IMAGENS INFANTIS NA PROPAGANDA: CONSTRUÇÃO E DISPUTA DE SENTIDOS NOS DISCURSOS DO BANCO ITAÚ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMAGENS INFANTIS NA PROPAGANDA: CONSTRUÇÃO E DISPUTA DE SENTIDOS NOS DISCURSOS DO BANCO ITAÚ"

Transcrição

1 IMAGENS INFANTIS NA PROPAGANDA: CONSTRUÇÃO E DISPUTA DE SENTIDOS NOS DISCURSOS DO BANCO ITAÚ Introdução Pâmela Stocker 1 As organizações contemporâneas podem ser consideradas como atores sociais. Seus valores, princípios e objetivos são bem definidos e, ao mesmo tempo em que estão presentes na esfera pública, precisam do seu reconhecimento. Por isso, a busca de visibilidade e de diálogo com a sociedade passa a ser para elas uma necessidade social. Segundo Oliveira e Paula (2010) as últimas décadas do século XX e o início do século XXI são marcadas por mudanças significativas na sociedade e, consequentemente, no contexto organizacional: As organizações passam a ser estruturadoras do cenário não apenas econômico, como também social e político, assumindo vários papéis do Estado e substituindo instâncias institucionais tradicionais de grupos sociais, família e igreja, entre outros (p. 38). Por outro lado, se manifestam inúmeros discursos, nas diferentes esferas, que convivem e clamam pelo lugar de protagonista. As autoras apontam que, instaura-se assim um movimento de tensionamento entre a racionalidade do mercado, a fluidez e a presença de riscos da sociedade contemporânea (OLIVEIRA e PAULA, 2010). Neste cenário, as organizações, assim como a sociedade, deparam-se com complexas interconexões e fluxos de redes sociais, a fragmentação e o reconhecimento de contradições próprias dos processos e das interações na sociedade. Neste contexto, as relações tornam-se diluídas e difusas, confluindo para a definição de Bauman (2007) acerca de nosso tempo líquido moderno. Segundo o sociólogo polonês, (...) uma sociedade em que as condições sob as quais agem seus membros mudam num tempo mais curto que aquele necessário para a consolidação, em hábitos e rotinas, das formas de agir (...). Vive-se em tempo de risco e de incertezas (BAUMAN, 2007, p.7). Este cenário de incertezas e riscos do qual fala Bauman, dá origem ao que o autor chama de vida líquida (BAUMAN, 2007). Na vida líquida a incerteza impera como uma poderosa força individualizante, onde a idéia de interesses comuns fica 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM/UFRGS) e bolsista do CNPq. Bacharel em Jornalismo pela Universidade Feevale. E- mail:

2 ainda mais nebulosa e por fim se torna incompreensível (BAUMAN, 2008, p. 36). Diante deste cenário, as organizações são compelidas a lidar com a complexidade e a considerar demandas sociais e políticas. Surgem assim, (...) movimentos e discursos por parte de muitas organizações no sentido de se apresentarem como atores que participam e buscam se comprometer com o desenvolvimento da sociedade, para garantir, em última instância, sua sustentação e credibilidade junto à sociedade (OLIVEIRA e PAULA, 2010, p. 39). Desta forma, as organizações tendem a enfatizar valores e compromissos como a ética, o desenvolvimento humano e a autonomia dos trabalhadores, o meio ambiente, os princípios da sustentabilidade, apresentando-se como atores que participam e buscam se comprometer com o desenvolvimento da sociedade. Ao se comunicarem e fazerem-se reconhecer pelos diferentes públicos, as organizações atualizam uma espécie de aura simbólica (BALDISSERA, 2009a, p. 137), que envolve estes públicos e se realiza como poder molecular. Para o autor, isso explica as disputas por visibilidade e reconhecimento travadas por pessoas, empresas e instituições em busca de uma imagem-conceito, compreendida como (...) um construto simbólico, complexo e sintetizante, de caráter judicativo/caracterizante e provisório, realizada pela alteridade (recepção) mediante permanentes tensões dialógicas, dialéticas e recursivas, intra e entre uma diversidade de elementos-força, tais como as informações e as percepções sobre a entidade (algo/alguém), o repertório individual/social, as competências, a cultura, o imaginário, o paradigma, a psique, a história e o contexto estruturado (BALDISSERA, 2004, p. 278). A visibilidade, o reconhecimento e a própria imagem-conceito devem traduzir-se, segundo o autor, entre outras coisas, em mais poder, vendas, apoios, votos, respeito credibilidade, reputação e/ou mais lucros e acúmulo de capital (BALDISSERA, 2009a, p. 137). Dependendo da natureza da empresa e de seus pressupostos básicos, cada organização tenderá a agir em busca de alguns desses objetivos, quando não de todos. Neste trabalho, o enfoque recai para um conjunto de propagandas de uma instituição bancária que se utiliza da imagem de crianças, com circulação na mídia impressa 2 nacional no ano de Através do apelo infantil, os anúncios em questão chamam a atenção para um produto/serviço personalizado e, ao mesmo tempo, apresentam o banco como capaz de ajudar/colaborar para que os problemas do leitor/consumidor sejam resolvidos. De acordo estes anúncios, o 2 Revistas informativas brasileiras: Veja, Época, Isto É e Carta Capital.

3 banco pretende estar presente no seu mundo, entender você e suas necessidades, conhecer você profundamente por meio de um serviço especial, cujo sentido certamente não se resume em apenas um bem de consumo, mas traz a marca de uma estratégia social que pretende atingir estes públicos. É pela comunicação que os significados que constituem a cultura organizacional são postos em circulação, disputados, construídos e transformados para, novamente, experimentarem certa estabilidade (...) (BALDISSERA, 2010, p. 61). Não se trata aqui de julgar as estratégias, mas ressaltar os objetivos organizacionais presentes nestes anúncios, de modo a refletir sobre as relações entre comunicação e significação e complexificar os olhares lançados sobre os processos de comunicação nas organizações. Complexificando o discurso organizacional A partir do paradigma da complexidade (Edgar Morin), Baldissera (2009a) propõe compreender a comunicação organizacional como processo de construção e disputa de sentidos no âmbito das relações organizacionais. Para o autor, as organizações são produto e produtoras da sociedade (...) são resultado da ação sociocultural e suas construtoras (BALDISSERA, 2009a, p. 136). Em um permanente processo de (des/re) organização, os sujeitos constroem o entorno que os transforma e constroem a sociedade que os constrói. Na direção de pensar a comunicação em sua complexidade, Baldissera (2009b, p. 116) propõe pensar a comunicação organizacional em três dimensões tensionadas e interdependentes: organização comunicada, organização comunicante e organização falada. A organização comunicada é a forma mais conhecida de comunicação e refere-se à fala autorizada da empresa, aquilo que pretende transmitir sobre si mesma. A organização comunicante, por sua vez, sugere que as organizações estão sempre se comunicando, ainda que não planejada ou intencionalmente. Já a organização falada pode ser compreendida como os processos de comunicação informal indiretos, que se realizam fora do âmbito das organizações mas que dizem respeito a elas. Considerando as especificidades deste estudo, o foco se centrará na organização comunicada, já que é nesta instância que são utilizados os processos formais de comunicação, como a publicidade, para dar voz à organização de forma planejada e estratégica.

4 É importante acrescentar que, na dimensão da organização comunicada 3 (BALDISSERA, 2009b, p. 116) identificamos aquilo que a organização quer dizer de si mesma, aquilo que a organização seleciona de sua identidade para, através de processos comunicacionais, dar-lhe visibilidade. Para Baldissera (2010), de certa forma, a organização comunicada é a comunicação idealizada, aquela que externaliza o que a própria organização acredita ser ideal para cada público. Embora nem todas as organizações pensem esse processo de forma planejada e estratégica, para o autor, isso não significa que estejam desprovidas de propósitos, de intenções. Ao utilizarem as imagens de crianças em suas peças publicitárias, as organizações bancárias estão cientes que, de certo modo, estão associando seus produtos e serviços e também a sua imagem a todos os signos e significações para os quais nos remete o sujeito infantil. Conforme destaca Baldissera (idem), a organização comunicada contempla aquilo que a organização identifica como potencialidade para trazer algum tipo de retorno (satisfação pessoal, prestígio, imagem-conceito, poder simbólico, clientes etc) e, portanto, entende que mereça ser tornado público (BALDISSERA, 2010, p. 205). A associação entre imagem infantil e produtos/serviços oferecidos por essa organização bancária certamente advém de um planejamento que levou em conta os objetivos e metas da organização e, consequentemente, faz circular sentidos que contribuem na constituição da identidade organizacional. Comunicação organizacional e análise de discurso (AD) Para Oliveira e Paula (2007) os processos comunicacionais se estabelecem a partir de fluxos informacionais e relacionais da organização com os atores sociais com os quais está envolvida. Para as autoras, a publicidade atua nos fluxos informacionais, de forma planejada e articulada com outros campos do conhecimento. Importa então, analisar a propaganda de forma a estudar um gênero discursivo que manifesta práticas linguísticas (carregadas de sentidos) presentes na vida cotidiana. Compreender o discurso da propaganda é enxergá-lo além da superfície textual, é buscar o sentido na sua não-transparência, nas entrelinhas, nas estratégias de sedução, por meio do jogo entre o verbal e o não verbal, no 3 Segundo o autor, propagandas institucionais, comunicados oficiais por parte das lideranças organizacionais e todo o tipo de comunicação formal realizada pela organização está contemplada nessa dimensão.

5 diálogo com o Outro. É compreender que todo o discurso é atravessado por outros textos, outros discursos, outras formações discursivas (ORLANDI, 2007). Dessa forma, a Análise de Discurso (AD) pode ser utilizada para compreender a construção de linguagens específicas, como a organizacional, além da compreensão de fenômenos sociais complexos como o processo de formação da identidade (social e/ou organizacional). O discurso é entendido, neste trabalho, a partir de Maingueneau (1998, p.43), como o modo de apreensão da linguagem que envolve a atividade dos sujeitos inscritos em contextos determinados. Desta forma, o discurso está relacionado a (...) visões de mundo, a ideologias que, de certa forma, estabelecem como os indivíduos devem ou não agir em contextos específicos. Depende, assim, do contexto em que é produzido e das relações e contextos em que é consumido, apropriado ou compartilhado. (FILHO; CARVALHO; NASCIMENTO, 2010, p. 5). A análise de discurso tem por objetivo articular discurso, enunciador e local de enunciação. O discurso está ligado, mesmo que de maneira fragmentada, a um determinado espaço físico e temporal. Por isso, merece atenção o contexto histórico, cultural e socioeconômico no qual o discurso é produzido. Encaramos neste estudo os discursos como práticas socialmente embasadas, que apresentam, explícita ou implicitamente, as marcas da ideologia que os constitui, não sendo, portanto, neutros (SARAIVA; CARRIERI; PIMENTEL; SOUZA-RICARDO, 2009, p. 12). Sendo assim, o sujeito não tem autonomia pelo modo como o sentido se constitui no discurso. Todo o discurso traz efeitos de sentido produzidos em condições históricas determinadas, presentes no modo como se diz o que se diz. Para Gregolin (2001, p. 10), inserido na história e na memória, cada texto nasce de um permanente diálogo com outros textos; por isso, não havendo como encontrar a palavra fundadora, a origem, a fonte, os sujeitos só podem enxergar os sentidos em seu pleno voo. Desta forma, o discurso torna-se um elemento-chave para o entendimento da identidade organizacional projetada (organização comunicada), visto que oferece um determinado sistema de interpretação da realidade, que delineia certa identidade à organização. A AD configura-se assim como uma importante ferramenta para se extrair do discurso a formação ideológica que o permeia e a

6 identidade organizacional que se relaciona a ela (SARAIVA; CARRIERI; PIMENTEL; SOUZA-RICARDO, 2009, p. 18). Mais do que uma simples interpretação dos textos, a AD contribui para demonstrar as relações entre linguagem e poder, bem como entre linguagem e ideologia no âmbito das organizações. Baseando-se na interpretação social dos discursos, que se preocupa com as relações de produção de sentido, nosso interesse recai não pelo que os textos formalizam, mas por aquilo que os discursos fazem e de que são constituídos. Discursos bancários na mídia impressa Com o intuito de realizar uma reflexão e uma primeira aproximação de natureza empírica entre a comunicação organizacional e a Análise de Discurso, proponho neste estudo pensar essa relação a partir da campanha publicitária 4 do banco Itaú, mais especificamente dos serviços do Itaú Private Bank no ano de A escolha deste recorte específico se dá pelo fato de que a campanha, composta por três anúncios publicitários, circulou nas quatro principais revistas informativas do país (Veja, Isto É, Época e Carta Capital) e por ter como foco, em todas as suas peças, imagens de crianças (FIGURAS 1, 2 E 3). Importa inicialmente contextualizar os serviços Itaú Private Bank já que, conforme Orlandi (2007, p. 21) o discurso é efeito de sentidos entre locutores. Antes de adentrarmos no discurso expresso pelos anúncios publicitários propriamente ditos, é preciso conhecer quem são os interlocutores destes sentidos. O perfil do banco Itaú, segundo o seu site institucional 5, aponta para a conduta ética, a transparência, boas práticas de governança corporativa, foco na prestação de serviços financeiros e busca de rentabilidade, resultados e performance com segurança como características da organização. No que se refere ao Itaú Private Bank, o serviço é apresentado como pioneiro ao introduzir no Brasil o conceito de Wealth Management: um modelo de atendimento diferenciado, que vai além de suas necessidades bancárias do dia a dia e das opções de investimento no Brasil e no exterior. A descrição ressalta o foco no cliente e a consideração em relação aos seus objetivos e necessidades em cada fase da sua vida, propondo um 4 A campanha, composta de três anúncios publicitários, está disponível no site do banco Itaú: Acesso em 10 de agosto de Acesso em 10 de agosto de 2011.

7 portfólio único de produtos e serviços e soluções personalizadas. Talvez, mais do que a apresentação da descrição deste serviço e suas facilidades, seja significativo mencionar que para contar com a expertise e portfólio de produtos e serviços, conforme as palavras do site, e vivenciar uma gestão personalizada com uma estrutura de atendimento qualificada e totalmente dedicada é preciso possuir aplicações a partir de R$3 milhões de reais 6 e suprir as condições de elegibilidade estabelecidas pelo Banco Itaú. Dito isso, é oportuno relembrar o que diz Orlandi (2007, p. 30), ao explicar que os sentidos não estão só nas palavras, nos textos, mas na relação com a exterioridade, nas condições em que eles são produzidos e que não dependem só das intenções dos sujeitos. Dada a contextualização acima, subentende-se o público-alvo da campanha, ou seja, para quem estes discursos se dirigem, em que sentido são compartilhados e apropriados. É produtivo pensarmos ainda sobre o lugar de enunciação (as revistas informativas de grande circulação) onde estes anúncios circularam. Apenas a título de curiosidade, considerando apenas a revista Veja 7 (editora Abril), uma das revistas impressas onde o material circulou, podemos determinar que, para cada edição da revista em que o anúncio foi publicado foram investidos o que hoje seria o equivalente a mais de R$600 mil reais 8 por página de anúncio publicado. No que se refere ao perfil dos leitores da revista Veja, o site da editora Abril informa 9 que, em relação ao nível de instrução, o índice de leitores que possuem escolaridade superior/pós-graduação é 240% maior que a média da população brasileira e que, em relação a renda individual, o índice de leitores que possuem rendimentos acima de R$ 4.500,00 é 356% maior que a média da população. O perfil da publicação indica também que, dentre os leitores da revista, mais de um milhão têm crianças de até 14 anos no lar, sendo mais de 70% destes pertencentes às classes A e B A informação está presente no site do banco, no link Seja um cliente Private : Acesso em 10 de agosto de Vale lembrar que a circulação líquida da revista Veja é de exemplares, segundo informações do site da editora Abril: Acesso em 10 de agosto de Segundo informações do site da editora Abril, a tabela de preços para a revista Veja indica o valor de mais de 300 mil reais para anúncio em uma página determinada. Como todas as peças da campanha são de página dupla, estimou-se esse total. Acesso em 10 de agosto de Fonte: Estudos Marplan / EGM Consolidado AS 10 + anos - 9 mercados. 10 Fonte: Marplan consolidado Informações retiradas do site Acesso em 10 de

8 Para que possamos compreender os discursos na perspectiva da AD, devemos relacionar os diferentes processos de significação que acontecem em um texto. Unindo as informações a respeito do serviço Private Bank Itaú e o perfil da revista Veja e de seus leitores, é possível compreender as condições em que se deu a enunciação e a recepção destes discursos. Orlandi (2007) reitera que os textos individualizam como unidade um conjunto de relações significativas, já que são unidades complexas. Na compreensão da autora, todo texto é heterogêneo: quanto à natureza dos diferentes materiais simbólicos (imagem, som, grafia etc); quanto à natureza das linguagens (oral, escrita, científica, literária, narrativa, descrição etc); quanto às posições do sujeito (ORLANDI, 2007, p. 70). Neste cenário, o discurso surge como uma ação social inseparável das organizações que o produzem. O discurso é uma prática discursiva que se manifesta pelo enunciado, que é o acontecimento discursivo e o produto do ato de enunciação. O enunciado, por sua vez, só pode ser compreendido no contexto (PEREIRA; BRITO, 2009). Dito isso, podemos partir para a descrição e análise do material empírico, ou seja, o texto verbal e não-verbal presente nos anúncios publicitários citados anteriormente. Imagens infantis no discurso bancário A campanha publicitária dos serviços Itaú Private Bank foi veiculada na mídia impressa brasileira no ano de Em um primeiro olhar, chama a atenção a presença de crianças nos três anúncios publicitários da campanha; depois, a escolha do preto e branco predominante em suas fotografias. No primeiro anúncio (FIGURA 1) vemos em destaque um homem e uma criança (pai e filho) sobre uma árvore em uma cena que transmite a ideia de relaxamento e interação entre os dois personagens. A criança está no colo do seu pai, que parece estar apontando para um dos galhos da árvore e explicando alguma coisa ao menino. Ao fundo, vemos um amplo gramado e uma grande casa, num cenário depaz e tranquilidade. No segundo anúncio (FIGURA 2), novamente o cenário é um amplo gramado, mas desta vez um homem e uma criança (pai e filha) interagem em um campo de golfe. A menina está segurando o taco e seu pai parece auxiliá-la, como se estivesse lhe passando instruções. Ambos estão olhando para o horizonte, como se projetassem a trajetória que a bolinha fará para atingir o alvo. agosto de 2011.

9 Finalmente, no terceiro e último anúncio (FIGURA 3), é a vez de uma família (pai, mãe, filho e cachorro) interagir em um amplo cenário, a beira de uma praia. Mãe e filho estão dentro de uma lancha. O homem e o cachorro parecem brincar se refrescando na água rasa enquanto são observados pela mulher e pela criança. Ao fundo, vemos uma pequena ilha, em um cenário paradisíaco. Apesar das cenas descritas remeterem a momentos de lazer, relaxamento e diversão, as chamadas dos anúncios (sua parte textual) conduzem a um discurso totalmente centrado no mundo dos negócios, que atenta para a exclusividade do serviço private bank: Pense globalmente, atue localmente e faça negócios pessoalmente. Um relacionamento próximo requer objetivos em comum. Por isso, tão importante quanto ser global é ter um private banker que está presente no seu mundo. Entender você faz toda a diferença na hora de entender as suas necessidades. (Figura 1) Um dos maiores bancos do mundo. E esse é o menor dos motivos para você ser nosso cliente. Como um dos maiores bancos do mundo pode ser feito só para você? A resposta é a proximidade da nossa relação. É entender o mercado globalmente e você profundamente. Assim, você conta com a solidez de toda a nossa estrutura e com a alta performance do aconselhamento individual do seu private banker. (Figura 2) Competência para antecipar as necessidades do mercado e proximidade para antecipar as suas. Um relacionamento é tão bom quanto a qualidade das pessoas envolvidas. Conhecendo o seu valor, reunimos os melhores especialistas do mercado para cuidar do seu patrimônio. Isso é respeito por você e pelas próximas gerações da sua família. (Figura 3) Por meio do discurso presente nos textos publicitários, podemos inferir mais claramente que estes anúncios estão se dirigindo claramente para um homem de negócios global ( tão importante quanto ser global... / entender o mercado globalmente... / reunimos os melhores especialistas do mercado... ). Além disso, fica cara a postura da organização ao assumir o compromisso com a exclusividade de atendimento personalizado ( seu mundo / entender você / entender (...) você profundamente / respeito por você ) e a proximidade no atendimento ( um relacionamento próximo... / proximidade da nossa relação... / Um relacionamento é tão bom quanto a qualidade das pessoas envolvidas ) do serviço oferecido. Cabe ressaltar ainda que, apesar de todas as fotografias privilegiarem crianças, apenas o texto referente a Figura 3 cita a relação familiar em meio a um

10 discurso mercadológico (Isso é respeito por você e pelas próximas gerações da sua família). Optamos neste artigo por uma reflexão mais centrada nas imagens, no não verbal enquanto característica fundante do discurso publicitário e enquanto processo discursivo. Buscamos o entendimento de como a imagem funciona e produz sentido considerando que, no caso dos anúncios publicitários, o verbal e o não verbal estão constitutivamente imbricados. O discurso não verbal O anúncio publicitário se oferece ao leitor para um gesto de leitura/ interpretação provocado. Antes mesmo de ter acesso ao discurso textual, a primeira interpretação em relação ao anúncio se dá a partir da imagem: Ao interpretar a imagem pelo olhar e não através da palavra apreende-se a sua matéria significante em diferentes contextos. O resultado dessa interpretação é a produção de outras imagens (outros textos), produzidas pelo espectador a partir do caráter de incompletude inerente, eu diria, à linguagem verbal e não verbal. O caráter de incompletude da imagem aponta, dentre outras coisas, a sua recursividade. Quando se recorta pelo olhar um dos elementos constitutivos de uma imagem produz-se outra imagem, outro texto, sucessivamente e de forma plenamente infinita. (SOUZA apud NECKEL, s/d, p. 2) Segundo Souza (1997), a imagem possui status de linguagem, sendo, portanto, possível lê-la. A imagem também informa, comunica e se constitui em texto, em discurso. A autora sublinha que falar dos modos de significação implica falar também do trabalho de interpretação da imagem, procurando entender tanto como ela se constitui em discurso, quanto como ela vem sendo utilizada para sustentar discursos produzidos com textos verbais. Na direção apontada por Souza (idem), procuramos entender como uma imagem torna-se visível através do trabalho de interpretação e ao efeito de sentido que se institui entre a imagem e o olhar. Para ela, enquanto a leitura da palavra pede uma direcionalidade (da esquerda para a direita), a da imagem é multidirecionada, dependendo do olhar de cada "leitor". Assim, o trabalho de interpretação da imagem, como na interpretação do verbal, vai pressupor também a relação com a cultura, o social, o histórico, com a formação social dos sujeitos. Porém, mais do que isso, importa destacar para a Análise de Discursos aquilo que está implícito nas imagens. A partir da noção formulada por Ducrot

11 (1972) são previstos modos de expressão implícita, que permitem se deixar entender sem ficar clara a responsabilidade de se ter dito, ou ainda, se expressar de tal forma que a responsabilidade do dizer possa ser recusada. Assim, o não-dito (implícito) significa por referência ao que foi dito. Talvez seja correto afirmar que o implícito presente nas imagens dos anúncios aqui analisados deixa claro quem são os leitores para os quais o serviço Private Bank se destina. Afinal, quantos são os brasileiros que praticam golfe e quantos costumam passear de lancha com a sua família? O que está sendo dito, através das imagens é que existe um perfil desejável de cliente para este serviço, por meio de cenas que excluem grande da população brasileira do roll de clientes em potencial. Assim, fica demarcada a distância entre o leitor comum e o leitor que realmente poderia ser um cliente Private Bank Itaú, se quisesse. Ainda que os anúncios não restrinjam verbalmente e explicitamente o seu público-alvo, as fotografias escolhidas para a campanha sugerem quem está autorizado a desfrutar das vantagens que o serviço oferece. Alguém que, como explicita o site do banco Itaú, deve ter disponível uma quantia a partir de três milhões de reais para investir em aplicações. Percebemos que os elementos implícitos dos anúncios funcionam como índices, antecipando o desenrolar do enredo antes mesmo da leitura do texto verbal. É importante também resgatar o conceito de polifonia (DUCROT, 1980), que pressupõe que todo texto traz em sua constituição uma pluralidade de vozes que podem ser atribuídas a diferentes locutores ou a diferentes enunciadores. Essas vozes imprimem ao texto o caráter de heterogeneidade, que a Análise do Discurso tem como meta pontuar. Dentro dessa perspectiva, é que se define o dito e o nãodito (a voz implícita). Buscando analisar a imagem com mais pertinência, Souza (1995) formulou o conceito de policromia. Para a autora, as imagens também têm na sua constituição marcas de heterogeneidade - como o implícito, o silêncio, a ironia. Apesar disso, ela enfatiza que estas marcas não podem ser pensadas da mesma forma que as vozes porque analisar o não-verbal pelas categorias de análise do verbal implicaria na redução de um ao outro (SOUZA, 1997, s/p). Neste sentido, o conceito de policromia contribui para análise do discurso do não-verbal: O jogo de formas, cores, imagens, luz, sombra, etc nos remete, à semelhança das vozes no texto, a diferentes perspectivas instauradas pelo eu na e pela imagem, o que favorece não só a percepção dos movimentos no plano do sinestésico, bem como a apreensão de diferentes sentidos no

12 plano discursivo-ideológico, quando se tem a possibilidade de se interpretar uma imagem através de outra (SOUZA, 1997, s/p). A policromia revela também um conjunto de heterogeneidades que possuem uma co-relação entre si, emprestando à imagem sua identidade. Esta co-relação se realiza através da cor, do detalhe, do ângulo da câmera, de um elemento da paisagem, luz e sombra, entre outros, que trabalham a textualidade da imagem e instauram a produção de outros textos, todos não-verbais. Para Souza (1997, s/p), A interpretação do texto não-verbal se efetiva, então, por esse efeito de sentidos que se institui entre o olhar, a imagem e a possibilidade do recorte. Por isso, o discurso que se instaura pelas imagens é independente da sua relação com qualquer palavra. Retomando então a policromia dos anúncios do Banco Itaú, poderíamos inferir que a escolha do preto e branco tenha sido feita, inicialmente, com o intuito de chamar a atenção em meio às páginas coloridas das revistas onde os anúncios circularam por uma questão puramente estética: em meio a tantas cores, é o preto e branco que acaba causando mais impacto. Podemos ainda associar as fotografias monocromáticas com a noção de fotojornalismo, o que confere veracidade ou dramaticidade às cenas capturadas. É possível também relacionar a escolha com a ideia de um registro fotográfico memorável de cenas, lugares e pessoas importantes. A escolha de lugares amplos e ao ar livre como cenário dos três anúncios também denota uma sensação de liberdade, de amplitude de escolhas frente a imensidão do mundo. O fato de as três fotografias retratarem momentos de lazer, relaxamento e descontração também permite associar o serviço oferecido pelo banco com coisas positivas, como se o fato de ser cliente do Itaú Private Bank fosse um facilitador ou determinante para que tais cenas possam ocorrer/continuar ocorrendo. A escolha por imagens de crianças, por sua vez, não se dá por acaso. Elas chamam a nossa atenção e nos sensibilizam, seja para mercadorias, consumo, estilos de vida ou valores. Cabe relembrar aqui Oliveira e Paula (2010, p. 46) que destacam que a comunicação é um processo constituinte e instituinte dos processos estratégicos organizacionais. As autoras destacam, na perspectiva da estratégia como prática, a concepção de estratégia como atividade que se realiza na interação entre pessoas.

13 Considera-se assim que, no âmbito das organizações, uma estratégia de comunicação diz respeito a necessidades e oportunidades por elas identificadas no sentido de orientar suas interações com a sociedade, bem como apresentar publicamente posicionamentos sobre questões relacionadas à sua atuação. (OLIVEIRA; PAULA, 2010, p.46) A escolha por retratar cenas de interação entre adultos e crianças em todas as peças da campanha remete a uma ideia de preocupação com o futuro e solidez de relações. O banco se propõe, no anúncio 3, a cuidar do seu patrimônio em respeito as próximas gerações da sua família, associando verbalmente o serviço oferecido com a concepção de um futuro mais estável e seguro. Nos outros anúncios, apesar do texto não remeter explicitamente a isso, temos as imagens que de certa forma apelam para a responsabilidade de garantir um futuro de tranquilidade e segurança para os pequenos. Num tempo de incertezas e laços cada vez mais frágeis as crianças são o pouco de estabilidade que resta. Pode-se não saber muito a respeito do futuro em um mundo líquido-moderno (BAUMAN, 2007) em constante mudança, mas a solidez da relação pai e filho e a dose de responsabilidade que ela traz consigo é uma das poucas certezas que se pode ter. Aponto em minha monografia 11 que talvez sejam as imagens infantis o último reduto de comunidade, o último apelo que nos sensibiliza além de nosso individualismo programado, de nossas incertezas e inseguranças. É este apelo infantil que é utilizado pelas organizações como força em interação com os sujeitos (neste caso, comunidade/consumidores/leitores). Considerações finais Retomando o conceito de Baldissera (2004) e pensando a comunicação como processo de construção e disputa de sentidos, fica claro que, no caso de nosso estudo, o conjunto de propagandas do banco Itaú está comunicando e fazendo circular certos sentidos sobre a instituição bancária e do serviço que oferece. Se tanto a sociedade quanto a organização pode ser entendidas como rede, tendo a comunicação como sua possibilidade de existência e processo 11 STOCKER, Pâmela. A criança na mídia impressa brasileira:imagens infantis nas revistas Veja, Isto É, Época e Carta Capital. Monografia de conclusão de curso (jornalismo). Universidade Feevale, 2010.

14 dinamizador, cabe lembrar que circulam na sociedade significados comumente atribuídos a infância que estão sendo retomados e ressignificados pelo banco Itaú. Essa significação, ao ser comunicada, tem seus sentidos reconstruídos e disputados. Nesse processo, de acordo com Baldissera (2010, p. 69), os sujeitos não apenas acionam as teias de significação (cultura) de que são portadores e as quais estão presos, mas também os seus imaginários, suas subjetividades, sua forma de perceber e atribuir sentido ao mundo. Nesta direção, recordo que, culturalmente, na sociedade ocidental, os infantes estão ligados a ideia de pureza, ingenuidade e bondade, seres humanos ainda incapazes/ incompletos, que necessitam de proteção e cuidado. Produzimos constantemente verdades e investimos poderes na constituição da identidadecriança. Ao associar imagens de crianças aos seus produtos e serviços, a organização reforça a construção cultural de significados a respeito da infância ao mesmo tempo em que os ressignifica. Ou seja, o banco utilizou esta imagem culturalmente consolidada de infância em prol dos seus objetivos ao mesmo tempo em que, utilizando-a, reforçou essa imagem. Por isso dizemos que a organização interpela a cultura e é por ela interpelada. Por meio da Análise de Discursos da campanha publicitária e do site institucional, percebemos que intuito do banco Itaú é, primeiramente, apresentar o serviço Private Bank como algo exclusivo e personalizado, claramente destinado a homens globais de negócios ligados ao mercado financeiro. Porém, a associação do produto com a infância humaniza e consolida a imagem da instituição bancária como preocupada com o futuro e a vida pessoal dos seus clientes, e não apenas com o cunho mercadológico dessa relação. Essa estratégia social mostra-se especialmente eficaz na contemporaneidade, já que vivemos em um mundo líquido-moderno (BAUMAN, 2007), como já ressaltamos no início deste texto. Numa sociedade cada vez mais competitiva e individualista, a organização consolida-se não apenas de prestadora de serviços, mas como portadora de uma aura simbólica de valores e compromisso com o bem-estar e desenvolvimento humano dos seus clientes. Referências BALDISSERA, Rudimar. A teoria da complexidade e novas perspectivas para os estudos de comunicação organizacional. In KUNSCH, Margarida M. K. (org.). Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processos. Vol.1. São Paulo: Saraiva, 2009a.

15 . Comunicação organizacional na perspectiva da complexidade. In: Organicom: Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas. Ano 6, ed. especial, n.10/11 (2009b), São Paulo: Gestcorp-ECA-USP, Abrapcorp, 2009b.. Batista, Daniela. Entre a organização comunicada e a falada : a comunicação organizacional da empresa Tramontina C.B. S/A. In: Revista Iniciacom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Vol. 2, Nº 2, Imagem-conceito: anterior à comunicação, um lugar de significação. Porto Alegre: Tese (Doutorado em Comunicação Social) PUCRS. BALDISSERA, Rudimar. Organizações como complexus de diálogos, subjetividades e significação. In: Margarida Maria Krohling Kunsch. (Org.). A comunicação como fator de humanização das organizações. 1 ed. São Caetano do Sul - SP, 2010, v. 3, p BAUMAN, Zygmunt. Vida Líquida; tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp CARRIERI, A.; SARAIVA, L.; PIMENTEL, T.; SOUZA-RICARDO, P.(orgs). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, FILHO, B.; CARVALHO, R.; NASCIMENTO, I. Produção e análise de discursos organizacionais investindo em comunicação interna. In: Lumina Revista do Programa de Pós-graduação em Comunicação - Universidade Federal de Juiz de Fora / UFJF. Vol.4 nº2 dezembro 2010 OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida de. Interações na Contemporaneidade e mudanças paradigmáticas: organização, comunicação. e estratégias. In: FISEC-Estrategias - Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad Nacional de Lomas de Zamora. Año V, Número 14, V1, pp OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida de. O que é comunicação estratégica nas organizações? São Paulo: Paulus, ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, PEREIRA, M.; BRITO, M. A análise do discurso como prática e processo de produção de sentidos: proposta teórico-metodológica. In: CARRIERI, A.; SARAIVA, L.; PIMENTEL, T.; SOUZA-RICARDO, P.(orgs). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, MAINGUENEAU, D. Termos-chave da análise do discurso. Tradução Márcio Venício Barbosa; Maria Emília. Belo Horizonte: Editora UFMG, NECKEL, N. Análise de discurso e o discurso artístico. Disponível em Acesso em agosto de PINTO, M.J. Comunicação e discurso. São Paulo: Hacker Editores, SOUZA, Tânia C. Clemente. Discurso e Imagem: perspectivas de análise do não verbal. Comunicação apresentada no 2º Colóquio Latinoamericano de Analistas Del Discurso, La Plata e Buenos Aires, agosto/1997. Disponível em: Acesso em agosto de 2011.

16 FIGURA 1 FIGURA 2 FIGURA 3

Publicidade organizacional na revista Veja: discursos bancários dos últimos 40 anos 1

Publicidade organizacional na revista Veja: discursos bancários dos últimos 40 anos 1 Publicidade organizacional na revista Veja: discursos bancários dos últimos 40 anos 1 Pâmela Stocker 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre - RS RESUMO Este estudo exploratório aborda

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade

A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade 313 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS A comunicação organizacional de cooperativas de economia solidária: um processo através do olhar da complexidade Aluno: Caroline Delevati Colpo, Cleusa

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Nesta tese, analisei os discursos e as práticas que materializam a condição social das crianças, das professoras e da Educação Infantil no município de Belo Horizonte. Propus conhecer

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL 381 A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL Andréia Nogueira Ferreira UNIFRAN Mª Silvia Olivi Louzada UNIFRAN O universo do discurso engloba os

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Projeto de pesquisa apresentado para o Programa de Pós Graduação em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora

Projeto de pesquisa apresentado para o Programa de Pós Graduação em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora Projeto de pesquisa apresentado para o Programa de Pós Graduação em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora O COMPORTAMENTO CONSUMIDOR NAS MÍDIAS DIGITAIS: UM ESTUDO SOBRE GENEALOGIA DO PODER

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L ! M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L COMUNICAÇÃO INTERNA E IDENTIDADE NA ORGANIZAÇÕES ISABELA PIMENTEL Capítulo 1 Memória: usos e abusos A memória é mais uma ferramenta da comunicação corporativa, cujo

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1 O MOO E ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIAES A NOVA SCHIN 1 Graciele Silva REZENE (UFMG) 2 Renato de MELLO (UFMG) 3 RESUMO: Neste artigo, analisamos como o anunciante utiliza o modo enunciativo nas publicidades

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

update MARKETING UD09001-MARKETING EMPRESARIAL Por Paulo Vieira de Castro

update MARKETING UD09001-MARKETING EMPRESARIAL Por Paulo Vieira de Castro - EMPRESARIAL A NOVA GESTÃO DA INFLUÊNCIA Com a ascensão dos poderes informais na sociedade contemporânea, a engenharia relacional passa a ocupar lugar de destaque nas organizações para reverter seu déficit

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas?

Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Você deseja ter habilidade para dar entrevistas a jornalistas? Aprimore sua capacidade de dar entrevistas para a imprensa Garanta a imagem pessoal/profissional positiva e a boa reputação O Treinamento

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1

RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 RELAÇÕES PÚBLICAS E MARKETING? EIS A QUESTÃO. NA FACULDADE E NO MERCADO DE TRABALHO 1 Jeaine Cardoso Soares 2 Resumo Parafraseando a célebre indagação Shakespeariana: Ser ou não ser, eis a questão e aproveitando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais