A RELAÇÃO ESCOLA-PAIS- DA TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SEPARADA À TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SOBREPOSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO ESCOLA-PAIS- DA TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SEPARADA À TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SOBREPOSTA"

Transcrição

1 A RELAÇÃO ESCOLA-PAIS- DA TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SEPARADA À TESE DAS ESFERAS DE INFLUÊNCIA SOBREPOSTA Virgínio Sá Universidade do Minho/IEP A complexa geografia das relações dos pais com a escola (e da escola com os pais) tem vindo a ser balizada por fronteiras cuja localização tem sido objecto de disputa (e relocalização ). Se até meados da década de setenta, do século passado, predominou um certo consenso político pedagógico, com reflexos no enquadramento jurídico-normativo, que acentuava a demarcação de territórios entre aquelas duas potências educadoras, nas décadas seguintes tem vindo a ser consolidado um novo saber convencional que enfatiza a responsabilidade partilhada e as esferas de influência sobreposta (Epstein) entre a família e a escola na educação das crianças. Contudo, o mapeamento do território partilhado (e disputado) entre pais e professores põe em evidência um conjunto de inconsistências e desarticulações entre discursos, decisões e acções, com reflexos na forma como se vêm concretizando as parcerias advogadas para operacionalizar aquela relação Nesta comunicação pretendemos interrogar o sentido das ambiguidades/duplicidades discursivas que marcam o novo consenso político-pedagógico que, ao mesmo tempo que eleva os pais a primeiros e principais responsáveis pela educação dos filhos, simultaneamente, os recrimina, ora por se desinteressarem, ora por se intrometerem nos assuntos escolares, A explicitação da pluralidade de sentidos do conceito de participação e a sua articulação com a problemática do poder, constituirão démarches essenciais à dilucidação de alguns dos paradoxos e da hipocrisia organizaciona l (Brunsson) que marcam a relação escola-pais. 1. A construção da escola pública e a marginalização dos pais Num texto escrito no início da década de 90 do século passado, e retomando uma ideia que já tinha defendido meia dúzia de anos antes, António Nóvoa (1992: 32-3) observou: Num certo sentido, o aparelho escolar edificou-se contra as famílias e as comunidades, que foram marginalizadas, ora com o argumento político (a legitimidade do Estado para decidir em matéria educativa), ora com o argumento profissional (a competência especializada dos professores em matéria educativa Na verdade, no caso português, até meados da década de setenta do séc XX, o espaço de intervenção dos pais terminava à porta da escola. Guilherme Pimentel, então subdirector do 1º ciclo do Liceu Normal de D. João III, num texto publicado na Revista Labor em meados do século passado, traduziu de forma muito clara esta demarcação de territórios. Este autor sintetizou nestes termos a sua concepção das relações da escola com as famílias: [ ] é preciso que os encarregados de educação nos ajudem na difícil tarefa de ministrar a educação e instrução aos homens de amanhã, que hão-de guiar os nossos destinos de Nação imortal. Que venham ao liceu; que procurem interessar-se pelo aproveitamento e comportamento dos nossos alunos; que vigiem, amiúde, os cadernos diários- magnífico meio de comunicação do Liceu com a Família; em suma, que façam pelos seus filhos tudo o que puderem fora do liceu, pois cá dentro, nós faremos o resto, Deus sabe, por vezes, com que sacrifícios, mas da melhor boa vontade! (Pimentel, 1953: 134) 499

2 Ao mesmo tempo que, progressivamente, se estabelece uma demarcação de territórios entre o espaço de intervenção da escola e o espaço de intervenção das famílias, discursos de vária natureza e proveniência convergem na produção de um estereótipo parental caracterizado por uma incompetência presumida e por um défice cívico: os pais não se interessam pela educação dos filhos, não cumprem a sua obrigação de cooperadores, não comparecem na escola quando são convocados, apenas se preocupam com os educandos nos finais de período, concebem a educação como uma empreitada, pressionam o poder político (e os professores) no sentido do facilitismo, etc, etc, etc. 2. A emergência de um novo consenso político-pedagógico: A tese das esferas de influência sobreposta. Em diversas geografias sócio-políticas, a partir das décadas de 60/70, à tese das esferas de influência separada sucede-se, a partir das décadas 60/70, a tese das esferas de influência sobreposta (J. Epstein). A crise da educação e o fim do optimismo pedagógico pressionaram o poder político para uma maior abertura da escola à comunidade. Na União Europeia, em 1995, o tema da participação social na educação foi escolhido, no âmbito da presidência espanhola, como o elemento central da reflexão comunitária sobre os factores que influenciam a qualidade da educação escolar. 1 Por seu lado, J. Epstein e colegas (1997), numa obra que dedicam às Parcerias Escola, Família e Comunidade, afirmam na Introdução: Não há tópico na educação em relação ao qual haja maior consenso do que em relação à necessidade do envolvimento parental. Todos o desejam, mas muitos não sabem como desenvolver programas eficazes de parcerias escola-família-comunidade (Epstein et al., 1997: xi) Também S. Sarasson (1995), numa obra intitulada O Envolvimento Parental e o Princípio Político, observa que: Está na moda proclamar que é necessário e desejável o envolvimento parental nas nossa escolas públicas. Estas declarações públicas têm uma aura de virtude, inclusão e ethos democrático. (Sarasson, 1995: 11) Contudo, este autor é bastante mais céptico em relação ao optimismo subjacente à perspectiva de Epstein e colegas pois considera que, com frequência, tais projectos não passam de 1 Para uma análise da cronologia normativa da progressiva institucionalização da participação parental nos sistemas educativos europeus, ver o estudo intitulado La Place des Parents dans les Systèmes Éducatifs de l Union Européenne, publicado pelo EURYDICE: Lle réseau d information sur l éducation en Europe (1997). 500

3 uma retórica discursiva (eventualmente bem intencionada), embalada em alguns slogans politicamente correctos, faltando-lhes a dimensão operativa e um conteúdo substantivo. A participação que pretende superar a mera encenação participativa (que pretende ir além do mudar o suficiente para não ter de mudar nada ) implica sempre reconfiguração das relações de poder e esta, por sua vez, implica invariavelmente tensão, disputa, conflito. Nota Sarason que, em tal situação (alteração das relações de poder) o conflito é tão previsível como o nascer do sol. Contudo, e ao contrário do que os discursos mais normativos sugerem (ou afirmam explicitamente), o conflito não é nenhuma doença organizacional cuja erradicação se torna imperiosa. O conflito, além de ser inerente a qualquer interacção social e organizacional, pode ser fonte de vitalidade, de dinamismo e de criatividade organizacional (Brunsson, 1989). Como afirmam Crozier & Friedberg, a participação tem custos, portanto, ela só interessará aos participantes na medida em que seja compensadora. Caso contrário, o participante (potencial) poderá não estar interessado na oferta participativa em causa. Recusar uma oferta participativa que não confere ao participante capacidade de influenciar os processos em que participa não é desinteresse, mas sensatez! Não se pode recriminar alguém por não querer ser usado/manipulado/instrumentalizado ao serviço de agendas alheias! Os pais são com frequência chamados a participar nas boas bausas. Não se lhes reconhece, contudo, legitimidade para decidir o que são (ou quais são) as boas cauasas. Estas são apresentadas como produtos acabados, como se a sua bondade fosse natural. As causas nunca são naturalmente boas ou más. As boas causas, como as más causas, reflectem sempre certos interesses, portanto, nunca todos os interesses! Quem participa compromete-se, ou seja, perde uma parte da sua liberdade, da sua independência, da sua autonomia. Enquanto parte de um colectivo, passará a ser (co)responsabilizável pelos produtos desse colectivo, mesmo quando não foi parte activa na sua produção. São estes (alguns) (d)os custos da participação! A sua inclusão num modelo de análise da participação introduz outra(s) racionalidade(s) na não participação. 3. A (não) participação dos pais na escola: a eloquência das ausências À análise simplista que equipara não participação a desinteresse, contrapõem-se agora leituras alternativas que admitem, por exemplo, que a não participação possa não só não significar desinteresse como, bem pelo contrário, possa estar associada a um excesso de interesse. Ou seja, certos segmentos de encarregados de educação podem não participar porque recusam as ofertas 501

4 participativas ( presentes envenenados ) que lhes são proporcionadas com o argumento de que aquelas os reduzem ao papel de colaboradores subordinados, de meros ecos da escola, sem direito a voz própria. A utilização (instrumental) da participação como uma simples técnica de gestão, como forma de cooptar vozes incómodas, evitando que estas configurem uma ameaça ao status quo, constitui uma táctica gestionária bem conhecida (e estudada). Só que, como esclarece Selznick, neste caso (cooptação formal), o que se partilha não é o poder de decisão, mas os encargos do poder, ou seja, a responsabilidade por decisões sobre as quais, de facto, não se pesou (porque elas podem ser tomadas, independentemente da posição assumida pelo(s) elemento(s) cooptado(s)). A natureza sedutora e enganadora do conceito de participação leva a que os discursos (e os normativos) que a invocam estejam atravessados por diversas duplicidades que expressam aparentes dissonâncias cuja inteligibilidade pressupõe um persistente esforço de clarificação conceptual. Desde logo, no quadro da política educativa podemos contrapor duas orientações aparentemente contraditórias. Se ao nível da "participação consagrada" (Constituição, Lei de Bases do Sistema Educativo, preâmbulos dos decretos e outros instrumentos normativos) se reconhece aos pais o legítimo direito de participar no governo das escolas, no momento de operacionalizar essa participação, além de se lhe não definir um conteúdo particular, tem-se tendido a concentrá-la em áreas e órgãos que dispõem de um limitado poder de decisão (L. Lima, 1992; P. Silva, 1994). Além disso, essa participação tem-se limitado a uma representação mínima, habitualmente situada entre os 5% e os 10% do total dos membros da estrutura em causa. Tudo se passa como se o poder político ao mesmo tempo que vem declarando, na arena pública, o direito e a legitimidade de participação dos pais na definição da política educativa, de forma subtil, na arena privada, através da estratégia regulamentadora, procurasse excluir os pais dessa mesma participação, reservando-se o quase exclusivo dessa definição. Também o discurso dos professores em torno desta problemática parece estar mergulhado naquela mesma duplicidade. Se, por um lado, há um substancial consenso em relação à importância dessa participação, considerando que ela é fundamental para o sucesso educativo dos alunos, reconhecendo-a, não só como um direito, mas também (sobretudo) como um dever, mostrando-se receptivos para a aceitar e mesmo promover; por outro lado, com a mesma regularidade e veemência, insurgem-se contra a participação considerando-a ilegítima, abusiva, invasiva, inútil e mesmo nefasta para o desenvolvimento da acção pedagógica da própria escola. Esta mesma duplicidade reflecte-se na análise que os professores fazem das práticas participativas dos encarregados de educação. Assim, por exemplo, se por um lado os pais são considerados como "não 502

5 participativos", ao mesmo tempo, parecem ser igualmente recriminados por "participar de mais" (N. Afonso, 1994). Não menos intrigante é a posição dos pais em relação a esta mesma problemática. Ao mesmo tempo que reclamam mais espaço de intervenção e maior representação na discussão e na tomada de decisão nos assuntos da escola, parecem evidenciar um aparente desinteresse em colonizar os territórios que progressivamente têm conquistado, não os ocupando, ou fazendo-o de forma intermitente e, aparentemente, pouco empenhada. Aliás, Silva (1994: 324) refere mesmo que há indicadores que apontam para uma correlação negativa entre a progressiva institucionalização da relação escola-famílias e a mobilização destas em torno da participação na escola. A dilucidação destes aparentes paradoxos não é compatível com uma utilização sincrética do conceito de participação. Seguramente que o sentido da participação não é o mesmo nos vários cenários a que nos reportámos acima. Quando pais e professores falam de participação não estão necessariamente a reportar-se à mesma realidade. Como pude constatar numa investigação que concluí recentemente (Sá, 2004), as expectativas de pais e professores sobre a participação dos primeiros na escola não são sempre convergentes. Se há áreas de relativa consensualidade, também há domínios de clara divergência. Num certo sentido, as expectativas dos professores continuam a apontar para uma intervenção dos pais na escola que deve concretizar-se, sobretudo, fora da escola ( preparar a criança para o ofício de aluno ). Em contrapartida, os pais, embora aceitem assumir responsabilidades fora da escola, aspiram também a uma intervenção mais activa mo interior da escola ( Definição do calendário escolar, definição do horário escolar, constituição de turmas, avaliação dos alunos, definição das medidas educativas de natureza disciplinar, avaliação dos professores, etc.). 4. Alguns obstáculos ao diálogo escola-pais Claro que o(s) sentido(s) da não participação não se esgotam no excesso de interesse a que nos reportamos acima. Noutros casos, as ausências orientam-se por outras racionalidades. Por exemplo, para certos grupos de pais, as esferas de influência da escola e da família continuam a não se interceptar. Em condições normais, o campo de intervenção daquelas duas instâncias educativas é balizado por fronteiras bem claras que devem ser cuidadosamente respeitadas. Numa versão popular podemos afirmar que, para este subconjunto de encarregados de educação, aos pais compete dar o pão e a educação, à escola a instrução. Se cada parte cumprir o seu papel, no seu território específico, estão criadas as condições para o sucesso da empresa educativa. Note-se que, para este segmento de encarregados de educação, chegar ao termo do ano lectivo sem nunca ter tido necessidade de ir à escola é a melhor prova 503

6 de que se foi um pai responsável. Haverá segmentos da classe docente que também pensam assim? 4.1 A escola perfeita dispensa os pais? Uma das implicações do pressuposto da tese das esferas de influência separada é que a relação dos pais com a escola (e, eventualmente, da escola com os pais) tende a circunscrever-se às situações em que há problemas o que, por sua vez, leva à associação entre participação e experiências pouco gratificantes. Talvez por isso alguém já comparou o ir à escola ao ir ao dentista, uma experiência de que poucos guardam boas recordações! Vai-se quando se tem de ir, mas, quase sempre, adia-se até ao limite. Às vezes já é demasiado tarde! A longa tradição das esferas de influência separada conduziu também à desnaturalização da presença dos pais na escola. Como consequência, para alguns, a presença dos pais na escola é percepcionada como a quinta roda da carroça. Esta imagem é passível de duas leituras: i) Como as carroças não têm cinco rodas, os pais são o elemento que está a mais, que destoa, que não faz sentido; ii) ou, numa interpretação mais benevolente, podemos admitir que a quinta roda da carroça é a roda suplente, aquela que utilizamos quando as coisas não correm bem, aquela que, no limite, gostaríamos de nunca ter de utilizar. O facto de a escola convocar os pais sobretudo quando há problemas parece conferir mais pertinência à segunda hipótese. 4.2 Comunicação escola-pais: um diálogo de surdos? A comunicação escola-pais (e pais-escola) é suposto ter como objectivo o estabelecimento de um diálogo entre ambas as partes de modo a permitir uma troca de informações consideradas relevantes. Os pais são, em princípio, quem melhor conhece a criança, estando, por isso, na posse de um largo espectro de informações cuja partilha com a escola pode ser muito importante para uma melhor contextualização e condução do processo de ensino-aprendizagem. A hora semanal de atendimento dos encarregados de educação, a cargo do director de turma, proporciona, aparentemente, um dos momentos mais propícios à partilha dessa informação. Contudo, diversos autores que têm centrado os seus estudos sobre as interacções que se desenvolvem nesse espaço/tempo (por ex.: MacLure e Walker, 2000) têm posto em evidência o carácter assimétrico da relação que aí se estabelece. O facto de para aí convergirem actores dotados de códigos e competências linguísticas muito diversos pode levar a que uma boa parte das interacções comunicacionais entre pais e professores se possam resumir a um diálogo 504

7 de surdos (Silva, 1996) ou a um não diálogo (Vieira, 1996) 2. É que, como observa Dulce Pereira: [ ] os que se consideram detentores da norma fazem às vezes do seu saber um capital linguístico que usam como sinal exterior de riqueza, mais do que como fonte de capacidades expressivas, comunicativas e interpretativas, caindo em excessos verborreicos e em fracassos de comunicação. Por isso, interroga mais adiante esta autora, Se os pais têm a sorte de partilhar a linguagem da escola, tudo bem. Se não, sobre que mundos paralelos assentará o aparente diálogo entre a escola e a família? (Pereira, 1997:130). A questão torna-se, contudo, ainda mais intrigante quando se constata que, estando, aparentemente, criadas as condições favoráveis ao diálogo (ou seja, ambos os interlocutores falam a mesma linguagem ), com frequência ocorrem as interacções mais crispadas e marcadas pela confrontação. O caso mais paradigmático é o dos pais-professores, segmento dos encarregados de educação consensualmente considerados pelos directores de turma como dos mais difíceis (Sá, 1997). 4.3 Os muros invisíveis e outros obstáculos à interacção escola-família Se qualquer obstáculo à interacção escola-pais, pela sua natureza intrínseca, representa sempre uma dificuldade a vencer quando pretendemos promover uma concepção de escola como comunidade educativa, a tarefa torna-se particularmente problemática quando esses obstáculos assumem a configuração de muros invisíveis. Neste caso, o primeiro e mais difícil desafio é a sua localização/identificação. Tornar muros invisíveis em muros visíveis pressupõe uma equipagem teórico-conceptual sensível às idiossincrasias e às diferenças que caracterizam a complexa geografia sócio-cultural que recobre o vasto mundo dos encarregados de educação. A indiferença à diferença pode constituir um desses muros invisíveis que deixam do lado de fora todos aqueles que não se ajustam ao figurino. Na verdade, subordinados à actualização de papéis cujos guiões lhes prescreveram, mas que nem sempre assimilaram e em cuja construção raramente participaram, a maioria dos actores sociais, quando veste a pele de encarregado de educação, parece condenada a transportar consigo a infame insígnia do pai irresponsável, que despeja os filhos à porta da escola, que 2 Ricardo Vieira, comentando um conjunto de diálogos entre pais e professores recolhidos em quatro escolas públicas do distrito de Leiria, afirma: Induz-se dos diálogos quão difícil parece ser a existência duma relação Escola/Família paritária. [...] às vezes essa comunicação entre professores e pais, esse desejável diálogo entre duas partes interessadas na aprendizagem das crianças, torna-se um não-diálogo. [...] assiste-se na prática muito à continuidade da metáfora da grande boca do professor que fala e pouco ouve. (Vieira, 1996: 173-4). Comentando o mesmo corpus, Pedro Silva observa: Que a relação entre a escola e as famílias pode, em grande parte dos casos, ser caracterizada como um diálogo de surdos prova-o uma vasta bibliografia [...]. Sabemos, por exemplo, que as reuniões entre professores e pais podem, sob a capa de uma escola mais democrática e participada, constituir a melhor forma de os professores manifestarem o seu poder e reforçarem distâncias sociais e culturais. (Silva, 1996: 179). 505

8 despreza as aprendizagens e apenas valoriza os canudos, que responsabiliza os professores pela sua própria incúria, que invade territórios alheios e não cultiva os próprios, que não reconhece o empenhamento docente, que não colabora ou, pior ainda, que critica e desautoriza a escola e os professores. Em contrapartida, o pai reverente, cortês, humilde (reconhece a sua laicidade), assíduo (ma non troppo), disponível (responde às convocatórias da escola), educador (prepara o filho para o ofício de aluno), vigilante (controla o estudo e a elaboração dos trabalhos de casa), cúmplice (partilha com os professores os problemas particulares do educando), colaborador (em causas alheias) e, finalmente (mas não menos importante), solidário (com a escola e os professores- reconhece/reforça as suas decisões), representa o guião idealizado do pai responsável com que uma boa parte dos agentes educativos, aparentemente, gostaria de contracenar. O problema é que este estereótipo (versão idealizada) de pai responsável não tem correspondência nos pais mesmos, como diria Freire, ou, no pai sociológico (Stoer e Cortesão, 1999). 5. Conclusão Apesar da nova retórica discursiva que enfatiza o novo paradigma da esferas de influência sobreposta, as expectativas normativas que circunscrevem os pais ao papel de colaboradores subordinados, aliadas à incompetência presumida e à ideologia do défice cívico (Lima & Sá, 2002; Sá, 2004) com que se desqualificam aqueles actores educativos ( não se interessam ; despejam os filhos à porta da escola ), vêm contribuindo para o esvaziamento do território (supostamente) partilhado entre os pais e a escola, minando os alicerces do diálogo que todos reclamam como condição indispensável à reinvenção da escola como cidade educativa sensível à polifonia das vozes plurais que aí (co)habitam. Esta descrença no outro é, possivelmente, mais uma das razões pelas quais o diálogo escola-pais continua a ser um diálogo de surdos (Vieira: 1996) 3, onde os desencontros e os mundos paralelos (Pereira, 1997) constituem barreiras geradoras de desconfianças mútuas capazes de induzir comportamentos de fechamento que apenas reforçam aquelas desconfianças. Ora, como tão sabiamente observa um dos personagens de Saint-Exupéry, Se não me cativares, não me sentarei a teu lado. Não se trata, contudo, de conquistar o outro, ainda que recorrendo a formas adocicadas 4, mas antes acreditar nele, cativá-lo pela prática dialógica que (re)conhece as diferenças e as potencia enquanto capital educativo gerador de experiências 3 Note-se, no entanto, que essa surdez pode apresentar níveis de profundidade bastante variáveis. 4 Afirma Freire (1975: 193): O antidialógico, dominador, nas suas relações com o seu contrário, o que pretende é conquistá-lo, cada vez mais, através de mil formas. Das mais duras às mais subtis. Das mais repressivas às mais adocicadas, como o paternalismo. 506

9 formativas mais ricas e intensas. Afinal, como lapidarmente expressa um velho ditado africano, É preciso uma aldeia inteira para educar uma criança. Todos não seremos de mais! Bibliografia AFONSO, Natércio (1994). As Famílias no Novo Modelo de Gestão das Escolas. ESES, nº 5, pp BRUNSSON, Nils (1989). The Organization of Hypocrisy. Talk, Decisions and Actions in Organizations. Chichester: John Wiley & Sons Ltd. CROZIER, Michel & FRIEDBERG, Erhard (1977). L'Acteur et le Système. Les Contraintes de L'Action Collective. Paris: Éditions du Seuil. EPSTEIN, Joyce, COATES, Lucretia, SALINAS, Karen, SANDERS, Mavis & SIMON, Beth (1997). School, Family, and Community Partnerships. Your Handbook for Action. Thousand Oaks: Corwin Press. EURYDICE (1997). La Place des Parents dans les Systèmes Éducatifs de L Union Européenne. Bruxelles: EURYDICE. FREIRE, Paulo (1975). Pedagogia do Oprimido. Porto: Afrontamento. FREIRE, Paulo (1996). Educação e Participação Comunitária. Inovação, Vol. 9, nº 3, pp LIMA, Licínio C. (1992). A Escola Como Organização e a Participação na Organização Escolar. Braga: Universidade do Minho (IE). LIMA, Licínio C. & SÁ, Virgínio (2002). A Participação dos Pais na Governação Democrática das Escolas. In J. Lima (Org.). Pais e Professores: Um Desafio à Cooperação. Porto: Edições ASA. MACLURE, Maggie & WALKER, Barbara (2000). Disenchanted Evenings: The Social Organization of Talk in Parent-Teacher Consultations in UK Secondary Schools. British Journal of Sociology of Education, Vol. 21, Nº 1, pp NÓVOA, António (Coord.) (1992). As Organizações Escolares em Análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote/IIE. PEREIRA, Dulce (1997). Comunicação Escola-Família: Qual o Papel da Oralidade e da Escrita? Comentário de Dulce Pereira. Educação, Sociedade & Culturas, Vol. Nº 8, pp PIMENTEL, Guilherme (1953). As Relações entre o Liceu e os Encarregados de Educação das Alunas. Labor, nº 151, pp SÁ, Virgínio (1997). Racionalidades e Práticas na Gestão Pedagógica da Escola. O Caso do Director de Turma. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. 507

10 SÁ, Virgínio (2001). A (Não) Participação dos Pais na Escola: A Eloquência das Ausências. In I. Veiga & M. Fonseca (Orgs.). As Dimensões do Projecto Político Pedagógico. Campinas: Papirus Editora. SÁ, Virgínio (2004). A Participação dos Pais na Escola Pública Portuguesa. Uma Análise Sociológica e Organizacional. Braga: Universidade do Minho/Cied. SARASON, Seymour (1995). Parental Involvement and the Political Principle. Why the Existing Governance Structure of Schools Should Be Abolished. San Francisco: Jossey-Bass. SELZNICK, Philip (1971). Cooptação: Um Mecanismo para a Estabilidade Organizacional. In E. Campos (Org.). Sociologia da Burocracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores. SILVA, Pedro (1994). Relação Escola-Família em Portugal: Duas Décadas, um Balanço. Inovação, Vol. 7, nº 3, pp SILVA, Pedro (1996). Pais-Professores: Uma Relação em que Uns São Mais Iguais que Outros? Educação, Sociedade & Culturas, nº 6, pp SILVA, Pedro (2003). Escola-Família, Uma Relação Armadilhada. Interculturalidades e Relações de Poder. Porto: Edições Afrontamento. STOER, Stephen & CORTESÃO, Luísa (1999). The Reconstruction of Home/School Relations: Portuguese Conceptions of the "Responsible Parent". International Studies in Sociology of Education, Vol. 9, Nº 1, pp VIEIRA, Ricardo (1996). Comentários. Professores e Pais: Diálogo de Surdos e Relações de Poder na Comunicação. Educação, Sociedade & Culturas, Vol nº 6, pp

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão Em Portugal, o sistema educativo tem-se caracterizado por uma forte tendência centralizadora

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

I Serviço Público de Educação

I Serviço Público de Educação PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO E AUTONOMIA DAS ESCOLAS GRUPO DE TRABALHO Documentos Serviço Público de Educação Níveis de Autonomia na Gestão das Escolas Introdução Nesta fase do desenvolvimento o Grupo de

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Porquês e comos de uma relação família-escola

Porquês e comos de uma relação família-escola 1 Porquês e comos de uma relação família-escola Armanda Zenhas (*) Para educar uma criança é preciso toda uma aldeia (Provérbio africano) Antigamente dizia-se: A família dá a educação e a escola dá a instrução.

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira Doutorandos em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona Docentes

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ANEXOS 1 Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Saber se a escola contempla o Programa de Transição para a Vida Activa e identificar as características do Programa; 1 -

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia Coruña, 7, 8 e 9 de Setembro de 2011 INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS

Leia mais

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial Marisa Carvalho (Psicóloga escolar, Agrupamento de Escolas de Toutosa) Maria Céu Taveira (Professora Auxiliar, Universidade do Minho)

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências

Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2º e 3º Ciclos Dr. João de Barros 12 e 17 de Maio 2006 Workshop Trabalhar e Avaliar Competências Maria de Lurdes Santos Gonçalves mgoncalves@dte.ua.pt

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização.

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização. Coaching Executivo Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

Arte y Trabajo Social. Dr. Eduardo Marques

Arte y Trabajo Social. Dr. Eduardo Marques ARTE Y TRABAJO SOCIAL Dr. Eduardo Marques. Hemisferios Solidarios, Portugal. Desde tu experiencia, Qué es la comunidad? É uma COMUM UNIDADE; isto é, um grupo de pessoas que partilham características comuns,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO. Educação Sexual em Contexto Escolar: Orientações Actuais. (Maputo, 13 a 24 de Janeiro de 2012) ESCOLA PORTUGUESA DE MOÇAMBIQUE

OFICINA DE FORMAÇÃO. Educação Sexual em Contexto Escolar: Orientações Actuais. (Maputo, 13 a 24 de Janeiro de 2012) ESCOLA PORTUGUESA DE MOÇAMBIQUE OFICINA DE FORMAÇÃO Educação Sexual em Contexto Escolar: Orientações Actuais (Maputo, 13 a 24 de Janeiro de 2012) ESCOLA PORTUGUESA DE MOÇAMBIQUE PROGRAMA 1 1. Introdução Atendendo à constante discussão

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS (401675) Póvoa de Varzim

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS (401675) Póvoa de Varzim Ex.mo Sr. Coordenador do Grupo de Trabalho para a Avaliação das Escolas Rua António Carneiro, 8 4349-003 PORTO Sua Referência Sua Comunicação Nossa Referência Data E-mail de 5/7/2006 24/07/2006 ASSUNTO:

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup.

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup. COACHING EXECUTIVO Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas. João Barroso Universidade de Lisboa

Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas. João Barroso Universidade de Lisboa Mudanças nas escolas, desafios para a Inspecção tendências e perspectivas João Barroso Universidade de Lisboa Inspecção-Geral da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL 2007 Melhoria da Educação desafios para a

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1

REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1 REFLEXÕES SOBRE OS MÉTODOS E TÉCNICAS DE PLANEAMENTO: acção colectiva e jogo estratégico de actores Isabel Guerra 1 1. Pressupostos de entendimento das formas de acção colectiva O objectivo da comunicação

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Impacto das Atividades nos resultados escolares

Impacto das Atividades nos resultados escolares Impacto das Atividades nos resultados escolares O Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro (AEVP) sistematiza e analisa os resultados relativos ao desempenho escolar dos alunos no ano letivo que agora

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais