Acordo de Livre Comércio das Américas. Banco Interamericano de Desenvolvimento. Central Elétrica Cachoeira Dourada S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acordo de Livre Comércio das Américas. Banco Interamericano de Desenvolvimento. Central Elétrica Cachoeira Dourada S/A"

Transcrição

1 Univvee rrssi idaadee Tééccni iccaa dee Lissboaa Insstti I ittutto Supeerri iorr dee Ecconomi iaa ee Geessttãão Glloballiização e IInserção Econômiica do Brasiill Flluxos de IInvesttiimentto Extterno Diiretto na Década de 90 Gellfa de Mariia Costa Aguiiar TT rraabb aal llhhoo fif iinn aal ll aapp rreesseenn taaddoo t ppaarraa oobbt teennççããoo ddoo ggrraauu ddee DDoouut toorr eem EEccoonnoomi iiaa Orri iieennt taaddoorr Douttorr Anttóniio Augustto de Ascenção Mendonça JJúú rri ii Presidente Reitor da Universidade Técnica de Lisboa Vogais Douttorr Paaul lo Orrtti izz Rocchaa dee Arraagãão,, UFPB Paraíba Brasil Douttorr Máárri io Luíss daa Silvvaa Murrtteei irraa,, ISCTE Lisboa Portugal Douttorr JJoaaqui im Aleexxaandrree doss Raamoss Silvvaa,, ISEG-UTL Lisboa Portugal Douttorr Anttóni io Augusstto dee Asscceenççãão Meendonççaa,, ISEG UTL Lisboa Portugal Douttorr Maanueel l dee JJeessuss Faarrtto,, ISEG-UTL Lisboa Portugal Douttorr Víttorr Maanueel l Meendeess Maagrri içço,, ISEG-UTL Lisboa Portugal Douttorraameentto eem Ecconomi iaa Lissboaa,, Maai io dee

2 Glloballiização e IInserção Econômiica do Brasiill Flluxos de IInvesttiimentto Extterno Diiretto na Década de 90

3 2 GLOSSÁRIO ALCA AMI BNDES BCB BID BIRD BVRJ CDSA CEG CELB CENF CERJ CHESF COELBA COELCE COSERN ECE EES ENERGIPE ESP EUA FHC Acordo de Livre Comércio das Américas Acordo Multilateral de Investimentos Banco Nacional de Desenvolvimento Banco Central do Brasil Banco Interamericano de Desenvolvimento Banco Mundial Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Central Elétrica Cachoeira Dourada S/A Companhia Estadual de Gás do Rio de Janeiro Companhia de Eletrificação da Borborema Companhia Energética de Nova Friburgo Companhia de Eletrificação do Estado do Rio de Janeiro Companhia Hidroelétrica de São Francisco Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Companhia Energética do Ceará Companhia Energética do Rio Grande do Norte Empresas de Capital Externo Empresas Estatais Empresa de Energia de Sergipe Enviroment/System/Policy Estados Unidos da América Fernando Henrique Cardoso

4 Glossário 3 FMI Fbcf FGV GATT IED IGPM IGP-DI IPEA IRB LIGHT Fundo Monetário Internacional Formação Bruta de Capital Fixo Fundação Getúlio Vargas Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio Investimento Externo Direto Índice Geral de Preços de Mercado Índice geral de preços - deflator implícito Instituto de Pesquisa Econômica Instituto de Resseguros do Brasil Companhia de Distribuição de Energia Elétrica do Rio de Janeiro MERCOSUL Mercado Comum do Sul NPI OCDE OLI OMC ONU OPEP PAI PIB PND PROER RAET RCT SAELPA SPB Novos Países Industrializados Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico Ownership advantages / localização/ internalização Organização Mundial do Comércio Organização das Nações Unidas Organização dos Países Exportadores de Petróleo Programa de Ação Integrada Produto Interno Bruto Programa Nacional de Desestatização Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional Regime de Administração Temporária Revolução Científico Técnica Sociedade Anônima de Energia Elétrica da Paraíba Sistema de Pagamentos Brasileiros

5 Glossário 4 SEST SFN SUMOC TRIM UE Secretaria Especial de Controle das Estatais Sistema Financeiro Nacional Superintendência da Moeda e do Crédito Trade Related Investment Measures União Européia

6 5 RESUMO Este documento entende a dinâmica da economia mundial, na atualidade, como reflexo do esgotamento de alguns dos elementos que respaldaram o período imediatamente anterior ( ), atestando mudanças significativas em curso, tanto no âmbito político-ideológico, quanto nos mecanismos institucionais indispensáveis à atual estratégia de acumulação capitalista. Trata em especial do caso brasileiro anos 90 destacando os investimentos externos diretos IED, cujos fluxos líquidos apresentaram, no período em foco, crescimento extraordinário, como elemento fundamental da inserção internacional do país. Indica como determinantes e/ou condicionantes do fluxo de IED: a) a construção de um cenário macroeconômico de relativa estabilidade implantação do Plano Real, b) O Programa Nacional de Desestatização PND facilitador da entrada do capital externo, via privatização; e c) a instauração do Programa de Estímulo à reestruturação e ao fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional PROER que estimulou fusões e aquisições transfronteiriças, especialmente no setor bancário. Considera, ainda, a política neoliberal praticada no Brasil, pós 1990, como responsável pela mudança de papel do Estado Nacional, que passou de produtor a regulador de um cenário propício ao desenvolvimento do capital privado, dando ênfase ao capital externo como forma de inserção do país no mundo globalizado. Palavras-chave: globalização; economia brasileira; IED; privatizações; fusões; década de 90.

7 6 ABSTRACT This document understands the dynamism of the world economy, as a consequence of the exhaustion of some of the elements that supported the period before ( ), certifying significative changes in course, either in the political ideological orbit or in the absolutely necessary institutional mechanisms for the recent strategy of capitalist acumulation. It is specially about Brazil IED, that the liquid flux showed, in the period mentioned, an amazing growth, as an essential element of the insertion of the country in the international scenery. It indicates as determinants of the IED flux: a) the construction of a relative stable macroeconomic scenery implantation of the Real plan, b) the National Program of unstating factories PND which makes easier the access of foreign capital, by privatization and c) the implantation of the PROER, a program that stimulates the restructuring and the fortification of the national financial system, and stimulated fusions and bordering acquisitions, specially in the bank area. It considers the neoliberal policies used in Brazil, after 1990, as responsible for the changes in the characteristics of the National State, that changed from productor to controller of a scenery that tends to the development of private capital, emphasizing the foreign money as a way to put the country into the globalized world. Key words: globalization; Brazilian economy; IED; privatizations; fusions; 90 s.

8 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO I GERAL CAPÍTULO 11 Ecconomi iaa Globaal l:: rreeaal lidaadee eem cconssttrruççãão Inttrroduççãão... I Estratégias político-ideológicas em mudança Do Keynesianismo ao Neoliberalismo Da inadequação do Aparato Institucional existente Evolução conceitual da dinâmica econômica internacional Internacionalização Multinacionalização ou transnacionalização Conssi ideerraaççõeess Finaai iss CAPÍTULO 22 Globaal lizzaaççãão ee Invveesstti I imeenttoss Essttrraangeei irross Inttrroduççãão... I Teorias da Globalização A globalização enquanto superação positiva A globalização enquanto superação negativa Teorias sobre o Investimento Externo Direto Abordagem dos Custos de Transações Abordagem Eclética Abordagem Sintética Conssi ideerraaççõeess Finaai iss Fluxos de Capital na era global origens e destino Conssi ideerraaççõeess Finaai iss

9 Sumário 8 CAPÍTULO 33 A insseerrççãão i do Brraassi ill naa Ecconomi iaa Mundiaal l Inttrroduççãão I Breve retrospectiva da presença do capital externo no Brasil Século XX Do milagre à crise décadas de 70 e O Brasil face a nova conjuntura internacional anos A caminho do neoliberalismo ( ) Conjuntura brasileira pós Conssi ideerraaççõeess Finaai iss CAPÍTULO 44 Deetteerrmi inaantteess ee/ /ou Condicci ionaantteess do ffl luxxo dee Invveesstti I imeentto Exxtteerrno Dirreetto ((I IED)) no Brraassi ill póss Inttrroduççãão I Brasil versus fluxo de IED na década de Privatizações no Brasil e fluxo de IED Antecedentes O Programa Nacional de Desestatização PND A Importância do Programa de Estímulo a Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER) na atração de recursos externos Conssi ideerraaççõeess Finaai iss CAPÍTULO 55 Caapttaaççãão dee Reeccurrssoss Exxtteerrnoss IED I Paarraaí íbaa/ /Brraassi ill Seettorreess dee Eleettrri iffi iccaaççãão ee Intteerrmeedi I iaaççãão Finaancceei irraa Intt I rroduççãão ee Conssi ideerraaççõeess Meettodol lógiccaass Processos de Privatizações na Paraíba CELB e SAELPA O Caso da CELB

10 Sumário O Caso da SAELPA Fusões e aquisições no segmento da intermediação financeira Resultados do Inquérito Conssi ideerraaççõeess Finaai iss CONCLUSÕES BIBLI IOGRAFIA I CONSULTADA ANEXOS Plano Real Histórico Constitucional Conjunto de leis e medidas provisórias que dispõem sobre o Plano Real Legislação Pertinente ao PND Medida Provisória relativa ao PROER Instrumento de captação de dados e informações Inquérito

11 10 LISTA DE TABELAS Tabela 1.1 Taxas anuais de crescimento em países escolhidos e OCDE ( ) Tabela 1.2 Taxas anuais de crescimento mundo e países industrializados ( ) Tabela 1.3 Taxas de crescimento médio da produtividade industrial Países escolhidos ( ) Tabela 1.4 Taxas anuais de crescimento mundo e países industrializados ( ) Tabela 1.5 Resultado das rodadas do Gatt ( ) Tabela 2.1 Crescimento da renda nos países desenvolvidos taxa média anual países selecionados ( ) Tabela 2.2 Taxa média anual de lucro nos Estados Unidos da América. 80 Tabela 2.3a Entradas de IED economias escolhidas ( ) Tabela 2.3b Saídas de IED economias escolhidas ( ) Tabela 2.3c Taxas anuais de crescimento entradas de IED economias escolhidas ( ) Tabela 2.4 Globalização econômica indicadores ( ) Tabela 2.5 Estoques de IED entradas e eaídas ( ) Tabela 2.6 Principais economias receptoras de IED ( ) Tabela 2.7 Investimentos diretos no Brasil distribuição por país de origem ( ) Tabela 2.8 Investimentos externos diretos aplicação por setor econômico ( ) Tabela 3.1 Indicadores econômicos do Brasil década de Tabela 3.2 Indicadores econômicos do Brasil década de

12 Lista de Tabelas 11 Tabela 3.3 Indicadores econômicos do Brasil ( ) Tabela 3.4 Indicadores econômicos do Brasil ( ) Tabela 3.5 Indicadores econômicos do Brasil ( ) Tabela 3.6 Planos de estabilização X indicadores econômicos década de Tabela 4.1 Principais países receptores de IED ( ) Tabela 4.2 Fusões e aquisições transfronteiriças ( ) Tabela 4.3 Indicadores econômicos taxa média de crescimento ( ) Tabela 4.4 Taxa média de crescimento da economia brasileira por setor de produção ( ) Tabela 4.5 PIB, formação bruta de capital fixo e investimento externo direto Brasil ( ) Tabela 4.6 Mudanças na forma de controle das estatais ( ) Tabela 4.7 Total de privatizações no Brasil na década de Tabela 4.8 Decomposição anual das receitas da privatização ( ) Tabela 4.9 Participação estrangeira no processo de privatização no Brasil ( ) Tabela 4.10 Participação estrangeira no processo de privatização dos serviços públicos no Brasil ( ) Tabela 4.11 Privatizações estaduais resultados acumulados (1996/00). 212 Tabela 4.12 Participações estrangeiras em instituições financeiras no país Tabela 4.13 Distribuição relativa dos bancos brasileiros por atividade e origem do capital ( ) Tabela 4.14 Ativos em bilhões de reais dos maiores bancos do Brasil ( ) Tabela 4.15 Dependências bancárias em funcionamento ( )

13 Lista de Tabelas 12 Tabela 5.1 Distribuição da rede bancária paraibana origem do capital e número de agências (2000) Tabela 5.2 Origem do capital dos cinco bancos aqui investigados Tabela 5.3 Classificação dos bancos estrangeiros na Paraíba, no ranking dos 50 maiores do Brasil Tabela 5.4 Fatores condicionantes da vinda de IED para o Brasil intensidade

14 13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1.1 Taxas anuais de crescimento mundo e países Industrializados ( ) Gráfico 2.1 Evolução da captação de IED pelo Brasil ( ) Gráfico 2.2 Principais investidores externos no Brasil (1996) Gráfico 2.3 Principais investidores externos no Brasil (2000) Gráfico 2.4 Distribuição setorial de IED no Brasil (1996) Gráfico 2.5 Distribuição setorial de IED no Brasil (2000) Gráfico 3.1 Evolução do setor real década de Gráfico 3.2 Fbcf e taxa de crescimento do PIB Anos Gráfico 3.3 Dinâmica inflacionária da Era Collor Gráfico 3.4 Dinâmica do setor real na Era Collor Gráfico 3.5 Dinâmica inflacionária ( ) Gráfico 3.6 Investimento externo direto ( ) Gráfico 3.7 Evolução das taxas de juros, PIB e Fbcf ( ) Gráfico 4.1 Evolução das privatizações Gráfico 4.2 Distribuição relativa das privatizações por esfera de poder década de Gráfico 4.3 Comportamento das receitas das privatizações década de Gráfico 4.4 Maiores investidores externos privatizações dos serviços no Brasil década de Gráfico 4.5 Participação externa em níveis diferenciados privatização Brasil década de

15 Lista de Gráficos 14 Gráfico 4.6 Distribuição relativa dos bancos brasileiros por patrimônio líquido e origem do capital ( ) Gráfico 4.7 Agências bancárias comportamento ( ) Gráfico 4.8 Postos eletrônicos comportamento ( )

16 15 LISTA DE QUADROS Quadro 2.1 Formas alternativas de penetração nos mercados externos. 103 Quadro 3.1 Distribuição geográfica do investimento internacional da Grã-Bretanha (1913) Quadro 3.2 Grau de internacionalização da indústria de transformação por país (1988) Quadro 4.1 Amostra de grandes empresas brasileiras compradas por grupos estrangeiros ( ) Quadro 4.2 Principais bancos vendidos no Brasil ( ) Quadro 4.3 Bancos mais rentáveis no Brasil (1999)

17 Aos meus pais, Paulo e Geralda; meu companheiro, Eneas; e nossos filhos, Yago, Yêska e Yuska. 16

18 17 AGRADECIMENTOS Este trabalho não teria se concretizado sem o apoio de um conjunto de amigos/colegas e familiares que, de uma forma ou de outra, se fizeram importantes para nossa tomada de decisão de vencer desafios, mesmo quando os obstáculos pareceram intransponíveis. Sendo assim, aqui expresso meu agradecimento a todos eles e em especial: Aos professores Nelson Rosas Ribeiro e Manoel Barcelos, que juntos deram-me estímulo suficiente para a escolha da Universidade Técnica de Lisboa como ambiente propício ao desenvolvimento deste doutoramento. Ao Professor António Romão, que, sensibilizado com as dificuldades com as quais me deparei, quando da negativa de bolsa por parte das instituições de fomento brasileiras, enquanto presidente do Conselho Diretivo da Universidade de destino, possibilitou minha regularização frente ao ISEG/UTL. Ao Professor António Mendonça, pelas significativas observações e sugestões relativas à escolha do objeto de estudo mais específico e à elaboração do trabalho em si, quando na função de orientador, acatando nossas formulações sem deixar de emitir preciosas reflexões, as quais, de certa forma, determinaram a última forma deste. Sempre atencioso e presente (mesmo à distância), significou,

19 Agradecimentos 18 para mim, mais do que um orientador acadêmico, mas também o indispensável elo que me vinculou ao ISEG/UTL durante todo o período de doutoramento. À banca examinadora em toda sua extensão, que sugeriu reformulações do documento provisório, no intuito de lapidá-lo e enriquecê-lo, oportunizando maior reflexão e cuidado para com o texto final. A Izabel Moura, pela presteza com que atuou em sua função de secretária da pós-graduação da universidade de destino, sempre solícita e dedicada a fornecer informações institucionais, imprescindíveis à manutenção da nossa regularidade junto ao curso. À professora Luiza Alves Marinho (Chefe do DEF UFPB), pela forma eficiente com que encaminhou as questões relativas ao meu afastamento, para a conclusão deste trabalho, bem como pela disposição demonstrada para propiciar, dentro de suas possibilidades, apoio logístico à finalização deste. Ao Prof. Marcos Brasileiro (Vice-reitor da UFPB) pela atenção dedicada às nossas solicitações durante o doutoramento. Ao Prof. Alexandre Gama (Pró-reitor para Assuntos do Interior), pela distinção no atendimento aos nossos requerimentos de última ordem. Aos meus pais e familiares, sem exceção, que, acompanhando de perto todos os obstáculos surgidos ao longo deste curso, não

20 Agradecimentos 19 permitiram que eu fraquejasse, acreditando nas minhas potencialidades, o que me serviu de estímulo, sem o qual a finalização deste teria sido muito mais difícil. Em especial, destaco o amor dos meus três filhos e a presença diuturna do meu esposo, como a força que me animou e impeliu a continuar esta luta.

21 20 INTRODUÇÃO GERAL O trabalho aqui exposto cumpre requisito básico à obtenção do título de doutor junto ao Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, tendo sido elaborado de acordo com os princípios básicos contidos no Projeto de Trabalho apresentado ao Conselho Científico do referido Instituto, em março de 1996, e aprovado em maio do mesmo ano. O projeto referido indicava como objeto de estudo mais geral "a inserção da economia brasileira no contexto da globalização", delimitava como espaço temporal da investigação "a década de 90" e como objetivos mais específicos "a busca dos elementos determinantes ou condicionantes da referida inserção", além da repercussão desta a nível político e econômico. O processo de investigação levado adiante delineou com maior clareza aqueles objetivos, ao identificar os "investimentos externos diretos (IED)" como elemento chave para o entendimento da forma de inserção da economia brasileira no mundo globalizado; indicou ainda os processos de "fusões e aquisições transfronteiriças" e as "privatizações" ocorridas no Brasil, durante a década de 90, como sendo vias amplamente utilizadas pelo IED e portanto de especial interesse para o estudo em foco; além disso, permitiu identificar o Estado-Nação brasileiro, em sua adequação ao receituário neoliberal contido no Consenso de Washington, como o agente dinamizador deste processo ao criar cenários macroeconômicos atrativos ao capital externo e instrumentos captadores de IED, tais como o Programa Nacional de Desestatização (PND) e

22 Introdução Geral 21 o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER). O documento que se segue encontra-se estruturado de forma a permitir uma seqüência lógica de análise, que contempla elementos teóricos, históricos e conjunturais, cuja culminância se dá com uma pesquisa empírica no Setor Serviços, nos segmentos da intermediação financeira e da energia elétrica, em um dos Estados do Brasil a Paraíba, como ilustração do processo analisado ao longo do trabalho. A realização deste trabalho enfrentou dificuldades desde o início, quando a candidata, ao ser aceita para o doutorado, não obteve êxito na solicitação de bolsa de estudo, o que impediu sua transferência para Lisboa, onde teria acesso mais direto à orientação acadêmica, uma vez que seu orientador, Prof. Dr. António de Ascenção Mendonça, ali reside e trabalha. Este impedimento resultou na manutenção da candidata no Brasil, assumindo suas obrigações contratuais junto à Universidade Federal da Paraíba em paralelo ao trabalho de pesquisa relativo ao doutorado, fato que impossibilitou sua consecução durante os três primeiros anos do curso. Na realidade, somente nos últimos dois anos foi possível a dedicação integral ao trabalho de tese, bem como obter orientação mais presente do Prof. Dr. António Mendonça, por ocasião de suas visitas à Universidade Federal da Paraíba. Além deste tipo de dificuldade, meramente operacional, surgiram outras mais ligadas ao trabalho de pesquisa em si, como a relativa escassez de teorias ou paradigmas prontos e capazes de propiciar uma base sólida para a

23 Introdução Geral 22 análise da realidade em curso globalização. De forma semelhante, as abordagens teóricas sobre os Investimentos Externos Diretos, também não se constituem em paradigmas acabados que possam ser aplicados como respaldo à análise dos movimentos desta forma de capital. Além disso, nos deparamos com dificuldades de ordem operacional na coleta de dados junto aos bancos e às empresas, objetos da investigação, uma vez que, por se tratarem de agências de menor porte, situadas no interior do Brasil, encontram-se distantes das matrizes, e a autonomia de seus dirigentes locais, para fornecer as informações solicitadas, é praticamente nula. Todos tiveram que remeter os questionários às matrizes, o que acarretou um atraso considerável na coleta do material básico para a elaboração do último capítulo. Contudo, a experiência de desenvolver um trabalho deste porte, sem auxílio-bolsa, distante do orientador e da Universidade de destino, significou um desafio que se tentou e se supõe ter sido superado, com a conclusão deste documento, cujo benefício maior resulta em favor da academia, na qual continuaremos a desempenhar as funções de ensino, pesquisa e extensão, fortalecidas no âmbito da economia brasileira e internacional. A tese aqui exposta encontra-se estruturada em cinco capítulos. O primeiro deles, trata das principais mudanças ocorridas em termos de economia internacional, nas últimas décadas, tanto em nível político-ideológico, quanto no aparato institucional existente, dando ênfase à evolução conceitual da dinâmica econômica capitalista (internacionalização, multinacionalização,

24 Introdução Geral 23 transnacionalização e globalização), concluindo que a economia global ainda é uma realidade em construção. O Capítulo 2, trata especificamente de algumas das principais abordagens teóricas existentes sobre Globalização e sobre o Investimento Externo Direto, identificando, de forma semelhante à realidade constatada no capítulo anterior, que, em nível teórico, inexiste um paradigma capaz de respaldar a leitura da dinâmica econômica atual, sendo necessário entender as diversas abordagens como elaborações teóricas em andamento, o que exige do investigador um esforço para fazer do empírico sua base e seu referencial de análise. Por esta razão é que o item 3 deste capítulo constitui-se de uma leitura de dados sobre os movimentos internacionais do elemento IED, na era global. A inserção do Brasil na economia mundial durante os anos 90 é a tônica do Capítulo 3, no qual se identificam: a) o rompimento com o padrão de acumulação de capital, presente no país desde a década de 50; b) a penetração da ideologia neoliberal nos ditames da política econômica brasileira, a partir da década de 90; e c) os reflexos disto na conjuntura econômica pós Em seguida, o Capítulo 4 trata dos determinantes e/ ou condicionantes da dinâmica assumida pelo elemento IED frente à economia brasileira, durante os últimos anos da década de 90, destacando o Programa Nacional de Desestatização (PND) e o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao

25 Introdução Geral 24 Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER), como instrumentos de eficácia comprovada na captação de recursos externos. A ilustração da tese é o conteúdo do Capítulo 5, que, através de um estudo de caso, contempla dois processos de privatizações de empresas distribuidoras de energia elétrica e cinco casos de fusões/aquisições transfronteiriças de empresas de intermediação financeira, ocorridas no período em foco, todas situadas no Estado da Paraíba Brasil. Enfim, as considerações finais do trabalho vão no sentido de que a inserção brasileira no mundo globalizado tem-se verificado, principalmente, através dos fluxos de capital internacional, sob a forma de investimento externo direto (IED), fato este propiciado pelo cenário macroeconômico construído na década de 90, cuja estabilidade monetária conseguida vem servindo de atrativo aos recursos externos, além de alguns instrumentos ativados na captação do capital sob a forma de IED. Pode-se deduzir ainda que o Estado brasileiro, ao longo da década de 90, ao implantar uma política de corte neoliberal, não se afastou da economia, mas somente mudou de papel, ao deixar de atuar como Estado produtor, para assumir o papel de Estado construtor e mantenedor de um ambiente favorável ao desenvolvimento do capital privado, com destaque para o capital externo. Dessa forma, a função específica do Estado, enquanto estado capitalista, ou seja, a função de garantir a acumulação de capital, permanece intocada sob nova contextualização.

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ Lisboa 4 de Março de 2011 Sumário Cenário macroeconômico da América

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS Sumário Capítulo 1 A importância do investimento direto estrangeiro do Brasil no exterior para o desenvolvimento socioeconômico do país 1 Introdução 1 A internacionalização

Leia mais

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação 4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação Portugal face à crise da economia global António Mendonça Economista. Professor catedrático do ISEG-UTL. 1 DIMENSÕES DA

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

O celular como instrumento de pagamento e controle financeiro pelas classes de baixa renda na cidade do Rio de Janeiro

O celular como instrumento de pagamento e controle financeiro pelas classes de baixa renda na cidade do Rio de Janeiro Paola Scampini Bouças Parigot O celular como instrumento de pagamento e controle financeiro pelas classes de baixa renda na cidade do Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

5 de fevereiro de 2002

5 de fevereiro de 2002 5 de fevereiro de 2002 O Banco do Estado do Amazonas Bea foi privatizado em 24 de Janeiro de 2002 por R$ 182,9 milhões, equivalentes ao preço mínimo. O adquirente foi o Bradesco, um conglomerado financeiro

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Miguel Ferreira Lima CÓDIGO SIGA : TMBACEN*12/01 1 OBJETIVO:

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RELAÇÕES INTERNACIONAIS Movimentos de Capitais Estrangeiro no Brasil Investimento Estrangeiro Direto e sua relação

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 DISCURSO DO MINISTRO NELSON BARBOSA POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE TRANSMISSÃO DE CARGO Senhoras e Senhores, Em primeiro

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO NO SETOR BANCÁRIO BRASILEIRO ENTRE 1990 E 2010 DANIELA RIBEIRO NANNI Monografia de Conclusão do Curso apresentada

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA

MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA MATERIAL DIDÁTICO SOBRE GERAÇÃO EÓLICA Paulo C. M. Carvalho carvalho@dee.ufc.br Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici Caixa Postal 6001 CEP 60455-760 Fortaleza

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A.

Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Ana Cecilia Martyn Milagres Processo de Internacionalização na Indústria Calçadista Brasileira: Estudo de Caso da Calçados Azaléia S.A. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), o Banco de Desenvolvimento

Leia mais

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Educação Financeira e Inclusão Financeira. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Agenda Planejamento estratégico do BCB Inclusão Financeira & PNIF Educação Financeira & ENEF iniciativas

Leia mais