Este artigo refere-se ao projeto Só a alegria GIAR: PRÁTICAS INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este artigo refere-se ao projeto Só a alegria GIAR: PRÁTICAS INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 DST/AIDS e práticas sexuais no Rio de Janeiro OCARNA ARNAVAL AL VAI AI DST/AIDS E PRÁTIC AI CONT ONTAGIAR GIAR: PRÁTICAS SEXUAIS NO RIO DE JANEIRO THE HE CARNIV ARNIVAL AL WILL CONT ONTAMINA AMINATE TE: THE SUBJECT OF STD/AIDS AND THE SEXUAL PRACTICES IN RIO IO DE JANEIRO Márcio Tadeu Ribeiro Francisco * Denize Cristina de Oliveira ** Araci Carmen Clos *** Nilton César dos Santos **** Joacy Vitória Malaquias **** RESUMO: RESUMO: A alta incidência de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS), no País, exige intervenções terapêuticas e preventivas de grande alcance. Objetiva-se delinear o perfil dos participantes frente às DST/AIDS. Aplicou-se análise estatística exploratória de dados em amostra aleatória de 1675 participantes do desfile das escolas de samba, no Rio de Janeiro, no carnaval de Foi aplicado questionário através de entrevista individual. Perfil amostral: sexo masculino (48%), residente no Rio de Janeiro (73%), natural do Rio de Janeiro (64%) e grupo etário jovem-adulto (55%). A maioria possui vida sexual ativa (80,2%); sempre usam preservativos nas relações sexuais (52%); têm parceria estável (72,6%), mas relacionam-se com parceiros eventuais (56%); têm conhecimento das medidas preventivas e atitude favorável à realização do teste para AIDS. Concluiu-se que é preciso reforçar as informações preventivas das DST/AIDS para ampliar a adesão a práticas sexuais mais seguras. Palavras-chave: AIDS; DST; enfermagem; prevenção. ABSTRACT: The high incidence of STD/AIDS in Brazil demands for therapeutic and preventive interventions of great range. The aim of this study was to delineate the profile of the participants in relation to DST/AIDS. Data obtained from an aleatoric sample, composed of 1675 participants of the parade of the samba schools, in Rio de Janeiro, during 2003 carnival, have been submitted to statistical and exploratory analysis. The questionnaires were applied through individual interviews. The profile found was: masculine sex (48%), resident in Rio de Janeiro (73%), natural of Rio de Janeiro (64%) and young-adult age group (55%); most possess active sexual life (80,2%), use preservatives in every sexual relationships (52%), have stable partnerships (72,6%), but link with eventual partners (56%); most have knowledge of the preventive measures and show favorable attitudes to the accomplishment of the test for AIDS. In conclusion, it is necessary to reinforce the information regarding the prevention of STD/AIDS in order to enlarge the adhesion to safer sexual practices. Keywords: AIDS; STD; nursing; prevention. INTRODUÇÃO Este artigo refere-se ao projeto Só a alegria vai contagiar, o samba da prevenção vai pegar neste carnaval 1, realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que há 12 anos vem promovendo pesquisas e ações de intervenção na área de prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e AIDS. O objetivo deste estudo é delinear o perfil de seus participantes e analisar as relações existentes entre seus conhecimentos, práticas e atitudes sobre as DST/AIDS. As DST são infecções transmitidas através do contato sexual, durante relação oral, vaginal ou anal sem proteção. Algumas doenças podem ser transmitidas também da mãe para o filho, antes ou durante o parto e por transfusões de sangue contaminado. Entre outras, a exposição às doenças sexualmente transmissíveis são consideradas como situação de risco 2. Na vida, o termo risco é uma das expressões mais usadas, pois está relacionado p.30 R Enferm UERJ 2004; 12:30-7.

2 Francisco MTR, Oliveira DC, Clos AC, Santos NC, Malaquias JV a escolhas e a opções. O ser humano expõe-se a situações de risco em vários momentos de sua existência, o que exige sua capacidade de intervir nos acontecimentos, decidindo-se por um ou outro caminho que lhe é apresentado, conforme as condições de seu cotidiano. A liberdade, um dos valores fundamentais da existência humana, é colocada por Sartre 3 como o vínculo do fenômeno das escolhas e decisões, como...pequeno movimento que faz de um ser social totalmente condicionado, uma pessoa que não constitui a totalidade do que recebeu de seus condicionamentos 3:5, mas que opta, que assume a responsabilidade até pelo que fizeram dessa liberdade. Hoje, para a juventude uma das questões mais decisivas de vivência do risco está nas formas de seus relacionamentos sexuais, nessa etapa da vida que é marcada por intensas transformações corporais e de grandes investimentos no convívio inter-gênero. Das DST, nada mais alarmante, hoje, do que a epidemia da AIDS, que trouxe consigo a imposição de limites à vida sexual, como um fantasma que cerceia a liberdade já conquistada, antes mesmo, por gerações anteriores. Tem sido assustador o índice de contaminação pelo vírus da AIDS, e num momento em que a ciência ainda não foi capaz de conduzir soluções eficazes de cura é, portanto, ainda o comportamento informativo e preventivo a única saída 1,4,5. No Brasil, o número de registros de infectados pelo vírus da AIDS (de 1980 a 2002) é de casos, segundo dados da Coordenação Nacional das DST/AIDS 5 do Ministério da Saúde. Entre jovens adultos e adultos de 20 a 39 anos, existem mais de infectados em ambos os sexos, o que corresponde a 70% do total de casos. Na faixa etária dos 10 aos 19 anos, em 2002 foram registrados casos no sexo masculino e no sexo feminino. Embora os números ainda sejam altos, a partir de 1996, com a intervenção do governo através da distribuição gratuita do coquetel anti-aids e das estratégias preventivas das DST/AIDS, o crescimento da epidemia se estabilizou até Em 2000, observa-se um declínio no número de casos novos O sucesso no combate à AIDS, no Brasil, é devido a seu programa pioneiro que se transformou em referência para 120 países. Conseguiu-se a redução de novos casos e o aumento da expectativa de vida do doente. Entretanto, somente 48% dos brasileiros usam preservativos na primeira relação sexual 5, o que requer ampliação do diálogo sobre esse tema com os adolescentes e jovens de diferentes de grupos sociais, visando à mudança de comportamento e atitudes e adoção de práticas sexuais mais seguras. Isto posto, os dados apresentados justificam o interesse da pesquisa em identificar o perfil dessa população de risco. METODOLOGIA Para a exploração inicial de um objeto de estudo, freqüentemente são adotadas técnicas descritivas de análise, especialmente quando o pesquisador envolve-se com grande volume de dados, os quais exigem análise e interpretação, para que se possa entender o fenômeno objeto da pesquisa. Neste estudo, utilizou-se as técnicas de Análise Uni e Bivariada, que fazem parte do conjunto de técnicas de análise exploratória de dados 6, que possibilita um primeiro nível de conhecimento e de triagem dos dados, podendo-se selecionar variáveis que apresentem probabilidade de associação, submetendo-as a outras técnicas de análise confirmatória. A população alvo da pesquisa foi constituída das pessoas que participavam do desfile das escolas de samba no sambódromo do Rio de Janeiro, no carnaval de 2003, tendo sido pesquisada uma amostra aleatória de 1675 sujeitos. Foi aplicado um formulário com questões abertas e fechadas, através de entrevista individual, na área de concentração dos integrantes das Escolas de Samba do Grupo Especial, antes do início do desfile. As pessoas eram convidadas a participar da pesquisa, tendo sido observados os requisitos éticos previstos. Considerando que o objetivo do estudo é descrever a atitude, o conhecimento e as práticas da população pesquisada diante das situações apresentadas, foram agrupadas as perguntas do questionário conforme a temática a que elas se referiam. A entrada, o tratamento e a tabulação dos dados foram desenvolvidos com o software EPINFO. Utilizou-se também os programas SPSS e EXCELL na análise de dados e confecção de gráficos e tabelas. Neste artigo, a análise estatística apresenta as freqüências absolutas e relativas de alguns atributos e características comuns às pessoas investigadas, bem como de variáveis referentes ao enfrentamento das DST/AIDS, através de análises univariadas e bivariadas, utilizando também o teste Qui-quadrado com nível de significância de 95%. R Enferm UERJ 2004; 12:30-7. p.31

3 DST/AIDS e práticas sexuais no Rio de Janeiro RESUL ESULTADOS E DISCUSSÃO Além da caracterização da amostra, foram considerados para análise de dados quatro eixos temáticos, constando de perguntas que exploram as práticas que as pessoas pesquisadas costumam adotar em relação a sua vida sexual, a sua atitude frente às questões das DST/AIDS, o seu conhecimento sobre esse assunto e o acesso a fontes de informações. Caracterização da Amostra Estudada A distribuição da amostra, considerando o sexo, mostrou que mais homens (48%) foram entrevistados, apesar de não ser evidenciada diferença significativa (p<0,05) entre os sexos. Segundo o local de moradia, a grande maioria (73%) morava no Rio de Janeiro. Apenas 11% dos entrevistados afirmaram morar fora do Rio de Janeiro, ou seja, em outras cidades brasileiras, e 1% no exterior, o que nos faz supor que sejam turistas vindos ao Brasil para assistir ao carnaval carioca. A maioria (64%) é natural do Rio de Janeiro. Foi verificado, entre os entrevistados, que o grupo etário jovem-adulto, de 20 a 39 anos de idade, é o conjunto preponderante em relação aos demais, correspondendo a 916 (55%) pessoas. A distribuição da pirâmide etária da amostra entrevistada revelou que, apesar de os homens serem superiores na maioria das faixas, as mulheres se sobressaíram nas faixas etárias mais jovens (10 a 19 anos), e nas faixas adultas acima de 50 anos de idade. Também mostra a preponderância do grupo jovem sempre bastante freqüente nos espaços de festas carnavalescas, conforme demonstra a Figura 1. Vale registrar que o instrumento de coleta de dados não contemplava as variáveis que definem o perfil socioeconômico dos entrevistados profissão, estado civil, renda, nível de instrução e cor epidérmica, o que limita o estudo da amostra investigada, sugerindo-se sua inclusão em próxima pesquisa. Para analisar as questões que revelam as práticas, conhecimentos, atitudes e fontes de informação dos entrevistados em relação às DST/ AIDS, criou-se quatro eixos principais que foram classificados da seguinte maneira: Eixo1: Práticas; Eixo2: Conhecimentos; Eixo3: Atitudes e Eixo4: Fontes de Informação. Cada um dos eixos trata de questões acerca do comportamento sexual, tipo de relações, informação sobre DST/ AIDS, sobre conhecimento de sua prevenção e da existência de programas/projetos. Práticas Relativas às DST/AIDS Analisando a prática dos respondentes quanto a sua vida sexual, foi verificado na pesquisa que a maioria das pessoas possui vida sexual ativa, isto FIGURA 1: Distribuição da amostra segundo sexo e faixa etária. Sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/2003. p.32 R Enferm UERJ 2004; 12:30-7.

4 Francisco MTR, Oliveira DC, Clos AC, Santos NC, Malaquias JV é, 80,2% do total de respondentes. O sexo masculino representa 56% dos sujeitos sexualmente ativos e essa diferença em relação ao sexo feminino é estatisticamente significativa (p<0,05). Ressaltase que 19,8% dos entrevistados afirmaram não ter vida sexual ativa e 20 respondentes não declararam sua situação quanto a esse item e, por essa razão, não foram contabilizados. A alta prevalência de prática sexual evidenciada no estudo é esperada em função da faixa etária dos entrevistados, assim como a diferença observada em função do sexo, já que nas sociedades católicas ocidentais a atividade sexual é socialmente aceita para os homens e reprimida entre as mulheres. Por outro lado, essa prevalência leva ao questionamento do quanto ou de que forma essas pessoas estão preocupadas ou procurando se prevenir das DST/AIDS. FIGURA 2: Distribuição amostra segundo a frequência com que usa camisinha. Sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/ Na Figura 2, verifica-se que aproximadamente 52% dos respondentes, demonstraram ter preocupação com o problema das DST/AIDS, pois esse grupo sempre usa camisinha nas relações sexuais, enquanto 30,7% às vezes usam preservativos e 17,3% nunca fazem o seu uso, tornando-se vulneráveis a essas doenças. Tais achados aproximam-se dos encontrados em grupos populacionais brasileiros 1,4,5,7,8,9,10,11. Vale registrar que a faixa etária que mais faz uso de preservativos (37,5%) é a de 20 a 29 anos e a que menos faz uso (1,8%) éade60anos e mais, talvez por sentirem-se mais seguros, com uma vida sexual mais estabilizada. Porém, um grupo bastante preocupante é o que tende a responder que usa quase sempre/às vezes, que corresponde a 30,7%, e que também se concentra na faixa etária de 20 a 29 anos correspondendo a 45,5% desse conjunto. Esses resultados assemelham-se aos encontrados em estudos brasileiros 1,4,5,7,8,9,10,11. A maioria (72,6%) afirma ter mantido relações sexuais nos dois últimos anos com parceiro fixo, ou seja, namorado, esposo, noivo ou companheiro, confirmando a literatura 1,4,5,9,11. Os homens foram os que mais responderam sim (37,8%) contra 34,8% das mulheres, e não lembro (4,1%), contra 2% das mulheres que responderam a essa questão, segundo demonstra a Figura 3. Os jovens de 20 a 29 anos, cerca de 29%, são os que mais mantiveram relações sexuais com parceiro fixo e os que com maior freqüência sempre utilizaram a camisinha nessas relações, já os idosos de 60 anos e mais, cerca de 1,5%, são os que me- FIGURA 3: Prática de ter mantido relações sexuais com parceiro fixo nos últimos dois anos, segundo o sexo. Sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/2003. R Enferm UERJ 2004; 12:30-7. p.33

5 DST/AIDS e práticas sexuais no Rio de Janeiro nos mantiveram relações sexuais e os que tiveram uma menor freqüência no uso constante do preservativo. Os que responderam quase sempre/ às vezes usaram a camisinha nas relações sexuais com seus parceiros fixos, totalizaram 304 pessoas, das quais 41% aproximadamente, estão na faixa etária de 20 a 29 anos, representando um grupo exposto a maior risco 1,4,5,9,11. Desse conjunto que afirmou ter mantido relações sexuais com parceiro fixo nos últimos dois anos, 48,1% sempre usaram camisinha em suas relações, o que denota uma preocupação preventiva, até mesmo por parte daqueles que se sentem mais seguros no seu relacionamento; 20,1% afirmaram não ter usado e 31,7% disseram nem sempre ter usado a camisinha nessas relações, conforme mostra a Figura 4. FIGURA 4: Prática de ter mantido relações sexuais nos últimos dois anos com parceiro fixo, segundo o uso de preservativo. Sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/2003. Do total de 976 pessoas que disseram ter tido parceiro fixo, somente 42% não mantiveram relações sexuais com parceiro eventual nos últimos dois anos e 2% não souberam responder. Entre os 291 sujeitos que informaram não ter se rrelacionado sexualmente com parceiro fixo houve contradição, pois 51% relataram não ter mantido relações sexuais com parceiro eventual, indicando cautela na análise desse dado e a necessária revisão desse item do formulário para a próxima coleta de dados (Figura 5). Dos que mantiveram relações sexuais com parceiro eventual tendo parceiro fixo, a maior freqüência está no grupo de 20 a 29 anos (22,5%) e no grupo de 30 a 39 anos (14,3%), confirmando outros estudos 1,4,5,7,8,9,10,11,12. Os que menos expressam essa prática são os de 60 anos e mais que representam 1,1% dos entrevistados. O sexo masculino, mais uma vez, corresponde à maioria, 33% dos homens e 21% das mulheres entrevistados mantiveram relações sexuais com um parceiro eventual, tendo um parceiro fixo e 2,1% não souberam responder. O grupo que teve parceiro fixo e que responde que quase sempre/às vezes usou camisinha nas relações com parceiro eventual é expressivo (30%), sendo que a maior freqüência ocorre na faixa etária de 20 a 29 anos (14,4%) e a menor na faixa de 60 anos e mais (0,5%). Quanto ao uso da camisinha em todas as relações sexuais, é prática adotada por 52%, com predominância (17,3%) da faixa etária de 20 a 29 anos; o grupo de 60 anos e mais (1,2%) representa a minoria. O conjunto que responde quase FIGURA 5: Prática de ter mantido relações sexuais com parceiro fixo e/ou eventual nos últimos dois anos.sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/2003. p.34 R Enferm UERJ 2004; 12:30-7.

6 Francisco MTR, Oliveira DC, Clos AC, Santos NC, Malaquias JV FIGURA 6: Prática de ter mantido relações sexuais sob efeito de álcool e/ou outras drogas segundo faixa etária. Sambódromo do Rio de Janeiro. Carnaval/2003. sempre/às vezes usa a camisinha, nessas relações, corresponde a 30,7% e destacam-se as mesmas faixas etárias citadas anteriormente com freqüências de 15,5% e 0,5%, respectivamente. Os que respondem que nunca usam camisinha totalizam 17,3%. A pesquisa demonstra que 40% dos entrevistados já tiveram relações sexuais sob o efeito de álcool ou outras drogas (Figura 6). Essa condição reduz o limiar de percepção de riscos e, conseqüentemente a adoção de proteção individual 1,4,5,11,12. Desse grupo que consome álcool ou outras drogas, 39% estão na faixa etária de 20 a 29 anos, 30% têm de 30 a 39 anos de idade e 15% situamse na faixa etária de 40 a 49 anos. A presença de feridas, corrimentos ou verrugas nos órgãos genitais são sinais de DST. A maioria (65,7%) informou nunca ter apresentado DST, enquanto grupo significativo 27,7% relatou ter manifestado alguns dos sintomas/sinais dessas doenças, com maior incidência entre os jovens de 20 a 29 anos de idade. Tais achados aproximam-se dos encontrados em grupos populacionais do País 1,4,5,7,9,11. Considerando os 27,7% de entrevistados com antecedentes de sintomas/sinais das DST, é importante dizer que um terço deles disse ter procurado o médico ou serviço de saúde para resolver esse problema, o que denota um comportamento coerente, dado que essa é a melhor e mais aconselhável forma de se informar e lidar com a questão. Não obstante ser um grupo reduzido, vale ressaltar que, ainda assim, 7% preferem resolver a questão a partir de informações de amigos, com parentes ou até mesmo por conta própria. Essa situação requer o reforço de informações sobre DST 1,4,5,7,9,11. Conhecimento Constituído sobre as DST/AIDS Quanto ao conhecimento sobre as questões e projetos que tratam do tema das DST/AIDS, em praticamente todas as questões a maioria demonstrou ter conhecimento 1,4,5,7,8,9,11. Embora o desconhecimento dos assuntos abordados seja representado por um grupo minoritário, cabe salientar que 12% dos entrevistados afirmaram que não se pega AIDS ao receber sangue contaminado pelo vírus HIV, 7% disseram que o preservativo não confere proteção pessoal contra as DST e o vírus HIV, donde se deduz que a circulação da informação, apesar de significativa, ainda deixa lacunas que podem predispor os sujeitos a desenvolver resistência ao uso do preservativo como meio de prevenção; ainda, 19% consideram que não se adquire o vírus da AIDS através do sexo oral e 13% responderam que a presença de feridas, corrimentos ou verrugas nos órgãos genitais não é sinal de alguma DST, respostas que indicam um conhecimento lacunar do assunto. Atitudes e Julgamentos sobre as DST/ AIDS Quanto às atitudes dos entrevistados em relação às questões de DST/AIDS, verifica-se que a maioria (60,2%) demonstrou um julgamento positivo, pois revela já ter tido vontade de fazer o teste para detectar a presença de AIDS. Achados semelhantes foram identificados em estudos recentes 1,5,7,8,11,12, indicando redução do notório preconceito das décadas de 80 e 90. Entretanto, ainda há muito por fazer para a compreensão das questões R Enferm UERJ 2004; 12:30-7. p.35

7 DST/AIDS e práticas sexuais no Rio de Janeiro subjetivas e sociais que envolvem o enfrentamento da AIDS. Além das informações necessárias, no diálogo com o outro é preciso valorizar sua singularidade e seus direitos de cidadania 1,4,5,9,11,13. Existe uma diferença entre as respostas quanto ao sexo e a faixa etária e esta diferença é estatisticamente significativa (p<0,05). O sexo masculino e a faixa etária de 20 a 29 anos demonstram uma maior inclinação para a realização do teste. Quanto ao uso da camisinha, aproximadamente 85% dos entrevistados consideram que é um direito da pessoa pedir ao parceiro(a) que use o preservativo como medida preventiva das DST/AIDS, é uma questão de cidadania 1,4,5,9,11,13. E a faixa etária de 20 a 29 anos é a que mais contribui para essa postura positiva. Segundo a maioria (75,8%) dos entrevistados, sendo 38,6% homens e 37,2% mulheres, as informações recebidas contribuíram para alguma mudança de comportamento ou melhoria de seus conhecimentos sobre DST/AIDS. A faixa etária de 20 a 29 anos foi a que mais evidenciou essa mudança (28,2%). Acesso a Fontes de Informação Este eixo aborda as fontes de informação do entrevistado sobre DST e HIV/AIDS, tendo sido consideradas como tais a mídia, os familiares, os amigos, os serviços de saúde e a UERJ. Os resultados revelam que os serviços de saúde (27%) e a mídia (22%) são os que mais informam sobre o assunto, seguindo-se os amigos (20%) e os familiares (11%), confirmando a literatura 1,4,5,9,11. Podese questionar a eficiência dessas duas últimas fontes de informação com vistas à adoção de adequadas medidas preventivas das DST/AIDS. Tendo em vista a eficiência das fontes de informações serviços de saúde e mídia esua contribuição para a mudança de comportamento e/ou melhoria de conhecimento desses entrevistados em relação ao tema, observou-se que, independente da instituição procurada, a maioria (75%) dos entrevistados que buscou essas fontes revelou ter mudado de comportamento. Assim, depreende-se que o investimento em informação também é uma forma de prevenção que pode gerar mudanças concretas de comportamento. CONSIDERAÇÕES FINAIS O perfil da amostra investigada apresenta as seguintes características dominantes: sexo masculino, residentes no Rio de Janeiro, natural do Rio de Janeiro e grupo etário jovem adulto, de 20 a 30 anos. A maioria possui vida sexual ativa e usa sempre preservativos nas relações sexuais, destacandose, ainda, comportamentos de risco, pois um terço deles às vezes/quase sempre usa tal recurso ou nunca adota essa medida preventiva. A maioria revelou ter parceria estável nas relações sexuais, nos últimos dois anos, entretanto, informou também ter tido parceria eventual, significando maior vulnerabilidade às DST/AIDS e exposição do parceiro fixo. Parte expressiva da amostra manteve relação sexual sob o efeito de álcool ou outras drogas, sobressaindo o grupo jovem adulto (de 20 anos de idade). Tal prática reduz a percepção de riscos e, conseqüentemente, a adoção de práticas sexuais mais seguras. Importante parcela reúne homens e mulheres com antecedentes de DST, concentrando-se entre jovens de 20 a 29 anos de idade. Ressaltase que apenas um terço deles procurou o médico ou serviços de saúde para tratar-se. A maioria investigada tem conhecimento das medidas preventivas das DST/AIDS, sendo necessário o reforço de informações para aqueles que as desconhecem, ressaltando-se: a proteção assegurada pelo uso de preservativo, a transmissibilidade do HIV através do sexo oral e sinais/sintomas das DST. A maioria também revelou uma atitude positiva, favorável à realização do teste para detecção da presença da AIDS, demonstrando redução do preconceito marcante das décadas de 80 e 90. Destacam-se, entre as fontes de informação sobre DST/AIDS, os serviços de saúde e a mídia, os quais influenciaram a mudança de comportamento da maioria dos respondentes. Os jovens sempre foram vítimas preferenciais da AIDS, no entanto é justamente nesse grupo que as estratégias preventivas têm alcançado os melhores resultados, conforme também demonstram os achados desta pesquisa. Ainda assim, é preciso que os projetos e programas de prevenção das DST/AIDS reforcem suas intervenções e ampliem seu alcance, favorecendo toda a população, por ser também uma questão de cidadania. A dificuldade em se promover mudanças de comportamento para adoção de práticas sexuais mais seguras é notória, principalmente quando se considera que a dimensão da sexualidade ultrapassa os limites da discussão sobre papéis assumi- p.36 R Enferm UERJ 2004; 12:30-7.

8 Francisco MTR, Oliveira DC, Clos AC, Santos NC, Malaquias JV dos por homens e mulheres e interpela a experiência de cada pessoa em particular e põe em cheque uma identidade sexual construída no embate entre o singular e o coletivo. Recomenda-se, no prosseguimento deste estudo, a inclusão de variáveis socioeconômicas, no instrumento de coleta de dados, para ampliação da análise e melhor caracterização do perfil amostral. REFERÊNCIAS 1. Francisco MTR. Só a alegria vai contagiar: 11 anos de carnaval e prevenção das DST/AIDS. Rio de Janeiro: Viaman; Costa ACG. Pedagogia da presença. Belo Horizonte (MG): Modus Faciente; SartreJP. Questãodemétodo. SãoPaulo: EditoraAbril; Francisco MTR. Gestão em parceria de projetos em DST/ AIDS [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Ministério da Saúde (Br) Coordenação Nacional de DST e AIDS. Dados e pesquisas em DST e AIDS. [online]. Disponível na Internet via WWW. URL: AIDS.gov.br. Acesso em maio de Spiegl MR. Estatística. Tradução de Pedro Consentino. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico; Barbosa MR. HIV/AIDS, transmissão heterossexual. Saúde Sexual e Reprodutiva (Rio de Janeiro) 2001; 2(4): Batista RS, Gomes AP. AIDS. In: Batista RS, organizador. Medicina Tropical. Rio de janeiro: Cultura Médica; Francisco MTR. Buscando resolução na gerência de projetos em saúde: prevenção das DST/AIDS. R Enferm UERJ 2001; 9: Paulilo MAS. AIDS: os sentidos do risco. São Paulo: Veras; Ministério da Saúde (Br). Cooordenação de DST/ AIDS. Resposta: a experiência do programa brasileiro de AIDS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; United Nations Programe on HIV/AIDS. Innovative approaches to HIV prevention: selected case studies. Genebra: UNAIDS; Costa ACG. Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Salvador: Fundação Odebrecht; EL CARNA ARNAVAL AL VA A CONT ONTAGIAR GIAR GIAR: : EST/SIDA Y PRÁCTIC PRÁCTICAS SEXUALES EN RIO DE JANEIRO RESUMEN: La elevada incidencia de Enfermedades Sexualmente Transmisibles (EST) / Síndrome de la Inmunodeficiencia Adquirida (SIDA), en Brasil, exige intervenciones terapéuticas y preventivas de grande alcance. Se objetiva delinear el perfil de los participantes delante de las EST/SIDA. Se aplicó análisis estadístico exploratorio de datos en muestra aleatoria de 1675 participantes del desfile de las Escuelas de Samba, en Rio de Janeiro, en el carnaval de Fue aplicado cuestionario a través de entrevista individual. Perfil de la muestra: sexo masculino (48%); residente en Rio de Janeiro (73%); nacido en Rio de Janeiro (64%); y grupo etario joven/adulto (55%). La mayoría posee vida sexual activa (80,2%); siempre usan preservativos en las relaciones sexuales (52%); tienen aparcería estable (72,6%), pero se relacionan con aparceros eventuales (56%); tienen conocimiento de las medidas de prevención y actitud favorable a la realización del test para SIDA. Se concluye que es necesario reforzar las informaciones preventivas de las EST/SIDA para ampliar la adhesión a prácticas sexuales más seguras. Palabras Clave: SIDA; EST; enfermería; prevención. Recebido em: Aprovado em: Notas * Professor Adjunto do Departamento de Fundamentos de Enfermagem (DEFEN) e do Programa de Pós-Graduação/Mestrado da Faculdade de Enfermagem (FENF) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Coordenador do Projeto. ** Professora Titular de Pesquisa do DEFEN e do Programa de Pós-Graduação/ Mestrado da Faculdade de Enfermagem (FENF) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). *** Professora Assistente do Departamento de Fundamentos de Enfermagem (DEFEN) e Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Editoração da Faculdade de Enfermagem (FENF) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). **** Estatístico, Mestrando em Estatística da Escola Nacional de Ciências Estatísticas/IBGE e participante do Projeto. R Enferm UERJ 2004; 12:30-7. p.37

A PREVENÇÃO DA AIDS ENTRE ESTUDANTES AO INICIAR

A PREVENÇÃO DA AIDS ENTRE ESTUDANTES AO INICIAR A PREVENÇÃO DA AIDS ENTRE ESTUDANTES AO INICIAR O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM AIDS PREVENTION AMONG NURSING STUDENTS AT THE BEGINNING OF THE COURSE LA PREVENCIÓN DE LA SIDA ENTRE ESTUDIANTES AO INICIAR

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES Fernanda Bartalini Mognon¹, Cynthia Borges de Moura² Curso de Enfermagem 1 (fernanda.mognon89@gmail.com);

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015

Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS. Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 Protagonismo Juvenil 120ª Reunião da CNAIDS Diego Callisto RNAJVHA / Youth Coalition for Post-2015 E como está a juventude HOJE aos olhos da sociedade? - 22% perderam a virgindade antes dos 15 anos - 18%

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Educação Integral em Sexualidade Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Prevenção Também se Ensina Princípio Básico Contribuir para a promoção de um comportamento ético e responsável,

Leia mais

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING

PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING BR/2007/PI/H/3 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING Brasília 2007 PESQUISA SAÚDE E EDUCAÇÃO: CENÁRIOS PARA A CULTURA DE PREVENÇÃO NAS ESCOLAS BRIEFING -

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS

NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO PROJETO DE EXTENÇÃO UNIVERSITÁRIA FEUC SOLIDÁRIA 2008 COMBATE À AIDS: UM DEVER DE TODOS Professores responsáveis: Luiz Arcúrio Júnior Leiri Valentin Isabela Custódio

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Apoio: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS Secretaria de Estado da Saúde VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes.

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra de Projetos 2011 Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

Projeto Prevenção Também se Ensina

Projeto Prevenção Também se Ensina Projeto Prevenção Também se Ensina Vera Lúcia Amorim Guimarães e-mail veramorim@ig.com.br Escola Estadual Padre Juca Cachoeira Paulista, SP Dezembro de 2007 Disciplina: Ciências Séries: EF todas da 5ª

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

Juventude e Vulnerabilidade Sexual em Situações de Lazer-Festa

Juventude e Vulnerabilidade Sexual em Situações de Lazer-Festa In: Boletim do Instituto de Saúde, nº 40, dezembro de 2006. São Paulo, Instituto de Saúde SES. Juventude e Vulnerabilidade Sexual em Situações de Lazer-Festa Regina Figueiredo 1 Marta Mc Britton 2 Tânia

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade. AIDS É UMA DOENÇA DE JOVENS : VULNERABILIDADE AO HIV/AIDS EM PESSOAS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Katharine Silva Fontes; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose

Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Pesquisa inédita avalia conhecimento da população sobre a tuberculose Uma pesquisa quantitativa de opinião pública realizada pelo Núcleo de Pesquisas da Universidade Federal Fluminense (DataUFF) demonstra

Leia mais

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes DOAÇÃO DE SANGUE Raquel Rocha Gomes O dia 25 de novembro é nacionalmente comemorado como o dia do doador de sangue. Aproveitando esse tema, a Futura realizou uma pesquisa com os moradores da Grande Vitória

Leia mais

QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)?

QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)? QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)? Sempre 126 63,6% Nunca 30 15,2% Poucas Vezes 27 13,6% Muitas vezes 15 7,6% TOTAL

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO Nelise Coelho 1 ; Janete Lane Amadei 2 ; Eliane Aparecida Tortola 3 ; Marta Evelyn Giasante Storti 3 ; Edilson

Leia mais

Informação e Prevenção na Internet. Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção

Informação e Prevenção na Internet. Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção Informação e Prevenção na Internet Ferramentas possíveis frente aos novos desafios no campo da prevenção Acesso às tecnologias de informação e comunicação no Brasil A penetração da Internet e do número

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR Resumo EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR ZARPELLON, Lídia Dalgallo UEPG ldzarpellon@yahoo.com.br SILVA, Carla Luiza da UEPG clsilva21@hotmail.com ZIMMERMANN,

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

CONHECIMENTOS E OPINIÕES DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES SOBRE A PREVENÇÃO DA AIDS

CONHECIMENTOS E OPINIÕES DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES SOBRE A PREVENÇÃO DA AIDS Rev.latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 7 - n. 2 - p. 41-46 - abril 1999 41 CONHECIMENTOS E OPINIÕES DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES SOBRE A PREVENÇÃO DA AIDS Gilson de Vasconcelos Torres* Rejane Marie

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL Kelvy Fellipe Gomes de Lima 1 ; Lucas Silva Leite 1 ; Anna Fernanda Beatriz Amorim

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS

Leia mais

Juventude e Prevenção das DST/Aids

Juventude e Prevenção das DST/Aids 1 Juventude e Prevenção das DST/Aids Sandra Unbehaum 1, Sylvia Cavasin 2, Valéria Nanci Silva 3 A pesquisa Jovens do sexo masculino, Sexualidade, Saúde Reprodutiva: um estudo de caso na comunidade de Capuava

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA.

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO:

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos finalizados. Cidade: Marmeleiro Contato: lucianiberti@yahoo.com.br Autor (es): Luciani Aparecida Berti Mostra de Projetos 2011 Prevenção Total

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais