setor 1.4 Água imprópria para consumo 1.5 Insumos de processos 1.6 Uso de papel, digitação, etc Banheiros 2. Armazenamento de resíduos químicos na unidade geradora dos resíduos 3. Transporte dos resíduos até o CGTRQ 4. Recebimento de resíduos químicos 5. Entrega de embalagens vazias Impacto Ambiental Sujeira e poluição visual da saúde das Possíveis danos à saúde da oferta de energia e recursos naturais Geração de resíduos Aspecto visual e comprometimento da saúde Gravidade de Impacto Ocorrência da Causa 5 Grau de Detecção Facilidade de Implantação da Ação Recomendada IRA Instalação de filtro Plano de Ação Contratação de pessoal específico para realizar a limpeza Instalação de coifas com exaustão interligadas num lavador de gases Conscientização e informação Conscientização e informação constante Investir em conscientização e reeducação. Implantar um limite para quantidade de entrega diária dos resíduos químicos, impedindo que haja acúmulo de resíduos químicos. Não aceitar rótulos com informações erradas e /ou imprecisas. Construção de um site e/ou cartilhas, explicativos e esclarecedores Investir em conscientização e reeducação. Divulgação das regras através de um site explicativo e folders esclarecedores Manutenção, projeto para melhorias e treinamentos Manutenção, estudo para melhorias, conscientização e reeducação

7 6. Caracterização dos resíduos químicos (avaliação) 7. Pré-tratamento : Casa de Manipulação de Resíduos químicos 8. Armazenamento provisório dos resíduos químicos 9. Tratamento dos resíduos químicos no CGTRQ 9.1 Descontaminação de embalagens 9.2 Recuperação de solventes orgânicos dos recursos passíveis de purificação (destilação) naturais Conscientização e reeducação, treinamento e maior comprometimento pelo professor responsável e pelo gerador do resíduo químico Uso de equipamentos específicos para a realização dessa tarefa Projeto de melhoria e implantação de novas colunas de destilação. Maior freqüência de envio dos resíduos químicos aos seus locais de destino mais apropriados, minimizando os riscos. Área coberta para armazenagem dos resíduos recicláveis (MPR). Manutenção, reparos, melhoria dos equipamentos e requisição de serviços. Permanecer dentro das especificações adequadas e legais permitidas. Isolar a área de trabalho do CGTRQ da mata ciliar que o circunda, impedindo assim o alastramento de possíveis conseqüências do trabalho realizado em tratamento dos resíduos químicos Projeto para melhorias de local, instalações, equipamentos, métodos, reuso de água Permanecer sempre dentro das especificações legais Total do IRA

8 3. RESULTADOS A Tabela 5, apresenta um resumo da análise de impacto ambiental no CGTRQ. Com a aplicação do FMEA obteve-se a priorização dos aspectos e impactos ambientais, que foram quantificados através do IRA, que representa não só os maiores riscos ambientais como também associa as facilidades de implementar uma ação corretiva de modo a obter uma maior efetividade. Através da análise feita temos um elevado índice de risco no armazenamento de produtos inflamáveis, é importante ressaltar também que nossa análise mostrou grande falta de comprometimento e consciência da fonte geradora do resíduo químico, dificultando ainda mais o processo realizado pelo CGTRQ. 4. CONCLUSÃO Conforme proposta por Andrade (2000), a utilização do FMEA, aplicado ao Sistema de Gestão Ambiental, mostrou-se eficaz na detecção da criticidade dos vários aspectos e impactos, auxiliando na determinação de prioridades. O acréscimo de mais um item na montagem do índice de criticidade agregou mais efetividade para o processo de decisão do SGA. Em relação à metodologia e análise do FMEA, foram feitas unificações no plano de ação, com relação a ações recomendadas que possuíam o mesmo caráter de aplicação, salientando que a necessidade de investimentos é o fator determinante que aparece em nossa análise. As causas potenciais que aparecem com os maiores IRA s são a falta de comprometimento dos responsáveis geradores pelos resíduos químicos, que são tóxicos, voláteis e perigosos e exigem muita responsabilidade. 5. CITAÇÃO BIBLIOGRÁFICA ANDRADE, M. R. S. Uma metodologia de análise dos aspectos e impactos ambientais através da utilização do FMEA. In: ENEGEP, 2000, USP/POLI-SP. MOREIRA, M. S. Estratégia e implantação do Sistema de Gestão Ambiental (Modelo ISO14000). Editora DG. NBR ISO 14001: Sistemas de Gestão Ambiental: especificações e diretrizes para uso. ABNT, Rio de Janeiro, CORRÊA, V. A. A identificação de problemas, passo inicial para implantação de um sistema de qualidade ambiental. O caso do campus do vale da UFRGS. In: V Simpósio de Qualidade Ambiental. Gestão Integrada do Ambiente, 2006, Porto Alegre. Anais p.56. Parecer Técnico proposto pelo Engenheiro Químico César A. Leal, PhD, em CAMPANI, D. B. et al. A Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. In: AIDIS,

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO PRÉDIO DA ENGENHARIA MECÂNICA UFRGS Darci Barnech Campani Engenheiro Agrônomo, Doutorando em Saneamento Ambiental IPH/UFRGS, Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA

LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO, CAMPUS CUIABÁ-BELA VISTA Edson José de Castro Júnior (1) Acadêmico do Curso Superior

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Implantação e desenvolvimento do sistema de gestão ambiental na Casa de Desenvolvimento Tecnológico (CADETEC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Fernando Henrique Platt 1 ; Darci Barnech Campani

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE ANÁLISE DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO FMEA

UMA METODOLOGIA DE ANÁLISE DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO FMEA UMA METODOLOGIA DE ANÁLISE DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO FMEA Mônica Regina Souza Andrade João Batista Turrioni Escola Federal de Engenharia de Itajubá E-mail: monicarsouza@hotmail.com,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios Process FMEA for quality assurance results in a testing laboratory Jéssica Fredi Cocco 1, Carla Hartmann Sturm 1,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

METODOLOGIA RECEBIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS PELA DIVISÃO TÉCNICA DO CGTRQ

METODOLOGIA RECEBIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS PELA DIVISÃO TÉCNICA DO CGTRQ COLETA E RECEBIMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS DO INSTITUTO DE QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (BRASIL) Régis A. K. Heitling, Marco

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR

PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL: APLICAÇÃO NA FACULDADE DE HORIZONTINA - FAHOR Joel Tauchen (1); Luciana Londero Brandli (2); Marcos Antonio Leite Frandoloso (3) Felipe de Brito Rodrigues (4)

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS LEVANTAMENTO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS LOCAL: SEDE DO SINDICADO DOS ENGENHEIROS DO RIO GRANDE DO SUL - SENGE RS ENDEREÇO: AV. ÉRICO VERÍSSIMO, 0, PORTO ALEGRE - RS DATA: JUNHO/00 RESPONSÁVEL: THOMAZ MENNA BARRETO MOOJEN Aspecto Ambiental Impacto

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GEADOS NO LATICÍNIO DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ UTILIZANDO O MÉTODO FMEA Lucélia Costa OLIVEIA 1 ; Pedro Henrique esende CAVALHO 2 ; Maria Cristina da Silva BABOSA 3 ; Anne

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental ISO 14001 Parte 4 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Requisitos Legais Atendimento à legislação é fundamental que a Organização estabeleça, logo no

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Resumo: Existe uma necessidade evidente de se ter um controle sobre resíduos químicos de toda e qualquer

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA DA UFRGS

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA DA UFRGS 1 CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA DA UFRGS Rodrigo Bruno Santolin santolin.rodrigo@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande do Sul Engenheiro Ambiental (UFRGS) Mestrando em Engenharia

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

XI Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP.

XI Semana de Estudos da Engenharia Ambiental UNESP Rio Claro, SP. BENEFÍCIOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE: APLICAÇÃO DO MÉTODO PDCA COMO MINIMIZAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Clauciana Schmidt Bueno de Moraes, Andrew Maranhão Ventura Dadario, Priscilla

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL e sua EVOLUÇÃO 1º Inspeção Predial: Vistoria técnica da edificação para constatação das anomalias existentes

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Versão: 02 Página 1 de 5 1. OBJETIVO: Definir a metodologia para identificar e avaliar os aspectos e impactos ambientais, a fim de determinar as medidas necessárias para controle. 2. APLICAÇÃO: Este procedimento

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 AÇÕES PARA A QUALIDADE: Resultados e Perspectivas do modelo de Gestão Integrada de Qualidade, Meio Ambiente, Segurança

Leia mais

VI-184 A NORMA ISO 14001 E SUA APLICAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

VI-184 A NORMA ISO 14001 E SUA APLICAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR VI-184 A NORMA ISO 14001 E SUA APLICAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Márcio de Oliveira (1) Engenheiro de Produção pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) Nelma Mirian Chagas de Araújo¹ Engenheira civil pela UFPB

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 4. Análise, Avaliação e Tratamento de Riscos 1 Roteiro (1/1) Definições Análise e Avaliação de Riscos Tratamento de Riscos Matriz de Análise de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

LEVANTAMENTO E PLANO DE AÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS REALIZADO NA SEDE DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

LEVANTAMENTO E PLANO DE AÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS REALIZADO NA SEDE DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS LEVANTAMENTO E PLANO DE AÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS REALIZADO NA SEDE DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS Vinicius Ferreira Dulac Acadêmico do curso de Gestão Ambiental da Universidade

Leia mais

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com

ISO 14000. Prof. William da Cruz Sinotti sinottiw@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO SISTEMA DE SELEÇÃO USINICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA ISO 14000

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ)

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ) PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO DE Profa. Magda Beretta (Escola Politécnica) Prof. Lafaiete Cardoso (Instituto de Química) Profa. Viviana Zanta (Escola Politécnica) Outubro/2006 As atividades

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 2 Volume 2, N. 1 2010 - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 2 Volume 2, N. 1 2010 - ISSN 2177-6636 UM ESTUDO SOBRE A IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL BASEADO NA NORMA ISO: 14.001: 2004 EM CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS Marcelo Talizin Pires, Graduação em Administração,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 Porto Alegre/RS 23 a 26/11/201 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ESTABELECIMENTO DE ENSINO COM BASE NA ABNT NBR ISO 14001:2004 RESUMO Claudia Adriana Kohl (*), Cristine Santos de Souza da Silva, Caroline Lobato

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. O Sistema de Gestão Ambiental. Aula 3. Vídeo. Contextualização. O que é um Sistema de Gestão?

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. O Sistema de Gestão Ambiental. Aula 3. Vídeo. Contextualização. O que é um Sistema de Gestão? Gestão e Responsabilidade Social Aula 3 O Sistema de Gestão Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo "Mundo" Pense de Novo Contextualização WWF Brasil. Disponível em: .

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 Aplicabilidade das Ferramentas Título da da Palestra: Qualidade Data: FMEA Falta de Energia Elétrica 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 História dos Riscos Construção do Empire State 1930 102 andares Cenário

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. RESUMO CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISSO 14001: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO SGA DA EMPRESA DOURAMOTORS DOURADOS, MS. Sônia Mendes Paiva de Mendonça 1 ; Luciana Ferreira da Silva 2 UEMS/ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A. Krummenauer, D. Campani, P. Samuel Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE)

AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 AUDITORIA PREVENTIVA COM FOCO EM RISCOS: A EXPERIÊNCIA DA CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DO CEARÁ (CGE/CE) Marcelo

Leia mais

PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Altera a Portaria nº 4.772/2008, a qual instituiu a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO Meny Aparecida da Silva PUC-MG Departamento de Administração de Empresas / Email: meny92@hotmail.com Av. Dom José

Leia mais