Aos pequenos escritores e grandes leitores do Colégio Dante Alighieri, com muito carinho.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aos pequenos escritores e grandes leitores do Colégio Dante Alighieri, com muito carinho."

Transcrição

1

2

3 Aos pequenos escritores e grandes leitores do Colégio Dante Alighieri, com muito carinho.

4

5 A equipe pedagógica do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental do Colégio Dante Alighieri agradece a todos que colaboraram na realização da 1ª Maratona: Pequenos Escritores, Grandes Leitores. Em especial, agradece ao Presidente do Colégio, Dr. José de Oliveira Messina, e às diretorias executiva e pedagógica a possibilidade da realização desta obra.

6 6

7 Queridos(as) alunos(as), Esta é a nossa 1ª Maratona: Pequenos Escritores, Grandes Leitores, em que todos os alunos do 2 ao 5 ano do Ensino Fundamental participaram de forma efetiva e contínua. Ao longo do ano, à medida que os gêneros textuais eram apresentados e trabalhados, os alunos iam produzindo suas escritas... A cada produção, seguia-se a difícil tarefa de selecionar os melhores textos; seleção essa realizada não só pelas professoras, mas também, e principalmente, pelos próprios alunos. Com o tempo, nossos Pequenos Escritores foram percebendo a evolução da qualidade de suas histórias, reais ou fabulosas, procurando sempre dar o melhor de si mesmos. O processo seguiu seu curso, culminando com a premiação das redações com melhor desempenho. Porém, o mais importante e significativo foi o estímulo para mais... e mais escritas! O 5º ano, também como Grandes Leitores, descobriu que ler é essencial, ler é enriquecimento, ler é o caminho para novas experiências, novas ideias, novos sonhos e uma forma deliciosa de viajar em pensamento... Parabéns a todos os alunos e professoras! Vânia Aparecida Barone Monteiro Coordenação Pedagógica 2 o ao 5 o ano - Ensino Fundamental 7

8 Dr. José de Oliveira Messina Ex-aluno e Presidente do Colégio Dante Alighieri no 1º Centenário e no alvorecer do 2º Centenário

9 P alavras aos novos es critores Queridos pequerruchos escritores, Essa expressão carinhosa, ouvi-a do meu avô José, quando era pequeno. Contava-me ele pai de mamãe Amélia, português de origem, da região do Algarve, hoje um balneário de contínua visitação por parte de todos os povos europeus que seu pai Fernando (portanto, meu bisavô), professor de letras primárias, naqueles tempos idos incentivava seus alunos para a leitura e a redação. Meu bisavô entusiasmava-se então com aqueles infantes, os quais munia de cadernos, lápis, borrachas, presenteando-os até com livros adequados à idade de cada um. Ele os adquiria na freguesia principal, aos sábados, quando, montado no seu mulo, também procedia à compra dos víveres para sua mulher, Maria. 9

10 Permitam-me agora que, aos escritores mirins, eu os alcunhe de pequerruchos, expressão do nosso vernáculo usada à época em que o romantismo edificava as gerações de então. Confesso que vocês chegaram a balançar meu idoso coração, com redações em que erguem seus sonhos como quem constrói castelos, formulando desejos, vivendo fatos cotidianos e deles obtendo diretrizes para seu aperfeiçoamento pessoal e coletivo. Fazem isso sem esquecer, além do mais, a natureza que nos cerca, levando o leitor a decifrar-lhe os mistérios e a grandeza do criador. Cumprimento-os, também, por terem demonstrado coragem ao escolher tão palpitantes e deliciosos temas para uma leitura amena. Souberam, já com sinais de maestria, demonstrar às respectivas mestras que estão adocicando a própria alma com os ensinamentos que recebem. Minhas homenagens a todo o corpo docente que cuida destes valentes petizes neste primeiro ano do 2º Centenário do Colégio (2012), um novo tempo que vemos iniciar com tão preciosa inovação pedagógica. Estimados e valorosos alunos, o Colégio Dante Alighieri orgulha-se de vocês e de seus genitores, que, data venia, escolheram esta casa do aprender e do saber, onde também entrei de calças curtas. 10

11 Neste livro, cada série deixou bem marcado o mundo em que vive. Comparando suas produções, nota-se claramente a evolução sensorial e intelectual, revelando a progressão do conhecimento, objetivo último dos nossos professores. Parabéns, alunos, prossigam incentivando os queridos colegas! Dr. José de Oliveira Messina Ex-aluno e Presidente do Colégio Dante Alighieri no 1º Centenário e no alvorecer do 2º Centenário 11

12

13 Sumário 17 Acordei Porco 19 Acordei com superpoderes 21 Paulo e sua bicicleta 23 Férias 25 O leão e o rato 27 O salvamento da baleia 31 O rei de duas faces 35 A baleia encalhada 37 O susto 39 O presente de Robertinho 41 A reação do cachorro 43 Os animais surpresos pelas tartaruguinhas 49 A vida de Guto 53 Gabriela, a fada 57 Maria em busca da história ideal 61 O gigante Nicolau 65 Os sentimentos da música 69 A indecisão 75 O roubo 79 A banana que queria aventura 83 Minha aventura no Brasil 87 Eu encontrei a Atlântida 91 Um jogador de futebol 95 O bicho-pau gigante 13

14 14

15 15

16 16 Lucas 2º ano B

17 ACORDEI PORCO Produção escrita de Lucas Zampar Athaide Um dia eu acordei diferente... eu era um porco! Com rabinho enrolado, fiquei rosa e só falava oinc, oinc. Corri para a sala e levei um susto, toda a minha família virou porco! Desci pelo elevador e fiquei surpreso, o mundo inteiro virou porco! Dei um grito tão forte, mas ele saiu assim: oooooiiiiinc! Resolvi consultar o porco médico. Ele me deu uma vacina e virei o Lucas de novo. O médico fez o mesmo em todo mundo. 17

18 18 Maria Valentina 2º ano D

19 ACORDEI COM SUPERPODERES Produção escrita de Maria Valentina Durán Núñez Gordilho Um dia eu acordei mole, estava me sentindo estranha. Quando fui me olhar no espelho, meu corpo estava curvado para trás. Dei uma cambalhota e ouvi o rádio falando: Maria Valentina, você tem de agora em diante superelasticidade. Eu fiquei assustada, mas, quando soube que alguém estava em perigo, fui ajudar. Ao chegar ao local, vi uma senhora atravessando uma rua interditada porque havia um enorme buraco. Dei uma cambalhota gigante e peguei-a. No final do dia, eu cheguei a minha casa e não tinha mais poderes. Tinha sido só um sonho. 19

20 20 Ana Beatriz 2º ano F

21 PAULO E SUA BICICLETA Produção escrita de Ana Beatriz Barbanti Taiar de Souza Paulo estava passeando com sua bicicleta perto de um bosque próximo a sua casa. Ele estava muito feliz e animado, quando decidiu soltar as mãos. Paulo não viu que tinha uma pedra no caminho. Levou um tombo e ralou a perna, mas ele teve sorte, porque seu pai é médico. 21

22 22 Maria Luiza 2º ano J

23 FERIAS Produção escrita de Maria Luiza Caiafa Eu fui ao Jardim Botânico com meu pai e minha irmã. Lá eu vi vários animais. Eu adoro dar pão para os patos e gansos. Da última vez que eu fui ao Jardim Botânico, meu pai, eu e a minha irmã demos pão para os gansos, mas tivemos que jogar o pão inteiro, porque eles correram atrás de nós. Foi muito engraçado! 23

24 24 João 2º ano K

25 ~ O LEAO E O RATO Produção escrita de João Hossepian Hojaij Era uma vez um ratinho que brincava nas costas de um leão. O leão ficou muito bravo e depois se desculpou. O ratinho falou: Se você precisar da minha ajuda, eu vou estar lá por perto. O leão riu e falou: Eu sou o rei dos animais e você é muito pequeno para me ajudar. Pode ir ratinho! Um dia, o leão caiu em uma armadilha e o ratinho chegou e roeu toda a rede para salvar o leão! 25

26 26 Isabella 2º ano L

27 O SALVAMENTO DA BALEIA Produção escrita de Isabella Matos Cunico da Silva Era uma vez uma linda baleia azul. Ela era muito simpática. Além de ajudar os peixinhos, ajudava todos os seres aquáticos. Ela era muito amiga e conhecida por lá. Ela andava pelos mares mais limpos. Era amigável com todos. Mas, num dia ensolarado e lindo, uma maré forte levou a baleia azul até a terra firme e ela encalhou na areia. Os animais do mar tentaram ajudar, mas eram fracos e não conseguiram. Eles foram persistentes e foram buscar a ajuda dos humanos. Os humanos trabalharam até tarde. Depois de trabalharem muito, eles conseguiram libertar a linda e amigável baleia azul. E a baleia fez novos amigos! E eles viveram felizes para todo o sempre. 27

28 28

29 29

30 30 Sidney 3º ano C

31 O REI DE DUAS FACES Produção escrita de Sidney Barbosa de Oliveira Era uma vez um reino chamado Equalia, onde vivia um bravo rei, sua rainha e seu filho. Certo dia, um bruxo malvado chamado Murra queria matar o corajoso rei, que se chamava Sidney. O Sidney tinha recebido uma carta falando: Socorro, socorro! Fui raptado por Murra! dizia um dos melhores soldados. Então, rapidamente, o rei montou em seu grifo, que é metade leão, metade égua, e foi até a caverna de Murra. Quando chegou lá, percebeu que era uma cilada, e o Murra disse: Você caiu direitinho no meu plano, agora eu vou te amaldiçoar! E rapidamente ele o amaldiçoou, fazendo com que o rei tivesse duas faces, uma boa e uma ruim. Então Murra disse: Você vai morrer assim! 31

32 O rei Sidney voltou para casa e rapidamente foi para a biblioteca. Ele leu que o único jeito era ir para Armagedon, outro reino, onde ele tinha que pegar uma flor. Então, foi para lá. Mas lá, sua parte ruim saiu para fora e eles começaram a lutar. O rei era tão forte que rapidamente ganhou e foi à procura da flor. Ele a achou e conseguiu, assim, desfazer o feitiço. Ele voltou para casa curado e deteve o malvado Murra, e todos puderam viver felizes para todo o sempre. 32

33 Sempre digo aos pequenos que o livro é um objeto mágico, muito maior por dentro do que por fora. Por fora, ele tem a dimensão real, mas dentro dele cabe um castelo, uma floresta, uma cidade inteira... Um livro a gente pode levar para qualquer lugar. E com ele se leva tudo. Tatiana Belinky

34 34 Letícia 3º ano F

35 A BALEIA ENCALHADA Produção escrita de Letícia Saraiva da Silva Um dia, Daniel e Graciela, que eram irmãos, foram a uma praia no Rio de Janeiro. Chegando lá, Daniel passou o protetor solar rapidinho e pulou na água. Depois, todas as pessoas da praia estavam falando que uma baleia estava encalhada. Daniel e Graciela ligaram para o resgate. A baleia estava muito triste e machucada. O resgate ligou para um veterinário, que chegou rapidinho na praia. O veterinário cuidou dos cortes e arranhões. O resgate tirou a baleia da areia e colocou-a na água de volta. A baleia ficou muito feliz. No dia seguinte, eles estavam arrumando as malas para ir embora. Daniel e Graciela foram para a praia, que ficava colada no hotel, para ver a baleia novamente. A baleia mostrou a cauda e fez um sinal de oi. Chegando em São Paulo, Daniel e Graciela foram para a casa dos seus avós e contaram toda a aventura que tinham vivido. 35

36 36 Felipe 3º ano G

37 O SUSTO Produção escrita de Felipe Barbuda Gradin Diego é um garoto chato que odeia animais, principalmente o cachorro de sua vizinha. Num dia ensolarado, o garoto foi até a casa da vizinha perturbar o cachorro, que se chamava Totó. Pegou um pedaço de madeira e ameaçou bater no cachorro, mas o animal escapou pelo grande portão de ferro e começou a correr atrás de Diego. O cachorro alcançou o menino e mordeu-lhe o calcanhar bem forte. A filha da vizinha, que acabara de chegar, viu Diego chorando e disse a ele: Não faça com os outros o que não quer que façam com você. Na próxima vez, não maltrate o meu cachorro se não quiser ser maltratado. 37

38 38 Shelle 3º ano J

39 O PRESENTE DE ROBERTINHO Produção escrita de Shelle Souza Borges Numa quarta-feira de manhã, Robertinho foi escolher seu presente com sua madrinha. Ela deixou que ele escolhesse sozinho. Eles foram ao Pet Shop porque Robertinho adorava animais. Quando chegaram, Robertinho viu muitas cadelinhas bonitas. Ele escolheu a cadela mais magra, de olhos tristes, e falou: Eu vou cuidar direitinho dela! Eles foram para casa e ele lhe deu o nome de Laila. 39

40 40 Ana Beatriz 3º ano K

41 ~ A REACAO DO CACHORRO Produção escrita de Ana Beatriz Calistro Aith Um menino chamado Zé gostava de provocar o cachorro de suas amigas. Num dia ensolarado, o menino estava passeando quando viu o cão de Carmem no portão da casa dela. Voltou para sua casa correndo e pegou um bastão lá no porão. Voltou para a casa de Carmem e começou a provocá-lo. O cachorro, muito irritado com o que o garoto tinha feito, conseguiu escapar por um dos buracos do portão. O Zé correu pela vila toda, de medo, e o cachorro correu atrás. Quando Carmem viu o que estava acontecendo, disse: Pare agora, Spock! O cachorro mordeu o Zé e foi embora. O Zé gritou: Que dor! Carmem chegou perto do garoto e disse: Você aprendeu a lição, nunca mexa com os animais que eles não vão mexer com você! 41

42 42 Julia 3º ano K

43 OS ANIMAIS SURPRESOS P ELAS TARTARU GUINHAS Produção escrita de Julia Ortiz Fonseca Numa linda noite, com o céu todo estrelado, o senhor Barriga, um urso, estava procurando um lugar para dormir. No caminho, encontrou um ovo e, com medo de perder o ovo, lá se deitou e dormiu. Na manhã seguinte, acordou bem cedo e marcou uma reunião com o senhor Cenoura, o coelho, o senhor Bagunceiro, o macaco, e o senhor Pequenino, o ratinho, e tudo isso só por causa do ovo. Quando todos chegaram lá e viram o ovo, começaram a pensar no que tinha dentro do ovo. O Barriga pensava que era mel, o Cenoura pensava que era cenoura, o Bagunceiro, claro, pensava que era banana, e o Pequenino? Você está pensando em queijo? Então você acertou! Como você sabe, ratos adoram queijo. Todos eles ficaram esperando o ovo chocar, e uma hora depois, ufa, finalmente o ovo começou a chocar! Todos estavam muito ansiosos, mas infelizmente nasceu uma 43

44 tartaruga, e os pensamentos deles foram se despedaçando. Mas eles acharam muito estranho ter nascido uma tartaruga naquele ovo. Então, ouviram um barulho esquisito, olharam para trás e, para surpresa deles, um menino e uma menina observavam as tartaruguinhas nascerem. Eles que tinham colocado o ovo lá! 44

45 O processo de leitura possibilita essa operação maravilhosa que é o encontro do que está dentro do livro com o que está guardado na nossa cabeça. Ruth Rocha

46 46

47 47

48 48 Carolina 4º ano C

49 A VIDA DE GUTO Produção escrita de Carolina Mantovani Sampaio Barros Guto era um menino do seu tamanho, sua cabecinha era povoada de muitos sonhos e desejos a realizar. Era um menino esperto e muito inteligente! Ele só tinha um problema: era um garoto abandonado, vivia nas ruas da cidade de São Paulo. Um dia, Guto estava sentado na sarjeta, quando viu uma loja de brinquedos do outro lado da esquina. Ela era toda colorida e bonita, chamava a atenção de todos que passavam por lá. Então, Guto caminhou até a loja e ficou olhando os brinquedos da vitrine. De dentro dela saiu um senhor e disse: Ei, garoto! Você não mora na rua? Sim disse Guto. Quer trabalhar na minha loja de brinquedos? Estou ficando velho e cansado, preciso de um ajudante. O menino quase não podia responder de tanta alegria, pois já sonhava com essa oportunidade. Sem muito pensar, logo aceitou o convite. Guto trabalhava com tanto amor pelos brinquedos que até adaptava aqueles que, aparentemente, não tinham mais utilidade. 49

50 Foi ficando cada vez mais conhecido por consertar brinquedos tidos como sucatas. Com essa oportunidade, Guto pôde estudar e se formar engenheiro. Na faculdade onde estudava, conheceu, sem saber, uma linda garota, que era neta do dono da loja de brinquedos onde havia começado a trabalhar. Guto trabalhava, mas estudava muito, até que se tornou dono de uma rede de lojas de brinquedos. Infelizmente, o dono da loja morreu pouco antes do seu casamento, e Guto fez uma homenagem ao falecido, ajudando mais meninos de rua a ter um futuro melhor. 50

51 Ler exercita a imaginação, aguça a curiosidade e desperta o interesse pelo desconhecido. Maurício de Sousa

52 52 Julia 4º ano D

53 GABRIELA, A FADA Produção escrita de Julia Larrubia Silva Gabriela saiu para colher flores em um terreno que fica ao lado de sua casa. Já com a cestinha repleta de flores coloridas e perfumadas, resolveu voltar para casa. Foi então que Gabriela percebeu que uma das flores tinha uma pétala de cada cor do arco-íris. Então, Gabriela decidiu pegar a flor, mas sem querer espetou o dedo em um espinho! Depois de minutos, uma nuvem toda colorida começou a girar em torno dela. Gabriela ficou assustada, nunca tinha visto aquilo na vida e exclamou: O que está acontecendo? Depois de um instante, Gabriela tinha asas enormes e seu cabelo estava todo rosa. Gabriela não estava entendendo nada, mas, depois de alguns minutos, percebeu que tinha virado uma fada! De repente, um homem superfeio caiu do céu e gritou bem alto: Ataquem, poeiras negras! Aquele homem se chamava Barbatana, e as poeiras negras eram aranhas que tinham o poder de fazer tudo virar lixo! Barbatana queria poluir todo o mundo! Para se defender das aranhas, Gabriela pôs a mão para frente, mas do nada saiu um arco-íris que matou todas as poeiras negras. Gabriela agitou-se e falou: 53

54 Que máximo, é só eu pôr a mão para frente que sai um arco- -íris mágico! Barbatana saiu voando, bravo. E Gabi começou a rir. Ela saiu andando e viu um bilhete caído no chão. Nele estava escrito que Barbatana ia poluir o mundo todo e ela teria que ir até o castelo para derrotá-lo. No final estava escrito que ela tinha que pensar que estava voando para conseguir. Gabriela pensou que ia voar até o castelo de Barbatana. E você acredita? Quando olhou para baixo, estava voando! Então acelerou e, quando viu Barbatana, atirou seus raios de arco-íris e o matou. Voltou para casa e falou para si mesma: Missão cumprida! Mas tem um problema: como vou esconder as asas? Uma fadinha veio e falou: Não se preocupe! Quando você falar: quero ser gente, suas asas vão sumir, e quando você falar: quero ser fada, suas asas vão voltar! 54

55 Escrever é a arte mais difícil de se desenvolver. Ziraldo

56 56 Edson 4º ano F

57 MARIA EM BUSCA DA HISTORIA IDEAL Produção escrita de Edson Kenzo Takei Quando eu era bem pequena, gostava muito de ouvir histórias. Cresci um pouquinho, fui para a escola e passei a gostar muito de ler. Um dia, lendo um livro que pegara emprestado na biblioteca da escola, resolvi que, quando eu crescesse, ia fazer um livro, um livro tão legal que todo mundo gostaria de ter. Quando fiquei adulta, resolvi começar o meu livro, então peguei uma máquina de escrever da minha avó e comecei a escrever. No início, percebi que estava sem ideias, que estava repetindo muito. Então, resolvi procurar alguma coisa nos livros de minha casa, mas nenhum me interessava nem me dava uma ideia. Foi, então, que resolvi passear um pouco pela rua para ver se algo me chamava a atenção para começar o livro. Andei pra lá e nada, andei pra cá e nada, continuava sem ideias. Até que tive uma ideia genial! Fui para minha casa e comecei a escrever. Fiquei milionária, comprei uma casa e um carro. Tudo por causa daquela história. E sabem por que fiquei rica? Porque não contei sobre coisas imaginárias, mas contei sobre minha procura sobre a história ideal. 57

58 Então, queria dizer uma coisa antes de terminar: Não desista do seu sonho, procure torná-lo realidade, talvez você fique rico como eu. Até a próxima história! 58

59 Quando eu era criança, durante muito tempo pensei que livros nascessem como as árvores, como os pássaros. Quando descobri que existiam autores, pensei: também quero fazer um livro. Clarice Lispector

60 60 Isabela 4º ano G

61 O GIGANTE NICOLAU Produção escrita de Isabela Schibuola Saldanha Nicolau era um gigante muito malcheiroso. Ele morava numa caverna no meio da montanha. Os habitantes do lugar tinham muito medo dele porque, se alguém encostasse nele ou sentisse o seu cheiro, ia desmaiar. Um dia, teve uma expedição para as montanhas e os turistas não sabiam sobre o Nicolau! Então um turista estava muito perto da caverna e perguntou para o guia logo entrando na caverna: Esta caverna é histórica? Não entre aí! disse o guia. Por que não? Porque aí mora o gigante Nicolau e, se cheirasse o cheiro dele, você desmaiaria! Todos ouviram e foram embora! O Nicolau ficava muito triste! Ele sempre se perguntava: Por que eu sou assim? Por que eu sou diferente? No dia seguinte, um mago apareceu na caverna. O gigante perguntou para o mago bem bravo: O que você faz aqui? 61

62 62 Ontem ouvi seu pensamento, e vim para ajudar! O ogro, não tão bravo, disse: Se você pudesse me transformar em humano, você me ajudaria! E eu posso! disse o mago. Então, como num passe de mágica, o ogro se transformou em um humano. Nossa, não acredito! Obrigado! Gostei da minha voz! disse Nicolau. Nicolau saiu pelas ruas sem se preocupar com nada! Ele não dava bola para nada! E então o mago apareceu e disse para Nicolau: Você precisa se misturar com as outras pessoas! Como eu faço isso? Simples! Você precisa ser descolado, rico, alguma coisa desse tipo. Já sei, eu vou ser rico! Mas como eu vou conseguir o dinheiro? Trabalhando muito! Vou trabalhar como médico! Claro! disse o mago. Anos se passaram e o Nicolau estava rico. Ele comprou uma mansão, uma Ferrari, etc. Mas ele não estava feliz. Por que você não está feliz? perguntou o mago. Porque estou sentindo que está faltando alguma coisa na mi-

63 nha vida, mas não sei o quê. Os dois pensaram, até que o mago falou: O amor! E onde eu compro isso? Você não compra o amor, você sente! No dia seguinte, eles foram à padaria. Nicolau sentiu o amor pela primeira vez. Ele não parava de olhar para uma menina, então o mago cochichou para ele: Vai lá falar com ela! Está bem. Ele foi à mesa onde sentava a moça e disse: Olá, eu sou Nicolau! Depois de eles se conhecerem, Nicolau falou: Quer jantar comigo hoje à noite? Claro. Te pego às 8 horas! Já era noite e Nicolau estava indo pegar a Laura, e eles foram jantar. Depois de anos, eles já eram namorados e um dia Nicolau perguntou para Laura. Quer se casar comigo? Sim, claro que eu aceito. Houve o casamento e eles tiveram três filhos! Enfim, Nicolau encontrara o amor! 63

64 64 Aline 4º ano I

65 OS SENTIMENTOS DA MUSICA Produção escrita de Aline Rocha Omori Guto era um menino do seu tamanho, sua cabecinha era povoada de muitos sonhos e desejos a realizar. Era um menino esperto e muito inteligente! Ele só tinha um problema: era um garoto abandonado, vivia nas ruas da cidade de São Paulo. Um dia, Guto estava sentado na sarjeta quando ouviu um músico tocando maravilhosamente. Sentiu um aperto no coração e pensou: Me apaixonei pela música! Chegou mais perto do homem, olhou bem, sentiu que ele estava triste e perguntou o que havia ocorrido. Estou tocando e expressando meus sentimentos! Como assim? A música é uma mágica! Me senti triste quando ouvi sua música! Acho que o senhor está triste! Mas menos do que eu... O que houve com você, garoto? Depois de muita conversa, eles acabaram ficando amigos. O homem levou o garoto para casa, para conhecer sua esposa, e a encontrou chorando. A esposa perguntou: 65

66 66 Quem é esse garoto? É um menino que se apresentou enquanto eu tocava. O menino perguntou: Por que ela está chorando? A mesma coisa de sempre! disse o marido. O homem, que se chamava Marcos, levou o garoto para um quarto, para conversarem um pouco: Por que ela estava chorando? perguntou de novo o menino. Vou te contar! Está vendo este quarto? Sim! Por que ele tem um berço? Há uns nove anos, Laura, minha esposa, estava grávida; chegamos com o bebê e, no dia seguinte, ele havia sumido. Nós fomos à delegacia e não teve jeito, o garoto havia desaparecido, mas continuamos a procurar. Somos uma família triste e pobre desde então. Então este quarto era do bebê? Sim! Sinto muito! Também me sinto muito triste pelo fato de não ter pais. Meu maior sonho é ter uma família, uma escola e uma casa! Posso tentar te adotar! Depois de muito pensarem, resolveram adotar Guto. Muito obrigado! Amo muito vocês! Não tenho uma família biológica, mas sim uma grande família do coração! Mas, afinal, quem é a sua família? perguntou Marcos. Não sei, só sei que fui pego por um ladrão e depois fugi! Certo dia, quando Marcos foi colocar Guto para dormir, viu que ele tinha uma correntinha e perguntou:

67 O que é isso? Uma correntinha com meu nome. Acho que foi quando eu era bebê que me deram! Não pode ser! Marcos saiu correndo e foi falar com Laura. Deixa eu ver! Deixa eu ver! Guto, você é meu filho disse Laura. O quê? Quando você nasceu eu coloquei uma correntinha com o nome Guto! Vamos fazer o teste de DNA! Uma semana depois, chegou o resultado! Uhu gritou Guto. O menino havia descoberto quem eram seus pais! Realizou seu grande sonho! Depois, o pai tocou uma linda canção, a mesma que deixou o garoto triste. Você só reconheceu a música porque foi a que eu cantei quando você nasceu! disse o pai. 67

68 68 Isabella 4º ano I

69 ~ A INDECISAO Produção escrita de Isabella Dotta Machado Pompeo era o cachorro de Ricardo. Ele acompanhava o dono em tudo. Mas Ricardo estava agora muito triste, pois seus pais resolveram que se mudariam para um apartamento onde não era permitido ter cachorro. Foi então que Ricardo ficou indeciso entre doar Pompeo ou se mudar. Ricardo ficou pensando por dias, olhava para o cachorro e olhava para o panfleto do apartamento novo. O apartamento tinha 500 m 2 e já vinha com a mobília. Ricardo teria que pagar metade e custava muito caro, mas ele achava que valia a pena. No trabalho, Ricardo disse ao seu melhor amigo: Eu acho que vou doar Pompeo. Por que você vai doá-lo? Ele é o golden mais bonzinho e bonitinho do mundo! Ricardo ficou mais indeciso ainda. À noite, Ricardo dormia com Pompeo na cama e tinha a mania de conversar com o cachorro. Quando Pompeo ouviu que seu dono tinha a opção de doá-lo, começou a chorar. Ricardo o acalmou e foi 69

70 dormir. No dia seguinte, Ricardo iria visitar o novo apartamento com seus pais. Todos se impressionaram como o apartamento era grande, bonito e até vinha com uma TV de LED de 67 polegadas! Ricardo foi para casa com seus pais e pensou se valia a pena perder Pompeo. Mas, quando ele menos esperava, recebeu um que dizia: Para você que quer comprar nosso apartamento, mudamos uma de nossas regras, agora serão permitidos cães no edifício! Ricardo pulou de alegria, falou para Pompeo, falou para seus pais e falou que iria se mudar! E aconteceu exatamente o que seu pai tinha lhe falado: que sua vida iria mudar. 70

71 O importante é motivar a criança para a leitura, para a aventura de ler. Ziraldo

72

73

74 74 Isadora 5º ano A

75 O ROUBO Produção escrita de Isadora Coelho Pereira Gabriades É Na França, 7 de abril. Ao sair de seu apartamento, o detetive Closeau se espanta ao ver tudo aquilo para alguma coisa só: Extra, extra! Havia acontecido. Não havia mais volta. Era o roubo. O grande museu francês tinha sido vítima do roubo de um dos maiores quadros do mundo inteiro. Foram chamar Closeau, claro por que não um dos melhores detetives para solucionar um caso tão horrível? Além do mais, por que só um, se podiam chamar todos: Closeau, da França; Karan de Hum, da Índia; Mike Show, dos Estados Unidos; e por fim, Scarlet Mon Hales, da Inglaterra. Closeau, sempre com vontade de conhecê-los, espera ansiosamente a chegada dos três. Dois, na verdade. A mãe de Scarlet havia ficado doente e ela teve de adiar o voo e permanecer mais na Inglaterra. Closeau, ao ver Mike e Karan, os leva até seu carro, que agora está a caminho do grande museu francês. O inspetor Lestrade, do museu, quer nos ver em seu escritório. diz Closeau. 75

76 Ao chegar ao escritório de Lestrade, todos ficam espantados ao vê-lo morto! Closeau, ao sentir o cheiro do sangue, viu que aquilo não era o que pensava e, sim, ketchup! Se aquilo era ketchup, o que o teria matado? Levam o inspetor para o hospital e descobrem algum veneno em sua comida que lhe causara a morte. Nesse exato momento, chega Scarlet, pedindo desculpas por ter se atrasado. Mas Closeau repara que havia alguma coisa em seu bolso, grande e vermelha, então, em disparada, Closeau pula de repente em cima de Scarlet e tira de seu bolso um pote de Ketchup! Para que é esse pote? pergunta Closeau. Para nada! Eu juro! diz Scarlet. Prendam-na! Então, Scarlet admite que foi ela quem envenenou o inspetor, porque achava que ele sabia que era ela quem tinha roubado o quadro. 76

77 Ideias todo mundo tem. Como é que entram na cabeça da gente? Entram porque a gente lê, observa, conversa, vê espetáculos. Ruth Rocha

78 78 Breno 5º ano C

79 A BANANA QUE QUERIA AVENTURA Produção escrita de Breno Rudella Tonidandel Em um dia qualquer, uma aventureira banana, que morava em uma cozinha, decidiu aventurar-se pela casa, em vez de ficar só na cozinha pelo resto de sua pequena vida. O objetivo dela era recuperar a casca de seu irmão, que a havia perdido em uma guerra contra os kiwis. Então ela começa sua aventura pela casa pequena em que vive, mas que para ela é enorme. No meio de sua aventura, um felino maligno aparece em sua frente para devorá-la em pedacinhos. Mas, quando tudo parecia perdido, a banana joga a sua casca para que ela fique toda pelada, mas faz com que o felino caia e não consiga mais levantar do chão. Depois que recuperou sua própria casca, foi à procura da casca de seu irmão. A banana procurou em todos os lugares da casa: no cômodo, no armário, na gaveta... Enfim, em todos os lugares da casa, mas ela só não procurou em um lugar, um balde gigante, que não cheirava nada bem (era o lixo). A banana olhou a seu redor e achou que procurar dentro do lixo iria ser uma furada, até que ela se lembrou de seu avô, João Banana Bobão, que dizia que todo lugar que tinha cheiro podre tinha uma 79

80 casca de banana. Logo depois que a banana se lembrou dessas palavras, entrou no lixo com a maior confiança de que iria achar a casca de seu irmão, e lá estava ela, a casca de seu irmão. Com muito cuidado, pegou a casca de seu irmão e saiu em disparada para a cozinha. Quando finalmente chegou à cozinha, entregou a casca de banana para seu irmão e viveram felizes. (Até que foram devorados pelos humanos!) 80

81 Um país se faz com homens e livros. Monteiro Lobato

82 82 Ana Laura 5º ano E

83 MINHA AVENTURA NO BRASIL Produção escrita de Ana Laura Dias Nascimento Rodrigues Estava tranquilo em minha terra, a África, quando ouvi um grito e fui ver o que era. Quando vi, havia um homem branco levando todos que estavam lá, crianças, adultos e até bebês, para um imenso navio. Tentei fugir, mas duas mãos me agarraram por trás, então tinha sido levada para o navio também. A viagem não foi nada boa, mas pensei em um pequeno lado bom, pelo menos eu estava com a família. Uma coisa que não sabíamos era que iríamos nos separar. Quando chegamos ao Brasil, ficamos sentados naquele chão cheio de pedras tomando aquele sol quente. Só ficava observando a conversa dos brancos, quando um chegou perto de mim e disse: Quero este aqui... E este aqui também. Fui trabalhar na fazenda de um homem. Ele ficava me mandando fazer milhares de coisas, principalmente vender doces em uma cidade, mesmo que eu não quisesse; resumindo, eu era obrigada a fazer coisas contra a minha vontade. 83

84 Sempre conseguia ter um bom lucro, mas quem ficava com a maior parte era ele. E sempre me dizia para comprar roupas novas, sapatos e comida. Até que, um dia, ouvi a conversa de dois brancos sobre uma tal carta de alforria, e que, se eu juntasse muito dinheiro, poderia comprar minha liberdade. Então, toda vez que aquele homem me mandava trabalhar, eu fazia o possível para obter mais vendas. Quando dei o dinheiro ao meu senhor, a minha parte foi maior, pois eu tinha vendido mais. Consegui juntar tudo, mas ele vivia dizendo que ainda faltava. Até que, um dia, os filhos do meu patrão voltaram da Europa com ótimas ideias na cabeça, quer dizer, pra mim eram boas, mas, para o meu patrão, nada boas. Ele achava um absurdo ter que pagar caro por mim e ter que me libertar. Só fiquei olhando se não sobrava para mim. Então senti que o filho do patrão não ficou nada feliz, pois seu pai não dava a mínima atenção ao que ele dizia. Ele se juntou com todos os seus amigos, fez uma vaquinha, comprou minha carta de alforria e da minha família também. Mas não tínhamos para onde ir, então encontrei com um escravo que nos disse que havia um lugar que, quando o escravo foge, ele vai para lá e que o nome desse lugar era Zumbi. Fui para lá e morei por muito tempo, com muita água, alimento etc. e, é claro, principalmente com muito respeito. 84

85 Uma criança tem a tendência de comer com a mão. Ela só usa talheres porque vê os pais usando. É a mesma coisa com os livros. Ana Maria Machado

86 86 Isabela 5º ano H

87 ^ EU ENCONTREI A ATLANTIDA Produção escrita de Isabela Santos Martinez Um dia, eu estava me preparando para uma competição de natação, mas era uma competição diferente, era no oceano Atlântico! Eu estava me preparando no vestiário quando o alto-falante falou, em um som meio abafado que não dava muito para entender, mas o ouvi dizendo: Senhores pais e alunos, a competição começa em 5 minutos! Eu não acreditei no que estava ouvindo, ainda estava pelado no vestiário! Alunos, a competição vai começar! Antes, alguns avisos! Primeiro, tentem não se matar! Segundo, lembrem-se: é o mar, vocês podem se perder a qualquer instante, vão sempre para o Norte. Tá ok, vamos continuar! Preparar, apontar, JÁ! BEEE- EMMM!!!!!! Eu pulei na água e nadei o mais rápido possível e, sem querer, comecei a ir para o Leste e dei de cara com uma sereia. Ela disse: Gabriel Faria, você tem o poder da água! Seu pai é Poseidon, você pode respirar embaixo d água, você não vai morrer, venha comigo, seu pai te espera. 87

88 Como assim? Meu pai morreu em um acidente de carro! Eu explico depois, vamos! Ela me levou para uma cidade nas profundezas. Lá no fundo, avistei a cidade de ouro! Tinha muitos esqueletos no chão, eu logo percebi que era Atlântida, só que não estava vazia, estava cheia de sereias, e o rei Netuno estava em um trono feito de ossos de pessoas mortas. O meu novo pai estava no meio da cidade em um trono de ouro, era lindo! Eu não sabia o que fazer, então, me agachei meio sem jeito e falei: Papai? ele fez uma cara desconfiada. Filho, quero que guarde segredo sobre esta cidade. Os mortais vão querer nossa grande riqueza, a lenda é verdadeira. Eu sei que está assustado, mas se acalme, está tudo bem, todos somos amigos e companheiros. Eu me sentia o cara mais estranho do mundo. Eu estava falando com um deus como se isso fosse a coisa mais normal do mundo! Eu estava com muito medo, minhas pernas não paravam de mexer, estava segurando meu choro quando algo revirou minha alma, uma luz muito forte apareceu, Poseidon olhou para trás e arregalou os olhos! A luz se aproximou e ficou mais perto e dentro dela tinha uma mulher. Eu a reconheceria em qualquer lugar, era minha mãe! Eu, minha mãe, Poseidon, que agora era meu pai, passamos a morar em Atlântida, a cidade perdida! 88

89 Sem livros, dificilmente se aprende a gostar de ler. Ruth Rocha

90 90 Lucas 5º ano I

91 UM JOGADOR DE FUTEBOL Produção escrita de Lucas de Almeida Pires Um menino chamado Caio adorava jogar futebol. Ele sonhava em ser um jogador profissional quando crescesse. Ele jogava futebol em todos os recreios. Jogava muito bem. Ele até foi para a seleção do clube dele. Teve um jogo da seleção em que ele fez quatro gols! O primeiro foi um lindo gol de falta, o segundo, ele driblou o time todo e chutou no cantinho, o terceiro, seu amigo Felipe cruzou e ele cabeceou sem chances para o goleiro e, finalmente, o quarto gol foi de pênalti. Quanto mais ele crescia, mais gols ele fazia. Até que, em um jogo, ele tinha feito um gol e, na hora de comemorar, o goleiro empurrou Caio, que bateu a cabeça na trave. Ele desmaiou e sua cabeça sangrou muito! Ele foi levado para o hospital e, depois de examiná- -lo, o médico disse a ele que suas pernas não teriam mais todos os movimentos. Assim, quando Caio chutava a bola, ela ia totalmente para fora, quando ele andava, suas pernas ficavam meio tortas. Ninguém mais queria tê-lo no time. Mas Caio insistiu... Todos os dias treinava, treinava muito, até que, um ano depois, Caio sentia 91

92 92 muito bem as pernas. Então ele começou a jogar futebol outra vez, melhor do que antes. Ele realizou seu sonho e, anos depois, quando ele tinha 18 anos, virou jogador profissional, jogou no São Paulo, Real Madrid e em outros grandes times, e, como eu disse no começo, ele realizou seu grande sonho.

93 Os pais que contam histórias para as crianças vão formar leitores. Leitores de tudo: da vida, do dia a dia, do outro, do teatro, do cinema, da TV e da internet. Ângela Lago

94 94 Arthur e Felipe 5º ano J

95 O BICHO-PAU GIGANTE Produção escrita de Arthur Emmanuel Dell Antonia de Alcantara e Felipe Benevides Crespi Num belo dia de verão, no parque Trianon, nasceu um inocente bicho-pau. Mas, infelizmente, por causa da poluição, ele nasceu com uma doença. Quando o bicho-pau cresceu, ficou extremamente grande por causa de sua enfermidade. O pobre bicho-pau gigante teve que se afastar de toda sua família, pois poderia machucar seus familiares e amigos. Ele passou semanas, meses, procurando um lugar onde pudesse morar sem ter perigo de machucar alguém. Depois de tanto esforço, ele achou uma casinha pequena, colorida e boa para um bicho- -pau como ele. Ele começou a morar lá. Era um bom local, pois tinha espaço para dormir, comer e beber. Passou-se um tempo e o bicho-pau percebeu que tinha que tomar banho. Mas onde? Saiu de sua humilde casinha e foi procurar um lugar para tomar banho. Achou uma fontezinha, que era bem espaçosa, e foi lá tomar 95

96 96 um belo banho. Começou a se sentir mal, e começou a sentir muita raiva e ódio! Nunca havia se sentido assim. Quando acabou de tomar banho, já estava fora de si, começou a destruir tudo pela frente, não tinha dó de nada e de ninguém. A cidade estaria perdida! O bicho-pau era poderoso e forte demais para qualquer arma ou pessoa detê-lo. Quando a cidade já achava que não tinha jeito, apareceu uma nova esperança... era um ninja discreto mas mortal, e seu nome era Ferthur. Quando o bicho-pau estava destruindo um bairro, Ferthur apareceu. Deu um golpe no bicho-pau que fez ele perder uma perna. Mas o esforço foi em vão, pois nasceu mais uma perna e deixou-o mais furioso. Ele se virou e jogou o Ferthur para muito longe, mas, em questão de segundos, Ferthur reapareceu atrás dele e golpeou fortemente. Então o bicho-pau soltou uma gosma pela boca que imobilizou o Ferthur. Aproveitando a sua paralização, o bicho-pau começou a dar rabadas nele. Depois de muita pancada, Ferthur conseguiu sair da gosma e enfrentou o bicho-pau. Agora a luta já estava tão rápida que não dava para descrever o que estava acontecendo, só dava para ver o sangue dos dois seres. O Ferthur estava quase morrendo e lembrou-se de sua arma. Tirou uma bomba do bolso e foi mancando em direção ao bicho-pau, que estava em perfeita condição, mesmo depois da luta. Ferthur agarrou o bicho-pau com muita força e prendeu a bomba nele. A bomba explodiu. O maior ninja de todos os tempos havia

97 morrido, mas pelo menos o maior vilão da história também havia ido para o mesmo caminho que Ferthur fez. Agora, todo mundo que for para o parque Trianon poderá ver a estátua de Ferthur, o maior e melhor ninja de todos os tempos. Aquele que se sacrificou por todos nós! 97

98 98

99 Colégio Dante Alighieri Presidente: Dr. José de Oliveira Messina Diretor Pedagógico: Prof. Lauro Spaggiari Assistente de direção (2 os a 5 os anos): Prof a Mônica regina santos bessa Coordenação Pedagógica (2 os a 5 os anos): Prof a Vânia Aparecida Barone Monteiro Coordenação de Tecnologia Educacional: Prof a Valdenice Minatel Melo de Cerqueira Orientadora educacional (2 os anos): Prof a Ana Fábia Fonseca Orientadora educacional (2 os e 3 os anos): Prof a Cláudia Martins Santana Malheiros Orientadora educacional (4 os e 5 os anos): Prof a Marina Galvanini Supervisor do Departamento de Audiovisual: João Florêncio Souza Filho Supervisora do Depto. de Editoração/Gráfica: Vannia Chiodo Silva Gerente de Marketing: Fernando Homem de Montes Corpo docente - (2 os a 5 os anos): Alessandra Colombo Rossetto Aline Pacheco Ferro Ana Claudia Baldi Bianca Sabbag Hemsi Bruna Laurelli Zerlini Carla Conrado Bacchi Célia Buendia Paiva Danielle Cristina Nodari Coser Delane Cogo de Andrade Elaine de Menezes Rocha Rosa Eliane Pincigher Gallinella Elisete Silva Kilson Eloá Azzeda Parada Fátima Cristina Durante Lazarotto Fernanda De Affonso Marcelo Bankowski Ivone Josefa Uceda Betti Julia Fernandes Prado de Toledo Laura Cristina Sabetta de Oliveira Laura Oliveira Soares Amary Mara Carneiro Machado Marcelle dos Santos Bonetti Márcia Maria Lins Madeira Marega Maria Claudia Lima de Souza Vasconcellos Maria Cristhiane A. da Rocha Ribeiro Maria de Lourdes Peres Cremon Marli Cremasco de Azevedo Miriam Mensitieri Mônica Cominatto de Freitas Mônica Rita Di Rienzo Gandara Orlando Mônica Vianna Hammen Priscila Gabriela Costa Regina Carmen Fontenla Merlin Rosely Scivoletto Mazza Gatti Silvia Regina Torres Sanches Solange Bretas Darin Solange Teodora Paiva Ladeira Soraya Raineri Pires Sumaia El Yazigi da Graça Symone Mara Menezes Oliveira Thais de Almeida Pedreira Vera Cristina Bozzani Barretto Veiga Viviane Cinquetti Corpo docente - Tec. Educacional (2 os a 5 os anos): Adriana de Freitas Pereira de Almeida Adriana de Freitas Sebastião Celia Regina Goulart Scheicher Irene Nedavaska Pamella Vivian Zuccari Silva Rosângela Tortora Rozo Valdenice Minatel Melo de Cerqueira Verônica Martins Cannatá 99

100 100

101 Livro 1 a Maratona Concepção do Projeto: Mônica regina santos bessa Vânia Aparecida Barone Monteiro Valdenice Minatel Melo de Cerqueira Corpo docente - (2 os a 5 os anos) Corpo docente - Tecnologia Educacional (2 os a 5 os anos) Criação do Logo da Maratona: Ilda Nery Loschiavo dos Santos Capa: Salvador Messina Projeto Gráfico: Verônica Martins Cannatá Organização: Adriana de Freitas Sebastião Célia Regina Goulart Scheicher Rosângela Tortora Rozo Revisão: Luiz Eduardo Vicentin Fotos: Departamento de Audiovisual Apoio: Barbara Endo Gabriela Monteiro Cardoso Vera Lúcia de Freitas Rosa Livro Digital: David Henrique da cunha pereira Thiago Xavier Mansilla Maldonado Departamentos envolvidos: Audiovisual Editoração e Gráfica Marketing Tecnologia da Informação Tecnologia Educacional Tiragem: 450 exemplares Distribuição: O livro 1ª maratona: pequenos escritores, grandes leitores é distribuído gratuitamente. Não é autorizada a comercialização deste em banca, livraria, loja ou qualquer outro espaço comercial por parte de pessoa física ou jurídica. Reprodução: É proibida a reprodução total ou parcial deste livro. Nenhuma pessoa física ou jurídica está autorizada a representar, promover ou se pronunciar em nome deste livro ou de seus responsáveis. Esta proibição é válida dentro e fora do território nacional. 101

102

103

104 COLÉGIO DANTE ALIGHIERI Alameda Jaú, CEP SP Tel.: (11) Fax: (11)

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima A Boneca da Imaginação Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima Capa e pesquisa de imagens Amanda P. F. Lima A Boneca

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

-Ui! -e o tatu saltou e correu.

-Ui! -e o tatu saltou e correu. Clara vive no Rio Negro, nas montanhas da Colômbia. Ela tralha no sítio de café da sua família e freqüenta a escola. Sua parte favorita da escola é quando Carolina e Hilma da Fundação Natura ensinam sua

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a FRUTOS-1 Descoberta Lição 1 4-6 Anos História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a CONCEITO CHAVE A Bíblia é o livro de Deus e nós sabemos

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Floresta Patrícia Engel Secco Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Projeto Folclore, Alegria e Tradição Coleção Amigos da Floresta Floresta

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA.

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA. O LEÃO E O RATINHO UM LEÃO, CANSADO DE TANTO CAÇAR, DORMIA ESPICHADO DEBAIXO DA SOMBRA DE UMA BOA ÁRVORE. VIERAM UNS RATINHOS PASSEAR POR CIMA DELE E ELE ACORDOU. TODOS CONSEGUIRAM FUGIR, MENOS UM, QUE

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Mamãe, princesa, papai, jogador

Mamãe, princesa, papai, jogador Capítulo 1 Mamãe, princesa, papai, jogador Com relação aos pais acontece a mesma coisa que com o clima. Não os escolhemos. Gostando ou não, eles estão aí e não faz sentido algum reclamar. Para ser sincero,

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007 Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração dos condomínios do Programa de Arrendamento Residencial em Santa Cruz Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

Uma Conexão Visual entre Trabalhadores da Lavoura de Cana-de-Açúcar, no Brasil, e Suas Famílias

Uma Conexão Visual entre Trabalhadores da Lavoura de Cana-de-Açúcar, no Brasil, e Suas Famílias 1/35 Pai, Estou Te Esperando Uma Conexão Visual entre Trabalhadores da Lavoura de Cana-de-Açúcar, no Brasil, e Suas Famílias Fotos de Emma Raynes, 2007 2/35 Retratos dos Trabalhadores da Lavoura de Cana-de-Açúcar

Leia mais

O NASCIMENTO DE RUNA

O NASCIMENTO DE RUNA Für die Übersetzung ins brasilianische Porugiesisch danken wir herzlich Adriana Dantas Breust. O NASCIMENTO DE RUNA MINHA IRMÃ VEM AO MUNDO Concepção e texto: Uwe Spillmann. Ilustração: Inga Kamieth Este

Leia mais

Professor BÓRIS em O DIREITO DE SER CRIANÇA

Professor BÓRIS em O DIREITO DE SER CRIANÇA Professor BÓRIS em O DIREITO DE SER CRIANÇA AUTORA Luciana de Almeida COORDENAÇÃO EDITORIAL Sílnia N. Martins Prado REVISÃO DE TEXTO Katia Rossini PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Linea Creativa ILUSTRAÇÕES

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais