POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE"

Transcrição

1 POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE Jeany Camelo Santos 1, Rafael Lucas Leonídeo 2, Flávio Monteiro Ayres 3,4 1 Bolsista PBIC/UEG. 2 Aluno de iniciação científica PVIC. 3 Curso de Ciências Biológicas e Farmácia, UnUCET, UEG. 4 Cursos de Mestrado em Genética e Bacharelado em Ciências Biológicas, BIO, UCG. Correspondência para: F.M. Ayres Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Estadual de Goiás BR 153, Km 98, Jardim Arco Verde Campus Henrique Santillo Anápolis Goiás Brasil. Resumo Os dois alelos polimórficos para o códon 72 do gene TP53 envolvem um codante para o aminoácido arginina (TP53Arg) e outro para o aminoácido prolina (TP53Pro). Desses alelos, o (TP53Pro) é o menos freqüentemente observado nos indivíduos de diversas populações. Adicionalmente, esses alelos são funcionalmente associados com uma reduzida capacidade de indução a apoptose. No presente estudo, o gene TP53 foi genotipado para dez pacientes com leucemia mielóide aguda (LMA) e 17 com leucemia mielóide crônica (LMC) por PCR. Em ambos os tipos de leucemia, as freqüências do genótipo TP53ProPro foram maiores que TP53ArgArg ou TP53ArgPro. Esse é um resultado relevante, pois esse polimorfismo é um potencial marcador de risco, além de resistência ao medicamento imatinib. Palavras-chaves: polimorfismo, TP53, leucemia mielóide 1

2 INTRODUÇÃO P53 é uma fosfoproteína nuclear de 53 KDa codificada por um gene localizado no braço curto do cromossomo 17. A proteína tem a função de parar o ciclo celular a fim de permitir a detecção e o reparo de danos ao DNA, além de iniciar o processo de morte celular programada em casos de danos genômicos irreparáveis (Stad et al., 2000). O polimorfismo do gene TP53 inclui duas variantes no códon 72, éxon 4, sendo um codante do aminoácido arginina (TP53Arg) e outro do aminoácido prolina (TP53Pro) (Lo et al., 1992; Oliveira, 2005). Portanto, três possíveis genótipos são possíveis: os homozigotos TP53ArgArg e TP53ProPro e o heterozigoto TP53ArgPro. Acredita-se que o genótipo TP53ArgArg aumente em até sete vezes a suscetibilidade individual para o desenvolvimento de tumores, quando comparado com o genótipo TP53ArgPro (Storey et al., 1998). Por outro lado, o genótipo TP53ProPro é menos freqüentemente observado em populações humanas (Lima et al., 2006), mas esse alelo é está associado com uma significativa redução na capacidade de indução de apoptose (Bergamaschi et al., 2004). A proteína p53 atua como reguladora do ponto de checagem do ciclo celular, promovendo a apoptose e o bloqueio da proliferação celular (Bernat et al., 2002). MATERIAIS E MÉTODOS A fim de investigar as freqüências dos alelos de TP53, amostras de DNA foram isoladas de sangue periférico utilizando o método de extração por fenol e clorofórmio, seguido de precipitação com etanol (Sambrook et al., 1989). As amostras de sangue total foram coletadas de 10 pacientes com LMA e 17 pacientes com LMC atendidos no Hospital das Clínicas (Universidade Federal de Goiás) (Ayres et al., 2004) e Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, de acordo com as instruções aprovadas pelo Comitê de Ética e Pesquisa. As amostras de DNA foram amplificadas por PCR utilizando seqüências iniciadoras para TP53Arg (5-3 : TCC CCC TTG CCG TCC CAA e CTG GTG CAG GGG CCA CGC) e para TP53Pro (5-3 : CGT GCA AGT CAC AGA CTT e GCC AGA GGC TGC TCC ). Os produtos amplificados foram visualizados 2

3 utilizando gel de agarose 1% corado com brometo de etídeo ou em gel de poliacrilamida 8% corado com nitrato de prata. RESULTADOS E DISCUSSÃO As freqüências genotípicas encontradas para os pacientes com LMA foram 40% (4/10) para TP53ProPro, 20% (2/10) para TP53ArgArg, e 40% (4/10) para TP53ArgPro. Os pacientes com LMC apresentaram freqüências de 41,2% (7/17) para o genótipo TP53ProPro e 58,8% (10/17) para o genótipo TP53ArgPro, conforme descrito na tabela 1. Nossos resultados são similares aos poucos dados descritos na literatura sobre polimorfismo do códon 72 em pacientes com leucemia mielóide, em especial LMC. Bergamaschi e colaboradores (2004) relataram previamente que o alelo TP53Pro é mais freqüente em pacientes com LMC quando confrontado com uma população controle de indivíduos saudáveis. Adicionalmente, o alelo TP53Pro tem sido identificado como um fator de risco de desenvolvimento de LMC e de resistência ao medicamento imatinib. A deficiência da proteína p53 comumente causa alterações no ciclo celular, falhas no reparo de DNA, acúmulo de mutações gênicas e instabilidades cromossômicas (Cavalcanti et al., 2002). As causas dessa deficiência geralmente envolvem mutações gênicas, interação entre a proteína p53 com proteínas virais ou outras proteínas de controle do ciclo celular (Klumb et al., 2002). Não obstante, esses dados contrastam com os relatos de Storey et al. (1998), que apontam um aumento na susceptibilidade de carcinogênese associada ao genótipo homozigoto TP53ArgArg quando comparada como o genótipo heterozigoto. A investigação do perfil alélico populacional é de extrema importância para o presente estudo, pois freqüências de alélos polimórficos são marcantemente dependentes de fatores étnicos (Sjalander et al., 1996). CONCLUSÃO Apesar do restrito grupo amostral, nossos resultados indicam que o alelo TP53Pro é o mais freqüente nos pacientes com leucemias mielóides 3

4 AGRADECIMENTOS J.C. Santos foi bolsista PBIC/UEG REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ayres FM et al.. Detection of mutator phenotype in Brazilian patients with acute and chronic myeloid leukemia. Genetics and Molecular Biology,.27, 4, Bergamaschi G et al. TP53 codon 72 polymorphism in patientes with chronic myeloid leukemia. Haematologica, 89: Bernat M, Titos E, Clária J. Rapid identification on of single nucleotide polymorphisms by fluorescence-based capillary electrophoresis. Genetics and Molecular Research, v. 31: Cavalcanti Jr. GB et al. P53 e as hemopatias malignas. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 48(3): Klumb CE et al. Avaliação dos métodos de detecção das alterações do gene e proteína p53 nas neoplasias linfóides. Revista Brasileira de Hematologia e hemoterapia, 24(2): Lima JM et al. Estudo do polimorfismo genético no gene p53 (códon 72) em câncer colateral. Arq Gastroenterol, 43: Lo KW et al. Presence of p53 mutation in human cervical carcinomas associated with HPV-33 infection. Anticancer Res, 12:

5 Oliveira MVP. Implicações do polimorfismo do códon 72 do gene p53 no carcinoma laríngeo Dissertação (Mestrado) Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás. Goiânia. Sambrook J, Fritsch EF and Maniatis T Molecular Cloning: A Laboratory Manual. 2nd edition. Cold Spring Harbor Laboratory Press, New York p E.3-E.11. Sjalander A et al. p53 polymorphism and haplotypes show distintc differences between major ethnic groups. Human Heredity, 46(1): Stad R, Ramos YFB, Littie N. Hdmx stabilizes Mdm2 and p53. JBC Papers, 36: Storey A et al. Role of a p53 polymorphism in development of human papillomavirus-associated cancer. Nature, v. 393, p

6 Leucemia LMA LMC Paciente Alelos TP53Pro TP53Arg A A A A A A A A A A C C C C C C C C C C C C C C C C Genótipos Freqüências genotípicas TP53ProPro 40% (4/10) TP53ProArg 40% (4/10) TP53ArgArg 20% (2/10) TP53ProPro 41,2% (7/17) TP53ProArg 58,8% (10/17) 6

ANÁLISE DO POLIMORFISMO DA P53 NO CÓDON 72 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E AGUDA

ANÁLISE DO POLIMORFISMO DA P53 NO CÓDON 72 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E AGUDA ANÁLISE DO POLIMORFISMO DA P53 NO CÓDON 72 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E AGUDA Jeany Camelo Santos 1,4 ; Rafael Lucas Leonídio 3,4 ; Flávio Monteiro Ayres 2,4,5,6 ; Priscila de Souza Barros

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 17/11/2011 Estudo genético da síndrome de Birt- Hogg-Dubé (variante Hornstein- Knickenberg) Bolsista: Sergio Aparecido do Amaral Junior (Faculdade

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética Variação genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2012 Variação fenotípica hereditária Variação fenotípica causada pelo ambiente

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Instabilidade Genética e Cancerização Prof. José Carlos Machado 5 Março 2007 Hoje vamos falar sobre instabilidade genética e cancerização. Há uma lógica de

Leia mais

polimorfismos da MTHFR e risco de câncer de mama em mulheres jovens: estudo caso controle no Rio de Janeiro Dados preliminares

polimorfismos da MTHFR e risco de câncer de mama em mulheres jovens: estudo caso controle no Rio de Janeiro Dados preliminares Ácido fólico, f polimorfismos da MTHFR e risco de câncer de mama em mulheres jovens: estudo caso controle no Rio de Janeiro Dados preliminares Dirce Maria Lobo Marchioni FSP/USP ENSP/FIOCRUZ 2008 Introdução

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 123 RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 RESUMOS DE PROJETOS 124 A GENÉTICA E NEUROFISIOLOGIA DO AUTISMO... 125 PAPEL DO POLIMORFISMO IL17A (RS7747909) NA TUBERCULOSE.... 126 PAPEL

Leia mais

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana NEUROGENE Laboratório de Genética Humana Informativo Técnico 06/2009 ANÁLISE GENÉTICA COMBINADA DO ANGIOTENSINOGÊNIO E ÓXIDO NÍTRICO ENDOTELIAL PARA AVALIAR A PREDISPOSIÇÃO À HIPERTENSÃO ARTERIAL Consideráveis

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

Genética e Câncer. Viviane Ferreira Esteves

Genética e Câncer. Viviane Ferreira Esteves Genética e Câncer Viviane Ferreira Esteves Fatores de risco Fatores internos Predisposição hereditária Fatores externos Ambientais Predisposição Genética para o Câncer Tipo de câncer Mama Cólon Leucemias

Leia mais

PAPERPET. Caio Mayrink Maio/2011

PAPERPET. Caio Mayrink Maio/2011 PAPERPET Caio Mayrink Maio/2011 RAD51 G135C POLYMORPHISM IS ASSOCIATED WITH BREAST CANCER SUSCEPTIBILITY: A META-ANALYSIS INVOLVING 22,399 SUBJECTS Haiming Sun, Jing Bai, Feng Chen, Yan Jin, Yang Yu, Lianhong

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down Universidade Federal De Minas Gerais Instituto De Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Projeto de Biologia Molecular Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Leia mais

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos Antonio Luiz Gomes Júnior Genotoxicidade Definição: é o setor da genética que estuda os processos que alteram

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas:

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas: GENÉTICA E CÂNCER O câncer é uma doença genética, independentemente de ocorrer de forma esporádica ou hereditária, pois a carcinogênese sempre inicia com danos no DNA. Geralmente, esses danos são potencializados

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

Material e Métodos Resultados e Discussão

Material e Métodos Resultados e Discussão Área: Melhoramento Genético Vegetal TRANSFERIBILIDADE DE PRIMERS MICROSSATÉLITES DE Phaseolus vulgaris PARA Vigna unguiculata Matheus Felipe Nogueira da Silva 1, Leidiane Bezerra Albuquerque 2, Rafaela

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL

IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL IDENTIFICAÇÃO DAS VARIAÇÕES ALÉLICAS DE Saccharomyces cerevisiae NA FERMENTAÇÃO INDUSTRIAL Silva, A.C.P (1). Leite, A.L (1) ; Santos, F. J. A. L (1) ; Lima, M. C. S (1) ; Neto, A. G. B. N (2,3) ; Brasileiro,

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias RESUMO

Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias RESUMO Leucemia Mielóide Crônica: Bases Moleculares e Terapias Barbara Dumas Santos Silva 1 ; Jorge Lisboa Borges 1 ; Flávio Monteiro Ayres 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnUCET-

Leia mais

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo 22/07/2011 Bioinformática É a aplicação de estatística e ciência da computação no campo

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno

Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno Câncer: Entendendo o Risco do Benzeno Profa. Dra. Carmen Silvia Passos Lima Disciplina de Oncologia Clínica Departamento de Clínica Médica Faculdade de Ciências Médicas Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Genômica. O que chamou mais atenção no filme?

Genômica. O que chamou mais atenção no filme? Genômica O que chamou mais atenção no filme? Tempo para sequenciamento do genoma Predição do fenótipo com base no genótipo Como este conhecimento pode ser usado para gerar novas tecnologias? Sequenciamento

Leia mais

TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO.

TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO. TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Mutações somáticas x Mutações germinativas Tipos de mutações MUTAÇÃO GENÔMICA:

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica. Clonagem Molecular A clonagem molecular é o processo de construção de moléculas de DNA recombinante e da sua propagação em hospedeiros apropriados que possibilitam a selecção do DNA recombinante. Esta

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

CÂNCER : ABORDAGEM AVALIATIVA DE CAUSA E PRENVEÇÃO SOBRE O ÁLCOOL, EXPOSIÇÃO AO SOL E TABAGISMO ENTRE SERVIDORES UEG - UnUCET

CÂNCER : ABORDAGEM AVALIATIVA DE CAUSA E PRENVEÇÃO SOBRE O ÁLCOOL, EXPOSIÇÃO AO SOL E TABAGISMO ENTRE SERVIDORES UEG - UnUCET CÂNCER : ABORDAGEM AVALIATIVA DE CAUSA E PRENVEÇÃO SOBRE O ÁLCOOL, EXPOSIÇÃO AO SOL E TABAGISMO ENTRE SERVIDORES UEG - UnUCET Rejane de Sousa Ferreira 1, Cristiane Alves da Fonseca 2, Andréia Juliana Leite

Leia mais

Parte III: Manipulação da informação

Parte III: Manipulação da informação Parte III: Manipulação da informação Novos alvos terapêuticos É possível fazer uma classificação molecular dos tumores e correlacionar com prognóstico. E agora? Leucémias agudas : LMA (L. Mieloblástica

Leia mais

FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA FARMACOGENÉTICA APLICADA AO CÂNCER NO SUS: QUIMIOTERAPIA INDIVIDUALIZADA E ESPECIFICIDADE MOLECULAR PARA O TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Jeany CAMELO-SANTOS 1, Elisângela de Paula SILVEIRA-LACERDA

Leia mais

Doe sua Nota Fiscal Paulista para a Pesquisa do Câncer

Doe sua Nota Fiscal Paulista para a Pesquisa do Câncer Doe sua Nota Fiscal Paulista para a Pesquisa do Câncer Hospital A.C.Camargo, um dos principais centros de diagnóstico, tratamento, ensino e pesquisa sobre o câncer da América Latina. Pesquisadores que

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos

Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos Dr. Jose Claudio Casali da Rocha Laboratorio Mantis Diagnosticos Avancados IOP Instituto de Oncologia do Parana Hospital Erasto Gaertner PUC-PR

Leia mais

Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano)

Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Mutações Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini E-mail: marilanda_bellini@yahoo.com Blog: http://marilandabellini.wordpress.com

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Alexandre Bella Cruz Rilton Alves de Freitas Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Objetivo Conhecer Métodos para Avaliação de Genotoxicidade

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS Antonio Jose Dias Martins, Rassan Dyego Romão Silva e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil antoniojdm35@hotmail.coml

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

Biologia - Grupos A - B - Gabarito

Biologia - Grupos A - B - Gabarito 1 a QUESTÃO: (1, ponto) Avaliador Revisor Foram coletados 1. exemplares do mosquito Anopheles culifacies, de ambos os sexos, em cada uma de duas regiões denominadas A e B, bastante afastadas entre si.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani Paulo Henrique Godoy Teles 1 ; Adriana

Leia mais

Genética e Evolução: Profa. Gilcele

Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É o estudo da hereditariedade, a transmissão de traços de genitores para filhos. É dividida

Leia mais

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio.

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. PROVA DISCURSIVA LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO 1 O DIA VESTIBULAR 2015 INSTRUÇÕES 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. 2) Utilize-se dos

Leia mais

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Marisa R. Cantarino 1 Julia M. P. Soler (orientadora) 2 1 Introdução Um dos principais desafios da pesquisa genética atualmente é estabelecer

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa Página 1 de 5 Editorial A esperança celular Carlos Vogt Reportagens Pesquisa brasileira em CT já apresenta resultados Em meio à discussão ética, a pesquisa avança em todo o mundo Faltam leis, sobra polêmica

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Polimorfismo R72P do Gene TP53 no Câncer de Mama

Polimorfismo R72P do Gene TP53 no Câncer de Mama Polimorfismo R72P do Gene TP53 no Câncer de Mama Vanessa Bernardes; Simone S. Fagundes; Flávio M. Ayres. Universidade Estadual de Goiás, 75.132-903, Brasil vanessabernardes08@gmail.com flavio.ayres@ueg.br

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Patogênese e Testes Genéticos no ide

Patogênese e Testes Genéticos no ide Patogênese e Testes Genéticos no Carcinoma Medular de Tireóide ide Ana Luiza Maia Serviço de Endocrinologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRO-REITORIA ACADÊMICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRO-REITORIA ACADÊMICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Campus: Uruguaiana Curso: Enfermagem Componente Curricular: Genética Humana Código: UR 1303 Pré requisito: UR 1103 Co- requisito: ---------- Professor: Michel Mansur Machado Carga

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS ORIENTAÇÕES GERAIS. I O período para submissão de trabalhos à V SEMAC será 12/08/2014 a 25/08/2014.

NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS ORIENTAÇÕES GERAIS. I O período para submissão de trabalhos à V SEMAC será 12/08/2014 a 25/08/2014. NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS ORIENTAÇÕES GERAIS I O período para submissão de trabalhos à V SEMAC será 12/08/2014 a 25/08/2014. II Os trabalhos enviados à V SEMAC deverão ser enviados

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

POLIMORFISMO R72P EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDOS NO HOSPITAL ARAÚJO JORGE - ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS.

POLIMORFISMO R72P EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDOS NO HOSPITAL ARAÚJO JORGE - ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS. POLIMORFISMO R72P EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDOS NO HOSPITAL ARAÚJO JORGE - ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS. 1. Introdução: Autores: Vanessa Bernardes (UEG) 1, 2 Simone Souza Fagundes

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 188h Ano letivo: 2012 - Série: 1º ano - Curso de Medicina Coordenador: Professor Doutor Wagner Ricardo Montor

Leia mais