CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D1 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II GUIA DE ESTUDO PARTE II AULA 54

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D1 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II GUIA DE ESTUDO PARTE II AULA 54"

Transcrição

1 1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D1 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II GUIA DE ESTUDO PARTE II AULA 54 ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO, COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO PROFESSOR AUTOR: Engº Josevan Ursine Fudoli PROFESSOR TELEPRESENCIAL: Engº Juracy Gomes de Figueiredo COORDENADOR DE CONTEÚDO: Engº Josevan Ursine Fudoli DIRETORA PEDAGÓGICA: Profa. Maria Umbelina Caiafa Salgado 11 de setembro de 2012

2 2 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA: PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II O desenvolvimento desta disciplina está organizado em três partes, nas quais serão tratados os seguintes conteúdos: Parte I: CLASSIFICAÇÃO DE ÁREA PARA EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS Introdução. Acidentes catastróficos. Normas aplicáveis. Conceitos básicos. Classificação de áreas. Classe de temperatura. Classificação dos equipamentos elétricos. Tipos de proteção dos equipamentos. Grau de proteção (IP) do invólucro dos equipamentos elétricos. Figuras ilustradas. Inspeção em áreas classificadas. Gerenciamento de riscos. Treinamento. Certificação dos equipamentos Parte II: ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO, COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO. Introdução. Premissas para elaboração de projetos. Procedimentos Administrativos do CBMMG. Terminologia técnica. Símbolos gráficos de projeto. Isolamento de Risco. Segurança Estrutural. Compartimentação Horizontal e Vertical. Saídas de Emergência. Carga de Incêndio nas Edificações. Pressurização de Escada. Plano de Intervenção de Incêndio. Brigada de Incêndio. Iluminação de Emergência. Detecção e Alarme de Incêndio. Sinalização de Emergência. Proteção por extintores de incêndio. Hidrantes e Mangotinhos. Sistema de chuveiros automáticos. Sistema de Combate a Incêndio com água. Referências bibliográficas Parte III: NR 20

3 3 O Calendário atualizado da Disciplina encontra-se no quadro a seguir aulas Guia de Estudo Textos Complementares de Leitura Obrigatória Cap IX - Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas. Eng. Roberval Bulgarelli. Acessar o site abaixo: 04 set Parte I /documentos/fasciculos/fas_instal_el et_de_instrum_para_areas_classifica das_cap9.pdf 11 set Parte II IT 12 Brigada de Incêndio. Acessar site: /content/article/471-instrucoes-tecnicas.html 18 set Parte III RECOMENDAMOS! Leia com atenção o Guia de Estudo e os textos complementares, tome notas e organize esquemas que o (a) ajudem a compreender os temas abordados e a pesquisar o assunto com a devida profundidade. Procure assistir a todas as aulas telepresenciais e resolver as Listas de Exercícios nos prazos assinalados. Não deixe para a última hora! Objetivos da aprendizagem Compreender os conceitos de proteção contra incêndio Compreender o sistema de combate a incêndio Reconhecer a sinalização de emergência Conhecer os símbolos gráficos de projeto Esboçar o treinamento de emergência

4 4 ÍNDICE 1. Introdução Premissas para elaboração de projetos Instrução Técnica 01 Procedimentos Administrativos Instrução Técnica 02 Terminologia técnica Instrução Técnica 03 Símbolos gráficos de projeto Instrução Técnica 05 Isolamento de Risco Instrução Técnica 06 Segurança Estrutural Instrução Técnica 07 Compartimentação H/V Instrução Técnica 08 Saídas de Emergência Instrução Técnica 09 Carga de Incêndio nas Edificações Instrução Técnica 10 Pressurização de Escada Instrução Técnica 11 Plano de Intervenção de Incêndio Instrução Técnica 12 Brigada de Incêndio Instrução Técnica 13 Iluminação de Emergência Instrução Técnica 14 Detecção e Alarme de Incêndio Instrução Técnica 15 Sinalização de Emergência Instrução Técnica 16 Proteção por extintores de incêndio Instrução Técnica 17 Hidrantes e Mangotinhos Instrução Técnica 18 Sistema de chuveiros automáticos Sistema de Combate a Incêndio com água Referências bibliográficas... 28

5 5 DISCIPLINA: PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II PARTE II DA DISCIPLINA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO, COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO. 1. INTRODUÇÃO Nos últimos 100 anos, a ocorrência de inúmeros incêndios no mundo e o desenvolvimento tecnológico, com a possibilidade de construção de megaedifícios de uso coletivo, obrigaram autoridades e especialistas a incorporar nestes edifícios medidas de proteção para evitar o surgimento de incêndio e pânico, limitar sua propagação, possibilitar sua extinção e ainda propiciar a proteção das pessoas, ao meio ambiente e ao patrimônio. Neste cenário de desenvolvimento tecnológico, profundas modificações nos sistemas construtivos, com utilização de grandes áreas com compartimentação, do emprego de fachadas envidraçadas e da incorporação acentuada de novos materiais combustíveis aos elementos construtivos, aliados ao número crescente de instalações e equipamentos de serviços, introduziram riscos de incêndio que anteriormente não existiam. Em matéria publicada no Boletim Técnico do Grupo de Pesquisa em Segurança Contra Incêndio, Marcelo Luís Mitidieri, pesquisador, do IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, cita: A reação ao fogo dos materiais utilizados como revestimento/acabamento de tetos e paredes e incorporados aos sistemas construtivos destacam-se como um dos principais fatores responsáveis pelo crescimento e propagação das chamas e pelo desenvolvimento de fumaça e gases tóxicos, contribuindo para que um incêndio atinja fases críticas e gere pânico e mortes. O desafio de acompanhar o desenvolvimento tecnológico nas construções, principalmente na incorporação de novos materiais e garantir aos seus ocupantes níveis de segurança apropriados, culminaram com o surgimento de normas técnicas e regulamentos, definindo as condições mínimas de segurança contra incêndio, que devem ser compulsoriamente atendidas em todos os locais e atividades. A elas também foram atribuídos os critérios gerais de atuação do poder público, visando garantir sua aplicação. Em Minas Gerais, o triste marco para o surgimento de uma legislação estadual foi o incêndio na casa de Show Canecão Mineiro" que mobilizou a sociedade civil e o governo, culminando com o atual Decreto /2008 que regulamenta a lei de prevenção contra incêndio e pânico no Estado de Minas Gerais (Lei /2001). Essa lei referencia as Normas Técnicas da ABNT e Instruções Técnicas do CBMMG para fins de parâmetros legais (técnicos e formais) necessários ao conhecimento de profissionais que labutam na matéria: Proteção contra incêndio e pânico nas edificações.

6 6 2. PREMISSAS PARA ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO DE PROJETO Em primeiro lugar, os profissionais precisam conhecer a legislação pertinente, relativa aos parâmetros legais que são aqueles constituídos pela legislação de segurança contra incêndio da Constituição Estadual do Estado em que os profissionais trabalham, as normas técnicas da ABNT ou, em sua ausência, as normas internacionais (NFPA); as normas técnicas do Corpo de Bombeiros Militar do Estado e as exigências de habilitação legal dos profissionais, junto ao sistema Confea/Crea. Para efeito de exemplo, vamos adotar a legislação do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais (CBMMG), constituída pela Lei /2001, pelo Decreto /2008 e pelas Instruções Técnicas (ITs) do Corpo de Bombeiros que determinam as exigências das medidas de segurança contra incêndio que devem ser implantadas nas edificações, cujos princípios básicos são: proporcionar um nível adequado de segurança aos ocupantes de uma edificação em casos de incêndio, possibilitando a saída das pessoas em condições de segurança; minimizar as probabilidades de propagação do fogo e riscos ao meio ambiente, minimizando os danos; facilitar as ações de socorro público. Neste Guia de Estudo, estamos apresentando de forma resumida os elementos para elaboração de um Projeto Técnico de Segurança Contra Incêndio e Pânico a ser apresentado no CBMMG para fins de avaliação e validação para sua execução. Para mais informações, o interessado deverá consultar a legislação pertinente disponível no sítio: Vamos, então, apresentar os elementos de projeto do sistema de proteção contra incêndio e pânico. 3. INSTRUÇÃO TÉCNICA 01 Procedimentos Administrativos A presente instrução tem como objetivo atender o Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico do Estado de Minas Gerais, estabelecendo as medidas de segurança contra incêndio e pânico nas edificações e áreas de risco, critérios e procedimentos para apresentação de processo de segurança contra incêndio e pânico no Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG). Para compreensão desta Instrução Técnica é necessário consultar as demais Instruções Técnicas e normas citadas na legislação do CBMMG, levando em consideração todas as suas atualizações e outras que vierem substituí-las.

7 7 Conforme prescrito na Instrução Técnica 01 do CBMMG, a apresentação de projeto técnico está relacionada ao nível de exigência e risco da edificação a saber: Projeto Técnico (PT) O Projeto técnico deve ser utilizado para apresentação das medidas de segurança contra incêndio e pânico das edificações ou áreas de risco: a) com área total acima de 750 m²; b) independente da área da edificação ou área de risco, quando esta apresentar risco no qual necessite de sistemas hidráulicos de combate a incêndio (hidrantes, chuveiros automáticos, CO2, etc. ); c) edificação e/ou área de risco que necessite de proteção de suas estruturas contra a ação do calor proveniente de um incêndio; d) locais de reunião de público com população acima de 100 (cem) pessoas; e) onde haja necessidade de comprovação da situação de separação entre edificações e área de risco, conforme Instrução Técnica específica. As instruções para elaboração de Projeto Técnico constam no subitem da IT nº 01 (Procedimentos Administrativos). Projeto Técnico Simplificado (PTS) Aplica-se às edificações e/ou áreas de risco com área até 750 m² que não se enquadrem nos requisitos para Projeto Técnico, previsto no item da IT 01 do CBMMG. As instruções para elaboração de Projeto Técnico Simplificado constam no subitem da IT nº 01 do CBMMG. Projeto Técnico para Eventos Temporários (PET) - É o procedimento adotado para evento temporário em edificação permanente e construções provisórias, tais como: circos, parques de diversão, feiras de exposições, feiras agropecuárias, rodeios, shows artísticos entre outros. As instruções para elaboração de Projeto Técnico Simplificado constam no subitem da IT nº 01 do CBMMG. Os documentos necessários para a solicitação de vistoria, de acordo com o risco e/ou medida de segurança existente(s), na edificação e áreas de risco, inclusive exigência de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), constam do item 6.4 da IT 01 do CBMMG. A IT 01 foi bastante discutida na aula e Guia de Estudo nº 45, motivo pelo qual deixamos de comentá-la. Os interessados podem também acessar o site do e consultá-la, bem como todas as Instruções Técnicas do CBMMG.

8 8 4. INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 Terminologia de proteção contra incêndio e pânico Esta Instrução Técnica padroniza os termos e definições utilizados no CBMMG. Apresentamos abaixo, a título ilustrativo, algumas definições utilizadas. Alarme de incêndio: dispositivo de acionamento automático ou manual e desligamento manual, destinado a alertar as pessoas sobre a existência de um incêndio no risco protegido. Área a construir: somatória da área em metros quadrados a serem construídas da edificação. Área construída: somatória das áreas em metros quadrados cobertas de uma edificação. Área da edificação: somatória da área a construir e da área construída de uma edificação. Aplicação por espuma: Tipo I: utiliza aplicador que deposita a espuma suavemente na superfície do líquido, provocando o mínimo de submergência; Tipo II: utiliza aplicadores que não depositam a espuma suavemente na superfície do líquido, mas que são projetados para reduzir a submergência e agitar a superfície do líquido; Tipo III: utiliza equipamentos que aplicam a espuma por meio de jatos que atingem a superfície do líquido em queda livre. Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB): documento emitido pelo CBMMG, certificando que a edificação possui as condições de segurança contra incêndio e pânico, previstas na legislação, estabelecendo um período de revalidação. Área imprópria ao uso: são áreas que por sua característica geológica ou topográfica impossibilitam a sua exploração. Exemplificam esta definição os taludes em aclive acentuado, barrancos em pedra, lagos (mesmo os artificiais), riachos e poços, dentre outros. Área protegida: área dotada de medidas ativa e passiva para proteção contra incêndio e pânico. Área utilizável: é toda aquela que, de alguma forma, pode ser utilizada para manobra de veículos, ações de carga e descarga, movimentação de pessoas e/ou materiais, sem parte edificada. Excetuam-se desta as áreas destinadas a jardinagens, passeios públicos e áreas impróprias ao uso. 5. INSTRUÇÃO TÉCNICA 03 SÍMBOLOS GRÁFICOS PARA PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO Esta Instrução Técnica estabelece os símbolos gráficos a serem utilizados nos projetos de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco, com base na NBR 14100/98 Proteção contra incêndio Símbolos gráficos, com as inclusões e adequações pertinentes.

9 9 A IT 03 é muito importante e faz parte da visão rápida e geral do projeto, com base nos símbolos previamente estabelecidos. Também, a título de exemplo, apresentamos alguns símbolos adotados em projetos: Figura 1 Símbolos gráficos de projeto 6. INSTRUÇÃO TÉCNICA 05 SEPARAÇÃO ENTRE EDIFICAÇÕES (ISOLAMENTO DE RISCO) O objetivo desta Instrução é determinar critérios para isolar externamente os riscos de propagação do incêndio por radiação de calor, convecção de gases quentes e transmissão de chama, para evitar que o incêndio proveniente de uma edificação se propague para outra, ou retardar a propagação permitindo a evacuação do público. O isolamento de risco deve ser verificado para:

10 10 a) isolamento (distância de separação) entre fachadas de edificações adjacentes. Figura 2 - Distância de Segurança entre edificações b) isolamento (distância de separação) entre a cobertura de uma edificação de menor altura e a fachada de uma edificação adjacente. Figura 3 - Distância de segurança entre a cobertura e fachada. c) por parede corta-fogo entre edificações contíguas. A Instrução Técnica 05 orienta como dimensionar a distância de separação entre as edificações, para fins de radiação térmica, nas três situações citadas. 7. INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 Segurança Estrutural das edificações Esta Instrução Técnica estabelece as condições a serem atendidas pelos elementos estruturais e de compartimentação que integram as edificações para que, em situação de incêndio, seja evitado o colapso estrutural por tempo suficiente para possibilitar o atendimento das prescrições contidas nas disposições preliminares do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. A IT 06 trata de um assunto de grande importância que é o Tempo Requerido de Resistência ao Fogo (TRRF) que é aplicado aos elementos estruturais e de compartimentação, conforme os critérios estabelecidos nesta Instrução Técnica e em seu Anexo A. Conceito de TRRF Tempo requerido de resistência ao fogo dos elementos estruturais e de compartimentação que integram as edificações para que, em situação de incêndio, seja evitado o colapso estrutural.

11 11 Estes tempos requeridos são função do incêndio padrão, isto é, do modelo de incêndio padrão para o qual se admite que a temperatura dos gases do ambiente em chamas respeite as curvas padronizadas para ensaio. Estes tempos não se referem a tempo de evacuação ou a tempo de chegada do Corpo de Bombeiros, nem a tempo de duração do incêndio. É o tempo para se evitar o colapso estrutural. Veja a figura abaixo: Curva normal Admite-se que a temperatura dos gases do ambiente em chamas respeite as curvas padronizadas para ensaio (a curva pontilhada, curva normal). Os valores de TRRF variam entre países, tais como: nos EUA, o TRRF máximo é de 3 horas; na Nova Zelândia de 1 hora e no Japão o TRRF varia conforme o pavimento; O TRRF é aplicado aos elementos estruturais (pilares, vigas, lajes, paredes corta fogo). Altura da Edificação Ocupação/Uso Classe P1 Classe P2 Classe P3 Classe P4 Classe P5 h 6m 6m < h 12m 12m <h 23m 23m <h 30m h > 30m Residencial Hotel 30 60(30) Supermercado 60(30) 60(30) Escritório 30 60(30) Shoping 60(30) 60(30) Escola Hospital Tabela - Exigências de TRRF, segundo a NBR Um erro comum de segurança estrutural (proteção passiva) é a falta de compatibilização de projetos na fase inicial envolvendo o especialista em estruturas (alvenaria, metálica e mista).

12 12 Método do Tempo Equivalente Para edificação com altura menor ou igual a 6 m, admite-se o uso do método do tempo equivalente de resistência ao fogo em substituição aos TRRF estabelecidos nesta instrução, conforme metodologia descrita no Anexo C. Para edificação com altura superior a 6,00 m, admite-se o uso do método acima descrito, contudo, fica limitada a redução de 30 min dos valores dos TRRF constantes da Tabela A do Anexo A, da IT 06. Na utilização do método do tempo equivalente, os TRRF resultantes dos cálculos não poderão ter valores inferiores a 30 minutos. O método do tempo equivalente não pode ser empregado nas condições abaixo: a) Edificações do grupo L (explosivos); b) Edificações de divisões M1 (túneis); M2 (parques de tanques) e M3 (centrais de comunicação e energia); c) Edificações com estruturas de madeira. A IT 05 trata também do dimensionamento de elementos estruturais de aço e elementos estruturais mistos de aço e concreto, em situação de incêndio, que devem ser calculados de acordo com a NBR Dimensionamento de estruturas de aço de edifícios em situação de incêndio Procedimento. Com relação ao dimensionamento de elementos estruturais de concreto, em situação de incêndio, devem ser calculados de acordo com a NBR Projeto de estruturas de concreto em situação de Incêndio Procedimento. Se outros tipos de materiais estruturais forem usados, poderão ser aplicadas normas ou especificações estrangeiras internacionalmente reconhecidas, na ausência de normas nacionais. Em se tratando de Memorial de Segurança da Estrutura, a IT 06 determina que, por ocasião da solicitação da Vistoria junto ao CBMMG, deverá ser anexado o Memorial de Proteção dos Elementos Construtivos, com os seguintes dados: a) método empregado para se atingir os TRRF dos elementos estruturais da edificação; b) os TRRF para os diversos elementos construtivos, c) especificações e condições de isenções e/ou reduções de TRRF; d) tipo e espessuras de materiais de proteção térmica utilizados nos elementos construtivos, quando for o caso, nas estruturas de aço, ou requisitos de dimensões e cobrimento de armadura nas estruturas de concreto. Para outros materiais estruturais, detalhar a solução adotada;

13 13 e) termo de Responsabilidade Técnica pela execução do projeto de segurança da estrutura em situação de incêndio. 8. INSTRUÇÃO TÉCNICA 07 COMPORTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL A Instrução Técnica 07 estabelece os parâmetros da compartimentação horizontal e compartimentação vertical, atendendo ao previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. A compartimentação horizontal se destina a impedir a propagação de incêndio no pavimento de origem para outros ambientes no plano horizontal, ao passo que a compartimentação vertical se destina a impedir a propagação de incêndio no sentido vertical, ou seja, entre pavimentos elevados consecutivos. A compartimentação horizontal é constituída dos seguintes elementos construtivos: a) paredes de compartimentação; b) portas corta-fogo; c) vedadores corta-fogo; d) registros corta-fogo ("dampers"); e) selos corta-fogo; f) afastamento horizontal entre aberturas. A compartimentação vertical é constituída dos seguintes elementos construtivos: a) entrepisos corta-fogo; b) enclausuramento de escadas por meio de parede corta-fogo de compartimentação; c) enclausuramento de elevadores e monta-carga, poços para outras finalidades por meio de porta pára-chama (observar IT 06); d) selos corta-fogo; e) registros corta-fogo ("dampers"); f) vedadores corta-fogo; g) os elementos construtivos corta-fogo / pára-chama de separação vertical entre pavimentos consecutivos; ANEXO A COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

14 14

15 15 A Instrução Técnica 07 se aplica a todas as edificações onde são exigidas a compartimentação horizontal e vertical, conforme previsto nas tabelas 7A a 7M do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais, estabelecendo detalhamentos técnicos relativos à área de compartimentação. 9. INSTRUÇÃO TÉCNICA 08 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA A Instrução Técnica 08 estabelece critérios mínimos necessários para o dimensionamento das Saídas de Emergência em Edificações, visando a que sua população possa abandoná-las, em caso de incêndio ou pânico, completamente protegida em sua integridade física e permitir o acesso de guarnições de bombeiros para o combate ao fogo ou retirada de pessoas, além de padronizar critérios para análise de projetos de Prevenção Contra Incêndio e Pânico e orientar os profissionais que elaboram e executam tais projetos. A IT 08 trata da classificação das edificações, dos acessos de saída de emergência, do cálculo do população, do dimensionamento das saídas, nas distâncias máximas a serem percorridas, das portas de saída, do dimensionamento de rampas, escadas, degraus, largura, espelho e patamares, antecâmaras, dutos de entrada/saída de ar, dutos de ventilação natural, escada externa, guarda-corpo e corrimão, rota de fuga, sinalização, entre outros requisitos. 10. INSTRUÇÃO TÉCNICA 09 CARGA DE INCÊNDIO NAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS A Instrução Técnica 09 estabelece os valores característicos de carga de incêndio nas edificações e áreas de risco, conforme a ocupação e uso específico. As densidades de carga de incêndio constantes do anexo A desta Instrução aplicam-se às edificações e áreas de riscos para classificação do risco e determinação do nível de exigência das medidas de segurança contra incêndio, nas situações em que há uma aceitável uniformidade na sua distribuição espacial, a critério do responsável técnico do projeto de segurança contra incêndio. Quando a densidade de carga de incêndio não for uniformemente distribuída sobre a área de piso da edificação, a critério do responsável técnico do projeto de segurança contra incêndio, a densidade de carga de incêndio característica poderá ser determinada por medição direta, segundo o método descrito no Anexo B. Nas edificações em que a densidade de carga de incêndio superar em quantidade os valores característicos dados nesta Instrução, a critério do responsável técnico pelo projeto de segurança contra incêndio, deverá necessariamente ser feita a medição direta, conforme descrito no Anexo B.

16 16 Em todos os casos de medição direta da densidade de carga de incêndio, o laudo técnico correspondente deve ser submetido à aprovação do Corpo Técnico do CBMMG. A IT 09 define conceitos técnicos, tais como: carga de incêndio, Densidade de carga de incêndio ou Carga de incêndio específica, determina procedimentos gerais para aplicação de carga de incêndio, e classifica as edificações e áreas de risco quanto à carga Incêndio por ocupação/uso (Anexo A). 11. INSTRUÇÃO TÉCNICA 10 PRESSURIZAÇÃO DE ESCADA DE SEGURANÇA A Instrução Técnica 10 estabelece os requisitos mínimos necessários para o dimensionamento da pressurização de escadas de segurança em edificações, de acordo com o descrito na NBR 9077, e tem por objetivo manter as escadas de emergência livres da fumaça, de modo a permitir a fuga dos ocupantes de uma edificação no caso de incêndio. A IT 10 apresenta conceitos e elementos básicos do sistema de pressurização, níveis de pressurização adotados, cálculo do suprimento de ar, área de escape, escada pressurizada, situações de vazamentos em dutos e vazamentos não identificados, portas corta-fogo abertas, antecâmara de emergência, elevador de emergência, pressurização e sistema de ar condicionado, tomadas de ar, instalação de equipamentos, sistemas de controle, controle do ar pressurizado e tabelas de aplicativas. O Anexo G apresenta um modelo prático de cálculo de vazão do sistema de pressurização de escada. 12. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 PLANO DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO A Instrução Técnica nº 11 estabelece princípios gerais para: o levantamento de riscos de incêndios; a elaboração de Planos de Intervenção em Incêndio e a padronização das formas de intervenção operacional nos locais de risco, e se aplica às edificações e áreas de risco onde é necessária a elaboração de um Plano de Intervenção de Incêndio. A Instrução Técnica nº 11 determina a elaboração de Análise Preliminar de Riscos, de Plano de Intervenção de Incêndio, de Planta de Risco, cujo modelo encontra-se na IT 01 Procedimentos Administrativos. 13. INSTRUÇÃO TÉCNICA 12 BRIGADA DE INCÊNDIO A presente Instrução Técnica estabelece as condições mínimas para a formação, treinamento e reciclagem da brigada de incêndio para atuação em edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais e se aplica a todas as edificações e áreas de risco enquadradas na tabela 1 do Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais.

17 17 Os assuntos tratados na IT 12 são: composição e dimensionamento da brigada de incêndio, critérios básicos para seleção de brigadista, organização da brigada, organograma da brigada de incêndio, programa do curso de formação de brigada de incêndio, atribuições da brigada de incêndio, procedimentos básicos de emergência, controle do programa de brigada de incêndio, Identificação dos brigadistas, questionário de brigadistas e de bombeiro civil. 14. INSTRUÇÃO TÉCNICA 13 ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Esta Instrução Técnica fixa as condições necessárias para o projeto e instalação do sistema de iluminação de emergência em edificações e áreas de risco, atendendo ao previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais e aplica às edificações e áreas de risco onde é exigido o sistema de iluminação de emergência. Adota-se a NBR Sistema de iluminação de emergência, naquilo que não contrariar o disposto nesta Instrução Técnica. A Instrução Técnica nº 13 dispõe sobre grupo moto-gerador de emergência e estabelece que a distância máxima entre dois pontos de iluminação de aclaramento deve ser de 15 m ponto a ponto, levando-se em consideração o disposto na NBR 10898/ INSTRUÇÃO TÉCNICA 14 - SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A Instrução Técnica nº 13 tem por objetivo estabelecer os requisitos mínimos necessários para o dimensionamento dos sistemas de detecção e alarme de incêndio, na segurança e proteção de uma edificação e adequar o texto da NBR Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio, para aplicação na análise e vistoria dos projetos técnicos de proteção contra incêndio submetidos ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais (CBMMG), atendendo ao previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. De acordo com a IT 14, todo sistema deve ter duas fontes de alimentação. A principal é a rede de tensão alternada e a auxiliar é constituída por baterias ou no-break. Quando a fonte de alimentação auxiliar for constituída por bateria de acumuladores ou no-break, esta deve ter autonomia mínima de 24 horas em regime de supervisão, sendo que no regime de alarme deve ser de no mínimo 15 minutos, para suprimento das indicações sonoras e/ou visuais, ou o tempo necessário para a evacuação da edificação. Quando a alimentação auxiliar for por gerador, deverá ter os mesmos parâmetros de autonomia mínima prevista anteriormente.

18 18 A distância máxima a ser percorrida por uma pessoa, em qualquer ponto da área protegida até o acionador manual mais próximo, não deve ser superior a 16 (dezesseis) metros. Nos locais de reunião de público, tipo: casas de show, música, espetáculos, dança, discoteca, danceteria, salões de baile etc., onde se tem naturalmente uma situação acústica elevada, será obrigatória também a instalação de avisadores visuais, quando houver a exigência de sistema de detecção e alarme. Deverá ser apresentado ao Corpo de Bombeiros, quando do pedido de vistoria, uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) preenchida pelo responsável técnico pela instalação do sistema de detecção, garantindo que os detectores foram instalados de acordo com o prescrito na NBR INSTRUÇÃO TÉCNICA 15 SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA A presente Instrução Técnica fixa as condições exigíveis que devem satisfazer o sistema de sinalização de emergência em edificações e áreas de risco, atendendo ao previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais, e aplica-se a todas as edificações e áreas de risco, exceto residências unifamiliares. Tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio, alertando para os riscos existentes e garantir que sejam adotadas ações adequadas à situação de risco, orientando as ações de combate e facilitando a localização dos equipamentos e das rotas de saída para abandono seguro da edificação em caso de incêndio. A sinalização de emergência divide-se em sinalização básica e sinalização complementar. A sinalização básica é o conjunto mínimo de sinalização que uma edificação deve apresentar, constituído por quatro categorias, descritas a seguir: Proibição - visa proibir e coibir ações capazes de conduzir ao início do incêndio ou ao seu agravamento. Alerta - visa alertar para áreas e materiais com potencial de risco de incêndio, explosão, choques elétricos e contaminação por produtos perigosos. Orientação e Salvamento - visa indicar as rotas de saída e as ações necessárias para o seu acesso e uso. Equipamentos - visa indicar a localização e os tipos de equipamentos de combate a incêndios e alarme disponíveis no local.

19 19 A sinalização complementar é o conjunto de sinalização composto por faixas de cor ou mensagens complementares à sinalização básica, e tem as seguintes finalidades: 1) Complementar, através de um conjunto de faixas de cor, símbolos ou mensagens escritas, a sinalização básica, nas seguintes situações: a) indicação continuada de rotas de saída; b) indicação de obstáculos e riscos de utilização das rotas de saída; c) mensagens escritas que acompanham a sinalização básica, onde for necessária a complementação da mensagem dada pelo símbolo; 2) Informar circunstâncias específicas em uma edificação ou áreas de risco, através de mensagens escritas; 3) Demarcar áreas para assegurar corredores de circulação destinados às rotas de saídas e acesso a equipamentos de combate a incêndio e alarme; 4) Identificar sistemas hidráulicos fixos de combate a incêndio. A Instrução Técnica 15 trata também de outros assuntos, tais como: procedimentos para implantação de sinalização básica, sinalização de proibição, sinalização de alerta, sinalização de orientação e salvamento, sinalização de equipamentos de combate a incêndio, implantação da sinalização complementar, requisitos básicos para que a sinalização de emergência possa ser visualizada e compreendida no interior da edificação ou área de risco, projeto de sinalização de emergência, instrução para confecção de placas de sinalização, simbologia para sinalização de emergência. Figura de sinalização Proibido utilizar elevador em caso de incêndio Forma e cor: símbolo: circular; fundo: branca; Pictograma: elevador e chama, em cor preta Faixa circular e barra diametral: vermelha Aplicação: nos locais de acesso aos elevadores comuns e monta-cargas. Fig. Código P4 (IT 15, Anexo B) Significado: proibido utilizar elevador em caso de incêndio 17. INSTRUÇÃO TÉCNICA 16 EXTINTORES DE INCÊNDIO Esta Instrução Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio em edificações e/ou áreas de risco por meio de extintores de incêndio (portáteis ou sobre rodas), atendendo ao previsto no Regulamento de

20 20 Segurança Contra Incêndio e Pânico no Estado de Minas Gerais e se aplica a todas edificações e área de risco. Adota-se a NBR Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio, naquilo que não contrarie o disposto nesta instrução técnica. A IT 16 conceitua os tipos de extintores, orienta sua instalação, em relação à classe de fogo, conforme tabela 1 da IT 16, estabelece as regras para extintores portáteis e extintores sobre rodas, cria procedimentos para capacidade extintora, orienta a Classificação das Edificações e Áreas de Risco quanto a Carga Incêndio. A altura máxima de fixação é de 1,60 m, e a mínima é de 0,10m. Dependendo do risco, o percurso máximo para se atingir um extintor, é de 15, 20 ou 25 metros. Os extintores devem estar desobstruídos e sinalizados. Obedecendo-se o percurso máximo, cada pavimento deve ser protegido no mínimo por 2 unidades extintoras distintas, sendo uma para incêndio de classe A e outra para classes B:C ou um extintor multiuso(classe A,B,C) 18. INSTRUÇÃO TÉCNICA 17 HIDRANTES E MANGOTINHOS Esta Instrução Técnica fixa as condições necessárias exigíveis para dimensionamento, instalação, manutenção, aceitação e manuseio, bem como as características dos componentes de Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para uso exclusivo de Combate a Incêndio e aplica-se às edificações e áreas de risco em que sejam necessárias as instalações de Sistemas de Hidrantes e Mangotinhos para Combate a Incêndio, de acordo com o previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. A IT 17 define hidrante como o ponto de tomada de água onde há uma (simples) ou duas (duplo) saídas contendo válvulas angulares com seus respectivos adaptadores, tampões, mangueiras de incêndio e demais acessórios e mangotinho como o ponto de tomada de água onde há uma (simples) saída contendo válvula de abertura rápida, adaptador (se necessário), mangueira semirrígida, esguicho regulável e demais acessórios. As bombas de incêndio se classificam em: a) Bomba principal bomba hidráulica centrífuga destinada a recalcar a água para os sistemas de combate a incêndio. b) Bomba de pressurização (jockey) bomba hidráulica centrífuga destinada a manter o sistema automaticamente pressurizado em uma faixa preestabelecida. c) Bomba de reforço Bomba hidráulica centrífuga destinada a fornecer água aos hidrantes e/ou mangotinhos mais desfavoráveis hidraulicamente, quando estes não puderem ser abastecidos somente pelo reservatório elevado.

21 21 Os sistemas de combate a incêndio são classificados em sistema de mangotinho (tipo 1) e sistemas de hidrantes (tipos 2, 3, 4 e 5), conforme especificado na Tabela 2 da IT 17. Recomenda-se que o sistema seja dimensionado de forma que a pressão máxima de trabalho, em qualquer ponto, não ultrapasse 100 mca (1000 kpa). Situações que requeiram pressões superiores à estipulada serão aceitas, desde que comprovada a adequação técnica dos componentes empregados. O sistema deverá ser ensaiado sob pressão hidrostática equivalente a 1,5 vez a pressão máxima de trabalho, ou kpa no mínimo, durante 2 horas. Não são tolerados quaisquer vazamentos no sistema. O ensaio deverá ser realizado por profissional legalmente habilitado, com emissão de ART. A Instrução Técnica nº 17 apresenta várias tabelas, úteis para seleção de hidrantes e mangotinhos, componentes de hidrantes e mangotinhos, volume mínimo de água para combater incêndio e instruções para seleção de bombas. 19. INSTRUÇÃO TÉCNICA 18 CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Esta Instrução Técnica visa a adequar o texto da norma NBR Proteção contra incêndio por chuveiro automático, para aplicação na análise e vistoria de processos submetidos ao Corpo de Bombeiros, atendendo ao previsto no Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. Esta Instrução Técnica se aplica a todas as edificações onde é exigida a instalação de chuveiros automáticos, de acordo com o Regulamento de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas edificações e áreas de risco no Estado de Minas Gerais. Adota-se a NBR Proteção contra incêndio por chuveiro automático, suas atualizações ou outra norma que vier substituí-la com as adequações constantes no item 5 desta Instrução. Para fins de apresentação junto ao Corpo de Bombeiros, deve ser elaborada uma proposta de Projeto Técnico, com simbologia atendendo ao contido na IT 03, devendo ser apresentado o projeto executivo de chuveiros automáticos, contendo além do especificado nas normas técnicas da ABNT, as exigências previstas na IT 01 Procedimentos Administrativos. Nos casos de edificações com ocupação mista, a reserva de incêndio deve ser calculada em função da vazão de risco mais grave e do tempo de funcionamento do risco predominante. O dimensionamento do sistema pode ser feito por tabelas, tabelas e cálculo hidráulico ou cálculo total, de acordo com o risco e a norma adotada.

22 22 Sempre que possível, as bombas devem ser instaladas sob condição de sucção positiva (afogadas), sendo permitida a sucção negativa quando comprovadamente for inviável a primeira condição. A IT 18 possui vários Anexos que são importantes para o dimensionamento de chuveiros automáticos, entre os quais citamos: Anexo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos Anexo B - Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros automáticos e do Sistema de Hidrantes Anexo C - Memória de cálculo do dimensionamento do sistema de chuveiros automáticos Os chuveiros são regularmente distribuídos por toda a edificação, ativados pelo calor do fogo, que descarregam água sobre a área do incêndio, com vazões, pressões e distanciamentos mínimos de acordo com o grau de risco determinado por norma, alimentados por uma rede de canalizações aéreas e subterrâneas com diâmetros compatíveis, a partir de um sistema de bombas de incêndio e reserva de água exclusivos. O objetivo do sistema de chuveiros automáticos é controlar ou extinguir o foco do incêndio e ao mesmo tempo dar o alarme aos usuários da edificação, permitindo o escape com segurança. O controle do fogo tem como objetivo limitar o tamanho do incêndio com a aplicação de água, para diminuir a taxa de liberação de calor e pré-umedecer os combustíveis adjacentes, bem como controlar a temperatura dos gases junto ao teto para evitar danos estruturais e propagar o calor para os demais andares. A rede hidráulica de distribuição alimenta os chuveiros automáticos, a partir das válvulas de controle e alarme, com diâmetros apropriados para que a água chegue aos chuveiros automáticos mais desfavoráveis com a pressão e vazão necessária. A figura a seguir ilustra a rede hidráulica e o sistema de distribuição.

23 23 Figura Rede hidráulica A rede hidráulica é formada pelos seguintes componentes: Ramal Tubos aos quais os chuveiros automáticos são conectados. Subgeral Tubos que alimentam os ramais. Geral Tubos que alimentam os subgerais, diretamente ou com conexões. Coluna de alimentação tubulações verticais de alimentação de um sistema de chuveiros automáticos. Coluna principal de alimentação Tubo não subterrâneo, horizontal ou vertical, localizado entre a fonte de abastecimento e as tubulações gerais e subgerais, contando com válvula de controle (diretamente na coluna ou no tubo que a alimenta) e um dispositivo de alarme de vazão de água. A figura a seguir mostra os componentes da rede hidráulica:

24 24 A rede hidráulica pode ser disposta em: rede aberta ou rede fechada. Rede aberta a água circula nos ramais (subgerais) somente num sentido, suprindo os ramais, tipo espinha de peixe, sendo alimentada das seguintes formas: central, com ramal central (*) lateral central com ramal lateral; central pela extremidade com ramal central; lateral pela extremidade com ramal lateral; lateral pela extremidade com dois ramais; lateral central com dois ramais. (*) mais econômica, pois utiliza canalizações e conexões com diâmetros menores. Formas de alimentação da rede aberta Rede fechada ramais estão ligados entre si de tal forma que podem ser alimentados com água pelas duas extremidades, reduzindo a queda de pressão devido à divisão de escoamentos e dos diâmetros das tubulações. Essa rede possui duas formas de alimentação: a) em anel; b) em grelha.

25 25 Figura Forma de alimentação da rede fechada (em anel) O NFPA 13 classifica os chuveiros automáticos em 4 tipos: - Canalização molhada - Canalização seca - Pré-Ação ou Ação Prévia - Dilúvio Canalização seca contém ar ou nitrogênio comprimido no seu interior, que é liberado com a entrada em operação de um chuveiro automático, acionado pelo calor. Nesse sistema, a operação dos chuveiros é individual e a água é descarregada somente pelo chuveiro acionado pelo calor do fogo. Pré-Ação ou Ação prévia - Contem ar no seu interior, sob pressão ou não, conjugado a um sistema suplementar de detecção instalado na mesma área dos chuveiros automáticos. O sistema de detecção é regulado para ser acionado em temperatura inferior a dos chuveiros automáticos, abrindo a válvula de controle automático (válvula de pré-ação), permitindo a entrada de água na tubulação que é descarregada sobre o fogo, quando o chuveiro for acionado pelo calor. Nesse sistema, a operação dos chuveiros é individual e a água é descarregada somente pelo chuveiro acionado pelo calor do fogo. Dilúvio - Contém ar no seu interior, sob pressão ou não, conjugado a um sistema suplementar de detecção instalado na mesma área dos chuveiros automáticos. Nesse sistema, a operação dos chuveiros é coletiva. Com relação ao acionamento, os chuveiros podem ser: automáticos e abertos. O Chuveiro automático possui elemento acionador termossensível, que se rompe ao atingir uma temperatura pré-determinada, descarregando água sobre a área de incêndio, enquanto o chuveiro aberto não possui elementos acionadores ou termossensíveis.

26 26 Fig Chuveiro automático Fig - Chuveiro aberto Com relação à distribuição de água, o chuveiro pode ser de cobertura estendida (projetado para cobrir uma área maior do que a área de cobertura de chuveiros padrão) e tipo spray (defletor direciona a água para baixo, lançando uma quantidade mínima de água, ou nenhuma, para o teto). Fig Chuveiro cobertura estendida Fig Chuveiro tipo spray Com relação à instalação, os chuveiros se classificam em: chuveiro em pé (projetado para ser instalado em uma posição na qual o jato de água é direcionado para cima, contra o defletor) e chuveiro pendente (projetado para ser instalado em uma posição na qual o jato de água é direcionado para baixo, contra o defletor). Fig Chuveiro em pé Fig Chuveiro pendente O chuveiro em pé é normalmente usado em instalação com tubulação exposta; quando o fator decoração é irrelevante e no sistema de canalização seca. O chuveiro pendente não pode ser utilizado em instalação acima da tubulação; quando as canalizações são embutidas no forro e por questões de decoração no ambiente.

27 27 A NBR recomenda que o estoque de chuveiros automáticos, independente da classe de risco, respeitem os seguintes valores: Até 300 chuveiros: 6 chuveiros sobressalentes 300 chuveiros a chuveiros :12 chuveiros sobressalentes Acima de 1000 chuveiros: 24 chuveiros sobressalentes 20. SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO COM ÁGUA O sistema de combate a incêndio com água se compõe de: Fonte de alimentação de água para combate a incêndio Reservatório de alimentação ao sistema Tubulações de sucção e distribuição Sistema de automação (válvulas e registros) Rede de incêndio Grupo moto-bomba Grupo motor gerador de emergência. Bomba jockey A alimentação de água deve ser de fonte segura, capaz de alimentar o reservatório para a demanda projetada e ser uma água própria para a finalidade de combate a incêndio. O reservatório deve ser projetado para armazenar a quantidade de água da demanda da instalação. As tubulações, válvulas e registros deverão ser dimensionados e calculados para as pressões e vazões do sistema. A rede de incêndio deverá ser projetada para cobrir os riscos da instalação em todos seus pontos. O sistema de moto-bomba deverá possuir capacidade para fornecer a vazão e pressão estipuladas em projeto e seguir as normas do NFPA, com relação a possuir, pelo menos, um moto-gerador de emergência, disponível e confiável, ou seja, que entre em operação imediatamente, na falta da moto-bomba principal. Abaixo um conjunto moto-bomba Para edificações com riscos baixos que utilizam hidrantes é permitida a utilização de apenas uma bomba elétrica ou de combustão interna (IT 17 ). Em instalações que necessitam manter pressurizada a rede de água de incêndio, utiliza-se uma bomba conhecida como bomba Jockey, cuja finalidade

28 28 é compensar pequenas perdas de pressão (vazamentos, acionamento acidental). Seguem abaixo figuras de bombas centrífugas, utilizadas no sistema de redes de incêndio. Quando as bombas de incêndio forem automatizadas, deve haver pelo menos um acionador manual em local seguro da edificação (IT 17). Bombas de incêndio acopladas a motores elétricos dos sistemas de hidrante e mangotinho podem dispor de acionamento somente manual (IT 17). 21. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Legislação de Segurança Contra Incêndio e Pânico nas Edificações e Áreas de Risco do Estado de Minas Gerais. CBMMG, Disponível no site 2. SECCO, Orlando. Manual de Prevenção e Combate a Incêndio. ABPA Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes. Brasil. SP GOMES, Ary Gonçalves. Sistemas de Prevenção contra Incêndios. Ed. Interciência Brasil. SP.

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Cap. QOBM Amarildo Exigências Estruturais e Arquitetônicas SUMÁRIO Exigências Estruturais

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

NORMA TÉCNICA 09/2014

NORMA TÉCNICA 09/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 09/2014 Compartimentação horizontal e vertical SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

3.8 3.9 3.10 3.11 3.12 3.13 3.14 4 DEFINIÇÕES 5 PROCEDIMENTOS 5.1. Compartimentação horizontal: 5.1.1 5.1.2 Características de construção:

3.8 3.9 3.10 3.11 3.12 3.13 3.14 4 DEFINIÇÕES 5 PROCEDIMENTOS 5.1. Compartimentação horizontal: 5.1.1 5.1.2 Características de construção: ANEXO VII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 7 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL 1 OBJETIVO 1.1 Esta Norma Técnica estabelece os parâmetros da compartimentação

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL

IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Procedimentos INSTRUÇÃO TÉCNICA 07 DIRETORIA DE ATIVIDADES TECNICAS

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa Segurança contra Incêndio em Edificações Medidas de Proteção Ativa Arq. Marcos Vargas Valentin 1 Medidas de Proteção Ativa Instalações Elétricas Prediais : Iluminação de emergência Alarme manual (acionadores

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 006/2013 CBMPB Sinalização de Segurança e Emergência Contra Incêndio e Pânico Publicada no Diário Oficial nº xx.xxx de xx de fevereiro de 2013. SUMÁRIO 1-Objetivo 2-Aplicação 3-Referências

Leia mais

Corpo de Bombeiros. Compartimentação horizontal e compartimentação vertical

Corpo de Bombeiros. Compartimentação horizontal e compartimentação vertical SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 09/2011 Compartimentação horizontal e compartimentação vertical SUMÁRIO

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011 Instrução Técnica nº 08/2011 - Resistência ao fogo dos elementos de construção 191 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2015 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 09/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 09/2011 Instrução Técnica nº 09/2011 - Compartimentação horizontal e compartimentação vertical 203 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NPT 009 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL

NPT 009 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 009 Compartimentação Horizontal e Compartimentação Vertical CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 20 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

NORMA TÉCNICA 08/2014

NORMA TÉCNICA 08/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 08/2014 Resistência ao fogo dos elementos de construção SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 43/2011 às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 09

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 09 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 09 Compartimentação horizontal e compartimentação vertical SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011 Instrução Técnica nº 24/2011 - Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósito 519 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 Instrução Técnica nº 41/2011 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão 757 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 107páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) Universidade Federal de Goiás Departamento de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil SISTEMAS PREDIAIS 2 SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) Prof. Msc. Heber

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 1 Regras gerais 313 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO

IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO IT - 29 HIDRANTE PÚBLICO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Cor padrão para a identificação dos hidrantes públicos 2 Aplicação B - Esquema de instalação do hidrante público e relação de seus componentes 3 Referências

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB. REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE DESCONTOS AOS RISCOS QUE DISPUSEREM DE MEIOS PRÓPRIOS DE DETECÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (ITEM 2 DO ART. 16 DA TSIB.) 1. Instalação de Combate a Incêndio por meio de Extintores

Leia mais

Compartimentação Horizontal e Compartimentação Vertical

Compartimentação Horizontal e Compartimentação Vertical SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 09/2004 Compartimentação Horizontal e Compartimentação Vertical SUMÁRIO

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais