AGENDA LEGISLATIVA DA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENDA LEGISLATIVA DA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 AGENDA LEGISLATIVA DA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS 2013

2 AGENDA LEGISLATIVA DA INDÚSTRIA DE MINAS GERAIS 2013

3 DIRETORIA DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDENTE MERCADOS RELAÇÕES TRABALHISTAS MEIO AMBIENTE Olavo Machado Junior Luiz Fernando Pires - Vice-Presidente Aguinaldo Diniz Filho - Vice-Presidente Alberto José Salum - Vice-Presidente CONSELHO FISCAL Marcone Reis Fagundes - Efetivo Luiz Carlos Xavier Carneiro - Efetivo Ralph Luiz Perrupato - Suplente Fábio Alexandre Sacioto - Suplente Romeu Scarioli Júnior - Suplente Luciano José de Araújo - Vice-Presidente Regional Vale do Aço Adelmo Pércope Gonçalves - Diretor René Wakil Júnior - Diretor Eduardo Caram Patrus - Diretor Adjunto Jeferson Bachour Coelho - Diretor Adjunto Marcelo Luiz Moreira Veneroso - Diretor Adjunto ASSUNTOS TRIBUTÁRIOS Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco Vice-Presidente Teodomiro Diniz Camargos - Vice-Presidente Adson Marinho - Vice-Presidente Regional Pontal do Triângulo Marcos Lopes Farias - Diretor Paulo Roberto Achcar Resende Ribeiro - Diretor Alexandra Pereira de Souza Maciel - Diretora Adjunta José Flávio Zago - Diretor Adjunto Bruno Melo Lima - Vice-Presidente Francisco José Campolina Martins Nogueira - Vice-Presidente Regional - Zona da Mata Rozâni Maria Rocha de Azevedo - Vice-Presidente Regional Rio Doce Adauto Marques Batista - Diretor Roberto Revelino Silva - Diretor Antônio de Araújo Rodrigues Filho - Diretor Adjunto Everton Magalhães Siqueira - Diretor Adjunto DELEGADO JUNTO À CNI Robson Braga de Andrade - Efetivo Olavo Machado Junior - Efetivo Aguinaldo Diniz Filho - Suplente Edwaldo Almada de Abreu - Suplente CRÉDITO E CAPITALIZAÇÃO Petronio Machado Zica - Vice-Presidente Ariovaldo de Melo Filho - Vice-Presidente Regional - Norte Cláudio Arnaldo Lambertucci - 1º Diretor Financeiro Francisco Sérgio Silvestre - Diretor Ricardo Vinhas Corrêa da Silva - Diretor Paulo César Rodrigues da Costa - Diretor Adjunto Rodrigo Velloso de Almeida - Diretor Adjunto Edwaldo Almada de Abreu - Vice-Presidente Altamir de Araújo Rôso Filho - Vice-Presidente Regional - Vale do Rio Grande Flávio Roscoe Nogueira - 3º Diretor Secretário Lincoln Gonçalves Fernandes - 3º Diretor Financeiro André Luiz Martins Gesualdi - Diretor Heveraldo Lima de Castro - Diretor Amadeus Antônio de Souza - Diretor Adjunto Luiz Raul Aleixo Barcelos - Diretor Adjunto ASSUNTOS LEGISLATIVOS José Fernando Coura - Vice-Presidente Luiz Custódio Cotta Martins - Vice-Presidente Haylton Ary Novaes - Vice-Presidente Regional - Sul Pedro José Lacerda do Nascimento - Vice-Presidente Regional - Vale do Paranaíba Luiz Augusto de Barros - 2º Diretor Secretário Michel Aburachid - Diretor Rômulo Rodrigues Rocha - Diretor Carlos Lúcio Gonçalves - Diretor Adjunto Sésyom Horeb Cerqueira - Diretor Adjunto SUSTENTABILIDADE Francisco Sérgio Soares Cavalieri - Vice-Presidente Romeu Scarioli - Vice-Presidente João Batista Nunes Nogueira - Vice-Presidente Regional - Alto Paranaíba Getúlio Vargas Alvares Guimarães - Diretor José Tadeu Feu Filgueiras - Diretor Antônio Eduardo Baggio - Diretor Adjunto Irma Ribeiro Santos - Diretora Adjunta EDUCAÇÃO E CAPACITAÇÃO José Maria Meireles Junqueira - Vice-Presidente Edson Gonçalves de Sales - 1º Diretor Secretário José Batista de Oliveira - 2º Diretor Financeiro Júnior César Silva - Diretor Scheilla Nery de Souza Queiroz - Diretora Alba Lima Pereira - Diretora Adjunta José Roberto Schincariol - Diretor Adjunto Odorico Pereira de Araújo - Diretor Adjunto INOVAÇÃO E TECNOLOGIA Luiz Carlos Dias Oliveira - Vice-Presidente Valentino Rizzioli - Vice-Presidente Afonso Gonzaga - Vice-Presidente Regional Centro-Oeste Giana Marcellini - Diretora Leomar Pereira Delgado - Diretor Roberto de Souza Pinto - Diretor Márcio Danilo Costa - Diretor Adjunto Michel Henrique Pires - Diretor Adjunto Sebastião Rogério Teixeira - Diretor Adjunto

4 LISTA DE SIGLAS / ABREVIATURAS ADOTADAS PL PLC PCO PRE PEC PLE MSG VET Projeto de Lei Projeto de Lei Complementar Projeto de Lei Constitucional Projeto de Resolução Proposta de Emenda Constitucional Proposta de Ação Legislativa Mensagem Veto COMISSÕES PERMANENTES DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA São 20 as Comissões Permanentes que subsistem nas legislaturas e opinam sobre os projetos em tramitação. Elas também realizam audiências públicas para debater temas de suas áreas e fazem visitas para conhecer de perto a realidade do Estado. São formadas por membros efetivos e suplentes. As Comissões de Constituição e Justiça, Administração Pública e de Fiscalização Financeira e Orçamentária têm sete deputados, as outras são constituídas por cinco parlamentares. As reuniões das Comissões são públicas. CJU Constituição e Justiça APU Administração Pública AMR Assuntos Municipais e Regionalização CTA Cultura DCC Defesa do Consumidor e do Contribuinte DPD Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência DHU Direitos Humanos ECT Educação, Ciência e Tecnologia ELJ Esporte, Lazer e Juventude FFO Fiscalização Financeira e Orçamentária MAD Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável MEN Minas e Energia PPO Participação Popular PAA Política Agropecuária e Agroindustrial RED Redação SAU Saúde SEG Segurança Pública TPA Trabalho, da Previdência e da Ação Social TCO Transporte, Comunicação e Obras Públicas TIC Turismo, Indústria, Comércio e Cooperativismo SUMÁRIO 4 DIRETORIA / SINDICATOS FILIADOS 6 LISTA DE SIGLAS / COMISSÕES PERMANENTES 8 APRESENTAÇÃO 10 MEIO AMBIENTE 26 DESENVOLVIMENTO REGIONAL 30 POLÍTICA TRIBUTÁRIA E FISCAL 42 ASSUNTOS TRABALHISTAS 46 CULTURA 50 TURISMO 54 ECONOMIA 58 INTERESSE SETORIAL LEGENDA / SITUAÇÃO PROJETOS Convergente Convergente com ressalva

5 APRESENTAÇÃO DEMOCRACIA E PARTICIPAÇÃO A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) tem a satisfação de colocar à disposição da sociedade mineira a edição 2013 da Agenda Legislativa da Indústria Mineira. Trata-se de documento estratégico para orientar o diálogo do setor produtivo com o Parlamento. Seu objetivo prioritário é o de destacar e discutir propostas que se encontram em tramitação na Assembleia Legislativa. A Agenda Legislativa da Indústria Mineira engloba questões fundamentais para a vida das empresas, e sobre elas a FIEMG se posiciona de forma objetiva e transparente. Representa, de forma especial, o reconhecimento do setor industrial à importância do parlamento mineiro como fórum de discussão de matérias de interesse do setor produtivo estadual, do próprio Estado e de toda a sociedade. É este processo, participativo e democrático, que permite avaliar impactos e, ao final, inspirar decisões que contemplem os legítimos interesses da sociedade. Como entidade representativa do setor industrial, compete à FIEMG a responsabilidade de acompanhar as proposições em debate e de posicionar-se em coerência com os legítimos interesses de seus representados os Sindicatos de Indústria e suas empresas associadas. Essa é a essência da Agenda Legislativa da Indústria. Com transparência e em absoluta sintonia com as diretrizes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), trabalhamos com o exclusivo objetivo de potencializar o desempenho da indústria e apoiar o desenvolvimento sustentável do Estado. OLAVO MACHADO JUNIOR / Presidente - Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais 8 9

6 A legislação ambiental deve ser aperfeiçoada, criando condições benéficas para o desenvolvimento sustentável do estado de Minas Gerais, considerando seus aspectos econômicos, sociais e ambientais. A edição de normas claras e objetivas para tratar das questões ambientais traz segurança jurídica aos empreendedores tornando Minas Gerais um Estado atrativo para novos investimentos e fomentando a competitividade do setor produtivo mineiro. MEIO AMBIENTE Legislação e regulamentação ambiental de qualidade pressupõem: Marcos regulatórios eficientes, capazes de conferir segurança jurídica aos empreendimentos; Definição prévia das competências e atribuições dos órgãos ambientais; Transparência do processo para a regularização ambiental de empreendimentos e atividades; Utilização de parâmetros e indicadores econômicos na elaboração das normas ambientais; Estímulo à adoção de práticas voltadas à gestão ambiental mediante a concessão de incentivos econômicofinanceiros; Representação do setor industrial nos fóruns normativos de meio ambiente. AÇÕES PROPOSTAS Desburocratizar e agilizar os procedimentos necessários para a regularização ambiental. Criar marco legal e indicadores próprios para as questões sociais que incidem nos empreendimentos complexos, desvinculando-os do processo de licenciamento ambiental. Implementar políticas alternativas ao comando e controle na definição de espaços territoriais especialmente protegidos, principalmente em áreas de preservação permanente, garantindo a disponibilização de informações técnicas pelo poder público que deve obrigar-se a produzi-las quando inexistentes

7 PL 2181/2011 PL 3915/2013 Convergente com ressalva Dispõe sobre a aplicação do princípio da legalidade nos casos ambientais que menciona. (Estabelece necessidade de Lei para disciplinar: I a tipificação das infrações às normas estaduais de proteção do meio ambiente; II o processo administrativo de apuração das infrações às normas estaduais de proteção do meio ambiente; III os valores cobrados para fins de ressarcimento de custos de análise de processos de licenciamento e autorização ambientais e de outorga do direito de uso das águas). NOSSA POSIÇÃO: Convergente com ressalva Trata-se de projeto de lei estadual de autoria do Deputado Sávio Souza Cruz. Dispõe sobre a aplicação do princípio da legalidade nos casos ambientais que menciona. Em seu artigo 1º, estabelece que serão disciplinados em lei: I a tipificação das infrações às normas estaduais de proteção do meio ambiente; II o processo administrativo de apuração das infrações às normas estaduais de proteção do meio ambiente; III os valores cobrados para fins de ressarcimento de custos de análise de processos de licenciamento e autorização ambientais e de outorga do direito de uso das águas. Estabelece o prazo de setecentos e vinte dias contados da data de sua publicação para o início de sua vigência. Em sua justificativa, o eminente autor sustenta o seguinte: Nos debates travados nesta Casa, sobretudo no âmbito de suas comissões permanentes, constatam-se perplexidade e indignação muito grandes com a quantidade e o calibre de normas de conduta ambientais disciplinadas em ato infralegais (...) A matéria não é simples. Revolve discutir os limites do princípio da legalidade, orientador do Estado Democrático de Direito, e a admissibilidade de regulamentação ou exercício de função normativa pelo Poder Executivo nos casos aludidos. À toda evidência, a aplicação do Princípio da Legalidade é imanente para a definição de obrigações e reconhecimento de direitos. É inadmissível que a instituição de tributos e emolumentos pela Administração Pública Estadual se faça sem prévia definição legal. Nesse mesmo sentido, não se pode tolerar a criação de modalidades infracionais e processos sancionatórios por meio de decretos ou outros atos infralegais, sem prévia autorização legal. Esse é o entendimento consolidado do Supremo Tribunal Federal. Por outro lado, desde que tenha sido autorizada tal delegação legislativa, ressalvadas as peculiaridades da matéria e a hipótese de tributos ou emolumentos, isto não significaria, violação ao princípio da legalidade, mas sua aplicação em sentido amplo. A aprovação do Projeto de Lei sob análise implicaria afastar a edição de Decretos, portarias, deliberações normativas, resoluções ou qualquer outro ato infralegal que estabeleça infrações, cobrança de indenização por custos de análise ambiental (reconhecido como tributo ou emolumento) e discipline o processo sancionatório administrativo. Nesse sentido, o ordenamento jurídico vigente sofreria alterações, uma vez que contempla autorização legal para o Poder Executivo disciplinar a matéria inclusive por meio de resolução do Secretário de Meio Ambiente, no caso de valores cobrados para fins de ressarcimento de custos de análise de processos de licenciamento, e por meio de Decreto, no caso de tipificação de infrações ambientais e do respectivo processo administrativo. Desse modo, a técnica legislativa mais adequada recomendaria a apresentação de substitutivo ao PL sob análise para alterar dispositivos da Lei Estadual nº 7.772/80 e da Lei Delegada nº 178/2007 ao invés de promover revogações implícitas no ordenamento vigente. Isto posto, manifestamos no mérito favoráveis à aprovação do PL, com ressalvas, recomendando a elaboração de Substitutivo e discussão com os setores afetados. ONDE ESTÁ? Encontra-se pronto para a Ordem do Dia em Plenário. Convergente com ressalva Dispõe sobre as Políticas Florestal e de proteção à biodiversidade no Estado. NOSSA POSIÇÃO: Convergente com ressalva Em , foi publicada a Lei Federal n.º , que trata das alterações sobre o Código Florestal Brasileiro, bem como a Medida Provisória n.º 571/2012, que altera parte do texto aprovado pelo Congresso Nacional. Com estas publicações, grande parte da política florestal brasileira foi alterada, implicando em novas obrigações e na adequação de antigas exigências, que deixaram de ser plausíveis frente à nova realidade do nosso país. Desta forma, entende-se de suma importância que a legislação mineira se equipare à legislação federal no que tange aos limites, restrições e permissões, respeitadas as especificidades de nosso Estado. O Projeto de Lei 3.915/13, de autoria do Governardor do Estado, traz grande parte das alterações aprovadas pelo Novo Código Florestal, dentre elas: Inexigência de reserva legal relativa às áreas adquiridas, desapropriadas, objetos de servidão, por detentor de concessão, permissão ou autorização para exploração de potencial de energia nas quais funcionem empreendimentos de geração de energia elétrica, subestações, linhas de transmissão e de distribuição de energia elétrica; Possibilidade de se compensar a Reserva Legal até mesmo fora do Estado, desde que localizada no mesmo Bioma; Possibilidade de registro da Reserva Legal no Cadastro Ambiental Rural CAR, desobrigando-se sua averbação no Cartório de Registro de Imóveis. Contudo, existem dispositivos no referido Projeto de Lei que não estão em consonância com o estabelecido no Novo Código Florestal. O PL equipara os olhos d água intermitentes às Áreas de Preservação Permanente, permitindo a intervenção apenas nos casos permitidos para as APPs. O Novo Código Florestal restringe a intervenção apenas nos olhos d água perenes. Além disso, o PL traz uma medida compensatória, não prevista no Novo Código Florestal, específica para os empreendimentos minerários que dependam de supressão de vegetação. Essa medida compensatória consiste no pagamento de compensação que inclua a regularização fundiária e a implantação de unidades conservação de proteção integral. Entendemos que a referida medida tem o mesmo objetivo da compensação ambiental prevista no artigo 36 da Lei 9.985/2000, além de ter como fato gerador a supressão de vegetação que é um dos significativos impactos ambientais previstos para a incidência da compensação ambiental da Lei do SNUC. A nosso ver, esta dicotomia gera prejuízos ao Estado, uma vez que resulta em insegurança jurídica aos empreendedores e implica em uma competitividade desleal entre os empreendimentos aqui localizados e aqueles que realizam suas atividades em outros Estados da Federação que seguem, integralmente, o disposto no Código Florestal brasileiro. Diante disso, entendemos que o Projeto de Lei 3.915/13 deve ser aprovado o mais breve possível, necessitando de algumas alterações para adequá-lo ao Novo Código Florestal. ONDE ESTÁ? Encontra-se anexado ao PL 276/2011 (projeto principal) que está tramitando na Comissão de Meio Ambiente, com o relator Deputado Célio Moreira

8 PL 410/2011 PL 1031/2011 Convergente com ressalva Dispõe sobre a utilização de areia descartada de fundição na construção e conservação das estradas estaduais e na cobertura dos aterros sanitários licenciados. NOSSA POSIÇÃO: Convergente com ressalva Trata-se de projeto de lei de autoria dos Deputados Fred Costa (PHS) e Liza Prado (PSB). Dispõe sobre a utilização de areia descartada de fundição na construção e conservação das estradas estaduais e na cobertura dos aterros sanitários licenciados. O art. 1º determina que em obras públicas de conservação e construção das estradas estaduais e na manutenção de aterros sanitários, serão apresentados estudos para o uso de areia descartada de fundição como componente da mistura asfáltica e cobertura diária dos aterros sanitários. Na impossibilidade de utilização da areia a que refere o art. 1º, deverá ser apresentada justificativa técnica ou econômica. Os autores justificam a importância da aprovação do texto ante a consideração de que o uso da areia descartada de fundição irá proporcionar economia de recursos naturais e financeiros para o Estado, os Municípios e as empresas de construção civil, com a redução da exploração e da retirada de areia e argila de rios e cavas; a redução de custos para as prefeituras na construção, no licenciamento e na operação de aterro sanitário, visto que elas terão receitas no lugar de custos para retirar a argila que é normalmente utilizada, e a redução de custos na construção de estradas. A discussão sobre o reuso da areia tem sido feita no Brasil e já se encontra consolidada em alguns lugares do mundo, como nos EUA, em que a areia de fundição, para além dos usos propostos neste texto, também é usada em processos de agricultura, cobertura e correção de solos. Por outro lado, a proposição está em consonância com os propósitos de gestão adequada de resíduos sólidos estabelecidos na legislação federal e estadual. No entanto, a nosso sentir, a implementação e a eficácia da lei dependem da capacidade do setor produtivo e do Estado de se adequar as exigências legais, do que deriva a necessidade de avaliação técnica e financeira dos processos que envolvem o reuso da areia. É necessário, nesse contexto, fomentar o debate, a pesquisa e a consolidação do entendimento sobre a matéria, que pode vir a beneficiar o Estado e as indústrias, com a redução dos custos, bem como tornar eficaz medidas que buscam o desenvolvimento sustentável. Ressalvamos, ainda, que a necessidade de apresentar justificativa técnica ou econômica para a não utilização de areia de fundição, traduziria como obrigação a prioridade de ser utilizada como componente da mistura asfáltica e cobertura diária dos aterros sanitários. Como visto, a alteração legislativa afeta diferentes setores produtivos. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, com o Relator Deputado Sávio Souza Cruz. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Leonardo Moreira. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O projeto inicial foi objeto de análise preliminar, quando manifestamos parecer contrário ao texto, tendo em vista a existência de vícios formais e materiais. A Comissão de Constituição e Justiça da ALMG apresentou parecer de constitucionalidade, legalidade e juridicidade na forma do Substitutivo nº1, o qual pretende alterar a Lei estadual nº /2005, que trata da educação ambiental no Estado de Minas Gerais para incluir quase integralmente o texto apresentado inicialmente. O projeto inclui na lei citada princípios, diretrizes e objetivos da educação ambiental no estado, além de dispor sobre regras específicas relacionadas sobre o funcionamento, capacitação e estruturas a serem implementadas ou modificadas pelas instituições de ensino para se adequarem ao disposto na lei. No parecer da CCJ, reconheceu-se que o Estado já conta com uma legislação sobre a matéria, bem como a Secretaria de Estado, em conjunto com órgãos do meio ambiente, apresentou o Programa de Educação Ambiental em Minas Gerais, em resposta a uma demanda do governo federal. O programa, assim como o presente projeto, articula diretrizes, princípios e linhas de atuação para a educação ambiental e foi construído de forma participativa com os representantes de diferentes segmentos das doze mesorregiões mineiras. Embora o propósito da apresentação do substitutivo seja positivo pretende-se instituir no Estado as medidas constantes no programa e na legislação federal por meio de lei, de modo a garantir coerência e segurança jurídica à ordem normativa, entendemos que a proposição é desnecessária, tendo em vista uma perspectiva de racionalidade legislativa e regulatória, em que o Poder Executivo tenha espaço para promover medidas com maior agilidade e eficácia, ainda com respaldo em regras gerais instituídas pelas leis. Além disso, é preciso salientar que a Constituição do Estado disciplina em seu art. 206 a competência do Conselho de Estado de Educação para baixar normas disciplinadoras dos sistemas estadual e municipal de ensino e interpretar a legislação de ensino, além de outras competências. Neste caso, parece-nos que o projeto em análise acaba por exceder o âmbito de competência do Poder Legislativo, estabelecendo normas cuja prerrogativa para regulamentação é do Poder Executivo. Com tais considerações, sugerimos que seja avaliada a possibilidade de apresentação de substitutivo que considere apenas a apresentação de princípios, diretrizes e objetivos sobre a matéria, deixando ao Poder Executivo o poder de regulamentar questões específicas relacionadas às linhas de ação para a implementação da política. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, com o Relator Deputado Sávio Souza Cruz

9 PL 1171/2011 PL 2028/2011 Dispõe sobre a proibição do processo de beneficiamento a seco de mármores e granitos e dá outras providências. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Leonardo Moreira. Tem como objeto a proibição do processo de beneficiamento a seco de mármores e granitos e dá outras providências. É mais uma proposição desarquivada da legislatura anterior (Ex- PL 2.741/2008). Conforme seu artigo 1º, fica de forma abstrata e geral proibido no Estado de Minas Gerais o processo de beneficiamento a seco de mármores e granitos. Em seus artigos 2º e 3º, estabelece que as máquinas e ferramentas utilizadas nos processos de corte e acabamento de mármore ou granito devem ser dotadas de sistema de umidificação capaz de eliminar a geração de poeira decorrente de seu funcionamento, vedando adaptações em maquinário elétrico que não tenha sido projetado para sistemas úmidos. Dispõe ainda os resíduos industriais decorrentes da atividade de beneficiamento a úmido deverão ser coletados em caixa de decantação através de sistema de drenagem da água utilizada no corte, lixamento e polimento, não permitindo que os resíduos (lama) gerados pelo processo passem diretamente ao esgoto sanitário. Em sua justificativa, o eminente autor sustenta que o PL visa eliminar a poeira de sílica decorrente do processo industrial e promover uma sensível redução de poluição sonora nos ambientes de trabalho. A nosso sentir, no mérito, o PL vulnera a razoabilidade, proporcionalidade, o desenvolvimento sustentável e, ainda, ignora situações jurídicas já consolidadas pela operação de atividades e processos industriais desenvolvidos há décadas. Os processos de licenciamento ambiental já contemplados pela legislação brasileira e estadual são importantes instrumentos de controle sobre atividades (potencial ou efetiva) degradadora do meio ambiente. Existem diversas medidas de mitigação de impacto previstas nos planos de controle ambiental submetidos ao órgão técnico competente que se prestam perfeitamente a eliminar/mitigar a poluição atmosférica causada pela poeira de sílica e a poluição sonora. A proibição geral e abstrata ao beneficiamento a seco, impondo o beneficiamento a úmido, ignora a realidade tecnológica experimentada pelo setor. Note-se, inclusive, que a matéria não deve ser definida por lei formal, exigindo a análise técnica dos órgãos ambientais e a viabilidade ambiental dos processos produtivos, sob pena de caracterizar cerceamento à livre iniciativa e onerar desnecessariamente o setor produtivo. Com estas considerações, manifestamos contrários à aprovação do PL. Proíbe a construção de usinas hidrelétricas em estâncias hidrominerais, climáticas e turísticas. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Leonardo Moreira. Proíbe de forma geral e abstrata a construção de usinas hidrelétricas e pequenas centrais elétricas em Municípios que possuam o título de estância hidromineral, climática ou turística, concedido por ato do poder público federal ou estadual. Em sua justificativa, o eminente autor sustenta o seguinte: Estamos convencidos de que toda e qualquer avaliação de custo e benefício da construção de usinas hidrelétricas em estâncias hidrominerais, climáticas ou turísticas que contraponha ao benefício decorrente da geração de eletricidade os danos causados à economia municipal concluirá pela inviabilidade do empreendimento. A nosso sentir, além de incorrer em violação à livre iniciativa e o regime constitucional de competências, vulnera o princípio do desenvolvimento sustentável e a lógica vigente do sistema nacional de meio ambiente e seus eficazes instrumentos de controle ambiental. O ordenamento jurídico prevê uma série de instrumentos eficazes na tutela do meio ambiente, inclusive com a institucionalização de garantias e medidas compensatórias, a serem observadas em cada caso concreto. Lado outro, o Estudo de Impacto Ambiental (EIA/ RIMA) aborda os efeitos sociais, econômicos e ambientais decorrentes da implantação de empreendimentos hidrelétricos, o que é submetido ao crivo do órgão ambiental e Conselho de Política Ambiental do Estado. Os municípios, por sua vez, tambem são devidamente ouvidos no processo de licenciamento, manifestando sobre a regularidade/admissibilidade de implantação e operação em sua circunscrição territorial e o interesse da comunidade local por meio de audiências públicas e outros procedimentos. A vedação geral e abstrata prevista no PL usurpa o exercício do Poder Executivo no controle das fontes de poluição, traduzindo até mesmo ofensa a razoabilidade e proporcionalidade. Simples entender que os impactos decorrentes da atividade hidrelétrica não podem ser mensurados de forma abstrata e negativa. Válido lembrar seus impactos positivos, já que significam energia limpa e necessária ao desenvolvimento e progresso das gerações presentes e futuras. Por estas razões, somos contrários à aprovação do PL. ONDE ESTÁ? Encontra-se pronto para Ordem do Dia em Plenário. ONDE ESTÁ? Encontra-se pronto para a Ordem do Dia em Plenário

10 PL 212/2011 PL 2435/2011 Dispõe sobre a criação do Serviço Voluntário Ambiental no âmbito do Estado e dá outras providências. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Elismar Prado. Dispõe sobre a criação do Serviço Voluntário Ambiental no Estado e dá outras providências. Nos termos de seu artigo 1º, considerar-se-á Serviço Voluntário Ambiental no âmbito do Estado, para fins desta lei, a atividade não remunerada prestada por pessoa física nas Unidades de Conservações Ambientais. Dentre suas atividades, poderão os voluntários ambientais atuar exclusiva ou cumulativamente nas áreas de: I - educação ambiental; II - monitoramento e gestão; III - prestação de informações aos visitantes; IV - manutenção de trilhas; V - serviços administrativos; VI - identificação de focos de incêndio e outros incidentes; VII - grupos de resgate ou combate a incêndio, desde que devidamente supervisionados; VIII - fiscalização. Em sua justificativa, o autor homenageia o voluntariado e a importância da adesão social junto a Administração Pública. Embora seja louvável a iniciativa se observada a finalidade de integrar a população e estimular o serviço não remunerado em favor da tutela do meio ambiente, o exercício de atividade própria da Administração Pública e, ainda, na seara do Poder Executivo, remetem a inadmissibilidade de aprovação do PL. Note-se que dentre as atribuições dos voluntários estará a fiscalização. A despeito de sua regulamentação ser imprecisa, tal previsão poderá traduzir o exercício irregular do poder de polícia por delegação imprópria. Por fim, por se tratar de atribuições no âmbito do Poder Executivo, assim como a criação de um serviço, questionável a proposição por vício de iniciativa. Isto posto, manifestamos contrários à aprovação do PL. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça, aguardando designação de relator. Institui parâmetros para criação de estrada-parque no Estado de Minas Gerais. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Célio Moreira (PSDB). Institui parâmetros para criação de estrada-parque no Estado de Minas Gerais. Considera-se estrada-parque a via automotiva que possua atributos que compatibilizem sua utilização com a preservação dos ecossistemas locais e a fruição da paisagem e dos valores culturais e que fomentem a educação ambiental, o turismo consciente, o lazer e o desenvolvimento socioeconômico da região onde está inserida. O art. 3º estabelece os requisitos a serem observados na implantação e na gestão da estrada-parque, todos voltados para a redução do impacto ambiental causado pelas interferências. No parágrafo único do referido artigo consta autorização ao órgão competente para exigir que sejam obedecidas outras características estruturantes ou de gestão não elencadas na lei, observadas as peculiaridades regionais. O art. 7º estabelece que o interessado no estabelecimento de uma estrada-parque deverá realizar inventário prévio dos atributos naturais, paisagísticos, históricos, culturais, turísticos e recreativos da região atravessada pela via proposta, de forma a reunir elementos que justifiquem a sua instituição. O projeto de estabelecimento de uma estrada-parque, acompanhado do inventário dos atributos da região, será submetido ao órgão estadual responsável pela gestão de áreas protegidas para avaliação. O projeto prevê, ainda, que será ouvido o órgão de trânsito com jurisdição sobre a via, assim como será aberta facultada a manifestação dos interessados, após divulgação da proposta. Aprovada a proposta, o órgão estadual responsável pela gestão de áreas protegidas editará o ato de criação e estabelecerá as regras para implantação e gestão da estrada-parque e poderá firmar termo de cooperação com o proponente da estrada-parque, o órgão gestor da unidade de conservação afetada, entidades da iniciativa privada interessadas na preservação e na promoção do meio ambiente e do patrimônio cultural e órgão rodoviário competente, visando a viabilizar a sua implantação e promover a sua adequada gestão. A proposta tem como justificativa a importância de ser regulamentada a forma de instituição das estradas-parques. O objetivo é promover o turismo ecológico e cultural, bem como fomentar a diversificação de opções econômicas de subsistência destinadas aos proprietários rurais, aos trabalhadores do campo e aos comerciantes em geral, vinculando-as à promoção de valores voltados para a preservação e equilíbrio do meio ambiente. O nosso ordenamento jurídico já contempla diversos instrumentos de proteção especial de bens com relevante valor ambiental, paisagístico, histórico e turístico. A própria Constituição da República de 1988 tutela esses interesses, tendo sido invocada até mesmo para o provimento jurisdicional dessa proteção. Não se vislumbra a necessidade de se estabelecer mais um tipo de unidade de conservação, quando as normas vigentes já estabelecem hipóteses para a sua configuração como tal. Ressalvada a análise de cada caso concreto, as estradas-parques poderiam ser definidas como áreas protegidas através de tombamento específico, delimitação como unidade de conservação nos termos da Lei do SNUC etc. Diante de tais considerações, manifestamos contrários à aprovação do PL. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, com o relator Deputado Gustavo Corrêa

11 PL 2439/2011 PL 28/2011 Altera a lei 7772, de 1980, que dispõe sobre a proteção, conservação e melhoria do meio ambiente. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Sávio Souza Cruz (PMDB). Altera a Lei nº 7.772, de 1980, que dispõe sobre a proteção, conservação e melhoria do meio ambiente, a qual passa a vigorar acrescida do seguinte art. 8º-A: Art. 8º-A - No empreendimento em que for exigido o EIA-RIMA, este será submetido a avaliação por pareceristas ad hoc da comunidade científica, concomitantemente à instrução do processo de licenciamento ambiental pelos órgãos de apoio técnico ao Copam, observados os prazos estabelecidos no art. 8º. 1º - Os pareceristas, em número mínimo de dois, serão escolhidos em cadastro oficial, com base em critérios objetivos de titulação e experiência acadêmica e profissional. 2º - Os pareceres serão públicos e independentes, terão caráter opinativo e poderão recomendar ao Copam a formulação de pedido de complementação e de esclarecimentos aos estudos apresentados, nos termos do 4º do art. 8º. 3º - O processo de avaliação de que trata o caput deste artigo será custeado com os recursos previstos no art. 7º da Lei Delegada nº 178, de 29 de janeiro de º - O cadastro oficial de que trata este artigo será criado pelo poder público no prazo de trinta dias contados da data de publicação desta lei.. Segundo o autor do projeto, o objetivo da lei é agregar qualidade técnica, segurança e imparcialidade à análise dos estudos ambientais. Em que pese a nobre intenção, entendemos que a legislação não traduz os princípios da eficiência, razoabilidade e proporcionalidade no âmbito da Administração Pública. Ao se adotar uma perspectiva de boa técnica legislativa e qualidade da lei, verifica-se que, em primeiro lugar, deve ser avaliada a necessidade de nova legislação ou de alterações. No caso em comento, é certo que já existe um instrumento normativo, a Lei nº 7.772/80 o qual prevê a possibilidade de exigência pelo COPAM de estudos ou avaliação de impacto ambiental. Tal norma deve ser conjugada ao que já dispõe as Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), especialmente as resoluções de nº 001/86 e 237/97, as quais estabelecem, respectivamente, que o estudo de impacto ambiental será realizado por equipe multidisciplinar habilitada, não dependente direta ou indiretamente do proponente do projeto e que será responsável tecnicamente pelos resultados apresentados (art. 7º da Resolução 001/86) e a necessidade de emissão de parecer técnico conclusivo e, quando couber, parecer jurídico (inciso VII do art. 10 da Resolução 237/97). O processo de licenciamento no âmbito estadual contempla uma série de exigências, mesmo quando não se trata da EIA/RIMA. Note-se que os empreendedores contratam consultorias especializadas, cujos profissionais possuem habilitação legal para elaboração dos projetos. Não bastasse tal fato, o órgão ambiental estadual examina os estudos e emite parecer técnico e jurídico, também por servidores que possuem domínio técnico sobre o assunto e habilitação legal, sob pena de vício de procedimento. O COPAM, por sua vez, trata-se de uma instância colegiada, política e deliberativa. Não está vinculado apenas aos aspectos técnicos que revolvem o domínio da matéria, mas também à política ambiental do Estado, cumprindo dar audiência ao contraditório público, formado por cidadãos, Administração e seus diversos representantes. Além disso, seria questionável a nomeação de pareceristas ad hoc quando o aparato administrativo já dispõe de servidores para avaliação da matéria e idoneidade técnica. Diante das considerações feitas, por entender que o nosso ordenamento jurídico já apresenta os instrumentos normativos capazes de alcançar os objetivos estabelecidos no texto analisado, manifestamos contrários à aprovação do PL. Dispõe sobre a obrigatoriedade de apresentação de garantia real, por parte de empreendimentos econômicos, nas hipóteses de risco iminente ao meio ambiente e à população e dá outras providências. Nossa posição: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Elismar Prado. Dispõe sobre a obrigatoriedade de apresentação de garantia real, por parte de empreendimentos econômicos, nas hipóteses de risco iminente ao meio ambiente e à população e dá outras providências. Disciplina atribuições para os órgãos ambientais do Estado, tais como periodicidade de vistorias, emissão de laudo técnico etc. Em sua justificativa, o autor se refere ao rompimento de uma barragem de rejeitos minerais na localidade denominada Macacos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte e ao rompimento de uma barragem de rejeitos do processo industrial da produção de celulose, ocorrido em Cataguases, em defesa do projeto. A nosso sentir, o PL incorre em vício de iniciativa, além de adentrar em matéria técnica que escapa da seara legislativa. Cumpre ao Poder Executivo regulamentar as matérias legais, quando couber, como corolário do Princípio da tripartição do Poder Estatal. Por meio de regulamentos administrativos e através de Decreto, adentra-se nas especificidades decorrentes do exercício regular do Poder de Polícia. Sob outra vertente, no que tange a exigência de garantias reais, dentre outras, em face de empreendimentos privados, além de configurar possível cerceamento à livre iniciativa e livre concorrência, não nos parece adequado impor tais condições para o exercício de atividade econômica, mormente se tal exigência ocorrer por discricionariedade administrativa. Importante ressaltar, ainda, que o licenciamento ambiental é o instrumento mais adequado de controle das fontes de poluição, afinado ao princípio do desenvolvimento sustentável, da razoabilidade e proporcionalidade. Cumpre ao Poder Público exercer, por sua vez, a correta fiscalização, a tempo e modo próprios, obstando danos ao meio ambiente. Por todas essas razões, manifestamos contrários à aprovação do PL. ONDE ESTÁ? Encontra-se pronto para Ordem do Dia em Plenário. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça, com o relator Deputado Sebastião Costa

12 PL 71/2011 PL 843/2011 Proíbe a fabricação, o comércio, a armazenagem e a utilização de tintas, pigmentos, vernizes, corantes e similares que contenham metais pesados tais como chumbo e cromo. NOSSA POSIÇÃO: O Projeto de Lei 71 de 2011, de autoria do Deputado Fred Costa, proíbe a fabricação, o comércio, o armazenamento e a utilização de tintas, pigmentos, vernizes, corantes e similares que contenham metais pesados tais como chumbo e cromo. O autor do projeto justifica a iniciativa tendo em vista o objetivo de proteger a saúde pública, pois os metais pesados discriminados no texto poderiam causar diversos males não só à saúde humana, mas aos animais e ao meio ambiente. No entanto, os metais pesados de que trata o texto do Projeto de Lei são os responsáveis pelas cores em geral, e seus pigmentos são utilizados para dar origem às cores amarelo e laranja que conjugadas com outros pigmentos podem levar às cores azul e verde. Este material é utilizado com suas características químicas estáveis, sem prejuízo à saúde. A manipulação desses pigmentos para o preparo das combinações de cores e a destinação dos efluentes é que poderiam ser prejudiciais à saúde. Entretanto, tais pigmentos podem ser manipulados com segurança desde que sejam obedecidas as várias regras e normas relacionadas aos limites de concentração, práticas de segurança no trabalho, higiene e medicina industrial. Para a realização do tratamento dos efluentes gerados no processo, já existe tecnologia disponível, bem como legislação que determina parâmetros a serem atendidos antes do lançamento destes efluentes nos corpos hídricos. Cabe ressaltar, ainda, que pigmentos sintéticos estão sendo desenvolvidos, mas a proibição pura e simples da utilização dos metais pesados de que trata o texto do Projeto de Lei trará impactos tecnológicos e econômicos à indústria que utiliza tinturas coloridas. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça, com o relator Deputado André Quintão. Altera a Lei 7302, de 21 de julho de 1978, que dispõe sobre a proteção contra a poluição sonora no estado de Minas Gerais (os limites de emissão de ruídos durante o período diurno e noturno passam a ser classificados por tipo de área, sendo mais restritivos que a lei atual). NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Délio Malheiros. Altera a Lei Estadual n que dispõe sobre a poluição sonora no Estado de Minas Gerais. De acordo com a nova redação dada ao artigo 2º, inciso II, os limites de emissão de ruídos durante o período diurno e noturno passam a ser classificados por tipo de área, sendo mais restritivos que a lei atual. Além disso, amplia o período noturno das 22h às 7h. A Lei com redação vigente não traça critérios diferenciados por área e estabelece de forma genérica a limitação de 70 (setenta) decibéis durante o dia e 60 (sessenta) decibéis durante a noite, assim entendido o período de 22h às 6h, se outro não for estabelecido pela legislação municipal. Cite-se, ainda, que a classificação na forma do PL define tipos de área (sítios ou fazendas, estritamente residencial urbana, hospitais, etc.) com limite de emissão de ruídos no ambiente exterior de 40 a 70 decibéis, no período diurno, e de 35 a 55 decibéis, no período noturno. O PL estabelece das 7h às 20h como o horário permitido para emissão de ruídos por máquinas e equipamentos utilizados em construção, demolições e obras em geral, enquanto a redação atual estabelece o horário de 7 (sete) às 22 (vinte e duas) horas. Define o valor de (mil) a Ufemgs (cinco mil Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais) para as multas por infração à lei estadual e que deverão ser graduadas de acordo com a gravidade da infração, salvo quando punida na forma da lei federal. A nosso sentir o PL traduz usurpação de competência legislativa dos municípios e da União. Muito embora a tutela do meio ambiente seja matéria de competência concorrente, a poluição sonora refere-se a impactos meramente locais. Nesse sentido, compete a entidade política municipal, observadas as normas gerais da União, no que couber, legislar sobre a matéria. Por outro lado, verifica-se que a classificação por tipos de áreas definidas pelo eminente autor, bem como a rigidez dos limites de emissão não encontra amparo na razoabilidade e proporcionalidade. A toda evidência, o novo regime normativo poderá causar antinomias no ordenamento jurídico, contraria situações fáticas consolidadas, obsta o exercício de atividades econômicas regularmente autorizadas etc. Por todas essas razões, manifestamos contrários à aprovação do Projeto de Lei. ONDE ESTÁ? Encontra-se pronto para Ordem do Dia em Plenário

13 PL 878/2011 PL 878/2011 continuação Dispõe sobre a política estadual de controle do acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado e dá outras providências. NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Almir Paraca (PT). Dispõe sobre a política estadual de controle do acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado e dá outras providências. O Estado exercerá, nos limites de sua competência, o controle e a fiscalização do acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado, sem prejuízo da legislação federal pertinente. A lei não se aplica ao patrimônio genético humano e ao consumo próprio e ao intercâmbio de componente do patrimônio genético realizado pelas comunidades tradicionais e pelas populações indígenas, entre si, para seus próprios fins e baseados em sua prática costumeira. O art. 2º apresenta as definições de termos e expressões utilizados no texto, entre eles os de diversidade genética, material genético e conhecimento tradicional associado. O art. 3º estabelece que a implementação da política estadual de controle do acesso ao componente do patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado obedecerá a princípios e diretrizes, entre os quais estão: preservação da diversidade e da integridade do patrimônio genético existente no território do Estado; proteção do conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético; responsabilidade, solidariedade, reciprocidade, prudência e prevenção de riscos no acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado. O texto relaciona as competências do Poder Executivo para a consecução dos objetivos da política de que trata a lei, entre elas a de estabelecer instalações para manutenção de amostras de patrimônio genético, sistema de cadastramento, acompanhamento, controle e fiscalização, realizar contratos de acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado. De acordo com a lei, o acesso a componente do patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado no território do Estado dependerá de cadastramento prévio da entidade interessada no órgão estadual competente, na forma do regulamento e dependerá de consentimento prévio da comunidade local ou da população indígena. A participação de pessoa jurídica sediada no exterior na coleta de amostras de componentes do patrimônio genético ou de seus produtos derivados ou de informações relativas ao conhecimento tradicional associado somente será permitida quando feita em conjunto com instituição pública nacional, ficando a coordenação dos trabalhos a cargo desta última. As permissões, as autorizações, as licenças, os contratos e os demais documentos referentes a pesquisa, coleta, obtenção, armazenamento, transporte ou outra atividade similar relativos ao acesso a componente do patrimônio genético no território do Estado, vigentes na data da publicação da lei, deverão ser cadastradas no órgão estadual competente, na forma do regulamento. Havendo perigo de dano grave ou irreversível decorrente de atividades de acesso ao patrimônio genético, o poder público adotará medidas preventivas, podendo sustar a atividade nos casos previstos em lei. A ausência de certeza científica sobre o nexo causal entre a atividade de acesso a componente do patrimônio genético e o dano não poderá ser alegada para postergar a adoção das medidas restritivas que prevê. As medidas serão fundamentadas, não podendo servir de obstáculo técnico ou restrição comercial de atividade. A critério do órgão estadual competente, poderá ser exigida a apresentação de estudo ambiental relativo aos trabalhos a serem desenvolvidos. Segundo o autor da proposição, as medidas estabelecidas derivam da necessidade de regulamentar adequadamente o acesso aos recursos genéticos nativos, a transferência de tecnologias pertinentes e a repartição justa dos benefícios derivados do uso desses recursos. A intervenção do Estado se faz necessária para evitar acordos especulativos que beneficiem apenas os intermediários, deixando à margem os governos soberanos e estabelecendo relações diretas e desequilibradas com as comunidades locais. A despeito dos nobres propósitos da iniciativa, é preciso elucidar alguns pontos importantes sobre o texto, os quais podem comprometer a legalidade da norma. Salientamos, em princípio, que a matéria está regulamentada pela Medida Provisória nº , editada em 2001, a qual dispõe que o acesso ao patrimônio genético existente no país somente será feito mediante autorização da União e terá o seu uso, comercialização e aproveitamento para quaisquer fins submetidos à fiscalização, restrições e repartição de benefícios nos termos e nas condições estabelecidos nesta Medida Provisória e no seu regulamento. Embora os estados e a União detenham competência concorrente para legislar sobre matérias relacionadas ao meio ambiente e à sua proteção, é certo que a União tem a prerrogativa de estabelecer as normas gerais sobre o tema, as quais poderão ser suplementadas pelo Estado. No caso, a norma federal é bastante centralizadora e praticamente inviabiliza a previsão, por parte dos estados, de tratamento diferenciado no que tange às normas e procedimentos para a autorização de uso do patrimônio genético brasileiro. Outrossim, a Lei Complementar nº 140/2011 estabelece no art. 7º, que trata das ações administrativas de competência da União, a de gerir o patrimônio genético e o acesso ao conhecimento tradicional associado, respeitadas as atribuições setoriais (XXIII). Tais normas nos levam a questionar, inclusive, a competência do estado para legislar sobre o tema. É certo, tendo em vista tais considerações, que a proposição em análise ultrapassa os limites de uma legislação que deveria ser suplementar, estabelecendo regras específicas que estão em conflito com a regulamentação federal. O projeto ofende inclusive disposição da Constituição Federal ao tratar de populações indígenas, cuja competência é privativa da União (art. 22, inc. XIV). Por outro lado, no que tange ao mérito, ressaltamos que a legislação que trata do patrimônio genético e do acesso ao conhecimento tradicional associado tem sido considerada bastante confusa e restritiva, tanto para o setor industrial, quanto para o científico. A falta de clareza desse subsistema está associada à concessão de amplos poderes ao Conselho de Gestão do Patrimônio Genético para editar normas técnicas e tratar das autorizações de acesso e remessa de amostras, existindo diversos atos normativos regulando a matéria. Considerando a legislação vigente e a competência da União, entendemos ser necessário avaliar os impactos derivados de sua aplicação para, posteriormente, serem discutidas as reais possibilidades de regulamentação por parte do estado. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, com o relator Deputado Gustavo Corrêa. PL 3526/2012 Altera o inciso V do art. 5º da Lei nº , de 27 de abril de NOSSA POSIÇÃO: Trata-se de projeto de lei de autoria do Deputado Rômulo Viegas (PSDB). Altera o inciso V do art. 5º da Lei nº , de 27 de abril de 2004, que passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 5º São rios de preservação permanente: ( ) V o Rio Grande e seus afluentes, no trecho entre a nascente e o ponto de montante da Barragem de Camargos. De acordo com a justificação do projeto, tendo em vista o excesso cometido por pescadores, o texto tem o intuito de moralizar e restringir a depredação da fauna aquática no Remanso de Camargos em consequência da pesca predatória com redes. Aparentemente, o projeto pretende ampliar a área protegida de forma a evitar a pesca predatória no local. De fato, parte do Rio Grande está protegida pela Lei nº /2004 por ser um local onde ocorrem ciclos de reprodução da piracema. Consoante já reiteradamente manifestado, nosso posicionamento tem sido radicalmente contrário aos denominados rios de preservação permanente. Tal denominação prevista no ordenamento jurídico mineiro através da citada Lei Estadual destoa da lógica do sistema jurídico-ambiental brasileiro e de seus diversos mecanismos de controle e proteção de bens (e espaços) com relevante valor ambiental, paisagístico, cênico, turístico, cultural etc já existentes. O regime de proteção instituído pela referida Lei estadual desconsidera inclusive a possibilidade de intervenções decorrentes de atividades reconhecidas como de interesse social e utilidade pública, que seriam toleradas até mesmo em áreas de preservação permanente (por exemplo, as margens dos rios), assim definidas pela legislação federal e estadual. Tal é o caso das atividades de mineração atualmente. A preservação pretendida pelo autor do projeto deve ser exercida por meio de fiscalização, amparada no quadro normativo já existente. ONDE ESTÁ? Encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça, com o relator Deputado Sebastião Costa

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 266, DE 2007 (Apensos: PLs n os 453/2007, 701/2007, 6.519/2009 e 3.729/2012) Altera a Lei nº 9.985, de 2000, que regulamenta o

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.267 Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Porto Alegre, cria a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, EM Interministerial nº 113/2006 - MF/MEC Brasília, 11 de outubro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o presente Projeto de

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 Acrescenta expressão ao parágrafo único do art. 2º da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Autor: Deputado

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Dispõe sobre a prestação de serviço público de transporte individual de passageiros por meio de motocicletas e veículos congêneres de aluguel, denominado moto-táxi.

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA LICENCIAMENTO AMBIENTAL MINERÁRIO E A ATUAÇÃO DA PGE-PA Lilian Mendes Haber 2º Debate sobre Mineração (PUC/TJ/PA) Belém - Setembro -2011 1 Parte I O QUE É A PGE-PA 2 Procuradoria Geral do Estado do Pará

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.731, DE 2009 Altera as Leis n.ºs 8.218, de 29 de agosto de 1991, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, para permitir a

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal)

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) Dispõe sôbre a remuneração de profissionais diplomados em Engenharia, Química,

Leia mais

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras.

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras. NOTA PÚBLICA CONJUNTA MUSEU GOELDI / INSTITUTO MAMIRAUÁ / INPA PROJETO DE LEI DE ACESSO À BIODIVERSIDADE, PATRIMÔNIO GENÉTICO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Em face às recentes discussões concernentes ao processo

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ PROJETO DE LEI Dispõe sobre a instituição do Conselho de Comunicação Social do Canal de Cidadania de Jacareí, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACAREÍ, USANDO DAS ATRIBUIÇÕES QUE LHE

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais