Trigésimo quarto período de sessões OS PAÍSES DE RENDA MÉDIA: UM NOVO ENFOQUE BASEADO EM BRECHAS ESTRUTURAIS. San Salvador, 27 a 31 de agosto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trigésimo quarto período de sessões OS PAÍSES DE RENDA MÉDIA: UM NOVO ENFOQUE BASEADO EM BRECHAS ESTRUTURAIS. San Salvador, 27 a 31 de agosto"

Transcrição

1 Distr. GERAL LC/G.2532(SES.34/11) 23 de julho de 2012 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Trigésimo quarto período de sessões da cepal San Salvador, 27 a 31 de agosto OS PAÍSES DE RENDA MÉDIA: UM NOVO ENFOQUE BASEADO EM BRECHAS ESTRUTURAIS Nota da Secretaria

2 Distr. GERAL LC/G.2532(SES.34/11) 23 de julho de 2012 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL OS PAÍSES DE RENDA MÉDIA: UM NOVO ENFOQUE BASEADO EM BRECHAS ESTRUTURAIS Nota da Secretaria

3 2 ÍNDICE Prólogo... 3 I. INTRODUÇÃO... 5 A. O nível de renda per capita e os países de renda média... 7 B. A evolução da assistência oficial para o desenvolvimento outorgada à América Latina e Caribe... 9 C. Caracterização dos fluxos de assistência oficial para o desenvolvimento (AOD) aos países da região D. Argumentos para a cooperação com países de renda média: o desenvolvimento como conceito amplo E. Olhar detalhadamente: Um novo enfoque para determinar vulnerabilidades a partir de brechas F. Classificações dos países de renda média da América Latina e do Caribe com base nas brechas do desenvolvimento Distintas brechas implicam distintas classificações: Um critério uniforme é insuficiente para avaliar as necessidades do desenvolvimento Metodologia para a geração das classificações de países segundo as brechas Resultados das classificações de países segundo as brechas G. A necessidade de um diálogo político em vários níveis II. CONCLUSÕES Bibliografía... 31

4 3 Prólogo No trigésimo terceiro período de sessões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), realizado em Brasília, em 2010, os países membros da CEPAL aprovaram a Resolução 647(XXXIII), em virtude da qual estabeleceram um novo mandato à Secretaria para que: i) em colaboração com outros organismos intergovernamentais, internacionais e regionais, continue a análise de novas alternativas que aportem o volume de recursos necessário para financiar o desenvolvimento dos países da América Latina e do Caribe, e ii) em colaboração com outros organismos internacionais e regionais, elabore um conjunto mais amplo de indicadores que reflita a realidade própria de cada país e permita detectar as principais necessidades de cada um, a fim de que o critério de renda média deixe de ser um impedimento a priori para participar na assistência oficial para o desenvolvimento. Em cumprimento deste mandato, a Secretaria elaborou o documento Os países de renda média: Um novo enfoque baseado em brechas estruturais. Nota da Secretaria, no qual se argumenta que não se devem equiparar de maneira linear as restrições e desafios do desenvolvimento com o nível de renda per capita dos países. A alocação da assistência oficial para o desenvolvimento com base na renda per capita padece de dois problemas centrais. Em primeiro lugar, a superação da pobreza é, ao mesmo tempo, causa e efeito do processo de desenvolvimento, que é multifacetado e requer que os países superem uma grande variedade de brechas estruturais que limitam ou impedem processos de crescimento inclusivos mediante os quais seja possível abordar os problemas de pobreza e desigualdade. Em segundo lugar, pressupõe que nas categorias de países de renda média, baixa ou alta estão agrupados países relativamente homogêneos em suas necessidades econômicas e sociais, o que dista da realidade. Por isso, este documento propõe olhar detalhadamente e complementar o critério de renda per capita com um novo enfoque baseado em brechas estruturais que limitam o desenvolvimento dos países de renda média (em matéria de desigualdade e pobreza, investimento e poupança, produtividade e inovação, infraestrutura, educação, saúde, fiscalidade, gênero e meio ambiente) e recomenda abrir um processo de diálogo político entre os países, que se oriente a identificar a priorização das brechas estruturais com o fim de analisar os mecanismos de política mais adequados e as modalidades de trabalho mais estratégicas. Isto supõe revisar o conceito de desenvolvimento que se vem aplicando para canalizar os recursos da cooperação, visando a adotar outro mais amplo e multifacetado, que inclua não apenas melhorar o padrão de vida das pessoas, mas também lograr processos de crescimento sustentáveis e inclusivos que se encarreguem da desigualdade social e da heterogeneidade produtiva que caracterizam os países da América Latina e do Caribe e, em geral, os de renda média. No documento se apresentam, para consideração dos países membros, os resultados quanto aos grupos e às tipologias de países de acordo com a priorização das diferentes brechas. Sugere-se que ao ampliar o conceito de desenvolvimento e reconhecer a grande heterogeneidade existente entre os países denominados de renda média, e inclusive ao interior deles mesmos, se revelam as falhas metodológicas que levam à classificação da grande maioria dos países da região, e de mais da metade dos países do mundo, em uma única categoria. Isto evidencia a insuficiência de utilizar a renda per capita como o principal critério para a alocação da assistência oficial para o desenvolvimento no âmbito da cooperação internacional.

5 4 A CEPAL coloca este documento à disposição dos países da América Latina e do Caribe como um aporte à discussão de uma agenda renovada para o financiamento do desenvolvimento em nível nacional, regional e global, em concordância com as necessidades dos países. Alicia Bárcena Secretária Executiva Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe

6 5 I. INTRODUÇÃO O nível de renda per capita constitui o principal critério utilizado para alocar os recursos financeiros de cooperação para o desenvolvimento. A conjunção deste critério com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que têm dominado a agenda de cooperação a partir do novo século, traduziu-se em uma canalização dos recursos em direção a países de menores rendas, em detrimento dos países de renda média. Com efeito, no caso da América Latina e do Caribe, uma região predominantemente de renda média, se observa uma queda, em termos relativos, da assistência oficial para o desenvolvimento (AOD), tanto em relação à média da renda nacional bruta (RNB) como em comparação com outras regiões em desenvolvimento. Esta queda acentuou-se a partir da década de Tal comportamento reflete, por um lado, a decisão de concentrar os recursos de cooperação internacional no combate da pobreza e em seus efeitos mais imediatos, privilegiando os países de menores rendas, ainda que mais de 70% da população mundial em condições de pobreza viva em países de renda média. Por outro lado, a canalização de recursos para os países de menores rendas responde à suposição de que, à medida que os países avançam em seu nível de renda per capita, dispõem de mais recursos e ferramentas para combater a pobreza e financiar seu desenvolvimento. Desse modo, os países de renda média necessitariam de um menor apoio do sistema de cooperação internacional; este fenômeno é o que alguns autores chamaram processo de graduação. Esta lógica de alocação de recursos padece de dois grandes problemas. Em primeiro lugar, a superação da pobreza é tanto causa como efeito do processo de desenvolvimento, dado que se trata de um processo multifacetado que supõe não só melhorar o padrão de vida, mas que também requer assumir uma grande variedade de brechas estruturais que limitam e entorpecem um crescimento inclusivo capaz de abordar os problemas de pobreza e desigualdade. Em segundo lugar, esta lógica considera que as categorias de países de renda média baixa ou alta refletem uma realidade relativamente homogênea. Não obstante, esta realidade se caracteriza mais pela existência de uma grande heterogeneidade nas condições de pobreza, inclusão social, capacidade produtiva, institucional e financeira. Por isso neste documento propõe-se a necessidade de revitalizar a participação dos países da América Latina e do Caribe (e, em geral, dos países de renda média) no sistema de cooperação internacional, para o que se requer não vincular de maneira linear as restrições ao desenvolvimento com o nível de renda per capita, mas aperfeiçoar a metodologia e avaliar as necessidades do desenvolvimento com base nas brechas estruturais que o limitam. No contexto dos países da região, parte-se de um conjunto de brechas estruturais (renda per capita, pobreza, desigualdade, investimento e poupança, produtividade e inovação, infraestrutura, educação, saúde, fiscalidade, gênero e meio ambiente) identificadas no documento La hora de la igualdad: Brechas por cerrar, caminos por abrir (CEPAL, 2010). Assim, propõe um enfoque ao mesmo tempo alternativo e complementar ao critério de renda per capita, que implica incorporar explicitamente, na agenda de cooperação para o desenvolvimento, a avaliação das necessidades e carências que não estão representadas por indicadores de rendas, mas que refletem outro tipo de brechas.

7 6 Na análise empírica das brechas mostra-se que é possível agrupar os países de distintas maneiras, segundo o tipo de brecha que se incorpore. Igualmente, fica em evidência que uma classificação de países que anteponha a brecha de renda per capita às demais não necessariamente reflete de maneira adequada as necessidades e vulnerabilidades dos países da região. De acordo com uma lógica similar, no documento se assinala que um aumento do nível de renda per capita e, por conseguinte, uma redução da brecha de renda não implica inexoravelmente uma melhora nas demais brechas. Na análise da alocação da assistência oficial para o desenvolvimento (AOD) na região se observa que esta tem se destinado fundamentalmente aos setores de serviços sociais e infraestrutura social. Embora a ajuda dirigida aos setores sociais e, em geral, aos setores vinculados aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio cumpra um importante papel, na análise de brechas se comprova que os obstáculos para o desenvolvimento com os quais tropeçam os países de renda média são maiores e heterogêneos, e que diferem segundo sua capacidade de enfrentá-los. Para que as brechas estruturais permitam estabelecer critérios que guiem a distribuição de recursos do sistema de cooperação internacional é preciso criar novas instâncias de diálogo para debater uma agenda de desenvolvimento global. Estas instâncias devem facilitar a identificação e priorização das brechas de desenvolvimento e gerar propostas para a elaboração das políticas e dos mecanismos que deveria adotar a cooperação internacional, complementando os mecanismos de diálogo existentes, que estão mais focados em examinar a eficiência e os aspectos relacionados com a prestação de contas do sistema. O diálogo político também supõe identificar e estabelecer as modalidades de cooperação segundo as brechas que se decida priorizar. Como exemplo, a Facilidade de Investimento na América Latina (Latin American Investment Facility (LAIF)) constitui um mecanismo emblemático para que os países da região enfrentem a brecha de infraestrutura. Este mecanismo utiliza como base os recursos limitados que aporta a Comissão Europeia para atrair empréstimos de maiores valores do Banco Europeu de Investimentos, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e de fontes bilaterais, que depois se canalizam a obras de infraestrutura física ou energética, entre outras na região. A melhor caracterização dos obstáculos para o desenvolvimento no âmbito de cada país, junto com um diálogo sistemático entre doador e receptor em que se decidam em conjunto as áreas a privilegiar, contribuiria, sem dúvida, a uma orientação mais certeira da assistência para o desenvolvimento e, em geral, a uma eficácia maior das políticas de cooperação. Em definitiva, trata-se de um enfoque que permite abrir espaços de aprimoramento para a canalização e a alocação da assistência oficial e incorporar de maneira ativa todos os países de renda média no sistema de cooperação internacional. Por último, se argumenta que a maior participação dos países de renda média no sistema de cooperação, como doadores ou como receptores, tem implicações positivas no crescimento e no desenvolvimento global, por sua importância econômica e social na economia mundial e, por conseguinte, pelas enormes externalidades positivas no crescimento e bem-estar global que surgem da cooperação com estes.

8 7 A. O NÍVEL DE RENDA PER CAPITA E OS PAÍSES DE RENDA MÉDIA O nível de renda per capita constitui o principal critério para agrupar países segundo o seu nível de desenvolvimento e, em conseqüência, para a alocação dos fluxos de cooperação internacional 1. O Banco Mundial, por exemplo, apesar de reconhecer que o desenvolvimento não é una questão exclusivamente de renda, utiliza a renda nacional bruta (RNB) per capita para gerar níveis de renda e classificar os países em quatro grupos: os países de renda baixa, os países de renda média-baixa, os países de renda média-alta e os países de renda alta 2. O Comitê de Assistência para o Desenvolvimento (CAD) da OCDE, por sua vez, distingue, com base no mesmo indicador, dois grandes grupos de países para estabelecer um critério objetivo que permita alocar a assistência oficial para o desenvolvimento (AOD): países desenvolvidos (que correspondem, basicamente, aos países de renda alta da classificação do Banco Mundial) e países em desenvolvimento (países menos desenvolvidos (PMD), países de renda baixa, média-baixa e média-alta). Aplicando os critérios do Banco Mundial e do CAD ao contexto da América Latina e Caribe se comprova um alto grau de coincidência entre ambos. Do total de países da região apenas três são desenvolvidos, segundo o CAD, ou de renda alta, segundo o Banco Mundial (Bahamas, Barbados e Trinidad e Tobago). Dos restantes 30 países em desenvolvimento apenas um se classifica como país de renda baixa segundo o Banco Mundial (país menos desenvolvido segundo o CAD), oito se classificam como países de renda média-baixa segundo ambos critérios e 21 se classificam como de renda média-alta segundo ambos critérios (veja a tabela 1). Portanto, de acordo com o critério de renda per capita, a região da América Latina e Caribe é predominantemente de renda média. Isto tem implicado que, tal como será visto mais adiante, a assistência oficial para o desenvolvimento que recebe a região venha em clara diminuição, tanto em termos relativos à renda nacional bruta (RNB) regional como em comparação com outras regiões em desenvolvimento. Este descenso se acentuou na década de 2000, desde a aprovação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) como principal agenda para o desenvolvimento dos países. 1 2 Existem organismos que utilizam critérios alternativos, como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que se baseia no índice de desenvolvimento humano para avaliar o nível de desenvolvimento dos países. Este índice se sustenta em três indicadores: a esperança de vida, o nível educativo (medido em função de uma combinação da taxa de alfabetização de adultos e da taxa bruta de matrícula combinada de educação primária, secundária e superior) e o PIB per capita (veja [on-line] Os limites para definir os grupos em 2011 se baseiam na renda nacional bruta (RNB) per capita, calculada pelo método Atlas do Banco Mundial, do ano Assim, os países de renda baixa são aqueles com menos de dólares de RNB per capita em 2010, os países de renda média-baixa são aqueles com rendas compreendidas entre dólares e dólares per capita, os países de renda média-alta são aqueles com RNB per capita entre dólares e dólares e, por último, os países de renda alta são aqueles com RNB per capita superior a dólares (veja [on-line]

9 8 Tabela 1 AMÉRICA LATINA E CARIBE: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES SEGUNDO O BANCO MUNDIAL E O COMITÊ DE ASSISTÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO (CAD) DA OCDE Banco Mundial CAD Sub-região 1 Bahamas Renda alta País desenvolvido Caribe 2 Barbados Renda alta País desenvolvido Caribe 3 Trinidad e Tobago Renda alta País desenvolvido Caribe 4 Antigua e Barbuda Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 5 Argentina Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 6 Brasil Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 7 Chile Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 8 Colômbia Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 9 Costa Rica Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 10 Cuba Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 11 Dominica Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 12 Equador Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 13 Granada Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 14 Jamaica Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 15 México Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 16 Panamá Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 17 Peru Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 18 República Dominicana Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 19 São Vicente e Granadinas Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 20 São Cristóvão e Névis Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 21 Santa Lúcia Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 22 Suriname Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta Caribe 23 Uruguai Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 24 Venezuela (República Bolivariana da) Renda média-alta País em desenvolvimento, renda média-alta América Latina 25 Belize Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa Caribe 26 Bolívia (Estado Plurinacional da) Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 27 El Salvador Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 28 Guatemala Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 29 Guiana Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa Caribe 30 Honduras Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 31 Nicarágua Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 32 Paraguai Renda média-baixa País em desenvolvimento, renda média-baixa América Latina 33 Haiti Renda baixa País menos desenvolvido América Latina Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em S. Tezanos Vázquez, Conglomerados de desarrollo en América Latina y el Caribe: Una aplicación al análisis de la distribución de la ayuda oficial al desarrollo, serie Financiamiento del desarrollo, Santiago do Chile, 2012, em imprensa; e Comitê de Assistência para o Desenvolvimento (CAD), DAC List of ODA Recipients, 2011 [on-line]

10 9 B. A EVOLUÇÃO DA ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO OUTORGADA À AMÉRICA LATINA E CARIBE A partir da evolução dos fluxos de assistência oficial para o desenvolvimento observada durante o período , de acordo com a classificação dos países por nível de renda, se comprova que esta se concentra de maneira crescente na categoria de menores rendas. Em 1990 quase a metade dos fluxos de AOD se destinou a países de baixas rendas e países menos desenvolvidos. Duas décadas depois, na de 2010, este grupo aumentou sua participação nos fluxos de AOD e concentrou mais de 65% da assistência. Uma consequência do aumento da canalização destes fluxos aos países de menores rendas é a persistente perda de participação e importância dos de renda média como receptores da AOD. Em 1990, os países de renda média recebiam em média uma porção da assistência oficial maior do que os países de menores rendas (55% e 45%, do total dos fluxos de AOD, respectivamente). Em 2010, a participação dos países de renda média se reduziu significativamente, já que receberam a metade da AOD destinada aos países de baixas rendas e menos desenvolvidos (veja o gráfico 1). Gráfico 1 PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES NO TOTAL DOS FLUXOS DE ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO (AOD), SEGUNDO A CATEGORIA DE RENDA, (Em porcentagens) Países de renda baixa e países menos desenvolvidos Países de renda média-baixa Países de renda média-alta Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em informação da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Similarmente a outras regiões de renda média, a região da América Latina e do Caribe também registrou uma queda significativa como receptora de AOD. Durante a década de 1960 a região recebia em média cerca de 14% do total da AOD destinada aos países em desenvolvimento, enquanto atualmente a cifra encontra-se ao redor de 8% (veja o gráfico 2). Dos 131 bilhões de dólares desembolsados para os países em desenvolvimento em 2010, a região obteve apenas 10,8 bilhões de dólares. Em termos de RNB regional, a AOD dirigida à América Latina e ao Caribe passou de representar mais de 1% na década de 1960 a representar 0,4% na década de 1990 e 0,22% na atual (veja o gráfico 3).

11 10 Gráfico 2 PARTICIPAÇÃO DAS REGIÕES NOS DESEMBOLSOS DE ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO, (Médias móveis de 5 anos, em porcentagens) Fonte: Europa África América Latina e Caribe Ásia Oceania 1988 Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em informação da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) Gráfico 3 DESEMBOLSOS LÍQUIDOS DE ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO (AOD) OUTORGADA À AMÉRICA LATINA E AO CARIBE EM PORCENTAGEM DA RNB, (Médias móveis de 5 anos, em porcentagens) 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em informação da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

12 11 Este padrão de alocação da assistência oficial para o desenvolvimento, baseado no nível de renda e inclinado aos países de menores rendas foi em parte reforçado pelo impulso outorgado pelo sistema de cooperação internacional à consecução dos chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), em que muitas vezes a renda per capita e os indicadores de ODM mostram uma estreita relação 3. Assim, a partir do ano 2000 tornou-se patente na alocação de AOD em nível mundial um acentuado viés a favor dos países de renda baixa e dos países menos desenvolvidos. Este viés, tal como visto, se deu em detrimento dos países classificados como de renda média, que cada vez recebem uma proporção menor da assistência. C. CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ASSISTÊNCIA OFICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO (AOD) AOS PAÍSES DA REGIÃO Entre 2003 e 2010 os países da América Latina e Caribe receberam em conjunto um volume médio anual de desembolsos líquidos de AOD de um pouco mais de 7 bilhões de dólares, equivalentes a 0,22% do RNB regional. Estas cifras agregadas encobrem disparidades de um país a outro, tanto em termos de RNB como em termos da assistência recebida per capita. Por exemplo, em termos de RNB, neste período o aporte de AOD foi muito relevante no Haiti e Nicarágua (superior a 15% do RNB), seguidos de Dominica e Bolívia (Estado Plurinacional da) (superior a 5% em ambos os casos). Em contraste, o aporte resultou muito modesto para os demais países (em 16 dos 30 países não chegou a 1% do PIB). Estes recebimentos dissímeis de AOD são ainda mais acentuados em termos de população: sete países (a maioria deles com populações reduzidas) recebem aportes superiores a 150 dólares por pessoa (Dominica, Granada, Guiana, Nicarágua, São Cristóvão e Névis, São Vicente e Granadinas e Suriname). Em contraste, o aporte aos dois países mais populosos da região (Brasil e México) não chega a um dólar e meio per capita (Tezanos, 2012) (veja a tabela 2) 4. Quanto aos setores aonde se concentraram a AOD, foi mantida a tendência que havia começado na década de 1990 de redirecionar as alocações de AOD dos objetivos de infraestrutura econômica e de desenvolvimento geral (que incluem, por exemplo, os programas de assistência ao ajuste estrutural) aos setores de serviços sociais e de infraestrutura social (veja Nações Unidas, 2005). Estes últimos já recebiam em meados da década de 1990 cerca de 34% dos novos compromissos de AOD com os países da região e para a média dos anos 2003 a 2010 esta cifra se elevou a 49% dos compromissos e a 42% dos desembolsos brutos (veja o gráfico 4). 3 4 Na denominada Cúpula do Milênio, 189 países se comprometeram a fazer o máximo esforço para avançar na erradicação da pobreza e da fome e na promoção da educação, da saúde, da equidade de gênero e da sustentabilidade ambiental. Estes propósitos ficaram refletidos na Declaração do Milênio e deram origem a oito grandes desafios em torno aos quais se deviam concentrar os esforços da comunidade internacional: os chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). As Nações Unidas, por sua vez, elaboraram um documento onde se estabelecia a relação completa das metas e dos indicadores para o seguimento dos ODM. Assim, os oito ODM se traduziram em 18 metas, com cerca de 48 indicadores para seu seguimento (Alonso, 2007). Aqui se confirma o denominado viés a favor dos países pequenos que caracteriza o mapa de distribuição da OD global (veja Tezanos, 2008).

13 12 Tabela 2 AMÉRICA LATINA E CARIBE: PRINCIPAIS VALORES DE AOD, MÉDIAS DE AOD/RNB (em porcentagens) AOD per capita (em dólares) AOD média anual (em milhões de dólares) Antigua e Barbuda 0, Argentina 0, Belize 1, Bolívia (Estado Plurinacional da) 5, Brasil 0, Chile 0, Colômbia 0, Costa Rica 0, Cuba 0, Dominica 7, República Dominicana 0, Equador 0, El Salvador 1, Granada 5, Guatemala 1, Guiana 9, Haiti 19, Honduras 4, Jamaica 0, México 0, Nicarágua 15, Panamá 0, Paraguai 0, Peru 0, São Cristóvão e Névis 2, Santa Lúcia 2, São Vicente e Granadinas 4, Suriname 4, Uruguai 0, Venezuela (República Bolivariana da) 0, Total América Latina e Caribe 0, Fonte: Nota: S. Tezanos Vázquez, Conglomerados de desarrollo en América Latina y el Caribe: Una aplicación al análisis de la distribución de la ayuda oficial al desarrollo, serie Financiamiento del desarrollo, Santiago do Chile, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), 2012, em imprensa. AOD/RNB: relação entre a AOD (desembolsos líquidos) agregada no período (dólares correntes) e a RNB agregada no período (dólares correntes). AOD per capita: relação entre a AOD (desembolsos líquidos) agregada no período (dólares constantes de 2009) e a população agregada no período. AOD médio anual: média anual dos desembolsos líquidos de AOD no período (dólares constantes de 2009). O Total América Latina e Caribe inclui os 29 países de renda média da América Latina e Caribe e o Haiti.

14 13 Gráfico 4 AMÉRICA LATINA E CARIBE (30 PAÍSES): COMPROMISSOS E DESEMBOLSOS DE AOD POR SETOR, MÉDIA DO PERÍODO (Total de doadores, com base em dólares constantes de 2009 e em porcentagens) A. Compromissos B. Desembolsos Infraestrutura e serviços sociais Infraestrutura econômica Setores produtivos Multisetorial Assistência programas gerais/ Assistência produtos básicos Medidas relativas à dívida Assistência humanitária Custos administrativos dos doadores Refugiados em países doadores Sem especificar Infraestrutura e serviços sociais Setores produtivos Multisetorial Assistência programas gerais/ Assistência produtos básicos Medidas relativas à dívida Assistência humanitária Custos administrativos dos doadores Refugiados em países doadores Sem especificar Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em dados de CAD (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)). Assim, para a região em seu conjunto, o item de Infraestrutura e serviços sociais é o que tem recebido maior volume de AOD. Entre os serviços sociais e a infraestrutura social predominaram nos últimos anos os subsetores Governo e sociedade civil e Outros, em que este último inclui as políticas de emprego e moradia bem como o controle de estupefacientes, entre outros assuntos 5. Reduziu-se ligeiramente a proporção de recursos alocados aos serviços sociais básicos, específicos dos indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (educação básica, saúde básica, nutrição, água e saneamento). Em meados da década de 1990 estes subsetores concentravam 38% das alocações totais aos setores sociais e no período essa cifra situou-se em torno de 30%. Embora, como natural, a AOD dirigida aos setores sociais e aquela dirigida diretamente aos setores vinculados aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) seja altamente relevante, ficará claro a seguir que os desafios para o desenvolvimento dos países de renda média da América Latina e do Caribe não terminam aí. Com efeito, tal como se comprova em vários estudos de casos de cooperação com países de renda média da América Latina e do Caribe apresentados em Freres, Martínez e Angulo (2010), os governos da região ainda que não se despreocupem da consecução dos ODM os situam em um contexto mais amplo de desafios dentro do processo de desenvolvimento. O que se afirma aqui precisamente é que esse conjunto mais amplo de desafios é o que a cooperação internacional deve apoiar em suas distintas formas e em suas distintas modalidades. 5 A cooperação para o controle de entorpecentes é especialmente relevante na Colômbia, financiada sobretudo pelos Estados Unidos, no âmbito da Iniciativa andina contra as drogas (Tezanos, 2012).

15 14 D. ARGUMENTOS PARA A COOPERAÇÃO COM PAÍSES DE RENDA MÉDIA: O DESENVOLVIMENTO COMO CONCEITO AMPLO Tal como visto, o sistema de cooperação internacional, que funciona guiado pela lógica de níveis de renda per capita como variável representativa (proxy) do desenvolvimento, não incorpora os países de renda média como os da América Latina e do Caribe. Contudo, o nível de desenvolvimento não pode ser identificado apenas com o nível de renda. O conceito de desenvolvimento se estende além do aumento da renda média por habitante. É um conceito amplo e multifacetado, que supõe não só melhorar os níveis de vida, mas também lograr processos de crescimento sustentáveis e inclusivos, que abordem a desigualdade social e produtiva que caracteriza os países da América Latina e do Caribe e, em geral, os de renda média. Também implica propiciar as condições necessárias para criar e estabelecer sistemas políticos, econômicos e sociais que promovam o respeito, a diversidade, a dignidade humana e a igualdade. Desta ótica, utilizar o nível de renda como critério de classificação de países constitui um enfoque limitado e, em certos aspectos, reducionista, já que dentro dos grupos se uniformizam países cujas realidades econômicas e sociais são muito e em ocasiões radicalmente distintas e acentuadamente heterogêneas quanto aos desafios do desenvolvimento. É o que sucede com um amplíssimo grupo de países que, com este critério, se incluem na categoria de renda média. Atualmente, mais da metade dos países do mundo pertencem à categoria de renda média, que é habitada por mais de 70% da população mundial 6. Naturalmente, em um grupo tão amplo se conjugam realidades muito distintas, tanto em matéria de necessidades e vulnerabilidades como de capacidades e potencialidades. Com efeito, os países classificados como de renda média são muito diferentes não só por seu tamanho e suas condições sociais, mas também por suas condições econômico-estruturais vinculadas ao potencial de desenvolvimento e ao desempenho produtivo 7. Ao agrupá-los segundo o nível de renda não se tomam em consideração estas diferenças nem a grande similitude que há entre muitos de seus problemas e os dos países classificados como de renda baixa (CEPAL 2010b, 2011). Os países da América Latina e Caribe são um claro exemplo do último, já que a rótulo de países de renda média-alta ou países de renda média-baixa não explicita nem destaca as profundas diferenças que existem não apenas entre ambos subgrupos, mas ao interior deles. Com efeito, ao considerar variáveis socioeconômicas tais como nível de renda per capita, nível de desigualdade na distribuição da renda ou nível de pobreza, as diferenças entre os países são evidentes, dada a amplitude de seus intervalos de variação. Como se observa no tabela3, a renda per capita dos países da região classificados como de renda média-baixa oscila entre um mínimo de dólares e um máximo de dólares, enquanto o intervalo é ainda mais amplo para os classificados como de renda média-alta, com um mínimo de dólares e um máximo de dólares. Em termos do índice de Gini indicador da desigualdade da renda também se observam intervalos de variação importantes, com um mínimo de 44,5 e um máximo 6 7 Os países de renda média se encontram em todas as regiões em desenvolvimento do mundo, entre as que a da América Latina e do Caribe tem a proporção mais alta em nível mundial (28% do total) (veja CEPAL, 2011). O anterior não deveria chamar a atenção ao ter em conta que o grupo de países de renda média se estende de dólares a dólares de renda per capita, intervalo com uma amplitude tal que, naturalmente, conjuga em seu interior realidades muito distintas.

16 15 de 57,7 para os países de renda média-baixa e um mínimo de 42,4 e um máximo de 58,4 para os países de renda média-alta. Por último, o índice de pobreza, sendo esta medida com o nível de 2 dólares diários por habitante, oscila entre um mínimo de 13,2 e um máximo de 35,4 nos países de renda média-baixa e um mínimo de 0 e um máximo de 40,6 nos países de renda média-alta. Tabela 3 AMÉRICA LATINA E CARIBE (29 PAÍSES DE RENDA MÉDIA): ESTATÍSTICAS DESCRITIVAS DE ALGUMAS VARIÁVEIS SOCIOECONÔMICAS (Em dólares e porcentagens) Variável Número de observações Mínimo Máximo Média Desvio padrão Países de renda média-baixa PIB per capita (em dólares PPA) Índice de Gini (0-100) 8 44,5 57,7 52,3 4,7 Taxa de pobreza 8 13,2 35,4 23,3 7,8 (em porcentagens) Países de renda média-alta PIB per capita (em dólares PPA) Índice de Gini (0-100) 15 42,4 58,4 49,2 4,6 Taxa de pobreza ,6 12,7 11,3 (em porcentagens) Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), com base em Banco Mundial, World Development Indicators [base de datos on-line] Nota: As cifras de PIB per capita estão medidas em termos de paridade do poder aquisitivo (PPA) e são médias do período , de forma que não estivessem afetadas pela crise global iniciada em A taxa de pobreza é a que surge de empregar o nível de 2 dólares diários e corresponde ao último dado disponível, já que só se dispõe de informação para alguns anos. O índice de Gini se utiliza para medir a desigualdade da renda e abrange de um mínimo de zero (a desigualdade mais baixa) a um máximo de 100 (a desigualdade mais alta); também corresponde ao último dado disponível. A classificação de países por grupo de renda é a mais recente do Banco Mundial. As diferenças entre os países também são importantes ao considerar características estruturais relacionadas com o desempenho em matéria de produtividade, inserção no comércio mundial e muitas outras características. Isto se aplica não só para a categoria de países de renda média da América Latina e do Caribe, mas também para a de países de renda média em escala mundial (veja CEPAL, 2011). Atualmente há um grande número de países que vêm avançando para níveis de renda per capita superiores e, em consequência, se classificam como de renda média, mas ainda afligidos por uma quantidade de problemas de desenvolvimento que não se logra refletir mediante o critério de renda per capita. O sistema de cooperação internacional deve ser capaz de assumir as diversas vulnerabilidades e necessidades sem cobrir nos países excluídos. Por este motivo, a CEPAL tem sugerido que é preciso revisar a lógica que rege a agenda de cooperação internacional atual e tem sustentado que um passo crucial nesta direção seria aplicar um novo enfoque que permita olhar detalhadamente para determinar onde estão os maiores desafios do desenvolvimento em cada caso. Este novo enfoque, por sua vez, seria a base para gerar consensos quanto a uma nova agenda de cooperação para o desenvolvimento inclusivo, que incorpore os desafios de todos os países, sem excluir aqueles que se classificam como de renda média.

17 16 E. OLHAR DETALHADAMENTE: UM NOVO ENFOQUE PARA DETERMINAR VULNERABILIDADES A PARTIR DE BRECHAS O enfoque das brechas de renda e a agenda de desenvolvimento associada a este conceito, cujo eixo é o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, não serve para refletir a natureza multifacetada do desenvolvimento assinalada pela CEPAL nem os verdadeiros desafios estruturais que encaram os países de renda média como os da América Latina e do Caribe. Neste documento se apresenta um enfoque alternativo, inclusivo e integrado para avaliar os desafios de longo prazo e as áreas de maior vulnerabilidade que apresentam os países da região. Segundo a proposta da CEPAL (2010a), para lograr o desenvolvimento é preciso superar os atrasos produtivos endêmicos mediante a inovação e o investimento em capital físico e, fundamentalmente, humano, a fim de aumentar a produtividade e a competitividade sistêmicas, além de fortalecer as instituições e consolidar as democracias. Em definitiva, é preciso superar uma quantidade de obstáculos ou, de maneira mais precisa, brechas estruturais do desenvolvimento que ainda persistem e que não só dificultam o crescimento econômico dinâmico e sustentável dos países da região, mas que também limitam a possibilidade de transitar em direção a economias e sociedades mais inclusivas. Estas brechas incluem, entre outras, as de i) renda por habitante, ii) desigualdade, iii) pobreza, iv) investimento e poupança, v) produtividade e inovação, vi) infraestrutura, vii) educação, viii) saúde, ix) fiscalidade, x) gênero e xi) meio ambiente (veja o quadro 1). Com efeito, este enfoque de brechas não inclui apenas a brecha de renda e outras preocupações da agenda de desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, mas incorpora ademais muitas outras áreas que caracterizam alguns dos principais problemas do desenvolvimento da região. Portanto, a identificação e a quantificação da magnitude relativa destas distintas brechas a nível dos países é um primeiro passo para determinar onde localizam os maiores desafios das economias da região e quais são as áreas que devem ser incorporadas a uma nova agenda de cooperação para o desenvolvimento que as inclua de forma plena. Quadro 1 AMÉRICA LATINA E CARIBE: ALGUMAS BRECHAS DE DESENVOLVIMENTO DEFINIDAS EN LA HORA DE LA IGUALDAD: BRECHAS POR CERRAR, CAMINOS POR ABRIR Brecha da renda por habitante O PIB per capita da região, no período compreendido entre 1990 e 2008, ano em que começou a crise mundial, mostra um crescimento limitado de 1,7%, muito inferior ao registrado na Ásia Oriental 4,1% e no mesmo nível que o dos Estados Unidos, que têm uma renda per capita que quase quintuplica a da região. O anterior significa que a brecha do PIB por habitante entre os países da região e os países desenvolvidos, em vez de ir se reduzindo, se ampliou. Brecha da desigualdade Embora tenha havido melhoras nos últimos anos, a maioria das sociedades latino-americanas e caribenhas ainda sofrem de uma profunda desigualdade social que, por sua vez, reflete altos graus de concentração da propriedade e uma acentuada heterogeneidade produtiva. O nível de desigualdade na distribuição da renda que caracteriza os países da região pode ser observado, por exemplo, ao comparar a relação de renda entre o decil mais rico e o decil mais pobre; a renda média por pessoa dos domicílios pertencentes ao décimo decil supera cerca de 34 vezes a dos domicílios do decil mais pobre. Para comparação, nos países do G-7 essa relação é de 12 para 1.

18 17 Quadro 1 (continuação) Brecha de pobreza Ao fim de alguns anos de evolução positiva em matéria de redução da pobreza, a região ainda não viu a superação deste flagelo, que se vê agravado pela má distribuição da renda, produto das grandes desigualdades de origem, da baixa carga de impostos, da pouca capacidade redistributiva dos Estados e dos mercados de trabalho precários, que tendem a aprofundar as desigualdades de origem, sejam de classe, gênero, idade ou etnia. Brecha do investimento e da poupança Na região, a taxa de formação de capital, elemento fundamental para o crescimento sustentado, tem sido muito baixa em relação à registrada em outras economias emergentes bem-sucedidas. Igualmente, a poupança nacional, que deveria ser chave em seu financiamento, também se estagnou em valores muito inferiores aos de outras regiões em desenvolvimento, como porcentagem do produto interno bruto. Embora o capital estrangeiro (poupança externa) possa contribuir muitíssimo à poupança nacional para o financiamento do investimento, é crucial que se oriente ao longo prazo e não apresente comportamentos erráticos e desestabilizadores. Brecha de produtividade e inovação As brechas sociais não podem ser explicadas sem entender a desigualdade da qualidade e da produtividade dos postos de trabalho nos distintos setores da atividade econômica e entre eles, que se projeta em rendimentos muito desiguais entre os trabalhadores, o capital e o trabalho. As brechas de produtividade refletem e, ao mesmo tempo, reforçam as brechas de capacidades, de incorporação de progresso técnico, de acesso a redes de proteção social e de opções de mobilidade ocupacional ascendente ao longo da vida laboral. Na medida em que os setores de baixa produtividade tenham enormes dificuldades para inovar, adotar tecnologia e impulsionar processos de aprendizagem, a heterogeneidade interna agudiza os problemas de competitividade sistêmica, de modo que se geram círculos viciosos não só de pobreza e baixo crescimento, mas também de aprendizagem lenta e mudança estrutural débil. Os aumentos da produtividade guardam um estreito nexo com um maior investimento produtivo e com uma capacidade maior de fechar a brecha tecnológica e de inovação com os países mais avançados. Contudo, neste sentido, as políticas para a inovação da região se enfrentam a um grande desafio. Junto a outras políticas (industriais, educacionais e macroeconômicas), devem contribuir a gerar um ambiente de rápida aprendizagem e de mudança estrutural em favor de setores tecnologicamente mais dinâmicos. Até o momento, as tendências não têm sido favoráveis. Em matéria de investimento em pesquisa e desenvolvimento, nem sequer os países mais avançados da região conseguiram alcançar o nível dos países europeus, dos Estados Unidos ou do Japão, onde este se situa entre 2 e 3,6% do PIB. Em muitos países da América Latina e do Caribe, o gasto em pesquisa e desenvolvimento não supera 0,5% do PIB. Brecha de infraestrutura Persistem na região grandes brechas de infraestrutura e necessidades urgentes de maior capital físico. Em vários países, os ajustes fiscais realizados nas últimas décadas prejudicaram o investimento público e tornou mais evidente a ampliação da brecha com países que não descuidaram este tipo de investimento. Para dar impulso a uma economia baseada em desenvolvimento produtivo, deve-se evitar o viés do investimento público nos orçamentos gerais do Estado, para que o investimento em infraestrutura não venha a ressentir-se. Brecha de educação A educação constitui um elo múltiplo no desenvolvimento. Uma sociedade com níveis altos de educação tem melhor base para incorporar oportunamente o progresso técnico, a inovação e os aumentos em matéria de competitividade e produtividade. No âmbito da igualdade, a educação cumpre um papel decisivo. A existência de menor segmentação da aprendizagem e dos logros por níveis socioeconômicos, gênero, território e etnia permite reduzir as brechas de desigualdade de uma geração à seguinte. Uma estratégia em prol da igualdade em matéria de educação deve ter como prioridade ampliar a cobertura da educação pré-escolar e a jornada escolar na educação pública, promover o ensino secundário entre os integrantes de setores socioeconômicos com menores logros e reduzir as brechas na aprendizagem e os conhecimentos adquiridos durante o ciclo educativo. Neste âmbito ainda persistem grandes brechas entre os países, já que embora em média a região esteja próxima da cobertura universal e da conclusão majoritária no ensino primário, a conclusão do ensino secundário e o acesso e conclusão da educação terciária apresentam ainda sérias deficiências, além de uma acentuada estratificação. Por exemplo, a média de conclusão dos estudos secundários é muito baixa (51%), sobretudo para o quintil de renda mais baixa (22%). Também, persistem profundas brechas nas aprendizagens efetivas dos estudantes latino-americanos, que ficam visíveis ao comparar os resultados que obtêm em provas padronizadas com, por exemplo, estudantes de países desenvolvidos.

19 18 Quadro 1 (conclução) Brecha de saúde Uma sociedade que universaliza o acesso oportuno à saúde reduz os custos associados à enfermidade, desde as perdas de produtividade até os gastos devidos à morbidade. No entanto, na região persiste um acesso muito segmentado a mecanismos de proteção frente ao risco e à vulnerabilidade, o que inclui, por exemplo, o acesso muito desigual aos atendimentos de saúde. Esta segmentação, por sua vez, constitui um fator crucial que exacerba a brecha da desigualdade. Brecha da fiscalidade A redução da pobreza e a distribuição da renda na América Latina e no Caribe não terão melhora significativa e sustentada sem políticas fiscais ativas que incidam na qualidade e no potencial distributivo dos mercados. Na maioria dos países é evidente que a atual carga de impostos e a estrutura tributária não são adequadas para conseguir modernizar as estruturas produtivas e alcançar maior igualdade social. Brecha de gênero As desigualdades em matéria de educação, proteção social e produtividade se nutrem de brechas históricas por razões de raça, etnia, gênero e territorialidade e as alimentam. As desigualdades de gênero se expressam, por um lado, em diversas formas de discriminação no mundo do trabalho (menos renda, mais desemprego e emprego menos protegido) e, por outra, na falta de remuneração e no pouco reconhecimento da economia do cuidado, essencial na reprodução social e a cargo sobretudo das mulheres. Brecha ambiental Nos países da região resta muito caminho a percorrer para lograr que em seu padrão de desenvolvimento se conjugue uma convergência produtiva que seja simultaneamente sustentável no tempo, para o que é essencial preservar a chamada sustentabilidade do meio ambiente, mediante um processo de mudança estrutural que permita reduzir as diferenças de produtividade com os países mais desenvolvidos. Esse cenário, que se define como de convergência sustentável, requer que os países façam esforços conscientes para dar ao meio ambiente um lugar central na estratégia de desenvolvimento. Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), La hora de la igualdad: Brechas por cerrar, caminos por abrir (LC/G.2432(SES.33/3)), Santiago do Chile, F. CLASSIFICAÇÕES DOS PAÍSES DE RENDA MÉDIA DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE COM BASE NAS BRECHAS DO DESENVOLVIMENTO 1. Distintas brechas implicam distintas classificações: Um critério uniforme é insuficiente para avaliar as necessidades do desenvolvimento Para avaliar as necessidades do desenvolvimento dos países selecionou-se uma série de indicadores que na medida do possível servem de proxy de cada uma das brechas descritas (veja a tabela 4) e valorizou-se a magnitude de cada uma em cada país 8. Da análise se depreende, em primeiro lugar, que a ordem e a classificação dos países por brecha de renda não coincide com a classificação que pode ser obtida a partir das outras brechas (veja a tabela 5) 9. Isto confirma o fato de que uma classificação de países que considere apenas a brecha da renda 8 9 Além de selecionar com o critério de que os indicadores refletissem o melhor possível a brecha em questão, também se aplicou o critério de que estivessem disponíveis para o maior número possível de países de renda média da região. Nesta análise se incluíram 21 dos 29 países de renda média da região e se excluíram outros oito devido a que não se dispunha da informação necessária. Trata-se de Cuba, Suriname e seis pequenos Estados insulares do Caribe (Antigua e Barbuda, Dominica, Granada, São Vicente e Granadinas, São Cristóvão e Névis e Santa Lúcia). De

20 19 per capita reflete de maneira muito limitada e subjetiva as verdadeiras necessidades e vulnerabilidades dos países. Em outras palavras, se demonstra que não se pode equiparar o nível de renda com o nível de desenvolvimento, já que um aumento do nível de renda e, então, uma redução da brecha de renda não implica necessariamente uma melhora nas demais brechas. Tabela 4 INDICADORES UTILIZADOS COMO VARIÁVEL REPRESENTATIVA (PROXY) DAS BRECHAS DO DESENVOLVIMENTO Brechas do desenvolvimento Indicador utilizado como variável substitutiva Fonte Método de elaboração Período 1. Brecha de renda por 1.1 PIB per capita (PPA em dólares) Banco Mundial Média habitante 2. Brecha de desigualdade 2.1 Índice de Gini Banco Mundial Último ano disponível 3. Brecha de pobreza 3.1. Taxa de pobreza (2 dólares diários, PPA Banco Mundial Último ano (em porcentagem da população) disponível 4. Brecha de investimento e 4.1 Formação bruta de capital per capita Banco Mundial Média poupança (dólares constantes de 2000) 4.2 Poupança nacional bruta (porcentagem FMI Média do PIB) 5. Brecha de produtividade 5.1 PIB por trabalhador (PPA em dólares) Heston et al. (2011) Média e inovação 5.2 Artigos em revistas acadêmicas (por Banco Mundial Média milhão de habitantes) 6. Brecha de infraestrutura 6.1 Índice global de rendimento logístico Banco Mundial 2006 (1=baixo; 5=alto) 7. Brecha em educação 7.1 Média de anos de estudos (pessoas Banco Mundial Média 2005 maiores de 25 anos) 8. Brecha em saúde 8.1 Partos atendidos por pessoal sanitário (porcentagem do total) Banco Mundial Último ano disponível 9. Brecha de fiscalidade 9.1 Capacidade/necessidade líquida de FMI Média financiamento do Estado (porcentagem do PIB) 9.2. Receitas públicas (porcentagem do PIB) FMI Média Brecha de gênero 10.1 Índice de desigualdade de gênero PNUD Último ano disponível 11. Brecha ambiental 11.1 Taxa de variação da área florestal Banco Mundial Taxa de variação simples Fonte: S. Tezanos Vázquez, Conglomerados de desarrollo en América Latina y el Caribe: Una aplicación al análisis de la distribución de la ayuda oficial al desarrollo, serie Financiamiento del desarrollo, Santiago do Chile, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), 2012, em imprensa. Nota: PPA: paridade do poder aquisitivo. Em segundo lugar, mostra-se que não existe uma ordem pré-estabelecida clara pela qual alguns países têm as menores ou as maiores brechas no conjunto dos indicadores considerados. Isto implica que o peso relativo das distintas brechas é diferente para cada país e que algumas são muito relevantes em um, mas menos relevantes em outro e vice-versa. Ou seja, que não existe uma única classificação correta dos países de renda média da região, e que existem tantas classificações como critérios para determinar quais são os principais obstáculos para o desenvolvimento em cada caso e, em conseqüência, quais das brechas específicas se deseja levar em consideração e ponderar em maior medida. qualquer modo, os 21 incluídos representam 72,4% dos países objetivo desta análise e 97,9% da população objetivo (Tezanos, 2012).

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

A COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO NOVO CONTEXTO MUNDIAL: REFLEXÕES DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE. Nota da Secretaria

A COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO NOVO CONTEXTO MUNDIAL: REFLEXÕES DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE. Nota da Secretaria Distr. GERAL LC/G.2440(SES.33/11) 17 de maio de 2010 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL A COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO NOVO CONTEXTO MUNDIAL: REFLEXÕES DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE Nota da Secretaria 2010-223

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

Construindo governos efetivos

Construindo governos efetivos Construindo governos efetivos Sucessos e desafios da gestão pública para resultados na América Latina e no Caribe Resumo executivo EDITORES Jorge Kaufmann, Mario Sanginés, Mauricio García Moreno Construindo

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição

Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição INICIATIVA DA CEPAL COM O APOIO DA FUNDAÇÃO W.K. KELLOGG Primeiro Ciclo 2004-2005 Formulário de inscrição Os formulários para a inscrição estão disponíveis na página web da CEPAL, www.cepal.cl, e na do

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe:

Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe: Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe: a importância da expansão quantitativa e qualitativa da pesquisa e da pós-graduação ANA LÚCIA GAZZOLA OUTUBRO 2008 Cenáriosda da Educação Superior

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 5 o ano Geografia 1. Leia a notícia, divulgada em vários jornais brasileiros, no dia 21

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE CSA, São Paulo, 18 de março de 2014 Carlos Mussi CEPAL Onde estão hoje a América Latina e o Caribe? Aprendendo do passado Mais

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2 Doing Business 2015 Fact Sheet: América Latina e Caribe Dezesseis das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória facilitando negócios no período de 1 de

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países Referências ao Brasil e ao Cone Sul Relatos da fabricação de ATS também surgiram em países da América Central e da América do Sul. Seis laboratórios ilícitos de ATS foram relatados apreendidos em 2009.

Leia mais

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL Mariana Balboni osilac@cepal.org Agenda I. Programa Sociedade da Informação II. Sistema de Informação estatística

Leia mais

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina?

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? Policy Brief Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? A telefonia móvel teve um crescimento espectacular em América Latina, e hoje alcança um nível de penetração próximo

Leia mais

54 o CONSELHO DIRETOR

54 o CONSELHO DIRETOR 54 o CONSELHO DIRETOR 67 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL DA OMS PARA AS AMÉRICAS Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2015 Tema 7.5 da agenda provisória CD54/INF/5 10 de julho de 2015 Original:

Leia mais

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem economicamente? Thomas J Trebat Centro de Estudos Brasileiros Columbia University Junho de 2011 Uma visão mais favorável sobre

Leia mais

Voluntariado e Desenvolvimento Social. Wanda Engel

Voluntariado e Desenvolvimento Social. Wanda Engel Voluntariado e Desenvolvimento Social Wanda Engel Desenvolvimento Humano Sujeito Sujeito Objeto Desenvolvimento Social Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Social Sistema de distribuição de oportunidades:

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Participação no Desenvolvimento Econômico Social Brasileiro Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Relatório de País Brasil

Relatório de País Brasil Education at a Glance 2011 Indicadores da OECD DOI: http://dx.doi.org/10.1787/eag-2011-en OECD 2011 Sob embargo até 13 de setembro, 11h, horário de Paris Relatório de País Brasil Quaisquer dúvidas, contate:

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE

VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE VIII CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DE SAÚDE Colônia, Uruguai 5 e 6 de outubro de 2006 DECLARAÇÃO DE COLÔNIA DE SACRAMENTO 1 As Ministras e Ministros de Saúde de Ibero-américa ou

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais 7 a 12 de outubro de 2013 Brasília, Brasil CONVOCATÓRIA Juventude, Participação e Desenvolvimento Social na América Latina e Caribe

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP O mercado de PPPs na visão do Setor Privado Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP OS AGENTES PRIVADOS DO MERCADO DE PPPS Principais Players do Setor

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

Índice de Progresso Social 2015

Índice de Progresso Social 2015 Media Kit Índice de Progresso Social 2015 Neste documento: Resultados da edição 2015 do estudo (com ênfase para a América Latina e o Brasil) Principais destaques da nova edição Press release completo Conteúdo

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Dezessete das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória tornando mais fácil fazer negócios

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas TURISMO O setor de turismo cresceu muito na última década, independente de sua posição central ou secundária na economia dos países do espaço Caribe. Mais de 25 milhões de turistas foram recebidos em 2001,

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF INSTITUCIONAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Estatutos da RIICOTEC

Estatutos da RIICOTEC ESTATUTO DA REDE INTERGOVERNAMENTAL IBEROAMERICANA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS INTEGRAIS PARA AS PESSOAS IDOSAS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (RIICOTEC) 1 (Com as modificações

Leia mais

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Reunidos na 2 Assembleia Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, Brasil, de 11 a 13 de junho de 2012, organizada por Sustainlabour,

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Distance to frontier

Distance to frontier Boletim Informativo do Doing Business 2013: América Latina e Caribe Das 50 economias que desde 2005 mais tiveram melhorias regulamentares para facilitar a prática de fazer negócios para empresas locais,

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO As remessas de dinheiro dos trabalhadores migrantes se tornaram a principal fonte de financiamento para os países em desenvolvimento e são especialmente importantes na América Latina e

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASAMBLEA PARLAMENTARIA EURO-LATINOAMERICANA EURO-LATIN AMERICAN PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO-LATINO-AMERICANA ASSEMBLÉE PARLEMENTAIRE EURO-LATINO- AMÉRICAINE PARLAMENTARISCHE VERSAMMLUNG

Leia mais

PLANO MESTRE DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

PLANO MESTRE DE INVESTIMENTO DE CAPITAL CD50/INF/8, Rev. 1 (Port.) Anexo B - 14 - B PLANO MESTRE DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Relatório periódico sobre a implantação do Plano Mestre de Investimento de Capital Introdução 1. Este documento resume

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013 BRIEF INSTITUCIONAL 2013 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO AGOSTO DE 2013

FOLHETO INFORMATIVO AGOSTO DE 2013 FOLHETO INFORMATIVO AGOSTO DE 2013 2 ÍNDICE Página 1. Que é a Conferência Regional?... 3 2. Quem a convoca?... 3 3. Onde se realiza?... 4 4. Qual é o tema da XII Conferência Regional?... 4 5. Quem participa?...

Leia mais

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001 CAPÍTULOdos A SITUAÇÃO REGIONAL 2.1 O PROCESSO DE URBANIZA- ÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE O ainda acelerado crescimento da população e sua concentração nas áreas urbanas, o desenvolvimento industrial

Leia mais

LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento

LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento LUIZ ROS Banco Interamericano de Desenvolvimento A BASE DA PIRÂMIDE É DIFERENTE MUNDIALMENTE POR REGIÃO, POR SETOR MAS SEMPRE UM MERCADO ENORME UMA GRANDE OPORTUNIDADE Na América Latina há cerca de 400

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Programas para saúde e pobreza. Políticas públicas e financiamento em México 1990-2005. Irene M. Parada T., Hortensia Reyes M.

Programas para saúde e pobreza. Políticas públicas e financiamento em México 1990-2005. Irene M. Parada T., Hortensia Reyes M. Programas para saúde e pobreza. Políticas públicas e financiamento em México 1990-2005 Irene M. Parada T., Hortensia Reyes M. México 2010 Objetivo Analisar os programas dirigidos à atenção em saúde e pobreza

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

R E M J A VIII. 24, 25 e 26 de fevereiro de 2010

R E M J A VIII. 24, 25 e 26 de fevereiro de 2010 R E M J A VIII Brasília, Brasil 24, 25 e 26 de fevereiro de 2010 Antecedentes da Rede Institucionalização da Rede Composição da Rede Progressos desde a REMJA VII Novos Avanços Propósito: aumentar e melhorar

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE Unidade III Cidadania e movimento. 2 Aula 14.2 Conteúdos Outros elementos medidos pelo IDH. Comentários sobre o IDH de 2011. 3 Habilidade

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 388, DE 2014 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais