Protocolos e Normatizações - Reumatologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolos e Normatizações - Reumatologia"

Transcrição

1 Protocolos e Normatizações - Reumatologia Introdução e conceitos gerais sobre dores nos membros Pacientes com queixas relativas ao sistema músculo-esquelético são freqüentemente encaminhados aos serviços de reumatologia para investigação, embora nem sempre sejam portadores de enfermidades reumatológicas. Segundo Bowyer, 7% das consultas pediátricas são devidas a dores nos membros. Muitas vezes, no entanto, embora as queixas sugiram uma doença reumatológica, a etiologia é de natureza diversa, por exemplo, associada a distúrbios mecânicos ou doenças infecciosas. A literatura registra que cerca de 50 a 60% dos casos atendidos em serviços de Reumatologia Pediátrica estão ligados a doenças não reumatológicas, ou seja, são doenças ortopédicas, infecciosas, endocrinológicas, hematológicas ou que, primariamente, acometem outros sistemas, mas têm manifestações osteomioarticulares. Portanto, cabe ao pediatra reconhecer o diagnóstico diferencial das enfermidades que apresentam estas manifestações mais freqüentemente, assim como traçar uma estratégia de diagnóstico para melhor investigar e encaminhar o paciente. Alguns conceitos rápidos são importantes de serem enfatizados. A localização da dor é extremamente importante, já que esta pode se localizar na articulação, nos ossos, músculos, tendões, ligamentos ou outras estruturas de partes moles. Artralgia significa dor na articulação e artrite ocorre quando, além da dor, existem sinais inflamatórios como calor e hiperemia, além da impotência funcional. O aumento de volume de uma articulação pode ocorrer pela presença de derrame articular, inflamação da sinóvia, aumento do volume ósseo ou por edema de partes moles adjacentes à articulação. Denominamos de artrite crônica aquela que é fixa em uma articulação por pelo menos 6 semanas e artrite aguda é o acometimento articular por tempo inferior. Poliartrite ocorre quando há acometimento de 5 ou mais articulações e oligoartrite 4 ou menos. Diagnóstico diferencial das dores nos membros na infância e adolescência Como poderá ser visto abaixo, são muitas as causas de dores que envolvem o sistema músculo-esquelético, variando de causas localizadas a doenças sistêmicas, abrangendo uma pluralidade de condições, sendo, portanto, muito amplo o diagnóstico diferencial. Embora muitas das condições a seguir mencionadas não sejam de natureza primariamente reumatológica, pode haver acometimento do sistema em estudo durante o curso das diversas condições ou, ainda, como nas causas ortopédicas, existe o acometimento de estruturas articulares ou justa articulares que ocasionam freqüentes erros diagnósticos. Diagnóstico diferencial das dores nos membros na infância e adolescência 1. Traumatismos

2 -fratura de stress -miohematoma -miosite ossificante -lesões por esforço de repetição 2. Doenças ortopédicas -condromalácia da patela -plica sinovial -osteocondrite dissecante -osteocondroses: Legg-Calvé-Perthes, Osgood Schlatter, Sever, Freiberg e Kohler -epifisiólise -espondilólise e espondilolistese -síndrome da hipermobilidade articular 3. Doenças colágeno-vasculares -febre reumática -artrites idiopáticas juvenis -lupus eritematoso sistêmico -dermatopolimiosite -esclerodermia -doença mista do tecido conjuntivo -síndrome de Sjögren -vasculites 4.Doenças infecciosas -bacterianas: artrite séptica, osteomielite, piomiosite,discite -virais: artrites reativas, miosite viral aguda, sinovite transitória do quadril -outras: toxoplasmose, doença de Lyme, leptospirose, sífilis, doenças sexualmente transmitidas, tuberculose, hanseníase, doenças causadas por fungos. 5. Neoplasias -leucemia -linfoma -neuroblastoma -histiocitose -tumores ósseos e sinoviais 6. Doenças hematológicas -anemia falciforme -outras hemoglobinopatias -hemofilia 7. Distúrbios endocrinológicos -hipo e hipertireoidismo -hipo e hiperparatireoidismo -hipercortisolismo -osteoporose

3 8. Distúrbios nutricionais -hiperavitaminose A -escorbuto -raquitismo 9. Síndromes de origem desconhecida -dores de crescimento -fibromialgia 10. Desordens psicossomáticas -reumatismo psicogênico -fobia escolar -distrofia simpático-reflexa 11. Outras causas -doenças de depósito -eritema nodoso -sarcoidose -farmacodermia -osteoporose juvenil idiopática -imunodeficiências Rotina laboratorial mínima na investigação de pacientes com dores em membros É interessante o conhecimento de uma rotina laboratorial mínima necessária para auxiliar nos rumos da investigação diagnóstica. Algumas vezes são úteis para confirmar certos diagnósticos e, outras vezes, servem para descartar outras enfermidades. Exames complementares normais em pacientes poliqueixosos, sem alterações no exame físico, sugerem quadros funcionais. Esta rotina mínima vai sendo acrescida de novos exames à medida que o desenvolvimento da enfermidade e alguns exames laboratoriais ou de imagem sugiram algum diagnóstico específico. A rotina laboratorial mínima deveria constar de hemograma completo, velocidade de hemossedimentação e proteínas de fase aguda, elementos anormais e sedimentoscopia urinários, além de exame parasitológico de fezes. Outros exames deverão ser solicitados no curso da investigação diagnóstica, quando necessários. Assim, por exemplo, na presença de uma poliartrite migratória aguda, em que suspeitamos de febre reumática, deverão ser solicitados, além dos exames da rotina mínima, cultura de orofaringe, dosagem da antiestreptolisina O e eletroforese de proteínas. Rotina laboratorial mínima na investigação das dores nos membros na adolescência:hemograma completo, velocidade de hemossedimentação e proteínas de fase aguda, elementos anormais e sedimento urinário exame parasitológico de fezes

4 Alguns exemplos práticos da utilização desta rotina laboratorial mínima: 1- hemograma mostrando leucocitose sugere processo infeccioso, leucemia ou AIJ sistêmica; leucopenia pode ser encontrada no LES e leucemia; trombocitopenia pode ser encontrada no LES, leucemia e infecções graves e trombocitose pode ser achado da AIJ, principalmente da forma sistêmica; a púrpura de Henöch-Schönlein não tem trombocitopenia e isto pode ser útil para diferenciá-la de uma leucemia. 2- A velocidade de hemossedimentação e as proteínas de fase aguda apresentam-se aumentadas nos processos inflamatórios, infecciosos e nas neoplasias, encontrando-se em valores normais na maioria das doenças ortopédicas, síndromes de amplificação da dor e dores de origem psicogênica. Crianças ou adolescentes com queixas vagas de dores em membros, sem acometimento sistêmico, com VHS normal, provavelmente terão distúrbios de origem funcional e não doenças orgânicas. Por exemplo, em crianças ou adolescentes com queixas de dores noturnas com VHS alterado o diagnóstico de dor de crescimento será pouco provável. 3- Elementos anormais e sedimento urinário: como o sistema gênito-urinário pode estar acometido na maioria das doenças sistêmicas, este exame serve como um bom método de triagem. Assim, pacientes com aquele quadro descrito anteriormente como suspeito de LES provavelmente terão EAS alterado. As vasculites, que podem apresentar-se como uma febre de evolução arrastada, podem ter seu diagnóstico direcionado a partir do encontro de hematúria. Na Síndrome de Reiter, a piúria estéril como apresentação da uretrite é um critério diagnóstico. 4- O exame parasitológico de fezes é útil sob dois aspectos: pacientes infestados podem apresentar quadros de artralgia ou, menos freqüentemente, artrite reativa. Além disto, como em muitas ocasiões necessitaremos da terapêutica com corticosteróide, a identificação de pacientes com certos agentes como o strongiloides stercoralis permite seu tratamento precoce para que se evitem complicações de sua disseminação. Roteiro de investigação de dores nos membros Investigação das queixas músculo-esqueléticas 1. Localização: articulação, músculo. osso, entese, tendão, dor referida (por exemplo, na dor do joelho, investigar o quadril, dor vaga (dores psicogênicas e síndromes de amplificação da dor) ou localizada (doenças infecciosas ou inflamatórias, neoplasia, unilateral (infecção, tumor), bilateral ou alternante (dor de crescimento), simetria; fixa ou migratória, musculatura proximal (miopatias inflamatórias) ou distal (neuropatias) 2. Presença de sinais inflamatórios: dor espontânea ou à palpação; calor; aumento de volume; hiperemia. 3. Início: gradual (artrite idiopática juvenil) ou súbito (febre reumática; artrite séptica) 4. Horário preferencial: doenças inflamatórias cursam com dor geralmente pela manhã, após período de repouso (rigidez matinal); dor de crescimento e osteoma

5 osteóide ocasionam dor noturna. 5. Duração: persistente ou transitória. As dores de origem inflamatória melhoram com o movimento e as de origem diminuem com o repouso. Melhora associada ao uso de medicações. 6. Perturbação das atividades da vida diária. Critérios diagnósticos de febre reumática Guia diagnóstico para ataque inicial de Febre Reumática (Critério de Jones, atualizado em 1992 Manifestações maiores Cardite,Poliartrite, Coréia, Eritema marginatum,nódulos subcutâneos Manifestações menores Artralgia, Febre, Alteração proteínas de fase aguda, intervalo PR (ECG) Evidência de infecção estreptocócica Prévia Cultura de orofaringe positiva para o estreptococo beta hemolítico do grupo A, títulos de anticorpos anti estreptocócicos aumentados ou em ascensão A ocorrência de 2 critérios maiores ou 1 maior com 2 menores, ambos acompanhados de uma evidência prévia de infecção estreptocócica, torna o diagnóstico de Febre Reumática bastante provável. O valor da antiestreptolisina O (ASO) no diagnóstico da febre reumática Devido às baixas condições sócio-econômicas de nossa população, é freqüente encontrarmos níveis de antiestreptolisina O (ASO) um pouco elevados em relação ao que se considera normal ( U Todd, na dependência da idade, localização geográfica e estação do ano). Daí, mais importante, chamamos de curva de ASO quando detectamos valores seriados ascendentes (fase inicial) ou descendentes (fase posterior) da ASO, sugerindo infecção recente. A ASO começa a aumentar uma semana após o início da faringoamigdalite, alcança seu pico por volta da terceira ou quarta semana (quando a criança provavelmente já estará sintomática para FR) e, depois, começa a baixar seus valores. Como a capacidade de depuração de anticorpos é variável entre os indivíduos, não existe um parâmetro ou tempo fixo após o qual a ASO deverá estar dentro dos valores habituais, isto é, enquanto em uma pessoa a ASO pode normalizar-se em um ou dois meses, em outra isso pode levar cinco meses. De um modo geral, os valores da ASO normalizam-se até seis meses após a infecção estreptocócica. Não se devem usar anti-inflamatórios ou tornar mais freqüente a aplicação da penicilina benzatina com o intuito de diminuir os valores de ASO, pois eles retornarão ao normal por si só. Tratamento da febre reumática

6 O tratamento da febre reumática consiste no tratamento dos sintomas e nas profilaxias primária e secundária. Tratamento sintomático da FR 1. Artrite: ácido acetil salicílico mg/kg/dia, diminuir lentamente após 15 dias. 2. Cardite: prednisona mg/kg/dia por 2-3 semanas, diminuição lenta após; repouso. 3. Coréia: haloperidol, ácido valpróico, benzodiazepínico, clorpromazina Profilaxia primária da FR: seu objetivo é tratar o paciente com infecção estreptocócica da orofaringe para evitar que ele desenvolva febre reumática. Penicilina benzatina (1a escolha) Maior 25 kg: U, intramuscular, dose única Menor 25 kg: U, intramuscular, dose única Outras opções: Fenoximetipenicilina: U/kg/dia, 6-6 horas, via oral, 10 dias. Penicilina procaína: U, horas, intramuscular, 10 dias. Amoxicilina: 50 mg/kg/dia, 8-8 horas, via oral, 10 dias Cefalexina: mg/kg/dia, 6-6 horas, via oral, 10 dias Azitromicina: 12 mg/kg/dia, 1 vez ao dia, via oral, 5 dias Outras cefalosporinas orais também podem ser utilizadas Para alérgicos à penicilina: Eritromicina: mg/kg/dia, 6-6 horas, via oral, 10 dias. Azitromicina: 12 mg/kg/dia, 1 vez ao dia, via oral, 5 dias Lincomicina: 30 mg/kg/dia, horas, intramuscular, 10 dias. Profilaxia secundária da FR: seu objetivo é evitar novos surtos naqueles pacientes que tiveram febre reumática. Penicilina benzatina (1a escolha) Maior 25 kg: U, intramuscular, a cada 21 dias Menor 25 kg: U, intramuscular a cada 21 dias Fenoximetilpenicilina: U/dose (crianças < 25 kg) ou U/dose (>25 kg),12-12 horas. Alérgicos à penicilina : sulfadiazina 250 mg/dose (<12 anos) ou 500 mg/dose (>12 anos), horas. Pacientes sem acometimento cardíaco devem fazer a profilaxia até 18 anos de idade ou por cinco anos após seu início, optando-se sempre pelo que for de maior duração. Mesmo com a indicação de suspensão, caso o paciente esteja exposto a fatores de risco, como por exemplo freqüentar ambientes fechados como quartéis, salas de aula, ou tenha uma profissão que lide diretamente com crianças na faixa etária de escolares ou adolescentes (médicos, professores), recomenda-se o

7 prolongamento da profilaxia. Caso tenha havido comprometimento cardíaco, o ideal é que a profilaxia seja por tempo indeterminado, mas alguns autores admitem que ela deve estender-se até pelo menos os 35 anos de idade. O Ministério da Saúde, a Sociedade Brasileira de Pediatria e as secretarias estaduais e municipais de Saúde vêm tentando divulgar e ampliar o uso do Cartão da Penicilina Benzatina. Todos os pacientes com FR deveriam possuir tal cartão, que contém várias informações úteis, bem como local apropriado para marcação e agendamento das datas de aplicação da medicação. Cabe às pessoas da área de saúde (médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem e outros profissionais) facilitar a aplicação da medicação, evitando obstáculos como a necessidade de que o paciente passe por uma consulta médica a cada 21 dias, o que o desestimula a manter a profilaxia. Os serviços de saúde deveriam, realizar também, através principalmente do setor de serviço social, uma busca aos pacientes faltosos. Classificação atual das artrites idiopáticas da infância As artrites idiopáticas juvenis (AIJ) constituem o segundo grupo de doenças reumáticas mais freqüentes, diferentemente dos países desenvolvidos, onde a febre reumática é rara e as AIJ constituem a principal causa de enfermidade reumática na faixa etária pediátrica. Classificação das artrites idiopáticas da infância proposta em Artrite sistêmica 2. Poliartrite (fator reumatóide negativo) 3. Poliartrite (fator reumatóide positivo) 4.Oligoartrite a- persistente b-extendida 5. Artrite associada a entesite 6. Artrite psoriásica 7. Outros: a- não preenche critérios para quaisquer categorias 1-6 ou b- preenche critérios para mais de uma categoria 1-6 Critérios diagnósticos do LES Eritema malar,lesão discóide, Fotossensibilidade, Úlceras orais, Artrite não erosiva, Serosites, Doença renal, com proteinúria acima de 0,5 g/dia ou cilindrúria, Alterações neuropsiquiátricas: convulsão, psicose, Distúrbios hematológicos: anemia hemolítica com, reticulocitose ou leucopenia (<4.000 leucócitos/mm3 em duas ou mais ocasiões) ou linfopenia (< linfócitos/mm3 em duas ou mais ocasiões) ou trombocitopenia (< plaquetas) Alterações imunológicas: presença de anticorpo anti-dna ou anticorpo anti Sm ou

8 presença de teste falso positivo para sífilis ou nível sérico anormal de anticorpo anticardiolipina (IgG ou IgM) ou anticoagulante lúpico Presença do fator antinuclear A presença de 4 dos 11 critérios acima confere altas sensibilidade e especificidade para o diagnóstico da enfermidade Critérios diagnósticos da Doença de Kawasaki São necessários 5 dos 6 critérios listados abaixo para se fazer o diagnóstico da doença, excluíndo-se doenças como viroses exantemáticas, escarlatina, síndrome do choque tóxico, dentre outras. Critérios diagnósticos da Doença de Kawasaki febre por mais de 5 dias, não responsiva a antibioticoterapia hiperemia conjuntival alterações da orofaringe lábios eritematosos, edemaciados e fissurados eritema difuso da orofaringe língua em framboesa`` ou morango`` alterações nas extremidades periféricas eritema de palmas e plantas edema de dorso demãos e pés descamação da pele das mãos e pés exantema polimorfo linfadenopatia crevical geralmente única >1.5 cm Manuais - Corticoterapia em doenças reumáticas (gentilmente cedido pela Profa. Maria Odete Estves Hilário) [Corticoterapia em Doenças Reumáticas] [Mecanismo de Ação dos Glicocorticóides] DOCUMENTO PRODUZIDO PELO DEPARTAMENTO DE REUMATOLOGIA

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011 Definição Febre Reumática Doença inflamatória, sistêmica, deflagrada pelo agente infeccioso Streptococcus β-hemolítico do grupo A, que ocorre em pessoas geneticamente predispostas ; Professor Leonardo

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010)

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Hakvoort L, Dubbeld P, Ballieux MJP, Dijkstra RH, Meijman HJ, Weisscher PJ, Willemse BG, Eizenga WH traduzido do original

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA O que é? A Febre Reumática é uma doença desencadeada por uma infecção pelo estreptococo. A doença pode levar a

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES Doenças auto-imunes CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES sistêmicas: LES, artrite reumatóide órgão-específicas: tireoidite de Hashimoto, hepatite auto-imune, Doença de Graves LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do quadril Artrite séptica Osteomielite Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do Quadril É a principal causa de claudicação na criança! Principal diagnóstico diferencial para artrite

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA Frequência cardíaca em função da idade Idade (anos) Andrade, 2002 Batimentos/minuto 1 110-130 2 90-115 3 80-105 7-14 80-105 14-21 78-85 Acima

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA

Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA Passado- mito, contraindicação Desconhecimento científico Prognóstico gravidez reservado Presente compreensão dos efeitos da doença na gravidez e vice-versa Conhecimento

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico Importância do tema Efeitos sobre o paciente Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas Prof. Marco Antonio Efeitos sobre os contatos Efeitos sobre a comunidade Mudança recente de padrões Considerações

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Doenças reumáticas na adolescência

Doenças reumáticas na adolescência S234 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Supl.2, 2001 0021-7557/01/77-Supl.2/S234 Jornal de Pediatria Copyright 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO DE REVISÃO Doenças reumáticas na adolescência

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

António Ramalho UVEITES

António Ramalho UVEITES UVEITES CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA ANTERIOR o Irite o Iridociclite o Ciclite anterior INTERMEDIÁRIA o Pars planite o Hialite o Cilcite posterior POSTERIOR o Coroidite focal o Coroidite multifocal o Coroidite

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009)

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Janssens HJEM, Lagro HAHM, Van Peet PG, Gorter KJ, Van der Pas P, Van der Paardt M, Woutersen-Koch H traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão)

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão) DOENÇAS EXANTEMÁTICAS Sarampo Paramyxovirus Período de incubação: 10-14d. Período de transmissão: desde o prodromo até o fim dos sintomas Febre, tosse coriza, conjuntivite piora em 1 semana 40ºC, fotofobia,

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

Exames Laboratoriais em Reumatologia

Exames Laboratoriais em Reumatologia Exames Laboratoriais em Reumatologia Kaline Medeiros Costa Pereira Disciplina de Reumatologia da Unifesp Fleury Medicina e Saúde Agenda Proteínas de fase aguda ASLO Complemento total e frações Antifosfolípides

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS [ Índice ] Lúpus eritematoso sistêmico Esclerodermia Polimiosite/Dermatomiosite Doença mista do tecido conjuntivo Síndrome de Sjögren Vasculites

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o doente

Folheto informativo: Informação para o doente Folheto informativo: Informação para o doente Hiperbiótico 250 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 500 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 1000 mg Pó para solução injectável Ampicilina Leia

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense

Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose. I Encontro da rede Mãe Paranaense Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Toxoplasmose Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Agenda Visão do pediatra e do médico generalista Sintomas Como investigar Como tratar Acompanhamento

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA 131 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Sessão Clínica do Departamento de Pediatria Internato Artrite Idiopática Juvenil Apresentadores: Mina Rabelo,, Ana Lúzia Fernandes Orientador: Profa. Nadya Carneiro Data: 25 / 04 / 2003 NAMNESE Identificação

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 44 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Reumatologia Doença de Kawasaki Departamento de Adolescência Bullying: o lado obscuro das

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial

Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina. SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial Faculdades Einstein de Limeira Biomedicina SÍFILIS Diagnóstico Laboratorial SÍFILIS 1. CONCEITO Doença infecciosa, sistêmica, de evolução crônica 2. AGENTE ETIOLÓGICO espiroqueta Treponema pallidum. 3.

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 59 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2010-2013 Dezembro 2011 Departamento de Saúde Mental/Grupo de Trabalho Álcool na Gravidez O espectro dos distúrbios fetais

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

OSTEOARTRITE DA ARTICULAÇÃO INTERFALANGEANA DISTAL DOS DEDOS

OSTEOARTRITE DA ARTICULAÇÃO INTERFALANGEANA DISTAL DOS DEDOS OSTEOARTRITE DA ARTICULAÇÃO INTERFALANGEANA DISTAL DOS DEDOS Victor Cesar Jr.1 DEFINIÇÃO Por definição podemos entender a osteoartite como uma doença insidiosa, de evolução lenta, que resulta em destruição

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERVIÇO DE REUMATOLOGIA

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERVIÇO DE REUMATOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA - PUCRS PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III - 2012-2 PROGRAMA DE ENSINO TEÓRICO E PRÁTICO - MÓDULO VII ORTOPEDIA REUMATOLOGIA FISIATRIA PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS

Leia mais

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA COMUNICADO CIRCULAR Nº 003/11-CR Manaus, 24 de março de 2011. DA: COORDENAÇÃO ESTADUAL DE REGULAÇÃO PARA: DIRETORES ESTABELECIMENTOS SOLICITANTES Prezados Diretores, Considerando a otimização dos serviços

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. REQUISITOS MÍNIMOS DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM REUMATOLOGIA (R1 e R2) PRÉ REQUISITOS: 02 anos de Residência em Clínica Médica DURAÇÃO DO PROGRAMA: 02 anos INTRODUÇÃO A Reumatologia é uma especialidade

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: REUMATOLOGIA (REU)

COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: REUMATOLOGIA (REU) 01 B 02 A 03 C 04 D 05 D 06 B 07 B 08 D 09 A 10 A 11 B 12 C 13 C 14 D COMANDO DA AERONÁUTICA GABARITO OFICIAL APÓS ANÁLISE DE RECURSOS CONCURSO: IE/EA CAMAR/CADAR/CAFAR 2009 CARGO: REUMATOLOGIA (REU) VERSÃO:

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática

Diretrizes. Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática Realização Sociedade Brasileira de Cardiologia Sociedade Brasileira de Pediatria Sociedade Brasileira de Reumatologia

Leia mais

Afecções Ósseas. Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens. Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz

Afecções Ósseas. Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens. Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz Afecções Ósseas Faculdade de Medicina Veterinária Diagnóstico por Imagens Profª Anna Paula Balesdent Prof. Rodrigo Cruz Definição estados patológicos que se manifestam sobre o esqueleto apendicular e axial

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it SÍNDROMES DE DOR

www.pediatric-rheumathology.printo.it SÍNDROMES DE DOR www.pediatric-rheumathology.printo.it SÍNDROMES DE DOR 1) Fibromialgia - A Fibromialgia pertence ao grupo das síndromes de dor musculo-esquelética idiopática difusa. A Fibromialgia é caracterizada por

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Curso de Capacitação de Urgência e Emergências. Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil

Curso de Capacitação de Urgência e Emergências. Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil Curso de Capacitação de Urgência e Emergências Academia Nacional de Medicina Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil MARCIO NEHAB DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA FIOCRUZ DOENÇAS

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho. O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem,

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais